Está en la página 1de 21

Aula 10 – PRECISAMOS DE VIGILÂNCIA ESPIRITUAL

INTRODUÇÃO

Estudaremos nesta Aula a respeito da “Vigilância Espiritual”. Querendo ilustrar ao Seu povo, a
tão grande importância na vida e a aprofunda necessidade de estarmos preparados para Sua vinda,
Jesus contou a Parábola dos Dois Servos, narrada em Mateus 24:45-51.

A vigilância ensinada por Jesus nesta Parábola retrata como devemos nos comportar no mundo
enquanto aguardamos a gloriosa Vinda e a Volta do Senhor.

Digo “Vinda”, referindo-se ao Arrebatamento da Igreja. A Vinda de Jesus Cristo é a grande


doutrina do povo de Deus. A sua iminência nos estimula a ter uma vida santa, não dissoluta e
sóbria. O Senhor há de vir à hora em que não pensamos (Mt.24:44) e nos pedirá conta de
todas as nossas ações.
I. INTERPRETAÇÃO DA PARÁBOLA DOS DOIS SERVOS

Uma das consequências mais imediatas de uma vida de negligência com relação à vinda do
Senhor é o descuido com relação à santificação.
O próprio Jesus nos ensinou isto ao narrar a Parábola dos dois Servos. Ao contar esta Parábola,
Cristo falava a respeito da Sua volta à Terra.
A Parábola é contada tendo como base uma comparação entre o comportamento destes dois
servos. Um servo manifesta seu verdadeiro caráter pelo seu comportamento enquanto espera a
volta do Senhor. Mas nem todos os que professam ser servos de Cristo são servos genuínos.

1. O Servo bom e fiel. É aquele que é “achado servindo assim” (Mt.24:46), ou seja, cuidando
do serviço do Senhor com zelo, tendo plena consciência de que ele pode voltar a qualquer
momento. O tal será honrado com grande responsabilidade no Reino. O Senhor lhe confiará todos
os seus bens. Na Parábola em comento, a casa referida é a casa de Deus, e os membros da família
são o Seu povo. O Senhor quer que seu povo seja alimentado com a Palavra de Deus em tempo
hábil. A Palavra é essencial.

A lição desta Parábola é a fidelidade. A recompensa da fidelidade é a promoção a um serviço


numa esfera mais alta. Nosso serviço a Deus não termina com nossa vida aqui na Terra. Continua
no mundo porvir. Deus tem um plano glorioso para aqueles que são fiéis no Seu serviço; envolverá
Seu grande programa de toda a eternidade futura.

Entretanto, ser um servo fiel não é fácil aqui neste mundo. Enquanto estamos aqui, muitos
servos do Senhor selaram e estão selando com o seu sangue a sua fidelidade a Cristo. A Bíblia diz
que todo aquele que quiser viver piedosamente em Cristo será perseguido (2Tm.3:12). Paulo diz:
"A vós foi dado o privilégio não apenas de crer em Cristo, mas também de sofrer por ele" (Fp.1:29).
Mas, aqueles que forem fiéis, serão recebidos pelo Senhor com honras
"Bom está servo bom e fiel. Foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei. Entra no gozo do teu
senhor" (Mt.25:23).
2. O mau Servo. Na Parábola, o cenário muda para outro homem, que Jesus menciona como
“mau servo”. Não se diz que ele era um estranho, nem que estava lá fora; ele estava na “casa do
seu senhor”, junto com outros servos, mas, não era apenas um servo comum.

O que caracterizava o “mau servo” era a certeza de que "o senhor tarde viria" e, por causa disto,
passara a espancar os conservos, a comer e a beber com os temulentos, isto é, com os beberrões,
com pessoas que se embriagam, que não têm uma conduta aprovada diante de Deus, ou seja, que
se mistura com os pecadores, com os desregrados e os dominados com os vícios.

O fato de “espancar os seus conservos” denota que exercia uma liderança sobre os outros, e
abusava do seu poder. Não era um servo inocente, portanto. Tinha consciência de que era um servo
e de que tinha um senhor. Sabia que seu senhor havia partido para um local distante, mas, que
voltaria. Ele era servo, porém, era um mau servo.
Esse “mau servo” é o que professa a fé cristã, porém, de forma nominal; ele arroga a si mesmo
o nome de Cristo, mas é hipócrita; professa crer nas Escrituras e nos seus ensinos, mas realmente
os nega; entre outras coisas, é cético quanto à volta de Cristo.

Na Parábola, o “mau servo” cometeu um erro grande de cálculo. Ele disse: “... o meu senhor
tarde virá”. Ele sabia que o senhor viria, porém, pensava que demoraria. Mas, Jesus adverte
fortemente: “virá o senhor daquele servo num dia em que o não espera e à hora em que ele não
sabe” (Mt.24:50).

Jesus adverte que a negligência, ou o erro de cálculo, não justifica o erro de quem tem a
obrigação de vigiar, aguardando a volta de seu senhor - “e separa-lo-á, e destinará a sua parte com
os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes” (Mt.24:51). É claro que esta advertência se
destina, hoje, a cada um de nós, a fim de que não venhamos a cometer o erro daquele mau servo.
Não basta crer que o Senhor Jesus virá, é preciso estar preparado para Sua Vinda, quer Ele
venha à tarde, à meia-noite, ao cantar do galo, ou pela manhã - “Vigiai, pois, porque não sabeis a
que hora há de vir o vosso Senhor” (Mt.24:42).

O “mau servo” sabia que o seu senhor viria, porém, não pensava que seria hoje o dia da sua
vinda. Não basta saber que Jesus virá, é preciso viver cada dia como se fosse o Dia da Sua Vinda.
Estarás tu vigiando, quando Jesus vier?

3. O destino escatológico. O julgamento do Senhor contra o mau servo será extremamente


severo. Ainda pior do que o horrível castigo será o destino eterno do referido servo: “e separá-lo-á,
e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes” (Mt.24:51). Ele
será designado a um lugar onde “haverá pranto e ranger de dentes” (referência ao inferno).

Note que ao descrever o castigo reservado para o mau servo, o Senhor Jesus abandonou a
linguagem parabólica ao falar, literalmente, do destino final dos ímpios, onde "haverá pranto e
ranger de dentes" (Mt.24:51). Certamente, um destino muito tenebroso. O salmista foi enfático a
respeito do destino final dos ímpios: “os ímpios serão lançados no inferno e todas as nações que se
esquecem de Deus” (Sl.9:17).

O Senhor da Parábola requer dos servos o cumprimento fiel da tarefa que lhes foi confiada. O
servo bom e fiel se manteve ocupado, procurando sempre cumprir com fidelidade e prudência as
tarefas que lhe foi confiado pelo seu senhor; desta forma, ele esteve sempre preparado para o
retorno do seu senhor.

Por outro lado, o mau servo foi irresponsável, imprudente, e abusou da posição de mordomo que
o seu senhor lhe confiou, mostrando ser indigno dela. O seu castigo foi severo e tenebroso. Jesus
deixa claro que este não é mero castigo terreno, mas de julgamento eterno. Por que ele usou de
sua liberdade para o mal e por causa de suas escolhas erradas, ele passará toda a eternidade em
terríveis sofrimentos: “ali haverá pranto e ranger de dentes”. Conscientizemo-nos, pois, que o
julgamento futuro de Deus é tão certo quanto a vinda de Jesus e Sua volta à Terra. Creia nisto!
II. UM CHAMADO À VIGILÂNCIA

O destaque à vigilância, nesta Parábola, se manifesta como sendo o exercício correto da


mordomia, ou seja, o homem vigilante pratica a administração responsável do que recebeu do seu
senhor, sabendo que está lidando com o que não é seu e que brevemente terá de prestar contas. O
mesmo princípio é rememorado pelo apóstolo Paulo, quando em 1Coríntios 4:1,2 diz: "que os
homens nos considerem como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus. Além
disso, requer-se nos despenseiros que cada um se ache fiel". Jesus nos manda estar acordados,
alertas, vigilantes, circunspectos (Mt.25:13; Mc.14:34,37,38), isto é, precisamos estar
completamente alertas.

1. Vigilância. A primeira atitude para quem quer, realmente, esperar a vinda de Jesus é a
vigilância. Uma das consequências mais imediatas de uma vida de negligência com relação à vinda
do Senhor é o descuido com relação à santidade. No intuito de demonstrar de que forma devemos
nos manter vigilantes, o Senhor Jesus narrou a Parábola dos dois servos, primeiramente
contrastando o perfil de ambos ao mostrar que um era bom e o outro mau.

O que caracterizava o mau servo era a certeza de que "o senhor tarde viria" e, por causa disto,
passou a espancar os conservos, a comer e a beber com os beberrões, com pessoas que se
embriagavam, ou seja, ele se misturava com os pecadores, com os desregrados e os dominados
pelos vícios. Portanto, não tinha uma conduta aprovada diante de Deus. O pecado é o fator que nos
distancia de Deus (Is.59:2), é o elemento que impedirá que muitos crentes sejam arrebatados
naquele Dia (Mt.24:12).

Quando temos a convicção de que Cristo pode voltar a qualquer momento, que os sinais de sua
vinda estão se cumprindo a todo instante, passamos a ser muito mais cuidadosos com nossa vida
espiritual, temos um ânimo renovado para vivermos em santificação e para estarmos preparados
para ouvir a última trombeta.
Por várias vezes, a Palavra de Deus nos aconselha a conservarmos uma vida de comunhão com
Deus, uma vida de santidade e de obediência aos mandamentos do Senhor, senão vejamos:

Em Hb.3:6 é dito que somente aqueles que conservam firmes a confiança e a glória da
esperança até o fim podem dizer que são a casa de Deus, que são templo do Espírito Santo,
ou seja, que pertencem ao corpo de Cristo e, por isso, serão arrebatados.

Em 1Ts.5:23 é dito que o crente tem de manter conservado irrepreensível todo o seu ser
(espírito, alma e corpo) para a vinda de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, a mostrar,
portanto, que a conservação de nosso ser debaixo da potente mão de Deus é indispensável
para que sejamos arrebatados.

Em Jd.1 os crentes são chamados de queridos em Deus Pai e conservados por Jesus
Cristo, a indicar que somente aquele que se mantém em comunhão com o Senhor Jesus, que
se submete a seu senhorio, como “vara ligada na videira”, será arrebatado no Dia da vinda
do Senhor e, por isso, o mesmo Judas aconselha o povo de Deus a se conservar no amor de
Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna (Jd.21).

Paulo, ao término de sua caminhada da fé, fez uma das mais lindas declarações,
demonstrando que era uma pessoa vigilante. Ele disse que havia "combatido o bom combate,
acabado a carreira e guardado a fé "(2Tm.4:7).

Nestas três expressões apostólicas, nós notamos que Paulo tinha consciência de que a sua vida,
desde o momento de sua conversão, tornara-se um combate entre a sua nova natureza e o velho
homem, que ele mantinha constantemente crucificado com Cristo (Gl.2:20). Esta consciência é
fruto de uma vida de vigilância. Quando sabemos que faz parte da vida de cada crente esta batalha
segundo a qual temos de lutar contra as portas do inferno (Mt.16:18), contra as hostes espirituais
da maldade (Ef.6:12), contra a nossa natureza carnal (Rm.7:23-25), passamos a tomar cuidado, a
não dar ocasião ao pecado, andando segundo o espírito (Rm.8:1).
2. Ninguém sabe o Dia. Por que devemos vigiar? Porque não sabemos a data da Segunda
Vinda de Cristo. Jesus exortou os discípulos da seguinte forma: “vigiai, pois, porque não sabeis a
que hora há de vir o vosso Senhor” (Mt.24:42). Por isso, devemos ter uma conduta ilibada em
nosso viver diário, para não sermos pegue de surpresa na volta do Senhor.

Veja o que diz o texto sagrado:


“Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora
em que não penseis” (Mt.24:44).
“Para que, vindo de improviso, não vos ache dormindo” (Mc 13:36).
“Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos, e sejamos sóbrios”(1Ts. 5:6).
“E agora, filhinhos, permanecei nele; para que, quando ele se manifestar, tenhamos
confiança, e não sejamos confundidos por ele na sua vinda” (1João 2:28).
Portanto, assim como os servos da Parábola em mote não sabiam o momento certo do senhor
deles voltar, ninguém sabe quando o nosso Jesus Cristo virá (Mt.24.36). Como não sabemos
quando Jesus haverá de vir, devemos estar sempre preparados (Mt.24:44), pois estar preparado a
qualquer momento para a vinda de Cristo é parte da responsabilidade básica de todo servo fiel
(Mt.24:46).

A respeito de estarem na igreja, mas são infiéis ao Senhor e não creem que Ele pode vir agora,
é impossível estarem vigilantes e preparados para a volta inesperada de Cristo. Qualquer crente
professo que vive em pecado, julgando que Jesus tardará a vir, tornar-se-á como o servo mau da
Parábola. Ele não percebe o risco da vinda do Senhor pegá-lo de surpresa.
Não podemos nos esquecer de que, assim como retratado pelo Senhor Jesus Cristo na Parábola, o
"Dia do Senhor virá como o ladrão de noite" (1Ts.5:2).

O ladrão vem quando não é esperado - “mas considerai isto: Se o pai de família soubesse
a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa”(Mt.24:43). Só
o ladrão sabe quando ele vai agir; nós não sabemos. O ladrão não manda aviso prévio, não marca o
dia e nem a hora. Quem não quiser ser surpreendido, tem que vigiar. Paulo, contudo, disse: “Mas
vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele Dia vos surpreenda como um ladrão”
(1Ts.5:4). Eu e você sabemos que Jesus virá, e virá “como ladrão”. Resta-nos, portanto, esperar, e
vigiar, para não sermos surpreendidos.
O ladrão age rapidamente. Ladrão que se preza não demora no local do crime. Planeja o
que vai fazer e o faz no menor tempo possível. A vinda de Jesus será, portanto, repentina - “Num
momento, num abrir e fechar de olhos...” (1Co.15:52), ou como um relâmpago (Mt.24:27). O
Arrebatamento será tão rápido que não haverá tempo para ninguém se preparar. Resta-nos,
portanto, estarmos preparados.
O ladrão só leva coisas que tem valor. Aquele cesto cheio de lixo, aquele monte de roupa
suja e velha, aquele guarda-roupa grande e cheio de cupim, o ladrão não se interessa; ele não
procura volume, coisas grandes e imprestáveis; ladrão procura e leva objetos valiosos, joias,
dinheiro. Para o ladrão não basta ser grande, é preciso ter valor. Sabemos que Jesus virá, como
vem o ladrão, então, Ele só levará coisas que tenham valor para Deus. Ele vem buscar e levará
aquela “Igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e
irrepreensível”(Ef.5:27). Ele vem buscar e levará “um povo seu especial, zeloso de boas obras”(Tito
2:14). Ele vem buscar e levará homens e mulheres de muito valor para Deus, que não foram
resgatados “com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, mas com o precioso sangue de
Cristo...”(1Pd.1:18-19), verdadeiras joias, de muito valor para Deus. Assim, se você é um guarda-
roupa grande com as portas estouradas e corroído pelos cupins, fique tranquilo, você não corre o
risco de ser levado, porque o Senhor virá como vem o ladrão.

Portanto, conscientizemo-nos que Jesus virá, e virá como vem o ladrão. Ir com Ele, ou ficar para
contar os prejuízos, é uma escolha nossa. Pense nisso!

III. VIVENDO COM DISCERNIMENTO

Todo ser humano que passa nesta vida está sujeito às investidas de Satanás; desde que ele
conseguiu uma vitória sobre Adão, a porta se abriu e o homem tornou-se vulnerável. Não há mente
humana que não esteja sujeita a insinuações malignas, por mais bem intencionada que seja.
Também não há lugar, por consagrado que seja, que esteja livre de ser perturbada pelo maligno.
1Pd 4.1-5
1. Vida dissoluta. Mateus 24:49 mostra que o “mau servo” se entregou a uma vida dissoluta. O
texto diz que ele começou “a espancar os seus conservos, e a comer, e a beber com os bêbados”,
porque imaginou que o seu senhor não ia voltar logo.

Isso nos faz lembrar o sermão de Jesus, quando Ele falou sobre os dias de Noé. O Senhor disse
que, naquela época, as pessoas "comiam, bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até ao
dia em que Noé entrou na arca" (Mt.24.38). Em outras palavras, as pessoas do tempo de Noé, o
pregoeiro da justiça (2Pd.2:5), viviam de forma dissoluta, sem compromisso algum com Deus, e
foram surpreendidas pelo juízo divino (Mt.24:38,39).

A impiedade produz perversão. O desprezo do conhecimento de Deus leva o homem a uma vida
dissoluta moralmente. O “mau servo” conhecia a verdade, mas não foi dirigido por ela; conhecia a
verdade, mas a rejeitou deliberadamente para viver regaladamente em seus pecados e perversões.
Como eu já disse, o pecado é o fator que nos distancia de Deus (Is.59:2), é o elemento que
impedirá que muitos crentes sejam arrebatados naquele Dia (Mt.24:12).
O “mau servo” dizia consigo mesmo: “o meu Senhor tarde virá”. Esta foi a chave da derrota
dele. Ele duvidava da verdade da volta do seu senhor. Tinha muitas explicações falsas que achava
satisfatórias quanto ao significado das palavras do senhor a respeito de sua volta. Esta cosmovisão
do “mau servo” é bastante similar à de muitos que cristãos dizem ser, atualmente. Discutem
fortemente contra aqueles que creem literalmente na advertência do Senhor: “Virá o Filho do
homem em hora que não esperais”.

Abandonar a verdade da vinda iminente do Senhor resulta em apostasia. Pouco a pouco, o “mau
servo” vai se afastando da fé. Vive uma vida dissoluta, comendo e bebendo com os ébrios. Pode até
mesmo ficar escravo dos vícios dos ímpios. Essas coisas levam a pecados adicionais, até que ele
complete o quadro contra o qual o Senhor advertira. A negação da verdade da segunda Vinda de
Cristo resulta, paulatinamente, na corrupção da doutrina e da prática. O que acabará acontecendo
com esse “mau servo”? O texto sagado exorta que o Senhor virá em dia que não é esperado, e
castigá-lo-á, lançando-lhe a sorte com os hipócritas; em outras palavras, está perdido para sempre
no inferno.
A Parábola termina com o terrível despertamento do servo mau, e com seu remorso infrutífero.
A sua vida dissoluta e de pessoas que se comportam como ele, terão como destino um lugar onde
“haverá choro e ranger de dentes” (Mt.24:51).

2. Vida santa. O servo fiel deve estar em comunhão constante com o Senhor, em santidade, a
fim de que tenha condições de discernir espiritualmente o momento em que estar vivendo e se
preparar convenientemente para não ser apanhado de surpresa pela vinda do Senhor. Precisamos
viver uma vida com discernimento, sabendo separar aquilo que, como santos e filhos de Deus,
convém, ou não, fazer (1Co.6:12;10:23). Precisamos nos lembrar sempre de que, sem santificação,
"ninguém verá o Senhor" (Hb.12:14). Devemos ter isso muito claro em nossos corações, lembrando
também que o Senhor Jesus Cristo pode voltar a qualquer momento (Mt.24:42). O juízo divino não
demora e somente aqueles que estiverem atentos, aguardando o Senhor, serão poupados do “Dia
do Senhor”, da ira divina que se abaterá sobre a Terra.
3. Administrando os bens. Jesus contou a Parábola para que os ouvintes, e todos nós,
optássemos em seguir o exemplo do servo fiel, evitando o trágico fim dos hipócritas (Mt.24:51). Há
pessoas que estão se conduzindo de modo libertino e fazendo mau uso dos “bens” que o Senhor
deixou em suas mãos. Comportam-se como o “mau servo”. Correm o risco de serem pegos de
surpresa e acabarem lançados nas “trevas exteriores”, ou seja, no “Lago de fogo e enxofre”, que é
o inferno propriamente dito, onde haverá choro e ranger de dentes.

A Bíblia nos chama de despenseiros de Deus e diz que devemos ser "bons" (1Pd.4:10), ou seja,
eficientes e dedicados. A expressão “despenseiro” indica o administrador da casa, o oikonomos.
Cabia a esse administrador a distribuição de mantimentos e a divisão dos trabalhos para os demais
servos. Mesmo tendo tal responsabilidade, tinha a consciência de que era um servo, um
empregado.

O apóstolo Paulo também falou sobre este assunto dizendo ser necessário que "os homens nos
considerem como ministros", ou seja, servos ”e despenseiros", isto é, administradores daquilo que
Cristo coloca sob nossa responsabilidade, requerendo apenas que cada um seja encontrado fiel
(1Co.4:1,2).

Se, no sentido bíblico, despenseiro é aquele que administra bens alheios, então, o detentor de
um Dom espiritual ou ministerial é um despenseiro de Deus. É válido ressaltar que os Dons de Deus
não são dados em forma de presentes, mas, como instrumentos de trabalho. Todo servo, por mais
simples que seja, recebendo um instrumento de trabalho de seu senhor e relacionado com o serviço
que faz, pode saber qual o objetivo da entrega daquele instrumento: é para ser usado no serviço de
seu senhor. Assim, ele será infiel se fizer como fez aquele servo que recebeu um talento – “Mas o
que recebeu um talento foi, e cavou na terra, e escondeu o dinheiro do seu senhor”(Mt.25:18). No
dia do acerto de contas foi chamado de inútil, e condenado – “Lançai, pois, o servo inútil nas
trevas exteriores; ali, haverá pranto e ranger de dentes”(Mt.25:30).

Assim, aquele que recebe um Dom espiritual ou ministerial tem o dever de trabalhar com ele
tendo como objetivo a edificação, ou o desenvolvimento do “rebanho” do Senhor no seu todo. Será
infiel se usar o Dom que recebeu em beneficio de seus interesses pessoais, e particular. O apóstolo
Pedro nos exorta: “Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons despenseiros
da multiforme graça de Deus”(1Pd.4:10).

CONCLUSÃO

Que tipo de servo parecemos ser? O bom ou o mau? O servo bom é aquele que faz o serviço
com prudência, consciência e amor pelo trabalho. O mau servo é o que dissimula no trabalho; na
primeira oportunidade usa de engano e injustiça. Este servo acredita piamente que seu senhor não
voltará para requerer prestação contas do que lhe foi dado. Muitos, hoje, dos que cristãos dizem ser
correm o risco de viver o que se denomina de "niilismo escatológico" - a ideia de que não haverá
juízo nem prestação de contas dos atos e pensamentos que produzimos em nossos dias. Perder a
crença de que um dia prestaremos contas a Deus de tudo que fazemos aqui, e a esperança de viver
com Cristo eternamente é, invariavelmente, perder a noção e a necessidade de santidade, de
disciplina e de fidelidade.
“De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus” (Rm.14:12)