Está en la página 1de 39

RELATÓRIO Nº 86/09

CASO 12,553
ANTECEDENTES
JORGE, JOSÉ E DANTE PEIRANO BASSO
REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI
6 de agosto de 2009

I. RESUMO

1 Em 18 de outubro de 2004, e novamente em 30 de novembro de 2004, os Srs.


Carlos Varela Álvarez e Carlos H. de Casas apresentaram uma denúncia e um pedido de
medidas cautelares em favor dos senhores Jorge, Dante e José Peirano Basso, três Irmãos da
nacionalidade uruguaia, perante a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (doravante
denominada "a Comissão") contra a República Oriental do Uruguai (doravante denominada "o
Estado"), pela suposta violação do direito a ser julgado dentro de um prazo razoável, o direito
à liberdade durante o processo judicial, o direito de ser ouvido sob condições que garantam o
devido processo, o direito a um julgamento justo e imparcial e o direito à igualdade perante a
lei, em violação dos artigos 5 ( 1), em relação aos artigos 2, 7 (1) e 7 (3), 8 (1), 9, 24, 25 e
29 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos.

2 A denúncia alega que os três irmãos Peirano Basso foram privados de sua
liberdade desde 8 de agosto de 2002, sem terem sido formalmente acusados ou levados a
julgamento. Segundo os peticionários, de acordo com a lei interna em que foram cobrados, a
pena máxima que poderia ser imposta era de cinco anos de penitenciária. Em janeiro de 2005,
os requisitos para sua libertação, segundo os peticionários, por cumprir dois anos e meio
privados de sua liberdade teriam sido cumpridos. O Estado os havia acusado de violar a Lei
2.230 (1893), que sanciona os diretores de empresas em dissolução que cometem fraudes ou
outros crimes financeiros. Segundo a denúncia, esse delito admite a liberdade durante o
processo, apesar de o senhor Peirano Basso permanecer privado de sua liberdade em virtude
do "alarme social" causado pelo colapso do sistema bancário uruguaio e sua suposta
responsabilidade nele.

3 Em 19 de outubro de 2006, o promotor do caso entrou com uma ação contra os


senhores Peirano Basso por considerá-los perpetradores do crime de insolvência empresarial
fraudulento, previsto no artigo 5 da Lei 14.095, nos termos do qual o promotor solicitou,
falham, a pena de seis anos de penitenciária a Jorge e nove anos a José e Dante Peirano
Basso é imposta.

4 Em 4 de dezembro de 2006, a defesa dos irmãos Peirano respondeu à denúncia


solicitando a absolvição de seus réus.

5 De outubro de 2004 até hoje, a defesa apresentou, perante os tribunais


uruguaios, sete pedidos de liberação.

6 Em 13 de dezembro de 2006, foram concedidas partidas temporárias, por 48


horas, para os dias 24 e 25 de dezembro e 31 de dezembro de 2006 e 1º de janeiro de 2007,
e foi estabelecido um regime de partidas semanais de 48 horas, no sucessivo.
7 No Relatório de Admissibilidade nº 35/06 de 14 de março de 2006, concluiu-se
que os fatos denunciados, se provados, poderiam constituir violações dos direitos protegidos
pelos artigos 7, 8, 9 e 25 da Convenção Americana em relação à com as obrigações do artigo
1 (1) e 2.

8 Depois de analisar os argumentos das partes, os direitos consagrados na


Convenção e outras provas do expediente, a Comissão conclui neste relatório que o Estado é
responsável pela violação dos direitos de Jorge, José e Dante Peirano previstos nos artigos 7
(2), 3, 5 e 6, 8 (1) e 2, e 25 (1) e 2, dependendo das obrigações dos artigos 1 (1) e 2 da
Convenção Americana e, consequentemente, faz recomendações específicas.

II. PROCEDIMENTOS SUBSEQUENTES AO RELATÓRIO DE


ADMISSIBILIDADE Nº 35/06

9 A Comissão recebeu a petição em 18 de outubro de 2004. Em 14 de março de


2006, durante seu 124º período ordinário de sessões, a Comissão aprovou o Relatório nº
35/06 sobre a admissibilidade e abriu o caso 12.553 referente à aspecto que envolve as
fundações e duração da prisão preventiva. Em 22 de março de 2006, a Comissão encaminhou
o relatório de admissibilidade ao Estado e aos peticionários.

10 Em 26 de abril, os peticionários solicitaram a liberação dos irmãos Peirano


perante a Suprema Corte, com base no relatório de admissibilidade, que foi rejeitado, sem
fundamento, em 12 de maio, no contexto previsto no artigo 17 da Convenção. Lei 17.726 [1] .

11 Em 7 de maio de 2006, os peticionários apresentaram suas observações sobre


o relatório de admissibilidade da Comissão, as quais foram transmitidas em devida forma ao
Estado em 9 de maio de 2006.

12 Em 15 de maio de 2006, a Comissão perguntou especificamente às partes se


estavam interessadas em iniciar um procedimento de solução amistosa e solicitou que
comunicassem sua decisão à Comissão no prazo de um mês. Em 17 de maio de 2006, o
Estado informou à Comissão que recebera a nota em 16 de maio de 2006, mediante a qual lhe
foi concedido um mês para informar à Comissão se estava interessada em iniciar um
procedimento de solução amistosa no caso. e informou a Comissão de que este período
deveria ser calculado a partir dessa data e não a partir de 15 de maio.

13 Em 22 de maio, a Embaixada dos Estados Unidos em Montevidéu, Uruguai,


publicou um comunicado de imprensa afirmando que o Departamento de Imigração e
Alfândega dos EUA (ICE) havia detido em Coral Gables, Flórida, Juan Peirano Basso, o quarto
irmão, que permaneceu fugitivo da justiça. Ficou sabendo que o governo uruguaio havia
solicitado a extradição e que Juan Peirano Basso havia sido preso sob um mandado de prisão
emitido pelo Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Médio do Tennessee.

14 Em 29 de maio, em uma entrevista de rádio [2] o promotor faz menção da


complexidade do caso, mas atribui a lentidão do processo ao "atraso nos procedimentos
administrativos do próprio tribunal para a conclusão das provas" e cita a circunstância de, por
não ter notificado a conclusão de uma perícia para defesa, motivou a declaração de nulidade
dessa medida. Ele avançou a possível mudança de qualificação para um crime reprimido com
uma punição mais severa.

15 Em 8 de junho, os peticionários solicitaram a medida cautelar 134-06, à qual


foi anexado um escrito de amicus curiae assinado por Alejandro Boulin, que foi rejeitado em
21 de julho.
16 Em 28 de junho de 2006, os peticionários, juntamente com o Dr. Julio A.
Barberis, apresentaram um pedido de medidas provisórias à Corte Interamericana de Direitos
Humanos. A Corte Interamericana informou em 5 de julho que, em conformidade com o artigo
63.2 da Convenção Americana e 25 (2) do Regulamento da Corte, só tem competência para
considerar um pedido de medidas provisórias em um caso que estar pendente perante a
Comissão, se esta o solicitar.

17 Em 14 de julho, o Estado respondeu às observações dos peticionários sobre o


relatório de admissibilidade da Comissão, mas não se referiu a uma possível solução amistosa.

18 Em 28 de julho, os peticionários apresentaram um relatório do Grupo de


Trabalho sobre Detenção Arbitrária da Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas,
solicitando ao governo uruguaio que fornecesse informações sobre o caso, a fim de emitir uma
opinião sobre o assunto.

19 Em 23 de agosto, ele foi novamente solicitado a ser liberado perante o juiz do


caso, que foi rejeitado em 30 de agosto.

20 Em 7 de setembro, os peticionários apresentaram suas observações às


apresentadas pelo Estado, que foram transmitidas ao Estado no dia seguinte, para que
pudessem apresentar observações adicionais dentro de dois meses.

21 Em 21 de setembro, as partes foram informadas de que a Comissão decidira


convocar uma audiência, para o dia 24 de outubro seguinte, durante o seu 126º período
ordinário de sessões, para tratar de assuntos relacionados ao caso.

22 No dia 2 de outubro, foi recebida uma apresentação de amicus


curiae elaborada pela Clínica Jurídica de Interesse Público do Instituto Tecnológico Autônomo
do México, que havia sido apresentada ao Supremo Tribunal no momento em que o caso foi
levado ao seu conhecimento.

23 Em 24 de outubro, durante o 126º período ordinário de sessões, foi realizada a


audiência, na qual as partes apresentaram argumentos sobre o mérito do caso.

24 Em 8 de novembro, o Estado apresentou observações adicionais, que foram


transmitidas aos peticionários no dia seguinte.

25 Em 20 de novembro, a liberdade dos senhores Peirano Basso foi novamente


solicitada perante a Suprema Corte, que foi rejeitada em 24 de novembro.

26 Em 13 de dezembro de 2006, os peticionários apresentaram o pedido de


medida cautelar 351-06, que foi rejeitado em 22 de dezembro.

27 Em 13 de dezembro, o juiz encarregado do caso ordenou a autorização de


afastamentos temporários do acusado pelo prazo de 48 horas, de 24 a 26 de dezembro e de
31 de dezembro de 2006 a 2 de janeiro de 2007, e , a partir de 1 de janeiro de 2007
estabeleceu um regime de partidas semanais de 48 horas, sob juramento.

28 Dado que o Estado não manifestou interesse em manter negociações para uma
solução amistosa, a Comissão decidiu proceder com o presente relatório sobre o mérito da
questão.

III POSIÇÕES DAS PARTES

A. Posição dos peticionários


29 Os peticionários alegam que, em 8 de agosto de 2002, os tribunais judiciais
uruguaios ordenaram a prisão preventiva de Jorge, José e Dante Peirano Basso, em conexão
com o colapso do Banco de Montevidéu, em meio à mais grave crise financeira que ocorreu
em a história do Uruguai. O Banco de Montevidéu era de propriedade da família Peirano, que
operava no setor bancário no Uruguai há mais de 100 anos. Os peticionários alegaram que os
direitos dos irmãos Peirano Basso haviam sido violados porque os três permaneceram sob
custódia por mais de quatro anos antes de serem formalmente acusados em 19 de outubro de
2006.

30 Eles argumentam que a crise econômica e financeira que ocorreu na Argentina


no final de 2001 levou o governo daquele país a ordenar o congelamento de depósitos
bancários conhecidos como "corralito". [3] . O congelamento de depósitos na Argentina levou a
uma corrida em larga escala aos bancos do vizinho Uruguai, onde aproximadamente 35% dos
depósitos bancários pertencem a não residentes, principalmente de nacionalidade
argentina. Todos os bancos foram afetados: primeiro o Banco da Galiza, seguido pelo Banco
Comercial, os bancos do Estado e finalmente o Banco de Montevidéu. Eles argumentam que,
quando o Banco Central do Uruguai interveio em abril de 2002, a administração do Banco de
Montevidéu interveio e separou suas autoridades de suas posições, deixando a instituição à
deriva. As ações promovidas pelo Banco Central contra os Srs. Peirano Basso foram seguidas
por ações movidas por depositantes que não puderam sacar a poupança.

31 Os peticionários assinalam que, em 17 de março de 2005, 15 dias depois da


sua posse, o Presidente da República, Dr. Tabaré Vázquez, em cumprimento de uma das
promessas da sua campanha eleitoral, anunciou publicamente que decidira transferir os
irmãos Peirano da Cadeia Central ao Complexo Penitenciário de Santiago Vázquez (COMCAR),
uma das piores prisões do Uruguai, cuja população de quase 3.000 presos excede sua
capacidade em mais de 300%. Eu os teria descrito como "delinquentes que ... cometeram
crimes que foram muito sérios para a sociedade e que envolveram muito sofrimento,
especialmente nos setores mais humildes". A defesa denunciou publicamente a interferência
do presidente como uma violação do princípio da separação de poderes.

32 Os peticionários afirmam que as palavras do Presidente foram seguidas por


outras - de tom ainda mais duro do Ministro do Interior e do Diretor Nacional das Prisões. Os
advogados da defesa dos irmãos Peirano pediram que a Suprema Corte do Uruguai
suspendesse a execução da ordem de transferência presidencial, alegando que era ilegal e
violava o princípio da separação de poderes, mas o pedido foi negado. No entanto, em 22 de
março de 2005, os irmãos Peirano foram transferidos não para a COMCAR, mas para o Anexo
de Segurança e Disciplina da Prisão Libertad (o único estabelecimento de segurança máxima
no Uruguai), localizado a 54 quilômetros de Montevidéu. Desde 16 de abril de 2005, os irmãos
Peirano foram mantidos em La Tablada, junto com outros 180 presos.

33 O argumento central dos peticionários é que os senhores Peirano Basso não


haviam sido indiciados, apesar de em 8 de agosto de 2006 terem completado quatro anos de
prisão preventiva, e que um período tão longo de prisão preventiva viola os padrões
internacionais. sobre os direitos humanos. Desde 8 de agosto de 2002, data em que os três
irmãos, José, Jorge e Dante Peirano Basso, foram condenados à prisão pela prática do delito
previsto no artigo 5 da lei 14.095 (de crimes econômicos), com relação a José, e pelo delito
previsto no art. 76 da Lei 2.230 (lei que data de 1893 e que regula a responsabilidade de
conselheiros e administradores de empresas no caso de operações fraudulentas) aos outros
dois e, com relação a três, pelo delito de associação para cometer um crime (imputação que
foi deixado de lado pelo Tribunal de Apelações), a defesa apresentou sete pedidos de
liberação, todos os quais foram negados.
34 Os pedidos de liberdade basearam-se, fundamentalmente, em argumentos que
podem ser resumidos a seguir: a) antes da acusação, a prisão preventiva foi excessiva em
relação à eventual previsão da punição por ter cumprido dois terços do máximo legal pelo
crime pelo qual foram acusados b) o "prazo razoável" como limite para a detenção durante o
processo é reconhecido em instrumentos internacionais reconhecidos pelo Uruguai, c) o
princípio da legalidade foi violado em relação à imputação inicialmente utilizada (artigo 76 da
lei 2.230) pela imprecisão das condutas descritas e a escala penal aplicável; d) os acusados
receberam tratamento discriminatório pela sanção da chamada lei do descongestionamento
que os exclui da possibilidade de recuperar a pena; liberdade devida, exclusivamente, à
qualificação legal do crime imputado, considerando que estas condições A lei foi publicamente
avançada pelo Ministro do Interior, e) foi degradada por ser exibida publicamente vestida de
macacão laranja, algemada e algemada, f) transferida para um complexo prisional de
segurança máxima de uma maneira injustificado, como sanção avançada, g) O artigo 17 da
Lei 17.726 não concede, ao contrário do que é interpretado pelos juízes intervenientes,
competência exclusiva ao Supremo Tribunal para determinar quando o prazo razoável foi
cumprido em prisão preventiva ou no processo, portanto, a Suprema Corte, quando foi
chamada a intervir, usou a liberação "release by grace", h) os atrasos injustificados no
processamento do caso respondem a uma conduta negligente do processo, i) a O Artigo 7 (5)
da Convenção não pode ser considerado uma norma programática e a natureza obrigatória do
direito internacional é desconhecida e j) o a carga para um mais pesado, depois de quatro
anos, embora não tenham construído qualquer nova evidência.

35 Os peticionários alegam que "[c] ontrary ao que o Estado uruguaio mantém, é


provado (...) que o processo foi conduzido com negligência clara e evidente por parte do juiz
do caso, em contravenção das regras de a legislação interna que estabelece prazos para o
processamento das diferentes etapas processuais, que foram grosseiramente não cumpridas. "

36 Em 28 de julho de 2006, os peticionários informaram à Comissão que o


Procurador, no caso dos gerentes do Banco, paralelo aos irmãos Peirano Basso, acusou
formalmente o segundo de "insolvência fraudulenta" e não de violação do artigo 76 da lei
2.230; a pena máxima prevista para esse crime é de dez anos de penitenciária. Os
peticionários temiam que o Promotor modificasse a acusação contra os Srs. Peirano Basso
àquela de "insolvência fraudulenta", que finalmente aconteceu na acusação formal de 19 de
outubro de 2006. Essa mudança na classificação, eles argumentam, se deve à necessidade de
justificar a prisão preventiva prolongada, uma vez que novas evidências não foram
incorporadas.

37 Eles sustentaram que a consequência da prorrogação indefinida da prisão


preventiva foi eliminar a presunção de inocência e, junto com as recentes pressões políticas,
prever uma declaração iminente de culpa. Os peticionários consideraram que há uma negação
de justiça e perseguição que mostra claramente que o Estado uruguaio não está em posição
de tornar efetivas as garantias de imparcialidade, devido processo legal e julgamento justo.

38 Afirmaram que o acusado havia se submetido voluntariamente ao processo e


que, portanto, não se presumia que tentassem evitar a justiça.

39 Em 19 de setembro de 2005, foi publicada a lei 17.897, também conhecida


como “Lei de Humanização e Modernização do Sistema Penitenciário” ou “Lei de
Descongestionamento do Sistema Penitenciário”. O governo anunciou um programa de
descongestionamento que favoreceu os detentos. eles estiveram na prisão por algum tempo,
o que poderia ter favorecido o acusado se a ofensa pela qual eles foram processados não
tivesse sido expressamente excluída dos benefícios da lei, o que coincidiria com as expressões
do Ministro do Interior antes da sanção da lei. A lei no sentido de que não favoreceria os
senhores Peirano Basso Nesse sentido, os peticionários afirmam que, na época da
promulgação da lei, as únicas pessoas que permaneciam na prisão acusadas desses crimes
eram os irmãos Peirano Basso e gerente que estava sendo julgado por acusações
semelhantes[4] .

40 Os peticionários alegam que foram discriminados pelo Poder Legislativo,


através da sanção da "Lei de Humanização do Sistema Penitenciário" que, entre as exceções a
este regime de liberdade, inclui o crime pelo qual são acusados os irmãos Peirano Basso. ,
como pelo Poder Judiciário que liberou dois co-réus (Srs. San Cristóbal e Ratti) no mesmo
caso e o Gerente Geral, Marcelo Guadalupe, que foi solto sob fiança no final de 2005 em um
caso paralelo.

41 Segundo os peticionários, a legislação processual do Uruguai prevê um sistema


inquisitivo e escrito em que o juiz investigador também emite a sentença e, portanto, é o juiz
de seus próprios atos. É ele quem afirma as suposições feitas e coleta evidências para apoiar
suas afirmações. Ao contrário da vasta maioria das leis processuais modernas, o código não
estabelece sistemas de controle que forneçam garantias; não há procedimento de habeas
corpus , e as leis não foram harmonizadas com as diretrizes contidas em tratados
internacionais, como a Convenção Americana, que o Uruguai incorporou à sua legislação
interna sem reservas, pelo menos nesses aspectos.

42 Consideram que a prisão dos senhores Peirano Basso só persegue três coisas:
impor uma punição àqueles que são julgados independentemente do custo que a violação do
ordenamento jurídico interno possa ter e violar os tratados internacionais, dando uma
mensagem errada aos setores econômicos através do o medo de ser submetido ao mesmo
tipo de processo e de esconder o verdadeiro motivo da crise financeira do Uruguai, cuja
origem está na divisão histórica e consensual de poder e riqueza entre os partidos tradicionais
daquele país.

B. Posição do Estado

43 O Estado descreveu os senhores Peirano Basso como "os responsáveis por


violações criminais que levaram à sua acusação e detenção pela justiça independente do Estado
uruguaio". Alega que os nomeados foram "os braços executores do maior esquema bancário
registrado no Uruguai, na qualidade de representantes, diretores, gerentes e administradores de
empresas de intermediação financeira".

44 Afirma que os irmãos Peirano Basso são responsáveis por infracções penais que
levaram à sua acusação e prisão. Eles são mantidos em um estabelecimento carcerário
reconhecido e o Estado indica que os privilégios concedidos pelo governo anterior, sob o qual
eles foram mantidos em condições especiais na Sede da Polícia de Montevidéu, foram
revogados, como foi apropriado. A publicidade é inerente a esses casos, diz ele.

45 Considera que o processo penal, iniciado em 2002, tem sido extremamente


complexo, devido à sua magnitude e às características dos crimes investigados.

46 O Estado detalha as evidências incluídas no arquivo a partir de 2004, o que


suporta a complexidade do caso e ilustra a atitude da defesa durante o processo. Em 28 de
abril de 2004, o Ministério Público solicitou uma extensão das provas. Daquela data até a
acusação em 18 de outubro de 2006, foram tomadas as seguintes medidas: em 2004, dois
processos foram solicitados para serem acrescentados a outros tribunais; em 2005, dois
relatórios foram solicitados ao Banco Central do Uruguai sobre ações irregulares do Banco de
Montevidéu; e em 2006, a defesa interpôs recurso de nulidade de uma prova pericial na qual
interveio o Tribunal de Recurso, uma carta oficial foi recebida com declarações de Juan
Peirano Basso em Nova York perante as autoridades do Banco de Comércio e Comércio (Ilhas
Cayman) ea agregação de um arquivo.
47 Apresentou as razões pelas quais, em sua opinião, justificam o fato de que os
senhores Peirano Basso permanecem em prisão preventiva: a) com relação à presunção de
que cometeram o crime, "não há elemento que inviabilize a presunção acima", b) o perigo de
fuga dos três arguidos está relacionado com a situação de um quarto irmão que era fugitivo,
c) considera-se que, devido às suas ligações noutros países, o risco de reincidência é elevado
devido ao facto de a sua situação económica deteriorou-se, d) a complexidade das medidas de
teste é alegada e d) preservação da ordem pública devido à ameaça que a liberação do
acusado poderia causar.

48 O Estado explica que, durante o processo penal, a defesa exerceu seu direito
de apresentar os respectivos escritos e recursos. Ele argumenta que as práticas de
retardamento da defesa contribuíram para o atraso do processo. Apesar do fato de a
promotoria ter renunciado a certas medidas probatórias, a ação de defesa atrasou a conclusão
do estágio pré-marcial. De acordo com a opinião do Ministério Público e da Procuradoria Geral
da República, o comportamento processual dos advogados da outra parte é um fator chave
para entender por que a acusação foi adiada no caso.

49 A acusação ocorreu em 19 de outubro de 2006, depois que o expediente


poderia ser enviado ao Ministério Público, após o processamento de um pedido de anulação
pela defesa. Quanto à qualificação jurídica utilizada, sustenta que, desde o início do processo,
o Ministério Público indicou a possibilidade de formular a denúncia pelo delito previsto no
artigo 5º da lei 14.095 e que a complexidade do assunto determinou que esta classificação
fosse finalizada. com posterioridade.

50 Explica que a liberação e as medidas alternativas da sentença custodial só se


aplicam a casos em que não se prevê a punição penitenciária.

51 Ele sustenta que sua posição corresponde exatamente à assumida pela


Comissão no Relatório Nº 17/89, Caso 10.037 ( Firmenich vs. Argentina ), em que se afirma
que as partes da Convenção não são obrigadas a estabelecer um determinado prazo como
critério de ponderação razoabilidade do período de detenção preventiva, independentemente
das circunstâncias do caso.

52 Segundo o Estado, a jurisprudência da Comissão é clara no sentido de


estabelecer que a determinação de que prazo é razoável para uma pessoa permanecer em
prisão preventiva é de responsabilidade do juiz do caso. O juiz deve analisar todos os
elementos relevantes para determinar se existe uma necessidade real de manter a prisão
preventiva e deve declará-lo claramente nas sentenças proferidas em resposta a pedidos de
liberação provisória do acusado. A eficácia das garantias judiciais deve ser maior quanto maior
for a prisão preventiva.

53 Ele conclui afirmando que agiu com diligência e que a prioridade foi dada ao
caso, e que ele entende a importância de estabelecer prazos razoáveis para os processos
criminais. Reitera que este caso foi o mais ressonante e complexo na história judicial uruguaia,
uma vez que se refere a fraudes cometidas por diretores de empresas que causaram danos
irreversíveis ao mercado financeiro e à economia do Uruguai. As características e a
complexidade do crime e os múltiplos inconvenientes que ele acarretou tornaram necessário
um período de tempo particularmente longo para o processamento do assunto, no qual a
principal prioridade é proteger os direitos das vítimas e dos acusados, que, portanto, , justifica
a permanência na prisão do acusado.

IV. FATOS COMPROVADOS

54 Os senhores José, Dante e Jorge Peirano Basso foram denunciados em 8 de


agosto de 2002, como autores dos crimes previstos nos artigos 5 da Lei 14.095. [5] , o
primeiro, e o artigo 26 da lei 2.230 [6] , os outros dois, e todos, por sua vez, como autores do
crime de associação para cometer um crime [7] . Na mesma resolução, sua prisão foi
ordenada " atenta à gravidade dos crimes praticados " . Desde esse ato processual, eles
foram privados de sua liberdade ininterruptamente. Posteriormente, o Tribunal de Apelações
revogou parcialmente essa sentença e descartou a alegação referente à associação de
cometer um crime.

55 A defesa solicitou a liberdade dos senhores Peirano Basso em sete ocasiões,


todas elas rejeitadas .

56 O Supremo Tribunal, no acto de visitar prisões em Outubro de 2004, rejeitou


um primeiro pedido de liberdade dos três senhores do Peirano Basso .

57 Em 25 de fevereiro de 2005, a defesa solicitou a libertação dos presos,


novamente perante o Supremo Tribunal que, em 30 de março daquele ano, não abriu espaço
para as libertações provisórias " por graça " com base na " gravidade ontológica ". dos crimes
imputados e sua "repercussão social".

58 Em 16 de agosto de 2005, em resposta a um pedido datado de 8 de agosto, o


juiz responsável pela investigação rejeitou a liberação provisória em razão de " a entidade do
evento incriminatório " e " o cumprimento preventivo insuficiente " . Esta resolução foi
confirmada pela Corte de Apelações que, em 10 de março de 2006, declarou: a) que o artigo
27 da Constituição da República somente permite a liberdade provisória quando, nas
circunstâncias do caso, admitir prever uma individualização de a penalidade que não é de
penitenciária, b) a especial complexidade da causa justificou a demora no processo, c) que a
penalidade que prima facie teria de cair seria de cinco anos, o máximo legal para o crime
imputado nessa etapa do processo d) admitiu que dois terços da sentença máxima, que o
acusado permaneceu detido até a data da decisão, eram sem dúvida extensos, mas que a
gravidade dos fatos se vangloriava da imposição de uma pena próxima do máximo legal, e)
que o Artigo 7 (5) da Convenção é uma norma programática e que é estranho para a função
judicial a determinação do termo razoável, f) a " gravidade incomum " da os fatos merecem
uma pena " severa " que não admite a liberdade durante o processo, e g) a consideração da
razoabilidade da prorrogação da prisão preventiva corresponde ao Supremo Tribunal Federal
(artigo 17 da Lei 17.726) .

59 Em 6 de dezembro de 2005, no âmbito de um ato de visitar prisões, o Supremo


Tribunal Federal rejeitou um novo pedido de liberdade .

60 Em 26 de abril de 2006, um pedido de liberdade " pela graça " foi


apresentadoao Supremo Tribunal, que foi rejeitado em 12 de maio, após a única invocação do
artigo 17 da Lei 17.726. [8] .

61 Em 23 de agosto de 2006, a defesa solicitou novamente a soltura dos senhores


Peirano Basso. Em 30 de agosto, o juiz na época responsável pela investigação foi declarado
incompetente para entender a " extensão excessiva do processo ", apesar de ter rejeitado a
solicitação para considerar que a questão não poderia ser resolvida com base na lei
estabelecida. nos artigos 27 da Constituição [9] e 138 do Código de Processo Penal [10] .

62 Em 24 de novembro de 2006, diante de um pedido de defesa de 20 de


novembro, o Supremo Tribunal Federal rejeitou, novamente, a liberação " pela graça " (artigo
17 da Lei 17.726), sem qualquer fundamento .
63 Em 19 de outubro de 2006, o promotor acusou os senhores José, Dante e Jorge
Peirano Basso de serem os autores do crime de insolvência empresarial fraudulento (artigo 5
da lei 14.095) e pediu que ele fosse sentenciado a nove anos de prisão, os dois primeiros. e
seis anos de penitenciária, a última, por sua intervenção no esvaziamento do Banco de
Montevidéu, por meio de múltiplas transferências de dinheiro operadas daquele Banco para o
Banco de Comércio e Comércio (TCB), ambas de propriedade do Sr. Peirano Basso, e outras
empresas do Grupo, também detidas por elas, bem como outros acionistas do Grupo.

64 A família Peirano era proprietária de um grupo econômico composto por


entidades financeiras e outras empresas, que operavam no Uruguai e também em outros
países como Argentina, Brasil, Chile, Equador, Paraguai, Peru e Ilhas Cayman .

65 Os eventos incriminados ocorreram no contexto da crise econômica em que a


Argentina esteve envolvida, no final de 2001, o que levou à implementação do
chamado "corralito ". [11] isso gerou que os depositantes argentinos tentassem recuperar suas
poupanças do sistema financeiro daquele país, afetando, assim, as instituições financeiras
uruguaias cujos depósitos eram compostos em grande parte por recursos provenientes da
Argentina. Por sua vez, essa atitude de poupadores estrangeiros teria causado desconfiança
no sistema financeiro uruguaio por parte dos moradores locais, o que teria levado à crise
financeira sofrida pelo Uruguai no início de 2002 .

66 Uma seção do processo contra o acusado ocorreu em um contexto político


eleitoral, no qual o atual Presidente Tabaré Vázquez teria feito a promessa eleitoral de
transferir Peirano para o complexo prisional de Santiago Vázquez, em meio a declarações
sobre sua culpa. Por sua vez, o Ministro do Interior e o Diretor Nacional de Prisões teriam feito
declarações de igual teor. Em 22 de março de 2005, os acusados não foram transferidos para
aquele estabelecimento, mas para o Anexo de Segurança e Disciplina da Prisão Libertad, um
estabelecimento de segurança máxima .

67 Em 13 de dezembro de 2006, as partidas temporárias foram concedidas, por


48 horas, para os dias 24 e 25 de dezembro e 31 de dezembro de 2006 e 1º de janeiro de
2007, e um regime de partidas semanais de 48 horas foi estabelecido. , doravante, sob uma
declaração juramentada, baseada na boa conduta dos detidos, sua falta de precedentes e
que" a saída temporária do centro de detenção não põe em risco o desenvolvimento do
processo, atendendo ao estágio em que está localizado. nem à sociedade, já que não é
possível pensar que os três acusados cometerão uma nova ofensa enquanto estiverem fora do
estabelecimento prisional ” (art. 4º da Lei 16.928). [12] ).

V. CONSIDERAÇÕES GERAIS

68 O artigo 7 da Convenção Americana, no ponto 5, diz:

Qualquer pessoa detida ou detida deve ser levada imediatamente perante um


juiz ou outro funcionário autorizado por lei a exercer funções judiciais e terá o
direito de ser julgada dentro de um prazo razoável ou de ser libertada, sem
prejuízo da continuação do processo. . Sua liberdade pode estar condicionada a
garantias que garantam sua aparência no julgamento. [13]

Por sua vez, o artigo 8.º, n.º 2, estabelece:

Toda pessoa acusada de um crime tem o direito de ser presumida inocente até
que sua culpa tenha sido legalmente estabelecida ...
69 Sob o princípio da inocência, no âmbito do processo penal, o acusado deve
permanecer em liberdade, como regra geral .

70 Não obstante o acima exposto, aceita-se que o Estado, apenas como uma
exceção e sob certas condições, seja autorizado a deter temporariamente uma pessoa durante
um processo judicial inacabado, com a atenção de que a duração excessiva da prisão
preventiva cria o risco de reverter o sentido da presunção de inocência, convertendo a medida
cautelar em uma pena antecipada real [14] .

71 Neste sentido, a Comissão afirmou que, ao estabelecer as razões legítimas que


poderiam justificar a prisão preventiva, " em todos os casos, os princípios universais de
presunção de inocência e respeito à liberdade individual devem ser levados em
consideração". [15] .

72 Como uma derivação do princípio da inocência, um limite de


tempo " razoável "é imposto à prisão preventiva, pelo qual cada pessoa deve ser tratada
como inocente até que uma condenação definitiva estabeleça o contrário .

73 Aqui existe um conflito entre a garantia de não ser privado de liberdade


pessoal até a emissão de uma sentença que imponha uma pena baseada na culpa pelo ato
cometido e os deveres do Estado em respeitar esses direitos e que o processo não é frustrado
em sua execução pelo fracasso do acusado ou na obtenção da evidência .

74 A Corte Interamericana, no caso "Velásquez Rodríguez", manteve:

... não importa quão sérios possam ser certos atos e quem possam ser os
autores de certos crimes, não se pode admitir que o poder possa ser exercido
sem qualquer limite ou que o Estado possa usar qualquer procedimento para
alcançar seus objetivos, sem estar sujeito à lei. direito ou moral Nenhuma
atividade do Estado pode basear-se no desprezo da dignidade humana [16] .

75 Como qualquer limitação aos direitos humanos, isso deve ser interpretado
restritivamente em virtude do princípio pro homine , pelo qual, em termos de reconhecimento
de direitos, deve-se estar à mais ampla norma e à mais ampla interpretação e, inversamente,
à norma e interpretação mais restrita em termos de limitação de direitos. Isto também é
necessário para evitar que a exceção se torne uma regra, porque esta restrição de natureza
cautelar aplica-se a uma pessoa que goza de um estado de inocência até que um julgamento
final a destrua. Daí a necessidade de que as restrições de direitos individuais impostas durante
o processo, e antes do julgamento final, sejam de interpretação e aplicação restritivas, com o
cuidado de que a garantia mencionada não seja distorcida .

76 Por essa razão, é necessário priorizar os processos judiciais em que os


acusados são privados de sua liberdade, a fim de reduzir, ao mínimo, a necessidade de adotar
medidas restritivas dos direitos. [17] . Caso contrário, corre-se o risco de o juiz tender a
condenar-se e aplicar uma pena pelo menos equivalente ao tempo da prisão preventiva, na
tentativa de legitimá-la.

77 Como orçamento para ordenar a privação da liberdade de uma pessoa no


âmbito de um processo penal, deve haver provas sérias que vinculem o acusado ao fato sob
investigação. Isso constitui uma exigência inevitável ao impor qualquer medida cautelar, uma
vez que essa única circunstância, a evidência que vincula a pessoa ao fato, é o que distingue o
acusado - independente - contra o qual a medida está disponível, de outras pessoas , contra
quem nenhuma medida de coerção é estabelecida - igualmente inocente.
78 Este orçamento é expressamente reconhecido na Convenção
Europeia [18]prevendo que uma pessoa pode ser privada de liberdade quando há sinais
racionais, isto é, evidência que teria satisfeito um observador objetivo de que ela cometeu um
crime (artigo 5.1.c) [19] .

79 Neste sentido, o Tribunal Europeu considerou que, embora a suspeita razoável


de que a pessoa detida tenha cometido um crime é uma condição sine qua non , após um
certo período de tempo já não é suficiente [20] .

80 Uma vez que esta relação entre o fato investigado e o acusado, presente em
qualquer medida coercitiva, é estabelecida, é necessário estabelecer os fundamentos sobre os
quais a privação de liberdade pode ser ordenada durante o processo penal.

81 A Convenção estabelece, como única base legítima para a prisão preventiva, os


perigos do acusado que tenta escapar da justiça ou de tentar impedir a investigação judicial,
no Artigo 7 (5): " Qualquer pessoa detida ou detida ... terá direito de ser julgado dentro de
um período de tempo razoável ou para ser liberado, sua liberdade pode estar condicionada a
garantias que garantam sua participação no julgamento . " Por meio da imposição da medida
cautelar, pretende-se alcançar a efetiva realização do julgamento através da neutralização dos
perigos procedimentais que atentam contra esse fim.

82 A esse respeito, a Corte Interamericana estabeleceu:

O Artigo 7.3 da Convenção dá origem à obrigação do Estado de não restringir a


liberdade do detento além dos limites estritamente necessários para assegurar
que o detento não impeça a condução eficiente das investigações ou evite a
ação da justiça. [21]

83 Por seu turno, o Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos [22]
, em
seu artigo 9.3, prevê :

Qualquer pessoa detida ou detida por causa de um crime ... terá o direito de ser
julgada dentro de um prazo razoável ou de ser libertada. A detenção preventiva
de pessoas a serem julgadas não deve ser a regra geral, mas sua liberdade
pode estar sujeita a garantias que assegurem a aparência do acusado no
julgamento, ou a qualquer momento durante o processo e, em sua caso, para a
execução da decisão.

84 Como já foi dito, essa limitação do direito à liberdade pessoal, como qualquer
restrição, deve sempre ser interpretada em favor da validade do direito, em virtude
do princípio pró-homine . Portanto, todos os outros esforços para apoiar a prisão durante o
julgamento devem ser descartados, com base, por exemplo, em fins preventivos, como o
perigo do acusado, a possibilidade de cometer crimes no futuro ou a repercussão social do
ato, não apenas para o princípio enunciado, mas também porque se baseiam em critérios de
direito penal, material, não processual, próprios da resposta punitiva. São critérios baseados
na avaliação do evento passado, que não respondem ao propósito de qualquer medida
cautelar por meio da qual sejam feitas tentativas de prever ou evitar fatos que,
exclusivamente, envolvam questões processuais do objeto da investigação e sejam violados, ,
o princípio da inocência. Este princípio impede a aplicação de uma consequência sancionatória
a pessoas que ainda não tenham sido condenadas no contexto de uma investigação criminal.

85 Por sua vez, o risco processual de fuga ou frustração da investigação deve


basear-se em circunstâncias objetivas. A mera alegação sem consideração do caso específico
não satisfaz esta exigência. Portanto, as leis só podem estabelecer presunções iuris
tantumsobre este perigo, com base em circunstâncias factuais que, se provadas no caso
específico, podem ser levadas em consideração pelo juiz para determinar se as condições de
exceção existem no caso. que permitem basear a prisão preventiva. Caso contrário, o perigo
processual como base da prisão preventiva perderia seu significado. No entanto, nada impede
que o Estado imponha condições limitativas à decisão de manter a privação de liberdade .

86 Em apoio a essas considerações, a Corte Européia decidiu que as autoridades


judiciais, em virtude do princípio da inocência, devem examinar todos os fatos a favor ou
contra a existência de perigos processuais e resolvê-los em suas decisões sobre os pedidos de
proteção. liberdade [23] .

87 Além disso, a Corte Interamericana também estabeleceu que os tribunais


nacionais devem avaliar todos os argumentos em tempo hábil, a fim de determinar se as
condições que justificam a prisão preventiva foram mantidas. [24]

88 A obrigação de verificar o perigo foi reconhecida pela Comissão noutra ocasião,


quando afirma :

a prisão preventiva é uma medida excepcional e só se aplica nos casos em que


haja uma suspeita razoável de que o acusado possa escapar à justiça, obstruir a
investigação preliminar intimidando testemunhas ou destruir provas. [25]

89 A " gravidade da ofensa como a gravidade da penalidade " pode ser levada em
consideração ao analisar o risco de evasão, mas com o aviso definido no Relatório No. 12/96:

seu uso para justificar a prisão prolongada antes da sentença tem o efeito de
distorcer o objetivo da medida cautelar, praticamente convertendo-a em um
substituto para sentenças de custódia. [26]

E, "outros, a expectativa de uma punição severa, após um período prolongado de


detenção, é um critério insuficiente para avaliar o risco de evasão do detido. O
efeito da ameaça de que o prisioneiro representa a sentença futura diminui se a
detenção continuar, aumentando a convicção de que o primeiro já tenha cumprido
uma parte da sentença. " [27]

90 Por sua vez, a Corte foi mais categórica ao enfatizar " a necessidade,
consagrada na Convenção Americana, de que a detenção preventiva seja justificada no caso
específico, através de uma ponderação dos elementos que a compõem, e em nenhum caso, a
aplicação de tal medida cautelar é determinada pelo tipo de crime que é imputado ao
indivíduo . " [28]

91 Ao fazer a previsão de penalidade para avaliar o perigo do procedimento, o


mínimo da escala penal ou o tipo de penalidade mais leve fornecida deve sempre ser
considerado. Caso contrário, o princípio da inocência seria violado porque, como a medida
cautelar está disponível com o único objetivo de assegurar o processo, não pode referir-se a
uma penalidade específica que envolva considerações que tornem a atribuição do fato ao
acusado. Além disso, nos casos em que é feita uma tentativa de fazer uma previsão de
penalidade específica, a imparcialidade do juiz e o direito de defesa em juízo são violados. A
consideração de circunstâncias particulares, como a concordância de crimes ou a aplicação de
regras que impedem a eventual condenação, não é um cumprimento efetivo, pode ser
ponderado nesse contexto e de acordo com o objetivo processual adotado, o que é
incompatível com seu uso como diretrizes absoluto e definitivo. Eles admitem ser valorizados
para especificar a resposta punitiva mínima que, eventualmente, será dada no caso.

92 Até agora, a análise do orçamento e os fundamentos da prisão preventiva. Eles


ainda precisam considerar aqueles que constituem princípios limitadores de prisão preventiva
quando se trata de resolver um caso específico.

93 O princípio orientador para estabelecer a legalidade da prisão preventiva é o


de" excepcionalidade " , em virtude do qual se pretende impedir que a prisão preventiva se
torne a regra e, assim, distorça seu propósito.

94 A este respeito, a Comissão afirmou, no relatório nº 12/96 :

... [s] e é uma medida que é necessariamente excepcional, tendo em vista o


direito proeminente à liberdade pessoal e o risco de prisão preventiva em termos
do direito à presunção de inocência e as garantias do devido processo legal,
incluindo direito de defesa. [29]

95 Por seu turno, o Tribunal, no caso " López Álvarez vs Honduras " [30] , ele
enfatizou:

A prisão preventiva é limitada pelos princípios de legalidade, presunção de


inocência, necessidade e proporcionalidade, indispensáveis em uma sociedade
democrática. É a medida mais severa que pode ser imposta ao acusado e,
portanto, deve ser aplicada excepcionalmente. A regra deve ser a liberdade do
acusado enquanto é resolvida sobre sua responsabilidade criminal. [31]

96 Sobre esta questão, a Comissão não pode ignorar a importância dos


instrumentos internacionais existentes como fonte de interpretação da Convenção .

97 Nesse sentido, o caráter excepcional da detenção processual está


expressamente estabelecido no Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, em seu artigo
9.3, que dispõe :

... A prisão preventiva de pessoas que devem ser julgadas não deve ser a regra
geral ...

98 Por sua vez, o princípio 39 do Conjunto de Princípios para a Proteção de todas


as pessoas submetidas a qualquer forma de detenção ou prisão, estabelece :

Exceto em casos especiais indicados por lei, qualquer pessoa presa por ofensa
criminal terá o direito, a menos que um juiz ou outra autoridade decida de outro
modo no interesse da administração da justiça, à liberação pendente de
condições que são impostas de acordo com a lei. Essa autoridade manterá a
necessidade de detenção sob revisão. [32]

99 Este princípio também está refletido na cláusula 6.1 das Regras Mínimas das
Nações Unidas sobre Medidas Não Custodiais (as Regras de Tóquio):

No processo penal, apenas a prisão preventiva será usada como último recurso
...

100 As medidas cautelares são estabelecidas desde que sejam indispensáveis


para os objetivos propostos. A prisão preventiva não é uma exceção a essa regra. Como
conseqüência do princípio da excepcionalidade, a prisão preventiva somente será usada
quando for o único meio de assegurar os fins do processo, porque pode ser demonstrado que
medidas menos prejudiciais não seriam bem-sucedidas para esses propósitos. Portanto, você
deve sempre tentar substituí-lo por um menos sério quando as circunstâncias o permitirem.

101 No caso " Suárez Rosero " , o Tribunal declarou :

... Das disposições do artigo 8.2 da Convenção deriva a obrigação do Estado de


não restringir a liberdade do detento além dos limites estritamente necessários
para assegurar que ele não impeça a condução eficiente das investigações e que
não evite a ação da justiça. porque a prisão preventiva é uma medida de
precaução, não punitiva. Este conceito é expresso em múltiplos instrumentos do
Direito Internacional dos Direitos Humanos e, entre outros, no Pacto
Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, que estabelece que a detenção
preventiva de pessoas a serem julgadas não deve ser a regra geral ( Artigo 9.3)
... [33] .

102 Nesse sentido, o indivíduo à disposição do qual ele é detido tem a obrigação
de prover sua liberdade, mesmo ex officio, quando as razões que originalmente o apoiaram
cessaram. Caso contrário, seria legitimação de uma privação de liberdade que é infundada .

103 Sobre esta questão, as Regras Mínimas das Nações Unidas sobre Medidas
não privativas de liberdade (as Regras de Tóquio) estabelecem :

2.3 ... o sistema de justiça criminal estabelecerá uma ampla gama de medidas
não-custodiais, desde a fase de pré-julgamento até a fase de pós-sentença. O
número e o tipo de medidas não-custodiais disponíveis devem ser determinados
de tal maneira que as punições possam ser consistentemente estabelecidas.

E "6.2 As medidas substitutivas de prisão preventiva serão aplicadas o quanto


antes ...".

104 Portanto, o juiz deve revisar, periodicamente, se os fundamentos que


originalmente fundaram a prisão preventiva ainda existem. Em tal exposição, as
circunstâncias concretas do caso devem ser expressas de modo que, presumivelmente,
persista o perigo de fuga ou as medidas probatórias que continuam a ser cumpridas e sua
impossibilidade de produzi-las com o réu em liberdade persistir. Este dever baseia-se na
necessidade de o Estado renovar seu interesse em manter a prisão preventiva com base nos
fundamentos atuais .

105 Outra condição da natureza preventiva da prisão preventiva é que ela seja
chamada a decidir somente durante o período estritamente necessário para garantir o
propósito processual proposto (provisionalidade).

106 A disposição 6.2 das Regras Mínimas das Nações Unidas sobre Medidas não
privativas de liberdade (as Regras de Tóquio) declara :

A prisão preventiva não durará mais do que o necessário para a realização dos
objetivos indicados na regra 6.1 [investigação do suposto crime e a proteção da
sociedade e da vítima] ....

107 Daí surge a obrigação de fornecer métodos alternativos de custódia à


privação de liberdade para assegurar a aparência do acusado e a obrigação, também, de
substituí-los conforme as circunstâncias do caso assim o exijam.

108 O princípio da provisoriedade impõe a necessidade de controlar que todos


os orçamentos de detenção preventiva ainda existam. Uma vez que suas fundações tenham
desaparecido, a prisão deve cessar.

109 Outro dos princípios restritivos da prisão preventiva refere-se à


proporcionalidade, em virtude da qual uma pessoa considerada inocente não deve receber
tratamento pior do que uma pessoa condenada ou ser tratada de forma igual. A medida
cautelar não deve ser igual à pena, em quantidade ou qualidade (artigo 5 (4) e 6 da
Convenção Americana). A proporcionalidade refere-se precisamente a isso: é uma equação
entre o princípio da inocência e o fim da medida cautelar. Não é uma equivalência. A igualdade
estabelecida entre a prisão preventiva e a sentença não deve ser confundida para computar os
termos da detenção, com a correspondência de sua natureza.

110 Nesse sentido, não se pode recorrer à detenção prudencial quando a


punição prevista para a ofensa não é de privação de liberdade. Nem quando as circunstâncias
do caso permitem, abstratamente, suspender a execução de uma possível sentença. Também
deve ser considerado, em abstrato, se, se houvesse uma condenação, os termos teriam
permitido a liberação provisória ou antecipada.

111 Para estes fins, como uma derivação do princípio da inocência, corresponde
a consideração " no resumo " da penalidade prevista para o crime imputado e a estimativa,
sempre, da imposição do " mínimo " legal do menor tipo de punição. Porque qualquer
previsão de punição que ocorra em um estágio anterior à avaliação de prova e sentença e que
exceda esse mínimo, violaria o direito de defesa em juízo e a garantia de juiz imparcial.

112 Além disso, existem requisitos que tornam o procedimento, como a


legalidade, a judicialidade e o recurso .

113 O artigo 7 (2) da Convenção estabelece:

Ninguém pode ser privado de sua liberdade física, exceto pelas causas e nas
condições estabelecidas previamente pelas Constituições Políticas dos Estados
Partes ou pelas leis promulgadas de acordo com as mesmas.

114 Sobre esta questão, a Corte, no caso " Suárez Rosero " , decidiu que
ninguém pode ser privado da liberdade pessoal ", mas pelas causas, casos ou circunstâncias
expressamente definidas na lei (aspecto material), mas também com adesão estrita aos
procedimentos objetivamente definidos por ela (aspecto formal) (Caso Gangaram Panday,
Sentença de 21 de janeiro de 1994. Série C No. 16, parágrafo 47) " . [34]

115 A Convenção, no artigo 7 (5), estabelece que, após uma pessoa ser detida,
um juiz " ou outro funcionário autorizado por lei a exercer funções judiciais deve receber
intervenção " .

116 Daí surge a necessidade da intervenção de um oficial de justiça para


exercer o controle sobre as razões que motivaram a prisão ou aquelas que justificam a prisão
preventiva.

117 Isso porque o julgamento sobre o perigo processual só pode ser de


responsabilidade do juiz do caso porque, como se observou, é o único capaz de estabelecer
se, no caso específico, as condições analisadas são cumpridas para negar liberdade para o
acusado. Além disso, cabe às autoridades judiciais garantir os direitos que o exercício dos
demais poderes do Estado ou dos indivíduos viola.

118 O controle judicial não se refere exclusivamente às circunstâncias da


detenção, mas também à continuidade da privação da liberdade - decisão, cessação ou
continuidade da prisão preventiva -, uma vez que é responsabilidade do juiz " garantir os
direitos do detido, autorizar a adoção de medidas cautelares ou coerção, quando estritamente
necessárias, e buscar, em geral, tratar o acusado de maneira compatível com a presunção de
inocência. " [35] [36]

119 Nesta área, a garantia da imparcialidade do juiz e o direito de ser ouvido


como orçamentos do devido processo são regidos [Artigo 8 (1)].

120 Da mesma forma, a Convenção estabelece que as leis internas devem


prever recursos judiciais que protejam " contra atos que violem os direitos fundamentais
reconhecidos pela Constituição, pela lei ou pela presente Convenção, mesmo quando tal
violação for cometida por pessoas que agem no exercício de suas funções". suas funções
oficiais " (artigo 25).

121 Por sua vez, a cláusula 6.3 das Regras Mínimas das Nações Unidas sobre
Medidas Não Custodiais (as Regras de Tóquio) declara:

O delinquente tem o direito de recorrer para uma autoridade judicial ou outra


autoridade independente e competente nos casos em que seja imposta
detenção preventiva.

122 Uma vez justificada a prisão preventiva, será possível analisar se a duração
é razoável.

123 Neste ponto, a Convenção, no artigo 7.º, n.º 5, dispõe:

Qualquer pessoa detida ou detida ... terá o direito de ser julgada dentro de um
prazo razoável ou de ser libertada, sem prejuízo da continuação do processo ...

124 O princípio da proporcionalidade impõe, além de estabelecer uma relação


racional entre a medida cautelar e o fim prosseguido, determinar um limite excedido, cuja
consequência inevitável será substituí-la por uma menos prejudicial ou, directamente, pela
liberdade do arguido.

125 A este respeito, a Comissão afirmou, no relatório nº 12/96, o seguinte:

... O artigo 7, que começa com a afirmação de que todos têm direito à liberdade e
à segurança pessoal, especifica as situações e condições sob as quais o princípio
pode ser revogado. É à luz dessa presunção de liberdade que os tribunais
nacionais e subseqüentemente os órgãos da Convenção devem determinar se a
prisão de um réu antes do julgamento final excedeu, em algum momento, o limite
razoável.

A lógica por trás desta garantia é que nenhuma pessoa pode estar sujeita a
punição sem um julgamento anterior, que inclui acusações de depósito, a
oportunidade de se defender e da sentença. Todas essas etapas devem ser
concluídas dentro de um prazo razoável. Este limite de tempo destina-se a
proteger o arguido em termos do seu direito básico à liberdade pessoal, bem como
a sua segurança pessoal contra a possibilidade de ele poder ser objeto de um risco
processual injustificado.

... O artigo 8.2 da Convenção estabelece o direito de presumir a inocência de todo


acusado:

Toda pessoa acusada de um crime tem o direito de ser considerada inocente até
que sua culpa tenha sido legalmente estabelecida.

Além disso, existe um risco acrescido de inverter a sensação de presunção de


inocência quando a detenção preventiva é de duração não razoável. A presunção
de inocência torna-se cada vez mais vazia e, finalmente, torna-se um escárnio
quando a prisão preventiva é excessivamente prolongada, dado que, apesar da
presunção, uma pessoa ainda inocente está sendo privada de liberdade, punição
severa que legitimamente é imposto àqueles que foram condenados.

Outra conseqüência séria de uma prisão preventiva prolongada é que ela pode
afetar o direito de defesa garantido pelo Artigo 8.2.f da Convenção, porque, em
alguns casos, aumenta a dificuldade do acusado de organizar sua defesa. À
medida que o tempo passa, os limites de riscos aceitáveis que são calculados na
capacidade do acusado de apresentar evidências e contra-argumentos
aumentam. A possibilidade de convocar testemunhas também diminui e esses
contra-argumentos são enfraquecidos. [37]

126 Tanto o artigo 7 (5) quanto o artigo 8 (1) da Convenção Americana buscam o
propósito de que os encargos que o processo penal acarreta para o indivíduo não continuem
continuamente ao longo do tempo e causem danos permanentes .

127 A este respeito, no relatório supracitado, a Comissão afirmou :

Embora sejam inspirados pelo mesmo princípio, ambas as disposições não são
idênticas em suas referências ao que constitui um termo razoável. Um atraso que
constitua uma violação do disposto no artigo 7.5 pode ser justificado de acordo
com o artigo 8.1. A especificidade do Artigo 7.5 está no fato de que um indivíduo
acusado e detido tem o direito de ter seu caso resolvido com prioridade e
conduzido com diligência. A possibilidade de que o Estado tenha que aplicar
medidas coercitivas, como a prisão preventiva, é uma das razões decisivas que
justificam o tratamento prioritário que deve ser dado aos procedimentos que
privam os réus de sua liberdade. O conceito de tempo razoável contemplado no
artigo 7 e no artigo 8 difere na medida em que o artigo 7 permite que um
indivíduo seja liberado sem prejuízo de continuar o processo. O tempo
estabelecido para a detenção é necessariamente muito menor do que o de todo o
julgamento.

O tempo razoável para a duração do processo, de acordo com o artigo 8, deve ser
medido em relação a uma série de fatores, como a complexidade do caso ... e a
diligência das autoridades competentes na condução do processo. Diferentemente
do direito estabelecido no Artigo 7.5, as considerações envolvidas na determinação
da razoabilidade da duração do procedimento são mais flexíveis, pela razão óbvia
de que, no caso do Artigo 7.5, o encarceramento do acusado afeta seu direito à
liberdade. pessoal [38]

128 De fato, embora para estabelecer a extensão do " prazo razoável " em
ambos os casos, a complexidade do caso e a diligência na investigação podem ser levados em
consideração, no caso de prisão como medida cautelar, a determinação deve ser muito mais
rigorosa e limitado devido à privação de liberdade que está subjacente [39] .
129 A complexidade do caso deve ser medida, especialmente em relação às
características do evento e sua dificuldade probatória. Em troca, a diligência do as autoridades
judiciais devem ser analisadas à luz da complexidade do caso e da atividade investigativa .

130 Neste sentido, as atividades processuais do réu e sua defesa não podem ser
consideradas com a finalidade de justificar o período razoável de detenção, uma vez que o uso
dos meios que a lei previa para garantir o devido processo legal não deve ser desencorajado
e, menos, valorizava negativamente a intervenção ativa durante o processo.

131 No entanto, é possível imputar a necessidade de manter a detenção


preventiva à atividade do acusado se deliberadamente impedir a ação da justiça, por exemplo,
introduzindo falsas evidências, ameaçando testemunhas, destruindo documentos, fugindo, não
aparecendo injustificadamente. Nunca, sob nenhuma circunstância, pode impedir a prisão
preventiva pelo uso de recursos processuais legalmente estabelecidos. Estas sempre foram
previstas para garantir o devido processo às partes e, nesse sentido, foram regulamentadas
para o pleno uso.

132 É importante que os Estados disponibilizem a este tipo de processo todos os


recursos, materiais e humanos, para assegurar que, em casos de perigo que justifiquem a
prisão preventiva, sejam realizadas investigações com a máxima urgência e, assim, Impedir
que qualquer restrição de direitos impostos a uma pessoa ainda não declarada culpada seja
prorrogada por forma a constituir uma sanção antecipada, violando a defesa em tribunal e o
princípio da inocência.

133 Isto foi apoiado pela Comissão no Relatório nº 2/97:

O direito à presunção de inocência exige que a duração da prisão preventiva não


exceda o prazo razoável mencionado no artigo 7.5. Caso contrário, a referida
prisão adquire o caráter de pena antecipada e constitui uma violação do artigo
8.2 da Convenção Americana. [40]

134 Uma vez expirado o prazo considerado razoável, o Estado perdeu a


oportunidade de continuar garantindo o término do processo por meio da privação da
liberdade do acusado. Isto é, a prisão preventiva pode ou não ser substituída por outras
medidas cautelares menos restritivas, mas, em qualquer caso, a liberdade deve ser
fornecida.Isso, independentemente de o risco processual ainda existir, ou seja, mesmo
quando as circunstâncias do caso apontam como provável que, uma vez liberado, o acusado
tente evitar a ação da justiça ou dificultar a investigação, a medida cautelar exclusiva do a
liberdade deve cessar. Porque a necessidade de estabelecer um período de tempo razoável
responde, precisamente, à necessidade de estabelecer um limite além do qual a detenção
preventiva não pode continuar, nos casos em que as condições que fundamentaram a medida
cautelar ainda existem. Caso contrário, a detenção preventiva deve parar, não por causa de
sua razoabilidade temporária, mas por causa de sua falta de fundamento.

135 O " prazo razoável " não pode ser estabelecido de forma abstrata porque
responde a critérios cuja concordância terá que ser determinada em cada caso. [41] . Por
conseguinte, a sua fixação na legislação nacional não garante a sua coerência com a
Convenção. As particularidades de cada caso determinarão quando esse prazo terá sido
cumprido, sem prejuízo do que é legalmente estabelecido.

136 No entanto, a Comissão considera que pode ser estabelecido um critério


orientador e indicativo, que configura um guia com o propósito de interpretar quando o prazo
razoável foi cumprido. Neste sentido, após uma análise das legislações penais dos países do
sistema, a Comissão estima que o cumprimento de dois terços do mínimo legal previsto para o
crime imputado é bastante elevado. Isto não autoriza o Estado a manter uma pessoa sob
custódia para esse termo, mas constitui um limite, excedido que se presume à primeira
vistaque o termo não é razoável. Isto não admite uma interpretação ao contrário sensu no
sentido de que, abaixo desse limite, presume-se que o termo é razoável. Em qualquer caso, a
necessidade da garantia deve ser justificada, devidamente e de acordo com as circunstâncias
do caso. No caso de este termo ter sido ultrapassado, esta justificação deve ser submetida a
um exame ainda mais exigente.

137 Não obstante o acima exposto, naqueles Estados onde um limite objetivo foi
estabelecido para a atividade processual, se a legislação interna concede maior gozo dos
direitos do que a Convenção, ela deve ser aplicada sob o princípio de igualdade (Artigo 29). b)
da Convenção).

138 Neste sentido, quando um Estado resolveu limitar-se ao exercício do seu


poder prudencial no âmbito de uma investigação criminal, procedeu a uma avaliação dos
custos e benefícios em termos de respeito pelos direitos do arguido contra o poder coercivo do
Estado e chegou para a conclusão de que, além desse limite de tempo, o Estado terá superado
a si mesmo além do que é tolerável no uso de seu poder policial.

139 No entanto, a existência de um termo legal não concede ao Estado o direito


de privar um acusado de liberdade por esse período. Esse termo é um limite máximo. Acima
desse prazo, a detenção é ilegítima, sempre. Por baixo, será necessário analisar, em cada
caso, se as razões que originalmente deram razão a essa detenção subsistem. Ou seja, o não
cumprimento do prazo, não presume que a detenção seja legítima.

140 Se a privação de liberdade durante o processo pode ter apenas fins de


precaução e não-retributiva, então a gravidade de uma possível condenação não precisa
necessariamente importar uma detenção preventiva mais duradoura.

141 Com relação a este tipo de relação, em nenhum caso a lei pode prever que
algum tipo de crime seja excluído do regime estabelecido para a suspensão da prisão
preventiva ou que certos crimes recebam tratamento diferenciado em relação a outros em
termos de liberdade durante o processo. , sem base em critérios objetivos e legítimos de
discriminação, pela única razão de responder a padrões como " alarme social " , "repercussão
social " , " periculosidade " ou qualquer outra coisa. Esses julgamentos se baseiam em
critérios materiais, distorcem a natureza preventiva da prisão preventiva, transformando-a em
uma penalidade antecipada real, porque a situação de que todos os culpados recebem punição
pressupõe, precisamente, a declaração prévia de sua culpa.

142 Tais classificações violam o princípio da igualdade, uma vez que o


tratamento diferenciado é baseado na natureza repreensível ou consequências sociais
negativas de certos tipos de crimes, critérios que não podem ser levados em consideração para
negar a liberdade durante o processo. Algumas pessoas serão automaticamente excluídas do
direito à liberdade, apesar de serem acusadas de crimes reprimidos por penas mais leves, em
virtude de percepções sociais que, além de serem improváveis, são absolutamente ilegítimas
para determinar a legalidade da prisão preventiva.

143 A esse respeito, a Corte Interamericana estabeleceu que uma lei que
contém uma exceção que " retira parte da população carcerária de um direito fundamental em
virtude do crime que lhe é imputado e, portanto, prejudica intrinsecamente todos os membros
dessa categoria". [...] dos réus per se viola o artigo 2 da Convenção Americana,
independentemente de ter sido aplicado [no caso concreto] " [42]
.

144 Os limites legais à concessão de liberdade durante o processo ou a


imposição legal de prisão preventiva não podem ser considerados como condições iuris et de
iure , que não precisam ser provadas no caso e cuja mera alegação é suficiente. A Convenção
não admite que toda uma categoria de acusados, por essa única condição, seja excluída do
direito de permanecer livre durante o processo.

145 Após a liberação da liberdade, ela só poderá ser novamente privada se o


prazo razoável na prisão anterior não tiver sido cumprido, desde que as condições para sua
origem sejam atendidas novamente.

146 Nestes casos, a fim de estabelecer um período de tempo razoável, a


privação de liberdade já sofrida deve ser levada em consideração, para que o cálculo não seja
retomado.

VI. ANÁLISE DO FUNDO DE CASO

A. Legislação aplicada no caso

147 Constituição da República

Artigo 27. Em qualquer situação penal que não resulte na pena da penitenciária,
os Juízes poderão colocar o acusado em liberdade, dando fiança de acordo com
a lei.

148 Código de Processo Penal [43]

Artigo 138 (Admissibilidade genérica). Pode ser concedida a libertação do réu


que está em prisão preventiva, em qualquer estado do caso, a menos que a lei
reprima o crime atribuído com um mínimo de penitenciária, ou quando for
considerado "prima facie" que a pena a cair será definitivamente
penitenciária(artigo 27 da Constituição da República) .

Artigo 328.º (Liberação antecipada). Os condenados que foram presos quando a


sentença foi finalizada ou que foram restabelecidos depois disso, podem solicitar
liberação antecipada nos seguintes casos:

1 °) Se a sentença for de penitenciária e o preso tiver cumprido metade da


penalidade imposta
2 °) Se a pena for uma sentença de prisão ou multa, seja qual for o tempo de
prisão sofrido.
3 °) Se uma medida de segurança preventiva tiver sido aplicada, quando dois
terços da sentença imposta tiverem sido cumpridos. [44]

A petição deve ser apresentada à Diretoria do estabelecimento prisional onde o


prisioneiro está localizado.

O requerimento será submetido ao juiz de execução dentro de cinco dias, com


um relatório da gerência do estabelecimento referente à qualificação do
candidato como recluso.

Uma vez que o pedido tenha sido recebido, o juiz irá obter o relatório do
Instituto de Criminologia.
Uma vez que os pedidos tenham sido devolvidos, o juiz emitirá uma opinião
bem fundamentada e procederá de acordo com as disposições do quarto
parágrafo do artigo anterior. "

149 Lei 17.897 [45]


:

Artigo 1 °. O regime excepcional de liberação antecipada e provisória


estabelecido nesta lei aplica-se, pela única vez, aos acusados e presos que
foram privados de sua liberdade a partir de 1º de março de 2005.

Esta disposição não será aplicável aos réus e condenados que cometeram os
seguintes crimes:

... H) O crime previsto no artigo 76 da Lei nº 2.230, de 2 de junho de 1893.


... J) Os crimes previstos na Lei nº 14.095, de 17 de novembro de 1972, e suas
emendas ... "

Artigo 3º. O Juiz ou Tribunal que estiver ouvindo no caso concederá ex officio e
sem procedimentos adicionais, a liberdade provisória, sob juramento vinculado
aos réus incluídos no artigo 1 desta lei, de acordo com o seguinte estado de sua
causa:

A) Se o processo estiver em estado de resumo, quando tiverem cumprido dois


terços da pena máxima estabelecida para o mais grave dos crimes praticados,
se exceder o máximo de três anos. Se este período não for ultrapassado,
quando tiverem cumprido metade da pena estabelecida para o mais grave dos
crimes imputados.

B) Se o processo estiver em plenário quando tiverem cumprido dois terços da


pena exigida pela acusação, se exceder o máximo de três anos, e quando
tiverem cumprido metade da penalidade exigida se for inferior a esse período ...
"

Artigo 11 (Liberação antecipada). Substituir o parágrafo 3) do artigo 328 do


Código de Processo Penal, que terá a seguinte redação:

3) Se o condenado cumpriu dois terços da sentença imposta, o Supremo


Tribunal de Justiça concederá uma libertação antecipada. Só pode ser negado,
por resolução fundamentada, nos casos em que os sinais de reabilitação da
pessoa condenada não são manifestos.

150 L ey 17.726 [46]


Artigo 17:

Art. 17. Em qualquer das hipóteses, mediante solicitação apresentada por


escrito pela defesa, o Supremo Tribunal de Justiça, mediante relatório do
Instituto Técnico Forense, poderá conceder a liberação provisória, observando-
se a medida preventiva já sofrida ou a prolongada prorrogação. do processo.

B. Análise do caso

151 No presente , o Sr. Peirano Basso foi privado de sua liberdade em 8 de


agosto de 2002, permanecendo nessa situação até hoje, ininterruptamente.

152 Não há norma na legislação uruguaia que estabeleça um limite para a


prisão preventiva cujo cumprimento corresponda a corroborar, razão pela qual a Comissão
fará uma análise das fundações oferecidas para rejeitar os sucessivos pedidos de liberdade à
luz das normas internas aplicadas e, por sua vez, estabeleça seu acordo com a Convenção.

153 A Comissão desenvolveu dois aspectos para determinar se a prisão


preventiva em um caso específico constitui uma violação do direito à liberdade pessoal e das
garantias judiciais consagradas na Convenção Americana.

154 Em primeiro lugar, as autoridades judiciárias nacionais devem justificar a


medida supramencionada, de acordo com um dos critérios estabelecidos pela Comissão.

155 Conforme observado, as autoridades judiciais uruguaias apenas forneceram


ocasionalmente motivos para a privação de liberdade durante o processo e, nesses casos, não
responderam aos argumentos da defesa ou a justificativa foi apenas aparente, em violação
artigo 8 (1).

156 Os juízes encarregados da primeira instância resolveram dois pedidos de


lançamento. Na primeira oportunidade, a petição foi rejeitada com base " na entidade do fato
que é incriminado [e] no cumprimento preventivo insuficiente " . A segunda resolução da
primeira instância, apesar de ter declarado incompetência a favor da Suprema Corte, rejeita a
liberdade provisória, sem mais delongas.

157 O Supremo Tribunal teve a oportunidade de ser emitido cinco vezes, no


âmbito da competência atribuída no artigo 17 da Lei 17.726, que lhe conferiria uma espécie
de " perdão judicial " ou " graça " . Apenas em uma dessas ocasiões ele explicou sua
decisão.Nessa ocasião, limitou-se a afirmar a "gravidade ontológica dos crimes" imputada e
sua "repercussão prejudicial na economia e no meio social " .

158 Essas circunstâncias, em si mesmas, violam o direito ao devido processo


pelo qual, para que um acusado possa exercer os direitos reconhecidos na Convenção
adequadamente, as resoluções que estabelecem limitações a esses direitos devem ser
fundamentadas de maneira a permitir o controle. pela defesa e infringir, também, a garantia
do juiz imparcial de emitir uma resolução sem fundamentos razoáveis, o que demonstra um
preconceito e, conseqüentemente, o princípio da inocência (Artigos 7 (2), 3, 5 e 6 , 8 (1) e 8
(2) (h) e 25 (1) e 2 (a) da Convenção).

159 Quanto ao direito interno, os artigos 27 da Constituição da República e 138


do Código de Processo Penal estabelecem o poder do juiz de conceder liberdade durante o
processo quando não há pena de prisão, com referência à pena em abstrato ou concreto .

160 Esta regra foi interpretada como contrario sensu , no sentido de que impõe
uma obrigação ao juiz de ordenar a detenção nos outros casos. Esta inteligência não considera
a concordância no caso dos dois fundamentos legítimos da prisão preventiva e contradiz os
princípios de excepcionalidade, provisoriedade, necessidade e proporcionalidade, estabelecidos
neste relatório. O juiz , em cada caso, é aquele que deve estabelecer se a presunção prima
facie estabelecida pelo legislador se baseia na necessidade de preservar os propósitos do
processo.

161 Por seu turno, a Lei 17.897 estabelece a possibilidade de recuperar a


liberdade para os condenados que cumpriram dois terços da sentença.

162 Embora este regulamento se refira aos condenados, o princípio da


proporcionalidade exige que, em nenhuma circunstância, uma pessoa detida em prisão
preventiva esteja sujeita a uma medida cautelar que iguale ou exceda a expectativa de ser
privado de sua liberdade devido a uma condenação. . Por essa razão, se esta norma admite
que os acusados, em caso de terem sido condenados, teriam recuperado sua liberdade, com
maior razão terão que ser aplicados à situação atual do senhor Peirano Basso.

163 Neste sentido, conforme indicado nas considerações gerais, a previsão


sobre a penalidade que, no seu caso, deverá cair, deve ser formulada levando-se em
consideração o mínimo legal aplicável ao crime imputado. Neste caso, tanto a penalidade
prevista para o delito sob o qual foram processados como a classificação legal usada na
acusação teriam permitido aos réus recuperar sua liberdade neste caso.

164 Por outro lado, as autoridades judiciais uruguaias não demonstraram que os
senhores Peirano Basso, para recuperar a liberdade, sejam afastados da autoridade judiciária
ou interfiram na preservação das provas, mas que, sem mais delongas, alegam a gravidade
do ato.

165 Em diferentes ocasiões, argumentaram-se os argumentos da " gravidade


ontológica dos crimes imputados ao acusado " , a " repercussão prejudicial na economia e no
meio social " , que os fatos são " de gravidade incomum que ... merece uma pena
excepcionalmente severa". , em qualquer caso, obstáculo para o benefício em processo e,
portanto, não pode ser considerado como flagrante injustiça a situação dos acusados " ou " a
entidade " do ato incriminado.

166 De acordo com os critérios gerais referidos neste relatório, a gravidade do


crime investigado não atende aos critérios de perigo processual estabelecidos para estabelecer
a prisão como medida cautelar. Ao contrário, constitui uma resposta baseada em um critério
material, não processual, que contém um claro caráter retributivo, que olha para o fato
investigado e não para o processo de pesquisa. Isto contraria o princípio de inocência
enunciado no artigo 8 (2) da primeira parte da Convenção.

167 Se as referências à magnitude do evento e seu impacto social são


verdadeiras, o Estado deveria ter colocado à disposição das autoridades judiciais responsáveis
pelo caso os recursos necessários que teriam permitido a situação processual e,
conseqüentemente, cautelosa dos senhores Peirano Basso. foi resolvido dentro de um prazo
razoável.

168 Por sua vez, quando o juiz de primeira instância, em 16 de agosto de 2005,
recorreu ao argumento do pouco tempo de detenção e relacionou-o à gravidade do ato
alegado e à expectativa de punição, ele distorceu, novamente, a lógica de detenção
preventiva: o que subjaz é que o acusado ainda não cumpriu a totalidade da sentença que o
juiz considerou que poderia ser imposta em caso de condenação. Naquela época, o acusado
havia sido privado de sua liberdade por três anos e alguns dias. O crime pelo qual haviam sido
processados (artigo 76 da Lei 2.230) previa uma pena máxima de cinco anos de
penitenciária.O juiz não declarou qual foi a sua previsão de penalidade, mas evidentemente
excedeu o mínimo legal. Isto constitui uma violação da presunção de inocência e devido
processo legal [artigos 8 (2), primeira parte, e 25 (1) e 2 (a)] em resposta ao qual, para
justificar a medida cautelar, foram utilizados critérios estranhos à sua natureza. Por outro
lado, nessa resolução, circunstâncias objetivas que teriam permitido relacionar a simples
menção de " a entidade do fato incriminatório [e] o insuficiente elogio preventivo " aos
perigos processuais não foram avaliadas .

169 Em 10 de março de 2006, a Corte de Apelações confirmou a decisão


anterior, recorrendo a uma condenação de cinco anos (o máximo legal previsto para o crime
imputado na época) e justificou o atraso na tramitação do caso em sua complexidade especial.
Além disso, negou a aplicação do artigo 7 (5) da Convenção e foi considerado incompetente
para tratar a razoabilidade da extensão da prisão preventiva por ser uma atribuição exclusiva
da Suprema Corte (artigo 17 da Lei 17.726 ).

170 A Corte de Apelações reconheceu que " [poderia] ser considerado um


período indubitavelmente longo de prevenção " a circunstância de que, no momento da
decisão, o acusado havia cumprido dois terços da pena máxima estabelecida para o crime pelo
qual estava sendo processada. e em virtude do qual sua prisão preventiva havia sido
ordenada. No entanto, imediatamente após, a prisão preventiva é justificada pela gravidade
dos fatos e pela possibilidade de, se a condenação cair, aplicar-se a pena máxima, que,
segundo a mesma resolução, seria de cinco anos. Naquela época, o acusado havia sido
privado de sua liberdade por três anos e sete meses, no entanto, em nenhuma das decisões
judiciais é feita referência à origem ou não do regime de liberação provisória ou antecipada.

171. Confrontado com o reconhecimento da duração excessiva da prisão


preventiva, os argumentos apresentados para distorcê-la não satisfazem os critérios
estabelecidos pela Comissão como aceitáveis. A decisão de que os detentos permaneçam
nessa situação responde, apenas, na eventual " punição severa " , dois terços de seu
mandato já havia sido " cumprido " pelo acusado no momento da resolução.

172 No que diz respeito à alegação da complexidade do caso, não foi feita uma
descrição detalhada dos obstáculos que o juiz responsável pela investigação deveria ter
enfrentado. Por outro lado, o promotor do caso, em uma entrevista de rádio [47] , atribuiu a
morosidade do processo ao " atraso nos processos administrativos do tribunal para a
realização de provas " e referiu-se à falta de notificação à defesa da realização de uma perícia
motivada a pedido de nulidade, cujo procedimento teria atrasado, ainda mais, o processo. Por
sua vez, a partir das informações prestadas pelo Estado em 8 de novembro de 2006 sobre as
evidências incorporadas, constata-se que as medidas adotadas são escassas e que sua
natureza não justifica o atraso processual. De resto, esse argumento só poderia ser levado em
consideração para determinar se as autoridades atuaram com a devida diligência, uma vez
admitidas pela Comissão, que a prisão preventiva se baseou em argumentos relevantes e
suficientes. Das considerações anteriores, parece que não foi.

173 Em 30 de agosto de 2006, quando o acusado cumpriu quatro anos e dias de


prisão preventiva, a juíza na época encarregada da investigação rejeitou a liberação provisória
sem nenhum motivo, mesmo que ela se declarasse incompetente naquela mesma resolução. .

174 A Suprema Corte foi emitida mais três vezes, todas rejeitando a liberdade,
sem mais delongas, no âmbito dos poderes atribuídos no artigo 17 citado.

175 Somente em 19 de outubro de 2006 foram formalmente acusados pelo


Ministério Público por considerá-los perpetradores do crime de insolvência empresarial
fraudulento (artigo 5º da lei 14.095), sendo pedidas as penas de seis anos de penitenciária
com relação a Jorge e nove anos de penitenciária com relação a José. e Dante. Naquela data,
o acusado estava em prisão preventiva por quatro anos e dois meses, aproximadamente.

176 Quanto à relação entre a medida cautelar e a previsão de punição realizada


antes da acusação formal, sem prejuízo do fato de que a prisão preventiva não tenha sido
devidamente justificada, o princípio da proporcionalidade foi violado (artigo 7 (5). )). A relação
entre a restrição do direito e o fim preventivo da medida não deve ser igual à penalidade. Esta
relação deve ser suficientemente desequilibrada para que não se torne uma penalidade
antecipada, em violação do princípio da inocência (artigo 8 (2), primeira parte). Neste caso, o
limite razoável foi amplamente excedido porque, apesar do fato de que o acusado permaneceu
detido, um período que excede em muito dois terços das penalidades mínimas previstas para
os crimes pelos quais foram processados ou formalmente acusados, essa situação foi
sustentada para além desse prazo sem a devida justificação.

177 Quanto ao resto, a estimativa da penalidade que, em caso de condenação,


cairia de acordo com as circunstâncias do caso constitui, além disso, uma violação da garantia
a ser julgada por um juiz imparcial, quando o magistrado encaminha a sentença sobre a
culpabilidade do acusado [artigo 8 (1)]. No presente caso, ficou demonstrado que, no decorrer
das diferentes instâncias, se assumiu que o acusado seria condenado a uma pena alta de
penitenciária.

178 Desde dezembro passado, os acusados têm uma licença temporária de 48


horas por semana, o que mostra que as autoridades consideraram que não há base para
justificar a atual detenção preventiva do acusado. Por um lado, as autoridades consideraram
suficiente, para assegurar o seu retorno ao estabelecimento da detenção, as suas
declarações.Isso é indicativo do fato de que eles consideraram que o risco de fuga não é de tal
magnitude que justifica uma medida econômica de precaução. Por sua vez, o perigo de
obstrução da investigação foi descartado, tendo em vista a fase processual em que se
encontra o processo.

179 Nessa resolução, também se faz referência ao perigo para a sociedade e


para a possibilidade de o acusado cometer um novo crime, e ambos são descartados. Estas
considerações assumem que os acusados cometeram o crime pelo qual são acusados e,
portanto, são perigosos ou suspeitos de cometer " outro " ato criminoso.

180 Esses argumentos ratificam o que foi dito em relação aos pronunciamentos
anteriores. A punição provisória está sendo aplicada à prisão preventiva, por meio da qual o
princípio de inocência e o direito de defesa em juízo são violados, tanto em termos da
penalidade antecipada aplicada ao fato investigado como da que é aplicado em virtude do
suposto evento futuro.

181 Finalmente, a interpretação do Artigo 7 (5) no sentido de que é uma regra


programática que impede os juízes de determinar um prazo que não é legalmente previsto
não é aceitável. O Artigo 7 reconhece o direito internacionalmente requerido à liberdade
pessoal de que, de acordo com o Artigo 1 (1), os Estados Partes têm a obrigação de respeitar
e garantir o seu livre e pleno exercício a todas as pessoas sujeitas à sua jurisdição. Tão logo
esse direito não possa ser cumprido no ordenamento jurídico interno, o Estado tem a
obrigação, nos termos do artigo 2 da Convenção, de adotar as medidas necessárias para
garantir sua aplicação direta e imediata.

182 Portanto, a Comissão conclui que as autoridades judiciais não aplicaram os


padrões internacionais estabelecidos neste relatório para justificar a prisão preventiva, não
apenas em termos do conteúdo de seus argumentos limitados, mas também devido à falta de
justificativa em alguns dos casos. os casos.

183 A Comissão não realizará a segunda análise referente à diligência utilizada


pelas autoridades judiciais para que a duração da medida não seja desarrazoada, porque se
concluiu que as fundações das autoridades uruguaias não foram relevantes ou suficientes.

C. Incompatibilidade da chamada "lei de descongestionamento do sistema


prisional" ou "lei de humanização e modernização do sistema prisional"
com a Convenção

184. A Lei 17.897 estipula um regime especial de " libertação antecipada e


provisória " para prisioneiros privados de liberdade a partir de 1º de março de 2005, mas
estabelece exceções para aqueles que cometeram certos tipos de crimes, motivados pela
rejeição social de certos comportamentos.

185 A Comissão teve a oportunidade de emitir um caso semelhante, no qual


indicou que este tipo de limitação é outro elemento que pode ser usado para minar a
presunção de inocência, levando em conta que as pessoas acusadas de certos crimes, por
essa única circunstância, são automaticamente excluídos das restrições que o Estado impôs a
esse tipo de medida cautelar. [48]

186 A discriminação legal para negar a liberdade durante o julgamento, baseada


na natureza repreensível de certos tipos de crimes, também viola o princípio da igualdade,
segundo o qual a igualdade de tratamento deve ser fornecida àqueles que estão em situação
equivalente. . Este tipo de distinção legal baseada no tipo de crime que é imputado a uma
pessoa não encontra apoio em nenhuma das razões processuais admissíveis para justificar a
prisão preventiva.

187 Em relação a um regulamento legal semelhante, a Corte Interamericana, no


caso " Suárez Rosero " , sustentou que esse tipo de norma per se viola o artigo 2 da
Convenção Americana. [49]

188 Nessa ocasião, a Corte analisou uma norma do Código Penal equatoriano
que previa o direito de permanecer livre durante o processo quando as condições nele
indicadas fossem atendidas, mas excluídos desse regime os acusados de
crimes " puníveis "pela Lei de Substâncias Narcóticas e Psicotrópico " .

189 Nesse caso, o Tribunal determinou :

[...] a exceção contida no artigo 114 bis acima mencionado viola o artigo 2 da
Convenção, na medida em que o Equador não adotou as medidas apropriadas
de direito interno que permitem o cumprimento do direito previsto no artigo 7.5
da Convenção. [50]

190 Portanto, a Comissão conclui que a sanção e a subseqüente aplicação ao


caso da Lei 17.897 resultaram na violação do dever estabelecido no artigo 2 da Convenção
pelo Estado uruguaio.

VII. CONCLUSÕES

191 Que o Estado uruguaio é responsável pelo prolongamento injustificado da


prisão preventiva de Jorge, José e Dante Peirano Basso, e que, conseqüentemente, o Estado
uruguaio é responsável pela violação do direito à liberdade pessoal (Artigo 7 (2), 3, 5 e 6), as
garantias do devido processo [Artigo 8 (1) e 2] e o compromisso de assegurar que a
autoridade competente decida sobre os direitos [Artigo 25 (1) e 2], em conjunto com as
obrigações do Estado a respeitar e garantir o exercício desses direitos [artigo 1.1] e adotar
medidas legislativas e outras que dêem a necessária efetividade a esses direitos em nível
nacional (artigo 2 da Convenção Americana sobre Direitos Humanos). .

VIII. RECOMENDAÇÕES

1. Que o Estado uruguaio tome todas as medidas necessárias para que Jorge, José e
Dante Peirano Basso sejam libertados, enquanto a sentença estiver pendente, sem prejuízo da
continuação do processo .

2. Que o Estado produza a modificação das disposições legislativas ou de outro caráter, a


fim de torná-las coerentes em um todo com as normas da Convenção Americana que garantem
o direito à liberdade pessoal.

IX. PROCEDIMENTOS SUBSEQUENTES AO FUNDAMENTO RELATÓRIO Nº 35/07

192 A Comissão examinou o presente relatório durante o seu 127º Período


Ordinário de Sessões e, tendo em vista que seus membros não tiveram tempo suficiente para
estudá-lo, decidiu-se conceder um prazo de 10 dias, até 19 de março de 2007, para que o os
membros enviam seu voto eletrônico para a Secretaria. Em 1º de maio de 2007, foi recebido o
voto dissidente do Comissário Gutiérrez e, nessa data, a Comissão aprovou o Relatório Nº
35/07 com 5 votos a favor e 2 contra, de acordo com o artigo 43 (2) de seu Regulamento. Em
11 de maio de 2007, os comissários Meléndez, Carozza, Abramovich, Pinheiro, Fernández e
Roberts aprovaram a resolução 02/07 com referência ao caso 12.553. O Estado foi notificado
deste Relatório em 14 de maio de 2007 e o Estado recebeu um prazo de dois meses para
cumprir as recomendações, de acordo com o artigo 43 (3) do Regulamento da Comissão. O
Relatório foi transmitido às partes juntamente com o voto dissidente do Comissário Gutiérrez,
bem como a resolução 02/07 adotada pelos Comissários supramencionados. Em 3 de junho de
2007, o Comissário Gutiérrez enviou sua "opinião dissidente sobre a resolução 02/07" à
Secretaria e aos membros da Comissão e solicitou que ela fosse traduzida, publicada
juntamente com o texto da resolução 02 / 07 e transmitido às partes. A Secretaria Executiva
notificou os peticionários da adoção do Relatório e sua transmissão ao Estado e solicitou a
opinião dos peticionários sobre se o caso deveria ou não ser apresentado perante a Corte
Interamericana.

193 O Estado apresentou um relatório em 12 de julho de 2007, no qual


informou à Comissão uma série de medidas tomadas para cumprir as recomendações da
Comissão acima mencionadas. Em 26 de julho de 2007, a Comissão recebeu documentação de
apoio do Relatório do Estado. Em relação à primeira recomendação, o Estado informou que,
em 29 de maio de 2007, a Justiça Criminal do 7º turno ordenou a libertação dos irmãos
Peirano Basso, afirmando, em vários considerandos de sua sentença, concordar com a sinais
apresentados pela Comissão.O juiz determinou a liberação provisória de Dante, Jorge e José
Peirano Basso sob fiança real ou pessoal no valor de US $ 250.000 cada. Em 8 de junho de
2007, Dante Peirano recuperou sua liberdade depois de pagar US $ 250.000 em fiança. O juiz
observou na decisão que, sem prejuízo de ordenar a liberação provisória dos três irmãos
Peirano Basso, "o tribunal não pode decidir sobre a detenção preventiva que poderia ser
mantida ... em outros casos, como resultado do processo de extradição que cumprem o seu
respeito, que no seu caso deve ser levantado antes de cada um dos locais onde os processos
são seguidos ... ".

194 Em relação à segunda Recomendação, o Estado informou a criação de uma


Comissão para a Reforma do Código Penal, criada em conformidade com o disposto no artigo
22 da Lei nº 17.897 (promulgada em 14 de setembro de 2005). O objetivo deste regulamento
é conseguir o descongestionamento do sistema prisional uruguaio.

195 Em 6 de agosto de 2007, a Comissão recebeu uma solicitação do Estado


solicitando uma prorrogação de seis meses para cumprir as recomendações da Comissão. O
Estado solicitou a prorrogação, no entendimento de que o prazo estabelecido no artigo 51 (1)
da Convenção Americana estaria suspenso e que o Governo do Uruguai expressamente
renunciava à apresentação de qualquer exceção preliminar a respeito do cumprimento do
prazo estabelecido em disse o artigo. Em 8 de agosto de 2007, a Comissão concedeu uma
prorrogação de quatro meses (em vez dos seis meses solicitados) até 14 de dezembro de
2007. A Comissão solicitou ao Estado que apresentasse relatórios em 15 de outubro e 15 de
novembro de 2007. os progressos realizados no cumprimento das recomendações.
196 Em 25 de setembro de 2007, a Comissão recebeu informações escritas,
datadas de 7 de setembro de 2007, do Supremo Tribunal Federal do Uruguai sobre o fato de
José e Jorge Peirano não terem sido libertados por não terem pago uma fiança de US $
250.000. cada um. Ele observou que, devido ao fato de que a extradição de José Peirano para
enfrentar acusações no Paraguai havia sido concedida pelos tribunais uruguaios, sua
extradição estava pendente de execução.
197 Em uma comunicação recebida em 11 de outubro de 2007, o Estado
apresentou seu primeiro relatório de conformidade desde que a prorrogação de quatro meses
havia sido concedida. Em 14 de novembro de 2007, a Comissão recebeu o segundo relatório
de conformidade do Uruguai. Em seu segundo relatório, o Estado assinalou que cumpriu
integralmente a primeira recomendação e que, no que se refere à segunda recomendação,
estava em processo de cumprimento, mas que a reforma do Código Penal e do Código de
Processo Penal levou tempo , em particular, para implementar as reformas. De acordo com as
disposições do Regulamento, a Comissão decidiu, em 13 de dezembro de 2007, por maioria
absoluta de seus membros, não apresentar o caso à Corte Interamericana de Direitos
Humanos, alegando que o Estado uruguaio cumpriu as recomendações de maneira
substancial. .Paralelamente, solicitou ao Estado a apresentação de um relatório no prazo de
seis meses, isto é, em 14 de junho de 2008, sobre as medidas adotadas em cumprimento de
suas recomendações. Em 12 de junho de 2008, a Comissão recebeu o terceiro relatório de
conformidade do Uruguai. Este relatório foi enviado aos peticionários que apresentaram suas
observações à Comissão em 1º de julho de 2008.
198 De acordo com os termos do artigo 51 (1) da Convenção Americana, a
Comissão deve determinar, nesta etapa do processo, em que medida o Estado cumpriu suas
recomendações indicadas no relatório nº 35/07. As ações empreendidas pelo Estado em
conformidade com as recomendações da Comissão são analisadas a seguir.

Recomendação 1: Que o Estado uruguaio tome todas as medidas necessárias para


que Jorge, José e Dante Peirano Basso sejam libertados, enquanto a sentença estiver
pendente, sem prejuízo da continuação do processo.

199 O Estado informou a Comissão que, em 8 de junho de 2007, Dante Peirano


foi liberado provisoriamente após pagar uma fiança de US $ 250.000. No caso de José
Peirano, os tribunais uruguaios haviam concedido sua extradição ao Paraguai, que havia sido
confirmada por apelação e cassação. A decisão, observou o Estado, está apenas esperando
para ser executada.No que diz respeito a Jorge Peirano, um pedido de extradição foi feito para
responder a acusações no Paraguai, mas a extradição não foi decidida.

200 Em 31 de outubro de 2007, a 3ª Vara Criminal de Apelação Penal decidiu


anular o mandado de prisão contra os irmãos José e Jorge Peirano Basso. A decisão judicial,
segundo o Estado, significa uma mudança jurisprudencial transcendental, tendo em vista que,
desde 1940, foi adotada a norma estabelecida no artigo 45 do "Tratado do Direito Penal
Internacional" (lei 10.272), que estabeleceu que "Durante o processo de extradição, a pessoa
detida não pode ser libertada sob fiança ". O Estado indicou que os irmãos Peirano devem
apresentar os correspondentes títulos - US $ 250.000 cada - para poder efetuar suas
liberdades, complementados pela obrigação dos réus de entregar seus passaportes, a
proibição de se ausentar de Montevidéu, bem como os obrigação de comparecer mensalmente
à autoridade judiciária competente. Posteriormente, a Comissão tomou conhecimento de que
Jorge Peirano Basso havia sido provisoriamente liberado em 14 de dezembro de 2007 e que o
mesmo ocorrera com José Peirano Basso em 18 de dezembro de 2007.

Recomendação 2: Que o Estado produza a modificação das disposições legislativas ou


de outro caráter, a fim de torná-las coerentes em um todo com as normas da Convenção
Americana que garantam o direito à liberdade pessoal.
201 O Estado reiterou sua disposição de cumprir a segunda recomendação e
notou que já havia informado a Comissão sobre a criação de duas comissões: uma para
estudar a reforma do Código Penal e outra para estudar a reforma do Código de Processo
Penal. Cada uma dessas comissões, indicou o Estado, é composta de membros do Poder
Executivo, do Poder Judiciário, das Ouvidorias, dos Ministérios Públicos e Fiscais, da
Associação dos Magistrados, da Associação dos Funcionários Judiciais, da Escola. de
Advogados e da Academia. Nesse contexto, o Estado solicitou à Comissão que lhe concedesse
um período de tempo prudente para cumprir integralmente essa recomendação, que é sua
intenção, uma vez que essas reformas exigem tempo. Em 13 de dezembro de 2007, o Estado
solicitou uma segunda prorrogação de seis meses para dar continuidade ao processo de
cumprimento da segunda recomendação da Comissão.

202 Na resposta recebida pela Comissão em 12 de junho de 2008, o Estado


observou que, no que diz respeito à Comissão de Reforma do Código Penal, "deu um passo
fundamental e fundamental em seu trabalho, tendo feito progressos importante na definição
de anteprojeto referente à modificação da Parte Geral, integrada com 93 artigos, cuja versão
final foi apresentada em 21 de dezembro de 2007 ao Comitê de Constituição e Legislação da
Câmara dos Senadores do Parlamento Nacional, por o começo de seu tratamento por esse
poder estatal.Com este ato, a comissão criada pela Lei 17.897 cumpriu com as disposições do
[que] se refere ao estabelecimento das bases para a reforma do Código Penal uruguaio, que
data de 1934. "

203 Quanto ao procedimento para sua aprovação pelo Congresso, o Estado


observou que: "a Comissão de Constituição e Legislação já iniciou os trabalhos para a
consideração do referido projeto, realizando, em primeiro lugar, e após o surgimento em seu
membros da Comissão de Reforma, um quadro comparativo entre a legislação proposta e os
regulamentos atuais contidos na Parte Geral do Código Penal, que permitirá a continuação do
estudo pelos legisladores que compõem o corpo legislativo (anexo) . O tratamento que os
Senadores realizam na próxima etapa continua o caminho iniciado em relação à participação
múltipla de atores técnicos, políticos e da sociedade civil, a fim de obter instrumentos de
consenso sobre o assunto, com uma ampla base de comprovação e apoio, como convém a
uma sociedade democrática. Sem prejuízo disso, os membros da Comissão de Reforma
acreditam que ela terá que aparecer novamente no Parlamento para estudar o projeto artigo a
artigo. "

204 No que se refere à Comissão para a Reforma do Código de Processo Penal,


o Estado informa que esta Comissão iniciou suas atividades em agosto de 2006. Em novembro
de 2006 aprovou as “ Bases Mínimas para a Reforma (anexo), a ação reformista a ser
desenvolvida.Actualmente, a redacção do projecto, pelo Presidente da Comissão, Dr. Dardo
Preza Restuccia, que foi nomeado membro de redacção, está na sua parte final. O mesmo será
apresentado pela Comissão de Reforma do PCP à Comissão de Constituição e Legislação do
Senado, primeira etapa para o tratamento legislativo de um projeto referente a este assunto
em particular, em julho deste ano. "

205 O Estado também enfatiza, com referência à recomendação da Comissão,


que a estrutura do processo penal, que será apresentada, será um extraordinário processo
abreviado: "Seu desenho, com a determinação de um tempo muito curto para que o Juiz se
pronuncie, terá como efeito principal, o aumento absoluto na velocidade dos
pronunciamentos.Isso implicará uma modificação da situação atual em que um número
significativo de pessoas é detido sem uma condenação. Em junho de 2007, a Seção
Liberdades e Visão de Prisões do Supremo Tribunal de Justiça (SCJ) estabeleceu que 61,1%
da população carcerária é condenada e 38,9% continua sem receber sua sentença, de acordo
com um veredicto feito em todo o país onde havia 6.779 presos, 4.171 deles em Montevidéu
".
206 Além disso, o Estado observa que "em um modelo acusatório, a
manutenção da acusação é insignificante porque representa um julgamento de probabilidade
em relação à responsabilidade criminal do acusado. No anteprojeto de reforma a ser
apresentado pela Comissão criada pela Lei 17.897, o referido instituto da acusação será
eliminado. "

207 O Estado concluiu afirmando: "Permitimo-nos expressar que, para nosso


conhecimento, o Uruguai está em um estado de cumprimento progressivo e sustentado da
Recomendação Nº 2 contida em seu relatório nº 35/07 e, portanto, reafirma sua total
disposição para continuar relatando. à Comissão todos os progressos realizados na matéria. "

208 A Comissão aprecia os esforços feitos pelo Estado no cumprimento das


recomendações. A Comissão também observa as observações dos peticionários de que um
Estado pode "cumprir ou não cumprir", mas se afirma que está "em um estado de
conformidade progressiva e sustentada", isso significa que não o cumpriu. Os peticionários
também assinalam que o Estado não informou a Comissão do fato de que a Associação de
Magistrados do Uruguai se retirou da Comissão de Reforma do PCP, o que poderia pôr em
questão a legitimidade do processo de reforma.

209 Em virtude das considerações precedentes e das disposições do artigo 51


(1) da Convenção Americana, a Comissão decide solicitar ao Estado que, no prazo de um mês
a contar da data de recebimento deste relatório, o artigo 51 (1), um relatório detalhado e
atualizado sobre o cumprimento das recomendações do relatório nº 35/07.

X. DISSEMINAÇÃO DO PARECER DO COMISSÁRIO FREDDY GUTIÉRREZ SOBRE


O RELATÓRIO DO FUNDO Nº 35/07

210 Quanto a este caso, 12.553 Peirano Basso. Uruguai, discordo


oportunamente e raciocino meu voto da seguinte maneira:

211 É do conhecimento geral que o caso dos irmãos Peirano está associado a
situações financeiras que significaram perdas colossais de dinheiro para poupadores de
pequeno, médio e alto que confiaram seus ativos às instituições bancárias que
administravam. É um caso que se origina da administração aparentemente culpada ou
fraudulenta de importantes volumes de fundos que causaram o empobrecimento e até a morte
de pessoas que foram afetadas pelos eventos.

212 Centenas de pessoas perderam suas economias ao longo da vida por


negligência, imprudência e falta de observância das regras que regem o assunto, ou por meio
das manobras aparentemente fraudulentas desses banqueiros. De fato, o Estado uruguaio
argumentou que a falência fraudulenta do grupo Peirano foi um fator decisivo na evolução e
no agravamento da crise financeira no Uruguai. Durante a crise houve um recorde em bancos
ou bancos, segundo o qual o PIB per capita de US $ 6, 331 dólares por ano em 1999, caiu
para US $ 3.307 por ano em 2003. Por outro lado, foi revelado que aproximadamente 40.000
cidadãos subitamente adquiriram a categoria indigente e mais de 250.000 poderiam ser
consideradas pobres.

213 As reservas internacionais do Uruguai foram reduzidas de US $ 3 bilhões em


dezembro de 2001 para US $ 665 milhões em agosto de 2002. O desemprego aumentou em
20% da população economicamente ativa. Também durante a crise, a nível nacional, a
atmosfera de desespero levou a um número de pessoas que perderam suas economias no
colapso dos bancos, a cometer suicídio. Estas, entre outras razões, privaram a Suprema Corte
do Uruguai de decidir, em 30 de março de 2006, a rejeição do pedido de libertação dos irmãos
Peirano.
214 Isso levou a medidas de privação de liberdade ditadas pelo Estado, que
suscitaram debates judiciais dentro do Uruguai, associados à aplicação do direito penal ao
longo do tempo. É importante enfatizar que, no sistema europeu, como o americano, dado um
ato tipicamente ilegal, uma detenção é legal se for feita com base nas normas estabelecidas
no direito interno e, da mesma forma, a privação preventiva de A liberdade é considerada
legal se for realizada dentro dos limites definidos no direito interno. Quando não há prazos
explícitos na legislação ou quando há conflitos de normas por suas fileiras, ou por sua
aplicação intertemporal, os tribunais internos são qualificados para decidir sobre a condição
breve ou excessiva de prisão preventiva.

215 A Comissão teve conhecimento deste caso e, no âmbito do processo


ordinário, coube à pessoa que escreve, na qualidade de relatora para o Uruguai, iniciar o
exame e estudo do mesmo. Deve-se notar que o arquivo foi alimentado pelos argumentos
apresentados pelos peticionários e também pelo Estado, e até mesmo, terceiros foram ouvidos
que acharam importante expressar seus pontos de vista sobre o assunto. Todos foram
tratados com a devida consideração e respeito dentro dos limites oferecidos pela lei.

216 Com o tempo, a Comissão foi solicitada várias medidas cautelares que
nunca tiveram o meu voto favorável. Até a nossa última sessão regular em Washington, em
fevereiro, tudo tinha sido realizado seguindo rigorosamente as fases de um processo simples
cercado por condições complexas. Para a investigação detalhada do caso, o procurador
adjunto da Relatoria estudou cuidadosamente o dossiê para a avaliação deste caso e realizou
um trabalho excelente e profissionalmente irrefutável. Na qualidade de relator, fui sempre
informado pelo advogado auxiliar dos progressos realizados no processo seguido.

217 O secretário, por circunstâncias que eu nunca soube ou conhecia, levou o


estudo do arquivo do advogado auxiliar e o entregou a um jovem profissional com quem não
compartilhei nenhum trabalho. Não sei se o Secretário compartilhou as mudanças
administrativas com um comissário, talvez de sua própria nacionalidade, que é o mesmo que
os advogados que assistem os Peiranos como supostas vítimas do Estado uruguaio, mas o que
é um fato categórico é que o O relator, que assina, nunca foi consultado sobre o
assunto. Essas curiosas mudanças nunca foram relatadas a mim como Comissária ou como
Relatora, e meu conhecimento delas foi acidental.

218 Não posso deixar de observar que os regulamentos que nos regem
estabelecem que um comissário não deve participar das discussões e votos que ocorrem na
Comissão com respeito ao país do qual ele é nacional. Se isto é válido com respeito aos
comissários com razão maior ou igual, é válido com respeito ao Secretário. No caso específico
que nos preocupa, embora o Estado que é votado e discutido seja o Uruguai, não se pode
omitir que os advogados que representam as supostas vítimas perante a comissão sejam da
mesma nacionalidade que o secretário. Além disso, não pode escapar ao nosso entendimento,
o fato real da atual disputa interestatal entre o Uruguai e a Argentina pelas fábricas de
papel. Pelo menos, na minha opinião, o Secretário teve que abster-se de fundamentar este
caso, e em nenhum caso ele teve que tomar decisões com relação ao advogado que estava
organizando o caso e tudo isso sem consultar o Relator. Outros detalhes não menores também
ocorreram.

219 De fato, quando nos foi entregue a pasta contendo os arquivos que seriam
decididos em fevereiro deste ano, durante a 127ª sessão, o caso 12.553 Peirano Basso estava
no índice, mas não estava dentro da pasta. . Eu pedi várias vezes e só me foi dado vinte
minutos antes de ser debatido. Como poderia ser facilmente entendido, um pronunciamento
de minha parte sobre seu conteúdo teria constituído irresponsabilidade. Outro fato é que dez
dias após o término das sessões para os comissários darem seus votos virtuais e, de fato,
alguns fizeram, outros pediram correções e, verdade seja dita, apesar de construir uma
maioria curiosa, não ficou conhecido por um bom tempo qual era o conteúdo do que estava
sendo aprovado

220 Em qualquer caso, é importante ressaltar que a orientação original do


arquivo enquanto esteve em minhas mãos e do advogado especialista que me auxilia nesta
questão, foi encontrar uma violação da Convenção Americana em seu artigo 7 (5) que
estabelece o Direito de Liberdade Pessoal:

"Qualquer pessoa detida ou detida deve ser levada imediatamente perante um


juiz ou outro funcionário autorizado por lei a exercer funções judiciais e terá o
direito de ser julgada dentro de um prazo razoável ou de ser libertada, sem
prejuízo da continuação do mandato. processo Sua liberdade pode estar
condicionada a garantias que garantam sua aparição no julgamento. "

221 Essencialmente, em nossa opinião, estávamos nos aproximando, no exame


do arquivo, da constatação da violação de regras associadas ao prazo razoável, que, de
acordo com o nosso ponto de vista, deveria ter sido tratado no caso em questão. Houve
fracassos por parte do estado em relação a um julgamento, cumprindo as fases próprias de
um processo dessa natureza, dentro de prazos aceitáveis por lei e senso
comum. Evidentemente, refiro-me a um julgamento no sentido amplo que abrange desde a
detenção preventiva até a adoção da sentença ou julgamentos que teriam correspondido de
acordo com as normas adjetivas que regulam o processo e os procedimentos no andaime da
corte interna.

222 A fim de fornecer maior apoio a esta abordagem, foi realizado um exame
comparativo da lei, e foi estudada a jurisprudência européia relevante para o exame do
caso.Especificamente, o precedente de 1993 W Vs, a Suíça associada a um homem de
negócios suíço e onze cúmplices para manipulação fraudulenta de sessenta companhias foi
recordado.

223 Em uma base normativa e jurisprudencial, o arquivo que originalmente


tínhamos em nossas mãos foi estruturado. No entanto, passando por diferentes mãos (não sei
quais) foram encontradas violações excessivas da Convenção, que, em minha opinião,
distorcem a abordagem original, não dão força ao processo e, ao contrário do que procuram,
enfraquecem-no.

224 Não posso compartilhar a decisão de meus colegas de considerar violações


dos artigos 7 (2) e (3) da Convenção Americana, concluindo que a privação da liberdade é
contrária ao direito interno e que tem sido arbitrária. Não pode ser omitido que os sujeitos
envolvidos neste caso foram processados e acusados em 8 de agosto de 2002 como autores
de crimes previstos no Código Penal. Para mim, não há dúvida de que, assim, levantou os
fatos, a detenção dos irmãos Peirano era legal, e o Estado uruguaio agia de acordo com suas
regras.

225 Eu não posso compartilhar a opinião de meus colegas na criação de um


fator médio internacional que é talvez fictício ou desejável aos olhos de alguns, segundo o
qual, é necessário que as autoridades judiciais tenham que responder aos argumentos da
defesa, porque caso contrário, o artigo 8 (1) da Convenção Americana é violado. O que foi
levantado no processo foram os pedidos insistentes e repetidos, pelo menos sete, de liberdade
condicional dos irmãos Peirano, que foram acusados de crimes graves e sérios. O Estado
uruguaio havia recolhido um importante índice cumulativo da comissão de atos puníveis, que
havia bases suficientes para presumir uma fuga, e que, de fato, o quarto irmão Juan Peirano
era um fugitivo.Além disso, o perigo de reincidência foi considerado e, claro, a necessária
preservação da ordem pública pela ameaça baseada em importantes perturbações envolvidas
na libertação daqueles que já estavam privados de sua liberdade.

226 Os mais altos tribunais de nossos países costumam rejeitar todos os tipos
de pedidos sem responder aos argumentos da defesa, ou entrar em explicações detalhadas de
motivação, quando as razões para a detenção são evidentes como no presente
caso.Evidentemente, esta afirmação não nega o valor intrínseco do debate processual. Por
essa razão, não compartilho da decisão dos meus colegas de encontrar uma violação do artigo
8 (1) da Convenção Americana. Os irmãos Peirano, por outro lado, tiveram acesso uma vez e
várias vezes aos tribunais para solicitar liberdade condicional, conseqüentemente, não pode
ser validamente afirmado que o artigo 7 (6) da Convenção Americana foi violado, uma vez
que o fato de que A alegação não teria sido bem sucedida, não pode ser entendida como um
impedimento ao acesso à justiça.

227 Na mesma linha de pensamento, reitero que as iniciativas de defesa dos


irmãos Peirano perante os tribunais para obter a liberdade não prosperaram, mas isso não
equivale, na minha opinião, a uma violação da Convenção. Reconhecendo a existência de
repetidos procedimentos, não compartilho da opinião de meus colegas de que não há recurso
simples e rápido na legislação uruguaia, leve em conta, para esses fins, que o mesmo
procedimento existente, aplicado em outros casos, resultou na liberação de vários co-
acusados, não encontro a alegada violação do artigo 25 (1) nem a suposta violação do artigo
25 (2) (a) da Convenção Americana.

228 Deve-se acrescentar que a abordagem do arquivo trivializando as questões


importantes em jogo, tenta ver uma fotografia em que o Estado uruguaio é um fora-da-lei que
persegue implacavelmente vítimas inocentes que só merecem proteção. Ao término da leitura
do dossiê aprovado pelos meus colegas, pedindo clemência por essas vítimas, o leitor terá
esquecido que, em relação aos irmãos Peirano, especificamente contra José Peirano, um
mandado de prisão está pendente no Paraguai, mandados de prisão internacionais pesam
diante dos tribunais dos Estados Unidos por requerentes argentinos e paraguaios, e que em
dezembro de 2005 a Suprema Corte de Nova York ordenou a Juan Peirano que pagasse mais
de nove milhões de dólares a favor de sete requerentes paraguaios.

229 Finalmente, uma breve nota sobre o mandato do Habeas Corpus e detenção
preventiva. O Habeas Corpus permite que um detido questione a legalidade de sua detenção
e, no caso em questão, sua invocação foi feita, mas a avaliação dos tribunais internos não
levou à viabilidade de um ato que não a privação de liberdade, então, a detenção foi legal,
uma vez que eles foram prontamente levados perante um juiz e as acusações foram feitas
contra eles, uma questão que em nossa opinião era legalmente legível de acordo com a lei
uruguaia de acordo com os artigos 7 (2) e ( 3 e 6 da Convenção Americana.

230 Finalmente, não devo omitir a extensão e as condições do cenário em que


esses eventos estão acontecendo. A maioria das pessoas privadas de liberdade nas Américas
ainda se encontra em situação de detenção preventiva. Isso não se justifica, mas há menos
leniência justificada para aqueles que excepcionalmente têm acesso a órgãos internacionais,
criando discriminação, desigualdade ou tratamento desigual para aqueles que pesam medidas
restritivas ou privação de liberdade.

XI RESOLUÇÃO 2/07
11 de maio de 2007

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS

231 Levando em consideração as opiniões apresentadas pelo Comissário Freddy


Gutiérrez em sua votação fundamentada sobre o Relatório do Fundo no 35/07 do caso 12.553
Jorge, José e Dante Peirano Basso (Uruguai),

RESOLVE:

1 Reiterar que o processamento do expediente 12.553 Jorge, José e Dante


Peirano Basso (Uruguai) atende plenamente às normas estabelecidas na Convenção
Americana e no Regulamento da Comissão. Com efeito, a Secretaria Executiva da Comissão,
em conformidade com o disposto no artigo 13 do Regulamento da Comissão, elaborou um
projeto de relatório sobre este caso, que foi discutido pela Comissão durante seu 126º período
ordinário de sessões. De acordo com as instruções da Comissão, a Secretaria preparou um
novo projeto de relatório sobre esse caso e o submeteu à consideração da Comissão durante
seu 127º período ordinário de sessões. A Comissão concordou, com base no artigo 17, número
5 de seu Regulamento, em continuar a deliberação e decidir eletronicamente sobre esse
relatório, de modo que todos os comissários tivessem o mesmo tempo para estudar o caso e
fundamentar nossa decisão.

2 Afirmar que a direção, planejamento e coordenação do trabalho da


Secretaria Executiva são atribuições do Secretário Executivo da Comissão. Neste sentido,
quando a Secretaria Executiva apresenta um projeto de relatório à Comissão, os membros da
Comissão não fazem distinção com base em quais advogados da Secretaria trabalharam no
projeto. Pelo contrário, os membros da Comissão dedicam-se a fazer um estudo detalhado
com base nas informações fornecidas pelas partes envolvidas no caso, a fim de basear nossa
decisão estritamente na base da legislação internacional de direitos humanos consagrada nos
instrumentos interamericanos aplicáveis ao caso.

3 Rejeitar as elaborações imaginativas do Comissário Gutiérrez através das


quais se pretende imputar uma conduta imprópria por parte da Comissão e do Secretariado
Executivo e pretende também conferir um tom político à decisão adoptada pela Comissão,
referindo-se a factos e circunstâncias completamente alheios a questão do caso. As palavras
do Comissário Gutiérrez denotam falta de profissionalismo e responsabilidade, e são
inconsistentes com o dever dos membros da Comissão de observar um comportamento
compatível com a alta autoridade moral da sua posição e a importância da missão confiada à
Comissão, estabelecida no artigo 9. o do Estatuto da Comissão.

Tornar pública a presente resolução, emitida em relação ao Caso 12.553 Jorge, José e Dante
Peirano Basso (Uruguai).

XII PUBLICAÇÃO

A. Procedimento após o Relatório No. 38/08

232 Em 18 de julho de 2008, a Comissão aprovou o Relatório No. 38/08, cujo


texto é o anterior, em conformidade com o artigo 51.1 da Convenção Americana. Em 15 de
agosto de 2008, a Comissão encaminhou o Relatório ao Estado do Uruguai e aos peticionários,
em conformidade com o disposto no artigo 51.2 da Convenção Americana, e concedeu ao
Estado um prazo de um mês para informar sobre o cumprimento das normas estabelecidas.
recomendações indicadas acima. O Estado solicitou que, em virtude de ter recebido a nota em
15 de agosto após o encerramento do escritório estatal, seja contado o período de um mês a
contar de 18 de agosto. Em 4 de setembro de 2008, a CIDH informou ao Estado que o período
seria contado a partir dessa data.

233 Em nota recebida em 18 de setembro de 2008, o Estado apresentou um


relatório sobre o cumprimento das recomendações formuladas pela CIDH no Relatório de
Méritos 38/08. Em 22 de setembro, esta comunicação foi transmitida aos peticionários. Em 22
de outubro de 2008, a Comissão recebeu informação apresentada pelos peticionários, que foi
transmitida ao Estado em 29 de janeiro de 2009. Em 27 de fevereiro de 2009, a Comissão
recebeu as observações do Estado, transmitindo-as aos peticionários em 19 de março de
2009. Março de 2009. Em 8 de maio de 2009, a CIDH recebeu informações adicionais dos
peticionários.

B. Cumprimento das recomendações

234 Em seu relatório de mérito 35/07, de 11 de maio de 2007, a CIDH


recomendou ao Estado uruguaio o seguinte:

1. Que o Estado uruguaio tome todas as medidas necessárias para que Jorge, José e
Dante Peirano Basso sejam libertados, enquanto a sentença estiver pendente, sem prejuízo da
continuação do processo.

2. Que o Estado produza a modificação das disposições legislativas ou de outro caráter, a


fim de torná-las coerentes em um todo com as normas da Convenção Americana que garantem
o direito à liberdade pessoal.

235 Em seu Relatório sobre os Méritos Nº 38/08 de 18 de julho de 2008, a CIDH


reiterou a segunda recomendação ao Estado uruguaio, porque os três irmãos seriam
libertados sob fiança.

236 De acordo com as informações fornecidas pelas partes após o Relatório de


Mérito 38/08, sobre o cumprimento das recomendações da CIDH, observa-se o seguinte:

237 Em relação à segunda recomendação da CIDH, o Estado reiterou em suas


comunicações que "está em estado de cumprimento progressivo e sustentado". Em 27 de
fevereiro de 2009, ele informou que nos próximos dias a versão preliminar da reforma do
Código de Processo Penal será aprovada pela Comissão criada pela Lei 17.897 e enviada ao
Parlamento para processamento.

238 Os peticionários informaram em 29 de maio de 2009 que não há


conformidade com a referida recomendação, uma vez que as disposições legislativas não
foram modificadas, nem houve progresso em seu debate. Em relação à primeira
recomendação, os peticionários argumentam que a proibição de deixar Montevidéu, imposta
aos três irmãos como uma das condições de fiança "implica uma penalidade antecipada ou o
agravamento desnecessário das condições de liberdade: ela é acreditada". que sempre foram
submetidos ao processo "e, da mesma forma, impede oportunidades de trabalho e
reagrupamento familiar, já que a família de José Peirano mora em Buenos Aires.

C. Conclusões

239 Com base no exposto, a Comissão conclui que, neste caso, o Estado do
Uruguai cumpriu a primeira recomendação estabelecida no Relatório Nº 35/07 e reiterou no
Relatório Nº 38/08 sobre a adoção de todas as medidas necessárias. para que Jorge, José e
Dante Peirano Basso sejam liberados, enquanto a sentença está pendente, sem prejuízo da
continuação do processo.

240 Além disso, a Comissão conclui que a segunda recomendação sobre a


modificação das disposições legislativas ou outras está pendente de cumprimento , a fim de
torná-las compatíveis com as disposições da Convenção Americana que garantem o direito à
liberdade pessoal.

D. Recomendações
241 Em virtude das considerações precedentes e de acordo com os artigos 51.3
da Convenção Americana e 45 de seu Regulamento, a Comissão valoriza e reconhece mais
uma vez as ações empreendidas pelo Estado do Uruguai e os avanços em relação à
modificação da Convenção. Códigos de Processo Penal e Penal, para garantir o direito à
liberdade pessoal de acordo com os padrões estabelecidos neste relatório.

242 Em relação a este ponto, a CIDH considera que, embora a apresentação de


ambos os projetos preliminares seja um passo positivo, sua aprovação ainda é necessária
para cumprir a recomendação feita pela CIDH.

243 Por conseguinte, a Comissão decide:

1. Reiterar a recomendação de que o Estado produza a modificação das


disposições legislativas ou de outro caráter, a fim de torná-las coerentes
em um todo com as normas da Convenção Americana que garantam o
direito à liberdade pessoal .

244 Finalmente, a Comissão decide publicar este relatório e incluí-lo em seu


Relatório Anual à Assembléia Geral da OEA. A Comissão, em cumprimento de seu mandato,
continuará a avaliar as medidas tomadas pelo Estado uruguaio em relação à recomendação
que está pendente de cumprimento até que tenha sido totalmente cumprida.

Feito e assinado na cidade de Washington, DC, no dia 6 de agosto de 2009.


(Assinado):Luz Patricia Mejía Guerrero, Presidente; Víctor E. Abramovich, primeiro vice-
presidente; Sir Clare K. Roberts, Paulo Sérgio Pinheiro e Paolo G. Carozza, membros
da Comissão

[1] Lei 17.726 (publicada em 7 de janeiro de 2004), artigo 17. Em qualquer dos casos, mediante solicitação

apresentada por escrito pela defesa, o Supremo Tribunal de Justiça, após relatório do Instituto Técnico Forense, poderá
conceder a liberação provisória para graça, atendendo ao preventivo já sofrido ou ao prolongamento excessivo do processo.
[2] "Las cosas en su sitio", Rádio Sarandí, 690 AM, programa dirigido por Ignacio Álvarez.
[3]É o nome popular que é dado à decisão do governo argentino de proibir retiradas de depósitos bancários, em
resposta à corrida em grande escala que ocorreu então no mercado financeiro.
[4] O artigo 1 da Lei 17.897 dispõe: "Esta disposição não se aplica ao acusado e condenado que tenha cometido os

seguintes crimes: a) O crime de homicídio, quando agravadas as circunstâncias previstas nos artigos 311 e 312 do Código
Penal; b) Crimes de ferimentos muito graves (artigo 318, Código Penal); c) Os crimes de estupro e ataque violento à
modéstia (artigos 272 e 273, Código Penal); d) O crime de corrupção (artigo 274, Código Penal); e) O crime de roubo
agravado pela circunstância agravante específica do uso de armas, ou quando a rapina coincidir com o crime de lesão (artigos
344, numeral 1 de 341, 317 e 318, Código Penal); f) Os crimes de roubo com privação de liberdade -copamiento- e de
extorsão (artigos 344 bis e 345, do Código Penal); g) Os crimes de falência fraudulenta e culposa e de insolvência fraudulenta

(artigos 253, 254 e 255, Código Penal); h) O crime previsto no artigo 76 da Lei nº 2.230, de 2 de junho de 1893; i) As

infrações previstas na Lei nº 8.080, de 27 de maio de 1927, e suas alterações; j) Os crimes previstos na Lei nº 14.095, de 17

de novembro de 1972, e suas alterações; k) Infracções transnacionais de suborno e propina previstas no artigo 29 da Lei nº
17.060, de 23 de dezembro de 1998, e o crime de lavagem de dinheiro previsto no artigo 5º da Lei nº 17.016, de 22 de
outubro, 1998; l) Os delitos previstos nos artigos 30 a 34 e 55 do Decreto-Lei nº 14.294, de 31 de outubro de 1974, e que
altera as leis. "
[5] Lei 14.095 (publicada em 17 de novembro de 1972), artigo 5 . (Insolvência empresarial fraudulenta). Quem, a

fim de obter uma vantagem injusta, para si ou para outrem, ocultar, ocultar ou desaparecer parcial ou completamente os
bens de uma empresa em detrimento de um terceiro, será punido com pena de prisão de doze meses a dez anos de prisão. .

[6] Lei 2230 (2 de junho de 1893), artigo 76: "Os diretores e administradores de empresas que cometem

fraude, simulação, violação de estatutos ou de qualquer lei de ordem pública, sofrerão a penalidade indicada nos
artigos 272 e 274 pelo Falências fraudulentas ... "

[7] Código Penal, artigo 150. (Associação para cometer um crime) Aqueles que se associam para cometer

um ou mais crimes, serão punidos, pelo simples fato da associação, com seis meses de prisão a cinco anos de
penitenciária.

[8]Lei 17.726, artigo 17: "Em qualquer estado do caso, mediante requerimento apresentado por escrito pela defesa,
o Supremo Tribunal de Justiça, mediante relatório do Instituto Técnico Forense, poderá conceder a liberação provisória pela
graça, em resposta à medida preventiva já sofrida. ou ao prolongamento excessivo do processo ".

[9] Constituição Nacional, Artigo 27: "Em qualquer estado de um caso criminal que não deva ser punido por

uma prisão, os Juízes podem libertar o réu, dando fiança de acordo com a lei."

[10]
Código de Processo Penal, artigo 138: (admissibilidade genérica). Pode ser concedida a libertação do

réu que está em prisão preventiva, em qualquer estado do caso, a menos que a lei reprima o crime atribuído com
um mínimo de penitenciária, ou quando for considerado "prima facie" que a pena a cair será definitivamente

penitenciária (artigo 27 da Constituição da República) . "

[11] Cf. nota 3.


[12]
Lei 16.928 (publicada em 22 de abril de 1998) Artigo 4º : "Substituir o artigo 63 do Decreto-Lei nº 14.470 , de

2 de dezembro de 1975, na redação dada pelo artigo 30 da Lei nº 16.707 , de 12 Julho de 1995 (Lei de Segurança do

Cidadão), pelo seguinte: “ Artigo 63. Em nenhum caso poderá ser autorizada a saída temporária de um recluso que não

tenha cumprido, no mínimo, uma permanência preventiva de noventa dias. No caso de pessoas julgadas ou condenadas por
um delito cuja pena mínima, prevista em lei, seja uma penitenciária, a saída temporária não poderá ser concedida até que um
terço da referida penalidade tenha sido cumprido. Da mesma forma, em tais casos, será obrigatório, como requisito para
poder conceder a respectiva autorização, o relatório do Instituto Nacional de Criminologia ou, na sua ausência, dos advogados
regionais dependentes do Ministério do Interior que, por razões de jurisdição, correspondam ser recolhido pela autoridade
prisional e evacuado, dentro do prazo que tenha, de acordo com o disposto no artigo anterior '. "
[13] A Convenção Europeia para a Protecção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais (a seguir

designada Convenção Europeia dos Direitos do Homem) estabelece, no seu artigo 5.3, uma regra idêntica: "Toda pessoa
presa preventivamente ... será levada imediatamente à presença de um juiz ou outra autoridade habilitada por lei a exercer
poderes judiciais e terá o direito de ser julgado dentro de um prazo razoável ou de ser libertado durante o processo. A
liberação pode estar condicionada a uma garantia que garanta a aparência do interessado em juízo. "
[14] Ver Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso López Álvarez . Sentença de 1 de fevereiro de 2006. Série

C No. 141, par. 69; Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso García Asto e Ramírez Rojas . Sentença de 25 de

novembro de 2005. Série C Nº 137, parágrafo 106; Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso Acosta

Calderón .Sentença de 24 de junho de 2005. Série C No. 129, paragrafo 75; Corte Interamericana de Direitos Humanos, Tibi

Case .Sentença de 7 de setembro de 2004. Série C No. 114, par. 180; e Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso

Suárez Rosero . Sentença de 12 de novembro de 1997. Série C Nº 35, parágrafo 77.


[15] Corte Interamericana de Direitos Humanos, Relatório No. 2/97 de 11 de março de 1997, parágrafo 25.
[16]
Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso Velásquez Rodríguez . Sentença de 29 de julho de 1988. Série

C No. 4 , parágrafo 154.

[17]
Veja ECHR EMK v. Bulgária, Sentença de 18 de janeiro de 2005, parágrafo 124; e ECHR. Wemhoff

v.Alemanha, sentença de 27 de junho de 1968, parágrafo 17.

[18] Convenção Européia sobre Direitos Humanos , artigo 5.1.c: Toda pessoa tem direito à liberdade e

segurança.Ninguém pode ser privado de sua liberdade, exceto nos seguintes casos e de acordo com o procedimento
estabelecido por lei: ... c) Se ele tiver sido privado de liberdade e detido, ser levado perante a autoridade judiciária
competente, quando houver indícios razoáveis de que ele cometeu uma ofensa ou quando for considerado
necessário para impedi-lo de cometer um delito ou fugir depois de cometê-lo. "

[19] ECHR Fox, Campbell e Hartley v. Reino Unido, sentença de 30 de agosto de 1990.
[20] Ver, inter alia , CEDH. Sulajoa v. Estônia, sentença de 15 de fevereiro de 2005, parágrafo 62; CEDH. Klyakhin

v. Rússia, sentença de 30 de novembro de 2004, parágrafo 61; CEDH. Nikolova v. Bulgária, Sentença de 30 de setembro de

2004, parágrafo 61; CEDH. Stašaitis v. Lituânia, sentença de 21 de março de 2002, parágrafo 82; e ECHR. Trzaska v.
Polônia, sentença de 11 de julho de 2000, parágrafo 63.

[21]
Ver Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso López Álvarez . Sentença de 1 de fevereiro de

2006.Série C No. 141, par. 69; Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso Palamara Iribarne . Sentença de

22 de novembro de 2005. Série C No. 135, par. 198; Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso Acosta

Calderón . Sentença de 24 de junho de 2005. Série C Nº 129, parágrafo 111; Corte Interamericana

de Direitos Humanos, Tibi Case . Sentença de 7 de setembro de 2004. Série C No. 114, par.

180; e Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso Ricardo Canese . Sentença de 31 de agosto de 2004. Série

C No. 111, parágrafo 153.

[22] Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, ratificado pela República Oriental do Uruguai em 1 de abril de
1970.

[23] Veja, nesse sentido, ECHR. Rokhlina contra a Rússia, sentença de 7 de abril de 2005, parágrafo

68; CEDH.Sulajoa v. Estônia, sentença de 15 de fevereiro de 2005, parágrafo 61; CEDH. EMK v. Bulgária, sentença

de 18 de janeiro de 2005, parágrafo 121; CEDH. DP v. Polônia, sentença de 20 de janeiro de 2004, parágrafo 84; e

ECHR. Stašaitis v. Lituânia, sentença de 21 de março de 2002, parágrafo 82.

[24] Ver, nesse sentido, Corte IDH, Caso López Álvarez . Sentença de 1 de fevereiro de 2006. Série C No. 141,
parágrafos 73, 78 e 81.
[25] CIDH, Relatório nº 12/96, de 1º de março de 1996 , parágrafo 84.
[26] CIDH, Relatório No. 12/96, de 1º de março de 1996, parágrafos 86 e 87.

[27] CIDH , Relatório No. 12/96, de 1º de março de 1996, parágrafo 88. Ver CEDH. Klamecki v. Polônia (No.

2), sentença de 3 de abril de 2003, parágrafo 122 e Klyakhin v. Rússia, sentença de 30 de novembro de 2004,

parágrafo 65.

[28]
Corte IDH, Caso López Álvarez . Sentença de 1 de fevereiro de 2006. Série C No. 141, paragrafo 81.
[29] CIDH, Relatório nº 12/96, de 1º de março de 1996 , parágrafo 84.
[30]Corte Interamericana de Direitos Humanos, Tibi Case . Sentença de 7 de setembro de 2004. Série C No. 114,
parágrafo 106.

[31] Corte IDH, Caso López Álvarez . Sentença de 1 de fevereiro de 2006. Série C No. 141, parágrafo 67.

[32] Adotado pela Assembléia Geral das Nações Unidas em sua resolução 43/173 (9 de dezembro de 1988).

[33] Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso Suárez Rosero . Sentença de 12 de novembro de 1997. Série
C Nº 35, parágrafo 77.

[34] Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso Suárez Rosero . Sentença de 12 de novembro de

1997. Série C No. 35, parágrafo 43.

[35] Cf. Corte IDH, Caso dos Irmãos Gómez Paquiyauri . Sentença de 8 de julho de 2004. Série C No. 110,

parágrafo 96; Caso Maritza Urrutia . Sentença de 27 de novembro de 2003. Série C No. 103 , paragrafo 66; e Caso

Bulacio .Sentença de 18 de setembro de 2003. Série C No. 100 , parágrafo 129.

[36]
Corte Interamericana de Direitos Humanos, Tibi Case . Sentença de 7 de setembro de 2004. Série C No. 114 ,
parágrafo 114.
[37] CIDH, Relatório nº 12/96, de 1º de março de 1996 , parágrafos 75, 76, 79, 80 e 81.
[38] CIDH, Relatório nº 12/96, de 1º de março de 1996 , parágrafos 110 e 111.
[39]
Ver, inter alia , CEDH. Rokhlina contra a Rússia, sentença de 7 de abril de 2005, parágrafo 63; CEDH. Sulajoa

v. Estônia, sentença de 15 de fevereiro de 2005, parágrafo 62; CEDH. Mitev v. Bulgária, sentença de 22 de dezembro de

2004, parágrafo 104; e ECHR. GK v. Polônia, sentença de 20 de janeiro de 2004, parágrafo 82.
[40]
CIDH, Relatório No. 2/97 de 11 de março de 1997, parágrafo 12.
[41] Ver, inter alia , CEDH. Sulajoa v. Estônia, sentença de 15 de fevereiro de 2005, parágrafo 61; CEDH. Klamecki

v. Polônia (No. 2), sentença de 3 de abril de 2003, parágrafo 118; CEDH. Klyakhin v. Rússia, sentença de 30 de novembro

de 2004, parágrafo 60; CEDH. Stašaitis v. Lituânia, sentença de 21 de março de 2002, parágrafo 82; CEDH. Jabloński
v.Polônia, sentença de 21 de dezembro de 2000, parágrafo 79.
[42] Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso Suárez Rosero . Sentença de 12 de novembro de 1997. Série

C No. 3, parágrafo 98. Ver, no mesmo sentido, Corte IDH, Caso Acosta Calderón . Sentença de 24 de junho de 2005. Série C

No. 129 , parágrafos 135 e 138.


[43]
Lei 15.032 (publicada em 18 de agosto de 1980).
[44] Subseção 3, depois substituído pelo artigo 11 da Lei 17.897 (publicada em 19 de setembro de 2005).
[45] Lei 17.897 (promulgada em 14 de setembro de 2005).
[46] Lei 17.726 (publicada em 7 de janeiro de 2004).
[47] Las cosas en su sitio, Rádio Sarandí, 690 AM, programa dirigido por Ignacio Álvarez (29 de maio de 2006).
[48]
CIDH, Relatório No. 2/97 de 11 de março de 1997, parágrafos 46 e segs.
[49] Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso Suárez Rosero . Sentença de 12 de novembro de 1997. Série

C No. 3, parágrafo 98. Ver, no mesmo sentido, Caso Acosta Calderón . Sentença de 24 de junho de 2005. Série C No. 129 ,
parágrafos 135 e 138.
[50] Corte Interamericana de Direitos Humanos, Caso Suárez Rosero . Sentença de 12 de novembro de 1997. Série

C No. 3, parágrafo 99.