Está en la página 1de 20

Dimas da Silva Wateca

Gestão Escolar Participativa: Clima organizacional no contexto Escolar e gestão de
Conflitos
Licenciatura em Informática minor em Ensino de Informática

Universidade Pedagógica
Nampula
2017

Dimas da Silva Wateca

Gestão Escolar Participativa: Clima organizacional no contexto Escolar e gestão de
Conflitos

Trabalho de pesquisa da cadeira de
Organização e Gestão Escolar a ser
apresentado no departamento de ESTEC
como requisito de avaliação orientado pelo
docente da cadeira

Docente:
MA. Ângelo Artur Natalino Jaime

Universidade Pedagógica
Nampula
2017

........................................................................................................................................................... 6 Participação da família na gestão participativa ...................................................... 6 Características da gestão escolar participativa ....................................................................................................................................... 5 Gestão escolar participativa .................... 5 O gestor na gestão escolar participativa ..................................................................................................................................................................................................................................... 4 Capitulo I: Gestão escolar participativa............................................................................................................................................................................ 14 Organizacionais ............................... 7 Clima organizacional no contexto escolar ................................................................ 12 Outras causas dos conflitos ........................................................................................................................................................................................................................................................................................ 11 Gestão de conflitos ............................................................................................................................................ 5 Gestão escolar . no nosso país Moçambique ........................ 7 Clima organizacional ................................. 10 Importância do estudo do clima das organizações escolares ...................................................................................... 13 Classificação dos conflitos .......... 13 Categorias dos conflitos escolares ..................................................... 10 Capitulo III: Gestão de conflitos no contexto escolar ................................................................................................................. 15 Culturais ........................................................................................................................................................................................................................................ 9 Clima aberto .... 5 Administração escolar ou Gestão escolar .. 7 Capitulo II: Clima organizacional no contexto escolar ..................................................................................................................................................................................................................................... 8 Dimensões do clima organizacional nas Escolas .................................................................................................................................................................................................... 9 Clima controlado ........................................................................................................................ 10 Clima fechado ......................... 9 Tipos de Clima organizacional no contexto escolar .................................................................. 10 Influência do Clima na Organização e nos Professores ............................................................................................................................................................................................................. 15 . 9 Clima familiar ........................................... 12 Causas dos conflitos ........................ 11 Conflito ......................... 10 Clima paternal ........................................................................................................................................................................................................................................................................ ii Índice Introdução .......................................................................................................................................................................................... 9 Clima autónomo ..................................................................... 11 Conflitos no contexto escolar ........ 12 A fonte dos conflitos......

....................................................................... iii Pedagógicos ............................................... 15 Atores ........................................................................ 16 Vantagens do uso mediação na resolução de conflitos escolares ....................................................... 16 Mediação de conflitos na escola .................................................................................................................................................................................................................. 18 Referencias Bibliograficas ....................................... 17 Conclusão ..................................................................................................................................................................................................... 15 Resolução dos conflitos escolares ......................... 19 ..............................................

que integra os membros de todos os segmentos da comunidade escolar. . assim como o incentivo constante ao diálogo entre família e escola. uma a gestão escolar que atenda ao princípio participativo com competência técnica e comportamental para trabalhar de forma assertiva o Clima Organizacional escolar priorizando a prática de valores éticos. Tendo em vista a importância da gestão participativa na escola que prioriza um trabalho escolar com ações de caráter coletivo. e que a participação coletiva seja o eixo central nas tomadas de decisões. visando o desenvolvimento contínuo do processo de socialização. 4 Introdução O presente trabalho é resultado de estudos bibliográficos sobre a gestão participativa no contexto escolar. Nesse processo almeja-se. Este trabalho visa fazer uma menção sobre a gestão participativa. clima organizacional e a gestão de conflitos no contexto escolar.

p. é uma instância inerente à prática educativa. Para LUCK. Surge como superação dos limites da administração. A gestão escolar engloba as incumbências que as unidades escolares possuem. a orientação. de outro. (2013. A gestão está presente em todas as empresas e instituições públicas e particulares. O conceito de gestão escolar resulta de uma nova compreensão da condução das organizações.23) apud LOPES. (2009. p. abrange o conjunto de normas/diretrizes e as práticas/atividades que garantem de um lado o significado ou o sentido histórico do que se faz e. (1996. tais como: elaborar e executar a proposta pedagógica. A escola é o lugar que representa a esperança. de mudar. normalmente autoritários. Gestão escolar participativa Para que a participação seja realidade. desempenhar seu papel. a mediação. de . Administração escolar ou Gestão escolar A administração escolar. é tomada de decisão. (2006. (2013). ou seja. é relacionar – com a atividade de impulsionar uma organização a atingir seus objetivos. Gestão é administração. (2013). 5 Capitulo I: Gestão escolar participativa Gestão escolar Para LOPES.13). a liderança. o “lugar social no qual a expectativa de mudança é o traço mais marcante” SILVA. é organização.33) apud MODOLO. sendo atualmente fundamental e necessária no setor de educação. de fazer-se e promover-se o integralmente. são necessários meios e condições favoráveis. o monitoramento e a avaliação dos processos necessários à efetividade das ações educacionais orientadas para a promoção da aprendizagem e formação dos alunos.28) diz que: A gestão escolar constitui uma das áreas de atuação profissional na educação destinada a realizar o planeamento. o desejo humano de aperfeiçoar-se. cumprir sua função. (1998) apud LOPES. a organização. a coordenação. é preciso repensar a cultura escolar e os processos. administrar o pessoal e os recursos materiais e financeiros. (2013). p. LUCK. a unidade do conjunto na diversidade de sua concretização WITTMAN & FRANCO. p.52) apud LOPES. (2007. p.

uma melhor qualidade pedagógica no processo educacional.. dos professores e dos funcionários na administração da escola. aumenta a qualidade de ensino. Algumas teorias afirmam que a gestão participativa tem bons resultados. 6 distribuição do poder no seu interior (. sustenta que a gestão escolar participativa pode ser definida como uma parceria entre os gestores e a comunidade escolar em que ambas as partes se mobilizam e participam das decisões tomadas pela escola. mas sim assumir e reconhecer seu poder sobre a dinâmica escolar. haveria maior envolvimento dos pais/responsáveis. em que a opinião de todos é levada em consideração. dizem que a gestão escolar participativa propaga a garantia de um bom currículo escolar considerando a realidade da comunidade.. . com ampla liberdade para opinar e sugerir diferentes formas de se resolver determinado problema. Essas medidas dentro da esfera educacional operam para a observação da permanência do aluno na escola e a ele é dada uma educação com qualidade social. Isso não significa que os participantes devam receber explicações e tomar ciência dos atos da direção. motivando uma maior participação da comunidade nas escolas e implicando em um ambiente estimulador para o trabalho e para a aprendizagem. (2008 p. sanando o isolamento profissional que causa a baixa produtividade. FONSECA & SANTOS. execução e elaboração e execução de políticas educacionais. Nessa direção. (2008).5).) Outro dado importante é entender a participação como processo a ser construído coletivamente. ou seja. o novo perfil deste seria proporcionar uma abertura para a comunidade. participar efetivamente do processo decisório. LISBOA. analisada e colocada em prática de acordo com a necessidade da escola e dos alunos. Por outro lado FONSECA & SANTOS. (2014). é fundamental ressaltar que a participação não se decreta. entre outros benefícios para a escola e para o aluno. não se impõe e. portanto. (2008). não pode ser entendida apenas como mecanismo formal/legal. Características da gestão escolar participativa  Uma gestão escolar participativa engloba os princípios da democrática quando defende que a educação está na coordenação de atitudes que afirmam a participação social no planeamento. O gestor na gestão escolar participativa FONSECA & SANTOS. afirmam que na gestão participativa o gestor da escola não é mais visto como um gerente que vê os pais e os alunos como clientes que compram um produto a prazo.

co – responsabilização. (2013). coordenadores. tais como: professores. estrutura de gestão. 2014. do consenso. LIBÂNEO apud LISBOA. (2014. buscando ações coordenadas e horizontalizadas. Participação da família na gestão participativa LISBOA. (2006) apud PEREIRA. apostando na construção coletiva dos objetivos e do funcionamento da escola através do diálogo. De acordo com LUZ (2003. interculturalismo. p. que repercutem na escola nas práticas de descentralização. Para tanto. Cada categoria de sujeitos que constituem a organização escolar. dentro do critério do respeito aos papéis e competências. faz-se necessário considerar que a escola apresenta funções sociais explicitas. diz que é importante ressaltar que a exigência da participação dos pais na organização e gestão da escola corresponde a novas formas de relações entre escola. alunos.  A gestão participativa pressupõe que o processo educacional só se transforma e se torna mais competente na medida em que seus participantes tenham consciência de que são responsáveis pelo mesmo. possuem interesses específicos. resguardado o princípio da gestão participativa. gestores. sociedade e trabalho.08 expõe que. pais. “O clima organizacional é a atmosfera psicológica que envolve num dado momento. objetivos próprios.08). p.13) apud PEREIRA. projeto pedagógico-curricular. uma vez que implica diversidades culturais e diferentes visões das questões escolares. Capitulo II: Clima organizacional no contexto escolar Clima organizacional O clima organizacional é um instrumento eficaz que estabelece o elo entre o nível individual e o nível organizacional. levando-se em conta o que os indivíduos numa coletividade pensam a respeito do lugar em que trabalham BISPO. 7  A gestão participativa valoriza a participação da comunidade escolar no processo de tomada de decisão.” . autonomia. funcionários dentre outros. formulados de forma coletiva e pública. p. (2013). a relação entre a empresa e seus funcionários. Avaliar o clima de uma organização permite verificar qual a percepção dos colaboradores sobre o ambiente de trabalho e como os valores difundidos pela organização afetam o comportamento dessas pessoas no trabalho.

nota-se que o ambiente escolar possui condições dramáticas ou não. TAMAYO. (1999) apud PEREIRA. como os objetivos da escola. funcionários da escola e os pais. Dessa forma GRIFFITH (1999) apud PEREIRA. papéis definidos de funcionários e alunos. satisfazendo a identidade dos membros do grupo e necessidades interpessoais. é possível entender que para existir um ambiente com clima social positivo deve-se existir um ambiente físico adequado. alunos e colegas. (1999) apud apud PEREIRA. (2013). atividades variadas e de comunicação.” Diante do exposto. normas e valores. (1999) apud PEREIRA. (2013). clima social e a Ação Social relacionada às interações do dia-a-dia entre os alunos. (2013). (2013) afirma que: “O Clima da escola facilita as interações sociais e individuais. 8 Clima organizacional no contexto escolar A partir da concepção de clima que mostra uma forma como o ambiente organizacional é percebido e interpretado pelos empregados TAMAYO. principalmente as privadas. pode-se definir clima organizacional escolar como o conjunto de crenças. professores e administradores para definir os parâmetros de comportamento aceitável e normas para a escola. (1999) apud PEREIRA. . Assim. (2013). capazes de gerar nos indivíduos envolvidos sentimentos referentes as suas experiências no sistema escolar MILICIC & ARON. bem como a capacidade de entender cada valor. Esse clima será gerado a partir de uma cultura fundamentada em um conjunto de pressupostos básicos reinventados. chamada expressiva ou emocional ela está dividida em duas formas: Ordem Social que refere-se a estrutura social nas escolas. Apesar de a escola constituir-se como uma forma de organização ela apresenta peculiaridades inerentes ao seu ambiente. permitindo criar um ambiente com clima diferente dos outros tipos de organizações. bem como as percepções divididas entre os membros da organização sobre o ambiente. diversão respeitoso entre professores. valores e atitudes que interagem entre os alunos. descobertos e/ou desenvolvidos por um dado grupo. iguais ou diferentes ARON & MILICIC. através do aprendizado e enfrentamento de seus problemas de adaptação externa e integração interna.

o clima aberto apresenta-se quando os professores se sentem motivados e envolvidos no seu trabalho e na própria instituição a que pertencem. o mesmo não acontece quanto às questões de natureza (organizacional versus psicológica) das dimensões. da etiologia e do nível de análise” (FERREIRA. independência. (2010) Destaca quatro dimensões do clima organizacional:  O grau de autonomia individual (responsabilidade. Assim. paternal e fechado). autónomo. relacionada com as dimensões atrás mencionadas e a escala em que estas se encontram. p. iniciativa). COSTA.  O grau de consideração e apoio recebidos por parte das chefias da organização. As suas necessidades encontram-se satisfeitas. familiar. 433) apud COSTA. COSTA. Clima controlado O clima controlado caracteriza-se pela maior importância que se dá à produtividade e a menor importância que se dá à satisfação dos trabalhadores. O director assume uma postura incentivadora e valoriza o trabalho dos docentes. (2010). Estamos perante um quadro ideal em que todos se sentem satisfeitos moral e socialmente. benefícios. Clima aberto Assim. da combinação destas 4 dimensões. 2001.  O grau de formalização imposto pelo trabalho.  O sistema de recompensas materiais ou simbólicas (remuneração. do processo de medida (descritivo versus avaliativo). situados numa escala contínua que vai de um clima mais aberto até um clima mais fechado. controlado. Tipos de Clima organizacional no contexto escolar A definição de cada tipo de clima está pois. impera a liberdade que o director confere aos docentes para que estes satisfaçam as suas necessidades e como consequência tenham um melhor desempenho profissional. (2010). Neste tipo de clima não se desenvolvem . são identificados vários tipos de clima (aberto. incentivos). 9 Dimensões do clima organizacional nas Escolas Se em relação à natureza multidimensional do clima o consenso é generalizado. Clima autónomo No tipo de clima autónomo.

Com efeito. 10 grandes relações sociais e há uma forte tendência para o trabalho individualizado. há pouca sociabilidade e identificação com o projecto da escola. os professores sentem-se moralmente em baixo. de certo modo. Influência do Clima na Organização e nos Professores Cada vez mais os estudos da qualidade e eficácia da escola enquanto organização passam por investigar o seu clima. Importância do estudo do clima das organizações escolares O estudo do clima das organizações escolares procura. GOUPIL. Há uma grande proximidade entre todos os elementos e é dada menor importância à parte produtiva. Há uma forte preocupação com a produtividade. contudo os seus membros revelam pouco interesse ou preocupação pelo projecto da escola. Há uma forte tendência para a formalidade nas relações. caracteriza-se por um ambiente em que todos se sentem de igual forma dentro da escola. com o controlo e a centralização de papéis. (2010). tal como o nome indica.32) apud COSTA. defende a existência de uma correspondência entre a qualidade do clima organizacional percepcionado e o stress vivido pelos professores no seu trabalho. (2010). Neste. prende-se ao facto de haver uma necessidade de conhecer melhor a vida no interior da organização escolar. Clima fechado O clima fechado parece ser o menos adequado às escolas. a qualidade educativa. Clima paternal O clima de tipo paternal reflecte – se por um grande distanciamento do projecto da escola. p. na medida em que o clima de uma escola pode influenciar os seus membros. Clima familiar O clima familiar. as investigações acerca da escola atribuem uma grande importância ao clima organizacional. a importância do estudo do clima de escola. na eficácia da organização escolar. Esta influência sente-se no trabalho de cada membro e em última instância. na procura da qualidade. As investigações existentes sobre a eficácia e melhoria deste tipo de organização atribuem . A produção e o cumprimento das normas são a maior preocupação dos órgãos de gestão da escola. como pertencendo a uma mesma família. Segundo CARVALHO (1992) apud COSTA. (2005.

Avaliar as interacções entre os membros de uma organização escolar e a percepção que estes têm dessa mesma organização. Conflitos no contexto escolar Para CANDINI. Um conflito criado pela diferença de conceito ou pelo valor diferente que se dá ao mesmo ato. pela diferença entre as opiniões. motivados e participativos na vida da escola. Podemos esperar que. Capitulo III: Gestão de conflitos no contexto escolar Conflito MARCH & SIMON (1958. O clima organizacional encontra – se intimamente ligado à qualidade da escola. Professores e alunos dão valores diferentes à mesma ação e reagem diferentemente ao mesmo acto: isso é conflito. 112) CANDINI. de modo que individualmente ou em grupo. ajuda a perceber até que ponto os intervenientes se encontram satisfeitos. ela apresenta a regra e requer dos alunos enquadramento automático. p. haja conflito no espaço escolar. A educação tem sido deliberadamente aquecida pelas políticas públicas. na medida em que este revela o modo como os seus membros percepcionam a organização. que pode fornecer informações cruciais à tomada de decisões na organização escola que poderão ser importantes para a promoção e eficácia de uma mudança organizacional. . E este fator permite o surgimento de conflitos variados e sua má gestão contribui para realimentar situações de desigualdade e descomprometimento com a educação em si para se valorizar as disputas internas por poder e a busca pelo alcance de interesses isolados dos atores envolvidos. (2016) consideram conflito um colapso nos mecanismos normais de tomada de decisão. para efeito de estudo. Como a escola está acostumada historicamente a lidar com um tipo padrão de aluno. O seu estudo permite igualmente diagnosticar ou fazer uma avaliação interna. (2016) os conflitos escolares. são aqueles provenientes de ações próprias dos sistemas escolares ou oriundos das relações que envolvem os atores da comunidade educacional mais ampla. 11 ao clima uma grande importância. existir dificuldade em selecionar uma alternativa.

(2007).. Para se fazer uma boa gestão de conflitos e também os prevenis é necessário conhecer as situações que têm tendência a gerar conflitos. (2010) afirma que: Professores e alunos dão valores diferentes à mesma ação e reagem diferentemente ao mesmo ato: isso é conflito. Outra situação que se deve referir é a indefinição das regras do jogo. (2007). pois se o trabalho de uma pessoa esta dependente do trabalho de outra é bastante provável que surjam conflitos. Igualmente geradora de conflitos está a situação de interdependência de recursos. Causas dos conflitos CHIAVENATO (2004) apud NASCIMENTO & SIMÕES. as causas dos conflitos são:  Diferenças de personalidades.  Diferenças na acessória de informação e .. maior será a possibilidade de conflito ou de diferença de opinião. (2016). [. a gestão de conflitos consiste em uma das principais competências do papel facilitador do gestor e sua ausência torna o gestor sem consciência. Quando se instala a ambiguidade quer seja em relações profissionais como pessoais. O conflito esta presente em situações onde existe um sistema de recompensas competitivas pois basicamente se verifica que para um indivíduo ganhar e ser premiado o outro não o será. enquanto a eficiência na realização deste papel.  Metas diferentes. Outras causas dos conflitos Segundo CHIAVENATO (2004) apud CANDINI. Em todas as situações em que os recursos são escassos em relação ao desejado vai ocorrer uma discordância em como reparti-los. A interdependência de funções é uma das situações chave que dão origem a conflito. inábil e grosseiro. dá origem a interpretações às quais as partes intervenientes podem não estar de acordo. 12 Gestão de conflitos Conforme QUINN (2003) apud CHRISPINO.  Existência de actividades interdependentes no trabalho. CHRISPINO. o que facilita a interação entre as partes. E isto permite o surgimento de valores indefinidos e contrapostos.] Quanto mais diversificado for o perfil dos alunos (e dos professores).  Recursos compartilhados. provoca a participação e a abertura.

p. Martinez Zampa (2005.  O incumprimento das cláusulas de trabalho entre o patronato e o trabalhador. 29) apud CHRISPINO.11-12).  Busca de “pontuação” (posição de destaque). colocando em segundo lugar de importância os conflitos entre alunos.  Interesses pessoais. 13  Percepções diferentes. (2007 p. Martinez Zampa (2005. como: pagamento do INSS. não são explícitos ou mesmo percebidos.  Aumento da carga horária sem a devida recompensa salarial. classifica os conflitos escolares da seguinte forma:  Entre docentes – Esses conflitos são causados por:  Falta de comunicação. A fonte dos conflitos. (2007 p.  Não-indicação para cargos de ascensão hierárquica.  Conflitos anteriores. diz que é possível destacar fontes de conflitos tais como:  Atraso no pagamento salarial. na maioria das vezes. p. diz que os professores consideram que os conflitos mais frequentes e importantes se dão entre seus colegas e diretores.  Despedimento sem justa causa. IRPS.  O não cumprimento das obrigações organizações.11-12). (2016).  A falta de pagamentos de horas extras.  Abuso de poder por parte de alguns membros pertencentes ao elenco administrativo.  Questões de poder. Classificação dos conflitos Na comunidade escolar existem pontos que contribuem para o surgimento dos conflitos e que. 31-32) apud CHRISPINO. no nosso país Moçambique Segundo GUILANDE (2000) apud CANDINI. . A prioridade que se dá para os diferentes conflitos escolares é um primeiro ponto.  Entre alunos e docentes – causadas por:  Não entender o que explicam.

81-82) apud CHRISPINO.  Não serem ouvidos (tanto alunos quanto docentes). os conflitos escolares podem ser categorizados em organizacionais.  Desinteresse pela matéria de estudo.  Descriminação.  Assédio sexual.  Perda ou dano de bens escolares. 14  Notas arbitrárias. (2007). pedagógicos e de atores.  Falta de material didático.  Entre alunos .  Brigas. A seguir.  Cantina escolar ou similar.  Divergência sobre critério de avaliação.  Namoro.  Falta de assistência pedagógica pelos professores.  Associação de pais e amigos.  Falta ao serviço pelos professores.  Não-atendimento a requisitos burocráticos e administrativos da gestão.  Uso de uniforme escolar. p. culturais. Categorias dos conflitos escolares Segundo NEBOT (2000.  Descriminação.  Avaliação inadequada (na visão do aluno). os detalhes de cada um dos tipos: .  Perda de material de trabalho.  Rivalidade entre grupos.  Entre pais.  Critérios de avaliação.  Uso de espaços e bens. docentes e gestores – causas:  Agressões ocorridas entre alunos e entre os professores.causas  Mal entendidos. aprovação e reprovação.

ampliando-se as fronteiras (por exemplo. etc). afetando a qualidade de vida dos funcionários e docentes. Rompem-se as concepções rígidas dos muros da escola. direção etc). podendo produzir o fenômeno de afastamento familiar que acarreta o depósito do aluno na escola. as organizações sociais do bairro. folclóricas. alunos. seus ajustes ao currículo acadêmico e suas formas de produção (por exemplo. a presença de fortes componentes migratórios na região). que gera a rotina de tarefas e de funções (direção. Raciais e identidades: são aqueles grupos sociais que possuem um pertencimento e afiliação que faz a sua condição de existência no mundo. 15 Organizacionais Setoriais: são aqueles que se produzem a partir da divisão de trabalho e do desenho hierárquico da instituição. Estes. técnico administrativo. mas diferentes. que ocorrem em qualquer âmbito (turma. não é a mesma coisa ensinar matemática que literatura. com suas características culturais. donde derivam as ações que caracterizam a dinâmica familiar que afeta diretamente a pessoa.b Atores São aqueles que denominamos pessoas e que devem ser distinguidos:  Em grupos e subgrupos. Pedagógicos São aqueles que derivam do desenho estratégico da formação e dos dispositivos de controlo de qualidade e das formas de ensinar. . O salário e as formas como o dinheiro se distribui no coletivo. as condições econômicas de seus habitantes). a organização dos horários de das turmas e dos professores. os bairros e suas características. as avaliações). patrocinam uma série de práticas e habitus que retroalimentam o estabelecimento de ensino (por exemplo. professores.  Familiares. Culturais Comunitários: são aqueles que emanam de redes sociais de diferentes atores onde está situada a escola. etc. corpo docente. e ambas possuem procedimentos similares. ritualísticas.

 Desenvolver a empatia. dar e receber informação. Neste caso. capacidade de se colocar no lugar do outro. Resolução dos conflitos escolares Segundo BALLENATO (2008:142) apud CHRISPINO. Segundo TORREGO (2003. há sempre o risco da estigmatização do membro da comunidade que é o causador do conflito. em que as duas partes em confronto recorrem a uma terceira pessoa imparcial. simultaneamente. se compreendermos o modo de pensar e de sentir da outra pessoa. O objetivo será chegarem a um acordo satisfatório para ambas as partes. e na sequência do exposto. Para se levar a cabo a transformação do conflito no contexto educativo através da mediação. partilhar sentimentos. devem ou pretendem manter uma relação entre si. que são aqueles onde a “patologia” toma um membro da organização escolar.  Mostrar assertividade. reunir esforços. o que nos permite compreender o seu ponto de vista. Podemos avançar no processo de solução de um conflito. 16  Individuais. é a negociação cooperativa considerada ideal para todo o tipo de conflitos. admitindo uma atitude e comportamento que permita respeitar os outros sem violar os seus direitos e desejos. A mediação nas escolas é um dos métodos mais eficazes e construtivos para a resolução de conflitos neste contexto. a mediação é uma forma de resolver os conflitos. (2007). aproveitando adequadamente a comunicação como um instrumento útil para pedir opiniões. p. existem algumas formas fundamentais para uma resolução adequada de problemas. Mediação de conflitos na escola O primeiro ponto para a introdução da mediação de conflito no universo escolar é assumir que existem conflitos e que estes devem ser superados a fim de que a escola cumpra melhor as suas reais finalidades. desenvolver capacidades e competências para a gestão e resolução de conflitos. encontrar alternativas. tais como:  Utilizar o diálogo. que neste caso é o mediador. Uma outra característica da mediação.5) apud JESUS (2012). em que as partes em confronto. . é necessário alterar comportamentos e a comunicação interpessoal e. bem como os motivos e argumentos que o levam a pensar de determinada maneira.

 Contribui para a melhoria das relações interpessoais.  Ajuda a uma resolução de conflitos mais rápida e sem custos. necessidades e valores próprios e dos outros. Vantagens do uso mediação na resolução de conflitos escolares A mediação escolar aponta os seguintes aspetos positivos JESUS (2012):  Contribui para o desenvolvimento de atitudes de interesses e respeito pelo outro.  Aumenta a capacidade de resolução de conflitos de forma não violenta. interesses. . de escuta e de pacificação das relações interpessoais.  Diminui o número de conflitos.  Estimula o desenvolvimento de atitudes cooperativas no tratamento dos conflitos. na resolução dos conflitos a mediação e arbitragem é um órgão importante em Moçambique regulada por legislação especifica e é uma das medidas de resolução doas conflitos com processo de obrigatoriedade a ser conduzido para a mediação antes de serem submetidos aos tribunais. 2007). Favorece a autorregulação. Em Moçambique a mediação de conflitos é regulamentado pelo centro de mediação e arbitragem laboral e regulamentada na lei nº 23/2007 de 1 de Agosto e foi publicado no B. tal como o tempo gasto na resolução dos mesmos. se o discurso de educadores e docentes for incoerente com esta postura.I série. A escola deve desenvolver um contexto de significação congruente com a mediação.  Reduz o número de sanções e expulsões. a mesma lei cria os Centros de Mediação e o Decreto-Lei 31/2005 regula o uso da mediação. (CHRISPINO. 2016). (CANDINI.  Ajuda a reconhecer e a dar valor aos sentimentos. De pouco servirá que as crianças e os jovens estudantes sejam sensibilizados e treinados para uma cultura de diálogo. uma vez que as pessoas procuram em conjunto soluções satisfatórias para ambas as partes. 17 Neste sentido.R. o sucesso de um projecto de mediação na escola depende do envolvimento de todos os actores do contexto escolar. sobretudo a escuta. através da procura de soluções autónomas e negociadas.  Contribui para o desenvolvimento da capacidade de diálogo e para a melhoria das capacidades comunicativas.

por que e como agir para melhorá-lo porque quando o clima organizacional na escola é desfavorável. uma escola atuante e eficiente para o sistema educacional vigente. uma vez que com a participação de todos os membros da escola facilita o trabalho de ambos na distribuição de tarefas. pode alterar esse contexto. desse modo. percebe-se que. para uma adequada aplicabilidade metodológica acerca da gestão escolar. sendo articuladas ambas umas as outras e torna. além de cumprir as metas propostas pela estrutura organizacional e curricular da instituição de ensino. . Além de identificar que o clima está mal. Desse modo. Por outro lado a escola é um ambiente especialmente adequado para trabalhos sobre clima organizacional pois nela há diversos conflitos pois o clima tem um efeito circular: resulta de uma constelação de fatores circunstanciais e. faz-se necessário a atuação da gestão participativa com a finalidade de solucionar as problemáticas existentes na escola. faz-se mister salientar que a gestão participativa contribui para uma gestão escolar proporcionando a ampliação da democratização da instituição. por sua vez. 18 Conclusão Diante do que foi abordado neste trabalho. é preciso identificar onde. bem como os anseios dos alunos no ambiente escolar. podem surgir conflitos.

Clima Escolar e Participação Docente. Talita Almeida de Campos. A Gestão Escolar Democrática Participativa E A Ação Docente. et all: A Influência Do Clima E Cultura Organizacional Na Gestão De Uma Escola Do Ensino Fundamental. SIMÕES. 2010. 2014 LOPES. 2013. TETE. JESUS. Rio de Janeiro. FONSECA. Baru.Cristo Rei Em Manica (2013-2015). A Gestão Participativa No Cotidiano Escolar. Gestão do conflito escolar: da classificação dos conflitos aos modelos de mediação. Josiana Rodrigues. 2010 PEREIRA. Tese de Mestrado em Ciências da Educação. Magno da Nóbrega. Gestão de conflitos na escola. 2008. COSTA. A Relevância Da Gestão Democrática E Participativa No Contexto Educacional. Ana Paula Padilha Custódio. 2007. Análise Das Estratégias De Gestão De Conflitos Laborais para o desenvolvimento organizacional: Um Estudo De Caso Na Escola Secundária De Jécua. Janaína Machado. Faculdade de Gestão de Recursos Naturais e Mineralogia. Treva Ricardo. Catarina Sofia Cristina. Andreia Fonseca L. Gestão Escolar. 19 Referencias Bibliograficas CANDINI. 2012 LISBOA. Universidade Católica De Moçambique 2016. 2007 NASCIMENTO. UEPB. Rio de Janeiro. Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. UEPA. A Gestão De Conflitos Interpessoais Nas Organizações Públicas De Ensino Profissionalizante: Uma Análise Da Experiência De Nova Iguaçu. 2013. 14. Álvaro. Fernando António de Melo. Lydiene Moreira & SANTOS. . São Paulo. CHRISPINO. MODOLO. Camila Pilastri. Vol. Beja. Coimbra. Universidade de Coimbra.