Está en la página 1de 37

II GERA - Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na

Agroindústria Sucroalcooleira

Emissão de poluentes e tecnologias de controle em caldeiras para bagaço

Prof. Dr. Flávio Neves Teixeira
Departamento de Ciências Térmicas e Fluídos - DCTEF
Universidade Federal de São João del Rei - UFSJ

Motivação

a)- A recente legislação ambiental brasileira, com a tendência de
incorporar padrões de emissão para a poluição atmosférica somente
alcançados com a implantação de tecnologias de prevenção e
controle de poluentes;

b)- A escassa literatura técnico-científica no que se refere aos
dados de concentração de óxidos de nitrogênio (NOx) e material
particulado (MP) emitidos nas chaminés das caldeiras que queimam
bagaço;

Motivação

c)- A necessidade de avaliação dos principais parâmetros
operacionais da caldeira, a fim de se conhecer as variáveis que mais
influenciam na formação de poluentes gasosos;

d)- A necessidade de avaliação técnico-econômica dos sistemas
de remoção de poluentes, procurando levantar os principais
parâmetros de operação que influenciam na análise de
custo&benefício.

e). visando determinar os fatores que maior influência têm sobre a formação dos mesmos.Modelagem e definição de critérios de seleção de tecnologias para o controle de NOx e MP em caldeiras para bagaço.Fazer um levantamento bibliográfico sobre a caracterização e controle das emissões de NOx e MP em caldeiras que queimam bagaço (biomassa). baseado em modelagens da literatura técnica. Objetivos a). . b). d).Medição e avaliação dos dados de emissão de particulados e poluentes gasosos em caldeiras a bagaço.Estudos de casos. c).Desenvolvimento de um software para a seleção e avaliação técnico- econômica de sistemas de controle da emissão de NOx e MP em caldeiras para bagaço.

Principais poluentes atmosféricos .

85% efic: ~ 130 MW .7 (2) 83. PADRÕES DE EMISSÃO BRASIL (CONAMA 008/90) Até 70 MW Acima de 70 MW PT [g/GJ] SO2 [g/GJ] PT [g/GJ] SO2 [g/GJ] (1) (1) Classe I 28.7 (2) 477. PT .194. nesta área.refere-se a óleo combustível.194.1 (3) 477.6 1.7 Classes II e III (3) 358.Não serão permitidas instalações de novas fontes fixas deste porte.2 28. PADRÕES DE EMISSÃO DO ESTADO DO PARANÁ (SEMA/2002) Proposta de emissão particulados para caldeiras a bagaço: 120 mg/Nm3 (CETESB) Caldeira: 150 t/h.refere-se a carvão mineral. (3) .Partículas Totais.7 477. (2) .3 1.7 (1) . 64 bar/ 520 °C.2 191.

(2) Média geométrica anual.000 10.000 40.000 Infravermelho não carbono 8 horas (1) 10. Padrão Tempo de Padrão primário Poluentes secundário Método de medição (4) amostragem (µg/m3) (µg/m3) Partículas totais 24 horas (1) 240 150 Amostrador de em suspensão MGA (2) 80 60 grandes volumes 24 horas (1) 365 100 Dióxido de enxofre Pararosanilina MAA (3) 80 40 Monóxido de 1 hora (1) 40. Pode- se adotar Métodos Equivalentes a estes. desde que aprovados pelo IBAMA. (3) Média aritmética anual. (4) Os Métodos de Referência de amostragem e análise de poluentes descritos são aqueles aprovados pelo INMETRO.000 dispersivo Ozônio 1 hora (1) 160 160 Quimioluminescência 24 horas (1) 150 100 Fumaça Refletância MAA (3) 60 40 24 horas (1) 150 150 Separação Partículas inaláveis MAA (3) 50 50 inercial/filtração Dióxido de 1 hora (1) 320 190 Quimioluminescência nitrogênio MAA (3) 100 100 (1) Não deve ser excedido mais que urna vez ao ano. Tabela 3. .Padrões nacionais de qualidade do ar (Resolução CONAMA 003/90).

Óxidos de nitrogênio . em dependência dos seguintes fatores: temperatura do núcleo da chama. conteúdo de N2 no combustível e parâmetros de operação (excesso de ar).Formação Os NOx podem se formar a partir do N2 do ar e a partir do N2 do combustível. N O X “térm icos” A partir do N 2 do ar N O X “rápidos” NOX A partir do N 2 do com bustível N O X “com bustível” . tempo de permanência.

1998) .Classificação dos óxidos de nitrogênio de acordo com o mecanismo de formação e a temperatura de queima (Nussbaumer.

A maioria destas referências consideram o mecanismo “combustível” como o principal. Há diferentes opiniões na literatura com relação ao mecanismo predominante de formação de NOX durante a combustão de biomassa. Nussbaumer (1993) estudou a emissão de NOx durante a combustão de lenha e concluiu que a temperatura de combustão não tem uma influência principal nas emissões de NOx. . e que o mecanismo rápido pode também constituir uma fração significante das emissões de óxido de nitrogênio. Sigal (1988) considera uma faixa de baixas temperaturas de chama (900 . Grass e Jenkins (1994). e que a influência do %N2 no combustível é significante.1300 °C) para eliminar a formação de NOX térmico. sugere que a contribuição do mecanismo térmico provavelmente é sobreestimada.

Tratamento do gás efluente: SCR e SNCR.Controle da combustão (modificações processo/condições de operação): redução da temperatura máxima na zona de combustão. NOX . b). .Substituição do combustível. redução do tempo de residência do gás na zona de alta temperatura. redução da concentração de O2 na zona de combustão.Métodos de Controle a). c).

Custos relacionados ao controle de NOX .

Steam flow [t/h] 70 140 60 120 NOx [mg/Nm3] 50 100 40 80 ' 30 60 20 40 10 20 0 0 1 2 3 4 5 Air excess Steam flow Measured NOx . Medições: Usina Monte Alegre Influência dos parâmetros de operação da caldeira na formação de NOX para as faixas avaliadas 80 160 Air excess coefficient [% ].

Medições: Usina Monte Alegre Influência da concentração de O2 na formação de NOX .

caldeira 1 (27/10/2004) 203 10 183 9 163 8 143 7 NOx [mg/Nm3]. NOx [ppm] O2[%]. Medições: Usina Barra Grande Valores de concentração de NOx medidos e corrigidos para as condições padrões . Exc Ar [-] 123 6 103 5 83 4 63 3 43 2 23 1 3 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 NOx [ppm] NOx [mg/Nm3] Exc Ar O2 .

Medições: Usina Barra Grande Valores de concentração de NOx medidos e corrigidos para as condições padrões .caldeira 2 (24/11/2004) 220 9 200 8 7 180 NOx [mg/Nm3]. NOx [ppm] 6 160 O2 [%]. Exc ar [-] 5 140 4 120 3 100 2 80 1 60 0 1 5 9 13 17 21 25 29 33 37 41 45 49 53 57 61 65 69 73 77 81 85 89 93 97 101 NOx [ppm] NOx [mg/Nm3] Exc Ar O2 .

NOx [mg/Nm3] 6 140 5 Exc ar [%] 120 4 3 100 2 80 1 60 0 1 3 5 7 9 11 13 15 17 19 21 23 25 27 29 31 33 35 37 39 41 43 45 47 49 51 53 55 57 59 61 63 NOx [ppm] NOx [mg/Nm3] Exc Ar O2 . Medições: Usina Barra Grande Valores de concentração de NOx medidos e corrigidos para as condições padrões .caldeira 3 (29/10/2004) 200 9 8 180 7 160 Carga [t/h].

.Relação entre a formação de NOx e a de CO para valores decrescentes de excesso de ar.

Usina Barra Grande – Análise da dispersão 10% Excesso de ar 30% Excesso de ar Dispersão NOx [µg/Nm3] Dispersão NOx [µg/Nm3] 600 350 500 300 250 400 200 300 150 200 100 100 50 0 0 100 200 300 400 500 600 700 800 100 200 300 400 500 600 700 800 A B C D E F distância [m ] A B C D E F distância [m] .

Os equipamentos mais utilizados para o seu controle são: • coletores mecânicos (ciclones e multiciclones). que existe como líquido ou sólido na atmosfera e tem dimensões microscópicas ou submicroscópicas. porém maiores que as dimensões moleculares. • separadores úmidos (lavadores de gás . Eficiência / Consumo de energia / Custo de investimento e tratamento / Natureza física e química dos particulados / Periculosidade (incêndios e explosões) . à exceção da água pura. • filtros de mangas. Material Particulado Considera-se como material particulado qualquer substância.scrubbers). • precipitadores eletrostáticos.

Usina Colombo (28 e 29/10/2002) .Medições MP .

5 14.0 70.0 .0 15.5 45.5 55.0 7.0 7.5 95.0 13.5 85.0 75.0 100.0 73.5 75.0 7.5 15.0 3.0 2.5 35.0 84.0 8.0 63.Impactador em cascata Wi [per m] Acumulado dpi [µm] 7.0 43.5 7.5 65.0 82.0 27.0 3.0 80.5 16.0 12.5 4.0 2.0 5.5 100.0 2.0 55.5 25.

Ciclone & Multiciclones .

.

⎤2⎪ K ⋅ m ⋅ τ ⎥ ⎪⎬ η i = 1 − exp ⎨− 2 ⋅ ⎢ totgas . i ⎪ ⎢ M ⋅ N c ⋅ D 3c ⎥ ⎪ ⎪⎩ ⎣ ⎦ ⎪ ⎭ K 1 ⋅ K a ⋅ K b ⋅ N c ⋅ D 3c K 2 ⋅ t ⋅ N H ⋅ ρ gas ⋅ m totgas ⋅ D c K 3 ⋅ N c ⋅ D 3c 3 2 C an . ⎧ M⎫ ⎪⎪ ⎡ . tot = + + ( ) . 3 Dc 2 D 2 ⋅ W elet ⋅ K a ⋅ K b ⋅ N c ⋅ D c 2 2 3 c K 1* 3 ⋅ K *3 D 5c − D 2 c − =0 2 ⋅ K *2 2 ⋅ K *2 .

Lavador tipo ventury .

sendo uma função da velocidade do gás) e a relação líquido/gás (utilizada para se determinar a eficiência de coleção e perda de carga). Concentração de partículas na saída: 120 mg/Nm3 . Relação líquido/gás: 0. Velocidade na garganta do venturi: [40 a 150 m/s] = 40 .5 a 5 [l/m3] = 2. Lavadores de gás tipo venturi Os principais parâmetros de medida do desempenho de lavadores de gás são o valor de sua perda de carga (que define os requerimentos de potência elétrica.04 . As restrições para estes valores adotadas forma tomadas de recentes trabalhos. cujos valores são: .

Multiciclone combinado a um lavador tipo venturi .Multiciclone b). a). os custos de instalação e operação e.Lavador tipo venturi c). Estudo de caso . finalmente. o custo do tratamento de 1 m3 de gás.Particulado Este trabalho apresenta a aplicação de uma metodologia que permite avaliar multiciclones e lavadores de gás tipo venturi sob o ponto de vista técnico-econômico: Determina-se a eficiência final de remoção de partículas.

0 82.0 7.5 95.0 30% 2.0 43.0 40% 3.0 70.5 25.5 4.0 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110 15.0 60% % acum ulado 12.5 75.0 90% 7.0 27.5 100.0 0% 2.0 3.0 d p i [ m ic r o n s ] Multiciclones tipo Swift Lavador venturi [mg/Nm3] [mg/Nm3] 1800 1800 1500 1500 1200 1200 900 900 600 600 300 300 0 0 0 20 40 60 80 100 0 20 40 60 80 100 Concentração in Concentração out dp [microns] Concentração in Concentração out dp [microns] .0 75.0 10% 2.0 100.5 70% 16.0 84.5 85.0 80.5 35.5 14.0 63.5 45.5 65.0 50% 8.5 7.0 20% 5.0 55.0 7.0 73.5 55.5 15. Distribuição granulométrica [% m] Acumulado 100% i dpi [µm] 7.0 80% 13.

Distribuição granulométrica 100% 90% 80% Accumulated percentage 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 0 20 40 60 80 100 120 Dpi [microns] 900 Concentration [mg/Nm3] 800 Concentrações de entrada e saída 700 600 para multiciclones 500 Cin = 5.5 % 0 0 20 40 60 80 100 120 Cin [mg/Nm3] Cout [mg/Nm3] Dpi [microns] .000 mg/Nm3 400 300 Cout = 427 mg/Nm3 200 100 Eficiência global = 91.

0 Cin [mg/Nm3] Cinterm [mg/Nm3] Cout [mg/Nm3] Dpi [microns] .00 Cin = 5.00 Cout/Cin = 427 mg/Nm3 300.00 Cout = 200 mg/Nm3 100.0 60.00 venturi 600.00 Concentrações de entrada e saída 800.0 120.000 mg/Nm3 400.000 mg/Nm3 300 Cout = 200 mg/Nm3 200 100 Eficiência global = 96 % 0 0 20 40 60 80 100 120 Cin [mg/Nm3] Cout [mg/Nm3] Dpi [microns] 900.00 500.00 0.0 80.00 200. 900 800 Concentration [mg/Nm3] 700 Concentrações de entrada e saída 600 para lavador venturi 500 400 Cin = 5.0 20.0 40.00 0.00 para multiciclones / lavador Concentration [mg/Nm3] 700.0 100.

Resultados .

CONCLUSÕES Do ponto de vista ambiental. a geração de eletricidade a partir da biomassa canavieira apresentam muitas vantagens. Porém precisa- se da implementação de tecnologias de prevenção e controle das emissões de partículas e poluentes gasosos decorrentes. .

Sendo a dependência da carga fraca.09 2 R = 0. CONCLUSÕES .5546 80 60 40 20 Excesso de ar 0 0% 20% 40% 60% 80% 100% . NOx [ppm] 200 180 160 140 120 100 y = 39.NOx A concentração de NOx em caldeiras a bagaço dependem predominantemente do excesso de ar.096Ln(x) + 189. isto confirma a predominância a partir do nitrogênio do combustível.

NOx A operação com baixos valores de excesso de ar pode constituir um efetivo método de controle.8255 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% 0% 10% 20% 30% 40% 50% Variação % do coef.787x + 0. CONCLUSÕES . ar . observando as limitações relacionadas com a eficiência de combustão. exc. Redução da emissão de NOx [% ] 45% y = 0.0803 40% R2 = 0.

B.NOx Excesso Comentário Recomendação de ar Não há restrição Não se ultrapassa o valor de 320 µg/Nm3 Concentração 10% Dispersão Não há restrição Não há restrição Concentração A pior condição ocorre para a estabilidade “A” e a 300 m de distância (430 µg/Nm3). 350 e 1200 m. CONCLUSÕES . 800 e 1500 m. C. 400 e 1000 m. Para este caso 50% de 320 µg/Nm3 torna muito maior. 250 aproximadamente 26% de eficiência. respectivamente. Para este caso 30% ultrapassado para as distâncias de “x” entre 150 e precisaria de um sistema de controle com Dispersão aproximadamente 40% de eficiência. 250 e 700 m. evitada esta condição de operação para as estabilidades A. 350 e 1200 m. Não há restrição Concentração A pior condição ocorre para a estabilidade “A” e a 300 A região abrangido por valores de concentração acima m de distância (670 µg/Nm3). D o limite é m de distância (530 µg/Nm3). 450 m. respectivamente. respectivamente. Para este caso 20% Para as estabilidades A. C. C o limite é ultrapassado precisaria de um sistema de controle com Dispersão para as distâncias de “x” entre 200 e 400 m. Não há restrição Concentração A pior condição ocorre para a estabilidade “A” e a 300 Para as estabilidades A. Para este caso 40% ultrapassado para as distâncias de “x” entre 150 e precisaria de um sistema de controle com Dispersão aproximadamente 48% de eficiência. 800 e 1100 m. Não há restrição Concentração A pior condição ocorre para a estabilidade “A” e a 300 Para as estabilidades A. 450 m. 250 e 700 m. B. e 600 m. B. devendo ser precisaria de um sistema de controle com Dispersão aproximadamente 52% de eficiência. D o limite é m de distância (610 µg/Nm3). C e D . B.

MP a).A combinação de multiciclones e lavadores de gás deve ser avaliada através de uma análise técnico-econômica com relação à distribuição granulométrica. b). . CONCLUSÕES .A concentração de partículas nos gases de exaustão das caldeiras que queimam bagaço apresentam valores de concentração na faixa de 400 a 600 mg/Nm3 quando se empregam multiciclones e 100 e 200 mg/Nm3 quando se empregam lavadores de gás. Para “aerossóis finos” o lavador pode ser a melhor opção enquanto que “aerossóis grossos” o controle combinado pode resultar ser mais econômico.