Está en la página 1de 43

ANAMNESE

WM
WM

Medicina: é considerada arte e ciência.
• A arte consiste no exame do doente para a verificação
do mal que o aflige, e a aplicação do medicamento
adequado a fim de curá-lo ou aliviá-lo.

• A ciência, aproveita-se dos fatos observados e
catalogados pelo médico, e investiga os meios de
esclarecê-los, e interpretá-los, a fim de tornar mais
segura e eficiente a aplicação dos métodos na arte
médica.
Walter Edgard Maffei
WM

FUNDAMENTOS DA MEDICINA
Clínica Médica

Observação médica do doente
 Anamnese • Diagnóstico :  Terapêutica :
 Exames: • sindrômico funcional;  clínica ou cirúrgica

 físico geral;
• etiológico ;  Prognóstico
 físico especial;
• anatômico ;
 complementares. • provavél;
• certeza;
• diferencial;
• definitivo.
WM

CLÍNICA PROPEDÊUTICA MÉDICA
(kliniko: cama pró: antes paidevo: ensinar medein: cuidar de )

EVOLUÇÃO DO MÉTODO CLÍNICO

• HIPÓCRATES

}
• Anamnese
• Inspeção .............................................................................. 460 / 356 a.c.
• Palpação

• SANTÓRIO
• Termômetro clínico ...................................................................................1561/1636

• AUENBRUGGER
• Percussão ..........................................................................................................1761

• LAENNEC
• Ausculta ............................................................................................................ 1816

WM

1890-1930 WM ... CLÍNICA PROPEDÊUTICA MÉDICA (kliniko: cama pró: antes paidevo: ensinar medein: cuidar de ) EVOLUÇÃO DO MÉTODO CLÍNICO • SKODA • Correlação exame físico com a necrópsia.............................. 1839 • RUETE/HELMHOLTZ • Oftalmoscópio • von BASCH/ RIVA ROCCI } ............................................................................1905 • FREUD • Psicanálise .................................................................................A..............................................1896 • KOROTKOFF • Sons para H.......................... ..............................................................1851-1852 • Esfigmomanômetro .................................................................................

1958 Computação eletrônica von Neuman 1940/1950 Termografia ? 1950/1960 Ultra-sonografia ? 1960/1970 Ressonância nuclear ? 1980 WM .Schindler 1932 Cintilógrafo (iodo radioativo) 1940 Fibroscópio Hirschowitz e col.Marie Curie 1890/1930 Eletroencefalógrafo Hans Berger 1924 Gastroscópio semiflexível Wolf . EVOLUÇÃO DOS EXAMES COMPLEMENTARES Esfregaço sangüíneo Virchow 1858 Bacterioscopia Pasteur .Kock 1880/1890 Bioquímica do sangue Salkowski 1874/1893 Raio X Roentgen 1895 Eletrocardiógrafo Einthoven 1902/1906 Radioatividade Pierre .

Esquema Geral de Observação Clínica VALOR PROPEDÊUTICO DA ANAMNESE 10% 10% 80% 1 Anamnese 2 Exame Físico 3 Exames Complementares WM .

• Não mercantilista. • Serenidade. atenção. humildade. sobriedade. respeito. WM . seriedade. ATO MÉDICO Atitudes úteis e produtivas • Demonstração de segurança com autoridade. carinho. • Médico “amigo”. • Honestidade científica. profissional. • Capacidade de dar amor : consideração.

etc. WM . tontura. má digestão.Sintoma Sensação subjetiva anormal sentida pelo paciente e não visualizada pelo médico. Ex: dor.

percussão. Ex: tosse. WM . palpação. cianose e etc. vômitos.Sinal Dado objetivo que pode ser notado pelo médico mediante a inspeção. ausculta ou evidenciando por meios subsidiários. edema.

Síndrome Conjunto de sintomas e ou sinais que ocorrem associadamente e que podem ser determinados por diferentes causas. WM .

de valor para se reconhecer as dimensões do espaço diagnóstico . WM .as circunstâncias.o paciente . ANAMNESE ( ana: duas vezes mnesis:lembrar ) Conjunto de informações recolhidas sobre fatos de interesse médico. que dizem respeito à vida de um determinado paciente.a moléstia .

nenhum se aproxima em valor do uso hábil da palavra falada . Em toda a medicina. Entre todos os meios de auxílio técnico que aumentam o poder de observação.as palavras do médico e as palavras do paciente. na verdade tão complexa: a obtenção da anamnese inclui análise e interpretação. e exige a mais alta qualificação da capacidade médica. WM . 1955. o uso de palavras é ainda a principal técnica diagnóstica. tão aparentemente simples.” Bird. ANAMNESE “ De tal maneira criadora de discernimento.

WM .ANAMNESE O componente básico é a capacidade e a habilidade de colher dados que alimentarão o raciocínio lógico.

Cumprimentar o paciente e estabelecer um vínculo. Estágios da Anamnese 1. 3. Convidar o paciente a contar sua história. Definir uma programação para a anamnese. 4. 5. Criar uma compreensão comuns dos problemas 6. WM . 2. Gerar e testar hipóteses sobre a natureza dos problemas mediante a expansão e o esclarecimento da história do paciente. Planejar o acompanhamento e concluir a anamnese.

Princípios Básicos para obtenção da Anamnese • Motivação para ouvir o paciente • Consciência da importância da anamnese • Interesse genuíno pelo paciente • Evitar interrupções e distrações • Dispor de tempo para ouvir o paciente • Não desvalorizar precocemente informações • Não demonstrar sentimentos desfavoráveis: • Impaciência • Irritação • Desprezo •Tristeza WM .

Princípios Básicos da Obtenção da Anamnese • Não opinar sobre assuntos estranhos à moléstia • Religião • Sentimentos • Política • Moral • Negócios • Comportamento • Profissão • Saber interrogar o paciente • Possuir conhecimentos teóricos sobre as moléstias • Etiopatogenia • Fisiopatologia • Observar o comportamento do paciente • Captar mensagens não verbais WM .

D. •História Psicossocial • Interrogatório sobre os Diferentes Aparelhos . Esquema Geral de Observação Clínica ANAMNESE • Identificação •Fonte da história e confiabilidade das informações • Queixa e Duração . D. P.A. F. •História da Moléstia Atual . WM .A. •Hábitos e Vícios .Q. • Antecedentes Pessoais . A. V.H. A. •Antecedentes Familiares.H.M.I.

Esquema Geral de Observação Clínica ANAMNESE Identificação • Nome • Naturalidade • Idade • Nacionalidade • Raça (Cor) • Profissão atual • Sexo e Gênero • Profissão anterior • Estado Civil • Procedência •Religião • Residência WM .

WM . Fonte da história e confiabilidade das informações • Anotar qual informante da história. • Caso informante não seja o próprio paciente anotar grau de parentesco e convivência (se reside com o paciente).

• DEVERÁ SER ESCRITO COM AS PRÓPRIAS PALAVRAS DO PACIENTE. Esquema Geral de Observação Clínica ANAMNESE QUEIXA PRINCIPAL E DURAÇÃO : ( Q. ) • RAZÕES QUE LEVARAM O PACIENTE À PROCURAR O MÉDICO E A QUANTO TEMPO. D. EVITANDO EXPRESSÕES GROSSEIRAS. WM . • NEM SEMPRE EXPRESSA O PRINCIPAL DISTÚRBIO QUE O PACIENTE APRESENTA.

os sintomas de que se queixa. deixar o paciente relatar.SIC . (ANAMNESE PASSIVA ).A.) REGRAS PRÁTICAS 1ª-Tanto quanto possível.colocado entre parênteses.M. Esquema Geral de Observação Clínica História da Moléstia Atua: (H. e tão somente essas.As expressões que contenham um significado importante. com as próprias palavras e expressões. porém deverá ser transcritas já em termos médicos 2ª. serão colocadas entre aspas. WM . ou seguidas do termo latino .

A. e suas durações.com períodos assintomáticos. WM . REGRAS PRÁTICAS 3ª .M. Esquema Geral de Observação Clínica História da Moléstia Atual : H.Os sintomas deverão ser sempre referidos afirmando ou negando todos os seus caracteres: • início. ou ambas o provocaram. • evolução contínua ou descontínua. relação com a função do órgão cuja alteração funcional ou anatômica . duração.

afirmando ou negando todos os seus caracteres: • fenômenos ou outros sintomas que melhoram. ou pioram.A. • repercussão sobre o estado nutricional ou psicológico.M. • relatar a ausência de sintomas concernentes às alterações do órgão ou sistema em questão.Os sintomas deverão ser sempre referidos.ou simplesmente acompanham o sintoma principal. WM . REGRAS PRÁTICAS 3ª . Esquema Geral de Observação Clínica História da Moléstia Atual : H. • referir passado do órgão ou sistema acometido.

feitos ou comunicados pelos pacientes. WM .Sintomas que não se relacionam com a doença atual e que deverão dividir a HPMA em duas ou mais partes. anatômicos ou funcionais.A. 5ª .A HPMA poderá ser auxiliada por elementos familiares. salvo exceções. diagnósticos clínicos.Não aceitar. Esquema Geral de Observação Clínica História da Moléstia Atual : H. 6ª .M. REGRAS PRÁTICAS 4ª .

Esquema Geral de Observação Clínica História da Moléstia Atual : H. REGRAS PRÁTICAS 7ª . da inteligência. séria. Observar o tipo constitucional: • usar expressões ao nível de instrução. aumentando o estado de insegurança do paciente. quando houver. WM . 8ª . e para isso sempre interrogar. os tratamentos já feitos.Referir.M. os medicamentos e os seus resultados. • não dar tom emocional à pergunta.Maneira de interrogar: afetiva.A. e da cultura do paciente. sóbria e atenciosa.

A.Referir a impressão sobre a fidelidade das informações no final da HPMA. Esquema Geral de Observação Clínica História da Moléstia Atual : H. 10ª . REGRAS PRÁTICAS 9ª .Referência positiva ou negativa aos elementos etiológicos.M. WM .

MEIO E FIM. DEVERÁ TER INÍCIO.A HMA É UMA HISTÓRIA E COMO TAL. WM .

• Antecedentes fisiológicos: • Condições de nascimento • Desenvolvimento(dentição.puberdade.características menstruais.P.Esquema Geral de Observação Clínica Antecedentes Pessoais .A.sexualidade. andar.menarca.falar. gestações) • Antecedentes patológicos ou mórbido: • Doenças da infância e da vida adulta( pneumonia) • Passado venéreo • Alergias • Cirurgias • Traumas • Doenças endêmicas e epidêmicas WM .

Antecedentes pessoais Antecedentes imunológicos: Vacinas na infância Vacinas nas campanhas (febre amarela.gripe) WM .

• idade adulta.Esquema Geral de Observação Clínica HÁBITOS E VÍCIOS • Higiene Física : • asseio corpóreo. • criação na infância puberdade. WM . • juventude. • Higiene Mental : • condições de criação.

• deglutição. • condições de mastigação. WM . • fumo. • ritmo das refeições. • ritmo das evacuações. • outras drogas. Esquema Geral de Observação Clínica HÁBITOS E VÍCIOS • Higiene alimentar e digestiva : • Vícios : • inquérito alimentar. • entorpecentes. • álcool.

síndromes hemorrágicas. WM . Diabetes Mellitus. distúrbios psíquicos.ANTECEDENTES FAMILIARES  Doenças em avós. tios. pais e filhos. neoplasias.  Investigar doenças de influência constitucional: Hipertensão Arterial Sistêmica.

CONDIÇÕES DE VIDA  Habitação  Ocupação atual e anteriores  Atividades físicas  Condições sócio-econômicas  Condições culturais  Vida conjugal e ajustamento familiar WM .

Ex: úlcera péptica  edema  cirrose.  Ex: Impotência sexual  Diabetes.  Esquecimento ou medo de relatar algum sintoma importante na HPMA.I. WM .  Permite ao médico levantar possibilidades e reconhecer doenças que não guardam relação com o quadro. INTERROGATÓRIO DOS DIFERENTES APARELHOS  É um complemento da HPMA.D.  Às vezes nasce a suspeita diagnóstica mais importante.A.

• alteração de peso. • escotomas. • lacrimejamento. WM . I. • perturbações visuais. INTERROGATÓRIO DOS DIFERENTES APARELHOS • Cabeça: • cefaléia. • prurido. • catarata.A. • diplopia. • Sintomas gerais: • vertigem. • queimações. • calafrios. • trauma. • febre. • Olhos: • sudorese. • astenia. • tontura.D.

• gustação. • inflamação. • dor. • epistaxe. • halitose. • Garganta: • obstrução. INTERROGATÓRIO DOS DIFERENTES APARELHOS • Nariz: • Gengivas: • olfação. • Orelhas: • Boca: • surdez. • corrimento. • otorragia. WM . I. • rouquidão. • sangramento. • zumbidos. • corizas.A. • dor. • dor. • condição dos dentes. • respiração. • inflamação.D.

• intolerância. I. WM . • distensão. • desinteria. • disfagia. • vômitos. • dor abdominal. • náuseas. • hematemese. • pirose.A. • eructações. INTERROGATÓRIO DOS DIFERENTES APARELHOS Aparelho digestório: • apetite.D. • tenesmo. • diarréia.

tosse. síncope. nictúria.hemoptise. alteração da libido. atrofia. claudicação. Aparelho Respiratório: dispnéia. edema. D. expectoração.edema.urinário: poliúria. Aparelho Cardiovascular: dispnéia.articulações e músculos: dor.disúria. adenomegalia. leucorréia.edema escrotal. Esqueleto. rubor. lipotímia.espasmos. incontinência. tosse. Aparelho Genito. Interrogatório sobre os diferentes aparelhos I.dor. calor.fraturas. dor. sangramentos. Linfohematopoiético: palidez. A. dispareunia.edema de face. priapismo. dor. polaciúria. metrorragia. dismenorréia. hematúria. TPM. infecções freqüentes. WM .perda da força. piúria. palpitação.

atrofia. insônia. irritabilidade. convulsões nervosismo.A. WM . desajustes emocionais e familiares. polifagia. INTERROGATÓRIO DOS DIFERENTES APARELHOS  Neuropsíquico: paralisia.D. movimentos involuntários. • Endócrino e metabólico: alteração de tamanho e crescimento da cabeça. sonolência. parestesia. I. polidpsia. poliúria. tremores. extremidades e mandíbula.

Esquema Geral de Observação Clínica Antecedentes Familiares • Investigar doenças de influência constitucional • Hipertensão arterial • Diabetes mellitus • Distúrbios psíquicos • Neoplasias • Síndromes hemorrágicos • Investigar estado de saúde e moléstias nos familiares WM .

1997] Esquema clássico Se há mais experiência identificação do paciente queixa principal queixa principal experiências anteriores histórico da enfermidade atual do médico antecedentes hipótese a respeito da pessoais e familiares natureza do problema história socioeconômica e cultural exame físico interrogatório sintomatológico e anamnese (anamnese) Hipótese principal exame físico Exames Diagnóstico Complementares WM . O que é o diagnóstico médico? É UM PROCESSO [Porto.

BENSENÕR. Rio de Janeiro: Revinter.. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. L.Bibliografia LÓPEZ. Tratado de Semiologia Médica. M. R.. 7. Semiologia Médica: As Bases do Diagnóstico Clínico. F.. 4. L. C. MARTINS. Bates: Propedêutica Médica.ed. M. Semiologia Médica. M. 2013. J. . A. LAURENTYS-MEDEIROS. 2013. 6. ed. ATTA. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. PORTO. I. C. A. São Paulo: Sarvier. J. BICKLEY. ed. 2002. S. M. 1 ed. 1. 2014. SILVA. ed. Semiologia Clínica. 1999.