Está en la página 1de 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA


n
Introdução a Análise no R - 2017.1

Data: 21/09/2017 Prof.: Vanessa Ramos

Lista de Exercícios

Questão 1. Prove o Teorema de Bolzano-Weierstrass: Toda sequência limitada em Rn possui uma


subsequência convergente.

Questão 2. Dado C um subconjunto de Rn , denote por int(C) o conjunto dos seus pontos interiores
e por C o seu fecho. Prove que int (A ∩ B) = int(A) ∩ int(B) e A ∪ B = A ∪ B.

Questão 3. Mostre que um ponto a ∈ Rn é aderente a um conjunto X ⊂ Rn se, e somente se, toda
bola de centro em a contém algum ponto de X.

Questão 4. Mostre que toda aplicação contínua f : X → Rn denida em conjunto compacto


X ⊂ Rm é uniformemente contínua.

Questão 5. Prove que a imagem f (K) de um conjunto compacto K ⊂ X por uma função contínua
f :X→ Rn é também um conjunto compacto.

Questão 6. Dê a denição de conjunto conexo em Rn . Prove o Teorema da Alfândega: Seja X ⊂ Rn


um conjunto arbitrário. Se um conjunto conexo C ⊂ Rn contém um ponto a ∈ X e um ponto b ∈ /X
então C contém um ponto c ∈ fr.X.

Questão 7. Seja f : R → R3 a hélice cilíndrica denida por f (t) = (cos t, sen t, t). Prove que para
todo t ∈ R a reta que liga os pontos f (t) e f (t) + f 00 (t) intersecta o eixo vertical de R3 .

Questão 8. Sejam f, g : I → Rn caminhos diferenciáveis em um ponto t0 ∈ I. Mostre que a função


que a cada t ∈ I associa o produto interno < f (t), g(t) > é diferenciável em t0 e vale:

< f, g >0 (t0 ) = < f 0 (t0 ), g(t0 ) > + < f (t0 ), g 0 (t0 ) > .

Conclua que se um caminho diferenciável f : [a, b] → Rn satisfaz f (a) = f (b) = 0 então existe
c ∈ (a, b) tal que < f (c), f 0 (c) > = 0. Interprete geometricamente este fato.

Questão 9. Seja U ⊂ Rn um aberto. Se f : U → R é uma função que possui derivadas parciais


∂f
: U → R (i = 1, · · · , n) limitadas, prove que f é contínua. Dê exemplo de uma função que possui
∂xi
todas as derivadas parcias em um ponto mas não é contínua neste mesmo ponto.

Questão 10. Considere f : U → R uma função real denida em um aberto U ⊂ Rn . Mostre que o
conjunto dos pontos de máximo (ou de mínimo) local estrito de f é enumerável.

Questão 11. Determine os pontos críticos da função real f : R2 → R denida por


f (x) = x3 − y 3 − x + y. Identique, caso existam, os pontos de máximo, mínimo e de sela.
1
2

Questão 12. Seja f : I × J → R uma função de classe C 2 denida no aberto I × J ⊂ R2 . Supondo


∂2f
que é identicamente nula, prove que existem funções ϕ : I → R e ψ : J → R tais que
∂x∂y
f (x, y) = ϕ(x) + ψ(y) para todo (x, y) ∈ I × J.

Questão 13. Considere f : U → R uma aplicação diferenciável denida no aberto U ⊂ Rn . Dizemos


que um ponto a ∈ U é um ponto crítico não-degenerado de f se a é crítico (gradf (a) = 0) e a matriz
hessiana de f neste ponto
∂2f
 
Hf (a) = (a)
∂xi ∂xj i,j
é invertível. Prove que se f é de classe C2 então os pontos críticos não-degenerados são pontos
isolados.
Questão 14. Prove que as raízes de um polinômio de primeiro grau dependem diferenciavelmente
dos coecientes desse polinômio.
Sugestão: Considere a aplicação que a cada ponto (a, b) ∈ R2 , com a 6= 0, associa o polinômio
∂p
pa,b (x) = p(a, b, x) = ax + b. Se c ∈ R é raíz de pa,b , calcule (c) e aplique o Teorema da Função
∂x
Implícita.
Questão 15. Prove o Teorema do Valor Médio para funções reais de n variáveis: Dada f : U → R
diferenciável no aberto U ⊂ Rn , se o segmento de reta [a, a + v] estiver contido em U então existe
θ ∈ (0, 1) tal que
n
∂f X ∂f
f (a + v) − f (a) = (a + θv) = (a + θv) · αi
∂v ∂xi
i=1
onde v = (α1 , · · · , αn ). A partir deste teorema conclua que se o aberto U é conexo e gradf (x) = 0
para todo x ∈ U então f é constante.
Questão 16. Seja f : R3 → R3 a aplicação f (x, y, z) = (x2 − y 2 , xz, yz). Determine os pontos
(x, y, z) ∈ R3 tais que a diferencial Df (x, y, z) é uma transformação linear injetiva. Fixado z ∈ R,
determine o conjunto imagem da aplicação Df (0, 0, z) : R3 → R3 .
Questão 17. Dados f : U → Rn uma aplicação denida em um aberto U ⊂ Rm e um ponto a ∈ U , o
que signica f ser diferenciável neste ponto? Conclua que a diferencial Df (a) no ponto a é,
localmente, a melhor aproximação linear da aplicação.
Questão 18. Seja f : U → Rn uma aplicação diferenciável denida em um aberto convexo U ⊂ Rm .
Suponha que existe uma constante M > 0 tal que |f 0 (x)| ≤ M para todo x ∈ U . Prove que f satisfaz
a condição de Lipschitz |f (x) − f (y)| ≤ M · |x − y| para quaisquer x, y ∈ U .
Questão 19. Sejam U ⊂ Rm , V ⊂ Rn abertos e f : U → Rn , g : V → Rp aplicações diferenciáveis
respectivamente, nos pontos a ∈ U, b = f (a) ∈ V com f (U ) ⊂ V. Prove que a aplicação composta
g ◦ f : U → Rp é diferenciável no ponto a e vale:

D(g ◦ f )(a) = Dg(b) · Df (a).

Questão 20. Enuncie o Teorema da Função Implícita para funções reais de n variáveis e o Teorema
da Aplicação Inversa para aplicações diferenciáveis de Rn . Dê uma aplicação de algum dos teoremas
enunciados.