Está en la página 1de 36

AVM - FACULDADES INTEGRADAS

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM SEGURANÇA PÚBLICA


Daniel Ferreira da Silva

Os Benefícios da Atividade Física na Atividade Policial

Uberlândia- MG
2016
AVM - FACULDADES INTEGRADAS

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM SEGURANÇA PÚBLICA


Daniel Ferreira da Silva

Os Benefícios da Atividade Física na Atividade Policial

Monografia AVM - Faculdades


Integradascomo exigência parcial para
cumprimento da disciplina de Metodologia da
Pesquisa e Produção Científica.

Orientação: Coordenador de Projeto Marco


Antônio dos Santos

Uberlândia - MG
2016
AVM - FACULDADES INTEGRADAS

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM SEGURANÇA PÚBLICA


Daniel Ferreira da Silva

Os Benefícios da Atividade Física na Atividade Policial

Monografia AVM - Faculdades


Integradascomo exigência parcial para
cumprimento da disciplina de Metodologia da
Pesquisa e Produção Científica.

Orientação: Coordenador de Projeto Marco


Antônio dos Santos

Aprovado pelos membros da banca examinadora em

___/___/___, com menção ___ (_____________)

Banca Examinadora __________________________

__________________________

Uberlândia - MG
2016
DEDICATÓRIA

Dedico a Deus tudo que sou e que


pretendo ser, a minha esposa Valéria,
meus pais José e Iolanda,
minha irmã Débora, familiares e amigos
que sempre estiveram ao meu lado e
me incentivaram na caminhada.
AGRADECIMENTO

Agradeço a Deus por todas as coisas, por todos os enfrentamentos que foram
vencidos mediante a fé, a minha esposa Valéria Nascimento que está ao meu
lado me apoiando, e aos meus pais José Ferreira da Silva e Iolanda L. Ferreira da
Silva, e amigos.

“A sabedoria do prudente é entender o seu caminho...”


Pv14.
RESUMO

Este trabalho trata-se de estudo dos benefícios da atividade física na atividade


policial. O objetivo da pesquisa é demonstrar que a atividade física pode melhorar
a qualidade de vida, combatendo os altos níveis de estresse tão presente na
atividade policial. Além de ser um fator importante que melhora as capacidades
físicas ou valências físicas do agente de segurança pública.
Baseado em pesquisa bibliografia que busca argumentos técnicos científicos para
alicerçar esses argumentos apresentados, com referência nas obras de Anchieta
(2003), Barbosa (2007), Nahas (2010).
No capitulo um trata de alguns conceitos importantes relacionados a atividade
física, parte da história e evolução histórica da atividade física. Ainda no primeiro
capitulo expõe a importância da atividade física trazendo consigo a imensidão de
benefícios, e de igual modo os malefícios de quem negligencia a sua prática. No
capitulo dois discorre sobre o conceito de segurança pública, o seu valor histórico
revelando as nuances que ocorreu durante a história brasileira agregando o
estigma celebre da sociedade e polícia. Outro elemento importante é sobre o nível
de estresse da atividade policial, juntamente com os perigos da profissão cada
vez mais altos.
No capitulo três entrelaçou os dois primeiros capítulos. Junto com os benefícios a
saúde a atividade física vem com argumentos que denotam a importância das
capacidades físicas específicas do agente policial estar em plenas condições para
o desenvolvimento do trabalho.

Palavras-chave: estresse, atividade policial, atividades físicas,segurança pública.


ABSTRACT

Work is to study the benefits of physical activity in police activity. The objective of
the research is to demonstrate that physical activity can improve quality of life by
tackling the high levels of stress so present in police activity. Besides being an
important factor that improves physical abilities or physical valences of the public
security agent.
Based on research literature that seeks scientific technical arguments to
substantiate these arguments, referring in the works of Anchieta (2003), Barbosa
(2007), Nahas (2010).
In chapter one deals with some important concepts related to physical activity, part
of history and historical evolution of physical activity. In the first chapter exposes
the importance of physical activity bringing the multitude of benefits, and likewise
the misdeeds of those who neglect their practice. In chapter two discusses the
concept of public security, its historical value revealing the nuances that occurred
during the Brazilian history adding stigma celebrate the society and police.
Another important element is treated on the level of stress of police activity, along
with the dangers of the profession ever higher.
In chapter three intertwined the first two chapters. Along with the health benefits
physical activity comes with arguments that show the importance of specific
physical capabilities of the police officer to be fully able to develop the work.

Keywords: stress, police activity, physical activity, public safety.


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO................................................................................................... 10

1.1 Delimitação do tema .................................................................................10

1.2 Problema de pesquisa...............................................................................10

1.3 Justificativa................................................................................................10

1.4 Objetivos ....................................................................................................11

1.4.1 Objetivo Geral...............................................................................................11

1.4.2 Objetivos Específicos....................................................................................11

2 METODOLOGIA ................................................................................................12

REVISÃO DE LITERATURA...................................................................................

Capitulo 1.........................................................................................................13
1.1Atividade Física/exercícios Físicos..................................................................13
1.2 Conceito.......................................................................................................... 13

1.3 Evolução histórica............................................................................................14

1.4 Os benefícios da Atividade Física para seus praticantes................................14

1.5 Os malefícios do sedentarismo........................................................................16

CAPITULO 2..........................................................................................................19

2.1 Atividade policial............................................................................................19

2.2 Conceito...........................................................................................................19

2.3 Fatores estressantes da atividade policial.......................................................22

CAPITULO 3..........................................................................................................28

3.1 Atividade física na atividade policial ...............................................................28

CONSIDERAÇÕES FINAIS...................................................................................31
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.....................................................................33
1.Delimitação do tema:

OS BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA NA ATIVIDADE POLICIAL.

1.1 Problema de pesquisa:


Exercícios físicos para os agentes de segurança pública podem combater os
níveis de estresse laboral e melhorar a qualidade de vida?

1.3 Justificativa
Em virtude do profissional da área de segurança pública ter como dever estar apto
em todos os aspectos para que consiga servir a sociedade de forma plena. A
atividade policial está entre as mais estressantes das profissões, e que apesar de
o estresse ser um fenômeno natural de adaptação a situações de perigo torna-se
uma ameaça quando não há entendimento de sua presença de forma constante.
Nele está a responsabilidade de cuidar da segurança da sociedade, sendo que
nele há mesma necessidade de ser protegido, mesmo que isso não aconteça. O
aumento da criminalidade vem com números assustadores, e na mesma
proporção as mortes de agentes de segurança pública com números ainda mais
assustadores. Do mesmo modo os agentes de segurança pública também são
violentos e matam números cada vez mais altos.

O principal motivo da existência de uma instituição é a satisfação de seus usuários


e de seus funcionários. Trabalho feito com excelência, eficiência, tratamento
humanizado tanto dos agentes com a sociedade e do mesmo modo dentro das
instituições, valorização dos agentes de forma completa. E estes são ferramentas
imprescindíveis para desenvolvimento dos serviços pertinentes que alcancem de
forma satisfatória seus objetivos a sociedade. E como ferramentas humanas as
instituições que compõem a estrutura da segurança pública devem oferecer

10
condições e possibilidades favoráveis para que os agentes de cada uma delas
desenvolvam e melhorem suas aptidões, gerando melhores resultados
profissionais e tornando também melhores indivíduos alcançando outros aspectos.

As atividades físicas vêm com a contribuição de diminuir as condições


estressantes não só da atividade policial, mas também de fatores externos
advindos da profissão. Com o potencial de diminuir doenças correlacionadas ao
estresse, lesões além de atenuar capacidades específicas da atividade policial.
Além de entender que a falta de atividade física e pode trazer malefícios a saúde.
Sua prática vai além do que se imagina, mas imensos benefícios fisiológicos,
psicológicos, social, restauração da saúde, tratamento e prevenção de variadas
doenças. Sendo assim, se inserido no cotidiano dos agentes de segurança
pública, os exercícios físicos podem trazer benefícios que influenciariam os
diversos aspectos que envolvem o dia a dia dos agentes de segurança pública.

1.4 Objetivos:
1.4.1 Objetivo geral: Demonstrar que a pratica de atividade física na atividade
policial pode combater os níveis de estresse, melhorar a qualidade de vida e as
capacidades físicas de seus praticantes.

1.4.2 Objetivos específicos:

1- Demonstrar que a prática da atividade física pode beneficiar seus praticantes


combatendo as condições estressantes da atividade policial;

2- Verificar os aspectos mais estressantes da atividade policial;

3-Indicar que os exercícios físicos podem melhorar capacidades específicas da


atividade policial.

11
3 METODOLOGIA

Esse trabalho será feito com base em pesquisas bibliográficas. Informações que
serão buscadas em revistas especializadas, órgãos governamentais, bem como
em trabalhos realizados por pesquisadores da área e que se relacionam com o
tema proposto de modo que trará fundamentação científica das hipóteses
levantadas no decorrer do trabalho.

O tema tratado neste trabalho “Os Benefícios da Atividade Física na Atividade


Policial” será explorado a partir dos estudos dos seguintes autores: Anchieta,
Vaisberg, Barbosa e Nahas; que irá fundamentá-lo através das seguintes obras:
De Herói a Vilão: as representações sociais de policiais civis sobre sua profissão,
Manual de educação física policial militar. Uma Proposta de Vida Saudável e
Exercícios na saúde e na doença e Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida.

12
CAPITULO 1:
1.1 Atividade Física/exercícios Físicos:
1.2 Conceito:
Antes de expor o conceito de exercício físico/atividade física é necessário
entender aspectos de qualidade de vida e que está diretamente ligado. Segundo
afirmações de Nahas(2010, p.15), é um conceito variável, pois depende de cada
pessoa e que pode mudar ao longo dos anos. Porém há uma harmonia em
aspectos gerais que indicam a qualidade de vida de pessoas ou comunidade.
Nahas(2010, p.15), ainda afirma sobre o conceito qualidade de vida: “Em geral,
associam-se a essa expressão fatores como: estado de saúde, longevidade,
satisfação no trabalho, salário, lazer, relações familiares, disposição, prazer e até
espiritualidade.” Em aspectos gerais é uma medida da dignidade humana.
E dentro desses aspectos a atividade física é fundamental para a qualidade de
vida.
O Instituto Americano de Pesquisa do Câncer estabelece que: “Poucas coisas na
vida são mais importantes que a saúde. E poucas coisas são tão essenciais para
a saúde e para o bem estar como a atividade física”.
-Diferença entre exercício físico e atividade física:
Atividade Física é definida, segundo Caspersen (1985) como qualquer movimento
corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resulta em gasto energético
maior do que os níveis de repouso. O exercício físico é uma atividade física
planejada, estruturada e repetitiva que tem como objetivo final ou intermediário
melhorar ou manter a saúde/aptidão física. Portanto existe uma fórmula, orientada
e executada de maneira a exigir um gasto energético bem maior de seu corpo
comparado aos níveis de repouso, criando novas adaptações fisiológicas e novos
estímulos, o que resultará em alterações orgânicas benéficas, melhorando as
condições físicas gerais.

13
1.3 Evolução histórica:

De acordo com Pitanga (2002), desde a pré-história o homem usava sua força,
velocidade, resistência e outras valências para sobreviver. E por causa de seu
estilo de vida e necessidade de constantes adaptações no meio em que vivia era
extremamente ativo fisicamente.
Na Grécia, a referência era a “arte do corpo nu”, e que se usava da ginástica para
demonstrá-la. Praticada com o fim de treinamento para as guerras e para
gladiadores.
Seu surgimento como atividade física escolar se deu através dos jogos, dança e
ginástica na Europa no século XIX. Desde então surge diversos autores com o fim
de propor diferentes métodos.
No Brasil como medida médica á propor indivíduos mais saudáveis com boa
postura e na promoção da boa aparência. Na inserção do estado novo em 1930,
os militares com a intenção da eugenia da raça. Em 1940, com o ingresso da
Educação Física como forma pedagógica. Mais adiante em 1970, influenciada
pelo sucesso das equipes esportivas do exterior, na intenção de criar outras
equipes de modo que viesse como forma de competir de modo igualitário.
Embora os registros revelem as escritas gregas e chinesas, alguns estudiosos a
importância de sua prática desde o surgimento das doenças crônico degenerativas
e a relação entre aspectos que agravem como o sedentarismo e outros.

1.4 Os benefícios da Atividade Física para seus praticantes:

Os benefícios são inúmeros, tanto que a Organização Mundial de saúde (OMS)


tem dados importantes sobre o assunto, sendo tratado como caso de saúde
pública.

14
De acordo com a OMS em todas as idades, os benefícios de ser fisicamente ativo
superam os eventuais danos, decorrentes de lesões, por exemplo. Um pouco de
atividade física é melhor do que nenhuma. Ao se tornarem mais ativas ao longo do
dia de maneiras relativamente simples, as pessoas conseguem facilmente atingir
os níveis recomendados.

Lucas (2016), afirma que um estilo de vida saudável e ativo incluindo a prática de
atividade física, melhora a vida de seus praticantes em variados aspectos:
Na manutenção ou desenvolvimento das estruturas ósseas e musculares;
Na prevenção ou redução da tensão arterial;
Aumento da capacidade de resposta do organismo para combater o stress;
Alívio da tensão muscular;
Redução da dor;
Melhor percepção de bem-estar;
Uma maior percepção de eficácia e controle pessoal;
Período de atividade que possibilita um tempo de afastamento e distração face
aos problemas do cotidiano.
Além de reduzir o risco de morte por doenças cardiovasculares, diabetes do tipo
II, doença do cancro do cólon e múltiplas incapacidades.
Como medida preventiva: Osteoporose, diabetes, hipertensão, enfarte. Com a
atividade física melhora aspectos como: o condicionamento muscular e
cardiorrespiratório, a capacidade de se cuidar, autoestima, capacidade funcional,
postura, imunidade a infecções, padrões do sono, melhor capacidade de
recuperação de cirurgia e doenças, melhor desempenho fisiológico, melhor
desempenho sexual etc. Reduzem dores, obesidade, fadiga, incontinência,
necessidades de alguns tipos de medicamentos e até a solidão.
No envolvimento com o ambiente de trabalho há também uma gama de
benefícios. Em artigo Matsudo (2007) descreve que: através dos diversos

15
benefícios possibilitados pela atividade física, a importância da prática no
ambiente de trabalho traz resultados positivos pras empresas que optam por
oferecer aos seus colaboradores momentos de atividades.
Pensando em atividade policial Bittar (2015), mostra em artigo afirmações e
números incisivos relacionados a embates de agentes policiais com criminosos. E
baseado no que se vê na exposição nos noticiários entre policiais que sobrevive e
sofre diversas lesões advindas desses embates, pode-se pensar em métodos de
recuperação e modo preventivo. A prática de atividade física se deve não apenas
pelo embate dos agentes de segurança pública ou para prevenir doenças, mas
também apenas pela tensão da profissão no dia a dia. Pois como já descrito a
prática traz consigo o poder de reduzir dores, alívio da tensão muscular, uma
maior percepção de eficácia e controle pessoal, período de atividade que
possibilita um tempo de afastamento e distração face aos problemas do cotidiano.
Condições tão comuns com os agentes de segurança pública.

Figura 1: Cotidiano do agente de policia.


Fonte: Google imagens

1.5 Os malefícios do sedentarismo:

16
Pode-se dizer que a inatividade física traz consigo risco inversamente proporcional
aos de quem prática, pra tanto há também dados importantes da OMS pra isso.
Vejamos antes o que Miotto (2009) em artigo descreve sobre sedentarismo:

O sedentarismo trás vários problemas a saúde do indivíduo, dentre os


quais destacam-se apatia, perda de força explosiva, flexibilidade,
agilidade, além de poder contribuir para o aumento de peso e até mesmo
levar a obesidade, problemas cardiovasculares e diminuição da
quantidade máxima de oxigênio consumido, assim como gerar problemas
sociais, como dificuldade de relacionamento com as pessoas, isolamento,
desinteresse, estresse, etc.

A OMS revela em Folha informativa de 2014 que: a inatividade física é a quarta


maior causa de mortalidade de pessoas no mundo, sendo que da um percentual
de 6%, e 3,2 milhões todos os anos. Outras informações relevantes são que desse
total aproximadamente 21 a 25% são dos cânceres de mama e cólon, 27% de
diabetes e 30% das doenças cardíacas isquêmicas. Inclusive a OMS propõe o
desenvolvimento de políticas públicas juntamente com a UNESCO visando
melhorar a educação e os profissionais relacionados a fim de melhorar essa
condição da sociedade em âmbito mundial.

Figura 2: Agente de polícia obeso e/ou sedentário


Fonte: Google imagens

17
Figura 3: Sedentarismo, obesidade e
maus hábitos alimentares
Fonte: Google imagens

Na relação com o ambiente de trabalho a rotatividade de funcionários,


aumentando os gastos da empresa, diminuindo a produção e aumentando os
impactos negativos.
Segue a citação de Nahas (2011, pg. 179) que vai de encontro com o texto acima
descrito:

Há um custo elevado, tanto social quanto em termos de produtividade,


associado às doenças crônicas, o que tem levado muitas empresas a
promover ações direcionadas a mudanças no ambiente de trabalho e
promoção de estilos de vida saudáveis. O objetivo é agir
preventivamente, beneficiando trabalhadores, empregados e a
comunidade como um todo, uma vez que, em geral, o trabalho é visto
como fonte de estresse e risco á saúde.

Nahas como conhecedor do assunto apresenta dados, que indicam que 200 mil
mortes por ano podem estar relacionadas ao estilo de vida sedentário, e que
níveis moderados de atividades físicas podem reduzir esses números. E assim
como OMS revela que é uma questão de saúde pública.
A situação de saúde pública está tão evidente que encontra se disponível
praticamente em todos os meios de comunicação, artigos acadêmicos, livros, sites

18
etc. meios para promoção da saúde, como forma de incentivar a prática de
atividades físicas.

CAPITULO 2:
2.1 Atividade policial:
2.2 Conceito:

A pesar do conceito de polícia indicar a sua função, as instituições de polícia vem


se moldando de acordo com a necessidade da sociedade e os valores agregados
ao longo do tempo.
A polícia que tem seus agentes como seus representantes, são aqueles que têm o
poder de ação quando ocorrer uma situação que não deveria acontecer, e está
apto para agir.
De acordo com Lazzarini (2008), Polícia é a instituição que organizada pela
sociedade tem legitimidade dentro de suas atribuições de impor limites à liberdade
forma individual ou coletiva, com o intuito de promover a ordem pública na medida
necessária.
De acordo com a constituição federal a segurança do povo está assegurada bem
como todos os direitos. Brasil (2012), no art. 144 está destacado que é dever do
Estado, direito todos e responsabilidade de todos. E para assegurar esses direitos
dispõe sobre as polícias que são: polícia federal, polícia ferroviária federal, polícias
civis, policias militares e corpos de bombeiros militares. E ainda prevê no § 8° a
criação das guardas municipais, e em 14/08/2014 norteia a atuação das Guardas
Municipais com a lei 13022/14 cujo teor é o Estatuto Geral das Guardas
Municipais.
E muito embora o papel das polícias esteja norteado pela constituição federal a
necessidade da sociedade vai muito além daquilo que está explícito em lei.
19
Gonçalves (2010) descreve parte dessa necessidade e a forma abrangente que é
a atividade policial:

Apesar de detalhamento do trabalho policial no corpo da Constituição;


tais como: patrulhamento ostensivo; função de investigação e apuração
de infrações penais; e preservação da ordem pública, o que se vê, hoje, é
uma polícia que faz mais do que a determinação legal impõe. A
instituição policial absorveu atividades que em principio não deveriam ser
suas, como por exemplo, as ocorrências que envolvem discussões
familiares, tal fato pode estar ligado a falhas no Sistema de Segurança
Pública ou pela mudança nos anseios da sociedade.
A atividade policial, atualmente, não pode ser compreendida apenas pela
ótica legal. É preciso levar em conta que as leis são rígidas e invariáveis,
mas a sociedade é mutável e espera uma mudança na perspectiva do
trabalho policial. O profissional de segurança contemporâneo é um
agente promotor de cidadania e direitos humanos.
A atividade policial, de hoje, leva em consideração não só a intolerância a
criminalidade, mas também preocupa - se com o caráter social que
desempenha junto à população. O trabalho da polícia abrange toda a
determinação legal imposta pela constituição e regimentos policiais, e,
sobretudo a civilidade que o profissional deve ter, no senso de
responsabilidade frente à sociedade, a qual espera do agente de
segurança pública; a proteção quando um conflito se instala.

E mesmo com a visão de polícia voltada pra uma vertente humanizada que
promove a cidadania, Holloway (1997), retrata que a polícia ainda traz consigo
uma herança do passado que é verificado quando se observa o modo de
tratamento diferente entre um cidadão e outro baseado na posição social que cada
um pertence.
A visão dessas informações traz para o entendimento o processo evolutivo da
polícia dentro sua história, que caminha para os problemas relacionados à
segurança pública e que nas ultimas décadas vem aumentando na sociedade
brasileira.
Em artigo Canuto (2011), descreve parte desse processo evolutivo:

20
 Com algumas contradições uma corrente de pesquisadores acredita que
em 1530 surgiu a primeira guarda militar que acompanhavam do 1°
Governador Geral da Colônia Martin Afonso de Sousa;

Figura 04: Martin Afonso de Souza


Fonte: Google Imagens

 Holloway (1997) acreditava que a primeira atividade policial teve seu marco
em 1808 com a vinda da família real, e criação da intendência geral de
polícia da corte com a função de capturar os escravos que fugiam e
investigar crimes que ocorriam;
 Em 1809, criada a Guarda Real organizada militarmente que deu origem ao
que conhecemos hoje como polícia militar e civil, com a função de manter a
ordem, porém fracassada na sua função. Também em 1809, foi criado o
Corpo de Guardas Municipais Permanentes;
 Na primeira republica de 1889 a 1930, com o fim da escravidão mudou o
trabalho da polícia e sua principal função era de controle social, vigilância
das áreas perigosas;
 Na era Vargas em 1930 a 1945, mais uma modificação que na intenção de
criação de um Estado forte a competência foi aumentada de modo que
quem era divergente da idéia política da época era tido como inimigo e a
ordem mantida através de violência. E em 1934 houve uma reforma da
polícia reelaborando suas atividades;

21
 Agora no regime militar 1964 a 1985, além da violência trazida do período
anterior baseada na tortura, repressão, prisões, mortes de “inimigos”, foi
estendida agora para forças armadas;
 Em 1985 chega o fim da ditadura militar, e em 1987, instaurada a
Assembleia Nacional Constituinte, que resulta na Constituição Federal do
Brasil (1988), que embora trazendo resquícios de sua história, trouxe novos
rumos a Segurança Pública no Brasil.

As afirmações expostas mostram parte dos períodos que fazem parte da história
da polícia brasileira e conforme se observa a maior parte do tempo foi de
modificação baseado no que a política determinava e nem sempre culminavam
com os anseios da sociedade.
No entanto ainda que possa existir uma pequena parcela que visa seus próprios
motivos usando as instituições policiais para controle, a evolução se torna
inevitável principalmente pelo crescimento das pessoas que buscam
conhecimento dos seus diretos, sendo assim tendo autonomia de ideias.
E dentro das instituições policiais o processo de evolução de seus agentes da
mesma forma, cresce a medida que o conhecimento se torna um necessidade
para compô-la atendendo os anseios da sociedade que também fazem parte.

2.3 Fatores estressantes da atividade policial:

O que é estresse?
De acordo com Lipp (2003), estresse é um processo natural do corpo humano de
adaptação de situações consideradas negativas ou positivas. Pode-se dizer que é
uma forma de preparar o corpo para diversos tipos de situações que são
potencialmente desafiadoras sendo elas reais ou imaginarias. Era bem dessa

22
forma que o homem primitivo agia. E em diversas ocasiões era necessário decidir
rapidamente entre lutar e correr ou viver ou morrer, pra caçar proteger de ataques.
Embora o estilo de vida atual seja totalmente diferente do homem primitivo o
processo bioquímico que acontece no corpo humano é o mesmo.

Sendo assim Lipp (2003, p. 18), descreve que:

O estresse é um processo e não uma reação única, pois no momento em


que a pessoa é sujeita a uma fonte de tensão, um longo processo
bioquímico instala-se. Inicialmente, ocorre uma mobilização hormonal,
visando fortalecer o organismo a fim de capacitá-lo para a ação
necessária no momento. No início do processo, o stress se manifesta de
modo bastante universal, com o aparecimento de taquicardia, sudorese
excessiva, tensão muscular, boca seca e sensação de estar em alerta.

Lipp ainda descreve sobre quatro fases do estresse:


 1° Estágio de alerta: pode-se dizer que é a fase boa do estresse que
consiste em situações que o corpo humano quando submetido produz
adrenalina para liberar energia em alguma situação extrema.
 2° Resistência: seria a exposição continua da fase de alerta.
 3° Quase exaustão: Oscilação entre estar bem com momentos de
ansiedade e aflição.
 4° Exaustão: esta é a fase mais seria onde o corpo humano não consegue
mais adaptar e pode entrar em situação de risco. E alguns sintomas que
valem a pena citar na fase de quase exaustão e exaustão são: cansaço
mental, dificuldade de concentração, perda imediata de memória,
impotência sexual, herpes, corrimentos, infecções ginecológicas,
irritabilidade, tumores, problemas de pele, queda de cabelo, gastrite ou
úlcera, crises de pânico questionamento sobre a vida, qualidade de vida
afetada.

23
E como qualquer profissional o agente de segurança pública está propício a se
deparar com essas situações. Esse profissional é preparado para atender a
sociedade e para isso é capacitado de forma que venha alcançar as demandas
que surgem durante a prestação do seu serviço.
Essa profissão é habitual que os níveis de estresse sejam levados ao extremo.
Segundo Gonçalves (2011),

As corporações policiais se destacam da população em geral e de outras


categorias profissionais pela maçante carga de trabalho e sofrimento;
portanto seu desgaste físico e mental é cada vez maior e estes fatores
atuam como porta de entrada para diversos distúrbios e processos
psicológicos, tais como: distúrbios da visão (miopia, astigmatismo, vista
cansada e outros), dores no pescoço, nas costas, coluna e cefaleia.

Em ideia geral a Organização Mundial de Saúde (OMS) o estresse é considerado


como epidemia global e tem seu código na Classificação Internacional de Doenças
(CID-F.43), como descreve Ferreira (2013). Agora voltando para corporações
policiais a profissão de agente de segurança pública é considerada uma das
profissões mais estressantes pela (OMS).
Destacando os aspectos estressantes da atividade policial. Costa (2007), afirma
que a profissão de policial é uma das mais estressantes, tendo em vista que em
seu cotidiano está exposto a brutalidade, alto nível de violência, morte, perigo de
agressão. Além de estar sempre ligado pra intervir as situações de problemas de
pessoas envolvidas com conflitos e tensão. As próprias características do trabalho
em si já é um fator que traz consigo comportamentos que geram um certo nível de
estresse.
Agora as afirmações apresentadas no Anuário Brasileiro (2013 p. 06) que vão ao
encontro com as afirmações descritas anteriormente.

...o nosso sistema de segurança é ineficiente, paga mal aos policiais e


convive com padrões operacionais inaceitáveis de letalidade e
vitimização policial, com baixas de esclarecimentos de delitos e precárias

24
condições de encerramento. Não conseguimos oferecer serviços de
qualidade, reduzir a insegurança e aumentar a confiança nas instituições.

Jacobo (2015 p. 09), “o imenso arsenal de armas de fogo existentes no país faz
com que o Brasil tenha indicadores de mortes matadas equivalentes ou superiores
aos de países que vivem situação de guerra ou conflito civil armado”.
Bittar (2015, p. 19), traz afirmações sobre a violência no cotidiano da atividade
policial.

A atividade policial traz consigo grande carga de perigo aos seus


responsáveis. Incumbidos de proteger a população, os agentes que
ganham as ruas todos os dias para defender o povo se expõem a uma
série de perigos no exercício de sua função. Ainda que protegidos por
equipamentos específicos, muitos policiais perdem a vida durante o
cumprimento de seu dever perante a sociedade. O desacato e a falta de
respeito para com os policiais atingem, em diversas situações, níveis
alarmantes. Exemplos de organizações como o PCC, em São Paulo,
ilustram bem o cenário ao qual os agentes de segurança se submetem:
os criminosos se organizam a ponto de buscar por policiais fora de
serviço para executá-los quando têm menores chances de defesa. Com
isso, a quantidade de mortes dentro e fora de serviço tem tido grandes
altas nos últimos anos.

Vale aqui ressaltar ainda sobre os equipamentos que muitas das vezes são
arcaicos, que revelam a vulnerabilidade daqueles que são responsáveis à
proteção da sociedade, demonstrando assim até descaso das demais autoridades
com os agentes de segurança pública.

Bittar (2015, p. 20), afirmou ainda sobre isso: “A falta de equipamentos modernos
e em bom estado por vezes deixa a vida do policial ainda mais a mercê dos
criminosos”. Sobre dados descreveu números assustadores que deixam o
exercício da atividade policial cada vez mais difícil. Em um período de 5 anos a
polícia brasileira matou 9691 pessoas enquanto a polícia americana num período
de 20 anos 7584 pessoas, dados que foram explícitos no Anuário Brasileiro de
Segurança Pública (2013).

25
Em todos materiais que traduzem o que é a segurança pública no Brasil
demonstram que é incabível os números que acompanham os dados e
estatísticas. Para isso Köhler (2014) afirma que, esses números são inadmissíveis
e trazendo relação com números internacionais em algumas regiões brasileiras
têm números de guerras e/ou guerra civil. As polícias são violentas por razões
históricas, nos dias atuais não só por essas questões, mas também pelo poderio
de criminosos que tem acesso a armas de guerras de uso exclusivo das forças
armadas como granadas, fuzis, explosivos.
Destacam-se agora as afirmações de Köhler (2014):

A vida do policial, se não restar outra alternativa, deve ter precedência


sobre a do criminoso. Esse postulado é tão óbvio que nem deveria ser
explicitado. A compaixão pela morte de qualquer ser humano deve ser a
mesma, mas prioridade absoluta deve ser dada à preservação da vida de
quem protege a todos. Além dessa razão de ordem ética e moral, há
várias outras que justificam a precedência da preservação do policial,
inclusive de ordem econômica. Ao tornar cada vez mais arriscada,
penosa e, principalmente, estigmatizada a profissão de policial, a
sociedade terá crescente dificuldade em recrutar pessoas adequadas ao
serviço policial e, assim, acabará por contribuir para o aumento da
violência.

Figura 05: Pichação de incitação à violência contra policiais


Fonte: Google Imagens

26
Figura 06: Manifestação da PM do Rio de Janeiro contra mortes de policiais
Fonte: Google Imagens

Polícia que vive, que sofre, que morre, que tem fome, que chora pelos seus
mortos, que são filhos que são pais.

Figura 07: Manifestação da PM do Rio de Janeiro contra mortes de policiais


Fonte: Google Imagens

Figura 08: Manifestação da PM do Rio de Janeiro contra mortes de policiais


Fonte: Google Imagens

27
Ser agente de segurança pública não é tarefa fácil. É cada vez mais ser submetido
a níveis cada vez mais altos de estresse por conta da violência. E quem tem
acesso aos dados inerentes fica mais receoso de se ingressar, e das entidades
pra recrutar novos agentes. Ingressar na carreira de agente de segurança pública
significa que em números gerais no Brasil, é saber que corre o risco de morrer 3
vezes mais que o restante da população, em algumas cidades brasileiras o policial
que conseguir cumprir 25 anos de serviço vai ter visto 1 em cada 17 companheiros
morrerem em decorrência da violência contra policiais. É saber que dos policiais
militares que são mortos 17,8% morrem em serviço enquanto 58,7 fora de serviço.
Anuário Brasileiro de Segurança Pública (2015, p. 126).

CAPITULO 3:
3.1 Atividade física na atividade policial

Como já descrito no capítulo 1 sabe se da importância da atividade física para


quem a pratica, de seus inúmeros benefícios pra manutenção da saúde entre
outros. Mas pensando em segurança pública pode se ir um pouco mais visando
não só a manutenção, mas também nas capacidades específicas que são de
suma importância no serviço policial.
Para isso Mazini (2012, p.487), descreve: “Conhecer a condição física inicial do
policial é de fundamental importância para a prescrição de atividades físicas mais
adequadas e atender seus objetivos e necessidades”.
Segundo Mazini (2012, apudMccaig e Gooderson, 1986), “a melhoria da aptidão
física contribui para o aumento significativo da prontidão e proporciona melhores
condições para que os mesmos possam suportar o estresse debilitante do
combate”.
Manual de treinamento Físico Militar Brasil (2012), traz a seguinte afirmação a
cerca do treinamento físico: “O sucesso nas operações, a atitude tomada diante

28
dos imprevistos e a segurança da sua própria vida dependem, muitas vezes, das
qualidades físicas e morais adquiridas por meio do treinamento físico regular e
convenientemente orientado”.
Não só no combate, mas também no serviço diário tendo em vista a necessidade
de estar sempre capaz a desempenhar uma função que pode ser submetido ao
alto nível de estresse e estar de fato pronto a dar uma melhor resposta na hora de
tomar uma decisão crucial em uma situação.
Observa se que no ingresso das instituições os agentes são submetidos ao Teste
de Aptidão Física (T.A.F.), e para algumas ao longo do tempo de serviço os
agentes serão submetidos aos mesmos testes para alcançarem promoções. Isso
como forma de incentivar a prática da atividade física. Inclusive no edital dos
concursos é critério para ingresso. PMMG (2015, p.2). Vale ressaltar que não só a
polícia militar, mas outras instituições também adotam o mesmo critério.
O fato é que a prática não é apenas pela saúde, mas pela natureza do serviço.
Mesmo que um agente de segurança trabalhe apenas em ocorrência de menor
potencial ofensivo, pode ser que surja uma situação em que o policial tenha que
estar com suas capacidades físicas de acordo com todo tipo de serviço. Desde a
uma simples abordagem educativa ou instrutiva até uma ação vigorosa que
envolva alto risco.
O que é capacidade física e quais são elas? Capacidades Físicas são definidas
como toda qualidade física do corpo humano treinável que correntemente são
mencionadas como: força, resistência, velocidade, agilidade, flexibilidade,
coordenação motora e equilíbrio. Brosco (2006).

29
Figura 09: policial fazendo patrulhamento em rio
Fonte: Google Imagens

Figura 10: policiais preparando para realizar


um adentramento em residência.
Fonte: Google Imagens

30
CONSIDERAÇÕES FINAIS

Através do tema proposto, compreendemos que a prática da atividade física é


imprescindível para aquele individuo pra se ter uma boa saúde. E quando se trata
de atividade física relacionado com a atividade de segurança pública essa relação
fica mais evidente.
O profissional de segurança pública precisa estar de fato com suas aptidões
físicas, psicológicas em condições adequadas, de servir a sociedade que clama
por segurança.
A evolução histórica da atividade física não só no Brasil, mas em todo mundo
mostra a devida importância que ela tem para boa saúde. Com diversos artigos
científicos trouxe vários aspectos que demonstram essa necessidade da prática
para se ter uma boa saúde, além de prevenir de doenças auxiliar na recuperação
pós traumáticas e como forma de lazer. Mostra também o mal que a falta da
prática de atividade física traz. Outro fato interessante expresso neste trabalho é o
processo bioquímico que acontece no corpo humano quando um individuo está
sendo submetido a um alto nível de estresse.
Por meio de estudos verificaram-se as condições estressantes na atividade
policial, enfrentamentos da profissão, a importância na sociedade mesmo sendo
tão estigmatizada por ela.
A relação entre a atividade policial e a atividade física está altamente relacionada,
pois não há como um agente de segurança pública atender as necessidades da
sociedade com despreparo físico e psicológico.
É evidente essa relação e a importância da atividade física como forma que
capacitação dos seus agentes. Porém seria objeto de outro estudo de como pode
ser feita essa capacitação dos agentes. É fato que num país com tamanho
continental as entidades de segurança pública têm suas peculiaridades. Existem
entidades que a atividade física faz parte do dia a dia, já existem outras que é

31
notória o despreparo físico de seus agentes e não há política pública pra mudar
essa situação. Por outro lado faltam estudos em alguns aspectos para nortear o
que pode ser feito quanto a prática da atividade em foco a segurança pública.

32
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, A. J; PICCOLI, J. C. Nível de estresse e de atividade física de


policiais militaresda brigada de Porto Alegre: um estudo diagnóstico, revista
digital · Ano 14· N° 135, Buenos Aires, Agosto de 2009. Disponível
em:<http://www.efdeportes.com/efd135/nivel-de-estresse-de-policiais-
militares.htm>Acesso em: 15/01/2016.

ANCHIETA, V. C. A. Psicologia & Sociedade; 17 (1): 17-28; Jan/abr. Policial 24


horas: um estudo sobre representação social da violência e identidade entre
policiais civis do Distrito Federal. Dissertação de Mestrado, Universidade de
Brasília, Brasília, 2003. Disponível
em:<http://www.scielo.br/pdf/psoc/v17n1/a05v17n1.pdf> Acesso: 23/05/2016

BARBOSA, C. H. S; SANDES, W. F; LINO, W. S. Manual de educação física


policial militar. Uma Proposta de Vida Saudável. Academia de polícia militar
Costa Verde. Portaria n° 011/QCG/2007 16/10/2007. Cuiabá Mato Grosso.

BITTAR, Amanda. Violência contra policiais: um problema governamental ou


social? Revista Prisma / 2015 <http://www.adpf.org.br/adpf> Acesso em:
15/01/2016

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil. Biblioteca Digital


Câmara. Câmara dos Deputados. 35ª Edição 2012.

BRASIL, Anuário Brasileiro de Segurança Pública 7º Edição.ISSN 1983-7364


ano 7 2013. Disponível em: <http://www.forumseguranca.org.br/produtos/anuario-
brasileiro-de-seguranca-publica/7a-edicao>. Acesso 24/07/2016.

33
BROSCO, Henrique da Cruz; Macias, Adalberto Collazo; Guerra, Mario Luiz.
Sistemas de Capacidades Físicas ISBN: 9798527408560. Editor: Ícone Editora
Edição: 01/2006

CANUTO, Reginaldo de S; MORAIS, M. do S. POLÍCIA E SOCIEDADE: uma


análise da história da segurança pública brasileira. V Jornada Internacional de
Política Pública da Universidade Federal do Maranhão (JOINPP UFM) 2011.
Disponívelem: <http://joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2011>. Acesso: 17/07/2016.

CASPERSEN, C. J. MATHHEW, M. Z. Physical activity, exercise, and physical


fitness: definitions and distinction for health- relates
research. PublichealthReports. (A atividade física, exercício e aptidão física:
definições e distinção para a saúde- relaciona pesquisa. Relatórios de saúde
pública). Rockville, v. 100. n.2, p.172-9, 1985.

Costa M, Accioly Jr H, Oliveira J, Maia E. Estresse: diagnóstico dos policiais


militares em uma cidade brasileira.Rev Panam Salud Publica. 2007;21(4):217–
22.

DANILLO, Ferreira Cintos de Guarnição em Policiais Militares.


Disponível em: <http://abordagempolicial.com/2013/07/os-cintos-de-guarnicao-
policiais-e-militares/ acesso>: 26/06/2016

DANILLO, Ferreira. É mais arriscado ser policial militar ou policial civil?


Abordagem Policial 25/07/2014. Disponível em:
<http://abordagempolicial.com/2014/07/e-mais-arriscado-ser-policial-militar-ou-
policial-civil/>. Acesso em: 25/07/2016.

EVANILSON, Ferreira. Estresse, Sedentarismo e o Estilo de Vida do Policial


Militar 16/10/2013 Disponível em:
<http://abordagempolicial.com/2013/09/estresse-sedentarismo-e-o-estilo-de-vida-
do-policial-militar/> Acesso em: 15/01/2016.

GONÇALVES, Yara Emerik Borges. A ATIVIDADE POLICIAL E OS DIREITOS


HUMANOS. (2011). Faculdade Anhanguera de Brasília.
<http://www.apcn.org.br/wp-content/uploads/2011/09/Artigo_Yara.pdf>.

34
JACOBO, Júlio W. Juventude Viva. Mapa da Violência 2015 Mortes matadas
por Armas de Fogo Disponível em:
<http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/mapaViolencia2015.pdf>
Acesso: 25/07/2016.

KÖHLER, Marcos Antônio. Mortes de Policiais No Brasil: Por Quem Os Sinos


Dobram. Instituto Fernand Braudel De Economia Mundial. 04/12/2014.
Disponível em: <http://www.brasil-economia-governo.org.br/2014/12/04/mortes-de-
policiais-no-brasil-por-quem-os-sinos-dobram/> Acesso: 25/07/2016

LAZZARINI, Álvaro. Estudos de direito administrativo. São Paulo: Editora


Revista dos Tribunais, 2008.

LIPP, Marilda Novaes. Os efeitos negativos do estresse emocional no


organismo humano e como gerenciá-lo. Instituto de psicologia e controle do
estresse. Estudosobre o estresse. Disponível em: <http://www.estresse.com.br/>.
Acesso em: 15/06/2016

LIPP, Marilda Novaes. O stress está em você. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

LIPP, Marilda E. (Org.). Mecanismos neuropsicofisiológicos do stress: teoria e


aplicações clínicas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

LIPP, Marilda Novaes. Como enfrentar o stress. São Paulo: Ícone,1998.

LUCAS, Miguel. Benefícios da Atividade Física na Saúde


Disponível em: <http://www.escolapsicologia.com/29-beneficios-da-atividade-
fisica-na-sua-saude/15/06/2016>. Acesso: 15/06/2016

MAZINI, Mauro Lucio filho; Silva, Aldo Coelho; Venturine, Gabriela Resende.
AVALIAÇÃO DO CONDICIONAMENTO FÍSICO DE POLICIAIS MILITARES DA 146ª
COMPANHIA ESPECIAL DE POLICIA MILITAR. Revista Brasileira de Prescrição e
Fisiologia do ExercícioISSN 1981-9900 versão eletrônicaPeriódico do Instituto
Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício. Disponível em:
<www.ibpefex.com.br> acesso em: 10/07/2016

35
MIOTTO, Ivo. Sedentarismo: Falta de exercícios físicos. Disponível em:
<http://www.fisiculturismo.com.br/artigo.>. Acesso em: 28/06/2016.

NAHAS, Markus V. Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida. Conceitos e


Sugestões para um Estilo de Vida Ativo. 5ª Edição 2010.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Atividade Física - Folha Informativa N°


385 - Fevereiro de 2014 Tradução ACTbr Disponível em:
<http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs385/en/
http://actbr.org.br/uploads/conteudo/957_FactSheetAtividadeFisicaOMS2014_port
_REV1.pdf>. Acesso: 10/05/2016

PMMG. Polícia Militar do Estado de Minas Gerais. Edital concurso DRH/CRS n°


03/2015. Disponível em:
<https://www.policiamilitar.mg.gov.br/conteudoportal/sites/concurso/180320151300
376000.pdf>. Acesso: 10/07/2016.

VEIGA, Alan J. S.; MARQUES, Lília S.R. Qualidade de Vida dos Policiais
Militares que Atuam na Área da 2ª CIA do 10° Batalhão Militar (Miguel Pereira
e Paty do Alferes). Universidade Severino Sombra – CCS. Revista Fluminense de
Extensão Universitária, Vassouras, v. 2, n. 2, p. 53-76, jul./dez., 2012.

36