Está en la página 1de 3

Milagres.

Mistérios e a Oração – Parte 3

As Fronteiras do Espaço
Cada vez que mais um satélite de pesquisa astronômica é lançado, brota um rio de
informações.
Atualmente os astrônomos consideram essa torrente de informação como metade
de uma bênção.
À medida que os dados se acumularam, eles tiveram que lidar com uma série de
fatos que mais confundem do que informam.
Falando em termos astronômicos, a cápsula de ar que envolve a Terra nada mais é,
usando uma metáfora, do que um cobertor molhado.
Ela deita a perder o que de outro modo seria uma visão magnífica do universo.
Para complicar o assunto, o vento constantemente altera o contorno e a densidade
das camadas atmosférica, e isso causa que as condições de observação sejam
imprevisíveis. Imagens sem nitidez e miragens são geralmente o resultado das
leituras telescópicas.
Toda experiência científica é condicionada por parte do observador e limitada pelos
instrumentos disponíveis para a análise.
Os dados obtidos de galáxias incrivelmente distantes estão condicionados ao modo
como a luz reage em nossa própria experiência.
À medida que sondamos mais e mais longe.no espaço, não mais estamos olhando
para o universo como ele é, mas sim como era quando a luz que vemos começou a
sua viagem.
Não podemos sequer ter certeza de que a estrela que enviou a luz ainda existe.
Talvez esse possa ser o motivo fundamental de os astrônomos serem
freqüentemente os críticos mais loquazes da astrologia.
Possivelmente estão cientes dos finos fios sobre os quais suas teorias foram
formuladas e suas conclusões baseadas.
O que é mais frustrante para o cientista é a percepção de que a maior parte, se não
todas as suas teorias celestes, pouco contribuem na conduta ou no apoio de nossa
vida cotidiana. Não solucionam nem nos ajudam na eliminação dos traumas e
dificuldades da humanidade.
A não ser pelo feito dos astronautas terem descido na Lua, pouca coisa de valor foi
acrescentada, se é que se acrescentou algo, no sentido de tornar a Terra um lugar
melhor para se viver.

A astrologia fornece uma imagem da realidade interna da pessoa.


Podemos entender as necessidades e os fatores que motivam os indivíduos.
Em nossa discussão de Saturno e dos outros corpos planetários devemos nos
familiarizar com uma descrição precisa da superfície desses corpos celestes.
Essa informação está prontamente disponível com o cabalista para todos os que
buscam seu conhecimento.
Infelizmente, os astrônomos, persistindo em seus esforços com uma visão estreita,
perdem assim a oportunidade de ter acesso ao magnífico poder e conhecimento de
nosso universo e de sua coleção de atores celestes.
Saturno e seus planetas irmãos representam os impulsos vitais que são canalizados
através deles por nossos cassetes encarnados predeterminados que estabelecemos
em uma ou em várias vidas anteriores.
São considerados, portanto, os estímulos em qualquer dada área da vida.
Os planetas e os signos representam as formas como os impulsos e as
necessidades humanas básicas podem se exprimir.
São telas ou filtros do que entra como nossa consciência robótica.
Desatenta aos seus estímulos, a pessoa se torna escrava de suas influências.
Um participante informado no cenário cósmico obtêm livre arbítrio e controle sobre
seu destino.
Dada a natureza do problema ou dos planos que se possa ter, é possível alcançar
uma excelente perspectiva e compreensão de porque as coisas acontecem de
determinada maneira, e agir de acordo.

Vamos então iniciar nossa jornada cósmica até as fronteiras do espaço indo ao
encontro de nosso primeiro companheiro celeste, embora seja o mais distante.
Entretanto, antes de iniciarmos nossa viagem à torre de controle do nosso cosmos,
há um ponto que deve ser reiterado.
Não há meio de atingir qualquer grau de influência ou mesmo de supremacia sobre
o reino celestial sem um completo conhecimento de sua composição e natureza.
Isso se aplica às nossas próprias avaliações e julgamentos diários.
Um médico não pode diagnosticar apropriadamente um paciente sem um quadro
abrangente do caráter, da natureza e dos hábitos do paciente.
Nenhum empreendimento ou iniciativa comercial pode ter êxito sem uma avaliação
adequada e conhecimento de todos os fatores envolvidos.
Nenhum casamento pode ser coroado de êxito sem que haja um cometimento
prévio de que os cônjuges conheçam a natureza, os hábitos e as características um
do outro.
Assim, os cabalistas não mediram esforços para fornecer a toda a humanidade uma
descrição tão completa do nosso reino celestial quanto lhes pareceu necessário para
alcançar o domínio sobre nossos companheiros espaciais.
Sem este tipo de controle, não existe absolutamente nenhuma esperança de que
possamos organizar de maneira eficaz nossos assuntos no planeta Terra.
Além disso, manter uma atitude de autoconfiança, em que o único fator a ser
considerado é a minha capacidade de triunfar e a minha sabedoria, como principal
causa determinante do sucesso ou do fracasso, é uma tolice comprovada pela
experiência. Os melhores planos traçados pelos homens freqüentemente fracassam.
Conseqüentemente, uma "nova ordem de pensamento" deve permear o
pensamento de toda a humanidade.
Primeiramente, devemos começar a questionar o "porquê" de todas as coisas e
persistir em nossa investigação até que tenhamos alcançado uma explicação
satisfatória.
O depósito de ensinamento e de sabedoria cabalística pode fornecer as respostas
necessárias para todo e qualquer um de nossos "por quês."
Em segundo lugar, devemos abandonar nosso egocentrismo perante a Força da
Luz, com a firme convicção de que nossas próprias capacidades são limitadas e
necessitam do amparo da Força da Luz.
Somente através de um abrangente mapa do itinerário podemos ter esperança de
alcançar alguma forma de estabilidade e certeza em nossas vidas.
Este mapa do itinerário da jornada da vida é a Bíblia, como é interpretada pela
Cabala, sem a qual áreas escuras ao longo de nosso caminho nos farão tropeçar e
cair, para em certas ocasiões jamais nos recuperarmos.
O conhecimento é crucial, pois o conhecimento é a conexão.
Aquilo que não se "conhece" é aquilo com que não se entrou em contato.
"Adão conheceu Eva e ela concebeu e deu à luz a Caim."
Como o simples fato de conhecer pode criar uma gravidez?
O Zohar explica isso simplesmente como a diferença entre informação e
conhecimento.
O conhecimento é a conexão.
Obviamente houve um contato físico.
O ponto enfatizado pelo Zohar ao citar o versículo específico do Gênesis é ilustrar
que a única ocasião em que fazemos contato com alguma coisa é quando
absorvemos conhecimento.
Sem conhecimento não há conexão.
Uma vez que cumprimos essa duas exigências, então com certeza teremos dado
um salto quântico para uma nova dimensão, a fronteira inexplorada do espaço.
O desconhecido âmbito de nosso sistema celeste constitui o domínio atemporal e
sem espaço que devemos alcançar e com o qual devemos estabelecer contato, se
pretendemos ser os verdadeiros senhores do nosso destino.
Apesar de toda a inviolabilidade do padrão básico do destino, temos um grau de
liberdade quase sem limite para determinar os processos vitais que se desenrolam
na vida presente.
Então, e somente então, podemos ser verdadeiramente liberados do padrão de
destino que parece tão inalterável, e enfrentar os nossos problemas.
Um compromisso com o autoconhecimento e com o aperfeiçoamento pessoal é o
primeiro requisito para qualquer indivíduo que deseje assumir o controle de sua
vida e modificar o seu destino.
Assim que esse compromisso é assumido, os resultados podem ser imediatos e
satisfatórios.
De repente nos damos conta de que grande parte da confusão e do desânimo que
pareciam tão esmagadores gradativamente começa a desaparecer.
Esse fenômeno acontecerá como resultado desse compromisso e da subseqüente
melhora na qualidade de nossa existência diária.
Embora o indivíduo nasça em determinadas circunstâncias sobre as quais não tem
absolutamente voz nem voto — seus pais, seus antepassados, sua posição social ou
suas características físicas e mentais — ele pode, como já discutimos, assumir o
controle de sua vida e mudar seu mapa astrológico.

Por: Philip Berg