Está en la página 1de 8

2.

Diversidade Baseada na Unidade: Presentes Variados da Fonte Única


(12: 4–7)

(4, 5) Há diferentes distribuições de dons, mas o mesmo Espírito. Existem


variedades de maneiras de servir, mas o mesmo Senhor. (6) E há
diferentes distribuições do que ativa efeitos, mas o mesmo Deus que traz
tudo em todos. (7) Para cada um é dada a manifestação pública do
Espírito para vantagem comum.

Os intérpretes diferem em enfatizar a unidade ou a diversidade neste


capítulo. Mas Dale Martin, Harrington e Lategan argumentam
convincentemente que nesses versículos, pelo menos, Paulo coloca sua
ênfase na unidade da fonte que está por trás de uma diversidade de
fenômenos. Apesar dos argumentos de G. Wright de que Paulo aqui retrata
Deus como um Deus da diversidade, Martin observa: “Assim, em 12:4–11
Paulo enfatiza continuamente a unidade na diversidade a fim de superar a
divisão devido a diferentes avaliações sendo atribuídas a diferentes dons, com
línguas como o dom implícito de status superior.”1 Lategan argumenta que as
imagens corporais que expressam um cuidadoso equilíbrio entre unidade e
diversidade aqui passam por revisão e qualificação à luz do mesmo Espírito…
o mesmo Senhor… o mesmo Deus (vv. 4–6) para enfatizar que a diversidade
é secundária à unidade.2 A doação coesa dos dons garante sua unidade
fundamental. Assim, contextualmente e teologicamente, a unidade constitui a
ênfase principal nos vv. 4–11, desde que o “edifício” fornece o objetivo coesivo
e o propósito dos dons, qualquer que seja sua variedade. Harrington enfatiza a
unidade da fonte onde Lategan enfatiza a unidade da meta e Martin sublinha a
unidade da comunidade. A “única fonte” não é apenas o único Espírito (12:1–
3), mas Deus como doador da graça por meio de Cristo e do Espírito.3 Daí a
conversa elitista coríntia de πνευματικῶν (12:1) é transposta por Paulo em
discurso unificador sobre χαρισμάτων (12:4).Collins também argumenta que “o
mesmo Espírito” mantém a unidade unida, e o princípio encontra um paralelo
em Rm 12:6–8 e no próprio exemplo de Paulo como alguém que
constantemente alude à graça.4

Podemos também lembrar que Joop Smit identifica vv. 4-6 como uma partitio,
ou introdução sucinta da questão, que abre o caminho para a confirmatio de
12:7–30 (veja a introdução a 12:1–14:40 acima).

4–5 A palavra διαιρέσεις ocorre apenas aqui no NT e significa diferenças,


distinções ou repartições, relações fora. O uso da forma verbal διαιροῦν no
verso 11, entretanto, alude à soberania do Espírito de Deus
em distribuir dons a cada um como o Espírito
quer.5 Embora diferentes repartições podem parecer empoladas ou
desajeitadas, variedades (NRSV, RSV, REB), diferentes (NJB), ou mesmo tipos
diferentes (NIV) não parecem trazer a ideia do que é atribuído por Deus. Não
se questiona o que é dado livremente como parte de alguém.6

Surpreendentemente, embora ele reconheça a proposta de traduzir a palavra


aqui como atribuições (também Collins), as distribuições de Barrett,
a variedade de ofertas atribuída de Parry, e até mesmo o link com repartir no
v. 11, Taxa simplesmente afirma, sem argumentos que diferença BAGD
ou variedade “também é bem estabelecido; o contexto rege em favor do último
aqui”.7 Mas isso pode parecer ter peso apenas porque, contra os pontos de
vista de Dale Martin, M.M. Mitchell, Harrington, Best, Lategan e Collins, Fee
coloca uma ênfase mais pesada na variedade do que na unidade, intitulando
12:4–31 como um todo “The Need for Diversity”.8 Embora Wright e Lang sigam
essa abordagem, Conzelmann e Allo colocam o outro lado do caso em mais
detalhes.9 Allo faz um contraste entre a construção humana de diferenças que
se tornam divisões (1:10–4:21) e a alocação divina de distinções
como “Distribuições”.10 Conzelmann também argumenta que enquanto
o paralelo em Romanos 12:6 pode parecer distinção, 1 Coríntios 12:11
decisivamente aponta para atribuição, mas fundamenta isto corretamente na
teologia da graça de Paulo . Mudança de Paulo do termo de
Corinto πνευματικά, as coisas espirituais, para χαρίσματα,
dons espirituais, “dons da graça”, chama a atenção para o generoso ato
livre de Deus em distribuir diferentes dons para diferentes
destinatários.11 Mais uma vez, a graça através da cruz governa a eclesiologia
e o ministério. Idealmente, como argumenta Héring, uma tradução
que enfatize ambos os aspectos é a melhor de todas, mas a ligação com
o dom distribuído (χάρις , χάρισμα) permanece no centro.12

No χαρισμα, veja acima em 1:7; 7:7 a palavra ocorre mais frequentemente


dentro do NT em Paulo, esp. em 1 Coríntios 12:4, 9, 28, 30 e 31 e Rm
12:6. Ellis insiste corretamente que o χάρισμα não é meramente sinônimo
de πνευματικόν, especialmente desde que em Rom 1:11 Paulo
qualifica χάρισμα por πνευματικόν.13 No entanto, ele está menos certo chão
quando ele procura restringir πνευματικόν para “dons de percepção inspirada,
proclamação verbal e/ou a sua interpretação”.14 Na verdade, na minha opinião,
a situação é praticamente o inverso da sugestão de Ellis em termos de alcance
semântico. Os coríntios usavam πνευματικόν muito amplamente para uma
gama de estados de sentimentos “religiosos” e fenômenos observáveis. Pela
aplicação da definição persuasiva ou mudança de código, Paulo redefine o
que conta como espiritual, falando sobre o que Deus dá livremente, por sua
própria iniciativa, e em sua própria escolha soberana (12:11) como
fortalecimento (ἐνεργημάτων, v. 6) agência do Espírito Santo para o serviço
prático de Deus e de outras pessoas (διακονιῶν, v. 5).15 Em Romanos 11:29 a
palavra denota os privilégios dados gratuitamente a Israel, onde, novamente, a
soberania da escolha e do dom divino para o propósito do serviço é visível. Em
Rom 6:23 τὸ χάρισμα τοῦ θεοῦ é a vida eterna, e em 2 Coríntios 1:11 é um dom
de resgate do perigo. Fora de Paulo, para quem está intimamente relacionado
com χάρις, graça, a palavra ocorre raramente; cf. 1 Pd 4:10; 1
Clemente 38:1. Nas Epístolas Pastorais, é um dom para o serviço visivelmente
identificado com um cargo ou função particular, pela imposição de mãos (1 Tm
4:14; 2 Tm 1:6). A convenção lexicográfica de distinguir dons “gerais” de
“especiais” já importa distorcer os pré-julgamentos em uma estratégia retórica
sutil por parte de Paulo, que pretende mudar o foco das afirmações de status
humano sobre πνεῦμα para realidades mais humilhantes sobre
Deus diferentes distribuições de dons (cf. Collins, loteamentos de dons).

Zodhiates cuidadosamente traz a ligação entre este aspecto


e τὸ δὲ αὐτὸ πνεῦμα. Ele observa: “O elemento mais marcante dessas
declarações [i.e., nos vv. 4-6] é a única palavra recorrente "o mesmo". …
Ninguém pode dizer que tem mais do Espírito Santo porque tem mais dons. O
mesmo Espírito distribui o pequeno ou grande dom, não porque Ele favorece
um cristão menos ou mais do que outro, mas por causa de Seus propósitos
soberanos ... O Doador, não o Dom, é o que realiza qualquer coisa”.16 O verso
6 incorpora a frase “quem opera tudo em todos”. O contraste δέ marca a
diferença de ênfase não apenas entre “diferença” e unidade, mas mais
especialmente entre o fenômeno e a fonte. Isso reflete o ponto mencionado
acima: “O que nos interessa não são os fenômenos em si mesmos, mas o seu
donde? e para onde? Para que eles apontam?”17

Nós devemos reservar nossos comentários sobre a natureza trinitária da


linguagem de Paulo nos vv. 4–6 para o clímax de seu argumento no verso
6. Whiteley encontra aqui “traços de um plano trinitário”, embora Collins
expresse cautela quanto a esse ponto.18 Enquanto isso, assim
como δι αιρέσεις χαρισμάτων estão associados com a agência do Espírito
Santo (v. 4), igualmente apropriadamente δι αιρέσεις δι ακονιῶν estão
associados a servir ... o mesmo Senhor em ὁ αὐτὸς κύριος veja acima,
especialmente em 12:3. Para entender a moeda do senhorio, argumentamos,
começamos a explorar o que é obedecer, confiar e servir como escravo. Daí
Barrett desativa δι ακονιῶν de “'ministério' no sentido técnico; os dons não são
ocasiões para ostentação, mas oportunidades de serviço (…) os cristãos são
seus escravos [de Cristo]” (itálicos em itálico).19

Assim como a obediência do escravo demonstra, no domínio público, o que


confessa Cristo como o Senhor equivale em termos de estilo de vida prático,
assim, Bittlinger observa, os serviços em toda a sua variedade repartida
(διαιρέσεις δι ακονιῶν) exibem “o modo pelo qual os dons se tornam reais na
prática”.20 Não é uma questão de “humilhação”, mas de “ação voluntária… não
é uma questão de esperar até que algo “apareça sobre mim”,
em Suurmond Frase memorável (citada em nossa introdução a esta
seção). “Não é tanto uma questão de ter um dom como de ser um dom” (itálico
dele).21 A primeira definição de Paulo de ministério específico por parte de
Apolo e de si mesmo é que eles
são servos: τί οὖν ἐστιν Πολλῶς; τί δέ ἐστιν Υ͂αῦλος; δικονοι διʼ ὧν
πιστεύσ ατε (3:5). Paulo até acrescenta o pensamento adicional explicado
aqui: καὶ ἑκάστῳ ὡς ὁ κύριος ωδωκεν. Embora todos os cristãos sejam
chamados a servir, entre as variedades de maneiras de servir ao ministério
apostólico e “oficial” ou representativo é bem propriamente chamado
de ministério ou serviço. Assim, embora aqui o termo cubra um amplo espectro,
é possível que o termo tenha se estreitado mais tarde. No entanto, assim como
nenhum χάρισμα implica um monopólio do Espírito, uma vez que o mesmo
Espírito atribui dons em variedade e grau de acordo com propósitos divinos,
mesmo assim nenhum tipo de serviço significa alguma reivindicação especial
para exaltar o Senhorio de Cristo, visto que o mesmo Senhor comissiona
variedades de maneiras de servir. “Dons, ministérios e obras são infinitamente
variados”.22 Essa dimensão prática da confiança prática e obediência àquele
que, não obstante, inicia o chamado e o dom, sublinha quão perto permanece o
pensamento de Paulo quanto ao ensino de Jesus sobre o reino, ou reino ativo,
de Deus, que encontra homens e mulheres em e através de Jesus Cristo como
Senhor.

O trabalho de N.J. Collins desde 1990 trouxe novas questões para o estudo
das formas de serviço. Em seu livro Diakonia (1990) ele argumenta que
“servir” por parte dos Sete em Atos 6:1–7 não aludiu principalmente ao bem-
estar social, à distribuição de alimentos ou à administração financeira, mas ao
avanço do evangelho apostólico em favor dos apóstolos e da igreja. Distinguiu-
se da autoridade apostólica, na medida em que repousava sobre uma
autoridade derivada, mas, como a dos apóstolos, dizia respeito à missão e não
apenas aos aspectos práticos diários.23 Em seus artigos de 1992,
principalmente em 2 Coríntios, Collins percebeu o trabalho de Paulo
como diakonos como o de intermediar a revelação divina, novamente como
uma agência mediadora derivada, mas autorizada.24 Em 1993, ele insistiu que
o serviço em 1 Coríntios 12:4-7 denota uma obra encomendada pelo Senhor e
(como em seu livro Diakonia) aplica-se oficialmente à obra de pregadores,
apóstolos ou representantes apostólicos. Eles, portanto, formam uma
subespécie dentro de um gênero mais amplo de dons
espirituais.25 Como outros dons, eles servem ao bem comum. Essa visão não
ficou sem críticas. Raymond F. Collins, por exemplo, aponta que a
interpretação da sintaxe que liga os vv. 4 e 5, em termos de gênero e espécie,
“desmotiva da opinio communis”.26 A maioria dos comentadores argumenta
que a multiplicidade de dons todos contam como “serviços”. Todos os cristãos;
Schrage insiste, exercitam διακονία.27 Assim, os dois comentários mais
substanciais de 1999 (Collins e Schrage, vol. 3) divergem de J. N. Collins.
Novamente, para citar Martin, “Em 12:4-11 Paulo enfatiza continuamente a
unidade na diversidade, a fim de superar a divisão devido a diferentes
avaliações sendo atribuídas a diferentes dons.”28 Mas a questão é também
mais ampla do que a classificação de status de “dom espiritual”. Eles também
adotam supostos rankings sobre as formas de servir. Previsivelmente, Margaret
Mitchell faz grande parte desse aspecto: “12:4-6 reverbera de volta a 8:6 em
sua ênfase na unidade de Corinto no mesmo Espírito, o mesmo Senhor e o
mesmo Deus.”29 A unidade reflete um comum “pertencer a Cristo”.30

6 Na tradução de διαιρέσεις (v. 6) como diferentes distribuições, ver acima no


v. 4. Nós conscientemente escolhemos a variante tradução variedades para a
mesma palavra no v. 5 para chamar a atenção tanto para a força secundária
como para a força primária do termo neste contexto. Não é adequado dizer,
com Fee, que “dons”, “serviços” e “trabalhos” representam totalmente o grego,
ou que “muito provavelmente são apenas três maneiras diferentes de ver o que
no v. 7 Paulo chama 'manifestações' do Espírito”.31 Com certeza, Bruce afirma
que essas não são “categorias distintas”.32 Elas não são entidades diferentes;
não são experiências diferentes. Mas mais do que uma diferença de aspecto é
implicada, por parte do sujeito ou da observação do leitor. Observamos acima
em que sentido específico χάρισμα difere de πνευματικόν (contra, por exemplo,
Ellis); e a relação entre διαιρέσεις διακονιῶν e a moeda de submissão ao
senhorio de Cristo no domínio público. Agora, a ênfase recai
sobre διαιρέσεις ενεργημάτων como diferentes repartições do que ativa os
efeitos, no sentido de A atividade de Deus dentro da comunidade e dentro do
eu que ativa os dons para o serviço. Paulo completa o argumento de que dons
diferentes não implicam nenhuma classificação de “ter o Espírito” em maior ou
menor grau, uma vez que o mesmo Espírito é ativo em todos, de acordo com
os propósitos de Deus, que determinam o seu rateio. Da mesma
forma, diferentes maneiras de servir, se são genuínas, todas honram o
mesmo Senhor. Finalmente, qualquer que seja efeitos ativos “atividade” (o
significado usual de ἐνέργημα, de acordo com BAGD; cf. Collins, atividades) de
natureza espiritual que constitui uma obra do mesmo Deus que opera tudo
em todos. Collins concorda que o ponto é “a atualização do poder”.33 Isso é
válido, mas “poder” nesse tipo de contexto paulino geralmente denota eficácia,
em contraste com a simples conversa.

O particípio verbal ἐνεργῶν, de ἐνεργέω, pode ter um significado intransitivo


de estar em trabalho ou de operar, mas também serve como um verbo
transitivo para significar a produzir efeitos, para trazer resultados. Como aqui o
particípio governa o plural acusativo τὰ πάντα, o significado é que Deus ... faz
tudo. O artigo definido indica uma varredura cósmica da visão. Mas com base
nisso, a palavra ἐνεργημάτων na primeira cláusula implica atividades de
Deus; por isso, devemos traduzi-lo como atividades divinas ou, aplicando a
lógica implícita na segunda metade do versículo, traduzir as distribuições do
que ativa os efeitos, pois esse é o tipo de “atividade” que Paulo quer
dizer. Não é atividade auto-induzida, mas atividade ativada por
Deus. Novamente, Calvino remete isso à graça divina: “Os homens nada têm
de bom ou de louváveis, exceto o que vem somente de Deus”.34 Tal
comentário é apropriado: a graça divina relativiza todas as alegações ou
ansiedades sobre supostas diferenças de status ao experimentar o poder de
Deus de diferentes maneiras. Como Senft observa, a palavra não indica poder
"milagroso" aqui; com Schrage, aponta para o v. 11, onde Deus ativa
os crentes através de seus dons.35

O “plano trinitário” (como Whiteley chama) constitui uma característica


marcante de 12:4-6. Em seu recente estudo dedicado à linguagem em Paulo
sobre Deus e Cristo, Neil Richardson escreve: “Em 12:4-6 encontramos o único
lugar nos escritos de Paulo onde πνεῦμα, Χριστός e θεός ocorrem em
declarações consecutivas e estreitamente paralelas. … Embora referências
repetidas ao Espírito agora sigam… o caráter teocêntrico do Espírito é
entendido pelo uso no v. 11, com o Espírito como sujeito, do mesmo verbo
usado no v. 6 com ὁ θεός como
assunto: πάντα δὲ ταῦτα ἐνεργεῖ τὸ ἓν καὶ τὸ αὐτὸ πνεῦμα...”,
36 argumenta Richardson que, enquanto nas epístolas como um todo o padrão
de linguagem de Paulo varia, mais frequentemente em 1 argumentos de
Coríntios, Paulo quer começar ou terminar com um apelo a Deus. Ele cita como
exemplos “as afirmações teológicas pesadas” nas quais 6:14–15 fornece um
apelo para 6:12–20; 8:6, para 8–10; 11:3, para 11:2–16; e 12:4–6, para 12–
14.37 Estes fornecem "uma função de garantia" para a linguagem de
Paulo. “Deus é o alfa e ômega da existência do cristão.” Embora ele aceite a
ênfase monoteísta em Deus como a única Fonte de quem “todos os cristãos
são carismáticos”, Collins duvida mais da extensão em que podemos
perceber elementos trinitários aqui.38

A unidade e graça de Deus como um só, que apesar de dispensar seus dons
em variedade através de Cristo como Senhor pelo Espírito Santo, chama a
atenção para Deus como “autor, autorizador, destino e juiz” (Rom. 12:1–2; 13:1
–4; 1 Tessalonicenses 4:3; 1 Coríntios 6:13–14; 8:6; 12:4–6). 1 Cor. 7 em
particular mostra a tendência paulina de "traçar tudo de volta a Deus".39 Na
visão de Barrett ‘a fórmula trinitária é o mais impressionante, porque ele parece
ser ingênuo e inconsciente.’40 Enquanto o trabalho de Richardson pode servir
para questionar se é ‘inconsciente’, o ponto é que ele não carrega nenhuma
marca de artifício artificial. Embora a posição trinitária esteja implícita em
2 Cor 13:13 e Ef 4:4–6, aqui encontramos a mais
antiga linguagem trinitária “clara”.41

Estes versos foram de imensa importância para Atanásio. Ele acreditava que a
associação íntima de Paulo do Espírito com a atividade do Pai e do Filho
“significa que existe uma unidade essencial entre os três”.42 Com base nessa
passagem (12:4–6), Atanásio extrai a profunda verdade que todas as pessoas
da Santíssima Trindade participam de uma atividade unificada que pode ser
pensada como a ação de toda a Divindade como Trindade. Atanásio comenta
em 12:4–6: “Os dons que o Espírito divide a cada um são outorgados do Pai
(παρὰ τοῦ πατρός ) através da palavra ( διὰ τοῦ λόγου). Porque todas as coisas
que são do Pai são do Filho também; portanto, as coisas que são dadas pelo
Filho no Espírito são dons do Pai. E quando o Espírito está em nós, a Palavra
também, que dá o Espírito, está em nós, e na Palavra está o Pai”.43 Na
exegese de Atanásio, Paulo vê o Pai como a fonte dos dons espirituais
(de Deus); o Filho, Cristo, como seu mediador ( através de Cristo como
Senhor); para ser "ativado" pela agência do Espírito Santo (pelo Espírito). Na
mesma passagem, Atanásio compara 2 Cor 13:13 (Carta a Serapião, 1:30-
31). Somente quando os crentes “compartilham” (μετέχοντες) o Espírito, eles
podem experimentar o amor do Pai e a graça do Filho. Assim, na experiência
do crente, as pessoas da Trindade são inseparáveis, mesmo que, afora essa
experiência, possam ser feitas distinções de pessoalidade.

Mesmo que isso vá além do que Paulo explica, não podemos negar sua
coerência implícita com 12:3, onde o critério de alegações sobre o arbítrio do
Espírito Santo é explicado em termos do testemunho do Espírito para o
Senhorio de Cristo, enquanto isto depende, por sua vez sobre Deus o
ressuscitando como Senhor dentre os mortos (cf. Rm 10:9). Neste sentido,
Atanásio conclui: "O Espírito não está fora da Palavra ... E assim os dons
espirituais são dados na Tríade ... o mesmo Espírito e o mesmo Senhor e o
mesmo Deus" que produz tudo em todos (1 Cor. 12:6)” (Atanásio, Carta
para Serapion , 3:5).44 Basílio, o Grande, como poderíamos prever, faz pontos
paralelos em relação a 1 Coríntios 12:4–6: “É o mesmo Deus… o distribuidor…
o emissor… a fonte”.45 As pessoas da Trindade, Basílio escreve: compartilham
um ser ou unidade comum.46 Na época de Leão, havia uma maior ênfase na
atribuição de papéis distintos a pessoas específicas da Trindade, embora “a
cooperação das Pessoas da Divindade” também fosse enfatizada.47 Mas Leão
foi além de Paulo a esse respeito, como se apenas o Espírito “pusesse
as pessoas em fogo com amor”.48 Em termos exegéticos, estamos em terreno
mais firme com o comentário de J.D.G. Dunn de que os vv.4–6 falam de
“um poder que é divino e que tem o poder do caráter de Jesus o Senhor ”
(itálico dele).49 Isso está de acordo com os critérios de 12:3. Assim Dunn
conclui que “o Espírito carismático” dá “a consciência da graça”.50

7 Na análise retórica de J. Smit (veja a introdução a 12:4–11), Paulo se move


aqui do exórdio para a confirmatio. O presente indicativo passivo δίδοται, é
dado, pressupõe a agência de Deus. O substantivo φανέρωσις é
principalmente uma palavra tardia encontrada nos papiros do NT (2 Cor 4:2
e aqui) e os escritos herméticos (11:1). Em 2 Coríntios 4:2
significa proclamação aberta ou pública , e a forma adverbial
cognata φανερῶς significa publicamente, abertamente (2 Macc 3:28; Marcos
1:45) contra ἐν κρυπτῷ ou κρυπτῶς. Assim, traduzimos essa manifestação
pública de palavra relativamente rara em vez de simplesmente
como manifestação (NRSV, NIV, Collins; cf. NJB, manifestação
particular; REB, é visto no trabalho). O genitivo πνεύματος talvez seja subjetivo
(o que o Espírito manifesta), mas é muito mais provavelmente objetivo (a
operação que manifesta o Espírito em público).51 Assim, o poder e propósito
de animação é um, mesmo se os fenômenos no domínio público assumirem
diversas formas. Tipicamente, de acordo com seu argumento sustentado sobre
o uso de Paulo de retórica sociopolítica e termos retóricos, Margaret Mitchell
defende a compreensão de que πτὸς τὸ deve ter como para vantagem
comum, em vez de menos explicitamente como bem comum (NRSV, NIV,
Collins) ou bem geral (NJB; cf. finalidade útil , REB).52 Isto é paralelo a
10:33, não busque indivíduo vantagem, e para 10:23, onde
a edificação constitui a vantagem comum (cf. também 6:12; 7:35). Para o
critério principal de apontar para o senhorio de Cristo ou semelhança de Cristo
(12:3) como uma marca de ser autenticamente ativado pelo Espírito, Paulo
agora acrescenta um segundo critério: o Espírito está em trabalho onde a
manifestação pública serve para vantagem comum de outros, e não
meramente autoafirmação, autorrealização ou status individual. O Espírito
produz efeitos visíveis para o lucro de todos, não para autoglorificação. Se o
último é proeminente, a suspeita é convidada. δίδοται reflete tanto um processo
contínuo de doação quanto a soberania de Deus na escolha e na
livre doação.53