Está en la página 1de 35

Processo Administrativo das

Relações de Consumo

Agência de Proteção e Defesa do Consumidor


de Juiz de Fora – PROCON/JF

Eduardo de Souza Floriano


Procurador Municipal
Supervisor de Processos Administrativos e Judiciais do
PROCON/JF
Legislação Aplicável

CF/88, Art. 5º, XXXII e 170, V e art. 48 ADCT

Lei Federal 8.078/90 (CDC)

Decreto 2.181/97 (Dispõe sobre o SNDC e o processo
administrativo), revogando o Dec. 861/93.

Lei Municipal 9.184/97 (dispõe sobre o SIMCON)

Lei Municipal 10.589/03 (dispõe sobre a criação do
PROCON/JF)

Decreto Municipal 6.573/99 (regulamenta o funcionamento do
SIMCON)

Decreto Municipal 8.281/04 (regulamenta as atribuições do
PROCON/JF)

Decreto Municipal 8.938/06 (dispõe sobre o processo
administrativo no âmbito do PROCON/JF)
Sistema Nacional de Defesa do
Consumidor – SNDC

Lei 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor)

Art. 105 - Integram o Sistema Nacional de Defesa do
Consumidor (SNDC), os órgãos federais, estaduais, do Distrito
Federal e municipais e as entidades privadas de defesa do
consumidor.


Decreto 2.181/97

Art. 2º - Integram o SNDC a Secretaria de Direito Econômico do
Ministério da Justiça SDE, por meio do seu Departamento de
Proteção e Defesa do Consumidor - DPDC, e os demais órgãos
federais, estaduais, do Distrito Federal, municipais e as
entidades civis de defesa do consumidor.
Departamento de Proteção e
Defesa do Consumidor - DPDC


Órgão integrante da estrutura da Secretaria de Direito Econômico
do Ministério da Justiça (SDE/MJ).

Responsável pela coordenação da Política do Sistema Nacional
de Defesa do Consumidor.

Competências previstas no art. 3º do decreto 2.181/97.

EX: Fiscalização em âmbito nacional, cadastro nacional de
reclamações fundamentadas, Coordenação do SINDEC, entre
outras.

OBS: Compete à SDE/MJ anualmente a ampliação do rol de


cláusulas abusivas, por meio de portaria, conforme determina o
art. 56 do decreto 2.181/97.
SINDEC


Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor.


O Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor
(SINDEC) é um programa que integra em rede as ações e
informações da Defesa do Consumidor. Ele representa o trabalho
do Coordenador do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor
e dos PROCONs integrados, e forma um todo harmônico para
proteção estratégica e qualificada dos consumidores de nosso
país. (fonte: Site do DPDC
http://www.mj.gov.br/DPDC/data/Pages/MJ80F6148EITEMID2
FF65845E36D43C290E3D7EB346A20D2PTBRIE.htm)
SINDEC


Uniformiza os procedimentos nos órgão integrados ao sistema
permitindo, ainda, a centralização e maior publicidade das
informações referentes às demandas relacionadas ao consumo.


Funcionamento on-line (via internet) .
PROCON/JF

Autarquia Municipal criada pela lei 10.589/03, em obediência à
Lei Orgânica Municipal, art. 185, que impõe a manutenção de
“órgão especializado para a execução da política de defesa do
consumidor”.


Tem como principal função a condução, o desenvolvimento da
Política Municipal de Defesa do Consumidor através da educação
para o consumo e defesa do consumidor na esfera extra-judicial e
judicial, mediante diversos mecanismos de ação previstos em lei.
PROCON/JF
Atribuições

No âmbito extra-judicial o PROCON/JF poderá solicitar informações
ou convocar fornecedores a fim de esclarecer reclamações
fundamentadas dos consumidores, numa tentativa de solução do
problema apresentado ou de conciliação. O termo de acordo firmado
entre as partes perante o PROCON é título executivo extrajudicial (art.
585, II, 1ª parte do CPC)

Poderá, ainda, conforme dispõe o art. 5º do decreto 2.181/97 fiscalizar,
apurar e aplicar penalidade por infrações às norma de defesa do
consumidor.
“Art. 5º Qualquer entidade ou órgão da Administração Pública,
federal, estadual e municipal, destinado à defesa dos interesses e
direitos do consumidor, tem, no âmbito de suas respectivas
competências, atribuição para apurar e punir infrações a este Decreto
e à legislação das relações de consumo.”

Por fim, possui, competência para celebrar compromissos de
ajustamento de conduta (ou termo de ajustamento de conduta – TAC)
às exigências legais.
PROCON/JF
Atribuições
No âmbito judicial, possui competência para ajuizamento de Ação
Civil Pública e Ação Coletiva por danos causados aos
consumidores.
– Lei 8.078/90 ( Código de Defesa do Consumidor)
– Art. 82. Para os fins do art. 81, parágrafo único*, são
legitimados concorrentemente: (Redação dada pela Lei nº
9.008, de 21.3.1995)
– (...)
– III - as entidades e órgãos da Administração Pública, direta
ou indireta, ainda que sem personalidade jurídica,
especificamente destinados à defesa dos interesses e
direitos protegidos por este código;

* Dispõe sobre a defesa coletiva dos consumidores, podendo ser
interesses ou direitos difusos, coletivos e individuais homogêneos.
PROCON/JF
Organograma
Organograma de Funcionamento
do SINDEC no PROCON/JF

Triagem Cadastro

Cálculo Consulta Atendimento Extra Procon

Encaminhamento
ao órgão competente

I - Telefone
II - Carta de informação III - Abertura Direta
De Reclamação
Preliminar

Solucionado Não Solucionado Abertura de Reclamação


Organograma de Funcionamento
do SINDEC no PROCON/JF

Reclamação

Audiência

Reclamação Reclamação
Fundamentada Não Fundamentada

Cadastro
Art. 57 do Dec. 2.181 Arquivada

Atendida Não Atendida


Processo Administrativo
Introdução

O processo administrativo é “uma sucessão itinerária e encadeada de
atos administrativos que tendem, todos, a um resultado final e
conclusivo”.(Mello, Celso Antônio Bandeira. Curso de Direito
Administrativo, 13 ed. São Paulo: Malheiros, 2001)

O Processo Administrativo que trata o CDC é classificado, nos
ensinamentos do Mestre Hely Lopes Meirelles, como Processo
Administrativo Punitivo.

É o processo promovido contra o administrado, por infração a lei
(União, Estados, Distrito Federal e Municípios), regulamento ou
contrato.

É um processo essencialmente contraditório, no qual devem ser
observados, irrestritamente, a ampla defesa, o devido processo legal, o
da legalidade, além do princípio da proporcionalidade.

O processo administrativo é regido pelo CDC art. 55 a 60 e pelo
Decreto Federal 2.181/97.
Processo Administrativo
Caracterização da relação de consumo


Importante para instauração do processo é analisar a existência de
relação de consumo que se perfaz pela existência do consumidor
e do fornecedor. O CDC dispõe sobre os conceitos de
consumidor (art. 2º, 17 e 29) e fornecedor (art3º).

Art. 2° Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza


produto ou serviço como destinatário final.
Parágrafo único. Equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda
que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo.

Art. 17. Para os efeitos desta Seção (Da Responsabilidade pelo Fato do Produto
e do Serviço), equiparam-se aos consumidores todas as vítimas do evento.

Art. 29. Para os fins deste Capítulo (Das Práticas Comerciais) e do seguinte (Da
Proteção Contratual), equiparam-se aos consumidores todas as pessoas
determináveis ou não, expostas às práticas nele previstas.
Processo Administrativo
Caracterização da relação de consumo


RECURSO ESPECIAL. FORNECIMENTO DE ÁGUA.
CONSUMIDOR. DESTINATÁRIO FINAL. RELAÇÃO DE
CONSUMO. DEVOLUÇÃO EM DOBRO DOS VALORES
PAGOS INDEVIDAMENTE. APLICAÇÃO DOS ARTIGOS 2º E
42, PARÁGRAFO ÚNICO, DA LEI Nº 8.078/90.

I - "O conceito de "destinatário final", do Código de Defesa do
consumidor, alcança a empresa ou o profissional que adquire bens
ou serviços e os utiliza em benefício próprio" (AgRg no Ag nº
807159/SP, Rel. Min. HUMBERTO GOMES DE BARROS, DJ de
25/10/2008).

(...)

(STJ - REsp 1025472 / SP RECURSO ESPECIAL 2008/0013316-6
- DJe 30/04/2008)
Processo Administrativo
Caracterização da relação de consumo

REsp 913711 (2006/0284031-0 – 16/09/2008)


O SR. MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES (Relator):

Em torno da expressão "destinatário final" (art. 2º do CDC), surgem
controvérsias.

Para a corrente finalista (ou subjetiva), consumidor destinatário
final é, em síntese, aquele que retira um produto ou serviço do
mercado de consumo para uso próprio ou de sua família, e não para
revenda ou uso profissional. A teoria maximalista, por outro lado,
diz que destinatário final é o que retira o produto ou serviço do
mercado de consumo, não importando sua finalidade (é o
destinatário final fático, ou seja, retira o bem do mercado e o utiliza,
mas não o retira da cadeia produtiva).
Processo Administrativo
Caracterização da relação de consumo

No Superior Tribunal de Justiça, notadamente no âmbito da Segunda Seção,
prevalece a teoria finalista, mas de forma mitigada, para atender situações em que
há vulnerabilidade do caso concreto. A propósito: REsp 476.428/SC, Rel. Min.
Nancy Andrighi, Terceira Turma, DJ 09.05.2005.


REsp 1.080.719/MG – O conceito de consumidor é ampliado ao agregar a
vulnerabilidade como balizador do reconhecimento de tal condição para
além do destinatário final econômico.
Na Sessão de Julgamentos da 3ª Turma de 10/2/2009, ficou estabelecida, nos
termos do voto da Ministra Nancy Andrighi, a ampliação do conceito de
consumidor até então adotado pelo STJ, agregando item fundamental para além
de ser considerado o consumidor destinatário final econômico - a
vulnerabilidade, o que permite ao empresário ser reconhecido como consumidor,
desde que se evidencie o nexo de sujeição, vínculo de dependência caracterizado
pela incapacidade, pela ignorância ou pela necessidade.
Processo Administrativo
Caracterização da relação de consumo


Art. 3° Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou
privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes
despersonalizados, que desenvolvem atividade de produção,
montagem, criação, construção, transformação, importação,
exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou
prestação de serviços.

§ 1° Produto é qualquer bem, móvel ou imóvel, material ou
imaterial

§ 2° Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de
consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza
bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as
decorrentes das relações de caráter trabalhista.
Processo Administrativo
Procedimentos Preliminares

O processo administrativo para apuração de infrações às normas
consumeristas PODERÁ ser precedido de providências preliminares
que visem a elucidação do caso.

O contato telefônico com o fornecedor e a Carta de informações
preliminares (CIP) são os principais meios de obtenção de
informações antes da abertura de reclamação pelo consumidor.

Art. 33, §1º do decreto 2.181/97.

“§ 1º Antecedendo à instauração do processo administrativo, poderá


a autoridade competente abrir investigação preliminar, cabendo,
para tanto, requisitar dos fornecedores informações sobre as
questões investigados, resguardado o segredo industrial, na forma
do disposto no § 4º do art. 55 da Lei nº 8.078, de 1990.”
Processo Administrativo
Instauração

Na forma do art. 33 do decreto 2.181/97 existem três formas de
se instaurar o processo administrativo:
Art. 33. As práticas infrativas às normas de proteção e defesa do
consumidor serão apuradas em processo administrativo, que terá
início mediante:
I - ato, por escrito, da autoridade competente;
II - lavratura de auto de infração;
III - reclamação.
Processo Administrativo
Instauração – Ato da Autoridade

O Processo aberto por ato da autoridade competente deverá
obedecer o disposto no art. 40 e 41 do decreto 2.181/97, além da
legislação pertinente ao ente federado que pertença.
Art. 40. O processo administrativo, na forma deste Decreto,
deverá, obrigatoriamente, conter:
I - a identificação do infrator;
II - a descrição do fato ou ato constitutivo da infração;
III - os dispositivos legais infringidos;
IV - a assinatura da autoridade competente.
Art. 41. A autoridade administrativa poderá determinar, na
forma de ato próprio, constatação preliminar da ocorrência de
prática presumida.
Processo Administrativo
Instauração – Reclamação

O Processo aberto por reclamação dos consumidores deve
obedecer ao disposto no art. 31 do decreto federal 2.181/97:
Art. 34. O consumidor poderá apresentar sua reclamação
pessoalmente, ou por telegrama carta, telex, fac-símile ou
qualquer outro meio de comunicação, a quaisquer dos órgãos
oficiais de proteção e defesa do consumidor.
Processo Administrativo
Instauração – Fiscalização

O Processo aberto por ato de fiscalização deve obedecer ao
disposto no art. 35 a 38 do decreto federal 2.81/97.

Tais dispositivos tratam, de forma geral, da forma de
preenchimento dos autos de infração ou apreensão, que deverão
ser emitidos em três vias.

A assinatura pelo autuado do Auto constitui ato de notificação,
abrindo-se imediato prazo para defesa. Em caso de negativa de
assinatura, a via do Auto será encaminhada via postal ao infrator
com aviso de recebimento.
Processo Administrativo
Notificação

A autoridade competente deverá expedir notificação (pessoal ou
via postal com A/R) ao infrator, juntamente com cópia da inicial
do processo administrativo, fixando o prazo de dez dias, a contar
da data do seu recebimento, para apresentação de defesa (art.42
do dec. 2.181).

Na impossibilidade de notificação poderá ser realizada
notificação por edital.
Processo Administrativo
Impugnação

O infrator terá prazo de dez dias contados do recebimento da
notificação, para apresentar defesa, indicando A autoridade a quem é
dirigida, sua qualificação, suas razões de fato e direito e apresentando
provas. (art. 44 do dec. 2.181/97).
OBS: Possibilidade de ajustamento de conduta
Dec. 2.181/97
Art. 6º - As entidades e órgãos da Administração Pública destinados à
defesa dos interesses e direitos protegidos pelo Código de Defesa do
Consumidor poderão celebrar compromissos de ajustamento de
conduta às exigências legais, nos termos do
§ 6º do art. 5º da Lei nº 7.347, de 1985, na órbita de suas respectivas
competências.
(...)
§ 4º A celebração do compromisso de ajustamento suspenderá o curso
do processo administrativo, se instaurado, que somente será arquivado
após atendidas todas as condições estabelecidas no respectivo termo.
Processo Administrativo
Compromisso de Ajustamento de Conduta
Art. 6º As entidades e órgãos da Administração Pública destinados à defesa dos interesses e
direitos protegidos pelo Código de Defesa do Consumidor poderão celebrar compromissos de
ajustamento de conduta às exigências legais, nos termos do
§ 6º do art. 5º da Lei nº 7.347, de 1985, na órbita de suas respectivas competências.
§ 1º A celebração de termo de ajustamento de conduta não impede que outro, desde que mais
vantajoso para o consumidor, seja lavrado por quaisquer das pessoas jurídicas de direito público
integrantes do SNDC.
§ 2º A qualquer tempo, o órgão subscritor poderá, diante de novas informações ou se assim as
circunstâncias o exigirem, retificar ou complementar o acordo firmado, determinando outras
providências que se fizerem necessárias, sob pena de invalidade imediata do ato, dando-se
seguimento ao procedimento administrativo eventualmente arquivado.
§ 3º O compromisso de ajustamento conterá, entre outras, cláusulas que estipulem condições
sobre:
I - obrigação do fornecedor de adequar sua conduta às exigências legais, no prazo ajustado
II - pena pecuniária, diária, pelo descumprimento do ajustado, levando-se em conta os seguintes
critérios:
a) o valor global da operação investigada;
b) o valor do produto ou serviço em questão;
c) os antecedentes do infrator;
d) a situação econômica do infrator;
III - ressarcimento das despesas de investigação da infração e instrução do procedimento
administrativo.
§ 4º A celebração do compromisso de ajustamento suspenderá o curso do processo
administrativo, se instaurado, que somente será arquivado após atendidas todas as condições
estabelecidas no respectivo termo.
Processo Administrativo
Saneamento do Processo

Art. 45. Decorrido o prazo da impugnação, o órgão julgador
determinará as diligências cabíveis, podendo dispensar as
meramente protelatórias ou irrelevantes, sendo-lhe facultado
requisitar do infrator, de quaisquer pessoas físicas ou jurídicas,
órgãos ou entidades públicas as necessárias informações,
esclarecimentos ou documentos, a serem apresentados no prazo
estabelecido.
Processo Administrativo
Decisão

A autoridade administrativa proferirá decisão, arquivando o processo
administrativo (momento em que deverá recorrer de oficio ao seu superior
hierárquico), ou aplicando uma das sanções previstas no art. 18 do dec.
2.181/97.

A decisão deverá conter os elementos previstos no art. 46 do dec.
2.181/97.
“Art. 46. A decisão administrativa conterá relatório dos fatos, o
respectivo enquadramento legal e, se condenatória, a natureza e
gradação da pena.
§ 1º A autoridade administrativa competente, antes de julgar o feito,
apreciará a defesa e as provas produzidas pelas partes, não estando
vinculada ao relatório de sua consultoria jurídica ou órgão similar, se
houver.
§ 2º Julgado o processo e fixada a multa, será o infrator notificado para
efetuar seu recolhimento no prazo de dez dias ou apresentar recurso.
§ 3º Em caso de provimento do recurso, os valores recolhidos serão
devolvidos ao recorrente na forma estabelecida pelo Conselho Gestor do
Fundo.”
Processo Administrativo
Decisão
Art. 18. A inobservância das normas contidas na Lei nº 8.078, de 1990, e das demais normas
de defesa do consumidor constituirá prática infrativa e sujeitará o fornecedor às seguintes
penalidades, que poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, inclusive de forma
cautelar, antecedente ou incidente no processo administrativo, sem prejuízo das de
natureza cível, penal e das definidas em normas específicas:
I - multa;
II - apreensão do produto;
III - inutilização do produto;
IV - cassação do registro do produto junto ao órgão competente;
V - proibição de fabricação do produto;
VI - suspensão de fornecimento de produtos ou serviços;
VII - suspensão temporária de atividade;
VIII - revogação de concessão ou permissão de uso;
IX - cassação de licença do estabelecimento ou de atividade;
X - interdição, total ou parcial, de estabelecimento, de obra ou de atividade;
XI - intervenção administrativa;
XII - imposição de contrapropaganda.
§ 1º Responderá pela prática infrativa, sujeitando-se às sanções administrativas previstas
neste Decreto, quem por ação ou omissão lhe der causa, concorrer para sua prática ou dela
se beneficiar.
§ 2º As penalidades previstas neste artigo serão aplicadas pelos órgãos oficiais integrantes
do SNDC, sem prejuízo das atribuições do órgão normativo ou regulador da atividade, na
forma da legislação vigente.
§ 3º As penalidades previstas nos incisos III a XI deste artigo sujeitam-se a posterior
confirmação pelo órgão normativo ou regulador da atividade, nos limites de sua
competência.
Processo Administrativo
Decisão

A pena base será fixada considerando-se (art. 28 do
decreto 2.181/97):
1) a gravidade da prática infrativa,
2) a extensão do dano causado aos consumidores,
3) a vantagem auferida com o ato infrativo e
4) a condição econômica do infrator

A pena base poderá, ainda, ser atenuada ou agravada
nos casos previstos nos artigos 25 e 26 do decreto
2.181/97.

Reincidência: Repetição de qualquer prática
infrativa punida em decisão irrecorrível (art. 27
dec.), <5 anos (art. 27, §ú dec.), sem ação judicial
pendente (art. 59, §3º do CDC).
Processo Administrativo
Nulidades

Decreto 2.181/97


Art. 48. A inobservância de forma não acarretará a nulidade do
ato, se não houver prejuízo para a defesa.


Parágrafo único. A nulidade prejudica somente os atos
posteriores ao ato declarado nulo e dele diretamente dependentes
ou de que sejam conseqüência, cabendo à autoridade que a
declarar indicar tais atos e determinar o adequado procedimento
saneador, se for o caso.
Processo Administrativo
Nulidades

RMS 22585 / RN (Data da Publicação/Fonte DJe 02/04/2009 )

ADMINISTRATIVO. RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA.
INTERRUPÇÃO NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. APLICAÇÃO DE
MULTA PELO PROCON. PROCEDIMENTO LEGAL PARA APLICAÇÃO DA
PENALIDADE. PRINCÍPIO DO DEVIDO PROCESSO LEGAL. OBSERVÂNCIA.
PREENCHIMENTO DOS REQUISITOS FORMAIS DO ATO ADMINISTRATIVO.
ANÁLISE DE REDUÇÃO DO VALOR DA MULTA. INADEQUAÇÃO DA VIA
ELEITA.

1. É inconteste nos autos o corte indevido de energia elétrica, tendo sido prejudicado um
consumidor, constituindo prática abusiva à luz do Código de Defesa do Consumidor.

2. O procedimento administrativo formal que gerou a aplicação da penalidade foi
absolutamente respeitado, permitindo à recorrente a realização de sua defesa, sem ofensa
alguma ao princípio constitucional do devido processo legal.

3. Não há nulidade do auto de infração por violação ao devido processo legal sem
comprovação de prejuízo no contraditório.

4. A via estreita do mandado de segurança não comporta dilação probatória consistente na
análise da redução do valor da multa.

5. Recurso ordinário parcialmente conhecido, nessa parte, não provido.
Processo Administrativo
Nulidades

RMS 21677 / RN (Data da Publicação/Fonte DJ 22/03/2007 p. 283)

ADMINISTRATIVO. RECURSO ORDINÁRIO EM MANDADO DE SEGURANÇA.
INTERRUPÇÃO NO FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. FALTA DE PAGAMENTO
DE TARIFA. APLICAÇÃO DE MULTA PELO PROCON. PROCEDIMENTO LEGAL PARA
APLICAÇÃO DA PENALIDADE. PRINCÍPIO DO DEVIDO PROCESSO LEGAL.
OBSERVÂNCIA. PREENCHIMENTO DOS REQUISITOS FORMAIS DO ATO
ADMINISTRATIVO. ANÁLISE DE REDUÇÃO DO VALOR DA MULTA. INADEQUAÇÃO DA
VIA ELEITA. PRECEDENTES.

1. É obrigação da recorrente o fornecimento a todos os seus consumidores de um serviço seguro,
adequado e eficiente. No caso vertente, comprovou-se que o serviço não foi oferecido adequadamente,
tendo sido exigido do consumidor vantagem manifestamente excessiva, constituindo prática abusiva à
luz do Código de Defesa do Consumidor.

2. O procedimento administrativo formal que gerou a aplicação da penalidade foi absolutamente
respeitado, permitindo à recorrente a realização de sua defesa, sem ofensa alguma ao princípio
constitucional do devido processo legal e seus desdobramentos: princípios do contraditório e da ampla
defesa.

3. O mesmo se diga em relação à alegada nulidade do auto de infração pela não-obediência aos
requisitos essenciais na sua formalização. O art. 48 do Decreto nº 2.181/97, que dispõe sobre as
normas gerais para aplicação de sanções administrativas, é claro ao consignar que a
inobservância de forma não acarretará a nulidade do ato se não houver prejuízo para a defesa.

4. Não é possível se analisar o pedido alternativo para redução do valor da multa, pois na via estreita
do mandado de segurança não se admite dilação probatória.
Processo Administrativo
Recursos Administrativos

Caberá recurso da decisão da autoridade competente, no
prazo de 10 (dez) dias a seu superior hierárquico, o
qual proferirá decisão definitiva.


O recurso somente terá efeito suspensivo no caso de
aplicação da penalidade de multa.


O infrator será notificado da decisão definitiva e, no
caso da aplicação da penalidade de multa, o seu não
recolhimento no prazo de 30 dias, permitirá sua
inscrição em dívida ativa, para posterior cobrança em
dívida ativa (art. 55 do dec. 2181/97)
CONTATO

proconaj@pjf.mg.gov.br

3690-8432