Está en la página 1de 7

Trabalhadores com Regulamentação Própria Empregado Doméstico Lei 5859/72 Art.

1º Ao empregado doméstico, assim considerado aquele que presta serviços de natureza contínua e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família no âmbito residencial destas, aplica-se o disposto nesta lei. Empregado Rural Lei do Trabalho Rural - Lei 5889/73 Art. 2º Empregado rural é toda pessoa física que, em propriedade rural ou prédio rústico, presta serviços de natureza não eventual a empregador rural, sob a dependência deste e mediante salário. Trabalhador Avulso É aquele que presta serviços sem vínculo empregatício, de natureza urbana ou rural, a diversas empresas, sindicalizado ou não, com intervenção obrigatória do sindicato da categoria profissional ou do órgão gestor da mão-de-obra (art.12,VI, Lei 8.212/91). A Constituição no art.7.º XXXIV iguala. Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo empregatício permanente e o trabalhador avulso. Trabalhador Temporário Lei 6019/74 Art. 2º - Trabalho temporário é aquele prestado por pessoa física a uma empresa, para atender à necessidade transitória de substituição de seu pessoal regular e permanente ou à acréscimo extraordinário de serviços. Trabalhador Autônomo Segundo dispõe a Lei Federal nº 8.212/91, trabalhador autônomo é a pessoa física que exerce por conta própria atividade econômica de natureza urbana, com fins lucrativos ou não.

nem obrigação de natureza trabalhista previdenciária ou afim. . educacionais. ou a instituição privada de fins não lucrativos.As pessoas jurídicas de Direito Privado. Estagiário Lei n. sem objetivo de lucro.” Trabalhador Voluntário Lei 9608/98 Art. a atividade não remunerada. culturais. Lei 8. O serviço voluntário não gera vínculo empregatício. para fins desta Lei. Parágrafo único. de proveito comum. casual. os Órgãos de Administração Pública e as Instituições de Ensino podem aceitar. Trabalho eventual é aquele que depende de acontecimento incerto. recebendo uma bolsa de estudos como contrapartida pelo esforço dispendido (Lei 6. inclusive mutualidade. fortuito.º 6.212/91) “Aquele que presta a sua atividade para alguém ocasionalmente. 3º Celebram contrato de sociedade cooperativa as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir com bens ou serviços para o exercício de uma atividade econômica. estabelecendo as condições de estágio. ele deve se dar nas seguintes condições: horário do estágio compatível com o horário escolar e desenvolvimento de atividade relacionadas com o currículo do curso no qual o estagiário está matriculado. Para não se configurar o desvirtuamento do estágio em relação de emprego. prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza. O estágio profissionalizante inicia-se com a assinatura de termo de compromisso entre empresa e estagiário.IV. Estudante de nível médio ou superior que realiza atividades em empresa pública ou privada visando à aquisição de experiência profissional. que tenha objetivos cívicos.494/77).12. recreativos ou de assistência social. 1º Considera-se serviço voluntário. como estagiários.Trabalhador Eventual Trabalhador eventual é a pessoa física contratada para prestar serviços num certo evento (art. com a participação da instituição de ensino na qual o estudante está matriculado. a. Cooperativa de trabalhadores Lei 5764/71 Art. 1º . científicos.494 de 7 de Dezembro de 1977 Art. os alunos regularmente matriculados em cursos vinculados ao ensino público e particular.

as associações recreativas ou outras instituições sem fins lucrativos. (Redação dada pela Lei nº 12.Não haverá distinções relativas à espécie de emprego e à condição de trabalhador.551. sob a dependência deste e mediante salário.Decreto-lei 5452/43 Art.” . Parágrafo único . Art. para os efeitos da relação de emprego. que. assumindo os riscos da atividade econômica. de 2011) Empregador Art. 3º . que admitirem trabalhadores como empregados. solidariamente responsáveis a empresa principal e cada uma das subordinadas. para os efeitos exclusivos da relação de emprego. Art. desde que estejam caracterizados os pressupostos da relação de emprego. o executado no domicílio do empregado e o realizado a distância. os profissionais liberais. tendo. § 1º . 6o Não se distingue entre o trabalho realizado no estabelecimento do empregador. controle e supervisão se equiparam. serão. admite.Sempre que uma ou mais empresas. constituindo grupo industrial. nem entre o trabalho intelectual. Os meios telemáticos e informatizados de comando. controle ou administração de outra. embora. técnico e manual. personalidade jurídica própria. aos meios pessoais e diretos de comando. para fins de subordinação jurídica. estiverem sob a direção. que anteriormente realizava com seus próprios recursos. as instituições de beneficência. 6º .Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador.Considera-se empregador a empresa. 2º . individual ou coletiva. (Incluído pela Lei nº 12.Equiparam-se ao empregador. assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço. desde que esteja caracterizada a relação de emprego. controle e supervisão do trabalho alheio. Tercerização Constituição da Republica Federativa do Brasil 1988 “A terceirização ocorre quando uma empresa decide transferir à outra empresa a produção de bens ou de serviços.551. de 2011) Parágrafo único.Não se distingue entre o trabalho realizado no estabelecimento do empregador e o executado no domicílio do empregado. § 2º . cada uma delas. comercial ou de qualquer outra atividade econômica.Empregado Consolidação das Leis do Trabalho .

das autarquias. inclusive quanto aos órgãos da administração direta. quanto àquelas obrigações. dos Estados. implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços. 37.1983) e de conservação e limpeza. de 03. desde que hajam participado da relação processual e constem também do título executivo judicial (art.06. do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade. 96/2000. inclusive quanto aos órgãos da administração direta.2000) I .1993. moralidade. 37. DJ 21.Art. Legalidade (Revisão da Súmula nº 256 Res. das fundações públicas.12. também.Não forma vínculo de emprego com o tomador a contratação de serviços de vigilância (Lei nº 7. desde que hajam participado da relação processual e constem também do título executivo judicial (art. DJ 18.A contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal. de 21. bem como a de serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador.O inadimplemento das obrigações trabalhistas.102.A contratação irregular de trabalhador. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União.019.06. II. de 1998) Súmula 331 – TST Contrato de prestação de serviços.1993). quanto àquelas obrigações.1993). 23/1993. das empresas públicas e das sociedades de economia mista. da CF/1988). IV .09. desde que inexistente a pessoalidade e a subordinação direta. 71 da Lei nº 8. Inciso IV alterado pela Res.1974). II . publicidade e eficiência e. por parte do empregador. não gera vínculo de emprego com os órgãos da administração pública direta.O inadimplemento das obrigações trabalhistas. das autarquias. 71 da Lei nº 8. das empresas públicas e das sociedades de economia mista. . ao seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19. formando-se o vínculo diretamente com o tomador dos serviços. mediante empresa interposta. de 20. implica a responsabilidade subsidiária do tomador dos serviços.666. indireta ou fundacional (art. impessoalidade. de 21. das fundações públicas. Responsabilidade Subsidiário IV .666.06. III . por parte do empregador. salvo no caso de trabalho temporário (Lei nº 6.01.

ação regressiva contra o sub empreiteiro e a retenção de importâncias a este devidas.Decreto-lei 5452/43 | Decreto-lei n.Ao empreiteiro principal fica ressalvada. 180 da Constituição. o direito de reclamação contra o empreiteiro principal pelo inadimplemento daquelas obrigações por parte do primeiro.452. aos empregados.Solidária (Empreitada) Consolidação das Leis do Trabalho . nos termos da lei civil. para a garantia das obrigações previstas neste artigo. 455 . . de 1º de maio de 1943 Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho.Nos contratos de sub empreitada responderá o sub empreiteiro pelas obrigações derivadas do contrato de trabalho que celebrar. todavia. Parágrafo único .º 5. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA. DECRETA: Art. cabendo. usando da atribuição que lhe confere o art.

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ DAYANNE DE BRITO C. MONTEIRO MATRPICULA:201101103701 LEGISLAÇÃO TRABALHISTA TRABALHADORES COM REGULAMENTAÇÃO PRÓPRIA NOVA IGUAÇU 2011 .