Está en la página 1de 4

FACULDADE DEVRY MARTHA FALCÃO

CURSO DE DIREITO

NÁDIA ALINE PEREIRA DE SOUZA

LICITAÇÕES PÚBLICAS: O PRINCÍPIO DA ISONOMIA COMO


MECANISMO EFICAZ PARA COIBIR FRAUDES NO PROCESSO
LICITATÓRIO E GARANTIR A IGUALDADE ENTRE LICITANTES.

MANAUS/2018
FACULDADE DEVRY MARTHA FALCÃO

CURSO DE DIREITO

NÁDIA ALINE PEREIRA DE SOUZA

LICITAÇÕES PÚBLICAS: O PRINCÍPIO DA ISONOMIA COMO


MERCANISMO EFICAZ PARA COIBIR FRAUDES NO PROCESSO
LICITATÓRIO E GARANTIR A IGUALDADE ENTRE LICITANTES.

Projeto de pesquisa à disciplina Monografia I do Curso de


Direito da Faculdade Devry Martha Falcão para fins de
elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso, sob a
orientação do Professor Aluísio Celso Affonso Caldas.
Professora da Disciplina: Maria Bernadete Bonini Alves.

MANAUS/2018
PROJETO DE PESQUISA

1. TEMA
Fraudes em licitações públicas.

2. DELIMITAÇÃO DO TEMA
Licitações públicas: O princípio da isonomia como mecanismo eficaz para coibir
fraudes no processo licitatório e garantir a igualdade entre licitantes.

3. PROBLEMA DE PESQUISA
Quais são as providências administrativas, à luz da Lei nº 8.666/93, que asseguram a
isonomia entre os licitantes, coibindo fraudes no processo dos certames públicos?

4. HIPÓTESES
a) Exigências nos editais de licitação que atentam contra os princípios da isonomia,
da legalidade e da competitividade entre licitantes;
b) Habilitação dos licitantes e apresentação de propostas;
c) Inexigibilidade ou dispensa de licitação.

5. OBJETIVO GERAL
Analisar os principais fatores que concorrem para a ocorrência de fraudes em
licitações públicas com a participação ativa dos licitantes, afetando o princípio da isonomia,
da legalidade e da competitividade, e quais as providências a serem tomadas para evitar tais
atos ilícitos.

6. OBJETIVO ESPECÍFICO
a) Identificar quais as principais etapas do processo licitatório em que a ocorrência
de fraudes se mostra mais frequente, afetando a igualdade e a competitividade entre licitantes;
b) Apresentar situações em que o princípio da isonomia é afetado, privilegiando
determinados licitantes, em detrimento dos demais concorrentes e da supremacia do interesse
público, no processo licitatório;
c) Analisar a efetividade do princípio da isonomia como mecanismo eficaz para
combater fraudes em certames públicos, garantindo, destarte, a igualdade entre empresas
concorrentes.
7. JUSTITICATIVA

O instituto da licitação pública é o meio pelo qual a Administração Pública, além de


escolher a proposta mais vantajosa e a melhor técnica na aquisição de bens e serviços, busca
por meio de processo de seleção encontrar o interessado que tenha capacidade para atender as
exigências do ato convocatório. Essa seleção é feita entre os concorrentes que tenham as
mesmas condições, em igualdade de requisitos e de participação, atendendo ao interesse
público, objeto do chamamento imposto no ato edital ou carta convite publicado.
O princípio da isonomia constitui o alicerce da licitação, previsto no artigo 37, inciso
XXI, da Constituição Federal e em vários dispositivos da Lei nº 8.666/93, dentro os quais se
destaca o § 1º do artigo 3º, que no inciso I, trata do princípio competitividade, decorrente do
princípio da isonomia, e, em seu Inciso II, veda ao agente o tratamento diferenciado, de
qualquer natureza, entre empresas concorrentes.
A divulgação de grandes operações de combate à corrupção deixa patente o
desrespeito ao preceito fundamento da concorrência pública. Observam-se fraudes em
licitações, desde as fases iniciais do certame até a execução de serviços, aquisição de bens e
obras de engenharia, as quais há a participação ativa do licitante, intervindo nas normas dos
editais publicados, nos contratos firmados na fase de adjudicação, e no produto final do objeto
licitado.
Tais fraudes contribuem para que o processo licitatório atente contra o princípio da
legalidade, prejudicando a igualdade entre empresas concorrentes, a sociedade, beneficiária
dos objetos que decorrem de contratos com a Administração Pública e a supremacia do
interesse público.
Destarte, verifica-se a importância da isonomia entre licitantes nas fases do
procedimento licitatório, a fim de garantir a eficácia dos atos administrativos praticados,
promovendo a competitividade justa, e assegurando a inexistência de vícios que
comprometam as futuras aquisições de bens, serviços e obras públicas.
O presente trabalho tem como objetivo analisar os fatores que contribuem para a
ocorrência de fraudes em licitações públicas com a participação de empresas licitantes, em
desacordo com os princípios que regem a licitação pública, em especial o princípio da
isonomia entre licitantes que contribuem para as ilicitudes dos certames realizados pela
Administração Pública, apontando as medidas que podem ser adotadas para evitar situações,
tão cotidianas na realidade brasileira.