Está en la página 1de 10

Fernando Pessoa

Ortónimo

.

Principais caracterís ticas de Fernando Pessoa .

.

. .Pessoa considera que a arte "é o resultado da colaboração entre o sentir e o pensar".Fingimento artístico . . o que pode levar a confundir a elaboração estética com um acto de "fingimento".Para Fernando Pessoa um poema resulta da sua recordação.Para a concretização de um poema é preciso haver uma intelectualização do sentimento. o autor criativo precisa de intelectualizar o sentimento.Para exprimir a arte. .

0 Fingir é inventar.0 A escrita do poema funde-se numa espécie de fingimento. intelectualizada. . 0 A dialéctica da sinceridade/fingimento liga-se à da consciência/inconsciência e do sentir/pensar. elaborar mentalmente conceitos que exprimem as emoções ou o que quer comunicar. 0 Podemos chegar à conclusão de que há 4 dores: a real (inicial). apenas implica o trabalho de representar. a que o poeta imagina (finge). a dor real do leitor e a dor lida. ou seja. mas o fingimento artístico não impede a sinceridade. de exprimir intelectualmente as emoções ou o que quer representar (ex.: Autopsicografia). que provém da interpretação do leitor.

: Gato que brincas na rua. a ter de pensar (o que traz sofrimento) 0 Muitas vezes.. .). 0 Sente-se condenado a ser lúcido. a felicidade parece existir na ordem inversa do pensamento e da consciência (ex..A dor de pensar 0 Fernando Pessoa não consegue fruir instintivamente a vida por ser consciente e pela própria efemeridade.

e tendo. Saber é matar. de Bernardo Soares que "Para se ser feliz é preciso saber-se que se é feliz. que deixá-la atrás. Mas o conhecimento da felicidade é infeliz. E acrescenta: "Não há felicidade senão com conhecimento. Não há felicidade em dormir sem sonhos. na felicidade como em tudo." . Não saber. porque conhecer-se feliz é conhecer-se passando pela felicidade. porém. senão somente em se despertar sabendo que se dormiu sem sonhos.0 Diz ele no "Livro do Desassossego". é não existir. logo já. A felicidade está fora da felicidade".

da felicidade de não ter direitos nem deveres.).Nostalgia da infância 0 Sente desencanto.. .: Quando as crianças brincam. da inconsciência. 0 Pessoa sente saudade da liberdade.. de um estado em que a reflexão ainda não o atormentava(ex. angústia e a brevidade da vida. 0 Esta nostalgia é originada pela vontade de viver de forma despreocupada e de se libertar da dor de pensar.

A fragmentação está evidente. através da fragmentação do eu.. a totalidade que lhe permita conciliar o pensar e o sentir. por exemplo. .A fragmentação do eu 0 Pessoa procura. 0 O facto de se sentir múltiplo faz com que o poeta se sinta sem identidade. em Não sei quantas almas tenho. sinta que ele nem existe.. sinta que dentro dele havia vários “eus” que se presentificaram através de diferentes escritas – os seus heterónimos.