Está en la página 1de 1

Resolução da Conferência Internacional de Solidariedade com o Povo e a Juventude Síria

Damasco, 30 de outubro de 2018


Por iniciativa da Federação Mundial da Juventude Democrática (FMJD) e do Conselho Mundial da Paz (CMP),
92 representantes de membros e amigos do CMP e da FMJD reuniram-se na capital síria, Damasco, para uma
missão de solidariedade com o povo e a juventude síria de 29 a 31 de outubro de 2018. Os participantes da
missão, representando 55 organizações de 37 países, realizaram em 30 de outubro uma Conferência
Internacional na Universidade de Damasco, com a participação de 400 jovens e estudantes sírios, concluída
com a seguinte resolução:

Saudamos o valente povo, a juventude e os estudantes da Síria e expressamos nossa sincera solidariedade
diante do sofrimento e das dificuldades dos mais de sete anos durante os quais a Síria enfrentou uma
agressão imperialista coordenada inédita, levada a cabo pelos EUA, a OTAN, a União Europeia, a Turquia, o
estado sionista de Israel e as monarquias reacionárias do Golfo, empregando milhares de mercenários
armados e extremistas como ferramentas para a destruição e a devastação do país.

Expressamos nossas condolências às famílias de milhares de vítimas que perderam suas vidas e às muitas
mais que foram feridas. Denunciamos a ingerência imperialista, as sanções e as manobras que visam sufocar
o povo sírio com ações terroristas, usando falsos pretextos e notícias mentirosas para alcançar o objetivo de
controlar fontes energéticas, oleodutos e mercados em prol dos lucros das corporações multinacionais. Em
seu empenho por assegurar esferas de influência, os imperialistas e seus aliados usaram todos os tipos de
maquinações e ações que levaram ao massivo deslocamento de pessoas no interior do país, assim como a
todos os países vizinhos.

Expressamos nosso apoio ao povo sírio, sua liderança e seu exército e notamos, com revolta, que apesar das
importantes vitórias alcançadas, milhares de terroristas fundamentalistas armados ainda estão em solo sírio,
como é o caso da província síria de Idlib. Condenamos a invasão e ocupação do norte da Síria por tropas
turcas, assim como a presença de tropas dos EUA e da OTAN [Organização do Tratado do Atlântico Norte] a
leste do Eufrates e sua base militar em Al-Tanaaf, próximo à fronteira entre a Síria, Jordânia e Iraque.
Denunciamos os planos e ações dos imperialistas para desestabilizar e dividir o país, em violação, em todos
os sentidos, do direito internacional.

Os participantes da missão de solidariedade tomam conhecimento, com satisfação, em grande medida, do


retorno à vida normal para o povo e a juventude síria após a derrota do EIIL [Estado Islâmico do Iraque e do
Levante] e outros grupos terroristas, e sublinham a exigência de que o povo sírio seja o único responsável e
com direito a decidir sobre o seu futuro e destino, com soberania e integridade territorial.

Expressamos nosso profundo respeito à resiliência e à firme resistência do povo e do exército sírio, através
das quais várias cidades e áreas foram liberadas; ansiamos pela liberação completa do país, inclusive das
Colinas do Golã. O plano de uma “mudança de regime” violenta fracassou graças à unidade do povo sírio,
mas os planos subversivos não acabaram. Denunciamos o projeto por novas provocações planejadas sob o
pretexto do uso de armas químicas e outras armas de destruição em massa, que nunca foi comprovado.

As organizações da juventude, dos estudantes e da paz de todos os cantos do mundo, com as milhões de
pessoas que representamos em nossos países, declaramos nosso apoio irredutível à União Nacional de
Estudantes Sírios e ao Movimento Sírio de Defensores da Paz e o nosso compromisso com a luta do povo
sírio, até sua vitória final e completa.

O exemplo do heroico povo sírio mostra claramente que não importa quão forte e poderoso possa parecer
e agir o inimigo imperialista, ele não é invencível. O povo sírio e sua luta constituem um exemplo e fonte de
inspiração para os povos lutando por suas justas causas, por um mundo de paz e justiça social, livre da
dominação imperialista e da exploração.