Está en la página 1de 6

CÁLCULO I

Prof. Edilson Neri Júnior | Prof. André Almeida

Aula no 14: Aplicações da Derivada - Taxa de Variação, Velocidade, Aceleração e Taxas


Relacionadas

Objetivos da Aula
• Denir taxa de variação;
• Usar as regras de derivação no cálculo de taxas instantâneas de variação;
• Resolver problemas envolvendo taxas relacionadas.

1 Taxa de Variação
Suponha que y seja uma quantidade que depende de outra quantidade x. Assim, y é uma função de x
e escrevemos y = f (x). Se x variar de x1 a x2 , então a variação em x (também chamada de incremento)
será
∆x = x2 − x1
e a variação correspondente em y será
∆y = f (x2 ) − f (x1 ).
De posse destas informações, denimos:
Denição 1 (Taxa média de variação de y em relação a x). O quociente das diferenças
∆y f (x2 ) − f (x1 )
=
∆x x2 − x1
é denominado taxa de variação de y em relação a x no intervalo [x1 , x2 ] e pode ser interpretado como a
inclinação da reta secante P Q. Observe gracamente:

1
Cálculo I Aula n
o 14

Exemplo 1. A temperatura Fahrenheit F é dada em termos da temperatura Celsius C pela fórmula


F = 1, 8C + 32.

Determine a taxa média de variação de F em relação a C quando a temperatura passa de 20◦ C a 30◦ C.
Solução: Considerando o intervalo dado: [20, 30], temos:
∆F F (30) − F (20) 86 − 68
= = = 1, 8 F/◦ C.
∆C 30 − 20 10
Isto signica que no intervalo considerado, cada aumento de 1◦ C corresponde a um aumento de 1,8 F,
ou seja, a temperatura em Farenheit aumenta 1,8 vezes mais rapidamente que em Celsius.


2 Taxa Instantânea de Variação


Se uma quantidade y é função de uma quantidade x, isto é, y = f (x), já vimos que a taxa média de
variação de y por unidade de variação em x, no intervalo [x1 , x1 + ∆x], é dada por:
∆y f (x1 + ∆x) − f (x1 )
= .
∆x ∆x
O "limite" deste quociente, quando x → 0, isto é,
f (x1 + ∆x) − f (x1 )
lim (1)
x→0 ∆x
e o que denimos como a taxa (instantânea) de variação de y em relação a x em x = x1 .
Exemplo 2. Usando a função dada no Exemplo 1, determine a taxa de variação de F em relação a C
quando C=20◦ .
Solução: Inicialmente vamos calcular a taxa média de F em relação a C no intervalo [20, 20 + ∆C], com
∆C ̸= 0.
∆F
Taxa Média = = 1, 8.
∆C
Assim, a taxa instantânea quando C = 20◦ é dada por:
lim 1, 8 = 1, 8.
∆C→0

Uma vez que a taxa média é constante, independe do valor atribuído a ∆C , segue que a taxa de variação
de F em relação a C quando C = 20◦ C é 1,8 F/◦ C.

É importante destacar que o limite da equação (1) é a derivada f ′ (x1 ). Geometricamente, f ′ (a) é a
inclinação da reta tangente à curva y = f (x), quando x = a. Assim, temos uma segunda interpretação:

A derivada f ′ (a) é a taxa instantânea de variação de y = f (x) em relação


a x quando x = a.
Exemplo 3. O custo em real da fabricação de x brinquedos é dado pela função:
C(x) = 110 + 4x + 0, 02x2

Encontre a taxa com a qual o custo está variando quando x = 40.


Solução: A taxa (instantânea) de variação de C(x) em x1 = 40 é dada por C ′ (40). Como
C ′ (x) = 4 + 0, 04x ⇒ C ′ (40) = 5, 6 reais.

Prof. Edilson Neri | Prof. André Almeida 2


Cálculo I Aula n
o 14

Exemplo 4. Se a água de uma piscina está sendo escoada e V (t) = 250(40 − t)2 litros é o volume de
água na piscina t minutos após o escoamento ter começado, encontre a velocidade com que a água ui da
piscina 5 minutos após o escoamento ter começado.
Solução: Como V (t) é uma função composta, usaremos a regra da cadeia. Fazendo u = 40 − t, camos
com:
V = 250u2 e u = 40 − t
Segue que:
dV dV du
= .
dt du dt
= −500u
= −500(40 − t).
Assim:
dV
= −500(40 − 5) = −17.500 L/min.
dt t=5


3 Velocidade e Aceleração
Suponha que uma partícula se move ao longo de uma reta horizontal com sua posição no instante t
dada pela função posição x(t). Quando o tempo sofre uma variação de t a t + ∆t, a partícula se move da
posição x(t) a x(t + ∆t). O deslocamento da partícula, neste intervalo de tempo, é então dado por:
∆x = x(t + ∆t) − x(t).
Calculamos a velocidade média v da partícula, dividindo o deslocamento pelo tempo gasto neste deslo-
camento. Assim,
x(t + ∆t) − x(t)
v=
∆t
E denimos a velocidade instantânea v da partícula no instante t, como o limite da velocidade média,
quando ∆t → 0, isto é,
x(t + ∆t) − x(t) dx
v(t) = lim = . (2)
∆t→0 ∆t dt
De modo análogo, denimos a acelaração a da partícula como a taxa de variação instantânea de sua
velocidade:
v(t + ∆t) − v(t) dv
a(t) = lim = . (3)
∆t→0 ∆t dt
Exemplo 5. Um carro está viajando a velocidade de 80 km/h quando repentinamente o motorista pisa no
freio. A função posição do carro em derrapagem é dada por x(t) = 80t − 2400t2 . Por qual distância e
durante quanto tempo o carro continua derrapando até parar?
Solução: Consideremos o instante em que o motorista pisa no freio como t = 0. A velocidade do carro t
horas após ele ter pisado no freio é dada por
dx
v(t) = = 80 − 4800t.
dt
No momento em que o carro parar sua velocidade é nula. Fazendo então:
1
v(t) = 0 ⇒ 80 − 4800t = 0 ⇒ t = h = 1 min.
60
Usando a equação de posição, podemos encontrar distância percorrida neste intervalo de tempo. Temos:
( )
1 2
x = km.
60 3


Prof. Edilson Neri | Prof. André Almeida 3


Cálculo I Aula n
o 14

Exemplo 6. Um foguete lançado verticalmente para cima é rastreado por um estação localizado no solo a
8 km da plataforma de lançamento. Suponha que o ângulo θ de elevação da linha de visão até o foguete
π π
esteja aumentando de radianos por segundo, quando θ = rad. Determine a velocidade do foguete
60 3
neste instante.
Solução: Vamos considerar y(t) a função que dá a altura (em km) do foguete t segundos após o lança-
mento.

Das relações trigonométricas no triângulo retângulo ABC, temos:


y(t)
tg(θ) = ⇒ y(t) = 8tg(θ).
8
Dos dados do problema, temos de
dθ π
= rad/s.
dt t= π 60
3

Então:
( ) π
dy dy dθ 2 dθ dy 2 π
v(t) = = . = 8 sec x ⇒ = 9 sec . ≈ 1, 68 km/s.
dt dθ dt dt dt θ= π 3 60
3

4 Taxas Relacionadas
Suponha que duas variáveis x e y sejam funções de uma terceira variável t, isto é,

x = f (t) e y = g(t).

Como já vimos anteriormente, as derivadas


dx dy
= f ′ (t) e = g ′ (t)
dt dt
são interpretadas como as taxas de variação, respectivamente, de x e y em relação a variável t. Se estas
variáveis estão relacionadas por meio de alguma equação:

Q(x(t), y(t)) = 0

dx dy
derivando esta equação em relação a t, obtemos também uma equação relacionando as derivadas e :
dt dt
d
[Q(x(t), y(t))] = 0.
dt
dx dy
Neste caso, e são chamadas de taxas relacionadas.
dt dt

Prof. Edilson Neri | Prof. André Almeida 4


Cálculo I Aula n
o 14

Exemplo 7. Se a área A de um círculo com raio r e o círculo expande à medida que o tempo passa,
dA dr
encontre em termos de .
dt dt
Solução: Sabemos que área A de um círculo de raio r é dada por:
A = πr2
dA
Como, tanto área, quanto raio variam no tempo, temos A = A(t) e r = r(t). Para encontrar ,
dr
basta derivar em relação ao tempo, a fórmula acima membro a membro usando derivada implícita e regrada
cadeia em relação a r = r(t). Temos assim:
dA d dr
= (πr2 ) = 2πr
dt dt dt


Exemplo 8. Suponha que petróleo vaze por uma ruptura de um petroleiro e espalha-se em um padrão
circular. Se o raio do petróleo derramado crescer a uma taxa constante de 1m/s, quão rápido a área do
vazamento está crescendo quando a raio é igual a 30 m.
Solução: Como o raio do petróleo derramado crescer a uma taxa constante de 1 m/s, signica que
dr
= 1 m/s
dt
e quando r = 30 m, a área do vazamento estará crescendo conforme
dA dr
2πr = 2π.30.1 = 60π m2 /s.
dt dt


Exemplo 9. Um tanque cilíndrico com raio de 5 m está recebendo água a uma taxa de 3 m3 /min. Quão
rápido a altura de água está aumentando?
Solução: Temos que:
V = πr2 h
Derivando esta equação em relação a t, lembrando que V e h são funções de t:
dV dh
= 2πr
dt dt
e substituindo nesta equação os valores dados no problema, temos:
dV dh dh 3
= 2πr ⇒ = m/min.
dt dt dt 25π


Exemplo 10. Um tanque de água possui o formato de um cone circular reto invertido com raio da base
igual a 10 m e altura igual a 15 m. Se a água está sendo bombeada para dentro do tanque a uma taxa
de 0,1 m3 /min, encontre a taxa na qual o nível da água está aumentando quando a água estiver a 5 m de
profundidade.
Solução: Sabemos que o volume do reservatório é dado por:
1
V = πr2 h
3
Note que a equação acima possui duas variáveis, r e h. Sendo assim, vamos eliminar uma delas,
escrevendo-a em função da outra. Observe que:

Prof. Edilson Neri | Prof. André Almeida 5


Cálculo I Aula n
o 14

Logo, por semelhança de triângulos, temos:


15 10 2
= ⇒ r = h.
h r 3
Deste modo, podemos escrever o volume como:
( )2
1 2 4
V = π h h ⇒ V = πh3
3 3 27

Derivando em relação a t, obtemos:


dV 4π 2 dh 4π 2 dh
= .3h . = .h . .
dt 27 dt 9 dt
Substituindo os dados da questão na equação anterior, temos:
dV 4π 2 dh 0, 9
= .h . = m/s.
dt 9 dt 100π


Resumo
Faça um guia para a resolução de problemas envolvendo taxas relacionadas.

Aprofundando o conteúdo
Leia mais sobre o contúeudo desta aula no Capítulo 3 - Seções 3.5 e 3.9 do livro texto.

Sugestão de exercícios
Resolva os exercícios das seções 3.5 e 3.9 do livro texto.

Prof. Edilson Neri | Prof. André Almeida 6