Está en la página 1de 78

Manutenção de

Passagem em
Nível
Edição, Revisão e
Desenho Instrucional ID Projetos Educacionais


Desenho Gráfico
e Produção Ser Integral Consultoria em Recursos Humanos Ltda.

Conteúdo Vale

Conteudista Henrique da Luz – São Luís (MA)

Fevereiro 2008 Impresso pela Ser Integral Consultoria em Recursos


Humanos Ltda. no Brasil.

É proibida a duplicação ou reprodução deste material, ou parte do mesmo,


sob qualquer meio, sem autorização expressa da Vale.
“ deve ser uma constante
A vida
educação.
Gustave Flaubert ”
“ A P R ES ENTA ÇÃ O

Prezado Empregado,
Você está na Trilha Técnica da Manutenção Ferroviária participando
do curso “Manutenção de Passagem em Nível”.
Conhecimentos

Habilidades

A Valer - Universidade Corporativa Vale - construiu esta Trilha em


conjunto com profissionais representantes da área (comitê técni-
co, supervisores e técnicos) com o objetivo de identificar as com-
petências indispensáveis para o melhor desempenho das funções
técnico-operacionais da ferrovia e organizar as ações de desenvol-
vimento necessárias para desenvolvê-las.

Competência é a união de conhecimentos, habilidades e atitudes.

Todos os treinamentos contidos na Trilha Técnica contribuem com o


desenvolvimento de suas competências tornando-o apto a executar
seu trabalho com mais qualidade e segurança, agindo em confor-
midade com os padrões exigidos pela Companhia.
Atitudes
Agora é com você. Vamos Trilhar?

INTRODUÇÃO 09

CAPÍTULO I PASSAGEM EM NÍVEL FERROVIÁRIA 11


Classificação de PN 14

CAPÍTULO II PROCEDIMENTOS EM PN 19
Carga e descarga dos componentes das PN 20
Roçada e campina no entorno da PN 20
Substituições em PN 20
Correção geométrica em PN 21
Recomposição de lastro em PN 22
Drenagem em PN 22

CAPÍTULO III SEGURANÇA EM PN 25


Normas e lei 26
Equipamentos – sinalização e barreiras 27
Equipamentos por tipo de PN 29

CAPÍTULO IV FECHAMENTO E FUNCIONAMENTO 37


Fechamento 38
Funcionamento 39
“SU M ÁRI O
CAPÍTULO V

GUARNECIMENTO E DESGUARNECIMENTO
Guarnecimento
Desguarnecimento
” 43
44
44
Telefones 45

CAPÍTULO VI DEVERES 49
Entidade gestora da infra-estrutura ferroviária e seus agentes 50
Empresas ferroviárias e seus agentes 50
Utentes 51

CAPÍTULO VII PN PARTICULARES 57


Licença de atravessamento 58
Compromisso assumido 58
Segurança 58
Deveres dos utentes 59

CAPÍTULO VIII RESPONSABILIDADE CIVIL 63


Entidade gestora da infra-estrutura ferroviária 64
Empresas de transporte ferroviário 65
Utentes 65

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA 77
“INT R OD UÇ Ã O

Você está iniciando estudos sobre Manutenção de Passagem em Nível.



Através dessa apostila, você aprenderá o que é passagem em nível, bem como os componentes
utilizados em sua formação e instalação.

Verá ainda:

os procedimentos em PN, como carga e descarga, substituições, correções geométricas, entre


outros;

os diferentes tipos de PN e os equipamentos de segurança utilizados para cada um deles;

suas normas e lei;

os conceitos de fechamento e regime de funcionamento das passagens em nível;

o que é guarnecimento e desguarnecimento e suas aplicações nas PN;

quais os deveres dos diferentes elementos participantes das PN: entidade gestora da infra-
estrutura ferroviária e seus agentes, empresa ferroviária e seus agentes e utentes, entendendo
a responsabilidade civil de cada uma dessas entidades.

o que são PN particulares, bem como suas medidas de segurança e os deveres de seus utentes.
C AP Í T U LO I

PA S S A G EM EM NÍV E L
FER R OV IÁ RI A


A passagem em nível é todo o cruzamento entre uma via e uma linha férrea com pista própria.

Quanto à sua composição, as PN podem ser:

de madeira;

mista;

de concreto;

de aço.

PN de concreto PN de madeira

PN mista PN de aço

Além disso, as PN possuem diversos acessórios para sua fixação.

12
Esses acessórios são os mesmos utilizados em toda via férrea, sendo que nas PN eles são adapta-
dos para a instalação delas.

Os acessórios para fixação de PN são:

Tirefond;

placas de apoio;

grampos: Deenik ou Pandrol, dependendo do local em que a PN será instalada.

PN de madeira e aço com


fixação elástica do tipo Deenik.

As passagens em nível na EFC são fabricadas com planchões de madeira, concreto e trilho.

Merece destaque também a classificação das PN que considera os momentos de circulação e limite
de velocidade de cada passagem.

Manutenção de Passagem em Nível 13


CLASSIFICAÇÃO DE PN

Com relação ao momento de circulação, existem cinco tipos de PN:

A;

B;

C;

D;

de peões.

Tipo A

São do tipo A as passagens em nível com momento de circulação igual ou superior a 24.000.

Elas também podem ser com momento de circulação igual ou superior a 10.000 e inferior a 24.000.
Nesse caso, devem estar situadas em troços de linha onde a velocidade das circulações ferroviárias
mais rápidas seja superior a 120 km/h.

Tipo B

As passagens em nível do tipo B possuem momento de circulação igual ou superior a 10.000 e


inferior a 24.000.

Aqui elas estão localizadas em troços de linha em que a velocidade máxima das circulações ferro-
viárias seja igual ou inferior a 120 km/h.

As PN do tipo B também podem ser com momento de circulação inferior a 10.000, situadas em parte
da linha onde a velocidade máxima das circulações ferroviárias seja superior a 120 km/h.

Além desses dois momentos, o tipo B também corresponde ao momento de circulação igual ou
superior a 5.000 e inferior a 10.000. Nesse caso, as PN estarão situadas em partes da via onde a
velocidade máxima das circulações ferroviárias seja superior a 50 km/h.

Tipo C

O tipo C de passagens em nível possui momento de circulação igual ou superior a 5.000 e inferior a
10.000. Elas estão situadas em troços de linha onde a velocidade máxima das circulações ferrovi-
árias seja igual ou inferior a 50 km/h.

14
Também podem ser do tipo C as PN situadas em troços de linha onde a velocidade máxima das
circulações ferroviárias seja igual ou inferior a 120 km/h, com momento de movimentação igual ou
superior a 3.000 e inferior a 5.000.

Você ainda pode considerar PN do tipo C aquelas com momento de circulação inferior a 3.000 e que
não possuam visibilidade igual ou superior à distância de visibilidade mínima. Nesse caso, elas
devem estar localizadas em troços de linha onde a velocidade máxima das circulações de ferrovias
seja igual ou inferior a 120 km/h.

Por fim, as PN do tipo C podem ser com momento de circulação inferior a 3.000, situadas em parte
da linha em que a velocidade máxima das circulações ferroviárias seja igual ou inferior a 120 km/h
e com TMD igual ou superior a 50.

Tipo D

São de tipo D as PN com momento de circulação inferior a 3.000 e TMD inferior a 50.

Esse tipo de PN também está localizado em troços da via onde a velocidade máxima das circulações
ferroviárias seja igual ou inferior a 120 km/h.

Além disso, devem possuir distância de visibilidade igual ou superior à mínima em todos os senti-
dos de circulação considerados.

De peões

São as passagens em nível ferroviárias destinadas à passagem de peões.

OBSERVAÇÕES: é possível que as classificações de PN, bem como as sinalizações determinadas


para cada uma, sofram alterações.

Isso porque a análise para tais determinações baseia-se em contagens e estudos de tendências
de crescimento do tráfego e do desenvolvimento urbano.

Esta análise, por sua vez, deve incluir uma previsão dos volumes de tráfego até cinco anos após
a classificação feita.

Assim, cabe à entidade gestora da infra-estrutura ferroviária verificar a correta classificação


de cada PN com intervalos de tempo não superiores há cinco anos e sempre que houver ne-
cessidade, seja por alterações das condições de circulação ferroviária ou rodoviária, seja por
pedido das entidades autônomas.

Manutenção de Passagem em Nível 15


1 Complete:
relembrar
a) Quanto à sua composição, as PN podem ser de madeira; _______________ ; de
_______________ ou de _______________.

b) Os acessórios para fixação de PN são: Tirefond; _______________ e _______________.

c) Os grampos podem ser Deenik ou Pandrol, dependendo do _______________ em que a


_______________ será instalada.

d) As passagens em nível na EFC são fabricadas com planchões de _______________,


_______________ e _______________.

2 Faça a relação entre os tipos de PN e as características correspondentes.

Tipo A

Tipo B

Tipo C

Tipo D

De peões

com momento de circulação igual ou superior a 10.000 e inferior a


24.000.
com momento de circulação inferior a 3.000 e que não possuam visibili-
dade igual ou superior à distância de visibilidade mínima, localizadas em
partes da via onde a velocidade máxima das circulações de ferrovias seja
igual ou inferior a 120 km/h.
com momento de circulação igual ou superior a 24.000.
passagens em nível ferroviárias destinadas à passagem de peões.
com momento de circulação igual ou superior a 5.000 e inferior a 10.000,
localizadas em troços de linha onde a velocidade máxima das circulações
ferroviárias seja superior a 50 km/h.
devem possuir distância de visibilidade igual ou superior à mínima em
todos os sentidos de circulação considerados.

16
ANOTAÇÕES

Manutenção de Passagem em Nível 17


CAP Í T U L O II
“PRO C ED IM ENTOS EM P N

Por isso, tanto sua instalação como manutenção apresentam algumas particularidades.

Veja a seguir.

A PN, como você já viu, é um elemento da via férrea com características muito peculiares.
CARGA E DESCARGA DOS COMPONENTES DAS PN

Tanto para carga como para descarga dos componentes das passagens em nível, o procedimento é
realizado utilizando-se equipamento de grande porte.

Esse equipamento normalmente é o auto de linha com guindaste.

Além disso, é de grande importância que um pessoal treinado auxilie o processo.

ROÇADA E CAPINA NO ENTORNO DA PN

Aqui são utilizados foices e forcados (garfos) para retirar a vegetação rasteira.

Esse trabalho é feito por pessoal contratado.

Vale dizer que nesse procedimento se aplica o mesmo critério utilizado para capina na via férrea.

SUBSTITUIÇÕES EM PN

Nas passagens em nível, pode haver necessidade de substituir:

trilho;

dormente;

fixação.

Substituição de trilho

No caso de PN de madeira, você deve remover as pranchas interna e externa próximas ao trilho que
precisa ser trocado.

Para trocar os dois trilhos, deve-se repetir o mesmo procedimento do outro lado.

Já em PN de trilho, ela é removida por inteiro e depois colocada de volta.

20
Substituição de dormente

Para a substituição de dormente, retira-se toda a PN.

Depois da troca do dormente, você deve colocar a PN no lugar.

Substituição da fixação

Nesse caso, você deve proceder da mesma forma que na substituição de trilho.

CORREÇÃO GEOMÉTRICA EM PN

Por se tratar de um local em que há muita circulação de veículos e pessoas, as PN acabam por
acumular sujeira ou outros materiais provenientes do desgaste do lastro.

Assim, é de grande necessidade que se faça a correção geométrica da PN.

Para isso, primeiramente você deve remover a PN do local.

Se a PN for de trilho, a remoção é feita com o auxílio do guindaste do auto de linha.

Sendo de madeira, as planchas devem ser retiradas com a chave de Tirefond. Isso porque esse tipo
de PN é fixado com Tirefond.

Depois disso, o lastro contaminado deve se retirado em torno de dez centímetros abaixo do dormente
e entre os vãos dele.

Feito isso, deve-se colocar lastro novo e substituir as fixações danificadas.

Por fim, você faz o nivelamento, utilizando régua com nível e macaco de linha e a socaria, através
de vibrador rompedor.

Os procedimentos vistos nesse subcapítulo são necessários para socaria manual.

Se for fazer socaria mecanizada (utilizando socadora de linha), você não precisa fazer nivelamento
com régua e macaco e nem socaria com o vibrador rompedor.

Manutenção de Passagem em Nível 21


RECOMPOSIÇÃO DE LASTRO EM PN

Como você já viu anteriormente, o lastro pode sofrer alguns danos e desgastes.

Assim, para sua recomposição, é necessário remover a PN e, em seguida, o lastro contaminado, tal
como na correção geométrica da PN.

Depois disso, deve-se colocar lastro novo e fazer a socaria manual ou mecanizada, estabilizando o local.

DRENAGEM EM PN

Assim como a própria PN, a drenagem da mesma é prejudicada por sujeira e material advindo do
lastro e do minério que cai dos vagões.

Sendo assim, para que haja uma ótima drenagem, as PN necessitam de manutenção constante,
feita da mesma forma que a correção geométrica e a recomposição de lastro.

22
1 Marque C (correto) ou I (incorreto), corrigindo as afirmativas incorretas:
relembrar
a) Para carga dos componentes das passagens em nível, o procedimento é realizado utilizando-
se equipamento de grande porte. Já para descarga utiliza-se equipamento de pequeno porte.

b) Por se tratar de um local em que há muita circulação de veículos e pessoas, as PN acabam


por acumular sujeira ou outros materiais provenientes do desgaste do lastro.

c) Se for fazer socaria mecanizada na correção geométrica de PN, é preciso fazer nivelamento
com régua e macaco.

d) Para a recomposição de lastro é necessário remover a PN e em seguida o lastro contaminado.

2 Como se faz a substituição de trilho?

Manutenção de Passagem em Nível 23


C AP Í T U L O III
“S EG UR A NÇ A EM P N

do sistema viário.

Ela é cenário de grandes acidentes, muitas vezes fatais.



Com o capítulo anterior, você pôde perceber que a PN é um dos tipos de cruzamento mais perigosos

Daí a importância tanto da lei como das normas desenvolvidas para que o tráfego na passagem em
nível ferroviária ocorra em segurança.
NORMAS E LEI

Como você já sabe, as normas e lei referentes à passagem em nível ferroviária têm a função de
conferir informações e maior segurança com relação à via em questão.

As normas são as seguintes:

Normas (ABNT)
NB114 PB802 PB804 PB805 NBR11759
Cadastro Acidente
Via férrea Via férrea Via férrea
ferroviário ferroviário
Travessia Travessia Travessia Travessia
Boletim
rodoviária rodoviária rodoviária rodoviária
Equipamento de Equipamento de
proteção proteção
Passagem de Passagem de Passagem de Passagem de Passagem de
nível pública nível pública nível pública nível pública nível pública

Quanto à lei, esta corresponde ao Código de Trânsito Brasileiro.

Trata-se da Lei nº 9.503, que em 23 de setembro de 1997 passa a vigorar com o artigo 86-A.

Este institui que as passagens de nível devem possuir sinalização sonora e de advertência, tal como
você pode ver a seguir:
Art. 86-A - As passagens de nível deverão ser obrigatoriamente sinalizadas com dispo-
sitivos sonoros e semáforos de advertência, sem prejuízo do uso de cancelas e de outras
formas de sinalização previstas neste Código ou em legislação complementar.

Além de conhecer essas normas, para que o tráfego em passagens em nível aconteça sem riscos,
são necessários alguns equipamentos de segurança. Os principais são:

sinalização;

barreiras.

26
EQUIPAMENTOS - SINALIZAÇÃO E BARREIRAS

Os responsáveis pela sinalização das vias públicas nas proximidades de passagens em nível ferro-
viárias são as entidades citadas na legislação ferroviária.

Porém, a entidade gestora da infra-estrutura ferroviária deve aprovar essa sinalização, obedecendo
às regras presentes em leis e normas de trânsito.

Além disso, deve-se utilizar marcas rodoviárias acompanhadas de sinais de regulamentação de velocida-
de. Esta providência tem a função de melhorar as condições de segurança no cruzamento em questão.

Os tipos de sinais utilizados na manutenção e operação de passagens em nível são, entre outros
previstos na legislação rodoviária:

composto por uma luz circular vermelha intermitente;

constituído por sistema de duas luzes circulares vermelhas acendendo alternadamente;

sonoro.

OBSERVAÇÕES: todos os sinais citados anteriormente significam “parada obrigatória”.

composto por uma luz circular de cor branca, intermitente ou fixa: significa autorização para passar;

cruz de Santo André: presente em local de PN sem guarda de uma e de duas ou mais vias;

“STOP”: de parada obrigatória em cruzamentos ou entroncamentos.

Manutenção de Passagem em Nível 27


As sinalizações de trânsito podem ser classificadas como:

Sinais luminosos

Eles são posicionados nas vias rodoviárias, próximos das PN, onde sejam facilmente vistos.

Além disso, os sinais luminosos devem ficar do lado direito do sentido do trânsito a que respeitam.

Quando necessário, podem ser repetidos do lado esquerdo ou por cima, em suporte apropriado.

Sinais de perigo

Esses sinais indicam o local de PN sem guarda ou o eventual sinal de parada obrigatória na proxi-
midade imediata de PN sem barreiras ou meias barreiras.

Passagem em nível sem barreira Passagem em nível com barreira

Eles são colocados do lado direito da via rodoviária no sentido do trânsito a que respeitam e à dis-
tância de cinco metros do trilho mais próximo.

Estando justificado, esta distância pode ser reduzida, mas nunca para menos de três metros e meio.

Sinais sonoros

Devem estar instalados nos mesmos suportes dos sinais luminosos.

28
Barreiras completas ou meias barreiras

Elas podem ser de funcionamento manual ou automático.

As barreiras completas, com exceção das compostas por correntes, e as meias barreiras podem ser
pintadas de:

branco;

listradas de vermelho e branco;

listradas de vermelho e amarelo.

No caso de haver correntes ou barreiras pintadas apenas de branco, ambas devem ser complemen-
tadas com um alvo vermelho no centro. Isso aperfeiçoará a sinalização delas.

EQUIPAMENTOS POR TIPO DE PN

Você já viu no primeiro capítulo que existem alguns tipos de passagens em nível, de acordo com
características próprias, como visibilidade, momento, velocidade, entre outras.

Assim, você pode concluir que para cada tipo de PN existem equipamentos diferentes, conferindo-
lhe segurança e prevenindo acidentes.

Veja-os a seguir.

Equipamentos para o tipo A

As PN de tipo A são guarnecidas e dotadas de equipamentos de comando manual. Como alternativa


ao guarnecimento, podem ser equipadas com dispositivos de segurança de comando automático.

Esses dispositivos são:

barreiras;

meias barreiras;

sinais citados no tópico “Equipamentos - sinalização e barreiras”.

Manutenção de Passagem em Nível 29


As PN do tipo A possuem sinalização luminosa quando:

equipadas com barreiras ou meias barreiras;

com comando automático ou manual a uma distância em que não sejam visíveis.

Nesse caso o sinal será uma luz circular vermelha intermitente ou duas luzes circulares vermelhas
acendendo alternadamente.

Essas luzes também podem ser substituídas por um sistema de três luzes circulares com as cores ver-
melha, amarela e verde ou por um sistema de duas luzes circulares com as cores vermelha e amarela.

Ainda com relação à sinalização das PN de tipo A, essa pode ser complementada por uma sinali-
zação sonora.

No caso de comando manual no local, dispensa-se a sinalização luminosa e sonora.

Equipamentos para o tipo B

Com relação às PN de tipo B, os equipamentos utilizados são aqueles de comando manual e tam-
bém de comando automático. Esse último serve como alternativa ao guarnecimento.

O tipo B possui os seguintes equipamentos:

barreiras;

meias barreiras;

sinais luminosos.

No caso de as PN do tipo B serem equipadas com barreiras ou meias barreiras, com comando auto-
mático ou manual a uma distância em que não sejam visíveis, utiliza-se sinalização luminosa.

Porém, luz circular vermelha intermitente ou duas luzes circulares vermelhas acendendo alternada-
mente não podem ser substituídas por:

um sistema de três luzes circulares com as cores vermelha, amarela e verde;

um sistema de duas luzes circulares com as cores vermelha e amarela.

As duas últimas formas de sinalização, no caso de PN do tipo B, só podem ser utilizadas como
complemento no caso de existir sinalização rodoviária luminosa antes da PN.

30
Equipamentos para o tipo C

No caso de PN do tipo C, os dispositivos empregados também são de comando manual e automático.

Em se tratando de comando automático, este é utilizado substituindo o guarnecimento e, nesse


caso, utilizam-se sinais de perigo.

As PN do tipo C devem ser equipadas ainda por uma luz circular vermelha intermitente ou por um
sistema de duas luzes circulares vermelhas acendendo alternadamente.

Outra alternativa é serem indicadas pelas sinalizações citadas acima junto a uma luz circular de
cor branca lunar, intermitente ou fixa.

Esta sinalização pode ser completada ou substituída por um sistema de três luzes circulares com
as cores vermelha, amarela e verde ou por duas luzes circulares com as cores vermelha e amarela.
Isso será empregado se pouco antes da PN existir sinalização rodoviária luminosa.

Em caminhos de terra com reduzida circulação rodoviária, podem ser utilizados apenas sinais sonoros.

Equipamentos para o tipo D

As PN do tipo D devem ser equipadas com cruz de Santo André e, de forma facultativa, pelo sinal
“STOP”.

Porém, em se tratando de estradas nacionais, regionais ou municipais, esses sinais são obrigató-
rios nesse tipo de PN.

Nesse caso, os sinais devem ser colocados no mesmo suporte e deverá ser marcada no pavimento
uma linha de paragem com a inscrição “STOP”.

Sempre que possível, devem existir nas vias rodoviárias na aproximação à PN:

um separador central ou uma linha longitudinal contínua marcada no pavimento, para separar
os sentidos de circulação;

uma linha de paragem para o tráfego rodoviário.

Manutenção de Passagem em Nível 31


Equipamentos para o tipo de peões

As PN de peões devem ser equipadas com placa com a seguinte indicação: “Pare, olhe e escute”.

Quando necessário, esse tipo de PN também deve ser munido de labirinto, sinalização luminosa ou
sonora.

IMPORTANTE: em PN incluídas em troços de linha férrea, onde se estabeleçam velocidades supe-


riores a 140 km/h, deve ser adotado um regime especial de segurança.

Isso devido à utilização simultânea dos dispositivos de comando automático determinados para as
PN de tipo A ou B e de dispositivos de detecção automática.

32
1 Explique a importância de compreender as passagens em nível.
relembrar

2 Identifique a seguir se os sinais descritos nos quadros são:


sinais de perigo
sinais luminosos
sinais sonoros

a) quando justificado, podem ser repetidos


do lado esquerdo ou por cima, em suporte
adequado.

b) indicam o local de PN sem guarda ou o


eventual sinal de parada obrigatória na
proximidade imediata de PN sem barreiras
ou meias barreiras.

c) são colocados do lado direito da via rodovi-


ária no sentido do trânsito a que respeitam
e à distância de cinco metros do trilho mais
próximo.

d) instalados nos mesmos suportes dos sinais


luminosos.

e) posicionados nas vias rodoviárias, próximos


das PN, onde sejam facilmente vistos.

3 Complete as tabelas com as informações que faltam:


Equipamentos por tipo de PN
a)

Tipo A
possuem sinalização luminosa quando:

pode ser complementada por uma sinalização sonora.

Manutenção de Passagem em Nível 33


b)
relembrar
Tipo D
devem ser equipadas...

No caso de estradas nacionais, regionais ou municipais...

c)

possuem sistemas de três luzes circulares com as cores vermelha, amarela e verde ou de duas
luzes circulares com as cores vermelha e amarela só podem ser utilizadas como complemento
no caso de existir sinalização rodoviária luminosa antes da PN.
possuem sistemas de três luzes circulares com as cores vermelha, amarela e verde ou de duas
luzes circulares com as cores vermelha e amarela só podem ser utilizadas como complemento
no caso de existir sinalização rodoviária luminosa antes da PN.

d)

devem ser equipadas com placa com a seguinte indicação: “Pare, olhe e escute”.
Quando necessário, esse tipo de PN também deve ser munido de...

e)

Para tipo C
devem ser equipadas por uma luz circular vermelha intermitente ou por um sistema de duas
luzes circulares vermelhas acendendo alternadamente.

Outra alternativa é...

Em caminhos de terra com reduzida circulação rodoviária...

34
ANOTAÇÕES

Manutenção de Passagem em Nível 35


C AP Í T U L O IV

FECHAMENTO E FUNCIONAMENTO

chamento das passagens em nível.



Para boa manutenção e segurança, é necessário que você compreenda também como ocorre o fe-

Além disso, é de grande importância entender qual é o regime de funcionamento delas.

Então, veja a seguir!


FECHAMENTO

As PN dos tipos A, B ou C devem ser fechadas, relativamente à passagem de cada circulação ferro-
viária, com a antecedência mínima de:

25 segundos:

quando comandadas em conjugação com sinais ferroviários;

60 segundos:

quando essas passagens possuírem barreiras de comando manual e sinais rodoviários automáticos;

90 segundos:

quando possuírem barreiras de comando manual e anúncio automático de aproximação de cir-


culação ferroviária aos guardas das PN;

cinco ou 10 minutos:

todas as PN restantes dos tipos A, B e C, conforme a intensidade dos tráfegos ferroviário e


rodoviário.

No caso de manobras, as PN em questão podem ser fechadas com a antecedência estritamente


necessária.

ATENÇÃO: as PN do tipo B automático são fechadas com antecedência mínima de vinte e cinco
segundos.

Já as PN do tipo C automático devem ser fechadas com antecedência mínima de vinte segundos.

A PN é considerada fechada a partir do momento em que os sinais rodoviários luminosos ou sonoros


indiquem proibição de atravessamento.

38
FUNCIONAMENTO

Com relação ao regime de funcionamento das passagens em nível dos tipos A, B e C guarnecidos,
estas podem ser classificadas como:

normalmente abertas;

normalmente fechadas;

temporariamente abertas;

temporariamente fechadas.

Normalmente abertas

São consideradas normalmente abertas as PN que garantem a continuidade do tráfego rodoviário


com interrupções apenas nos momentos de aproximação e passagem de circulações ferroviárias.

Normalmente fechadas

São as PN que são abertas a pedido daqueles que as utilizam, para permitir, caso não haja perigo,
a circulação rodoviária.

Temporariamente abertas

As PN tidas como temporariamente abertas são aquelas que permanecem sempre abertas ao tráfe-
go rodoviário durante períodos definidos.

Temporariamente fechadas

São as passagens em nível que, durante certos períodos devidamente indicados nos respectivos
acessos, encontram-se fechadas ao tráfego rodoviário.

Os períodos de abertura ou encerramento podem corresponder a parte ou partes do dia ou do ano,


isolada ou em conjunto.

Manutenção de Passagem em Nível 39


1 Ajude o funcionário a organizar os momentos em que ele deve fechar as PN de tipo A, B e C,
relembrar preenchendo as lacunas:

25 segundos

60 segundos

quando possuírem barreiras de comando manual e anúncio automático de aproximação de cir-


culação ferroviária aos guardas das PN.

todas as PN restantes dos tipos A, B e C, conforme a intensidade dos tráfegos ferroviário e rodoviário.
No caso de manobras, as PN em questão podem ser _______________________________
____________________________.

2 Cite dois regimes de funcionamento das PN, explicando cada um deles.

40
ANOTAÇÕES

Manutenção de Passagem em Nível 41


C AP Í T U L O V

GUARNECIMENTO E
DESGUARNECIMENTO

classificadas depende também de seu regime de guarnecimento.

Mas afinal, o que isso significa?



Você pôde notar nos capítulos anteriores que a forma como as PN são sinalizadas, equipadas e
GUARNECIMENTO

As PN são consideradas em regime de guarnecimento quando dotadas de pessoal, privativo da PN


ou não, no próprio local ou a distância.

Sendo assim, as PN dos tipos A, B e C devem ser guarnecidas quando forem de comando manual,
no local ou a distância. Aqui, é importante ter em mente que o regime especial de segurança (co-
mentado no capítulo II) não pode ser prejudicado.

Vale destacar ainda que o guarnecimento não é necessário durante os períodos em que:

as PN estejam temporariamente abertas;

as PN estejam temporariamente fechadas;

os comboios param obrigatória e imediatamente antes da PN.

DESGUARNECIMENTO

Sabendo o que é guarnecimento, fica fácil entender o que significa desguarnecimento.

Trata-se de um regime em que não há pessoal operando nas PN.

Visto isso, são desguarnecidas as seguintes PN:

tipo D;

tipos A, B e C:

quando dotadas dos equipamentos de segurança de comando automático estabelecidos no capítulo II;

as destinadas exclusivamente à passagem de peões.

Nas PN dos tipos A, B e C desguarnecidas deve haver indicação dos itinerários de alternativa.

O mesmo serve para as PN em que o regime de funcionamento seja o de temporariamente fechadas.

44
TELEFONES

A existência de telefones está intimamente ligada ao regime de guarnecimento.

Assim, quando guarnecidas, as PN dos tipos A, B e C são dotadas de telefone para uso do respectivo
pessoal.

No caso de estarem desguarnecidas, as referidas PN dos tipos A, B e C podem possuir telefone


apropriado, para uso do público em caso de emergência. O mesmo telefone pode ser utilizado nas
PN guarnecidas a distância, para solicitar autorização de passagem.

É importante destacar que os telefones instalados para uso do público são devidamente sinalizados
e devem possuir instruções necessárias para serem utilizados.

Manutenção de Passagem em Nível 45


1 O que é regime de guarnecimento?
relembrar

2 Quando as PN de tipo A, B e C devem ser guarnecidas?

3 Complete:

a) O guarnecimento não é necessário durante os períodos em que as PN estejam temporaria-


mente _______________ ou _______________ fechadas ou quando os comboios param
_______________ e imediatamente _______________ da PN.

b) São desguarnecidas as PN de _______________; de tipos A, B e C quando dotadas dos


______________________________ de comando automático e aquelas destinadas ex-
clusivamente à passagem _________________________.

c) Nas PN dos tipos A, B e C desguarnecidas deve haver indicação dos _________________


__________________.

d) Os telefones instalados para uso do público são devidamente ____________________ e


devem possuir ______________________________ para serem utilizados.

46
ANOTAÇÕES

Manutenção de Passagem em Nível 47


CAP Í T U L O VI

D EV ERE S

para que haja um bom funcionamento da mesma.

Veja a seguir os deveres de cada um desses elementos.



Cada elemento que participa da manutenção de PN ou que a utiliza possui determinados deveres,
ENTIDADE GESTORA DA
INFRA-ESTRUTURA FERROVIÁRIA E SEUS AGENTES

Deveres da entidade gestora da infra-estrutura ferroviária:

manter em bom funcionamento os equipamentos das PN;

reparar de forma ágil os danos que eventualmente possam ocorrer;

obrigar a manter livre de obstáculos a zona de visibilidade.

Deveres dos agentes da infra-estrutura ferroviária:

permanecer atentos e vigilantes em seu local de trabalho;

sair do referido local somente após o término do período de guarnecimento e verificação de sua
substituição;

manobrar e fazer funcionar os equipamentos das PN, quando for o caso;

informar aos seus superiores todas as infrações praticadas pelos utentes das PN, descrevendo-
as em detalhes;

fornecer todos os elementos de identificação dos infratores de que tenha conhecimento;

cumprir todas as instruções e regulamentos relativos ao seu serviço.

EMPRESAS FERROVIÁRIAS E SEUS AGENTES

Deveres das empresas ferroviárias e seus agentes:

respeitar a sinalização ferroviária existente;

respeitar as normas e procedimentos em vigor relativos à circulação de comboios;

cumprir as ordens dos agentes da entidade gestora da infra-estrutura ferroviária, ainda que
sob a forma de sinais, desde que transmitidas de acordo com o estabelecido pelas normas e
procedimentos em vigor;

acionar os sinais sonoros do material circulante quando da aproximação às PN;

50
transmitir à entidade gestora da infra-estrutura ferroviária quaisquer fatos observados em PN
que possam afetar a segurança de pessoas e bens;

adotar imediatamente procedimentos que evitem ou amenizem acidentes em situações de ocu-


pação indevida das PN, dano dos equipamentos de segurança ou de qualquer outra anormali-
dade verificada.

UTENTES

Os utentes correspondem àqueles que utilizam as PN.

Para atravessar as PN, os utentes devem tomar alguns cuidados, evitando perigo tanto para si
como para terceiros.

Com isso, o atravessamento só pode ser feito se:

a PN estiver munida de sinalização luminosa e/ou sonora;

não houver sinal indicando impedimento;

o utente tiver tomado as precauções necessárias, assegurando-se que não se aproxima qual-
quer circulação ferroviária;

as barreiras ou meias barreiras encontrarem-se completamente abertas, no caso da PN possuí-las;

a PN estiver munida de sinalização luminosa, sonora e/ou barreiras ou meias barreiras e estes
não derem indicação impeditiva;

a PN não estiver munida de sinalização luminosa e/ou sonora, nem de barreiras ou meias barrei-
ras, mas o utente tiver tomado os cuidados necessários, assegurando que nenhuma circulação
ferroviária se aproxima;

a PN dispuser de entrada destinada a peões, quando esta estiver franqueada.

Ainda é necessário saber o que o utente não pode:

entrar nas PN quando isto for proibido, seja por sinalização ou por agentes ferroviários em
serviço nas PN;

entrar nas PN sem que a respectiva saída esteja livre;

Manutenção de Passagem em Nível 51


utilizar, sem autorização escrita da entidade gestora da infra-estrutura ferroviária, o interior
das PN para acesso de viaturas a estabelecimentos, residências, parques ou outras instalações
adjacentes;

abrir, escalar ou arrombar vedações, barreiras ou quaisquer outros equipamentos instalados


nas PN;

demorar mais de 10 segundos para atravessar as PN, exceto em caso de situações especiais;

atravessar as PN, se a altura do veículo junto ao afastamento entre eixos ou à disposição da


carga puder provocar apoio nas lombas das PN;

ultrapassar na própria PN ou imediatamente antes dela. Isso só pode ser feito se a faixa de
rodagem permitir duas ou mais filas de trânsito no mesmo sentido e se a ultrapassagem não for
feita pela parte da faixa de rodagem destinada ao trânsito em sentido oposto;

inverter o sentido de marcha;

efetuar manobra de marcha-atrás;

parar ou estacionar dentro das PN;

estacionar a menos de dez metros para um dos lados das PN;

iniciar o atravessamento da PN sem ter certeza de que a intensidade do trânsito não o obrigará
a imobilizar o veículo sobre ela, mesmo que a sinalização permita.

Quanto às obrigações dos utentes, estes devem:

ceder passagem aos veículos que saem das PN;

acatar as instruções que sejam dadas pelos agentes ferroviários em serviço nas PN, inclusive
todas as demais prescrições;

em caso de imobilização forçada de veículo, animal ou de queda da respectiva carga numa PN,
seu condutor deve promover sua remoção imediata. Se não for possível, o mesmo deve tomar
as medidas necessárias para que os condutores dos veículos ferroviários que se aproximem
possam perceber a presença do obstáculo;

52
Os veículos que possuem características que não permitem a sua circulação sem medidas de se-
gurança, conforme o Código da Estrada, só podem atravessar as PN com autorização especial da
entidade gestora da infra-estrutura ferroviária.

adotar uma velocidade especialmente moderada no atravessamento das PN;

utilizar luzes de cruzamento médias na aproximação de PN fechada, sempre que seja obrigatória
a utilização de dispositivos de sinalização luminosa e de iluminação, de acordo com o previsto
no Código da Estrada;

utilizar luzes de presença mínimas, enquanto aguarda a abertura de PN fechada, sempre que
seja obrigatória a utilização de dispositivos de sinalização luminosa e de iluminação, de acordo
com o previsto no Código da Estrada;

os utentes só podem utilizar o telefone para comunicar situações de perigo, pedir informações
ou assistência ou solicitar autorização de passagem.

Manutenção de Passagem em Nível 53


1 Descubra o elemento oculto, de acordo com as pistas dadas:
relembrar
a) mantém em bom funcionamento os equipamentos das PN;

repara de forma ágil os danos que eventualmente possam ocorrer;

obriga a manter livre de obstáculos a zona de visibilidade.

R: ________________________________________________________________.

b) aciona os sinais sonoros do material circulante quando da aproximação às PN;

transmite à entidade gestora da infra-estrutura ferroviária quaisquer fatos observados em


PN que possam afetar a segurança de pessoas e bens;

respeita as normas e procedimentos em vigor relativos à circulação de comboios.

R: ________________________________________________________________.

c) acata as instruções que sejam dadas pelos agentes ferroviários em serviço nas PN, inclusive
todas as demais prescrições;

cede passagem aos veículos que saem das PN;

adota uma velocidade especialmente moderada no atravessamento das PN.

R: ________________________________________________________________.

54
2 Complete:
relembrar
a) Os agentes da entidade gestora da infra-estrutura ferroviária devem sair do local de trabalho
somente ______________________________ e verificação de sua substituição; infor-
mar aos seus superiores todas as infrações praticadas pelos _______________ das PN,
descrevendo-as em detalhes, entre outros deveres.

b) O atravessamento dos utentes só pode ser feito se a PN estiver munida de


______________________________ , quando ______________________________;
as barreiras ou meias barreiras encontrarem-se ______________________________ ,
no caso da PN possuí-las, entre outros requisitos.

c) Ainda com relação ao utente, este não pode, entre outras proibições: entrar nas PN sem que
a respectiva saída esteja _________________ ; iniciar o atravessamento da PN sem ter
certeza de que a _____________________________ não o obrigará a imobilizar o veículo
________________ ela, mesmo que a ________________ permita.

d) O utente só pode ultrapassar na própria PN ou imediatamente antes dela se a faixa de roda-


gem _______________________________ e se a ultrapassagem não for feita pela parte
da faixa de rodagem destinada ao ______________________________.

Manutenção de Passagem em Nível 55


C AP Í T U L O VII

P N PA RT IC ULA RE S


As passagens em nível particulares podem resultar tanto de uma licença de atravessamento
emitida pela entidade gestora da infra-estrutura ferroviária como de um compromisso assumi-
do por ocasião da construção da via férrea.
LICENÇA DE ATRAVESSAMENTO

As PN particulares resultantes de uma licença de atravessamento emitida pela entidade gestora


da infra-estrutura ferroviária são conduzidas tanto pelas regras e normas citadas nos capítulos
anteriores como pelos termos e natureza da licença.

Aqui será devida uma taxa praticada pela entidade gestora da infra-estrutura ferroviária. Isso por
causa da emissão da licença.

Nesse caso de PN particulares, todas as obras que a entidade julgar necessárias para a emissão da
licença são de conta e risco de seu titular. Isso vale também para todas as obras de manutenção,
conservação e reparação da PN.

COMPROMISSO ASSUMIDO

As passagens em nível particulares também podem decorrer de um compromisso assumido por


ocasião da construção da via férrea.

Nesse caso, o direito de servidão precisa ter sido comprovado antes e as PN são dirigidas pelo título
constitutivo e pela lei prescrita para o direito de servidão.

Porém, serão extintas as servidões e suprimidas as respectivas PN particulares se:

existirem outros acessos alternativos ao prédio dominante, e as PN particulares se situarem a


menos de 700 metros de outras PN ou de passagens desniveladas;

o prédio dominante for loteado ou urbanizado de outra forma, a não ser que haja necessidade
de servidão para a parte do prédio dominante não loteada ou urbanizada, no caso de loteamento
ou urbanizações parciais.

SEGURANÇA

No caso de PN particulares, as medidas de segurança também possuem algumas peculiaridades.

Nesse caso, as PN devem possuir obstáculos físicos fechados a cadeado, além de outros requisitos
de segurança que a entidade gestora da infra-estrutura ferroviária considerar necessários.

58
Além disso, as passagens em nível particulares devem estar equipadas com sinalização automá-
tica luminosa, sonora ou telefone. Isso deve ser empregado em troços com velocidade ferroviária
superior a 120 km/h.

DEVERES DOS UTENTES

Os utentes de PN particulares possuem os mesmos deveres daqueles observados no capítulo anterior.

Vale destacar que tanto o titular da licença como o direito de servidão não terão sua responsabili-
dade prejudicada por eventuais descumprimentos das regras.

Em se tratando dos titulares das licenças ou direito de servidão, estes devem cumprir as normas
estabelecidas para os utentes e ainda:

respeitar integralmente todas as prescrições que constam em seus títulos;

vigiar as PN para que o atravessamento aconteça com segurança;

custear as despesas da conservação das PN em questão.

Manutenção de Passagens em Nível 59


1 As PN particulares são resultado de quais situações?
relembrar

2 Marque C (correto) ou I (incorreto). Corrija as alternativas incorretas:

a) ( ) As passagens em nível particulares devem estar equipadas com sinalização auto-


mática luminosa, sonora ou telefone. Isso deve ser empregado em troços com velocidade
ferroviária superior a 100 km/h.

b) ( ) Em caso de PN particulares resultante de uma licença de atravessamento emitida


pela entidade gestora da infra-estrutura ferroviária, todas as obras que a entidade julgar
necessárias para a emissão da licença são de conta e risco de seu titular.

c) ( ) As PN são dirigidas apenas pelo título constitutivo, quando decorrentes de um compro-


misso assumido na ocasião da construção da via férrea.

60
ANOTAÇÕES

Manutenção de Passagens em Nível 61


CAP Í T U L O VIII

RESPO NS A B ILID A D E C IV I L


A entidade gestora, empresa ferroviária e utentes possuem também responsabilidades civis.

Veja a seguir cada uma delas.


ENTIDADE GESTORA DA
INFRA-ESTRUTURA FERROVIÁRIA

Em caso de acidente ocorrido no atravessamento de PN pública por peão, veículo ou animal, a


entidade gestora da infra-estrutura ferroviária é obrigada a indenizar a empresa de transporte
ferroviário, os utentes e/ou terceiros pelos danos causados.

Porém, ela deverá fazê-lo se for constatado que a causa do acidente é resultado direto de falha ou
omissão de algum dos seus agentes ou sistemas de segurança.

Veja agora quais situações são consideradas como geradoras de acidentes de responsabilidade da
entidade gestora.

PN equipada com barreiras ou meias barreiras, de funcionamento manual ou automático:

quando estas se encontram indevidamente abertas;

quando forem abertas indevidamente por pessoal da entidade gestora da infra-estrutura


ferroviária;

PN equipada com barreiras ou meias barreiras e sinalização luminosa e/ou sonora:

quando nenhum destes elementos der indicação impeditiva de atravessamento;

PN equipada com sinalização luminosa e/ou sonora:

quando nenhum dos sinais der indicação impeditiva de atravessamento;

PN do tipo D:

não possuir as condições de visibilidade mínimas exigidas;

Se a PN estiver fechada e for aberta por agente da entidade gestora da infra-estrutura ferroviária
a pedido de quem pretenda passar.

Os acidentes ocorridos em PN são comunicados pela entidade gestora da infra-estrutura ferroviária


à entidade administrativa competente.

A entidade administrativa deve orientar os processos e manter o registro estatístico devidamente


atualizado.

64
EMPRESAS DE TRANSPORTE FERROVIÁRIO

Com relação às empresas de transporte ferroviário, estas devem responder, conforme a lei, por
danos causados à entidade gestora da infra-estrutura ferroviária, a seus agentes e a terceiros.

Isso ocorrerá se o acidente for resultado direto do não cumprimento das normas estabelecidas ou
de falha dos sistemas de segurança das composições ferroviárias.

UTENTES

Em se tratando dos utentes, estes devem responder pelos danos causados à entidade gestora da
infra-estrutura ferroviária, às empresas de transporte ferroviário e a terceiros.

No caso de acidente em PN particular, a obrigação de indenização recai sobre o titular da licença de


passagem ou do direito de servidão.

Manutenção de Passagens em Nível 65


1 Organize no quadro a seguir a responsabilidade de cada entidade com relação a acidentes
ocorridos em PN.

Entidade gestora da Empresa de transporte Utentes


infra-estrutura ferroviária ferroviário

66
2 Identifique abaixo o tipo de PN, quanto à sua composição:

a)

b)

c)

d)

3 Como deve ser a utilização de telefones nas PN?

Manutenção de Passagens em Nível 67


4 Marque a(s) resposta(s) certa(s):
a) São do tipo A as passagens em nível com momento de circulação:
( ) igual ou superior a 24.000.
( ) somente igual a 24.000.
( ) somente superior a 24.000.
( ) igual ou superior a 2.400.

b) As PN do tipo B também podem ser com momento de circulação inferior a 10.000, situadas
em parte da linha onde a velocidade máxima das circulações ferroviárias seja:
( ) inferior a 120 km/h.
( ) inferior ou igual a 120 km/h.
( ) superior a 120 km/h.
( ) igual ou superior a 120 km/h.

c) Podem ser do tipo C as PN situadas em troços de linha onde a velocidade máxima das cir-
culações ferroviárias seja igual ou inferior a 120 km/h, com momento de movimentação:
( ) igual ou inferior a 3.000 e superior a 5.000.
( ) igual ou superior a 3.000 e inferior a 5.000.
( ) igual a 3.000 e superior a 5.000.
( ) igual ou superior a 300 e inferior a 500.

d) São de tipo D as PN com momento de circulação:


( ) superior a 3.000 e TMD superior a 50.
( ) inferior a 3.000 e TMD superior a 50.
( ) superior a 3.000 e TMD inferior a 50.
( ) inferior a 3.000 e TMD inferior a 50.

5 Explique o procedimento de drenagem de PN.

68
ANOTAÇÕES

Manutenção de Passagens em Nível 69


VALE A PENA RELEMBRAR!
GABARITOS
CAPÍTULO I

1)

a) mista; concreto; aço

b) placas de apoio; grampos

c) local; PN.

d) madeira; concreto; trilho

2)
Tipo B
Tipo C
Tipo A
De peões
Tipo B
Tipo D

CAPÍTULO II

1)

a) I

Tanto para carga como para descarga dos componentes das passagens em nível, o procedimen-
to é realizado utilizando-se equipamento de grande porte.

b) C

c) I

Se for fazer socaria mecanizada na correção geométrica de PN, não precisa fazer nivelamento
com régua e macaco e nem socaria com o vibrador rompedor.

d) C

70
2) No caso de PN de madeira, você deve remover as pranchas interna e externa próximas ao trilho

GABARITOS
que precisa ser trocado.
Para trocar os dois trilhos, deve-se repetir o mesmo procedimento do outro lado.
Já em PN de trilho, ela é removida por inteiro e depois colocada de volta.

CAPÍTULO III

1) O estudo sobre as passagens em nível é de grande importância, pois trata-se de um dos tipos
de cruzamentos mais perigosos que existem.
Assim, suas normas e lei explicam como proceder em diferentes tipos de passagens em nível,
garantindo segurança e prevenindo eventuais acidentes, muitas vezes com vítimas fatais.

2)
a) sinais luminosos
b) sinais de perigo
c) sinais de perigo
d) sinais sonoros
e) sinais luminosos

3)
a) equipadas com barreiras ou meias barreiras / com comando automático ou manual a uma dis-
tância em que não sejam visíveis
b) com cruz de Santo André e, de forma facultativa, pelo sinal “STOP” / os sinais devem ser co-
locados no mesmo suporte e deverá ser marcada no pavimento uma linha de paragem com a
inscrição “STOP”.
c) Para tipo B
d) Para tipo de peões / labirinto, sinalização luminosa ou sonora.
e) serem indicadas pelas sinalizações citadas acima junto a uma luz circular de cor branca lunar,
intermitente ou fixa / podem ser utilizados apenas sinais sonoros.

Manutenção de Passagens em Nível 71


CAPÍTULO IV
GABARITOS
1) quando comandadas em conjugação com sinais ferroviários;

quando essas passagens possuírem barreiras de comando manual e sinais rodoviários automáticos;

noventa segundos;

cinco ou dez minutos / conforme a intensidade dos tráfegos ferroviário e rodoviário / fechadas
com a antecedência estritamente necessária.

2) Normalmente abertas: são consideradas normalmente abertas as PN que garantem a continui-


dade do tráfego rodoviário com interrupções apenas nos momentos de aproximação e passagem
de circulações ferroviárias.

Normalmente fechadas: são as PN que se abrem a pedido daqueles que as utilizam, para per-
mitir, caso não haja perigo, a circulação rodoviária.

Temporariamente abertas: as PN tidas como temporariamente abertas são aquelas que perma-
necem sempre abertas ao tráfego rodoviário durante períodos definidos.

Temporariamente fechadas: são as passagens em nível que, durante certos períodos devida-
mente indicados nos respectivos acessos, encontram-se encerradas ao tráfego rodoviário.

CAPÍTULO V

1) É o regime em que as PN são dotadas de pessoal, privativo da PN ou não, no próprio local ou a


distância.

2) Quando forem de comando manual, no local ou a distância, respeitando o regime especial de


segurança.

3)
a) abertas; temporariamente; obrigatória; antes
b) tipo D; equipamentos de segurança; de peões
c) itinerários de alternativa
d) sinalizados; instruções necessárias

72
CAPÍTULO VI

GABARITOS
1)
a) entidade gestora da infra-estrutura ferroviária
b) empresas ferroviárias e seus agentes
c) utentes

2)
a) após o término do período de guarnecimento; utentes
b) sinalização luminosa e/ou sonora; não houver sinal indicativo de impedimento; completamente
abertas
c) livre; intensidade do trânsito; sobre; sinalização
d) permitir duas ou mais filas de trânsito no mesmo sentido; trânsito em sentido oposto

CAPÍTULO VII

1) Podem resultar tanto de uma licença de atravessamento emitida pela entidade gestora da infra-
estrutura ferroviária como de um compromisso assumido por ocasião da construção da via férrea.

2)
a) I
Correção: as passagens em nível particulares devem estar equipadas com sinalização automá-
tica luminosa, sonora ou telefone. Isso deve ser empregado em troços com velocidade ferroviária
superior a 120 km/h.
b) C
c) I
Correção: As PN são dirigidas pelo título constitutivo e pela lei prescrita para o direito de servi-
dão, quando decorrentes de um compromisso assumido na ocasião da construção da via férrea.

Manutenção de Passagens em Nível 73


EXERCITANDO PRA VALER!
GABARITOS
1)

Entidade gestora da Empresa de transporte Utentes


infra-estrutura ferroviária ferroviário
Em caso de acidente ocorri- Estas devem responder, con- Estes devem responder pelos
do no atravessamento de PN forme a lei, por danos causa- danos causados à entidade
pública por peão, veículo ou dos à entidade gestora da in- gestora da infra-estrutura fer-
animal, a entidade gestora fra-estrutura ferroviária, seus roviária, às empresas de trans-
da infra-estrutura ferroviária agentes e a terceiros. porte ferroviário e a terceiros.
é obrigada a indenizar a em-
presa de transporte ferroviário,
os utentes e ou terceiros pelosIsso ocorrerá se o acidente for No caso de acidente em PN
danos causados. resultado direto do não cumpri- particular, a obrigação de in-
mento das normas estabeleci- denização recai sobre o titular
das ou de falha dos sistemas da licença de passagem ou do
Porém, ela deverá fazê-lo se de segurança das composições direito de servidão.
for constatado que a causa do ferroviárias.
acidente é resultado direto de
falha ou omissão de algum dos
seus agentes ou sistemas de
segurança.

2) PN mista
PN de concreto
PN de madeira
PN de aço

74
3) A existência de telefones está intimamente ligada ao regime de guarnecimento.

GABARITOS
Assim, quando guarnecidas, as PN dos tipos A, B e C são dotadas de telefone para uso do res-
pectivo pessoal.
No caso de estarem desguarnecidas, as referidas PN dos tipos A, B e C podem possuir telefone
apropriado, para uso do público em caso de emergência. O mesmo telefone pode ser utilizado
nas PN guarnecidas à distância, para solicitar autorização de passagem.
É importante destacar que os telefones instalados para uso do público são devidamente sinali-
zados e devem possuir instruções necessárias para serem utilizados.

4)
a) (x)
( )
( )
( )

b) ( )
( )
(x)
( )
c) ( )
(x)
( )
( )

d) ( )
( )
( )
(x)

Manutenção de Passagens em Nível 75


5) Assim como a própria PN, a drenagem da mesma é prejudicada por sujeira e material advindo
GABARITOS do lastro e do minério que cai dos vagões.
Sendo assim, para que haja uma ótima drenagem, elas necessitam de manutenção constante,
feita da mesma forma que a correção geométrica e a recomposição de lastro.
Primeiramente você deve remover a PN do local.
Se a PN for de trilho, a remoção é feita com o auxílio do guindaste do auto de linha.
Sendo de madeira, as planchas devem ser retiradas com a chave de Tirefond. Isso porque esse
tipo de PN é fixado com Tirefond.
Depois disso, o lastro contaminado deve se retirado em torno de dez centímetros abaixo do dor-
mente e entre os vãos dele.
Feito isso, deve-se colocar lastro novo e substituir as fixações danificadas.
Por fim, você faz o nivelamento, utilizando régua com nível e macaco de linha e a socaria, atra-
vés de vibrador rompedor.
Se for fazer socaria mecanizada (utilizando socadora de linha), não precisa fazer nivelamento
com régua e macaco e nem socaria com o vibrador rompedor.

76
REFERÊNCIA

BRASIL/CONGRESSO NACIONAL. Código de Trânsito Brasileiro (Lei Ordinária), 9503, 23 de setembro


de 1997. Brasília: MJ; MT, 1997.

Manutenção de Passagens em Nível 77


78
ANOTAÇÕES