Está en la página 1de 240

Um doutor no Calvário

IHEIHEIHE PaixãoPaixãoPaixão dedede NossoNossoNosso SenhorSenhorSenhor JesusJesusJesus CristoCristoCristo

ComoComoComo DescritoDescritoDescrito porporpor umumum cirurgiãocirurgiãocirurgião

Pierre Barbet, MD

Traduzido pelo conde de WICKLOW

LIVROS DE IMAGEM

UMA DIVISÃO DA DOUBLEDAY & COMPANY, INC.

GARDEN CITY, NEW YORK

IMAGEMIMAGEM EDIÇÃOEDIÇÃO LIVROS,LIVROS, 19631963

DEDEDEDEDE ESPECIAL,ESPECIAL,ESPECIAL,ESPECIAL,ESPECIAL, ArranjoArranjoArranjoArranjoArranjo comcomcomcomcom P.P.P.P.P. J.J.J.J.J. KenedyKenedyKenedyKenedyKenedy &&&&& SONSSONSSONSSONSSONS

ImagemImagem LivrosLivros ediçãoedição publicadapublicada fevereirofevereiro 19631963

Nihil Obstat: ML Dempsey, DST

Censurar Theol., Dep.

ImprimiImprimiImprimi potest:potest:potest: JoannesJoannesJoannes CarolusCarolusCarolus

Archiep. Dublinen,

Hibemiae Primas

18 de agosto de 1953

UMAUMAUMA MÉDICOMÉDICOMÉDICO NONONO CALVARYCALVARYCALVARY ééé umaumauma traduçãotraduçãotradução dedede LaLaLa PassionPassionPassion dedede N.-S.N.-S.N.-S.

JesusJesusJesus descendentedescendentedescendente CristoCristoCristo lelele ChirurgienChirurgienChirurgien porporpor PierrePierrePierre Barhet,Barhet,Barhet, MD,MD,MD, publicadopublicadopublicado pelapelapela DillenDillenDillen iririr Cie,Cie, Editeurs,Editeurs, IssoudunIssoudun (Indre),(Indre), França,França, 1950.1950.

Todos os direitos reservados

IMPRESSO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

CONTEÚDO

PREFÁCIO

VII

1 do Santo Sudário

1

2 crucificação e ARQUEOLOGIA

37

33 TimTim causascausas dada mortemorte rápidarápida

J2.

44

TIIETIIE PRELIMINARPRELIMINAR SOFRIMENTOSSOFRIMENTOS

89

55

AsAs feridasferidas dasdas mãosmãos

I03

66

AsAs feridasferidas nosnos péspés

121

77

OO FERIMENTOFERIMENTO NONO CORAÇÃOCORAÇÃO

12Q

888

AAA descidadescidadescida dadada cruz,cruz,cruz, ooo VIAGEMVIAGEMVIAGEM

Ao túmulo e sepultamento

99

OO ENTERROENTERRO

IO VILLANDRES crucifixo.

11 PENSAMENTOS ÚLTIMAS

121212 AAA PAIXÃOPAIXÃOPAIXÃO DEDEDE CABOCABOCABO JESUSJESUSJESUS CRISTOCRISTOCRISTO

ANEXO I

ANEXO II

148

154

176

178

187

208

209

ILUSTRAÇÕES

Entre as páginas 104 e 105

INTRonucrronINTRonucrron YY

O

Deitado no Sudário

FIGURA I

Imagem frontal no Sudário (Superior

 

Parte)Parte) impressãoimpressão fotográficafotográfica

FIGURA II

ImagemImagem traseiratraseira nono SudárioSudário Photo¬Photo¬

 

impressão gráfica

FIGURASFIGURASFIGURAS IIIIIIIII EEE IVIVIV VVV

RadiografiaRadiografiaRadiografia dedede umumum mãomãomão dedede trástrástrás NailedNailedNailed imagemimagemimagem nanana aaa

FIGURA

saia (Lower

 

Membros)

FIGURA VI

OO PregandoPregando dada imagemimagem PésPés frontalfrontal nono SudárioSudário PhotoPhoto

FIGURA VII

 

prova gráfica

FIGURA VIII

ImagemImagem frontalfrontal nono SudárioSudário Repro¬Repro¬

 

dução de negativo

FIGURA IX

ImagemImagem traseiratraseira nono SudárioSudário Reproduc¬Reproduc¬

FIGURA X

FIGURA XI

ção de negativo

AsAs mãosmãos sobresobre oo SudárioSudário Photo¬Photo¬

impressão gráfica

Marcas Volekringer- Esquerda por plantas em um

dede ervaservas impressãoimpressão fotográficafotográfica ee tivativa nega¬nega¬

PREFÁCIO

Eu tenho há muito tempo sido solicitado, mas nos últimos tempos, com mais entusiasmo, para reunir em um só livro os resultados de minhas experiências anatómicas, de minhas pesquisas archajological e escriturais, finalmente, de minhasminhasminhas reflexõesreflexõesreflexões sobresobresobre aaa PaixãoPaixãoPaixão dedede NossoNossoNosso SenhorSenhorSenhor JesusJesusJesus Cristo.Cristo.Cristo. ÉÉÉ umumum assunto que há mais de quinze anos tem na verdade nunca esteve fora dos meus pensamentos, e às vezes quase me absorto. Para se tliis mundo qualquer assunto mais importante para a meditação do que os sofrimentos, em que duas verdades misteriosas tornaram-se materializou para a humanidade, da Encarnação e da Redenção? É evidente que é necessário e suficiente que a humanidade deve aderir a estes com toda a sua alma, e que eles devem lealmente deduzir a partir deles sua regra de vida. Mas, em tliis evento único, que é o ponto culminante da história humana, o menor detalhe parece-me ter um valor infinito. Não se cansado de examinar os menores detalhes, mesmo quando a reticência dos evangelistas torna necessário para que possamos construir a nossa estrutura em bases científicas, que,

Teólogos pode imaginar e descrever-nos as ferings suf¬ morais, que faziam parte da Paixão do Salvador, começando com os da agonia de Gethscmani, quando Ele estava over¬ whelmed com o peso dos pecados do mundo, e end¬ inginging comcomcom ooo abandonoabandonoabandono dododo Pai,Pai,Pai, quequeque atraiuatraiuatraiu deledeledele ooo gritogritogrito nanana cruz:cruz:cruz: “Eli,“Eli,“Eli, Eli,Eli,Eli, LammaLammaLamma sabachthani!”sabachthani!” Pode-sePode-se atéaté arriscoarrisco aa dizerdizer queque EleEle continuoucontinuou aa recitarrecitar aa Him¬Him¬ auto em voz baixa o magnífico vigésimo primeiro psahn, da qual estas palavras são o primeiro verso; um salmo que continua em notas de esperança, e termina com um cântico triunfal da vitória.

MasMas quandoquando osos mesmosmesmos teólogosteólogos ouou exegetasexegetas desejadeseja descrever-nosdescrever-nos osos

sofrimentos físicos de Jesus, fica-se impressionado com o

viii

Um doutor no Calvário

dificuldadedificuldade queque eleseles encontramencontram parapara nosnos ajudarajudar aa tomartomar parteparte neles,neles, dede qualquerqualquer maneira no pensamento. A verdade é que mal under¬ suportá-los; há pouco sobre este assunto que parece mais vazio do que os sermões tradicionais sobre a Paixão.

Alguns anos atrás, meu bom amigo Dr. Pasteau, o dente presi¬ da Société de Saint-Luc de Médicos Católicos na França, foi visitar o Vaticano com vários altos dignitários da Igreja. Ele estava explicando a eles, seguindo em minhas pesquisas, o quanto sabemos agora sobre a morte de Jesus, sobre Seus sofrimentos terríveis, e como ele tinha morrido, sofrendo de cãibras em todos os seus músculos e por asfixia. Um deles, que ainda era o cardeal Pacelli, e que, junto com os outros, tinha ido pálido com dor e compaixão,

respondeu-lhe:respondeu-lhe:respondeu-lhe: "Nós"Nós"Nós nãonãonão sabia;sabia;sabia; nuncanuncanunca ninguémninguémninguém tinhatinhatinha nosnosnos dissedissedisse isso.”isso.”isso.”

E é de facto essencial que nós, que somos médicos, névoas anato¬ e

fisiologistas, que nós, que sabe, deve proclamar o exterior a terrível verdade,

que nossa pobre ciência não deve mais ser usado apenas para aliviar as dores de nossos irmãos, mas deve cumprir um escritório maior, a de iluminando-os.

A principal razão para esta ignorância é para ser encontrado, deve possuir,

na concisão terrível dos evangelistas:

tendotendotendotendotendo açoitadoaçoitadoaçoitadoaçoitadoaçoitado Jesus,Jesus,Jesus,Jesus,Jesus, ooooo entregouentregouentregouentregouentregou aaaaa eleseleseleseleseles paraparaparaparapara serserserserser

ee oo crucificaram.”Todocrucificaram.”Todo cristão,cristão, nãonão importaimporta quãoquão poucopouco eleele podepode serser liturgicamente-minded, ouve estas duas frases ao longo dos anos, quatro vezes durante a Semana Santa, em versões ligeiramente diferentes. Mas o quanto isso significa para ele a longo leitura da Paixão? O canto solene continua: pode-se ouvir os uivos do

judaicojudaico mobmob ee asas palavraspalavras gravesgraves dodo Salvador,Salvador, eaea menosmenos queque sese preparoupreparou dede antemão, a mente não tem o tempo para me debruçar sobre os sofrimentos horríveis a que estas simples palavras se referem.

Os Evangelistas certamente não tinha necessidade de ser mais explícita. Para os cristãos que tinham escutado o ensino apostólico, e que mais tarde ler os quatro evangelhos, essas duas palavras,

“Flagelação,“Flagelação, crucificaçãocrucificação “,“, erameram todostodos muitomuito cheiocheio dede significado;significado; ElesEles tinhamtinham

Prefácio

ix

experiência em primeira mão, e tinha visto açoites e fixions cruci¬; eles sabiam o que as palavras significavam. Mas, para nós mesmos e para os nossos sacerdotes, eles significam quase nada; eles dizem, in¬ ação, de um castigo cruel, mas eles pintam não ture pic¬ definitiva. E se observa o pregador infeliz desesperadamentedesesperadamentedesesperadamente tentandotentandotentando expressarexpressarexpressar seuseuseu sincerosincerosincero pesar:pesar:pesar: "Jesus"Jesus"Jesus sofreu;sofreu;sofreu; EleEleEle tem muito sofrido; Ele sofreu por nossos pecados “.

Para o homem que sabe o que isso significa, que sofre em conseqüência, a ponto de não ser capaz de fazer as Estações da Cruz, lá vem um terrível tentação de in¬ terrupt o orador, para dizer a ele o quanto Ele sofreu e de que maneira Ele sofreu, para explicar a quantidade e qualidade dos seus sofrimentos, e, finalmente, o quanto Ele desejou morrer.

Durante vários anos eu tive a suprema alegria de ouvir que em muitas igrejasigrejasigrejasigrejas minhaminhaminhaminha pequenapequenapequenapequena paixãopaixãopaixãopaixão corporellecorporellecorporellecorporelle 1111 temtemtemtem spiredspiredspiredspired in¬,in¬,in¬,in¬, animada,animada,animada,animada, eeee àsàsàsàs vezesvezesvezesvezes substituiu completamente o mon ser¬ sobre a Paixão. Durante a guerra, eu mesmo experimentei a grande felicidade de ser capaz de lê-lo, em Issy-les-Mouline- aux, trezentos seminaristas e seus professores; era de uma forma paradoxal, e invertendo os papéis, um verdadeiro exemplo do apostolado dos leigos. Vou pregar o sion Pas¬ não mais, mas é em grande parte com vista a esses clérigos que eu quis divulgar minhas idéias, de modo quequeque possampossampossam alimentaralimentaralimentar aaa suasuasua devoçãodevoçãodevoção aaa JesusJesusJesus crucificadocrucificadocrucificado eee podepodepode trazê-lotrazê-lotrazê-lo para fora em sua pregação.

É por isso que eu decidi coletar todas essas idéias to¬ gether em um livro, que me permitem desenvolver-los mais facilmente. Minhas experiências anatômicos ocorreu nos anos de 1932 e 1935. Eu descrevi o primeiro a meus

colegascolegascolegascolegas dadadada SociétéSociétéSociétéSociété dededede Saint-LVC,Saint-LVC,Saint-LVC,Saint-LVC, cujocujocujocujo julgamentojulgamentojulgamentojulgamento eueueueu valorizavavalorizavavalorizavavalorizava maismaismaismais dededede qualqqualqqualqqualq

outro. Eles foram generosos em sua porta sup¬ entusiasmado e me deu a hospitalidadehospitalidade dede seuseu boletim:boletim: nesteneste foramforam publicadospublicados lesles alimentaçãoalimentação dudu

Crucifié,Crucifié,Crucifié,Crucifié,Crucifié,Crucifié,Crucifié, Pode,Pode,Pode,Pode,Pode,Pode,Pode, dedededededede 1933;1933;1933;1933;1933;1933;1933; leslesleslesleslesles piedspiedspiedspiedspiedspiedspieds dududududududu cru-cru-cru-cru-cru-cru-cru- cifiécifiécifiécifiécifiécifiécifié etetetetetetet lelelelelelele coupcoupcoupcoupcoupcoupcoup dedededededede lança,lança,lança,lança,lança,lança,lança, Marcha,Marcha,Marcha,Marcha,Marcha,Marcha,Marcha, 1934;1934;1934;1934;1934;1934;1934; lalalalalalala descentedescentedescente dududu CroixCroixCroix etetet lelele transportetransportetransporte auauau tombeau,tombeau,tombeau, DeDeDe marçomarçomarço dedede 1938;1938;1938; I'ensevelissemI'ensevelissemI'ensevelissem

11 TraduçãoTradução publicadapublicada pelopelo ClonmoreClonmore && Reynolds,Reynolds, Ltd.Ltd.

X

Um doutor no Calvário

dededede Jesus,Jesus,Jesus,Jesus, Marcha,Marcha,Marcha,Marcha, 1948,21948,21948,21948,2 EuEuEuEu publicoupublicoupublicoupublicou oooo resultadoresultadoresultadoresultado dasdasdasdas minhasminhasminhasminhas primeirasprimeirasprimeirasprimeiras pesquisaspesquisaspesquisaspesquisas re¬re¬re¬re¬ emememem umumumum

pequenopequenopequenopequeno livro,livro,livro,livro, lesleslesles CinqCinqCinqCinq PlaiesPlaiesPlaiesPlaies dudududu Christ,Christ,Christ,Christ, 3333 dentrodentrodentrodentro Janu¬Janu¬Janu¬Janu¬

ary de 1935; a sua quarta edição, suplementado com um capítulo sobre a descida dadadada cruz,cruz,cruz,cruz, apareceuapareceuapareceuapareceu emememem 1948.1948.1948.1948. EmEmEmEm 1940194019401940 eueueueu pro¬pro¬pro¬pro¬ duzidoduzidoduzidoduzido meumeumeumeu Folheto,Folheto,Folheto,Folheto, lalalala PassionPassionPassionPassion corporelle,corporelle,corporelle,corporelle, 4,4,4,4, quequequeque apareceuapareceuapareceuapareceu emememem primeiroprimeiroprimeiroprimeiro lugarlugarlugarlugar emememem LaLaLaLa VieVieVieVie SpirUuelle.SpirUuelle.SpirUuelle.SpirUuelle. OOOO ensaioensaioensaioensaio sobre o enterro de

JesusJesus apareceuapareceu emem marçomarço dede 1948,1948, comocomo resultadoresultado dede umauma palestrapalestra dadadada àà filialfilial

dede ParisParis dada SociétéSociété dede Saint-Luc.Saint-Luc. PossoPosso afirmarafirmar que,que, desdedesde EuEu termineiterminei meusmeus experimentosexperimentos asas clusõesclusões con¬con¬ aa que eu vim nunca foram revertidos, embora eu permaneço aberto a qualquer nova descoberta que pode mostrar-me ter sido errado. Sempre foi meu objetivo de olhar para isso como uma questão científica e apresentar minhas conclusões como hipóteses, na minha opinião solidamente estabelecida, mas capaz de modificação, de qualquer maneira em seus detalhes. Mas eu nunca deixaram de refletir sobre esta forma de tormento e nas imagens do Santo Sudário, cuja autenticidade é a minha mente as¬ sured por uma rede solidária de provas anatómicas.

Deste longa meditação, contínuo, surgiu, sem mais experiência, uma série de planations ex¬ complementares que me parece tão luminoso como eles são simples. Encontramos, por exemplo, o duplo fluxo de sangue do pulso, devido ao duplo movimento de alisamento e relaxamento por parte do Crucificado, eo fluxo torácica nas costas devido ao método de levar para o túmulo. Vamos reunir-se com tudo isso mais tarde, e vamos também ver como essas conclusões científicas são totalmente de acordo com os Evangelhos.

Posso tranquilizar meus leitores que neste livro eu estou fazendo nenhuma reivindicação que eu posso fornecer uma solução completa e definitiva para o problema do Santo Sudário. Deus me livre! Meu objetivo é mais modesto, para definir os meus pontos de vista quanto ao estado real do

2222 AsAsAsAs mãosmãosmãosmãos dodododo Crucificado,Crucificado,Crucificado,Crucificado, May,May,May,May, dededede 1933;1933;1933;1933; aosaosaosaos péspéspéspés dodododo Cruci¬Cruci¬Cruci¬Cruci¬ ficadosficadosficadosficados eeee golpegolpegolpegolpe tlietlietlietlie

comcomcom aaa lança,lança,lança, dedede marçomarçomarço dedede 1934;1934;1934; aaa descidadescidadescida dadada cruzcruzcruz eee aaa viagemviagemviagem paraparapara ooo túmulo,túmulo,túmulo, dedede marçomarçomarço dedede 1938;1938;1938; ooo enterroenterroenterro dedede Jesus,Jesus,Jesus, Marcha,Marcha,Marcha, 1948.1948.1948.

3333 CincoCincoCincoCinco ChagasChagasChagasChagas dededede Cristo.Cristo.Cristo.Cristo. TraduçãoTraduçãoTraduçãoTradução publicadapublicadapublicadapublicada porporporpor Clon-Clon-Clon-Clon- maismaismaismais &&&& Reynolds.Reynolds.Reynolds.Reynolds.

44 AA PaixãoPaixão Corporal.Corporal.

Prefácio

XI

questão, na sequência de um longo estudo do assunto, ou pelo menos para descrever a visão razoavelmente homogênea e lógico que tenho sido capaz de chegar tão longe. Vou apontar o que eu considero ser duvidoso e que eu consideroconsidero serser definitivamentedefinitivamente admitidoadmitido comocomo verdadeiro.verdadeiro. EssaEssa éé aa espíritoespírito dodo método científico e experimental. Mas eu nunca vou esquecer que o sudário, como HH Papa Pio XI dizia, ainda está cercado por muitos mistérios. O futuro não tem dúvida de muitas surpresas para nós.

Outra coisa que eu aprendi no curso de meus ções publica¬, é a dificuldade de explicar conclusões científicas para os não iniciados, pois estas pressupõem um curso inteiro de ensino anterior. Ao escrever para os meus colegas, tudo correu facilmente, e eu era capaz de me fazer entender em poucas palavras. Minha tendência natural para ser conciso tinha todo o tage advan¬, uma vez que a minha demonstração mais precisa e compacta. Mas como muitas vezes têm aqueles que não eram médicos me pediu para mais informações ou tiver objeções estabelecidas, cujas respostas, bem como as explicações, já havia sido impresso no meu trabalho. Sim, tudo tinha sido claramente explicado, mas em frases curtas demais para quem não foi iniciado, e não houve repetições; Eu não tinha feito o meu ponto forte o suficiente. Em edições posteriores I lucrado por esta experiência,

Como talvez seja conhecido, minhas experiências anatômicas foram dertaken un¬ após a exposição do Santo Sudário em Turim, em 1931. Meu velho amigo, o padre Armailhac, a quem Deus tem chamado agora para o céu, visitou a conferência Laennec de estudantes de cine medi¬ em Paris , a fim de nos mostrar asas últimasúltimas fotos,fotos, queque eueu mesmomesmo usei.usei. EleEle desejavadesejava obterobter oo opiniãoopinião dede névoasnévoas anato¬.anato¬. IstoIsto éé portanto,portanto, muitomuito natural,natural, desdedesde oo meumeu primeiroprimeiro objectivoobjectivo eraera oo dede verificar a precisão anatômica dessas marcas (este objectivo, desde então, foi consideravelmente ampliada), que eu deveria tentar dar ao leitor um breve relato desta relíquia notável, e dos argumentos apaixonados que que tem despertado, mesmo e in¬ ação especialmente entre os católicos.

Meus estudos também me levou a investigar tudo o que, por sua

xii

Um doutor no Calvário

pagãpagã ee archmologyarchmology cristã,cristã, nosnos textostextos antigosantigos (além(além dasdas Escrituras)Escrituras) ee emem aa história da arte pode nos dar algumas informações sobre esta forma de puniçãopunição queque foifoi usadousado pelospelos romanos;romanos; dentrodentro NesteNeste caso,caso, osos carrascoscarrascos erameram osos legionários romanos eo juiz era um procurador romano. Em um livro como este, que não é obrigado a ser o mais compacto e leve como uma brochura, eu posso explicar os resultados dessas pesquisas e experimentos; Não vou me restringir mas vou tentar evitar tudo pedantismo.

Eu tinha mantido fora do meu livro sobre as cinco chagas tudo lidar com os outros sofrimentos de Jesus, antes de sua crucificação: o suor de sangue, as crueldades infligidas a Ele como um prisioneiro, a flagelação, a coroação de espinhos, o car¬ rying da cruz, traços surpreendentes de que estão a ser visto sobre o Santo Sudário. Meu objetivo aqui, como a conclusão do meu trabalho, é tentar lidar com todas estas questões, sempre com o mesmo espírito médica.

I deve também dar as opiniões que se formaram em conta a descida da cruz eo que transportam para o túmulo, e os resultados da minha exegético (Espero que os exegetas me perdoe), pesquisas históricas e filológicas, sobre o tema da mortalha e o enterro.

Muitas vezes me pergunto, de fato, por que eu deveria ter sido escolhido para fazer essas pesquisas. Estou ciente de que há quarenta anos tenho tido um grande interesse em exegese bíblica, e que eu ansiosamente se debruçaram sobre a magnífica safra de obras que é uma das glórias da Igreja na França, daqueles de Padre Lagrange aos do Pai de Grandmaison, para men¬ ção apenas dois dos nossos escritores que estão agora mortos. Mas existem tantos outros que se pode consultar, tendo a partir de cada um as flores mais belas em seu jardim. I ter retido a partir da formação clássica sólido que I recebido (de acordoacordo comcom aa fórmulafórmula pneupneu usual)usual) oo capacidadecapacidade dede passarpassar porpor cimacima dodo gregogrego ee latim, mas, infelizmente, não os textos hebraicos. I sempre tiveram um interesse apaixonado pela arqueologia e da história da arte, e tenho estudado as manifestações do espírito cristão, a partir dos afrescos das catacumbas, que visitei durante um longo período, até elaborações lire da arte moderna. Finalmente, eu sou primeiro

Prefácio

xiii

de tudo um cirurgião, e, portanto, bem versado em anatomia, que eu ensinei por um longo tempo; I viveu por treze anos em estreita tato con¬ de cadáveres e passei toda a minha carreira examinando a anatomia dos vivos. Posso, portanto, sem Sumption pre¬, escrever "Paixão de acordo com o cirurgião”, podemos dizer que o cirurgião cultivada, que é o que é seu dever soluto ab¬ ser.

O leitor pode sorrir, eu acho que, quando ele rasga este ingênuo ApologiaApologia propro domo.domo. EleEle devedeve entenderentender queque nãonão éé apenasapenas umauma listalista dede títulostítulos comcom osos quais estou buscando me justificar, mas uma tentativa de desculpar minha ousadia. Por tudo isso encheu-me com o desejo de enfrentar estes problemas, com a esperança de que, se Deus quiser, eu poderia chegar a sua solução. Além disso, eu só assumiu minhas experiências, quando eu tinha a certeza de que nenhum dos meus colegas estavam fazendo o mesmo.

MasMas sinto-mesinto-me tranquilizou,tranquilizou, comocomo eueu lili novamentenovamente oo deliciosodelicioso capítulocapítulo IXIX dada FioreFiore quando o irmão Masseo, a fim de testar a humildade de seu mestre, não parava de dizer a São Francisco:

""" PerchePerchePerche umumum tte;tte;tte; perchepercheperche umumum TTETTETTE --- PorPorPor quequeque você,você,você, aoaoao invésinvésinvés dedede qualquerqualquerqualquer outraoutraoutra pessoa “e Francis respondeu o irmão Masseo: "? Porque os olhos de Deus nas alturas não vi ninguém entre os pecadores que é mais vil ou mais indigno

dodododo quequequeque

trabalhotrabalho mar¬mar¬ vellousvellous emem aa fimfim dede confundirconfundir aa nobrezanobreza eaea nessness great¬great¬ ee aa

beleza e a força e a sabedoria deste mundo, de modo que possa ser entendido que toda a virtude e tudo de bom vem dEle, e não de criaturas, e que nenhuma pessoa pode glorificar -se quando em sua presença; mas se any¬ seria glorificar a si mesmo, glorifique-se no Senhor, ao qual seja honra e glória para sempre “.

eueueueu sousousousou EEEE paraparaparapara isso.isso.isso.isso.

EleEleEleEle memememe escolheuescolheuescolheuescolheu paraparaparapara realizarrealizarrealizarrealizar esseesseesseesse

Eu não iria terminar este prefácio sem agradecer, como deveria, os Missionários do Sagrado Coração em Issoudun, e sua editora, meu velho amigo, Dillen, que têm entre eles impresso e distribuído meus pequenos livros com uma devoção verdadeiramente fraterna. Eu não posso fazer melhor do que confiar este gancho para eles, a quem ele já deve tanto!

PARIS,PARIS, DiaDia dede TodosTodos osos SantosSantos dede 1949.1949.

Um médico CALVÁRIO

CAPÍTULO UM

Santo Sudário

O leitor que deseja formar uma idéia geral do lem prob¬, deve ler um livro que

ééé tãotãotão precisoprecisopreciso comocomocomo ééé con¬con¬con¬ CISE,CISE,CISE, LaLaLa PassionPassionPassion selonselonselon lelele SaintSaintSaint suaire,suaire,suaire, pelopelopelo meu amigo Antoine Legrand (Librairie du Carmel, 27 Rue Madame, Paris). O segundo livro de Paul Vignon também é de valor, devido à sua muito rica

iconografia,iconografia,iconografia, LeLeLe SaintSaintSaint suairesuairesuaire dedede TurimTurimTurim ((( Masson,Masson,Masson,

1938).

Vamos, então, também estudam a mortalha, desde que eu comecei meus periments ex¬, a fim de descobrir se suas marcações corre¬ sponded com as realidades da anatomia e fisiologia. I realizou este estudo com uma mente

completamente aberta, fazendo igualmente pronto para afirmar que o sudário

foi uma fraude absurdo, ou a reconhecer a sua autenticidade, mas foi

gradualmente forçado a concordar, em cada ponto, que suas marcações foram exato. Além disso, aqueles que parecia o mais estranho eram aqueles que se adequassem melhor com minhas experiências. As imagens manchadas de sangue claramente não foram atraídos pela mão do homem; que pode não ser nada mas os contra-desenhos feitos pelo sangue que tinha sido previamente coagulada sobre um corpo humano. Nenhum artista teria sido capaz de imaginarimaginarimaginar porporpor sisisi mesmomesmomesmo ososos detalhesdetalhesdetalhes nutenutenute mi¬mi¬mi¬ dessasdessasdessas fotos,fotos,fotos, 14º14º14º séculoséculoséculo eraeraera desconhecida. Mas o fato é que nenhum de nós seria capaz de produzir essas

imagens sem cair em algum erro.

Foi este grupo homogêneo de verificações sem um único elo fraco entre eles, o que me decidiu, contando com o equilíbrio das probabilidades, para declarar que a autenticidade do sudário, do ponto de vista da anatomia e ology physi¬, é um científica facto.

2

Um doutor no Calvário

A.- A HISTÓRIA

istoisto ÉÉ certocerto queque nono diadia dada RessurreiçãoRessurreição PedroPedro ee

JohnJohnJohnJohn encontrouencontrouencontrouencontrou oooo mantomantomantomanto dededede JesusJesusJesusJesus nononono túmulo.túmulo.túmulo.túmulo. OsOsOsOs sinópticos,sinópticos,sinópticos,sinópticos, que,que,que,que, nononono quequequeque dizdizdiz respeitorespeitorespeito aoaoao enterro,enterro,enterro, sósósó falamfalamfalam dododo sudário,sudário,sudário, nonono domingodomingodomingo encontrouencontrouencontrou ooo othonia,othonia,othonia, ososos panos (Gerson, em 1304, traduz esta como as mortalhas); a mortalha formado claramente parte destes. St. John, que na sexta-feira só fala do

othonia,othonia,othonia,othonia,othonia, nonononono domingodomingodomingodomingodomingo encontrouencontrouencontrouencontrouencontrou ooooo othoniaothoniaothoniaothoniaothonia eeeee aaaaa soudarion.soudarion.soudarion.soudarion.soudarion. Em companhia de Monsieur Lévesque veremos que este

soudarionsoudarion significasignifica aa mortalha,mortalha, nana ArameanAramean emem queque St.St.

JohnJohn pensamento.pensamento. SeSe nosnos recusamosrecusamos aa admitiradmitir isso,isso, devemosdevemos serser com¬com¬ PelledPelled parapara colocarcolocar aa mortalhamortalha entreentre osos othonia.othonia.

O que os Apóstolos fazer com estes? Apesar da repugnância ural nat¬ dos judeus, para quem tudo o que entra em contato com a morte é imundo, especialmente um pano de linho manchado de sangue, é impossível acreditar que eles não preservar com o maior cuidado esta relíquia de Deus feito Homem. Um também é levado a pensar que eles teriam sido care¬ ful para escondê-lo.escondê-lo. EleEle tinhatinha dede serser protegidoprotegido dada destruiçãodestruição porpor aquelesaqueles queque estavamestavam perseguindo a jovem Igreja. Além disso, poderia haver nenhuma questão de oferecê-lo para a veneração dos cristãos novos, que seriam profundamente imbuídas pelo horror do mundo antigo na infâmia da cruz. Vamos re¬ transformar mais tarde para esse longo período, durante o qual a cruz foi con¬ cealed sob vários símbolos. Veremos que não é até os séculos VTH e Vfth que sese deparadepara comcom osos primeirosprimeiros crucifixos,crucifixos, queque emem porpor suasua vez,vez, foramforam muitomuito atenuada; não até os séculos Vllth e VUIth eles se tornam um pouco mais amplamenteamplamente difundida.difundida. NãoNão éé atéaté oo séculoséculo XHIthXHIth queque aa devoçãodevoção àà PaixãoPaixão dede JesusJesus torna-se geral.

NósNós fariafaria emem NesteNeste ponto,ponto, adicioneadicione oo queque éé apenasapenas umauma hipótese,hipótese, masmas veremos, ao estudar a formação das marcações (E 20, mesma chapter- o trabalho de Volckringer), que é o resultado de um fenômeno biológico misteriosa que tem how¬ nunca devidamente verificado: é possível que as marcações do corpo não se tornou visível na mortalha por um longo período de anos, embora ele deu manchas de sangue desde o início. É possível que eles se tornaram distintas posteriormente, em grande parte da

O Santo Sudário

3

mesmamesma formaforma queque umum filmefilme fotográficofotográfico escondeesconde suasua imagemimagem atéaté queque eleele foifoi desenvolvido.

LáLáLá ééé assimassimassim umumum períodoperíodoperíodo obscuroobscuroobscuro quandoquandoquando aaa mortalhamortalhamortalha nãonãonão aparecer,aparecer,aparecer, dedede fato,fato,fato, quandoquandoquando eleeleele nãonãonão podepodepode aparecer.aparecer.aparecer. PodePodePode muitomuitomuito bembembem terterter sidosidosido cuidadosamentecuidadosamentecuidadosamente escondido e, assim, ter escapado todas as ocasiões de ser destruído. Romanos,Romanos,Romanos, persas,persas,persas, medosmedosmedos eee partos,partos,partos, cadacadacada umumum ememem suasuasua vezvezvez devastadadevastadadevastada JerusalémJerusalémJerusalém e Palestina, mas¬ sacring e dispersando os cristãos, pilhando e demolish¬ ing suas igrejas. O que aconteceu com a mortalha? Niceph- Orus Calisto escreveu ememem suasuasua históriahistóriahistória eclesiásticaeclesiásticaeclesiástica que,que,que, nonono anoanoano 436436436 aaa ImperatrizImperatrizImperatriz PulquériaPulquériaPulquéria haviahaviahavia construído em Constantinopla a basílica de Santa Maria da Blachemae e que ela depos¬ ITED lá a roupa de enterro de Jesus, que tinha acabado de ser re¬ descoberto. É lá que vamos encontrar a mortalha em 1204 (Robert de Clari). EnquantoEnquanto isso,isso, emem 1171,1171, dede acordoacordo comcom Wil¬Wil¬ liamliam dede Tyr,Tyr, oo imperadorimperador ManuelManuel ComnenusComnenusComnenus mostroumostroumostrou asasas relíquiasrelíquiasrelíquias dadada PaixãoPaixãoPaixão aoaoao ReiReiRei AmauryAmauryAmaury dedede Jerusalém:Jerusalém:Jerusalém: aaa lança, as unhas, a esponja, a coroa de espinhos eo manto, que ele mantinha na capela do Boucoleon. Agora, todas essas coisas estavam lá, além de um véu de Verônica, disse Robert de Clari, exceto para a mortalha que estava na Blachemae, ac¬ cordões à mesma Clari. Também é digno de nota que Nicéforo, que morreu em 1250, escreveu após a captura de Constantinopla, emem 1204,1204, ondeonde oo sudáriosudário haviahavia desaparecido.desaparecido. NãoNão pode,pode, assim,assim, terter havidohavido alguma confusão.

MasMas umum longolongo tempotempo anteriormente,anteriormente, emem 631,631, St.St. Braulion,Braulion, oo bispobispo dede Saragoça, um aprendido e prudente, em sua carta No. XLII (PLT LXXX, 68g), escreve, como se dizendo algo que tinha sido bem conhecido por um longo

tempo,tempo,tempo,tempo,tempo,tempo,tempo, “de“de“de“de“de“de“de sudariosudariosudariosudariosudariosudariosudario quoquoquoquoquoquoquo CorpusCorpusCorpusCorpusCorpusCorpusCorpus ChristiChristiChristiChristiChristiChristiChristi cstcstcstcstcstcstcst involutum,involutum,involutum,involutum,involutum,involutum,involutum, dododododododo mortalhamortalhamortalhamortalhamortalhamortalhamortalha dentrodentrodentrodentrodentrodentrodentro quequequequequequeque ooooooo

corpocorpo dodo SenhorSenhor foifoi envolvidoenvolvido “E“E acrescenta.:acrescenta.: "O"O

EscriturasEscrituras nãonão nosnos dizemdizem queque foifoi preservada,preservada, masmas nãonão sese podepode chamarchamar aquelesaqueles supesupe

queque acreditamacreditam nana autenticidadeautenticidade destedeste

enrolamentoenrolamento dede folha.”folha.” UmUm enrolamentoenrolamento dede folhafolha queque tinhatinha sidosido enroladoenrolado emem tornotorno dodo corpocorpocorpo dedede JesusJesusJesus sósósó poderiapoderiapoderia serserser umaumauma mortalha;mortalha;mortalha; veremosveremosveremos issoissoisso nonono capítulocapítulocapítulo sobresobresobre ooo enterro. Onde, então, foi durante este período?

Se nos voltarmos para os três livros escritos por Adamnan, o

4 Um doutor no Calvário

AbadeAbade beneditinobeneditino dede Iona,Iona, SobreSobre osos LugaresLugares Santos,Santos, dede acordoacordo comcom oo relatorelato dedededede Arculphus,Arculphus,Arculphus,Arculphus,Arculphus, umumumumum bispobispobispobispobispo francês,francês,francês,francês,francês, seçãoseçãoseçãoseçãoseção III,III,III,III,III, CapítuloCapítuloCapítuloCapítuloCapítulo X,X,X,X,X, dedededede SudarioSudarioSudarioSudarioSudario Domini,Domini,Domini,Domini,Domini, ((((( publicadopublicadopublicadopublicadopublicado

pelapelapela Mabillon-Mabillon-Mabillon- ActaActaActa SanctorumSanctorumSanctorum OrdinisOrdinisOrdinis Benedictini),Benedictini),Benedictini), veremosveremosveremos quequeque ArculphusArculphusArculphus eraeraera umumumum peregrinoperegrinoperegrinoperegrino emememem JerusalémJerusalémJerusalémJerusalém emememem tornotornotornotorno dodododo anoanoanoano 640.640.640.640. EleEleEleEle

nãonão viuviu ee beijoubeijou sudariumsudarium DominiDomini quodquod inin supersuper caputcaput sepulcrosepulcro ipsiusipsius fueratfuerat

positum-positum-positum- aaa mortalhamortalhamortalha dododo Senhor,Senhor,Senhor, quequeque foifoifoi colocadacolocadacolocada sobresobresobre suasuasua cabeçacabeçacabeça nonono sepulcro.sepulcro.sepulcro. IstoIstoIstoIstoIsto segueseguesegueseguesegue asasasasas palavraspalavraspalavraspalavraspalavras dedededede SãoSãoSãoSãoSão John.John.John.John.John. AgoraAgoraAgoraAgoraAgora issoissoissoissoisso enrolamentoenrolamentoenrolamentoenrolamentoenrolamento dedededede folha,folha,folha,folha,folha, dedededede acordoacordoacordo comcomcom Arculphus,Arculphus,Arculphus, eraeraera umumum longolongolongo pedaçopedaçopedaço dedede linholinholinho quequeque deudeudeu aaa sionsionsion impres¬impres¬impres¬ de ser cerca de oito pés de comprimento. Este não era um pequeno pano; foi a mortalha.

St.St. BedeBede oo Venerável,Venerável, nono inícioinício dodo cen¬cen¬ turytury Vlllth,Vlllth, tambémtambém mencionamenciona oo

testemunhotestemunhotestemunho dedede Arculphus,Arculphus,Arculphus, ememem suasuasua Ec¬Ec¬Ec¬ HistóriaHistóriaHistória clesiasticalclesiasticalclesiastical (de(de(de locislocislocis sanctis).sanctis).sanctis). SobreSobreSobre

ooooo mesmomesmomesmomesmomesmo períodoperíodoperíodoperíodoperíodo St.St.St.St.St. JohnJohnJohnJohnJohn DamascenoDamascenoDamascenoDamascenoDamasceno mencionamencionamencionamencionamenciona ooooo sindonsindonsindonsindonsindon comocomocomocomocomo estandoestandoestandoestandoestando entre as relíquias veneradas pelos cristãos. portanto, nós já descobrimos que

sindonsindonsindonsindon eeee sudariumsudariumsudariumsudarium sãosãosãosão igualmenteigualmenteigualmenteigualmente utilizadosutilizadosutilizadosutilizados comocomocomocomo sinónimos.sinónimos.sinónimos.sinónimos.

ParecePareceParecePareceParece quequequequeque aaaaa partirpartirpartirpartirpartir destadestadestadestadesta nonononono séculoséculoséculoséculoséculo VllthVllthVllthVllthVllth aindaaindaaindaaindaainda eraeraeraeraera dentrodentrodentrodentrodentro JerusalémJerusalémJerusalémJerusalémJerusalém ououououou tinha sido trazido de volta lá, e que só foi levado para Constantinopla em uma data posterior. Quando? Nós não sabemos. Talvez antes do século Xllth, quandoquandoquando ososos peregrinosperegrinosperegrinos faloufaloufalou dadada quodquodquod sudariumsudariumsudarium fiutfiutfiut SuperSuperSuper caput,caput,caput, ejus;ejus;ejus; acabamosacabamosacabamos de ver que de acordo com Arculphus este referido a mortalha. Em qualquer caso,caso,caso,caso, foifoifoifoi lálálálá nononono 1204,1204,1204,1204, nononono momentomomentomomentomomento dadadada quartaquartaquartaquarta cruzada.cruzada.cruzada.cruzada.

Robert de Clari, um cavaleiro da Picardia, que participou na captura de ConstantinoplaConstantinoplaConstantinoplaConstantinopla emememem 1204,1204,1204,1204, leva-nosleva-nosleva-nosleva-nos paraparaparapara umumumum terrenoterrenoterrenoterreno muitomuitomuitomuito maismaismaismais firme,firme,firme,firme, (cf.(cf.(cf.(cf. LaLaLaLa ConquêteConquêteConquêteConquête

dededede ConstantinoplaConstantinoplaConstantinoplaConstantinopla dentrodentrodentrodentro Clas-Clas-Clas-Clas- SiquesSiquesSiquesSiques françaisfrançaisfrançaisfrançais dudududu MoyenMoyenMoyenMoyen Age,Age,Age,Age, Ed.Ed.Ed.Ed. CampeãoCampeãoCampeãoCampeão dededede

1924). Robert é encarado pelos críticos históricos como um homem de ucation ed¬ moderada, em vez ingênua, e cujas opiniões podem ser descontado no que diz respeito à política dos grandes barões, dos quais ele conhecia pouco. Mas ele era uma testemunha atento e perfeitamente sincero, sempre que ele foi capaz de ver por si mesmo.

Agora', ele dá uma descrição minuciosa de todas as riquezas e as relíquias queque eleele viuviu nosnos paláciospalácios eoeo RikesRikes kapeleskapeles do tow7n, especialmente no Boucoleon, que ele, em vez

O Santo Sudário

5

chamadaschamadaschamadas divertidamentedivertidamentedivertidamente elelel BoukeBoukeBouke dedede Lion,Lion,Lion, eee nanana Blachemae.Blachemae.Blachemae. NoNoNo BoucoleonBoucoleonBoucoleon viuviuviu doisdoisdois pedaços da verdadeira cruz, a cabeça da lança, dois pregos, um frasco de sangue, uma túnica e uma coroa. Ele também viu (descrito separadamente, com uma longa lenda do arco que foi formado, depois de Nosso Senhor tinha aparecido a um homem santosantosanto ememem Constantinopla)Constantinopla)Constantinopla) ooo quequeque eleeleele falafalafala dedede comocomocomo umumum toaiP.e,toaiP.e,toaiP.e, umumum panopanopano dedede linholinholinho quequeque carrega a face do Salvador, como o véu de Verônica, em Roma, e também uma telha em que um traçado de que tinha aparecido.

Mas foi no Blachemae que ele encontrou o Santo Sudário. Toda a conta estáestá escritoescrito nana estranhaestranha languelangue

1111 frustrarfrustrarfrustrarfrustrar dadadada XIIXIIXIIXII século,século,século,século, quequequeque aindaaindaaindaainda vivevivevivevive emememem mosmosmosmos algumasalgumasalgumasalgumas ValãoValãoValãoValão dia¬.dia¬.dia¬.dia¬. DeveDeveDeveDeve serserserser lido em voz alta, com um sotaque do norte, per¬ haps também com Walloon sangue nas veias de um, se quisermos desfrutar de toda a sua riqueza. Ele diz que:que:que: "E"E"E entreentreentre ososos outrosoutrosoutros haviahaviahavia umumum mosteiromosteiromosteiro conhecidoconhecidoconhecido comocomocomo LadyLadyLady SaintSaintSaint MaryMaryMary dadada Blachemae, em que foi mantida a mortalha em que Nosso Senhor foi envolvido;envolvido; emem cadacada sexta-feirasexta-feira estaesta foifoi realizadarealizada fora,fora, tãotão bembem queque eraera possívelpossível ver o rosto de Nosso Senhor. E nem grego nem o francês sabia o que aconteceu com aquele manto após a cidade foi tomada.”

O sudário foi, assim, roubado, ou para ser mais indulgente, que fazia parte dos despojos de guerra. Agora, de acordo com historiadores tine Byzan¬ e Dom Chamard em particular, uma mortalha correspondente a de descrição do Clã foi depositado nas mãos do arcebispo de Besançon, por Ponce de la Roche, um seigneur de Franche-Comté, o pai de Othon de la Roche, que era um dos principais líderes do exército da Borgonha na cruzada de 1204. E esta mortalha, que parece de fato ser a nossa, era venerado na catedral de Saint-

ÉtienneÉtienne atéaté 1349.1349. GostariaGostaria dede observarobservar dede passagempassagem queque Vignon,Vignon, emem seuseu livrolivro de 1938, expressou algumas dúvidas quanto à sua journ so¬ em Besançon; estaesta NoNo entanto,entanto, éé muitomuito provável.provável. NoNo anoano dede 13491349 aa catedralcatedral foifoi devastadadevastada porpor um terrível incêndio, e a mortalha desapareceu pela segunda vez; apenas o seu relicário foi encontrado. Ele tinha sido roubado, e este fato é a verdadeira explicaçãoexplicação dada falsafalsa posiçãoposição queque eraera ocuparocupar ee osos avataresavatares dada qualqual elaela eraera aa sofrer durante o século ing follow¬. A memória destes ainda desperta prejuízo

6

Um doutor no Calvário

contra ela nas mentes de certos historiadores, cujo número não pára de crescer menos, mas que se recusam a considerar o valor intrínseco da folha ououou paraparapara examinarexaminarexaminar asasas marcas,marcas,marcas, sobsobsob ooo textotextotexto pre¬pre¬pre¬ quequeque sósósó podepodepode serserser aaa prioriprioripriori umumum forgery- poderia muito bem se recusam a estudar a lua, porque nós nunca pode ver mais do que a metade!

O sudário reaparece oito anos depois, em 1357, na sessão pos¬ do Conde Geoffroy de Chamy, tendo sido dado a ele pelo rei Filipe VI. Este último deve ter recebido do ladrão, que se acredita ter sido um Vergy. Chamy depositado emem oo estabelecimentoestabelecimento colegiadacolegiada emem LireyLirey (na(na diocesediocese dede Troyes),Troyes), queque eleele haviahavia fundado alguns anos pre¬ riormente. Agora, mais ou menos ao mesmo tempo, reapareceu em Be- SANCON outra mortalha, dos quais temos numerosas cópias, e que era claramente um pobre e incompleta pintado dução repro¬ do um em Lirey. Os representantes do Comitê Com¬ de Segurança Pública provouprovou issoisso emem 1794,1794, emboraembora esteeste nãonão eraera nenhumnenhum créditocrédito aa eles,eles, ee foifoi destruído com o consentimento do clero catedral.

O sudário de Lirey também foi objeto da hostilidade dos Bispos de Troyes, em primeiro lugar Henrique de Poitiers, e trinta anos mais tarde, Pedro d'Arcy, que opôs a que fosse exposta pelos cânones de Lirey. Eles reclamaram que os fiéis estavam abandonando as relíquias em Troyes, e iam em grandes multidões para Lirey. O Chamys tomou rapidamente de volta a relíquia, e manteve-o por trinta anos.

DentroDentroDentro 138913891389 eleseleseles apresentaramapresentaramapresentaram aaa suasuasua causacausacausa aoaoao legadolegadolegado dadada novanovanova AvignonAvignonAvignon Papa, que Clemente VII, que tinha acabado de começar o cisma do Ocidente, e depois para o próprio anti-Papa. Ambos autorizou a exposição, apesar de DomDomDom PeterPeterPeter d'Arcyd'Arcyd'Arcy 's's's proibição.proibição.proibição. Então,Então,Então, quandoquandoquando esteesteeste reclamou,reclamou,reclamou, Clem¬Clem¬Clem¬ ententent VIIVIIVII acabou por decidir (uma solução um pouco indigno) que o bispo não podia mais opor as exposições, mas que uma declaração deve ser feita em cada um que esta era uma pintura que representa a verdadeira mortalha de Nosso Senhor.

Na exposição que ele apresentou ao Clement, Peter d'Arcy fez acusações graves e maliciosas de simonia contra os cânones de Lirey. Ele alegou ainda que seu pred-

O Santo Skroud

7

ecessor tinha feito um inquérito e recebeu a admissão do artista que pintou o

pano.

Nenhum vestígio sequer foram encontrados deste inquérito ou dessas confissões; se houvesse um pintor, é provável que ele era o único que copiou o sudáriosudário dede LireyLirey parapara fazerfazer oo dede Besançon.Besançon. OO fatofato éé queque queque todastodas asas decisõesdecisões foram o resultado de terests in¬ privadas e foram baseadas no argumento de que os Evangelhos re¬ principal silenciosa no que diz respeito à existência das marcações. Parece que nenhum exame imparcial nunca foi feita da folha it¬ auto; teve este feito, eles teriam visto, como se pode ver a-dia, que não há qualquer vestígio de pintura. Mas a pseudo- Papa Clemente VII parece nunca ter se preocupado com isso.

Não é fácil resumir essas disputas em vez miseráveis. Mas parece que os pobrespobres mortalhamortalha tinhatinha apenasapenas culpadoculpado dede umauma falta,falta, queque eraera semsem suassuas credenciais.credenciais. Como poderia tê-los, se sua presença em Lirey foi o resultado de um roubo duplo, em relação ao segundo dos quais o rei da França foi com¬ prometido como um receptor de mercadorias roubadas. E foi essa sence ab¬ de um cartão de identidade que foi realizada em todos os lados como uma objeção contra o último proprietário, Marguerite de Chamy, quando ela levou para Chimay, na Bélgica. Em consequência, depois de uma série de joumeyings para lá e para cá, ela fez um presente dele em 1452 a Anne de Lusignan, a esposa do duque de Sabóia.

quequequeque éééé comocomocomocomo eleeleeleele veioveioveioveio aaaa Chambéry,Chambéry,Chambéry,Chambéry, eeee sesesese tornoutornoutornoutornou oooo quequequeque éééé ainda,ainda,ainda,ainda, aaaa

propriedade da casa de Sabóia, que era anteriormente reinante na Itália. Por favor, Deus, ele vai um dia vir a estar nas mãos do Soberano Pontífice, sucessorsucessorsucessor dedede SãoSãoSão PedroPedroPedro eee VigárioVigárioVigário dedede JesusJesusJesus Cristo,Cristo,Cristo, aaa únicaúnicaúnica pessoapessoapessoa nanana terra,terra,terra, em cuja custódia deveria ser.

A partir daí a história do sudário é bem conhecida. O duque de Sabóia tinha uma capela construída por ele em Cham¬ Bery. Houve uma série de exposições, e de acordo com Antony de Lalaing o cronista, que foi feito se submeter a alguns testes estranhos, a fim de provar a sua autenticidade. Foi váriasváriasvárias vezesvezesvezes fervidofervidofervido ememem óleoóleoóleo eee tambémtambémtambém lavados,lavados,lavados, masmasmas verificou-severificou-severificou-se impossívelimpossívelimpossível remover as marcações. A ideia horrível, se in-

8

Um doutor no Calvário

ação a crônica é confiável, mas mesmo assim mostra que eles tiveram uma determinação obstinada para tornar-se certeza.

Como se os caminhos dos homens não fosse suficiente, um incêndio na capelacapela emem 1532,1532, queque porpor poucopouco nãonão destruindodestruindo aa relíquia.relíquia. UmaUma gotagota dede prataprata fundido tinha queimado o seu caminho através do canto da folha onde foi dobrado nana suasua relicário,relicário, ee assimassim estáestá spangledspangled comcom umauma dupladupla sériesérie dede vagabundosvagabundos queque iremos encontrar igualmente espaçados. Estes dois furos são felizmente em cada lado da marcação central. A água usada para apagar o fogo deixou anéis simétricos largos ao longo de todo o comprimento da mortalha. Esta foi sua segunda fogo depois de seu segundo assalto.

O resultado sorte desta era uma investigação canônica, de modo a

estabelecer o carácter genuíno da mortalha danificado; e os reparos feitos

pelas Clarissas de Chambéry foram ac¬ companied por um relatório descritivo

oficial que foi elaborado por estas santas mulheres.

O sudário em seguida, fez várias viagens, na sequência das vicissitudes

políticaspolíticaspolíticas dododo seuseuseu titular;titular;titular; finalmentefinalmentefinalmente chegouchegouchegou aaa TurimTurimTurim ememem 157815781578 ondeondeonde foifoifoi veneradoveneradovenerado por St. Charles mandrila- romeo. O último havia feito um voto para ir a Chambéry, mas o duque de Sabóia poupou o trabalho de cruzar os Alpes, para que ele foi a pé apenas a partir de Milão a Turim.

MaisMais tarde,tarde, foifoi depositadodepositado emem aa capelacapela adjacenteadjacente àà catedralcatedral dede St.St. John,John, ondeonde é mostrado, mas raramente; exposição depende de autorização a ser concedida pela casa de Sabóia, que não são pródigos em sua concessão. As últimas exposições teve lugar em

18981898 (( quandoquando aa primeiraprimeira fotografiafotografia foifoi tirada),tirada), emem 19311931 ee

1933. A permissão para o último foi obtido devido à sua sendo o centenário tradicionaltradicional (embora(embora issoisso provavelmenteprovavelmente nãonão éé exato)exato) dada mortemorte dede Jesus.Jesus.

B.-B.-B.- dododo SantoSantoSanto SudárioSudárioSudário EEE AAA PAPASPAPASPAPAS VimosVimosVimos comocomocomo aaa atitudeatitudeatitude dododo

anti-Papa Clemente VII era tão ambígua quanto era obviamente político. O

historiador percritical hy¬ Ulysses Chevalier parece anexar uma importância

cialcial spe¬spe¬ àà suasua opiniãoopinião vacilante,vacilante, porqueporque eleele acreditaacredita

O Santo Sudário

9

que este lhe forneça um argumento contra a mortalha, mas ele pode, com mais imparcialidade, ter equilibrado isso com a veneração constante mostrado pelos papas legítimos posteriores. Uma vez que a mortalha tinha encontrado uma casa em Chambéry, Paul II anexado um estabelecimento colegiado, com doze cânones, para a igreja onde tinha sido instalado por Duke Amedeus

IX.IX.IX.IX. SistoSistoSistoSisto IV,IV,IV,IV, emememem 1480,1480,1480,1480, concedeuconcedeuconcedeuconcedeu aaaa eleeleeleele oooo nomenomenomenome dodododo SainteSainteSainteSainte Chapelle.Chapelle.Chapelle.Chapelle. JuliusJuliusJuliusJulius II,II,II,II, emememem 1506, concedeu-lhe uma missa e um escritório próprio, para a sua festa, que foi fixadafixadafixada paraparapara maiomaiomaio 4ª.4ª.4ª. LeoLeoLeo XXX estendeuestendeuestendeu essaessaessa festafestafesta paraparapara todatodatoda aaa Savoy,Savoy,Savoy, eee GregoryGregoryGregory

XIII

Piemonte, bem como, com a nova subvenção de um gência indul¬ plenária

aos

peregrinos.

EE todostodos eles,eles, emem seusseus pronunciamentospronunciamentos solenes,solenes, declarardeclarar queque esteeste sudáriosudário éé dedede fatofatofato aqueleaqueleaquele ememem quequeque JesusJesusJesus foifoifoi colocadocolocadocolocado nanana sepultura.sepultura.sepultura. TodosTodosTodos eleseleseles acrescentam que as relíquias da humanidade do Salvador que ele contém, ou seja, o Seu Sangue, merecem e de fato necessitam de ser venerado e adorado. EstaEstaEsta ééé pre¬pre¬pre¬ precisamenteprecisamenteprecisamente aqueleaqueleaquele cultocultoculto dedede latria,latria,latria, contracontracontra ooo qualqualqual ososos doisdoisdois bisposbisposbispos dedede Troyes protestou com tal violência, finalmente, ganhar o Proval ap¬ do anti-Papa ClementeClemente VII.VII. EE istoisto éé aindaainda maismais importante,importante, porqueporque muitasmuitas decisõesdecisões tomadastomadas pelos anti-Papas de Avignon foram, uma vez que o cisma foi encerrada, aprovado por seus sucessores romanos legítimos.

Seria quase ser necessário mencionar todos eles, a fim de contar das muitas marcas de veneração que derramou, e das indulgências que concedida

e confirmada em seu nome. Pio VII solenemente prostrou-se perante ele

1814, quando voltou em triunfo para os Estados Pontifícios, e Leo XIII mostrou

alegriaalegria ee emoçãoemoção quandoquando viuviu aa primeiraprimeira fotografiafotografia dodo sudáriosudário emem 1898.1898.

Em seguida, vêm, sem falar do nosso atual Papa antes de ele próprio fez

um pronunciamento, a Sua Santidade Pio XI, de venerada memória. Aqueles que entraram em contato próximo com liim,

e eu tive a honra de estar entre eles, saber como rigorosa e exigente foi a

precisão científica que orientou que a mente surpreendentemente lúcido; ele iriairia sese contentarcontentar comcom nadanada menosmenos dodo queque bombom raciocínioraciocínio baseadobaseado emem fatosfatos sólidos. Mgr. Ratti tinha visto a exposição na i8g8, e ele lem-

Ío

Um doutor no Calvário

Bered a qualidade do material flexível, o grau de finura das linhas, a ausência de qualquer material de coloração, e a perfeição da anatomia do corpo. Mas ele havia trabalhado por muitos anos na Biblioteca Ambrosiana, onde o espírito da Bol- landists dominou, que são adeptos em mostrando falsas relíquias ou lendas fabricadas; ele tinha sido bem quebrado por este às vezes disciplina muito severa. Agora, de 1931 em diante ele teve as fotografias do sudário em seuseu posseposse ee fezfez umum estudoestudo cuidadosocuidadoso deles.deles. EleEle manteve-losmanteve-los dede fácilfácil acesso,acesso, ac¬ cordões de seu costume. Ele leu tudo o que ap¬ peared sobre o assunto, e minhaminhaminha própriaprópriaprópria FiveWoundsFiveWoundsFiveWounds ((( EuEuEu seiseisei quequeque istoistoisto dedede umaumauma fontefontefonte confiável,confiável,confiável, quequeque eraeraera um amigo de nós dois). E como de costume ele o fez com a caneta na mão, tomando notas no curso de sua leitura. Ele me fez a honra de querer me ver. Ele foi até o problema sob todos os pontos de vista, como ele conhecia tão bem como fazer, conscientemente, cientificamente, lentamente. Ele não ignorar qualquer das dificuldades históricas; esta era sua especialidade, e ele tinhatinha àà suasua disposiçãodisposição osos arquivosarquivos dodo Vaticano,Vaticano, emem queque eleele eraera oo peritoperito supremo, como os papas do século XVI já tinha os arquivos de Avignon.

Mas,Mas,Mas, comocomocomo PaiPaiPai ArmailhacArmailhacArmailhac escreveu:escreveu:escreveu: "Divino"Divino"Divino ProvidênciaProvidênciaProvidência determinoudeterminoudeterminou quequeque eleeleele deve ser o mais qualificado dos Papas, a menos a ser suspeito de piedade ingênua, o mais perito em documentos, que era pronunciar o veredicto.”Este dict ver¬, temos de perceber, não era nem dogmática nem infalível. Não era maismaismais dododo quequeque umumum científicacientíficacientífica pessoalpessoalpessoal opinião;opinião;opinião; masmasmas derivaderivaderiva todotodotodo ooo seuseuseu valorvalorvalor aaa partirpartirpartir dododo caráter eminente do homem, com¬ bined com a sua dignidade pontifícia.

Após cinco anos de trabalho e de reflexão, ele formou sua ion opin¬, e como foi o seu caminho, aproveitou a primeira oportunidade de de¬ claring-lo publicamente: ele iria trazer suas alocuções, às vezes por um rumo inesperado de pensamento, e volta para o assunto que ele tinha em mente.

Em 5 de setembro de 1936, ele recebeu uma peregrinação de jovens pertencentes a Ação Católica, que estavam voltando do santuário de Nossa Senhora de Pompéia. Como lembranças deu-lhes fotos do Santo Sudário, e,

depoisdepoisdepoisdepois dededede falarfalarfalarfalar comcomcomcom eleseleseleseles dadadada Virgem,Virgem,Virgem,Virgem, disse-lhes:disse-lhes:disse-lhes:disse-lhes:

EstesEstesEstesEstes sãosãosãosão Pic-Pic-Pic-Pic-

O Santo Sudário

11

turas de seu Divino Filho, e talvez se possa dizer que o mais instigante, o mais belo,belo, oo maismais preciosoprecioso queque sese podepode imaginar.imaginar. ElesEles vêmvêm precisamenteprecisamente dede esseesse

objeto que ainda permanece um mistério, mas que certamente não foi feito por mãos humanas (pode-se dizer que este está agora provado), que é o Santo Sudário de Turim (ma certamente não di fattura umana; questo gia si pud dir

dimostrato)dimostrato)dimostrato)dimostrato)

TemosTemosTemosTemos usadousadousadousado aaaa palavrapalavrapalavrapalavra misteriosamisteriosamisteriosamisteriosa “,“,“,“, continuoucontinuoucontinuoucontinuou ele,ele,ele,ele, "Porque"Porque"Porque"Porque oooo

enteenteente santosantosanto aindaaindaainda ééé cercadacercadacercada porporpor considerávelconsiderávelconsiderável mistério;mistério;mistério; masmasmas certamentecertamentecertamente ééé algoalgoalgo

maismaismais sagradosagradosagrado dododo quequeque qualquerqualquerqualquer outraoutraoutra coisa;coisa;coisa; eee dedede fatofatofato (uma(uma(uma latalatalata doravantedoravantedoravante dizerdizerdizer

queque aa autenticidadeautenticidade dodo queque sese proveprove dada formaforma maismais positiva,positiva, mesmomesmo quandoquando

deixardeixardeixar dedede ladoladolado todastodastodas asasas idéiasidéiasidéias dedede féféfé ououou dedede piedadepiedadepiedade cristã),cristã),cristã), nãonãonão ééé umumum

trabalho humano

(Certo(Certo nonnon èè óperaópera umana)."(Osservatoreumana)."(Osservatore Romano,Romano, 7-87-8

Setembro de 1936.)

Ele era preservar esta convicção até sua morte. Ele ex¬ pressionou nos mesmosmesmosmesmosmesmos termos,termos,termos,termos, emememem setembrosetembrosetembrosetembro 23232323 dodododo mesmomesmomesmomesmo ano,ano,ano,ano, paraparaparapara osososos colaboradorescolaboradorescolaboradorescolaboradores dadadada VieVieVieVie Spirituelle.Spirituelle.Spirituelle.Spirituelle. UmUmUmUm curtocurtocurtocurto tempotempotempotempo antesantesantesantes dededede suasuasuasua morte,morte,morte,morte, emememem 03030303 dededede fevereiro,fevereiro,fevereiro,fevereiro, 1939,1939,1939,1939, emememem

um ence audi¬ solene, na qual ele estava comemorando muitos aniversários que tinham memóriasmemórias preciosaspreciosas parapara ele,ele, eleele maismais umauma vezvez fotosfotos distribuídasdistribuídas dada SagradaSagrada

Face no sudário.

Este aprendeu historiador, este homem de ciência, tinha não só olhou para asas marcasmarcas nana mortalha,mortalha, masmas tinhatinha estudadoestudado cuidadosamente.cuidadosamente. EleEle nãonão teriateria assinado uma frase que me angustia muito, uma observação da boa harnion Pai de Jerp-, cuja obra esplêndida sobre as igrejas escavadas na rocha de

CappadociaCappadociaCappadociaCappadocia eueueueu lililili comcomcomcom prazer:prazer:prazer:prazer: "Nós"Nós"Nós"Nós deliberadamentedeliberadamentedeliberadamentedeliberadamente evitarevitarevitarevitar persistentepersistentepersistentepersistente (((( grifosgrifosgrifosgrifos

meus) antes de uma série de desenvolvimentos pela qual somos mostrados como, no sudário, todos os tipos de marcas e traçados corresponder com os menoresmenoresmenores detalhesdetalhesdetalhes dadada PaixãoPaixãoPaixão eee dododo enterroenterroenterro dedede CristoCristoCristo “tal.“tal.“tal. aaa prioriprioripriori ceticismoceticismoceticismo

temtem nenhumanenhuma justificaçãojustificação científicacientífica ee sósó podepode levarlevar àà esterilidade.esterilidade.

Exatamente na posição oposta parece-me digno de um homem de aprendizagem, em qualquer ramo, ele pode pertencer. Todas as relíquias única chamar as provas da sua autoridade de documentos, a partir de atestados solenes, do certificado de autenticidade que os acompanham. Sem estes, eles não têm verdadeira

12

Um doutor no Calvário

valor. Gostaria de saber quantas destas relíquias têm certificados de autenticidadeautenticidade queque remontamremontam àsàs suassuas origens.origens. PeloPelo contrário,contrário, háhá éé apenasapenas umum nono mundomundo queque pre¬pre¬ servirservir seuseu valorvalor completo,completo, mesmomesmo queque fossefosse semsem oo apoioapoio histórico,histórico, ee issoisso porqueporque temtem provasprovas intrínsecasintrínsecas dodo thenticitythenticity au¬.au¬. Carrega-los em si mesmo. Essa relíquia é o Santo Sudário. Vamos agora passar um pouco de tempo a olhar para os ings mark¬ e traçados que ele contém.

DESCRIÇÃO C.- GERAL

eu.eu.eu.eu. oooo Linen-Linen-Linen-Linen- OOOO sudáriosudáriosudáriosudário éééé umaumaumauma peçapeçapeçapeça dededede rouparouparouparoupa 43434343 polegadaspolegadaspolegadaspolegadas dededede largura,largura,largura,largura, 14I414I414I414I4

pépé dede comprimento.comprimento. VignonVignon avançouavançou comcom aa hipótesehipótese dede queque antigamenteantigamente eraera consideravelmente mais tempo, e que o sudário foi encurtado por estacas feitas a partir do final pelos imperadores tine Byzan¬ com a finalidade de presentes. Parece, how¬ nunca, como foi afirmado por escrito por Antoine Legrand e Pai

d'Armailhaed'Armailhaed'Armailhae ((( DossiersDossiersDossiers dududu SaintSaintSaint suaire,suaire,suaire, Novembro,Novembro,Novembro,

1939), que não há nada faltando no final da mortalha. Um exame mais detalhado da frente da imagem das pernas mostra que é completa e chega até o fim dos pés (cf. Capítulo VI, fim). Por outro lado, tem havido um corte lateral, neste ponto, que foi preenchido por um pedaço de material semelhante ao utilizado pelas Clarissas para emendar os queimaduras.

Foi possível fazer um estudo de lazer do ture struc¬ deste linho, graças a fotografias ampliadas de Enrie, que mostram a superfície ampliada sete vezes. Um deles é capaz de examiná-lo em todos os seus detalhes, melhor do que com uma lupa, e isso tem sido feito por juízes competentes, tanto na França e na Itália. perícia constatou que consiste em um tecido de linho com listras em espinha; a tecer-lhe um tear com quatro pedais teria sido necessária. A trama deste, de acordo com Timossi, um especialista em Turim, tém con¬ 40 segmentos para dois quintos de uma polegada. É um tecido de linho puro, perto e opaca, feita de rosca grossa do que a fibra é não branqueada. Isso é muito interessante, para o exame gráfico photo¬ do tecido demonstrou que todos

O Santo Sudário

J3

as imagens na mortalha são o resultado de um ção impregna¬ simples dos fios; uma impregnação que teria sido facilitada pelo facto de que a roupa é um excelente absorvente. Este exame definitivamente exclui a hipótese que tem sido constantemente repetido que é uma pintura e there¬ tona uma farsa. Vamos voltar mais tarde para os nossos adversários que faria fora que é uma pintura.

EsseEsse materialmaterial certamentecertamente pertencepertence àà idadeidade dede Jesus.Jesus.

tecidos semelhantes foram encontrados em Palmyra e em Doura Europos. Parece mesmomesmo queque aa SíriaSíria ee MesopotâmiaMesopotâmia erameram centroscentros parapara esteeste tipotipo dede tecelagem,tecelagem, especialmenteespecialmente aa Síria.Síria. Seria,Seria, assim,assim, esperaresperar parapara encontrá-loencontrá-lo entreentre asas mercadoriasmercadorias àà

vendavenda emem JerusalémJerusalém

em torno do ano 30. Pedaços de linho foram discov¬ Ered em Autinoé, da mesma amplitude, mas consideravelmente mais longa (cf. o estudo detalhado ememem Vignon,Vignon,Vignon, SãoSãoSão suaire,suaire,suaire, 1938).1938).1938). 2.2.2. AsAsAs marcasmarcasmarcas dadada Burning.-Burning.-Burning.- AquelesAquelesAqueles quequeque começarcomeçarcomeçar aaa estudarestudarestudar asasas impressõesimpressõesimpressões são geralmente em primeiro lugar atingido e desconcertado com as marcas de incêndio que são variou abaixo de ambos os lados da imagem central. Sua cor, que é mais intensa e mais negro, eclipses até certo ponto as outras marcas, que são muito menos pronunciada. O mais importante são em linhas em duas séries de seis, semelhante em forma e dimensão, excepto os quatro terminais que são meramente parcial. A partir desta pode-se facilmente perceber onde foi dobrada, através do estudo que em ambas as direcções, o seu comprimento e

aaa suasuasua largura;largura;largura; devedevedeve terterter havidohavidohavido umaumauma sériesériesérie dedede 484848 espessuras.espessuras.espessuras. ComoComoComo aaa queimaqueimaqueima

ocorreuocorreuocorreu ememem umumum cantocantocanto dadada telatelatela quequeque foifoifoi dobradodobradodobrado retangular-wiseretangular-wiseretangular-wise dentrodentrodentro ooo relicário,relicário,relicário, que entrou em todas as dobras, produzindo assim as duas séries de buracos. O canto foi felizmente perto dos dois bordos exteriores, de modo que quase todo

o rectângulo assim centro foi deixado intacto, e apenas os ombros e o braço na imagem frontal ter sido ferido.

Os vagabundos estão rodeados por coloração avermelhada, como seria deixadadeixada porpor umum ferroferro queque foifoi muitomuito quente,quente, ee emem suassuas trestres cen¬cen¬ porçõesporções dodo tecido foram destruídas. Estes foram substituídos por peças frescas, o trabalho das Clarissas de Chambéry. A água que foi utilizada para apagar o fogo se espalhou por todo o tecido, deixando um anel escuro como char-

14 UMAUMA DoutorDoutor nono CalvárioCalvário

carvão, e produzindo uma série de outras áreas cercadas, também em uma

série simétrica, mas correndo pelo meio.

Nas mesmas linhas como as grandes, existem outras queimaduras menos perceptível, em uma série de pequenas manchas avermelhadas redondas. Eles devem ter sido causado por um incêndio mais cedo. Estes são, na verdade a ser encontrada em um exemplar, que foi feita em 1516, e agora está em Lierre na Bélgica, por isso teria sido feito por um fogo mais cedo do que em Chambéry (talvez a única em Besançon).

3.3.3. ooo Folds-Folds-Folds- AlémAlémAlém dosdosdos vagabundos,vagabundos,vagabundos, podepodepode serserser desviadodesviadodesviado ààà primeiraprimeiraprimeira vistavistavista porporpor um certo número de marcas transversais, que são preto na impressão positiva e branco nas ções reproduc¬ da placa, e que se estendem como barras em todo o quadro . Eles são as dobras no material, o que não poderia ser endireitado por alongamento no seu quadro de luz. As marcas escuras são as suas sombras.

4.4.4.4. aaaa corporalcorporalcorporalcorporal Impressions.-Impressions.-Impressions.-Impressions.- DescendoDescendoDescendoDescendo aaaa parteparteparteparte centralcentralcentralcentral dadadada mortalha,mortalha,mortalha,mortalha, pode-sepode-sepode-sepode-se verververver duas impressões feitas pelo corpo, com as duas marcas feitas pelo chefe próximos um do outro, mas não se tocam. Uma delas é a imagem da frente do corpo, o outro a uma volta. Quando alguém se lembra de que as imagens foram feitas por um cadáver, a explicação é simples. O corpo teria sido colocada sobre as costas à metade do comprimento da saia, que, em seguida, teria sido dobrado sobre a cabeça para cobrir a frente, atingindo a direita até os pés. Uma miniatura por GB della Rovere (século XVII) dá uma apresentação perfeita de como isso teria sido feito. Percebe-se também que, como o corpo impressa a sua imagem no Sudário, os dois sões impres¬ que cada ser invertida.

É preciso ficar bem claro na mente: se um homem está em pé de frente para você, seu lado direito será para a esquerda e vice-versa. Se ele está de costas para você, seu lado direito vai ser para o seu lado e vice-versa direita. Isso vai ser encontrado na fac-símile da chapa fotográfica, que, uma vez que inverte a imagemimagem dodo sudário,sudário, dádá aa imagemimagem dodo própriopróprio cadáver.cadáver. MasMas nono pressionpression im¬im¬ nono sudário, e a impressão positiva, a imagem da frente aparece como se estivesse olhando para um copo; o certo

O Santo Sudário

15

lado, ea ferida, será à sua direita, e reciprocamente. O mesmo se aplica para a imagem das costas.

AA corcor acastanhadaacastanhada dessasdessas impressõesimpressões éé devido,devido, comocomo jájá dissemos,dissemos, aoao coloraçcoloraç

de cada segmento, o que tem sido mais ou menos impregnada.

Toda a imagem revela uma nomia anat¬ perfeitamente proporcional; é bem-feito e robusto e é o de um homem de cerca de seis pés de altura. A face, apesar do efeito estranho de todas estas impressões, que quando fotografado dardar oo fectfect ef¬ef¬ dede umum negativo,negativo, éé belobelo ee imponente.imponente. ÉÉ cercadacercada porpor duasduas massasmassas de cabelos, que parecem ser bastante empurrado ala for¬. É provável que a bandagem em volta do queixo, que seria a intenção de manter a boca fechada, passaria be¬ traseiras essas massas de cabelo; no topo da cabeça, deve ter pressionado contra a mortalha, o que conta para o espaço entre a parte traseira e as imagens da frente da cabeça.

Os membros inferiores mostram-se muito bem no retrato da parte traseira, e há uma impressão perfeita do pé direito. Na foto da frente, a parte inferior das pernas não é clara, como se o sudário havia sido realizada de volta das insteps. Mas veremos todos estes detalhes quando estudamos as feridas, um por um.

A coisa mais impressionante neste conjunto de sões impres¬ corporais é o

efeito notável de alívio que dão. Nem uma linha, não um contorno ou sombra foi tirada, e ainda as formas se destacam estranhamente do fundo. Este recebe

mais uma confirmação de um fato: nunca VI

umauma cópia,cópia, sejaseja imagemimagem ouou desenho,desenho, queque sese assemelhaassemelha aa faceface nana cobertura.cobertura. Por outro lado, a medalha feito dele em baixo-relevo pelo meu amigo Dr. Villandre evoca, da maneira mais impressionante.

5.5.5. AsAsAs marcasmarcasmarcas dadada UmUmUm Blood.-Blood.-Blood.- encontraencontraencontra estesestesestes ememem todostodostodos ososos ladosladoslados eee vamosvamosvamos estudá-los em detalhes: há as feridas da flagelação, da coroação de espinhos, de todo o mal uso que ocorreu, o porte da cruz, crucificação, mesmo do golpe dada lançalança recebeurecebeu apósapós aa morte,morte, queque drenoudrenou oo veiasveias dede seuseu sangue.sangue.

Todas as marcas de sangue tem uma cor especial que fica

i6

Um doutor no Calvário

contra o tom amarronzado do corpo. Eles são carmim, um pouco malva pouco,

como Vignon costumava dizer. Eles variam em profundidade e intensidade de

acordo com as feridas, e ainda em toda a extensão de cada uma, dando um

efeito de espessura variável, que é, por vezes, surpreendente, como se viu o

sanguesangue coaguladocoagulado emem relevo.relevo.

Outra peculiaridade importante: enquanto na marca deixada pelo corpo tudo está em luz e sombra, fusão imper¬ ceptibly e sem fronteiras definidas, as marcas de sangue têm um contorno muito mais precisos. Eles ainda destacam-se muito' claramente nas fotografias reduzidos. No entanto, sobre as fotografias em tamanho natural, enquanto eles preservar esta clareza e dar a impressão de ser mais espesso nas bordas, aqui e ali, eles parecem estar rodeado por uma auréola dede umauma corcor maismais pálidapálida muito,muito, comocomo umauma espécieespécie dede halo.halo. VeremosVeremos queque estaesta éé produzido pelo soro que transudes partir de sangue que foi recentemente con¬ gealed sobre a pele.

I reverterão constantemente para o principal fato a respeito dessas imagens de sangue, e devo insistir nisso do begin¬ ning, porque aqueles que não estudaram medicina e teve que viver em uma atmosfera de sangue, vai achar que é difícil de entender.

A coisa que atinge imediatamente um cirurgião e que pode ser confirmado mais tarde por um estudo mais exaustivo, é o aparecimento definitivo de sangue

coaguladocoagulado nana pele,pele, suportadosuportado porpor todostodos osos sangue-marcas.sangue-marcas. VocêVocê seelseel ÉÉ tãotão definitiva para mim, que, inconscientemente, já estou falando de sangue-marcas. É assim, como veremos, que essas imagens de sangue foram formados.

Quando,Quando,Quando,Quando, emememem maio,maio,maio,maio, 1933,1933,1933,1933, EuEuEuEu estavaestavaestavaestava escrevendoescrevendoescrevendoescrevendo meumeumeumeu primeiroprimeiroprimeiroprimeiro artigoartigoartigoartigo sobresobresobresobre asasasas feridas nas mãos, meus únicos documentos, excelente como eram, eram

fotografias.fotografias. TodosTodos imagensimagens eram,eram, portanto,portanto, maismais ouou menosmenos negro.negro. Autores,Autores, especialmente Noguier de Malijay, insistiram na qualidade monocromática do sudário, apesar de testemunhas antigas e confiáveis, tais como as Clarissas de Chambéry. Por conseguinte, depois de ter visto a mortalha pela luz do dia em

1933,1933, EuEu escreviescrevi oo seguinteseguinte testemunhotestemunho nana primeiraprimeira ediçãoedição dodo lesles CinqCinq PlaicsPlaics dudu Cristo:Cristo: 11

1111 CincoCincoCincoCinco ChagasChagasChagasChagas dededede Cristo.Cristo.Cristo.Cristo. TraduçãoTraduçãoTraduçãoTradução InglêsInglêsInglêsInglês porporporpor M.M.M.M. Aprax-Aprax-Aprax-Aprax- ine.ine.ine.ine. (Clonmore(Clonmore(Clonmore(Clonmore &&&& ReynoldsReynoldsReynoldsReynolds

O Santo Sudário

17

“No“No“No“No aaaa últimaúltimaúltimaúltima exposição,exposição,exposição,exposição, quequequeque teveteveteveteve lugarlugarlugarlugar emememem 1933,1933,1933,1933, porporporpor spe¬spe¬spe¬spe¬ dispensaçãodispensaçãodispensaçãodispensação cial,cial,cial,cial, porporpor contacontaconta dododo anoanoano jubilarjubilarjubilar dododo sionsionsion Pas¬,Pas¬,Pas¬, eueueu fuifuifui aaa TurimTurimTurim eee ememem outubrooutubrooutubro dedede 14º14º14º EuEuEu era capaz de passar um longo tempo estudando a mortalha, que foi exposta em um quadro monumental acima do altar-mor, e foi il¬ luminated por fortes projetores elétricos. A imagem foi exatamente como tinha sido descrito, e de cor acastanhada; as feridas eram simplesmente mais escura do que o resto, e destacou-se mais ou menos a partir de toda a silhueta humana.

"Mas,"Mas, nono domingo,domingo, 1515 dede outubrooutubro queque foifoi oo diadia dede fecho,fecho, aa relíquiarelíquia foifoi levado para fora da moldura pesado no qual foi exposto, sob vidro, e vinte e cinco prelados carregou-o com o devido gravidade no seu quadro de luz, para o terraço de a catedral de modo que ele deveria ser venerado pela grande multidão que enchia a praça, atrás de uma linha dupla de soldados de infantaria. Eu estava na frente deles, nos degraus do terraço, eo cardeal Fossati, arcebispo de Turim, foi tão gentil como ter a estrutura colocada por alguns minutos na borda do terraço, para que possamos ter a oportunidade de olhar para ele. O sol tinha acabado de passar para baixo atrás das casas do outro lado da praça, ea luz brilhante, mas difundida era ideal para estudá-la. Tenho,Tenho, portanto,portanto, vistovisto aa mortalhamortalha pelapela luzluz dodo dia,dia, semsem triagemtriagem qualquerqualquer vidrovidro que, a partir de uma distância de menos de um quintal, e de repente eu experimentei uma das mais poderosas emoções da minha vida. Pois, sem esperar, eu vi que todas as imagens dos ferimentos eram de uma cor bastante diferente da do resto do corpo; e esta cor foi o de sangue seco que tinha mergulhado no material. Havia, portanto, mais do que as manchas marrons na reproduc¬ mortalha ing o esboço de um cadáver.

"O"O"O próprioprópriopróprio sanguesanguesangue tinhatinhatinha coloridocoloridocolorido asasas coisascoisascoisas porporpor contatocontatocontato direto,direto,direto, eee ééé porporpor issoissoisso asasas

imagens das feridas são positivos, enquanto todo o resto é negativo.

"Isto"Isto ÉÉ difícildifícil parapara umum versadoversado nana pinturapintura parapara definirdefinir aa corcor exacta,exacta, masmas aa base era vermelho (malva carmim, disse M. Vignon, que tinha um sentido fino de cor), diluiu-se mais ou menos de acordo com as feridas; era mais forte ao lado, na cabeça, as mãos e os pés; era mais pálida, mas

i8

UMAUMA DoutorDoutor nono CalvárioCalvário

nono entanto,entanto, totalmentetotalmente visível,visível, nasnas inúmerasinúmeras marcasmarcas dosdos

cirurgião poderia compreender, sem possibilidade de dúvida, que era o sangue

queque tinhatinha afundadoafundado nono linho,linho, ee esteeste sanguesangue eraera oo SangueSangue dede Cristo!Cristo!

masmas umum

"EU"EU temtem umauma longalonga experiênciaexperiência dede italianos,italianos, ee achoacho queque suassuas reaçõesreações animadasanimadas muito atraente; mas devo confessar que naquele dia eu estava surpreso: a multidão irrompeu em aplausos.

"Como"Como parapara mim,mim, aa minhaminha alma,alma, tantotanto comocomo umum católicocatólico ee umum cirurgião,cirurgião, foifoi superado por esta súbita revelação. I foi debelada por esta presença real, a evidência para a qual foi tão impressionante.

EuEu caiucaiu dede joelhosjoelhos ee eueu adoravaadorava emem silênciosilêncio “.“.

TenhoTenho sidosido difamadodifamado dede formaforma irônicairônica queque fazfaz umum lamentarlamentar osos autores,autores,

porpor contaconta dada frase:frase: "UMA"UMA cirurgião podia entender, sem qualquer possibilidade de dúvida, que era o

sangue que tinha afundado no linho.”Eu posso ter errado no lado de concisão,

masmasmas eueueu nãonãonão sousousou assimassimassim ingênuoingênuoingênuo comocomocomo eueueu podepodepode parecer.parecer.parecer. Pode-sePode-sePode-se dizerdizerdizer quequeque háháhá

pessoas que não sabem ler e aqueles que não desejam ler. portanto, eu

adicionei este pequeno parágrafo na segunda edição.

"Isto"Isto éé totalmentetotalmente compreendidocompreendido queque umauma provaprova rigorosamenterigorosamente científicocientífico queque essasessas manchasmanchas sãosão devidodevido aoao sanguesangue fariafaria exigemexigem (se(se fossemfossem al¬al¬ lowed)lowed) examesexames físicos ou químicos; por exemplo, a pesquisa por meio da espectroscopia de raios de hemoglobina ou seus derivados. Mas, como tem sido provado que as outras imagensimagens nãonão sãosão obraobra dada mãomão dodo homem,homem, queque esteeste mantomanto continhacontinha umum cadáver,cadáver, podempodem

as marcas destas feridas, que são tão rica em detalhes como genuíno como eles são unex¬ pected, devem a sua cor a qualquer coisa mas o sangue?”

Como tenho mais espaço neste livro que eu teria em um folheto, proponho a desenvolverdesenvolver meumeu pensamento,pensamento, ee issoisso vaivai meme levarlevar aa insistirinsistir emem umum altamentealtamente pontoponto importanteimportanteimportante sesese quisermosquisermosquisermos compreendercompreendercompreender estesestesestes imagensimagensimagens dedede sangue.sangue.sangue. IstoIstoIsto ééé quequeque dedede sua ção forma¬. Vamos estudar isso em breve, na seção E deste capítulo.

D.- AS FOTOGRAFIAS

Sobre este assunto eu só exporá os fatos essenciais. Eu não can¬ aconselhar muito fortemente qualquer leitor interessado para obter

O Santo Sudário

* 9

o livro do meu amigo Giuseppe Enrie, o pher photogra¬ oficial do sudário (a quem devemos muito trabalho precioso),

LaLa SantaSanta SindoneSindone rivelatarivelata FOTOGRAFIAFOTOGRAFIA dalla.dalla. HáHá umauma boaboa traduçãotradução francesafrancesa

por meu caro amigo, agora morto, M. Porche (Librairie du Carmel, 27 Rue

Madame, Paris VI). As provas das fotografias só pode ser obtido a partir Enrie,

Via Garibaldi 26, Turim. (Há um depósito para a França na biblioteca acima.)

1.1. Technique.-Technique.- EnrieEnrie produziuproduziu dozedoze fotografias,fotografias, novenove dasdas quaisquais sãosão dodo tubotubo

retirado do seu quadro e expostos a uma de alta energia e de luz dispostos

cuidadosamente. Três destes são de todo o tecido. Os outros são fotografias

dos vários detalhes: dois da Santa Face, um dos quais está em uma escala de

dois terços do original, eo outro tamanho natural; um da Santa Face com a

parte superior do busto, também a uma escala de dois terços, e uma das

costas.costas. Há,Há, finalmente,finalmente, umum dada feridaferida emem oo lado,lado, alargadasalargadas setesete vezes,vezes, oo

queque permitepermite -nos-nos aa estudarestudar oo estadoestado dodo tecidotecido emem cadacada caudacauda de¬.de¬. OO

duodécimo nos mostra a exposição completa.

Todos estes foram levados em placas ortocromaticos. Técnicos irão encontrarencontrar todostodos osos detalhesdetalhes emem OO livrolivro dede Enrie.Enrie. EuEu precisopreciso apenasapenas acrescentaracrescentar que estas fotografias receberam nenhum toque-up, e não tenham sofrido qualquer processo que não o de senvolvimento devel¬ normal. Além da consciência escrupulosa do meu amigo Enrie, este fato foi certificado antes de um notário público, por uma comissão de fotógrafos especializados. O thenticity au¬ de todas as reproduções foi certificado pelo arcebispo de Turim, cardeal Fossati. Além disso, todas as caudas de¬ destas fotografias oficiais são confirmadas pelos instantâneos ous numer¬ tiradas por amadores durante asasas exposiçõesexposiçõesexposições dedede 193119311931 eee 1933,1933,1933, algunsalgunsalguns delesdelesdeles ememem plenaplenaplena luzluzluz dododo dia,dia,dia, nonono diadiadia dododo encerramento; Eu sei algo sobre isso. Mas voltemos ao que está para ser visto nestas fotografias.

2.2. Results.-Results.- NumaNuma palavra,palavra, tudotudo nasnas chapaschapas fotográficasfotográficas ligadosligados comcom asas

imagens do corpo é positiva, como deve ser o caso, em uma reprodução em

papel quando um corpo foi fotografado. Neste caso, pelo contrário, é a

reprodução em papel que dá uma imagem negativa do

20

Um doutor no Calvário

corpo, devido ao fato de que esta é a forma como ele é na própria mortalha. As

marcas feitas pelo corpo no Sudário são, portanto, como um negativo; eles têm

todas as características de um ordi¬ nary chapa fotográfica; tudo está invertido,

o preto é branco, e branco é preto. A única diferença é que a imagem negativa

sobre a mortalha mostra nenhuma sombra, como é sempre o caso quando um

objeto normal é fotografado.

Por outro lado, e isso é da maior importância, os vagabundos (como é

óbvio), mas também as marcas de sangue, são claramente positivos na

cobertura: na chapa fotográfica eles saem branco. Estes, então, são imagens

positivas, normais na mortalha. O fundo de linho, como seria de esperar, sai

preta na placa.

Isso nos leva a uma conclusão mais importante: as marcas do corpo ter

sido produzido por um processo, que, se, como nós acreditamos, foi uma

catástrofe natural, tem uma certa semelhança com o fenômeno da fotografia.

As marcas de sangue, por outro lado, só pode ter sido feita por contato direto;

eles são as marcas de sangue coagulado; vamos voltar a isso mais tarde.

É impossível dar um resumo claro de todos Enries con¬ considerações; seu

livro deve ser lido. A palavra é necessária how¬ nunca para explicar que os

fac-símiles de estas placas fotográficas, aquelas que dão um retrato normal,

positiva da Santa Face, por exemplo, tem toda a impecabilidade das placas

originais. Não houve nenhuma interferência com eles. As placas foram

reproduzidas, não no papel, mas em uma placa sensível.

3.3.3. Conclusions.-Conclusions.-Conclusions.- III vaivaivai dardardar aquiaquiaqui apenasapenasapenas asasas conclusõesconclusõesconclusões alcançadasalcançadasalcançadas pelopelopelo próprio Enrie:

(A) As marcas negativas são absolutamente exato; os terísticas charac¬ desta imagem estranha, o que não foi feito pela mão do homem, podem ser encontrados em todos os pontos, além das manchas de sangue.

(B) Há certamente não há vestígios de coloração, de marcas feitas por um

pincel, ou de outros artifícios, tais como seria empregada por um relator ou um

falsificador. (C)(C) AA luzluz ee sombrasombra nãonão temtem contornos,contornos, éé semsem linhaslinhas

O Santo Sudário

21

OuOu stippling,stippling, masmas háhá poucopouco gradaçõesgradações perceptíveis,perceptíveis, queque lembramlembram dede umum processo fotográfico.

(D) As marcas de sangue, que são positivas na imagem negativa do

Redentor, são, pelo contrário, fortemente marcado, e mostram as

características de uma impressão feita por tato con¬; também existem

irregularidades na sua estrutura, que apontam a sua origem natural.

(E) A anatomia eo padrão são verdadeiras para a vida: as características

físicas revelam tanto a personalidade e raça; que não tenham sido alterados

por inchaços graves e por uma fratura do nariz, como foi imaginado depois de

as fotografias foram tiradas em 1898, quando o tecido não tinha sido

cuidadosamente esticado out.- - (Enrie vai por favor me perdoe, mas, para

além de as escoriações e feridas, existe um inchaço na região zigomática

direita, e há uma fractura da cartilagem nasal posterior.)

(F) As partes correspondentes às sombras são absolutamente desprovidos de impressão, para permitir que o tecido a ser visto intacta.

(G) O fac-símile do negativo fotográfico da face exibe com admirável

exatidão algumas qualidades negativas do cunho, para que revela, não

apenas uma forma, mas também um conteúdo itual spir¬: a expressão.

Eu não desejo para insistir nesta última conclusão. Vou deixá-lo para o leitor

a olhar para as imagens; eles são mais eloquente do que eu jamais poderia ser.

Naquele rosto, que é definitivamente semítica, encontra-se, apesar das torturas e asas feridas,feridas, comocomo umum efeitoefeito dede majestademajestade serenaserena queque umauma impressãoimpressão indescritívelindescritível

é deixado. Se um ia entender um h'ttle, é preciso lembrar que, se a Sagrada Humanidade tinha acabado de morrer, em que o corpo da Divindade está sempre presente com a certeza da vinda Ressurreição.

Nenhum artista jamais imaginou um rosto que se aproxima este. E eu não

seria tão cruel a ponto de lembrar as cópias e as imitações que as pessoas

têm tentado fazer, nem mesmo o pós-toques que acabar com os sulcos. Como

VirgilVirgilVirgilVirgil dissedissedissedisse aaaa DanteDanteDanteDante emememem suasuasuasua Inferno:Inferno:Inferno:Inferno: "Não"Não"Não"Não ragionamragionamragionamragionam didididi lor,lor,lor,lor, mamamama guardaguardaguardaguarda eeee passa-passa-passa-passa-

DoDo NãoNão vamosvamos falarfalar deles,deles, masmas olharolhar ee passar!”passar!”

22

Um doutor no Calvário

E.-E.-E.- AAA FORMAÇÃOFORMAÇÃOFORMAÇÃO DODODO IMPRESSÕESIMPRESSÕESIMPRESSÕES

eu.eu.eu. manchadamanchadamanchada dedede sanguesanguesangue Impressions.-NósImpressions.-NósImpressions.-Nós devedevedeve começarcomeçarcomeçar comcomcom estesestesestes

porque, para falar a verdade, eles são os únicos que podemos imaginar a formação de uma forma que é ao mesmo tempo certo e completa. Como cristão vai ter adivinhado, este quase levanta a questão das circunstâncias da Ressurreição, que são um mistério. Mesmo os hypercritics não vai exigir que eu deveria fornecê-los com uma explicação científica.

As marcas de sangue no sudário não são imagens gráficas, como são as impressões corporais. Eu não digo fotográfica, pois, como não sabemos a maneira em que estes últimos foram formados, não sabemos se luta desempenhou um papel; de qualquer maneira, como vimos, eles são muito como negativos fotográficos. As impressões manchadas de sangue não são fotos; eles são desenhos counter¬ e eles são feitos por sangue. Mas de que forma? sangue líquido ou congelado? Eles são de coágulos que tinham secado já coágulos ou recentemente formados, os quais ainda estavam exud¬ ing seu soro?

NósNós podepode começarcomeçar porpor dissipardissipar aa falsafalsa idéia,idéia, queque sese expressaexpressa emem palavraspalavras queque eu muitas vezes ouvi usado por um dos defensores mais antigos e mais firmes do Sudário:Sudário:Sudário: "UMA"UMA"UMA fluxofluxofluxo dedede coágulos.”Al¬coágulos.”Al¬coágulos.”Al¬ emboraemboraembora eueueu sabiasabiasabia ooo quequeque esperar,esperar,esperar, eueueu nãonãonão podia deixar de dar um começo de cada vez. Nol Um coágulo que se formou sobre a pele adere a ele e seca.

OutroOutro ponto:ponto: umum coágulocoágulo nuncanunca éé formadoformado nono corpo,corpo, ouou maismais exatamenteexatamente nono asas veias,veias,veias, ememem quequeque ooo sanguesanguesangue sempresempresempre permanecepermanecepermanece líquido.líquido.líquido. ooo “Trombo”“Trombo”“Trombo” quequeque apareceapareceaparece nasnasnas veias atingidas com flebite é uma coisa totalmente diferente anatomicamente, e é apenas para ser encontrados em veias saudáveis, com o qual não estamos preocupados aqui.

Sangue permanece líquido em cadáveres; vamos voltar a este quando se lidalidalida comcomcom aaa feridaferidaferida dododo coração.coração.coração. Torna-seTorna-seTorna-se con¬con¬con¬ centratedcentratedcentrated ememem aaa veias;veias;veias; aaa mortemortemorte dasdasdas artérias eus them¬ vazios nos capilares e nas veias, devido à contracção final dosdos ventrículosventrículos ee àà suasua própriaprópria elasticidade.elasticidade. istoisto permanecepermanece líquidolíquido nasnas veiasveias

paraparaparaparapara umumumumum veiyveiyveiyveiyveiy longolongolongolongolongo Tempo,Tempo,Tempo,Tempo,Tempo, geralmentegeralmentegeralmentegeralmentegeralmente

O Santo Sudário

23

atéatéatéaté conjuntosconjuntosconjuntosconjuntos dededede putrefação.putrefação.putrefação.putrefação. ÉÉÉÉ atéatéatéaté mesmomesmomesmomesmo restosrestosrestosrestos vivovivovivovivo paraparaparapara algumasalgumasalgumasalgumas horashorashorashoras

e é capaz de ser transfundido em um homem vivo.

Quando o sangue deixa as veias devido a uma ferida, se col¬ Foi selecionado em um receptáculo pode ser visto coagulação rapidamente, isto é, torna-se uma espécie de geléia vermelha, que chamamos de um coágulo. Este coágulo é constituída pela transformaçãotransformação dede umauma substânciasubstância queque sese dissolvedissolve nono sangue,sangue, fibrinogio,fibrinogio, emem outraoutra substância sólida, de fibrina; este último contém dentro das suas malhas células vermelhasvermelhas dodo sangue,sangue, dede ondeonde suasua corcor vermelha.vermelha. CoagulaçãoCoagulação ocorreocorre emem umum tempotempo muito curto, não mais do que alguns minutos. Sec¬ ondly, o coágulo se torna menor, e transmite o seu conteúdo líquido, o soro. Em seguida, seca gradualmente.

Assim, se o sangue deve emitir a partir de um morto ou um corpo vivo através de uma ferida na pele, uma quantidade considerável de este irá fluir na forma líquida ao longo da pele, e, em virtude do seu peso, pode cair no chão. Uma parte, em razão da sua dade viscos¬, vai aderir à pele (em maior quantidade, se esta deve ser horizontal), e vai lá coagular rapidamente. Se o fluxo de sangue continua, os níveis frescas de sangue líquido vai se espalhar sobre os anteriores, e por sua vez irá coagu¬ tarde. Se o sangue encontra-se com um obstáculo durante o seu fluxo descendente, que acumula acima dela; o coágulo neste ponto será, assim, mais grosso.

O coágulo se torna menor na pele como num receptáculo, ow¬ ing para a expulsão do soro e do processo de secagem que se segue. Mas, quando a superfície é ampla e rasa, este secagem terá claramente lugar mais rapidamente.

Deve ser entendido que eu só estou dando essas explicações tares elemen¬ para aqueles que não são médicos. Eles parecem-me ser indispensável, pois tenho tantas vezes se deparar com sérios mal-entendidos, mesmo entre pessoas altamente cultivadas. Vemos assim que a cobertura pode ter sido manchada, quer por sangue líquido, ou pela formação de coágulos, que ainda estavam frescas e húmidas, ou por coágulos secas. Vemos também que em todo o coágulo, se este ainda estava fresca, pode ser manchado pelo soro que tinha sido exalava. Para qual categoria o nosso sangue-marcas pertencem?

sangue líquido é uma exceção e quase único. Eu só posso encontrar vestígios de sangue que fluiu a partir dos furos no

22 44

UMAUMA DoutorDoutor nono CalvárioCalvário

os pés, no caminho para e dentro do túmulo, na direção dos calcanhares. A maior parte coagulado em outros lugares nas solas dos pés, e estes pontos deixaram suas marcas no Sudário, quando eles ainda estavam frescas. Uma parte, no entanto, fluiu be¬ yond os pés nas dobras, atravessando essas dobras de um lado para o outro, formando imagens simétricas que reúne-se com mais uma vez.

Alguns dos coágulos ainda deve ter sido fresco o suficiente para re¬ úmido principal.principal.principal. UmUmUm dessesdessesdesses talveztalveztalvez ooo grandegrandegrande coágulocoágulocoágulo originaloriginaloriginal dododo coraçãocoraçãocoração dedede feridas,feridas,feridas, ememem razão de sua espessura. Os coágulos de grande fluxo de sangue através da parte traseira do corpo certamente formam parte deste grupo (cf. C. VIII), os pontos que foram formadas na cavidade de uma folha torcido sob os lombos em uma banda para fins de rolamento o corpo ao túmulo. A maior parte deste abundante fluxo de sangue, que emitiu a partir da veia cava inferior, e encontrou o seu caminho para fora através da ferida aberta do coração, deve ter caído no chão no caminho. Apenas uma pequena parte dela, que foi capaz de atingir a pele entre as dobras dada bandabanda ee aa aderiraderir aa elaela porpor contaconta dede suasua viscosidade,viscosidade, tornou-setornou-se coaguloucoagulou emem aa forma de enrolamentos de inúmeras, como são característicos do fluxo de sangue na parte de trás. Estes coágulos foram claramente muito fresco, quando o corpo foi colocado para baixo na cobertura; eles deixaram seu traço muito facilmente, com uma abundância de soro em torno das marcas.

A maioria dos coágulos foram mais ou menos seco no momento do enterro. Como eles também foram capazes de deixar seu rastro? Devemos entender que uma vez que o cadáver tinha sido instalado, ele foi hermeticamente fechado em uma mortalha e em panos de linho, todos os quais foram impregnados com trinta quilos de mirra e de aloés; seus envolvimentos seria praticamente impermeável. Devemos lembrar também que o cadáver iria continuar a dar a umidade por algum tempo. Um tende a esquecer que todas as células de um cadáver continuam a viver, cada um por conta própria, as da pele como os outros, e que eles morrem aliado individu¬ após diferentes períodos de tempo. Se a células nervosas maior grau e são os mais frágeis, mas os outros durar por algum tempo; morte total, apenasapenasapenas ememem conjuntosconjuntosconjuntos comcomcom aaa putrefação.putrefação.putrefação. AgoraAgoraAgora aaa nossanossanossa féféfé nosnosnos dizdizdiz quequeque JesusJesusJesus nuncanuncanunca soube que a corrupção; e

O Santo Sudário

25

todas as partes do manto nos confirma nesta certeza. Por outro lado, todas as feridas, todas as escoriações com o qual o corpo foi cobertos continuou a exsudar um linfa mais ou menos infectado como quando ele ainda estava vivo, mas na forma líquida. O resultado de tudo isto é que o corpo foi banhado em uma atmosfera aquosa, o que fez todos os coágulos sobre a pele e os vários m feridas húmidos maismais umauma vez.vez. EE issoisso nosnos traztraz dede voltavolta maismais umauma vezvez parapara osos coáguloscoágulos frescos,frescos, parapara

além do soro.

Agora, por isso não quero dizer que a fibrina se tornou líquido novamente, o que seria algo completamente diferente. Vignon, que foi completamente imbuído de sua teoria aloeticoammoniacal de impressões vaporographic (uma teoriateoriateoria quequeque ele,ele,ele, nonono entanto,entanto,entanto, encontrouencontrouencontrou muitomuitomuito menosmenosmenos satisfatóriasatisfatóriasatisfatória dododo 193819381938 ememem diante)diante)diante) pensoupensoupensou quequeque eraeraera amônia,amônia,amônia, quequeque tinhatinhatinha novamentenovamentenovamente dissolvidodissolvidodissolvido aaa fibrinafibrinafibrina eee tinha liquefeito os coágulos. Ele fez uma experiência colocando alguns coágulos de uma substância que tinha sido embebido em uma solução de amônia. Em qualquer caso, já não ter sido normal, sangue vivo, mas um líquido colorido, ceptível sus¬ de fluir, incapaz de recoagulating. Esses fluxos, que se realiza em posição horizontal no túmulo, teria sido desastroso para as nossas imagens manchadas de sangue; de facto, não existe qualquer fluxo de cor no mortalha; existem apenas desenhos contra- de coágulos.

A hipótese de Vignon é, portanto, incapaz de explicar nossas imagens manchadas de sangue; pelo contrário, só faz para confusão. Mais do que isso, não tem base na realidade, nem tem sua teoria de escurecimento amoniacal pelos aloés.aloés. ÉÉ verdadeverdade queque aa fibrinafibrina iráirá dissolverdissolver emem umauma soluçãosolução dede amoníaco;amoníaco; masmas acho que não dá sinais de amônia na mortalha.

Não é certamente uma pequena ureia, que pode ter sido deixada pelo suor secagem sobre a pele; há também alguns no sangue e na linfa que foi exsudado pelos ferimentos. Em nenhum caso se a quantidade de ureia ser considerável. Mas de qualquer maneira, este uréia não tem nenhuma das propriedades de amônia. Teria de ser transformado em carbamato, e em seguida, em carbonato de amónia. Agora uma transformação como esta levaria umum longolongo tempo,tempo, muitomuito maismais dodo queque oo comprimentocomprimento dodo períodoperíodo passadopassado nono túmulo. A presença de um micro especial

2.6

Um doutor no Calvário

organismo,organismo,organismo, ooo micrococcusmicrococcusmicrococcus ureae,ureae,ureae, tambémtambémtambém seriaseriaseria necessário.necessário.necessário. NãoNãoNão háháhá nenhumanenhumanenhuma razão por que isso deve ter existido na superfície do corpo. Meu amigo, Volckringer, que era farmacêutico no Hôpital Saint-Joseph, experimentou, colocando alguns uréia sobre a pele de um animal; os vapores de amônia não apareceu durante vinte horas. A reacção é retardada e ainda

seguradoseguradoseguradosegurado porporporpor todostodostodostodos osososos anti-sépticos,anti-sépticos,anti-sépticos,anti-sépticos, mesmomesmomesmomesmo quequequeque leves,leves,leves,leves, taistaistaistais comocomocomocomo aloésaloésaloésaloés porporporpor exemplo! Há, portanto, incentivo escassa para a hipótese de Vignon.

As duas condições necessárias para a formação de monia am¬, tempo e fermento, estão ausentes, e por esta razão eu sempre permaneceu cético sobre esta teoria. Por outro lado, parece-me bastante possível que os coágulos que se tornaram mais ou menos seco, seria, sem liquefy¬ ing a fibrina, em um ambiente úmido se tornam suficientemente umedecido para formar uma espécie bastante macio de pasta. Assim trans¬ formado eles seriam bem capazes de impregnar a roupa com que entrou em contato e deixar contra-desenhos nele com contornos bastante definidos, que reproduzem a forma dos coágulos.

A cor destes contra-desenhos iria variar em in¬ tensity de acordo com a espessura dos coágulos. Vignon vi claramente que, quando uma gota de sangue coagulado se torna menor, a sua espessura é maior na circunferência dodo queque nono tretre cen¬.cen¬. EE issoisso éé porqueporque muitosmuitos dessesdesses contra-desenhoscontra-desenhos sãosão altamente coloridos na circunferência e tem em seu centro de uma zona de cor mais suave.

E é assim que, na minha opinião, quase todas as imagens manchadas de sangue foram formed- mas devo voltar para as imagens pro¬ duzido pelo fluxo de sangue líquido, e para as possibilidades que este sangue teria oferecido um falsificador engenhoso. Qualquer pessoa que tenha tido qualquer experiência sabe que a mancha feita pelo sangue em linho não permanece sempre a mesma, em particular se a roupa não foi especialmente preparado. Em uma compressa, quandoquando usadousado emem umauma operação,operação, umauma gotagota dede sanguesangue podepode serser vistovisto difundir-sedifundir-se

rapidamente,rapidamente,rapidamente, aaa manchamanchamancha aumentaaumentaaumenta medidamedidamedida quequeque sesese espalhaespalhaespalha paraparapara ooo tecido,tecido,tecido, masmasmas fazfazfaz issoissoisso com mais velocidade em certas rections di¬, seguindo os fios do material. Se, por

in-

O Santo Sudário

27

posição, que consiste de sarja simples, como é geralmente o caso, em torno de uma zona central que é mais ou menos redondo, pode-se ver quatro pequenos prolongamentos seguindo os fios da urdidura e da trama, o que, assim, forma uma pequena cruz.

O fenómeno é ainda mais evidente se, em vez de sangue, utiliza-se

algumas gotas de um líquido mais volátil, tais como tintura de iodo; o material torna-setorna-setorna-se salpicadosalpicadosalpicado dedede pequenaspequenaspequenas cruzescruzescruzes castanhos.castanhos.castanhos. esteesteeste irregularirregularirregular eee difusãodifusãodifusão

guiada é tudo o mais perceptível à medida que o fio é capaz de absorver líquido. Agora, como já vimos, o fio a partir do qual a roupa do sudário foi tecido, que é grosseiramente fiado de fibra de cru, é um excelente absorvente

É de facto de notar que os bordos dos dois fluxos de líquido que são na

cobertura do lado de fora das solas dos pés, em vez de ter a visão clara dos coáguloscoáguloscoáguloscoágulos nasnasnasnas mãosmãosmãosmãos ouououou nananana testa,testa,testa,testa, porporporpor exemplo,exemplo,exemplo,exemplo, sãosãosãosão irregularirregularirregularirregular eeee invertido.invertido.invertido.invertido.

Seria interessante ter uma fotografia que tinha sido diretamente ampliada, a fim de compará-lo com o que Enrie feito de pulso. Neste último pode-se ver que a coloração da impressão com manchas de sangue é apenas o resultado de cada segmento a ser impregnada, cada uma das quais conserva a sua forma e a sua existência em separado. Não há qualquer entupimento, não a menor espessura de corantes entre os fios do material.

Por causa deste detalhe um falsificador teria tido a dificuldade great¬ est em imitar marcas manchadas de sangue, se ele usou sangue como sua matéria corante. Nunca ele teria ceeded suc¬ em produzir essas manchas com bordas claramente marcadas, que com tanta veracidade excelente reproduzem a forma dos coágulos como eles foram formados naturalmente na pele. Posso dizer, entre parênteses, que este destrói antemão certas teorias que serão apresentadas pelos opositores da mortalha, no dia em que o exame físico, o que teria ocorrido há muito tempo se não fosse para a inércia dos proprietários, vontade talvez tenham demonstrado cientificamente que as manchas foram feitas por sangue.

Como eu não tinha a chance de fazer tais mentos experi¬ decisivos, foi precisamente o estudo dessas imagens dos coágulos

28

Um doutor no Calvário

o que me levou à conclusão de que eles realmente eram desenhos contra- de sangue coagulado. Vou descrever estes em maior extensão, por exemplo, em conexão com a coroa com espinhos (ver C. IV, D). Mas eu poderia repetir a mesma stration demon¬ em conexão com todas as imagens manchadas de sangue.sangue. AosAos olhosolhos dede umum cirurgiãocirurgião queque eleseles possuempossuem umum realismorealismo maismais marcante,marcante, que eu ainda nunca vi em qualquer pintura.

TodosTodos pintores,pintores, alémalém daquelesdaqueles queque retratamretratam feridasferidas queque nãonão têmtêm nenhumanenhuma relação com a realidade, os fluxos de tinta de sangue com bordas mais ou menos paralelas, e são bem o conteúdo, desde que siga as leis da gravidade, como por exemplo, em fazê-los fluir a partir do mão para o cotovelo. Mas estes são os fluxos de sangue líquido, de sangue que não está coagulado. E eles imaginam que estão sendo assim realista.

Não há fluxo de sangue no sudário; existem apenas os contra-desenhos de coágulos; esses coágulos declara que parte do sangue que tem coagulado na pele, enquanto que flui sobre ele. Se eu às vezes se referem a fluxos de sangue, quando describ¬ ing a mortalha, é porque esses coágulos nos dizer dododo passado,passado,passado, quandoquandoquando ooo sanguesanguesangue fluiufluiufluiu sobresobresobre aaa pele:pele:pele: dadada mesmamesmamesma formaformaforma beauti¬beauti¬beauti¬ escrita ful, ainda que agora imóvel, evoca o movimento da caneta pelo qual foi rastreado.

NaNa verdade,verdade, essasessas imagensimagens queque estáestá destinadodestinado aa serser oo maismais realistarealista sãosão

osos queque conterconter erroserros aa phys¬phys¬ maismais flagranteflagrante iological.iological. VeremosVeremos queque istoisto éé especialmente o caso no que diz respeito às marcas de sangue. Quando um crucifixocrucifixo éé projetadoprojetado parapara agitaragitar nossasnossas emoções,emoções, mostrando-nosmostrando-nos aa naturezanatureza atroz da tortura, tanto mais que é longe da verdade. Eu sei que deve ser atacado porpor isso,isso, masmas aindaainda assim,assim, temtem dede serser dito;dito; sese aa partirpartir dada pontoponto dede vistavista artísticoartístico Eu sou capaz de apreciar os valores pictóricos de uma Griinewald, a forma contorcidacontorcida emem queque eleele pintapinta oo CrucificadoCrucificado parece-meparece-me puramentepuramente grotesco.grotesco. PossoPosso assegurar-vosassegurar-vosassegurar-vosassegurar-vosassegurar-vos quequequequeque aaaaa paixãopaixãopaixãopaixãopaixão eraeraeraeraera tantotantotantotantotanto maismaismaismaismais simplessimplessimplessimplessimples eeeee infinitamenteinfinitamenteinfinitamenteinfinitamenteinfinitamente maismaismaismaismais trágicotrágicotrágicotrágicotrágico dododododo que isso.

ApósApósApósApósApós aaaaa exposiçãoexposiçãoexposiçãoexposiçãoexposição dedededede 19331933193319331933 eueueueueu escreviescreviescreviescreviescrevi leslesleslesles CinqCinqCinqCinqCinq Plaies.2Plaies.2Plaies.2Plaies.2Plaies.2 EuEuEuEuEu jájájájájá sabia,sabia,sabia,sabia,sabia, depoisdepoisdepoisdepoisdepois dedededede estudar as marcas de sangue, que ele realmente

2222 CincoCincoCincoCinco ChagasChagasChagasChagas dededede Cristo.Cristo.Cristo.Cristo. TraduzidoTraduzidoTraduzidoTraduzido porporporpor M.M.M.M. Apraxine.Apraxine.Apraxine.Apraxine. (Clonmore(Clonmore(Clonmore(Clonmore &&&& Reynolds.)Reynolds.)Reynolds.)Reynolds.)

O Santo Sudário

29

era sangue que se tinha formado estas imagens de coágulos. Eu os tinha reconhecido,reconhecido, taltal comocomo sese reconhecereconhece aa imagemimagem dede umum rostorosto fa¬fa¬ miliar.miliar. EuEu tinhatinha uma convicção errada de que estas marcas eram da mesma cor que o resto, e eu tinha visto imagens monocromáticas no linho por luz elétrica. E de repente, pela luz do dia, eu vi que eles tinham essa cor mina car¬, que acrescentou mais uma nota para a convicção de que eu já tinha formado. Tive, assim, o direitodireitodireito dedede indicar,indicar,indicar, semsemsem abandonarabandonarabandonar qualquerqualquerqualquer precisãoprecisãoprecisão científica,científica,científica, quequeque "a"a"a cirurgiãocirurgiãocirurgião

Entendido,Entendido, semsem qualquerqualquer sombrasombra dede dúvida,dúvida, queque eraera oo sanguesangue pelopelo qualqual oo linholinho foi impregnada, e que esse sangue era o Sangue de Cristo.”Nesse eu estava certamente ser tific mais scien¬ do que aqueles que se recusam a olhar para a mortalha.

E já que terminamos com este estudo de coágulos? Ai de mim! Estamos longe disso e sempre haverá imensas dificuldades a serem resolvidas. Espectroscopia, fotografia em todas as zonas do espectro, infra-vermelhos, em particular, radiografia, e tudo o mais que poderíamos imagine- uma vez que parece impossível de alcançar um exame químico, toda essa pesquisa, talvez nos dizer um dia que um cadáver coberto com ferimentos deitou por algumas horashorashoras nestenesteneste mortalha.mortalha.mortalha. NadaNadaNada vaivaivai nosnosnos explicarexplicarexplicar comocomocomo eleeleele deixou,deixou,deixou, deixandodeixandodeixando nonono

sudário à pression im¬ fina e sem mácula do corpo e as marcas de sua hemorragia. Um homem não seria capaz de remover o corpo de outro, sem destruí-los.

É certo que este corpo, na sua gloriosa Ressurreição, poderia deixar a mortalha comcomcom aaa mesmamesmamesma facilidadefacilidadefacilidade comocomocomo quandoquandoquando entrouentrouentrou nonono CenáculoCenáculoCenáculo januisjanuisjanuis clausis-clausis-clausis- “quando“quando“quando

asas portasportas sese fecharam.”fecharam.” EstaEsta últimaúltima dificuldadedificuldade nosnos levaleva aoao queque é,é,

humanamentehumanamente falando,falando, maismais ouou menosmenos umauma impossibilidadeimpossibilidade física.física. CiênciaCiência nesteneste pontoponto não pode fazer mais do que manter o silêncio, pois é fora do seu domínio. Mas o homem de saber, pelo menos, tem um vislumbre de que aqui é uma prova palpável da Ressurreição.

QuandoQuando eueu tinhatinha pubh'shedpubh'shed aa primeiraprimeira ediçãoedição dodo lesles CinqCinq Plaies,Plaies,

eueueueu fuifuifuifui aoaoaoao ÉcoleÉcoleÉcoleÉcole pratiquepratiquepratiquepratique paraparaparapara lê-lolê-lolê-lolê-lo paraparaparapara oooo meumeumeumeu velhovelhovelhovelho amigo,amigo,amigo,amigo, Pro¬Pro¬Pro¬Pro¬ fessorfessorfessorfessor Hovelacque. Ele foi dedicado ao tema da anatomia, que ele ensinou para a faculdade em Paris, mas ele estava longe de ser um crente. Ele aprovou minhas experiências e con-

30 Um doutor no Calvário

elusionselusionselusionselusions comcomcomcom crescentecrescentecrescentecrescente entusiasmo.entusiasmo.entusiasmo.entusiasmo. QuandoQuandoQuandoQuando eleeleeleele terminouterminouterminouterminou dededede lerlerlerler eleeleeleele colocarcolocarcolocarcolocar nononono

meu livrinho, e ele permaneceu em silêncio por um tempo curto em um estado de meditação. Então, de repente, ele explodiu com essa multa franqueza em que a nossa

amizadeamizadeamizadeamizadeamizade tinhatinhatinhatinhatinha sidosidosidosidosido construída,construída,construída,construída,construída, eeeee exclamou:exclamou:exclamou:exclamou:exclamou: "Mas"Mas"Mas"Mas"Mas então,então,então,então,então, minhaminhaminhaminhaminha amigaamigaamigaamigaamiga

JesusJesusJesusJesusJesus

CristoCristoCristo fezfezfez subirsubirsubir novamente!”Raramentenovamente!”Raramentenovamente!”Raramente ememem minhaminhaminha vidavidavida tenhotenhotenho conhecidoconhecidoconhecido emoçãoemoçãoemoção tãotãotão profunda e feliz como neste reação de um incrédulo quando confrontados com um trabalho puramente científico, a partir do qual ele estava desenhando conseqüências incalculáveis. Ele morreu alguns meses mais tarde, e ouso esperar que Deus recompensou-o.

2.2.2. AAA corporalcorporalcorporal Impressions-Impressions-Impressions- PodemosPodemosPodemos dizerdizerdizer dedede umaumauma vez,vez,vez, que,que,que, sesese nósnósnós sabemossabemossabemos muitomuitomuito bem o que essas impressões não são, não temos nenhuma idéia precisa de como eles chegaram a aparecer. A isso podemos acrescentar que não sabemos quando eles apareceram.apareceram. UmUm delesdeles éé re¬re¬ mentalidadementalidade dede queque conhecimentoconhecimento negativonegativo dede Deus,Deus, queque tem sido tão bem exposta por São Boaventura.

O que exatamente não são? Ou uma falsificação, um pedaço de artifícios, ou o trabalho de mãos- humano isso, eu acho, não pode mais ser afirmada. Se estaestaesta fossefossefosse umaumauma pintura,pintura,pintura, quequeque teriateriateria sidosidosido feito,feito,feito, ooo maismaismais tardartardartardar nonono 14º14º14º século,século,século, quando o re¬ mortalha apareceu em Lirey. Precisa de um vão de novo todos os dades impossi¬ subjacente a esta hipótese? Tal pintura seria con¬ tain uma imagem negativa, uma concepção inimaginável antes da invenção da fotografia. E ninguém precisa dizer que o sudário foi revertida pelas Clarissas de Chambéry; a cópia Lierre, que data de antes de seu dia, já mostra a ferida do coração à esquerda. Este negativo apresenta tanta dificuldade que todos os copistas antigos tentaram interpretá-lo de uma imagem positiva, que deturpou todostodos osos detalhes.detalhes. MesmoMesmo artistasartistas modem,modem, taistais comocomo RelfoRelfo ee Cussetti,Cussetti, queque copiou a mortalha ter knowlege completo do assunto, não conseguiram; suas cópias, que parecem ter uma semelhança com o original, mostrar em placas fotográficas imagens positivas

veiyveiyveiyveiyveiy diferentesdiferentesdiferentesdiferentesdiferentes daquelesdaquelesdaquelesdaquelesdaqueles ememememem aaaaa mortalha.mortalha.mortalha.mortalha.mortalha. esteesteesteesteeste ééééé porqueporqueporqueporqueporque asasasasas luzesluzesluzesluzesluzes eeeee sombrassombrassombrassombrassombras sobresobresobresobresobre a mortalha, quando reproduzidas de forma negativa, tem uma perfeição absoluta, como nenhum pintor pode atingir e que só se encontra na natureza ou em raphy photog¬ objetivo.

O Santo Sudário

31

Não há um vestígio de pintura para ser visto, mesmo em fotografias diretos ampliadas altamente do Enrie. (Para tornar isso claro, deve-se explicar que este não é apenas uma questão de ampliar uma fotografia, mas de um aparelho que produz na placa de uma imagem ampliada sete vezes, como uma lupa do mesmo poder iria fornecer ao olho ). Estas imagens, como mostrado por Viale, o diretor dos museus cívicos em Turim, não têm estilo próprio; eles são impessoais. Eles não têm nada em comum com qualquer estilo francês ou piemontês medieval.

Como poderia um artista, que estava pintando uma mortalha destinada à exposição pública, se atreveram a fazer um inédito-de coisa, que de retratar um Cristo que era totalmente nu? Como ele veio contradizer a iconografia tradicional, com um prego no pulso, com um polegar escondido na palma da mão (que tem sido muitas vezes repetido por aqueles que têm copiado a mortalha), com um Ser Crucificado que só mostra uma mão perfurada e um pé perfurado, com que o fluxo de curiosos em toda a volta? Como poderia ele, sabendo nada sobre a fisiologia do sangue, conceber coágulos tão verdadeiro para a vida e como ele foi capaz de pintá-los em linho que não tinha sido especialmente preparado? Todos os artistas pintaram fluxos de sangue por nós; nenhum deles tem o pensamento de coágulos de pintura.

EuEu nãonão perderãoperderão tempotempo nana objeçãoobjeção dede queque aa be¬be¬ pinturapintura veioveio negativa,negativa,

devido ao enfraquecimento das cores; este foi eliminado de uma maneira aprendidas por Enrie. As partes est dark¬ da placa são aqueles que correspondem às partes da mortalha que consistem de linho nua; uma cor que não existe não pode ser revertida. Tenho, além disso, em vinte ocasiões visto a Assis Cimabue; isso é muito diferente de uma negativa como a do sudário.

Podemos dizer, então, que não havia nenhuma pintura. Imagens de coágulos tais como aqueles no sudário não poderiam ser produzidos com qualquer matéria corante. Mas ainda existem alguns mentos disappoint¬ e incertezas à frente de nós. Um cadáver deve ter ficado nesse shroud- por que deveria ter sido a de Cristo e não de algum outro homem? Vamos lidar rapidamente com um projeç~ao ob¬ que tenho ouvido muitas vezes antecipada. este corpo

32 Um doutor no Calvário

Levou Todos os estigmas da Paixão. Todos aqueles, vou ser perguntado, qual deles iria encontrar em um homem crucificado? Sim, de fato, incluindo os da flagelação e da ferida no coração do lance. (O corpo seria, neste caso, foram re¬ virou-se para a família, como veremos, Capítulo II, c, 6 °). Mas apenas um homem crucificado era, ao nosso conhecimento, coroado de espinhos, e que era Nosso Salvador . E então, se este não era o sudário de Cristo, por que foi tão fielmente preservados? Finalmente, o homem condenado à morte poderia mostrar em seu rosto tão nobreza e majestade divina? Não vou insistir neste último ponto; deixar o leitor decidir por si mesmo quando ele tem com toda a humildade contemplou a face.

Segundo a teoria de Vignon, que é o mais antigo, os ings mark¬ são devido aa umum escurecimentoescurecimento dosdos aloésaloés queque foifoi espalhadoespalhado sobresobre aa rouparoupa dede cama,cama, devido à exalação de amoníaco pelo corpo. Estes vapores iria actuar na razão inversa da distância be¬ interpolar os contornos do corpo e a superfície do tubo. (O futuro talvez nos dizer se há alguma verdade nesta última frase, eu certamente não vejo como ele pode aplicar a imagem produzida por baixo do cadáver, mas vamos passar onl) Estes vapores seria devido à decomposição do ureia (formado pelo suor e sangue que tinha acumulado sobre a superfície do cadáver?) neste ponto, recusam-se a seguir a ele. Recentemente visto, no que diz respeito aos panos que se supõe terem sido liquefeito por dissolução de fibrina, como esta transformação de ureia em carbonato de amoníaco era tanto problemática e um processo lento. teoria Vignon s, o que parece tão atraente à primeira vista, levanta ainda mais dificuldades; seus fundamentos parecem especialmente para ser infundada. Vignon-se durante os últimos

anosanosanosanos e,e,e,e, aaaa partirpartirpartirpartir 1938193819381938 emememem diante,diante,diante,diante, nãonãonãonão pareceparecepareceparece terterterter tidotidotidotido aaaa mesmamesmamesmamesma confiançaconfiançaconfiançaconfiança nissnissnissniss

Meu bom amigo Don Scotti, salesiano, é um médico de cine medi¬ e também umauma excelenteexcelente químico.químico. EleEle fezfez pesquisaspesquisas consideráveisconsideráveis nono aloésaloés desdedesde 1931,1931, nono que diz respeito aos seus componentes e seus derivados, da qual eu não estou em posiçãoposiçãoposição dedede dardardar umumum resumoresumoresumo claro.claro.claro. PorPorPor exemplo,exemplo,exemplo, aloetine,aloetine,aloetine, quandoquandoquando eleeleele entraentraentra ememem contacto com a água ou com alcalino, assume uma cor castanho-escuro, uma vez quequeque sesese transformatransformatransforma ememem aloeresinotannol.aloeresinotannol.aloeresinotannol. Linho,Linho,Linho, quequeque

O Santo Sudário

33

foi mergulhado por alguns minutos em uma solução de aloine, dos quais a matériamatériamatéria corantecorantecorante principalprincipalprincipal ééé aloemodine,aloemodine,aloemodine, comocomocomo resultadoresultadoresultado dododo simplessimplessimples contatocontatocontato com a vontade de ar no espaço de dois meses assumem uma cor de carmim rosa. A ação posterior da luz do sol vai fazer essas cores ainda mais vivas. Podemos, assim, já vê a possibilidade de uma divulgação progressiva lenta e pro¬ das marcas na roupa de cama.

JudicaJudicaJudicaJudica eeee RomaneseRomaneseRomaneseRomanese tem,tem,tem,tem, desdedesdedesdedesde 1939,1939,1939,1939, marcaçõesmarcaçõesmarcaçõesmarcações obtidosobtidosobtidosobtidos aaaa partirpartirpartirpartir dededede cadáveres. O que os une e também conecta-los com Scotti, é que eles descartardescartardescartar amônia.amônia.amônia. AmbosAmbosAmbos funcionamfuncionamfuncionam porporpor contatocontatocontato luz.luz.luz. MasMasMas JudicaJudicaJudica obtémobtémobtém suassuassuas marcas, espalhando sangue no corpo e impregnando o linho com petróleo e comcom essênciaessência dede carvalho.carvalho. oo imagensimagens sãosão trazidostrazidos porpor exposiçãoexposição aa vapor.vapor. Romanese meramente asperge o corpo com soro fisiológico em pó (solução de cloreto de sódio) e asperge o linho com aloés em pó. As imagens obtidas por estes dois processos são, ele deve ser propriedade, longe da perfeição do rostorostorosto nanana mortalha.mortalha.mortalha. MasMasMas eleseleseles estamosestamosestamos algoalgoalgo completamentecompletamentecompletamente novo,novo,novo, quequeque devedevedeve encour¬ muito etários mais pesquisas ao longo destas linhas.

Gostaria agora acabar com um trabalho extremamente estimulante, que foi publicado em 1942 pelo meu amigo Volckringer, o chefe farmacêutico no Hôpital Saint-Joseph, cujo mentos experi¬ com uréia já consideramos. Ele também fez pesquisas sobre a formação de cores, tanto nas linhas de aquelas

feitasfeitas porpor Scotti.Scotti. NesteNeste trabalhotrabalho (( LeLe problèmeproblème desdes empreintesempreintes devantdevant lala CiênciaCiência

dedede LiLiLi sutiãsutiãsutiã IRICIRICIRIC dududu Carmel,Carmel,Carmel, 272727 RueRueRue Madame,Madame,Madame, Paris,Paris,Paris, 666 °°° C),C),C), eleeleele temtemtem produzidoproduzidoproduzido algoalgoalgo bastantebastantebastante origi¬origi¬origi¬ final,final,final, combinadacombinadacombinada comcomcom umaumauma belabelabela coleçãocoleçãocoleção dedede quadros,quadros,quadros, ososos únicos que podem ser ditas para abordar a perfeição daqueles na cobertura. É umumum factofactofacto quequeque estesestesestes tambémtambémtambém foramforamforam formadosformadosformados naturalmentenaturalmentenaturalmente e,e,e, comocomocomo veremos,veremos,veremos, sem amônia, sem aloés, e alguns deles, sem contato direto. Ele não está lidando, é verdade, com tecidos animais; ele está lidando com tecidos vegetais; mas eles são tecidos vivos, e se sabe as analogias que existem entre os dois reinos. Pode-se por exemplo, dizer que a ureia, ácido úrico, alantoína e ácido alantóico são para ser encontrados em plantas. Desgrez mostrou mesmo como chlorophy vegetal]

34 Um doutor no Calvário

e hematoporfirina animais vai, sob a acção de raios ultravioletas ultra¬, se transformou no mesmo urobiline.

Ao examinar ervas velhos Volckringer estabeleceu a presença no papel de tipos muito especiais de imagens, rep¬ ressentindo as plantas que foram preservadas. Uma vez que foi bem e verdadeiramente seca, a planta logo perderia a maioria de suas características externas. Sendo fixa, como é, por uma folha de pa¬ por entre duas outras folhas, nós frequentemente encontrar uma superior e duas imagens inferiores, sendo a segunda formada sobre a folha de velopingvelopingveloping en¬,en¬,en¬, atravésatravésatravés dadada folhafolhafolha dedede suportesuportesuporte aaa planta.planta.planta. AAA presençapresençapresença ououou ausênciaausênciaausência dedede clorofila era perceptível, e imagens semelhantes foram produzidos pelas raízes.

Nenhuma dessas imagens eram para ser encontrado em ervas recentes. Eles eram, por exemplo, muito claro em um ervas de 1836, enquanto havia quase nenhum marcações em um erval de 1908, que na época tinha 34 anos.

Estas imagens parecem resistir a todos os reagentes, exceto monia am¬; este último enfraquecida grandemente a coloração, que jogou em volta de um círculo na borda da área a que foi aplicado.

EstesEstesEstesEstes imagensimagensimagensimagens erameramerameram "gostar"gostar"gostar"gostar umumumum desenhodesenhodesenhodesenho dededede luzluzluzluz emememem sépia,sépia,sépia,sépia, perfeitoperfeitoperfeitoperfeito emememem continuidade: exame sob uma lupa não revelou linhas finas, mas uma coleção

de manchas sem limites claramente definidos “Eles parecem ser como as impressõesimpressõesimpressõesimpressões sobresobresobresobre aaaa mortalha,mortalha,mortalha,mortalha, eeee este.este.este.este. nãonãonãonão éééé tudo.tudo.tudo.tudo. "1"1"1"1 podiapodiapodiapodia distinguirdistinguirdistinguirdistinguir nananana impressão,impressão, queque éé sépiasépia nana cor,cor, asas veiasveias dasdas folhas,folhas, emem seusseus menoresmenores

ramificações,ramificações,ramificações,ramificações, eeee ondeondeondeonde oooo talotalotalotalo tinhatinhatinhatinha sidosidosidosido

recíprocas das diferentes partes da planta, graças à comparação da parte

superiorsuperiorsuperiorsuperior eeee asasasas impressõesimpressõesimpressõesimpressões maismaismaismais reproduzidoreproduzido emem asas duasduas imagens.”imagens.”

asasasas dobrasdobrasdobrasdobras eeee asasasas posiçõesposiçõesposiçõesposições

AAAA plantaplantaplantaplanta inteirainteirainteirainteira éééé fielmentefielmentefielmentefielmente

E agora chegamos ao ponto mais interessante. Volckringer fotografado essasessasessas impressõesimpressõesimpressões eee descobriudescobriudescobriu quequeque nanana chapachapachapa fotográficafotográficafotográfica "dentro"dentro"dentro aaa imagemimagemimagem invertida a parte mais proeminente da planta veio a luz, enquanto as partes maismais distantesdistantes saiusaiu escuro.”Oescuro.”O todotodo imagemimagem dádá umauma fectfect ef¬ef¬ extraordinárioextraordinário dede alívio, e destaca-se naturalmente contra um terreno back¬ preto.

O Santo Sudário

35

A placa assim dá-nos uma imagem normal, positivo da planta que foi anteriormente colocado entre as referidas folhas de por pa¬. Agora, esta planta foifoifoi reduzidoreduzidoreduzido ààà condiçãocondiçãocondição dedede umumum cadáver,cadáver,cadáver, "uma"uma"uma massamassamassa uniformeuniformeuniforme eee maismaismais ououou

menosmenos amassado,”castanhoamassado,”castanho ouou negronegro emem cor;cor; todotodo oo alívioalívio temtem maismais ouou

menos desaparecido, as veias são pouco visíveis e os detalhes foram muito enfraquecidas. O negativo deste cadáver dá o mesmo crum¬ confessou efeito,

aa mesmamesma ausênciaausência dede alívio.”Ealívio.”E estaesta plantaplanta jájá tinhatinha essaessa aparência,aparência, muitomuito tempotempo antes das primeiras marcas deste excelente impressão apareceu, uma impressão que assemelha-se na cobertura.

Volckringer termina por pedir desculpa que ele tem proporcionado an¬ outro problema para solução, em vez de uma solução para o lem prob¬ do sudário. No entanto, este fato fresco torna possível para nós dizer com alguma confiança como asas impressõesimpressões sobresobre aa mortalhamortalha foramforam formados,formados, ee esteeste éé oo maismais importante;importante; sabemos que estamos lidando com um fenômeno natural, natureza tendo spon¬ taneamente nos forneceu um exemplo semelhante.

Além disso, nós não podemos inferir a partir disso que o sudário, quando encontradoencontrado emem oo túmulo,túmulo, talveztalvez apenasapenas tinhatinha marcasmarcas dede sangue?sangue? NãoNão éé possível que as impressões corporais só apareceu gradualmente, depois de longoslongos anos?anos? EstaEsta hipótese,hipótese, queque eraera primeiraprimeira derivadaderivada dede umum fotógrafofotógrafo francês,francês, M. Desgranges, já vinha sendo apontado em 1929 por Noguier de mali- jay.

Como pode ser visto, ainda há muito a ser feito para elucidar a questão das impressõesimpressões sobresobre aa mortalha.mortalha. EstamosEstamos al¬al¬ maneirasmaneiras serser perguntadoperguntado porpor queque nãonão terter realizadorealizado pesquisaspesquisas ouou experiments-experiments- taistais ee taistais esteeste acabariaacabaria porpor serser bastante irritante, se não fosse, ao mesmo tempo, em vez ridículo. Nós não esperar por aqueles que se opõem autenticidade do sudário que sugerem que devemos pedir permissão para fazer experimentos científicos. Pedimos para estes antes que eles fizeram; na verdade, pedimos para mais. Posso afirmar umauma vezvez porpor todas:todas: tinhatinha aa mortalhamortalha sidosido nossanossa propriedade,propriedade, issoisso tudotudo terter sidosido feito, pelo menos dezessete anos, para um programa já havia sido com¬ taram porporpor 1933,1933,1933, eee desdedesdedesde entãoentãoentão temostemostemos vindovindovindo aaa apenasapenasapenas tentandotentandotentando aperfeiçoá-lo.aperfeiçoá-lo.aperfeiçoá-lo.

36 UMAUMA DoutorDoutor nono CalvárioCalvário

Enquanto espera por esse dia feliz clude pode, talvez, con¬ com as palavras de um adversário obstinado de seu thenticity au¬, Pai Braun, em seu artigoartigoartigoartigoartigo nonononono NouvelleNouvelleNouvelleNouvelleNouvelle RevueRevueRevueRevueRevue dedededede ThéologieThéologieThéologieThéologieThéologie ((((( NovembroNovembroNovembroNovembroNovembro dezembro,dezembro,dezembro,dezembro,dezembro, 1930,1930,1930,1930,1930, p.p.p.p.p. 1041).1041).1041).1041).1041). Os itálicos são meus e é com alegria que eu tenho sublinhado as palavras, paraparaparapara todostodostodostodos osososos caminhoscaminhoscaminhoscaminhos levamlevamlevamlevam aaaa Roma:Roma:Roma:Roma: "Certamente"Certamente"Certamente"Certamente aaaa impressionanteimpressionanteimpressionanteimpressionante

impressãoimpressãoimpressão dedede quequeque foifoifoi deixadodeixadodeixado nanana venerávelvenerávelvenerável tiratiratira dedede linholinholinho dedede Turim,Turim,Turim, suasuasua espantosaespantosaespantosaespantosaespantosa realismo,realismo,realismo,realismo,realismo, EstáEstáEstáEstáEstá impessoalimpessoalimpessoalimpessoalimpessoal eeeee carátercarátercarátercarátercaráter quasequasequasequasequase escultural,escultural,escultural,escultural,escultural, quequequequeque ééééé certamente algo muito for¬ Estrangeiros à pintura medieval, permanecem um mistério.”

E para completar o meu pensamento, eu acrescentaria, em companhia de nosso SantoSantoSanto PadrePadrePadre ooo PapaPapaPapa PioPioPio XI:XI:XI: "Lá"Lá"Lá aindaaindaainda ééé muitomuitomuito teryterytery mys¬mys¬mys¬ tornotornotorno destedestedeste objetoobjetoobjeto sagrado;sagrado;sagrado; mas certamente é sagrada como talvez nenhuma outra coisa é sagrada, e seguramente (pode-se dizer que este é um fato reconhecido, mesmo para além de todas as idéias de fé ou de piedade cristã), ele certamente não é uma obra humana

- CertoCertoCerto umanaumanaumana óperaóperaópera eee non.”(non.”(non.”( 666 dedede setembrosetembrosetembro dedede 1936.)1936.)1936.)

CAPÍTULO DOIS

Crucificação e ARQUEOLOGIA

istoisto certamentecertamente nãonão éé semsem juros,juros, antesantes dede estudarestudar osos sofrimentossofrimentos reaisreais dede Jesus, para investigar o que arqueologia, em todas as suas formas, textos literários e documentos artísticas, tem a nos dizer sobre a crucificação. Para este capítulo Sou especialmente grato ao Padre Holzmeister, SJ, que publicou umum estudoestudo magistralmagistral ee quasequase exaustivaexaustiva sobresobre oo assunto,assunto, emem VerbumVerbum Domini,Domini,

a revisão do Pontifício Instituto Bíblico (maio, julho, Au¬ rajada, de setembro

dede 1934),1934), sobsob oo títulotítulo CruxCrux DominiDomini ejtisqueejtisque crucifixiocrucifixio exex archseologiaarchseologia romanaromana

illustrantur.illustrantur. AA abundânciaabundância eaea precisãoprecisão dede suassuas fontesfontes lhelhe permitiupermitiu chegarchegar aa conclusões, a maioria das quais parecem ser irrefutável. Como eu não me proponho a dar todas as suas referências aqui, além de alguns dos que tenho verificado, e outros que não veio dele, eu recomendo fortemente qualquer um que pode ob¬ tain os artigos, ou o folheto que foi fez-se a partir deles, e quem pode ler em latim, para não se contentar com os extratos que fiz. Vou, no entanto, venture para apontar as poucas questões sobre as quais eu discordo comcomcom ele.ele.ele. VouVouVou reservarreservarreservar asasas causascausascausas dadada mortemortemorte dedede JesusJesusJesus paraparapara umumum capítulocapítulocapítulo especial; conhecimento médico é, de fato, necessário para este ter chap¬, que não estava possuída pelos antigos autores, nem por exegetas, em geral, nem deste autor especial.

I deve também lidar com certas informações que podemos ob¬ Tain da história da arte. Mas, por respeito para o valor deste trabalho, eu desejo em geral para manter a sua ordem e suas divisões.

A.-A.-A.- AAA PRÁTICAPRÁTICAPRÁTICA DODODO CRUCIFIXIONCRUCIFIXIONCRUCIFIXION ParecePareceParece quequeque ososos gregos,gregos,gregos, quequeque tinhamtinham umum horrorhorror dada crucificação,crucificação, fezfez nãonão praticá-la.praticá-la. NósNós nãonão encontrarencontrar aa suasua história Hellenic entrar até as conquistas de Alexandre, quando ele pegou emprestado do

38 UMAUMA DoutorDoutor nono CalvárioCalvário

Persas.Persas.Persas. EleEleEle foifoifoi infligidoinfligidoinfligido sobsobsob aaa Diadochi,Diadochi,Diadochi, sobsobsob ososos CIDsCIDsCIDs Seleu-,Seleu-,Seleu-, comocomocomo AntíocoAntíocoAntíoco Epifânio, na Síria e no Egito un¬ der Ptolomeus. Em Syracuse, que era uma cidade grega, talvez tivesse sido emprestado por Denis o Tyrant dos cartagineses.

Parece que os romanos adotaram seguindo o exemplo de Cartago, onde foi frequentementefrequentemente praticada.praticada. ComoComo veremosveremos nana seçãoseção B,B, comcom eles,eles, foifoi oo pontoponto finalfinal de um ção evolu¬ que começou com uma punição simples e razoavelmente inofensivo, que nos tempos antigos infligidas aos escravos. Em Roma, eles começaram, durante as guerras, crucificando desertores e ladrões, mas, acima de todos os rebeldes conquistaram. Em nenhum lugar isso última razão recorreu aaaaa tantotantotantotantotanto comocomocomocomocomo nanananana terraterraterraterraterra dedededede Israel,Israel,Israel,Israel,Israel, aaaaa partirpartirpartirpartirpartir dadadadada 2.0002.0002.0002.0002.000 sediciososediciososediciososediciososedicioso judeusjudeusjudeusjudeusjudeus quequequequeque foramforamforamforamforam crucificados pelo legado para a Síria, Quintilius Varo, depois da morte de Herodes,Herodes, oo Grande,Grande, atéaté asas hecatombeshecatombes dada cercocerco dede Jerusalém,Jerusalém, quandoquando osos romanosromanosromanos crucificaramcrucificaramcrucificaram tantostantostantos comocomocomo 500500500 judeusjudeusjudeus porporpor dia,dia,dia, dedede acordoacordoacordo comcomcom

Josephus,Josephus,Josephus, umaumauma judaicojudaicojudaico historiadorhistoriadorhistoriador quequeque foi,foi,foi, nonono entanto,entanto,entanto, nãonãonão un¬un¬un¬ favorávelfavorávelfavorável aos donos do mundo.

Em tempos de paz era o castigo imposto acima de tudo para os escravos. Alguns autores se referem a ele (Tito Lívio, Cícero e Tácito). As comédias de Plauto, que teem com os escravos, estão cheios de alusões diretas para o que parecemparecemparecem con¬con¬con¬ sidersidersider comocomocomo seuseuseu fimfimfim natural:natural:natural: "Minhas"Minhas"Minhas pai,pai,pai, meumeumeu avô,avô,avô, meumeumeu

bisavô,bisavô, meumeu trisavôtrisavô terminouterminou assimassim aa suasua carreira.”(carreira.”( gloriosusgloriosus Miles.)Miles.)

Este foi reservado pela primeira vez para suas revoltas organizadas, como a de Espártaco; após a sua repressão havia 6.000 cruzes de marcação para fora da estrada, todo o caminho de Cápua a Roma. Mais tarde, os proprietários receberam o direito de vida e morte sobre seus escravos, que eram consideradosconsideradosconsideradosconsiderados comocomocomocomo gado.gado.gado.gado. AAAA ordemordemordemordem mortemortemortemorte foi:foi:foi:foi: “Pone“Pone“Pone“Pone crucemcrucemcrucemcrucem lugarlugarlugarlugar servo-servo-servo-servo- aaaa cruzcruzcruzcruz no escravo “, e não colocar o escravo na cruz. Voltaremos a esta questão im¬ portanteportanteportante dododo patíbulo,patíbulo,patíbulo, quandoquandoquando chegamoschegamoschegamos aaa estudarestudarestudar aaa cruz.cruz.cruz. (B,(B,(B, 222 °,°,°, C,C,C, 30,30,30, D,D,D, 40.)40.)40.)

Se esta ordem foi dada por causa do vôo do homem pobre ou por outras infracções graves em primeiro lugar, que acabou por ser is¬ processado por razões menores. Devemos também lembrar que, em AC-

Crucificação e Arqueologia

39

Cordance com um costume antigo e horrível, se o dono de uma casa foi assassinado e o criminoso não pôde ser encontrado, todos os escravos da casa foram executados.

MesmoMesmo osos cidadãoscidadãos romanosromanos erameram nana ocasiãoocasião crucificado,crucificado, ee issoisso nãonão

apenas por Caio Licínio e Labieno, a quem Cicero amontoa recriminações amargas por este motivo. De uma série de textos, parece que isso foi feito com alguma regularidade, mas que as vítimas eram cidadãos principalmente humildes, que eram escravos ou provincianos Pated emanci¬. invectivas de Cícero parece afirmam que a cidadania trouxe consigo isenção desta. Mas, em seu tempo, esta não era uma garantia absoluta, e pode-se citar, ainda segundo ele,ele, umauma sériesérie dede civescives romaniromani

que foram legalmente crucificado.

B.-B.-B.- TIIETIIETIIE INSTRUMENTOSINSTRUMENTOSINSTRUMENTOS DODODO CRUCIFIXIONCRUCIFIXIONCRUCIFIXION AAA cruz,cruz,cruz, dedede acordoacordoacordo

com a regra geral, a regulação transversal, se assim se pode expressá-lo, foi

feito de duas partes distintas. Os autores da Septuaginta já chamá-los

“xulon“xulon“xulon didumon-didumon-didumon- aaa dupladupladupla madeira”(Josuemadeira”(Josuemadeira”(Josue VIII,VIII,VIII, 29).29).29). AAA uma,uma,uma, quequeque foifoifoi vertical,vertical,vertical, eee eraeraera umumumum elementoelementoelementoelemento permanente,permanente,permanente,permanente, sesesese oooo ““““ stipesstipesstipesstipes crucis”;crucis”;crucis”;crucis”; oooo outro,outro,outro,outro, oooo quequequeque eraeraeraera móvelmóvelmóvelmóvel eeee foifoifoifoi fixadofixado horizontalmentehorizontalmente nono primeiro,primeiro, foifoi oo “Patihulum.”“Patihulum.”

Eu.Eu.Eu.Eu.Eu. OsOsOsOsOs stipesstipesstipesstipesstipes crucis.-crucis.-crucis.-crucis.-crucis.- EmEmEmEmEm linguagemlinguagemlinguagemlinguagemlinguagem comum,comum,comum,comum,comum, ooooo troncotroncotroncotroncotronco dadadadada cruz,cruz,cruz,cruz,cruz, paraparaparaparapara stipesstipesstipesstipesstipes podepodepodepodepode significar um tronco (da árvore), uma participação e até mesmo um pálido. Isso foi o que nosnosnosnosnos primeirosprimeirosprimeirosprimeirosprimeiros tempostempostempostempostempos foifoifoifoifoi ooooo significadosignificadosignificadosignificadosignificado dadadadada palavrapalavrapalavrapalavrapalavra cruzada.cruzada.cruzada.cruzada.cruzada. “Crux”“Crux”“Crux”“Crux”“Crux” gostargostargostargostargostar “stauros”“stauros”“stauros”“stauros”“stauros” ememememem grego,grego,grego,grego,grego,

não significava mais

dodo queque umauma participaçãoparticipação fixafixa verticalmenteverticalmente nono solo,solo, dada mesmamesma formaforma comocomo

“skolops"“skolops"“skolops"“skolops" oooo quequequeque significasignificasignificasignifica umumumum pálido;pálido;pálido;pálido; nananana verdade,verdade,verdade,verdade, asasasas palavraspalavraspalavraspalavras staurosstaurosstaurosstauros eeee skolopsskolopsskolopsskolops poderiampoderiampoderiampoderiam serserserser trocados,trocados,trocados,trocados, dededede modomodomodomodo quequequeque algunsalgunsalgunsalguns autoresautoresautoresautores têmtêmtêmtêm utilizadoutilizadoutilizadoutilizado aaaa palavrapalavrapalavrapalavra “Anaskolopisein”“Anaskolopisein”“Anaskolopisein”“Anaskolopisein” (((( paraparaparapara empale)empale)empale) nonono quequeque dizdizdiz respeitorespeitorespeito ààà crucificaçãocrucificaçãocrucificação dedede SãoSãoSão PedroPedroPedro eee aaa dedede NossoNossoNosso SenhorSenhorSenhor JesusJesusJesus CristCristCrist

AAA palavrapalavrapalavra “Ponto“Ponto“Ponto crucial"crucial"crucial" ememem seguida,seguida,seguida, veioveioveio aaa significarsignificarsignificar aaa combinaçãocombinaçãocombinação dosdosdos doisdoisdois pedaçospedaçospedaços dede madeira,madeira, taltal comocomo aa entendemosentendemos a-dia.a-dia. MasMas comocomo veremosveremos ver,ver, umauma coisacoisa estranha,estranha, nono entanto,entanto, aa palavrapalavra cruxcrux ee staurosstauros

foramforamforamforam usadas,usadas,usadas,usadas, porporporpor synecdoche,synecdoche,synecdoche,synecdoche, emememem referênciareferênciareferênciareferência aoaoaoao móvelmóvelmóvelmóvel pat¬pat¬pat¬pat¬ ihulumihulumihulumihulum só:só:só:só: CrucemCrucemCrucemCrucem

portare-stauronportare-stauron basatscin-basatscin- ParaPara levarlevar aa suasua cruz.cruz.

40 Um doutor no Calvário

Quanto a cruz de St. Andrew, na forma de um X, é un¬ conhecido nos antigosantigosantigos autores.autores.autores. QuãoQuãoQuão altoaltoalto eraeraera esseesseesse stipes?stipes?stipes? PaiPaiPai HolzmeisterHolzmeisterHolzmeister distin¬distin¬distin¬

guishesguishesguishesguishesguishesguishesguishesguishes oooooooo “crux“crux“crux“crux“crux“crux“crux“crux humilis”humilis”humilis”humilis”humilis”humilis”humilis”humilis” quequequequequequequeque teriateriateriateriateriateriateriateria sidosidosidosidosidosidosidosido baixo,baixo,baixo,baixo,baixo,baixo,baixo,baixo, aaaaaaaa partirpartirpartirpartirpartirpartirpartirpartir dadadadadadadada ““““““““ SublimisSublimisSublimisSublimisSublimisSublimisSublimisSublimis cruxcruxcruxcruxcruxcruxcruxcrux ”””””””” quequequequequequequeque teria sido alta. Mas todos os exemplos que ele cita mostram claramenteclaramente queque aa SublimisSublimis cruxcrux

foi reservada para personagens que foi especialmente desejados para exibir, como Regulus ou Bomilcar na cartilagem, ou o assassino espanhol a quem foi ironicamente concedidos por César Galba, porque ele tinha reivindicado a ser um

cidadão romano. PeloPeloPelo contrário,contrário,contrário, aaa maioriamaioriamaioria dasdasdas cruzescruzescruzes eramerameram baixos,baixos,baixos, humilis.humilis.humilis. EsteEsteEste al¬al¬al¬ lowedlowedlowed asasas feras que foram soltos na arena para at¬ aderência do crucificado com facilidade, e também os lobos do Esquilino que costumavam devorar os cadáveres (nas encostas dadada linhalinhalinha Esqui¬Esqui¬Esqui¬ ememem RomaRomaRoma haviahaviahavia umaumauma grandegrandegrande númeronúmeronúmero dedede stipitesstipitesstipites perma¬perma¬perma¬ formaformaforma permanente fixo). Suetônio dá um relato horrível de Nero, que usou para entrar na arena disfarçado como um animal selvagem, de modo a satisfazer seu sadismo.

Devemos também observar que a crucificação seria muito sim¬ plified para os executores pelo uso de baixas cruzes, especialmente quando o trabalho estava pressionando e houve um grande número de homens condenados. Um deve nunca, quando se estuda uma forma de punição que era praticado quase diariamente, esquecer esta idéia de conveniência, aperfeiçoado pelo uso prolongado. Um tem que tentartentartentar eee terterter en¬en¬en¬ nanana atitudeatitudeatitude dododo carrasco.carrasco.carrasco. 222 °.°.°. Patibulum-Furca.-Patibulum-Furca.-Patibulum-Furca.- AAA peçapeçapeça horizontalhorizontalhorizontal dadada madeira teve uma origem bastante curioso, de qualquer maneira, em Roma; que começou por ser um

* furcafurcafurcafurcafurca rrrrr ooooo furcafurcafurcafurcafurca eraeraeraeraera umaumaumaumauma peçapeçapeçapeçapeça dedededede madeiramadeiramadeiramadeiramadeira sobsobsobsobsob aaaaa formaformaformaformaforma dedededede umumumumum in¬in¬in¬in¬in¬ vertedvertedvertedvertedverted VVVVV ememememem que o eixo dos carros de duas rodas foi descansado quando estavam nos estábulos.estábulos.estábulos. QuandoQuandoQuando umumum escravoescravoescravo eraeraera paraparapara serserser punido,punido,punido, ooo furcafurcafurca foifoifoi colocadocolocadocolocado montado na nuca, suas mãos estavam atadas aos dois ramos, e ele foi marcharam pelo bairro, enquanto ele foi feito para proclamar sua ofensa.

Esta marcha de expiation foi antes longo combinada com a decapagem e de flagelação o homem sob frase durante todo o seu comprimento. Em seguida, foi encontrado mais conveniente para pendurar o

furcafurca aa umauma estacaestaca vertical,vertical, oo queque tornoutornou possívelpossível parapara dardar aindaainda

Crucificação e Arqueologia

4i

floggings mais severas. No tempo de Nero (ef. Suetônio, a morte do Nero) esteeste foifoi conhecidoconhecido comocomo oo castigocastigo "Mais"Mais

Majorum”Majorum”Majorum”Majorum” acordoacordoacordoacordo comcomcomcom oooo costumecostumecostumecostume ancestral.ancestral.ancestral.ancestral. “Nulla“Nulla“Nulla“Nulla causacausacausacausa est”est”est”est”

escreveuescreveuescreveuescreveu Platus,Platus,Platus,Platus, ““““ quinquinquinquin pendentempendentempendentempendentem memememe VIRGISVIRGISVIRGISVIRGIS verberes-verberes-verberes-verberes- 1111 dar-lhedar-lhedar-lhedar-lhe oooo direitodireitodireitodireito dededede

mememememe açoitadoaçoitadoaçoitadoaçoitadoaçoitado comcomcomcomcom varas,varas,varas,varas,varas, penduradopenduradopenduradopenduradopendurado nanananana cruz”(cruz”(cruz”(cruz”(cruz”( Casina,Casina,Casina,Casina,Casina, v.v.v.v.v. 1003).1003).1003).1003).1003). “Verberibus“Verberibus“Verberibus“Verberibus“Verberibus credecredecredecredecrede

pendens-pendens-pendens-pendens- vocêvocêvocêvocê seráseráseráserá quebradoquebradoquebradoquebrado comcomcomcom golpesgolpesgolpesgolpes enquantoenquantoenquantoenquanto pendurado”(pendurado”(pendurado”(pendurado”( Mostellaria,Mostellaria,Mostellaria,Mostellaria, v.v.v.v.

1167).

Mas,Mas,Mas, comocomocomo umumum furcafurcafurca NemNemNem sempresempresempre foifoifoi obtido,obtido,obtido, eleseleseles começaramcomeçaramcomeçaram aaa usarusarusar umumum longo pedaço de madeira, que foi usada para restringir as portas e foi chamado dedededede patibulumpatibulumpatibulumpatibulumpatibulum ((((( aaaaa partirpartirpartirpartirpartir dedededede pat.ere,pat.ere,pat.ere,pat.ere,pat.ere, paraparaparaparapara serserserserser aberto).aberto).aberto).aberto).aberto). ÉÉÉÉÉ assimassimassimassimassim quequequequeque aaaaa parteparteparteparteparte horizontal da cruz, que deixou de ser tirado de uma porta, como se pode imaginar, tornou-se um feixe retilíneo, que foi suportado pelo homem condenadocondenadocondenado dododo tribunaltribunaltribunal paraparapara ooo lugarlugarlugar dododo stipites.stipites.stipites. EleEleEle geralmentegeralmentegeralmente suportousuportousuportou contracontracontra aa nucanuca dele,dele, comcom osos braçosbraços esticadoesticado ee ligadoligado aa ele,ele, parapara queque eleele pudessepudesse dardar nenhuma resistência. Compreende-se, assim, por que as palavras da sentença de morte foram:

"Lugar,"Lugar,"Lugar,"Lugar, colocarcolocarcolocarcolocar aaaa cruzcruzcruzcruz sobresobresobresobre oooo escravo.”Foiescravo.”Foiescravo.”Foiescravo.”Foi estaestaestaesta patibulumpatibulumpatibulumpatibulum quequequeque TertulianoTertulianoTertulianoTertuliano emememem comparação com o único grande principal jardas dos navios romanos.

Sob Constantino e seus sucessores, quando crucificação tinha sido abolida,abolida,abolida, outraoutraoutra furcafurcafurca ééé paraparapara serserser encontrado.encontrado.encontrado. ÉÉÉ umumum jogojogojogo bastantebastantebastante alto,alto,alto, terminando em um garfo, como a letra Y. O condenado era pendurado pelo pescoço, e foi rapidamente sufocada. Isto foi completamente diferente da morte lenta da cruz.

333 °.°.°. AAA junçãojunçãojunção dasdasdas duasduasduas peçaspeçaspeças dedede madeira-madeira-madeira- AsAsAs duasduasduas pespespes dedede madeiramadeiramadeira foram,foram,foram,

portanto, separadas; vamos encontrar mais provas disso ao lidar com o porte da cruz (Capítulo IV, E).E).E).E).E).E). ComoComoComoComoComoComo foifoifoifoifoifoi oooooo patibulumpatibulumpatibulumpatibulumpatibulumpatibulum fixosfixosfixosfixosfixosfixos nononononono stipes?stipes?stipes?stipes?stipes?stipes? PareceParecePareceParecePareceParece quequequequequeque issoissoissoissoissoisso poderiapoderiapoderiapoderiapoderiapoderia serserserserserser feitofeitofeitofeitofeitofeito dededededede

duas maneiras, ou inserindo-o um dos rostos dos stipes, ou colocando-o na

suasuasua extremidadeextremidadeextremidade superior;superior;superior; seria,seria,seria, portanto,portanto,portanto, têmtêmtêm umaumauma ttt ououou umumum T,T,T, comocomocomo aaa capitalcapitalcapital

tautau dodo alfabetoalfabeto grego.grego. NãoNão pareceparece haverhaver nenhumnenhum textotexto antigoantigo parapara lançarlançar luzluz sobresobre esteesteeste problemaproblemaproblema dedede umaumauma formaformaforma definitiva,definitiva,definitiva, eee nãonãonão ééé atéatéaté quequeque umumum tratatratatrata dedede JusteJusteJuste LipseLipseLipse (século(século(século XVI)XVI)XVI) quequeque sesese encontraencontraencontra ososos doisdoisdois métodosmétodosmétodos dedede serserser nomeado;nomeado;nomeado; eleeleele sesese refererefererefere aoaoao ttt EnEnEn

o

42 Um doutor no Calvário

immissaimmissaimmissaimmissaimmissa cruxcruxcruxcruxcrux ououououou capitata,capitata,capitata,capitata,capitata, eeeee aoaoaoaoao TTTTT comocomocomocomocomo ooooo commissacommissacommissacommissacommissa crux.crux.crux.crux.crux.

Quase todos os arqueólogos modernos pensam que a cruz romana era um T. (Veja(Veja(Veja DomDomDom Leclerc,Leclerc,Leclerc, Diet.,Diet.,Diet., D'Archdologie.)D'Archdologie.)D'Archdologie.) NaNaNa arteartearte cristãcristãcristã ambasambasambas asasas formasformasformas podempodempodem serserser encontradosencontradosencontrados ememem todostodostodos ososos séculos,séculos,séculos, emboraemboraembora ooo tautautau parecepareceparece serserser aaa maismaismais antiga;antiga;antiga; vamos re¬ vez de isso em conta a cruz de Cristo (D, 50). É Tain cer¬, quando se pensapensa nissonisso aa partirpartir dodo pontoponto dede vistavista dosdos tionerstioners execu¬,execu¬, queque oo TT eraera muitomuito maismais fácil para um carpinteiro para fazer. Foi necessário apenas para escavar um morticemorticemorticemorticemortice nonononono meiomeiomeiomeiomeio dododododo patíbulo,patíbulo,patíbulo,patíbulo,patíbulo, eeeee aaaaa multamultamultamultamulta atéatéatéatéaté ooooo topotopotopotopotopo dadadadada stipesstipesstipesstipesstipes assimassimassimassimassim comocomocomocomocomo paraparaparaparapara formarformarformarformarformar um malhete. Com uma cruz de tamanho médio, não mais do que dois metros de altura, a fixação pode facilmente ser feito à distância de um braço. Posso ser tão ousadoousadoousado aaa pontopontoponto dedede acrescentaracrescentaracrescentar quequeque ooo patibulumpatibulumpatibulum quequeque ééé mostradomostradomostrado nanana SantaSantaSanta Croce,Croce,Croce, nas escadas que conduzem à capela das relíquias, como sendo o do bom ladrão, tem apenas uma tal mortice.

44444 °.°.°.°.°. ooooo Sedile.-Sedile.-Sedile.-Sedile.-Sedile.- ÉÉÉÉÉ possívelpossívelpossívelpossívelpossível que,que,que,que,que, ememememem certoscertoscertoscertoscertos casos,casos,casos,casos,casos, nãonãonãonãonão foifoifoifoifoi fixadofixadofixadofixadofixado nanananana parteparteparteparteparte

frontalfrontalfrontal dododo stipes,stipes,stipes, cercacercacerca dedede metademetademetade dododo caminhocaminhocaminho paraparapara baixo,baixo,baixo, umaumauma espécieespécieespécie dedede ganchoganchogancho horizontal de madeira, que passaria entre as coxas e apoiar o períneo. A razão parapara suppos¬suppos¬ inging issoisso éé parapara serser encontradoencontrado emem trêstrês frasesfrases dede SênecaSêneca (( MoralesMorales Epistolse),Epistolse),Epistolse),Epistolse),Epistolse), ememememem quequequequeque eleeleeleeleele falafalafalafalafala dedededede “sedere“sedere“sedere“sedere“sedere cruce-cruce-cruce-cruce-cruce- aaaaa sentar-sesentar-sesentar-sesentar-sesentar-se nanananana cruzcruzcruzcruzcruz “,“,“,“,“, eeeee atéatéatéatéaté mesmomesmomesmomesmomesmo dedededede “““ acutaacutaacuta sederesederesedere cruce”cruce”cruce” comocomocomo sesese esteesteeste ganchoganchogancho tinhatinhatinha umaumauma bordabordaborda afiadaafiadaafiada comocomocomo ososos cavalos de madeira usados ​​para castigo dos malfeitores medievais. O terceiro texto

falafala dede “patíbulo“patíbulo

pendere,pendere,pendere, Extendi,Extendi,Extendi, etetet sustineri-sustineri-sustineri- paraparapara pendurarpendurarpendurar nonono patíbulo,patíbulo,patíbulo,

aa serser esticadaesticada ee apoiada.”St.apoiada.”St. JustinJustin tambémtambém falafala dede “crucis“crucis lignum,lignum, quodquod meiomeio estest infixum,infixum, sicutsicut cornucornu emi-emi- líquido,líquido, emem quoquo insidentinsident

crucifixi-lhiscrucifixi-lhis madeiramadeira dada cruzcruz queque éé fixadofixado nono meio,meio, queque sese agarraagarra parapara cimacima comocomo um hom, em que aqueles que são crucificados estão sentados.”Santo Irineu diz queque aa cruzcruz temtem cincocinco extremidades;extremidades; éé nono quintoquinto queque oo homemhomem crucificadocrucificado descansa.descansa.descansa.descansa.descansa.descansa. TertulianoTertulianoTertulianoTertulianoTertulianoTertuliano tambémtambémtambémtambémtambémtambém falafalafalafalafalafala {{{{{{ Ado.,Ado.,Ado.,Ado.,Ado.,Ado., Marcionem),Marcionem),Marcionem),Marcionem),Marcionem),Marcionem), dodododododo “sedilis“sedilis“sedilis“sedilis“sedilis“sedilis excessus”excessus”excessus”excessus”excessus”excessus” quequequequequeque recordarecordarecorda aaa homhomhom dododo milhomilhomilho uni¬.uni¬.uni¬. AAA palavrapalavrapalavra “Sedile”“Sedile”“Sedile” significasignificasignifica simplesmentesimplesmentesimplesmente algumalgumalgum tipotipotipo de assento, e é provavelmente seguindo esta passagem que os escritores modernos aplicá-lo a este pedaço de madeira; Eu nunca, ao meu conhecimento, visto que chamou por qualquer outro nome.

Crucificação e Arqueologia

43

Veremos, quando chegamos a estudar as causas de morte na crucificação, que o objeto de que era para prolongar a agonia, diminuindo o arrasto nas mãos, que foi a causa de tétano e asfixia. É mais do que provável que todos os cruzamentos não tê-lo, e que só foi introduzido com a intenção de prolongar a tortura. Pode-se facilmente imaginar, quando havia centenas de cruzes a serem feitas, que os penters car¬ não estavam ansiosos para tornar seu trabalho mais complicado, por uma adição que sabia ser inútil. Vamos encontrar em outro lugar, quando estudamos os ferimentos nas mãos (Capítulo V), as razões pelas quais estou convencido de que este apoio estavaestavaestava ausenteausenteausente nanana cruzcruzcruz dedede Jesus.Jesus.Jesus. Further¬Further¬Further¬ mais,mais,mais, issoissoisso ememem parteparteparte explicaexplicaexplica aaa relativamente curta duração da agonia.

ooo sedilesedilesedile temtemtem quasequasequase foifoifoi sempresempresempre representadorepresentadorepresentado porporpor artistas,artistas,artistas, pintorespintorespintores ououou escultores.escultores. EsteEste fatofato éé nenhumnenhum argumentoargumento contracontra suasua existênciaexistência tóricastóricas his¬,his¬, mesmo na Paixão de Cristo. É claro que a razão para isso é a questão de reverência. É por razões muito diferentes que eu iria descartá-la.

555 °.°.°. Suppedaneum.-Suppedaneum.-Suppedaneum.- NoNoNo entanto,entanto,entanto, ososos artistasartistasartistas têmtêmtêm frequentementefrequentementefrequentemente rep¬rep¬rep¬ ressentido,ressentido,ressentido, eee artistasartistasartistas modernosmodernosmodernos quasequasequase sempresempresempre representam,representam,representam, ososos péspéspés dedede JesusJesusJesus comocomocomo repousandorepousandorepousando sobresobresobre um suporte horizontal ou oblíquo, para que eles são pregadas. Vou voltar mais tarde para

estaestaesta “““ suppedaneumsuppedaneumsuppedaneum

quequeque asasas reivindicaçõesreivindicaçõesreivindicações PaiPaiPai HolzmeisterHolzmeisterHolzmeister foifoifoi desconhecidodesconhecidodesconhecido paraparapara cadacadacada autorautorautor an¬an¬an¬ ciente.ciente.ciente. isisis ééé mencionadomencionadomencionado pelapelapela primeiraprimeiraprimeira vezvezvez porporpor GregoryGregoryGregory dedede ToursToursTours (Vlth(Vlth(Vlth CenturyCenturyCentury DeDeDe GloriaGloriaGloria Martyrii).Martyrii). Veremos,Veremos, quandoquando chegamoschegamos aa estudarestudar aa pregarpregar dosdos péspés (Dr,(Dr, 66 °,°, nesteneste capítulo), como este produto da imaginação artística veio a ser desenvolvido.

666 °.°.°. OsOsOs instrumentosinstrumentosinstrumentos paraparapara OneOneOne fixing.-fixing.-fixing.- temtemtem dedede reconhecerreconhecerreconhecer quequeque aaa pregagempregagempregagem das mãos e dos pés era o método habitual de fixação do corpo para a cruz, quaisquer que tenham sido as razões para a condenação ou o status social do con¬con¬con¬ demned.demned.demned. EscravosEscravosEscravos foramforamforam pregadaspregadaspregadas comocomocomo foramforamforam libertos,libertos,libertos, judeusjudeusjudeus comocomocomo

eram romanos.

OOO erroerroerro inicial,inicial,inicial, quequeque atribuiatribuiatribui aaa JesusJesusJesus ooo monopóliomonopóliomonopólio dasdasdas unhas,unhas,unhas, podepodepode serserser atribuída a Tertuliano, que escreveu que:

"Ele"Ele"Ele"Ele sósósósó foifoifoifoi crucificadocrucificadocrucificadocrucificado destadestadestadesta formaformaformaforma notável”(notável”(notável”(notável”( Adv.Adv.Adv.Adv. Marcionem).Marcionem).Marcionem).Marcionem). EsteEsteEsteEste erroerroerroerro foifoifoifoi revivido em nosso dia-a Mommsen,

44 Um doutor no Calvário

que foi certamente um eminente historiador, mas muitos cujas teses têm desde então sido muito questionada. Esta não é a primeira vez que o crescimento do conhecimento tem causado algumas derrotas amargas sobre as alegações germânicas a infalibilidade. É devido a Tertuliano que iconografia cristã tantas vezesvezesvezes representarepresentarepresenta JesusJesusJesus comocomocomo pregadopregadopregado entreentreentre doisdoisdois ladrõesladrõesladrões ligadosligadosligados comcomcom cordas.cordas.cordas.

Na verdade, os dois métodos de fixação (unhas e cordas) estavam em uso entre os romanos desde o início. Mas eles foram usados ​​separadamente. É preciso insistir não há nenhum texto que sug¬ gests ou leva a crer que dois métodos já foram utilizados ao mesmo tempo, no mesmo sendo crucificado. Os especialistas sabiam muito bem que três pregos, ou quatro no máximo, foram bastante suficiente para alcançar uma crucificação rápida e firme. Tudo o mais é pura imaginação.

EuEu acreditamacreditam mesmomesmo queque pregarpregar foifoi oo métodométodo maismais usual.usual. NumNum grandegrande número de textos não só existe uma referência definitiva para as unhas, mas também para o fluxo de sangue que se estenderia das feridas ao longo da cruz. Encontra-se, assim, na

AsnoAsnoAsnoAsno dededede ouroouroouroouro dededede Apuleio:Apuleio:Apuleio:Apuleio: "Essa"Essa"Essa"Essa bruxasbruxasbruxasbruxas quequequeque iriririr paraparaparapara recolherrecolherrecolherrecolher oooo sanguesanguesanguesangue dededede assassinosassassinosassassinosassassinos fixosfixos nana cruz,cruz, parapara queque eleseles possampossam praticarpraticar suasua magiamagia vergonhosovergonhoso “.“. MaisMais impressionante ainda, o termo TÉCNICOS tech¬ que é mais frequentemente usado emememememememem gregogregogregogregogregogregogregogrego paraparaparaparaparaparaparapara cifixioncifixioncifixioncifixioncifixioncifixioncifixioncifixion cru¬cru¬cru¬cru¬cru¬cru¬cru¬cru¬ éééééééé ““““““““ proshelounproshelounproshelounproshelounproshelounproshelounproshelounprosheloun ”””””””” ouououououououou umumumumumumumum sinónimosinónimosinónimosinónimosinónimosinónimosinónimosinónimo ““““““““ kathèloun,kathèloun,kathèloun,kathèloun,kathèloun,kathèloun,kathèloun,kathèloun, """""""" apreender;apreender;apreender;apreender;apreender;apreender;apreender;apreender; ambosambosambos têmtêmtêm aaa mesmamesmamesma raiz,raiz,raiz, ooo substantivosubstantivosubstantivo “Helicópteros”“Helicópteros”“Helicópteros” ooo quequeque significasignificasignifica umumum prego.prego.prego. EEE quando Xenophon de Éfeso registra que no Egito o crucificado foram vinculados pelas suas mãos e pés na cruz, ele expressamente observa que era um costume local, o que prova que em outros lugares pregar era mais habitual.

EEE deixardeixardeixar QueQueQue nãonãonão sesese digadigadiga quequeque ooo usousouso dedede cordascordascordas eraeraera morrermorrermorrer maneiramaneiramaneira especialespecialespecial paraparapara os escravos! Plauto, a quem se deve sempre se refira para os costumes do mundo dododo escravo,escravo,escravo, falafalafala dedede “Adfip.cn"“Adfip.cn"“Adfip.cn" eee

“Offigere.”“Offigere.”“Offigere.” “Te“Te“Te crucicrucicruci ipsumipsumipsum propediempropediempropediem adfigentadfigentadfigent alii-alii-alii- OutrosOutrosOutros irãoirãoirão ememem brevebrevebreve

pregá-lopregá-lopregá-lo nanana cruz”(cruz”(cruz”( Persa,Persa,Persa, v.v.v. 295).295).295). "Quem"Quem"Quem vaivaivai deixar-sedeixar-sedeixar-se serserser crucificadocrucificadocrucificado ememem vezvezvez de mim?”, Diz o Tranion escravo;

"Ego daho ei talentum, Primus qui em crucem excucerrerit, sed en lege ut

offiganturoffigantur bisbis pedes,pedes, bis-lbis-l bracchiabracchia darádará umum talentotalento parapara oo primeiroprimeiro homemhomem queque deve ter corrido para a cruz, mas em

Crucificação e Archseology

45

a condição de que seus pés são pregados duas vezes, e seus braços duas vezes”

(Mostellaria,(Mostellaria,(Mostellaria,(Mostellaria,(Mostellaria,(Mostellaria, v.v.v.v.v.v. 359,359,359,359,359,359, 360).360).360).360).360).360). OOOOOO usousousousousouso dadadadadada palavrapalavrapalavrapalavrapalavrapalavra bisbisbisbisbisbis (((((( duasduasduasduasduasduas vezes),vezes),vezes),vezes),vezes),vezes), dededededede acordoacordoacordoacordoacordoacordo comcomcomcomcomcom oooooo

contexto, significa simplesmente que ele pergunta ironicamente por dois pregos

para cada um dos quatro membros, de modo a ser o mais certo que o seu

substitutosubstitutosubstituto nãonãonão escapará.escapará.escapará. AAA últimaúltimaúltima palavra,palavra,palavra, braccliiabraccliiabraccliia ((( ososos braços),braços),braços), jájájá traztraztraz

(exaggerat¬ endentemente) o que irá demonstrar experimentalmente:

crucificação não era através das palmas das mãos, mas através dos pulsos.

C.-C.-C.- ososos acompanhamentosacompanhamentosacompanhamentos DODODO CRUCIFIXIONCRUCIFIXIONCRUCIFIXION ososos detalhesdetalhesdetalhes dessesdessesdesses

parecem ter sido claramente estabelecida em uma série de leis e

regulamentos internos. Isso, no entanto, não impediu certos caprichos

sádicos por parte dos cutioners exe¬.

Eu.Eu.Eu. OOO NósNósNós scourging-scourging-scourging- preliminarpreliminarpreliminar NãoNãoNão sesese tratatratatrata aquiaquiaqui dedede flagelaçãoflagelaçãoflagelação encomendado como uma tortura separado, nem mesmo com um método de matar ososos condenados,condenados,condenados, masmasmas apenasapenasapenas comcomcom ooo INGINGING scourg¬scourg¬scourg¬ quequeque eraeraera umaumauma preliminarpreliminarpreliminar legallegallegal aaa cada execução. Every¬ um punidos com a morte como uma preliminar foi sempre açoitado, se ele estava a morrer na cruz ou de outra forma; por decapitação (Livy) ou na fogueira (Josephus). Somente aqueles estavam isentos, de acordo com Mommsen, que eram senadores, Diers ou mulheres sol¬ que tiveram a liberdade da cidade.

NoNo entanto,entanto, emem oo casocaso dede decapitação,decapitação, oo flagelaçãoflagelação foifoi feitofeito comcom asas hasteshastes

aaaa partirpartirpartirpartir dosdosdosdos feixesfeixesfeixesfeixes dadadada lictor:lictor:lictor:lictor: “Nudatos“Nudatos“Nudatos“Nudatos VIRGISVIRGISVIRGISVIRGIS cseduntcseduntcseduntcsedunt secutiquesecutiquesecutiquesecutique percutiunt-percutiunt-percutiunt-percutiunt- ElesElesElesEles

tira-los e vencê-los com varas e atacá-los com um machado.”(Tito Lívio).

ComoComo nósnós temostemos visto,visto, flagelaçãoflagelação eraera umum costumecostume antigoantigo emem Roma.Roma. EleEle

também foi infligido sob Alexander e Antíoco Epifânio e em Cartago. Uma

continua vindo através das fórmulas

“proaikistheis“proaikistheis“proaikistheis“proaikistheis“proaikistheis anestaurotheanestaurotheanestaurotheanestaurotheanestaurothe

flagelação “.

----- verberatosverberatosverberatosverberatosverberatos crucibuscrucibuscrucibuscrucibuscrucibus adfixit-adfixit-adfixit-adfixit-adfixit- cruci¬cruci¬cruci¬cruci¬cruci¬ fyingfyingfyingfyingfying apósapósapósapósapós

Este flagelação, que como vimos anteriormente foi in¬ flicted na cruz, já

ocorreu na área do tribunal. O condenado foi ligada a uma coluna

(provavelmente(provavelmente comcom asas mãosmãos acimaacima dada cabeça).cabeça). ComoComo PlautoPlauto escreveu:escreveu: “Abducit“Abducit

hunc

46 Um doutor no Calvário

introduçãointrodução atqueatque astringiteastringite adad columnamcolumnam fortiter-fortiter- Leve-oLeve-o parapara dentrodentro ee prendê-loprendê-lo

firmementefirmemente àà coluna”(coluna”( Bacchides).Bacchides). AA flagelaçãoflagelação foifoi precedidaprecedida pelapela descascamentodescascamento dodo homemhomem con¬con¬ demned,demned, que começou sua viagem para o local de ção execu¬ nu e açoitado, e carregandocarregandocarregando suasuasua patibulumpatibulumpatibulum ((( Vale¬Vale¬Vale¬ riusriusrius Maximus-Maximus-Maximus- Cicero).Cicero).Cicero).

Com que tipo de instrumento foi a flagelação realizado? Vimos que aqueles que estavam a ser decapitado foram espancados com vara do lictor; para a outra forma dedede flagelaçãoflagelaçãoflagelação umumum instrumentoinstrumentoinstrumento distintamentedistintamentedistintamente romanoromanoromano foifoifoi utilizado;utilizado;utilizado; aaa flagrum.flagrum.flagrum. EleEleEle tinhatinhatinha um cabo curto, ao qual foram ligados, várias tiras longas de espessura, geralmente dois deles. A uma pequena distância a partir de bolas de extremidade pneu de chumbo ou os pequenos ossos de ovinos foram inseridos,

“Tali”“Tali” taltal comocomo foramforam utilizadosutilizados parapara jogarjogar nana junta-ossos;junta-ossos; estesestes foramforam osos TornozeloTornozelo de ossos de ovelhas.

As tangas iria cortar a pele e as bolas e os ossos pequenos iria cavar feridas profundas contundidos para ele. Não seria uma boa quantidade de hemorragia e considerável redução da resistência vital. Teremos todas as demaisdemaisdemais possibilidadespossibilidadespossibilidades dedede verify¬verify¬verify¬ inginging nonono sudáriosudáriosudário dedede JesusJesusJesus feridasferidasferidas quequeque esteesteeste terrível strument in¬ poderia infligir, e as marcas manchadas de sangue que deixaram na pele.

Na lei hebraica o número de acidentes vasculares cerebrais foi estritamente limitado a 40. Mas os fariseus, que eram pessoas escrupulosas, querendo se certificar de que este número não foi excedido, tinha reduzido a quantidade a 39. Os romanos impostaimposta nenhumanenhuma limitação,limitação, alémalém dada necessidadenecessidade dede nãonão matarmatar aa vítima;vítima; eleele tinhatinha

quequeque serserser capazcapazcapaz dedede transportartransportartransportar aaa suasuasua patibulum.patibulum.patibulum. eee morrermorrermorrer nanana cruz,cruz,cruz, nanana formaformaforma çãoçãoção

regula¬. Às vezes, como Horace diz-nos (Epode IV), ele era

“sectum“sectum“sectum flagellis-prseconisflagellis-prseconisflagellis-prseconis adadad fastidium-fastidium-fastidium- assimassimassim tomtomtom pelospelospelos chicoteschicoteschicotes comocomocomo aaa desgostardesgostardesgostar aquelesaqueles nono comando."comando."

20.20.20. AAA cargacargacarga dododo cross.-'cross.-'cross.-' OOO condenado,condenado,condenado, tendotendotendo antesantesantes dedede tudotudotudo foifoifoi açoitado,açoitado,açoitado, foifoifoi aaa pépépé eee semsemsem roupas,roupas,roupas, masmasmas carregandocarregandocarregando suasuasua patíbulo,patíbulo,patíbulo, dododo tribunaltribunaltribunal paraparapara ooo locallocallocal dadada execução,execução,execução, ondeondeonde ooo stipesstipesstipes ooo aguardava,aguardava,aguardava, entreentreentre umaumauma sériesériesérie dedede outrosoutrosoutros comocomocomo ele.ele.ele.

DevemosDevemosDevemos afirmarafirmarafirmar dedede imediatoimediatoimediato quequeque aaa expressãoexpressãoexpressão “crucem“crucem“crucem portareportareportare

- dentrodentrodentrodentro gregogregogregogrego stauronstauronstauronstauron bastazein-bastazein-bastazein-bastazein- paraparaparapara carregarcarregarcarregarcarregar aaaa própriaprópriaprópriaprópria cruzcruzcruzcruz “,“,“,“, éééé apenasapenasapenasapenas paraparaparapara

Crucificação e Archseology

47

ser encontradas nos textos gregos ou rabínicos (Plutarco, Artemi- Dorus, Chariton,Chariton,Chariton,Chariton, nananana judaicojudaicojudaicojudaico comentárioscomentárioscomentárioscomentários sobresobresobresobre GênesisGênesisGênesisGênesis eeee nononono NovoNovoNovoNovo Testamento).Testamento).Testamento).Testamento). EmEmEmEm latim,latim, éé apenasapenas parapara serser encontradoencontrado nasnas versõesversões latinaslatinas dada Bíblia:Bíblia: portfireportfire

Crucem, ferre, bajulare.

É por syndoche, como vimos, que a palavra cruzada significa a sua parte horizontal. EntreEntreEntreEntre osososos latinoslatinoslatinoslatinos nuncanuncanuncanunca sesesese encontraencontraencontraencontra estaestaestaesta frasefrasefrasefrase ““““ ferreferreferreferre crucem”crucem”crucem”crucem” emboraemboraemboraembora tenhamostenhamostenhamostenhamos notadonotadonotadonotado aaaa fórmulafórmulafórmulafórmula utilizadautilizadautilizadautilizada nananana tênciatênciatênciatência sen¬,sen¬,sen¬,sen¬, “pone“pone“pone“pone crucem.crucem.crucem.crucem. servo.”servo.”servo.”servo.” MasMasMasMas

nósnósnós encontramosencontramosencontramos “““ patibulumpatibulumpatibulum ferre”ferre”ferre” ---- paraparaparapara levarlevarlevarlevar umumumum dededede patibulum.patibulum.patibulum.patibulum. OsOsOsOs detalhesdetalhesdetalhesdetalhes dededede comocomocomocomo issoissoissoisso foifoifoifoi feitofeitofeitofeito éééé ditoditoditodito porporporpor DenisDenisDenis dedede HalicamnassusHalicamnassusHalicamnassus nonono seuseuseu palmaréspalmaréspalmarés Koman.Koman.Koman. ooo patibulumpatibulumpatibulum foifoifoi colocadocolocadocolocado sobre os ombros e sobre os dois braços estendidos, após o que foi amarrados comcom cordascordas aoao peito,peito, osos braçosbraços ee asas mãos.mãos. OO condenado,condenado, portanto,portanto, sósó levoulevou aa patpat

Mais uma vez encontramos, entre todos os textos a que poderíamos referir,

que Plauto resume tudo numa frase concisa:

“patibulum“patibulum“patibulum feratferatferat porporpor urbem,urbem,urbem, iludiriludiriludir affigaturaffigaturaffigatur cruce-cruce-cruce- Deixe-oDeixe-oDeixe-o levarlevarlevar aaa suasuasua cruzcruzcruz

atravésatravésatravésatravés dadadada cidade,cidade,cidade,cidade, emememem seguida,seguida,seguida,seguida, deixá-lodeixá-lodeixá-lodeixá-lo serserserser pregadopregadopregadopregado nananana cruz”(cruz”(cruz”(cruz”( Carbonaria).Carbonaria).Carbonaria).Carbonaria). oooo “Patib“Patib“Patib“Patib

foifoi oo homemhomem demneddemned con¬con¬ rolamentorolamento suasua cruzcruz (Plauto,(Plauto, passim).passim).

oooo “stipes“stipes“stipes“stipes crucis”crucis”crucis”crucis” porporporpor outrooutrooutrooutro lado,lado,lado,lado, estavaestavaestavaestava aguardandoaguardandoaguardandoaguardando oooo homemhomemhomemhomem condenadocondenadocondenadocondenado

nononono lugarlugarlugarlugar dadadada execução,execução,execução,execução, CíceroCíceroCíceroCícero (((( propropropro Rabinio)Rabinio)Rabinio)Rabinio) investeinvesteinvesteinveste contracontracontracontra LabienoLabienoLabienoLabieno quequequeque "dentro"dentro"dentro"dentro

Campo Martio

. crucem ad civium supplicium defigi et constitui jussit

- DentroDentro oo CampoCampo dede MarteMarte tinhatinha aa cruzcruz permanentementepermanentemente configuradoconfigurado parapara castigo dos cidadãos.”Encontra-se referências a esta

"configuração"configuração -se-se permanentemente”nopermanentemente”no VerrinesVerrines ee emem Josefo.Josefo.

Em Borne, o Montfaucon1 estava no Esquilino Fields, que foram ficou

famosa por Horace, e onde, ac¬ cordões para Saglio (Diet., Daremberg),

houvehouvehouve bastantebastantebastante umaumauma florestaflorestafloresta dedede cruzes,cruzes,cruzes, umaumauma grandegrandegrande plantaçãoplantaçãoplantação dedede stipites.stipites.stipites. EleEleEle

estava fora do Esquilino Gate. Para aqueles que sabem Borne, este foi perto

da Piazza Vittorio Emanuele, a uma curta distância além da igreja de Santa

Maria Maggiore, como quem vai para fora do centro da cidade.

111 OOO anciãoanciãoancião locallocallocal dadada execução,execução,execução, ememem Paris.Paris.Paris.

48 Um doutor no Calvário

Há um argumento final que este era o costume estabelecido, o que

ééé quequeque ooo patibulumpatibulumpatibulum jájájá pesavapesavapesava cercacercacerca dedede

110110110110 libraslibraslibraslibras paraparaparapara quequequeque aaaa cruzcruzcruzcruz completacompletacompletacompleta teriateriateriateria pesadopesadopesadopesado maismaismaismais dededede 220220220220 libras.libras.libras.libras. EleEleEleEle

devedevedeve terterter exigidoexigidoexigido grandegrandegrande esforçoesforçoesforço paraparapara levarlevarlevar aaa patíbulo,patíbulo,patíbulo, paraparapara umumum homemhomemhomem quequeque tinha sido submetido a uma flagelação severa, o que teria causado considerável perda de sangue e um declínio na sua força. Como ele poderia terterter realizadorealizadorealizado umaumauma cruzcruzcruz completacompletacompleta comcomcom pesopesopeso superiorsuperiorsuperior 220220220 libras?libras?libras? PoisPoisPois nãonãonão eraeraera apenasapenas umauma questãoquestão dede arrastando-o.arrastando-o. Encontra-seEncontra-se emem todostodos osos textostextos “Portare,“Portare,

bajulare,bajulare, bastazein,bastazein, ”Para”Para levar,levar, masmas nuncanunca

“Trahere,“Trahere,“Trahere, surein”surein”surein” paraparapara arrastar.arrastar.arrastar.

Que possamos terminar dizendo que o portador da cruz foi precedida por umaumauma inscriçãoinscriçãoinscrição ememem madeira,madeira,madeira, aaa “Titulus”“Titulus”“Titulus” dandodandodando seuseuseu nomenomenome eee indicandoindicandoindicando ooo crimecrimecrime pelopelopelo qualqualqual foifoifoi condenado.condenado.condenado. ooo titulustitulustitulus maismaismais tardetardetarde foifoifoi presopresopreso nonono paraparapara aaa cruz.cruz.cruz.

333 °.°.°. OOO métodométodométodo dedede AHAHAH crucifixion.-crucifixion.-crucifixion.- ooo quequeque dissemosdissemosdissemos atéatéaté agoraagoraagora ememem contacontaconta aaa cargacargacargacargacarga dododododo patibulumpatibulumpatibulumpatibulumpatibulum únicaúnicaúnicaúnicaúnica eeeee dedededede seuseuseuseuseu serserserserser fixadofixadofixadofixadofixado paraparaparaparapara ooooo stipesstipesstipesstipesstipes cruciscruciscruciscruciscrucis nonononono local,local,local,local,local, aponta para o método de crucificação definido na fórmula de Firmicus

MatemusMatemusMatemus (Mathem.)(Mathem.)(Mathem.) .-.-.- “Fatibulo“Fatibulo“Fatibulo suffixussuffixussuffixus ememem crucemcrucemcrucem tollitur-tollitur-tollitur-

(O(O homemhomem condenado)condenado) terter sidosido pregadopregado nana patibulumpatibulum

é levantado sobre a cruz.”

Se a crucificação é feito através da ligação com cordas, tudo o que precisa serserser feitofeitofeito ééé ooo dedede aporaporapor aaa patíbulo,patíbulo,patíbulo, paraparapara quequeque ooo vic¬vic¬vic¬ timtimtim jájájá estáestáestá ligado,ligado,ligado, eee ememem seguida,seguida, sese ligarligar osos péspés parapara oo stipesstipes

com algumas voltas da corda. Se ele é para ser pregado, a vítima é não ligado e,e,e, ememem seguida,seguida,seguida, deitoudeitoudeitou nonono chão,chão,chão, comcomcom ososos ombrosombrosombros sobresobresobre aaa patibulum.patibulum.patibulum. SuasSuasSuas mãosmãosmãos sãosãosão realizadasrealizadasrealizadas foraforafora eee pregadospregadospregados nasnasnas duasduasduas extremidadesextremidadesextremidades dododo patibulum.patibulum.patibulum. OOO homemhomemhomem é,é,é, então,então,então,então,então, levantou-selevantou-selevantou-selevantou-selevantou-se comcomcomcomcom aaaaa patíbulo,patíbulo,patíbulo,patíbulo,patíbulo, quequequequeque ééééé fixadofixadofixadofixadofixado sobresobresobresobresobre aaaaa parteparteparteparteparte superiorsuperiorsuperiorsuperiorsuperior dododododo stipes.stipes.stipes.stipes.stipes. ApósApósApósApósApós este seus pés são pregados para baixo plana contra o último.

Este aumento se deve ser bastante fácil de fazer, especialmente se a cruz não era mais do que dois metros de altura. Quatro homens poderia facilmente realizar-serealizar-serealizar-se nonono comprimentocomprimentocomprimento dododo braçobraçobraço dododo patibulumpatibulumpatibulum eee ooo condenado,condenado,condenado, ambosambosambos ososos quais, juntos, não iria pesar mais de 286 libras. Se precisa de ser a vítima poderia serserser levantadalevantadalevantada paraparapara trástrástrás umumum poucopoucopouco escadaescadaescada colocadacolocadacolocada contracontracontra aaa stipes.stipes.stipes. SeSeSe ooo

Crucificação e Arqueologia

49

cruzcruz foifoi maiormaior queque seriaseria querquer terter usarusar doisdois garfosgarfos parapara

levantandolevantandolevantandolevantando oooo patíbulo,patíbulo,patíbulo,patíbulo, ouououou doisdoisdoisdois escadasescadasescadasescadas inclinar-seinclinar-seinclinar-seinclinar-se contracontracontracontra osososos ladosladosladoslados

dododo stipes.stipes.stipes. EmEmEm nenhumnenhumnenhum dosdosdos casoscasoscasos haveriahaveriahaveria qualquerqualquerqualquer grandegrandegrande culdadeculdadeculdade diffi¬diffi¬diffi¬ dedede superar. EstaEsta técnicatécnica tambémtambém éé sugeridosugerido pelaspelas expressõesexpressões utilizadoutilizado quandoquando sese

refererefererefere aaa crucificação.crucificação.crucificação. TodosTodosTodos falamfalamfalam dedede umumum atoatoato dedede elevação:elevação:elevação: ememem grego,grego,grego, ééé “““ epibainepibainepibain

toneladatonelada stauron,stauron, anabeineinanabeinein eiseis tonton stauron-stauron- parapara subirsubir parapara aa cruz”;cruz”; emem latim,latim,

encontramos

"dentro"dentro"dentro"dentro"dentro"dentro ascendereascendereascendereascendereascendereascendere crucem”crucem”crucem”crucem”crucem”crucem” qualqualqualqualqualqual significasignificasignificasignificasignificasignifica quequequequequeque oooooo mesmo-mesmo-mesmo-mesmo-mesmo-mesmo- "dentro"dentro"dentro"dentro"dentro"dentro crucemcrucemcrucemcrucemcrucemcrucem agi,agi,agi,agi,agi,agi, tolli,tolli,tolli,tolli,tolli,tolli,

elevari-elevari-elevari- paraparapara serserser levantadolevantadolevantado paraparapara aaa cruzcruzcruz “,“,“, eee mesmomesmomesmo

"dentro"dentro"dentro saliresaliresalire crucem”crucem”crucem” comocomocomo ememem umumum trocadilhotrocadilhotrocadilho intraduzívelintraduzívelintraduzível dedede Plauto,Plauto,Plauto, quandoquandoquando eleeleele fazfazfaz ChrysalusChrysalusChrysalus ooo jogadorjogadorjogador dizer:dizer:dizer: “Facietque“Facietque“Facietque mememe CrucisalumCrucisalumCrucisalum exexex

Chrysalo-Chrysalo-Chrysalo- DeDeDe serserser ChrysalusChrysalusChrysalus vouvouvou Ire-Ire-Ire- virvirvir aqueleaqueleaquele quequeque sesese levantalevantalevanta paraparapara aaa

cruz.”Parece,cruz.”Parece,cruz.”Parece, então,então,então, quequeque devemosdevemosdevemos abandonarabandonarabandonar qualquerqualquerqualquer ideiaideiaideia dadada crucificaçãocrucificaçãocrucificação na completa Cruz,Cruz, sese deitadodeitado nono chãochão ouou nana verticalvertical contracontra umauma cruzcruz vertical.vertical.

NãoNãoNãoNão podemospodemospodemospodemos dizerdizerdizerdizer quequequeque JesusJesusJesusJesus MesmoMesmoMesmoMesmo descreveudescreveudescreveudescreveu oooo MétodoMétodoMétodoMétodo verdade,verdade,verdade,verdade, quandoquandoquando EleEleEle previupreviupreviu aaa SãoSãoSão Pedro:Pedro:Pedro: “Extendes“Extendes“Extendes manusmanusmanus TuasTuasTuas etetet aliusaliusalius tetete cingetcingetcinget

etet DUCETDUCET quoquo nãonão visvis TuTu devesdeves EstendeEstende aa tuatua mão,mão, ee outrooutro tete cingirá,cingirá, e levar-te para onde tu não queres”

((( JN.JN.JN. XXI,XXI,XXI, 18).18).18). ooo alongamentoalongamentoalongamento

diantediantediante dasdasdas mãosmãosmãos foifoifoi comcomcom aaa colocaçãocolocaçãocolocação dododo patibulumpatibulumpatibulum

sobre os ombros dos condenados enquanto antes do tribunal. Eles foram, então, amarrados com uma corda antes de começarem a sair para a execução.

podemospodemos acrescentaracrescentar queque aa imaginaçãoimaginação dosdos executoresexecutores porpor vezesvezes variouvariou oo método de regulação da crucificação. Occa¬ provisoriamente, por exemplo, queque mudoumudou aa posiçãoposição normal,normal, ee crucificado-loscrucificado-los nana cabeçacabeça parapara baixobaixo (( KatoKato KaraKara testes proshèlôthen-),proshèlôthen-), comocomo foifoi feitofeito sobsob DioclecianoDiocleciano ee nana PalestinaPalestina (Euse¬(Euse¬ bius).bius). TodoTodo mundomundo sabe,sabe, comocomo dizdiz Orígenes,Orígenes, queque SãoSão PedroPedro foifoi crucificadocrucificado assim.

444 °.°.°. OsOsOs militaresmilitaresmilitares guard.-guard.-guard.- CadaCadaCada execuçãoexecuçãoexecução foifoifoi realizadarealizadarealizada legalmente,legalmente,legalmente, sobsobsob umaumauma equipe completamente militar, que assumiu as suas ordens de um centurião,

comocomocomocomo dizdizdizdiz Seneca:Seneca:Seneca:Seneca: “Centurio“Centurio“Centurio“Centurio AgmenAgmenAgmenAgmen periturumperiturumperiturumperiturum trahens-trahens-trahens-trahens- oooo centuriãocenturiãocenturiãocenturião arrastandoarrastandoarrastandoarrastando

aaaa multidãomultidãomultidãomultidão daquelesdaquelesdaquelesdaqueles condenadoscondenadoscondenadoscondenados paraparaparapara morrer.”Omorrer.”Omorrer.”Omorrer.”O exército,exército,exército,exército, quequequeque jájájájá tinhatinhatinhatinha sidosidosidosido

50 Um doutor no Calvário

responsável pela flagelação, desde a escolta do bunal tri¬ para o local da execução, e os executores da crucificação foram recrutados de suas fileiras; também seria responsável por fornecer um guarda para assistir ao pé das cruzes. Esta foi a fim de evitar que os amigos dos homens exe¬ cuted resgatá-los; o guarda teve assim de ser nente perma¬ até os condenados eram certamente morto. Suas funções continuou mesmo após a morte, como

PetroniusPetroniusPetroniusPetronius acrescenta:acrescenta:acrescenta:acrescenta: “Ne“Ne“Ne“Ne QuisQuisQuisQuis adadadad sepultaramsepultaramsepultaramsepultaram corpuscorpuscorpuscorpus detraheret-detraheret-detraheret-detraheret- ParaParaParaPara quequequeque

ninguém deve levar os corpos para longe para o enterro.”O que então aconteceuaconteceu comcom osos cadáverescadáveres dosdos crucificado?crucificado? 55 °.°. EnterroEnterro ee dada faltafalta dede OO

burial-burial-burial- usÿalusÿalusÿal cursocursocurso foifoifoi dedede cadáverescadáverescadáveres paraparapara permanecerpermanecerpermanecer nanana cruzcruzcruz eee serserser devoradodevoradodevorado porporpor aves de rapina e por animais selvagens. Horace responde a uma escrava inocente:inocente:inocente:inocente: ““““ NãoNãoNãoNão pascespascespascespasces emememem corvos-corvos-corvos-corvos- crucecrucecrucecruce vocêvocêvocêvocê paredeparedeparedeparede nãonãonãonão alimentaralimentaralimentaralimentar osososos corvoscorvoscorvoscorvoscorvos nanananana cruz”(cruz”(cruz”(cruz”(cruz”( Ep.Ep.Ep.Ep.Ep. I,I,I,I,I, 16).16).16).16).16). EEEEE ememememem EpodeEpodeEpodeEpodeEpode VVVVV eleeleeleeleele escreve:escreve:escreve:escreve:escreve:

"" TostTost insepultainsepulta membramembra diferentediferente LupiLupi etet AexquiliniAexquilini alites-alites-

E então seus membros insepultos serão distribuídos pelos lobos e as aves do Esquilino.”E outros textos ocupam o mesmo tema (Petrônio, Seneca, Artemidorus). No entanto, os corpos poderiam ser solicitada por famílias que queriam assegurar-lhes um enterro decente; parece que a lei autorizou esta graça final sem impedimentos nem pedido de pagamento. Mesmo as cinzas daqueles condenados à fogueira foram devolvidos às suas relações (Pandectes). Que tal clemência era a regra é provado pelo fato de que os casos em que a autorizaçãoautorização livrelivre foifoi recusadarecusada sãosão apontadosapontados comocomo exceções.exceções. Cicero,Cicero, nana DeDe Suppliciis,Suppliciis, amargamenteamargamente censuracensura VerresVerres queque eleele extorquiaextorquia umum pagamentopagamento pesado para abrir mão dos corpos daqueles que tinham sido executados para as famílias que não desejam vê-los se tornar a presa de animais selvagens.

TalTal financeirafinanceira extorsão,extorsão, dizdiz oo orador,orador, éé contracontra aa lei.lei.

Por outro lado, o juiz, uma vez que dependia dele, poderia recusar a

autorizaçãoautorizaçãoautorização ememem certoscertoscertos casos,casos,casos, eee paraparapara vari¬vari¬vari¬ razõesrazõesrazões ous,ous,ous, ememem quequeque ooo ódioódioódio paraparapara ooo homem condenado normalmente desempenha o seu papel. Tal recusa veio a umum aumentoaumento dede mentment punish¬;punish¬; aa crimecrime dede altaalta traiçãotraição implicou-lo.implicou-lo. VespasianoVespasiano adicionado à condenação de certos conspiradores que seus corpos

Crucificação e Arqueologia

55 11

deve ser lançado no esgoto comum sem enterro (Sue¬ Tônio). Augusto, depois da batalha de Filipos, já havia se recusado a permissão para o enterro de um preso bem conhecido, reply¬ ing, quando o pedido foi feito, que logo seria o negócio dos abutres (Suetônio). Da mesma forma cus Flac-, que foi prefeitoprefeitoprefeitoprefeito dodododo EgitoEgitoEgitoEgito nononono anoanoanoano 38383838 DEDEDEDE ANÚNCIOS,ANÚNCIOS,ANÚNCIOS,ANÚNCIOS, nãonãonãonão autorizouautorizouautorizouautorizou oooo enterroenterroenterroenterro dededede certoscertoscertoscertos crucificadocrucificadocrucificado judeusjudeusjudeus ((( Philo-Philo-Philo- ememem

fumeirofumeiro porra).porra).

666 °.°.°. OOO golpegolpegolpe comcomcom ooo lance-lance-lance- MaisMaisMais tarde,tarde,tarde, encontramosencontramosencontramos asasas mesmasmesmasmesmas

disposiçõesdisposiçõesdisposições nonono Digest:Digest:Digest: "O"O"O corposcorposcorpos dosdosdos condenadoscondenadoscondenados ààà mortemortemorte nãonãonão devedevedeve serserser

recusadarecusada aa suassuas

OsOs corposcorpos daquelesdaqueles queque foramforam executadosexecutados

não são enterrados, exceto quando a permissão foi feita e foi concedido, e às vezes é recusado, especialmente no que se refere aos corpos daqueles que foram condenados pelo crime de alta traição”(Ulpiano) . O Digest pertence ao século Vlth, mas é uma compilação de todas as leis antigas, que, quando se leva em conta o espírito tradicionalista dos juristas romanos, tainly cer¬ dá

uma verdadeira imagem dos costumes e legislação do período em que Nós estamos interessados.

EmEm outrosoutros lugareslugares Quintiliano,Quintiliano, queque pertencepertence àà 1ª1ª século,século, escreve:escreve: “Percussos“Percussos sepelirisepeliri camifexcamifex nãonão vetat-avetat-a OO carrascocarrasco nãonão proíbeproíbe oo sepultamentosepultamento dosdos queque foramforamforamforam furadasfuradasfuradasfuradas “.“.“.“. EstaEstaEstaEsta palavrapalavrapalavrapalavra ““““ percussos,percussos,percussos,percussos, ”Se”Se”Se”Se nãonãonãonão memememe engano,engano,engano,engano, introduzintroduzintroduzintroduz umaumaumauma novanovanovanova ideia que tem uma influência especial sobre o nosso tema. O que exatamente fazfazfaz “percussos”“percussos”“percussos” significar?significar?significar? NãoNãoNão sesese refererefererefere aoaoao próprioprópriopróprio cutioncutioncution exe¬,exe¬,exe¬, nemnemnem ààà flagelação; como no entanto, refere-se a aqueles que foram condenados à morte, sabemos muito bem que eles têm sido açoitado e crucificado. Refere-se, em seguida, para um golpe especial, dada após a execução e que nos faz lembrarlembrarlembrarlembrarlembrar irresistivelmenteirresistivelmenteirresistivelmenteirresistivelmenteirresistivelmente dododododo quequequequeque ééééé conhecidoconhecidoconhecidoconhecidoconhecido comocomocomocomocomo ooooo "golpe"golpe"golpe"golpe"golpe dedededede graça”;graça”;graça”;graça”;graça”; parecepareceparecepareceparece

serser semelhantesemelhante aoao tirotiro dede revólverrevólver queque éé disparadodisparado nana orelhaorelha dede umum

homem que foi baleado, mesmo quando ele é claramente morto. Pode-se então interpretar a frase de Quintiliano no sentido do carrasco permite que aqueles queque foramforam exe¬exe¬ cutedcuted parapara serser enterrado,enterrado, depoisdepois dede teremterem recebidorecebido oo golpegolpe dede

misericórdia.

DoDoDo quequeque fezfezfez esteesteeste regulamentoregulamentoregulamento coupcoupcoup dedede grâcegrâcegrâce consistem,consistem,consistem, quequeque

52 Um doutor no Calvário

sozinhosozinho autorizadoautorizado aa carrascocarrasco parapara dardar oo corpocorpo àà família?família? OrígenesOrígenes fala,fala, comocomocomocomo PaiPaiPaiPai HolzmeisterHolzmeisterHolzmeisterHolzmeister nosnosnosnos lembra,lembra,lembra,lembra, dodododo “percussio“percussio“percussio“percussio subsubsubsub ai”(Comm,ai”(Comm,ai”(Comm,ai”(Comm, emememem Matth.),Matth.),Matth.),Matth.), quequequeque é evi¬ dentemente um golpe entregue ao coração. Mas, quando se trata de examinar o contexto, verifica-se que ele se refere ao golpe que foi dado às vezes imediatamente após a crucificação, a fim de matar o condenado rapidamente.rapidamente.rapidamente. EleEleEle dizdizdiz quequeque JesusJesusJesus nãonãonão tinhatinhatinha recebido,recebido,recebido, eee quequeque issoissoisso explicaexplicaexplica ooo espanto de Pilatos que a morte tinha sido tão rápida.

Mas neste momento, somos confrontados com um texto de Sexto Empírico, umumum filósofofilósofofilósofo eee umumum médicomédicomédico aprendeuaprendeuaprendeu dododo séculoséculoséculo Illrd,Illrd,Illrd, quequeque nosnosnos explicaexplicaexplica quequeque “è“è“è TESTESTES

kardiaskardiaskardiaskardias trôsistrôsistrôsistrôsis aitionaitionaitionaition estínestínestínestín ihanatou-UIEihanatou-UIEihanatou-UIEihanatou-UIE feridaferidaferidaferida nononono coraçãocoraçãocoraçãocoração éééé aaaa causacausacausacausa dadadada

morte.”Parecemorte.”Parecemorte.”Parecemorte.”Parece entãoentãoentãoentão quequequeque quequequeque eraeraeraera aaaa estaestaestaesta golpegolpegolpegolpe dededede graçagraçagraçagraça quequequeque QuintilianoQuintilianoQuintilianoQuintiliano

estava se referindo.

Assim, quando a família pediu o corpo, o carrasco tinha antes de tudo dar um golpe no coração. Como ele normalmente era um soldado, este golpe iria ser infligida com a arma que ele carregava na mão, provavelmente, uma lança

ou uma curta dardo. Veremos que esse golpe no coração, que foi atingido a partir do lado direito do peito, certamente foi estudado e conhecido, por causa de sua qualidade mortal, nas escolas de esgrima dos exércitos romanos. Deu

segurançasegurançasegurança completacompletacompleta dedede quequeque ooo condenadocondenadocondenado estavaestavaestava realmenterealmenterealmente necessário foi a causa deste.

eee sesese forforfor

D.-D.-D.-D.- EVANGELHOSEVANGELHOSEVANGELHOSEVANGELHOS EXPLICADOEXPLICADOEXPLICADOEXPLICADO DEDEDEDE ARCHAEOLOGYARCHAEOLOGYARCHAEOLOGYARCHAEOLOGY llll °.°.°.°. OOOO

condemnation.-condemnation.-condemnation.-condemnation.- UmUmUmUm razãorazãorazãorazão eraeraeraera necessárionecessárionecessárionecessário quequequeque viriaviriaviriaviria nononono âmbitoâmbitoâmbitoâmbito dodododo romanoromanoromanoromano lei.lei.lei.lei.

DentroDentro JerusalémJerusalém

PilatosPilatosPilatos sósósó possuíapossuíapossuía ooo """ gladiigladiigladii jus”jus”jus” ooo poderpoderpoder dododo pífanopífanopífano eee dedede morte,morte,morte, quequeque foifoifoi amargamenteamargamenteamargamente eleeleele ressentiramressentiramressentiram pelapelapela Judeus.Judeus.Judeus. OsOsOs membrosmembrosmembros dododo Sinédrio,Sinédrio,Sinédrio, obviamente, não poderia produzir as razões para o seu ódio antes de um oficial romano.romano.romano. EEE ééé porporpor issoissoisso quequeque eleseleseles começaram,começaram,começaram, acusandoacusandoacusando JesusJesusJesus dedede incentivarincentivarincentivar ososos peo¬ PLE à revolta. Mas um breve inquérito e indiferença de Herodes logo trouxe este grande acusação que nada na mente de Pilatos. Ele repetiu três vezes:vezes:vezes: "EU"EU"EU encontrarencontrarencontrar nenhumanenhumanenhuma causacausacausa nestenesteneste homem”homem”homem”

Crucificação e Arqueologia

53

((((( Lc.Lc.Lc.Lc.Lc. XXIII).XXIII).XXIII).XXIII).XXIII). ooooo judeusjudeusjudeusjudeusjudeus ememememem seguida,seguida,seguida,seguida,seguida, alegoualegoualegoualegoualegou quequequequeque tinhatinhatinhatinhatinha feitofeitofeitofeitofeito Him¬Him¬Him¬Him¬Him¬ autoautoautoautoauto ooooo FilhoFilhoFilhoFilhoFilho dedededede Deus, e que este, de acordo com a sua lei, implicou a penalidade suprema. Mas isso não conseguiu mover o procurador, e pelo contrário teve um efeito vagamente perturbador em sua alma supersticiosa; nos olhos de um pagão, o filhofilho dede umum deusdeus éé umum herói.herói. istoisto ÉÉ claroclaro queque PilatosPilatos estavaestava fazendofazendo tudotudo queque podia para libertar este homem cuja inocência era óbvia e que suscitou o seu respeito.respeito.respeito. FoiFoiFoi sósósó depoisdepoisdepois dedede todostodostodos essesessesesses SeresSeresSeres wind¬wind¬wind¬ eee gropingsgropingsgropings quequeque ooo judeusjudeusjudeus foramforamforam finalmente capaz de descobrir uma razão que obrigaria Pilatos para condená-Lo:

"Ele

tornou-setornou-setornou-setornou-se

SeSeSeSe vocêvocêvocêvocê soltarsoltarsoltarsoltar esseesseesseesse homemhomemhomemhomem nãonãonãonão tivertivertivertiver CassarCassarCassarCassar 's's's's amigo”(Jo.amigo”(Jo.amigo”(Jo.amigo”(Jo.

XIX, 12). Houve uma astúcia satânica neste, pois continha uma contagem de acusação,acusação,acusação, aaa dedede "rebelião"rebelião"rebelião contracontracontra CésarCésarCésar “,“,“, eee issoissoisso despertoudespertoudespertou todatodatoda aaa ansiedadeansiedadeansiedade egoísta deste pobre oficial colonial, para que ele não deve desagradar o governo central, e até mesmo se envolver em alguma tentativa subversiva contra o imperador. A partir de então todo o desejo que tinha de ser benevolente, toda a sua preocupação com a justiça, que foram surpreendentes suficiente em um bruto Roman (e que ganhou para ele uma certa indulgência, bem expressa por Santo Agostinho), tudo isso desapareceu antes de um contagem grave de acusação, o que poderia comprometer gravemente qualquer juiz que se recusou a admitir isso. E a partir de então ção condemna¬ foi uma conclusão precipitada, e a aplicação da lei significava a morte por

crucificação:crucificação: rebeliãorebelião contracontra César.César.

EleEleEle teriateriateria aaa suasuasua vingançavingançavingança sobresobresobre ooo judeusjudeusjudeus escrevendoescrevendoescrevendo sobresobresobre aaa

titulus:titulus:titulus:titulus:titulus: JesusJesusJesusJesusJesus dedededede Nazaré,Nazaré,Nazaré,Nazaré,Nazaré, ReiReiReiReiRei dosdosdosdosdos Judeus,Judeus,Judeus,Judeus,Judeus, eeeee porporporporpor main¬main¬main¬main¬main¬ tençãotençãotençãotençãotenção que,que,que,que,que, apesarapesarapesarapesarapesar dasdas suassuas objecçõesobjecções (O(O gegrapha,gegrapha, gegraphagegrapha

- oo queque EuEu escrevi,escrevi, escrevi).escrevi). EstaEsta foifoi aa únicaúnica expressãoexpressão dede seuseu ressentimento e mau humor.

20.20.20. OOO scourging.-scourging.-scourging.- AAA RestaRestaResta sabersabersaber sesese estaestaesta flagelaçãoflagelaçãoflagelação eraeraera aaa quequeque legalmentelegalmentelegalmente precedido uma execução, ou se era uma punição por conta própria. Mateus e Marcos não oferecem nenhuma solução para este problema, pois eles simplesmentesimplesmente escrever:escrever: "Tendo"Tendo

açoitaraçoitaraçoitar JesusJesusJesus ((( ele)ele)ele) entregaram-lhesentregaram-lhesentregaram-lhes aaa serserser cruci¬cruci¬cruci¬ fied."fied."fied." EstaEstaEsta ééé umaumauma contacontaconta simples da sucessão de eventos, e isso foi o que aconteceu após cada condenação à morte.

54 UMAUMA DoutorDoutor nono CalvárioCalvário

Em São Lucas Evangelho Pilatos já repete duas vezes para o

Judeus:Judeus:Judeus: "EU"EU"EU castigá-Lo,castigá-Lo,castigá-Lo, pois,pois,pois, eee soltá-lo.”Issosoltá-lo.”Issosoltá-lo.”Isso nosnosnos revelarevelarevela suasuasua intençãointençãointenção dedede infligir a flagelação como um castigo especial, mas ainda não nos dizer que ele o fez. Mas St. John, que é muitas vezes mais explícito, quando ele considera que ele deve completar, sem contradizer, os Sinópticos, na sua qualidade de testemunha ocular descreve em detalhes o que ocorreu. Pilatos havia declaradodeclaradodeclarado aoaoao judeusjudeusjudeus quequeque Jesus,Jesus,Jesus, aaa quemquemquem eleeleele tinhatinhatinha questionado,questionado,questionado, eraeraera inocente;inocente;inocente; eleeleele sesese ofereceuofereceuofereceu paraparapara entregá-Loentregá-Loentregá-Lo be¬be¬be¬ causacausacausa dadada Páscoa,Páscoa,Páscoa, masmasmas aaa judeusjudeusjudeus chamadochamadochamado

Barrabás.Barrabás. "Então"Então

PilatosPilatosPilatosPilatos tomoutomoutomoutomou aaaa Jesus,Jesus,Jesus,Jesus, eeee mandoumandoumandoumandou açoitá-lo.”(açoitá-lo.”(açoitá-lo.”(açoitá-lo.”( JN.JN.JN.JN. XIX,XIX,XIX,XIX, l).l).l).l). TemosTemosTemosTemos aaaa flagelação,flagelação,flagelação,flagelação, aaaa culculculcul comcomcom espinhos,espinhos,espinhos, ooo EcceEcceEcce Homo,Homo,Homo, aaa acusaçãoacusaçãoacusação dedede quequeque eleeleele haviahaviahavia sesese tornadotornadotornado ooo FilhoFilhoFilho dededede Deus.Deus.Deus.Deus. Pilatos,Pilatos,Pilatos,Pilatos, emememem suasuasuasua ansiedade,ansiedade,ansiedade,ansiedade, voltouvoltouvoltouvoltou aaaa questionarquestionarquestionarquestionar JesusJesusJesusJesus nessenessenessenesse assunto. Quando ele saiu uma vez para uma última tentativa, o preme acusação su¬ irrompeu: Ele se fez um rei; você não é o amigo de César. E então veio a demnation con¬.

Vemos, então, que a flagelação precedeu a sentença de morte e até mesmo aaa parteparteparte maismaismais importanteimportanteimportante dododo “Actio”“Actio”“Actio” dododo ensaio;ensaio;ensaio; umumum julgamentojulgamentojulgamento digno,digno,digno, maismaismais comocomocomo um motim de um processo judicial. Ai de mim! O resultado não foi diferente.

333 °.°.°. AAA coroaçãocoroaçãocoroação dedede thorns.-thorns.-thorns.- NósNósNós disseramdisseramdisseram quequeque eraeraera ooo costumecostumecostume dedede submetersubmetersubmeter o condenado a todo o tipo de ery mock¬ e maus-tratos que dependia apenas na ção imagina¬ dos carrascos. No caso de Jesus, a desculpa era à mão: Ele foi acusado de ter se fez o rei dos judeus, e esta contagem da acusação implicaria Sua condenação à morte. Podemos estar certos de que este real

judaicojudaico títulotítulo teriateria parecidoparecido aa essesesses legionárioslegionários dodo ImpérioImpério parapara serser umum grandegrande pedaço de bufonaria, que eles iriam ao mesmo tempo ter a idéia de se transformar em um baile de máscaras cruel. Daí a coroação de espinhos, usando um velho chlamys como o manto de púrpura e uma cana de servir como um cetro.

PhiloPhilo nosnos dádá outrooutro exemploexemplo destedeste profundoprofundo desprezodesprezo dosdos romanosromanos parapara judaicjudaic realezarealezarealezarealeza (((( DentroDentroDentroDentro Flaccum):Flaccum):Flaccum):Flaccum): AlgunsAlgunsAlgunsAlguns anosanosanosanos apósapósapósapós aaaa mortemortemortemorte dededede Jesus,Jesus,Jesus,Jesus, quandoquandoquandoquando oooo judaicojudaicojudaicojudaico rei Agripa estava passando por Alexandria, a população pegou um pobre

Crucificação e Arqueologia

55

idiot, coroado lo com a parte inferior de um cesto como uma coroa, envolveu-se em uma esteira, colocada uma palheta na mão, e lhe forneceu um guarda simulada, cercando-o com distinção derisive. Toda esta mascarada improvisadoimprovisadoimprovisado foifoifoi concebidoconcebidoconcebido comocomocomo umumum insultoinsultoinsulto aaa AgripaAgripaAgripa dedede judaicojudaicojudaico realeza.realeza.realeza.

VamosVamos voltarvoltar aosaos detalhesdetalhes dada coroaçãocoroação dede JesusJesus

quando chegamos a estudar as feridas que resultaram dele.

444 °.°.°. AAA cargacargacarga dododo NósNósNós cross.-cross.-cross.- devedevedeve antesantesantes dedede tudotudotudo admitir,admitir,admitir, ememem companhiacompanhiacompanhia dododo Pai Lagrange e Pai Huby, que Jesus, depois de ter sido condenado por um romanoromanoromanoromano àààà mortemortemortemorte dededede cruz,cruz,cruz,cruz, ““““ maismaismaismais romano,romano,romano,romano, ”De”De”De”De acordoacordoacordoacordo comcomcomcom oooo costumecostumecostumecostume romanoromanoromanoromano sósósó levaramlevaramlevaram ooo paiibulumpaiibulumpaiibulum eee nãonãonão todatodatoda aaa cruzcruzcruz comocomocomo representadorepresentadorepresentado pelapelapela maioriamaioriamaioria dosdosdos artistas.artistas.artistas. VimosVimosVimos quequeque ooo pressionpressionpression ex¬ex¬ex¬ "para"para"para carregarcarregarcarregar aaa própriaprópriaprópria cruzcruzcruz “,“,“, quequeque sósósó sesese encontra em textos gregos, ou aqueles que foram traduzidos do grego para o latim,latim,latim, ééé ooo sinônimosinônimosinônimo exatoexatoexato dadada RomanRomanRoman "para"para"para levarlevarlevar umumum dedede

patibulum.”

FoiFoiFoi istoistoisto patibulumpatibulumpatibulum fixofixofixo comcomcom cordascordascordas nasnasnas duasduasduas out¬out¬out¬ esticouesticouesticou ososos braços,braços,braços, comocomocomo era o costume em Roma? Ou Ele levá-lo equilibrado em um ombro? Como os Evangelhos não nos dizem explicitamente, é, à primeira vista difícil dar uma resposta definitiva a esta.

St.St.St.St.St.St. JoãoJoãoJoãoJoãoJoãoJoão expressão,expressão,expressão,expressão,expressão,expressão, Contudo:Contudo:Contudo:Contudo:Contudo:Contudo: “bastazôn“bastazôn“bastazôn“bastazôn“bastazôn“bastazôn stauronstauronstauronstauronstauronstauron toneladatoneladatoneladatoneladatoneladatonelada AutoAutoAutoAutoAutoAuto

- bajulansbajulansbajulans sibisibisibi crucem-crucem-crucem- carregandocarregandocarregando suasuasua própriaprópriaprópria cruz”(traduçãocruz”(traduçãocruz”(tradução Mgr.Mgr.Mgr. dedede Knox),Knox),Knox), parece sugerir o gesto ativa de tomar a sua cruz pessoalmente.

O episódio com Cireneu que também apontam para a transversal sendo realizados equilibrado sobre o ombro, sem cabos. De acordo com os quatro Evangelistas,Evangelistas, Jesus,Jesus, dede qualquerqualquer maneira,maneira, quandoquando leav¬leav¬ inging oo prastorium,prastorium, estavaestava carregando sua própria cruz (João não menciona Simon). Então os soldados, vendo que desta forma ele não chegaria Calvário, de acordo com os Sinópticos obrigou o Cireneu a levar a viga. Isto parece indicar, embora sem certeza, que ele estava descansando em seu ombro, não ligado por cordas; Quanto a Simon, não havia nenhuma razão válida para a ligação de um homem livre que apenas tinhatinha sidosido chamado.chamado. SóSó LucasLucas acrescentaacrescenta queque eleele estavaestava levando-alevando-a atrásatrás

(Opisthen)(Opisthen)(Opisthen)(Opisthen)(Opisthen) Jesus.Jesus.Jesus.Jesus.Jesus. IstoIstoIstoIstoIsto significariasignificariasignificariasignificariasignificaria quequequequeque JesusJesusJesusJesusJesus estavaestavaestavaestavaestava andandoandandoandandoandandoandando

56 UMAUMA DoutorDoutor nono CalvárioCalvário

nanana frente,frente,frente, lideradolideradoliderado pelospelospelos soldados;soldados;soldados; SimonSimonSimon seguiu,seguiu,seguiu, levandolevandolevando ooo patibulum.patibulum.patibulum. assim,assim,assim,

temostemos viajadoviajado muitomuito longelonge dada iconografiaiconografia maismais usual,usual, comcom JesusJesus carregandocarregando

uma imensa cruz, e Simon segurando o pós atrás dele. Esta é a imaginação puramente artístico; não é sem beleza e conteúdo místico.

VeremosVeremos queque asas marcasmarcas dasdas feridasferidas parapara serser vistovisto nono sudáriosudário eoeo manchamancha

no revestimento de Argenteuil só pode ser explicado pela raspagem do feixe contra a parte traseira que foi irritante (a menos que admitir o porte de toda a cruz,cruz, queque certamentecertamente seriaseria inexata),inexata), nono momentomomento dasdas quedas,quedas, quandoquando JesusJesus

afundaram-lo.

Finalmente,Finalmente,Finalmente, ososos EvangelhosEvangelhosEvangelhos dãodãodão testemunhotestemunhotestemunho dedede quequeque JesusJesusJesus NãoNãoNão foifoifoi sub¬sub¬sub¬ rão sujeitos ao costume romano, segundo o qual o con¬ demned caminhou até aaa execuçãoexecuçãoexecução completamentecompletamentecompletamente nu.nu.nu. "Eles"Eles"Eles tiroutiroutirou ooo mantomantomanto dele,dele,dele, eee colocar-lhecolocar-lhecolocar-lhe asasas suassuassuas vestes, e levaram para crucificá-lo”(Mt XXVII, 31). Isso pode ser facilmente explicado pelo hábito preservada pelos mans Ro¬ de respeitar costumes nativos. Nós encontramos em Josefo (C.

Appionem):Appionem):Appionem):Appionem): “Romani“Romani“Romani“Romani subjectossubjectossubjectossubjectos nãonãonãonão coguntcoguntcoguntcogunt patriapatriapatriapatria jurajurajurajura tran-tran-tran-tran- scendere-scendere-scendere-scendere- AAAA RomRomRomRom

não forçar seus súditos a quebrar as leis do seu país “.

AcresceAcresceAcresce quequeque aaa ligaçãoligaçãoligação dosdosdos braçosbraçosbraços paraparapara ooo lumlumlum patibu¬patibu¬patibu¬ foifoifoi feitofeitofeito especialmente com o objectivo de evitar qualquer reacção violenta pela condenado.condenado. OsOs soldadossoldados devemdevem terter consciênciaconsciência dede queque JesusJesus eraera

perfeitamente inofensivo. Seu único problema era ter certeza que ele chegou Calvário vivo.

50.50.50.50.50. AAAAA Cruz.Cruz.Cruz.Cruz.Cruz. ((((( 1)1)1)1)1) AAAAA alturaalturaalturaalturaaltura dododododo cross.-cross.-cross.-cross.-cross.- PaiPaiPaiPaiPai Holz-Holz-Holz-Holz-Holz- MeisterMeisterMeisterMeisterMeister pensapensapensapensapensa quequequequeque umaumaumaumauma

cruzcruzcruz altaaltaalta ((( Sublimis)Sublimis)Sublimis) foifoifoi usado.usado.usado. EuEuEu aquiaquiaqui ventureventureventure paraparapara discordardiscordardiscordar dele.dele.dele. SeuSeuSeu únicoúnicoúnico argumentoargumento nãonão pareceparece serser inteiramenteinteiramente convincente.convincente. EleEle achaacha que,que, nana verdade,verdade, eleeleele teriateriateria quequeque serserser muitomuitomuito altaaltaalta paraparapara eleeleele terterter sidosidosido necessárionecessárionecessário fixarfixarfixar aaa "esponja"esponja"esponja cheiocheiocheio dede vinagre”(ovinagre”(o vinagrevinagre posca,posca,

que era a bebida normal do soldado romano) no final de uma cana, a fim de

alcançar os lábios do Crucificado.

Vamos começar por eliminar a palavra hissopo, que, mesmo na Palestina, é uma pequenapequena árvoreárvore frágil,frágil, ee deixe-nos,deixe-nos, juntamentejuntamente comcom oo PadrePadre Lagrange,Lagrange, nãonão lêlê “Hussopô”“Hussopô” masmasmas “Hussô”“Hussô”“Hussô” ooo quequeque significasignificasignifica umumum

Crucificação e Arqueologia

57

curtacurta dardodardo (Mateus(Mateus ee MarcosMarcos falamfalam dede umauma cana,cana, “Kalamos,”“Kalamos,” masmas aa curtocurto dardodardo tinhatinha muitomuito queque aa aparência).aparência). esteeste “hus-“hus-

SOS,"

oooo romanoromanoromanoromano ““““ pilum,pilum,pilum,pilum, ”Era”Era”Era”Era trêstrêstrêstrês péspéspéspés dededede comprimento,comprimento,comprimento,comprimento, cercacercacercacerca dededede 90909090 centímetros,centímetros,centímetros,centímetros, incluindoincluindoincluindoincluindo aaaa

parte de metal que foi de cerca de um pé de comprimento. Quando realizada no comprimento do braço este iria segurar a esponja a uma altura de cerca de 2-50 metros.

AchoAchoAchoAcho entãoentãoentãoentão quequequeque oooo cruxcruxcruxcrux humilishumilishumilishumilis foifoifoifoi usado.usado.usado.usado. NãoNãoNãoNão haviahaviahaviahavia nenhumanenhumanenhumanenhuma razãorazãorazãorazão paraparaparapara aaaa criaçãocriaçãocriaçãocriação dededede umumumum especialespecialespecialespecial stipesstipesstipesstipes dededede umumumum tipotipotipotipo superior,superior,superior,superior, apenas,apenas,apenas,apenas, dededede modomodomodomodo aaaa zombarzombarzombarzombar dodododo "Rei"Rei"Rei"Rei

dododo Judeus."Judeus."Judeus." ElesElesEles nãonãonão tiveramtiveramtiveram ooo tempotempotempo paraparapara isso,isso,isso, eee asasas apostasapostasapostas habituaishabituaishabituais estavamestavamestavam sempre prontos no Gólgota, onde a maioria das execuções foram realizadas. Além de Jesus, que havia sido condenado de forma inesperada, eles tiveram que receber sobre aqueleaquele dia,dia, doisdois bandidosbandidos queque tinhamtinham sidosido condenadoscondenados nono cursocurso normalnormal dada justiça.justiça. EstasEstas

execuções foram, assim, perfeitamente normal e de acordo com os regulamentos.

ImaginoImagino queque asas estacasestacas foramforam dede cercacerca dede 66 péspés 88 polegadaspolegadas dede

altura,altura,altura, ooo quequeque permitiriapermitiriapermitiria ooo patibulumpatibulumpatibulum aaa serserser fixadofixadofixado comcomcom bastantebastantebastante facilidade.facilidade.facilidade. OsOsOs péspéspés poderiapoderiapoderia semsemsem dificuldadedificuldadedificuldade serserser pregadopregadopregado paraparapara ooo stipesstipesstipes ((( comcomcom aaa flexãoflexãoflexão dasdasdas coxascoxascoxas eee asasas pernas,pernas,pernas, quequeque vamosvamosvamos calcularcalcularcalcular exatamente),exatamente),exatamente), ememem cercacercacerca dedede 111 pépépé 888 polegadaspolegadas dodo chão.chão. AA bocaboca seria,seria, portanto,portanto, quasequase nenhumanenhuma inferiorinferior aoao patíbulo,patíbulo, apósapós oo afundamentoafundamento dodo corpo,corpo, ee seria,seria, portanto,portanto, aa umauma alturaaltura dede cercacerca dede 6V26V2 pés.pés.pés. Seria,Seria,Seria, portanto,portanto,portanto, maismaismais venientevenienteveniente con¬con¬con¬ paraparapara segurarsegurarsegurar aaa esponjaesponjaesponja ememem umumum pilum,pilum,pilum, paraparapara obtê-lo para que a altura, em vez de fazer o esforço de segurá-lo na mão.

Outro fato deve ser levado em consideração, que não é mencionado pelo Pe Holzmeister, o golpe com a lança. É certo, anatomicamente falando, que o golpe foi dado obliquamente, mas não muito longe da horizontal. De acordo com minha hipótese de 6 pés 8 polegadas, a ferida foi cerca de 5 pés do chão. Um pé-soldado teria, assim, encontrá-lo fácil dar este golpe, simplesmente levantando o braço. Isso seria impossível, se os cruz foram maiores. Agora, é certo que os soldados eram legionários e, portanto, soldados de infantaria. Eles eram comandados por um centurião, que teria sido um oficial de infantaria, e também não teria sido montado. Apenas um cavaleiro teria sido capaz de dar o golpe com o

58 Um doutor no Calvário

Lance tinha a crucificação foi a um nível superior. É claro que isso vai desmontar muitas das cavalgadas finas que alguns dos nossos pintores retratados de forma tão impressionante, mas parece-me ser muito mais em conformidade com a verdade histórica.

Atrevo-me a chamar o texto da Eusébio, que foi citado pelo próprio Pai Holzmeister,Holzmeister,Holzmeister, nonono inícioinícioinício dedede suasuasua Work-Work-Work- St.St.St. BlandinaBlandinaBlandina "estava"estava"estava expostoexpostoexposto (na(na(na cruz)cruz)cruz) para ser o alimento de animais selvagens “O cruzamento rasteiro comum deve, então,então,então, têmtêmtêm sidosidosido utilizados,utilizados,utilizados, quequeque dasdasdas arenas.:arenas.:arenas.: "E"E"E serserser penduradopenduradopendurado nanana cruz,cruz,cruz, elaelaela deudeudeu uma semelhança a Ele que por eles (os mártires) próprio tinha sido crucificado.”Será que ex¬ semelhança de estanho tendem às dimensões da cruz? Eu não desejo para ler muito para o texto, mas parece sugerir isso.

Finalmente, tentativas foram feitas em favor de uma cruz alta, para fazer capitalcapitalcapital dododo verboverboverbo "hupsouslhei-elevari-"hupsouslhei-elevari-"hupsouslhei-elevari- sejasejaseja levantado“,levantado“,levantado“, quequeque encontramosencontramosencontramos JesusJesusJesus aplicaaplicaaplica

aaa sisisi mesmomesmomesmo trêstrêstrês vezesvezesvezes ememem St.St.St. JoãoJoãoJoão Evangelho,Evangelho,Evangelho, aludindoaludindoaludindo ààà crucificação.crucificação.crucificação. NaNaNa

terceiraterceiraterceira vez,vez,vez, porporpor exemplo,exemplo,exemplo, EleEleEle diz:diz:diz: "E"E"E Eu,Eu,Eu, quandoquandoquando forforfor levantadolevantadolevantado dadada terra,terra,terra, atrairei todos os homens a mim”2 (Jo. XII, 32). É bastante óbvio que uma cruz dasdas dimensõesdimensões queque temostemos emem vistavista seriaseria totalmentetotalmente emem conformidadeconformidade comcom oo significansignifican deste verbo.

(2)(2)(2)(2) AAAA formaformaformaforma dodododo cross.-cross.-cross.-cross.- FoiFoiFoiFoi aaaa cruzcruzcruzcruz dededede JesusJesusJesusJesus nananana formaformaformaforma dededede umumumum TTTT ouououou umumumum f?f?f?f?

Pai Holzmeister poderia parecem sustentar que os Padres da Igreja optou por umauma t,t, masmas eleele sósó deduzdeduz estaesta opiniãoopinião dede certascertas comparaçõescomparações queque eleseles fazemfazem

comcomcom aaa cruz;cruz;cruz; porporpor exemploexemploexemplo JacobJacobJacob bênçãobênçãobênção EfraimEfraimEfraim eee ManassésManassésManassés comcomcom

estendidaestendidaestendida visa.visa.visa. UmUmUm textotextotexto ééé apenasapenasapenas umumum lit¬lit¬lit¬ tletletle maismaismais preciso,preciso,preciso, aaa dedede SantoSantoSanto Irineu,Irineu,Irineu, quequequequeque contacontacontacontaconta cincocincocincocincocinco tremitiestremitiestremitiestremitiestremities ex¬ex¬ex¬ex¬ex¬ ((((( cornos)cornos)cornos)cornos)cornos) nanananana transversal,transversal,transversal,transversal,transversal, incluindoincluindoincluindoincluindoincluindo ooooo sedile.sedile.sedile.sedile.sedile. TodasTodasTodasTodasTodas

as coisas consideradas, não encontramos nenhuma afirmação definitiva deste em patrologia. Por outro lado, Dom Leclerc cita três textos de Pseudo-Barnabé, Orígenes e Tertuliano, que un¬ doubtedly têm a forma T em mente. Tertuliano lembra a passagem em Ezequiel, na qual o Senhor ordena a este último a

222 Mgr.Mgr.Mgr. KnoxKnoxKnox traduztraduztraduz esteesteeste verso:verso:verso: --- "Sim,"Sim, sese eueu forfor levantadolevantado dada terra,terra, II vaivai atrairatrair todostodos aa mim.”mim.”

Crucificação e Arqueologia

59

marcarmarcarmarcarmarcarmarcar asasasasas testastestastestastestastestas dosdosdosdosdos homenshomenshomenshomenshomens dedededede JerusalémJerusalémJerusalémJerusalémJerusalém comcomcomcomcom umumumumum RaboRaboRaboRaboRabo ((((( ooooo nomenomenomenomenome dododododo grego T), acrescentando que era uma previsão do sinal da cruz, que os cristãos traçar nas suas testas.

"Os"Os"Os Evangelhos",Evangelhos",Evangelhos", escreveescreveescreve PaiPaiPai Holzmeister,Holzmeister,Holzmeister, "dar"dar"dar nenhumanenhumanenhuma çãoçãoção indica¬indica¬indica¬ quantoquantoquantoquanto àààà formaformaformaforma dadadada cruz.cruz.cruz.cruz. oooo titulustitulustitulustitulus quequequeque era,era,era,era, comocomocomocomo dizdizdizdiz SãoSãoSãoSão Mateus,Mateus,Mateus,Mateus, '''' EpanoEpanoEpanoEpano TESTESTESTES

kephalèskephalèskephalèskephalès autou-autou-autou-autou- acimaacimaacimaacima dededede suasuasuasua cabeça,'cabeça,'cabeça,'cabeça,' nãonãonãonão provaprovaprovaprova quequequeque oooo stipesstipesstipesstipes foifoifoifoi maiormaiormaiormaior dodododo quequequeque

o

patihulum.patihulum. ””

NaNaNaNaNa verdade,verdade,verdade,verdade,verdade, issoissoissoissoisso levantalevantalevantalevantalevanta nenhumanenhumanenhumanenhumanenhuma dificuldade.dificuldade.dificuldade.dificuldade.dificuldade. ooooo titulustitulustitulustitulustitulus Fixou-seFixou-seFixou-seFixou-seFixou-se ooooo patihulumpatihulumpatihulumpatihulumpatihulum dododododo T por um pedaço de madeira e por quatro pregos, como I foram capazes de demonstrardemonstrar emem umum númeronúmero dede correcçõescorrecções dede cruci¬;cruci¬; PoderiaPoderia atéaté invadiraminvadiram umum poucopoucopouco sobresobresobre aaa parteparteparte dadada frentefrentefrente dododo patihulumpatihulumpatihulum eee têmtêmtêm sidosidosido pregadopregadopregado diretamentediretamentediretamente aaa ele.ele.ele. Ambos os métodos podem ser encontrados na obra de vários pintores, especialmente Roger van der Weyden.

PodePodePode muitomuitomuito bembembem serserser quequeque aaa projecçãoprojecçãoprojecção dododo titulustitulustitulus acimaacimaacima dedede patihulumpatihulum eraera aa fontefonte aa partirpartir dada qualqual aa formaforma dodo gregogrego ee cruzescruzes LatinaLatina foifoi derivado. (Esses dois adjetivos não têm nenhum significado geográfica neste contexto.)contexto.)contexto.) OsOsOs verdadeirosverdadeirosverdadeiros classi¬classi¬classi¬ calcalcal cruzcruzcruz gregagregagrega tem,tem,tem, acimaacimaacima dododo patihulumpatihulumpatihulum eee atravessaratravessaratravessaratravessar oooo meiomeiomeiomeio dadadada stipes,stipes,stipes,stipes, umaumaumauma segundasegundasegundasegunda barrabarrabarrabarra oblíqua,oblíqua,oblíqua,oblíqua, quequequeque representarepresentarepresentarepresenta oooo titulus.titulus.titulus.titulus. OO chifrechifre superiorsuperior dodo SantoSanto Irineu,Irineu, então,então, seriaseria oo titulus.titulus.

Também deve ser lembrado que, quando os primeiros crucifixos apareceu (e eles ainda estavam muito raro), no final do século V. (um de marfim no Museu Britânico), século VI (a porta de St. Sabina, o Livro Evangelho de Rabula), quase dois séculos se passaram por uma vez crucificação foi abolida porporpor ConstantinoConstantinoConstantino (315(315(315 DEDEDE ANÚNCIOS,ANÚNCIOS,ANÚNCIOS, ou,ou,ou, ooo maismaismais tardartardartardar 330),330),330), eee nenhumnenhumnenhum dosdosdos artistas tinha visto um ser crucificado. St. Augustine, na aurora do século V., declara que ninguém tinha sido crucificado em Roma por um longo tempo. O formulário, em seguida, foi escolhido por artistas, por razões estéticas, uncon¬ ACOPLADOACOPLADOACOPLADO comcomcom aaa realidade;realidade;realidade; eraeraera maismaismais fácilfácilfácil colocarcolocarcolocar ooo titulustitulustitulus ondeondeonde seriaseriaseria

claramenteclaramenteclaramente visto,visto,visto, acimaacimaacima dadada cabeçacabeçacabeça dododo Jesus.Jesus.Jesus. AsAsAs duasduasduas formasformasformas serãoserãoserão

sempresempre retratadaretratada emem todostodos osos tempos,tempos, dede acordoacordo comcom aa escolhaescolha dodo artista.artista.

Do Vlth para Xllth século as produções do

6o

Um doutor no Calvário

MédioMédioMédio foramforamforam ooo maismaismais importante.importante.importante. EstesEstesEstes incluemincluemincluem muitosmuitosmuitos pequenospequenospequenos objetos,objetos,objetos, comocomocomo ampulampulampul ((( Bobbio,Bobbio,Bobbio, Monza),Monza),Monza), eee ososos censores,censores,censores, eee muitasmuitasmuitas vezesvezesvezes sãosãosão marcadasmarcadasmarcadas comcomcom umumum t.t.t.

Esta é também a ser encontrado em afrescos, como em Santa Maria Antiqua, ou no (século VUIth) Forum. No entanto, as grandes composições que são encontrados em umauma amplaampla escalaescala dodo séculoséculo XlthXlth emem diante,diante, muitasmuitas vezesvezes têmtêm emem sisi umauma T.T. NósNós encontramos isso na igreja de St. Luke em Fócida, em Daphni, em Aquilea, e em SantaSantaSanta MariaMariaMaria ininin Vescovio.Vescovio.Vescovio. EuEuEu colococolococoloco ooo zantinezantinezantine By¬By¬By¬ crucifixoscrucifixoscrucifixos ememem umumum grupogrupogrupo separado,separado,separado, ocupando,ocupando, assim,assim, umum espaçoespaço pequenopequeno emem nono meiomeio dede umauma grandegrande estruturaestrutura cruciforme, dos quais as extremidades e as laterais alargar para fora em um ber num¬ de pequenas imagens subordinadas; tal é o crucifixo na igreja de São Damião, em Assis.

QuandoQuando aa artearte dada pinturapintura foifoi revividorevivido nana ItáliaItália nono XllthXllth ee XHIthXHIth séculos,séculos,

osos primitivosprimitivos geralmentegeralmente têmtêm umauma t,t, comocomo porpor exemplo,exemplo, emem trabalhotrabalho dede matrizmatriz dede Duccio e Cimabue. Mas nos séculos XIV e XV, o T começa a aparecer novamente na obra de Pietro Lorenzetti, na igreja inferior em Assis; Giotto, na arena em Pádua; Fra Angelico, em San Marco, em Florença. Todos os três

fixarfixarfixarfixar oooo titulustitulustitulustitulus emememem umaumaumauma hastehastehastehaste estreitaestreitaestreitaestreita dededede madeiramadeiramadeiramadeira sobresobresobresobre oooo patibulum.patibulum.patibulum.patibulum.

NaNaNa França,França,França, ososos escultoresescultoresescultores góticosgóticosgóticos estãoestãoestão maismaismais inclinadosinclinadosinclinados aaa usarusarusar aaa t.t.t. MasMasMas

o T é definitivamente dominante no século XV em todas as escolas de pintura,

se eles pertencem a Provence, Borgonha, Paris ou do Norte; Brea, Bellechose

e Fou- quet geralmente empregá-lo. No país Walloon o grande Roger van der

Weyden não pinta nada. Albrecht Durer também prefere o T. O mesmo é verdadeiro de Hieronymus Bosch na Holanda e Memling na Flandres. No século XVI alguns artistas permanecer fiel à T, tais como Quentin Metsys. Mas, na XVII, a cruz latina detém o campo em cada país; geralmente é muito alta, em meio a produções imponentes e altissonante, que se tornam mais e mais removido da piedade e da verdade. Uma ainda encontra um ocasional T, no entanto,entanto,entanto, ememem ooo trabalhotrabalhotrabalho dedede LebrunLebrunLebrun (pelo(pelo(pelo pneupneupneu Louvre)Louvre)Louvre) eee ememem Rembrandt.Rembrandt.Rembrandt. NossosNossosNossos artistas modernos são facilmente retornar a ele. Mas devemos mais uma vez estudar as origens.

Seria muito interessante saber como os cristãos

Crucificação e Arqueologia

61

dos primeiros séculos representado a cruz. Este foi unfortu¬ lizmente tal objeto de horror e infâmia em todo o mundo homem Ro¬, que ninguém se atrevia a mostrar que, mesmo para os olhos dos fiéis. A catequese apostólica estava acima de todas as coisas a pregação triunfante da Ressurreição. Os primeiros crucifixos (VTH e Vlth séculos) será imagens triunfais do Cristo vivo, colocadoscolocadoscolocados ememem frentefrentefrente dedede aaa Cruz.Cruz.Cruz. NãoNãoNão foifoifoi atéatéaté aaa IdadeIdadeIdade MédiaMédiaMédia quequeque asasas imagensimagensimagens eoeoeo culto da Paixão desenvolvido, a idéia mística da Compaixão Divina.

Uma coisa, no entanto, encontrar representações muito raros do crucifixo gravadogravadogravado ememem gemasgemasgemas dosdosdos primeirosprimeirosprimeiros séculos.séculos.séculos. NumaNumaNuma delasdelasdelas JesusJesusJesus estáestáestá segurandosegurandosegurando os seus braços na forma de uma cruz, mas o último é invisível. Em outros dois a cruz parece ser um

T.T. EmEm umauma corneliancornelian emem oo MuseuMuseu Britânico,Britânico, oo CristoCristo éé inging stand¬,stand¬, comcom osos braçosbraços estendidos;estendidos; háhá umauma barrabarra transversaltransversal parapara trástrás Ele,Ele, acimaacima dosdos ombrosombros ee suassuas mãos.mãos. EleEle temtem aa aparênciaaparência dede umum homemhomem condenadocondenado carregandocarregando suasua patibulupatibulu nono estiloestilo romano,romano, aoao invésinvés dede umum queque jájá foifoi crucificado.crucificado. Finalmente,Finalmente, háhá oo famosofamosofamoso graffitograffitograffito dododo Palatine,Palatine,Palatine, umumum desenhodesenhodesenho satíricosatíricosatírico grosseiros,grosseiros,grosseiros, ooo quequeque representarepresentarepresenta um Christian adorando um crucificado sendo com a cabeça de um burro (este era uma calúnia comum entre os pagãos), e shews uma cruz em forma de um T, desenhada com linhas claras.

A cruz é extremamente raro nas catacumbas. Cerca de vinte foram mencionados e escavações recentes têm pouco adicionado a esse número. Eles sãosão cruzescruzes simples,simples, habilmentehabilmente ex¬ex¬ pressionadopressionado comcom linhaslinhas semelhantessemelhantes àsàs nasnas

letras das inscrições bouring neigh¬. Quase sempre, e constantemente

nosnosnos doisdoisdois primeirosprimeirosprimeiros séculos,séculos,séculos, aaa cruzcruzcruz ééé simbolizadasimbolizadasimbolizada porporpor imagensimagensimagens quequeque seriamseriamseriam menosmenosmenos fácil para aqueles que não foram iniciados para entender.

AAA principalprincipalprincipal delas,delas,delas, talvez,talvez,talvez, ééé aaa âncora,âncora,âncora, ooo símbolosímbolosímbolo dadada esperança;esperança;esperança; paraparapara JesusJesusJesus ééé a nossa maior esperança. Esta âncora é frequentemente presos ou cobertos por umumum peixe.peixe.peixe. ComoComoComo todostodostodos sabem,sabem,sabem, aaa palavrapalavrapalavra gregagregagrega paraparapara ooo últimoúltimoúltimo ééé “Ichlhus”“Ichlhus”“Ichlhus” asasas letrasletrasletras quequeque sãosãosão asasas iniciaisiniciaisiniciais dasdasdas palavraspalavraspalavras gregasgregasgregas quequeque significamsignificamsignificam “Jesiis“Jesiis“Jesiis Cristo,Cristo,Cristo, ooo Filho de Deus, o Salvador.”O peixe estendido sobre a âncora, e às vezes em um tridente, é, portanto, a imagem perfeita do crucifixo. A âncora está em forma de uma cruz, sob a forma de um

62

Um doutor no Calvário

T. No entanto, mas mais tarde e raramente, o ramo retilínea da âncora

temtemtem umaumauma barrabarrabarra transversaltransversaltransversal passandopassandopassando porporpor ele,ele,ele, quequeque sublinhasublinhasublinha ooo seuseuseu aspectoaspectoaspecto crucial,crucial,crucial, ee éé talveztalvez aa figurafigura dodo patibulum.patibulum.

OOO cruzamentocruzamentocruzamento podepodepode serserser encontradaencontradaencontrada sobsobsob aaa duasduasduas formasformasformas dedede TTT eee t.t.t. ooo

tt estáestá sempresempre aoao ladolado dodo nomenome dede algumaalguma pessoapessoa morta.morta. AA TT éé também,também, porpor vezes de ser encontrado na mesma posição; mas mais frequentemente ele está em um lugar muito especial, no meio de um nome, geralmente da mesma amplitude que as outras letras, mas indo além delas em cada extremidade. Por exemplo,exemplo,exemplo, nanana catacumbacatacumbacatacumba dedede SãoSãoSão PedroPedroPedro eee Marcelino,Marcelino,Marcelino, duesduesdues anúnciosanúnciosanúncios lauros,lauros,lauros, encontraencontraencontra AlONTYCIOYAlONTYCIOYAlONTYCIOY (Dionusiou).(Dionusiou).(Dionusiou). umaumauma curiosacuriosacuriosa encontraencontraencontra aaa mesmamesmamesma arranjoarranjoarranjo comcomcom umaumauma barra acima dela, M, que todos os ologists archas- acreditar que é uma abreviatura para a mártir: assim VERICMVNDVS (Vericundus). Essas inscrições com a T são antigos, pertencentes ao século Ilnd ou Illrd. Eu não encontrei qualquer explicação destes entre os GIST archaeolo¬. Será que eles também ser a marca do martírio, como as pequenas cruzes que têm em suas mãos no ar livre em Santa Maria Antiqua? Poderia até mesmo ser a marca de um mártir fied cruci¬?

ComoComoComo vimos,vimos,vimos, asasas informaçõesinformaçõesinformações sobresobresobre aaa cruzcruzcruz dedede JesusJesusJesus ééé escasso e indefinido. Mas não vejo qualquer razão para acreditar que uma cruz especial foi feito para ele. A cruz que estava esperando por ele era apenas um daqueles no Gólgota. Teria então sido não só uma cruz de estatura média, mas também uma cruz em forma de T, que, de acordo com a opinião de arqueólogos, era a forma normal de cruzes romanas.

666 °.°.°. AsAsAs unhas.-unhas.-unhas.- AsAsAs duasduasduas mãosmãosmãos eee ososos doisdoisdois péspéspés dedede JesusJesusJesus foramforamforam pregadospregadospregados nanana cruz.cruz.cruz. NãoNãoNão eraeraera apenasapenasapenas ooo cumprimentocumprimentocumprimento dadada profeciaprofeciaprofecia dedede David:David:David: -'-'-' “Foderunt“Foderunt“Foderunt manusmanusmanus

meas et pedes meos-

Traspassaram-me as mãos e os pés”(Sl. XXI), mas também foi afirmada pelo próprio Salvador, que disse a dez dos apóstolos quando eles estavam reunidos emememem oooo Cenáculo,Cenáculo,Cenáculo,Cenáculo, nononono momentomomentomomentomomento dadadada suasuasuasua aparição:aparição:aparição:aparição: -'-'-'-' “Videte“Videte“Videte“Videte manusmanusmanusmanus measmeasmeasmeas etetetet pedespedes meos,meos, sum-sum- quiaquia egoego VedeVede asas minhasminhas mãosmãos ee osos meusmeus pés,pés, queque sousou eu mesmo'(Lc. XXIV, 39). Dois ou três textos patrísticos, guincho só falam de pregospregos nasnas mãos,mãos, nãonão digadiga contracontra essaessa firmaçãofirmação af¬af¬ nosnos Evangelhos.Evangelhos.

Crucificação e Arqueologia

63

Havia três ou quatro: o único problema a ser resolvido é quanto ao número dessas unhas? Em outras palavras, foram os dois pés pregados separadamente ou um sobre o outro?outro? RomanRoman ologyology archae¬archae¬ pareceparece serser absolutamenteabsolutamente silenciososilencioso sobresobre estaesta ponto.ponto. escritores cal Ecclesiasti¬ compartilhar as duas opiniões, mas, infelizmente, eles não são capazes, em ambos os lados, para produzir quaisquer razões a favor deles.

São Cipriano, St. Ambrose, e Gregório de Tours falam de quatro pregos. PorPorPor outrooutrooutro ladoladolado Nonius,Nonius,Nonius, nonono séculoséculoséculo IV,IV,IV, falafalafala dosdosdos péspéspés cruzadoscruzadoscruzados umumum antesantesantes dododo outro:outro:outro: “““ PcdiPcdiPcdi

pcrcomplicatispcrcomplicatispcrcomplicatispcrcomplicatis positispositispositispositis mutuo.”mutuo.”mutuo.”mutuo.” SãoSãoSãoSão GregórioGregórioGregórioGregório dededede NazianzoNazianzoNazianzoNazianzo escreve:escreve:escreve:escreve: “Triclavi“Triclavi“Triclavi“Triclavi rcpositurcpositurcpositurcpositu

ligno-ligno-ligno-ligno- ColocadoColocadoColocadoColocado sobresobresobresobre aaaa madeiramadeiramadeiramadeira comcomcomcom trêstrêstrêstrês pregospregospregospregos “,“,“,“, eeee SãoSãoSãoSão Boaventura:Boaventura:Boaventura:Boaventura: “Illi“Illi“Illi“Illi TRCsTRCsTRCsTRCs

claviclaviclaviclavi sustinentsustinentsustinentsustinent totiustotiustotiustotius corporiscorporiscorporiscorporis pondus-pondus-pondus-pondus- EstesEstesEstesEstes trêstrêstrêstrês Apoio,Apoio,Apoio,Apoio, suportesuportesuportesuporte todotodotodotodo oooo pesopesopesopeso dodododo

corpo.”Podemoscorpo.”Podemos notarnotar queque SãoSão BoaventuraBoaventura pareceparece implicarimplicar queque nãonão haviahavia sedile.sedile. SantaSanta Brígida,Brígida, emem suassuas revelações,revelações, ee Mgr.Mgr. Paleotto,Paleotto, queque eraera arcebispoarcebispo dede BolonhaBolonhaBolonha nanana XVIXVIXVI século',século',século', tornartornartornar asasas coisascoisascoisas maismaismais complicadas,complicadas,complicadas, dizendodizendodizendo ososos péspéspés estavamestavam cruzados,cruzados, masmas queque umum pregoprego atravessouatravessou cadacada pé.pé. IstoIsto éé oo métodométodo descrito por Giotto na arena; Mas isso é

veiyveiy complicado.complicado. VeremosVeremos queque aa soluçãosolução anatómicaanatómica éé muitomuito maismais simplessimples ee repousa sobre uma base mais firme.

questões estéticas podem estar envolvidos, desde a tradição oral não é, como seria de esperar, por unanimidade, sobre este ponto. É, portanto, de interesse para estudar a evolução do crucifixo sobre esse ponto cular par¬. Um estudo de longo poderia ser escritoescritoescrito sobresobresobre isso,isso,isso, masmasmas propomospropomospropomos aaa fazerfazerfazer umumum brevebrevebreve resumoresumoresumo grossogrossogrosso modomodomodo dododo seguinteseguinteseguinte modo:modo: --

Os primeiros crucifixos não representam aquele que está sendo condenado à morte. Nosso Senhor está de pé, em uma atitude majestosa, na frente da cruz, contra o qual Ele estende os braços horizon¬ contagem. As mãos exibir a cabeça de um prego, mas os pés não são pregadas (a porta de St. Sabina). No crucifixo dedede marfimmarfimmarfim nonono MuseuMuseuMuseu Britânico,Britânico,Britânico, JesusJesusJesus ééé levantadolevantadolevantado sobresobresobre aaa cruz,cruz,cruz, comcomcom ososos braçosbraçosbraços estendidos e as mãos pregadas, mas os pés estão pendurados na vertical e não são pregadas. O arranjo é o mesmo no Livro Evangelho de Rabula, mas as pernas são pregado na

stipes,stipes, umum poucopouco acimaacima dosdos tornozelos,tornozelos, ee separadamente,separadamente, osos péspés estãoestão penduradaspenduradas livremente,livremente, obliquamente.

64 Um doutor no Calvário

EstaEstaEsta postura,postura,postura, maismaismais tarde,tarde,tarde, levoulevoulevou ososos artistasartistasartistas aaa imaginarimaginarimaginar ooo suppe¬suppe¬suppe¬ daneum,daneum,daneum, quequeque eles primeiro colocado em uma posição horizontal be¬ Sob o pé, este último sendo emem pregadopregado aa ele,ele, dede ladolado aa lado;lado; vamosvamos encontrá-loencontrá-lo assimassim emem aa IgrejaIgreja dede SãoSão Lucas,Lucas, emem Fócida.Fócida. MasMas estesestes péspés horizontaishorizontais nãonão erameram estética,estética, eoeo suppedaneumsuppedaneum rap¬ braços cruzados assumiu a forma de um suporte de oblíquos, que pre¬ servido quase até aos nossos dias; os pés retomado assim uma posição oblíqua e muito mais natural. Em primeiro lugar, encontrar isso nos bizantinos, em Daphni, Aquilea e em outros lugares, e, em seguida, entre os pintores e escultores da Idade Média. Isso não impede que a nossa freqüência encontrar os pés pregados

planaplanaplanaplana contracontracontracontra oooo stipes,stipes,stipes,stipes, especialmenteespecialmenteespecialmenteespecialmente nananana FrançaFrançaFrançaFrança durantedurantedurantedurante aaaa XIVXIVXIVXIV eeee XVXVXVXV séculos.séculos.séculos.séculos.

ooo oblíquooblíquooblíquo suppedaneumsuppedaneumsuppedaneum tambémtambémtambém provocaprovocaprovoca umaumauma outraoutraoutra formaçãoformaçãoformação trans¬,trans¬,trans¬, aaa passagem dos pés. A princípio, os membros inferiores são retratados como vertical,vertical, masmas depoisdepois encontramosencontramos umauma ligeiraligeira flexãoflexão aoao nívelnível dosdos joelhos,joelhos, emem aa fim de levantar os pés numa direcção vertical e a unha-las lado a lado no suporte.suporte. MasMas logologo osos joelhosjoelhos sese tornoutornou maismais curvadacurvada devidodevido àà curvaturacurvatura dodo corpo, e os pés foram cruzados um diante do outro no suporte. Isso já foi feito tãotãotão cedocedocedo quantoquantoquanto 1270,1270,1270, eee podepodepode serserser vistovistovisto ememem SantaSantaSanta MariaMariaMaria ininin Vescovio.Vescovio.Vescovio. EstaEstaEsta tendência não parece ter sido em tudo difundida na Itália antes da tury XV cen¬', mas já se encontrava na França em esculturas do século Xllth. Depois disso, ainda de vez em quando encontrar dois pés lado a lado pregados com dois pregos, mas torna-se cada vez mais a regra para cruzar os pés. Quase sempre, como veremos (cap. VI), o pé esquerdo está por trás da direita, o que é contrário ao que se vê no sudário.

De tudo isto, é claro que a escolha entre os artistas de três ou quatro pregos repousa sobre preocupações puramente estéticas, e que sua preocupação com a forma levou-os constantemente de volta à verdade histórica. Eles só terão de acabaracabaracabar comcomcom seuseuseu imaginárioimaginárioimaginário suppedaneum,suppedaneum,suppedaneum, eee eleseleseles vãovãovão estarestarestar dedede acordoacordoacordo comcomcom eleeleele com¬ pletamente, como seus antecessores do século XVI.

70.70.70. NossoNossoNosso SenhorSenhorSenhor estavaestavaestava nuanuanua nanana atravessaratravessaratravessar -?-?-? AAA princípio,princípio,princípio, parecepareceparece claroclaroclaro que,que,que, antesantesantes crucificando eles removeram Suas roupas, já que os soldados compartilhada eles e tiraram a sorte para Sua pelagem (Jo.

Crucificação e Archxology

65

XIX, 23). Resta saber se Ele foi autorizado um pano de linho em volta dos lombos. Segundo o Pe Holzmeister, os Padres são unânimes em afirmar esta nudez.nudez. MasMas pareceparece queque eleseles costumamcostumam basearbasear esteeste opiniãoopinião emem razõesrazões dede simbolismo extraídos do Antigo Testamento (como, por exemplo, que Adão estavaestavaestava nununu quandoquandoquando pecou,pecou,pecou, ​​e​​e​​e quequeque JesusJesusJesus estavaestavaestava nu,nu,nu, aaa fimfimfim dedede nosnosnos redimir),redimir),redimir), eee eleseleseles estãoestãoestão contentescontentescontentes paraparapara sesese referirreferirreferir aoaoao "Romano"Romano"Romano personalizadopersonalizadopersonalizado “,“,“, semsemsem quequeque hajahajahaja qualquerqualquerqualquer tradiçãotradiçãotradição especialespecialespecial calcalcal histori¬histori¬histori¬ ememem relaçãorelaçãorelação aaa Jesus.Jesus.Jesus. Contrapondo-seContrapondo-seContrapondo-se aaa estaestaesta opiniãoopiniãoopinião ééé umaumauma passagempassagempassagem apócrifaapócrifaapócrifa nanana AtosAtosAtos dedede Pilatos,Pilatos,Pilatos, segundosegundosegundo aaa qual,qual,qual, após a remoção de roupas de Nosso Senhor, eles colocaram nele um

“Lention”“Lention” umauma palavrapalavra gregagrega queque significasignifica umum panopano dede linho.linho.

Foi especialmente objetou que seria surpreendente se os romanos, que tinha colocado a roupa de Nosso Senhor sobre ele mais uma vez para o transporte da cruz, ao contrário do seus próprios costumes, mas, sem dúvida, como uma concessãoconcessão àà idéiasidéias judaicasjudaicas dede decênciadecência ee aosaos seusseus costumescostumes nacionais,nacionais, nãonão teria deixado ele, quando na cruz, esta última peça de roupa.

ooo judaicojudaicojudaico personalizado,personalizado,personalizado, escreveescreveescreve PadrePadrePadre Lagrange,Lagrange,Lagrange, foifoifoi baixosbaixosbaixos comocomocomo fol¬:fol¬:fol¬:

"Quando eles estavam a uma distância de comprimento de um braço poucos, o condenado foi despido e, se ele era um homem, ele estava coberto de frente: se umaumaumaumauma mulher,mulher,mulher,mulher,mulher, elaelaelaelaela estavaestavaestavaestavaestava cobertacobertacobertacobertacoberta tantotantotantotantotanto nanananana frentefrentefrentefrentefrente eeeee atrás”(atrás”(atrás”(atrás”(atrás”( ememememem MarcMarcMarcMarcMarc eeeee Afundou.,Afundou.,Afundou.,Afundou.,Afundou., VI,VI,VI,VI,VI, 14).14). TodaToda aa questão,questão, nono entanto,entanto, continuacontinua aa serser afectadaafectada porpor "Romano"Romano

personalizado.”Será que os romanos crucificam o nu condenado? Ac¬ cordões dedede DomDomDom Leclerc,Leclerc,Leclerc, ArtemidorusArtemidorusArtemidorus ((( Onirocriticon)Onirocriticon)Onirocriticon) diz:diz:diz:

“Gumnoi“Gumnoi“Gumnoi“Gumnoi staurauntoistaurauntoistaurauntoistaurauntoi gar.”gar.”gar.”gar.” MasMasMasMas oooo quequequeque sesesese entendeentendeentendeentende porporporpor estaestaestaesta palavrapalavrapalavrapalavra

“““ gumnos,gumnos,gumnos, ”Naked?”Naked?”Naked? TodosTodosTodos ososos homenshomenshomens dedede idadeidadeidade usavausavausava sobsobsob suassuassuas roupas,roupas,roupas, quaisquerquaisquerquaisquer quequeque fossem,fossem,fossem, quequeque eraeraera conhecidoconhecidoconhecido comocomocomo ooo ligaculumligaculumligaculum sub.sub.sub. EraEraEra comocomocomo umumum par de gavetas, que consiste de uma banda de linho, que estava enrolada em volta dos lombos e as coxas, e foi usado o tempo todo.

SãoSão MarcosMarcos nosnos dizdiz (XIV,(XIV, 51)51) que,que, apósapós aa prisãoprisão dede JesusJesus umum jovemjovem (provavelmente(provavelmente oo próprio),próprio), seguidaseguida dada procissão,procissão, tendotendo apenasapenas suasua sindsind ememem seuseuseu corpocorpocorpo nu.nu.nu. ooo sindon,sindon,sindon, comocomocomo veremos,veremos,veremos, foifoifoi umumum longolongolongo pedaçopedaçopedaço dedede linho,linho,linho, quequeque estava enrolado em volta do corpo sob a túnica, e que seria mantida como uma peça de roupa durante o sono. Mark tinha acabado de ser dormir no

66

Um doutor no Calvário

Jardim das Oliveiras; ele tinha então tirou a túnica, mas seria claramente ter mantidomantidomantidomantidomantido ememememem seuseuseuseuseu sitbligaculumsitbligaculumsitbligaculumsitbligaculumsitbligaculum sobsobsobsobsob suasuasuasuasua sindon.sindon.sindon.sindon.sindon. Agora,Agora,Agora,Agora,Agora, ooooo guardaguardaguardaguardaguarda agarrou,agarrou,agarrou,agarrou,agarrou, masmasmasmasmas ele,ele,ele, deixandodeixandodeixando seuseuseu sindon,sindon,sindon, “fugiu“fugiu“fugiu nu-nu-nu- ephugenephugenephugen gumnos."gumnos."gumnos." MasMasMas seráseráserá quequeque eleeleele não,não,não, nestenesteneste estadoestadoestado dedede nudez,nudez,nudez, terterter sidosidosido

vestindovestindovestindo aaa subligaculumsubligaculumsubligaculum ooo tempotempotempo todo?todo?todo?

Eu vou, se me permite, comparar com este texto uma história semelhante na Fioretti;Fioretti; oo costumecostume eraera oo mesmomesmo nono séculoséculo XHIth.XHIth. St.St. Francis,Francis, dede modomodo aa punirpunir Frei RufRno que havia se recusado, por conta de sua incapacidade, para pregarpregar emem aa cidade,cidade, ordenou-lheordenou-lhe parapara irir aa AssisAssis ee pregarpregar nu.nu. Agora,Agora, oo títulotítulo dodo capítulocapítulocapítulocapítulo XXIXXXIXXXIXXXIX contémcontémcontémcontém asasasas palavraspalavraspalavraspalavras “Ignudo“Ignudo“Ignudo“Ignudo NATONATONATONATO nunununu comocomocomocomo nononono seuseuseuseu nascimento.”Énascimento.”Énascimento.”Énascimento.”É explicadoexplicadoexplicado ememem ooo texto,texto,texto, atravésatravésatravés dadada bocabocaboca dedede SãoSãoSão Francisco,Francisco,Francisco, quequeque issoissoisso significasignificasignifica “Ignudo,“Ignudo,“Ignudo,

de solo di gamha co'panni

- nu,nu, vestindovestindo apenasapenas suassuas gavetas.”Eugavetas.”Eu tete seráserá ditodito queque estaesta eraera umauma outraoutra época.época.época. PorPorPor todostodostodos ososos meios;meios;meios; masmasmas ooo costumecostumecostume eraeraera ooo mesmomesmomesmo eaeaea palavrapalavrapalavra "nu""nu""nu" provavelmenprovavelmenprovavelmen foi entendida no mesmo sentido.

A questão permanece em aberto. Vamos ver o que ico¬ nography tem a dizer sobre isso. Pode-se dizer que nenhum artista ousou representar Cristo nu na cruz; a fazê-lo seria ele detestável. (Veja Fig I;. E ainda o artista teve a mortalhamortalhamortalha diantediantediante dedede seusseusseus olhos,olhos,olhos, ememem quequeque JesusJesusJesus eraeraera manifestamentemanifestamentemanifestamente nu.)nu.)nu.) DomDomDom Leclerc ressalta que as pedras preciosas esculpidas, de que falamos, e que provavelmente pertencem aos primeiros séculos, o corpo do Crucificado está nu. Devo dizer que é difícil julgar de acordo com os desenhos que foram feitas deles. Em qualquer caso, nas primeiras esculturas importantes que temos (em St. Sabina e no Museu Britânico),

JesusJesusJesus ((( eee ososos doisdoisdois ladrõesladrõesladrões assim)assim)assim) ééé usarusarusar ooo ligaculumligaculumligaculum sub¬.sub¬.sub¬.

Esta tradição tem sido exercida a partir dessa data nos países do Oriente. A maioria dos crucifixos bizantinos (São Lucas, Daphni, etc.) são deste tipo. No Ocidente, por outro lado, e por toda a Idade Média, a cruci¬ ficados é em grande medida vestido, como no afresco de Santa Maria Antiqua (século VUIth).VUIth).VUIth). UmUmUm dosdosdos tipostipostipos teristicteristicteristic maismaismais charac¬charac¬charac¬ ééé ooo SantoSantoSanto VoltoVoltoVolto ememem Lucca,Lucca,Lucca, umumum cruci-cruci-cruci- madeira de cedro

Crucificação e Archseology

67

corrigir o que se diz ter sido esculpido por Nicodemos, mas que devem datam dodo VUIthVUIth século,século, nono mínimo.mínimo. OO corpocorpo estáestá completamentecompletamente vestidovestido (toda(toda aa peçapeça é esculpida em madeira) com uma longa túnica com mangas, que só deixa as mãos e os pés descobertos. Em outros lugares encontra-se uma escultura semelhante vestindo roupas rica feita de animais. As pernas são retas e todo

dádá umauma impressãoimpressão dede majestademajestade ee triunfo,triunfo, emem vezvez dede dede tortura.tortura.

ooo SantoSantoSanto VoltoVoltoVolto temtemtem dadodadodado origemorigemorigem aaa umumum grandegrandegrande escola,escola,escola, eee taçõestaçõestações imi¬imi¬imi¬ dedede quequeque podempodempodem ser encontrados ao longo de quase todo o Ocidente; Não há por exemplo o celebrado São Saulve (Salvador) de Amiens catedral.

Não é até o primeiro renascimento italiano (século XHIth) eo período de escultura gótica francesa que mais uma vez se encontrar com crucifixos nus,

usandousando apenasapenas oo subligaculum;subligaculum;

Isso geralmente consiste de um pano de linho bastante longo, habilmente envolto.

De minha parte, não deve ter muita dificuldade em ad¬ mitting que as impressõesimpressõesimpressões dadada pelvepelvepelve foramforamforam feitasfeitasfeitas atravésatravésatravés dododo subligaculum.subligaculum.subligaculum. imagensimagensimagens vegetaisvegetaisvegetais de Volckringer foram feitas através da folha que está a apoiar as plantas em que a folha que foi envolvendo-as. Nem os pedaços de papel golpeados para asas plantasplantas parapara corrigi-loscorrigi-los impedirimpedir aa foimationfoimation dede imagensimagens atravésatravés deles.deles. MasMas oo subsub dododo JesusJesusJesus certamentecertamentecertamente foramforamforam copiosamentecopiosamentecopiosamente manchadamanchadamanchada dedede sangue,sangue,sangue, eee estesestesestes coágulos teria deixado seus contra-desenhos.

EmEmEm tudotudotudo issoissoisso devemosdevemosdevemos reconhecerreconhecerreconhecer quequeque háháhá ééé umaumauma combinaçãocombinaçãocombinação dedede suasuasua preocupação com a estética, por decência e para ence rever¬, com o desejo de expressar de uma forma real a verdadeira natureza dos sofrimentos da Paixão. TendoTendoTendo ememem certacertacerta medida,medida,medida, pleiteoupleiteoupleiteou aaa causacausacausa dadada subligaculum,subligaculum,subligaculum, Sinto-meSinto-meSinto-me obrigadoobrigadoobrigado aaa re¬ vez da opinião geral dos Padres, que estão tão perto de unanimidade quanto para produzir um efeito impressionante.

TenhoTenho verificadoverificado osos textostextos citadoscitados pelopelo PadrePadre Holzmeister.Holzmeister. TodosTodos falamfalam dede “Nu“Nu

nuditas,nuditas, gumnos,gumnos, gumnesthai-gumnesthai-

nu,nu, nudez,nudez, nu,nu, parapara serser despido.”St.despido.”St. JohnJohn

Crisóstomo,Crisóstomo,Crisóstomo, porporpor exemplo,exemplo,exemplo, escreve:escreve:escreve: "Ele"Ele"Ele foifoifoi levadolevadolevado nununu atéatéaté aaa mortemortemorte

68

Um doutor no Calvário

- EpiEpiEpiEpi paraparaparapara pathospathospathospathos EgetoEgetoEgetoEgeto gumnosgumnosgumnosgumnos “.“.“.“. “Eistèhei“Eistèhei“Eistèhei“Eistèhei gumnosgumnosgumnosgumnos enenenen vnesovnesovnesovneso toneladatoneladatoneladatonelada ochlônochlônochlônochlôn

ekeinôn-Heekeinôn-He permaneceupermaneceu nuanua nono meiomeio daqueladaquela multidão.”Eumultidão.”Eu tambémtambém descobriramdescobriram

um texto de Santo Efrém, o Sírio (Sermão VI na Semana Santa, tradução latina pelo

PadrePadre Jo¬Jo¬ seph Leclerc), no qual, como Alexander de Alexandria, ele diz que o sol se escondeuescondeuescondeu antesantesantes dadada nudeznudeznudez dedede Jesus.Jesus.Jesus. ((( EleEleEle exageraexageraexagera quandoquandoquando sesese refererefererefere ààà Lua,Lua,Lua, bembembem como, para quando está cheio ele não aparece em plena luz do dia) Enquanto isso

mentirmentir escreve:escreve: -.-. "(Ferido"(Ferido vetoveto nudatusnudatus eraterat illeille quiqui omniaomnia vestit,vestit, astroastro rumrum

luxlux obscurataobscurata est-est- AA luzluz dasdas estrelasestrelas foifoi escurecido,escurecido, porqueporque AqueleAquele queque vesteveste todas as coisas foi verdadeiramente despido.”3 Finalmente, nos deparamos com umauma precisãoprecisão aindaainda maiormaior emem St.St. JohnJohn

CrisóstomoCrisóstomoCrisóstomoCrisóstomoCrisóstomo ((((( HomiliaHomiliaHomiliaHomiliaHomilia sobresobresobresobresobre aaaaa EpístolaEpístolaEpístolaEpístolaEpístola aosaosaosaosaos Colossenses).Colossenses).Colossenses).Colossenses).Colossenses). EleEleEleEleEle falafalafalafalafala dedededede JesusJesusJesusJesusJesus que,que,que,que,que,

antes da montagem para a cruz derramou o velho tão facilmente como as suas vestes,vestes,vestes, eee acrescenta:acrescenta:acrescenta: --- "Ele"Ele"Ele ééé ungidoungidoungido comocomocomo ososos atletasatletasatletas quequeque estãoestãoestão prestesprestesprestes aaa entrarentrarentrar no estádio.”Agora, toda a escultura grega retrata esses atletas como inteiramente nu.

Será que, então, todas estas afirmações patrísticos descansar sobre uma tradição oral que foi perdido? É difícil chegar a uma conclusão.

Em qualquer caso, repito, não tem qualquer artista quis fazer um crucifixo inteiramente nu. Agora, isso é exatamente o que vamos encontrar na mortalha. Poderia um falsificador, possivelmente, ter concebido uma idéia tão anormal, e que é tão chocante para todas as nossas tradições artísticas de decência e reverência?

888 °.°.°. AAA colocaçãocolocaçãocolocação nonono cross.-cross.-cross.- ParecePareceParece quequeque haviahaviahavia apenasapenasapenas trêstrêstrês métodosmétodosmétodos pelospelospelos quais isso poderia ser executadas:

3333 AAAA seguinteseguinteseguinteseguinte descriçãodescriçãodescriçãodescrição dededede St.St.St.St. EphremEphremEphremEphrem podepodepodepode serserserser dededede interesseinteresseinteresseinteresse aqui:aqui:aqui:aqui: ---- "E"E"E"E sesesese aaaa

partirpartirpartirpartirpartirpartir dededededede doutrinadoutrinadoutrinadoutrinadoutrinadoutrina voltamo-nosvoltamo-nosvoltamo-nosvoltamo-nosvoltamo-nosvoltamo-nos paraparaparaparaparapara devoção,devoção,devoção,devoção,devoção,devoção, estamosestamosestamosestamosestamosestamos confrontadoconfrontadoconfrontadoconfrontadoconfrontadoconfrontado comcomcomcomcomcom aaaaaa dificuldadedificuldadedificuldadedificuldadedificuldadedificuldade que,que,que,que,que,que, com a única exceção dos escritos de Santo Efrém, nada lias chegou até nós a partir dos cinco primeiros Turies cen¬ que nos dá qualquer pista para as devoções populares dos fiéis.fiéis.fiéis.fiéis.fiéis. St.St.St.St.St. EphremEphremEphremEphremEphrem eraeraeraeraera umaumaumaumauma missãomissãomissãomissãomissão zelosozelosozelosozelosozeloso pregadorpregadorpregadorpregadorpregador cujocujocujocujocujo monsmonsmonsmonsmons ser¬ser¬ser¬ser¬ser¬ eeeee hinoshinoshinoshinoshinos trouxetrouxetrouxetrouxetrouxe ememememem

contato direto com os sentimentos e hábitos religiosos do povo “.

AA MãeMãe dede Cristo.Cristo. PorPor OUOU Vassall-Phillips,Vassall-Phillips, CSSRCSSR p.p. 433.433. Trs.Trs.

Crucificação e Arqueologia

69

(1)(1)(1) AAA cruz,cruz,cruz, completamentecompletamentecompletamente juntos,juntos,juntos, seriaseriaseria colocadacolocadacolocada nonono chão.chão.chão. JesusJesusJesus seriaseriaseria

crucificadocrucificado pelaspelas mãosmãos ee osos pés.pés. AA cruzcruz seria,seria, então,então, levantou-se,levantou-se, ee oo stipesstipes

colocada num furo já preparado no solo. Tal método seria complicado, difícil e perigoso. Artistas como Rembrandt foram atraídos por ela, mas eu duvido muito se teria satisfeito os executores, especialmente se houvesse um número de crucificações a ser realizado. Do ponto de vista técnico eu teria grande dificuldade em ac¬ cepting-lo. Além disso, é descartada por tudo o que sabemos,

comocomo umauma certeza,certeza, sobresobre aa cruzcruz romana.romana. Diz-seDiz-se queque aa idéiaidéia provavelmenteprovavelmente teveteve suasuasuasua origemorigemorigemorigem nananana apócrifosapócrifosapócrifosapócrifos EvangelhoEvangelhoEvangelhoEvangelho dededede Pedro.Pedro.Pedro.Pedro. FoiFoiFoiFoi restauradorestauradorestauradorestaurado paraparaparapara umaumaumauma posiçãoposiçãoposiçãoposição dededede honra na Idade Média por Santo Anselmo.

(2) O conjunto transversal já está na posição e do homem con¬ demned é crucificadocrucificadocrucificado pé.pé.pé. EstaEstaEsta tesetesetese teveteveteve seusseusseus partidáriospartidáriospartidários eee podepodepode virvirvir dododo AtosAtosAtos dedede Pilatos,Pilatos,Pilatos, outraoutraoutra apoc¬ trabalho ryphal. Existem as mesmas objeções archasological para isso. I pode descobrir apenas um mérito; que inspirou o meu velho amigo Fra Angelico para fazer uma composição muito comovente, que eu acho que ninguémninguémninguém maismaismais conseguiuconseguiuconseguiu fazer.fazer.fazer. EmEmEm quequeque frescofrescofresco dedede célulascélulascélulas 363636 dododo conventoconventoconvento dedede SanSanSan Marco,Marco,Marco, ememem Florença,Florença,Florença, JesusJesusJesus ééé ememem pépépé comcomcom asasas costascostascostas contracontracontra aaa cruz,cruz,cruz, nonono altoaltoalto de uma escada curta; Ele próprio está segurando as mãos, que dois cutioners exe¬,exe¬, cujascujas escadasescadas sãosão encostadoencostado nana parteparte dede trástrás dodo

patíbulo,patíbulo, estáestá prestesprestes aa pregar.pregar.

(3)(3)(3)(3)(3) JesusJesusJesusJesusJesus ééééé pregadopregadopregadopregadopregado nanananana palibulunj.palibulunj.palibulunj.palibulunj.palibulunj. nonononono chão;chão;chão;chão;chão; EleEleEleEleEle ééééé entãoentãoentãoentãoentão colocadocolocadocolocadocolocadocolocado dedededede costascostascostascostascostas paraparaparaparapara ooooo stipes,stipes,stipes,stipes,stipes, eeeee EleEleEleEleEle é,é,é,é,é, então,então,então,então,então, levantou-selevantou-selevantou-selevantou-selevantou-se paraparaparaparapara quequequequeque ooooo patibulumpatibulumpatibulumpatibulumpatibulum podepodepodepodepode ser fixado em até o topo do jogo. A fim de fazer o levantamento até mais fácil, pode-sepode-se imaginá-loimaginá-lo indoindo parapara trástrás atéaté umauma escadaescada queque estáestá encostadoencostado nana stipes,stipes,

assim no quadro de Fra Angelico.

Esta é a solução mais simples, e aquele que teria feito as coisas mais fáceis parapara osos executores,executores, ee isso,isso, comocomo eueu disse,disse, éé umum argumentoargumento dede primeiraprimeira importância.importância. ÉÉ tambémtambém emem agree¬agree¬ mentomento comcom osos textostextos dede SantoSanto Atanásio,Atanásio, St.St. JohJoh Crisóstomo,Crisóstomo,Crisóstomo,Crisóstomo, SantoSantoSantoSanto AmbrósioAmbrósioAmbrósioAmbrósio eeee SantoSantoSantoSanto Agostinho:Agostinho:Agostinho:Agostinho: “Crucem“Crucem“Crucem“Crucem ascendisse-ascendisse-ascendisse-ascendisse- TerTerTerTer

70 Um doutor no Calvário

subiusubiusubiu paraparapara aaa cruz;cruz;cruz; sesese permisitpermisitpermisit ememem crucemcrucemcrucem levari-levari-levari- EleEleEle deixoudeixoudeixou dedede serserser levantadolevantadolevantado na cruz.”Finalmente, é a única solução que concorda com tudo o que a arqueologia tem nos ensinado sobre a crucificação de acordo com o uso romano.

999 °.°.°. OOO golpegolpegolpe comcomcom ooo III lance.-lance.-lance.- sempresempresempre mememe pergunteipergunteiperguntei qualqualqual eraeraera aaa razãorazãorazão paraparapara

esse gesto estranho, que parece ser anormal para um soldado que tinha

acabadoacabadoacabado dedede serserser presentepresentepresente nanana mortemortemorte dedede Jesus.Jesus.Jesus. OOO pontopontoponto dedede vistavistavista dosdosdos guardasguardasguardas

tinham mudado muito durante a agonia das três horas, na forma de piedade e

de respeito. O centurião, fazendo-se o porta-voz dos homens (atributos St.

Matthew a frase para todo o grupo de homens), tinha apenas proclamou

solenemente:solenemente:solenemente: "De"De"De fatofatofato esteesteeste homemhomemhomem eraeraera justo”(Lc.)justo”(Lc.)justo”(Lc.) ououou seguindoseguindoseguindo aaa formaformaforma

HebraicaHebraicaHebraica dedede SãoSãoSão MarcosMarcosMarcos eee SãoSãoSão Mateus:Mateus:Mateus: "De"De"De fatofatofato esteesteeste eraeraera ooo FilhoFilhoFilho dedede DeusDeusDeus “.“.“.

Agora,Agora, eleseles foramforam bastantebastante certezacerteza dede queque JesusJesus foifoi realmenterealmente morto;morto;

eleseleseles tinhamtinhamtinham ooo poupoupoupoupoupou aaa crucifragium,crucifragium,crucifragium, quequeque eraeraera paraparapara trazertrazertrazer aaa vidavidavida dosdosdos ladrõesladrõesladrões aaa umumum rápido fim, trazendo em tetania e asfixia, como veremos. Assim era o coração de um cadáver que um destes soldados estava prestes a atacar com uma lança!

O fato é que, se temos interpretado os textos legais cor¬ rectamente, esta

ferida do coração foi a regulamentação ato que teve de ser levada a cabo, a

fim de ser capaz de entregar o corpo para o enterro.

De acordo com St. John, foi após o golpe com a lança que José de

ArimatéiaArimatéiaArimatéia foifoifoi aaa Antonia,Antonia,Antonia, paraparapara pedirpedirpedir aaa PilatosPilatosPilatos ooo corpocorpocorpo dedede Jesus.Jesus.Jesus. Mas,Mas,Mas, umaumauma vezvezvez

que eles chegaram Calvário, todo o pelotão foram capazes de ver este grupo

importante ( “e

makrothenmakrothen outrasoutras mulheresmulheres “,“, acrescentaacrescenta St.St. MarkMark depoisdepois dede nomearnomear algunsalguns deles)deles) quequeque foramforamforam ememem tornotornotorno dedede MariaMariaMaria eee JohnJohnJohn eee quequeque evidentementeevidentementeevidentemente formavamformavamformavam aaa família.família.família. SeSeSe estesestesestes tinhamtinhamtinham todostodostodos sesese destacoudestacoudestacou ememem primeiroprimeiroprimeiro lugarlugarlugar ((( apoapoapo makrothen),makrothen),makrothen), foraforafora dododo círculocírculocírculo das sentinelas, eles devem ter atraído para mais perto, após a saída do insolente

Judeus.Judeus.Judeus.Judeus. IstoIstoIstoIsto éééé provadoprovadoprovadoprovado pelaspelaspelaspelas palavraspalavraspalavraspalavras dededede