Está en la página 1de 10

ANTÓNIO MANUEL FONSECA

A Psicologia do Desporto e a “batalha da qualidade”

António Manuel Fonseca


Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física,
Universidade do Porto

INTRODUÇÃO metodologia própria, o que só veio a acontecer na


Ao contrário do que por vezes parece ressaltar de sequência da dinâmica imprimida a partir do
algumas declarações de pessoas mais ou menos Congresso de Roma. Nesse sentido, a PD deve ser
relacionadas com o fenómeno desportivo, o estudo da entendida como uma ciência bastante recente, ainda
Psicologia do Desporto (PD) não é recente, porquanto que com raízes antigas.
parece ser consensual situar o seu ‘nascimento’ entre O estudo da PD permaneceu pois, durante muitos
o final do século XIX e o início do século XX. anos, praticamente ‘no limbo’, já que entre o
Na realidade, ainda que exista uma ligeira momento em que foi desenvolvido o primeiro estudo
divergência quanto ao exacto momento em que isso e o Congresso de Roma não foram muitos os que se
sucedeu – apesar da esmagadora maioria dos que interessaram por desenvolver esforços neste
escreveram sobre a história da PD (4, 9, 10, 17) ter domínio. Ao invés, a partir de 1965, a dinâmica tem
indicado o clássico estudo de Triplett, realizado em sido completamente distinta, assistindo-se hoje a
1897 sobre a facilitação social do rendimento em um interesse claro e manifesto pelo que se produz
provas de ciclismo, como o primeiro relacionado no âmbito da PD, razão pela qual também são cada
com a PD, tanto Salmela (14) como Biddle (1) vez mais os que envidam esforços nesse sentido.
chamaram a atenção para o facto de outros autores Ainda que a evolução da PD tenha estado sempre
terem destacado que antes do estudo de Triplett já bastante dependente da comunidade norte-
haviam sido desenvolvidos estudos sobre outros americana, progressivamente tem-se assistido ao
assuntos igualmente enquadráveis no âmbito da PD, aumento do interesse por esta temática noutros
como, por exemplo, os efeitos da hipnose na países. Por exemplo, Salmela (14) salientou que de
resistência muscular, ou a psicologia da calistenia – aproximadamente 1300 indivíduos interessados e
esse momento é já claramente centenário. activos na PD em 39 países distintos, que calculava
Todavia, e independentemente da relativa controvérsia existirem em 1981, se passou para mais do dobro em
que pode envolver a determinação de qual foi 1990, altura em que estimava existirem já mais de
exactamente o primeiro estudo sobre os factores 2700, distribuídos por 61 países.
psicológicos em contextos desportivos, parecem não Actualmente, como seria de esperar, os números são
subsistir quaisquer dúvidas relativamente ao momento substancialmente mais elevados. Por exemplo, se
marcante da evolução que se verificou neste domínio nos concentrarmos apenas na realidade norte-
nos últimos anos. Efectivamente, os autores que têm americana, verificamos que cada uma das principais
estudado a história da PD são unânimes em reconhecer associações científicas e/ou profissionais aí sediadas
que esse momento se verificou em 1965, com a – a que nos referiremos posteriormente – conta
realização do I Congresso Mundial de Psicologia do neste momento com mais de 1000 membros, o que,
Desporto, em Roma. não obstante alguns estarem afiliados a mais do que
Para a assunção da PD como uma ciência, havia que uma associação, indicia que o número estimado de
definir claramente o seu objecto de estudo e 750 psicólogos do desporto existentes em 1990 (14)

114 Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 2001, vol. 1, nº 1, 114–123

revista 114 13.2.04, 16:23


A Psicologia do Desporto e a “batalha da qualidade”

foi completamente ultrapassado. Áustria (1979) – formou a sua associação de PD


Ainda que o objectivo fundamental deste trabalho entre os finais das décadas de 60 e 70.
não seja o de descrever a história do aparecimento e A Sociedade Portuguesa de Psicologia do Desporto
evolução da PD, iremos em seguida concentrarmo- (1978) foi igualmente formada neste período, por
nos nalguns desses aspectos, por forma a procurar um conjunto de pessoas profundamente
demonstrar que estando ganha, no essencial, a interessadas no fenómeno da PD, provenientes de
batalha da quantidade (i.e., da sua afirmação) é, pois, variados quadrantes (psicólogos, professores de
importante travar agora cada vez mais educação física, treinadores, médicos, e até
empenhadamente a batalha da qualidade. jornalistas), de entre as quais se pode destacar o
Prof. Doutor António de Paula Brito, seu primeiro
ASSOCIAÇÕES CIENTÍFICAS E/OU PROFISSIONAIS presidente (actualmente presidente honorário), e
Normalmente, o progresso de uma área do unanimemente reconhecido como o ‘pai’ da PD no
conhecimento depende em grande medida do nosso país.
dinamismo das associações científicas e/ou No que concerne ainda a organizações
profissionais que se movimentam no seu âmbito. supranacionais exclusivamente orientadas para a
Também no que se refere à PD, o papel promoção e divulgação da PD, surgiu em 1986 a
desempenhado pelas associações científicas e/ou Association for the Advancement of Applied Sport
profissionais que se foram constituindo após o Psychology (AAASP) que, procurando estabelecer
Congresso de Roma foi determinante para o seu uma ponte mais efectiva entre a teoria e a prática da
actual estado de desenvolvimento. PD, rapidamente se tornou na organização mais
Assim, o I Congresso Mundial de Psicologia do dinâmica neste domínio. Do mesmo modo, também
Desporto, realizado em Roma, foi igualmente na Ásia, na sequência do 7º Congresso Mundial de
marcante por ter sido aí que foi lançada a primeira Psicologia do Desporto, realizado em Singapura em
pedra para a formação da International Society of Sport 1989, foi constituída uma organização
Psychology (ISSP), organização que desde então tem supranacional no domínio da PD: a Asiatic South
coordenado as diversas organizações nacionais Pacific Association of Sport Psychology (ASPASP).
relacionadas com a PD. Para além de todas as associações já referidas,
Porém, a ISSP não foi a única associação científica e/ importa ainda destacar que foram igualmente
ou profissional criada após o Congresso de Roma. criadas divisões de PD no âmbito de organizações
Ou seja, para além da ISSP, e ainda antes de terminar mais abrangentes, quer na área das ciências do
a década de 60, formaram-se, nos Estados Unidos da desporto quer na área da psicologia geral.
América (EUA), a North American Society for the No domínio da psicologia, foram, por exemplo,
Psychology of Sport and Physical Activity (NASPSPA; criadas, em 1986, Divisões de PD tanto na American
1967), no Canadá, a Société Canadienne de Psychological Association (APA; a sua Divisão 47 tem-
Apprentissage Psychomoteur et Psychologie du Sport se tornado progressivamente cada vez mais activa
(SCAPPS; 1969), e na Europa, a Fédération Europeénne no panorama da PD, tendo actualmente mais de
de Psychologie du Sport et des Activités Corporelles 1000 membros) como na Canadian Psychological
(FEPSAC; 1969). Association (CPA; de sublinhar, porém, que ao
Paralelamente à criação destas associações, de consultarmos o seu website constatamos que
abrangência continental, assistiu-se igualmente à actualmente nenhuma das suas 23 secções, ou dos
formação de numerosas associações nacionais seus 2 grupos de interesse, inclui na sua designação
devotadas ao desenvolvimento e promoção da PD qualquer referência à PD). Mais recentemente, em
nos respectivos países. Por exemplo, no que se refere 1994, também a International Association of Applied
apenas à Europa Ocidental, a maior parte dos países Psychology (IAAP), formou a sua 12ª Divisão,
– Inglaterra (1967), Suiça (1968), Alemanha (1970), orientada exclusivamente para a PD.
França (1973), Itália (1974), Suécia (1975), No âmbito do desporto, contudo, já muito tempo
Finlândia (1976), Espanha (1977), Grécia (1978), e antes as grandes organizações haviam decidido

Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 2001, vol. 1, nº 1, 114–123 115

revista 115 13.2.04, 16:23


ANTÓNIO MANUEL FONSECA

nesse sentido, com, por exemplo, a National Antes, porém, em 1979, a NASPSPA havia começado
Association for Sport and Physical Education (NASPE) – a editar, também trimestralmente, o Journal of Sport
uma das seis grandes associações que constituem a Psychology (Journal of Sport & Exercise Psychology, a
bem conhecida American Alliance for Health, Physical partir de 1988), actualmente considerada a mais
Education, Recreation and Dance (AAHPERD) – a importante revista no domínio da PD.
constituir a sua Sport Psychology Academy (SPA) ainda Exclusivamente relacionadas com a PD, foram ainda
na década de 70. criadas ao longo dos tempos outras revistas como,
Finalmente, nos últimos anos, tem-se assistido a por exemplo, o Japanese Journal of Sport Psychology
uma outra tendência neste domínio: a constituição (1974), a Movimento (1984), a Sportpsychologie
de redes internacionais de investigadores (1987), o Journal of Applied Sport Psychology (1989),
interessados na PD. Por exemplo, foram envidados ou a Revista de Psicología del Deporte (1992), de uma
esforços, durante o Congresso da Société Française de forma geral relacionadas com as associações
Psychologie du Sport, realizado em 1995 em Poitiers, científicas e/ou profissionais dos respectivos países.
para a criação de uma Rede Latina de PD (que Mais recentemente, também a FEPSAC decidiu
depois não veio a concretizar-se), e, mais editar uma publicação regular no domínio da PD.
recentemente, sob a égide da FEPSAC, para a Assim, patrocinou, a partir de 1997 a publicação
formação de uma Rede de Jovens Investigadores anual do European Yearbook of Sport Psychology, que a
Europeus de PD (actualmente em fase de partir deste ano foi substituído pela sua nova revista,
consolidação). Adicionalmente, estão em formação intitulada de Psychology of Sport and Exercise,
outras organizações, como a Rede ou Associação Para além das revistas anteriormente referidas, há
Iberoamericana de PD, ou a Associação de Psicologia ainda a considerar outras que publicam regularmente
Aplicada ao Desporto e ao Exercício em Língua trabalhos no domínio da PD, de entre as quais se
Portuguesa. podem destacar o Perceptual and Motor Skills, o Research
Parece, portanto, que não obstante ser já elevado o Quarterly of Sport and Exercise, o Journal of Sport
número de associações científicas e/ou profissionais Behavior, o Journal of Sport Sciences, o Journal of Sport &
actualmente em actividade no domínio da PD, num Social Issues, o JOPERD, a Quest, a Science et Motricité,
breve espaço de tempo o seu número pode vir a ser ou a Appunts. No plano nacional, ainda que não exista,
ainda aumentado. até ao momento, nenhuma revista exclusivamente
destinada à PD, têm sido publicados trabalhos sobre
PUBLICAÇÕES temas da PD em revistas como, por exemplo, a
Para que a PD se tornasse conhecida e promovida Ludens, a Horizonte, a Psicologia, ou a Psicologia:
para além do círculo constituído pelas pessoas mais Teoria, investigação e intervenção.
relacionadas com ela, era necessário pensar em Nos últimos anos, temos assistido igualmente a uma
divulgar de forma regular e sistemática o cada vez mais intensa actividade editorial, tanto no
conhecimento produzido no seu âmbito. Daí que, que se refere a livros abordando exclusivamente
desde muito cedo, as organizações mais importantes temas da PD, como a actas de Congressos de PD
se tenham preocupado com a criação e manutenção organizados pelo mundo inteiro. Por exemplo, numa
de revistas exclusivamente orientadas para a análise crítica a livros relacionados somente com o
consecução desse objectivo. treino de competências psicológicas no desporto,
Em 1970, a ISSP lançou o primeiro número do publicada em 1991, Sachs destacou a existência de
International Journal of Sport Psychology, revista que 48 livros sobre aquela temática. Quanto a livros de
ainda hoje mantém a sua periodicidade trimestral e âmbito mais geral, Mora e colaboradores (8)
tem sido responsável pela divulgação de grande identificaram 15 manuais de PD publicados apenas
parte da investigação produzida em diversos países. entre os anos de 1987 e 1992.
Mais tarde, em 1987, a ISSP decidiu patrocinar uma Actualmente, o ritmo de publicação é ainda mais
outra revista trimestral no campo da PD, de natureza elevado. Sem pretendermos ser exaustivos,
mais aplicada, que designou de The Sport Psychologist. contabilizámos, num mesmo período de tempo

116 Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 2001, vol. 1, nº 1, 114–123

revista 116 13.2.04, 16:23


A Psicologia do Desporto e a “batalha da qualidade”

(entre 1995 e 2000), a edição de bem mais de meia aderiram à ISSP trabalhavam no domínio da
centena de livros exclusivamente relacionados com a aprendizagem motora, sendo ainda hoje possível
PD, maioritariamente em língua inglesa, o que, identificar um grande número de trabalhos sobre
infelizmente, contrasta com o que se regista no esta temática nos Congressos Mundiais organizados
nosso país, no qual a produção exclusivamente por aquela associação.
orientada para a temática da PD é ainda bastante Também nas Conferências anualmente organizadas
escassa – há que não esquecer, porém, que no nosso pela SCAPPS (que mantém na sua designação a
país a actividade editorial relativa às outras áreas do referência à aprendizagem psicomotora) e pela
desporto também não é elevada. NASPSPA são ainda hoje regularmente apresentados
Já no início da década de 90, Paula Brito (12), após trabalhos sobre a aprendizagem motora. Nestes
analisar a investigação desenvolvida no domínio da casos, contudo, existem espaços e programas
PD, estimou que durante a década de 80 se completamente distintos para a apresentação de
publicariam anualmente mais de 2000 trabalhos trabalhos relacionados com a aprendizagem motora
relacionados com a PD, em oposição aos e a PD (ou seja, a aprendizagem motora constitui-se
aproximadamente 500-550 que se publicavam nos actualmente como uma área autónoma da PD, tal
finais das décadas de 60 e 70. como aliás se verifica no nosso país).
Actualmente, aquele número pecará certamente por Quanto ao estudo sobre as características da
defeito, porquanto para além de todos os artigos personalidade dos atletas e respectivo impacto nos
publicados nas diversas revistas actualmente seus comportamentos, o interesse começou a
existentes, e da grande quantidade de livros editados declinar a partir da década de 70, muito em função
regularmente, há ainda a considerar que grande parte do facto dos psicólogos terem progressivamente
das organizações que referimos anteriormente passado a adoptar uma abordagem ou paradigma
realizam todos os anos as suas Jornadas, interactivo, de acordo com o qual não só são
Conferências, ou Congressos, que depois dão origem contemplados os mecanismos mais internos dos
à publicação das respectivas actas. Por exemplo, só indivíduos mas também o efeito neles exercido pelos
nas Conferências patrocinadas pela AAASP e contextos em que estão envolvidos (18).
NASPSPA, são apresentados largas centenas de Ao longo dos tempos, tal como seria de esperar, até
trabalhos todos os anos. A adicionar a estes, devem em consequência da cada vez maior variedade de
ainda ser contabilizados todos os apresentados noutro pessoas e países envolvidos na investigação da PD,
tipo de congressos realizados por todo o mundo, bem foi-se assistindo a uma evolução mais diferenciada
como as muitas centenas que normalmente são nos seus centros de interesse, que foram sendo
apresentados nos Congressos Europeu e Mundial, aumentados e diversificados.
organizados de quatro em quatro anos. Nessa medida, e em decorrência da intensa actividade
Parece pois que, salvaguardando naturalmente editorial registada actualmente no domínio da PD, a
algumas excepções, actualmente a questão não se que já anteriormente nos referimos, constitui-se hoje
deve colocar tanto no plano do acesso à informação como uma tarefa bastante difícil desenvolver uma
mas sim no da sua selecção, até porque a diversidade análise ao mesmo tempo abrangente e profunda sobre
de assuntos que hoje são abordados no domínio da o que se publica nos diferentes domínios da PD.
PD, bem como a discrepância entre a qualidade do Ainda assim, têm sido desenvolvidos esforços nesse
que se vai produzindo e apresentando, um pouco por sentido por diversos autores.
todo o lado, são cada vez maiores. Por exemplo, Mora e colaboradores (8) analisaram o
conteúdo dos manuais e dos artigos de PD
ÁREAS DE INTERESSE publicados em diversas revistas, relativamente aos
Numa primeira fase, os investigadores da PD anos compreendidos entre 1987 e 1992. Mais
preocuparam-se fundamentalmente com o estudo da recentemente, Biddle (1) analisou o conteúdo dos
personalidade dos atletas e da aprendizagem motora. artigos publicados entre os anos de 1985 e 1994 no
Na realidade, muitos dos académicos que primeiro Journal of Sport & Exercise Psychology e no International

Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 2001, vol. 1, nº 1, 114–123 117

revista 117 13.2.04, 16:23


ANTÓNIO MANUEL FONSECA

Journal of Sport Psychology, bem como, antes dele, Um outro dado que parece ressaltar da análise que
também Gill (6), editora do Journal of Sport & Exercise desenvolvemos consiste na redução do número total
Psychology entre 1985 e 1990, o havia feito de publicações relativamente a cada um dos
relativamente a esse período. diferentes temas verificada de 1991-1995 para 1996-
Outros autores optaram por desenvolver análises 2000. De facto, com algumas escassas excepções, o
extensivas da literatura, recorrendo para o efeito à número total de publicações em cada um dos temas
análise das referências incluídas em bases de dados considerados decresceu, o que, na generalidade,
electrónicas. Este tipo de análise, embora não tinha sido também evidente na análise efectuada por
permita obter dados tão precisos como as análises Tenenbaum e Bar-Eli (16).
anteriormente referidas, já que, por exemplo, nem Parece pois evidenciar-se que, não obstante
sempre as palavras chave utilizadas para indexar determinadas temáticas continuarem a merecer a
artigos similares são exactamente as mesmas, atenção e o interesse de um maior número de
possibilita contudo uma visão mais abrangente – investigadores, se assiste cada vez mais a uma
porventura mais correspondente à real diversidade pulverização dos centros de interesse e investigação
que caracteriza este domínio – já que não se na PD. Inclusivamente, se considerarmos que nos
circunscreve ao publicado numa ou noutra revista, últimos anos o número de meios de divulgação (e.g.,
naturalmente mais restritas nos seus objectivos e revistas, manuais, brochuras, monografias) foi
pontos de interesse. aumentado, melhor nos aperceberemos da dimensão
Para providenciar uma ideia global sobre os centros da pulverização a que nos referimos, já que, mesmo
de interesse da literatura e investigação em PD ao assim, o número de publicações em cada um dos
longo dos últimos anos, decidimos portanto analisar diferentes temas considerados diminuiu.
as referências incluídas no Sport Discus do Sport De qualquer dos modos, importa sublinhar que se
Information Resource Center (SIRC), sediado no Canadá, considerarmos apenas as publicações do tipo
geralmente considerada como a mais importante base avançado (i.e., mais científicas) verificamos que a
de dados electrónica no domínio das ciências do tendência foi inversa. Ou seja, na generalidade dos
desporto e da actividade física (ver Quadro 1). temas pesquisados, o número de publicações de tipo
Tenenbaum e Bar-Eli (16) realizaram um estudo avançado aumentou do período de 1991-1995 para
semelhante relativamente aos períodos de 1975-1980, 1996-2000, o que poderá eventualmente
1981-1985 e 1986-Junho 1991. Assim, na tentativa de corresponder a um mais elevado estado de
proceder a algumas comparações entre os resultados maturidade da investigação naqueles domínios.
de ambas as pesquisas, decidimos utilizar a maior Para além dos temas indicados no Quadro 1, outros
parte dos descritores seleccionados por aqueles têm no entanto despertado igualmente o interesse
autores – ainda que tenhamos adicionado alguns dos autores e investigadores da PD, como, por
outros que considerámos igualmente importantes, exemplo, os relacionados com aspectos profissionais
atendendo à evolução da investigação neste domínio ou o papel dos psicólogos no desporto, a
na última década – e analisar igualmente as intervenção, a educação física ou desporto escolar, o
referências em função do seu nível de dificuldade desenvolvimento social, moral e psicológico dos
(i.e., básico, intermédio e elevado). jovens, ou a modificação de comportamentos (1, 6, 8).
Em traços gerais, é possível verificar que Em suma, da análise da investigação e literatura
actualmente a maior atenção se orienta não só para produzida no domínio da PD desde 1965 até hoje,
alguns dos temas clássicos da PD, como a motivação, parece resultar claramente que de uma atenção mais
o stress e a ansiedade, ou a liderança, mas também concentrada em dois ou três grandes temas, se
para outros mais recentes, como os relacionados passou para uma grande diversificação nos pontos de
com o exercício, saúde e bem estar, ou o treino interesse dos investigadores da PD. Adicionalmente,
mental. O tema da personalidade, tal como havíamos esta característica parece tender a manter-se nos
referido anteriormente, tem vindo a despertar cada próximos tempos.
vez menos interesse ao longo dos tempos.

118 Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 2001, vol. 1, nº 1, 114–123

revista 118 13.2.04, 16:24


A Psicologia do Desporto e a “batalha da qualidade”

Quadro 1. Publicações sobre temas da PD, por tipo e data de publicação, de 1991 a Setembro de 2000.

Tipo de publicação
Descritor Período Básico Intermédio Avançad o Total

Motivação 1991-1995 347 239 447 1033


1996-2000 265 122 468 855

Exercício, Saúde e Bem E star 1991-1995 172 267 465 904


1996-2000 167 138 445 750

Stress 1991-1995 231 193 401 825


1996-2000 159 107 469 735
Treino Mental 1991-1995 233 128 165 527
1996-2000 268 72 199 539
Ansiedade 1991-1995 58 86 261 405
1996-2000 54 50 274 378
Liderança 1991-1995 230 57 88 375
1996-2000 144 31 101 276
Personalidade 1991-1995 67 101 186 354
1996-2000 63 39 136 239
Tomada de D ecisão 1991-1995 100 62 99 261
1996-2000 89 29 129 247
Avaliação/Metodologia 1991-1995 42 56 101 199
1996-2000 15 57 142 214
Emoções 1991-1995 46 59 198 303
1996-2000 50 51 194 295
Cognição 1991-1995 11 58 108 177
1996-2000 12 34 157 203
Auto-eficácia/Confiança 1991-1995 25 28 140 193
1996-2000 33 14 137 184
Agressividade 1991-1995 73 29 54 156
1996-2000 36 19 55 110
Coesão 1991-1995 25 14 53 92
1996-2000 61 10 49 120
Activação 1991-1995 23 22 60 105
1996-2000 10 4 35 49
Dinâmica de Grupos 1991-1995 26 13 27 66
1996-2000 22 16 33 71
Atribuições 1991-1995 5 13 49 67
1996-2000 1 4 38 43
Resolução de Problemas 1991-1995 11 20 12 43
1996-2000 11 20 12 39
Estado de Espír ito 1991-1995 0 5 20 25
1996-2000 0 2 12 14
Computadores 1991-1995 4 6 11 21
1996-2000 0 1 5 6

Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 2001, vol. 1, nº 1, 114–123 119

revista 119 13.2.04, 16:25


ANTÓNIO MANUEL FONSECA

PREOCUPAÇÕES ACTUAIS VS ORIENTAÇÕES FUTURAS Esta chamada de atenção, aliás como outras mais
A existência de uma associação científica e/ou tarde protagonizadas por outros autores,
profissional, que se reconheça e seja reconhecida contribuiu efectivamente para que se verificasse
como tal, a publicação de uma revista ou outro um interesse progressivo pela investigação mais
qualquer meio de divulgação das suas actividades, e a aplicada, particularmente no que se refere à
existência de um departamento ou instituição de realidade norte-americana.
investigação que estude os temas básicos relacionadas Tal como salientámos anteriormente, o
com a área por forma a que esse conhecimento possa desenvolvimento da PD tem sido, de uma forma
depois ser aplicado por outros, são normalmente geral, liderado pelos países anglo-saxónicos, mais
considerados como critérios de maturidade de uma particularmente pelos EUA. É lá que se edita a maior
actividade científica ou área do conhecimento. Ora parte das mais importantes revistas da especialidade,
bem, ao analisarmos o modo como estas condições bem como é lá que trabalha a maior parte dos
são cumpridas pela PD, não parecem subsistir especialistas activos neste campo. Tal não significa,
quaisquer dúvidas acerca da sua maturidade. no entanto, que apenas nos EUA se produza
Na realidade, parece hoje pacífico declarar que a PD conhecimento válido no domínio da PD, ou mesmo
ganhou claramente a batalha da quantidade, ou da sua que o conhecimento mais avançado em todas as
afirmação. Isto é, a PD cresceu de tal forma nos áreas tenha sempre a marca norte-americana.
últimos anos que parecem não subsistir dúvidas Na realidade, têm sido vários os autores (10, 18) que,
acerca do seu potencialmente elevado papel no ao longo dos tempos, têm sublinhado o elevado
contexto de actividade física e desportiva. desenvolvimento dos países do antigo bloco
No entanto, para que as enormes expectativas soviético no que concerne à aplicação de técnicas
criadas em volta da PD possam ser cabalmente psicológicas no domínio do desporto de
correspondidas, importa que se trave cada vez mais, rendimento. Morris e Summers (10) referiram
de forma empenhada e sustentada, a batalha da mesmo que não se sabe actualmente se grande
qualidade. Ou seja, é necessário procurar resolver parte do sucesso desportivo alcançado por aqueles
determinados problemas com que a PD continua a países não se terá devido mais ao desenvolvimento
deparar-se, sob pena de se assistir, a curto ou e utilização de técnicas daquela natureza e menos
médio prazo, a uma desaceleração na sua evolução aos seus massivos programas de selecção e
e no consequente reconhecimento e atracção que detecção de talentos. De facto, segundo Mora e
vem suscitando. colaboradores (8), a psicologia do desporto era o
Por exemplo, tal como noutras áreas do grande segredo da preparação desportiva dos
conhecimento, também na PD, a relação entre a atletas dos antigos países comunistas.
teoria e a prática se tem constituído como um dos Apesar de, actualmente, as diferenças entre os
principais pontos de preocupação (10). centros de interesse e os conhecimentos da PD nos
Martens (7), num artigo clássico, chamou a atenção EUA e na Europa não serem tão evidentes como no
para a necessidade de os psicólogos do desporto passado, ainda assim continuam a existir diferenças,
despirem as suas batas brancas e deixarem os seus por vezes, no modo como são abordados conceptual
laboratórios para se concentrarem em estudar ou metodologicamente questões semelhantes. A
efectivamente a realidade desportiva, desenvolvendo questão que se coloca, porém, é que o poder da
os seus estudos no ‘terreno’, por forma a que as suas informação situa-se nos EUA e não na Europa, o que
investigações e consequentes resultados se leva a que também neste domínio a Europa seja
tornassem ecologicamente válidos e, nessa medida, muito mais permeável ao que se faz nos EUA do
potencialmente aproveitáveis para o melhoramento que o contrário, com todas as desvantagens que daí
do processo de treino desportivo. Caso contrário, advêm para a PD em geral. Importa, pois, tentar
existiria sempre um abismo entre o labor dos corrigir este desequilíbrio.
psicólogos do desporto e as necessidades reais e Um outro problema com que se defronta a PD
efectivas do desporto. reporta-se às metodologias normalmente utilizadas

120 Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 2001, vol. 1, nº 1, 114–123

revista 120 13.2.04, 16:25


A Psicologia do Desporto e a “batalha da qualidade”

pelos investigadores nos seus estudos, já que, de prolonga o enredo de uma telenovela numa enorme
uma forma geral, a PD durante muitos anos adoptou quantidade de episódios.
uma perspectiva conservadora nesta matéria (10). É A questão de fundo, porém, é que esta tendência
pois necessário recorrer cada vez mais a leva progressivamente a uma cada vez mais elevada
metodologias de investigação fiáveis e válidas mas fragmentação do conhecimento produzido no
também diversificadas e complementares. Isto é, domínio da PD, e isso constitui-se como algo
importa recorrer aos procedimentos de análise da profundamente negativo para o seu desenvolvimento
estrutura da covariância ou de modelação de e operacionalização, razão porque consideramos que
equações estruturais – que de algum modo nos importa orientar esforços no sentido de a corrigir.
permitem aproximar mais de um raciocínio de Em certa medida relacionado com a questão da falta
natureza causal – mas também a análises de relação entre o conhecimento produzido no
qualitativas, bem como a estudos de caso; não domínio da PD, surge um outro problema: a relação
esquecendo as vantagens que decorrem da utilização da PD com as outras ciências do desporto.
de mais do que um tipo de metodologia de recolha Por exemplo, as relações entre a psicologia e a
ou tratamento de dados num mesmo estudo. sociologia, ainda que aparentemente claras, nem
Tentar perceber, por exemplo, como determinados sempre se verificam. Parece ser consensual aceitar
atletas, equipas, ou mesmo treinadores, por vezes que enquanto a psicologia aborda os problemas
contrariamente a todas as expectativas, conseguiram adoptando uma micro-perspectiva, (i.e., privilegia o
alcançar e/ou manter elevados níveis de rendimento individual, concentrando-se em temas como a
numa ou noutra modalidade desportiva não é apenas motivação ou a ansiedade), a sociologia os aborda
algo que deve suscitar o interesse dos jornalistas e segundo uma macro-perspectiva (i.e., orienta-se para
do público em geral mas também dos investigadores. a sociedade, abordando temas como os problemas
Infelizmente, ao momento, grande parte das políticos ou raciais). Na prática, porém, nem sempre
entrevistas ou relatos deste género são mais uma é fácil estabelecer esta separação, já que temas como,
descrição romanceada de meia dúzia de factos, do por exemplo, a socialização para o desporto, a
que análises profundas e científicas das relações violência ou agressão, ou mesmo a liderança, são
existentes entre esses mesmos factos. igualmente tratados por investigadores da psicologia
Do mesmo modo, é também necessário desenvolver e da sociologia. Aliás, certas revistas caracterizam-se
mais estudos baseados na observação do que mesmo por tanto publicar trabalhos de natureza
efectivamente se passa em situações desportivas, psicológica como sociológica no desporto, seja de
bem como estudos de natureza longitudinal. O forma simultânea (Journal of Sport & Social Issues) ou
problema é que para a realização deste tipo de alternada (Journal of Sport Behavior). No entanto, e
estudos é necessário muito mais tempo e não obstante estas potenciais áreas de partilha, é
investimento do que normalmente é exigido para a curioso constatar que de uma forma geral uns e
realização dos estudos mais frequentemente outros estão de costas voltadas; isto é, não se citam
publicados, e isso constitui-se como uma uns aos outros nem mesmo quando estudam
desvantagem para a sua realização. problemas idênticos, reduzindo assim a abrangência
De facto, sabemos que hoje em dia, numa sociedade das suas análises.
cada vez mais regida por normativas de ordem No início da década de 90, Niddeffer, um dos
quantitativa, a que as universidade não escapam, principais psicólogos do desporto norte-americanos,
mais importante do que o impacto causado pela em resposta a um inquérito sobre as futuras
profundidade de análise de um artigo, é publicar... direcções da PD (15), perspectivou que se assistiria
dois artigos. E a maioria das pessoas activas no nessa década ao estabelecimento de uma interface
domínio da PD encontra-se afiliada a instituições de entre a psicologia, a biomecânica e a fisiologia;
ensino ou investigação. Daí que, frequentemente, os todavia, de acordo com Williams e Straub (18), tal não
resultados de uma só investigação sejam publicados foi visível até ao momento.
parcialmente em meia dúzia de revistas, tal qual se Parece pois que apesar de cada vez mais surgirem

Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 2001, vol. 1, nº 1, 114–123 121

revista 121 13.2.04, 16:25


ANTÓNIO MANUEL FONSECA

pessoas a defender a necessidade da criação de sentido da formação dos psicólogos do desporto se


equipas de investigação pluridisciplinares – por processar a um nível de especialização pós-graduada
forma a promover o intercâmbio de diferentes (i.e., mestrado e doutoramento) vinculada às
perspectivas ou abordagens a um mesmo problema – Faculdades de Psicologia e de Educação Física pela
o que se assiste é a uma cada vez maior distância sua interdisciplinaridade, J.F.Cruz (4) defende que
entre as diferentes áreas científicas, razão pela qual esta formação deve ser desenvolvida igualmente a
importa tentar perceber efectivamente quais as um nível pré-graduado. No entanto, para outros
relações a estabelecer entre a PD e as outras ciências como, por exemplo, Landers, Nideffer, ou Weinberg,
do desporto, bem como entre a PD e a psicologia os interessados em tornarem-se psicólogos do
geral, tal como sugeriu Garcia-Mas (5). desporto devem frequentar cursos quer de psicologia
A formação e a acreditação dos psicólogos do quer de ciências do desporto (15).
desporto são dois outros grandes problemas que se Em relação ao que não parece existir qualquer
deparam actualmente à PD, sendo talvez mesmo dos dúvida é acerca da necessidade de nessa formação
mais cruciais para o seu desenvolvimento. serem incluídas matérias referentes à psicologia, às
A propriedade da Psicologia do Desporto tem sido ciências do desporto, e ao desporto, tal como
objecto de uma acesa controvérsia em diferentes proposto por Nitsch (11).
momentos e locais. Enquanto uns advogam que ela Quanto à acreditação dos psicólogos do desporto, as
deve ser entendida como Psicologia no Desporto e, soluções encontradas em diversos países também
nessa medida, se reporta exclusivamente ao labor não são idênticas. Enquanto na Austrália essa função
dos profissionais da psicologia em contextos de foi acometida à Australian Psychological Society (APS),
actividade física ou desportiva, outros defendem que estrutura nacional dos psicólogos, nos EUA a
como Psicologia do Desporto ela é mais uma das solução passou pelo empenho e contribuição de
ciências do desporto situando-se, por isso mesmo, organizações não directamente relacionadas nem
no âmbito da acção dos profissionais dessa área. com psicólogos nem com profissionais do desporto,
Em certa medida, na origem desta disputa está o como (numa primeira fase) o United States Olympic
facto de a PD se ter iniciado e desenvolvido Committee (USOC) e (actualmente) a AAASP. Por
fundamentalmente no âmbito das instituições outro lado, na Inglaterra, foi a British Association for
relacionadas com o ensino da educação física e Sport and Exercise Sciences (BASES) quem definiu e
desporto e não da psicologia. Com efeito, o interesse coordena o processo de acreditação dos psicólogos
dedicado a esta área por parte das organizações mais do desporto. Nesse sentido, atendendo às diferenças
relacionadas com a psicologia em geral só atingiu existentes entre as características destas
alguma expressão a partir da criação da Divisão 47 organizações, não surpreende pois que também se
da APA, a que já nos referimos. verifiquem algumas diferenças ao nível das
Em nosso entender, esta discussão corporativista, condições requeridas por cada uma delas para a
para além de improdutiva, não leva em linha de acreditação.
conta que o contexto desportivo se caracteriza neste Tal como salientámos anteriormente, pensamos que
domínio, pelo menos actualmente, por uma certa a questão da acreditação não deve ser analisada
ausência de regulamentação, resultando portanto separadamente da da formação. Nideffer sugeriu que
que o que verdadeiramente importa não é tanto o em lugar da atribuição de uma designação tão
tipo de diploma apresentado pelos indivíduos mas genérica como a de psicólogo do desporto, os
sim os conhecimentos que possuem, ou não, para as indivíduos deveriam ser certificados em função dos
funções requeridas. seus conhecimentos e competências. Assim,
Assim, antes de se pensar na questão da acreditação, enquanto uns poderiam ser certificados para utilizar
há que pensar na questão da formação. testes psicológicos em contextos desportivos, outros
Relativamente a esta, não há uma solução poderiam ser certificados para aplicar técnicas de
unanimemente preconizada por todos. Por exemplo, relaxação com atletas (18).
enquanto para J.Cruz (2, 3) a opção deve ser no Ainda a este respeito, importa sublinhar que uma

122 Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 2001, vol. 1, nº 1, 114–123

revista 122 13.2.04, 16:25


A Psicologia do Desporto e a “batalha da qualidade”

solução deste género, ainda que permita reduzir o dessa abordagem – principalmente a partir dos inícios
peso da formação de futuros técnicos nesta área da década de 80, o principal tema de estudo da PD
vem, por outro lado, levantar precisamente a questão passou a ser o treino psicológico para a optimização
da sua acreditação. Isto é, importará definir do rendimento. Ou seja, de uma abordagem clínica
claramente quais os limites da sua actuação. Daí a passou-se para uma abordagem educativa.
necessidade das questões da formação e da Daí que importe investir na apresentação a
acreditação serem equacionadas conjuntamente. treinadores, atletas e dirigentes das vantagens
Finalmente, uma outra preocupação da PD deve eventualmente decorrentes do recurso a especialistas
consistir no reforço da qualidade dos programas de em PD. Para tal, é, por exemplo, necessário não só
formação dos treinadores e dirigentes desportivos. que os programas de formação desses agentes
Na realidade, não interessa investir apenas na incluam espaço para a abordagem detalhada e
formação de psicólogos de elevada qualidade se o profunda dos conteúdos da PD mas também que
sistema não estiver preparado para extrair deles o quem tem essa função perceba claramente os
máximo possível. objectivos que devem orientar essa formação:
Ao analisarmos as declarações de diversos demonstrar como os conhecimentos da PD podem e
treinadores, ou mesmo dirigentes, verificamos que devem ser incluídos no processo de treino desportivo.
elas revelam que o seu entendimento relativo à PD Na realidade, somos de opinião – tal aliás como
continua extremamente confinado a uma perspectiva outros autores (2, 3) – que o primeiro papel do
basicamente clínica. Todavia, apesar de numa psicólogo do desporto (pelo menos actualmente)
primeira fase do seu desenvolvimento, a PD ter consiste em assessorar os treinadores para que eles
adoptado essencialmente uma abordagem clínica para integrem nos seus processos de treino os
tentar lidar com os problemas dos atletas – sendo o conhecimentos da PD. Apenas depois de concluída
livro editado em 1966 por Ogilvie e Tutko “Problem esta tarefa se poderá com maior eficácia colaborar
athletes and how to handle them” um exemplo clássico directamente com os atletas.

REFERÊNCIAS

1. Biddle, S.J.H. (1997). Current trends in sport and exercise & J.Summers (Eds.), Sport psychology: Theory, applications and
psychology research. The Psychologist, 10(2), 63-69. issues (pp.xxiii-xxxv). Park Road, Milton: John Wiley & Sons.
2. Cruz, J. (1997). Psicología del deporte: Historia y 11. Nitsch, J. (1989). Future trends in sport psychology and
propuestas de desarrollo. In Jaume Cruz (Ed.), Psicología del sports sciences. Actas do VII Congresso Mundial de Psicologia do
deporte (pp.15-41). Desporto (pp.200-204). Singapura: ISSP.
3. Cruz, J. & Cantón, E. (1992). Desarrollo histórico y 12. Paula Brito, A. (1990). Psicologia do Desporto. Panorâmica:
perspectivas de la psicología del deporte en España. Revista de Desenvolvimento, principais áreas e aplicações. Investigação a
Psicología del Deporte,1, 53-61. nível internacional e em Portugal. Ludens, 12(2), 5-22.
4. Cruz, J.F. (1996). Psicologia do desporto e da actividade 13. Sachs, M.L. (1991). Reading list in applied sport
física: Natureza, história e desenvolvimento. In José F.Cruz psychology: Psychological skills training. The Sport Psychologist,
(Ed.), Manual de psicologia do desporto (pp.17-41). Braga: SHO. 5, 88-91.
5. Garcia-Mas, A. (1997). La psicología del deporte y sus 14. Salmela, J. (1992). The world sport psychology sourcebook, 2nd
relaciones con otras ciencias del deporte. Revista de Psicología edition. Champaign, IL: Human Kinetics.
del Deporte,11, 103-113. 15. Straub, W.F. & Hinman, D. A. (1992). Profiles and
6. Gill, D. (1992). Status of the Journal of Sport & Exercise Psychology, professional perspectives of 10 leading sport psychologists. The
1985-1990. Journal of Sport & Exercise Psychology,14, 1-12. Sport Psychologist, 6, 297-312.
7. Martens, R. (1979). About smocks and jocks. Journal of 16. Tenenbaum, G. & Bar-Eli, M. (1995). Contemporary issues
Sport Psychology, 1, 94-99. [in J.Cruz & J.Riera (1991). in exercise and sport psychology research. In S.J.H. Biddle
Psicología del deporte: Aplicaciones y perspectivas (pp.55-62). (Ed.), European perspectives on exercise and sport psychology
Barcelona: Martinez Roca] (pp.292-323). Champaign, IL: Human Kinetics.
8. Mora, J.A., García, J., Toro, S., & Zarco, J.A. (1995). 17. Vasconcelos Raposo, J. (1996). Psicologia do desporto:
Estrategias cognitivas en deportistas profesionales. Málaga: Passado, presente e futuro. In José F.Cruz (Ed.), Manual de
Universidad de Málaga. psicologia do desporto (pp.43-65). Braga: SHO.
9. Mora, J.A., García, J., Toro, S., & Zarco, J.A. (2000). 18. Williams, J.M. & Straub, W.F. (1998). Sport psychology:
Psicología aplicada a la actividad físico-deportiva. Madrid: Past, present, future. In Jean M. Williams (Ed.), Applied sport
Ediciones Pirámide. psychology: Personal growth to peak performance, 3rd edition (pp.1-
10. Morris, T. & Summers, J. (1995). Introduction. In T.Morris 12). Mountain View, CA: Mayfield Publishing Company.

Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, 2001, vol. 1, nº 1, 114–123 123

revista 123 13.2.04, 16:25