Está en la página 1de 3

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

Curso de Graduação em Administração

RESUMO DO TRABALHO: O MITO DE NARCISO


AVALIAÇÃO GLOBAL DA DISCIPLINA

Wellington Carlos dos Santos


Administração – Noite 3º P.
Filosofia: Razão e Modernidade
Professor: Alfeu Trancoso

Betim 07 de Junho de 2018


RESUMO
O mito surge na Grécia na cidade de Atenas por volta do século VI escrito por vários autores
com diversas interpretações até hoje. Existem duas versões mais conhecidas que trazem sentidos
opostos escritos pelo poeta Grego Pausânias que é uma versão menos tradicional, e outra mais
conhecida que se encontra As Metamorfoses escrita por Ovídio.

Segundo Pausânia, Narciso teria uma irmã gêmea e que ela era o seu reflexo por quem se
apaixonara e que viera a falecer. Narciso então se admirava nas águas do lago como se estivesse diante
da amada irmã morta e por deixar-se assim envolver por essa ilusão acabou por morrer nessas águas.
Já na versão de Ovídio no qual origina o Mito, relata que Narciso era uma das criaturas mais lindas já
existentes, cobiçado por mulheres que o admirava com tanta beleza, ficava encantadas, atordoadas ao
vê-lo. Dias antes de nascer, Cefiso e Liríope, como era costume, decidiram consultar os poderes de um
oráculo para saberem qual seria o futuro do menino. O oráculo Tirésias, um cego adivinho que possuía
a arte da “mantéia”, ou seja, a capacidade de ver o futuro revelou que a vida de Narciso seria muito
longa, mas apenas se nunca visse o próprio rosto. “Se ele não se vir…”

Reza lenda, Narciso nasceu na região grega da Boécia, conforme sua mãe temera, Narciso foi
assediado por todas as ninfas e mortais que o viram. Mal ele crescera e havia uma profusão de
mulheres apaixonadas por ele, embasbacadas com a sua beleza deslumbrante. Mas ele não queria saber
delas. De tanto ouvir cantarem sua beleza ficou orgulhoso e passou a desprezar as mulheres que o
procuravam. Ora, havia uma ninfa que tinha uma história muito infeliz. Seu nome era Eco e, muito
antes de vê-lo e se apaixonar por Narciso tinha sido uma moça tagarela que falava sem parar. Zeus o
pai dos deuses gregos, sempre buscando um modo de enganar Hera sua esposa, para que pudesse se
deitar com qualquer ninfa ou mortal que lhe chamasse a atenção, mandou que Eco fizesse companhia a
Hera e assim, a distraísse. Hera percebeu a artimanha depois de algum tempo e, como era seu costume
se vingou na pobre ninfa, em vez de amaldiçoar seu marido que, Hera fez com que Eco nunca mais
conseguisse articular uma frase sequer e ela só podia repetir as últimas palavras de qualquer frase que
ouvisse. Aconteceu que, quando Eco já estava apaixonada por Narciso, ela o seguiu a uma caçada
onde, por infelicidade ele se perdeu dos amigos que caçavam com ele e começou a gritar à procura: ”
Ninguém me escuta?” Escuta, repetiu Eco, mas ele não a via porque ela estava escondida, com
vergonha de tê-lo seguido. Então ele gritou aos amigos, pensando que eles que lhe responderam:
“Vamos nos juntar aqui…” E Eco: Vamos nos juntar aqui… e perdendo a timidez e a vergonha,
apareceu de braços abertos para ele. Mas, ele a repeliu dizendo que preferiria a morte a ficar com ela.
Eco ficou tão triste e deprimida com a recusa dele que deixou de se alimentar e foi definhando até se
transformar em um rochedo. Apenas sua voz permaneceu, da mesma maneira que estava após a
maldição de Hera: só repetia as últimas palavras do que era dito perto dela. Então, houve uma revolta
das ninfas, que foram procurar Nêmesis ,a deusa da Justiça. Esta, depois de ouvir suas queixas achou
que Narciso merecia o castigo de ter um amor impossível. Ignorando o castigo a que estava submetido
e com sede depois de outra caçada, Narciso se aproximou de um lago tão calmo e tão límpido que, ao
curvar-se sobre as águas para beber, se deparou com sua imagem refletida e, ficou pasmo diante de
tanta beleza. A princípio não se deu conta de que aquela era a sua própria imagem. Nunca tinha se
visto, como poderia se “reconhecer” de imediato? Mas tão apaixonado ficou que tentou tocar aquele
rosto, fosse de quem fosse e, qual não foi sua surpresa quando percebeu que seus movimentos se
repetiam também nas águas! Só então concluiu que aquele era o seu rosto, tão maravilhoso que não
conseguiu mais tirar os olhos de seu reflexo e morreu ali mesmo, de inanição, sem conseguir afastar os
olhos da própria imagem. Quando, depois de sua morte, amigos foram procurá-lo, só encontraram à
beira do lago uma flor de pétalas brancas e miolo amarelo, muito delicada, de rara beleza e de um
perfume inebriante, a que deram o nome de narciso. Ficaram depois sabendo que, até no Hades
(mundo subterrâneo para onde vão as almas dos mortos), ainda hoje ele procura ver seu reflexo nas
águas escuras do rio Estige.

Para os Gregos, Narciso simbolizava a vaidade a insensibilidade, mas o mito nos trás uma
reflexão no dizer que ele morre por que olha para si mesmo, que ele pensa apenas em si, que ele não
sabe o que ele provoca nos outros, e Eco também morre porque pensava só em Narciso com seu
egoísmo implacável transformando na voz sua própria voz.

Narciso significa alguém que se apaixona pela sua própria imagem, e com tudo, concluímos
que devemos nos amar antes de amar os outros e as semelhanças entre o reflexo e as sombras nos
espelham de alguma maneira. Ambos acompanham nossos movimentos, definem nossos contornos e
nossos limites. Ambos para se apresentarem dependem da luz. Só que os reflexos nos dão uma
aparência mais nítida, por isso, talvez gostemos mais deles. Assim, ao refletirmos no Narciso que vive
em nós, nos confrontamos com uma situação um tanto sombria. A busca do reflexo e o medo da
sombra, do diferente, do desconhecido, do que nos incomoda e não queremos ver nem mesmo no
“outro”. É preciso nos conhecermos, saber quais são as nossas qualidades, os nossos defeitos, as
nossas diferenças, vivermos não aquilo que as pessoas traçam de nós, e sim sabermos de verdade quem
somos antes de irmos para o fundo do poço.

REFERÊNCIAS:

http://www.redepsi.com.br/2002/09/11/narciso-seu- reflexo-e- sua-sombra/


https://www.britannica.com/topic/Narcissus-Greek- mythology/
http://knoow.net/religioes/mitolgrcrom/mito-de- narciso/
http://hall_of_secrets.tripod.com/greciavaidade.htm
https://pt.wikipedia.org/wiki/Narciso
https://brasilescola.uol.com.br/mitologia/estoria-narciso- eco.htm
http://eventosmitologiagrega.blogspot.com.br/2011/03/narciso-paixao- por-si- mesmo.html

Intereses relacionados