Está en la página 1de 10

PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL – PCA

(TERMO DE REFERÊNCIA para Licenciamento Ambiental da Atividade Conjunto Habitacional)

1. CONCEITUAÇÃO GERAL

O presente Termo de Referência visa especificar os procedimentos mínimos
necessários para elaboração e apresentação do PLANO DE CONTROLE
AMBIENTAL – PCA, sendo este Estudo Ambiental, um dos instrumentos utilizados
no processo de licenciamento e controle ambiental, que além da apresentação da
Atividade, identificará os impactos gerados e suas magnitudes e das várias medidas
mitigadoras, tudo dentro de planos e programas ambientais.

2. EMBASAMENTO LEGAL

O PCA deverá descrever eventuais compatibilidades e/ou incompatibilidades
avaliadas à luz de todas as normas legais aplicáveis à tipologia da Atividade que
está sendo analisada, não bastando a simples enunciação das leis, decretos,
resoluções, portarias e outras instruções existentes.
Tal compatibilidade/incompatibilidade deverá abranger a legislação ambiental
concernente, em âmbito Municipal, Estadual e Federal, em especial as Áreas de
Interesse Ambiental, mapeando as restrições à ocupação.
O empreendedor deve atender todas as exigências das Resoluções do
CONAMA e das leis ambientais e seus regulamentos e, as demais exigências
contidas neste Termo de Referência para elaboração e apresentação do PCA.

De acordo com o porte e complexidade da Atividade. quantidade de resíduos a serem produzidos. ABORDAGEM METODOLÓGICA O PCA deve abordar a interação entre elementos dos meios físico. mas objetiva e clara. origem. outros estudos e informações complementares poderão ser solicitados. a inserção do mesmo no planejamento regional e do setor. objeto de licenciamento e. A descrição da Atividade. tratamento eventualmente dado a tais resíduos e locais onde os mesmos serão dispostos. Deve conter a descrição sucinta dos impactos resultantes da implantação da Atividade e a definição das medidas mitigadoras. Justificar a Atividade proposta em função da demanda a ser atendida. incluindo diagnóstico da situação atual considerando aspectos tais como: tipo. e demonstrar. de forma concisa. . 3. Síntese dos objetivos da Atividade e justificativa em termos de sua importância no contexto social da Região e dos Municípios de abrangência direta. buscando a elaboração de um diagnóstico simplificado da área da Atividade e entorno. Apresentar as alternativas locacionais e tecnológicas estudadas. justificando a adotada. 4. dentre outros. de controle e compensatórias. quando couber. da área de inserção e da capacidade de suporte do meio. quando couber. OBJETO DE LICENCIAMENTO E JUSTIFICATIVA DA ATIVIDADE Indicar natureza e porte da Atividade ou projeto. geração de empregos. apresentar os objetivos da Atividade e justificativa em termos de sua importância no contexto social da Região e dos Municípios de abrangência direta. biológico e socioeconômico.

a compatibilidade com as normas legais. n) o canteiro de obras. respectivos motores e tanques armazenadores de combustíveis. CONTEÚDO MÍNIMO 5. h) detalhamento da vegetação existente. p) no caso de captação de águas subterrâneas para consumo geral. em conformidade com a legislação vigente. localização do poço em planta com escala compatível. . cortes e perfis das diversas unidades previstas. perfil construtivo do poço. c) inserção e justificativa locacional georreferenciada da Atividade. d) descrição da área de influência direta e indireta da Atividade. b) justificativa da Atividade em termos de importância do contexto socioeconômico da região. análise da qualidade da água em acordo com a legislação vigente. g) a descrição e apresentação do projeto. f) as vias de acessos e condições de tráfego. a descrição das unidades previstas. j) a taxa de impermeabilização do solo prevista para a ocupação da área. 5. disposição final de efluentes e resíduos sólidos). a sua adequação ambiental e conter no mínimo: a) o anteprojeto ou projeto básico ou projeto executivo da Atividade. l) a população e densidade de ocupação. tipos de materiais e localização da destinação e/ou da aquisição de materiais/áreas de empréstimo. áreas alagadas e alagáveis e cursos d’água com suas respectivas áreas protetivas. m) a demanda a ser gerada pela Atividade (indicando sistemas previstos de abastecimento de água e energia. Estimar a movimentação de terra prevista. efluentes sanitários e industriais. k) as áreas de empréstimo e exportação.1 Caracterização da Atividade A caracterização da Atividade deve ser apresentada de forma a possibilitar a sua compreensão. e outorga do Instituto das Águas do Paraná com uso compatível ao previsto. vazão. e) a área total do terreno e área total construída. i) o sistema de drenagem de águas pluviais. Implantação e Operação da Atividade. As informações devem abordar as ações e suas principais características durante as fases de planejamento. com plantas. o) no caso da utilização de geradores para abastecimento de energia elétrica. caso necessário. incluindo geração prevista de resíduos sólidos. volume. conforme preconizado em legislação específica.

bacia hidrográfica enquadrando os corpos d’água e coordenadas geográficas. 5. bióticos e antrópicos espacialmente mais abrangentes (ou regionais) com os quais o projeto estabelece interações. r) a mão de obra necessária à implantação e operação da Atividade. onde conste: a) os limites da área geográfica onde as alterações ambientais que podem e devam ser decorrentes da Atividade. . Estas informações deverão ser plotadas em carta topográfica oficial. nos meios físico. para as fases de Implantação e Operação. original ou reprodução. abrangendo a área do entorno.2 Área de influência Direta e Indireta da Atividade Delimitação. Observar as diretrizes para apresentação de desenhos. preferencialmente em UTM.3 Caracterização da Área Localizar a Atividade considerando o(s) município(s) atingido(s). Anexar carta do Município com a localização da Atividade. b) área de Influência Indireta . t) o valor total do investimento. biológico e antrópico. 5. a) área de Influência Direta . Indicar as coordenadas geográficas dos limites da área. Utilizar escala compatível com a área mapeada. no mínimo até 500 metros do limite do local de implantação. constantes do item 7 deste Termo de Referência.AID: área em que ocorrem.AII: área onde ocorrem os processos físicos. s) o cronograma de acordo com as etapas de construção da Atividade. justificativa e mapeamento das áreas de influência direta e indireta da Atividade. majoritariamente. principalmente através de efeitos secundários (ou indiretos).q) a produção de ruído. as transformações ambientais primárias (ou diretas) decorrentes da Atividade. plantas e mapas. odor e material particulado durante as fases de Implantação e Operação da Atividade.

Caso a área tenha sido anteriormente utilizada para atividades industriais. descrever o processo proposto.b) as condições e características dos acessos. d) as condições geotécnicas do solo. subsidência. incluindo dados sobre o uso atual e uso anterior.mencionado a hierarquização viária municipal. tráfego . à montante e à jusante. Documentar por meio de fotografias atualizadas. A caracterização da situação ambiental da área a ser diretamente afetada deve proporcionar a análise dos meios físico. das águas superficiais e subterrâneas. biótico e socioeconômico. Ensaios geotécnicos que se mostrarem necessários deverão ser anexados ao relatório ambiental para subsidiarem a análise. a descrição das principais conclusões a respeito da contaminação do solo. acompanhada de mapeamento. escorregamento. i) as emissões de ruído de acordo com os dispositivos legais. f) a identificação de terrenos alagadiços ou sujeito a inundações. se existente. colapso. recalque). Informar a declividade da área. estaduais e municipais na área do projeto e relacionar as possíveis restrições devidas às proximidades da Atividade das unidades de conservação – UC’s e Área de Preservação Permanente (APP). Caso seja necessária a remediação. A caracterização deverá abordar no mínimo: a) a descrição geral da área da Atividade. devidamente definida e justificada. erosão. g) no caso de passivo ambiental. antes da implantação da Atividade. legendadas e datadas. datar e descrever os últimos três eventos de enchentes ocorridos no local. d) a área de influência destacando aquelas de incidência direta dos impactos. j) as emissões de odores e materiais particulados na atmosfera. geomorfologia. Se positivo. b) a profundidade do lençol freático e uso da água no local. classificar a atividade com respectivo código de acordo com a nomenclatura do IBGE. e do solo voltados ao entendimento da dinâmica superficial do local e região. h) ecossistemas terrestres. c) a geologia. . aquáticos e de transição. c) informações sobre a bacia hidrográfica e sub-bacia as quais estão inseridos as Atividade. e) a área de influência e incidência dos impactos. k) indicar e plotar unidades de conservação federais. apresentar planta mostrando a cota de inundação. e) a susceptibilidade da área afetada aos fenômenos do meio físico (inundação. e respectiva análise de risco à saúde humana. abrangendo os distintos contornos para as diversas variáveis enfocadas. Identificar os corpos d’água e respectivas classes de uso.

d) perda da cobertura vegetal. conforme estabelecido na legislação estadual. Quando se tratar de Atividades que se constituam em pólo gerador de tráfego.4 Avaliação de Impactos Ambientais – Diagnóstico e Prognóstico Identificar e descrever os principais impactos ambientais e socioeconômicos. os horizontes de tempo de incidência dos impactos e indicando os métodos. suas alternativas. biológico e socioeconômico. g) alteração da função de filtro biológico. c) risco de remobilização de sedimentos para a coluna d'água na fase de implantação. Considerar o projeto. técnicas e critérios para sua identificação. j) risco de introdução de espécies exóticas. Descrever: a) degradação do ecossistema e da paisagem. i) alterações físico-químicas e biológicas de corpos receptores de efluentes. e) redução da capacidade assimilativa de impactos futuros. deverá ser solicitado ao departamento competente. Devem ser inter-relacionadas. considerando um raio mínimo de 500 metros ao redor da Atividade. ou pretendam instalar em logradouro especial de tráfego. f) redução de áreas propícias à presença de espécies em extinção. parecer técnico sobre os estudos e relatórios apresentados no que se refere às soluções propostas para a fluidez do trânsito na área de influência da Atividade. quantificação e interpretação. implantação e operação e desativação da Atividade. resultando num diagnóstico integrado que permita a avaliação dos impactos resultantes da . desde a fase de Implantação até a de Operação. b) exploração de áreas de empréstimo para aterro (construção de talude). m) indicar e descrever a existência de patrimônio arquitetônico. n) descrever o tráfego na área e entorno. positivos e negativos que poderão ocorrer em função das diversas ações previstas nas fases de planejamento. refletindo as condições atuais dos meios físico. históricos ou artísticos na área da Atividade. As informações a serem abordadas neste item devem propiciar o diagnóstico da área de influência da Atividade. h) comprometimento dos corredores de trânsito de espécies nativas. 5. l) apresentar mapa de uso e ocupação do solo.

. contendo o detalhamento dos aspectos qualitativos e quantitativos da água para captação e lançamento. Caracterizar a área de influência direta e indireta da Atividade. da área em questão. Deverão ser apresentados programas detalhados de acompanhamento de evolução dos impactos ambientais. causados pela Atividade.5 Medidas de Controle e Mitigação dos Impactos Com base na avaliação dos impactos ambientais significativos. geomorfologia. b) no uso do solo e da água. nesses casos. positivos e negativos. 5. i) no nível de ruído durante a fase de implantação. justificando inclusive os impactos que não podem ser evitados ou mitigados. l) na oferta de emprego de mão de obra qualificada e não qualificada nas fases de Implantação e de Operação da Atividade. maximizá-los. h) na erosão e assoreamento. operação e desativação. esgotamento sanitário. f) em desapropriações e realocação de população. No caso de impactos positivos. j) na emissão de odores e particulados na atmosfera durante a fase de implantação. Considerar no mínimo as seguintes interferências: a) no meio físico e biológico abrangendo a geologia. se for o caso. energia. as medidas destinadas à sua compensação. g) na remoção de cobertura vegetal e faunística. k) nos recursos hídricos superficiais e subterrâneos. pedologia. para aqueles de caráter negativo deverão ser recomendadas medidas que venham a minimizá-los ou eliminá-los. c) na intensificação de tráfego na área. considerando-se as fases de implantação. Indicar.implantação da Atividade. de águas pluviais e de resíduos sólidos. fauna e flora (terrestre e aquática). d) na valorização/desvalorização imobiliária. e) na infraestrutura existente de abastecimento de água.

e) endereço (logradouro. Em tais programas devem ser incluídas as medidas mitigadoras. f) declaração do(s) profissional (is). município. d) à responsabilidade pela sua implementação. No contrato celebrado com o empreendedor para elaboração do PCA. Propor medidas mitigadoras e/ou compensatórias para cada impacto ambiental previsto e apresentar quadro-síntese. c) ao caráter preventivo ou corretivo e sua eficácia. bairro. sua função na elaboração do PCA. c) qualificação profissional. relacionando os impactos com as medidas propostas. i) número da ART ou AFT e data de expedição. Para todos os profissionais que participarem ou coparticiparem dos estudos é exigida a apresentação e registro nos respectivos Conselhos de Classe específicos. b) CPF. d) número no Conselho de Classe e Região. e a assinatura original de todos os integrantes. Os nomes dos integrantes da equipe multidisciplinar devem ser apresentados acompanhados da categoria profissional a qual pertence.º. O profissional e/ou equipe técnica responsável pela elaboração do PCA deve ter capacitação técnica compatível com as características da Atividade. n. IDENTIFICAÇÃO DO(S) RESPONSÁVEL (IS) TÉCNICO(S) PELO ESTUDO a) nome. que as informações prestadas são verdadeiras. g) local e data. e) ao seu custo. b) à fase em que deverão ser implementadas. fone (DDD – nº). sob as penas da lei. 6. h) assinatura do responsável técnico. que deverão ser classificadas quanto: a) ao componente ambiental afetado. respectivo registro. cronograma e responsável pela execução. . deve ficar claro que a elaboração do PCA não está vinculada / condicionada à concessão de licenciamento ambiental. CEP.

para nota de rodapé. c) títulos de capítulos são escritos em CAIXA ALTA em negrito. sob pena de não aceitação do trabalho apresentado. Arial 10 para digitação de citações longas. citações diretas. tabelas. quadros e ilustrações. . 7.para texto. d) subtítulos de subseções levam maiúsculas apenas nas letras iniciais das principais palavras e são escritos em negrito. Recuo = 1.25 cm.Tamanho: 12 (texto e subtítulos). referências bibliográficas. títulos e subtítulos. título de tabelas. Espaço entrelinha = simples . b) parágrafo: Espaço entrelinha = 1. implicará em rejeição do PCA. indicações de fontes de tabelas.2 Formato O PCA deve ser apresentado conforme segue: a) página . resumo.1 Complementações A insuficiência de informações técnicas. o empreendedor deve respeitar instruções mínimas. Fonte Tipo: Arial .de tamanho A4 (210 x 297 mm). baseadas em diagnósticos e prognósticos incompletos e que dificultem a perfeita compreensão de impactos potenciais ou efetivos da Atividade. 7. estabelecidas pela SMMA.5 . 7. FORMATO DE APRESENTAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL Na apresentação do PCA. notas de rodapé. inviabilizando eventual emissão de licenciamento/autorização ambiental.

cópias devem ser legíveis. deverão ser entregues 2 (duas) cópias impressas. e) margens: Esquerda: 3. CONCLUSÕES Apresentar as conclusões do PCA. em meio físico (papel).0 cm. tabelas e figuras .0 cm. área urbana. no formato PDF. a viabilidade ou não da Atividade e/ou das técnicas propostas.3 Número de cópias: a) Uma cópia em meio digital. curvas de nível e/ou Cotas topográficas. rede viária. devendo esclarecer.0 cm.0 cm. h) material cartográfico/bases topográficas – deve ter as seguintes informações: hidrografia. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS A ser apresentada conforme as normas técnicas vigentes. com escalas adequadas. Inferior: 2. sendo uma delas não encadernada. com base nos resultados obtidos na avaliação dos impactos ambientais. sob o aspecto ambiental. Superior: 2. g) mapas. edificações. datas e outros detalhes que sejam necessários. 9. coordenadas geográficas (UTM). . informando as fontes. b) cópias impressas: quando solicitado. 8. para possibilitar eventuais cópias fotostáticas. 7. f) Imagens (fotos) . Direita: 2.devem ser apresentadas com suas respectivas legendas.