Está en la página 1de 24

CAPÍTULO I

SOBRE A TEORIA DA FORMAÇÃO DE CONCEITOS

Novos desenvolvimentos na lógica. A nova visão que está se desenvolvendo na


filosofia contemporânea a respeito dos fundamentos do conhecimento teórico se manifesta
talvez em nenhum lugar tão claramente quanto na transformação das principais doutrinas da
lógica formal. Somente na lógica, o pensamento filosófico parecia ter adquirido uma base
sólida; nela, parecia um campo marcado que estava assegurado contra todas as dúvidas
suscitadas pelos vários pontos de vista e hipóteses epistemológicas. O julgamento de Kant
pareceu verificado e confirmado que aqui o caminho firme e seguro da ciência finalmente
havia sido alcançado. A consideração adicional de que, como a lógica desde o tempo de
Aristóteles não teve que refazer um único passo, assim também não avançou um único passo,
pareceu deste ponto de vista uma confirmação de sua certeza peculiar. Não perturbada pela
contínua transformação de todo o conhecimento material, ela sozinha permaneceu constante e
sem variação.

Se seguirmos a evolução da ciência nas últimas décadas mais de perto, no entanto,


uma imagem diferente da lógica formal aparecerá. Em todos os lugares está ocupado com
novas questões e dominado por novas tendências de pensamento. O trabalho de séculos na
formulação de doutrinas fundamentais parece cada vez mais desintegrar-se; enquanto, por
outro lado, grandes novos grupos de problemas, resultantes da teoria matemática geral da
variedade, agora pressionam para o primeiro plano. Essa teoria aparece cada vez mais como o
objetivo comum em relação ao qual tendem os vários problemas lógicos, que antes eram
investigados separadamente, e através dos quais eles recebem sua unidade ideal. A lógica é
assim libertada do seu isolamento e, mais uma vez, leva a tarefas e realizações concretas. Pois
o escopo da teoria moderna do múltiplo não se limita a problemas puramente matemáticos,
mas envolve uma visão geral que influencia até mesmo os métodos especiais das ciências
naturais e aí é verificada. Mas a conexão sistemática na qual a lógica é assim atraída compele
a crítica renovada de suas pressuposições. O aparecimento da certeza incondicional
desaparece; a crítica agora começa a ser aplicada àquelas mesmas doutrinas.

3
4 SUBSTANCE AND FUNCTION

que persistiram inalteradas historicamente em face de profundas mudanças no ideal do


conhecimento.

O conceito na lógica aristotélica. A lógica aristotélica, em seus princípios gerais, é


uma expressão verdadeira e um espelho da metafísica aristotélica. Apenas em conexão com a
crença sobre a qual o último repousa, ele pode ser entendido em seus motivos peculiares. A
concepção da natureza e das divisões do ser predetermina a concepção das formas
fundamentais do pensamento. No desenvolvimento posterior da lógica, no entanto, suas
conexões com a ontologia aristotélica em sua forma especial começam a se soltar; ainda
persiste sua conexão com a doutrina básica do último, e claramente reaparece em pontos
decisivos da evolução histórica. De fato, a importância básica, que é atribuída à teoria do
conceito na estrutura da lógica, aponta para essa conexão. As tentativas modernas de reformar
a lógica buscaram, nesse sentido, inverter a ordem tradicional dos problemas, colocando a
teoria do juízo antes da teoria do conceito. Por mais frutífero que este ponto de vista tenha
provado, não foi, no entanto, mantido em sua total pureza contra a tendência sistemática que
dominava o antigo arranjo. A tendência intelectual que ainda moldava essas novas tentativas
revelou-se naquelas características que se insinuaram na própria teoria do juízo, que só
poderia ser entendida e justificada pela teoria tradicional do conceito genérico
(Gattungsbegriff). A primazia do conceito, que eles procuraram deixar de lado, foi mais uma
vez implicitamente reconhecida. O centro de gravidade real do sistema não havia sido
modificado, mas apenas o arranjo externo de seus elementos. Toda tentativa de transformar a
lógica deve concentrar-se acima de tudo sobre esse ponto: toda crítica da lógica formal está
contida na crítica da doutrina geral da construção de conceitos. (Begriffsbildung).

Finalidade e natureza do conceito genérico. As principais características dessa


doutrina são bem conhecidas e não precisam de exposição detalhada. Suas pressuposições são
simples e claras; e eles concordam tão amplamente com as concepções fundamentais, que a
visão ordinária do mundo usa e aplica consistentemente, que parecem não oferecer apoio para
a crítica. Nada é pressuposto salvo a existência das coisas em sua multiplicidade inesgotável,
e o poder da mente de selecionar desta riqueza de existências particulares aquelas
características que são comuns a várias delas. Quando assim coletamos objetos caracterizados
pela posse de alguma propriedade comum em classes,
THEOBY OF THE FORMATION OF CONCEPTS 5

e quando repetimos esse processo nos níveis mais elevados, gradualmente surge uma ordem e
divisão do ser cada vez mais firmes, de acordo com a série de semelhanças factuais que
atravessam as coisas particulares. As funções essenciais do pensamento, neste contexto, são
meramente aquelas de comparar e diferenciar uma variedade sensualmente dada. A reflexão,
que passa de um lado para o outro entre os objetos particulares, a fim de determinar as
características essenciais com as quais eles concordam, conduz-se à abstração. A abstração se
apega e se eleva para limpar a consciência desses aspectos relacionados, - puros, por si
mesmos, livres de toda mistura de elementos dissimilares. Assim, o mérito peculiar dessa
interpretação parece ser que ela nunca destrói ou põe em perigo a unidade da visão ordinária
do mundo. O conceito não aparece como algo estranho à realidade sensual, mas faz parte
dessa realidade; é uma seleção do que está imediatamente contido nela. Nesse aspecto, os
conceitos das ciências matemáticas exatas se situam no mesmo plano dos conceitos das
ciências descritivas, que se limitam a se preocupar com uma ordenação e classificação
superficiais do que é dado. Assim como formamos o conceito de uma árvore, selecionando a
partir da totalidade dos carvalhos, faias e bétulas, o grupo de propriedades comuns, assim,
exatamente da mesma maneira, formamos o conceito de uma figura retangular plana isolando
as propriedades comuns que são encontrados no quadrado, no ângulo reto, no romboide, no
losango, no trapézio e no trapézio simétricos e assimétricos, e que podem ser vistos e
apontados imediatamente1. Os conhecidos princípios norteadores do conceito seguem-se de
suas próprias fundações. Cada série de objetos comparáveis tem um conceito genérico
supremo, que compreende em si todas as determinações em que estes objetos concordam,
enquanto, por outro lado, dentro deste gênero supremo, as sub-espécies em vários níveis são
definidas por propriedades que pertencem apenas a um parte dos elementos. Da mesma forma
que ascendemos das espécies para o gênero superior, abandonando certa característica,
atraindo assim um maior número de objetos para dentro do círculo, assim, por um processo
inverso, a especificação do gênero ocorre através da adição progressiva de novos elementos
de conteúdo. Portanto, se chamarmos o número de propriedades de um conceito, a magnitude
de seu conteúdo2 aumenta essa magnitude à medida que descemos

1
Cf. e.g., Drobisch, Neue Darstellung der Logik, Ed. 4, Leipzig, 1875, 16 ff.; tfberweg, System der
Logik, Bonn, 1857, 51 ff.
2
Cf. intension. (Tr.)
6 SUBSTANCE AND FUNCTION

os conceitos superiores para o inferior, e assim diminui o número de espécies subordinadas ao


conceito; enquanto ascendemos ao gênero superior, esse conteúdo diminuirá conforme o
número de espécies for aumentado. Esta extensão crescente do conceito corresponde a uma
diminuição progressiva do conteúdo; de modo que, finalmente, os conceitos mais gerais que
podemos alcançar não mais possuam qualquer conteúdo definido. A pirâmide conceitual, que
formamos desta maneira, alcança seu ápice na representação abstrata de “alguma coisa” sob o
ser todo-inclusivo, do qual todo conteúdo intelectual possível cai, mas que, ao mesmo tempo,
é totalmente desprovido de significado específico.

O problema da abstração. Neste ponto, na teoria lógica tradicional do conceito,


surgem as primeiras dúvidas sobre sua validade e aplicabilidade universal. Se o objetivo final
desse método de formação de conceitos é inteiramente vazio, todo o processo que leva a ele
deve despertar suspeitas. Tal resultado é ininteligível se os passos individuais tiverem
cumprido os requisitos, que estamos acostumados a fazer de todo processo frutífero e
concreto de construção de conceitos científicos. O que exigimos e esperamos de um conceito
científico, em primeiro lugar, é o seguinte: que, no lugar da indefinição e ambiguidade
originais das ideias, ele instituirá uma determinação precisa e inequívoca; enquanto, neste
caso, pelo contrário, as linhas de distinção nítidas parecem as mais apagadas, quanto mais
seguimos o processo lógico. E, de fato, do ponto de vista da própria lógica formal, um novo
problema surge aqui. Se toda a construção de conceitos consiste em selecionar de uma
pluralidade de objetos diante de nós apenas as propriedades similares, enquanto
negligenciamos o resto, fica claro que, por meio desse tipo de redução, o que é meramente
uma parte tomou o lugar do todo sensitivo original. Esta parte, no entanto, pretende
caracterizar e explicar o todo. O conceito perderia todo o valor se significasse meramente a
negligência dos casos particulares a partir dos quais ele inicia e a aniquilação de sua
peculiaridade. O ato de negação, ao contrário, pretende ser a expressão de um processo
completamente positivo; o que resta não é ser apenas uma parte arbitrariamente escolhida,
mas um momento “essencial” pelo qual o todo é determinado. O conceito mais elevado é
tornar o inteligível inferior, apresentando em abstração o fundamento de sua forma especial.
A regra tradicional, entretanto, para a formação do conceito genérico não contém em si a
garantia de que esse fim será realmente alcançado. De fato, não há nada que nos assegure que
o comum
THEOBY OF THE FORMATION OF CONCEPTS 7

as propriedades, que selecionamos de qualquer coleção arbitrária de objetos, incluem os


recursos verdadeiramente típicos, que caracterizam e determinam as estruturas totais dos
membros da coleção. Podemos tomar emprestado um exemplo drástico de Lotze: Se
agruparmos cerejas e carne juntos sob os atributos vermelha, suculento e comestível, não
alcançaremos um conceito lógico válido, mas uma combinação sem significado de palavras,
inútil para a compreensão dos casos particulares. Assim, fica claro que a regra formal geral
em si não é suficiente; que, pelo contrário, há sempre uma referência tácita a outro critério
intelectual para complementá-lo.

Os pressupostos metafísicos da lógica aristotélica. No sistema de Aristóteles, esse


critério é claramente evidente; as lacunas deixadas na lógica são preenchidas e corrigidas pela
metafísica aristotélica. A doutrina do conceito é o link especial que liga os dois campos
juntos. Para Aristóteles, pelo menos, o conceito não é um mero esquema subjetivo no qual
coletamos os elementos comuns de um grupo arbitrário de coisas. A seleção do que é comum
permanece um jogo vazio de ideias, se não se assume que o que é assim obtido é, ao mesmo
tempo, a Forma real que garante a conexão causal e teleológica de coisas particulares. As
semelhanças reais e últimas das coisas são também as forças criativas das quais elas brotam e
segundo as quais elas são formadas. O processo de comparar as coisas e de agrupá-las de
acordo com propriedades semelhantes, como é expresso em primeiro lugar na linguagem, não
leva ao que é indefinido, mas se corretamente conduzido, termina na descoberta das essências
reais das coisas. O pensamento apenas isola o tipo específico; esta última está contida como
um fator ativo na realidade concreta individual e dá o padrão geral às múltiplas formas
especiais. A espécie biológica significa tanto o fim em que o indivíduo vivo se esforça quanto
a força imanente pela qual sua evolução é guiada. A doutrina lógica da construção do conceito
e da definição só pode ser construída com referência a essas relações fundamentais do real. A
determinação do conceito de acordo com seu próximo gênero superior e sua diferença
específica reproduzem o processo pelo qual a substância real sucessivamente se desdobra em
suas formas especiais de ser. Assim, é essa concepção básica de substância à qual as teorias
puramente lógicas de Aristóteles têm constantemente referência. O sistema completo de
pesquisa científica
8 SUBSTANCE AND FUNCTION

as definições também seria uma expressão completa das forças substanciais que controlam a
realidade3.

O conceito de substância na lógica e na metafísica. Uma compreensão da lógica de


Aristóteles é, assim, condicionada por uma compreensão de sua concepção de ser. O próprio
Aristóteles distingue claramente os vários tipos e significados de ser um do outro; e é o
problema essencial de sua teoria das categorias para rastrear e tornar clara essa divisão do ser
em suas várias subespécies. Assim, ele também distingue expressamente a existência, que é
indicada por meras relações de julgamento, da existência à moda de uma coisa; o ser de uma
síntese conceitual, a partir de um sujeito concreto. Em todas essas buscas por uma divisão
mais precisa, no entanto, a primazia lógica do conceito de substância não é questionada.
Somente em determinadas substâncias existentes são as várias determinações de ser pensável.
Somente em um substrato de coisa fixa, que deve primeiro ser dado, podem as variedades
lógicas e gramaticais de ser em geral encontrar sua aplicação real e terrestre. Quantidade e
qualidade, espaço e tempo, não existem em si e para si, mas apenas como propriedades de
realidades absolutas que existem por si mesmas. A categoria de relação é especialmente
forçada a uma posição dependente e subordinada por essa doutrina metafísica fundamental de
Aristóteles. A relação não é independente do conceito de ser real; só pode acrescentar
modificações suplementares e externas a estas últimas, como não afetar sua “natureza” real.
Deste modo, a doutrina aristotélica da formação do conceito passou a ter um traço
característico, que permaneceu apesar de todas as múltiplas transformações pelas quais
passou. A relação categórica fundamental da coisa com suas propriedades permanece, a partir
de então, o ponto de vista orientador; enquanto as determinações relacionais são consideradas
apenas na medida em que podem ser transformadas, por algum tipo de mediação, em
propriedades de um sujeito ou de uma pluralidade de sujeitos. Essa visão está em evidência
nos livros de texto da lógica formal em que as relações ou conexões, como regra, são
consideradas entre as propriedades “não essenciais” de um conceito e, portanto, como capazes
de serem deixadas de fora de sua definição sem falácia. Aqui uma distinção metodológica de
grande

3
On the metaphysical presuppositions of the Aristotelian logic, c/. especially, Prantl, Geschichte der
Logik im Abendlande, I; Trendelenburg, Geschichte der Kategorienlehre; H. Maier, Die Syllogistik des
Aristoteles, II, 2, Tubingen, 1900, pp. 183 ff.
THEORY OF THE FORMATION OF CONCEPTS 9

significado aparece. As duas formas principais de lógica, que são especialmente opostas uma
à outra no desenvolvimento científico moderno, são distinguidas como ficará claro pelo valor
diferente que é colocado sobre conceitos de coisas e conceitos de relações.

II

A crítica psicológica do conceito (Berkeley). Se aceitarmos este critério geral,


reconhecemos ainda que o pressuposto essencial, sobre o qual Aristóteles fundou sua lógica,
sobreviveu às doutrinas especiais da metafísica peripatética, de fato, toda a luta contra os
aristotélicos. O “realismo conceitual” não tem tido efeito sobre esse ponto decisivo. O conflito
entre nominalismo e realismo dizia respeito apenas à questão da realidade metafísica dos
conceitos, enquanto a questão de sua definição lógica válida não era considerada. A realidade
dos “universais” estava em questão. Mas o que estava além de qualquer dúvida, como por
acordo tácito das partes em conflito, era exatamente isso: que o conceito deveria ser
concebido como um gênero universal, como o elemento particular em uma série de coisas
similares ou semelhantes. Sem esta suposição mútua, todos os conflitos sobre se o elemento
comum possuía uma existência factual separada ou só poderia ser apontado como um
momento sensitivo nos indivíduos seria essencialmente ininteligível. Além disso, a crítica
psicológica do conceito “abstrato”, radical como parece à primeira vista, não introduz
nenhuma mudança real aqui. No caso de Berkeley, podemos seguir em detalhes como seu
ceticismo quanto ao valor e à fertilidade do conceito abstrato implicava, ao mesmo tempo,
uma crença dogmática na definição comum do conceito. Que o verdadeiro conceito científico,
que em particular os conceitos de matemática e física, pode ter outro propósito a cumprir do
que é atribuído a eles nesta definição escolástica, esse pensamento não foi compreendido 4. De
fato, na dedução psicológica do conceito, o esquema tradicional não é tão alterado quanto
transferido para outro campo. Enquanto antigamente eram coisas externas que eram
comparadas e das quais um elemento comum era selecionado, aqui o mesmo processo é
meramente transferido para apresentações como correlações psíquicas das coisas. O processo
é apenas, por assim dizer, removido para outra dimensão, na medida em que é retirado do
campo da física.

4
For greater detail cf. my Das Erkennlnisproblem in der Philosophic und Wissenschafl der neuern Zeit,
Vol. II, Berlin, 1907, pp. 219 ff.
10 SUBSTANCE AND FUNCTION

para o psíquico, enquanto seu curso geral e estrutura permanecem os mesmos. Quando várias
apresentações compostas têm uma parte de seu conteúdo em comum, surge delas, de acordo
com as conhecidas leis psicológicas de estimulação simultânea e fusão do semelhante, um
conteúdo no qual apenas as determinações concordantes são retidas e todas as outras
suprimidas5. Desta forma, nenhuma estrutura nova, independente e especial é produzida, mas
apenas uma certa divisão de apresentações já dada, uma divisão na qual certos momentos são
enfatizados por uma direção de atenção unilateral, e desta forma aumentada mais nitidamente
de seus arredores. Para as “formas substanciais” que, segundo Aristóteles, representam o
objetivo final dessa atividade comparativa, correspondem certos elementos fundamentais, que
perpassam todo o campo da percepção, e agora afirma-se ainda mais enfaticamente que esses
elementos absolutos, existindo por si mesmos, constituem o verdadeiro núcleo daquilo que é
dado e “real”. Novamente, o papel da relação é limitado tanto quanto possível. Hamilton, com
todo o seu reconhecimento da teoria Berkeleiana, mostrou a função característica de
relacionar o pensamento. Contra ele, J. Stuart Mill enfatiza que o verdadeiro ser positivo de
todas as relações reside apenas nos membros individual que são unidos por ele, e que,
portanto, uma vez que esses membros só podem ser dados como individuais, não se pode falar
de um general sobre o significado da relação6. O conceito não existe exceto como parte de
uma apresentação concreta e sobrecarregada com todos os atributos de apresentação. O que
lhe dá a aparência de valor independente e o caráter psicológico não derivado é apenas a
circunstância de que nossa atenção, sendo limitada em seus poderes, nunca é capaz de
iluminar toda a apresentação e deve necessariamente ser reduzida a uma mera seleção de
partes. A consciência do conceito é resolvida para análise psicológica na consciência de uma
apresentação ou parte de uma apresentação, que é associada de forma associativa a alguma
palavra ou outro signo sensitivo.

A psicologia da abstração. A “psicologia da abstração”, de acordo com essa visão,


fornece a chave real para o significado lógico de toda forma de conceito. Esse significado é
derivado da simples capacidade de reproduzir qualquer conteúdo de apresentação. Objetos
abstratos surgem em todo ser que percebe. quem gosta

5
Cf.j e.g., t)berweg, op. cit., 51.
6
Cf. Mill, An Examination of Sir William Hamilton's Philosophy, London, 1865, p 319.
THEOBY OF THE FORMATION OF CONCEPTS 11

as determinações do percebido foram dadas em apresentações repetidas7. Pois estas


determinações não se limitam ao momento particular de percepção, mas deixam para trás
certos traços de sua existência no sujeito psico-físico. Uma vez que esses traços, que devem
ser considerados inconscientes durante o tempo entre a percepção real e a lembrança, são
novamente despertados por estímulos de ocorrência recente de um tipo semelhante, uma
conexão firme é gradualmente formada entre os elementos semelhantes de percepções
sucessivas. Aquilo que os diferencia tende a desaparecer mais e mais; finalmente forma
apenas um fundo sombrio no qual as características constantes se destacam com mais clareza.
A progressiva solidificação dessas características que concordam, sua fusão em um todo
unitário, indivisível, constitui a natureza psicológica do conceito, que é consequentemente na
origem como na função meramente uma totalidade de resíduos de memória, que foram
deixados em nós por percepções de coisas e processos reais. A realidade desses resíduos é
mostrada na medida em que eles exercem uma influência especial e independente sobre o ato
de percepção em si, na medida em que todo conteúdo que ocorre de novo é apreendido e
transformado de acordo com eles. Assim, ficamos aqui, - e isso às vezes é enfatizado pelos
próprios defensores dessa visão -, em um ponto de vista muito semelhante ao do
“conceitualismo” medieval; abstractas reais e verbais só podem ser tiradas do conteúdo da
percepção porque elas já estão contidas nela como elementos comuns. A diferença entre as
visões ontológica e psicológica é meramente que as “coisas” do escolastiquíssimo eram os
seres copiados no pensamento, enquanto aqui os objetos não são mais do que o conteúdo da
percepção.

Por mais pesada que essa distinção possa parecer do ponto de vista da metafísica, o
significado e o conteúdo do problema lógico não são, no entanto, afetados por ela. Se
permanecermos na esfera deste último problema, encontraremos aqui uma crença comum e
fundamental em relação ao conceito, que permaneceu aparentemente inexpugnável ao longo
de todas as mudanças da questão. No entanto, precisamente onde parece não haver conflito de
opinião, a verdadeira dificuldade metodológica começa. A teoria do conceito, como aqui
desenvolvida, é uma imagem adequada e fiel do procedimento das ciências concretas? Inclui e
caracteriza todas as características especiais deste procedimento; e eu sou capaz de
representá-los em todas as suas conexões mútuas e específicas

7
Cf. especially B. Erdmann, Logik, Ed. 2, pp. 65 ff., 88 ff.
12 SUBSTANCE AND FUNCTION

características? Com relação à teoria aristotélica, pelo menos, essa questão deve ser
respondida negativamente. Os conceitos, que são objeto e interesse especial de Aristóteles,
são os conceitos genéricos das ciências naturais descritivas e classificatórias. A “forma” da
oliveira, o cavalo, o leão, deve ser apurada e estabelecida. Onde quer que ele deixe o campo
do pensamento biológico, sua teoria do conceito deixa de se desenvolver naturalmente e
livremente. Desde o início, os conceitos de geometria, especialmente, resistem à redução ao
esquema habitual. O conceito do ponto, ou da linha, ou da superfície, não pode ser apontado
como uma parte imediata dos corpos fisicamente presentes e separados deles por simples
“abstração”. Mesmo neste exemplo, que é o mais simples oferecido pela ciência exata, a
técnica lógica enfrenta um novo problema. Conceitos matemáticos, que surgem através da
definição genética, através do estabelecimento intelectual de uma conexão construtiva, são
diferentes dos conceitos empíricos, que visam meramente serem cópias de certas
características factuais da dada realidade das coisas. Enquanto no último caso, a
multiplicidade de coisas é dada em si e para si mesma e é unida apenas para uma expressão
verbal ou intelectual abreviada, no primeiro caso temos primeiro que criar a multiplicidade
que é o objeto de consideração, produzindo a partir de um simples ato de construção
(Setzung), por síntese progressiva, uma conexão sistemática de construções de pensamento
(Denkgebilden). Aparece aqui em oposição à “abstração” nua, um ato de pensamento em si,
uma produção livre de certos sistemas relacionais. Pode-se compreender facilmente que a
teoria lógica da abstração, mesmo em suas formas modernas, tentou com frequência obliterar
essa oposição, pois é nesse ponto que as questões relativas ao valor e à unidade interna da
teoria da abstração precisam ser decididas. Mas essa mesma tentativa leva imediatamente a
uma transformação e desintegração da teoria, a favor de quem foi empreendida. A doutrina da
abstração perde sua validade universal ou o caráter lógico específico que originalmente
pertencia a ela.

Análise de Mill dos conceitos matemáticos. Assim, Mill, por exemplo, a fim de
manter a unidade do princípio supremo da experiência, explica as verdades e conceitos
matemáticos como também meras expressões de fatos físicos concretos. A proposição de que
1 + 1 = 2 meramente descreve uma experiência que foi forçada sobre nós pelo processo de
unir as coisas. Em outro tipo
THEORY OF THE FORMATION OF CONCEPTS 13

do mundo dos objetos, em um mundo, por exemplo, no qual, pela combinação de duas coisas,
uma terceira sempre surgiu de si mesma, perderia significância e validade. O mesmo vale para
os axiomas relativos às relações espaciais; um “quadrado redondo” é apenas um conceito
contraditório para nós porque foi demonstrado na experiência sem exceção, que uma coisa
perde a propriedade de ter quatro cantos no momento em que assume a propriedade de
redondeza, de modo que o início de uma impressão é inseparável conectado com a cessação
do outro. De acordo com esse modo de explicação, a geometria e a aritmética parecem
novamente resolvidas em meras afirmações sobre certos grupos de apresentações. Mas essa
interpretação falha quando Mill tenta ainda justificar o valor e o significado peculiar, inerente
a essas experiências especiais de numeração e mensuração, em todo o nosso conhecimento.
Aqui, em primeiro lugar, faz-se referência à exatidão e confiabilidade das imagens, que
retemos das relações espaciais e temporais. A apresentação reproduzida é, neste caso,
semelhante ao original em todos os detalhes, como uma experiência variada mostrou; a
imagem que os quadros geométricos correspondem perfeitamente à impressão original. Desta
forma, pode-se conceber que, a fim de alcançar novas verdades geométricas ou aritméticas,
não precisamos de cada vez renovadas percepções de objetos físicos; a imagem-memória, em
virtude de sua clareza e distinção, é capaz de suplantar o próprio objeto sensível. No entanto,
essa explicação é imediatamente cruzada por outra. A peculiar certeza “dedutiva”, que
atribuímos a proposições matemáticas, remonta agora ao fato de que, nessas proposições,
nunca estamos preocupados com afirmações, fatos concretos, mas apenas com relações entre
formas hipotéticas. Não há coisas reais que concordem precisamente com as definições de
geometria; não há pontos sem magnitude, sem linhas perfeitamente retas, sem círculos cujos
raios sejam todos iguais. Além disso, do ponto de vista da nossa experiência, não apenas a
realidade atual, mas a própria possibilidade de tais conteúdos deve ser negada; é pelo menos
excluído pelas propriedades físicas do nosso planeta, se não pelas do universo. Mas a
existência psíquica é negada não menos que física aos objetos de definições geométricas. Pois
em nossa mente nunca encontramos a apresentação de um ponto matemático, mas sempre
apenas a menor extensão sensata possível; também nós nunca "concebemos" uma linha sem
amplitude, para toda imagem psíquica que
14 SUBSTANCE AND FUNCTION

forma nos mostra apenas linhas de uma certa amplitude8. É evidente de imediato que essa
dupla explicação se destrói. Por um lado, toda ênfase é dada à semelhança entre as idéias
matemáticas e as impressões originais; por outro lado, no entanto, vê-se que esse tipo de
semelhança não existe e não pode existir, pelo menos para aquelas formas que, sozinhas, são
definidas e caracterizadas como “conceitos” nas ciências matemáticas. Essas formas não
podem ser alcançadas pela seleção nua dos fatos da natureza e da apresentação, pois elas não
possuem nenhum correlato concreto em todos esses fatos. A “abstração”, como até então tem
sido entendida, não muda a constituição da consciência e da realidade objetiva, mas apenas
institui certos limites e divisões nela; apenas divide as partes da impressão sensorial, mas não
adiciona nenhum dado novo. Nas definições da matemática pura, no entanto, como as
próprias explicações de Mill mostram, o mundo das coisas e apresentações sensíveis não é
tanto reproduzido como transformado e suplantado por uma ordem de outro tipo. Se
rastrearmos o método dessa transformação, certas formas de relação, ou melhor, um sistema
ordenado de funções intelectuais estritamente diferenciadas, são reveladas, como não podem
ser caracterizadas, muito menos justificadas, pelo simples esquema de “abstração”. E esse
resultado também é confirmado se passarmos dos conceitos puramente matemáticos para os
da física teórica. Pois em sua origem, o mesmo processo é mostrado, e pode ser seguido em
detalhes, da transformação da realidade sensual concreta, - um processo que a doutrina
tradicional não pode justificar. Esses conceitos de física também não se destinam apenas a
produzir cópias de percepções, mas a colocar no lugar da multiplicidade sensual outra
variedade, que concorda com certas condições teóricas9.

O defeito da teoria psicológica da abstração. Negligenciando a natureza dos conceitos


abstratos, no entanto, descobrimos que a visão ingênua do mundo, para a qual a concepção
lógica tradicional especialmente apela e sobre a qual ela repousa, oculta em si mesma o que é,
em última instância, o mesmo problema. Os conceitos das múltiplas espécies e gêneros
supõem-se surgir para nós pela predominância gradual das similaridades das coisas sobre suas
diferenças, isto é, as similaridades isoladas, em virtude de suas muitas aparências, imprimem-
se sobre elas.

8
Cf. Mill, A System of Logic, Ed. 7, London, 1868, Book II, Ch. 5, and Book III, Ch. 24.
9
Cf. more particularly Ch. IV.
THEORY OF THE FORMATION OF CONCEPTS 15

a mente, enquanto as diferenças individuais, que mudam de caso para caso, não atingem como
fixidez e permanência. A similaridade das coisas, no entanto, só pode ser manifestamente
efetiva e frutífera, se for entendida e julgada como tal. Que os traços “inconscientes” deixados
em nós por uma percepção anterior são como uma nova impressão em termos de fato, são
irrelevantes para o processo implicado aqui, desde que os elementos não sejam reconhecidos
como semelhantes. Com isso, no entanto, um ato de identificação é reconhecido como o
fundamento de toda “abstração”. Uma função característica é atribuída ao pensamento, a
saber, relacionar um conteúdo presente a um conteúdo passado e compreender os dois como,
em alguns aspectos, idênticos. Esta síntese, que liga e liga as duas condições separadas
temporariamente, não possui correlato sensível imediato nos conteúdos comparados. De
acordo com o modo e direção em que a síntese ocorre, o mesmo material sensorial pode ser
apreendido sob formas conceituais muito diferentes. A psicologia da abstração precisa antes
de tudo postular que as percepções podem ser ordenadas para consideração lógica em “séries
de similares”. Sem um processo de organização em série, sem percorrer as diferentes
instâncias, a consciência de sua conexão genérica e, conseqüentemente, do objeto abstrato
nunca poderia surgir. Essa transição de membro para membro, no entanto, pressupõe,
manifestamente, um princípio segundo o qual ele ocorre, e pelo qual a forma de dependência
entre cada membro e o sucessor é determinada. Assim, deste ponto de vista, também parece
que toda a construção de conceitos está conectada a alguma forma definida de construção de
séries. Dizemos que uma multiplicidade sensorial é conceitualmente apreendida e ordenada,
quando seus membros não ficam próximos um do outro sem relação, mas procedem de um
começo definido, de acordo com uma relação geradora fundamental, na seqüência necessária.
É a identidade dessa relação geradora, mantida através de mudanças nos conteúdos
particulares, que constitui a forma específica do conceito. Por outro lado, se da retenção dessa
identidade de relação finalmente evolui um objeto abstrato, uma apresentação geral na qual
características similares são unidas, é apenas uma questão psicológica e não afeta a
caracterização lógica do conceito. A aparência de uma imagem geral desse tipo pode ser
excluída pela natureza da relação geradora, sem que o momento definitivo na dedução clara
de cada elemento do anterior seja assim removido.
16 SUBSTANCE AND FUNCTION

Neste contexto, a verdadeira fraqueza da teoria da abstração é aparente na


unilateralidade de sua seleção, da riqueza dos possíveis princípios da ordem lógica, do mero
princípio da similaridade. Na verdade, será visto que uma série de conteúdos em sua
ordenação conceitual pode ser organizada de acordo com os pontos de vista mais divergentes;
mas apenas desde que o ponto de vista norteador seja mantido inalterado em sua peculiaridade
qualitativa. Assim, lado a lado com séries de similares em cujos membros individuais um
elemento comum se repete uniformemente, podemos colocar séries em que entre cada
membro e o sucessor prevalece um certo grau de diferença. Assim, podemos conceber
membros de séries ordenadas de acordo com a igualdade ou desigualdade, número e
magnitude, relações espaciais e temporais ou dependência causal. A relação de necessidade
assim produzida é em cada caso decisiva; o conceito é meramente a expressão e a casca do
mesmo, e não é a apresentação genérica, que pode surgir incidentalmente em circunstâncias
especiais, mas que não entra como um elemento efetivo na definição do conceito.

As formas de série. Assim, a análise da teoria da abstração leva a um problema mais


profundo. A “comparação” de conteúdo, aqui referida, é primariamente apenas uma expressão
vaga e ambígua, que esconde a dificuldade do problema. Na verdade, funções categóricas
muito diferentes estão aqui unidas sob o que é meramente um nome coletivo. E a tarefa real
da teoria lógica em relação a qualquer conceito definido consiste em estabelecer essas funções
em suas características essenciais e no desenvolvimento de seus aspectos formais. A teoria da
abstração obscurece essa tarefa, pois confunde as formas categóricas, sobre as quais repousa
toda a definição do conteúdo da percepção, com partes desse próprio conteúdo. E mesmo a
mais simples reflexão psicológica mostra que a "semelhança" entre qualquer conteúdo não é
ela mesma dada como um conteúdo adicional; que similaridade ou dissimilaridade não
aparece como um elemento especial de sensação lado a lado com cores e tons, com sensações
de pressão e toque. O esquema ordinário da construção de conceitos, portanto, exige uma
transformação completa, mesmo em sua forma exterior; pois nele as qualidades das coisas e o
aspecto puro da relação são colocados no mesmo nível e fundidos sem distinção. Uma vez
que esta identificação tenha ocorrido, pode de fato parecer como se o trabalho de pensamento
fosse limitado a selecionar de uma série de percepções aα, aβ,

THEORY OF THE FORMATION OF CONCEPTS 17


aγ... o elemento comum a. Na verdade, no entanto, a conexão dos membros de uma série pela
posse de uma "propriedade" comum é apenas um exemplo especial de conexões logicamente
possíveis em geral. A conexão dos membros é, em todos os casos, produzida por alguma lei
geral de acordo através da qual uma regra de sucessão completa é estabelecida. Aquilo que
liga os elementos da série a, b, c... juntos não é em si um novo elemento, que foi factualmente
misturado com eles, mas é a regra da progressão, que permanece a mesma, não importa em
qual membro ela é representada. A função F(a, b), F(b, c),..., que determina o tipo de
dependência entre os sucessivos membros, obviamente não deve ser apontado como um
membro da série, que existe e se desenvolve de acordo com ele. A unidade do conteúdo
conceitual pode assim ser “abstraída” dos elementos particulares de sua extensão apenas no
sentido de que é em conexão com eles que nos tornamos conscientes da regra específica,
segundo a qual eles estão relacionados; mas não no sentido de que construímos essa regra a
partir deles, seja por meio da soma nua ou da negligência das partes. O que empresta a teoria
do apoio à abstração é meramente a circunstância de que ela não pressupõe o conteúdo do
qual o conceito se desenvolverá, como particularidades desconectadas, mas que tacitamente
os pensa na forma de um múltiplo ordenado do primeiro. O conceito, no entanto, não é
deduzido, mas pressuposto; pois quando atribuímos a uma multiplicidade uma ordem e
conexão de elementos, já pressupomos o conceito, se não em sua forma completa, ainda em
sua função fundamental.

O lugar da coisa-conceito no sistema de relações lógicas. Existem duas linhas


diferentes de consideração nas quais esta pressuposição lógica é claramente evidente. De um
lado, é a categoria do todo e de suas partes; por outro, a categoria da coisa e seus atributos,
cuja aplicação é feita na doutrina costumeira da origem do conceito genérico. Que os objetos
são dados como organizações de atributos particulares, e que os grupos totais de tais atributos
são divididos em partes e subpartes, que são comuns a vários deles, é aqui tomado como o
princípio básico auto-evidente. Na verdade, entretanto, o "dado" não é meramente descrito,
mas é julgado e moldado de acordo com um certo contraste conceitual. Mas assim que isso é
reconhecido, deve ficar evidente que estamos aqui antes de um mero começo que aponta além
18 SUBSTANCE AND FUNCTION

em si. Os atos categóricos (Akte), que caracterizamos pelos conceitos do todo e suas partes, e
da coisa e seus atributos, não são isolados, mas pertencem a um sistema de categorias lógicas
que, de resto, não esgotam de modo algum. Depois de termos concebido o plano desse
sistema em uma teoria lógica geral das relações, podemos, a partir desse ponto de vista,
determinar seus detalhes. Por outro lado, não é possível obter uma visão de todas as formas
possíveis de conexão do ponto de vista limitado de certas relações enfatizadas na visão
ingênua do mundo. A categoria da coisa mostra-se inadequada para esse fim no próprio fato
de termos na matemática pura um campo de conhecimento, no qual as coisas e suas
propriedades são desconsideradas em princípio, e em cujos conceitos fundamentais, portanto,
não há propriedade geral das coisas pode ser contido.

III

O processo negativo de “abstração”. Neste ponto, surge uma nova e mais geral
dificuldade para ameaçar a doutrina lógica tradicional. Se apenas seguirmos a regra
tradicional de passar do particular para o universal, chegaremos ao resultado paradoxal de que
o pensamento, na medida em que se eleva dos conceitos inferiores para os mais altos e mais
inclusivos, se move em meras negações. O ato essencial aqui pressuposto é que abandonemos
certas determinações que até então havíamos sustentado; que abstraímos deles e os excluímos
da consideração como irrelevantes. O que capacita a mente a formar conceitos é apenas seu
afortunado presente de esquecimento, sua incapacidade de compreender as diferenças
individuais em todos os lugares presentes nos casos particulares. Se todas as imagens da
memória, que permaneciam conosco a partir de experiências anteriores, fossem totalmente
determinadas, se elas recordassem o conteúdo desaparecido da consciência em sua natureza
plena, concreta e viva, elas nunca seriam tomadas como completamente semelhantes à nova
impressão e assim não se misturar em uma unidade com o último. Somente a inexatidão da
reprodução, que nunca retém toda a impressão anterior, mas apenas seu contorno nebuloso,
torna possível essa unificação de elementos que são em si mesmos diferentes. Assim, toda a
formação de conceitos começa com a substituição de uma imagem generalizada pela intuição
sensual individual e, no lugar da percepção real, a substituição de seu restante imperfeito e
desbotado10.

10
C/., Sigwart, Logik, Ed. 2, p. 50 f., also, H. Maier, Psychologic des emotionalen Denkens, Tiibingen,
1908, pp. 168 ff.
THEORY OF THE FORMATION OF CONCEPTS 19

Se nos atemos estritamente a essa concepção, alcançamos o estranho resultado de que todo o
trabalho lógico que aplicamos a uma dada intuição sensual serve apenas para nos separar mais
e mais dela. Em vez de alcançar uma compreensão mais profunda de sua importância e
estrutura, alcançamos apenas um esquema superficial do qual todos os traços peculiares do
caso particular desapareceram.

O conceito matemático e sua “universalidade concreta”. Mas, a partir de qualquer


conclusão, somos mais uma vez salvaguardados pela consideração da ciência na qual a
definição conceitual e a clareza alcançaram seu nível mais elevado. É neste ponto, na verdade,
que o conceito matemático aparece mais nitidamente distinto do conceito ontológico. Na luta
metodológica sobre os limites da matemática e da ontologia, que ocorreu na filosofia do
século XVIII, essa relação foi incidentalmente dada expressão feliz e significativa. Em sua
crítica à lógica da escola wolffiana, Lambert assinalou que era o mérito exclusivo dos
“conceitos gerais” matemáticos não cancelar as determinações dos casos especiais, mas com
toda a rigidez para retê-los. Quando um matemático torna sua fórmula mais geral, isso
significa não apenas que ele deve reter todos os casos mais especiais, mas também ser capaz
de deduzi-los da fórmula universal. A possibilidade de dedução não é encontrada no caso dos
conceitos escolásticos, uma vez que estes, de acordo com a fórmula tradicional, são formados
negligenciando o particular e, portanto, a reprodução dos momentos particulares do conceito
parece excluída. Assim, a abstração é muito fácil para o “filósofo”, mas, por outro lado, a
determinação do particular do universal é muito mais difícil; pois no processo de abstração ele
deixa para trás todas as particularidades de tal maneira que ele não pode recuperá-las, muito
menos considerar as transformações das quais elas são capazes 11. Essa simples observação
contém, de fato, o germe de uma distinção de grande consequência. O ideal de um conceito
científico aqui aparece em oposição à apresentação geral esquemática que é expressa por uma
simples palavra. O conceito genuíno não desconsidera as peculiaridades e particularidades
que contém, mas procura mostrar a necessidade da ocorrência e conexão de apenas essas
particularidades.

11
Lambert, Anlage zur Architektonik oder Theorie des Einfachen und des Ersten
inderphilosophischenundmathematischenErkenntnis, Riga, 1771, 193 ff. C/. my Erkenntnisproblem in der
Philosophic und Wissenschaft der neuern Zeit, Vol. II, p. 422 f.
20 SUBSTANCE AND FUNCTION

O que dá é uma regra universal para a conexão dos próprios detalhes. Assim, podemos
proceder de uma fórmula matemática geral, - por exemplo, da fórmula de uma curva de
segunda ordem, - para as formas geométricas especiais do círculo, a elipse, etc., considerando
um determinado parâmetro que ocorre neles e permitindo para variar através de uma série
contígua de magnitudes. Aqui, o conceito mais universal mostra-se também o mais rico em
conteúdo; quem o tem pode deduzir de tudo isso as relações matemáticas que dizem respeito
aos problemas especiais, enquanto, por outro lado, ele toma esses problemas não como
isolados, mas como em conexão contínua uns com os outros, portanto em suas conexões
sistemáticas mais profundas. O caso individual não é excluído da consideração, mas é fixo e
retido como um passo perfeitamente determinado em um processo geral de mudança. É
evidente novamente que a característica do conceito não é a “universalidade” de uma
apresentação, mas a validade universal de um princípio de ordem serial. Nós não isolamos
qualquer parte abstrata, seja qual for, do múltiplo diante de nós, mas criamos para seus
membros uma relação definida, pensando neles como ligados por uma lei inclusiva. E quanto
mais avançamos nisto e mais firmemente esta conexão de acordo com as leis é estabelecida,
tanto mais clara é a determinação inequívoca do particular. Assim, por exemplo, a intuição de
nosso espaço tridimensional euclidiano só ganha em compreensão clara quando, na geometria
moderna, ascendemos às formas “superiores” do espaço; pois desta forma a estrutura
axiomática total do nosso espaço é revelada pela primeira vez em plena nitidez.

A crítica das teorias da abstração. As modernas exposições de lógica tentaram levar


em conta essa circunstância, opondo-se, de acordo com uma distinção bem conhecida de
Hegel -, à universalidade abstrata do conceito à universalidade concreta da fórmula
matemática. A universalidade abstrata pertence ao gênero na medida em que, considerada em
si e por si, negligencia todas as diferenças específicas; a universalidade concreta, ao contrário,
pertence ao todo sistemático (Gesamtbegriff) que assume em si as peculiaridades de todas as
espécies e as desenvolve segundo uma regra. “Quando, por exemplo, álgebra resolve o
problema de encontrar dois números inteiros, cuja soma é igual a 25, e dos quais um é
divisível por 2 e o outro por 3, expressando o segundo pela fórmula 6z + 3, em que z só pode
ter os valores 0, 1, 2, 3, e dos quais em si mesmo 22-6z segue como uma fórmula do primeiro,
estas fórmulas possuem concreto
THEORY OF THE FORMATION OF CONCEPTS 21

universalidade. Eles são universais porque representam a lei que determina todos os números
procurados; eles também são concretos porque, quando z é dado os quatro valores acima
mencionados, os números procurados seguem a partir dessas fórmulas como espécies deles. O
mesmo acontece em geral em todas as funções matemáticas de uma ou mais variáveis. Cada
função matemática representa uma lei universal, que, em virtude dos valores sucessivos que a
variável pode assumir, contém em si todos os casos particulares para os quais ela é válida. ”12
Se, no entanto, isso é reconhecido, um campo completamente novo de abre-se a investigação
para a lógica, contrapondo-se à lógica do conceito genérico que, como vimos, representa o
ponto de vista e a influência do conceito de substância, surge agora a lógica do conceito
matemático de função. O campo de aplicação desta forma de lógica não se limita apenas à
matemática, pelo contrário, estende-se ao campo do conhecimento da natureza, pois o
conceito de função constitui o esquema geral e modelo segundo o qual o conceito moderno de
natureza foi moldado em seu progressivo desenvolvimento histórico.

Antes de prosseguirmos para traçar a construção de conceitos funcionais na própria


ciência e, assim, para verificar nossa nova concepção do conceito por exemplo, podemos
indicar o significado do problema citando uma virada característica recentemente tomada pela
teoria da abstração. Em toda parte, um novo motivo é aparente, o qual, se sistematicamente
desenvolvido e realizado, levantará questões lógicas que se estendem além do ponto de vista
tradicional. Uma indicação desse motivo deve ser encontrada em primeiro lugar nos
comentários céticos de Lotze sobre a doutrina tradicional da abstração. Como ele explica, a
prática real do pensamento na formação de conceitos não segue o curso prescrito por essa
doutrina; pois nunca está satisfeito em avançar para o conceito universal, negligenciando as
propriedades particulares sem reter um equivalente para elas. Quando formamos o conceito
de metal conectando ouro, prata, cobre e chumbo, não podemos, de fato, atribuir ao objeto
abstrato que assim vem a ser a cor particular do ouro, ou o brilho particular da prata, ou o
peso do cobre, ou a densidade de chumbo; entretanto, não seria menos inadmissível se
simplesmente tentássemos negar todas essas determinações particulares dela. Pois a ideia
obviamente não é suficiente como uma caracterização do metal, que não é nem vermelha nem
amarela, nem disto nem daquilo.

12
Drobisch, Neue Darstellung der Logik, p. 22.
22 SUBSTANCE AND FUNCTION

peso específico, nem desta ou daquela dureza ou poder de resistência; mas o pensamento
positivo deve ser acrescentado de que ele é colorido de alguma forma em todos os casos, que
é de certo grau de dureza, densidade e brilho. E analogamente, não reteríamos o conceito
geral de animal, se abandonássemos nele todo o pensamento sobre os aspectos da procriação,
do movimento e da respiração, porque não há forma de procriação, de respiração, etc., que
possa ser apontada. como comum a todos os animais. Não é, portanto, a simples negligência
das “marcas” p1p2, q1q2, que são diferentes nas diferentes espécies, que é a regra da abstração;
mas sempre, no lugar das determinações particulares negligenciadas, as “marcas” gerais P e Q
devem ser estabelecidas, as espécies particulares das quais são p1p2 e q1q2. O procedimento
meramente negativo, pelo contrário, levaria, no final, à negação de toda determinação, de
modo que nosso pensamento não encontraria nenhuma maneira de retornar do “nada” lógico
que o conceito significaria então13. Vemos aqui como Lotze, com base em considerações
psicológicas, aborda o problema que Lambert formulou clara e definitivamente, usando o
exemplo do conceito matemático. Se levarmos a regra acima até o fim, ela nos obriga a
conservar, em lugar das “marcas” particulares que são negligenciadas na formação do
conceito, a totalidade sistemática (Inbegriff) à qual essas marcas pertencem como
determinações especiais. Só podemos abstrair da cor particular se mantivermos a série total de
cores em geral como um esquema fundamental, em relação ao qual consideramos o conceito
determinado, o qual estamos formando. Nós representamos esta totalidade sistemática
(Inbegriff) quando substituímos os termos variáveis “constantes” de constantes, tais como
representar o grupo total de valores possíveis que as diferentes “marcas” podem assumir.
Assim, torna-se evidente que a queda das determinações particulares é apenas na aparência
um processo puramente negativo. Na verdade, o que parece ser cancelado dessa maneira é
mantido de outra forma e sob uma categoria lógica diferente. Enquanto acreditarmos que toda
a determinação consiste em “marcas” constantes nas coisas e em seus atributos, todo processo
de generalização lógica deve, de fato, aparecer como um empobrecimento do conteúdo
conceitual. Mas precisamente na medida em que o conceito é liberado de todo ser semelhante
a uma coisa, seu caráter funcional peculiar é revelado. As propriedades fixas são substituídas
por regras universais que nos permitem pesquisar uma série total de possíveis determinações

13
Lotze, Logik, Ed. 2, Leipzig, 1880, p. 40 f.
THEORY OF THE FORMATION OF CONCEPTS 23

em um único relance Essa transformação, essa mudança em uma nova forma de ser lógico,
constitui a verdadeira realização positiva da abstração. Nós não procedemos de uma série
aα1β1, aα2β2, aα3β3... diretamente para o seu comum constitutivo a, mas substituímos a
totalidade de membros individuais α por uma expressão variável x a totalidade de membros
individuais β por uma expressão variável y. Deste modo unificamos todo o sistema na
expressão a x y ... que pode ser transformada em totalidade concreta (Allheit) dos membros da
série por uma transformação contínua, e que portanto representa perfeitamente a estrutura e as
divisões lógicas do conceito.

Objetos dos “primeiros” e “segundos” pedidos. Essa virada de pensamento pode ser
traçada mesmo naquelas exposições de lógica que, em tendência fundamental, mantêm a
teoria tradicional da abstração. É significativo dessa tendência, por exemplo, que Erdmann,
depois de completar sua teoria psicológica do conceito, se veja forçado por sua consideração
da variedade matemática à introdução de um novo ponto de vista e uma nova terminologia. A
primeira fase de toda construção de conceitos, ele agora ensina, de fato envolve a separação
de um certo universal com base na uniformidade com que seu conteúdo se repete em meio a
vários detalhes; mas essa uniformidade do dado, embora talvez o original, não é a única
condição que nos permite marcar os objetos de nossas apresentações. No progresso do
pensamento, a consciência da uniformidade é complementada pela consciência da conexão
necessária; e essa suplementação vai tão longe que, em última análise, não dependemos do
número de repetições para estabelecer um conceito. “Onde quer que na apresentação
desenvolvida um objeto composto é encontrado em nossa percepção, que toma seu lugar
como um membro bem definido de uma série de apresentações, como um novo tom na série
de cores, um novo composto químico em uma série de conhecidos compostos de constituição
semelhante, há uma única ocorrência suficiente para fixá-lo em seu caráter definido como um
14
membro da série, mesmo no caso de nunca percebê-lo novamente.” Em contraste com os
objetos da percepção sensorial, que podemos designar como “objetos da primeira ordem”,
agora aparecem “objetos da segunda ordem”, cujo caráter lógico é determinado apenas pela
forma de conexão da qual eles procedem. Em geral, onde quer que unamos os objetos do
nosso pensamento em um único objeto, criamos um novo “objeto da segunda ordem”, cujo
conteúdo total é expresso no

14
B. Erdmann, Logik, Ed. 2, p. 158. f.
24 SUBSTANCE AND FUNCTION

relações estabelecidas entre os elementos individuais pelo ato de unificação. Esse tipo de
pensamento, ao qual Erdmann declara liderado pelos problemas da moderna teoria dos
grupos, rompe o antigo esquema de formação de conceitos; pois, em vez da comunidade de
“marcas”, a unificação de elementos em um conceito é decidida por sua “conexão por
implicação”. E esse critério, aqui introduzido apenas como suplemento e como um aspecto
secundário, prova que uma análise mais próxima o verdadeiro prisma lógico, pois já vimos
que a “abstração” permanece sem propósito e sem sentido, se não considerar os elementos dos
quais considera que o conceito é do primeiro arranjado e conectado por uma determinada
relação.

A variedade de "intenções" objetivas. Em geral, à medida que o aspecto puramente


lógico dos conceitos de relação e de múltiplos se torna mais claro, uma maior necessidade é
sentida por um novo fundamento psicológico. Se os objetos com os quais a lógica pura trata
não são idênticos aos conteúdos individuais da percepção, mas possua sua própria estrutura e
“essência”, então a questão deve surgir sobre como esta “essência” peculiar vem à nossa
consciência e por quais atos ela é compreendida. As experiências, por mais que as
acumulemos e por mais complicadas que sejam, nunca serão suficientes para esse propósito.
Pois a experiência sensual diz respeito exclusivamente a um objeto particular ou a uma
pluralidade de tais objetos; nenhuma soma de casos individuais pode produzir a unidade
específica que se entende no conceito. A teoria da atenção, portanto, como a faculdade
verdadeiramente criativa na formação de conceitos, perde toda a aplicação em uma
fenomenologia mais profunda dos processos de pensamento puros. Pois a atenção apenas
separa ou conecta elementos já dados na percepção; não pode dar a esses elementos um novo
significado e investi-los sem novas funções lógicas. É essa mudança de função, no entanto,
que primeiro transforma os conteúdos de percepção e apresentação em conceitos no sentido
lógico. Do ponto de vista da análise puramente descritiva do processo consciente também, é
algo diferente quando apreendo essa ou aquela propriedade particular de uma coisa, como
quando, por exemplo, seleciono do complexo perceptivo de uma casa sua cor vermelha
especial, do que quando contemplo “o” vermelho como espécie. Há uma diferença entre fazer
juízos matemáticos válidos em relação ao número “quatro”, colocando-o assim em uma
conexão objetiva de relações, e direcionando a consciência sobre um grupo concreto de coisas
ou apresentações de quatro elementos. O lógico
THEORY OF THE FORMATION OF CONCEPTS 25

a determinação de “quatro” (no primeiro caso) é dada por seu lugar em um todo ideal e,
portanto, atemporalmente válido, de relações, por seu lugar em um sistema numérico definido
matematicamente; mas a apresentação sensual, que é necessariamente limitada a um
determinado „aqui‟ e „agora‟, é incapaz de reproduzir essa forma de determinação. Aqui a
psicologia do pensamento se esforça para fazer um novo avanço. Ao lado do conteúdo em sua
estrutura material, sensual, aparece o que significa no sistema de conhecimento; e assim, seu
significado se desenvolve a partir dos vários “atos” lógicos que podem ser anexados ao
conteúdo. Esses “atos”, que diferenciam o conteúdo sensualmente unitário, imprimindo nele
diferentes “intenções” objetivamente dirigidas, são psicologicamente completamente
subestimados; elas são formas peculiares de consciência, como não podem ser reduzidas à
consciência da sensação ou percepção. Se ainda estamos falando de abstração como aquela a
que o conceito deve seu ser, não obstante, seu significado é agora totalmente diferente
daquele da doutrina sensacionalista costumeira; pois a abstração não é mais uma atenção
uniforme e indiferenciada a um dado conteúdo, mas a realização inteligente dos atos de
pensamento mais diversificados e mutuamente independentes, cada um dos quais envolve um
tipo particular de significado do conteúdo, uma direção especial de referência objetiva15. 15

A fórmula da serie e os membros da série. Assim, o círculo do nosso sujeito é


completo, uma vez que somos conduzidos do lado da análise “subjetiva”, da fenomenologia
pura da consciência, para a mesma distinção fundamental, cuja validade foi demonstrada na
investigação lógica “objetiva”. Enquanto a doutrina empirista considera a “similaridade” de
certos conteúdos de apresentação como um fato psicológico evidente que se aplica ao explicar
a formação de conceitos, é justamente apontado em oposição que a similaridade de certos
elementos só pode ser falada de forma significativa quando um determinado “ponto de vista”
foi estabelecido a partir do qual os elementos podem ser designados como iguais ou
diferentes. Essa identidade de referência, de ponto de vista, sob a qual a comparação ocorre, é,
no entanto, algo distintivo e novo em relação aos próprios conteúdos comparados. A diferença
entre esses conteúdos, por um lado, e as “espécies” conceituais, por outro, pelos quais os
unificamos, é um fato irredutível; é categórico e pertence ao

15
On this whole subject cf. Husserl, Logische Untersuchungen, Vol. II, No. II, Halle, 1901: Die ideale
Einheit der Species und die neuern Abstractions theorien.
26 SUBSTANCE AND FUNCTION

“forma de consciência”. De fato, é uma nova expressão do contraste característico entre o


membro da série e a fórmula da série. O conteúdo do conceito não pode ser dissolvido nos
elementos de sua extensão, porque os dois não estão no mesmo plano, mas pertencem, em
princípio, a diferentes dimensões. O significado da lei que liga os membros individuais não
deve ser esgotado pela enumeração de qualquer número de instâncias da lei; Para tal
enumeração, falta o princípio gerador que nos permite conectar os membros individuais em
um todo funcional. Se eu sei a relação segundo a qual a b c. . . são ordenados, posso deduzi-
los pela reflexão e isolá-los como objetos do pensamento; é impossível, por outro lado,
descobrir o caráter especial da relação de conexão a partir da mera justaposição de a, b, c na
apresentação. (Cf. sobre pp. 16ff). Nessa concepção, não há perigo de hipostasiar o conceito
puro, de dar-lhe uma realidade independente juntamente com as coisas particulares. O
formulário de série F(a, b, c...) o que conecta os membros de um múltiplo obviamente não
pode ser pensado à maneira de um indivíduo a ou b ou c, sem, desse modo, perder seu caráter
peculiar. Seu “ser” consiste exclusivamente na determinação lógica pela qual é claramente
diferenciada de outras possíveis formas seriadas φ, ψ...; e essa determinação só pode ser
expressa por um ato sintético de definição, e não por uma simples intuição sensível.

Essas considerações indicam a direção da investigação a seguir. A totalidade e a


ordem das “fórmulas seriais” puras estão diante de nós no sistema das ciências, especialmente
na estrutura da ciência exata. Aqui, portanto, a teoria encontra um campo rico e frutífero, que
pode ser investigado com respeito à sua importância lógica, independentemente de quaisquer
pressupostos metafísicos ou psicológicos quanto à "natureza" do conceito. Essa independência
da lógica pura, no entanto, não significa seu isolamento dentro do sistema filosófico. Mesmo
uma rápida olhada na evolução da lógica “formal” mostraria como a inflexibilidade
dogmática das formas tradicionais começa a ceder. E a nova forma que está começando a
tomar forma também é uma forma para um novo conteúdo. Psicologia e crítica do
conhecimento, o problema da consciência e o problema da realidade, ambos tomam parte
neste processo. Pois nos problemas fundamentais não há divisões e limites absolutos; Toda
transformação do conceito genuinamente “formal” produz uma nova interpretação de todo o
campo que é caracterizado e ordenado por ele.