Está en la página 1de 5

PORTARIA 82/2000

NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000

Aprova Norma Técnica que fixa a padronização de contenedor para o acondicionamento


e procedimentos para o armazenamento de resíduo sólido de serviço de saúde - infectante
e comum - e de resíduo comum.

O Superintendente de Limpeza Urbana de Belo Horizonte, no uso de suas atribuições legais


e regulamentares, e considerando:
I - as disposições da Lei Municipal nº 2.968, de 03 de agosto de 1978;
II - a necessidade de se fixar requisitos mínimos para padronização de contenedores para o
acondicionamento e
procedimentos para o armazenamento de resíduo sólido de serviços de saúde - infectante e
comum - e de resíduo comum
orgânico.
RESOLVE:
Art. 1º - Aprovar a Norma Técnica SLU/PBH nº 001/2000, integrante do ANEXO I, desta
Portaria, complementar à Lei
Municipal nº 2.968, de 03 de agosto de 1978.
Art. 2º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Belo Horizonte, 24 de julho de 2000

Luiz Henrique Dantas Hargreaves


Superintendente de Limpeza Urbana

ANEXO I
NORMA TÉCNICA SLU/PBH - Nº 001/2000

1 - OBJETIVOS
Esta norma técnica fixa a padronização de contenedores para o acondicionamento e
procedimentos para o armazenamento de
resíduo sólido comum orgânico e resíduo sólido de serviços de saúde - infectante e comum
-, no município de Belo Horizonte.

2 - DOCUMENTOS COMPLEMENTARES
Na aplicação desta norma técnica é recomendável consultar:
- ABNT - NBR - 12.810, de janeiro de 1993 - Coleta de resíduo de serviço de saúde -
Procedimento.
- Portaria SMSA/SUS -BH nº 017/99, de 03/03/99 - Aprova Norma Técnica Especial nº
001/99 - Fiscalização de
Laboratórios Clínicos.
- Portaria SMSA/SUS -BH nº 024, de 24/03/99 - Aprova Norma Técnica Especial nº 002/99
- Fiscalização e Vigilância
Sanitária dos Estabelecimentos de Assistência à Saúde.
- Portaria SMSA/SUS -BH nº 038/99, de 06/07/99 - Aprova Norma Técnica Especial nº
005/99, visando a fiscalização dos
laboratórios de Citopatologia, Histopatologia, Anatomia Patológica e congêneres.
- Portaria SMSA/SUS -BH nº 054/99 - Dispõe sobre a inspeção fiscal sanitária em
transportadoras de medicamentos,
correlatos e insumos farmacêuticos.
- Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde de Belo Horizonte -
Publicação COPAGRESS, 1999.
- Legislação Municipal de Limpeza Urbana - Lei nº 2.968, de 03/08/78 ou a que vier a
substituí-la e sua regulamentação.
- Decreto nº 10.064, de 16/11/99 - Altera normas de procedimentos gerais e de rotina para
aprovação de projetos de
edificações.

3 - DEFINIÇÕES E TERMINOLOGIAS
As definições e terminologias tiveram como referência a NBR- 12.807, de janeiro de 1993,
da Associação Brasileira de
Normas Técnicas - ABNT.

- ABRIGO DE ARMAZENAMENTO FINAL - é o local apropriado, construído de acordo


com as Normas Técnicas da
SLU, para armazenar os contenedores até a realização da coleta externa.
- ACONDICIONAMENTO - é o ato de embalar adequadamente, como estabelecido em
regulamento, na legislação
específica e em observância às normas técnicas aplicáveis, os resíduos sólidos para fins de
coleta e transporte.
- LOCAL DE HIGIENIZAÇÃO - é a área destinada à limpeza dos contenedores.
- COLETA EXTERNA - é a remoção e o transporte dos resíduos sólidos, devidamente
acondicionados, através de veículo
apropriado, para fins de destinação, tratamento e/ou disposição final.
- CONTENEDOR OU CONTÊINER - é o equipamento fechado, de características
definidas em norma específica,
empregado no armazenamento de resíduos sólidos devidamente acondicionados.
- DESINFECÇÃO - é a destruição de agentes infectantes na forma vegetativa, situados fora
do organismo, mediante a
aplicação de produtos químicos.
- ESTABELECIMENTO GERADOR - é o local onde são gerados os resíduos sólidos.
- GARI - é o trabalhador que executa o serviço de coleta externa.
- RECIPIENTE RÍGIDO - é o invólucro resistente e estanque, empregado no
acondicionamento de resÍduos
perfurocortantes.
- RESÍDUO COMUM - é o de origem domiciliar, comercial, de prestação de serviços e
pública, incluídos aqueles materiais
considerados recicláveis, que não apresentam risco adicional à saúde pública.
- RESÍDUO INFECTANTE - é o resíduo de serviço de saúde, classificado tipo A pela
resolução CONAMA nº 5, de 1993,
que, por suas características de maior virulência, infectividade, concentração de patógenos,
apresenta risco potencial adicional
à saúde pública.
- RESÍDUO COMUM ORGÂNICO - é o de origem comercial com característica
estritamente orgânica e natureza vegetal,
considerado reciclável, que não apresenta risco adicional à saúde pública, destinado à
compostagem.
- RESÍDUO DE SERVIÇO DE SAÚDE - é o resultante de atividades exercidas por
estabelecimento de saúde gerador, de
acordo com a classificação da resolução CONAMA nº 5, de 05/08/93.

4 - CONDIÇÕES GERAIS
4.1 - Especificações do contenedor:
a) ser basculável por sistema hidráulico acoplado no veículo coletor;
b) ser construído em polietileno de alta densidade, aditivado contra ação destrutiva dos
raios solares ultravioleta, ser lavável e
impermeável de forma a não permitir vazamento de líquido, e com cantos internos
arredondados;
c) possuir tampa articulada ao próprio corpo do equipamento, permitindo fechamento
adequado sem prejuízo para seu
esvaziamento;
d) ter capacidade mínima de 120 (cento e vinte) litros e máxima de 1.000 (mil) litros,
adaptáveis ao sistema de basculamento
dos veículos apropriados, observando-se os limites de carga máxima estabelecidos pelo
fabricante;
e) ter 2 (duas) rodas revestidas em borracha, que permita o fácil deslocamento, nos
contenedores com capacidade inferior a
500 (quinhentos) litros ou ter 4 (quatro) rodízios revestidos em borracha ou sistema similar,
com ângulo de giro 360º (trezentos
e sessenta graus), sendo 2 (dois) com freio de estacionamento e ser provido de dispositivo
para drenagem com sistema de
fechamento nos contenedores com capacidade igual ou superior a 500 (quinhentos) litros;
f) deve ser de cor verde para o resíduo sólido infectante ou biológico de serviços de saúde,
ostentando em lugar visível o
símbolo de resíduo infectante na cor preta, conforme NBR - 7.500;
g) deve ser de cor alaranjada para resíduo sólido comum de serviço de saúde;
h) deve ser de cor azul escuro para resíduo comum orgânico.

4.2 - Os tipos e modelos de contenedor devem ser produzidos atendendo as especificações


das Normas DIN -EN 840, de
1992 e DIN - 30.740, de 1987, (Deutsches Institut fur Normung) do Instituto de Normas
Alemãs ou ANSI Z-245 (American
National Standard), no que se referem a dimensões, construções e testes.
4.3 - Outros tipos e modelos de contenedores que forem necessários em função dos
sistemas de coleta, de transporte e de
tratamento ou disposição final de resíduos de serviços de saúde ficam sujeitos à inspeção e
aprovação da SLU.
4.4 - São procedimentos de uso do contenedor para resíduo de serviços de saúde e resíduo
comum orgânico:
a) usar o contenedor para o armazenamento de resíduos infectantes ou biológicos,
devidamente acondicionados em saco
plástico, impermeável e resistente, de cor branca leitosa ou em recipiente rígido, conforme
estabelecido na lei 2.968, de
03/08/78, ou na lei e regulamentação que vierem a substituí-la;
b) usar o contenedor para o armazenamento de resíduo comum orgânico, conforme lei
2.968, ou lei e regulamentação que
vierem a substituí-la;
c) manter a tampa do contenedor permanentemente fechada, sem empilhamento de
recipientes sobre esta, não sendo
permitido o armazenamento de resíduos no abrigo fora do contenedor;
d) o contenedor para resíduo infectante deve permanecer no abrigo externo de
armazenamento final aguardando a coleta
externa;
e) o contenedor de resíduo comum orgânico deve ser apresentado à coleta no local, dia e
horário indicados pela SLU;
f) o uso do contenedor, salvo no caso previsto no item 5.1, não dispensa a construção e o
uso do abrigo de armazenamento,
que deve obedecer às normas técnicas da SLU e legislação pertinente;
g) o estabelecimento gerador de resíduo comum orgânico deve efetuar, em local
apropriado, a higienização dos contenedores;
h) o estabelecimento gerador de RSS deve dispor de local para higienização dos
contenedores para resíduos comuns e
limpeza e desinfecção simultâneas dos contenedores para resíduos infectantes;
i) o efluente da lavação do contenedor de RSS deve ser direcionado para a rede coletora e
tratamento público de esgoto,
atendidos os padrões de lançamento estabelecidos pelo órgão competente. Na inexistência
do sistema público, direcionar os
líquidos para o tratamento no próprio estabelecimento, obedecida a legislação vigente;
j) o abrigo de armazenamento deve dispor de local apropriado para a guarda de material
necessário à higienização do próprio
abrigo, não se permitindo seu uso para outros fins ou para armazenamento de resíduos de
tipologia diferente.

5 - CONDIÇÕES ESPECÍFICAS
5.1 - Os estabelecimentos de serviços de saúde e congêneres, cuja geração diária de
resíduos for inferior ou igual a 100 (cem)
litros, a critério da SLU, podem:
I - ser desobrigados do uso de abrigo externo de armazenamento final, desde que os
resíduos estejam devidamente
acondicionados, estocados em contenedor padronizado e armazenados em locais com
características de localização
semelhantes a do abrigo externo de armazenamento final, conforme legislação pertinente e
normas técnicas da SLU; ou
II - ser desobrigados do uso de contenedor padronizado para os resíduos acondicionados,
desde que sejam estocados em
abrigos externos de armazenamento final, sendo um de uso exclusivo para resíduo
infectante ou biológico e outro para resíduo
comum, conforme legislação pertinente e norma técnica da SLU.
5.2 - Os estabelecimentos geradores de resíduos de serviços de saúde e de resíduos comuns
orgânicos estarão sujeitos a
inspeções periódicas da SLU para verificação do cumprimento das disposições desta norma
e legislação específica de limpeza
urbana.

6 - DISPOSIÇÕES FINAIS
6.1 - Constatado o não cumprimento desta norma, os estabelecimentos geradores dos
resíduos sólidos estarão sujeitos às
penalidades previstas na lei 2.968, de 03/08/78, ou na lei e regulamentação que vierem a
substituí-la.
6.2 - Os fatos que vierem a surgir, não contemplados nesta Norma Técnica, deverão ser
apresentados a esta Superintendência
de Limpeza Urbana - SLU, para avaliação e definição.

Intereses relacionados