Está en la página 1de 3

A CIÊNCIA DO DIREITO E A QUESTÃO DOS

VALORES

Lucíola Maria de Aquino Cabral*

2.1.1 Empirismo.

O empirismo reúne diversas correntes de pensamento que sustentam


que a origem única ou fundamental do pensamento é dada pela experiência
sensorial.
Opondo-se ao racionalismo, que reconhece na razão a verdadeira fonte
do conhecimento, o empirismo representa a antítese dessa assertiva,
afirmando ser a experiência a única fonte de conhecimento e que a consciência
cognoscente retira seus conteúdos da experiência e não da razão. (Hessen,
1987:68).
Miguel Reale destaca que por mais diversificadas que sejam as
tendências do empirismo, o que o distingue e caracteriza é a tese de que todo
e qualquer conhecimento tem origem na experiência e que só pode ser
validado quando verificado por fatos metodicamente observados, ou se
reduzidos a verdades já fundadas no processo de pesquisa dos dados do real,
embora sua validade lógica possa estar situada fora do plano dos fatos
observados. (Reale, 1998:88).
John Locke explica em sua obra intitulada Ensaios sobre o
entendimento humano, que as sensações são o ponto de partida para tudo
aquilo que se conhece e que todas as idéias constituem fruto da elaboração de
elementos que os sentidos recebem em contato com a realidade. Contudo,
Locke ressalvava a possibilidade de um conhecimento a priori consubstanciado
em verdades universalmente válidas, como as verdades matemáticas, cujo
fundamento de validade tem alicerce no pensamento e não na experiência,
sendo, por isso, considerado um empirista não integral.
Por outro lado, John Stuart Mill sustenta que o conhecimento
matemático também está vinculado à experiência e que os conhecimentos
científicos resultam de processos indutivos, não constituindo exceção a
matemática, uma vez que esta é o resultado de generalizações a partir de
dados da experiência. Assim, por meio do método indutivo resolvem-se tanto o
silogismo como os axiomas matemáticos.
Entre os neopositivistas, entretanto, o empirismo se apresenta sob a
forma de fisicalismo, ou seja, mediante a subordinação de todos os
conhecimentos aos dados empíricos, em conformidade com o modelo da
Física.
Mais recentemente, os empiristas se mantiveram fiéis à idéia
fundamental de que a origem do conhecimento reside na elaboração de
elementos fornecidos pela experiência e que o conhecimento intelectual não
difere do conhecimento sensível. Resulta daí que todas as ciências são vistas
sob a ótica das ciências físico-matemáticas, obedecendo todas elas a uma
única estrutura, ajustáveis a uma única metodologia e, portanto, devendo todas
procurar atender idênticas condições de verificabilidade.
O empirismo jurídico afirma que o direito é um fato que se vincula a
outros fatos por meio de um nexo de causalidade, isto inclui também seus
princípios mais gerais.

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

CAMPOS, German J. Bidart. Valor Justicia y Derecho Natural. Buenos Aires:


Ediar, 1983.
COELHO, L. Fernando. Lógica Jurídica e Interpretação das Leis. Rio de
Janeiro: Forense, 2ª edição, revista, 1981.
HESSEN, Johannes. Teoria do Conhecimento. Coimbra: Armênio Amado
Editora, 8ª edição, 1987.
LUMIA, Giuseppe. Elementos de Teoria e Ideologia do Direito. São Paulo:
Martins Fontes, 1ª edição, 2003.
MARQUES NETO, Agostinho Ramalho. Introdução ao Estudo do Direito:
Conceito, Objeto, Método. Rio de Janeiro: Forense, 1ª edição, 1990.
MOSER, Paul. K. MULDLER, Dwayne H. TROUT, J. D. A Teoria do
Conhecimento: uma introdução temática. 1ª Edição. Trad.: Marcelo Mrandão
Cipolla. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
REALE, Miguel. Lições Preliminares de Direito. São Paulo: Livraria e Editora
Jurídica José Bushatsky,, 2ª edição, 1974.
______ Filosofia do Direito. São Paulo: Saraiva, 18ª edição, 1998.
ROSS, Alf. Sobre el Derecho y la Justicia. Buenos Aires: Eudeba, 1997.
SMITH, Juan Carlos. El Desarrollo de las Concepciones Jusfilosoficas. Buenos
Aires: Abeledo-Perrot, segunda edicion, reimpresion, 1998.
VASCONCELOS, Arnaldo. Teoria das Normas Jurídicas. São Paulo: Malheiros
Editores, 5ª edição, 2ª tiragem, 2002.
______ Que é uma Teoria Jurídico-Científica? Artigo publicado na Revista da
OAB-CE., Ano 27, nº 04, julho-outubro, 2000.
VILANOVA, José. Elementos de Filosofia del Derecho. Buenos Aires: Abeledo-
Perrot, 1984.
VILANOVA, Lourival. As Estruturas Lógicas e o Sistema do Direito Positivo.
São Paulo: Max Limonad, 1ª edição, 1997.

* Procuradora do Município de Fortaleza, Mestre em Direito


Constitucional, Doutora em Ciências Jurídicas e Sociais (UMSA)