Está en la página 1de 12

Sally Falk Moore,

"Certezas desfeitas: Cinquenta anos turbulentos da antropologia jurídica,


1949-1999 *”.

O Jornal da Real Instituto Antropológico 7 (2001): 95-116.

A ser publicado também em processos judiciais transnacionais,

editado por Michael Likosky, Butterworth

Este artigo analisa a ampliação dos estudos antropológicos de direito entre


1949 e 1999, e considera como os antecedentes políticos do período podem
ser refletidos em perspectivas acadêmicas anglófonos. Em meados do século,
os ideias legais e práticas dos povos não-ocidentais, especialmente o seu
modo de gestão de conflitos, foram estudados no contexto do domínio colonial.
Duas grandes escolas de pensamento surgiram e suportaram considerados
conceitos culturais, central na interpretação da lei. O outro estava mais
preocupado com o meio político e económico, e com autosserviço atividade.
Estudos de direito em comunidades não ocidentais continuou, mas a partir dos
anos 1960 e 1970, um novo fluxo virou-se para questões de classe e
dominação em instituições legais ocidentais. Um avanço analítico ocorreu
quando a atenção voltou-se para o fato de que o estado não era a única fonte
de normas obrigatórias, mas conviveu com muitos outros locais onde as
normas foram gerados e controle social exercido. Este fenômeno heterogêneo
veio a ser chamado "Pluralismo jurídico". O trabalho de meio século culminou
em amplamente concebida estudos, politicamente engajadas que abordam os
direitos humanos, os requisitos da democracia, e os obstáculos à sua
realização.

Que domínios legais têm os antropólogos examinada no âmbito dos cinquenta


anos que estamos considerando? Como muito desses tópicos mudou? Em que
medida as mudanças no tópico refletem a mudança de política de fundo do
período? O quadro geral é bastante simples. O que antes era um subcampo da
antropologia, em grande medida em causa com o direito na sociedade não
ocidental evoluiu para abranger uma geografia legal muito maior. Não só a
antropologia legal agora estuda países industriais, mas tem se expandido
desde o local até questões legais nacionais e transnacionais. Seu escopo inclui
tratados internacionais, os fundamentos jurídicos do comércio transnacional, o
campo dos direitos humanos, diásporas e migrantes, refugiados e prisioneiros,
e outros situações que não são facilmente capturados na concepção anterior à
terra na comunidade de antropologia, embora a rica tradição de estudos locais
continua ao longo de um distinto e paralelo pista.

Esta expansão e mudança envolveu uma mudança na metodologia e ênfase


teórica. Para umlongo tempo, disputa-processamento era o centro do campo,

1
com insights sobre as normas locais e práticas como um complemento
essencial. Agora, no entanto, olhar para disputas continua a ser uma maneira
favorecida de entrada em uma arena contestada, os objetos finais do estudo
são imensos campos de ação e não passíveis de observação direta. A
natureza do Estado hoje, e o transnacional e campos econômicos e políticos
supralocal que se cruzam com os Estados, são os intelectualmente cativantes
entidades agora. Aqui, vamos estar a olhar para as questões da antropologia
jurídica dirigida há cinquenta anos e irá traçar seu progresso gradual para estas
novas questões. Da necessidade dessa vai ser uma conta seletiva, uma que,
onde ele pode, toma nota da ressonância do fundo acontecimentos políticos.

Mudanças no foco empírico da antropologia jurídica têm sido acompanhadas


por desacordo sobre a forma de abordar e responder à pergunta de como e por
que o legal adquire uma determinada forma em um ambiente social particular.
Para simplificar, pode-se dizer que as três interpretações gerais prevaleceram.

A LEI e AS CULTURAS

A primeira sugere que o direito é tradição acionada, especialmente fora do


Ocidente, mas às vezes dentro dele. Cultura é tudo. No entanto, a cultura é
simplesmente uma etiqueta indicando objetos duráveis, ideias, valores, hábitos
e práticas. Aqueles que tratam a lei como a cultura significa que a lei é uma
parte específica do pacote, e que a totalidade combinada tem ligações internas
do sistema.

A pressão sobre o poder constrangedor do "tradicional" pode ser encontrado


nas concepções coloniais de o "direito costumeiro" dos povos sujeitos, e está
profundamente enraizado na (1961) a visão de Durkheim do que eu poderia
chamar de "as formas elementares de unanimidade social». Também é
encontrado em Weber(1978: 226-240) concepção de "autoridade tradicional".
Essa visão é reiterada em alguns dos (: 78-84, 157 1979) escritos evolutivas
sobre direito e da sociedade de Habermas. Uma versão poderosa do
argumento cultural é encontrado em Geertz (1983: 232-3) em seus comentário
sobre a lei. A tradição também se agiganta na visão geral (1978) livro de
Rouland, contexto cultural, uma vez fornecido alguns antropólogos com um
descritivo aparentemente inocente explicação das variações nos valores e
estilos de vida (ver Hoebel 1954). Mas a cultura perdeu a sua inocência
política. Hoje, quando a diferença cultural é oferecida como uma legitimação
para a explicação da diferença legal, esse contexto cultural muitas vezes surge
como um aspecto de uma forma consciente mobilizada da identidade coletiva
no meio de uma luta política, e surge em relação as constituições, as
desigualdades coletivas, dentro e de fora, e outros aspectos do nacional e
políticas étnicas.

2
A LEI COMO DOMINAÇÃO

A segunda explicação comum de forma legal é que tudo na lei pode ser
entendida como uma máscara para interesses da elite, tanto no Ocidente e em
outros lugares. Assim, a lei pretende promover o interesse geral, mas
realmente serve a causa dos poderosos, geralmente capitalistas e do
capitalismo. (A contraparte conservador, a lei e argumento econômico sobre a
eficiência, não entrou na literatura antropológica)

Os "interesses da elite" argumento é Marxisant em grande estilo. Uma versão


do que é encontrada na Bourdieu (1987:842), na obra da Critical Legal Studies
Movement (Fitzpatrick 1987; Fitzpatrick & Caça 1992; Kelman 1987), e em
outros lugares. Por exemplo, considere de Snyder (1981a: 76) comentário
relativa Senegal: "Produzido em circunstâncias históricas particulares, a noção
de" habitual lei "era uma ideologia de dominação colonial".

A LEI COMO SOLUCIONADOR DE PROBLEMAS

A terceira explicação oferecida por alguns antropólogos (e muitos advogados) é


uma técnica, uma funcionalidade. A lei é uma resposta racional para os
problemas sociais. Esta é a explicação consagrada em muitas opiniões de
juristas, bem como nos escritos sociológicos. Nesta explicação, a lei é um
mecanismo de resolução de problemas, dispositivo de minimização de
conflitos, conscientemente chegou no meio do pensamento racional do
Ocidente e em outros lugares. Ann Marie Slaughter, professor de Direito
Internacional na Lei Harvard School, foi recentemente ouvido para expressar
sucintamente o que é um lugar-comum nas escolas, "Eu vejo lei como uma
ferramenta de resolução de problemas "(Pers. pess.).

Este quadro racionalista é amplamente utilizado na profissão de advogado, e


aparece como uma das chaves da modernidade na sociologia de Weber.
Concepções de direito como essencialmente a resolução de problemas
também foram incorporados nos ensaios de o realismo legal bem sabe, Karl
Llewellyn, que estava interessado em antropologia e escreveu um livro sobre
os Cheyenne (Llewellyn e Hoebel 1941; para uma breve crítica, veja Moore
1999). É importante salientar, no entanto, Llewellyn não fazer a suposição
weberiana de que a sociedade ocidental (e a modernidade em geral) tinha o
monopólio do pensamento jurídico sofisticado. Na verdade, ele atribuiu este
modo de pensar para os Cheyenne.

A minha revisão abordará os estudos de campo e o contexto político geral da


antropologia jurídica. Será dada mais atenção às contribuições da língua
inglesa, mas eles não são toda a história. Razões de espaço me levam a limitar
o que se pode discutir. Não se deve omitir a contribuição dos holandeses,
franceses e outros escritores, mas muito material de língua inglesa também
deve ser excluído.1

3
Esse texto foi originalmente apresentado como a Conferência Huxley Memorial
da Universidade de Manchester em 1999, na abertura da celebração do
quinquagésimo aniversário da fundação do departamento de antropologia de
Manchester(1). Há dois domínios que não tenho espaço para discutir, mas que
são tão importantes que devem ser pelo menos aqui mencionados. Um deles é
o estudo da propriedade, o outro é o da análise sociolinguista da lei.

A Propriedade. Há um vasto corpo de rico material para lidar com a ideia de


propriedade, não passíveis de informar caracterização. Ela (a análise sobre a
propriedade) toca em tudo, desde o parentesco à herança, do coletivo para a
"propriedade" individual de terra, desde a redistribuição de terras para o
desenvolvimento económico, e além (ver Low 1996, sobre tentativas mundiais
para terras redistribuídas; Peters 1994, sobre a divisão dos bens comuns). No
contexto do desenvolvimento econômico, os sistemas de posse da terra muitas
vezes receberam a atenção dos antropólogos.

Quatro instituições, em particular, estão associados a este trabalho. O


Laboratoire d'Anthropologie juridique em Paris, dirigido por M. Alliot e E. Le
Roy, e as culturas Centre Droit et da Universidade de Paris X-Nanterre,
fundada por R. Verdier, têm produzido estudos sobre sistemas de propriedade
africanos. O Centro de Posse da Terra da Universidade de Wisconsin está
preocupado com o estudo comparativo dos sistemas de posse da terra em todo
o mundo. Ao Agrícola Universidade de Wageningen, na Holanda, F. von Benda
Keckmann incide sobre a propriedade na Indonésia. Juntos com K. von Benda
Beckmann, ele produziu uma importante série de publicações (1979; 1985;
1994; & com H. Spiertz 1996).

A Sociolingüística se aproxima com a lei. Uma série de publicações


relativamente recentes usam técnias sociolinguística para analisar materiais
legais (por exemplo. Conley & O'Barr 1990; 1998; Mertz 1994; O'Barr 1982). A
análise da forma dos textos legais, a atenção para as disciplinas verbais
utilizados em processos judiciais e o tratamento do discurso como texto foram
adições metodológicas significativas para o kit de ferramentas da antropologia
legal.

Um trabalho recente clara e sutil especial, que mostra o que pode ser feito é o
de Hirsch (1998). Ela usa a análise linguística detalhada para mostrar o efeito
do discurso de gênero em litígios na África Oriental. Ela mostra que a
linguagem utilizada pelas mulheres para descrever sua situação, para fazer
reivindicações, e para continuar disputas legais, ao mesmo tempo descreve e
ilustra sua situação e como eles se sentem sobre isso. A atenção à dimensão
linguística do jurídico sem dúvida irá crescer. Afinal, é a lei que dá muitas
declarações performativas e atos escritos sua eficácia autorizativa final.4

Minha abordagem é em parte cronológica em parte conceitual. Os temas serão


citados como eles emergiram historicamente, mas os traços subsequentes das
4
mesmas ideias, por vezes, serão rastreados para frente como eles
reapareceram. Isso mexe com a cronologia, mas ilumina continuidades na
subdisciplina.

Gluckman e as justificativas dos juízes: raciocínio, razoabilidade e regras.

Gluckman foi a personalidade dominante em estudos de Direito e Antropologia


da metade do século e para além (por avaliações, ver Gulliver 1978; Werbner
1984), e ele estava montado o fosso entre o colonial e o pós-colonial na África.
Ele fez trabalho de campo na África no período colonial, mas continuou
publicando trabalhos influentes em uma variedade de tópicos nas primeiras
décadas de independência.

Na forma clássica da antropologia social britânica da época, ele estava


interessado em descobrir o que tinha sido a forma de sociedade pré-colonial, a
"verdadeira" África. No entanto, nenhum foi mais consciente do que Gluckman
sobre como realmente eram cercadas as sociedades africanas, que tinham
décadas experientes de domínio colonial, a migração laboral, a influência
cristã, alterações de economia e organização, e muito mais. Ele tentou
entender as duas Áfricas de uma só vez, o passado histórico e o presente vivo.
Além disso, ele foi o primeiro antropólogo sistematicamente para estudar um
Tribunal Africano colonial em ação, para ouvir atentamente as histórias de
queixa e os argumentos à medida que se desenrolavam.

Até então, a lei em África em geral tinha sido relatada como um conjunto de
regras costumeiras-instruções suscitadas de chefes e outras autoridades.
Estas regras consuetudinárias chamadas então eram suposto ser usado como
diretrizes nos tribunais coloniais (ver. por exemplo, Gluckman 1969). Mas o
direito consuetudinário era, na verdade, então uma versão alterada de práticas
indígenas, que deve ser reconhecido como uma complexa construção colonial.
Isso começou a ser reconhecido em (1969) na discussão sobre a lei Soga do
Fallers e, em (1971), nos escritos de Colson sobre os direitos à terra, e foi feita
inequivocamente explicitado por Snyder (1981a; 1981b), Chanock (1985
[1998]), e Moore (1986b).

No tempo de Gluckman, assumiu-se o direito consuetudinário era em grande


parte uma expressão de indígenas, tradição, e quando Gluckman ouviu
disputas e ouviu decisões, ele se concentrou em regras e raciocínio. Ele tentou
descobrir o que os juízes estavam a aplicar, o padrão de razoável
comportamento que estava a ser utilizado. Isto não foi sempre fácil ou
straighforward desde os vários juízes na mais alta corte Lozi, muitas vezes em
desacordo uns com os outros.

Gluckman tentou distinguir normas Lozi dos princípios lógicos usados por
juízes para decidir qual norma a aplicar-se, e como e quando aplicá-la. Seu
argumento era que, embora as normas Lozi apresentam uma forma especial

5
para sua sociedade, raciocínio jurídico dos juízes de Lozi se baseou em
princípios lógicos encontrados em todos os sistemas da lei. Alguns
comentaristas posteriores viram isso como uma ocidentalização, uma
falsificação do Direito Lozi.

No entanto, os críticos não verão que a esta interpretação universalista está


incorporada uma posição política (Gluckman, 1955: 362). Gluckman queria
mostrar que os sistemas jurídicos africanos e indígenas práticas eram tão
racional no sentido weberiano como os ocidentais. Suas instalações eram
diferentes porque o meio social era diferente, mas a lógica e o processo de
raciocínio eram os mesmos.

Para demonstrar que os africanos eram em todos os sentidos iguais


intelectualmente que os europeus, mostrou o cumprimento tedioso (por
exemplo, 1955: 279-80) o que viu como as correspondências entre o
pensamento africano e o pensamento jurídico ocidental. Incorporado em seu
brilho ,as idéias Lozii forram uma mensagem esplêndida sobre igualdade
racial.

Dez anos mais tarde, em uma série de palestras, Gluckman (1965) comentou
sobre o direito constitucional Barotse concepções, ideias de propriedade,
noções de irregularidade e de responsabilidade, e as concepções de contrato,
obrigação e dívida. No entanto, mais uma vez ele tinha uma preocupação
distinta, comparação. Ele argumentou que certos conceitos Barotse eram
característicos das sociedades com uma economia política simples: economia
simples, baixos níveis de tecnologia, a ordem político-social rudimentar. Sua
comparação traz méritos de orientação mais exploração, mas, até
recentemente, o trabalho deste tipo tinha praticamente desaparecido, em parte
devido problemas metodológicos sérios. No entanto, antes que esses
problemas fossem reconhecidos, Nader analisou que a possibilidade de
comparar as técnicas de gestão de conflitos das sociedades diferentes pode
levar a pontos de vista frutíferos (ver Nader 1969; Nader com Todd, 1978).
Nesse período, antropólogos legais finalmente decidiram que eles não
poderiam resolver os problemas de forma, função, e contexto que esses tipos
de comparações levantados. No entanto, essas questões estão novamente a
ser questionadas.

O que impressiona hoje é a medida em que Gluckman (esp de 1955;. 1965)


estava preocupado com uma interpretação racialmente igualitária da lógica
africana, e uma interpretação evolutiva da economia política africana. Estas
preocupações exibem o raciocínio de um antropólogo que era politicamente
engajado ao lado dos africanos, ainda que tenha interpretado seus sistemas
sociais e conceitos legais contendo um resíduo substancial de uma economia
mais cedo, pré-capitalista. Parece não negligenciável que, entre a data do
primeiro livro e da segunda, a era colonial tinha terminado na maioria países

6
africanos. Em suas opiniões, Gluckman tinha conseguido identificar
simultaneamente com Marx e Maine.

O ponto principal sobre o meu resumo precipitada de alguns dos argumentos


de Gluckman acerca de lei é que ele começou uma revolução no método de
campo com a sua atenção aos casos em tribunal. Desde então, a análide das
disputaslocais tem sido a principal forma de voyeurismo social na antropologia
legal (para uma recente ilustração, ver Caplan 1995). O que foi dito pode
sugerir porque Gluckman não só foi o fundador do deparment Manchester, mas
também foi o iniciador de muitas controvérsias duráveis, que foi muito bom
para os negócios da acadêmica.

Lei como uma expressão de premissas culturais básicas e muitas vezes


única

Uma das principais críticas imediatamente levantadas contra noções


universalistas de Gluckman acerca de lógica jurídica foi (1957) contra-
argumentação de Bohannan que, em direito, como em tudo mais, cada cultura
é única, e que, por a antropologia, a sua singularidade é o que é importante
sobre isso. Bohannan sustentou que mesmo traduzir conceitos legais de outra
sociedade em termos ingleses era uma distorção. Essa é um dos versões mais
extremas do não político o argumento da "Lei como cultura". Suas afirmações
foram objeto de um acalorado debate com Gluckman em uma conferência na
década de 1960 (ver Bohannan em Nader, 1969: 401-18). 2 Há algumas
exceções para o abandono de comparação. Por exemplo, Newman (1983)
utiliza um Marxisant abordagem combinada com comparações quantitativas
Murdock-like. Para os novos tipos de comparação, ver Greenhouse (1996) e
Bowen e Petersen (1999). Claro, direito comparado continua como uma
especialidade dentro do legal profissão e envolve alguns dos mesmos
problemas teórico, relativamente ao que está a ser comparada que
antropólogos têm abordado (veja Moore 1986b: Riles 1999).

Muitos anos depois, um argumento similar foi oferecida por Geertz, em que ele
tomou "a distância" de Gluckman (Geertz, 1983: 169). Geertz sustentou que
três grandes tradições culturais – a Islâmica, o Índico, a Malásia - cada um
tinha diferentes "sensibilidades" legais. Ele procurou demonstrar isso
escolhendo dois conceitos centrais em cada tradição e compará-los.

Ele escolheu para traduzir todos esses conceitos emparelhados como "fato e
de direito". Mas é claro que, em cada um dos três tradições do escopo de
referência destes conceitos não era idêntico. O resultado foi um passeio de
force em parte porque Geertz usado "fato e de direito", como a tradução de
todos os três, e por isso ele definiu "fato" como "o que é verdadeiro" e "lei"
como sobre "o que é certo". Isso não é o que o distinção entre fato e de direito

7
significa no direito anglo-americano, mas reformulação de Geertz desses
termos filosóficas e morais não é acidental. Ele não estava tomando
convencional questões de direito comparado, ele queria colocar esses termos
em um grande esquema do pensamento cultural.

Ele argumentou (1983: 232), em uma frase agora muito repetida, que a lei é
"uma espécie de imaginação social” e que as comparações devem ser tiradas
nesses termos. Ele diz (1983: 232), que "A lei é sobre o que significa que não
se trata de máquinas". Ele viu direito comparado como uma oportunidade para
lançar luz sobre a diferença cultural, e ele identificou a análise da diferença
cultural como o centro propósito do trabalho antropológico (1983: 233). Tanto
para os universais de Gluckman.

A ênfase que Bohannan e Geertz colocam sobre a importância das diferenças


culturais precedida de hoje política de identidade full-blown, mas sua
abordagem certamente ressoa com muitas das actuais formas de
multiculturalismo, bem como com (1992) ideias de Taylor sobre a importância
de uma política de reconhecimento. Hoje, a diferença cultural é uma causa
política sectorial em muitas partes do mundo.

Sem dúvida que a cultura como a fonte da forma jurídica continua a ser uma
proposição atual (veja Greenhouse & Kheshti 1998). Ela serve aqueles que têm
suas próprias razões políticas para enfatizar limites coletivos, e distinguir-se
dos outros.

Rosen tem gerado uma outra versão sobre a tese da "lei como cultura". Um
advogado-antropólogo, ele era ao mesmo tempo um estudante de Geertz,
tendo adoptado a maior parte do pacote geertziano em seu trabalho.

Ele tem escrito sobre um tribunal aldeia islâmica no Marrocos, que trata em
grande parte com o direito da família. O Tribunal estudou ser restringido por lei
a essas questões. Ele está preocupado em mostrar que, apesar sua falta de
precedentes e registros, os tribunais não tomam decisões arbitrárias, que não
faz dispensar o que Weber chamou de "kadi justiça", mesmo que o juiz tem
uma grande dose de discrição (Rosen 1980-1). Rosen (1989: 18), afirma: "a
regularidade reside. no ajuste entre as decisões do juiz muçulmano e os
conceitos culturais e relações sociais a que estão indissoluvelmente
amarrados” ".

Outro exemplo de "forma jurídica como produto cultural" é esboço de lei


tibetana do Francês como foi no período 1940-1959, um projecto de
reconstrução histórica. Ela chama seu trabalho a "Estudo da cosmologia de
direito no Tibete budista na primeira metade do século XX como reconstruída ",
caracterizando seu esforço como “um exercício de perspectiva histórica e
imaginação "(1995: 17). Ela conclui que em lidar com casos de disputa, juristas
tibetanos fizeram não tome decisões de acordo com um conjunto prescrito de

8
regras, mas fez discricionário complexo julgamentos. Eles analisam cada caso
como uma combinação única de características, uma percepção que ela atribui
a filosofia budista, a um modo de pensar a "particularidade radical" (1995: 343).

A ligação entre um sistema de decisões caso a caso e o fundo budista parece


menos certa quando se olha para materiais comparativos. Afinal, existem
muitas sociedades e7 contextos institucionais em que as agências que não são
budistas, analisando as decisões cada caso ouvindo e enfatizar a singularidade
da situação, como o tribunal islâmico descrito por Rosen arranjos institucionais
descentralizadas parece ser o cerne da questão. São estas as consequências
de concepções religioso-filosófico, ou história social-estrutural?

Isso nos leva a questões derivadas da construção weberiana da racionalidade


jurídica no Ocidente moderno. Em que medida são as decisões dos juízes
ocidentais de fato governada por regras obrigatórias, e quanto é deixado ao
critério judicial? Posner forneceu maravilhosamente algumas respostas
espontâneas sobre o sistema jurídico norte-americano. Posner é o fundador
eminente do movimento de Direito e Economia, Professor de Direito na
Universidade de Chicago, e em algum comentarista legal antropologia, que
atualmente é juiz no Tribunal de Apelações do Circuito Seventh nos EUA.

Embora nem todos os juízes irião admitir como Posner (1998: 235) faz (e
Justiça Holmes fez), para usando um "vomitar" teste de desgosto como uma
maneira de decidir quando usar discrição Rathen do que aplicar regras
existentes, o seu reconhecimento de suas próprias reações e da importância
de judicial discrição não é nova nem revolucionária na lei americana.

No entanto, com exceção de Rosen (1980-1) antropólogos da lei têm


normalmente dedicado pouca atenção à discrição judicial em ambos os
sistemas não-ocidentais e, é claro, a discrição pode ser difícil de detectar se ele
é mascarado por uma alusão a regras. Igualmente, reconhecendo a
importância da discrição prejudica uma análise puramente orientada na cultura.
A resolução de problemas lógica da forma jurídica é congruente com o uso de
discrição, mas convida a uma pergunta: em cujas juros são tomadas as
decisões? Onde está a regra da lei quando os juízes podem decidir como
entenderem?

Aqui temos um exemplo da forma como os três modos de construção das


formas jurídicas mencionadas no início deste artigo pode tornar-se
entrelaçadas de maneira contraditória no projeto de explicar o pensamento
jurídico.

Maneiras de usar a lei: interesses e estratégias litigantes

Desde os anos 1960 e 1970, os antropólogos se tornaram menos e menos


propensos a ver o comportamento como sendo esmagadoramente

9
impulsionada por padrões culturais pré-existentes e regras sociais. Mesmo na
concepção Marxisant de Bourdieu da social reprodução, a idéia do "habitus"
(1977: 78) teve que tomar a improvisação e invenção em conta.

A conexão entre o interesse emergente antropológica na escolha e mudança e


político-social no final de 1960 e 1970 é difícil de provar, mas impossível de
ignorar. Desafios à autoridade foram características proeminentes da vida
pública, com repercussões substanciais em universidades. Com o fim do
regime colonial na década 1960, os povos ex colonizados ficaram, pelo menos
formalmente e legalmente, a cargo de si mesmos. Retrospectivo reclamações
sobre o período colonial foram activamente expressas. Nos EUA a Guerra do
Vietnã provocou enorme resistência popular, com repercussões legais para os
manifestantes. Foi lançado omovimento dos direitos civis, mudanças sociais
foram exigidas, e uma longa luta se seguiu. O movimento de mulheres
começou a sua tarefa de conscientização em um ambiente em que uma nova
tecnologia de contracepção alterava o comportamento sexual, moral
consciência, e muitas leis orientadas para o género. Havia furacões sociais
análogas na Europa.

Em vista de toda essa atividade política contemporânea, não havia muito lugar
para uma antropologia da lei focada em conformidade. Agência entrou em sua
própria. Os casos foram ouvidos e lidos em termos de motivos dos litigantes. O
direito foi visto como um representação da ordem social, mas entendeu-se para
ser usado em uma grande variedade de maneiras pelas pessoas que agiam
por interesse próprio. O forte e poderoso poderia, é claro, promover seus
interesses de forma mais eficaz do que o fraco.

Os primeiros exemplos de trabalho etnográfico que insinuou algumas destas


mudanças na atitude analítica no sentido normativo da justiça apareceu em
Gulliver (1963; 1969). Em seu trabalho de campo entre os Arusha, na
Tanganyika colonial, ele observou que muitas vezes a gestão das suas
disputas legais não utilizava o direito existente (colonial) nos Tribunais locais,
mas através um sistema "informal", não-oficial, negociando assentamentos. Os
representantes da linhagem das partes em conflito negociavam soluções em
nome dos diretores. Ele concluiu que os vencedores destas negociações
assentadas foram sempre as partes mais politicamente poderosos. O discurso
envolvido nessas negociações faziam referências às normas, mas ele
sustentou que as normas não determinam o resultado. Ele contrastou esse
processo de negociação com decisões judiciais, em que ele assumiu que o
resultado foi normativamente determinado. Assim, ele ainda estava assumindo
não apenas que um sistema normativo existiu, mas que foi sistematicamente
aplicada nos tribunais formais.

O cenário analítico mudou ainda mais na direção da agência de alguns anos


mais tarde. A Lei começou a ser tratado um conjunto de ideias, materiais e

10
instituições que estavam sendo usados como um recurso por pessoas que
perseguem seus próprios interesses. Para exemplo, o trabalho etnográfico de
Collier entre os Maya de língua mexicanos, tratando as categorias jurídicas e
conceitos Zinacanteco "como um conjunto de racionalizações aceitáveis para
justificar behavi ou" (Collier, 1973: 13). Seu objetivo central foi identificar a
maneira Zinacantecos 'de conceber o mundo e sua manipulação de transações
e litígios à luz destas ideias. No entanto, Collier também deixou claro que o
mundo Zinacanteco estava longe de ser completamente autónomo, longe de
impermeável às intervenções das instituições públicas mexicanas. Collier
mostrou que o Zinacanteco sistema legal era estática nem isolado do mundo
exterior.

O desafio Gulliver cedo para Gluckman sobre se poder ou normas determinou


o resultado de disputas permaneceu viva na Inglaterra por um tempo. Uma
conferência da Associação de Antropólogos Sociais foi realizada sobre este
tema (Hamnett 1977). Definitivamente colocar a tampa em que a discussão
ASA, e apoiar seu argumento com materiais empíricos convincentes, Comaroff
e Roberts (1981) produziram um livro bem conhecido e amplamente lido que
fez o ponto que, mesmo em tribunais judiciais, as regras nem sempre
governam. Utilizando material de casos coletados entre o Tswana da África
Austral, eles mostraram que muitos tipos de disputas de processamento
poderia existir no mesma sistema. Regras e as relações sociais dos litigantes,
bem como os seus interesses, apareceu dentro do mesmo universo de litígio.
Os casos demonstraram que Tswana muitas vezes tiveram a oportunidade de
usar arenas de litígio para renegociar posição pessoal, para obter o
reconhecimento de relações sociais que estavam sendo contestados (1981:
115).

Este tipo de confrontação ocorreu como se fosse uma discussão sobre normas:
a língua em que os argumentos eram apresentados foi "culturalmente inscrito e
normativamente codificada" (1981: 201). Eles falam de "dualismo no Tswana
concepção de seu mundo, segundo a qual a vida social é descrito como
contudo altamente negociáveis governado por regras, normativamente
regulados ainda pragmaticamente individualista "(1981: 215). "As disputas
variam entre o que são ostensivamente-norma regendo os casos "legais" e
outros que aparecem para e motivado juros "política" confrontos ... A questão,
no entanto, não é simplesmente que estes modos diferentes coexistem em um
contexto ... mas que eles são sistematicamente relacionados ... transformações
de uma única lógica "(1981: 244).

Este alojamento de ideias contraditórias é especial para o Tswana, ou mais em


geral? Eu diria que este situação é comum. De acordo com este ponto de vista,
em um número de ocasiões nos anos 1970 I argumentou que a sociologia da
causalidade foi mal servido por um modelo de conformidade para desvio do
local de normas de direito em sociedades, como se houvesse um único

11
conjunto de regras, claramente definida, totalmente discreta e sem
contradições ou ambiguidades (Moore 1970; 1973; 1975a; 1975b; 1978). "A
realidade social é uma mistura peculiar de ação congruente com as regras (E
pode haver numerosos conflitantes ou regra-encomendas concorrentes) e outra
ação que é a escolha de decisões, discricionário, manipulador "(1978: 3). O
que também importa é que as escolhas e manipulações não são apenas feita
pelos litigantes em situações de disputa, eles também são feitos pelas
autoridades que decidem o que o resultado deve ser, e que fazem referência a
normas e ideologias normativas em outros contextos.

Alusões a regras ou ideologias com implicações normativas muitas vezes


caracterizam o comportamento das autoridades dentro e fora de disputar
contextos. O local de moralizar declarações de autoridades e líderes é uma
questão tão importante para a análise da relação entre as regras legais e
comportamento como na compreensão de manipulações litigantes. A
organização de autoridade e sua relação com a representação de ideias
normativas é uma peça importante do enquadramento, apresentação e
implementação (ou não implementação) de direito. Ao se concentrar em
disputa, os antropólogos têm ganhado algum acesso ao estatuto de que Putat
denominou corpo normativo de ideias, mas o que as autoridades e outros, na
verdade, fazem com eles é outra coisa. Questionar a autoridade: questões de
classe e dominação na interpretação do direito

Dada a sua falta de experiência jurídica doutrinária e técnica, é frequentemente


assumido que os antropólogos estudarem sociedades industriais é melhor
forma de observação de processos legais "informais", análogos àqueles
encontrado em pequena escala nas comunidades: negociação e mediação,
instituições informais, como os tribunais de pequenas causas, gerado
internamente arranjos de bairro, de direito de família, e similares. Um grande
número de antropólogos fez trabalho de campo bem sucedido a partir da
análise de casos nessas configurações.

12