Está en la página 1de 4

Do claustro, na paciência e no sossego,

PARNASIANISMO 2º ANO Trabalha, e teima, e lima, e sofre, e sua!


Mas que na forma se disfarce o emprego
Do esforço; e a trama viva se construa
01 - (UFAM AM/2007)
De tal modo, que a imagem fique nua,
Leia o poema abaixo e, a seguir, responda ao que sobre
Rica mas sóbria, como um templo grego.
ele se indaga:
Não se mostre na fábrica o suplício
Do mestre. E, natural, o efeito agrade,
VASO CHINÊS
Sem lembrar os andaimes do edifício:
Porque a Beleza, gêmea da Verdade,
Estranho mimo aquele vaso! Vi-o
Arte pura, inimiga do artifício,
Casualmente, uma vez, de um perfumado
É a força e a graça na simplicidade.
Contador sobre o mármor luzidio,
(Olavo Bilac)
Entre um leque e o começo de um bordado.
00. De cunho metalingüístico, este poema descreve as
Fino artista chinês, enamorado,
condições de produção e recepção de um texto
Nele pusera o coração doentio
literário, de acordo com o perfeccionismo da estética
Em rubras flores de um sutil lavrado,
parnasiana.
Na tinta ardente, de um calor sombrio.
01. O poeta compara sua função ao trabalho preciosista
de composição dos manuscritos medievais, que
Mas, talvez por contraste à desventura,
demandavam a atenção exclusiva dos religiosos da
Quem o sabe?... de um velho mandarim
época, na reclusão de seus mosteiros.
Também lá estava a singular figura;
02. Bilac revela a intenção de criar, em sua poesia, um
discurso tão belo quanto verdadeiro, onde o esforço
Que arte em pintá-la! a gente acaso vendo-a,
da construção sirva à simplicidade do efeito.
Sentia um não sei que com aquele chim
03. Em seu poema, Bilac defende o isolamento do artista
De olhos cortados à feição de amêndoa.
num claustro visando à produção de um texto
hermético e avesso a qualquer interação com o leitor.
04. Como o Pe. Vieira, Bilac concorda que a arte é
Assinale o item do qual consta uma característica do
inimiga do artifício gratuito, e deve buscar atingir a
gênero lírico que NÃO se faz presente no poema “Vaso
compreensão e a empatia do seu público.
Chinês”, acima transcrito.
a) O eu lírico recorda, sendo que recordar significa,
Gab: VVVFV
etimologicamente, sentir de novo no coração.
b) O eu lírico obedece a determinado modelo
composicional e métrico.
04 - (UEM PR/2006)
c) Observa-se a renúncia à coerência gramatical e
Leia as proposições a seguir:
formal.
d) O enunciado está livre da historicidade, pois não
I. O narrador típico dessa escola procura ocultar as
apresenta nem causas nem conseqüências.
marcas da própria subjetividade; as descrições são
e) O ritmo é constante, graças à utilização de versos
bastante detalhadas; a sociedade é descrita como
isométricos.
injusta, opressora, mascarando a conveniência e o
interesse por meio do discurso do interesse público
Gab: C
ou do amor.
II. Trata-se de um estilo de época que surgiu em um
contexto marcado por diversos avanços científicos
02 - (UFPE PE/2004)
que permitiram explicar fenômenos até então
O Parnasianismo pode ser descrito como um movimento:
considerados inexplicáveis. Um exemplo é a
( ) essencialmente poético, que reagiu ao
publicação da obra Origem das espécies, de Charles
sentimentalismo romântico.
Darwin, na qual é exposta a teoria da evolução das
( ) cuja poesia é, sobretudo, forma que se sobrepõe ao
espécies por seleção natural, de modo a negar a
conteúdo e às idéias.
origem divina do mundo, pensamento respeitado no
( ) cuja arte tinha um sentido utilitário e um compromisso
período romântico.
social.
III. Essa escola se distingue especialmente na poesia.
( ) cuja verdade residia na beleza da obra, e essa, na
Seus autores eram respeitadíssimos e, como
sua perfeição formal.
publicavam seus sonetos em jornais de grande
( ) que revela preferência pela objetividade, pelos temas
circulação, eram lidos por uma população
greco-latinos e por formas fixas, como o soneto.
alfabetizada relativamente grande, o que garantia à
escola uma grande popularidade. Na verdade, esse
Gab: VVFVV
público era tão grande que a escola seguinte
precisou romper de forma agressiva, até mesmo
escandalosa, com os princípios estéticos desses
03 - (UFPE PE/2007)
autores.
Alguns estilos de época, a exemplo do Parnasianismo,
primaram pelo esteticismo e pelo culto à forma, em textos
As informações acima são, respectivamente, sobre:
que buscavam atingir a impassibilidade e a
a) Romantismo, Realismo, Parnasianismo.
impessoalidade, sendo por isso acusados de um
b) Realismo, Naturalismo, Parnasianismo.
distanciamento voluntário do público leitor. Leia o poema
c) Simbolismo, Naturalismo, Simbolismo.
de Olavo Bilac e analise as questões a seguir.
d) Naturalismo, Romantismo, Parnasianismo.
e) Romantismo, Parnasianismo, Parnasianismo.
A um poeta.
Gab: B
Longe do estéril turbilhão da rua,
05 - (UFAM AM/2006)
Beneditino, escreve! No aconchego
Profª. Clemilda Souza – LITERATURA – CNSA 2008
Todas as características de estilo abaixo relacionadas A frase, e enfim,
pertencem ao Parnasianismo, exceto: No verso de ouro engasta a rima,
a) o apuro quanto à parte formal. Com um rubim.
b) a reserva nas efusões pessoais.
c) a procura de rimas ricas. Nos versos acima, descrevem-se as operações a que se
d) a imaginação criadora deve entregar um poeta:
e) o uso de descrições. a) afinado com o sentimentalismo romântico.
b) identificado com o preciosismo parnasiano.
Gab: D c) cujas convicções se assemelham às dos
modernistas.
06 - (UFPE PE/2005) d) esteticamente literário, avesso ao “bom gosto”.
O Arcadismo (no século XVIII) e o Parnasianismo (em fins e) representativo do satanismo romântico, adepto do
do século XIX) apresentam, em sua caracterização, “belo horrível”.
pontos em comum. São eles:
a) bucolismo e busca da simplicidade de expressão. Gab: B
b) amor galante e temas pastoris.
c) ausência de subjetividade e presença da temática e 09 - (UFPE PE/2003)
da mitologia greco-latina. Coração do Brasil em teu seio
d) preferência pelas formas poéticas fixas, como o Corre o sangue de heróis, rubro veio,
soneto, e pelas rimas ricas. Que há de sempre o valor traduzir
e) a arte pela arte e o retorno à natureza. És a fonte da vida e da história
Desse povo coberto de glória
Gab: C O primeiro talvez no porvir.

"Salve! ó terra de altos coqueiros!


07 - (UFF RJ/2004) De belezas, soberbo estendal!
A PÁTRIA Nova Roma de bravos guerreiros
Pernambuco, imortal, imortal!"
Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste!
Criança! não verás nenhum país como este! A letra do Hino de Pernambuco, cuja primeira estrofe e
Olha que céu! que mar! que rios! que floresta! refrão estão transcritos acima, é sempre bela e tocante.
A Natureza, aqui, perpetuamente em festa, Composta no início do século passado, sofreu influência
É um seio de mãe a transbordar carinhos. da linguagem poética, apresentando as características
Vê que vida há no chão! vê que vida há nos ninhos, das seguintes escolas literárias:
Que se balançam no ar, entre os ramos inquietos! a) Do Parnasianismo, apresenta a preocupação com o
Vê que luz, que calor, que multidão de insetos! uso de palavras raras, diferentes das usuais, além
Vê que grande extensão de matas, onde impera de transmitir uma visão ufanista; do Romantismo, a
Fecunda e luminosa, a eterna primavera! idealização da terra natal e a exaltação à natureza
tropical.
Boa terra! jamais negou a quem trabalha b) Do Simbolismo, incorpora em sua letra o uso dos
O pão que mata a fome, o teto que agasalha... símbolos, libertando a palavra de sua carga lógica,
com a correspondência entre as imagens acústicas,
Quem com o seu suor a fecunda e umedece, visuais e olfativas; do Naturalismo, a tendência
Vê pago o seu esforço, e é feliz, e enriquece! determinista da influência do meio sobre o homem.
c) Do Modernismo, adota o questionamento radical do
Criança! não verás país nenhum como este: momento político-social; do Arcadismo, a
Imita na grandeza a terra em que nasceste! valorização da vida campestre.
(Olavo Bilac) d) Do Realismo, herda a preocupação com a verdade
social e, do Naturalismo, incorpora a objetividade e
As estéticas literárias, embora costumem ser datadas nos o materialismo.
livros didáticos com início e término pós-determinados, e) Do Barroco, adota a forte presença das antíteses e o
não se deixam aprisionar pela rigidez cronológica. caráter de jogo verbal a serviço de críticas; do
Assinale o comentário adequado em relação à expressão Arcadismo, o tom lírico pastoril.
estética do poema "A Pátria" de Olavo Bilac (1865-1918).
a) O poema transcende a estética parnasiana ao tratar a Gab: A
temática da exaltação da terra, segundo a estética
romântica. 10 - (Uni-Rio RJ/1999)
b) O poema exemplifica os preceitos da estética Mal Secreto
parnasiana e valoriza a forma na expressão
comedida do sentimento nacional. "Se se pudesse, o espírito que chora,
c) O poema se antecipa ao discurso crítico da identidade Ver através da máscara da face,
nacional - tema central da estética modernista. Quanta gente, talvez, que inveja agora
d) O poema se insere nas fronteiras rígidas da estética Nos causa, então piedade nos causasse!"
parnasiana, dando ênfase à permanência do ideário (Raimundo Correia)
estético, no eixo temporal das escolas literárias.
e) O poema reflete os valores essenciais e perenes da Assinale a opção em que a correspondência movimento
realidade, distanciando-se de um compromisso com literário - característica se refere ao fragmento de
a afirmação da nacionalidade. Raimundo Correia.
a) Parnasianismo - rigidez formal.
Gab: A b) Simbolismo - transcendentalismo.
c) Romantismo - sentimentalismo.
08 - (Unifor CE/2003) d) Modernismo - liberdade formal.
Torce, aprimora, alteia, lima, e) Realismo - objetivismo.
Profª. Clemilda Souza – LITERATURA – CNSA 2008
d) simbolismo
Gab: A e) modernismo

Gab: a) E
11 - (Furg RS/2001) Gab: b) B
Sobre Olavo Bilac, um dos mais importantes poetas do Gab: c) C
Parnasianismo brasileiro, é correto afirmar que:
a) sua produção lírica assume os valores técnico-formais
da época, e seus temas preferenciais 13 - (UnB DF/1998)
circunscreveram-se apenas à esfera da lírica Música brasileira
amorosa e erótica.
b) utilizou em larga medida os clichês vocabulares, Tens, às vezes, o fogo soberano
reproduzindo os falares típicos da cidade do Rio de Do amor: encerras na cadência, acesa
Janeiro. Em requebros e encantos de impureza,
c) foi o grande responsável pela construção de uma Todo o feitiço do pecado humano.
poesia voltada para os ambientes brumosos e
soturnos. Mas, sobre essa volúpia, erra a tristeza
d) focalizou questões sociais, provocando um grande Dos desertos, das matas e do oceano:
movimento renovador no panorama da poesia Bárbara poracé, banzo africano,
brasileira. E soluços de trova portuguesa.
e) adepto da arte pela arte, fortaleceu o cultivo do
soneto como expressão poética. És samba e jongo, xiba e fado, cujos
Acordes são desejos e orfandades
Gab: E De selvagens, cativos e marujos:

E em nostalgias e paixões consistes,


12 - (Faap SP/1997) Lasciva dor, beijo de três saudades,
AS POMBAS Flor amorosa de três raças tristes.
Olavo Bilac. OBRA REUNIDA. Rio de Janeiro: Nova
Vai-se a primeira pomba despertada... Aguilar, 1996.
Vai-se outra mais... mais outra... enfim dezenas
De pombas vão-se dos pombais, apenas Com base na leitura do poema e sabendo que Olavo
Raia sangüínea e fresca a madrugada Bilac é um dos maiores expoentes da poesia parnasiana
no Brasil, julgue os itens que se seguem.
E à tarde, quando a rígida nortada 01. São características do Parnasianismo, presentes no
Sopra, aos pombais, de novo, elas, serenas poema: a arte pela arte, a impassibilidade, a
Ruflando as asas, sacudindo as penas, economia vocabular, a poesia descritiva, a
Voltam todas em bando e em revoada... revalorização da mitologia.
02. Música brasileira é um exemplo de poema de forma
Também dos corações onde abotoam, fixa.
Os sonhos, um por um, céleres voam 03. Em "o fogo soberano / Do amor" (v.1-2), tem-se um
Como voam as pombas dos pombais; exemplo de metáfora.
04. O ritmo do verso 3 é binário, em uma alusão ao
No azul da adolescência as asas soltam, movimento dos quadris femininos.
Fogem... Mas aos pombais as pombas voltam 05. A rima entre "cujos" (v.9) e "marujos" (v.11) classifica-
E eles aos corações não voltam mais... se como rica.
(Raimundo Correia)
Gab: ECCEC
A. Este poema de Raimundo Correia espelham dois tipos
de assunto: o .................. em que a natureza nos aparece 14 - (UEL PR/1998)
com uma fidelidade absolutamente realista, sem Olavo Bilac e Alberto de Oliveira representam um estilo
interferência do poeta que apenas nos transporta para um de época de acordo com o qual
quadro profundamente colorido e sonoro e o .................. , a) o valor estético deve resultar da linguagem subjetiva
mostrando-nos o homem vencido pelo destino. e espontânea que brota diretamente das emoções.
a) árcade / socialista b) a forma literária não pode afastar-se das tradições e
b) paisagista / coletivista das crenças populares, sem as quais não se enraíza
c) místico / filosófico culturalmente.
d) pastoril / marxista c) a poesia deve sustentar-se enquanto forma bem
e) descritivo / psicológico lapidada, cuja matéria-prima é um vocabulário raro,
numa sintaxe elaborada.
B. A estrutura ordenada do poema nos revela: d) devem ser rejeitados os valores do antigo
a) liberdade formal classicismo, em nome da busca de formas
b) rigorismo formal renovadas de expressão.
c) abundância de versos alexandrinos e) os versos devem fluir segundo o ritmo irregular das
d) desprezo pela pontuação tradicional impressões, para melhor atender ao ímpeto da
e) linguagem coloquial inspiração.

Gab: C
C. Pelo estilo do poema e seu autor, não é difícil saber
que se trata de uma obra filiada ao:
a) arcadismo
b) romantismo
c) parnasianismo TEXTO: 1 - Comum à questão: 15
Profª. Clemilda Souza – LITERATURA – CNSA 2008
Gosto de sentir a minha língua roçar
A língua de Luís de Camões
Gosto de ser e de estar
E quero me dedicar
A criar confusões de prosódia
E uma profusão de paródias
Que encurtem dores
E furtem cores como camaleões
Gosto do Pessoa na pessoa
Da rosa no Rosa
E sei que a poesia está para a prosa
Assim como o amor está para a amizade
E quem há de negar que esta lhe é superior?
E deixa os portugais morrerem à míngua
“Minha pátria é minha língua”
Fala, Mangueira!
Flor do Lácio, Sambódromo
Lusamérica, latim em pó.
O que quer
O que pode
Esta língua?
(...)

15 - (ITA SP/2003)
A expressão “Flor do Lácio” também faz parte de um
famoso poema da Literatura Brasileira, intitulado “Língua
Portuguesa”, produzido na segunda metade do século
XIX.
Assinale a alternativa que apresenta características
pertencentes ao estilo da época em que foi produzido
esse poema.
a) Subjetivismo, culto da forma, arte pela arte.
b) Culto da forma, misticismo, retorno aos motivos
clássicos.
c) Arte pela arte, culto da forma, retorno aos motivos
clássicos.
d) Culto da forma, subjetivismo, misticismo.
e) Subjetivismo, misticismo, arte pela arte.

Gab: C

Profª. Clemilda Souza – LITERATURA – CNSA 2008