Está en la página 1de 8

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO


FACULDADE DE ENGENHARIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA
LABORATÓRIO DE MEDIDAS ELÉTRICAS E MAGNÉTICAS

MEDIDAS CA EM UM CIRCUITO RLC


(5º Experimento)

Alunos: Natan Marçal Rosa


Matrícula: 2013.100.708-11
Turma: 2

Prof. Leonardo Alfredo Forero Mendoza


6º Período/2016.1

Medidas CA em um circuito RLC


Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Engenharia Elétrica.
Natan Marçal Rosa

RESULTADOS TEÓRICOS
Circuito RLC paralelo:

Figura 1 – Primeiro circuito ensaiado.

As impedâncias de cada um dos elementos do circuito, desconsiderando a fonte,


podem ser calculados da seguinte forma:

Z R  100 / 0
 1  
ZC   Z   j 75,78  Z C  75,78 /  90
j 2. .60.35.10 6
C

  
Z L  9,5  j 2. .60.0,044  Z L  9,5  j16,58  Z L  19,10 / 60,2

Calculando a impedância total do circuito, temos que:


 
  ZC Z L  1447,4 /  29,8  1447,4 /  29,8
Z EQ  Z R   
 Z EQ  100   Z EQ  100 
ZC  Z L 9,5  j 59,2 60 /  80
  
Z EQ  100  24,12 / 50,2  Z EQ  100  15,43  j18,53  Z EQ  116,90 / 9,11

Utilizando a seguinte relação:


 V²
S
Z EQ

Temos que a potência aparente do circuito:


 30² / 0  
S  S  7,7 /  9,11  S  7,6  j1,22VA
116,90 / 9,11

Sabendo que a potência ativa, dissipada no circuito, corresponde a parte real da


potência aparente e a potência reativa, armazenada no circuito, corresponde a parte
imaginaria temos que:
P  7,6W
Q  1,22VAR

Pode ser calculado ainda o fator de potência:

Cos(9,11)  0,98
FP  0,98 Capacitivo

Circuito RLC série:

Figura 2 – Segundo circuito ensaiado.

As impedâncias de cada um dos elementos do circuito, desconsiderando a fonte,


permanecem as mesmas do circuito anterior, diferindo apenas a impedância total, logo
temos que:


Z R  100 / 0
 1  
ZC   Z   j 75,78  Z C  75,78 /  90
j 2. .60.35.10 6
C

  
Z L  9,5  j 2. .60.0,044  Z L  9,5  j16,58  Z L  19,10 / 60,2

Calculando a impedância total do circuito, temos que:


     
Z EQ  Z R  Z C  Z L  Z EQ  100  ( j 75,78)  (9,5  j16,58)  Z EQ  109,5  j59,2

Z EQ  124,48 /  28,4

Utilizando a seguinte relação:


 V²
S
Z EQ

Temos que a potência aparente do circuito:


 30² / 0  
S  S  7,23 / 28,4  S  6,35  j3,44VA
124,48 /  28,4

Sabendo que a potência ativa, dissipada no circuito, corresponde a parte real da


potência aparente e a potência reativa, armazenada no circuito, corresponde a parte
imaginaria temos que:
P  6,35W
Q  3,44VAR

Pode ser calculado ainda o fator de potência:

Cos(28,4)  0,88
FP  0,88 Indutivo

RESULTADOS EXPERIMENTAIS
Primeiro ensaio circuito RLC paralelo:

Componente Valor Tensão (V) Corrente (mA)


R 100 Ω 25,2 230
ZC 35µF 5,44 50
ZL 0,044H 5,44 280
Tabela 1 – Dados obtidos no ensaio do RLC paralelo.

Para calcular a potência ativa total do circuito é necessário primeiramente


descobrir qual a parcela de tensão, presente em ZL, que se encontra sobre RL e sobre
XL. Assim para calcular o modulo de ZL fazemos:
V 5,44
ZL   ZL   Z L  19,42
I 0,280

Aplicando um divisor de tensão temos que:


5,44 VRL
  VRL  2,66V
19,42 9,5

Logo temos:
VRL  VXL  5,44  VXL  5,44  2,66  VXL  2,78V

A potência ativa total representa a energia consumida pelos resistores no circuito


assim temos que:
P  (25,2).(0,230)  (2,66).(0,280)  P  6,54W

A potência reativa total representa a energia armazenada nos elementos


indutivos e capacitivos do circuito, e a potência aparente representa a soma vetorial das
potências ativa e reativa, assim temos que:
Q  (5,44).(0,05)  (2,78).(0,280)  Q  1,05 VAR

S  (5,44  25,2).(0,230)  S  7 VA

O fator de potência pode ser calculado através da seguinte relação:


P
FP   FP  0,98
P²  Q²

Calculando o modulo e a fase da impedância equivalente, temos:


V² (5,44  25,2)² 
Z EQ   Z EQ   | Z EQ | 134,11
S 7
1
Cos (0,98)  11,47

Z EQ  134,11 /  11,47 

Segundo ensaio circuito RLC série:

Componente Valor Tensão (V) Corrente (mA)


R 100 Ω 23,7 210
ZC 35µF 17,56 210
ZL 0,044H 4,21 210
Tabela 2 – Dados obtidos no ensaio do RLC série.

Da mesma forma primeiro é necessário descobrir qual a parcela de tensão,


presente em ZL, que se encontra sobre RL e sobre XL. Assim para calcular o modulo de
ZL fazemos:
V 4,21
ZL   ZL   Z L  20,04
I 0,210

Aplicando um divisor de tensão temos que:


4,21 VRL
  VRL  2V
20,04 9,5

Logo temos:
VRL  VXL  4,21  VXL  4,21  2  VXL  2,21V

A potência ativa total representa a energia consumida pelos resistores no circuito


assim temos que:
P  (23,7).(0,210)  (2).(0,210)  P  5,4W

A potência reativa total representa a energia armazenada nos elementos


indutivos e capacitivos do circuito, e a potência aparente representa a soma vetorial das
potências ativa e reativa, assim temos que:
Q  (17,56).(0,210)  (2,21).(0,210)  Q  4,15 VAR

S  (23,7  17,56  4,21).(0,210)  S  9,54 VA

O fator de potência pode ser calculado através da seguinte relação:


P
FP   FP  0,79
P²  Q²

Calculando o modulo e a fase da impedância equivalente, temos:


V² (30)² 
Z EQ   Z EQ   | Z EQ | 94,34
S 9,54
Cos 1 (0,79)  37,8

Z EQ  94,34 /  37,8 

DISCUSÃO DOS RESULTADOS


Circuito RLC paralelo:

Grandeza Teórico Experimental


Potência Ativa (P) 7,6 W 6,54 W
Potência reativa (Q) 1,22 VAR 1,05 VAR
Potência Aparente (S) 7,7 VA 7 VA
Fator de potência 0,98 0,98
Impedância 116,9 Ω 134,11 Ω
Tabela 3 – Resultados teóricos e experimentais do RLC paralelo.

Calculando o erro relativo entre o valor teórico e experimental da potencia ativa


e da impedância a fim de estabelecer uma comparação temos que:

6,54  7,6
Potência ativa -  %    %  13%
7,6

116,9  134,11
Impedância -  %    %  14%
116,9

Circuito RLC série:

Grandeza Teórico Experimental


Potência Ativa (P) 6,35 W 5,4 W
Potência reativa (Q) 3,44 VAR 4,15 VAR
Potência Aparente (S) 7,23 VA 9,54 VA
Fator de potência 0,88 0,79
Impedância 124,48 Ω 94,34 Ω
Tabela 4 – Resultados teóricos e experimentais do RLC série.

Calculando o erro relativo entre o valor teórico e experimental da potencia ativa,


a fim de estabelecer uma comparação temos que:
5,4  6,35
Potencia ativa -  %    %  14%
6,35

124,48  94,34
Impedância -  %    %  24%
124,48

Os valores de erro maiores que 10% para o RLC paralelo e para o RLC serie
caracterizam as medidas como sendo de baixa precisão, o que pode ser justificado por
algum erro grosseiro dos próprios experimentadores ou devido a pouca precisão nos
equipamentos utilizados.

QUESTÃO
Por que a bobina tem pouca voltagem?
Como a frequência do circuito é apenas de 60Hz, o módulo da impedância da
bobina acaba sendo baixo, quando comparada aos outros componentes do circuito,
como o módulo da impedância é baixo o valor da tensão sobre ela também é baixo visto
que a relação entre tensão e impedância é diretamente proporcional.