Está en la página 1de 10

NÃO FALO PORTUGUÊS

Daniel Samper

A diferencia de la mayoría de las personas - que entienden idiomas pero no los


hablan - a mí me sucede con el portugués que lo hablo pero no lo entiendo. Es decir,
aprendí la música pero me falta la letra. Y como saben que adoro Brasil, aunque nos haya
secuestrado a Amparito Grisales, mis amigos me aconsejaron que tomara unas clases
particulares para aprenderlo como Deus manda. Yo precisaba tomar clases. Sin embargo,
para salir de dudas, resolví preguntárselo a Norma Ramos, una buena amiga brasileña con
la que me encontré cierto día en que ambos almorzábamos en una churrasquería rodizio.

- Norma, dime la verdad. Siendo el portugués un dialecto derivado del español, tú crees
que necesito tomar clases de portugués? - le pregunté con el mejor portugués que fui
capaz.
- Al fondo a la derecha - me contestó Norma, y siguió comiendo.

Fue una experiencia terrible. Allí mismo decidí que no sólo iba a tomar clases de
portugués, sino que Norma tendría que ser mi profesora. Ella que es puro corazón y
mechas rubias aceptó con resignación misericordiosa. Y como le insistiera que me hablase
en portugués todo el tiempo, me dijo que desde el lunes nos sentaríamos a estudiar dentro
de su escritório. Me pareció bastante estrecho el lugar, pero llegué ese lunes decidido a
todo.+

Yo creía que el portugués era el idioma más fácil del mundo. Pero la primera
lección que saqué es que resulta peligrosísimo justamente por lo que uno cree que se trata
tan sólo de español deshuesado. Escritório no quiere decir escritorio, sino oficina; en
cambio, oficina quiere decir taller, y talher significa cubiertos de mesa. No me atrevía a
preguntar a Norma cómo se dice escritorio (nuestro tradicional escritorio de cajones y
bade, en el caso de gerentes de medio pelo); pero ella, que es tan inteligente, lo adivinó en
mis ojos aterrados "Escritorio se dice escrivaninha", observó Norma. "Escriba niña?",
comenté desconcertado. "Así le decimos a las secretarias". Norma sonrió con
benevolencia.

Le pedí que decretáramos un rato de descanso "Un rato en portugués es ratón",


respondió inflexible. "Fíjate lo que me pasa por hablar como un loro", traté de
disculparme. "Un louro en portugués es un rubio", dijo ella. "Y rubio seguramente se dirá
papagayo", comenté yo tratando de hacer un chiste. Glacial, Norma aclaró:
- Ruivo es pelirrojo, y Papagaio es loro.+
- Perdóname, Norma, pero es que yo hablo mucha basura.
- Vassoura no. Lixo. Vassoura quiere decir escoba.
- Y escoba significa ...?
- Escova significa cepillo.

Era suficiente para el primer día. A la siguiente lección regresé dispuesto a


cometer la menor cantidad posible de errores. Le rogué a Norma que me regalara un tinto,
a fin de empezar con la cabeza despejada. Me trajo de café brasileño, a pesar de lo cual
quise ser amable y dije que lo encontraba exquisito.
- No veo por qué te desagrada - me contestó ella
- Al contrario: lo encuentro exquisito - insistí yo, sin saber que ya había cometido el
primer error del día.

"Esquisito quiere decir, en portugués, desagradable, extraño". Suspiró Norma.


Confundido, le eché la culpa a la olla. "La Panela", corrigió Norma. "No lo noté
endulzado" comenté yo. "La panela, en portugués, es la olla", dijo Norma. " Y olla no
quiere decir nada?", pregunté yo. "Olha quiere decir mira", contestó ella. "Supongo que
tendrán alguna palabra para panela", me atreví a decir, “panela se dice rapadura",
sentenció Norma. No quise preguntar cómo llamaban a la raspadura. Simplemente le dije
que salía un segundo al baño y sólo volví una semana más tarde.

Norma estaba allí, en su escritório (en su panela? en su lixo?), esperándome con


infinita paciencia. Siempre en portugués, le pedí perdón y le dije que me tenía tan
abrumado el portugués, que ya no me acordaba ni de mi apellido. "De su sobrenome,
dirá", comentó ella: "apelido quiere decir apodo". Intenté sonreír. "Trataré de no ser tan
torpe". Dijo Norma "no exagere: torpe es infame; inábil sí es torpe". Con ese nuevo desliz
se me subió la temperatura. Quise tomar un vaso de agua ("vaso es florero - corrigió ella;
copo es vaso y floco es copo") y me justifiqué diciendo que el viaje hasta su escritório
había sido largo, porque venía de una finca. "Comprido, no largo; sítio no finca," dijo
Norma. "Largo quiere decir ancho, así como salsa significa perejil y molho significa
salsa.

Me di por vencido. Acepté que el portugués era un idioma difícil y entonces sí se


le iluminaron los ojos a Norma. La cuestión era de orgullo. De ahí en adelante no me
regañó sino que me mostró todas las diferencias entre palabras homófonas de los dos
idiomas. Costoso se dice Caro, porque custoso es difícil; morado se dice roxo, porque
rojo se dice vermelho, escenario se dice palco, porque palco es camarote; cadeira no es
cadera, sino asiento; bilhete no es billete sino nota, pero en cambio nota si quiere decir
billete; maluco es loco y caprichosa es limpia; distinto es distinguido y presunto es
jamón.

"Pero - remató Norma - sobretodo, nunca vas a decir buseta en el Brasil, porque
buceta en realidad es cuca y cuca quiere decir cabeza, de manera que esta última, aunque
no la puedes decir en Cuba, si puedes mencionarla en el Brasil".

Era demasiado. Pedí permiso para no volver nunca a clases de portugués, el idioma
más difícil del mundo. Norma preguntó por qué.

- La verdad, Norminha estoy "mamao"...


- Mamão, no - corrigió Norma antes de que yo huyera para siempre; esgotado. Mamão
quiere decir papaya. Pero no vas a decirlo nunca en Cuba.

(SAMPER P, Daniel. Postre de Notas. Plaza & Janés. Colômbia, Bogotá:1986)


N – eni Não

Alfabeto Português O–o Ontem

A–a Amazônia P – pê Pelé

B – bê Brasil Q – quê Quindim, Quero

C – cê Carnaval R – eji Rio

D – dê Dólar S – essi Samba

E–e Escola

F – efi Futebol

G – yê Garota, Geraldo
T – tê Tropical
H – agá Hoje
U–u União
I–i Ipanema
V – vê Verde
J – yota João
X – shis Xuxa
L – eli Liberdade
Z – zê Zero
M – emi Maracanã
Códigos Básicos

Ficha de dados pessoais


Dicas de fonética

1) Quando a vogal E estiver no final das palavras será pronunciada como [i]. Por
exemplo: alface, creme, doce, alegre, Alice.

- A salada de alface está muito gostosa.


- O nome da irmã dele é Alice.
- Porto Alegre é a capital do Rio Grande do Sul.
- Liliane comprou doce de côco para Simone.

No entanto, se essa vogal for acentuada, a pronúncia será diferente: pé, você, café.

- Érica quebrou o pé.


- O Brasil e a Colômbia exportam café.
- Ele é como São Tomé, tem que ver para crer.
2) Quando a vogal O estiver no final das palavras será pronunciada como [u]. Por
exemplo: conto, século, fato, prato, gato.

- Os contos de Monteiro Lobato são muito famosos no Brasil.


- O gato pulou no colo do Gustavo.
- O barco chegou a Porto Seguro.

No entanto, se essa vogal for acentuada, a pronúncia será diferente: pó, jiló,
carimbó1*, cipó, dó.

- Há muito pó nos móveis.


- Maceió é a capital do estado de Alagoas.
- Regina deu um nó no cadarço do seu tênis.
- Os doces da vovó são deliciosos.

3) A letra L no final das sílabas é pronunciada como [u]: Brasil, Sol, Calma, Selva.

- Gabriel tem uma irmã que se chama Isabel.


- No Brasil, fala-se português de norte a sul.
- Cláudia é muito calma.

1
* Dança de roda do litoral paraense.
- O sal prejudica a saúde.

4) A nasalização corrresponde aos casos em que uma vogal é precedida por uma
consoante nasal [m, n] -na mesma sílaba- ou vogais que levem o acento til (~).Nesses
casos, ocorre o som nasal em qualquer sotaque (acento) do PB, como nas palavras:
- A janta vai ser amanhã.
- Quem conta um conto aumenta um ponto.
- Quem canta seus males espanta.
- Devagar se vai ao longe.

A nasalidade ocorre quando uma vogal é seguida por uma das consoantes nasais [m, n] em
sílabas diferentes. A produção ou não da nasalidade nesses casos varia de região para
região do Brasil. As variantes nordestinas parecem preferir a nasalidade, não notamos a
ocorrência da nasalidade nas variantes paulistas.

- Preciso de um pano para limpar a cama.


- Estou com fome. Quero comer uma banana.

5) R quando é simples, intervocálico, tem o mesmo valor fonético do espanhol. Por


exemplo: caro, coroa, barata, raro.

Quando o R é inicial ou duplo é velar; ou seja, é semelhante ao j em espanhol: Rio de


Janeiro, amarra, arrumar, jarra, Roberto, rua.

- O seu carro custou muito caro?


- Qual é a raça do cachorro do Rui?
- Roberta já ralou o queijo.
- A palavra “arroio” significa o mesmo que “regato” e “riacho”.

O R no final das palavras, também tem um som gutural nas variantes do Rio de Janeiro,
Minas Gerais, variantes do nordeste e norte do país.

Por exemplo: Mar, ar, lar, par, comprar, fazer, abrir.

- Artur será o par da Rosana na quadrilha.


- Não adianta chorar sobre o leite derramado.
- Esperar é a virtude do forte.

Entretanto, nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo, o r final é
pronunciado como no espanhol.
6) Z é um som fricativo forte, igual ao Z em inglês: zero, azeite, cozinha, zebra.
- A zebra é de origem africana.
- Este foi o rapaz que acendeu a luz.
- Você já tirou zero em algum exame?
- O número treze é signo de azar para muitas pessoas.

7) A cedilha é um sinal gráfico (¸) que acompanha a letra C (ç), utilizado antes das
vogais A, O, U. Sua pronúncia é similar à pronúncia de [s] em espanhol.
Exemplos: canção, ação, açougue, esperança

- Marly visitou Foz do Iguaçu.


- O Brasil exporta aço.
- O açafrão é um tempero utilizado na culinária brasileira.

8) S inicial é pronunciado da mesma forma que em espanhol: sítio, sola, susto.

No entanto, o S simples intervocálico tem o som de [z]: asa, Casa, música, tesoura,
blusa.

- Sua casa é grande?


- Você já viu minha blusa azul?

O SS intervocálico é suave, igual ao som do ç: passeio, assunto, açúcar, aço, caça.

- Sua faca é de aço?


- Vamos passear na avenida agora.
- Você gosta de frango assado?

● Na variante do Rio de Janeiro, o S final é pronunciado como SH.

Os dígrafos são duas letras que unidas representam um só valor fonético.


Exemplos: LH - li, NH - ñ, CH - sh : folha, ninho, cheiro.

- Os olhos da Márcia são azuis.


- Você viu o ninho do sabiá na mangueira?
- Edmundo acha que hoje vai chover.

9) A letra X pode ser pronunciada de 4 maneiras diferentes:

10.1) No início de palavra e depois de N tem som de /ch/.

Por exemplo: xícara, xarope, enxada, enxame, enxaqueca, enxaguar, enxugar,


enxergar, xará, etc.

- Na fazenda houve um enxame de abelhas.


- Não há cura para a enxaqueca.
- Alexandre não gosta de tomar xarope.
- Cláudia tem muitas xarás.

10.2) No final de palavra tem som de /ks/.

Por exemplo: xerox, tórax, látex, fax.

- Tiraremos xerox desta apostila.


- O látex é extraído da seringueira.
- Envie seus documentos via fax.

10.3) No final de sílaba tem som de [s].

Por exemplo: excursão, excluir, experiência, expressão, extraordinário,


extravagante, extra, sexto, texto.

- Exclua alguns nomes desta lista.


- Ela é muito extravagante.
- Este texto está mal redigido.

10.4) Quando o X for intervocálico, poderá ter quatro pronúncias:

a) Com som de [z].

Por exemplo: exagero, executar, exemplo.

- Zélia é exagerada.
- No Brasil há muito êxodo rural.
- Estamos nos preparando para o exame CELPE-Bras.

b) Som de /ch/. Por exemplo: taxa, lixo, luxo, mexer, eixo, bruxa, baixo, caixa, peixe,
ameixa, paixão, queixo, deixar, México, etc.

- Você gosta de ameixa?


- Milton sabe preparar peixe à baiana.
- Edgar gosta de luxo.

c) Som de /ks/. Por exemplo: fixo, táxi, fluxo, oxigênio, tóxico, nexo, axila, axioma,
maxilar, reflexo, complexo, sexo, flexão.

- O senhor veio de ônibus ou de táxi?


- O preço da passagem é fixo.
- Oscar viu os reflexos da lua no lago.

d) Som de [s]. Por exemplo: máximo, próximo, trouxe, etc.

- A Mariane trouxe todos os cadernos hoje.


- Camila acha o Marcelo o máximo.
- Na próxima semana, estaremos de férias.

11) As letras T+ i serão pronunciadas como o som do /chi/ em espanhol: tio, tímido,
martírio, artigo, mentira.

- O tio do Thiago é muito inteligente.


- Matilde é tímida.
- A mentira tem perna curta.

11.1) As letras T + e ou + es nas sílabas finais também serão pronunciadas como o som
do /chi/ em espanhol: Durante, antes, pente, dente, leite.

- Gosto de beber leite quente.


- A ponte de Boyacá é um monumento histórico colombiano.
- Sempre há muitos visitantes nos museus.

12) As letras D + i serão pronunciadas como /yi/ em espanhol: dicas, adivinhe, adiar.
- Diana já aprendeu todas as dicas de fonética.
- O diamante é uma pedra invejável.
- Nem sempre o dinheiro traz felicidade.

12.1) As letras D + e ou + es serão pronunciadas como /yi/ em espanhol apenas no final


de palavras: Universidade, Andes, Onde.

- Eu não sei de onde ela vem.


- Meu dente de ouro vale uma nota.
- A Universidade de São Paulo é considerada uma das melhores do Brasil.

13) Todas as palavras que em espanhol terminam em -ción, (canción, emoción) em


português terminam em -ção (canção, emoção).

- Ela não gostou muito desta canção.


- Quanta emoção foi ver você de novo!
- Meu coração bate forte toda vez que te vejo.

14) Todas as palavras que em espanhol terminam em -aje e são masculinas (viaje),
em português terminam em -agem e são femininas (viagem).

- A viagem de volta foi muito longa.


- Que linda paisagem há por essa região!
- Preciso arrumar a minha garagem, está imunda.
- O guerreiro é a personagem2* mais expressiva do quadro.

2
* A palavra personagem aceita tanto o feminino (a personagem), como o masculino (o personagem).

También podría gustarte