Está en la página 1de 52

Fisiologia Renal

Controle do volume e osmolaridade


Prof Ricardo M. Leão
FMRP-USP
Balanço hídrico
A quantidade de água excretada tem que ser equivalente a quantidade
de água ingerida e produzida pelo organismo.
Balanço hídrico

Ganho Perda
Fonte Quantidade (ml) Rota Quantidade (ml)
Fluidos ingeridos 1200 Urina 1500
Alimentos 1000 Fezes 100
Metabolismo 300 Suor 550
Total 2500 Expiração 350
Total 2500
Balanço hídrico

Ganho Perda
Fonte Quantidade (ml) Rota Quantidade (ml)
Fluidos ingeridos 1200 Urina 1500
Alimentos 1000 Fezes 100
Metabolismo 300 Suor 550
Total 2500 Expiração 350
Total 2500
O rim tem a capacidade de diluir ou
concentrar a urina
Em uma dieta normal o rim excreta 600 mOsm/dia de soluto, porém secreta urina de
diferentes osmolaridades de acordo com o balanço hídrico
1400
osmolaridade (mosm/l)

1200
1000
800
600
400
200
0
urina mais diluida urina mais concentrada plasma

Ou seja: osmolaridade da urina (Osm/l) X volume urinário(l) = osmoles excretados


O rim tem a capacidade de diluir ou
concentrar a urina
Em uma dieta normal o rim excreta 600 mOsm/dia de soluto, porém secreta urina de
diferentes osmolaridades de acordo com o balanço hídrico
1400
osmolaridade (mosm/l)

1200
1000
800
0,5 l/dia
600
20 l/dia 2 l/dia
400
200
0
urina mais diluida urina mais concentrada plasma

Ou seja: osmoles excretados (600) /osmolaridade da urina= volume


urinário
O rim tem a capacidade de diluir ou
concentrar a urina
Em uma dieta normal o rim excreta 600 mOsm/dia de soluto, porém secreta urina de
diferentes osmlaridades de acordo com o balanço hídrico
1400
osmolaridade (mosm/l)

1200
Perda
1000 minima de
água
800
0,5 l/dia
600
20 l/dia 2 l/dia
400
200
0
urina mais diluida urina mais concentrada plasma

O rim tem uma capacidade máxima de concentrar a urina.


O nefro tem a capacidade de produzir ou
reabsorver “ água livre”.
• Quando o nefro absorve mas soluto (NaCl) do que água, temos
excreção de “água livre” – urina hiposmótica.
• Quando o nefro absove mais água do que soluto, temos reabsorção
de “água livre” – urina hiperosmótica.
• Quando não há nem adição nem subtração de água a urina é
isosmótica.
Como o rim gera urina diluída ou
concentrada?
• Urina diluída – retirando íons do lumen em regiões impermeáveis a
água (p. ex. o tubo ascendente espresso da alça de Henle).
• E impedindo a reabsorção de água sem soluto.
• Urina concentrada- usando osmose.
• O rim usa uma medulla hiperosmótica, e um segmento permeável a água que
passa por ele (o ducto coletor).
• A quantide de água reabsorvida pelo ducto coletor é controlada
hormonalmente pela secreção de vasopressina (hormônio anti-diurético).
O líquido tubular é isosmótico
no túbulo proximal, torna-se
diluído na alça de Henle, e,
em seguida, continua diluído
ou torna-se concentrado no
final do ducto coletor.
A alça de Henle é fundamental para o controle da
osmolaridade urinária.
• A alça de Henle retira o NaCl do túbulo e o deposita no interstício medular, diluindo o fluido tubular.
• Isso (mas a uréia) causa o interstício ficar hiperosmótico o que captura a água de volta quando desce no
túbulo coletor
Como isso acontece? O mecanismo de contra-corrente
Produção de urina diluída
Produção de urina concentrada
A vasopressina (AVP ou ADH) é produzida nos
núcleos supra-optico e paraventricularno
hipotálamo e secretados pela pituitária posterior
A vasopressina aumenta drasticamente a
permeabilidade a água nos túbulos e ductos
coletores
A vasopressina aumenta a inserção de canais
aquaporina 2 na membrana apical das células dos
túbulos e ductos coletores
O controle do conteúdo de água corporal (osmolaridade) se dá pela
secreção de vasopressina.
Osmoreceptores centrais
detectam um aumento na
osmolaridade plasmática e:
1-estimulam os neuronios
hipotalamicos secretores de
vasopressina.
2-estimula o apetite por água
(sede)

Aumento da água livre


corporal (redução da
osmolaridade corporal aos
niveis normais) !
Controle do volume extracelular
Relações entre os compartimentos do organismo

Indivíduo adulto 70 Kg
60 % = Água Corpórea Total - 42 litros

3,5 10,5 Volume intracelular


L litros 28 litros

Rim:
Plasma
O Na+ é o principal determinante
Rim
do volume extracelular;
Importante para regular pressão
sanguínea: adequada perfusão
Urina
Controle do volume extracelular
• O controle do volume extracelular se dá alterando as quantidades
plasmáticas de sódio.
• O sensor de volume são os baroreceptores, que sentem um aumento
ou diminuição na pressão arterial.
• Um aumento na volemia aumenta a pressão arterial enquanto uma
dimnuição na volemia tem o efeito oposto.
• Maior excreção de sódio = maior excreção de água = diminuição na
volemia sem alterar a osmolaridade.
• Menor excreção de sódio = menor excreção de água = aumento na
volemia sem alterar a osmolaridade.
Um aumento na ingestão de sódio leva a um
aumento do volume (medido em peso).
Um aumento na ingestão de sódio leva a um
aumento do volume (medido em peso).
Um aumento abrupto a
ingestão de sódio aumenta
a osmolaridade do VEC

Aumento da secreção de
vasopressina; aumento da
ingestão de água

Aumento da água livre


corporal; redução da
osmolaridade ao nivel
normal

Aumento do volume do
VEC (VIC não alterado)
Um aumento na ingestão de sódio leva a um
aumento do volume (medido em peso).
-A excreção de sódio
demora a igualar a sua
ingestão (balanço positivo
de sódio), alcançando o
equilíbrio em alguns dias,
impedindo mais expansão
do VEC.
A ingestão e excreção de sódio são
fortemente correlacionadas
O hormônio ALDOSTERONA produzido pelas
supre-renais, promove a captação de sódio pelos
ductos coletores.
• A aldosterona é um mineralocorticóide que estimula a sintese de
canais de sódio voltagem-independentes da membrana apical das
células principais dos ductos coletores, e da Na/K-ATPase na
membrane basolateral
Mecanismo de ação da aldosterona
O que os Rins “enxergam”? Volume Extracelular Efetivo

Rim
A expansão ou diminuição do volume é sentida pelo
aumento da pressão nos baroreceptores
A queda do volume efetivo circulante (VEC) leva
a uma menor ativação dos baroreceptores que
leva a ativação de 4 vias paralelas:
• 1-ativação do sistema nervoso simpático renal.
• 2- ativação dos sistema renina-angiotensina-aldosterona.
• 3- secreção de ADH pela pituitária.
• 4-redução da secreção do fator natriurético atrial (FNA).
_________________________________________________
• Todas essas vias levarão a uma maior retenção de sódio e a um
aumento da volemia.
• Um aumento do VEC causa ativação dos barorreceptores e os
mecanismos opostos aos listados.
Inervação Simpática Renal

Estímulo neural Induz:


- Redução no fluxo plasmático renal e na filtração
glomerular
- Aumento na reabsorção tubular de Na+
- Aumento na secreção de renina (receptores a1)
Efeito da Norepinefrina é maior em Aferente
Ação do sistema
renina-angiotensina-
aldosterona
O fator controlador dos níveis plasmáticos de
ANGIOII é a secreção de renina pelo aparelho
juxtaglomerular
• 1- Ativação do SN simpático (barorreceptores aórticos).
• 2- Menor concentração e sódio na mácula densa.
• 3-Menor perfusão renal (barorreceptores renais).

• Queda na pressão arterial é sentida pelos barorreceptores que


estimulam a secreção de renina.
• Queda no sódio tubular é sentida pela mácula densa que estimula a
secreção de renina.
AngioII aumenta a reabsorção de sódio
• Aumentando a secreção de aldosterona pelas supra-renais.
• Aumentando a reabsorção de sódio tubular pelo trocador Na+-H+.
O Fator Natriurético Atrial
• A expansão do átrio cardíaco em resposta ao aumento da volemia,
sinaliza a secreção doFator Natriurético Atrial pelas células atriais
cardíacas.
Chest X-Rays
Upright
and
Immersed

Note the
increase in
heart volume
on immersion
Por que você urina na piscina? Fator
Natriurético Atrial

Echt et al., (1974)


Pflugers Arch.
352:211-217
Grânulos Eletron densos em Células Atriais
(ANP)

Epstein M. 1992
Em: R. Greger e U. Windhorst
Jamieson & Palade J. Cell Biol. 23: 151, 1964
Extrato de Átrio, mas não de Ventrículo,
leva a aumento na excreção de sódio

atrial

ventricular
Receptores de ANP são encontrados nos
Glomerulos e Medula Renal
O FNA reduz a expressão ds canais desódio apicais do ducto coletor

Brenner et al: Physiol. Rev. 70: 665, 1990


Fator Natriurético Atrial Aumenta TFG dilatando a arteríola aferente

Dilatação na Arteríola Aferente

Raferente

Resistência Renal Total = RE + RA


PGC F=P/R
Fluxo Plasmático Renal (FPR)

TFG
TFG

TFG aumenta

Aumento na excreção de sódio


A vasa recta
mantem o
sistema de
contracorrente
passivamente.
A uréia e´concentrada
na medula e ajuda na
reabsorção de água
Como Funcionam?
+ CENTRO VASOMOTOR

+
VIAS AFERENTES EFERENTES SIMPÁTICOS

-
+
RECEPTORES DE INFLUXO SIMPÁTICO
TENSÃO AOS NÉFROS
-
-
TENSÃO NA
EXCREÇÃO DE Na
PAREDE DO VASO
- -
VOLUME SANGÜÍNEO
Como Funcionam?
+ CENTRO VASOMOTOR

-
VIAS AFERENTES EFERENTES SIMPÁTICOS

+
-
RECEPTORES DE INFLUXO SIMPÁTICO
TENSÃO AOS NÉFROS
+
+
TENSÃO NA
EXCREÇÃO DE Na
PAREDE DO VASO
+ -
VOLUME SANGÜÍNEO
Angiotensina II contrai a arteríola
Redução % no diâmetro Luminal Eferente aumentado a TFG

From: Edwards Am. J. Physiol. 244: F526, 1983.


Angiotensina II não contrai a arteríola
aferente

Redução % no diâmetro Luminal

From: Edwards Am. J. Physiol. 244: F526, 1983.


AngioII aumenta a reabsorção de sódio
• Aumentando a secreção de aldosterona pelas supra-renais.
• Aumentando a reabsorção de sódio tubular pelo trocador Na+-H+.
• Aumentando a TFG pela maior constrição da arteriola eferente.
• Isso dimiui o fluxo sanguineo pelas arteriolas abaixo da a. eferente,
aumentando a pressão osmótica sanguinea e dimuindo a pressão
hidrostática das arteríolas peritubulares e aumetnando a força de reabsorção
de água e solutos.
• O aumento da carga filtrada de sódio aumenta sua reabsorção tubular
Chest X-Rays
Upright
and
Immersed

Note the
increase in
heart volume
on immersion
Por que você urina na piscina? Fator
Natriurético Atrial

Echt et al., (1974)


Pflugers Arch.
352:211-217
Fator Natriurético Atrial Aumenta TFG dilatando a arteríola aferente

Dilatação na Arteríola Aferente

Raferente

Resistência Renal Total = RE + RA


PGC F=P/R
Fluxo Plasmático Renal (FPR)

TFG
TFG

TFG aumenta
Pressão Oncótica na
Fração de Filtração
Arteríola Eferente
FF = TFG/FPR

Reabsorção Proximal de Na+


Como isso acontece?