Está en la página 1de 401

Índice geral

Introdução 9

1 Vida e Obra de Lavanha 19
1.1 João Baptista Lavanha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.2 Estudos biográficos sobre Lavanha . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.3 Biografia de Lavanha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
1.4 A obra de Lavanha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

2 A obra náutica de Lavanha 73
2.1 Parecer de Lavanha sobre as agulhas . . . . . . . . . . . . . . 75
2.2 Parecer de Lavanha sobre as Molucas . . . . . . . . . . . . . . 94
2.3 Roteiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
2.4 Relação do porto do Senegal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
2.5 Regimento de Gaspar Jorge do Couto . . . . . . . . . . . . . 114
2.6 Regimento para o piloto que [. . . ] . . . . . . . . . . . . . . . . 119
2.7 Regimento da altura a qualquer hora do dia . . . . . . . . . . 121
2.8 Regimento da Costa do Cabo Negro . . . . . . . . . . . . . . 126
2.9 Textos didácticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134

3 Tratado del Arte de Navegar 161
3.1 Descrição geral do manuscrito . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
3.2 Definição de Arte de Navegar . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
3.3 Declinação do Sol . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
3.4 Instrumentos para achar a declinação do Sol . . . . . . . . . . 174
3.5 Instrumentos para obter a altura do Sol . . . . . . . . . . . . 177
3.6 Regimento do Sol . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
3.7 Regimento do Norte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
3.8 Dos ventos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226

1

2 ÍNDICE GERAL

3.9 Fábrica da carta de navegar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
3.10 Descrever as costas marítimas na carta . . . . . . . . . . . . . 239
3.11 O uso da carta de marear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
3.12 Regimento das léguas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
3.13 A agulha de marear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
3.14 Como marcar as agulhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254

4 Regimento Náutico 257
4.1 Descrição geral do regimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . 257
4.2 Prefácios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 262
4.3 Da figura do Mundo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
4.4 Do calendário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 271
4.4.1 Evolução do calendário . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
4.4.2 O calendário na obra de Lavanha . . . . . . . . . . . . 294
4.5 Da Declinação do Sol . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 304
4.6 [Latitude pelo Sol] . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315
4.7 [Latitude pelas estrelas fixas] . . . . . . . . . . . . . . . . . . 317
4.8 [Latitude pela estrela Polar] . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 322
4.9 [Regimento das léguas] . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 325

5 Tabelas de amplitudes 329
5.1 João de Lisboa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 330
5.2 Francisco Faleiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 332
5.3 Pedro Nunes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337
5.4 Tábuas de Lavanha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 350

Conclusão 379

Fontes e Bibliografia 391
Fontes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 391
Fontes Manuscritas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 391
Fontes Impressas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 392
Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 395
Obras de Referência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 395
Estudos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 395

Lista de Figuras

2.1 Linhas de igual inclinação magnética . . . . . . . . . . . . . . 87
2.2 Instrumento de Norman para medir a inclinação magnética . 90
2.3 Última página do Roteiro das Ilhas Primeiras . . . . . . . . . 105
2.4 Instrumento de Lavanha segundo Simão de Oliveira . . . . . . 123
2.5 Instrumento de Lavanha segundo Simão de Oliveira . . . . . . 125
2.6 Última página do «Regimento da Costa do Cabo Negro. . . » . 127
2.7 Primeira página do Compendio de la Geografia. . . . . . . . . 134
2.8 A parte celeste na Descripcion del Universo . . . . . . . . . . 137
2.9 A parte celeste no manuscrito de Turim . . . . . . . . . . . . 138
2.10 Tabela com o lugar do Sol na Descripcion del Universo . . . . 140
2.11 Tabela com o lugar do Sol na Descripcion del Universo . . . . 142
2.12 Proporção dos paralelos em relação ao equador . . . . . . . . 144
2.13 Roda com ascensões rectas no atlas de Turim . . . . . . . . . 149
2.14 Roda com ascensões rectas na Descripcion del Universo . . . 151
2.15 Roda com amplitudes ortivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

3.1 Primeira imagem de Lavanha . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
3.2 Esquema do cálculo da declinação . . . . . . . . . . . . . . . . 168
3.3 Declinação na obra de Clávio . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
3.4 Esquema de Lavanha para cálculo da declinação . . . . . . . . 175
3.5 Esquema de Nunes para cálculo da declinação . . . . . . . . . 176
3.6 Anel náutico—Nunes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
3.7 Anel náutico—Lavanha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
3.8 Quadrante, segundo Lavanha . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181
3.9 Nónio, segundo Nunes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
3.10 Nónio, segundo Lavanha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
3.11 Instrumento «jacente», segundo Nunes . . . . . . . . . . . . . 192

3

4 LISTA DE FIGURAS

3.12 Instrumento «jacente», segundo Lavanha . . . . . . . . . . . . 194
3.13 «Instrumento de sombras», de Pedro Nunes . . . . . . . . . . 195
3.14 «Instrumento jacente no plano», de Pedro Nunes . . . . . . . 197
3.15 Figura auxiliar do regimento do Sol . . . . . . . . . . . . . . . 202
3.16 Outra figura auxiliar do regimento do Sol . . . . . . . . . . . 204
3.17 Astrolábio «especial» usado no processo de João de Lisboa . . 209
3.18 Esquema dos cálculos, segundo Luís de Albuquerque . . . . . 213
3.19 Esquema dos cálculos, segundo Luís de Albuquerque . . . . . 214
3.20 Imagem auxiliar do Regimento do Norte . . . . . . . . . . . . 219
3.21 Correcção a aplicar à altura da Polar . . . . . . . . . . . . . . 220
3.22 Imagem auxiliar do «Regimento da Polar» em Nunes . . . . . 222
3.23 Imagem auxiliar do «Regimento da Polar» em Lavanha . . . . 224
3.24 Primeira imagem representado os ventos . . . . . . . . . . . . 226
3.25 Segunda imagem representado os ventos . . . . . . . . . . . . 227
3.26 Rosa-dos-ventos para construção da carta . . . . . . . . . . . 230
3.27 Exemplo de tronco particular de léguas . . . . . . . . . . . . . 232
3.28 Exemplo de uma carta-portulano . . . . . . . . . . . . . . . . 234
3.29 Exemplo de uma carta quadrada . . . . . . . . . . . . . . . . 236
3.30 Figura auxiliar da explicação do Regimento das Léguas . . . . 251
3.31 Esquema da rosa-de-ventos de um agulha . . . . . . . . . . . 256

4.1 Calendário juliano perpétuo para o primeiro trimestre . . . . 277
4.2 Tabela com as festas móveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280
4.3 Tabela de Luciano Pereira da Silva . . . . . . . . . . . . . . . 285
4.4 Tabela com as festas móveis, no texto de Pimentel . . . . . . 289
4.5 Tabela de epactas na obra de Clávio . . . . . . . . . . . . . . 291
4.6 Tabela com as festas móveis, no texto de Clávio . . . . . . . . 292
4.7 Tabela com as epactas por períodos, no texto de Clávio . . . 295
4.8 Exemplo de um círculo da Descripcion del Universo . . . . . 305
4.9 Tabela com correcções para conhecer o lugar do Sol . . . . . . 307
4.10 Tabela com lugar do Sol, primeiro semestre de 1584 . . . . . . 309
4.11 Tabela com correcções para conhecer o lugar do Sol . . . . . . 312

5.1 Bússola de João de Lisboa, para determinar a declinação . . . 331
5.2 Instrumento sugerido por Faleiro, para determinar a declinação333
5.3 Esquema do segundo processo de Faleiro . . . . . . . . . . . . 334
5.4 O instrumento para determinar a declinação, usando um estilete336

LISTA DE FIGURAS 5

5.5 Utilização do instrumento para determinação de amplitudes . 338
5.6 Explicação do cálculo de determinação de amplitudes . . . . . 339
5.7 «Lâmina de sombras» de Pedro Nunes . . . . . . . . . . . . . 341
5.8 Esquema para cálculo da amplitude . . . . . . . . . . . . . . . 346
5.9 Instrumento para cálculo da amplitude . . . . . . . . . . . . . 348
5.10 Página da tabela de lugares do Sol, códice de 1598 . . . . . . 358
5.11 Página da tabela de lugares do Sol, códice de 1623 . . . . . . 359
5.12 Exemplo de página da tabela de amplitudes . . . . . . . . . . 360
5.13 Amplitude para ϕ = 15o , Sol em 7o  . . . . . . . . . . . . . 362
5.14 Lugar do Sol dia 27 de Março . . . . . . . . . . . . . . . . . . 363
5.15 Tabela de lugar do Sol, para 1600, de Clávio . . . . . . . . . . 365

Lista de Tabelas

2.1 Somatório das longitudes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100

3.1 Formato da tabela proposta por Lavanha . . . . . . . . . . . . 170
3.2 Passos do regimento dos cosmógrafos . . . . . . . . . . . . . . 216
3.3 Passos do regimento dos pilotos . . . . . . . . . . . . . . . . . 217

4.1 Áureo número e epactas, de 1594 a 1700 . . . . . . . . . . . . 296

7

pelo monarca espanhol teve profundas consequências na vida de muitos Portugueses. Lavanha foi por este convidado a ir para Madrid. devendo andar também na casa dos vinte. Lava- nha foi certamente um destes. 9 . É quase certo que se conheciam pessoalmente. de certeza.Introdução «1578. Sebastião e no matemático Pedro Nunes. Mais precisamente. No entanto. Nesta cidade conheceu certamente as obras daqueles que escreveram sobre náutica em Espanha. a influência de D. Ora é exactamente esse o tema desta dissertação: analisar os contributos de Lavanha para a náutica portuguesa. Estamos a falar no rei D. Por uma questão de uni- formização. que tiveram uma grande relação com o matemático cuja vida é o tema central desta dissertação. a partir de 1580. contaria então pouco mais de vinte anos. Sebastião na vida de Lavanha foi indirecta. Provavelmente este foi um ano que teve muita importância na vida de Lavanha. ainda que por via indirecta. La- vanha teria mais ou menos a mesma idade. As condições em que morreu. este poderia muito bem ser o seu título. E esse conhe- cimento teve. pois existem refe- rências ao facto de o matemático ter participado na formação do monarca. levaram a uma alteração significativa da situação política em Portugal. no mês de Agosto desse ano morreram duas personalidades portuguesas. com outros interesses. sempre que nos referirmos aos monarcas da dinastia filipina. influência na forma como ele próprio reflectiu sobre as questões da náutica. Por outro lado. O facto de o país passar a ser dirigido. pois é aquele com que são mais conhecidos em termos internacionais. Aí passou a maior parte do resto da sua vida. estamos a referir-nos a Filipe i. usaremos o seu título espanhol. Se este texto fosse um livro. Pouco tempo depois da ascensão de Filipe ii1 ao trono de Portugal. a sua presença quase constante junto da corte madrilena implicou que a sua carreira tivesse seguido outras vias. sem deixar descendência. o ano em que tudo começou!». O monarca faleceu jovem. 1 Neste caso. de Portugal.

que o matemático publica em 15372 . em Portugal. A primeira referência de que aos pilotos deveria ser ministrada uma aula. já que desempenharam as mesmas funções: de cosmógrafo-mor.. Quando Nunes faleceu Lavanha era um jovem. 132. A sua obra teve efeitos profundos em muitos matemáticos e cosmógrafos posteriores. 2002. Ao longo deste estudo procuraremos clarificar também até que ponto os seus interesses de estudo foram influenciados pelo ambiente em que viveu. no século XVI. Nela explica as razões que o levavam a deixar a regência da cadeira de matemá- tica. foi certamente o maior matemático português de todos os tempos. foi dirigida por Nunes ao reitor da Universidade de Coimbra. A carta referida na transcrição anterior. 2 Rita Cortês de Matos. surge em 1572. .10 LISTA DE TABELAS que não apenas a náutica. p. provimento das cartas de marear e outras actividades ligadas à náutica»3 . Luís de Albuquerque defende que se poderia ter uma ideia de quais os conhecimentos que Pedro Nunes acharia fundamentais. datada de 21 de Outubro de 1557. mareantes e construtores de instrumentos náuticos. quando Pedro Nunes é chamado à corte por D. Sebas- tião para ensinar conhecimentos elementares de astronomia e cosmo- grafia a cartógrafos. p. para cumprir as suas obrigações como cosmógrafo-mor: «superintendência dos exames de pilotos. O mesmo monarca já o havia nomeado cosmógrafo do reino em 1529. lendo a sua obra Tratado da Esfera. por D. Vamos procurar também entender até que ponto a obra de Pedro Nunes influenciou o pensamento de Lavanha. 3 Ibid. Quanto a Pedro Nunes. devido à necessidade de se deslocar para Lisboa. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Isto apesar de ter contado também com grandes opositores às suas ideias. «António de Mariz Carneiro — Cosmógrafo-Mor de Portugal [Texto policopiado]». Será que esse facto teve como consequência que foram semelhantes as abordagens de ambos ao desempenho deste cargo? Pedro Nunes foi nomeado cosmógrafo-mor em 1547. esta carta de Pedro Nunes é provavelmente o primeiro documento co- nhecido onde se levanta o véu sobre quais seriam as actividades de um Cosmógrafo-Mor. 132. pelo Cosmógrafo-Mor. pilotos. Dissertação de Mestrado em História da Expansão e dos Descobri- mentos Portugueses. João iii. Quais eram as atribuições do detentor deste cargo? Rita Cortês de Matos forne- ce-nos algumas informações: Embora os alvarás de nomeação de Pedro Nunes para Cosmógrafo e Cosmógrafo-Mor sejam omissos quanto ao que se espera do dito ofício.

Todos eles desempenharam funções de comando de navios no mar. Não é nossa intenção ignorar os seus contributos para a evolução da ciência náutica. Qualquer deles é de origem nobre. e por uma feliz coincidência. Nos casos apontados. usou essas habilitações nesse papel de professor. No entanto. no excerto que acima transcrevemos. praticamente não conseguimos apontar outro nome que tenha feito algo semelhante. We know that the Prince’s support for Coimbra University took the form of property—the gift of buildings for teaching purposes— but Luís de Albuquerque has made it clear in various studies that the University and the Discoveries almost always followed different paths. reconhecemos os seus contributos não poderiam ser compreendidos pela generalidade daqueles que na sua época conduziam navios no mar4 . following the traditional ways of organising work in medieval society: an apprentice worked alongside his master until he was deemed capable of doing the 4 Obviamente que podemos apontar algumas excepções. D. Podemos mesmo referir que a universidade contribuiu muito pouco para a formação dos homens do mar daquela época. E algumas décadas antes encontramos outro caso: Duarte Pacheco Pereira. João de Castro e Martim Afonso de Sousa são dois nomes que sabiam como dirigir navios no mar e que entendiam grande parte daquilo que Nunes escrevera. . se exceptuarmos o caso de Pedro Nunes. estas excepções saem fora daquilo que era a norma dos marinheiros de então. Aliás. No entanto. o que não acontecia com a generalidade dos pilotos de então. a forma- ção dos pilotos seria obtida certamente por outra via. pode-se afirmar que a sua formação nesse campo lhes foi transmitida pelo cosmógrafo-mor. eles também possuíam esses conhecimentos. o facto de até 1572 não se conhecer nenhuma referência a aulas ministradas pelos cosmógrafos para formação dos pilotos. Pedro Nunes era essencialmente um professor universitário. Podemos mesmo afirmar que a formação daqueles que conduziam navios no mar não implicava a existência de estruturas formais de ensino: Let us accept the outset that the existence of a nautical school at the beginning of the 15th century would itself be a historical anachro- nism. Ora a escolha desses oficiais era feita em função da sua origem social e essencialmente das suas capacidades militares e diplomáticas. Aliás. que não a das lições teóricas. Pouco importava se possuíam conhecimentos no campo da náutica. Pilots were trained in the same manner as for other skills. Habilitado com uma sólida formação matemática. que sendo um universitário nos legou imensos contri- butos para o avanço da navegação. Dito de outro modo. a todos os níveis notável. Os resultados da sua reflexão científica encontram-se vertidos na sua obra.LISTA DE TABELAS 11 A mesma autora realça ainda.

da superfície esférica da Terra. e as respostas que encontrámos para as mesmas. nas cartas de marear. pp. «Nautical training and ship command in Portugal (15th to 19th centuries)». Em: The Practice of Mathematics in Portugal. passaremos a explicar a divisão que decidimos seguir na redacção deste estudo. A primeira questão que se nos colocou tem exactamente a ver com o título que escolhemos. Identificadas que estão algumas das questões que nos levaram a ter inte- resse pela análise dos contributos de Lavanha para a náutica. There is no reason to believe that in the case of pilots things would have been done any differently from the usual practice5 . e que pretende definir o tema central do nosso trabalho: «A obra náutica de João Baptista Lavanha (c. to be then left alone in his new professional life. Procuraremos também apresen- tar aqui várias dúvidas que foram surgindo. concretamente. É nosso objectivo tentar perceber como Lavanha contribuiu para esse fim. 2004. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. a preocupação em melhorar sistematicamente os valores fornecidos nas tabelas e a qualidade dos instrumentos de observa- ção. são exemplos de algumas questões que se foram colocando e para as quais os matemáticos procuraram soluções. que tinha inconvenientes. . por Henrique Leitão e Luís Saraiva. Os desenvolvimentos ocorridos no campo da astronomia.12 LISTA DE TABELAS job. assim como explicaremos algumas das opções tomadas. ou a necessidade de encontrar alternativas para a obrigatoriedade de ser necessário observar o Sol no ins- tante da sua passagem meridiana. 1550–1624)». Será que se devia incluir aqui tudo o que ele tinha escrito que tivesse alguma ligação com o mar? Ou seria possível delimitar um pouco 5 Francisco Contente Domingues. a constatação de que a planificação. o que era a sua obra náutica. Quando decidimos avançar para este projecto dispunhamos de alguma informação sobre quem era Lavanha e sabíamos que tinha escrito sobre assuntos ligados à náutica. 276– 277. acarretava erros grandes. Mas a matemática ia-se intormetendo paulatinamente no quotidiano dos pilotos. Estas eram as condições que vigoravam quando Lavanha viveu. Ed. nomeadamente se nesse momento o Sol estivesse escondido por uma nuvem. Essas soluções foram sendo introduzidas na prática da navegação à medida que os pilotos iam tendo capacidade para as entender e implementar. A for- mação dos pilotos continuava a basear-se essencialmente nessa transmissão das técnicas de mestre para aprendiz. Mas tinhamos alguma dificuldade em caracterizar.

como seria o caso dos exames que realizou enquanto cosmógra- fo-mor6 . Nuno Alexandre Martins Ferreira. Rita Cortês de Matos. Matos. os contributos de Lavanha para a náutica em termos simplesmente «admi- nistrativos». «Luís Serrão Pimentel (1613-1679): Cosmógrafo Mor e Engenheiro Mor de Portugal [Texto policopiado]». foi possível limitar a nossa análise aos textos de sua autoria onde aborda assuntos que podemos classificar dentro da categoria de Ciência Náutica. Dissertação de Mestrado em História da Expansão e dos Descobrimentos Portugueses. por exemplo. 2000. por exemplo. com conteúdo náutico. só nos interessam os contributos em que realmente deixou obra escrita. Ao seguirmos esta opção. Após esta primeira decisão. Humanismo e Arte de Navegar no Renascimento Europeu (1450-1650). ou ainda aqueles dedicados a assuntos de astronomia. no Regi- mento náutico e nas Tábuas de amplitudes. sobre os quais não restavam grandes dúvidas que se enquadravam bem na definição que adoptámos. 2009 e Amélia Polónia. . e de outros cosmógrafos nestas questões de avaliação das capacidades técnicas dos homens do mar. como a construção de relógios de Sol. ver: Rita Cortês de Matos. optámos pelo sentido restrito do conceito. ou Arte de Navegar. conseguimos identificar três textos. ou Navegação? Uma vez que a obra de Lavanha é bastante extensa e consideramos importante delimitar o objecto de estudo. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Em: Fernando Oliveira e o Seu Tempo. não vamos analisar. Deixámos assim de fora. Em: Oceanos 38 (1999). «Mestres e pilotos das Navegações Ultramarinas (1596-1648) . poderemos concentrar-nos numa análise mais detalhada de determinados assuntos que consideramos menos estudados na literatura sobre História da Ciência Náutica. em concreto. o corpus documental. ii 13 (1995). Em: Revista da Faculdade de Letras—História. Trata-se de textos com conteúdos 6 Sobre o contributo de Lavanha. Logo. abrangendo tudo o que se relaciona com actividades ligadas ao mar.LISTA DE TABELAS 13 mais o âmbito da nossa análise? Dito de outro modo. Devemos considerar a palavra na sua definição mais lata. estavamos perante outro problema que passa pela definição de «Náutica». Além disso. de Ciência Náutica. Desse modo. Estamos a falar no Tratado del Arte de Navegar. A resposta a esta primeira questão permitiu-nos definir. Cascais: Patrimonia. «António de Mariz Carneiro — Cosmógrafo-Mor de Portugal [Texto policopiado]». «O regimento do cosmógrafo-mor e a prestação dos pilotos na Carreira da Índia».Subsídios para o seu estudo». ou limitá-la ao seu sentido mais restrito. «O Cosmógra- fo-mor: O Ensino Náutico em Portugal nos séculos xvi e xvii». de considerar a expressão «náutica» no seu sentido mais restrito. todos os seus textos relacionados com a construção de navios ou com relatos de naufrágios.

mas nos quais o autor incluiu assuntos de cariz náutico? A nossa decisão foi dedicar um único ca- pítulo a todos os textos que de algum modo considerámos que abordavam assuntos de náutica. Entre esses motivos contam-se os seguintes: dimensão reduzida do texto. mas que contêm também secções sobre assuntos náuticos. que nada tinham a ver com esse ramo do conhecimento. Até que ponto devemos incluir nesta classifica- ção. a análise da obra náutica de Lavanha seria dividida em duas grande partes. alguns dos seus capítulos já foram publicados. escalpelizando o respectivo conteúdo tanto quanto nos fosse possível. sem entrar em grandes detalhes em cada um deles. seria dedicada ao estudo detalhado do mansucrito. Nalguns casos. que merece ser analisado. com pequenas sobreposições de assuntos. Entre as razões que nos levam a preferir este texto estão: o facto de ser um manuscrito. e sobre os quais ele teve um papel essencialmente de compilador ou organizador. . Nesta seria apresentado o texto de Lavanha. Numa delas seria feita uma descrição sucinta de cada um dos textos que ele dedicou à náutica. Se a via seguida tivesse sido esta. mas que por algum motivo não justificavam um capítulo dedicado. cujo conteúdo está praticamente inédito7 .14 LISTA DE TABELAS distintos entre si. pareceres que emitiu. a diversidade de assuntos abordados no mesmo e ainda a sua razoável extensão. tivemos algumas dúvidas sobre a abordagem a seguir. Esses estudos incidiriam sobre a bibliografia conhecida 7 Como veremos quando o analisarmos. mas a maioria do texto continua por publicar. ou ainda textos cujo tema central está relacionado com outras matérias. tivemos que procurar resposta para outra questão. Quanto à outra parte. podemos aplicar a um determinado texto mais que um destes motivos. No início da investigação. A partir do momento em que estava definido aquele que poderemos con- siderar como o cerne do nosso corpus documental. Além disso. Imaginámos três hipóteses possíveis. nalguns estudos. trabalhos que não são da autoria de Lavanha. sobre assuntos de cariz náutico. de náutica. textos redigidos para serem utilizados para outros fins. as respectivas extensões justificam que seja dedicado um capítulo separado a cada um. Importa também clarificar uma opção metodológica que tomámos. o texto a analisar era certamente o Tratado del Arte de Navegar. A primeira consistia em centrar o nosso estudo num único texto de sua autoria. Neste caso. acompanhado de um estudo de cada um dos assuntos que nele são abordados. Cada um deles foi composto num contexto específico.

não sendo destacado nenhum dos seus textos. e dada a vastidão da sua obra sobre náutica. e não outros textos. pois se o fizessemos corria-se o risco de esta dissertação atingir rapidamente uma dimensão inadequada para um trabalho deste género. existia uma terceira hipótese que podemos classificar como «mista».LISTA DE TABELAS 15 referente a cada um dos temas. Dentro desta seriam seleccionados. Os textos seleccionados foram três. ou não tinham ainda merecido a atenção devida. ficava ainda pendente uma ques- tão: até que nível de profundidade poderia ser feita a análise dos textos seleccionados? Dada a dimensão dos mesmos. Uma outra possibilidade seria praticamente oposta à primeira. em traços gerais. Ba- sicamente seria transmitida uma panorâmica geral daquilo que ele produziu na área que nos interessa. Provavelmente não desenvolveriamos nenhum dos assuntos por ele abordados. Ao longo do nosso estudo fomos mantendo em aberto as várias alternativas possíveis. Sobre estes últimos a atenção seria diferente. não seria adequado aprofundar a análise de cada um dos seus contributos. analisando-os com mais detalhe. as conclusões apresentadas não nos pareceram as mais cor- rectas. que considerámos como aqueles cujo conteúdo é essencialmente náutico. em nossa opinião. alguns textos. Escolhida a nossa opção de abordagem. Finalmente. As razões que nos levaram a considerar estes. Neste caso. que se conhece. optámos por apresentar uma descrição dos textos. Vale a pena realçar aqui que a nossa decisão não foi tomada logo no início da investigação. procurando explicar de um modo mais ou menos exaustivo tudo aquilo que se conhece sobre cada assunto. Quais os critérios que presidiram à escolha de determinado assunto em vez de outros? O prin- cipal motivo foi procurar esclarecer assuntos que. com base em critérios bem definidos. Cada uma dessas descrições será acompanhada por um estudo mais detalhado de alguns assuntos criteriosamente escolhidos. Só quando conseguimos ter uma noção mais concreta de quais os seus contributos para a náutica é que nos foi possível tomar uma decisão. poderia ser apresentada. Por um lado. de modo a que se perceba os respectivos conteú- dos. Assim. a totalidade da sua obra náutica. serão explicadas no capítulo que dedicarmos à obra náutica na generalidade. não se afigurava viável estar a aprofundar exaustivamente cada um deles. Foi esta a nossa opção. Pode ainda dar-se o caso de dedicarmos maior atenção a um dado . ou nalguns casos em que tinham sido estudados.

Ainda dentro deste capítulo teremos secções dedicadas aos . Caracterizados os conceitos. pareceu-nos que esta situação implicava um certo desequilíbrio entre as duas partes. Será que valeria a pena dividir o estudo em diferentes partes? À partida. As suas obras principais estão identificadas e localizadas. ou porque razão optou por algumas das decisões que sabemos que tomou. Este capítulo não apresenta praticamente nada de investigação original. O esquema de divisão da dissertação começava a ficar definido. pelo menos para os objectivos que pretendemos alcan- çar neste estudo. Uma vez que no nosso caso o tema central é essa mesma obra. Por essa razão. No en- tanto. Este facto permitiu-nos de- finir com alguma facilidade quais as obras que tencionavamos analisar. definir em concreto aquilo que consideramos obra náutica. Além disso. ficando o mesmo dividido apenas em capítulos. Face ao exposto. Tal pode acontecer se quiser- mos realçar os importantes contributos de Lavanha para esse assunto. Pode também suceder nos casos em que ele se envolve em questões polémicas. em nossa opinião. da nossa parte. Essa primeira parte não é mais que o desenvolvimento de alguns conceitos que já começámos a explicar nesta introdução. uma biografia dessa mesma personagem. Uma dissertação de doutoramento sobre os contributos de determinada personagem para uma dada área do conhecimento deve conter. essencialmente. Contudo. O mesmo se passa em relação àquilo que escreveu. tinha alguma lógica fazer essa divi- são. normal- mente a biografia da personagem estudada em trabalhos deste género inclui também a respectiva obra. obrigato- riamente. em termos gerais. Começamos com uma apresentação do autor e da sua obra. o texto ficou organizado do modo seguidamente expla- nado. segue-se a identificação dos textos que. Uma divisão lógica do texto em partes seria considerar a biografia como a primeira parte e a análise da obra náutica na segunda parte. Este estudo da sua vida permite-nos perceber melhor porque motivo estudou com mais afinco um determinado assunto. Um segundo capítulo será dedicado àquilo que podemos definir como a sua obra náutica. Podemos afirmar que a sua vida já se encontra sufi- cientemente estudada. podemos considerar que existe uma ligação entre a parte biográfica e o restante texto. O seu conteúdo baseia-se essencialmente em informação obtida em estudos sobre Lavanha. se enquadram den- tro da náutica. optámos por não considerar o texto dividido em partes. O primeiro objectivo deste capítulo é. restava ainda esclarecer uma dúvida.16 LISTA DE TABELAS assunto sobre o qual existem bons estudos.

neste capítulo. Além disso. nos pareceu que não justifi- cavam um capítulo próprio. o mesmo foi sendo sistematicamente comparado com as obras equivalentes redigidas pelos dois cosmógrafos substitutos de Lavanha. especialmente se a dimensão da fonte for reduzida. tomámos conheci- mento de um determinado texto do cosmógrafo através de algum estudo que sobre o mesmo foi publicado. que é o de uma academia acabada de criar. O capítulo que se segue é dedicado ao Tratado del arte de navegar. Ou então. Produzido num contexto diferente do anterior e destinado a um público também ele bem distinto. Se a obra mencionada no parágrafo anterior é considerada entre as mais antigas que se conhecem com ideias de Lavanha. está inserido num contexto muito específico. em termos de conteúdo e em termos de dimensão. uma descrição sumária dessas fontes e desen- volveremos alguns desses assuntos noutros capítulos. Nesses casos. nomeada- mente o tipo de pessoas a quem se destinavam as aulas e todo o contexto em que as mesmas foram ministradas certamente que tiveram alguma influência no conteúdo do texto. pelo que não vale a pena desenvolver o nosso raciocínio. funcionando junto a uma das cortes mais poderosas daquela época. durante as suas longas ausências em Madrid. Embora não seja um texto autó- grafo daquele que viria a ser cosmógrafo-mor de Portugal. muitas vezes relacionado com temas de outros textos. o mesmo reflecte exactamente as suas ideias. Tra- ta-se de um manuscrito cujo conteúdo resulta das lições que Lavanha proferiu na Academia das Matemáticas em Madrid. este é o seu primeiro texto impresso. Importa referir que dada a heterogeneidade dos textos. Uma vez que foi redigido por Lavanha no desempenho das suas funções de cosmógrafo-mor. o seu conteúdo tinha obrigatoriamente que apresentar diferenças significativas em relação ao Tratado del Arte de Navegar. e em termos cronológicos é o primeiro texto que se conhece de sua autoria. O quarto capítulo trata do Regimento Náutico. Foram eles Manuel de Figueiredo e Valentim de Sá. A nossa análise poderá basear-se essencial- mente nesse estudo.LISTA DE TABELAS 17 vários textos que. Estes factores. Nalguns casos. conforme já antes explicámos. . faremos. Existirão ainda outras situações em que o conteúdo de determinados textos de Lavanha esteja também pre- sente noutras obras suas sobre as quais temos um capítulo próprio. encontramos neste capítulo diferentes tipos de abordagens. poderá interessar-nos apenas mencionar um aspecto relativo a essa fonte.

Expostas que estão as nossas motivações e explicadas as nossas principais opções. fazia algum sentido dedicar-lhe um capítulo próprio. do Regimento náutico e dos dois exemplares das Tábuas de amplitudes que consultámos. em termos metodológicos. o Regi- mento náutico. Um esclarecimento final. cuja autoria é nor- malmente atribuída a Lavanha. pensamos estar em condições de começar a apresentar os resultados da nossa investigação. No entanto. Uma questão que procuraremos esclarecer é até que ponto estas tabelas constituem efectivamente um contributo inédito de Lavanha. optámos por incluir. esses manuscritos contêm partes ilegíveis.18 LISTA DE TABELAS Finalmente. na maior parte da bibliografia que se dedica ao assunto. Incluimos ainda a transcrição dos dois primeiros daqueles textos. Conforme a nossa investigação se ia desenvolvendo mais convencidos ficavamos que a melhor escolha era ter um capítulo apenas para este assunto. No caso da transcrição do texto impresso. . Não que o assunto seja estudado por Lavanha nesta obra. No suporte digital anexo à presente dissertação. além do texto da dissertação. assinalámos em nota. Nessas situ- ações. socorremo-nos amiúde de manuscritos contendo as ideias de Lava- nha. assim como de um exemplar das tabelas. . indicaremos as partes ilegíveis com [. estudaremos umas Tabelas de amplitude. Pensámos seriamente incluir a sua análise no capítulo dedicado ao Regimento Náutico. Na redacção do texto. os ficheiros com a reprodução do Tratado del arte de navegar. ou não? Não foi fácil a decisão de considerar estas tabelas como tema de um capítulo dedicado. Nalguns casos. todas as diferenças que encontrámos. ]. . sempre que elas ocorrerem nas transcrições de texto. em CD-ROM. na edição de 1606 em relação à de 1595. como ambos os substitutos de Lavanha o abordam nos seus textos.

e actualmente mantido pela Rice University. dedicado à História da Ciência. Esta base de dados contém biografias dos mais conhecidos matemáticos a nível mundial.html.1 João Baptista Lavanha João Baptista Lavanha é uma personagem da cultura portuguesa com uma razoável notoriedade a nível internacional. Na segunda parte se- rão identificadas todas as obras conhecidas relacionadas com Lavanha: textos que realmente redigiu.st. mantida pela University of St Andrews. Acedido em 27 de Dezembro de 2009. em suma. José Anastácio da Cunha e José Sebastião e Silva. Lavanha. «The Galileo Project»3 . na qualidade de cosmógrafo-mor. Robertson.uk/Biographies/ Lavanha. em Hous- ton. na Escócia. é estudar a 1 J. dirigido por Albert Van Helden. 1.history. textos revistos. todas as obras em que possa ter colaborado. trata-se de um projecto de investigação. Joao Baptista. apontamentos de aulas ministradas. O’Connor e E. ou aos quais deu a sua chancela.edu/Catalog/NewFiles/lavanha. Texas. Joao Baptista Lavanha. J.mcs. O objectivo deste projecto. url: http://galileo. serão apresentados os aspectos mais relevantes da biografia de João Baptista Lavanha. url: http://www. 3 Richard S. 2 Os outros três são: Pedro Nunes. Lavanha é um deles2 . como o título indica.html. 19 . Westfall. F.andrews. Na conhecida base de dados em linha «The MacTutor History of Mathematics»1 . constam apenas quatro nomes de matemáticos portugueses. O seu nome consta também de um outro sítio em linha. Acedido em 27 de Dezembro de 2009. Neste caso.ac.Capítulo 1 Vida e Obra de Lavanha Na primeira parte do presente capítulo.rice.

afirma: Autor de um dos tratados portugueses de arquitectura naval. Ubieto Artur. Não é nossa intenção apresentá-las todas neste texto. relativamente aos outros autores de tratados de arquitectura naval. Os navios do mar oceano. os documentos anteriormente men- cionados não fornecem muitos elementos sobre a vida de Lavanha. 396. Lisboa: Centro de História da Universidade de Lisboa. a sua biografia é-nos razoavelmente conhecida. mas o interesse pelo autor tem vindo a crescer nos últimos anos. Contente Domingues ao compararar aquilo que se conhece sobre Lavanha. em especial para o mapa de Aragão. existem ainda dados biográficos por esclarecer. Obviamente. Em: Revista da Universidade de Coimbra 36 (1991). ainda hoje ponto de partida e referência obrigatória. com a de Fernando Oliveira. Cortesão e por A. p. Teixeira da Mota. analisa também o papel de outros vultos da ciên- cia. Foram aqui apresentados como evidência do facto de Lavanha se encontrar.20 CAPÍTULO 1. Por outro lado. achámos interessante a opinião de José Carlos Costa Valente. pois para isso teríamos que repetir em grande parte o dito por A. cons- tatamos um facto: o realce dado ao contributo de Armando Cortesão para o conhecimento da vida e obra do cosmógrafo-mor. dando azo a publicações sobre alguns dos seus trabalhos e actividades5 . 107. Deve-se a Armando Cortesão um estudo fundamental sobre a vida e obra Lavanha. VIDA E OBRA DE LAVANHA vida de Galileu. que classifica esse texto clássico de Cortesão como «inultrapassado»: 4 António Paulo Ubieto Artur. No entanto. . Limitar-nos-emos a resumir a biografia de Lavanha para nela inserir de uma forma compreensível os dados inéditos por nós encontrados4 . Analisando alguma da literatura mais recente dedicada a Lavanha. 2004. Apesar dessa notoriedade. ao contrário do que sucede com a de Manuel Fernandes e. em parte. Esta opinião sobre o valor do texto de Cortesão. como referência para quem queira estudar a biografia de Lavanha é apontada por diversos outros autores. nalguns contextos. escreveu o seguinte: Não pretendemos neste trabalho fazer uma biografia completa de Lavanha. entre os sábios portugueses mais conhecidos internacionalmente. «Aportações à biografia de João Baptista Lavanha». Teoria e empíria na ar- quitectura naval dos séculos xvi e xvii. p. Contudo. 5 Francisco Contente Domingues. que dedicou vários textos aos contributos de Lavanha no campo da cartografia. Por exemplo. seus contemporâneos.

iv. redigidos em parceria com Avelino Teixeira da Mota7 . 1987. 1987. 427a-427d. San- cho y Gil. . «O cartógrafo João Baptista Lavanha e a sua obra». Nos Portugaliæ Monumenta Cartographica.1. 1615 (1620)». 294–361.1. três cartas gravadas na “Quarta Década da Ásia”. Em: Portu- galiae Monumenta Cartographica. José Augusto Sán- chez Perez — sem falar de muitos outros que só acidentalmente se 6 José Carlos Costa Valente. Est. Que género de informações nos forneceu Cortesão sobre a vida e obra de Lavanha? O eminente professor de Coimbra escreveu diversos textos onde analisa os contributos do cosmógrafo-mor. «João Baptista Lavanha. Vol. como Barbosa Machado. Em: Portugaliae Monumenta Cartographica. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. 1935. Vol. p. 1987. encontramos diversas cartas cuja autoria é atribuída a Lavanha. ii. Navarrete. Est. Avelino Teixeira da Mota. pp. 424a-424d. aquele que é o seu estudo mais completo sobre Lavanha tinha já sido publicado em 19359 . 429a-429d. Armando Cortesão e Ave- lino Teixeira da Mota. referência a que se tem re- portado a maior parte dos trabalhos acerca de Lavanha desde então produzidos6 . D. reconhece que o estudo que apresenta é ainda incompleto: Embora alguns autores. Vol. No entanto. Reprodução fac-similada da edição de 1960. Vol. 1615». 8 Avelino Teixeira da Mota. «Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. enumerando os principais autores que antes dele estudaram esta biografia. Seguidamente. Reprodução fac-similada da edição de 1960. com a publicação e interpretação de documentos a que procedeu em 1935. 425a-425c. e assim sucessivamente até 440a-440d. iv. Sousa Viterbo e. Reprodução fac- similada da edição de 1960. de trinta e duas folhas. Est. Lisboa: Imprensa Nacional–Casa da Moeda. «João Baptista Lavanha. sendo todas elas acompanhadas de estudos que apre- sentam elementos biográficos sobre o cartógrafo8 . Seara Nova. até hoje inultrapas- sadas. 1600-1620)». especialmente no campo da car- tografia. devem-se a Armando Cortesão. 426. Lisboa: Imprensa Nacional–Casa da Moeda. Cortesão inicia este capítulo apresentando o estado da questão. 1987. carta de Aragão. JOÃO BAPTISTA LAVANHA 21 As primeiras investigações mais desenvolvidas. 597. Reprodução fac-similada da edição de 1960. iv. «Mentalidade Técnica no Livro Primeiro de Architectura Naval de João Baptista Lavanha (c. 428a-428d. iv. Vol. Contribuição para um estudo completo. Lisboa: Imprensa Nacional–Casa da Moeda. 1597 e 1612». Atlas—Cosmografia. 423. 9 Armando Cortesão. Em: Mare Liberum 10 (1995 [1996]). Em: Portugaliae Monumenta Cartographica. mais recentemente. 7 Note-se que Teixeira da Mota é o autor dos principais estudos sobre Lavanha contidos nos Portugaliæ Monumenta Cartographica. Avelino Teixeira da Mota. Em: Portugaliae Monumenta Cartographica. Lisboa: Imprensa Nacional–Casa da Moeda.

como aquele ilustre historiador da cartografia deixou patente. saído pouco tempo antes do texto de Cortesão: Apesar da categoria do autor e da solenidade do acto a que era des- tinado deixarem supor para o seu estudo certa profundeza e cuidado. reconhece esse mérito quando ele é devido. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Armando Cortesão afirmou com toda a justeza que «está ainda por fazer o estudo completo da biografia e obra notabilíssima dêste sábio português». o que ele considerava fundamental para um cabal esclarecimento de eventuais dúvidas suscitadas pelas transcrições anteriores dos mesmos11 . Obviamente. VIDA E OBRA DE LAVANHA lhe referiram — se tenham ocupado. p. não apareceu ainda. como ainda teremos frequentes ocasiões de verificar12 . Aqui foram-lhe colocados diversos obstáculos à consulta e reprodução dos documentos.. encontramos outra afirmação bastante interessante. p. 299. A biografia para a qual não faltam até elementos. Muito do seu trabalho resulta da reunião de dados expostos em vários dos autores que utilizou. . 11 Ibid. p. Contribuição para um estudo completo.22 CAPÍTULO 1. diz sobre o texto de Sanchez Pérez. sempre que as considere inexactas. para elaborar o seu trabalho. de Lavanha. No entanto. a verdade é que está ainda por fazer o estudo completo da biografia e obra notabilíssima deste sábio português10 . Trata-se do Archivo Histórico de Protocolos de Madrid. e quanto aos histo- riadores espanhóis. Não mostra qualquer inibição em corrigir afirmações de outros. com maior ou menor desenvol- vimento. 296. Por exemplo. referente às mais recentes contibuições dos autores espanhóis para a biografia do cosmógrafo-mor: Nesse estudo que baliza grande parte do que sabemos a seu res- peito. observação que mantém plena validade. refere que Pérez Pastor transcreveu trinta e oito documentos biográficos referentes a Lavanha dos quais apenas um não era inédito. critica também a atitude com que se deparou num dos arquivos onde se encontra grande parte desses documentos. Voltando ao texto de Contente Domingues. a quem se devem de resto as últimas contribuições 10 Cortesão. 295. Por exemplo. a verdade é que nem uma nem outro lhe assistem.. 12 Ibid. Esta atitude denota uma postura extremamente crítica em relação aos diversos estudos em que se baseou. na mesma nota onde faz esta referência.

Acrescentamos ainda que na última década essa produção tem crescido graças sobretudo aos contributos de Mariano Estebán Piñeiro e de Maria Isabel Vicente Maroto. realçando o grande desnível entre as duas: O cosmógrafo e cartógrafo português João Baptista Lavanha (* 1555– 1624) é amplamente conhecido pela historiografia portuguesa. Isto é especialmente grave. não se podendo dizer o mesmo por parte da espanhola. p. 14 Ubieto Artur. Quanto a Ubieto Artur. . 1934. Madrid: Academia de Ciências Exactas Físicas y Naturales. por José Augusto Sánchez Pérez. 395. Face ao exposto.1. como vem de afirmar Alfonso Ceballos13 . decidimos seguir a seguinte metodologia neste capítulo: usaremos esse texto como base para o nosso dis- curso. 15 José Augusto Sanchez Perez. e defendida em 2001. tendo em conta que este sábio português desenvolveu uma parte importante da sua vida e dos seus trabalhos científicos na Espanha do tempo dos Filipes14 . quando analisa o estado da questão sobre os ele- mentos biográficos relativos a Lavanha. complementando o mesmo com dados recolhidos dos restantes estudos consultados. Podemos daqui inferir que os derradeiros anos do passado milénio foram bastante proveitosos em termos de estudo de Lavanha por parte de autores espanhóis. nomeadamente a ciência náutica. Importa destacar o facto de que o texto de Ubieto Artur que temos vindo a analisar foi publicado em 1991. «Aportações à biografia de João Baptista Lavanha». y contestación de José Maria Torroja Miret el dia 20 de Junio de 1934. Este último resultou da sua dissertação de doutoramento. faz uma comparação entre a situação portuguesa e espanhola. pp. Discurso leido en el acto de su recepcion. enquanto que o de Contente Domingues foi dado à estampa em 2004. «quizá por el echo de ser de origen portugués». Os navios do mar oceano.1. este interesse é relativamente recente. da autoria de José Maria Sanchez Pérez15 . redigida até 2000. 108–109. e tendo em consideração que o texto de Cortesão de 1935 continua a ser uma referência fundamental. JOÃO BAPTISTA LAVANHA 23 significativas. De realçar que Ubieto Artur afirma que o mais recente estudo espanhol que conhecia sobre Lavanha tinha sido publicado em 1934. que têm incidido bastante sobre a análise dos contributos de Lavanha para a ciência espanhola. 13 Domingues.

Já vimos anteriormente que Cortesão menciona alguns daqueles que serviram de base ao apontamento por ele incluído na obra de- dicada aos cartógrafos dos séculos xv e xvi.24 CAPÍTULO 1. o nome de Lavanha aparece ainda por diversas vezes ligado a obras por ele comentadas ou criticadas. que fora publicada pouco tempo antes da de Viterbo16 . Em ter- mos cronológicos. Machado apresenta um resumido apontamento biográfico sobre Lavanha. como veremos adiante neste estudo. e que se trata de uma obra que certamente resultou de vários anos de investigação. Nascido 16 Recordemos que o texto de Sousa Viterbo foi publicado entre 1898 e 1900. ou ainda a outros nomes que de alguma forma se inspiraram em textos de Lavanha. foi dada à estampa em 1895. como um dos seus an- tecessores no estudo da biografia de Lavanha. poeta. Autor de uma vasta obra publicada. jornalista. . Por essa razão. Viterbo fornece-nos um estudo elaborado sobre o cosmógrafo-mor. No texto de Barbosa. Trata-se da primeira grande obra de referência bibliográfica publicada em Portugal. Passemos aos autores espanhóis que são referidos por Cortesão. baseado essencialmente em fontes docu- mentais. não ignora alguns dos estudos publicados antes do seu. que adiante analisaremos. Este texto. Escreveu uma obra fundamental para o estudo da história dos descobri- mentos e da expansão portuguesa: Trabalhos náuticos dos Portugueses nos séculos xvi e xvii. seguido de uma breve descrição das obras por ele redigidas e que então eram conhecidas. a partir dos estudos biográficos dos seus protagonistas. uma vez que. foi uma das mais notáveis personagens da intelectualidade portuguesa do século xviii. é o de Sousa Viterbo. o contri- buto de Lavanha não poderia ser olvidado. durante aquelas duas centúrias. interessa-nos particularmente a sua Biblioteca Lusitana. Por esse motivo. o primeiro deles é Martin Fernandez de Navarrete. debruça-se sobre as actividades náuticas lusitanas. assim como a obra de Sancho y Gil. foi médico. VIDA E OBRA DE LAVANHA 1. e a obra de Sancho Gil. O outro nome português que Cortesão menciona. este nos legou também vários textos publicados. Perso- nagem multifacetada. arqueólogo e historiador. Presbítero católico. Apesar disso. O primeiro destes é Diogo Bar- bosa Machado. encontra-se a Biblioteca de Barbosa Machado.2 Estudos biográficos sobre Lavanha Antes de iniciarmos a exposição dos aspectos biográficos mais relevantes de João Baptista. Entre estes. tal como o título indicia. faremos uma análise sucinta dos autores que escreveram sobre este assunto. não poderia deixar de incluir referências a Lavanha.

interessa-nos a edição por ele efectuada. 1895. . Desempenhou um papel activo neste forum. entre 1885 e 1887. tendo sido deputado às cortes por duas vezes. faleceu em 1958. Juan Bautista Lavaña.1. e Biblioteca maritima española 19 . ESTUDOS BIOGRÁFICOS SOBRE LAVANHA 25 em 1765. em busca de materiais relativos à história marítima. o outro autor espanhol mencionado por Cortesão. de uma forma detalhada. distinguindo-se no direito e na política. 19 Martin Fernandez de Navarrete. é José Augusto Sánchez Perez. espaço de debate literário. científico e cultural. 18 Martin Fernandez de Navarrete. foi nomeado pela coroa para investigar nos arquivos nacionais. publicado por Eustáquio e Francisco Fernandez de Navarrete em 1848. a biografia do cosmógrafo-mór. 20 Juan Bautista Lavaña. viu-se obrigado a passar largos períodos em terra. Ed. essencialmente textos relacionados com as conferências que proferiu. Biblioteca marítima española. ingressou na Marinha Espanhola em 1780. do Itinerário do reino de Aragão 20 . Para o tema do nosso trabalho. e é especialmente no segundo tomo de cada uma delas que Martin Fernandez aborda. viveu na segunda metade do século xix (1850–1896). Coleccion de Opúsculos 18 . em 1846. Ed. Doutor em matemática. As suas obras mais importantes. 1851. assim como algumas peças de literatura que foram premiadas. Segue-se Sancho y Gil. 1846. Madrid: Im- prenta de la Viuda de Calero. por Eustaquio e Fran- cisco Fernandez de Navarrete. Por questões de saúde. Estas duas últimas obras são divididas em 2 tomos cada. tendo mesmo sido pre- sidente do mesmo. Finalmente. Faleceu em 1844. Itinerario del Reino de Aragon.2. 17 Martin Fernandez de Navarrete. 2 vols. com especial incidência nos contribu- tos árabes para o desenvolvimento da matemática espanhola na Idade Média. por Faustino Sancho y Gil. Aragonês. Nas- cido em 1882. Foi um dos fundadores do Ateneo de Zaragoza. em 1851. Em 1789. sendo um republi- cano convicto. sobre esta área da história. em história da matemática. Publicou obra variada. y de las ciencias matemáticas que han contribuido a sus progresos entre los españoles 17 . Coleccion de Opúsculos. em especial da história marítima espanhola. na citação anteriormente transcrita na página 21. Tal não o impediu de se dedicar também à investigação histórica. assim como o prólogo que redigiu. Zaragoza: Diputaciôn Provincial de Zaragoza. y de las ciencias matemáticas que han contribuido a sus progresos entre los españoles. Disertacion sobre la historia de la náutica. foram publicadas a título postumo: Disertacion sobre la historia de la náutica. Madrid: Real Academia de la Historia—Imprenta de la Viuda de Calero. dedicou a sua vida à docência nessa área. dedicando-se então ao estudo da história.

22 Cristobal Pérez Pastor. Procurou nos arquivos toda a documentação possível sobre estas personalidades da cultura espanhola. Estamos a referir-nos a Pérez Pastor. citando os documentos por ele publicados. decidimos avaliar se a sua biografia mereceu alguma atenção por parte dos estudiosos que se dedicam a esta temática.26 CAPÍTULO 1. Começando por João da Gama Pimentel Barata. 1891- 1907: Tipografía de los Huérfanos. autor que encontrou o «Livro primeiro de arquitecura naval». Na sua obra: Estudos de arqueologia naval. sendo posteriormente publicado. interessa-nos es- pecialmente a Bibliografía madrileña del siglo xvi 22 . por José Augusto Sánchez Pérez. Apesar da excelente qualidade deste estudo. doutorando-se em Fisíca e Química. Nestas estão incluídas todas as obras de Lavanha que Pérez Pastor identificou nos arquivos e bibliotecas da capital espanhola. Exerceu activida- des docentes. Nessa qualidade. no acto de admissão à mesma academia. que embora Cortesão não o men- cione. Lope de Vega e Pedro Calderón de la Barca. Frequentou o semi- nário e foi ordenado sacerdote. Sendo Lavanha autor de uma obra dedicada à construção naval: o «Livro primeiro de arquitectura naval». Note-se que este seu discurso foi apresentado a 20 de Junho de 1934. tem um estudo dedicado ao trabalho de Lavanha no âmbito da arqui- tectura naval23 . Essa recolha de informação que levou a cabo serviu-lhe para a redacção de várias obras. Obra premiada pela Biblioteca Nacional de Madrid. Nutria uma admiração especial por escritores espanhóis. Bibliografia madrileña ó descripción de las obras impresas en Madrid: (siglo XVI). Pérez Pastor nasceu em 1842 e faleceu em 1908. VIDA E OBRA DE LAVANHA Sobre Lavanha escreveu um apontamento biográfico21 que apresentou à Aca- demia de Ciências Exactas Físicas y Naturales. 21 Sanchez Perez. Existe ainda um outro autor espanhol. 23 João da Gama Pimentel Barata Barata. Obra premiada pela BN de Madrid. e em 1881 ingressou no Corpo de Arquivistas e Bibliotecários. desempenhou funções em diversas bibliotecas e arquivos. Discurso leido en el acto de su recepcion. Para o nosso âmbito. na referida citação. acaba por aludir por diversas vezes à sua obra. Estudou ciências em Madrid. exercendo em diversas paróquias. e que Armando Cortesão já o refere no seu trabalho dado à estampa em 1935. y contestación de José Maria Torroja Miret el dia 20 de Junio de 1934. nomeadamente Mi- guel de Cervantes. apresenta 2240 referências ordenadas alfa- beticamente. descrevendo cada uma delas de um modo bastante completo. o apontamento biográfico sobre a personagem estudada reduz-se a um parágrafo. no concurso de 1888. «O Livro Primeiro da Architectura Naval . 1891–1907.

Trata-se de um pequeno resumo biográfico. Jaime. em 16 de Dezembro de 1966. Joel Serrão [dir. que ocupa pouco menos de uma coluna no dicionário. ESTUDOS BIOGRÁFICOS SOBRE LAVANHA 27 Outro estudioso que se debruçou sobre o trabalho de Lavanha. 12. Temos mencionado sistematicamente os estudos de Armando Cortesão. João Baptista (?–1624)».] Porto: Livraria Figueirinhas. Trata-se do texto de uma palestra lida na sede da Ordem dos Engenheiros. 27 Luís de Albuquerque. durante a sessão comemorativa do 30o aniversário da Ordem. Foi publicado no respectivo boletim. Lisboa: Livros Horizonte. Mais centrado na personagem do cosmógrafo-mor identificámos um texto de sua autoria. na hidrografia e na cartografia (1557-1640)». Vol. in- serido na sua obra dedicada aos Descobrimentos Portugueses25 . Palestra lida na sede da Ordem dos Engenheiros. também estudou alguns aspectos da vida de Lavanha. Em: Estudos de Arqueologia Naval (1989). 26 Luís de Albuquerque. vale a pena assinalar também uma análise da obra de Lavanha contextualizada na História da Ciência e das profissões que lhe são afins: «Origem da profissão de engenheiro em Portugal». São inúmeros os estudos em que ele aborda os diversos contributos de Lavanha para a ciência náutica. Em: Dicionário de His- tória de Portugal. vi. Lisboa: Livros Horizonte.2. Teixeira da Mota é também autor de uma comunicação com elevado interesse para o estudo de Lavanha: «Os regimentos do cosmógrafo-mor de 1559 e 1592 e as origens do ensino náutico em Portugal». 1992. Apresenta-nos um pe- queno apontamento biográfico sobre o autor do livro que analisa. «Mentalidade Técnica no Livro Primeiro de Architectura Naval de João Baptista Lavanha (c. «Lavanha. vol. Estudo e transcrição do mais notável manuscrito de construção naval portuguesa do século xvi e princípios do século xvii». durante a sessão comemorativa do 30o aniversário da Ordem. Uma personagem incontornável no estudo da História dos Descobrimen- tos e da Expansão é Luís de Albuquerque. no Dicionário de História de Portugal 26 . Foi publicada no Boletim da Ordem dos Engenheiros. . Debruça-se especialmente sobre ele no capítulo intitulado «A obra científica na astronáutica. e posteriormente incluído numa colectânea de textos27 . iii. 1600-1620)». o seu irmão. 1973. 25 Jaime Cortesão. 24 Valente. no 1. Contudo. Do mesmo autor. 1978. Menciona ainda as principais obras que a ele se referiram.1. que posteriormente de João Baptista Lavanha. Vol. em 16 de Dezembro de 1966. «Origem da profissão de engenheiro em Portugal». no campo da arquitectura naval foi José Carlos Costa Valente24 . Em: Para a história da ciência em Portugal. Descobrimentos portugueses. Janeiro-Fevereiro de 1967.

tem um capí- tulo sobre João Baptista Lavanha. Luís de Albuquerque [dir. no qual apresenta os dados mais recentes relativos à personagem central do nosso estudo. Mais recentemente. Conhecimento e representação na Época Moderna. Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa. Português. cosmógrafo-mor contemporâneo de Lavanha29 . A sua dissertação de mestrado tem como persona- gem principal António de Mariz Carneiro. 1993. Dissertação de Mestrado em História da Expansão e dos Descobri- mentos Portugueses. tem estudado com alguma profundidade a vida e a obra de Lavanha. Além disso. Em Espanha a actividade de Lavanha tem merecido uma atenção maior nos tempos mais recentes. Na sua dissertação de doutoramento. 33 Domingues. «António de Mariz Carneiro — Cosmógrafo-Mor de Portugal [Texto policopiado]». Apresentou numa das reuniões de História da Náutica uma comunicação sobre o ensino da náutica em Portugal e o contributo de Lavanha para esta questão32 . Maria da Graça Mateus Ventura e Luís Jorge Semedo de Matos [org. Em: Fernando Oliveira e o Seu Tempo. Dois autores têm contribuido bastante para este 28 Avelino Teixeira da Mota. Francisco Contente Domingues tem centrado grande parte da sua investigação nos assuntos ligados à construção naval.] Lisboa: Edições Colibri. João Baptista». Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Cascais: Patrimonia. Humanismo e Arte de Navegar no Renascimento Europeu (1450-1650).] Lisboa: Círculo de Leitores. Ainda sobre a questão do cosmógrafo-mor. 30 Rita Cortês de Matos. Em: Memórias da Academia das Ciências de Lisboa (Classe Ciências).] e Francisco Contente Domingues [coord. Vol. 2003. 2002. Em: As novidades do mundo. nomeada- mente em torno dos respectivos tratados. «João Baptista Lavanha e o ensino da náutica na Península Ibérica». O texto da dissertação foi posteriormente publicado33 . Redigiu uma entrada para o Dicionário de História dos Descobrimentos. dedicou mais dois estudos a este importantíssimo cargo30 . que constitui já uma excelente sintese da vida do cosmógrafo-mor31 . 2000. Em: Oceanos 38 (1999) e Rita Cortês de Matos. 32 Francisco Contente Domingues. 31 Francisco Contente Domingues. VIDA E OBRA DE LAVANHA foi publicada28 . Em: Dicionário de His- tória dos Descobrimentos Portugueses. «Os Regimentos do cosmógrafo-mor de 1559 e 1592 e as origens do ensino náutico em Portugal». Nesse seu estudo aborda com algum detalhe o cargo de cos- mógrafo-mor. «O Cosmógrafo-mor: O Ensino Náutico em Portugal nos séculos xvi e xvii». Por esse motivo. nos seus diversos aspectos.28 CAPÍTULO 1. 13. 1969. ii. dedicada à construção naval. «O regimento do cosmógrafo-mor e a prestação dos pilotos na Carreira da Índia». 29 Rita Cortês de Matos. «Lavanha. Os navios do mar oceano. . de realçar a investigação de Rita Cortez de Matos.

Madrid e Bar- celona: Ediciones Garriga. assim como outras três que teria deixado inéditas. «Lavanha. De origem espanhola consultámos a Enciclopedia General del Mar 35 . Esta 34 Mencionam-se seguidamente alguns dos textos de sua autoria. O seu interesse tem-se centrado essencialmente na Academia das Matemáticas de Madrid. Em: Verbo Enciclopédia Luso- Brasileira de Cultura. Vol. João Baptista». [s. Quanto à Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira 36 oferece-nos uma entrada com mais alguma informação. ou sobre Lavanha em particular: Mariano Esteban Piñeiro e Maria Isabel Vicente Maroto. S. Em: Enciclopedia General del Mar. «Los Cosmógrafos al Servicio de Felipe II. na qual Lavanha desempenhou um papel fundamental nos primeiros tempos34 .d.. 35 «Lavanha. onde a en- trada sobre o cosmógrafo-mor é assinada por Avelino Teixeira da Mota37 .] . nomeadamente por algumas enciclopédias. Nesta obra a en- trada sobre Lavanha é bastante reduzida.d. A faceta que é mais desta- cada é a de cronista e consequentemente a de historiador. iv. Formación Científica y Actividad Técnica». e os seus mais importantes contributos em cada uma dessas áreas. Em: Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. ESTUDOS BIOGRÁFICOS SOBRE LAVANHA 29 interesse: Mariano Estéban Piñeiro e Maria Isabel Vicente Maroto. Aspectos de la ciência aplicada en la España del siglo de oro. Embora o texto dedicado aos dados biográficos de Lavanha não seja muito extenso. Lisboa e Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia.] 37 Avelino Teixeira da Mota. No que respeita à sua obra cartográfica.1. resumindo-se a apresentar pouco mais de uma dezena de linhas dedicadas à sua biografia. Não conseguimos determinar a autoria das entradas de enciclopédia men- cionadas nos dois anteriores parágrafos. sobre a referida acade- mia. 1991 e Mariano Esteban Piñeiro.d. Finalmente. nem uma única referência. Em: Mare Liberum 10 (1995 [1996]). correspondendo a cerca de meia co- luna. As únicas alusões ao seu papel na náutica são a nomeação para cosmógrafo-mor e a indicação de que teria publicado uma Descrição da Guiné e umas Tábuas de Latitude e de Longitude. [s. Vol. Situação diferente acontece com o texto incluído na Verbo Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura. xiv.] 36 «Lavanha.2. [s. Curiosamente. este texto dá muito pouco realce aos contributos de Lavanha para a náutica ou para a cartografia. João Baptista». Vol. Lisboa: Editorial Verbo. João Bautista». São mencionadas apenas três obras publicadas por Lavanha. fizemos também uma pesquisa por algumas obras de di- vulgação generalista. xii.A. Salamanca: Eu- ropa Artes Gráficas. são apresentadas as diferentes actividades em que ele se viu envol- vido.

[s. p. e que teria o nome exactamente igual ao do cosmógrafo-mor. p. nota 9. nota 2. p. Cortesão. pois nesse ano falecera seu pai41 .30 CAPÍTULO 1. Versão em CD-Rom (Col.d. 109. esta afirmação teria influenciado outros estudiosos. começando pelas suas origens. 315. que foi modernizado. 295. 598. 1..3 Biografia de Lavanha Passemos então a expor os elementos mais notáveis sobre a sua vida. Contribuição para um estudo completo. no qual se afirma que Lavanha teria nascido em Lisboa. Nessa correcção. Quem foi o seu pai? Cortesão38 critica um passo de Diogo Barbosa Machado. Os navios do mar oceano. Aponta como exemplo. . Ainda de acordo com o professor de Coimbra40 . 42 Domingues. certamente antes de 1555. 315. cf. publicada até à data da redacção do texto da enciclopédia. e jaz sepultado na Igreja do Carmo desta Corte39 . no 2). 40 Cortesão transcreveu o texto que originou esta situação. p. É este o excerto de Machado que deu origem ao comentário do historiador da cartografia: JOAÕ BAPTISTA LAVANHA Cavalleiro da Ordem Militar de Ch- risto natural de Lisboa e filho de Joaõ Bautista Lavanha. A 4a edição reproduz a ortografia da primeira. 41 Ibid. VIDA E OBRA DE LAVANHA entrada termina com uma enumeração das obras principais de que Lavanha foi autor seguida de uma selecção da bibliografia mais relevante sobre ele. Contribuição para um estudo completo. que a partir dela teriam tirado conclusões erradas.] vol ii. Lisboa. que morreo a 5 de Fevereiro de 1555. com excepção do índice alfabético dos nomes dos autores. e não o pai daquele cuja biografia estamos a analisar: 38 Cortesão. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. 39 Diogo Barbosa Machado. no qual afirma que Lavanha seria filho de alguém. Contente Domingues42 chama a atenção para o facto de Cortesão não ter reparado que no volume iv da Biblioteca Lusitana tinha sido corrigida a informação acima transcrita. falecido em Lisboa em 1555. Bibliotheca Lusitana. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Ophir. esclarece-se que o Lavanha falecido em 1555 era o avô. o famoso dicionário de Inocêncio da Silva. p.

y Jerónima Daza. Embora o «erro» de Barbosa Machado seja referente à paternidade de Lavanha. Barcelona: Ediciones Peninsular. João Baptista Lavanha. Curiosamente. iv. «Labaña. y contestación de José Maria Torroja Miret el dia 20 de Junio de 1934. BIOGRAFIA DE LAVANHA 31 JOAÕ BAPTISTA LAVANHA (tomo 2. 397. 47 Esteban Piñeiro e Vicente Maroto. 8. sem contudo indicarem a origem das suas informações. Existem no entanto. 2). Juan Baptista». não a apontam como totalmente garantida. e Jerónima Daça.3. mas que se encontraria há longo tempo ao serviço da Coroa portuguesa e que teria um certo nível cultural. vol. p. al. Vol. Bibliotheca Lusitana. poderá explicar a tendência de diversos autores. i. 1983. considerarem que teria sido aquele o ano do nascimento do nosso cosmógrafo. posiblemente en 1555. .45 . nasceria pois muito provavelmente em Lisboa por volta do ano 1555 no seio de uma famí- lia fidalga com prováveis ascendentes genoveses e segura ascendência judaica. Embora continuem a mencionar também a data de 1555. para a morte daquele que se presumia ser seu pai. E no caso do «Galileo Project». p. o facto de no mesmo excerto aparecer também mencionado o ano de 1555. 45 Victor Navarro Bróton. e neto.1. 74. «Aportações à biografia de João Baptista Lavanha». 496. 598. Em: Dicionário histórico de la ciência moderna en España. e naõ filho de Joaõ Bautista Lavanha. encon- tra-se nesta situação Ubieto Artur. Prudência semelhante é demonstrada por Mariano Estéban Piñeiro: João Baptista Alavanha había nacido en Lisboa. Victor Navarro Brótons et. p. p. os dois sítios em linha. 43 Machado. como está na Bibliotheca 43 . foi filho de Luiz Lavanha. Estão neste caso: Sancho Pérez44 . Série Universitaria–História Ciência e Sociedade. que se continuará nas seguintes gerações46 . siendo sus padres Luis de Alavanha. pag. Aspectos de la ciência aplicada en la España del siglo de oro. para o seu nascimento. col. Por exempo. indicam a data de 1550. Discurso leido en el acto de su recepcion. nomeadamente espanhóis. de ascendencia judia y escu- dero de la Casa Real portuguesa. que afirma: O futuro cosmógrafo. 174. surge ainda a indicação de que as datas fornecidas são correctas. por José Augusto Sánchez Pérez. miembros ambos de familias de hidalgos47 . outros autores espanhóis mais recentes que denotam uma postura mais prudente. p. mencionados no início deste capí- tulo. 46 Ubieto Artur. 44 Sanchez Perez.

porém. 120. e de D. pp. declarar Lavanha que há 52 anos prestava serviços contínuos aos reis. Também em relação ao local do nascimento não existe documentação que permita afirmar com certeza onde teria nascido. era filho de Luiz de Lavanha. Para Cortesão essas evidências são as seguintes: seu pai vivia em Lisboa. e Jerónima Daça. assume que provavelmente Lavanha teria nascido entre 1545 e 1550. todos eles relacionados entre si. Por sua vez. 396–397. Roteiros portugueses inéditos da carreira da Índia do século xvi. numa família fidalga. 316. com base em documentação que até então não fora analisada. Já aqui trans- crevemos citações que mencionam os respectivos nomes: Luiz de Lavanha.32 CAPÍTULO 1. Jerónima Daça. permitem perceber que na época viviam em Lisboa vários indíviduos de apelido Lavanha. tenta esclarecer alguns aspectos menos conhecidos da sua vida. Já vimos anteriormente50 que Ubieto nos informa que João Bap- tista teria nascido muito provavelmente em Lisboa. 1940. a supor que teria nascido entre 1545 e 155048 . O facto de no seu testamento. feito em Madrid no dia 16 de Março de 1624. Fontoura da Costa. leva-nos. Os novos dados que este autor nos fornece. supra página 31. p. 50 Cf. escudeiro fidalgo da Casa Real. mas existem fortes evi- dências que teria sido em Lisboa. ignora-se. p. «Aportações à biografia de João Baptista Lavanha». Cortesão afirma que não 48 A. também de lá era natural. e com uma origem comum em Génova51 . logo é muito provável que João Baptista também o fosse49 . 49 Cortesão. Face à documentação conhecida. 51 Ubieto Artur. baseados essencialmente em dados gene- alógicos e registos paroquiais. Ubieto Artur. quando e onde nasceu. [Lisboa]: Agência Geral das Colónias. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Face à documentação conhecida. Miguel de Lavanha. Tendo em conta os restantes elementos conhecidos sobre a sua vida. . Contribuição para um estudo completo. pode dizer-se que teria nascido em meados do século xvi. Passemos a analisar quem seriam os seus progenitores. E apresenta uma justificação para isso: João Baptista Lavanha. VIDA E OBRA DE LAVANHA Quanto a Fontoura da Costa. nomeadamente a época em que a sua carreira começou a florescer e a data do seu passamento. não é possível afirmar com rigor qual o ano exacto do seu nascimento. com origem muito provavelmente em Génova e de ascendência judaica. seu irmão. descendente de hebraicos. por algum grau de parentesco. porém.

p. o cosmógrafo-mor conseguiu um lugar de grande relevo e prestígio nas cortes portuguesa e espanhola. Face ao exposto. e porque o breue de des- pensação para elle ho auer de receber. a ascendência judaica de Lavanha veio por via paterna. Face a esta afirmação. do próprio monarca. Ubieto Artur afirma que a vinda de Lavanha para Lisboa. que. a quem tenho feito merce do habito de Xp̃o. BIOGRAFIA DE LAVANHA 33 existem dúvidas serem esses os nomes dos pais dele. 56 Ubieto Artur. pois só assim se compreende que seu pai fosse es- cudeiro da Casa Real. . Já Ubieto Artur não co- munga exactamente com este ponto de vista. sem embargo de ser decendente da nação hebraica. tal não é muito significativo. onde exercia funções de confiança54 . e onde esses dados são esclarecidos. 54 Ibid. e na qual se afirma: Outra sobre João Baptista Lauanha. Esse facto é confirmado na documentação. Refere vários docu- mentos que ele próprio transcreveu. existe acordo da generalidade dos autores consultados relativamente a este tema. provavelmente baseando-se no estudo de Cortesão. A documentação permite ainda perceber que seu pai era cavaleiro-fidalgo da Casa Real52 . no período de 1591 a 1598. Um dos documentos é uma carta real datada de 10 de Abril de 1607. p. Também não parecem restar dúvidas sobre a origem judaica de Lavanha. Os navios do mar oceano. p. 397.53 . 110. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Contribuição para um estudo completo. reconhece mérito a Lavanha para envergar o hábito da Ordem de Cristo. 316. o sangue hebraico do cosmógrafo-mor poderia ter a sua origem em Génova. p. p.1. 315.. mas poderia também ter sido adquirido por via materna56 . 53 Ibid. podemos concluir que para o professor de Coimbra. Cortesão defende que essa origem deverá ser remota. meu cosmographo mór. 301. na qual se apresenta uma consulta à Mesa da Consciência e Ordens. apesar da sua origem. Fica por clarificar a dúvida sobre se a origem judaica de Lavanha seria por via materna ou paterna. ou ambas? Para este estudo. por ordem de Filipe ii. 52 Cortesão. No entanto. Igual opinião defende Contente Domingues55 .. 55 Domingues. «Aportações à biografia de João Baptista Lavanha». Aquilo que realmente importa é que apesar dessa condição. as opiniões não são tão convergentes.3. Para ele. Já em relação à via pela qual Lavanha teria recebido esse sangue hebraico.

criticando a ausência da fonte da informação e acrescentando que até à época em que viveu não se tinha encontrado documentação que permitisse confirmar esta ideia. . no qual ele afir- mava o seguinte: Ivan Bautista Lavaña. Pedro.34 CAPÍTULO 1. desde su tierna edad. Contente Domingues tem algumas dúvidas sobre esta pos- sibilidade. Por sua vez. baseando-se em documentação. Sousa Viterbo menciona Barbosa. Pedro. publicado em Roma em 1640 por conta do marquês de Castelo Rodrigo59 . Armando Cortesão. a quien por las muestras que el dio. y Maestro de las Mathematicas de la Magestad del Rey D. p. devido à sua origem57 . el Rey D. p. Quanto à sua formação académica pouco se sabe. p. o Nobiliário de D. publicado em 1640. Sebastian de Portugal (cuyo vassalo era) hizo encaminar a los estudios de las buenas letras enviadole para esto a Roma. Persona de grande erudición. tem pouca consistência uma referência constante num documento publicado bastantes anos após a morte do cosmógrafo-mor: Este facto é sempre tido como dado adquirido. Cortesão. Para ele. donde se exercito y adelanto en ellas com grande felicidad58 . Muitos dos autores ana- lisados referem o facto de D. Sebastião o ter mandado estudar para Roma. 59 Domingues. «Aportações à biografia de João Baptista Lavanha». y ingenio. Os navios do mar oceano. 58 Apud. Coronista mayor del Reyno de Portugal. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Concordamos com esta dúvida de que parte dos estudos de Lavanha te- riam ocorrido em Roma. 399. Se- gundo Cortesão. Não se sabe exactamente que género de formação ele teria recebido naquela cidade da Península Itálica. mas Lavanha não o menciona no testamento ou em qualquer outro dos seus escritos: antes se abona apenas no testemunho tardio do editor da mais conhecida das suas obras de genealogia. No entanto. Felipe iv. VIDA E OBRA DE LAVANHA se pode ficar a dever aos problemas que ele encontrou na capital espanhola. Con- tribuição para um estudo completo. esta ideia tinha a sua génese num pequeno excerto. Fica assim por esclarecer a origem da formação 57 Ubieto Artur. incluído pelo editor do Nobiliário de D. O professor de Coimbra começa por referir que quem primeiro teria aludido a essa ida de Lavanha para Roma fora Barbosa Machado. sem contudo indicar a origem desta infor- mação. 112. 317. Por seu lado. explica a origem desta informação.

o rei de Portugal: . p.1. 317. . o mandou completar os estudos a Roma60 . Conforme referido. Geografia e Topografia em Lisboa. durante cinquenta e dois anos.3. trata-se de uma suposição sua. p. 120. . Pimentel Barata refere. não é de estranhar que quando Felipe ii ascendeu ao trono de Portugal em 1581. D. Aliás. se teriam iniciado no reinado de D. Contribuição para um estudo completo. 61 . «O Livro Primeiro da Architectura Naval de João Baptista Lavanha. de que teria sido discípulo de Pedro Nunes. Cf. pouco se sabe sobre essa sua formação académica. como o próprio refere. No entanto. p. nos informa que serviu. Também consideramos difícil de sus- tentar uma hipótese levantada por Fontoura da Costa. ». . Fontoura não fornece referências que fundamentem esta sua opinião. Estudo e transcrição do mais notável manuscrito de construção naval portuguesa do século xvi e princípios do século xvii». 61 Cortesão. Barata. na recém-criada Academia das Matemáticas de Madrid62 . Não conhecemos ne- nhuma referência que permita confirmar esta suposição do grande oficial de Marinha e historiador da náutica. Estando o monarca em Lisboa. no seu testamento. É o próprio Lavanha que. Sebastião. . já Lavanha tivesse atingido uma elevada notoriedade como matemático. siendo rei i principe. 62 Curiosamente. Fontoura da Costa refere o seguinte: A sua profunda cultura. de quem fora professor de matemática. Roteiros portugueses inéditos da carreira da Índia do século xvi. Só mais tarde. . certamente por lapso. . incluído no texto Roteiros portugueses inéditos da carreira da Índia do século xvi. em Roma. Tendo iniciado as suas actividades antes do desastre de Alcácer Quibir. baseada na elevada cultura matemática demonstrada por Lavanha. BIOGRAFIA DE LAVANHA 35 académica do futuro cosmógrafo-mor. professor de Cosmografia. e eventualmente noutros locais. matemática e cosmográfica. nomeou Lavanha como lente de matemática. que em 1582 ele era «. e muito provavelmente como mestre desta ciência. Num breve apontamento biográfico sobre Lava- nha. de lo que io espero por cinquenta i dos años de servicios conti- nuos hechos a su magestad. cuio maestro he sido de las matematicas a su padre a su abuelo i al rey don Sebastian. Sebastião. . 155 . A nomeação foi 60 Costa. . Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. não restam grandes dúvidas que as suas actividades como matemático. inclina-nos a admitir que ele foi discípulo do grande mestre Pedro Nunes.

e pelo mestre de fazer cartas de marear. pelo assistente e tradutor. Barbuda. colocando um elevado empenhamento nas tarefas que levava a cabo64 . devendo Lavanha iniciar as suas actividades no primeiro dia do ano seguinte. 65 Ibid. e Lavanha é um deles. o cosmógrafo também se esforçou bastante por merecer essa confi- ança. O monarca espanhol está interessado em especia- listas em aspectos práticos da Ciência Náutica.. No entanto. 111. Lavanha. 64 Ibid.36 CAPÍTULO 1. Este facto permitiu a Filipe ii aproveitar para o seu serviço alguns dos melhores técnicos portugueses da Arte de Navegar. Assim se completaria a tríade que constituía o pessoal da Aca- demia. 117. obrigação imposta a todos os que se lhe seguiram.. provavelmente por ter entrado em conflito com o poderoso Garcia de Cespedes. p. composta pelo professor. 66 Ibid. p. O curso ministrado por Lavanha iniciou-se em Outubro de 1583. Tratava-se do cartógrafo português Luís Jorge de Barbuda. VIDA E OBRA DE LAVANHA efectivada por cédula real. passim. Contente Domingues defende a tese de que existiria um «terceiro homem» na Academia. além de Lavanha e de Ondériz. Este deve 63 Domingues. . 116. uma aula da parte da tarde. Foi o único professor dispensado de traduzir textos. Passado esse tempo foi-lhe determinado que fixasse resi- dência em Lisboa. tornava-se necessário assegurar a sua tradução. Os navios do mar oceano. p. Ela surge na mesma altura em que ocorreu a União Ibérica. tanto teóricos como práticos63 . Acabou os seus dias na miséria. precisando de apoio para custear a sua deslocação para a capital portuguesa66 . Uma vez que algumas das mais importantes obras teóricas desse campo se encontravam re- digidas nas línguas clássicas. Trabalhou cerca de vinte anos em Madrid. Importa aqui referir alguns aspectos relacionados com a Academia das Matemáticas. A Academia caracteriza-se por apresentar algo que era uma novidade na época: o ensino em vernáculo. iniciou no ano seguinte. Não estava vocacionada para um ensino de cariz teórico. dando ele uma lição matinal. contratado no mesmo dia que Lavanha e Ondériz. O sucesso de Lavanha pode ser em parte explicado pela feliz coincidência apontada anteriormente. Dessa tarefa foi incumbido o jovem Ondériz65 . Tratava-se de uma instituição delineada pelo arquitecto real Juan de Herrera. O objectivo desta prática era permitir uma formação rápida de cosmógrafos e especialistas em navegação. Quanto a Ondériz. Ondériz.. datada do dia de Natal de 1582.

316. Este aspecto assumirá um relevo ainda mais significativo se tivermos em conta que existe a possibilidade de Lavanha nunca ter recebido a categoria de catedrático de matemáticas. Esta primeira estadia de Lavanha em Madrid durará aproximadamente uma década.. que por diversas vezes tece elogios ao seu professor de matemáticas. Em relação às matérias ensinadas. 117–118. Já Cervantes não deve ter sido seu aluno. 116. uma vez que o tempo dedicado às aulas não deveria permitir analisar outros assuntos. Contribuição para um estudo completo. Dimas Miguel fica obrigado a pagar uma determinada 67 Ibid. feita em Madrid. o fundador da mesma academia onde Lavanha ensina recebe um valor superior a ele70 . p.. Curiosamente. Ondériz.. que referem nunca ter encontrado um documento em que Lavanha seja oficialmente denominado catedrático71 . p. pp. 71 Ibid. Contente Domingues realça um aspecto deveras interessante. Tem-se conhecimento que um deles teria sido Lope de Vega. a 4 de Junho de 1584. BIOGRAFIA DE LAVANHA 37 realmente ter trabalhado perto. 117. elas limitar-se-iam a cosmografia e arte de navegar. 69 Cortesão.1. 68 Ibid. que lhe foi atribuído como lente da cadeira de matemática. era o dobro daquele que recebia o seu ajudante. 117. Quem chama a atenção para esse facto é Contente Domingues. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Trata-se de uma escritura. 70 Domingues. .3. Lavanha vai auferir um dos mais elevados vencimentos pagos a pessoas dedicadas a tarefas científicas. ao contrário do que diversos autores defendem68 . verificando-se que ele continua a aumentar o seu prestígio junto do monarca. Ele fica a receber mais que o cronista-mor ou o cosmógrafo do Consejo das Indias. Apenas Juan de Herrera. pouco se sabe. Cortesão menciona um documento no qual ele aparece com essa intitulação. O vencimento de quatrocentos ducados. e em parte para ela: mas os documentos não permitem concluir pela certeza da sua afectação directa à nova instituição67 . Os navios do mar oceano. Ele baseia esta afirmação nas palavras de Isabel Vi- cente Maroto e Mariano Esteban Piñeiro. Ao ser no- meado para este cargo em Madrid. p. ganhando o dobro daquilo que ganha um professor catedrático da época. Cortesão69 fornece-nos inúmeros dados que nos permitem en- tender a importância do cosmógrafo na capital espanhola. na qual D. ou quiçá nas próprias instalações da Academia. Quanto à identificação dos seus alunos. p.

76 Domingues. p. Entretanto. que dos ditos quatorze de setembro em diante dee 72 Cortesão. p. paguos no rendi- mento das terças do dito reino. originaram o tal lapso: Eu el Rey faço saber aos que este aluara virem que avẽdo respeito a informação que tiue da suficiẽcia de João Bautista Labanha e partes necessarias que tem para bem poder seruir o cargo de emgenheiro do reino de Portugal. 74 Francisco Marques de Sousa Viterbo. 318. que. Lo 17. reprodução em facsímile. 73 Torre do Tombo. de D. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Barata. que ora he e ao diante for das ditas terças. Também Luís de Albuquerque indica o ano de 1587 para a nomeação de Lavanha como engenheiro. . Armando Cortesão afirma que esta nomeação teria ocorrido ape- nas em 158775 . O docu- mento da nomeação de Lavanha para este cargo73 foi transcrito por Sousa Viterbo74 . pello que mando ao thesoureiro. «Origem da profissão de engenheiro em Portugal». 296. 155.38 CAPÍTULO 1. Albuquerque. estando ambos incluídos num único parágrafo bastante extenso. p. Filipe 1o . Apesar de este cargo dizer res- peito ao reino lusitano. Chanc. em que lhe fiz esta merce. ey por bem e me praz de lhe fazer delle merce com duzentos cruzados dordenado em cada hum anno. em 1586 foi nomeado engenheiro do reino de Portugal. Contribuição para um estudo completo. 75 Cortesão. 173–174. p. ele junta dois documentos relativos a Lavanha. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. O primeiro é refe- rente à sua nomeação para o cargo de engenheiro. Imprensa Nacional–Casa da Moeda. Trabalhos náuticos dos portugueses dos séculos xv e xvi. 1998. 125. VIDA E OBRA DE LAVANHA quantia a João Baptista Lavanha. Embora se trate de um documento longo. Na transcri- ção feita por Viterbo. pp. 156. Temos uma explicação diferente para o mencionado lapso. em nossa opinião. No texto. nota 39. consideramos importante a sua transcrição integral aqui. assinalaremos a ne- grito as duas datas em questão. para esclarecimento do nosso ponto de vista. Contribuição para um estudo completo. os quais começara a vẽcer de quatorse dias do mes de setembro deste anno presente de bc lxxx bj. p. «catedratico de matematicas residente en corte»72 . Contente Domingues76 chama a atenção para este facto referindo que provavelmente ocorreu por lapso tipográfico. Situação semelhante ocorre com Pimentel Barata. fol. «O Livro Primeiro da Architectura Naval de João Baptista Lavanha. «João Baptista Lavanha e o ensino da náutica na Península Ibérica». 78. Cf. Cf. Estudo e transcrição do mais notável manuscrito de construção naval portuguesa do século xvi e princípios do século xvii». Doações. com um vencimento de mais duzentos cruzados. Lavanha desempenha-o a partir de Madrid.

do meu conselho e meu desembargador do paço. a que o conhecimento desle aluara pertencer. posto que outrosy seja passado o tempo em que nelles ouuera de ser registada e esta apostilla se cõprira como se nella contem. Como se pode verificar. Bal- tesar de Sousa a fez em Madrid a xxbj de junho de mil e bc lxxx bij. o primeiro dos documentos foi elaborado por Manuel Fagundez em Madrid.1. Manuel Fagundez o fez em Madrid a quatro de nouẽbro de bc lxxxbj. . que sera asinado por ambos. pagos pelo rendimento das terças do reino. que o conheção e ajão daqui em diãte por en- genheiro do dito reino e lho cumprão e guardem e façã inteiramente comprir e guardar como se nelle contem. Sebastião Perestrello o fez escreuer.3. em que pena dita prouisão o começa a vẽcer. BIOGRAFIA DE LAVANHA 39 e pague pellos rendimentos dellas ao dito João Bautista os ditos du- zentos cruzados em cada hun anno como dito he. do qual juramento se fara asento nas costas desta prouisão. posto que o tempo em que por ella ouuera de passar seja passado e se registe no liuro das merces que tem Sebastião Diaz.e Barbosa. de que pella prouisão atras escrita tenho feito merce a João Bautista Lavanha.77 . Ey por bem que os duzentos cruzados dordenado cada anno que com o carguo de en- genheiro de Portugal. que sera registado no liuro de sua despesa pello escriuão de seu carguo com conhecimentos do dilo João Bautista mando que lhe sejão os ditos duzentos cruzados de cada hum anno leuados em conta e a todas minhas justiças e officiaes e pessoas. mando outrosy ao doutor P. pp. Nele se dá conta que a nomeação de Lavanha para o cargo teria ocorrido em data anterior à 77 Viterbo. Sebastião Perestrello a fez espreuer. e pelo treslado deste somente. lhe sejão asẽtados no liuro dos ordenados dos officiaes das ditas terças para lhe irem leuados na folha que em cada hum anno se fizer de seus ordenados: pello que mando ao vedor de minha fazenda do tribunal das terças e contos que lhe faça asẽtar o dito ordenado no liuro dos ordenados dos ditos officiaes e de quatorze dias de setembro do anno passado de bc lxxxbj. que lhe de juramento que bem e ver- dadeiramente sirua o dito cargo asy como lhe ouuera de ser dado na chancellaria do reino. a qual ey por bem que passe pella chancellaria. por que assy o ey por bem e meu seruiço. o qual valera e tera força e vigor como se fosse carta &c. leuar cada anno na folha do asẽtamento dos ditos officiaes para lhe ser paguo ao tempo e da maneira em que se lhes paga a elles ditos officiaes. 173–174. a qual valera como carta sem ẽbargo da ordenação do 2o liuro em contrario. aos 4 de Novembro de 1586. Trabalhos náuticos dos portugueses dos séculos xv e xvi. e por quanto o dito João Bautista me estaa seruindo nesta corte.

no entanto. pelo menos no texto que temos vindo a seguir79 . . Mais adiante. p. Segue-se outro documento. em Madrid. No entanto. Contribuição para um estudo completo. que veio para a capital portuguesa por determinação do monarca81 . A primeira passagem de Lavanha por Madrid terminou em 1591. Contribuição para um estudo completo. como se percebe pelas diversas referências em nota. no seu Regimento Náutico. em especial no campo da náutica. p. em substituição de Pedro Nunes. Contudo. o cargo começou a dar mostras de vitalidade. Apenas quando Lavanha assumiu o encargo. VIDA E OBRA DE LAVANHA redacção do mesmo. Cortesão interroga-se sobre quais as razões que levaram Lavanha a mudar-se. a catorze de Setembro do mesmo ano. quando Orta tomou posse era já bastante idoso. Não encontra resposta para isso. logo após a morte de Felipe ii. fa- lecido quatro anos antes. «João Baptista Lavanha e o ensino da náutica na Península Ibérica». para substituir. p. e as respectivas transcrições. ou no início de 1600. Nesse ano muda-se para Lisboa. no cargo de cosmógrafo-mor80 . Confirmamos que realmente Viterbo e Albuquerque o classificam como tal. embora a título provisório. aos 26 de Junho de 1587. 125. Embora formalmente o lugar con- tinuasse a ser ocupado por ele. na realidade o seu contributo nesta área seria bastante reduzido. Falecido o monarca que o fizera vir para Portugal. Provavelmente o lapso da data deve-se ao facto de ter considerado a data constante no final do parágrafo como aquela em que Lavanha foi nomeado. Contente Domingues afirma também que tanto Sousa Viterbo como Ar- mando Cortesão e Luís de Albuquerque se referem a nomeação dele como engenheiro-mor. nota 39. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Este segundo documento foi feito por Baltasar de Sousa. Tomás da Orta. 318. Cortesão usou bastante o texto de Viterbo. quando na realidade o documento de nomeação não diz isso78 . sendo aposentado no ano seguinte à sua nomeação. refere o facto de o próprio cosmógrafo ter escrito em 1595. 81 Cortesão. provisoriamente. facilmente teria convencido o seu 78 Domingues. 318. que detalha a forma como deveriam ser processados os pagamen- tos. 80 Tomás da Orta assumira este encargo em 1582. Cortesão aventa a hipótese de Lavanha ter vindo para Lisboa porque o monarca desejava que o cosmógrafo-mor de Portugal fosse alguém da sua confiança. 79 Cortesão. Esta explicação tem alguma consistência se considerarmos o facto de Lavanha ter regressado para Madrid no ano de 1599. no que se refere a Cortesão.40 CAPÍTULO 1. apenas se refere a ele como Enge- nheiro do Reino. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi.

Teixeira da Mota transcreveu os documentos referentes aos exames de pilotos efectuados por Lavanha. 83 Cf. 84 Cortesão. Começa por referir que Mariz Carneiro. ou em 1600. 85 Mota. supra. Cortesão refere que teria regressado em 1599. que permitirá a expansão para todo o globo. p. No entanto. Ubieto Artur83 afirma que ele pode ter vindo devido aos problemas causados em Madrid devido à sua condição de cristão-novo. existe um outro elemento que contraria a hipótese de Cortesão. no final de um roteiro que publicou em 1642 diz que Lavanha ainda estava em Lisboa em 1600. Os navios do mar oceano. Ora existe um exame para piloto da carreira do Brasil. p. tenha sido em1599. sem grandes variações na latitude. os Espanhóis apenas neces- sitam de atravessar o Atlântico. após a sua estadia em Lisboa. Ao longo da centúria seguinte tanto Portugueses como Espanhóis vão desenvolver carreiras náuticas para as suas áreas de influên- cia: Carreira da Índia. para os Espanhóis. Persiste a dúvida quanto à data exacta do regresso de Lavanha a Madrid. . com o surgimento da navegação astronómica. BIOGRAFIA DE LAVANHA 41 filho a autorizar o regresso82 . e Carreira das Índias. pois o filho de Lavanha foi baptizado em Madrid. 33.1. p. abrangendo uma faixa bastante larga de latitudes. e onde o 82 Ibid. Essa inovação ocorreu ainda durante o século xv. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. 86 Domingues. pág.. p. datado de 3 de Março de 1600. devendo certamente o pai estado presente no baptizado84 . 118 e ss. As dificuldades náuticas da primeira são bastante superiores às da segunda. no ensino da náutica e na preparação dos práticos do mar. Fica portanto a dúvida. feito em Lisboa e assinado por Lavanha85 . em Portugal e em Es- panha. Em Portugal ocorreu o primeiro grande contributo para a evolução da náutica. Cortesão considera que deve ser um erro de Mariz Carneiro.3. 319. comple- mentando as técnicas de navegação herdadas do Mediterrâneo. 287. Por outro lado. Enquanto os Portugueses têm que atravessar dois oceanos. De qualquer modo. no caso dos Portugueses. como cosmógrafo-mor. Lavanha regressou a Espanha e depois disso apenas voltou uma vez a Portugal Contente Domingues compara as práticas seguidas. «Os Regimentos do cosmógrafo-mor de 1559 e 1592 e as origens do ensino náutico em Portugal». sendo ainda importante um cálculo mais ou menos rigoroso da longitude. As técnicas de navegação astronómica irão permitir uma navegação realmente oceânica. a 19 de Janeiro de 1600. durante os séculos xv e xvi86 . Contribuição para um estudo completo. 318.

mas o seu enquadramento institucional estava bem aquém do que a Coroa espanhola poderia achar desejável. conforme apontou Armando Cortesão: «¿Porque passaria Lavanha de Madrid para Lisboa? Mercê ou desfavor? Não encontrámos documento que no-lo deixe perceber. p. Se as técnicas de navegação são mais exigentes para os Portugueses.42 CAPÍTULO 1. Aparentemente estamos na presença de um paradoxo. e na incumbência de uma missão im- portante: regularizar a instrução dos homens do mar87 . E em 1523.. p. sendo Pedro Nunes o primeiro nomeado. Durante a sua estadia em Lisboa. pelo menos na preparação dos homens do mar. A mulher do cosmógrafo deveria ser irmã de um religioso: Frei Jerónimo de Negreiros89 . 316. refere essa ligação entre D. em função do que já fora feito para a Carreira das Índias. ’». casou com D. Mesmo quando se desen- volvem as carreiras do Pacífico. A diferença de opiniões pode ser explicada pelo facto de a filha mais velha ter morrido bastante jovem. 89 Curiosamente. Logo em 1508 surge o cargo de piloto-mor. será em Espanha que se desenvolverá uma estrutura destinada à formação dos homens do mar. Será provavelmente para garantir esse enquadramento intitucional do pessoal técnico. durante os primeiros anos. Contente Domingues88 esclarece que o primeiro daqueles números é aventado por Cortesão. p. Favor sem dúvida alguma. . 121. . o de cosmógra- fo-mor. não sendo considerada na contagem de Cortesão. É face a esta situação que a nosso ver se compreende perfeitamente a vinda de João Baptista Lavanha para Lisboa. o procedimento é semelhante ao do Atlântico. que Lavanha foi enviado para Lisboa: O caso em Portugal era bem diferente: de pessoal qualificado não havia falta. Em Portugal este cargo surgirá bem mais tarde. Apenas o seu Regimento nautico. de quem teve seis ou sete filhos. E tanto quanto se conhece hoje em dia. 110. em 1547. Os navios do mar oceano. VIDA E OBRA DE LAVANHA conhecimento da longitude não é tão importante. Das três filhas de Lavanha. o seu papel não teria sido muito activo. 88 Ibid. para a qual não se encontrou até agora explicação dada pelo próprio ou documento que a explicite. sabemos 87 Domingues. enquanto que Ceballos-Escalera defende o segundo. Leonarda de Mesquita. sendo suficiente um conhecimento da latitude. publicado em Lisboa em 1595. começa por estas palavras: ’Depois que vim a esta cidade por mandado de Vossa Magestade. na página seguinte apresenta uma . Porém. Leonarda e Frei Jerónimo. Cortesão apresenta uma situação algo confusa. No texto.

Face ao exposto. Ainda como interino. A sua nomeação definitiva tem data de 10 de Julho de 159692 . Acrescenta ainda que também não existem provas relativas à hipótese contrária. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. bem como num outro alvará com a mesma data. faleceu jovem90 . 91 Ibid. Lavanha vai continuar uma actividade intensa. em 29 de Novembro de 1601. coloca Frei Jerónimo como irmão de Jerónima Daça. Contribuição para um estudo completo. 90 Cortesão. 133. contudo.3. mãe de Lavanha. pp. 92 Ibid. Trata-se de uma publicação onde são apresentadas as matérias que considerava essenciais à formação dos pilotos. chamado António. Esta tarefa assumia uma extrema importância.1. verificamos que antes da sua nomeação definitiva como cosmógrafo-mor já se dedicava de corpo e alma ao cargo. . Regressado a Madrid em no final do século xvi. Publica ainda o Regimento Náutico em 1595. Durante essa permanência na capital do reino de Portugal dirigiu a re- alização de trabalhos hidrográficos da barra do Tejo. 316-317. de que Lavanha teria ido para Madrid em busca de prestígio do novo monarca. Lavanha é enviado à Flandres. afirma que não existem provas que validem a tese de Cortesão. ainda que resumidamente. em diversos campos.. BIOGRAFIA DE LAVANHA 43 que duas delas se tornaram freiras. p. uma vez que se temia que a barra pudesse via a assorear. p. Por carta assinada em Valladolid. um deles. O alvará que o nomeia interinamente para o cargo data de 12 de Fevereiro de 1591. facto bastante catastrófico para a navegação do Reino de Portugal93 . destacar aqui. p. Contente Domingues94 refere que muito provavelmente este regresso à capital espanhola estará relacionado com o falecimento de Filipe ii. p. reinando Felipe ii. 298. na mesma cidade de Lisboa91 . 298.. 94 Ibid. Os navios do mar oceano. numa missão que poderíamos classificar de recolha de pequena árvore genealógica da família de Lavanha. 132. que surge logo no ano posterior à sua escolha para o cargo. sendo que a outra casou e constituiu família. 93 Domingues. os seus principais contributos nesta sua passagem por Lisboa.. será responsável pelo novo Regimento do Cosmógra- fo-mor. Nessa. Em capítulo próprio desenvolveremos o papel de Lavanha enquanto cos- mógrafo-mor. em Setembro de 1597. Quanto aos três filhos. Importa. surge a indicação de que ficaria também responsável pela cátedra de matemática. Nesse mesmo diploma. Contudo.

era garantida a ligação entre Valladolid e o mar. Em 25 de Outubro de 1610 iniciou os trabalhos de campo para recolha de dados necessários para o Mapa de Aragão. próximo de Valladolid. p. De acordo com um cronista de Filipe iv. Contente Domingues realça mais uma vez os elevados honorários percebidos por Lavanha no desempenho desta tarefa: 500 ducados. . 98 Cortesão. enquanto os seus colaboradores. 97 Recordemos que o rio Pisuerga é um afluente do Douro. contudo. A realização desta tarefa terá levado Lavanha a viver naquela cidade. Trata-se de mais uma das grandes obras que Lavanha levou a cabo. estando envolvido na dita viagem95 . O primeiro documento em que Cortesão o identificou nessa qualidade data de 11 de Janeiro de 1606. ». nos arquivos de Madrid. Os navios do mar oceano. recebeu o hábito de Cristo. . podendo ser explicada pela sua ausência. VIDA E OBRA DE LAVANHA elementos históricos. Era mais um contributo para melhorar a sua situação financeira. Geronimo de Soto e Mateo Quadrado. Gil Gonçalves de Ávila. Contribuição para um estudo completo. Esta situação é diferente da que se verifica posteri- ormente. o monarca enviou-o àquela região a fim de «. . entra ao serviço do Duque de Aveiro. Pisuerga e Douro97 . Caso se concretizasse este projecto. pp. a que correspondia uma tença de 20000 réis96 .44 CAPÍTULO 1. Chama ainda a atenção pra o facto de não co- nhecer nenhum documento sobre a mesma. Esta ligação manter-se-á durante bastante tempo. 319-320. 133. pôr em efeito a História dos Estados da Monarquia de Espanha . provavelmente baseando-se naquele cronista.. Acrescenta. tendo necessidade de empenhar jóias e recorrer a empréstimos. . 99 Domingues. que a ele se junta na região de Simancas. que muito provavelmente a dita viagem se realizou. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. mesmo vivendo em Madrid. sendo que a partir de 1607 os documentos referentes a ele passam a ser assi- nados ali98 . entre finais de 1601 e finais de 1604. p. 319-320. . o Esgueva desagua no Pisuerga. Ainda nesse mesmo ano de 1606 teria iniciado os trabalhos tendentes à navegabilidade de alguns rios ibéricos: Esgueva. prolongando-se os ditos trabalhos 95 Cortesão. Pouco tempo depois. Entretanto. 96 Ibid. Por outro lado. Cortesão informa-nos que alguns dos autores que consultou referem esta viagem. que na altura não seria a mais favorável. receberam res- pectivamente 300 e 100 ducados99 . Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. uma vez que não existe nenhuma documentação sobre o cosmógrafo-mor. 320. Contribuição para um estudo completo. pp.

. Mais tarde redigiu também um pequeno compêndio de geografia. Outro campo de actividade onde ele se evidenciou foi no ensino da mate- mática. mas apenas foi assinado no ano seguinte. p.1. O contrato ficara assente em 1609. 321–322. foi nomeado professor de matemática do Princípe Real. Miguel de Cervantes e o Princípe Felisberto da Sabóia103 . Quanto ao seu regresso a Portugal.3. 134. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Trata-se de um texto de dimensões bastante reduzida. divulgadas por Sancho y Gil. Enquanto professor do futuro rei Filipe iv escreveu uma Descripción del Universo. Contente Domingues chama a atenção para o facto de estarmos perante uma obra exemplar. 104 Domingues. tendo o cosmógrafo iniciado a respectiva gravação na sua própria casa100 . que lhe competia. Em 5 de Setembro de 1615 entregou o manuscrito do mapa. 101 Ibid. p. graças ao facto de as suas ocupações continuarem a ser imensas. p. perfeitamente identificadas na frase seguinte: «la Mar se diuide en Mediterraneo y occeano»104 . mas sim de aulas particulares que mi- nistrou. 308. O processo de elaboração do mapa foi bastante prolongado. Contribuição para um estudo completo. 321. O mesmo foi aprovado em 2 de Abril do ano seguinte. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Tratava-se de um projecto que o Reino de Aragão alimentava há muito. existe uma indicação de que teria passado por Lisboa em 1618. Trata-se de um belo manuscrito. 102 Domingues. nesta disciplina. Cortesão infor- ma-nos que foi também mestre. por inerência do cargo na Academia de Matemáticas. Em 20 de Outubro de 1612. pp. con- servado em Madrid. 133. então com apenas seis anos. Todos esses atrasos conduziram a protestos por parte dos deputados de Aragão. p. Os navios do mar oceano.. Filipe iv. de outros ilustres do seu tempo: Filipe iii. Não estamos a falar no ensino oficial. BIOGRAFIA DE LAVANHA 45 de campo até 16 de Abril de 1611. Cortesão dá-nos conta de inúmeras missivas. Os navios do mar oceano. Contribuição para um estudo completo. Por outro lado. Tal depreende-se de um assento da câmara 100 Cortesão. Contente Domingues chama a atenção para o facto de na época predominarem ainda características da geografia tradi- cional. Lope de Vega. de trinta e quatro fólios. também para o seu pequeno discípulo. 103 Cortesão. onde se relata todo esse ambiente de tensão101 . Tal é atestado pelo número de edições que a mesma conheceu: onze reedições até 1777102 .

por morte de frei Ber- nardo de Brito. é o facto de Lavanha se preocupar em honrar o pagamento das dívidas que contraíra e em fazer chegar a várias pessoas. 300 e 323. faleceu em Madrid.. 322. fez a Portugal em 1619. 105 Cortesão. encontrando-se gravemente doente. 323–324. 108 Ibid. Francisco de Herrera Maldonado também canta a ciência de Lavanha. No derradeiro dia desse mês de Março. no início do Verão de 1618105 . que serviu durante cinquenta e dois anos. 106 Ibid. Por outro lado. nomeadamente ao monarca. pois não se tem notícia que ele alguma vez tenha saído da Europa. Os seus últimos anos de vida. dedica-lhe um soneto. . Contribuição para um estudo completo. O lugar vagara. onde se descreve a mesma106 . p. assumira a finalização da Década Quarta de João de Barros. tendo sido inclusivamente tema para poemas. Uma nota que ressalta no testamento. publicado um texto. Também algumas das cartas trocadas sobre a polémica do Mapa de Aragão informam que ele partira para Lisboa. como ele próprio deixou re- gistado. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. tendo posteriormente. cronista-mor do reino de Portugal. Em 1618. Lope de Vega. foi merecedor da confiança de vários monar- cas. Lavanha juntou a este texto cartas de Java. foi nomeado. 322. no qual surge a indicação de que se iria aproveitar a presença do cosmógrafo-mor na cidade. no princípio de Março. p. Foi na qualidade de cronista que acompanhou a visita que o monarca.. Os dados sobre a data exacta do seu passamento têm levantado algumas dúvidas. em 1602. nos quais se enaltecia a mente brilhante que ele era. para que ele colaborasse numa tarefa ligada ao abastecimento de água à cidade. Note-se que estas foram elaboradas com base em dados obtidos por via indirecta. que fora seu aluno. conforme antes referido. pp. e num documento redigido do dia seguinte e que o complementa. nuns versos que escreveu em 1620107 . Em 19 de Março de 1624.. 107 Ibid. Personagem multifacetada. dita o testa- mento ao seu confessor. Guzerate e Bengala. Lavanha apenas assinará esse documento. A sua influência na corte e na sociedade madrilena de então era certamente elevada. VIDA E OBRA DE LAVANHA municipal de Lisboa. Em 1615. Filipe iii.46 CAPÍTULO 1. em 1622. dedicou-os a actividades mais do âmbito da História e da Geografia. pelo monarca. trabalhos que tinha em mãos e que não conseguira terminar108 .

Sanchez Pérez. como sendo a do falecimento de Lavanha111 . 181. 326–327. Curiosamente. BIOGRAFIA DE LAVANHA 47 Cortesão procurou esclarecer a questão109 . no início deste capítulo. Fundamenta o seu racíocinio no facto de o requerimento de Luís de Lavanha para abertura do testamento de seu pai estar datado de 1 de Abril.3. 1600-1620)». limitando-se a indicar as suas dúvidas: Como conciliar estes dous documentos? Haveria engano na par- ticipação á egreja. Viterbo conhecia também o men- cionado registo paroquial. começa por referir que Barbosa Machado mencionou o ano de 1625 para a sua morte. Seguidamente. Como explica Cortesão essas divergências? Para ele. assim como é dessa mesma data o respectivo auto de abertura do testamento. pp. como o do fa- lecimento do cosmógrafo. conhecia bem a obra de Viterbo. na qual elogia o valor daquele texto de Cortesão. Ele realça a frontalidade de Lavanha perante o Conselho das Índias: 109 Ibid. Sousa Viterbo descobriu um outro documento.1. Gostaríamos de terminar este apontamento biográfico de Lavanha. Por outro lado. Aquilo que é mais estranho é o facto de o autor deste texto conhecer a obra de Cortesão que temos vindo a seguir e na qual se esclarece este assunto. p. Assim. Sancho y Gil publicou o dito registo de óbito e assumiu essa mesma data como a da morte de Lavanha. p. Anteriormente. Por outro lado.. citámos mesmo uma frase que ele incluiu no início do seu estudo. «Mentalidade Técnica no Livro Primeiro de Architectura Naval de João Baptista Lavanha (c. 111 Valente. não ligou às suas dúvidas e assumiu. Entretanto. Perante a contradição de datas. com um excerto apresentado por Jaime Cortesão. um texto bastante recente menciona ainda a data de 2 de Abril. ou o alvará não fez caso de dois dias para melhor arredondar as contas?110 . no qual se refere a data de 31 de Março de 1624. sendo que o dia 2 de Abril foi o do funeral. . que a data da morte fora 2 de Abril. Trabalhos náuticos dos portugueses dos séculos xv e xvi. Fernandez de Navarrete indica o dia 2 de Abril de 1624. sem problemas. o falecimento ocor- reu a 31 de Março. de acordo com Cortesão. 110 Viterbo. 598. Viterbo não pro- curou uma explicação. que. na página 21. Justifica a sua afirmação com base num registo no livro de óbitos paroquial e corrige outros autores que também mencionavam o ano de 1625.

. mais ou menos profundamente. Não concordando com o pagamento pro- posto. Refere mesmo que caso não seja devidamente compensado. VIDA E OBRA DE LAVANHA Tivemos ocasião de ler no Arquivo das Índias uma carta em que o professor de Filipe iv se dirigia aos senhores do Conselho das Ín- dias com um desassombro e uma intimativa de estranhar em época tão palaciana. ou ainda porque se trata de apontamentos de aulas suas.48 CAPÍTULO 1. ou porque foi ele o seu autor. respondia com arreganho: «No estoy acostumbrado a salarios. Desta misma manera sin premio sirvo a la Junta en esto que me manda de nuevo con gran voluntad. naquela época. Tal não significa que outros autores não se tenham debruçado. aquilo que se sabe sobre o cosmó- grafo-mor. Descobrimentos portugueses. reflectindo as ideias dele. pelo facto de ser uma obra bastante recente e que sintetisa.4 A obra de Lavanha Nesta parte abordaremos os textos que apresentam a marca de Lavanha. Pode-se depreender do texto anterior que Lavanha fora incumbido de levar a cabo determinada tarefa.. . 1491–1492. servi estes dos meses a la Junta con mucha voluntad . trata-se de uma atitude algo arrojada. não se coíbe de demonstrar o seu desagrado. Tal só seria admissível a uma pessoa com a notoriedade de Lavanha. não tem grandes problemas em não o aceitar. Mas afrontado com as condições em que se lhe propunha tal serviço. Iremos seguir uma abordagem semelhante às usadas nas partes precedentes. O cosmógrafo havia sido designado para verificar cer- tos instrumentos náuticos. ou cuja 112 Cortesão. a que temos de referir-nos. De una destas maneras que la Junta lo ordene se me puede enviar la cédula de S. pp. Como Jaime Cortesão realça.. a mil maravedis de salário. sobre aquilo que Lavanha publicou. [. Teremos sempre como texto base os estudos de Armando Cortesão. cujo mérito científico era reconhecido pelos mais poderosos.] y de otra suerte me volveré a mi casa»112 . . M. Usaremos também amiúde a versão publicada da tese de Contente Domingues. como a outros personagens sem méritos que o igualassem. . Pero haviendo de ser con el ha de ser conforme a lo que merezco y se me deve. 1. ni sirvo como jornalero tanto por dia. uma vez que ele dedica uma parte substancial de alguns dos seus textos às obras de Lavanha. porque de otra manera no lo aceptaré. Sin interés ni esperanza del. ou apenas porque se trata de textos que subscreveu. de uma forma sistemática.

do que aquela que podemos encontrar nos autores que decidimos seguir com maior detalhe. Quando são referidos é apenas para indicar que são mencionados por Lavanha ou outros autores. não dá grande realce a alguns dos textos que lhe são atribuídos por Jaime Cortesão. este capítulo é dedicado a assuntos relacionados com aspectos cien- tíficos da expansão. informação mais completa para o nosso estudo.4. Assim. sempre que adequado. um Roteiro da navegação das Indias. que são (com os títulos sumariados e modernizados): • Tratado da arte de navegar — 1588 113 Ibid. . irá seguir os dados anteriormente expostos por Armando Cortesão e Avelino Teixeira da Mota: Seguindo estes autores podemos dar conta das principais obras náu- ticas de Lavanha. compôs El Arte de Marear. e uma Descrição da Guiné»116 . p. 115 Deve tratar-se de uma gralha. 1490. Quanto a Contente Domingues. sendo o seu paradeiro desconhecido. mencionados também por outros autores e termina com a seguinte enumeração: «Lavanha compôs ainda em português uma Arte de Marear.1. Curiosamente. Obviamente. Descobrimentos portugueses. quando se refere às suas aulas. realça alguns dos que são menos vezes mencionados por outros autores. Conforme anteriormente referimos Jaime Cortesão também se debruçou sobre este tema da expansão portuguesa. No volume vi dos Descobrimentos Portugueses 113 apresenta um capítulo intitulado «A obra cientifica na astro- náutica. na sua tese. pois a data correcta é 1595. para acompanhar suas lições. Para tal. A generalidade dos autores consultados. usaremos outros textos. e indica-nos alguns textos de sua autoria. um regimento náutico. geralmente. Regimento Nautico e Arquitectura Hidraulica 114 ». impresso em Lisboa em 1594115 . 114 Ibid. Como o seu nome indicia. um Tratado da esfera do mundo. p. na hidrografia e na cartografia (1557 -1640)». A OBRA DE LAVANHA 49 redacção influenciou de modo mais ou menos directo. vai essencialmente ocupar-se das obras de Lavanha mais ligadas à náutica. diz quais os li- vros de texto que ele teria composto para as acompanhar: «Como livros de texto. Nele fala de Lavanha. nomeadamente El Arte de Marear ou Arte de Marear.. 1491. 116 Cortesão. esses estudos não contêm. nem à Arquitectura Hidraulica ou ainda ao Tratado da esfera do mundo. No entanto. Continua a indicar outros textos de autoria de Lavanha.

Armando Cortesão indica-nos que vai apresentar uma listagem mais ou menos exaustiva daquilo que se conhece. 118 Mota. p. dos textos de Lavanha. Por outro lado. . VIDA E OBRA DE LAVANHA • Tratado de gnomónica — 1595 • Tratado do astrolábio — 1595 • Regimento náutico — 1595 (com uma segunda edição em 1606) • Naufrágio da nau «S. «O cartógrafo João Baptista Lavanha e a sua obra». Alberto» — 1597 • Parecer sobre o conserto da querena da nau «S. Alberto» — s/d. A análise dos textos não é muito profunda. Contente Domingues. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Contribuição para um estudo completo. 135. Dá-nos ainda conta que a sua abordagem não apresentará a mesma profundidade para todas as obras que indicar: 117 Domingues. circa 1597 • Relação do porto do Senegal — anterior a 1600 • Tábuas da largura ortiva do sol — 1600 • Roteiro das ilhas Primeiras e Angoche — 1600 • Roteiro da Carreira da índia — 1600 • Roteiro da Carreira da índia — desaparecido • Regimento do instrumento para saber a altura a qualquer hora — anterior a 1608 • Regimento de Gaspar Jorge do Couto — 1608 • Regimento da Costa do Cabo Negro — 1608 Passados quarenta anos sobre a publicação do livro de onde respi- gamos estas notícias. está certamente a referir-se aos Portugaliæ Monumenta Cartographica. na transcrição anterior. na sua obra dedicada à cartografia e cartógrafos portugue- ses119 . 119 Cortesão.50 CAPÍTULO 1. não se pode dizer que haja muito a acrescentar às notícias bibliográficas que os autores deram sobre cada título117 . obra elaborada em conjunto por Armando Cortesão e Avelino Teixeira da Mota. Os navios do mar oceano. atribuídas a Lavanha118 . mas permite ter uma ideia do contexto em que os mesmos foram produzidos e um resumo dos seus conteúdos. em especial ao estudo da autoria deste último que contém uma listagem com vinte obras.

«Dois inéditos de João Baptista Lavanha». sempre que nos parecer útil. Embora. para a maior parte delas. merecendo um estudo detalhado mais adiante. Trata-se de um manuscrito que contém apontamentos das aulas que teria ministrado na Academia de Matemáticas de Madrid.1. Uma vez que o texto dos Portugaliæ Monumenta Cartographica não é exaus- tivo na descrição das obras. de acordo com os autores.4. seguidamente. Face ao exposto. saber e faculdades de trabalho se manifestavam em variados assuntos. 121 Mota. A OBRA DE LAVANHA 51 Grande foi a actividade de João Baptista Lavanha e vasta a obra deixada. pp. Juan Battista Lauaña. p. Seguiremos a sequência indicada no texto de Teixeira da Mota. Por esse motivo. decidimos tomar como ponto de partida os três textos acima mencionados. recorreremos primordialmente aos outros dois estudos indicados para complemento da informação. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. p. se encontra na Biblioteca do Observatório Astronómico da Univer- sidade de Coimbra. Mathematico del Rey N. 327. O primeiro dos textos que é considerado por Teixeira da Mota é o Tratado da arte de navegar 121 . transcreveu esses capítulos. 120 Ibid. onde a sua inteligência. nomeadamente os capítulos viii. A primeira notícia deste documento foi dada por António Barbosa123 . o façamos resumidamente. complementaremos essas informações com as de outros estudos. fica-se mesmo assim melhor habilitado a completar o nosso juízo sobre o ilustre sábio120 . en la Academia de Madrid a 14 de Março de 1588 años». Aqui diremos apenas que para o professor de Coimbra este texto também apresentava um interesse especial. «O cartógrafo João Baptista Lavanha e a sua obra». nos quais Lavanha estudava a carta de marear. Começa com as seguintes palavras: «Tratado de nogmo- nica q̃ Joaõ de Bautta Lauanha leo em Madrid».. Por essa razão. deixaremos para o respectivo capítulo a menção àquilo que Cortesão sobre ele escreveu122 . ix e x. Segue-se o Tratado de gnomonica. pois nem todas interessam directamente a este estudo. 122 Cortesão. Vamos. Manuscrito que. Contribuição para um estudo completo. Em: Boletim da Bibli- . 65. Este texto tem para nós um valor especial. e depois daremos notícia das que só por referência se conhecem.S. indicando um a um os textos que eles associam ao cosmógrafo-mor. Obviamente. tratar de cada uma das obras de Lavanha. de cuja existência ainda hoje se sabe. 328–336. 123 António Barbosa. uma vez que se inicia com as seguintes palavras: «Começase a leer este trattado dal sr.

125 Luís de Albuquerque. De acordo com as suas palavras. VIDA E OBRA DE LAVANHA António Barbosa. Trata-se. 124 Barbosa. Dizem ainda que Sousa Viterbo dá a indicação de que existiria um exemplar da primeira edição deste regimento que fora comprado. 93. p. «Dois inéditos de João Baptista Lavanha».52 CAPÍTULO 1. em ambos os casos. 179. com os mesmos títulos: As duas obras contidas no manuscrito do Observatório Astronó- mico da Universidade de Coimbra. de textos que abordam assuntos relacionados com astronomia. também iné- dito. que constituiu o item número cinco da listagem que oteca Geral da Universidade de Coimbra ix (1929). ambos os textos resultam de aulas que Lavanha ministrou na Academia das Mate- máticas em Madrid. com o Tratado del arte de navegar. o texto de gnomónica é realmente da autoria de Lavanha. «Notícia de dois manuscritos portugueses sobre o rádio latino de Orsini». Ambos os textos se afastam do nosso objectivo uma vez que abordam assuntos mais do âmbito da astronomia: um sobre astrolábios planisféricos. tem importância por se tratar de mais dois documentos que. também da autoria de Lavanha. De acordo com as palavras de Mota126 . p. Consultando o texto de Viterbo127 . será a primeira obra impressa de Lavanha. Trabalhos náuticos dos portugueses dos séculos xv e xvi. 1987. Na sua opinião. embora sejam simples traduções dos dois tratados de Clavius. Computo Ecclesiastico pela mão depois da emenda do calendario é o título do referido manuscrito. Luís de Albuquerque também escreveu sobre o códice onde se encontram estes dois manuscritos125 . no leilão da livraria do Marquês de Pombal. Barbosa acrescenta ainda que tanto um texto como o outro são traduções dos textos de Clávio. 127 Viterbo. onde tinha a teórica da navegação a seu cargo e onde também desempenhou o lugar de director do mesmo estabelecimento scientí- fico124 . . 126 Mota. constatamos que este pouco mais nos diz sobre o mencionado manuscrito. Lisboa: Gradiva. fala tam- bém do Tratado do Astrolábio. documentam a estada de João Baptista Lavanha na Academia de Madrid. O próximo texto é o Regimento Náutico. Em: As Navegações e a sua projecção na ciência e na cultura. Esse exemplar tinha no final um manuscrito. enquanto que considera anónimo o dedicado ao astro- lábio. p. por Ferreira Neves. outro sobre relógios de Sol. no pequeno estudo que dedicou a este texto. «O cartógrafo João Baptista Lavanha e a sua obra». 65.

pp. em 1953. alguns dos textos revelam um conhecimento profundo da realidade naval. avulta a Relação do Naufrágio 128 Cortesão. de uma forma detalhada131 . Os navios do mar oceano. . O autor do estudo dos Portugaliæ diz que este exemplar do Regimento Náutico. 65. Tratava-se de um conjunto de textos que corriam avulsos. Entre estes últimos destaca-se o de Lavanha: A colectânea de Gomes de Brito agrupa textos com características diversas.4. de acordo com a opinião deles. 140–147. em 1735 e 1736. Filipe. não é tão detalhada como a do anterior128 . pp. 130 Cortesão.1. por parte de Teixeira da Mota. compilação publicada por Bernardo Gomes de Brito. Foi publicada em Lisboa em 1597. indo das descrições mais ou menos secas dos factos até às páginas carregadas de dramatismo. Realça o elevado interesse. 336–337. 337–338. quer sob o ponto de vista estilístico. Contribuição para um estudo completo. 131 Domingues. Trata-se da segunda obra impressa de Lavanha. como são logo aquelas que abrem o primeiro volume e narram o chamado naufrágio de Sepúlveda. Alberto. nesse núcleo. com o Computo Ecclesiastico estava à venda em Londres. razão pela qual não nos debruçaremos mais sobre ele aqui. pp. p. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Os autores também não fornecem muito mais detalhes sobre o texto. O mesmo encontra-se datado do ano de 1596. São também diferentes entre si num outro aspecto: alguns dos textos revelam um profundo conhecimento das realidades do mundo naval por parte de quem os escreve e. 129 Mota. apresentando pouco mais que a respectiva descrição fisíca da mesma130 . sendo dedicada ao príncipe D. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. «O cartógrafo João Baptista Lavanha e a sua obra». por este gé- nero de literatura. razão pela qual passaremos a apresentar os aspectos mais relevantes daquilo que este último escreveu sobre o assunto. no entanto. Contribuição para um estudo completo. Contente Domingues dedica-se ao mesmo. espelhando a experiência vivida por sobreviventes de naufrágios ocorridos com navios portugueses. Para o nosso estudo. quer na forma de tratar os acontecimentos. este é também deveras importante. A OBRA DE LAVANHA 53 temos vindo a seguir. O próximo texto é o Naufrágio da Nau S. Nos Portugaliæ surge apenas o título e a data129 . que se notava na época. A análise do Regimento Náutico. Contudo. Os estilos são muito diversos. Contente Domingues começa por dedicar alguns parágrafos à História Trágico Marítima.

declarados logo na abertura: ensinar os viajantes a proceder perante os eventos e a acau- telar a jornada por terra. p. 142. piorando bastante quando chegaram aos 27o S.. porteriormente. sendo suficiente a bomba para manter a água em valores aceitáveis. Após a intervenção. Ainda no Índico. Como se pode verificar.. Fazendo um reconhecimento do local. podendo eventualmente ter participado nos levantamentos hidrográficos do Tejo. p. tendo regressado no ano seguinte. Este facto é realmente bastante significativo. Os navios do mar oceano. mas a situação manteve-se controlada. A nau foi para a Índia em 1592. passado algum tempo. sem a resistência que a baliza assegurava. especialmente de ordem técnica. para poderem chegar ao forro do casco. começou a fazer água por volta dos 10o S. de João Baptista Lavanha132 . 133 Ibid. as lições aprendidas não eram assimiladas. Aquilo que Lavanha aparentemente pretende fazer é apontar os erros. Os desastres aconteciam. Contudo. 134 Ibid. Decidiram então cortar a baliza. 141. p. voltando a repetir-se os mesmos erros. . Contente Domingues realça os elevados conheci- mentos técnicos de Lavanha. e analisar a causa de perdição da nau. Passemos a resumir a história do naufrágio. No entanto. o problema pareceu ficar resolvido.54 CAPÍTULO 1. muitas vezes com sobreviventes que deixavam os seus relatos. Aí partiu-se o gurupés. 143. que tinham bastante difusão. A correcção deste problema era bastante complicada em alto-mar. Alberto. se tivermos em conta que ele nunca terá navegado. e taparem a entrada de água. verificaram que a água entrava por debaixo de uma caverna da popa. a água começou a entrar com muito mais força. para evitar a sua repetição no futuro: 132 Domingues. Junto à costa do Natal. conforme nos informa Lavanha133 . e começou a entrar com muito mais intensidade. VIDA E OBRA DE LAVANHA da Nao S. Importa ainda destacar as razões que terão levado a redigir este texto: Lavanha escreveu o relato com dois objectivos. Existe um aspecto que não apresenta muita lógica: que é o facto de aparentemente os viajantes não aprenderem praticamente nada com os nau- frágios anteriores. igual à de quase todas as que se perdiam — no que ia avançando as conclusões a que pretendia chegar134 . a água encontrou aquele ponto fraco.

servindo de modelo às que se continuaram a usar durante séculos.4. p. que considera o dito pro- cesso como a raiz de todos os males. . o texto surge no final de uma exposição com o título: As causas porq̃ as Naos da Carreira da India chegaraõ a demaziada grandeza em q̃ hoje se vem. «O cartógrafo João Baptista Lavanha e a sua obra». mas isso não retira ao texto esse carácter tão próprio de procurar nas questões de natureza técnica a razão da perda das naus da Índia136 . O texto encontrar-se-ia na Biblioteca Cadaval. 137 Mota. 65. Segue-se Tábuas de largura ortiva do Sol 138 . do Naufrágio da Nau S.1. foram aperfeiçoadas por Manuel de Figueiredo. 136 Ibid. Contente Domingues finaliza esta análise. p. 147. algo profunda. existe alguma dificuldade em compreender actualmente esta crítica de Lavanha. 65. A OBRA DE LAVANHA 55 O relato de Lavanha constitui uma das mais sérias tentativas de escalpelizar as razões que estavam na origem do crescente número de perdas da Carreira da Índia. De acordo com as suas palavras. Tal facto não tira contudo mérito ao texto de Lavanha: Há pois que reconhecer que estes comentários de Lavanha carecem de ser adequadamente explicados. p. Afirmam ainda que os originais de Lavanha teriam desaparecido. 138 Ibid. escusou nellas o prejudicial concerto das querenas. Alberto com um comentário às críticas que Lavanha faz a um determinado processo de consertar os navios. 145. Informa-nos o autor do estudo inserido nos Portugaliæ que quem revelou a existência de tal parecer foi Leite de Faria. Serviam para determinar a declinação da agulha. p. existe um outro texto de Lavanha: «Parecer de João Baptista Lavanha sobre o concerto da querena no naufragio da Nao Sao Alberto»137 . De acordo com o autor. Ainda relacionado com o naufrágio da dita nau.. De acordo com este. de facto responsável por algumas perdas: os navios viam as suas capacidades de manobra afectadas quando era necessário fazê-la com celeridade e o convés se encontrava ocupado pelas caixas e fardos das liberdades135 . em Muge.. Não há alusão no texto a factores que não possam ser assacados a erros ou opções técnicas. observando a direcção do Sol no momento do seu nas- cimento ou ocaso.. 135 Ibid. aparte a sem- pre presente invocação da cupidez dos viajantes. conhecido como «querena à italiana».

Roteiro da Carreira da Índia 141 . e he muito certo. deixaremos a 139 Mota. não sendo propriamente de sua autoria. Uma vez que este texto aborda assuntos ligados à náutica. que se encontra na mesma biblioteca que o anterior. Roteiro da Carreira da Índia 140 . VIDA E OBRA DE LAVANHA Uma vez que se conhecem algumas cópias das referidas tabelas e o seu con- teúdo se enquadra naquilo que mais nos interessa. em espanhol. p. de ventos que em diuersas paragẽs se achão. 142 Ibid. Este derroteiro foi ho que emmendou João baptista Leuanha pollo de Vicente Roĩz. No entanto. Foi igualmente publicado por Fontoura da Costa. que se encontra na Torre do Tombo. na Biblioteca Nacional de Madrid.. tendo os autores obtido essa informação na obra de Sousa Viterbo. Na listagem dos Portugaliæ Monumenta Cartographica que temos vindo a apresentar segue-se um regimento: Regimento q̃ deve guardar o L. em 29 de Janeiro de 1608. as mesmas serão objecto de um capítulo específico neste trabalho. deste roteiro. 66. p.. Também este texto. Pertence a um códice existente na Biblioteca da Ajuda. Foi publicado por Fontoura da Costa. . de origem real. 66. dada a semelhança de título com o anterior. em espanhol. uma vez que nunca navegou.do Gas- par Jorge do Couto na viagem q̃ ora vay fazer a India por mandado de Sua Mag. que se encontra no mesmo códice. Existe uma cópia deste ro- teiro. Roteiro das Ilhas Primeiras e de Angoxe 139 . Este afirma ainda que Lavanha apenas deve ter coligido e revisto os elementos dos pilotos. 140 Ibid. O título é: «Roteiro da nauegação da India e derrotas com ha agulha ferrada debaixo da flor de lis e differensas della. 66. agora em português. Em capítulo próprio falaremos sobre este texto. p.de142 . 141 Ibid. estamos perante a presença de um documento assi- nado por Lavanha. e sinais corentes de agoa. que refere que Lavanha teria sido apenas tradutor do texto. assim como dos roteiros seguintes.56 CAPÍTULO 1. «O cartógrafo João Baptista Lavanha e a sua obra». Este regimento teria servido de base a um outro. Também se conhece apenas uma có- pia. teria tido apenas a aprovação de Lavanha. 66. Trata-se de um códice que teria sido leiloado no século xix. p. dizem que se deve tratar do mesmo conteúdo. Os autores dos Portugaliæ referem que na época o texto estaria perdido. existindo outra cópia deste último no Livro das Monções. Neste caso. e tem muitas e boas curiosidades».. que o datou de 1600.

66. em texto anterior147 . Nos Portugaliæ. 147 Avelino Teixeira da Mota. No texto anterior.. 145 Ibid. Lisboa: Imprensa Nacional–Casa da Moeda. no códice da Biblioteca da Ajuda. Não está assinado nem datado. 24 de Janeiro de 1610. A parte final do regimento autógrafo de Lavanha. O códice acima referido. contém diversos outros textos de Lavanha. 66. Teixeira da Mota já tinha apontado a possibilidade de este regimento ser da autoria de Lavanha. a 24 de Janeiro de 1610. Finalmente. p. pp. confirmando que o texto será da mão de Lavanha. para Gaspar Jorge do Couto. Tam- bém de Madrid. Vol. da Biblioteca da Ajuda. pelo cotejo deste documento com outros. Confirma agora o facto. iii. no regimento dado 143 Ibid. anteriormente mencionado. . Reprodução fac-similada da edição de 1960. em Madrid. «O cartógrafo Luís Teixeira e a sua obra». p. com interesse para o nosso estudo. A OBRA DE LAVANHA 57 sua análise detalhada para o capítulo em que analisaremos com mais detalhe vários contributos de Lavanha para esta matéria. acima referido. entre os cabos de Boa esperança e negro (como sua Mag. não é mais do que um Regimento para descobrir a Cafraria. 146 Ibid. Igualmente de Madrid. Vso do Instrumento das duas Agulhas uma fixa.. Começa com a seguinte frase: «Se da India uoltar ao Reino. tinha afirmado que a redacção inicial do regimento poderia ser devida a Manuel de Figueiredo.1. q̃ aja sol 143 .. Tem instruções especiais sobre espionagem náutica. com ordem de descobrir a terra da Cafraria.. 144 Ibid. Em: Portugaliae Monumenta Cartographica.4. p. 66. 66–67. que serão estudados com mais detalhe nesse capítulo dedicado à náutica. surge ainda: Regimento q̃ parece se deue guardar no descobrimto e descripção da Costa do Cabo Negro té o de boa esperança 146 . incluidos no mesmo códice. a realizar por um piloto português. no texto dos Portugaliæ é: Regimento do Instrumento pa saber por elle a altura a qualquer ora do dia. Aquele que aparece em seguida. 1987. Regimento q̃ ha de fazer o Piloto q̃ for a India na Nao Holandeza 145 .de tem mandado q̃ se faça do Reyno) usareis do Regimento seguinte». com destino à Insulíndia. Verifica-se que foi cortada. e outra Regular 144 . Tem a data de 18 de Março de 1608. dedicado a Luís Teixeira. autógrafos. embarcado numa nau holandesa. Agora não tem dúvidas que Lavanha já o redigira em 1608.

documentos avulsos)149 . 149 Este texto foi publicado pelo Padre Brásio. Segundo este último. O próximo texto é a Descripcion del Vniverso 153 . Lavanha pensou que Gaspar do Couto poderia fazer este descobrimento e em 1613 pensou-se em Luís Teixeira. «O cartógrafo João Baptista Lavanha e a sua obra». Tal significa que em 1607 já existia a intenção de enviar. Este não tem problemas em refutar a opinião de Andrés Garcia de Cespedes. que se encontra no Arquivo Histórico Ultramarino. no jornal Novidades em 1959. tal não aconteceu logo. sendo com- posto por trinta e quatro folhas de papel. acima transcrita. encommenda e encarrega muito ao senhor Bispo Vissorey que ordene. Contudo. Magestade em carta sua de 13 de nouembro de 607. Em: Garcia de Orta iii. 67. 150 Mota. está de acordo com outro documento. Para já. que se encontra no Archivo General de Indias. 67.. pois em 1613 dele foi encarregado o patacho comandado por Belchior Roiz. (Reino. . as Molucas estariam dentro do hemisfério espanhol. uma vez que está ligado ao tema central desta dissertação. Foi publicado por Mendes da Luz152 . Trata-se de um códice iluminado. duas caravelas para efectuar o descobrimento. p. Segue-se o Parecer sobre a situação das Molucas 151 .58 CAPÍTULO 1. importa referir que Armando Cortesão e Teixeira da Mota mencionam este documento como uma prova da categoria científica e moral de Lavanha. defendendo Lavanha que as mesmas se encontram mais de três graus para dentro do lado português. a) Christouão Soarez150 . mas nenhum deles o fez.1 (1955). que se encontra na Biblioteca Nacional de Madrid. Documento autógrafo. se aprestem logo. em 8 de Novembro de 1611. p. entre o Cabo Negro. Contém um pequeno compêndio 148 Note-se que num dos manuscritos que consultámos. «O cartógrafo João Baptista Lavanha e a sua obra». «Um parecer inédito do cosmógrafo João Baptista Lavanha sobre as Molucas e o Tratado de Tordesilhas». VIDA E OBRA DE LAVANHA ao licenciado. para parti- rem com a breuidade que conuem. e o da Boa Esperança. Neste último documento lê-se: S. um pouco anterior. assinado em Madrid. 152 Francisco Paulo Mendes da Luz. p. Adiante dedicaremos uma atenção especial a este documento. 151 Ibid. emitida em 1606. com as carau- elas que tem mandado se enuiem a descobrir a costa da Cafraria. 67. Em 1608. esta parte não foi cortada. fazendo que se proueja o dinheiro neçessario para isso. 153 Mota. a frase de Lavanha. de propósito. donde o ouver pronto. Por outro lado. toda a parte que se refere ao descobrimento da Cafraria148 .

de156 . assim como os títulos dos capítulos. a listagem da obra de Lavanha termina com: Rellação do porto do Rio Çanaga.1. que no se ha vuelto a hacer nada semejante. 155 Mota. . em Madrid.. Trata-se de um manuscrito de quatro folhas. Trata-se de um documento existente na Biblioteca Nacional. Descreve o mesmo com algum detalhe. Las figuras que ilustram el texto son acuarelas en colores y con tintas de oro y plata. «O cartógrafo João Baptista Lavanha e a sua obra». O facto de as páginas estarem numeradas de 166 a 179. servindo como iniciação à cosmografia. do Capitão João Barbosa feita por Joaõ Baptista Lau- anha Cosmographo Maior de S. que foi 154 Cortesão. 67. A OBRA DE LAVANHA 59 didáctico de cosmografia. . Trata-se de um manuscrito ricamente ilustrado com desenhos e figuras cosmográficas iluminadas. p. A letra é muito cuidada. O texto começa com «Principios Geométricos» aos quais se segue a «Descripcion del Mundo». Lourenço el Real. 67. No texto que Armando Cortesão dedicou à cartografia e cartógrafos tam- bém analisou este manuscrito. Mag. em trinta capí- tulos. En el orden histórico es digno de figurar en un Museo. indica que este compêndio faria parte de um outro códice. Contudo. 156 Ibid. É composto por sete folhas. p. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. apre- sentando a transcrição integral da dedicatória ao príncipe. En el orden pedagógico es de un acierto tan sorprendente. Teixeira da Mota defende que se trata de uma cópia. . p. En el orden científico está a la altura de los mejores libros de la época. por ser el libro en que estúdio Felipe IV. em S. a consi- derar que se poderia estar em presença de um texto redigido por um copista. O penúltimo texto da listagem é Compendio de Geografia . no estudo que dedicou a este manuscrito. que na altura tinha seis anos. e que Cortesão subscreve na generalidade: En el orden material es de un primor artístico extraordinário.154 . facto que levou Teixeira da Mota.4. Encontra-se na Real Academia de História. nos Portugaliæ. 349. uma vez que este texto teria sido redigido originalmente por Lavanha em 1612. notou também diversas semelhanças com a grafia de Lavanha. Finalmente. Este texto era destinado ao Princípe Real. 155 . sendo assinado e datado de 20 de Agosto de 1613. Contribuição para um estudo completo. Termina transcrevendo a opinião de Sanchéz Pérez sobre o documento. Madrid.

Em: Boletim Cultural da Guiné Portuguesa 55 (1959).. o códice pertenceria a Charles Boxer. Lavanha redigi- 157 Francisco Leite de Faria. que também é atribuído a Lavanha. Na época em que eles redigiram o seu estudo. Quanto aos restantes. VIDA E OBRA DE LAVANHA publicado por Francisco Leite de Faria157 . este códice teria sido coligido por D. Portugaliæ Monumenta Cartographica. 67. 1615». incluída num Atlas que se encontra na Biblioteca Reale de Turim. «O cartógrafo João Baptista Lavanha e a sua obra». Consideram que o mesmo não é um texto de Lavanha. Além destes textos. outro sobre as cartas que Lavanha incluiu na Quarta Década da Ásia 161 e finalmente.60 CAPÍTULO 1. Arte de Navegar e Descripção da Guiné. usaremos as respecti- vas informações. Tratado da Esfera do Mundo. um texto sobre uma Cosmografia atribuída a João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. três cartas gravadas na “Quarta Década da Ásia”. «João Baptista Lavanha. p. Para Mota. Além da listagem acima exposta. p. «João Baptista Lavanha. que será analisado no estudo sobre a Carta de Aragão. Ficou acordado que além do mapa. . Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Dedicaremos uma atenção especial a este último quando analisarmos a sua obra náutica. o autor menciona ainda a existência de dois catálogos que referem um outro códice: «Roteiros para várias pontos da Ásia. Em 1610. 158 Mota. Cosmo- grafia. afirma também159 que Lavanha publicou um Itine- rário do Reino de Aragão. pp. Voltemos ao texto que Armando Cortesão dedicou à cartografia e aos cartógrafos. António de Ataíde. 159 Ibid. 1615 (1620)». carta de Aragão. Existiam também notícias de outros textos atribuídos a Lavanha. Lavanha assinou contrato para a elaboração de um mapa do reino de Aragão. 162 Cortesão. por alguns autores. quando tal for considerado fundamental para a descrição das respectivas obras. Contribuição para um estudo completo. África e América». 160 Mota. 338–339. Ainda na mesma obra. encontra- mos mais alguns textos dedicados à obra de Lavanha: um sobre o Mapa de Aragão160 . Neste dedica bastante atenção ao Itinerário do Reino de Ara- gão 162 . Adiante voltaremos a analisar o mesmo. ainda nesta secção. embora se refira a ele e contenha as suas tábuas de largura ortiva158 . «Relação do Porto do Rio Senegal feita por João Baptista Lavanha». e que estariam desaparecidos à data de redacção dos Portugaliæ Monumenta Cartographica: Arquitectura Náutica. 68. 161 Cortesão e Mota. pois o mesmo contém diversos dados de interesse para os navegantes.

Armando Cortesão questiona-se sobre as razões que terão levado Sancho Pérez a considerar este manuscrito como o original de Lavanha165 . em Espanha. não estavam catalogadas. Os autores dos Portugaliæ Monumenta Cartographica optaram por reproduzir um exemplar da edição de 1622. Cortesão indica que recolheu esta informação na obra de Navarrete. O manuscrito original está desa- parecido. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. existe um outro. para inteligencia del Mapa. . 25. carta de Aragão. Mota. A sua busca tinha sido mais ou menos exaustiva. d’Outubro de 1610. à data da redacção daquele estudo. Por Lvpercio Leonardo de Argensola . Apesar de não ser conhecido o paradeiro do manuscrito original do Iti- nerário. no lugar de Torrezilla. Trata-se de uma carta em seis folhas de papel. A data não consta da carta mas de um texto que a acompanha. por mandado de Sua Magde . com uma escala de aproximadamente: 1/278. Soube que na Biblioteca Nacional de Madrid e no Museu Naval existiam inúmeras cartas. «João Baptista Lavanha. em português. informa que não conhecia nenhum exemplar da primeira edição. Existindo uma relação estreita entre o Itinerário e a Carta de Aragão. mas sabe-se que iniciava da seguinte forma: «Parti de Madrid a fazer a descripçaõ do Reyno de Aragaõ. O referido códice começa com o seguinte texto: 163 Seguiremos a descrição de Teixeira da Mota nos Portugaliæ Monumenta Carto- graphica. A OBRA DE LAVANHA 61 ria também um itinerário. 1615 (1620)» 164 Armando Cortesão. Cortesão. sábado. intitulado: «Declaracion Sumaria de Aragon. Tem ainda um quadro de «Advertencias» onde se lê: «Toda esta descripcion se ha hecho con Observaciones Geometricas i Astronomicas. Sendo uma obrigação contratual. que se encontra na Bibliotè- que Nationale de Paris. nota 1. hum quarto despoes de meyo dia.195. 339. Contri- buição para um estudo completo. cuja primeira edição ocorreu em 1620. vim dormir a Alcalá». Está graduada em latitudes e longitudes a toda a volta e foi elaborada numa projecção cónica. e que foi impresso a partir das mesmas chapas de cobre usadas na primeira edição. na página 342. » O texto contém uma dedicatória de Lavanha aos deputados do reino de Aragão. Na Biblio- teca Nacional de Madrid existe um exemplar da primeira edição. ou descrição dos trabalhos de campo. na Biblioteca de Leyden. na sua obra sobre a cartografia e os cartógrafos.1. que teria provavelmente consultado o contrato. em mau estado164 . em nota. .4. Lavanha elaborou o dito itinerário. p. . reconociendo con ellas el sitio de todos los lugares cuyas distancias son medidas por el Ayre». importa fazer aqui uma breve descrição da mesma163 . 165 Cf. no entanto. terminando em 16 de Abril do ano seguinte.

em Setembro de 1615. D. toda a história deste processo e das várias edições da carta168 . Enviou esse original aos deputados de Aragão. Recordemos que o texto que temos vindo a seguir é dedicado à cartografia e aos cartógrafos portugueses. 339. 339. que ofereceu a transcrição a uma sociedade aragonesa. O interesse do Itinerário não é apenas geográfico. Itinerário do Reyno de Aragaõ Adonde andou os vltimos meses do Anno de 1610. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Já anteriormente mencionámos os problemas entre Lavanha e os deputados de Aragão. Seguidamente iremos destacar alguns passos do mesmo. na cidade de Saragoça. contando um pouco da história de todo o processo de elaboração do mapa. Cronista da Sereníssima Casa de Bragança. Segundo Cortesão. pp. Afirma ainda que uma cópia deste manuscrito se encontra na posse de seu irmão. económicas e demográficas sobre as terras e os monumentos visitados.. Contribuição para um estudo completo. Este manuscrito foi copiado en 1890.62 CAPÍTULO 1. Os constantes atrasos de Lavanha são justificados pelos seus inúmeros afazeres. p. O objectivo principal do contrato era a elaboração da Carta do Reino de Aragão. por causa deste mapa. Veio a ser publicado em 1895. Cortesão transcreveu a «declaracion» que acompanha a edição de 1777 do mapa.. Copiado do original q era escrito de sua própria mão. & os primeiros do Seguinte d’ 1611. não deverá ser a cópia que existe em Leyden167 .166 . Lavanha apenas conseguiu acabar o original do mapa. O texto é ainda enriquecido com imensos desenhos. com o título: Itinerario del Reino de Aragón. tendo a Carta sido aprovada em 2 de Abril de 1616. Esta foi redigida por Leuzan que organizou a referida edição. que nos parecem 166 Cortesão. por ordem do cônsul espanhol em Amsterdão. Barbosa Machado refere a existência da seguinte obra de Lavanha: Itinerario de Aragon con relaciones y antiguidades curiosas escrito no anno de 1610. relativos aos locais des- critos. iremos apenas resumir os aspectos que consideramos mais importantes para este estudo. p. 168 Ibid. facto que explica o interesse do autor em ana- lisar com maior detalhe o mapa. No nosso caso. Cortesão apresenta. 167 Ibid. tendo um prólogo de Faustino Sancho y Gil. em pergaminho. Tendo terminado os trabalhos de campo em 1611. contendo inúmeras informações histó- ricas. VIDA E OBRA DE LAVANHA Ioão Baptista Lavana Cosmographo & Chronista mor d’Portugal. 339–348. deta- lhadamente. José de Barbosa. .

. . na comunidade científica ibérica de então. . . á cuyo fin se le debia dar un hombre practico que le acompañase mostrando los caminos particulares. Um pouco mais adiante. 69–70. 170 Mota.. andando por el Reyno y sus confines para tomar las distancias de todos los pueblos. . A OBRA DE LAVANHA 63 interessantes. Contribuição para um estudo completo. su exâccion y certeza e la mayor que se ha hecho en otro al- guno porque todas las distancias de los lugares con sus latitudines e longitudines se han tomado com instrumentos matemáticos no usados ordinariamente. Consultando o texto dos Portugaliæ Monumenta Cartographica dedicado à Carta de Aragão170 . Os autores nada sabem sobre as observações astronómicas. los sitios y términos de las montañas. o original do mapa para os deputados de Aragão. obligandose este en cierto tiempo limitado à hacer la descripcion y mapa con toda la exactitud y perfeccion que supiere. constatamos que surge a referência ao facto de que quando Lavanha enviou. . em 5 de Setembro de 1615. 171 . las correntes de los rios. . con los que no suelen hacer las otras descripciones por- que. me- dindo azimutes entre elas. 1615 (1620)». montes. cujo 169 Ibid. 171 Cortesão. Em todo ele existe uma perso- nagem importante: o cronista Lupercio Leonardo de Argensola. carta de Aragão. todas son hechas por informaciones que tanto varian quanto son los hombres que las dan. «João Baptista Lavanha. p.4. Sugeriu então o nome de Lavanha. . . 343. os informou que as distâncias entre localidades e as respectivas latitudes e longitudes foram determinadas com instrumentos matemáticos não usados habitualmente. Aquilo que se pretendia era um mapa elaborado de acordo com as mais recentes técnicas conhecidas na época: . . &c. Ar- gensola foi nomeado procurador dos deputados de Aragão para estabelecer o respectivo contrato com Lavanha. referem que consultando o «Itinerário» constataram que Lavanha fez observações em 128 estações. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. e otras cosas señaladas. sus alturas de polo. como lagos. dada a notoriedade que ele tinha já alcançado. Este tencio- nava redigir uma crónica do reino e queria que a mesma fosse acompanhada de um mapa rigoroso. 169 . no mesmo texto. pp. Começa por contar a génese do processo. 340. p.1. que deveriam constar de um caderno de apontamentos.

VIDA E OBRA DE LAVANHA paradeiro eles desconheciam. 340. Para levar a cabo as suas obser- vações. . p. Não se sabe exactamente como seria. . o alguno al menos. 172 . nomeadamente estrangeiros. pero habiendo salido de Madrid à mitad de Octubre del citado ano de mil seiscientos diez. A questão do uso. en sus trabajos náuticos. do nónio no instrumento de Lavanha. não está completamente esclarecida no texto de Cortesão. como o próprio nome indica. 343–344 174 Ibid. Casañal era da opinião que o cosmógrafo-mor não o deveria ter usado: Yo estoy convencido. . Casañal supôs que o referido instrumento não deveria possuir nónio173 . le permitira apreciar sextas partes de grado. Me sospecho que los aparatos de Labana. sino entre 41o 30’ y 41o 40’. em virtude de se encontrar envolvido em tarefas de avaliação de propostas relacionadas com a «agulha fixa»: No pudo Juan Baptista Labana executar su viage con la presteza que quisiera. Dionisio Casañal designou «Goniómetro de Lavanha». p.. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Lavanha teria inventado um instrumento. 173 Cf. También cabe en lo posible. Tratava-se de um instrumento para me- dir azimutes. . mas pelos valores obtidos por Lavanha. . 344. ibid. que fué este quien calculo la latitud y longitud de la Torre inclinada. Lavanha não iniciou desde logo os trabalhos. A partir das chapas originais fizeram-se onze edições. Teria uma agulha magnética. Como vimos.174 . Cortesão conta detalhadamente toda a história dos atrasos e das suspeitas dos deputados de Aragão. Uma vez que os valores apresen- tados por Lavanha nunca têm uma precisão melhor que trinta minutos de grau. después de haber visto las tablas de Labana. pp. sendo a última de 1777. que D. Seguiram-se os trabalhos de campo. pode-se imaginar o seu for- mato.64 CAPÍTULO 1. 172 Cortesão. pero no lo creo. y que la cifra 41o 35’ no quiere decir que está comprendida entre 41o 34’ y 41o 36’. ou não. que conociera y utilizase el nonius de su compatriota Nűnez. Contribuição para um estudo completo. por forma a orientar o instrumento.. O rigor destes resultados é atestado pelo su- cesso da carta. por haber estado ocupado en cosas del real servicio sobre observaciones para la aguja fixa en las continuas juntas que à este fin se tuvieron. . assunto que não nos interessa aqui desenvolver. Durante os séculos xvii e xviii foi copiada por diversos autores. cuja declinação era conhecida para cada local.

e para tal usara o seu goniómetro de duas agulhas. e que conhecia o nónio. Na sua obra que estamos a seguir. tinham ficado por reconhecer alguns espaços. Aliás. É estranho que não tenha reparado na figura do nónio! Terminada a autorização real para se ausentar. p. causa-nos algum espanto o facto de Cortesão ter colocado as dúvidas anteriormente expostas! O professor de Coimbra estudou detalhadamente os apontamentos de aulas a que nos estamos a referir. 177 Ibid. . Por outro lado. Nos apontamentos das aulas que ele ministrou na Academia das Matemáticas em Madrid. Refere que a obra de Nunes. em nota. No entanto. desconheceria as obras de Nunes. 176 Ibid. inventado por volta de 1600. p. No que respeita ao uso do nónio.1. Cortesão questiona-se se Lavanha. Começa por comentar um passo de Sánchez Pérez. Não temos a menor dúvida que Lavanha conheceria a obra de Pedro Nunes. Lavanha regressou a Ma- drid. onde simplifica bastante a aplicação prática do invento de Nunes. para completar esses trabalhos de campo177 . em que este afirma que Lavanha se contentaria com uma aproximação de meio grau. Clávio publicou o seu Astrolabium. O professor de Coimbra não acha provável que este instrumento. Não tendo possibilidade de lá retornar. A OBRA DE LAVANHA 65 Por outro lado. 344. Cortesão admite essa possibilidade.. fosse usado nos levantamentos geodésicos175 . aparecem diversas imagens de instrumentos propostos por Nunes. redigiu umas instruções claras sobre o modo como deveria ser efectuado o levantamento. onde iria realizar o desenho do mapa. 344. 340. no texto da mesma nota. apresenta mesmo a tradução de alguns capítulos desses mesmos apontamentos. e do seu discípulo Clávio. e os processos nelas descritos? Será que aplicou esses princípios aos instrumentos que usou nos levantamentos? A resposta a estas questões não se encontra no Itinerário e não se conhecem os apontamentos de campo de Lavanha176 . detalhadamente. 175 Ibid. De Crepusculis...4. Cortesão faz um comentário extenso sobre esta possibilidade. Os deputados aceitaram as jus- tificações de Lavanha e nomearam o Padre Jesuíta Paulo Albiniano de Rajas. Ou seja. nomeadamente vales nos Pirinéus. desenvolvido para determinar amplitudes ortivas e occíduas. em 1593. p. uma das grandes sumidades científicas da sua época. onde o princípio do nónio é descrito. Uma dessas imagens diz respeito ao nónio. data de 1542.

y de las observaciones que habia practicado. VIDA E OBRA DE LAVANHA Com base em todos estes elementos. Para atestar essa sua opinião. arreglò en pergamino el mapa. y el mejor gravador que habia en España. 180 Ibid. y convenida la forma en que debia estamparse dicho mapa. naquele tempo: Ayudado Labaña de estas noticias. O professor termina esta longa análise da Carta de Aragão afirmando que a mesma tem recebido os mais rasgados elogios de todos aqueles que a têm estudado. Lavanha fez um mapa em pergami- nho. p. pp. el Doctor Francisco de San- tacruz y Morales. pêro por vários incidentes no se viò acabada la obra en poder de la Diputacion hasta el mes de Agosto de mil seiscien- tos diez y nueve. disponíveis na época179 . que dieron su dictamen en veinte y dos de Febrero de mil seiscientos diez e seis haciendo algunõs cargos. apenas as observações astronómicas de 8 de Novembro. que foi enviado para uma comissão que avaliaria o trabalho. 179 Ibid. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. 347–348. Não se sabe se Lavanha terá medido alguma.178 . Cortesão afirma que não se sabe exactamente qual a metodologia seguida por Lavanha para elaborar a sua rede geodésica. se empezò à abrir desde luego en casa y presencia de Labaña por Diego de Astor tallador de la casa de moneda de Segovia. No Itinerário re- fere apenas a medição de ângulos entre as diversas estações. pp. que remetiò a los Diputados en el mes de Setiembre de mil seiscientos quince.66 CAPÍTULO 1. Contribuição para um estudo completo. siendo Diputados los que se refieren en la Dedicatória de la misma. Don Gaspar Galceran de Castro Conde de Guimerà. Certa- mente terá feito muitas outras. Por outro lado. 344–345. nas quais este tece rasgados elogios ao trabalho de Lavanha180 . no Itinerário. foi entregue a sua gravação a Diego de Astor. censura e perfeccion fueron nombrados eí Padre Rajas. usando as mais recentes técnicas. 178 Cortesão. para cuyo examen. transcreve palavras de Sancho y Gil.. Um dos elementos funda- mentais de uma rede é a base. do ponto de vista técnico. Depois de aprovado. . considerado o melhor gravador de Espanha. facto este que atesta já a elevada precisão do seu trabalho. à que satisfizo cumplidamente Labaña en dos de Abril del mismo ano: y arreglado todo. pois não se conhece nenhuma referência sua a esse facto.. prefaciador da edição do Itinerário. o professor de Coimbra demonstra alguma admiração pelo facto de Lavanha registar. 341.

. três cartas gravadas na “Quarta Década da Ásia”. Lavanha publicou. p. 182 Ibid. analisado por Cortesão é a Quarta Década da Ásia 181 . A OBRA DE LAVANHA 67 O texto seguinte.. pp. pp. o aspecto mais relevante desta obra é a inclusão na mesma de três cartas: da Ilha de Java. «João Baptista Lavanha. & as melhores informações que destas Regiões pude alcançar183 . dos Reinos de Guzarate e Bengala. como o desenho dellas. Para Cortesão. 184 Ibid. das que nesta quarta Dé- cada descreve Ioão de Barros (em q excedeo à todos os Geographos) ordenei tres taboas da Ilha de Iaoa.4.1. O trabalho foi executado por ordem real. . p. 1615». Não se conhece a origem destes elementos. segundo a mente do Autor. o que aconteceu foi o seguinte. Re- sumidamente. 185 Cortesão e Mota.. A história deste livro é bastante curiosa. 349. De acordo com este texto. Estas cartas foram mais tarde reproduzidas nos Países Baixos. 349. Nosso Senhor. Apresentam todas a indicação «Diego de Astor Fecit». dos Reinos de Guzarate. O próprio Lavanha realça essa mais-valia desta edição que ele preparou: E porque nenhűa cousa dà tam perfeito conhecime̋to das descrip- ções das Províncias. Este gravador foi o mesmo que executou o Mapa de Aragão184 . Todas as cartas têm representadas naus portuguesas e galeras turcas. Apresenta a seguinte informação no frontispício: Qvarta Década da Ásia de João de Barros. 350. esta obra conduziu a uma extensa troca de correspondência entre o monarca e a Câmara Municipal de Lisboa. o livro. mas o autor recorreu a um empréstimo da referida câmara. Aquilo que se sabe é que Lavanha nunca terá estado nos locais representados. p. Além de uma polémica com os herdeiros de João de Barros. 349–351. 183 Ibid. 71–72. Reformada accrescentada e illvstrada com notas e taboas geographicas por Ioão Baptista Lavanha182 . Dedicada a el rei Don Philippe II. Também os Portugaliæ Monumenta Cartographica apresentam um breve estudo sobre estas cartas185 . em 1615. & Ben- galla. o principal interesse das cartas é o facto de apresentarem dados geográficos sobre o interior dos locais representados. Não tendo Lavanha conseguido vender 181 Ibid.. um tronco de léguas e uma meia rosa-dos-ventos ornamentada.

pois a câmara não aceitava a solução. 352–355. . um livreiro de Lisboa186 . p. 351. Filipe iv insistiu na mesma solução que seu pai. que existiria na «Biblioteca Real de Pa- ris». em 18 de Agosto de 1616. Contribuição para um estudo completo. A situção foi-se arrastando. 188 Ibid. Em alternativa. o monarca solicitou à câ- mara que aceitasse como pagamento exemplares que cobrissem a dívida. Com este título existem dois manuscritos na Biblioteca Nacional de Madrid. descrevendo-o como um manuscrito em letra do século xvii. assim como dos locais visitados.. o monarca solicitava um adiamento de dois anos na liquidação da mesma. Continuando a seguir o estudo de Cortesão. baseada na informação de Ochoa. 355–356. também neste caso as despesas da publicação recaíram sobre a Câmara Municipal de Lisboa. pp. Tal como acontecera com a Quarta Década. em 1844. o original. pela descri- ção da viagem. Segue-se uma breve descrição do conteúdo do documento. Abre com uma dedicatória ao «Príncipe nuestro senor». em 1627. que difere ligei- ramente. A primeira carta de Filipe iii é de 1616. por carta de 1623. Trata-se da descrição da viagem que Filipe iii fez a Portugal em 1619. Trata-se de um códice desaparecido. este dá-nos notícia de Com- pêndio de las cosas de España 187 . ambos contêm inúmeras notas à margem. enquanto que na portuguesa surge como Filipe ii. Embora apresentem diferenças entre si. Quem se tinha referido a ele foi Eugénio Ochoa. 350–351. Este 186 Cortesão. manuscritas por Lavanha. de acordo com Barbosa Machado. levando a protestos desta contra a situação. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. VIDA E OBRA DE LAVANHA exemplares suficientes para pagar o empréstimo. estaria na Livraria do Marquês de Gouveia. no- meadamente o número de folhas e o próprio título completo. pp. das pessoas que nela tomaram parte. 189 Ibid. 187 Ibid.. Nobiliário de D. Pedro 189 . redigido pelo próprio Lavanha. pp. Só em 1627 é que a câmara decidiu que a forma de conseguir que se vendessem mais exemplares da Quarta Década seria repu- blicar as três primeiras Décadas.68 CAPÍTULO 1. O problema manteve-se.. Trata-se de um texto de elevado valor histórico. datada de San Lourenzo el Real. Publicada em Madrid em duas edições: uma portuguesa e outra castelhana. Cortesão refere que. De notar que na edição castelhana o monarca surge com o título de Filipe iii. Viagem da Católica Real Magestade 188 . conhecendo-se cartas anuais até 1619. Para tal contratou.

Pedro. 359. sino la del libro Histórico. Contudo. Em 1640 esta obra foi publicada em Roma. 191 . 357. Inocêncio refere que não sabe se o códice transitou para esta última. cujo paradeiro era desco- nhecido na época em que redigiu o estudo.. hijo del Rey D.1. foi condenado em 1759. y Genealógico de la Monarquia de España.4. p. que es digníssima de su autor. e que se encontra na mesma biblioteca. 357. em Madrid. escrito de la de Iuan Bautista me ha parecido imprimirle. Felipe ii. iii. com o título: Nobiliario de D. datada de 21 de Maio de 1622. por mandado de la Magestad de los Reyes D. . . Dionis de Portugal. A publicação foi ordenada pelo Marquês de Castelo-Rodrigo. . 195 Ibid. 356. 357. Também o próprio Lavanha escreveu. murio Juan Bautista. Semelhante ao anterior. Texto escrito com diversas letras. Sendo confiscados os seus bens. que es de creer la mandara dar a la estãpa. José. y en que trabaxo muchos años. no seu codicilo testamentário: «Entreguese mas a sua Magestad. 193 Ibid. ou então obras (geralmente de índole genealógica) das quais se conhecem manuscritos. pp. contendo árvores genealógicas escritas por Lavanha. dexãdo no solo esta obra por estampar. Contém uma dedicatória de Lavanha a este marquês. mas contendo também outras que foram acrescentadas após a sua morte. acusado de conspira- ção contra D.. por que no quede obra tal en la obscuridad del silencio. p... mas onde se encontram partes 190 Ibid. p. mas que não estão estudadas. uma série de textos de Lavanha. Conde de Barcelos. todas las laminas que estan cortadas de la selua rosal. Arboles genealogicas de varias familias 194 . a sua biblioteca deveria reverter para a Biblioteca Real. A OBRA DE LAVANHA 69 marquês. e Duque de Aveiro. 357–361. »193 . p. 192 Ibid. y iv. 191 Ibid. Códice da Biblioteca Naci- onal de Madrid. . Estando para darle a luz (ao Nobiliário). sinteticamente. Após o título tem a indicação de que foi redigido por Lavanha. p.. As páginas finais do estudo de Cortesão192 são dedicadas a descrever. Arboles de diversas familias 195 . 194 Ibid. Selva Real. Em 1646 foi novamente publicado em Madrid190 .. Por la misma razon aviendo llegado este libro a mis manos. Texto referido por Barbosa Machado. .

. 199 Ibid. Historia e genealogia da monarquia espanhola 198 . Mais um texto também citado por Barbosa. p. A obra está desaparecida. 359. deste texto.. no Reino de Leão. 358. por ordem de Filipe iii. la Vaña & Juo . na posse de D. Fernando de Tovar Henriques. Cortesão considera que este texto e o anterior devem pertencer às «arboles i descripciones. p. não tendo escrito tal crónica. São elas: Descrição da Guiné. » de que Lavanha falava no seu testamento. que um incêndio destruiu em 1734. Cortesão informa que Sanchéz Pérez supunha que se tratava do projecto de decoração de um salão no antigo «Real Alcazar de Madrid». 198 Ibid. Ou seja. . Outro códice que se encontra também na Biblioteca Nacional de Madrid. 358–359. Casas de titulos e particulares 196 . A seguir ao título vem a indicação de que foi feito por Lavanha. já anteriormente transcrita. Trata-se de um docu- mento que descreve o modo como deverão ser pintados uns grupos alegóricos com as quatro virtudes cardeais: Prudência. que se encontra no início do Nobiliário de D. Pedro. Lavanha teria apenas reunido os dados. Desta obra dá notícia Barbosa Machado. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. quando indica os papéis que se devem devolver ao monarca. As obras que se seguem no estudo de Cortesão. pp. que deveriam ser entregues a quem escrevesse a história de D. p. Roteiro da Índia e Tábuas. No seu testamento Lavanha faz alusão a: «todos los papeles que tengo junta- dos por la cronica delrei don Sebastian». já anteriormente fo- ram mencionadas. VIDA E OBRA DE LAVANHA que parecem ser da mão de Lavanha. Tem escrito na lombada: «Casas de titulos & particulares original de Jo . 357. em 1601. Na advertência ao leitor. . 197 Ibid. Fraco . ainda imperfeito. Na época em que viveu o autor da Biblioteca Lusitana. quando seguimos a listagem dos Portugaliæ Monumenta Cartographica. Teria sido escrita em 1612. A viagem que Lavanha fez à Flan- dres. As primeiras 126 folhas parecem escritas pela mão de Lavanha. 196 Cortesão. existe referência a este texto. . destinava-se a recolher dados para esta obra. de Hita». Força e Temperança. Sebastião. Bapta . Sebastião 199 .70 CAPÍTULO 1. Relacion de las Virtudes 197 . Lavanha também se referiu a este texto no seu testamento. existiria um original. Marquês de Valverde. Justiça. na página 69.. Contribuição para um estudo completo. Crónica de D. Também na mesma biblioteca.

começou.:». das quais também se ignora o paradeiro duma (Roteiro da Índia). por Garcia Pérez registado como «Origen verdadero e descendência de la Casa de Silva M. 201 Ibid. além destas. evidencian- do-se. A OBRA DE LAVANHA 71 O professor segue de perto o texto de Barbosa Machado e apresenta breves apontamentos bibliográficos sobre cada uma destas obras. por 1596. «Tratado da Família dos Sylvas». «Historia do Cunhale celebre Corsário da India. além da pu- blicação. matemática ou engenharia. M. Finalmente. e Familia Mendonça.Barbosa Machado aponta ainda: uma «Architec- tura Náutica M. um «Tratado da Esfera do Mundo. em original ou cópias.». M. Finalmente. conhecem-se referências a mais doze. o Nobiliário de D. Pedro.. «Familia dos Mouras historiada» . com o Naufrágio da Nau S. a predilecção pelos estudos históricos. por Lavanha referidos ao princípio do seu Regimento Nautico. 360. que variaram ao longo da sua vida: O exame cronológico das obras de Lavanha mostra-nos que este. S. . faz uma sintese daquilo que se conhece sobre os textos atri- buídos a Lavanha: Destas trinta e uma obras de Lavanha vê-se que devem existir: oito impressas. S. Segue-se um período em que os dois géneros de trabalhos por igual o ocupam.1. cada vez mais. existem.4. porém. conhece-se uma cópia manuscrita e o volume publicado201 . de princípio dedicado apenas aos trabalhos de cosmografia. o 200 Ibid. a mostrar o seu gôsto pelos estudos históricos. e onze manuscritas. e doutra. Alberto. S.» . dois originais manuscritos. S. De todas estas obras não se cita o paradeiro. nem delas conhecemos outros vestígios. Devemos ainda registar aqui o Regimento e a Arte de Navegar. embora não tivéssemos conseguido ver nenhum exemplar de uma delas (Selva Real ). e de que também não temos qualquer outra notícia200 . p.. De uma delas. que supomos ser a mesma obra. «Historia de la Caza de Lerma». . p. de que não restam outros vestígios. S. o Itinerário de Aragão. Segue-se ainda uma análise dos interesses temáticos do cosmógrafo-mor.». sob o título de Outras obras indica diversos outros textos que o autor da Biblioteca Lusitana refere como sendo de Lavanha e cujo paradeiro é desconhecido: Outras obras. que Garcia Pé- rez regista com a indicação de M. 360..

. em 1618 o Rei nomeia-o Cronista-mor.72 CAPÍTULO 1. é o último trabalho daquele género. . Contribuição para um estudo completo. por la historia real de España despreciaste à Euclides». daí até à sua morte apenas a investigação histórica ocupa a actividade do seu espírito202 . p. VIDA E OBRA DE LAVANHA que já em 1609 fazia dizer a Lope de Vega: «Maestro mio. concluído em 1615. O Mapa de Aragão. 361. 202 Cortesão. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. .

Conhecimento e representação na Época Moderna. 2003. que constitui o primeiro capítulo deste nosso estudo. sem dúvida. 117. verificada a partir do século xvi. Lavanha foi uma personagem incontornável da ciência ibérica na tran- sição do século xvi para o xvii. 73 . deixando o estudo e compreensão deste meio natural de ser apanágio principal dos filósofos e da reflexão teórica. evidentemente. no apontamento biográfico com que iniciámos este estudo. Esta valoração da técnica e do esta- tuto social dos seus cultores foi um dado do Renascimento. Vimos. observável por igual em Espanha. Esta característica polifacetada coloca-nos alguns problemas na delimitação do nosso objecto de estudo. as principais questões que se nos colocaram na delimitação do corpus documental. sobretudo quando se torna patente que as observações e experimentações decorrentes dos trabalhos mais práticos se traduzem em mais valias significativas do du- plo processo de conhecimento e intervenção sobre a Natureza. apresentámos uma citação que enumera os textos que podem ser considerados como integrando 1 Francisco Contente Domingues. No apontamento biográ- fico. conforme apontou José Maria López Piñero. Sinal dos tempos.Capítulo 2 A obra náutica de Lavanha O tempo era.] Lisboa: Edições Colibri. «João Baptista Lavanha e o ensino da náutica na Península Ibérica». propício à valorização do trabalho téc- nico e científico. Caracterizadas que foram. que Lavanha se distinguiu em diversos campos do conhecimento. na introdução. Em: As novidades do mundo. p. passaremos a definir as linhas orientadoras da nossa abordagem ao mesmo. por igual. em geral. mas a consideração merecida por Lavanha deveu-a. Maria da Graça Mateus Ventura e Luís Jorge Semedo de Matos [org. aos méritos que evidenciou desde cedo na condução das missões e dos trabalhos de que foi encarregue1 .

em Madrid. 2004. Caem nesta categoria de «náutica pura» o Tratado del Arte de Navegar. p. Alberto» — s/d. que são (com os títulos sumariados e modernizados): • Tratado da arte de navegar — 1588 • Tratado de gnomónica — 1595 • Tratado do astrolábio — 1595 • Regimento náutico — 1595 (com uma segunda edição em 1606) • Naufrágio da nau «S. não se pode dizer que haja muito a acrescentar às notícias bibliográficas que os autores deram sobre cada título2 . Alberto» — 1597 • Parecer sobre o conserto da querena da nau «S. Lisboa: Centro de História da Universidade de Lisboa. Teoria e empíria na ar- quitectura naval dos séculos xvi e xvii. Em primeiro lugar. com algumas modificações. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA a obra náutica do cosmógrafo-mor: Seguindo estes autores podemos dar conta das principais obras náu- ticas de Lavanha. 135. circa 1597 • Relação do porto do Senegal — anterior a 1600 • Tábuas da largura ortiva do sol — 1600 • Roteiro das ilhas Primeiras e Angoche — 1600 • Roteiro da Carreira da índia — 1600 • Roteiro da Carreira da índia — desaparecido • Regimento do instrumento para saber a altura a qualquer hora — anterior a 1608 • Regimento de Gaspar Jorge do Couto — 1608 • Regimento da Costa do Cabo Negro — 1608 Passados quarenta anos sobre a publicação do livro de onde respi- gamos estas notícias. O Regimento Náutico 2 Francisco Contente Domingues. como o próprio título deixa prever. importa distinguir entre aquilo que consideramos como os textos de «náutica pura» dos restantes. o Regimento Náutico e as tabelas de amplitude ortivas. . o conteúdo das lições de Lavanha era exclusi- vamente náutico. Embora se tratasse de uma escola da corte. No primeiro encontramos o conteúdo de aulas de náutica que Lavanha ministrou na Academia de Matemáticas. Os navios do mar oceano. Esta listagem será o nosso ponto de partida. não vocacionada especificamente para a formação de homens do mar.74 CAPÍTULO 2.

como solução para o problema da longitude no mar. que Lavanha publicou.2. Até . resul- tante das suas funções enquanto cosmógrafo-mor de Portugal. Incluiremos também outros textos de alguma forma relacionados com náutica: como pareceres que ele emitiu. Lavanha seria certamente solcitado a emitir pareceres sobre os mais variados assuntos ligados à náutica. neste estudo. as tabelas foram redigidas com o objectivo de fornecer uma solução para um problema prático que se colocava aos homens do mar. 2. Neste prefácio ele defende o modo de proceder dos pilotos e desculpa os seus reduzidos conhecimentos académicos. teremos também textos que podem ser considerados de cariz essencialmente náutico. mas que pela sua reduzida dimensão não justificavam um capítulo dedicado. Cada um destes textos será objecto de um capítulo. Finalmente. Alguns destes textos serão por nós aqui transcritos quase integral- mente. Finalmente. Esta pos- tura não é muito concordante com aquilo que ele escreve. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS AGULHAS 75 não é mais que um texto destinado a pilotos. por exemplo. Uma das questões sobre a qual ele foi chamado a pronunciar-se foi a das agulhas. que o terá levado a considerá-los «casos perdidos»! Ele próprio invoca essa longa convivência com pilotos. para reforçar a opinião que sobre eles tem. Adiantamos já que essa opinião não é muito favorável em relação aos pilotos e aos seus conhecimentos. que era determinar a declinação das agulhas de marear. Neste capítulo apresentaremos os restantes textos que em nossa opinião têm algum conteúdo relacionado com a náutica.1 Parecer de Lavanha sobre as agulhas No âmbito das suas funções como cosmógrafo. no prefácio «Ao Speculativo Mathematico» que se encontra no início do Regi- mento Náutico. Porque motivo uma mudança radical de opinião? Uma possível explicação poderá residir nos anos de convívio com esses mesmos pilotos. Chegaram até nós vários documentos onde podemos perceber qual a opi- nião de Lavanha sobre este tema. Nestes Lavanha expõe diversas matérias de geografia e cosmografia e entre essas faz também referência a assuntos de «náutica pura». propostas pelo português Luís da Fonseca Coutinho. Entre estes encontramos textos que classificámos como didácticos. dedicado exclusivamente à respectiva análise. contudo que esta opinião tão inflamada contra os homens do mar tem outra explicação.1. Pensamos.

2004. de origem flamenga. Van Langren. exactamente pelo facto de ser português. Não vamos aqui estudar essa questão do prémio: já o fizemos noutro local3 . um processo para resolver o problema. provavelmente teria um trata- mento diferente. que ele teria mandando imprimir para sub- 3 António Costa Canas. A sua influência junto da família real seria cer- tamente motivo de inveja de muitos daqueles que desejavam igual estatuto. também conhecido pela forma latinizada do seu nome: Langre- nius. depois de ter saído de Portugal. que se o autor do mesmo não fosse português. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. 46–49. uma vez que eram os pilotos que no mar testavam o processo sugerido. por exemplo quando lhe pedirem um parecer sobre a localiza- ção das Molucas. sobre este assunto é exactamente a resposta de Lavanha. pensamos que o mais importante que está aqui em causa. Miguel Florêncio van Langren. propôs. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA porque Lavanha continuou a trabalhar de perto com pilotos. pp. Então qual a explicação? Basicamente porque numa junta reunida para avaliar o processo proposto por Luís da Fonseca. como veremos mais adiante neste capítulo. E nesse texto. O cosmógrafo vai ter outras atitudes a favor das causas portuguesas. era cosmógrafo do rei de Espanha. em castelhano e latim. Foram muitos os candidatos a este prémio. e Lavanha respondeu também por escrito. A obra do padre Cristóvão Bruno [Texto policopiado]». para quem encontrasse a solução para o problema do conhecimento da longitude no mar. Um dos textos que até nós chegou. Outra possível explicação para a atitude de Lavanha reside no facto de Luís da Fonseca ser português. onde o seu convívio com eles teria sido mais próximo. em todo este processo é a atribuição de um prémio. Lavanha assume. Dissertação de Mestrado em História da Expansão e dos Descobrimentos Portugueses. Contudo. Esse piloto escreveu os seus argumentos. Também as mostra noutros textos. ele apresenta opiniões inflamadas contra os pilotos. Recordemos que Lavanha deve ter tido problemas junto da corte de Madrid. Importa ape- nas referir que na época em que se passa esta questão que estamos a analisar estava prometido um prémio. . para quem resolvesse este problema. a única opinião desfavorável partiu de um piloto.76 CAPÍTULO 2. em 1644. Conhece-se um texto impresso. e os resultados apresentados nem sempre eram favoráveis à validade do método. na defesa do processo. Vejam-se por exemplo os roteiros que Lavanha assinou e que são resultado da compilação de dados levada a cabo por pilotos. pelo monarca espanhol. «A longitude na náutica do século XVII.

que ele descobrira.n. van Langren considera que o primeiro candidato foi o nosso Luís da Fonseca Coutinho. limitar-nos-emos a transcrever a carta. 1644.1. A sua proposta baseava-se na observação do aspecto da Lua. A documentação sobre este assunto é imensa.2. y el problema de la desviación de la aguja». Vol. Em: Revista da Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra. a sua obra tem interesse especial porque ele apresenta uma listagem de concorrentes ao referido prémio. el inventor Luis de Fonseca Coutinho. este autor cita diversos estudos por- tugueses sobre Lavanha e aparentemente ignora a existência do trabalho de Humberto Leitão. Não vamos aqui anali- sá-la na sua totalidade. o 4 Miguel Florencio van Langren.. Destacamos entre eles. o autor do estudo explica-nos porque razão o mesmo se centra na carta: Dos quatro documentos que acabamos de mencionar. pela mesma altura. Curiosamente. já por ser de quem é. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS AGULHAS 77 meter a Filipe iv a sua ideia4 . Os principais documentos relativos à questão foram já objecto de dois estudos. xxxix. por ordem cronológica de publicação. 5 Humberto Leitão. Van Langren é o autor do primeiro mapa da Lua. E vemos no seu texto que aborda muitos outros assuntos. Coimbra: Coimbra Editora. p. desde o problema da determinação da longitude até às capacidades dos pilotos da época. O título aponta para um texto centrado numa carta de Lavanha a respeito do assunto que estamos a analisar. .]. Para nós. que serão a base daquilo que aqui tencionamos apresentar. Mais uma vez. Além disso. é de Humberto Leitão5 . 172. que vai variando com o passar do tempo. Porém. Percebemos que apesar de transcrever apenas a carta. um castelhano: o doutor Arias de Loyola. A lista ultrapassa a dezena de nomes. já por ali estar resumido quase tudo o que se passou a respeito das agulhas de Luís da Fonseca até à data em que tinha sido escrita6 . E menciona. 7 Alfonso Ceballos-Escalera Gila. Em: Revista de Historia Naval 65 (1999). que de certo modo se sobrepõe ao seu. Magd. Galileu. La verdadera longitud por mar y tierra: demonstrada y dedicada a su. que concorreu sugerindo o uso dos satélites de Júpiter. «Uma carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de Luís da Fonseca Coutinho». O primeiro. «Una navegación de Acapulco a Manila en 1611: el Cosmógrafo Mayor Juan Bautista de Labaña. Leitão consultara outros documentos sobre a mesma questão. 6 Ibid. [Ambers]: [s. Catholica Philippo iv. 1967. Constatamos que os textos que foram a base do artigo de Humberto Leitão foram também usados por Alfonso Ceballos-Escalera Gila7 . sendo considerado o pai da selenografia.

Ambos os autores nos referem onde obtiveram a infor- mação para os respectivos estudos. 9 Leitão. Nestes dois encontram-se vários documentos autógrafos do cosmógrafo-mor. ou relacionados com o método de Luís da Fonseca Coutinho. se falar em uma certidão passada por Constantino Menelau onde este declarava ter verificado. p. 11–12. Roque da armada de 160210 . dando-nos ainda conta de que existem cópias dos códices na Biblioteca Central da Marinha em Lisboa9 . 8 Ceballos-Escalera Gila. p. podrían resolver definitivamente ele problema del «nordestear» o «norestear» de las agujas magneticas. Constata-se que essa viagem é o pretexto para um estudo mais alargado em torno da proposta de Luís da Fonseca Coutinho e dos contributos de Lavanha para esse mesmo assunto. visto. e da qual transcreveu alguns manus- critos. 10 Ibid. com as cotas F-16 e N-23. Ora. «Una navegación de Acapulco a Manila en 1611: el Cos- mógrafo Mayor Juan Bautista de Labaña. según sus investigaciones. vamos destacar aqui os aspectos mais relevantes do mesmo. 172. neste caso de uma viagem no Pacífico. que a tal agulha era fixa. integra a Colecção Salazar y Castro. A documentação que analisou. Leitão coloca o início por volta do ano de 1603: Deve ter sido em 1603 que Luís da Fonseca se dirigiu a Filipe ii de Portugal propondo-se fabricar uma agulha fixa.. no decurso do processo. y el problema de la desviación de la aguja». nota 9. 171. da Real Academia de la Historia de Madrid.78 CAPÍTULO 2. Ceballos-Escalera informa-nos de uma forma um pouco mais detalhada sobre o fundo documental em que se ba- seou8 . . em uma viagem à Índia. el inventor Luis de Fonseca Coutinho. Tendo por base estes dois estudos. Com textos de Lavanha existem essencialmente dois manuscri- tos. Menelau foi capitão da nau S. pp. Os autores analisados divergem quanto à data em que tudo teria come- çado. complementados com diversa docu- mentação manuscrita sobre este tema. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA título parece apontar para a análise de um tópico muito específico. «Uma carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de Luís da Fonseca Coutinho». Também Humberto Leitão se baseou em documentos dos mesmos. Ceballos-Escalera considera que a proposta de Luís da Fonseca é mais tardia: Luís de Fonseca Coutinho presentó en 1605 al Consejo de Indias— estando la corte todavía en Valladolid—unas agujas «tocadas» por él que.

14–15. y el problema de la desviación de la aguja». o licenciado Fernando de los Rios Coronel. retirou-a o autor da obra de Navarrete. essa informação consta da carta que adiante analisaremos. Esta informação. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS AGULHAS 79 . Así se verificó. do Conselho de Estado. Segura. o Conde da Feira. Por outro lado. Aliás. el inventor Luis de Fonseca Coutinho. João Gomes da Silva. y así Labaña mudó de parecer. Lourenço Ferrer. A única opinião desfavorável à proposta foi a de Gaspar Manuel. cosmógrafo das Filipinas e Gaspar Manuel. informa-nos ainda da mudança de opinião de Lavanha. éste la desestimó al principio por creerla imposible. diz-nos ainda que Luís da Fonseca contava com o apoio de Arias de Loyola. Face aos resultados conseguidos no mar. El lusitano se poyaba para todo en el doctor Juan Arias de Loyola. Sometida la novedad a Juan Bautista Labaña. realizó algunos experi- mentos en presencia de los Príncipes de Saboya. y el capitán Constantino de Menelao—no supieron utilizar correctamente los nuevos instrumentos11 . Além disso. a los que por entonces enseñaba matemáticas. Afonso Furtado de Mendonça. Lavanha optou por es- crever também a sua argumentação. pero con resultados in- ciertos. Lavanha critica a decisão afirmando que ela foi tomada apenas porque o autor era português. célebre matemático muy influyente en la Corte filipina. piloto da Carreira da Índia. . em 13 de Fevereiro de 1608. nomeado Vi- ce-rei da Índia. Para entender se a mesma era válida. ou não. Integravam essa junta diversas personalidades notáveis: Lavanha. contradizendo praticamente todos os argumentos do piloto: 11 Ceballos-Escalera Gila.. . El resultado fue muy bueno. capitán mayor de la Armada de la India. pp. Tendo ele decidido deixar a sua opinião na forma escrita. a decisão foi de não conceder qualquer apoio monetário a Luís da Fonseca. toda vez que los marinos lusitanos—Braz Téllez. no obstante. y recomendó a Su Majestad que solicitase del inven- tor el envío de algunos ejemplares a las naves que entonces estaban para partir hacia la India portuguesa. Luís da Fonseca voltou a submeter a sua proposta ao monarca. .1. . presidida pelo Conde de Salinas. Podemos ver que Ceballos-Escalera está a par da viagem de Constantino de Menelau. João Furtado de Mendonça.. parece-nos que Ceballos-Escalera não confirmou quando essa viagem se teria realizado. No entanto. reuniu-se. quando viu as agulhas a funcionar. «Una navegación de Acapulco a Manila en 1611: el Cos- mógrafo Mayor Juan Bautista de Labaña.2. o capitão Queirós. uma junta.

. O seu discurso. bastando para tal colocar os ferros da agulha de forma a que a rosa-dos-ven- tos aponte exactamente para Norte. estaria dividido em ca- pítulos e Lavanha rebate-os um a um. entre Lisboa e Madrid é de dois graus. viu. Ou seja. Provavelmente. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA E porq̃ Gaspar Manoel deu um papel das razões q̃ o moverão a reprovar o uso de Agulha fixa. denegrindo a forma como praticamente 12 João Baptista Lavanha. na argumentação contra Gaspar Manuel. dentro da Península Ibérica. apontarey as q̃ dey na Junta12 . [Resposta de João Baptista Lavanha ao papel que deu Gaspar Manuel sobre a agulha fixa. E que Lavanha considerou que o problema residiu na falta de perícia dos envolvidos. muitas das dificuldades da condução da navegação estavam ultrapassadas. pois concorda com o piloto. ou de Lisboa para Sevilha. Uma agulha nessas circuntâncias deixa de apontar exactamente para Norte. Foi isso que constataram os pilotos que a testaram. a observação de uma agulha dessas em duas das cidades indicadas não per- mitia notar grandes alterações da direcção apontada. Já vimos que a primeira experiência. a diferença da declinação magnética. a variação ainda é menor. Colecção Salazar y Castro. Mss. N63. muito dificilmente uma agulha apontaria sempre para o Norte verdadeiro durante uma viagem para a Índia. Quanto à utilização de tal agulha numa viagem longa por mar seria diferente. levada a cabo sob responsabilidade de Constantino de Menelau e de Brás Teles. As deslocações que Lavanha poderá ter feito. a deslocação de Valladolid para Madrid. 29 vs. dispondo de uma agulha sem declinação.80 CAPÍTULO 2. que não sabiam como lidar com aquela novidade. Apenas sobre o último afirma que não vai dizer nada sobre ele. que não conhecemos. neste respondendo a ellas. pelos mesmos capitolos. Aí. Se considerarmos por exemplo. fl. caso seja deslocada para um local de declinação diferente. Custa-nos a perceber como foi possível que Lavanha tenha aceite de bom grado que se poderia conceber uma tal agulha. centra-se muito nas capacidades dos pilotos. agulhas que indicavam o Norte verdadeiro. Tal é fácil de conseguir. Actu- almente. não permitem grandes variações desse valor. não confirmou que a agulha era fixa. que não eram pilotos mas capitães de dois navios que foram à Índia. algumas vezes. O texto de Gaspar Manuel. Na reali- dade. da Real Academia de la Historia. datada de 15 de Fevereiro de 1608]. pelo que se poderia considerar fixa. em qualquer parte do mundo. A sua argumentação assenta essencialmente na confiança que depositava na agulha fixa.

Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 15 Pedro Nunes. tanto no seu texto de 153715 ..1. se não tẽ quem lha amostre. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. Elena. pois cõ ella a qualquer hora que ouvera sol se soubera. para argumentar que esses pro- blemas podem ser ultrapassados se os pilotos se habituarem a usar a agulha fixa e a tirar partido das respectivas potencialidades: O mesmo Gaspar Manoel q̃ escreveo ese capitolo confesou q̃ estivera oyto dias ao Pairo. con as quaes se hão de verificar as derrotas e dar este Abatimento13 . 14 Ibid.2. sẽ em todos elles. Vol. e como conhecerão a derrota que levão. Astronomici Introdvctorii de Spaera Epi- tome. iv. Lavanha conhecia profundamente a obra de Pedro Nunes. em que ele reconhece algumas dificuldades que encontrou no mar. . Parece logo q̃ necesario sera o instrumẽto pello qual se podem apoupar estes dias e outros muitos trabalhos na navegação. como he este cõ a Agulha fixa. De arte atque ratione nauigandi. como no de 156616 . Obras. E a João Gomez da Silva aconteceo o mesmo pao mesmo effeito quinze dias. q̃ farão todos os mais q̃ o não são (de q̃ o numero he infinito) como darão este Abatimento se o não conhecem. Apenas um pequeno comentário às palavras de Lavanha. este assunto foi amplamente estudado por Pedro Nunes. 2002. Tanto poderia ser conhecida a declinação magnética. Ora. i. e elles não sabem usar das operações necesarias para saberẽ a quantidade destas variedades. Nunes apresenta diversas formas de conhecer a latitude a qualquer hora do dia. 29 vs. pois a q̃ a Agulha ordinaria asinala não he a verdadeyra. e sabella para hir demandar a ilha de S. 13 Ibid. aguardando q̃ fizese sol ao meyo Dia para tomar a Altura. usando uma agulha normal. fl. Vol. fl. sem ter que esperar pela passagem meridiana do Sol. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS AGULHAS 81 todos conduzem os navios no mar: E quando estes muy practicos asi acertão. não sabendo a quantidade da variedade da Agulha. Tratado da Sphera. Lavanha usa as próprias palavras de Gaspar Manuel. Curio- samente. o que se aguardou quinze e oyto dias para se conhecer14 . Obras.. 16 Pedro Nunes. 29 vs. como podemos verificar no capítulo em que analisar- mos o Tratado del Arte de Navegar. Defende aqui o uso da agulha fixa. 2008. como ser desconhecida. como forma de se conseguir determinar a latitude a qualquer hora. o haver senão fora d’aquella hora do meyo dia.

23. autor do Repertório dos Tempos. qual era a sugestão de Lavanha. Nomes de sacerdotes que pudessem.82 CAPÍTULO 2. ao fazer uma espécie de referência do documento: S. «Una navegación de Acapulco a Manila en 1611: el Cos- mógrafo Mayor Juan Bautista de Labaña. ainda. 18 Ceballos-Escalera Gila. calculamos ser de 1608. Lavanha ignora aqui todos esses conhecimentos que certamente possuía. acerca de la utilidad de la aguja fija ideada por Luis de Fonseca18 . p. Centremo-nos agora na carta que Humberto Leitão transcreve. e posterior a 13 de Fe- vereiro. em razão de narrar factos passados na junta que naquele dia se reuniu e. pp. não tem o nome da pessoa a quem foi enviada. e do conteúdo da mesma deduz-se ser dirigida a um prelado importante: É do seu punho. para se obter também o seu valor. s. Tentaremos esclarecer. é-nos impossível dizer17 . pois ele tem um regimento dedicado a este processo. intervir no assunto.. em relação a este nada nos diz. Para Leitão. for- nece poucos dados sobre a mesma. Enquanto que para os restantes docu- mentos que transcreveu apresenta um breve comentário sobre os mesmos. el inventor Luis de Fonseca Coutinho. nem data. 17 Leitão. No que toca à pessoa a quem tenha sido dirigida. apenas sabemos tratar-se de um sacerdote com méritos bastantes para dar a sua opi- nião a respeito do problema daquela agulha. Curiosamente. Se teria sido escrita a ele ou outro.f. apenas nos vem à ideia o de André de Avelar. A única informação colocou-a ele no início da respectiva transcrição. 187–188. ao tempo. nem sequer se identifica o destinatário. Madrid? Segundo informe dado por Juan Bautista de Labaña al Consejo de Indias. que se jubilou em 1612. nem indica o local de redacção.l. . ?1610. mais adiante. a mesma deveria ser de 1608. y el problema de la desviación de la aguja». lente de Matemática da Universidade de Coimbra. Ceballos-Escalera que também transcreve esta carta. O docu- mento não é datado. como La- vanha de descedência hebraica e que se fez padre depois de lhe haver falecido a mulher. «Uma carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de Luís da Fonseca Coutinho». por dizer que Luís da Fonseca oferecera a «agulha fixa» ao monarca havia 5 anos. Quanto à data. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA O seu desconhecimento apenas implicava que fosse feita mais uma obser- vação.

Note-se que Ceballos-Escalera também menciona um prelado. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS AGULHAS 83 Note-se que Ceballos-Escalera data esta carta como sendo. nomeadamente um contendo instruções para um piloto que deveria embarcar num navio holandês. así como en un navío holandés que estaba presto para partir al mismo destino. sera de pouco momento e inutil. existe um desfasamento de cerca de dois anos entre as opiniões de ambos os autores. 19 Ibid. noutras secções deste capítulo. em relação ao qual Lavanha teria bastante respeito. mas não faz qualquer ligação a esta carta de Lavanha20 . Ora. e sabem as verdadeiras derrotas q̃ hão de levar . Como vimos. q̃ todas as observações grosseiras q̃ elles fazẽ das agulhas ordinarias. 16.2.1. com que se entedem algũs muy mal. Mas poderemos especular que esta datação poderá ter a mesma base da que Lei- tão lhe atribuiu: os cinco anos passados sobre a primeira proposta de Luís da Fonseca. p. A primeira característica a destacar do seu conteúdo é que a se volta a mostrar uma animosidade elevada em relação aos pilotos. encabezadas por un prelado por el qual Labaña sentía un reverencial respecto—no he logrado identificarle—. nas suas viajẽs. porq̃ bem sabe V. tal como faz Humberto Leitão e não uma informação. Vários são datados de 1608. O conteúdo do documento é nitidamente de natureza epistolar. milhor q̃ eu. Pde . existindo um destinatário específico para as palavras de Lavanha. [Carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de . assinados por Lavanha. no obedecieron cumplidamente la orden en tiempo hábil19 . como V. conforme é opinião de de Ceballos-Escalera. Segue-se um dos excertos em que ele demonstra essa opinião: Que sendo a agulha fixa. . nada nos diz sobre o documento. Na Biblioteca da Ajuda existem diversos documentos ma- nuscritos. he para conhecerem a linha meridiana mediante a qual conhecẽ os outros rumos. diz. . Como dissemos. de 1610. Desta variedade procedem os abatimtos . nos quais escreve sobre as experiências das agulhas. bẽ parece opinião de pilotos. analisaremos esses manus- critos. Adiante. o próprio Ceballos-Escalera menciona uma viagem com essas características: Ordenó enseguida el Consejo lusitano que se experimentasen estos instrumentos en las naves que aquel año habrian de viajar a la India. Pde .. provavel- mente. 21 João Baptista Lavanha. 20 Vamos considerá-la uma carta. Pensamos que quem está correcto é Humberto Leitão. pero el experimento se frustró porque las autoridades náuti- cas lisboetas. q̃ dão ao navio. o q̃ sey com o que os comunicou dez annos e vio a sua rusticidade e grossaria21 .

A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Esta crítica encontra-se quase no final da carta. Após dizer que experimentou a agulha em Valladolid e que a achou fixa. pois as outras agulhas iam vari- ando segundo os locais. da Real Academia de la Historia. e sẽ preceder com ellas a pratica e exercicio q̃ convinha para saberẽ averiguar a verdade (como té agora se lhes não tẽ praticado) as acharão fixas em todas as parajes em q̃ marcarão as ordinarias. fls. Aparentemente sim. Lavanha afirma o seguinte: E porq̃ me pareceu q̃ poderia esta agulha ser fixa nestes meridianos e não em todos e principal. Lavanha também questiona o argumento segundo o qual não era possível existir uma agulha que fosse fixa.o . e de Constantino de Menelao capitão de uma nao da mesma armada apresentou neste Cons. Colecção Salazar y Castro.84 CAPÍTULO 2. 22 Lavanha. N63. 35 vs. Mag. atestando que as agulhas eram realmente fixas. pedindo a S.de q̃ enviasse Luis da Fonseca algũas destas suas agulhas. Luís da Fonseca Coutinho].o por mandado de S. Humberto Leitão chama a atenção para o facto de Constantino de Menelau e Brás Teles não terem integrado a mesma armada. Para Lavanha isso não é motivo válido. . nas naos da India. Magde . uma vez que tal era contrário à filosofia natural. vindo a Valld . Mss. Começando a sua análise pelo início. que um tal serviço merecia22 . não fica claro se os resultados obtidos teriam sido realmente esclarecedores. com outras de Bras Telles capitão mor da armada da India. e q̃ se experimentasse esta novidade pellos pilotos. Por outro lado. O primeiro integrou a armada de 1602 enquanto que o segundo foi como capitão-mor da de 1604. fl. Nesta carta. lhe fizesse a m. Realce-se que essa história apresenta alguns pontos algo confusos. escreveose ao R. [Carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de Luís da Fonseca Coutinho]. pois eram desconhecidos os motivos que levavam as agulhas a variar. Na transcrição que faz da carta. pois foram passadas diversas certidões. e posto q̃ observadas pellos meios grosseiros e incertos de q̃ usão os mareantes. de q̃ passarão suas certidões. Contudo. ao contrário do que aqui está escrito. 33-33 vs. q̃ Luis de Fonseca. q̃ então estavão para partir. o próprio Lavanha questiona as condições em que as experiências teriam sido levadas a cabo.te nos diversissimos da viagem da India nos quaes a agulha ordinaria faz tão notaveis differenças. forão as agulhas a India e voltarão. podemos afirmar que começa por contar a história do processo. em qualquer lugar.

que fora fixa em Lisboa. diz q̃ a afixou em Lxa . sendo que as tais sete léguas de distância entre estes dois lugares são correspondentes a cerca de meio grau.1. Certamente que sabia que aquilo que o argumento daqueles que defendiam este processo era que existia uma proporcionalidade entre longitude e declinação. nos mostrará esta agulha a differença longitudinal q̃ tivermos do lugar donde partimos.2. Pde . Vamos aqui transcrever as palavras de Lavanha: A regular. considerava que existia uma relação directa entre os graus da agulha e os da longitude. q̃ ainda q̃ pequena. tra- ta-se de uma agulha normal. A ser correcta a dedução anterior. e levando eu este verão passado esta mesma agulha ao Escurial. apresentava uma diferença de sete graus em Madrid. E que dali para o Escorial se notou uma diferença de meio grau. mostra esta agulha. ira delle apartando-se tantos graos quantos delle nos allongarmos. uma observação mais atenta do texto levanta-nos uma questão. Aliás. 34. e de pouca consideração. assinalando meyo grao menos dos sete. temos grande dificuldade em entender a posição de Lavanha em todo este processo. Ou seja. fixa em um meridiano. descrito no Livro de Marinharia de João de Lisboa. me mostrou a mesma differença longitudinal. e Lxa . e declinava aqui pa . significando que no caso de existir uma diferença de noventa graus em longitude. sabe dista 7 leguoas a ponente de Madrid.. essa relação directa era absurda. Porém. Luís da Fonseca também concebeu outras duas agu- lhas. que como V. e não uma relação directa. Das palavras de Lavanha parece que a agulha. com tudo ha de notar.. o consi- derará e entenderá milhor q̃ eu.. aquilo que aqui é sugerido não é mais do que a aplicação do processo clássico da longitude pela agulha. que designou regular e equinocial. a agulha 23 Ibid. A descrição anterior merece alguns comentários. para todos os efeitos. pois della se não pode colligir a verdade. diz Luis da Fonseca q̃. ou para le- vante ou para o ponente. q̃ em qlquer parte q̃ estivermos. em tão breve espaço. Aparentemente. de manra . differença tão pequena23 . q̃ se he cousa grande a maravilhosa V. . e só esta observação fiz. Esta agulha regular q̃ Luis de Fonseca aquy mostrou. o ponente da linha meridiana 7 graus. usava-se essa variação para conhecer a longitude. fl. Pde . q̃ he a differença longitudinal entre os me- ridianos de Madrid. Uma vez que a declinação da agulha varia de lugar para lugar. q̃ aquy mostrava. Na prática. entre dois lugares. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS AGULHAS 85 Além da agulha fixa.

Deste texto percebemos que a agulha poderia ter uma escala de graus ou de léguas. fixando a agulha num dado meridiano e começando a navegar em longitude. Devido à convergência dos meridianos. del instrumto los grados.86 CAPÍTULO 2. Existe um outro texto no qual também podemos colher alguma informa- ção sobre esta agulha. Ou seja. nas chamadas cartas quadradas. E são-lhe atribuídos a ele os troncos particulares de léguas. para indicar a longitude: Su uso es poner la Aguja fixa debaxo de la línea de su vidrio y en derecho de la meridiana del instrumento. outra dúvida surge. A ser assim. para ver o que ele diz sobre a outra agulha: 24 João Baptista Lavanha. mover el mos- trador con esta Aguja regular hasta q̃ quede su rumo de norte a sul debaxo de la caya de su vidrio. N63. ensina como a mesma deve ser usada. Medios con los quales se deven de hazer las observaciones en la mar. passados esses noventa graus. em lugar dos trezentos e sessenta graus do círculo. o para Oeste. Colecção Salazar y Castro. segun q̃ para una de las dichas partes nos fueremos apartando del meridiano donde partimos24 . esta poderia fornecer logo a longitude percorrida em graus ou em léguas. Trata-se de um manscrito que contém instruções sobre o modo de verificar no mar as várias agulhas sugeridas por Luís da Fonseca. na Academia das Ma- temáticas. . Voltemos à carta transcrita por Humberto Leitão. mesmo admitindo que o método de longitude pela declinação se poderia usar. da Real Academia de la Historia. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA variaria noventa graus. Depois de começar por dizer que estas agulhas não se podem verificar no mar. não é indiferente ter uma agulha graduada em graus ou em léguas. y quedo el. ela estaria a apontar para Leste ou Oeste. que entonces la linea de la confiança del mostrador señalará en la circunferencia graduada. Ou seja. que analisaremos em capítulo próprio. Ou seja. Lavanha sabia perfeitamente isso. pois fala no assunto em diversos textos seus. em função da latitude. Mss. o leguas (segun fuere tocada esta Aguja para una cosa ou para otra) q̃ estamos apartados del meridiano donde partimos y ella fue fixa. o tamanho em léguas de um grau de longitude varia. para verificar las Agujas de Luis de Fonseca. fl. empeçados a contar desde la linea meridiana del instrumto para Leste. que não eram mais que um artifício para permitir a medição de distâncias percorridas ao longo de um paralelo. 23 vs. nomeadamente nas lições que deu em Madrid.

mostrou aquy o sitio da equinocial. Como muitas vezes acontece nestas explica- ções. para apontar para o Norte magnético. ela não ficará horiontal. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS AGULHAS 87 Pouco antes da publicação deste despacho. que sendo assim. No entanto. bem sabe V. q̃ fora em toda a parte. uma que diz ser regular e outra a q̃ se pode chamar equinocial pelo effeito. suspen- dido livremte . Ora. as agulhas têm também movimento no plano vertical. fazendo um determinado ângulo com o plano horizontal. porque nos pareceu adequado deixar para final aquela que.1. Tal como a declinação magnética tem uma variação 25 Lavanha. estamos em crer que se trataria de uma agulha que aproveitava o efeito da inclinação magnética. porq̃ metida em um anulo graduado. mostrou Luís de Fon- seca outras duas agulhas. e o mesmo diz Luis da Fon- seca. ficando a agulha queda e immobil no seu plano. não fica completamente claro como seriam os instrumentos propostos. . o instrumto . [Carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de Luís da Fonseca Coutinho].1: Linhas de igual inclinação magnética Invertemos a ordem de apresentação das agulhas. Além de se movimentar no plano horizontal. na carta de Lavanha. que usando desta agulha os mareantes (acomodando o instrumto . e sustentada sobre dous eixes..2. Figura 2. guardada do ar com dous vidros. fl. 34. ao mar) saberão de noute ao lume de uma vela a altura em q̃ estão sẽ contas nẽ descontos25 . se nós suspendermos livremente uma agulha. era realmente uma novidade. Pela descrição parece-nos que estamos em presença de um instrumento com essas características. Pde . em nossa opinião.

temos uma proposta de explicação. Para usar correcta- mente uma agulha como nós a imaginamos. no lugar de partida. conforme se ia navegando em latitude. também a inclinação varia de lugar para lugar. o hazia el sul. El uso della es como el de la pasada ajustando el Rumo de norte a sul de la fixa con la linea meridiana del instrumento. q̃ es señalar las Alturas del Polo. sendo essa variação considerada igual à diferença de latitude. a inclinação ao longo de cada meridiano tem uma variação mais ou menos regular. Parece ser esse o sentido da explicação anterior! Nesse caso. muestra el Paralelo de la altura del lugar donde partimos. los grados o leguas. para fazer as leituras do ângulo de inclinação. de- veria comparar-se os seus resultados com os obtidos pelos processos normais 26 Lavanha.1 podemos observar as linhas de igual inclinação para os oceanos Atlântico e Índico. q̃ estamos apartados de nro viaje26 . y moviendo el mostrador desta Regular hasta que quede su Rumo de Norte a Sul. E do mesmo modo que em extensas regiões da Terra existe uma relação aproximada entre lon- gitude e declinação. onde se ensina a verificar as agulhas no mar. colocando a agulha «fixa a Leste». deveria olhar-se na direcção Leste ou Oeste. Nota-se que em grande parte desta faixa. No outro manuscrito. tomando principio. para verificar las Agujas de Luis de Fonseca. aparece mais uma descrição do uso desta: La Aguja Regular de norte a sul. não é totalmente claro que a agulha fosse exactamente como a imaginamos. Ou seja. Na figura 2. 23 vs-24. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA espacial. Depois. no qual se mediriam as variações do ângulo da agulha relativamente ao plano horizontal. fls. Como dissemos. Para verificar se a agulha estava a funcionar em condições. . em função da latitude. ela deveria ter um mostrador circular colocado na vertical. Para fazer uma leitura correcta. também existe uma relação aproximada entre latitude e inclinação. esse plano vertical deveria ser orientado na direcção Norte–Sul. de la q̃ teniamos en el lugar donde partimos. Pode ser esse o significado da expressão. Medios con los quales se deven de hazer las observaciones en la mar. verificava-se de quanto variava a inclinação. já mencionado.88 CAPÍTULO 2. marcava-se uma linha correspondente à respectiva inclinação. debaxo del hilo de su vidrio q̃ entonces la punta del mostrador señalará en los grados del instrumto . Ficamos sem perceber exactamente o que significa «afixar a agulha a Leste»? Porém. y donde ella se afixó a Leste y señalará quanto del dicho Paralelo nos apartamos hazia el Norte.

153–154. los quales dos grados sacados de los 38 gr 3/4 q̃ teniamos en Lisboa. Now first founde out by Robert Norman Hydrographer. ele refere que essa propriedade varia consoante os locais e sugere inclusivamente um instrumento para medir a mesma. touched therewith under the plaine of the Horizon. 28 Robert Norman. que siempre hande ser la raiz y principio de nra cuenta para anadir o restar) quedan 36 gr. Esta tese tem maior probabilidades de ser válida se tivermos em conta que no final do século anterior surgiram propostas de aproveitar a inclinação magnética como forma de conhecer a latitude dos lugares. ii. em termos de estudo foi a agulha magnética. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS AGULHAS 89 de determinação da latitude. Greenwich: National Maritime Museum. Nesse texto chamou a esse efeito «declination» e actualmente é conhecido em inglês como «dip». por via astronómica.2 mostramos a imagem desse 27 Ibid. Esta nossa hipótese de construção de tal agulha é coerente com o processo indicado para verificação da mesma: Partimos de Lisboa q̃ tiene de Altura 38 gr. concernyng the Declinyng of the Needle. donde partimos. London: Ihon Kingston. fls. 1581. No entanto..1. Mais tarde tornou-se fabricante de instrumentos náu- ticos. O seu texto teve tanto sucesso que mais de um século depois ainda era reeditado (encontrámos uma edição de 1720). of a newe discouered secret and subtill propertie. tendo exercido essa actividade em Sevilha. tomamos al otro dia la altura y hallamos ser de 36 grados y 3/4 y nra Ahuja mostró de Leste para el sul 2 grados no mas o 35 leguas siendo tocada para leguas. pp. Em 1581.2. The art of navigation in England in Elizabethan and early Stuart times. durante algum tempo. Na figura 2. 1978. Vol. containyng a short discourse of the Magnes of the Lodestone. Norman tinha uma larga experiência de navegação. concluindo que o mesmo não tem qualquer fundamentação29 . and amongest other hi vertues. 29 David Waters. . 3/4 y levando la proa al sudueste. 24-24 vs. 3/4 q̃ tantos son los que hallamos con el Astrolabio y asi concuerda una altura con la otra27 . Não encontrámos no texto de Norman referência a algum método de ob- tenção da latitude recorrendo à inclinação magnética. tendo passado cerca de vinte anos no mar. Robert Norman publicou uma obra em que descreveu detalhadamente esse efeito da inclinação da agulha28 . The newe attractiue. Um dos instrumentos que mais o interessou. No seu texto aborda o problema da longitude pela declinação.

levou a que surgissem sugestões de usá-la como forma de conhecer esta coordenada geográfica: He then devised a dip-circle and measured the angle of dip for London. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Figura 2. p. o facto de a declinação apresentar em diversos lugares uma variação mais ou menos proporcional à longitude. ao perceber-se que a inclinação varia- ria mais ou menos proporcionalmente com a latitude. or be useful in thick weather. The art of navigation in England in Elizabethan and early Stuart times.2: Instrumento de Norman para medir a inclinação magnética instrumento. não arrisca propor um método para determinar a latitude a partir da inclinação. and thus avoid celestial observations and the accompanying calculations. 30 Waters.90 CAPÍTULO 2. which he gave accurately as 71o 500 . The discovery of dip excited for many years the hope that it would be able to be used for the determination of latitude. pois tendo criticado o processo que sugeria a obtenção da longitude pela declinação. levou a que este método tivesse defensores durante imensas décadas. Dip-circles or scales became part of the equipment of the most expert navigators from now onwards and until well into the seventeenth century30 . No entanto. just as it was hoped to use variation to determine longitude. 154. . Igualmente. Arriscamos afirmar que assume uma postura cautelosa. Fornece ainda o valor que obtivera em Londres.

Lavanha empenhou-se na defesa de uma causa que. inclinando-se para o do meio. as experiências que ele levou a cabo deram resultados que consi- derou satisfatórios. Em pri- meiro lugar. e portanto a agulha não variou quase nada. Humberto Leitão explica estes casos como resultantes do desinteresse que os pilotos demonstravam por tal instrumento. Afirma que os anos em que tal aconteceu foram 1604. Provavelmente estamos perante uma conjugação de factores. Assume o ano de 1611. até à Índia. 1611 e 161832 . p. Aparentemente. também não foram absolutamente conclusivas. Uma das agulhas fornecia a latitude. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS AGULHAS 91 Em resumo. Infelizmente. essa solução não residia nas agulhas magnéticas. traria a solução definitiva para o problema do conhecimento das coordenadas geográficas. E se em determinadas circunstâncias. Noutros casos. e nalguns locais. Terminamos com uma referência à viagem mencionada no título do artigo de Ceballos-Escalera. ele atribuía esse facto à imperícia de quem fazia as observações. necessária para alinhar as outras duas agulhas. 1611 e 1616. o navegador deixava de estar dependente de informação exterior. trata-se de um assunto extremamente actual na sua época. em 1611. As primeiras experiências no mar. Por outro lado. aquilo que Luís da Fonseca sugeria era uma «solução integrada».2. «Uma carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de Luís da Fonseca Coutinho». alguns navegantes atestavam que a agulha se mantinha fixa ao longo da viagem. Ceballos-Escalera afirma que se trata de um texto de um piloto anónimo e que o documento não está datado. levando-o a supor que era fixa. 191. 24 de Março. respondiam simplesmente que a mesma tinha-se mantido fixa31 . pois é o que mais se 31 Leitão. não conseguimos conceber como seria a agulha fixa que Lavanha tanto defendeu.1. conhecendo sempre a sua posição com base apenas na informação das agulhas. Só ocorreria esta sequência de sete em sete anos que o autor indica caso não ocorresse um ano bissexto a . Para não serem incomodados com perguntas sobre a mesma. 32 Na realidade os anos em que tal sucedeu foram 1605. pois nos casos em que os resultados não eram favoráveis. Trata-se de uma viagem de Acapulco a Manila. Se tal processo fosse fiável. porque a viagem se iniciou numa quinta-feira. para testar no mar as agulhas de Luís da Fonseca. uma vez que as distâncias percorridas eram relativamente curtas. as agulhas de «Norte– Sul» e de «Leste–Oeste» poderiam dar uma noção do caminho percorrido segundo essas direcções. caso fosse viável. a outra a longitude e finalmente a fixa servia para fornecer a referência do Norte verdadeiro.

92 CAPÍTULO 2. Fernando de los Ríos Coronel. A análise do manuscrito revela-nos que na realidade estamos na presença de dois textos. cada quatro anos. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA aproxima de toda a discussão. el qual hizo por mandado de Su Mag. donde afixé tres agujas de marear por el orden y secreto que me dio Luys de Fonseca por mandado de su Magd . el qual hizo por mandado de Su Mag. no mar. que era de marcar el aguja y ver si era fija y compararla de la longitud para por su variacíon conocella34 . 34 Fernando del Ríos Coronel. en este viaje las observaciones de la aguja fixa y regular de Luis de Fonseca. Quanto à autoria do texto. Fernando de los Ríos Coronel. mas que contêm praticamente a mesma informação. No manuscrito 3176 existe um conjunto de páginas capeadas com a seguinte informação: Derrotero del viaje quel año de 1611 hizieron las naos de Filipinas desde el puerto de Acapulco a Manila en las quales iba el Lcdo. 2006. Mariano Esteban Piñeiro dá-nos conta da existência de diversos textos relativos a Portugal na Biblioteca Nacional de Madrid33 . nomeadamente ao nível da grafia de algumas palavras. según en él van puestas y declaradas. não fosse a existência de pequenas diferenças entre um texto e o outro.]. Y toque otra para que mostrasse la longitud de Leste a Oeste por sus reglas y nos hisimos a la vela Jueves a 24 de Março. pois seria ele o responsável pela condução das experiências e muito prova- velmente um dos textos será de sua mão. llevando dos instrumentos para el effecto dicho. O texto começa por esclarecer as condições em que iriam ser feitas as experiências: JHS MARIA JOSEPH Començamos nro viaje desde el puerto de Acapulco. atribuímos a autoria a Ríos Coronel. Estas experiências têm particular interesse para nós. según en él van puestas y declaradas.n. uma vez que são o único registo conhecido de experiências da agulha fixa de Luís da Fonseca. Dir-se-ia que se trata de duas cópias do mesmo texto. en este viaje las observaciones de la aguja fixa y regular de Luis de Fonseca. existe mais um ele- mento que ele não considerou. Em: XII Reunion Internacional de Historia de la Nautica y de la Hidrografia—La ciencia y el mar. «La náutica y la hidrografia portuguesa en los manus- critos de la Biblioteca Nacional de Madrid». Valladolid: [s. Derrotero del viaje quel año de 1611 hizieron las naos de Filipinas desde el puerto de Acapulco a Manila en las quales iba el Lcdo. e confirmação da data. 33 Mariano Esteban Piñeiro. Mss. escritos por duas mãos. . Resta dizer que um dos textos é completamente igual ao que Ceballos-Escalera transcreveu. Apesar da existência de dois textos.

No entanto. sendo este o mais elevado que registou.. da Biblioteca Nacional de Madrid.1. antes da largada foram preparadas três agulhas fixas. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS AGULHAS 93 Ou seja. Ao longo da viagem vai verificando. vol- tando a agulha a fixar quando estavam quase a chegar ao destino. tendo obtido um valor superior a nove graus. o que se percebe uma vez que era curta a distância ao lugar onde fixara as agulhas. fl. sendo também «fixa». mas quando o faz é para dar conta que não nota nada. e que entretanto já começara a diminuir. salio por el instrumento por un grado de Leste al Norte. Os valores foram diminuindo. pois o navio balançava bastante. obtém pequenos valores para a declinação. O restante texto é composto essencialmente da indicação dos rumos e distâncias percorridas. fls. posseia el sol 23 go s y 21 de Aries Comparada la regular con ella no tenia diffa35 . fl. vol- tando a aumentar. a agulha fixa. comparando a fixa com a regular não encontra qualquer diferença entre elas. tenia el sol 9 go s 23 mi de grandeza ortiva. de acordo com as instruções de Luís da Fonseca. Comenta ainda que acredita que nos dias em que não conseguiu observar. até que a agulha passou a nordestear. Afirma que não tem muita confiança na mesma. en 11 go s y 12 de altura. no dia 13 de Abril registou o seguinte: Este dia demarqué la aguja. pelo método também por ele proposto. uma agulha de Leste–Oeste. para o meridiano de Acapulco. Nos primeiros dias. Passados vários dias em que não conseguiu verificar a agulha fez uma observação. la diffa son 8 go s y 23 mi que noruesteava. Manila. 35 Ibid. assim como os valores obtidos na verificação das agulhas fixa. Note-se que para as verificar foi sempre usado o processo de amplitudes ortivas sugerido por Lavanha. No dia 17 de Maio obteve um valor de quase doze graus. 3176. para comparando esta com a fixa se ir conhecendo a longitude. sempre que possível.2. Neste caso. Entretanto voltou a diminuir. 215. 214 a 225. a agulha já apresenta um valor significativo de declinação e continua a não fazer diferença nenhuma para a agulha regular. 216. Alguns dias depois obtém um valor ainda superior a oito graus e continua a não notar diferença para a agulha regular. . A partir daqui só esporadicamente refere a diferença entre as agulhas. Entretanto. a declinação deveria ter chegado a uma quarta.

Apesar da união das coroas. não é mencionada a agulha de Norte–Sul. Seria porque se tratava de uma viagem em que a longitude variava muito mais que a latitude? Ou seria porque uma tal agulha. «Um parecer inédito do cosmógrafo João Baptista Lavanha sobre as Molucas e o Tratado de Tordesilhas». o seu esclarecimento implicava a resolução de um problema ligado à náutica. Centraremos esta análise nesse texto de Mendes da Luz. Embora se trate de uma questão essencialmente diplo- mática. O objectivo da viagem de Fernão de Magalhães era demonstrar que as ilhas Molucas ficavam dentro do espaço de influência espanhola. colocou-se a questão de saber se aquele espaço era por direito pertença de Espanha ou de Portugal? Lavanha foi chamado a pronunciar-se sobre o assunto. pois o objectivo daquela era medir desvios em relação a um plano de referência horizontal? 2.94 CAPÍTULO 2. Mendes da Luz publicou esse parecer de Lavanha acompanhando o mesmo de um estudo36 . definidos pelo Tratado de Tordesilhas. Em: Garcia de Orta iii. no Atlântico. comentando ainda algumas opiniões que Mendes da Luz expõe no artigo. cedo se colocou a questão de definir até onde ia cada um dos espaços de influência. O conhecimento exacto dessa coordenada permitiria esclarecer se essas ilhas se encontravam no lado português. ou no espanhol. . O nosso objectivo será apenas realçar os aspectos relacionados com a náutica que Lavanha expressa no seu parecer. uma esquadra luso-espanhola expulsou os holandeses da ilha de Ternate.2 Parecer de Lavanha sobre as Molucas Outro parecer que Lavanha emitiu estava relacionado com a localização das ilhas Molucas. Em 1606. No entanto. era muito mais sensível ao balanço do que as agulhas normais. A viagem não permitiu chegar a uma conclusão definitiva. Estamos a referir-nos à determinação da longitude das ilhas. E esta dúvida manteve-se durante alguns séculos. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Esta viagem permitiu comprovar a inutilidade das sugestões de Luís da Fonseca. Nos primeiros anos do século xvii o problema voltou a adquirir algum relevo. o tratado apenas delimitava os domínios a que teria direito cada uma das coroas ibéricas. caso fosse como nós sugerimos. Curiosamente.1 (1955). que Lavanha tanto defendeu. 36 Francisco Paulo Mendes da Luz. uma vez que não era possível determinar a longitude das ilhas. Em rigor.

Ou seja. a propósito. referindo ainda as dificuldades que na época existiam para encontrar uma so- lução para o problema da longitude. Depois das páginas que dedicámos a explicar o papel de Lavanha na defesa de Luís da Fonseca. ao assumir uma postura a favor dos direitos de Portugal. que não nos parece que Lavanha tenha sido partidário da «fantástica determinação da longitude»—como lhe cha- mou Fontoura da Costa—pela variação da agulha. como o método mais correcto de conhecer a longitude. 37 Ibid. sempre tão interessado na resolução deste problema. no regimento dado em 1608 ao piloto Gaspar Jorge do Couto. . os manuscritos que Leitão usou não eram conhecidos. defendendo sempre os eclipses como a única forma de realmente determinar a coordenada. a leitura deste parecer de Lavanha mostra-nos que ele não fala nunca naquele processo «fantástico».. embora tenha man- dado. 67. em que por várias vezes insiste. sentimos a obrigação de apresentar alguns argumentos a favor da postura de Mendes da Luz. Vale a pena trancrever um comentário que Mendes da Luz escreveu. Muito provavelmente quando ele elaborou este estudo. a propósito do ponto de vista de Lavanha: Digamos. preferida por Andrés Garcia de Céspedes. obviamente. Por outro lado. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS MOLUCAS 95 Mendes da Luz começa por explicar qual o problema que está em causa. No entanto. por oposição à navegação estimada. que fizesse observações servindo-se da agulha fixa de Luís da Fonseca Coutinho.2. que também se pronun- ciou sobre esta questão. o único processo que para ele oferecia garantias no cálculo das longitudes seria o da observação dos eclipses. temos que discordar da afirmação de que Lavanha não teria sido partidário do método da agulha fixa. chegando mesmo a propor a Filipe iii. com os dados de que dispunha. Realça a atitude patriótica de Lavanha. Refere ainda que ele centra a sua argumentação na defesa do uso dos eclipses lunares. que fosse enviada às Ín- dias Orientais e Ocidentais uma comissão de astrónomos espanhóis e portugueses para que observassem simultaneamente em vários pontos daqueles continentes e também em Madrid. Mendes da Luz tirou a única conclusão correcta: que Lavanha não seria defensor do método da agulha fixa. Em primeiro lugar.2. o seu texto é bastante anterior ao de Humberto Leitão. Lisboa e Sevilha alguns eclipses lunares37 . outra conclusão se não pode tirar: à data. p. Não podemos. concordar com a opinião de Mendes da Luz. Lendo este seu parecer de 1611.

Referindo-se ao texto de Lavanha que analisou. que esta parte do tratado é cópia quase integral de textos de Pedro Nunes. contudo. discordando Lavanha destes e propondo o valor de 262 léguas. Mendes da Luz afirma o seguinte: . E este defendera. Refere alguns nomes que se opuseram tanto ao uso da estima. nesse mesmo texto. como do método da agulha fixa. noutra secção deste capítulo. que conduzia a valores pouco fiáveis. Um outro texto de Lavanha que mais adiante analisaremos. Poderiam existir. Não diz. Lavanha deixa bem claro que a agulha fixa não tem qualquer utilidade — porque na realidade não é fixa. quarto Duque de Bragança. nomeadamente Pedro Nunes. por exemplo. Jaime. E por esse motivo. e por outro. permite-nos clarificar completamente esta questão. con- trapondo este processo à estima das distâncias. João de Castro e D. continua a falar no método da agulha fixa. quando iniciou a sua carreira em Madrid. D. ao serviço de Filipe ii. Como veremos adiante. que conhecemos através dos apontamentos de um aluno seu. outros factores que o levassem a descon- fiar já da validade do processo. Explica. Mendes da Luz continua o seu texto com base essencialmente em dois argumentos: por um lado a defesa dos eclipses. sendo ele o principal visado neste parecer de Lavanha. A favor do primeiro ar- gumento refere. porém. negando que Lavanha possa ter sido defensor deste processo. uma vez que a declinação magnética não varia de modo regular no espaço. que Lavanha fala na distância de Lisboa à Ilha Terceira. num texto que redigiu em 1612. que o único processo de determinar com rigor a longitude dos locais era através da observação dos eclipses. por diversas vezes.96 CAPÍTULO 2. É praticamente impossível que ele ti- vesse conhecimento dos resultados da experiência da viagem de Acapulco a Manila. por parte de Lavanha. Menciona inclusivamente o facto de Lavanha já ter defendido este valor no Tratado del Arte de Navegar. Refere ainda que Céspedes defende a estima. Lavanha já começava a ficar descrente em relação ao método da agulha fixa? É uma possibilidade a considerar. como um caso em que o pilotos consideravam diversos valores. que o próprio processo de obtenção da longitude pela declinação também não é válido. nessas aulas. Como veremos. teria preferido defender aquilo que tinha ensinado nas suas aulas. num manuscrito in- titulado: Tratado del Arte de Navegar ele segue de muito perto as opiniões de Pedro Nunes. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Será que nesta altura. O parecer é datado de 8 de Novembro de 1611.

«Um parecer inédito do cosmógrafo João Baptista Lavanha sobre as Molucas e o Tratado de Tordesilhas». «Um parecer inédito do cosmógrafo João Baptista Lavanha sobre as Molucas e o Tratado de Tordesilhas». em ter posto de parte todos os restantes processos para a avaliação da longitude. 68. que defendera esse processo na Junta de Badajoz. apresenta a seguinte conclusão: Da leitura deste trecho da obra de Lavanha39 concluímos duas coi- sas: primeiro. pp. . Nessa obra. assim considerado por João Baptista Lavanha. eram apresentadas as suas diferentes pro- postas para resolver a questão. no Tratado del Arte de Navegar. então. haver outros meios para o cálculo daquela coordenada e que de todos tratava na sua Cosmografia 40 . pois. que o mé- todo da observação dos eclipses lunares. Jaime. Apresenta vários exemplos do Tratado del Arte de Navegar onde Lavanha fala neste processo. o meridiano resultante do Tratado de Tordesilhas. João de Castro. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS MOLUCAS 97 O merecimento de Lavanha está. diz. no entanto. p. Mendes da Luz faz remontar a sugestão de usar eclipses lunares para determinar a longitude a D. razões que o levaram a optar por este processo. assim como o que sobre este método escreveram Rui Faleiro. que. fixando-se no único método de observação que poderia levar a um resultado seguro no cálculo daquela coordenada: o do estudo dos eclipses lunares38 . a experiência de Lavanha como astrónomo. que Lavanha intitula Cosmografia. 38 Luz. acrescentar-se-ia. com a informação que eventualmente constaria da Cosmografia. que ele tratara especialmente o problema da distância de leste-oeste numa obra que designa Cosmografia. em que se discutira a forma de definir com rigor onde passaria. A este conhecimento. Diz ainda que Lavanha deveria conhecer certamente o texto de D.2. em que alguns in- sistiam e seguirão insistindo. 39 Está a referir-se a um passo do Tratado del Arte de Navegar no qual Lavanha diz que na Cosmografia fala das várias soluções que defende para o problema da longitude. 67–68. Conjugando aquilo que Lavanha apresenta no parecer. não era. e depois. Mendes da Luz. e onde diz que numa outra obra de sua autoria analisava mais profundamente o problema da longitude. segundo Mendes da Luz. 40 Luz. Pedro Nunes e D.2. em 1611 se apresenta ao nosso autor como o único capaz de levar a resultados se- guros no cálculo das longitudes. como vimos. Citando-o em primeiro lugar. Não se conhece o paradeiro desse texto que Lavanha menciona por diversas vezes. no Atlântico. Jaime.

lo que en ello conjecturo. João escrevera. Esse valor é aquele que geralmente surge nas cartas náuticas. en las quales se descrive 31 grados i medio distante del meridiano de Lisboa. num roteiro de D. Depois de analisar em detalhe aquilo que D. que por sua vez se baseara. Segue-se uma longa análise das distâncias pro- postas por Céspedes. vai socorrer-se da observação de alguns eclipses. apun- tando lo probable. chega a um valor para a distância longitudinal Lisboa—Cabo da Boa Esperança. . Magd me ha mandado. luego la differẽcia longitudinal entre Lisboa e el Cabo de Buena Esperança es de 30 grados que casi concuerda com la situaciõ del di- cho Cabo en las cartas ordinarias. aprovechandosse de relaciones i de derroteros donde le faltan observaciones de eclipses de la Luna. pp. i Mercator (pues que no hai otra probabilidad). i lo que me haze dudoso. diré en este discurso.98 CAPÍTULO 2. i el que mas ha trabajado por averi- guar esta verdad. daí que tenha decidido demonstrar que os mesmos não estão totalmente correctos. sucintamente. de alguns valores apre- sentados por aquele cosmógrafo espanhol. João de Castro. E emperó quando no se quisiere dar credito à las cartas portuguesas puedesse dar a las tablas geographicas de los maiores geographos de nuestres tiempos. 69–70. em que realça a dificuldade em determinar a longitude dos lugares. que en ellas ponen 34 41 Luz. en que las coronas de Castilla i Portugal tienen dividido el Orbe terrestre. passa a definir o seu objectivo: Emperó porque V. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Passamos de seguida a descrever. Depois de uma breve introdução. Para tal. que diga lo que me pa- rece acerca da situação de las islas de Maluco i en que hemisferio caen de los dos. «Um parecer inédito do cosmógrafo João Baptista Lavanha sobre as Molucas e o Tratado de Tordesilhas». Ortelio. referindo ainda que o mesmo não diverge muito do que usam os mais modernos cartógrafos. en la Hydrografia del Licenciado Andres de Cespedes cosmographo mayor de Indias que es el que en esto mejor ha escrito. Note-se que Lavanha reconhece que o trabalho de Céspedes é o melhor que conhece sobre esta questão. de renome internacional: De las islas del Cabo Verde esta apartado à Leste el meridiano de Lisboa como prueva el Licenciado Cespedes 14 grados. 15 minu- tos. contudo. i de tres dellas hechas en differentes lugares porque no tengo otros medios con que lo pueda mejor determinar41 . Discorda. o parecer de Lavanha. e que considera que Céspedes teria interpretado mal. largamente.

avrá del dicho meridiano al del Cabo de Buena Esperança 70 grados. 30 minutos42 . La segunda que fue hecha la dicha observacion mas de 200 leguas a leste del Cabo de las Corrientes. ni navegando de Portugal a la India ni della a Portugal naves merchantes sino solo las naves que van i vienen por cuenta de la Real Hazienda de V. i no haviendo ni usandosse de otras jamas como es notorio i consta per todos los derroteros.. o que implica um elevado erro na longitude avaliada por Céspedes: Siendo pues estas las carreras por las quales se navega de la India a Portugal. las quales reduzidas a grados por el paralelo de 24 grados donde se observó el eclipse son mas de 12 grados43 . i por qualquiera de ellas forçoso que viniesse à leste del Cabo de las Corrientes mas de las dichas 200 leguas. 43 Ibid. porque o cosmógrafo espanhol usou os valores de Cabot ou de Se- bastián del Cano. para as viagens de ida e volta à Índia. Neste caso. i no junto a el. por el paraje del cabo de las Corrientes.. mas muito longe dele. Do conhecimento destes percursos. I haziendo el Vecheti la observacion del eclipse en Março de 88. . chega a uma conclusão interessante: a observação do eclipse no mar não se fez junto ao Cabo das Correntes. siguense dos conclusiones. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS MOLUCAS 99 grados de distancia entre los meridianos de Lisboa i del cabo de Bu- ena Esperança. Nuns casos. Céspedes deduzira um valor para a diferença de longitude entre aqueles dois promontórios do hemisfério sul. porque mucho antes del año de 88 hasta el de 97 no se navegó por la primera carrera como está provado i portanto hizo su viaje por una de las carreras vieja o nueva. que la hizo la dicha observacion viniendo de la India porque en el mes de Março parten las naves de Lisboa para a India i las que de alla vienen passan en el dicho mes.2. a argumentação de Lavanha baseia-se na análise dos percursos usados no Índico. Este eclipse teria sido observado em Lisboa e junto ao Cabo das Correntes e a partir dele. p. Juntos estos con los 36 grados 30 minutos que hai del meridiano de la repartición à Lisboa. La primera. ao longo dos anos.2. 71. pp. E estes não tinham experiência de navegar no Índico e 42 Ibid. 71–72. Também Céspedes usara um eclipse lunar como prova da diferença de longitude entre o Cabo da Boa Esperança e o Cabo das Correntes. Mag. Lavanha continua a rebater os valores apresentados por Céspedes.de .

caerá en los mismos descuydos i hara iguales descripciones aunque sea mayor geographo que Ptolo- meo44 . Termina desculpabilizando Ptolomeu. além de errar as longitudes dos locais também errou as latitudes de muitos deles.100 CAPÍTULO 2. Del meridiano de la demarcación a la isla de S. referência para as suas longitudes. . a favor de Castela. Lavanha afirma que os valores deste sábio da Antiguidade não estavam muito correctos. Aproveita para afirmar que quem usar fontes erradas. Anton a Lisboa 14 — 15 De Lisboa al Cabo de Buena Esperança 34 — 0 Del Cabo de Buena Esperança al de las Corrientes 18 — 0 Del Cabo de las Corrientes a Moçambique 5 — 0 De Moçambique à Goa 40 — 0 De Goa al Cabo de Comori 1 — 40 Del Cabo de Comori à Malaca 24 — 40 De Malaca a la Isla de Zebu 18 — 30 =178 — 20 44 Luz. Daí que os valo- res que fornecem estejam errados. corre os mesmos riscos: Devesse con todo mucho a Ptolomeo por lo que trabajó en su ge- ographia. E justifica o seu ponto de vista afirmando que Ptolomeu começou por errar a localiza- ção das próprias Ilhas Afortunadas. «Um parecer inédito do cosmógrafo João Baptista Lavanha sobre as Molucas e o Tratado de Tordesilhas». Outra autoridade que Céspedes citou foi Ptolomeu. afir- mando que os seus erros foram essencialmente devidos às fontes erradas que usou. Por outro lado. Afirma inclusivamente que Ptolomeu. não tendo observado as longitudes dos locais que representou geograficamente os valores que apresentou foram bastante errados. Tabela 2. Min. p. 74.1: Somatório das longitudes Gr. I assi quien en esta scienciase guiare por otras semejantes i po- rinformaciones de hombres imperitos. cuyas faltas son causadas de las malas relaciones que se le dieron. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA estavam interessados em colocar as ilhas no lado espanhol. Também neste caso. Anton 22 — 15 De la isla de S.

em Ortelius. 75–76. Mas las islas de Maluco estan al Poniente de la costa occidental de Gilolo casi dos grados. Apresenta uma tabela. Depois de fazer mais alguns comentários às distâncias que usou e àquelas que eram propostas por outros. p. PARECER DE LAVANHA SOBRE AS MOLUCAS 101 Continua a descrever as distâncias longitudinais para Oriente. Conseguia-se deste modo melhorar significativamente a cartografia dos diversos locais da Terra.1. desde a linha de demarcação até à Ilha de Zebu. Antonio de Mendonça Virrei de Mexico. Também neste caso. I quando se quisiesse computar esta distancia occi- dental por el eclipse que hizo observar D. es que vengan todas a ajustar-se en un mismo numero. termina com uma sugestão ao monarca. em que soma as diferentes diferenças de longitude. Refere que se deveria enviar uma missão por Ocidente e outra por Oriente. 75. assim como trazer contributos novos para a Arte de Navegar: 45 Ibid. luego las islas de Maluco quedan mas de 3 grados dentro de la demarcación de Portugal 45 . Como forma de confirmação dos valores apresentados. por el qual cosntó que Mexico distava de Toledo 103 gra- dos aun quedará 3 grados mas favorable el Hemisferio Oriental de la corona de Portugal46 . em Mercator. que para los 180 grados comprehendidos en el Hemispherio Oriental de la Corona de Portugal. faltan 1 grado 40 minutos i portanto otros tantos queda dentro del dicho Hemisferio la isla de Gilolo. Baseia-se no próprio Céspedes.2. 46 Ibid. baseia os seus cálculos em roteiros assim como na observação de alguns eclipses: La mayor prueva de que las distancias particulares referidas sean las verdaderas. Lavanha apresenta também o somatório dos percursos por Ocidente... luego de Malaca a Gilolo hai los dichos 18 grados i medio i portanto del meridiano de la demarcación a la dicha isla de Gilolo los 178 grados 20 minutos que hai del mismo meridiano à Zebu. Completa o seu raciocínio com o seguinte texto: La isla de Zebu queda en el meridiano de la costa occidental de la isla de Gilolo i de Maluco à Zebu hai 18 grados i medio.2. que apresentamos na tabela 2. i como estas lo hagan contadas por Levante i por Poniente puedense tener por ciertas. Usa também as informações contidas nos roteiros dos pilotos que para lá navegam. pp. . com peritos na observação de eclipses.

102 CAPÍTULO 2. 47 Luz.de embiar a la India Oriental un castellano i un Portugues diestros en la arte de navegar i en observar eclipses. Dios guarde la Catholica i Real persona de V. pp. Acapulco. Mariano Esteban Piñeiro dá-nos conta de diversos textos «portugueses» existentes na Biblio- teca Nacional de Madrid.de en ella mejor servido.de En Madrid 8 de Noviembre de 161147 . . me parece que para averiguar esta tan antigua pendencia entre las dos coronas i hazer V.3 Roteiros Num texto já anteriormente citado neste capítulo48 . com a seguinte descrição: Ambas referencias tienen en común el que no sea fácil encontrar su cita en ninguna obra de relevancia de historia de la nautica. i exactamente se averiguaria el sitio de las islas de Maluco i de las otras Provincias de la Monarchia de España. Maluco i Japon. Co- meça a secção que dedica a estes dois textos. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Por lo qual considerando todas estas dificultades i diversidad de opiniones que hai en este caso.de una obra digna de su Real grandeza. en Lisboa i en Sevilla. 48 Esteban Piñeiro. 2. tanto i mas señalada de la que hizo con sus Tablas Astronomicas que seria mui conveniente al Real servicio de V. 76–77. tras la segunda únicamente hay un cartón plegado. i Philippinas observassen los mismos o otros eclipses. Dentre os inúmeros textos que identifica. El códice Ms-3176 tiene. unos escritos en castellano y otros en portugués. «La náutica y la hidrografia portuguesa en los manuscritos de la Biblioteca Nacional de Madrid». Mag. i en Carthagena. Castellano i Portugues que fuessen a las Indias occidentales. «Um parecer inédito do cosmógrafo João Baptista Lavanha sobre as Molucas e o Tratado de Tordesilhas». pero en cambio poseen características muy diferentes: la primera corresponde a un extenso códice de más de 400 páginas que contiene diecisiete derroteros. Mexico. Goa. I otros dos. i los unos i los otros fuessen observados aqui en Madrid. redactados de un modo muy técnico en el primer cuarto del siglo xvii. Avana. cuidadosa y bellamente orlado. I à bueltas destas observaciones podran las mismas personas hazer otras mui importantes al Arte de Navegar. existem dois aos quais dedica uma atenção especial: os mss–3176 e mss–6964. Mag. Mag. Malaca. con que ella quedasse ilustrada i V. Mag. Con las quales observaciones se harian con precisión las descripciones de toda la tierra. para que los observassen en Moçambique. que recoge en castellano la armada del rey de Portugal y que fue elaborado en la sigunda mitad del siglo xviii.

assim como mais algumas características. en este viaje las observaciones de la aguja fixa y regular de Luis de Fonseca. e que a iniciativa dessa recolha poderia partir do próprio Lavanha. na sua qualidade de cosmógrafo-mor. indicamos o texto intitulado: Los tiempos para yr al Estrecho de Magallanes. contendo essencialmente as observações destinadas a verificar um determinado processo.3. assinado por António Moreno e datado de 30 de Julho de 1629. Fernando de los Ríos Coronel. Não se trata propriamente de um roteiro mas mais de um diário de viagem. 49 Ibid. A obra de Esteban Piñeiro que temos vindo a seguir indica detalhadamente o título. Nota-se a falta de alguns rotei- ros dedicados à navegação atlântica para as Américas. una finalidad estrictamente profesional. 299. . Porém. dos vários roteiros. Conforme afirmámos acima. Os textos apresentam diferentes letras. según en él van puestas y declaradas. el Ms-6964 perece tener únicamente un objectivo ornamental49 . Esta hipótese foi posta de lado pois existem alguns textos cuja data é posterior à morte de Lavanha. em Sevilha. complementa- dos por diversos roteiros dedicados a percursos para o Extremo Oriente e no Pacífico. daí o nosso especial interesse pelos mesmos. temos os roteiros clássicos dos Portugueses para o Oriente. em direcção à costa americana. No capítulo que neste estudo dedicamos às tabelas de amplitudes de Lavanha analisamos de- talhadamente este texto.. O primeiro aspecto que nos chamou a atenção quando tivemos acesso a esta colecção de textos foi o facto de se tratar de um conjunto de roteiros que abrangiam praticamente todas as derrotas geralmente praticadas pelos pilo- tos ibéricos de então.2. Note-se que é também neste códice que se encontra o texto intitulado: Derrotero del viaje quel año de 1611 hizieron las naos de Filipinas desde el puerto de Acapulco a Manila en las quales iba el Lcdo. e não é o único. Uma colecção assim organizada levou-nos a suspeitar que poderíamos estar perante um plano de recolha de textos de carácter ro- teirístico. A título de exemplo. p. entre aqueles dezassete roteiros que são mencionados. el qual hizo por man- dado de Su Mag. este conjunto de roteiros pretende abranger os diferentes espaços onde os navegadores ibéricos mais navegavam. como se nota pelo próprio título. ROTEIROS 103 a nuestro juicio. existem alguns que têm a assinatura de Lavanha. sinal de que foram redigidos por vários autores. Assim. Para este estudo estamos particularmente interessados no primeiro da- queles manuscritos.

os dois roteiros que contêm a assintaura de Lavanha eram já conhecidos e foram objecto de pelo menos dois estudos. Con la aguja que tenga los hierros debaxo de la flor de lis. aunque es muy probable que si lo redac- tara. Este estudo tem a grande virtude de apresentar. p.104 CAPÍTULO 2. Hecho en Lisboa por Manuel Montero y Gaspar Herrera. grande parte dos manuscritos identificados serão pouco co- nhecidos em Espanha. Na figura 2. no seu artigo. 51 Esteban Piñeiro. quien muy posiblemente tampoco realizó el viaje que se describe. . 303. no podemos afirmar tajantemente que este derrotero50 fuera escrito por el proprio Labaña. na Biblioteca Nacional de Madrid. por la existencia de bajíos y de barreras. O autor chama a atenção para o facto de ambos os textos terem a assinatura de Lavanha. lo que propició que durante el siglo xvi y xvii se produjeran frecuentes naufragios en esa costa del litoral africano51 . os dois roteiros onde aparece explicitamente o nome de Lavanha: De Rotas de la navegación de la India. a pesar de su escassa longitud. Por outro lado. de um roteiro assinado por Lavanha. Esteban Piñeiro realça o facto de serem todas bastante semelhantes. embora apenas no segundo deles o nome do cosmógrafo-mor apareça isolado. e da sua comparação com outros que também são atribuídos a Lavanha. Em Portugal. 50 O autor está a referir-se apenas ao roteiro relativo às Ilhas Primeiras. «La náutica y la hidrografia portuguesa en los manuscritos de la Biblioteca Nacional de Madrid». no final. Pelo facto de considerar uma novidade o aparecimento. Porém. concluiu esta análise da autoria dos textos do seguinte modo: Con todo. todos os textos dedicados à náutica e à hidrografia identificados naquela biblioteca. que é o único que apenas está assinado por Lavanha. Estando presente Juan Bautista de Labaña. a referida assinatura. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Mariano Esteban Piñeiro destaca. de uma forma sistemática.3 mostramos a última página desse roteiro. Da análise das assinaturas e da letra destes manuscritos. utilizando los datos que los pilotos proporcionaban en su calidad de Cosmógrafo Mayor. . Y la nevegación que aqui se analiza era enormemente peligrosa. Mariano Esteban Piñeiro optou por transcrever integralmente o mesmo no seu artigo. Cosmógrafo mayor del Rey nuestro Señor en los Reynos de Portugal a 25 de Março de 1600 e De Rotero de las islas Primeras. . onde se nota. para cumplir con sus obligaciones entre las qua- les estaba «asegurar las navegaciones». Pilotos de la carrera de la India.

Assim. ROTEIROS 105 Figura 2. Na publicação dos manuscritos. Num livro onde incluiu vários roteiros inéditos da Carreira da Índia52 . em diferentes partes do livro. seguido do roteiro dedicado às Ilhas Primeiras. no exemplar da Biblioteca Nacional de Madrid. 53 A dúvida quanto ao ano surge-nos pelo facto de Fontoura referir ambos os anos. o roteiro de Manuel Monteiro e de Gaspar Ferreira aparece em primeiro lugar. Fontoura publica este último em primeiro lugar. A transcrição foi feita a partir dos originais da Biblioteca Nacional de Madrid.2. transcreveu os dois roteiros que temos vindo a mencionar.3. Acompanha os vários roteiros de descrições dos respectivos manuscritos e de breves biografias dos seus autores. que Fontoura teria consultado em 1934 ou 193553 . [Lisboa]: Agência Geral das Colónias. acom- 52 A. Fontoura inverte a sua ordem. Vale a pena destacar algumas informações que ele nos dá sobre os textos assinados por Lavanha. Fontoura da Costa. . Roteiros portugueses inéditos da carreira da Índia do século xvi. 1940.3: Última página do Roteiro das Ilhas Primeiras O autor que primeiro estudou estes roteiros foi Fontoura da Costa.

enquanto que o segundo contém mais assinaturas. de autoria de Lavanha. o título do segundo indica a identidade dos respectivos autores. Lavanha soube dar assim a forma escrita. foram por ele extraídos de apontamentos e informações de pilotos. com conteúdo muito semelhante ao que ele descobrira: A indicação. obviamente. hoje. Roteiros portugueses inéditos da carreira da Índia do século xvi. pp. 55 Está a falar no roteiro que se supunha perdido. muito menos. Como só os pilotos são idóneos para fazerem um Roteiro. também. de uma breve introdução. e outros apenas retido visualmente. que levam o seu nome. de acompanhar cada roteiro. Segue-se o outro roteiro. Seguindo a lógica que atrás apontámos. de título muito semelhante ao de Monteiro e Gaspar Ferreira54 . . 135–136. onde. apresenta pequenas biografias de Manuel Monteiro e de Gaspar Ferreira Rei- mão. que supostamente será da pena do próprio cosmógrafo-mor: Lavanha nunca foi um mareante e. Ainda no que diz respeito à autoria dos textos. senão emendar. que transcreveu. que viram as regiões descritas e navegaram nas suas paragens. Baseia-se para tal no facto de o primeiro estar assinado apenas por ele. Fontoura apresenta um comentário interessante quando introduz o roteiro relativo às Ilhas Primeiras. já não repete os referidos dados biográficos. admiramo-nos de o ilustre cosmógrafo-mor se arrojar a escrever não só este pequeno Ro- teiro. No entanto. superiormente culto e além disso cosmógrafo-mor. o de Manuel Monteiro e de Gaspar Ferreira (Reimão). A sua revisão do Roteiro de Monteiro e Gaspar Ferreira deve entender-se como a de um homem. ao que os homens do mar. uns. perdido. senão o emen- dou. Estas considerações forçam-nos a admitir que os dois. um piloto.106 CAPÍTULO 2. geralmente de poucas letras. compreensível. com dados biográficos dos autores. haviam mal alinhavado. Fontoura considera que o primeiro dos roteiros que editou é da autoria de Lavanha. logo a seguir: «estando presente João Baptista Lava- nha. intervindo especial- 54 Costa. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA panhando o mesmo dos dados biográficos sobre Lavanha. a rever. considera que teria existido um roteiro do próprio punho de Lavanha. enquanto que o outro não o é. Em todo o caso é muito para admirar que o cosmógrafo-mor escrevesse depois um Roteiro. Além disso. mas ainda o citado em 6)55 e. pois não é de aceitar que o Roteiro fosse escrito por aqueles dois pilotos na presença de Lavanha. cosmógrafo-mor» deve significar que este o reviu.

de Manuel Monteiro e Gaspar Fer- reira Reimão atribuídos a João Baptista Lavanha. e he muito certo. Lisboa? — Ms. Este derroteiro foi ho que emmendou João baptista lavanha pollo de Vicente Roiz. 124. delicada e veladamente. andasse por onde andasse o códice adquirido por José Ferreira das Neves no leilão da Livraria de Nepomuceno. 1963. 123. p. Mais tarde foi vendido em Paris.2. . que então se considerava perdido: 1600? — Roteiro da navegação da India e derrotas com ha agulha debaixo da flor de lis e differensas della. uma em português outra em caste- lhano. em cujo catálogo tinha o n. Para terminar a análise daquilo que Fontoura escreve sobre Lavanha. e sinaes correntes de agoa. que. Roteiros portugueses inéditos da carreira da Índia do século xvi. entendeu oferecê-lo a quem escreve estas linhas. A este Roteiro se refere o rei no Regimento que deu em 1608 ao licenciado Gaspar José do Couto 57 . observemos o que ele nos diz sobre o tal roteiro da autoria do cosmógra- fo-mor.o 2060. Dois roteiros do século xvi. Lisboa: Centro de Estudos Históricos Ultramarinos.. de ventos que em diuersas paragens se acham. 8. os autores são Manuel Monteiro e Gaspar Ferreira Reimão. o desejo de que a matéria reunida no códice fosse publicada58 . e tem muitas e mui boas curiosidades. Após uma análise detalhada do códice. de um mesmo texto. Passados alguns anos apareceu esse roteiro que andava desaparecido: Acontece. não se sabendo onde foi parar. p. na carta onde lhe participava a sua decisão. Comandante Ernesto Jardim de Vilhena. Refere ainda aquilo que pensa sobre 56 Costa. e comparando-o com o roteiro existente na Biblioteca Nacional de Madrid. ROTEIROS 107 mente não só na redacção do mesmo Roteiro. p. A opinião do Comandante Humberto Leitão é de que o referido roteiro não é da autoria de Lavanha. Este Códice foi adquirido pelo bibliógrafo José Ferreira das Neves no leilão da Livraria Nepomuceno. 57 Ibid. porém. Esteve até há pouco tempo na valiosa Biblioteca do nosso ilustre camarada Sr. E que em ambos os casos. o qual com bem rara generosidade em casos desta natureza. deixando transparecer. e assim se torna possível um amplo estudo da questão.3. mas também na precisa aplicação de algumas regras da Navegação 56 . 58 Humberto Leitão. ele se encontra actualmente em Portugal. concluiu que se trata de duas versões.

Ora. Para o autor do estudo. a resposta a esta questão também não é muito importante. a assinatura de Lavanha no acrescento devia ter. de Manuel Monteiro e Gaspar Ferreira Reimão . 59 Leitão. uma em castelhano e outra em português. e o facto de no Regimento dado a Gaspar Jorge do Couto aparecer menção de um regimento da Índia ordenado por Lavanha. Em tais condições. em nenhum dos seus dois roteiros aquele velho piloto tratava por miúdo quer das Ilhas Primei- ras. no respectivo título. como tendo emendado o roteiro. ter sido reconhecida a conveniência de lhe ajuntar o Roteiro das Ilhas Primeiras e das Ilhas de Angoche. o pequeno texto referente àquelas ilhas do Índico. após o seu trabalho haver merecido a aprovação dos dois altos funcionários. e que ele transcreveu. ao nome de Lavanha. então. Quanto ao pri- meiro. mais uma vez. quer das Ilhas de Angoche. Lavanha assumiu um papel importante. Assim ficaria a obra completa. Como vimos anteriormente.108 CAPÍTULO 2. Da comparação do texto deste com aquele que existe na Biblioteca Nacional de Madrid. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA os argumentos a favor da tese de que a autoria do texto português seria de Lavanha. e. Este estudo de Humberto Leitão fornece-nos ainda mais um elemento bastante importante. Em relação ao segundo. enquanto cosmógrafo-mor. dirigindo os trabalhos conducentes a essa actualização: Como dissemos. encontra-se igualmente um pequeno texto respeitante às Ilhas Primeiras. Fica por esclarecer se a versão original do roteiro da Índia já se encontrava. como antes se interpretava. Aquilo que realmente importa é destacar o facto de que se notou a necessidade de actualizar a informação constante nos roteiros. que se trata de duas versões. concluiu. este argumentos eram dois: a refe- rência. de um mesmo texto. Nessa tarefa. servido para visar o novo trabalho 59 . Na versão portuguesa não surge nenhuma referência ao nome de Lavanha. poderiam os dois pilotos haver-se limitado a melhorar aquele segundo roteiro. e. No mesmo códice que contém o roteiro da Carreira da Índia. convite ou determinação de Baptista Lavanha. apenas. considera-o um acrescento do copista e demonstra que foi colocado por alguém que nem percebia muito bem aquilo que estava a copiar. porquanto se contentava em recomendar cautelas a quem por aquelas paragens navegasse e a indicar-lhe os mais convenientes rumos para delas ir até Moçambique. por sugestão. é muito provável que o trabalho de modernizar — para aquele tempo — o segundo Roteiro de Vicente Rodrigues fosse exe- cutado por Manuel Monteiro e Gaspar Ferreira. Dois roteiros do século xvi. considera que se deve ler a palavra «ordenar» no sentido de «mandar fazer» e não de «escrever». ou não.

queremos realçar que Lavanha acabou por assumir um papel importante em relação a estes rotei- ros. ROTEIROS 109 Da análise dos diferentes estudos sobre estes roteiros podemos resumir a questão do seguinte modo. Não sendo Lavanha o autor do conteúdo dos roteiros. serem autógrafos do cosmógrafo-mor. onde V. dandoselhe juramento que o não tresladarão e pondoselhe penna de morte ao que trasladar ou deixar trasladar. Ora. Importava garantir que a informação constante destes textos de cariz náutico era rigorosa. não se tem notícia que Lavanha alguma vez tenha navegado para o Oriente. Um roteiro é o resul- tado da experiência prática. ou mesmo ambos. nomeadamente na Biblioteca Nacional de Madrid. consideramos que não foi certamente ele o autor do respectivo conteúdo. e que ao dito Gaspar Ferreira atribuídos a João Baptista Lavanha. Apesar daquilo que foi dito no parágrafo anterior. os quais volumes se metão neste conselho ou nos Almazens. A análise da respectiva letra permite-nos admi- tir a possibilidade de algum desses textos existentes em Madrid. Mag.de ordenar para dahy se darem aos pilotos e sota-pilotos quando ouverẽ de fazer viagem. os roteiros mereciam um tratamento que podemos classificar como assunto de estado. consideramos que não vale a pena estarmos a proceder aqui a uma análise detalhada desse conteúdo. acumulada ao longo dos anos por aqueles que praticam os locais descritos. No entanto. Daí que fossem tomados cuidados especiais quanto à circulação dessa informação: Pareçeo a todos conforme as informações que se tomarão de pilotos e outras pessoas praticas a que se mandou ver o dito Roteiro e o que delle se vio e entendeo que he mui util e proveitoso para a navegação e que encaminhará os que navegarem muito para fazerem boa viagem e que posto que ha inconveniente em se imprimir por não vir às mãos dos estrangeiros e se aproveitarem delle he tamanho os bens que delle po- dem resultar que se deve imprimir pellos erros que nos de mão poderá haver. São conhecidos alguns roteiros que mencionam o nome de Lavanha. Daí que a chancela do cosmógrafo-mor fosse a garan- tia desse rigor.3. Estes últimos apresentam inclusivamente a sua assinatura e um dos casos não tem mais nenhuma assinatura. pp. mas que a impressão se faça com todo o resguardo possivel met- tendose o impressor em hũa casa aonde não possa fazer mais volumes que os que se lhe ordenar. Aliás. 18–19.2. As informações nele contidas deveriam ser preservadas do conhecimento por parte de estrangeiros. porque desta maneira po- derá não vir as mãos dos estrangeiros. e que vindo o tornarão. .

Apesar disso. cavaleiro fidalgo da Casa Real e filho de Pedro Barbosa Barros. quando os Franceses a elas foram no tempo das alterações passadas. de Manuel Monteiro e Gaspar Ferreira Reimão atribuídos a João Baptista Lavanha. cuja redacção é atribuída a Lava- nha. em a qual trata das varías nações de negros. «Relação do Porto do Rio Senegal feita por João Baptista Lavanha». Em: Boletim Cultural da Guiné Portuguesa 55 (1959). Leite de Faria começa por apresentar Lavanha e por referir que a sua obra não é de todo desconhecida. p. concluiu que não se tratava dessa obra desaparecida. Dois roteiros do século xvi.4 Relação do porto do Senegal Conhece-se um pequeno manuscrito. q̃ a povoão. em nossa opinião. o cargo de almoxarife daquelas 60 Leitão. natural de Viana. pelos serviços prestados nas ilhas de Cabo Verde. a respeito do Rio Senegal. Leite de Faria diz não ter conseguido identificar o mesmo. no qual se faz uma descrição da foz do rio Senegal. Mag.de fazer a merce que for servido pelo trabalho que teve60 . deu Filipe ii. 61 Francisco Leite de Faria. O referido manuscrito foi transcrito por Francisco Leite de Fa- ria. 2. ritos. Após a análise do texto que descobrira. trajos. . Neste pequeno apontamento que dedicamos a este contributo de Lavanha seguiremos exclu- sivamente o estudo de Faria.110 CAPÍTULO 2. mas cujo conteúdo ele obteve de terceiros. decidiu dar a conhecer o mesmo. Sobre o informante de Lavanha. embora avance com um nome provável: Talvez fosse João Barbosa Barros. Faria suspeitou que poderia estar em presença de uma outra obra de Lavanha. e da Calidade dos portos e Comercio q̃ nelles se faz. mas que se considera perdida: Descripção de Guiné. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA deve V. guerras. Trata-se. leys. tendo acompanhado a transcrição de um breve estudo61 . àquele João Barbosa Barros. dos seus costumes. durante as lutas por causa dos direitos do Prior do Crato ao trono de Portugal. Informa em seguida que a sua intenção é somente dar a conhecer um «rascunho» das informações que Lavanha elaborara a partir de informações que recebera de um tal capitão João Barbosa. cerimonias. em 6 de Março de 1585. armas. de mais um caso semelhante aos descritos na secção anterior: um texto com a chancela do cosmógrafo-mor. Quando descobriu este pequeno manuscrito. 15. que é referida na Biblioteca Lusitana. o tal capitão João Barbosa. isto é.

após a sua nomeação como cosmógrafo-mor. Leite de Faria estabelece as seguintes considerações: A data em que Lavanha escreveu esta pequena relação foi depois de 1596. Ao menos estaria ainda havia pouco tempo em Madrid e. Se Lavanha se inti- tula cosmógrafo-mor tinha obrigatoriamente que já ter sido nomeado para o cargo. p. RELAÇÃO DO PORTO DO SENEGAL 111 Ilhas por três anos. decerto o teria dito ao princípio dela e não se contentaria com o título de cosmógrafo-mar. resulta de uma junta reunida em Espanha. com ele a residir em Madrid. Bernardo de Brito. Se já tivesse este último cargo quando escreveu a relação sobre o porto do Rio Senegal. 63 Ibid. Ele também não acrescentava o título de engenheiro. o parecer que ele escreveu a propósito da opinião do piloto Gaspar Manuel a respeito das agulhas de Luís da Fonseca Coutinho. O facto de a ter redigido em português faz-nos suspeitar que a compôs em Lisboa. na vagante dos providos antes de 2 de Fevereiro desse ano62 . 62 Ibid. Por exemplo. 361. Este texto tem a data de 1608. Já quanto às restantes datas apontadas não estamos totalmente de acordo com a argumentação utilizada para as justificar.2. em que juntou a esse cargo a função ainda mais importante de Cronista mar. Sobre esta dedução temos alguns comentários a fazer. Discordamos também da dedução de que o texto deveria ter sido redigido em Lisboa por ter sido usada a língua portuguesa. No entanto. Não cremos que Lavanha acrescentasse o título de cronista-mor apenas pelo facto de ter sido nomeado também para essa função em 1618. na qual participaram Portugueses e Espanhóis e Lavanha escreve em português. o que aconteceu em fins de 1599. . pouco depois da morte de Filipe ii. nos rascunhos naturalmente usava a sua própria lingua63 . e também o poderia usar. ano em que foi nomeado cosmógrafo mar e talvez antes de 1618. redigidos na sua língua materna. 361.. por morte de Fr. Conhecem-se vários textos de Lavanha. como se contentou. por isso. p.4. Quanto à datação do documento. antes de ir para Madrid. alguns dados que encontramos no conteúdo do texto apontam para a elevada probabilidade de ele realmente ter sido redigido durante a estadia de Lavanha em Portugal.. Concordamos ple- namente com a data mais antiga que o autor propõe.

deixa duas entradas liures para o ditto Rio uma estreita de pouco fundo pello Norte. e outra mais larga. S. 1651. um manuscrito descrevendo os vários continentes da Terra. mas não só. Além disso. e India. q̃ fazendo neste Rio os inimigos uma fortaleza. Leite de Faria acrescenta ainda a descrição de vários documentos relativos à vida de Lavanha e que Cortesão não mencionara.112 CAPÍTULO 2. ao longo da Costa. Mina. q̃ diuidido em dous braços. O Çanaga tem duas barras feitas de uma restinga. De acordo com a descrição. de documentos relativos à relação do cosmógrafo com a Ordem de Cristo. Brasil. cera e marfim. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Antes de passar à transcrição propriamente dita do manuscrito. Franceses. Ali resgatavam os produtos da região: malagueta. . Thome. e negro. Depois de descrever com mais detalhe as condições hidrográficas da barra e do rio. e de mais fundo pello Sudoeste64 . O texto do manuscrito fornece informações de diferentes âmbitos. Ingleses e Holandeses frequentam livremente aquelas águas. 365. Os livreiros indica- vam Lavanha como o seu autor. marfim. p. Trata-se essencialmente. q̃ correndo de Norte ao Sul. porq̃ para todas estas partes he 64 Faria. Termina esta parte dos documentos sobre Lavanha afirmando que uns anos antes estivera à venda. escravos. . passa a indicar os produtos que na região se transacionam e quem são aqueles que ali praticam o comércio. representa- vam uma forte ameaça à navegação portuguesa para os territórios da costa ocidental de África. Além disso. . impidaõ todas as nauegaçoes deste Reyno para Guine. que existem diversos habitantes autóctones que falam francês e vários são casados com francesas. assim como às viagens para o Brasil e o Oriente: Alem deste dano presente podesse temer outro muito mayor. da qual recebera o hábito. 60 legoas da sua boca. Co- meça com uma descrição do rio propriamente dito: Çanaga he um Rio muy grande de Guiné nauegauel mais de 200 legoas. Angola. e trazendo ao mar della nauios. Faria nega essa autoria. baseando-se na data do manuscrito. em Londres. o à-vontade é tão grande. «Relação do Porto do Rio Senegal feita por João Baptista Lavanha». bastante posterior à morte do cosmógrafo. diuidida em duas partes. abraçaõ ambos o Cabo Verde. de um barro duro. Os principais produtos que ali com- pram são couro. chamandolhe o do Norte Çanaga e o do Sul Gambia. a região servia como base para os corsários que operavam nas costas do Golfo da Guiné.

refere que a terra onde se deveria construir a fortaleza per- tence ao Budumel. assim como o facto de a água potável ser abundante. a incidência de doenças é bastante menor. Seria de esperar alguma animosidade das popu- lações locais. durante a época seca.. de modo a proveitarem lá a estação do Verão.4. Fora dela chove bastante e aumenta significativamente o número de doenças contraí- das. o facto de que no caso de os Europeus terem um período para se adaptarem à região. indicando a ne- cessidade de transportar alguns do reino. que dura até Junho. se chamaõ do Cabo Verde65 . São sugeridos dois locais possíveis para a construção da fortaleza. Não foram esquecidos nenhuns detalhes. q̃ fica entre este Cabo Verde. mas que este não deveria levantar grande oposição a que se construísse a mesma. assegurando a protecção daqueles que eram empenhados na construção da fortaleza. . Também não se esqueceu de indicar a quantidade de artífices que eram necessários para a essa construção. O detalhe chega ao ponto de referir a quantidade e tipo de navios que se deveriam deslocar para a re- gião para expulsar os corsários que ali fazem base. Para garantir a segurança dos Portugueses na região e cortar as rela- ções comerciais dos estrangeiros é sugerida a construção de uma fortaleza na foz do Senegal. RELAÇÃO DO PORTO DO SENEGAL 113 forçado passar por um canal. ou a partir das ilhas de Cabo Verde. Deveriam partir em Outubro. assim como a quantidade de militares que deveriam ser para lá deslocados. em poços. e as Ilhas. Ora.2. Finalmente. O autor preocupa-se inclusivamente com a indicação da época mais ade- quada para os navios largarem do reino. São indicados os locais onde se podem obter os materiais para a construção. quando precebessem que estavam a perder o comércio com aqueles que normalmente efectuavam trocas. O autor fala nas navega- ções deste reino para vários destinos. É realçado. Mencionam-se os produtos alimentares que a região proporciona. O excerto anterior dá-nos uma indicação que aponta para que a redacção do texto tenha sido levada a cabo em Portugal. contudo. Mas essa resistência deveria desaparecer quando entendessem que poderiam vender os mesmos produtos 65 Ibid. 366. q̃ por razão delle. sendo mencionadas as respectivas vantagens e os inconvenientes. Os dados fornecidos indicam que a recolha de elementos no local foi bastante exaustiva. p. quem navegava para os destinos apontados eram essencialmente os Portugueses. para aqueles que chegam nessa época.

114 CAPÍTULO 2. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA

aos Portugueses.
Estranhamente, o texto continua com uma repetição de praticamente
todas as ideias que tinham sido apresentadas. Não se trata de uma repe-
tição palavra por palavra, mas as informações são bastante semelhantes às
mencionadas na primeira parte.

2.5 Regimento de Gaspar Jorge do Couto
Conforme referimos no capítulo onde apresentámos a biografia de Lava-
nha, trata-se de um regimento redigido em 1608. O mesmo contém instruções
para determinadas tarefas a ser executadas pelo seu destinatário, o Licenci-
ado Gaspar Jorge do Couto, numa viagem para a Índia. Referimos também
que se conhecem dois exemplares do referido documento: um manuscrito na
Biblioteca da Ajuda66 , e outro na Torre do Tombo. Este último foi trans-
crito por Bulhão Pato67 . Consultados ambos os documentos, verifica-se que
o seu conteúdo é exactamente o mesmo. Dissemos também que no conjunto
de documentos onde se encontra o regimento régio, na Biblioteca da Ajuda,
existe um outro códice, assinado por Lavanha68 , que terá servido de base ao
texto «oficial».
O primeiro aspecto que nos parece importante realçar é o facto de es-
tarmos perante umas instruções para um fim muito específico. Apesar de
o destinatário das mesmas ser alguém que entenderia bastante as questões
náuticas, fica bem claro que ele não deverá interferir com a condução do
navio. Essa tarefa ficaria para os oficiais do mesmo. O regimento contém a
justificação desta postura: seria certamente comum a existência de dúvidas
sobre a posição do navio. Essas dúvidas levariam muitas vezes a situações
em que se questionava a avaliação do piloto, com consequências graves para
a viagem:

Occupar-vos-heis somente no que levaes a cargo, conforme a este
66
Eu El Rey faço saber a voz Ldo Gaspar Jorge do Couto q̃ na viagem q̃ ora ides fazer
a India sobre as observações da agulha de marear ordinaria, e certeza da fixa ey por bem
e vos mando que guardeis o Regimto seguinte. Códice 51-VII-11, da Biblioteca da Ajuda.
67
Bulhão Pato. Documentos remetidos da India ou livro das monções. Publicados de
ordem da Classe de Sciencias Moraes, Politicas e Bellas-Lettras da Academia Real das
Sciencias de Lisboa. Vol. i. Lisboa: Academia Real das Sciências, 1880, pp. 216–218.
68
João Baptista Lavanha. Regimento q̃ deve guardar o L.do Gaspar Jorge do Couto
na viagem q̃ ora vay fazer a India por mandado de Sua Mag.de . Códice 51-VII-11, da
Biblioteca da Ajuda.

2.5. REGIMENTO DE GASPAR JORGE DO COUTO 115

regimento, sem vos entremetterdes de nenhũa maneira no governo da
nau, e somente, quando vos parecer communicar algũa cousa com o
piloto, o podereis fazer, porque não resulte do contrario differenças,
que deem occasião aos damnos e perdas que algũas vezes se tem visto;
e sereis obrigado a mostrar este regimento ao dito conde viso-rey, posto
que tambem lhe mando dar copia d’elle, pera o ter assi entendido69 .

Quais eram as atribuições de Gaspar Jorge do Couto para esta viagem?
Apesar de as mesmas serem pontualmente mencionadas ao longo deste es-
tudo, nos capítulos em que abordamos os diversos assuntos, parece-nos im-
portante mencioná-las aqui todas, de modo sistemático, mesmo repetindo
algumas citações transcritas noutros locais. Uma vez que são pouco signifi-
cativas as diferenças entre o texto autógrafo de Lavanha e o regimento que
foi dado ao licenciado, usaremos as próprias palavras do cosmógrafo, sempre
que nos parecer adequado:

Fara um Roteyro muy copioso de toda a viagem, notando dia por
dia o vento com que navegou, a derrota q̃ leva, as correntes, os sinaes
do Ar, do Mar e da terra; e do q̃ vir retratará as conhecenças e porq̃
Rumo forão feitas, e a qual lhe ficava a tal terra; a altura q̃ tomou, a
differença q̃ lhe fez a Agulha ordinaria, os effeitos da fixa e os da Polar.
E escritto assi tudo em um livro, o dito dia lançará seu ponto na carta,
segundo as referidas observações; o qual ponto notará cõ numeros, que
respondão aos do Roteyro, para q̃ se coteje uma cousa com a outra
e pellos pontos da Carta (q̃ue se assinalarão com tinta) se vejão as
paragẽs onde todas as ditas cousas succederão70 .

Ficamos a saber quais as principais incumbências de Couto: redigir um
roteiro rigoroso da viagem, para vir a ser usado posteriormente por outros
navegantes; e deveria também realizar experiências com as agulhas: fixa,
polar e ordinária. Para a elaboração do roteiro teria como base um outro
que recebia de Lavanha:

Usará para a viagem do Roteyro da India q̃ ordenou João Baptista
Lavanha, de q̃ leva a copia, e achanduo em algũa parte differente do q̃
69
Pato, Documentos remetidos da India ou livro das monções. Publicados de ordem da
Classe de Sciencias Moraes, Politicas e Bellas-Lettras da Academia Real das Sciencias de
Lisboa, p. 217.
70
Lavanha, Regimento q̃ deve guardar o L.do Gaspar Jorge do Couto na viagem q̃ ora
vay fazer a India por mandado de Sua Mag.de , fl. 84.

116 CAPÍTULO 2. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA

lhe mostrar a experiencia, o notará, para q̃ se emmende, parecendo q̃
convẽ71 .

Já anteriormente, na página 108, referimos que este roteiro não deveria
ser da autoria do cosmógrafo-mor. Quando discutimos os roteiros, concluí-
mos que o seu papel, neste campo, foi essencialmente de compilação de textos
que existiam, procurando garantir que os mesmos continham informação tão
rigorosa quanto possível. Aliás, é também esse o intento desta viagem: Couto
recolhia informação ao longo da mesma, corrigindo todas as informações que
considerasse incorrectas.
Os parágrafos seguintes contêm instruções sobre o modo como deveriam
ser efectuadas diversas operações. Ora essas instruções tinham sempre por
base a opinião de Lavanha. A primeira, estava relacionada com o uso de
troncos particulares de léguas. Noutro local deste estudo, este assunto, dos
troncos particulares de léguas, será devidamente elucidado:

Na carta de marear usará dos troncos de Legoas, que João Baptista
lhe deu, que são acomodados as Alturas e servẽ nellas para lançar o
ponto na carta cõ certeza, sendo os outros troncos falsos, e causadores
de grandes erros na navegação72 .

As suas instruções continuam com a indicação de outros processos desen-
volvidos por Lavanha, de âmbito náutico. Assim, sugere que além de usar
os instrumentos usuais, quadrante ou astrolábio, para obter a latitude pela
meridiana, usasse também um outro, que concebera, para conhecer a mesma
coordenada a qualquer hora do dia:

Demais de tomar a Altura ao Meyo dia cõ o ordinario Astrolabio
ou cõ um quadrante grande q̃ será milhor; a tomará a qualquer hora
q̃ quiser e ouuer Sol, cõ o Instrumento q̃ lhe comunicou João Bapta ,
porq̃ he certo e necessario usarsse delle73 .

Seguem-se as instruções sobre a observação de estrelas. Mais uma vez La-
vanha recomenda seguir os procedimentos expostos pelo próprio, sendo feita
referência a um regimento, que certamente é aquele que mandou imprimir e
que adiante estudaremos em detalhe:
71
Lavanha, Regimento q̃ deve guardar o L.do Gaspar Jorge do Couto na viagem q̃ ora
vay fazer a India por mandado de Sua Mag.de , fl. 84.
72
Ibid., fl. 84.
73
Ibid., fl. 84.

2.5. REGIMENTO DE GASPAR JORGE DO COUTO 117

De noute tomará cõ o quadrante a altura; por meyo das estrellas
fixas assinaladas no Regimto de João Bapta , e usará das regras delle,
dadas para este effeito74 .

Pelas razões expostas na secção dedicada ao parecer sobre a proposta
de Luís da Fonseca Coutinho, somos de opinião que as experiências para
testar esta sugestão assumiam também um papel importante na viagem do
licenciado. Assim, segue-se um conjunto de regras dedicadas a este assunto:

Procurará fazer todos os dias muy ajustadas observações da diffe-
rença das Agulhas ordinarias. Para o que usará pella menhã ao na-
cer do Sol, ou a tarde ao por das Taboas de Largura ortiva de João
Bapta , e do Regimto que para este uso ordenou. Ao meyo dia, usará do
Instrumto acomodado para aquella hora, inventado pelo mesmo João
Bapta . As quaes observações cotejará cõ a Agulha fixa de Luis de Fon-
seca Coutinho, e cõ a q̃ elle Gaspar Jorge achou, e escreverá a parte
todas estas operações, como as fez, a conta com q̃ as ajustou, e as
differenças que umas, e outras agulhas forão fazendo, assi aos assina-
lados tempos. Como em todos os outros as fixas com as ordinarias; E
o mesmo hira observando da Agulha Polar, para ver o q̃ della se pode
verificar75 .

A transcrição anterior merece alguns comentários da nossa parte. Em
primeiro lugar, mais uma vez a referência a vários processos sugeridos por
Lavanha: nomeadamente as tabelas de amplitudes, assim como o método, e
respectivo instrumento, sugerido pelo cosmógrafo para conhecer a declinação
magnética na passagem meridiana. Por outro lado, a referência à agulha
polar de Luís da Fonseca. Deve ser certamente aquela que ele sugere para
obtenção da latitude e que anteriormente analisámos neste capítulo, com a
designação de agulha equinocial.
Levava também a incumbência de recolher informações de cariz astronó-
mico, sobre as estrelas mais próximas do Pólo Sul, que não são visíveis no
hemisfério norte, e que por esse motivo não eram observadas pelos astróno-
mos na Europa.

Notara das estrellas do Polo Austral o sitio, e grandeza, com um
Radio Astronomico, pello modo q̃ se ha comunicado76 .
74
Ibid., fl. 84vs.
75
Ibid., fl. 84vs.
76
Ibid., fl. 84vs.

118 CAPÍTULO 2. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA

Seguem-se instruções sobre o modo como deverá conduzir a exploração
de algum troço de costa, caso seja incumbido dessa tarefa:

Se S. Magde ou o Visorrey da India em seu nome lhe mandar des-
cobrir algũa terra, Ilha, ou Baixo, e averiguar cõ certeza o sitio destas
cousas, o qual em mtas está por determinar, com mto dano (e assi
parece convẽ q̃ se faça) ou se da India voltar ao Reyno com ordem
de descobrir a terra da Cafraria, entre os Cabos de Boa Esperança, e
Negro, (como S. Magde tem mandado q̃ se faça do Reyno) usará do
Regimto seguinte77 .

Neste parágrafo percebe-se que uma das missões principais de que Couto
estava incumbido era explorar a costa entre o Cabo Negro e o da Boa Es-
perança. Percebe-se também que tal não era uma preocupação nova, pois
aparentemente o monarca já tinha ordenado tal anteriormente.
Segue-se um conjunto de instruções para a realização desses trabalhos.
No mesmo conjunto de textos, em que encontramos este regimento, está
um outro manuscrito, com instruções para esta exploração. Os textos são
bastante semelhantes, existindo apenas pequenas diferenças entre um e o
outro. Uma opção possível era «ignorar» a existência desse segundo texto,
e analisar aqui também essas instruções. Contudo, optámos por deixar para
uma secção separada o estudo do regimento dedicado à exploração deste
trecho de costa. Temos uma justificação forte para esta escolha. Vários
estudos sobre Lavanha mencionam a existência deste regimento. Faz todo
o sentido dedicar-lhe uma secção, omitindo nesta secção a análise da parte
que nele se repete.
O regimento dado ao licenciado termina com a indicação das suas obri-
gações, perante a coroa, no que concerne ao resultado dos seus trabalhos,
assim como as obrigações da coroa em providenciar o material que lhe fazia
falta para levar a cabo a viagem:

Todas as obseruações, disenhos, descripções, Roteyros e relações
q̃ fizer o dito Ldo Gaspar Jorge assi nesta viagem da frota, como em
quaesquer outras, trará, ou enviará a esta Corte a S. Magde , e assi as
cartas de marear originaes em q̃ for lançando os pontos, pella mra para
q̃ S. Magde , mande ordenar sobre isto o que for de seu seruiço.
77
Lavanha, Regimento q̃ deve guardar o L.do Gaspar Jorge do Couto na viagem q̃ ora
vay fazer a India por mandado de Sua Mag.de , fl. 84vs.

2.6. REGIMENTO PARA O PILOTO QUE [. . . ] 119

Para todas estas operações ha mister o Ldo Gaspar Jorge instru-
mentos q̃ não tẽ e assi sera necessario, q̃ lhos mande dar S. Magde
serão estes dous Quarteirões um té o cabo de boa esperança, e otro do
cabo te o Japão. Uma Agulha de marear ordinaria, uma fixa das de
Luis de Afonseca, uma Polar, um instrumento para tomar a altura a
qualquer hora, um Quadrante, e um Radio Astronomico grande de ma-
deira. Os quaes instrumentos se poderão mandar fazer pello Provedor
dos Almazes de S. Magde , pella traça q̃ leva o Ldo com obrigação de os
tornar a entregar nelles quando voltar. Em Madrid. 29 de Janeyro de
60878 .

2.6 Regimento para o piloto que [. . . ]
Outro manuscrito autógrafo de Lavanha, contido na compilação da Bi-
blioteca da Ajuda contém instruções para um piloto que deveria embarcar
numa nau holandesa79 . Uma vez que a generalidade dessas instruções são
essencialmente de cariz náutico, faremos aqui a apresentação das mesmas.
Antes de analisarmos o conteúdo propriamente dito do texto, importa
perceber a conjuntura em que tal ocorreu. Ao ascender ao trono, Filipe ii
herdou de seu pai a soberania sobre a região dos Países Baixos. No entanto,
essa situação não foi bem vista população local e em 1581 iniciou-se um
processo de independência de várias províncias da região. Este processo foi
bastante demorado, tendo durado até meados do século seguinte. Ao longo
desse período as relações entre ambas as partes foram geralmente conflituo-
sas. Contudo, conheceram períodos de acalmia. É num destes períodos que
ocorre a viagem para a qual Lavanha preparou estas instruções:

Em 1609 assinaram-se tréguas entre a Espanha e a Flandres, o que
obrigou à presença de pilotos das respectivas nacionalidades nos navios
dos seus ex-adversários, para avisarem no mar os barcos compatriotas
de que não havia mais guerra (70). Assim, em 1610, o cosmógra-
fo-mor João Baptista Lavanha fazia um regimento destinado a um
piloto português que devia seguir para a Índia a bordo de uma nau
holandesa, para começar «a dar aviso pelas partes do Sul»80 .
78
Ibid., fls. 85vs–86.
79
João Baptista Lavanha. Regimento do q̃ ha de fazer o Piloto q̃ for a India na Nao
Hollandesa. Códice 51-VII-11, da Biblioteca da Ajuda.
80
Maria Emília Madeira Santos. «O problema da segurança das rotas e a concorrên-
cia luso-holandesa antes de 1620». Em: Revista da Universidade de Coimbra. Vol. 32.
Separatas 160. Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical, 1984, p. 139.

120 CAPÍTULO 2. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA

A sua missão consistia essencialmente na recolha de informações de cariz
náutico. Ou seja, estava encarregado de obter dados sobre o quotidiano da
viagem:

Regimento do q̃ ha de fazer o Piloto q̃ for a India na Nao
Hollandesa
O piloto q̃ se nomear para esta jornada, fará um particular Roteyro,
ao modo costumado, dia por dia, de toda a viagem, assi da inda como
da vinda81 .

Porém, deveria também testar as agulhas de Luís da Fonseca. Lavanha
chama a atenção para a necessidade de ser discreto. Contudo, tal não seria
complicado uma vez que as observações poderiam ser efectuadas no interior
do camarote:

Nos dias em q̃ fizer observação cõ as Agulhas fixa e Regular de Luis
de fonseca, q̃ há de leuar declarará nelles as taes observações, como as
fez, o q̃ conhecer dellas e procurará de as fazer todos os dias, q̃ como
para ellas não he necessário sol, nẽ estrellas, a todo tempo, e hora as
pode fazer.
Não declarará aos Hollandeses o fim porque faz as taes observações,
nem o uso das Agulhas fixa e Regular, o q̃ poderá fazer facilmte , pois
as pode fazer de noute á luz de uma candea no seu camarote82 .

O restante texto fornece instruções para a recolha de elementos de cariz
essencialmente roteirístico:

Verá, e notará cõ grande cuydado as derrotas q̃ levão os Hollande-
ses e os instrumtos de que usão na viagem, e os usos delles, não lhes
comunicando, nẽ mostrãdo por nenhũ caso este das duas Agulhas fixa
e Regular q̃ leva.
Aportando na Bahia de Antão Gil q̃ he na costa de Leste da Ilha de
S. Lourenço, ou na Ilha de S. Maria q̃ está perto da dita Bahia, ou na
Ilha do Cirne, a que os Hollandeses chamam de Maurício, q̃ são portos
onde elles costumão aportar nas suas viagẽs notará cõ grande vigilância
o q̃ puder, da grandesa, e capacidade dos taes portos, o surgidouro, o
fundo, e calidade delle, a conhecẽça da terra, segundo os rumos perq̃ se
demandar, o que nelles tẽ fabricado, ou fortificado, ou onde se poderá
81
Lavanha, Regimento do q̃ ha de fazer o Piloto q̃ for a India na Nao Hollandesa, fl.
91.
82
Ibid., fls. 91–91vs.

2.7. REGIMENTO DA ALTURA A QUALQUER HORA DO DIA 121

milhor fortificar, para defensão da entrada do Porto do seu surgidouro e
da Aguoada. E o mesmo notará em qualquer outro porto (que não seja
dos nossos) onde entrarẽ, e contratarem os Hollandeses, o acolhimento,
q̃ lhes fizeram os moradores delle, e a correspondência, e amisade q̃ há
entre uns, e outros, se he noua, ou antigua.
Entrando ou saindo pello estreito da sunda, tudo o q̃e puder e o
tempo lhe der lugar, e as informações, notará a sua largura quantas
Ilhas ha nelle, e de q̃ tamanho, se são pouoadas, de q̃ gente, se nellas
ha portos, ou abrigos e de q̃ ventos, se ha agua de ribeyras, fontes, ou
poços. Quantos canaes fazẽ para entrar e sair pello dito estreito, de q̃
largura e fundo hé cada um, se todos vem ajuntarse em um soo, ou se
são mtos se se poderão defender de um, ou de mais sítios, e de q̃ parte,
se nas ilhas, ou na Java ou Çamatra. Considerara assi mesmo todas as
correntes, se são sempre para uma parte, ou se varião cõ as monções,
ou cõ as marés, e estas té onde chegão quanto tempo durão, assi na
enchente como na vasante e o mesmo notará cõ grande cuydado nos
estreitos de sabão, de Cincapura e no de Pale, passando por qualquer
delles. E de tudo o q̃ assi notar nos Portos e estreitos fará uma muy
particular e destinta Relação, q̃ mandará a esta corte (quando voltar
da viagem) ao conselho de S. Magde . E sabendo debuxar, ainda q̃ mal,
descreverá na mesma Relação tudo o que uir, e notar pello modo dito,
tanto dos Portos, como dos estreitos. Em Madrid, 24 de Janeiro de
1610.
João Baptista Lavanha83 .

2.7 Regimento da altura a qualquer hora do dia

No Regimento de Gaspar Jorge do Couto surge a indicação de que de-
veria usar o processo proposto por Lavanha para conhecer a latitude pelo
observação do Sol a qualquer hora. Vários autores referem a existência de
um regimento de sua autoria, destinado a este processo. Na compilação que
consultámos na Biblioteca da Ajuda encontrámos um regimento com esse
título. Porém, o mesmo deve ser considerado como parte de um outro regi-
mento sobre as agulhas de Luís da Fonseca. Defendemos esta posição pois
o próprio autor estabelece a ligação entre ambos os conteúdos. Assim, após
descrever sucintamente as agulhas que Luís da Fonseca sugerira, Lavanha
afirma: «Serve mais esta Agulha fixa pa pôr seu meo com o instrumento, q̃

83
Ibid., fls. 91-91vs.

O seu texto não é muito claro. q̃ tem na borda duas quartas divididas. 63vs. q̃ Vay com este Regimẽto no pé do qual vão ambas as Agulhas hũa dellas fixa e outra ordinaria. q̃ he a meridiana. A esta descrição segue-se o outro regimento. e assi usando destas se escusão estes abatimentos. Vejamos. q̃ causão grande confusão. . Isto se conhecerá pello intrumento. tratava-se de um instrumento semelhante a uma esfera armilar. a qual se ponha na cayxa. nas quais ella assinalará a differença q̃ faz da fixa estando o instrumento quieto e a fixa em direito da linha meridiana deste pé do instrumento q̃ he a que vay lançada de hũa Agulha a outra. Servem pa por ellas se conhecerem as differenças das ordinarias. Isto se alcança sem sol e a qualquer ora de dia e de noite. Códice 51-VII-11.122 CAPÍTULO 2. ou onde se affixão. 85 Ibid. da Biblioteca da Ajuda. fl. Serve mais esta Agulha fixa pa pôr seu meo com o instrumento. considermos que são dois regimentos distintos. E ambas assinalarão hũa linha direita continuada. ainda aos mais espertos. 63–63vs.. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA vay com estas Agulhas se saber a qualquer ora a altura da manra seguinte»84 . E sendo caso q̃ se affixe con- cordará com a ffixa. dispondo ainda de uma medeclina para observar a altura do Sol: 84 João Baptista Lavanha. em primeiro lugar a descrição das agulhas: Regimento das agulhas fixas de Luis da fonseca Coutinho Mostrão estas Agulhas o Verdadro meridiano em qualquer paragem sem nhũa differença do Nordestear. Pelo que conseguimos entender. dada essa mesma continuidade. fls. o que se conhece pondo hũa em direito da outra. e Norestear como te agora fizerão todas as outras E assi se affixão estas em toda a parte. Regimento das agulhas fixas de Luis da fonseca Coutinho. e Norestear das ordinarias. estudaremos ambos nesta mesma secção. No entanto. porq̃ quietas ambas (com que estam hũ pouco apartadas) affixa mostrará o meridi- ano e a ordinaria se apartará delle pa Leste ou Oeste tanto quanto ella naquella parte Nordestear. E quanto nordesteão ou noresteão em qualquer paragem. pois cada um deles apresenta um título. logo que não é fácil compreender como se executava este processo. que notamos de um texto para o outro. O seu uso he mostrarem no mar as Verdadeiras derrotas sem resgo- ardo algũ nem abatimento por Rezão do Nordestear. ou Norestear. Uma vez que existe esta continuidade. q̃ vay com estas Agulhas se saber a qualquer ora a altura da manra seguinte85 .

q̃ tiuer aquelle dia. q̃ o Polo do mundo (o qual Representa a dita pontinha) está levando sobre o Horizonte contados segdo os numeros e ordem delles. Códice 51-VII-11. e pello meridiano té q̃ pellas buracas das pinulas da dita declina entrem os Raios de sol como se costuma fazer quando se toma sua altura com o astrolabio. da Biblioteca da Ajuda. Regimento do Instrumento pa saber por elle a altura a qual- quer ora do dia. 63vs–64. que estão assinalados no dito meridiano e onde a equino- cial (que he hũm circolinho delgado. q̃ se vay movendo pello meridiano as- sinalará nelle os graos. REGIMENTO DA ALTURA A QUALQUER HORA DO DIA 123 Regimento do Instrumento pa saber por elle a altura a qualquer ora do dia. q̃ he no lugar onde se fizer a operação. fls.2.7. q̃ aja sol. ou pa o Sul. o que feito a pontinha do dito circulo. q̃ está cravado nos principios das diclinações) for cortada naquelle mesmo tẽpo do meridiano mostrará a hora e minuto. ou acima della segundo for a declinação pa o Norte. Figura 2. Ponhasse a diclina nos graos da diclinação do sol. .4: Instrumento de Lavanha segundo Simão de Oliveira 86 João Baptista Lavanha. e fixa assy a declina movasse o circolo em q̃ ella está atravessada a hũa parte e a outra. De manra q̃ se sabe a altura a qualquer hora q̃ aja sol. se conhece a hora e no pee do Instrumento se alcança o q̃ Nordestea ou Norestea a Agulha ordinaria86 . abaixo da equinoccial. q̃ aja sol.

identificámos algumas diferenças entre ambos. aquilo que na descrição anterior seria a agulha fixa. Este processo permitia ainda conhecer a hora em que se tinha efectuado a observação. Lisboa: Pedro Crasbeeck. Em pri- meiro lugar. Na figura 2. 1606. o que se conseguia fazendo coincidir o respectivo meridiano com a linha Norte–Sul da agulha fixa: E pra todos estes Usos se advirta que o Instrumento se hade entor- nilhar com o perafuzo no pee do Instrumento te que o meridiano delle fique muy direito encima da linha meridiana do pee do Instrumento e cõ ambos concorde a linha de Norte Sul da Agulha fixa.5 podemos observar essa parte do 87 Lavanha. proposto por Pedro Nunes e também mencionado por Lavanha. E neste presente se lhe tire o tornilho q̃ leva de ferro. extraída da obra mencionada. no texto de Simão de Oliveira não é mais que um cartão graduado. Diz que já anteriormente ensinara a construir a armila. q̃ poderá fazer dano às Agulhas e se lhe ponha outro de latão. destinada a medir a altura do Sol. que na realidade não é mais que um anel náutico. fl. 64. Existe um texto da autoria de Simão de Oliveira88 que menciona um instrumento. Regimento do Instrumento pa saber por elle a altura a qualquer ora do dia. continua a sua descrição dizendo que o mesmo teria também uma armila. No entanto.124 CAPÍTULO 2.4 mostramos a imagem desse cartão. q̃ aja sol. Arte de Navegar. atribuído pelo autor a Lavanha. representando o horizonte. Esta é outra das diferenças entre ambas as descrições: enquanto que no regimento autógrafo do cosmógrafo-mor se refere que a altura do Sol se obtinha com a medeclina. Contudo. Na parte inferior da figura 2. movimentava-se o círculo em que ela estava. aqui usa-se um instrumento que dispensa esta peça. 88 Simão de Oliveira. João bautista Lauanha87 . Simão refere que este instrumento de Lavanha serve para determinar a declinação da agulha. para que fosse possível efectuar este procedimento era necessário que o instrumento estivesse devidamente orientado. de modo a que a luz do Sol entrasse pelas pínulas. Esse mesmo círculo teria um ponteiro que ficava a apontar para o valor da altura do pólo. A partir daí. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA O processo consistia em começar por fixar a medeclina em função do valor da declinação do Sol no dia em causa. Contudo. Em Madrid a 18 de Março de 608. que se assemelha à descrição anterior. E porq̃ o instrumto se faz muy depressa e por artifices não muy praticos sendo o elles se poderá melhorar muito e ajustar com mais precisão as obser- vações. .

uma nor- mal e uma fixa89 . ele diz que o seu objectivo é determinar a declinação magnética. Mas as analogias ficam-se por aqui. Simão de Oliveira não menciona. Simão de Oliveira não explica o uso deste instrumento. nem representa nas figuras.5. Finalmente. REGIMENTO DA ALTURA A QUALQUER HORA DO DIA 125 instrumento. não era normalmente necessário medir a altura do Sol. Figura 2. As analogias que encon- tramos entre a descrição do regimento de Lavanha que estamos a analisar e a descrição de Simão de Oliveira são: existência de duas agulhas. para esse fim. .5: Instrumento de Lavanha segundo Simão de Oliveira 89 Num dos casos esta é simplesmente representada por um cartão. um instrumento para medir a altura do Sol estando este último ligado à agulha fixa.2. uma dioptra. ainda sobre o cartão colocava-se uma outra peça. as outras partes móveis que permitiam conhecer a latitude e a hora.7. que tinha uma agulha magnética no seu centro. Ora. Como acima afirmámos. representado na figura 2. que se encaixaria sobre o cartão. conforme se vê na parte superior da figura 2.4. embora existissem processos em que tal se fazia.

Códice 51-VII-11. nas instruções que preparou para Gaspar Jorge do Couto. que consultámos na Bibloteca da Ajuda. no sentido de procurar obter dados mais precisos. que é praticamente igual a este. da Biblioteca da Ajuda. Maria Emília Madeira Santos analisou este assunto91 . Estes casos pontuais de recolha de informação reflectem essa mesma preocupação. o principal motivo que levou Lavanha a sugerir esta exploração. Apesar de estarmos em presença de um texto curto. «O problema da segurança das rotas e a concorrência luso-holandesa antes de 1620». existe mais um pequeno texto90 com instruções para uma missão que poderíamos classificar como levantamento hidrográfico. o seu conteúdo está relacionado com assuntos abordados em várias outras secções deste capítulo. no sentido de melhorar o rigor da informação contida nos mesmos. Trata-se de um texto não datado. foi procurar locais de abaste- cimento em regiões que não eram frequentadas pelos Holandeses. Assim.8 Regimento da Costa do Cabo Negro Na mesma compilação de documentos. A existência de várias situações em que se nota uma preocupação em obter dados de cariz náutico vem reforçar a hipótese que levantámos quando foram analisados os roteiros. nem assinado.126 CAPÍTULO 2. A ligação deste regimento com as instruções para o licenciado é total. Esta exploração não se sobrepunha com aquela que fora levada a cabo em 1578. Regimto q̃ parece se deve guardar no descobrimto e descripção da costa do cabo negro té o de boa esperança. em especial sobre regiões onde se notavam maiores lacunas de informação. p. Optou-se pela região do sudoeste africano. não restam grandes dúvidas que o seu autor seja o próprio Lavanha: o tipo de letra. Consultou certa- mente o texto no regimento dado ao licenciado. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA 2. como dissemos. Tarefa semelhante à do licenciado foi aquela que foi cometida ao piloto que embarcaria numa nau holandesa. . usando terminologia actual. pois este texto repete-se naquelas instruções. Dissemos que o papel de Lavanha foi essencialmente de coordenação. 90 João Baptista Lavanha. podemos ligá-lo às instruções para recolha de dados similares na região do Senegal. cerca de duas páginas e meia. 91 Santos. Porém. sendo o seu tema central a recolha de dados de interesse náutico numa determinada região. De acordo com as suas palavras. por Manuel Mesquita Perestrelo. o conteúdo do texto e acima de tudo o facto de o cosmógrafo ter transcrito o mesmo. com alterações muito ligeiras. Recordemos que a sua missão era recolher dados para corrigir os roteiros existentes. 142.

Todo este processo se teria iniciado em 1606. mas numa outra compilação de documentos: Reverendo bispo ettc. Biblioteca da Ajuda. . cod. doc. de acordo com um pequeno documento que a autora trascreveu. escrita a 31 de dezembro de 1606. » que se centrara na costa sueste.8.6: Última página do «Regimento da Costa do Cabo Negro. João baptista Labanha meu cosmograffo mor me deu o papel que hira com esta em que aponta que em falta de as nãos da Jndia não hauerem de thomar a j lha de santa Maria poderão fazer auguada na terra da cafraria que esta entre os cabos negro e de boa esperãça da parte do ponente emcomendouos que ordeneis que no Conselho da Jndia se ueia o dito papel e se tome jmformação dos pilotos e mais pesoas da carreira da jndia e dos mais que parecer de tudo o que nelle se aponta e assi se vera se os papeis de manoel de mesquita tratão deste ponto e do que se achar e parecer ao dito conselho se fará consulta e me enuiareis com o uoso. 152–153. pp. e que também se encontra na Biblioteca da Ajuda.2. . A autora faz uma análise detalhada de todo o processo ralacionado com a exploração daquela costa. REGIMENTO DA COSTA DO CABO NEGRO 127 Figura 2. 211 92 . . 51-VIII-18. 443 fol.. Apresenta um breve resumo do regimento que Lavanha teria promulgado com as instruções para essa missão: 92 Ibid.

O Regimento definitivo dado a Gaspar Jorge do Couto tem a data de 13 de Março de 1608 e foi publicado em Documentos Remetidos 93 Santos. e que as observações fossem feitas em terra firme. Junto dos naturais pro- curaria obter notícias sobre as minas de ouro e qual a distância de uma à outra costa93 . Na localização de água potável. . exigia-se idêntico rigor. muito semelhantes a estes. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA O regimento. ficamos a saber que viu estas instruções no regimento dado a Gaspar Jorge do Couto: Biblioteca da Ajuda. com que identifica a sua fonte. certamente para obviar os inconvenientes do balanço dos navios. e na sondagem dos fundos. sugeriu que se usasse um quadrante de grandes dimensões. Para garantir que se conseguia um elevado rigor na determinação da latitude dos locais. assinado por Baptista Lavanha recomendava que a prospecção e o levantamento cartográfico deviam ser feitos com todo o pormenor. sendo a menor divisão da escala da ordem dos cinco minutos de arco. Acrescentamos apenas à transecrição anterior mais um elemento que vem reforçar essa ideia. uma dúvida. p. «O problema da segurança das rotas e a concorrência luso-holandesa antes de 1620». tinhamos imaginado fazer uns comentários. ao texto de Lavanha. A nossa abordagem centrar-se-ia na preocupação em registar a informação com o máximo rigor possível. A descrição que a autora faz. Também neste caso o explorador devia subir os rios informando-se sobre a direcção dos seus cursos. 24 de Janeiro de 1608. 51-VII-11. Uma constante nas instruções dos explorado- res da costa ocidental era o inquérito sobre o sertão e notícias das minas do Monomotapa. pelo que se torna redundante estar a repeti-los. local das nascentes e época do ano em que se verificavam as cheias. A escala da carta seria em passos para que se pudesse avaliar quais os melhores pontos para levantar forti- ficação. coincide com o texto que estamos aqui a analisar. «Regimento que deve guardar o Licenciado Gaspar Jorge do Couto na viagem que ora vay fazer a India por mandado de Sua Magestade».128 CAPÍTULO 2. usando para tal escalas grandes nas cartas. cod. Antes de termos lido este excerto da obra de Maria Emília. Seguidamente transcreveremos o texto das instruções. 143. fol. Em nota-de-rodapé. A leitura do excerto anterior colocou-nos. Cuidados especiais seriam tomados ao descrever e cartogra- far os portos que apresentassem boas qualidades para escalas náuticas e estabelecimentos comerciais. 84-86. no entanto.

uma vez que o texto se repete em ambos. Aquele manuscrito que aqui analisamos não é assinado. Na figura 2. Tal é perfeitamente compreensível. 216-21894 . onde se constata que o mesmo não tem data nem assinatura. porém.8. Sabe-se. 143. que no ano seguinte o assunto foi avaliado no Conselho da Índia. nenhuma dessas refe- rências informa que existem duas versões do mesmo texto.◦ . Maria Emília não faz. Além disso.6 apresentamos imgem da parte final do respectivo manuscrito. Não se pode esclarecer se nesta primeira proposta Lavanha apresentou logo o seu regimento.. Nesta análise surgiu-nos. Con- forme já acima indicámos data de 1606 a primeira referência a uma iniciativa de Lavanha. conforme referimos no início. . E aquela que é datada é a que se encontra inserida nas instruções para o licenciado. no entanto. nenhuma menção à existência deste ma- nuscrito que repete a informação contida nas instruções para Gaspar Jorge do Couto. com intenção de explorar esta costa. nem datado.2. no estudo que vimos seguindo. Porém. p. 1. afirma que o texto é assinado. REGIMENTO DA COSTA DO CABO NEGRO 129 vol. uma dúvida: qual a data efectiva deste texto do regimento? As várias referências que a ele encontrámos na literatura indicam que o mesmo é de 1608. p. Mais uma vez nos socorremos de um documento transcrito e analisado por Maria Emília Madeira Santos: Com esta enujo a Vossa Magestade huma consulta do Conselho da India que vj en despacho sobre se uer se na terra da Cafraria da banda do poente entre o cabo negro e o cabo de boa esperanssa se poderão fazer augoada as naos da India conforme ao que João bautista Labanha apontaua no seu papel que Vossa Magestade me mandou de que nella se trata e paresseme o mesmo que nella se aponta sobre a forma en que se deue fazer esta deligencia para se descobrirem os portos da Cafraria porem lembro que conviria mandar se Vossa Magestade informar se per vja de Angolla se poderia fazer este descobrimento com mais facilidade e com mais resguardo e porque tomarem as nãos Santa ilena ou euitarse lhes que a não tomem depende do que se entender despois de proceder esta deligencia me parece que por ora não ha que tratar hesta matéria e que conforme aos portos que se acharem e ao modo de que se puder usar delles se uera a ordem que se deue dar as naos e porque tambem o descobrimento das minas de menomotapa depende das nouas que vierem da India como já escreui a Vossa Magestade tem aprouado e 94 Ibid.

em 1606. e do qual mostrámos aqui um documento. Assim. percebe-se melhor a existência de um texto isolado. As descripções dos portos. 184 95 . avançamos com uma proposta de uma possível datação diferente. q̃ se possão medir a pes e passos. de tão grande compasso. que decorreu ao longo de 1607. 51-VIII-18. façãosse aparte. E porq̃ sendo o grao deste tamanho será o papel da descripção muy grande. aproveitou as instruções dadas ao licenciado para nelas incluir também este regimento. e de grandeza. repartasse toda em seis. ou mais como parecer. q̃ parecerem capazes. [24 de Maio de 1607]. para q̃ nelles se 95 Santos. a quem a fizer. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA declarado o numero de nauios e de gente que se ha de empregar nesta conquista me parece que isto se não deue alterar ate a uinda das naos do anno que vem Vossa Magestade resoluera en tudo o que for seruido. em mto mayor forma. Estamos perante um documento que não diz explicitamente que Lavanha já teria redigido estas instruções. cod. se faça descripção. doc. q̃ seja ao menos cada grao de um palmo para q̃ assi se possão assinalar todos os particulares com grande destinção. e acomodados para o comercio. p. 443 fol. é muito possível que desde logo tivesse re- digido as respectivas ordens. A partir de todos estes dados. Deus guarde etc.130 CAPÍTULO 2. que aparece reproduzido num outro mais abrangente. . Biblioteca da Ajuda. «O problema da segurança das rotas e a concorrência luso-holandesa antes de 1620». que é exac- tamente aquela que aqui abordamos. Tendo Lavanha sugerido. ou oyto taboas. para a sua efectivação. Segue-se a transcrição do texto do regimento: Regimto q̃ parece se deve guardar no descobrimto e descripção da costa do cabo negro té o de boa esperança Do q̃ se descobrir desta costa. que se explorasse aquela região. Porém. para a primeira versão deste texto. um passo do mesmo indicia que entre a documentação que o cosmógrafo preparou estava este mesmo regi- mento: «conforme ao que João bautista Labanha apontaua no seu papel que Vossa Magestade me mandou de que nella se trata e paresseme o mesmo que nella se aponta sobre a forma en que se deue fazer esta deligencia para se descobrirem os portos da Cafraria ». Não tendo conseguido que fosse enviada uma expedição exclusivamente dedicada a esta tarefa. Ou poderia ter escrito as mesmas durante o processo administrativo de aprovação da proposta. e recolhimto de Navios. 143.

e para este efeito. disenhandoas com diligencia notando a bondade da aguoas. Em todas as partes em q̃ se tomar terra. as quaes podendo ser (para o q̃ se fação todas as diligencias possiueis) se tomẽ em terra. e aduertindo com differentes disenhos as variedades. uista por outros Rumos. por meyo das Taboas referidas. De todos os Cabos. Notesse cõ mta vigilancia. todos os surgidouros. dos Animaes. q̃ tem os pouoadores daquellas partes do mar da India da outra banda q̃ he o de Çofala. dos seus tratos. no ql se conheça com distinção a duodecima parte de um grao pello menos. e cõ as cores. em um liuro as conhecenças. se tragão notadas as alturas e eminencias delles. quietos. e fazer fortalezas. as fontes. Das pouoações daquelles Cafres. a calidade delles. as braças dos seus fundos. e sinaes. q̃ estas forem fazendo das ordinarias. De toda esta costa se tirem à parte. e cõ grande sossego da embarcação. se obserue a differença das Agulhas ordinarias. ou do sitio se nao possa passar descreuendo suas ribeyras de uma e outra parte e a forma dellas. té o lugar. experimentando se se afixão por aquella costa. e tomando informação de seus nacimtos e correntes. Bayas. Informense tambẽ da noticia. e .2.8. costumes. e parece q̃ seria conueniente hir nesta companhia. a ql achandoas de qlquer metal. e tendo delle conhecimto da distancia (medida ao seu modo) q̃ ha de um ao outro. Bocas de Rio e baixos. dos seus mantimtos . q̃ se estimão aduertir nos Roteyros. Armas. com q̃ se representarão à vista assinalando o Rumo per q̃ se fizer a tal conhecença. por meyo de linhas meridianas ou não as podendo assinalar em terra. e se tẽ algum do Reyno de Monomotapa. Ritos. REGIMENTO DA COSTA DO CABO NEGRO 131 considerem os sitios. Angras. se notẽ cõ grande precisão as Alturas do Polo. e não se podendo fazer estas obseruações em terra. debuxandoas em grande forma com mta particularidade. e em q̃ tempos do anno crecem. se entre com a embarcação q̃ a altura delles consentir. notando quanto nordesteão. Nos Rios q̃ se acharẽ nauegaueis. Moçambique e Mombaça. em q̃ se poderà pouoar. ou ribeyras em q̃ se pode fazer Aguoada. E assi se levẽ dous pares de Agulhas de Luis de Fonseca. & notando as madres de taes rios. notando com cuydado o lugar donde se tirou. para se tornar a buscar sendo de consideração a mina. donde por falta de agua. e assi todas as mais cousas. como para serẽ menos erradas. usando das taboas q̃ para este effeito ordeney. embarcações. e pouoações q̃ por ellas se uirem com seus nomes. q̃ fizer aquella parte da carta. das Aues. tomando a do Sol com um quadrante grande. traga a terra dellas para se fazer cá o ensayo. façãosse no mar. para se hir notando a variedade. he necessario. e de suas minas. uma pessoa q̃ entenda dellas. Portos.

97 Eu El Rey faço saber a voz Belchior Roiz que hora envio por Capitão da Caravella Nossa Sra dos Remedios q̃ Eu ey por bem que guardeis o Regimento seguinte. não temos nenhuma evidência que Lavanha tenha tido uma acção directa na elaboração destas instruções. Estas novas instruções têm muitos pontos em comum com as anteriores. . aproveitou todas as oportunidades para promulgar instruções no sentido de ser testado esse processo no mar. da Biblioteca da Ajuda. No final do mesmo. A questão das agulhas de Luís da Fonseca é mais um caso desses. Por esse motivo. em 1613. e por confiar de vos q̃ me servirieis nisso a minha satisfação ey por bem de vos encarregar deste descobrimto e vos mando que nelle guardeis o Regimento seguinte. Magde para dellas ordenar o q̃ for mais de seu seruiço96 . e despois q̃ foi descoberta (cõ differentes intentos) se não ter della perfeita noticia. em 1613. para explorar aquela região. Contudo. Nos anos em que La- vanha foi acérrimo defensor do processo. Nalguns parágrafos notamos transcrição quase integral do texto de Lavanha. Códice 51-VII-11. Aliás. que temos vindo a analisar. com as instruções sobre o modo de efectuar essa missão específica98 . tenho ordenado q̃ se descubra e Reconheça cõ muita particularidade. deverá também ser efectuada a exploração daquela costa do sudoeste de África. q̃ todas se mandem a esta Corte a S.132 CAPÍTULO 2. surge a indicação de que em complemento a essa viagem. É muito pouco provável que esta costa tenha sido explorada por Gaspar Jorge do Couto. e de boa esperança q̃ tera trezentas e cinquoenta legoas de comprido poderá ser de importância pra mtos effeitos de meu serviço. para que se note que as mesmas teriam sido inspiradas nas palavras que o cosmógrafo escreveu. se fação muy particulares Relações. Regimto q̃ parece se deve guardar no descobrimto e descripção da costa do cabo negro té o de boa esperança. 98 Eu El Rey faço saber a voz Belchior Roiz Cavalleiro do habito de Christo q̃ por se ter entendido que a terra da Cafraria da parte do ponente entre os cabos Negro. não dedicaremos a estas a mesma atenção que tivemos com as outras. desta feita para Belchior Roiz. O primeiro contém as instruções para a viagem de Belchior Roiz para a Índia97 . Só assim se compreende que alguns anos mais tarde. tenham sido promulgadas novas instruções. Também estas instruções existem no mesmo conjunto de documentos. 96 Lavanha. Segue-se outro regimento. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA de todas as mais cousas notaueis e estranhas da terra. da Biblioteca da Ajuda. existem dois documentos relativos a esta exploração. Começámos esta secção referindo que este pequeno texto contém elemen- tos que são comuns a vários outros que analisámos neste capítulo. Códice 51-VII-11. Apenas faremos uma ou duas transcrições. e do mar.

O aspecto inóspito da costa. da Biblioteca da Ajuda. se tivermos em conta que quando foram promulgadas as instruções para Belchior Roiz já se tinha percebido que este processo não fazia sentido. «O problema da segurança das rotas e a concorrência luso-holandesa antes de 1620». 1628 apresentar 27 topó- nimos naquele troço do litoral africano. e não as podendo usar em terra. constitui- ria uma defesa natural a qualquer estabelecimento de europeus100 . Maria Emília fornece-nos a sua opinião sobre o facto de esta expedição se ter realizado. ou não: Desconhece-se se esta exploração chegou a realizar-se. 157vs. e que neste essa indicação é omitida. A densidade dos topónimos é muito semelhante àquela que se pode observar na costa sudeste. notamos que o texto é praticamente o mesmo. como he necessario para serẽ menos erradas99 . fl. Concordamos com este ponto de vista. 144. visto a carta de África de João Teixeira Albernaz I (filho de Luis Teixeira) c. podendo deduzir-se daí que foi objecto de idêntica prospecção. sinal de que este é cópia do anterior. O próprio Lavanha já não acreditava na validade do mesmo. A existência de tantos topóni- mos na cartografia da região é indício de que a mesma teria sido fruto de explorações dedicadas.2. Escolhemos propositadamente este parágrafo pois o mesmo fornece-nos informações bastante interessantes. notamos que no anterior existia referência às agulhas de Luís da Fonseca. 100 Santos. Percebe-se perfeitamente esta opção. comparando-o com o seu equivalente no regimento que acima transcrevemos. mas o certo é que se adquiriu um conhecimento pormenorizado da costa entre o cabo Negro e o cabo da Boa Esperança.. usareis das taboas q̃ para este effeito ordenou João Bapta Labanha q̃ levareis convosco. REGIMENTO DA COSTA DO CABO NEGRO 133 Seguidamente apresentamos um parágrafo destas últimas instruções: Em todas as partes em q̃ tomardes terra obseruareis a differença das agulhas ordinarias notando qto nordesteão. Esta situação ocorre ao longo de grande parte do texto. . 99 Ibid. por meyo de linhas meridianas.8. No entanto. Em primeiro lugar. explo- rada por Mesquita Perestrelo. porém. as fareis no mar por meyo das ditas taboas surtos e cõ grande sossego da embarcação. e não se podendo fazer estas obseruações em terra. p.

encontramos nestes trabalhos de Lavanha assuntos que ele também mencio- nou nos textos que mereceram análise em capítulos específicos. Nesta secção apresentaremos os textos que Lavanha redigiu com objec- tivos didácticos. Uma vez que essas matérias se cruzam amiúde com a náutica.7: Primeira página do Compendio de la Geografia. muitas vezes faremos alusão a estes estudos noutros capítulos desta tese. apre- sentamos um resumo de cada um dos textos que escolhemos. .134 CAPÍTULO 2. na Academia de Madrid. este é o resultado das suas aulas específicas de náutica. . . destacando a sua parte náutica.9 Textos didácticos Figura 2. também deveríamos incluir aqui o Tratado del Arte de Navegar ! No entanto. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA 2. Aqui. merecendo um capí- tulo especial dada a profundidade com que algumas questões náuticas são desenvolvidas. Obviamente que em rigor. Aqueles textos que aqui trazemos têm como intento princi- pal transmitir um conjunto de ideias gerais essencialmente sobre geografia e cosmografia. Aliás.

«Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. no capítulo dedicado à vida e obra de Lavanha. Já dissemos. 425a-425c.7 imagem da primeira página do mesmo. Vol. para atribuir a sua autoria a Lavanha: A Descripcion de la Tierra com que abre a obra tem um texto precisamente igual ao do Compendio dela Geografia ordenado por el erudito baron Juan Baptista Lauaña existente Biblioteca Nacional de Madrid101 . Deixaremos para o final da secção o referido manuscrito. Uma vez que o seu conteúdo está repetido noutro texto que aqui ana- lisaremos. que es otro tanto. treinta Minutos.2. Não vamos perder muito tempo com estas definições. 428a-428d. 427a-427d. quanto los Polos suyos distan de los de la Sphera. Refere quais são os principais círculos dessa esfera. 426. . que este texto data de 1613. existente na Biblioteca Nacional de Madrid. p. Passa em seguida para a descrição do mundo. . que corta la Equinoccial en angulos oblicous. sobre o qual nos debruçaremos em seguida. Reprodução fac-similada da edição de 1960. o Austral. 75. com sete fólios. e assim sucessivamente até 440a-440d. TEXTOS DIDÁCTICOS 135 O primeiro dos textos que incluímos nesta categoria de didácticos tem por título: Compendio de la Geografia ordenado por el erudito baron Juan Baptista Lauaña. Em: Portugaliae Monumenta Cartographica. la qual es Septentrional. . figuras geométri- cas assim como algumas noções de trigonometria. Este apartamiento del Zodiaco de la Equinoccial se llama Declinacion. segun se apartare de la Equinocial azia uno de los Polos. . Começa por apresentar definições geométricas básicas. Apresenta o mundo como sendo redondo e explica essa forma com base em conceitos filosóficos. vale a pena ver a definição de Zodíaco que neste texto apresenta: Zodiaco es otro circulo Maximo Oblico. Atlas—Cosmografia. Est. . por conside- ramos que é o mais rico em termos de conteúdo náutico entre todos aqui estudados. atribuído a Lavanha. No entanto. ao analisar um outro manuscrito. Trata-se de um pequeno manuscrito. 1597 e 1612». de trinta e duas folhas. . de la qual lo mas que se aparta para entrambas partes son veinte tres Grados. 101 Avelino Teixeira da Mota. 1987. existente em Turim. usa o facto de neste último se transcrever na íntegra o Compêndio. e é dedicado ao Príncipe Real. 429a-429d.9. Vamos agora ver com algum detalhe qual o seu conteúdo. Deixamos na figura 2. Teixeira da Mota. iv. não nos vamos preocupar mais com este trabalho. Lisboa: Imprensa Nacional–Casa da Moeda.

também mistura as suas características: «porq̃ nelle estão os 12. No entanto. Este último usa mesmo a expressão: «zodíaco ou eclíptica». ou muito próximo dela.136 CAPÍTULO 2. como uma linha traçada na superfície da esfera. Ora os signos estão sobre o Zodíaco. Valentim de Sá e Manuel de Figueiredo também o fazem. Pedro Nunes usa uma definição muito semelhante a esta de Lavanha. Descripcion del universo. além de considerar as palavras equivalentes. Considera o Zodíaco como um círculo. Esta faixa é dividida a meio. que é uma faixa. Apesar de nos dias de hoje a definição que considera o Zodíaco como um círculo nos parecer pouco rigorosa. o Sol está sempre sobre a eclíptica. 15–16. Para ocorrer um eclipse. 103 Em rigor. Códice 09251 da Biblioteca Naci- onal de Madrid. . . que é uma linha. E daqui parece ho erro dalgũs que falando em astrologia: dizẽ que os signos 102 João Baptista Lavanha. . pp. Por exemplo. 102 . Seguidamente esclarece que todos os círculos são linhas. & nelle se fazẽ os eclipses da Lũa e do Sol». enquanto que os eclipses ocorrem o Sol e a Lua se encontram sobre a eclíptica103 . Esta definição. com doze graus de largura. para todos os efeitos. la qual divide por medio una linea dicha Ecliptica (porque debaxo della se eclipsan el Sol i la Luna) e por lo largo se reparte en doze espacios llamados signos de treinta Grados cada uno. de Zodíaco como círculo (embora não seja uma linha). Indica mesmo qual a distância angular entre essa linha e a equinocial. tendo também o cuidado de realçar que se está a chamar círculo a algo que é uma faixa: Ha outro circulo na esphera que corta a equinocial: e ella tanbem ho corta em duas partes iguaes: hũa metade delle declina pera ho norte: e ha outra pera ho sul: chamasse este circulo zodiaco . designada por eclíptica. em dia de Lua Nova ou de Lua Cheia. não é exclusiva de Lavanha. considerando as duas palavras como equivalentes. Esta última é que realmente é um círculo máximo. por uma linha. pois esta corresponde à linha sobre a qual o Sol faz o seu movimento anual aparente. E posto que todolos outros circulos da esphera se imagi nem como linha ou circunferencia: ho zodiaco porem auemos de entender como superficie que tem doze graos de largura: dos quaes graos ja falamos. ou seja. ela era certamente bastante comum na época. . . excepto este que abrange uma faixa. a Lua em que se encontrar também sobre essa linha. este solo se considera con anchura de doze Grados. signos. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Todos los circulos se imaginan como lineas.

No entanto.8. representada na figura 2. p. O modelo de universo que apre- senta é o aristotélico-ptolomaico. seys graos de hũa banda e seys da outra: se chama linha ecliptica. pelas mesmas razões filosóficas. .2. Curiosamente. 16.s. e tem este nome: porque quando ho sol e a lua estão debaixo desta mesma linha he eclipse do sol ou da lua104 .9.8: A parte celeste na Descripcion del Universo sam quadrados. A linha que parte o zodiaco em duas partes . Explica que na Antiguidade apenas se consideravam oito esferas no céu. também a esfera celeste terá que o ser. Tal como o mundo tinha que ser redondo. enquanto que 104 Nunes. o facto de se terem detec- tado irregularidades no movimento da oitava esfera levou à necessidade de se «acrescentarem» mais duas esferas ao universo. Obras. considerou apenas as dez esferas envolvidas nos movimentos dos astros. Tratado da Sphera. TEXTOS DIDÁCTICOS 137 Figura 2. Astronomici Introdvctorii de Spaera Epitome. Saluo se vsando mal do nome: a hũa mesma cousa chamão quadrada e de quatro cantos: porque ho signo tem trinta graos de longo e doze de largo. na ima- gem que Lavanha inseriu neste texto.

cinco horas e pouco mais de três quartos de hora. Começa por dizer que o Sol descreve um movimento anual sobre a ecliptíca. Noutro capítulo voltaremos 105 Para aplicação deste conceito de lugar do Sol. além dessas a esfera dos anjos.9: A parte celeste no manuscrito de Turim Explica os movimentos dos diversos astros. conforme podemos constatar na figura 2. O lugar do Sol é a posição do Sol. expressa em graus percorridos desde o início de cada signo105 . Lavanha apresenta uma tabela com os lugares do Sol para cada dia do ano de 1612. para cada dia. Figura 2. Como os signos são doze. Nesse movimento.9. Para nós interessa-nos ver o que ele refere do movimento do Sol. . com uma duração de trezentos e sessenta e cinco dias. o Sol vai percorrendo os diferentes signos do Zodíaco.138 CAPÍTULO 2. Uma vez que o conhecimento do lugar do Sol era fundamental para vários cálculos da náutica. considera-se que cada grau ocupa exac- tamente trinta graus sobre a ecliptíca. nomeadamente para o conhecimento da declinação do astro. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA no manuscrito de Turim considerou. tal implica que estes cobrem os trezentos e sessenta graus da ecliptíca.

que para los dos signos superiores sirven los Grados de la primera rueda. Estas horas mantinham. con tal orden. Refere ainda a influência que os diferentes planetas têm. que ele apresentou na Descripcion del Universo.2. Após dedicar várias páginas a explicar a parte celeste. i conocesse por esta Tabla siguiẽte. em relação à linha que une os solstícios e em relação à linha que une os equinócios para colocar numa tabela os valores que teria que colocar em quatro: La Declinacion del Sol. Os valores desta coorde- nada são apresentados para os lugares do Sol a intervalos de trinta em trinta minutos de grau. passa para a parte elementar. a duração dos dias naturais e dos dias artificiais e a variação destes em função da latitude do observador. Descripcion del universo. que es en los puntos de los Equinoccios. Fala no movimento dos planetas inferiores e explica porque motivo ocorrem os eclipses. consoante os dias. Conforme referimos. ou seja. na época de Lavanha. p. Para já. alguma utilidade em termos astrológicos. Chama-se também a atenção para o facto de Lavanha ter optado por apresentar as suas tabelas segundo um modelo circular. serviendo cada rueda para los quatro signos en ella señalados.10. quando comparamos os valores que Lavanha aqui apresenta com outros que ele teria calculado em anos diferentes. para cal- cular a respectiva declinação. principios de los signos de Aries. o lugar do Sol servia. em doze horas cada um. mostramos apenas a tabela. i Libra) es la misma que de la Ecliptica.9. . Diz o que são ascensões rectas e ascensões oblíquas e a relação destas com o nascimento e o ocaso dos astros. Seguem-se diversas explicações sobre a divisão do ano. en treinta Minutos. TEXTOS DIDÁCTICOS 139 a estas tabelas. Essa tabela encontra-se representada na figura 2. Menciona as horas desiguais que derivam do facto de na antiguidade se dividir sempre o arco diurno. Mais uma vez a tabela surge numa forma circular. que es su apartimiento de la Equinocial (a la qual quando llega no tiene Declinacion. i en las tres de en medio estan los Grados i Minutos de la Declinacion de los doze signos. e o arco nocturno. 27. referente ao primeiro semestre de 1612. surge a parte dedicada à declinação. Logo após as tabelas com o lugar do Sol e as explicações sobre como usar as mesmas. entre outras coisas. en la qual la primera i quinta rueda es de los grados de la Ecliptica de treinta. i para los inferiores los Grados de la quinta106 . Chama-se elementar 106 Lavanha. aquela que fica no mundo sublunar. Outra característica que é típica dos textos de Lavanha é aproveitar a simetria que a ecliptíca apresenta.

como são os trópicos e os círculos polares. Água. Dedica alguma atenção à esfera do Ar. que também se organizam em esferas. assim como outros círculos menores. meridiano. quando comparada com a dimensão do universo. considerando que cada grau de círculo máximo mede dezassete léguas e meia. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Figura 2. horizonte. Passa para as esferas da Terra e da Água. referindo que ambas têm o mesmo centro. Descreve os círculos que se podem representar na esfera terrestre: equi- nocial. Afirma em seguida. Desta.140 CAPÍTULO 2.10: Tabela com o lugar do Sol na Descripcion del Universo pois nela encontramos os quatro elementos: Terra. Diz qual a dimensão dessa esfera. Informa que a equinocial é a referência para medir a latitude e que o meridiano se usa para medir a longitude. que apesar deste tamanho. o que implica uma circunferência de seis mil e trezentas léguas. deduz que o diâmetro da Terra será de pouco mais de duas mil léguas. Ar e Fogo. certamente pelo facto de ter sido esta a referência para delimitar o meridiano de Tordesilhas . Refere que as longitudes se medem a partir das ilhas de Cabo Verde. explicando o fenómeno dos ventos. a Terra pode ser considerada como um ponto.

debaixo do círculo polar ou no espaço entre esta linha e aquele ponto. que lo seran tambien los Meridianos: Pero no se suelen señalar en el Globo dela Tierra mas que ciento y ochenta Meridianos começando de las Islas de Cabo Verde comprehendiendose entre uno i otro un Grado de la Equinoccial. ou seja. Aqui. trópicos e círculos polares. templadas e frias. Explica que aqueles que vivem na mesma latitude. no se ha de termos respecto a este numero cierto de Meridianos. delimitam as regiões climáticas.2. que es el apartamto que tiene el Meridiano del lugar cuya longitud de qiere saber. . ou seja. A explicação que ele dá para a determinação da longitude não é muito clara. i del se ha de tomar la distancia al Meridiano de las Islas107 . designam-se Antecos. Tem um capítulo que intitulou: «De otras propriedades i nombre de los habitadores de la Tierra». ou entre esta e um tró- pico. Descripcion del universo. 56. que ele designa como: tostadas. a 107 Lavanha. i estos son inumerables. Para a zona tostada distingue três casos: debaixo de um dos trópicos. mas no texto que analisaremos adiante. siguesse necessariamente. del me- ridiano de las Islas de Cabo Verde. De referir que todas as explicações são acompanhadas com desenhos que ilustram os vários casos. Quanto aos círculos menores. Realce-se no entanto. mas esta de sinal oposto. a duração dos dias e das noites está «invertida».9. con la qual diuision queda ella repartida por todos sus trezientos i sessenta Grados. de que fora acérrimo defensor. que não faz qualquer alusão ao processo proposto por Luís da Fonseca. neste capítulo. contada esta distancia dellas azia el Oriente. As horas são exactamente as mesmas em ambos os lugares. Os dias têm exactamente a mesma duração. I para medir las Longitudines. mas com um desfasamento de doze horas entre cada um. nega mesmo a sua validade: El Meridiano muestra la longitud de los lugares. sino descriviendo por el lugar cuya Longitud se busca su Meridiano. No caso de dois lugares com a mesma longitude e o mesmo valor de latitude. debaixo da equinocial. ignora-o. I porque este circulo se descriue en la Tierra por los lu- gares. Ex- plica com algum detalhe aquilo que os habitantes de cada uma dessas zonas poderão observar ao longo do ano. como vimos anteriormente. o meio-dia de ambos ocorre em simultâneo. i en el cielo por sus pontos Verticales. p. Também para as zonas frias considera três situações: exactamente no pólo. em ambos os locais. mas com uma diferença de cento e oitenta graus de longitude se designam por Periecos. No entanto. TEXTOS DIDÁCTICOS 141 e estando esta questão ainda por resolver.

Tal como a equinocial. conforme se avança em direcção aos pólos. também estes paralelos se dividem em trezentos e sessenta graus. particulares. Informa que além dos círculos menores.142 CAPÍTULO 2. chamam-se antípodas a dois locais em lugares opostos da Terra. sendo normalmente estes marcados de grau em grau. uma vez que o tamanho de cada paralelo vai sendo cada vez menor. Finalmente. ou seja. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Figura 2.11: Tabela com o lugar do Sol na Descripcion del Universo duração do dia num local corresponde à duração da noite no outro e vi- ce-versa. em minutos e segundos de grau . assim o comprimento dos respectivos graus vai diminuindo. acima descritos. Fornece uma tabela que dá comprimento de um grau de paralelo. Neste caso. No entanto. com a longitude desfasada de cento e oitenta graus e a latitude com o mesmo valor mas em lados opostos em relação ao equador. Alerta para o facto de que se pretendermos usar os paralelos para medir distâncias temos que ter em conta esta redução dos respectivos graus. as horas têm um desfasamento de doze horas de um local para o outro e a duração do dia num local é igual à duração da noite no outro. se podem considerar paralelos ao equador.

Passamos em seguida para o terceiro dos textos que classificamos como didácticos e que consideramos como o mais interessante de todos. Contudo. nas respectivas áreas. em termos de informação náutica tem alguns dados muito interessan- tes. Porquê esta classificação? Em primeiro lugar. para todos os paralelos. 1597 e 1612 aparentemente Mota tem algumas dúvidas sobre a autoria do texto e sobre a respectiva datação. Como podemos constatar pelo título do referido estudo Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. No entanto. O estudo começa com a descrição do manuscrito. Quase que podemos falar em duas obras distintas. que nos permitem perceber opiniões de Lavanha sobre certos assuntos. porque se trata de um texto elaborado por dois autores. TEXTOS DIDÁCTICOS 143 no equador e em léguas e «minutos» de légua. Fornece das tabelas. existente na Biblioteca Reale. uma boreal e uma austral. A inclusão do manuscrito nesta obra dedicada à cartografia resulta do facto de o mesmo conter várias cartas.9. que redigiu o estudo que acompanha o manuscrito. Este texto termina com um capítulo sobre os climas. . para as notas que aqui redigimos sobre o manuscrito. optou por inserir o seu conteúdo integral. Para acedermos ao conteúdo deste manuscrito consultámos os Portugaliæ Monumenta Cartographica.2. do seu tempo. Seguimos basicamente o mencionado estudo de Teixeira da Mota. Mas duas obras que se complementam perfeitamente. Ficamos a saber que se trata de um manuscrito em pergaminho. E que se podem considerar dos melhores especialistas. Explica que para se determinarem os climas. Cada clima é designado pela indicação de um local. Logo. Essa tabela está representada na figura 2. de trinta e duas folhas. Importa realçar que algumas dessas opiniões resultam da reflexão profunda dele sobre esses assuntos. importa considerar paralelos onde a duração do maior dia artificial é superior em um quarto de hora à duração do mesmo dia no paralelo adjacente. escolhido entre aqueles que se encontram mais próximos do seu paralelo central. Atlas—Cosmografia.12. dois nas extremidades e um intermédio. a diferença na duração do dia artificial mais longo entre os extremos de cada clima será de meia hora. incluindo portanto os fólios que não contêm cartas. Por outro lado. ao ler o estudo verificamos que o seu autor procura esclarecer o melhor que pode estas dúvidas. Designa-se por clima uma faixa contendo três destes paralelos. Teixeira da Mota.

Promis. Catarina. Trata-se de um texto de V. «Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. Vari 221». Podem. Atlas—Cosmografia. 73.12: Proporção dos paralelos em relação ao equador Segue-se um pequeno resumo do conteúdo de cada um dos fólios. em 1597. de trinta e duas folhas. . assunto que adiante retomaremos. Figura 2. p. 1597 e 1612». É composto por trinta e duas folhas: «. com a cota «Mscr. no entanto. . Promis conclui-se que o atlas teria sido começado para ser oferecido a D. 108 Mota. Teixeira da Mota apresenta algumas conclusões sobre o manuscrito: Em resumo. desenhos e regras cosmográficas e pequenos textos ge- ográficos e náuticos. menciona a primeira referência que encontrou ao manuscrito. como vamos ver. datado de 1926. vindo a ser concluído em 1612. Terminada esta descrição do conteúdo do manus- crito. e não estaria ainda acabado quando esta morreu. Após uma transcrição um pouco extensa do texto de Promis. levar-se mais longe as conclusões. do que diz V. . A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Turim. tudo manuscrito e iluminado108 ».144 CAPÍTULO 2. contendo cartas.

com os respectivos nomes). importa referir que tudo aponta para que essa parte seja devida a Luís Teixeira. . Catarina. como já vimos em secção anterior deste capítulo. Dos indícios conclui também que pelo menos o planisfério teria sido desenhado ainda em vida de D. A explicação de Teixeira de Mota é tão clara que não resistimos a transcrevê-la aqui na íntegra. pp. contém referências especiais à determinação da va- riação da agulha por meio das tábuas de amplitudes ortivs e occíduas. povoações. o texto geográfico inicial (folhas 1v-2v) e toda a parte cosmo- gráfica (desenhos e textos) no verso das folhas109 . Segue-se a identificação do autor a outra parte. foi o inventor desse método e tá- buas110 . O texto Dela Aguia de Marear. verificando-se que o seu autor tinha uma noção exacta da independência entre a variação da agulha e a longitude».2. No entanto. As numerosas rodas cosmográficas são 109 Ibid. identificada como a) na transcrição anterior. o mapa-mundi e o desenho das linhas costeiras das cartas no rosto das folhas. pormenor significativo. 74–75.9. aquilo que realmente torna este comentário interessante é o facto de nem sempre ter sido essa a postura de Lavanha. TEXTOS DIDÁCTICOS 145 Antes de mais nada deve apontar-se que trabalharam no atlas duas pessoas distintas e de estilos bastante diferentes. pois Lavanha. b) a outra executou tudo o restante. desenvolvem-se ideias que coincidem precisamente com o que vem escrito nos capítulos correspondentes do Tratado da Arte de Navegar lido por Lavanha na Academia de Madrid em 1588. Segue-se um texto em que se explica quem teria sido o autor da parte cartográfica. tem muito interesse. 110 Neste local. etc.. cujas partes respecti- vas as diferenciam facilmente: a) uma fez o planisfério. folha 30v. como vimos aos tratar das suas obras. ou seja a parte geográfica das cartas do rosto das folhas (rios. Adiante desenvolveremos aquilo que Lavanha diz sobre este assunto. nas folhas 12v e 13v. No texto Dela Carta de Marear na folha 31v. as quais são figuradas. apesar de pequeno. no manuscrito que agora estudamos. A Descripcion de la Tierra com que abre a obra tem um texto precisamente igual ao do Compendio dela Geografia ordenado por el erudito baron Juan Baptista Lauaña existente na Biblioteca Nacional de Madrid. sob a forma de rodas e para as latitudes de 34o a 44o . No entanto. podendo ter contado com a colaboração de seu filho João. Estamos plenamente de acordo com o autor destas palavras.. Teixeira da Mota coloca a seguinte nota-de-rodapé: «Este texto. Não interessa desenvolver muito esse aspecto aqui. montes. apesar de ser um pouco extensa: Vejamos agora o que respeita ao autor dos textos e desenhos cosmo- gráficos e da cartografia do interior.

nas partes que atribui a Lavanha. com a outros documentos autógrafos dele. .146 CAPÍTULO 2. de trinta e duas folhas. por volta de 1611 ou 1612. Lavanha não adiantou mais nada. constitui claro testemunho de valor ci- entífico e das qualidades didácticas do grande cosmógrafo português. «Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. Teixeira da Mota termina com este breve resumo do conteúdo do atlas: Este atlas. e que podemos estender ao estu- dado na secção anterior. pois a última obra tem um carácter mais elementar por se destinar a um príncipe de seis anos de idade. Catarina. que no aspecto cosmográfico é a mais desenvolvida obra de Lavanha que nos chegou. aliás a letra do códice de Madrid é claramente igual à do texto e parte cosmográfica do atlas de Turim. pp. Síntese bastante interessante deste texto. Teixeira da Mota comparou a letra dos atlas. 75–76. Com a morte da princesa. 112 Ibid. p. Iniciado por inciativa de Lavanha. decidiu terminar o atlas e oferecer-lho. Catarina ainda vivia. Os respectivos conteúdos são prova das excelentes qualidades didácticas de Lavanha. que numa linguagem simples mas rigo- rosa transmite os principais conceitos geográficos e cosmográficos em vigor na sociedade do seu tempo. de 1613. Tendo acompanhado o príncipe numa viagem. Em Madrid teve como discípulo o Príncipe Felisberto Emanuele de Sabóia. para melhor evidenciar tal analogia111 . o cosmógrafo teria entregue a parte cartográfica a Luís Teixeira. justificando o renome que no seu tempo ele deu à Academia de Madrid e o interesse que soube suscitar pelas ciências que ensinou112 . quando D. 12 repro- duzimos algumas rodas da Descripcion del Vniverso. Assim se explica a sua existência na Biblioteca de Turim. parente de D. embora com certas diferenças de conteúdo. Os dois parágrafos que se seguem são dedicados a explicar aquela que parece ser a história mais verosímil do manuscrito.. provavelmente por encomenda. para concluir que existem inúmeras analogias na forma de diversas letras. que iniciou os trabalhos. 1597 e 1612». 111 Mota. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA claramente do mesmo tipo e desenho daquelas que vêm na Descrip- cion del Vniverso. Atlas—Cosmografia. Na Fig. com o seu texto. o que aponta para que também este tenha sido redigido por ele. e muito provavelmente da mão do próprio Lavanha. 76.

sobre assuntos cosmográficos. Alguns desses textos serão objecto de comentá- rios noutros capítulos. Como ponto de partida seguiremos o resumo que Teixeira da Mota faz de cada um dos fó- lios. Encontra-se dividido em cinco capítulos: Europa. representando o mencionado continente. assim como uma pequena parte do Norte de África. vamos resumir neste parágrafo a parte cartográfica. normalmente acompanhados de imagens. de uma forma mais deta- lhada a generalidade das costas representadas nesta carta geral. encontramos uma carta ge- ral. . Aliás. Uma vez que estamos apenas interessados em «metade» da obra. Começa essa parte cosmográfica com um pequeno texto que intitula Des- cripcion del Vniverso. assim como as respectivas imagens. descrevendo todas as costas da Europa do Sul.9. e estendendo-se para Oriente até à península arábica. Seguem-se diversos textos. no fundo de um fólio. Assim. . um delas em dois hemisférios. Começando no Mar do Norte. Ásia. . constatamos que o que ali se representa é a faixa atlântica que banha a Europa Ocidental. isto é a indicação da direcção relativamente a outro local indicado. Se centrarmos a nossa atenção na parte marítima. entrando em seguida no Mar Negro. descrevendo também as respectivas costas. a terminar a parte intitulada Descripcion de la Tierra e um planisfério. surgem também no texto que ele redigiu para o jovem Filipe iv. o Mediterrâneo e o Mar Negro.2. Existem duas representações do mundo. representam. Verifica-se também que muitos dos textos deste atlas. As restantes cartas. Quanto ao texto propriamente dito. na região dos Países Baixos. Neste último capítulo apresenta uma listagem das principais ilhas conhecidas nos diversos mares e oceanos. Mundo Nuevo e Isolaria. em virtude de os assuntos neles apresentados serem também referidos por Lavanha nos textos aos quais dedicamos capítulos es- pecíficos. TEXTOS DIDÁCTICOS 147 Passemos em seguida a analisar o conteúdo do atlas. África. e que acompanha de um esquema do modelo ptolo- . Podemos afirmar que a restante cartografia pretende representar essencialmente a Europa e os mares que com este continente confinam. do Norte de África e do Próximo Oriente. o conteúdo de todo o texto segue esse modelo: indicação dos diferentes locais e o seu posicionamento relativo. vão descendo pela Biscaia e costas ibéricas. começa com a Descripcion de la Tierra. Seguem-se o Mediterrâneo. Já anteriormente referimos que o conteúdo desta descrição é exacta- mente igual ao do Compendio de la Geografia ordenado por el erudito baron Juan Baptista Lauaña.

y su Mediacion de Cielo. dellas quales a imitacion de los Pasados formaram à su modo doze Imagens que son: .dc. Declinacion. que tiene de la Ecliptica hazia los Polos. i assi juntas estas 117 estrellas con las 1597. Latitudines &c. que organizaram. Já antes fizemos alusão a este esquema. terminando com a explicação da tabelas que mostra e a definição de cada uma das coordenadas nela apresentadas: Los expertos Navegantes desta edad descubrieron en la parte Aus- tral ignota a la Antiguidad 117 estrellas. 7vs. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA maico do universo. de acordo com imagens que imaginaram no céu. e as de sexta grandeza são três vezes menores que a Terra. e observado. en este Año de m. No texto explicativo. 113 Mota. Divide as estrelas em seis grandezas. .148 CAPÍTULO 2. la Declinacion es el apartameo de la Equinoccial hazia uno. la Ascension recta es el Arco de la equinocial desde el Equinoccio Vernal hasta el Horizonte recto donde nace la Estrella. com diversos elementos relativos a algumas estrelas fixas.9. Latitud. el grado de la Ecliptica con el qual viene al Meridiano113 . nas mesmas constelações. em constelações. «Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. Mediacion del Cielo. Longitud de una estrella es el Arco de la Ecliptica contado segun la sucession de los signos desde el Equinoccio Vernal hasta la Estrella. Assim. Os modernos astrónomos descobriram outras estrelas. Trata-se de uma tabela. su Latitud es la distancia. Atlas—Cosmografia. o otro Polo. Todo este conteúdo se encontra também no texto de apoio às lições de Filipe iv. hazen suma de 1714 que es el numero de las que asta aora se an conecido. . Ascension recta. de trinta e duas folhas. fl. Dellas estrellas se escogieran 40 cujas Longitudines. múltiplo do tamanho da Terra. O longo título fornece uma visão geral do conteúdo da tabela e do texto que a acompanha. van senaladas en la Tabla superior. A parte que se segue não tem equivalente na obra Descripcion del Uni- verso. que represen- támos na figura 2.xii segun las precisas observaciones de Tycho Brahe. Refere ainda os contributos dos navegantes para aumentar o número de estrelas conhecidas. O título da tabela é: Tabla dela Longi- tud. e para cada grandeza considera um tamanho para as estrelas. afirma que as es- trelas de primeira grandeza são sessenta e oito vezes maiores que a Terra. . começa por referir que na Antiguidade se identifi- caram e listaram um determinado número de estrelas. estampa 428 c. 1597 e 1612». Naturaleza y Grandeza de xl estrellas fixas. Segue-se uma esfera armilar e um pequeno texto des- crevendo os principais círculos da esfera. em forma circular.

Note-se ainda. Postura idêntica assumimos em relação ao tema seguinte.2. para os anos de 1612 a 1615. Trata-se de um tema que desenvolveremos noutros capítulos em que faremos os comentários respectivos ao que ele diz neste texto. que na obra Descripcion del Universo incluiu tabelas equivalentes a estas. Não vale a pena detalhar a informação que ele aqui passa. mas em formato circular. deixamos a sua análise para os capítulos dedicados a esses trabalhos. que é a Tabela dela declinacion dela Ecliptica de 5 en 5 minutos. que as duas tabelas abordadas neste parágrafo são os dois únicos casos em que ele não usou tabelas circulares. TEXTOS DIDÁCTICOS 149 Segue-se uma tabela de lugar do Sol.13: Roda com ascensões rectas no atlas de Turim As duas tabelas que se seguem aparecem em ambos os textos didácticos que temos vindo a analisar em conjunto. Porque se trata de um tema de elevado interesse para os homens do mar.9. Figura 2. mas sim tabelas «clássicas» com linhas e colunas. para a latitude de Madrid. . e que é tratado noutros textos de Lavanha. De referir apenas. Trata-se de tabelas de ascensão recta dos pontos da eclíptica e de ascenção oblíqua dos mesmos pontos.

importa destacar alguns detalhes.13 mostramos a tabela do atlas de Turim. então as tabelas foram adaptadas a essa realidade. a partir de . que poderiam ter que usar os valores numa faixa mais extensa de latitudes. a forma de apresentar os valores está invertida. surgiu-nos a dúvida se deveríamos analisar as tabelas do atlas de Turim aqui. pois o texto de Lavanha é um bom exemplo das suas excelentes qualidades pedagógicas. Contudo. enquanto que na figura 2. que apenas poderão ter utilização prática durante as aulas. Vejamos como começa a exposição do assunto: Por esta tabla se conoce la Amplitud Ortiva de los Grados de la Ecliptica. a partir de . O primeiro está relacionado com esta opção por incluir nestas tabelas apenas valores aplicáveis a Madrid. seria necessário providenciar tabelas que abrangessem essa faixa. para apresentar a mesma informação de formas diversificadas. Como vimos anteriormente.15 mostramos uma das duas tabelas que ele dedica às amplitudes. Na figura 2. e os signos crescendo para o interior. Na figura 2. Isto porque foi Lavanha o inventor deste processo. Teixeira de Mota considera que estas tabelas são um forte argumento a favor da tese que defende de que este texto foi redigido por Lavanha. ou deixá-las para o capítulo dedicado ao tema? Optámos por estudar o tema neste capítulo. Outro aspecto a considerar é que embora o conteúdo seja igual em ambas as tabelas. Por esse motivo. estando certamente muito à vontade com o conteúdo das mesmas. usado para determinar a declinação da agulha de marear. Se os textos fossem destinados aos homens do mar. será tema de um dos capítulos deste estudo. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA pois trata-se de assuntos do âmbito da astronomia teórica. Isto significa que Lavanha não se limitava a copiar este género de tabelas. de zero até trinta.14 podemos ver a tabela da Descripcion del Universo. Assim. Este assunto. ou noutros casos a uma faixa de latitude que abrange mais ou menos a Península Ibérica. El qual quando está en los Equinoccios señala en el . ou algures na península. na primeira das tabelas temos no círculo mais exterior os valores dos graus dentro dos signos. e como estas decorreriam em Madrid.150 CAPÍTULO 2. o del Sol. Já no texto dedicado a Filipe iv o círculo com os graus é o mais interior e os signos crescem para o exterior. Trata-se de tabelas de amplitudes ortivas e oc- cíduas do Sol. Segue-se uma das tabelas mais interessantes deste texto: Tabla delas Amplitudines dela Ecliptica. Mas como se trata de textos didácticos. das tabelas de amplitudes.

14: Roda com ascensões rectas na Descripcion del Universo Horizonte dos puntos (en que tambien la Equinoccial le corta) uno de los quales es el Verdadero Orto.9. i si del Orto o del Occaso al Mediodia sera Austral. que si es de la parte del Orto es Ortiva. 12vs. segun que de los Equinoccios aze su curso por los Signos Septentrionales. fl. i unas i otras crecen i minguam segun el Movimiento del Sol i variedad de Horizontes114 . i el Verdadero Orto o Occaso. o azia el Mediodia. 1597 e 1612». i sera Septentrional si fuere del Orto o del Occaso azia el Septentrion. TEXTOS DIDÁCTICOS 151 Figura 2.2. o por los Australes: I este tal apartamiento entre el Sol. Son iguales en una Latitud las Amplitudines de quatro puntos de la Ecliptica igualmente distantes de los Equinoccios i las Ortivas son iguales a las Occiduas (aunque en rigor ai alguna diferencia. de trinta e duas folhas. i si de la del Occaso es Occidua. Destes dos puntos se vai apartando el Sol azia el Septentrion. estampa 431a. 114 Mota. Atlas—Cosmografia. . medido por el mismo Horizonte se llama Amplitud. e el otro opposito el verdadero Occaso. «Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. pero inconsiderable) en un mismo dia.

existem sempre quatro pontos que verificam essa condição. de uma forma clara e compreensível.152 CAPÍTULO 2. mencionando que a amplitude é função do lugar do Sol e da latitude do observador. Fora desses dias. Refere ainda que num mesmo dia a amplitude ortiva é igual à occídua. para Norte ou para Sul dos pontos cardeais menciondos. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA Figura 2. occídua à tarde. Explica que esse ângulo entre o Leste. mas que a mesma é insensível. rectifica essa informação. Refere que para uma mesma latitude existem 4 pontos da eclíptica (isto é quatro dias distintos por ano) em que uma dada amplitude se repete. tal acontece por- que para uma dada distância aos equinócios. Termina resumindo as condições que estão subjacentes à construção da tabela. em função da sua declinação. ou o Oeste. e tem o ocaso. isto é. nasce. Ensina que o Sol só nasce exactamente a Leste e tem o seu ocaso a Oeste nos dias dos equinócios. percebe-se que Lavanha está comple- . Do exposto no parágrafo anterior. Como ele indica. dizendo que existe uma ligeira diferença. se designa amplitude: ortiva de manhã. Aliás. e a direcção onde o Sol nasce. ou se põe.15: Roda com amplitudes ortivas Está cá tudo.

este texto não se destina a pilotos. a parte «final» da explicação não se encontra aqui. ele diz que basta arredondar esse valor para o grau mais próximo. q̃ es el Rumbo de Tramontana Mediodia. i con mas certeza por el Sol. TEXTOS DIDÁCTICOS 153 tamente a par de toda a mecância envolvida no processo de variação da amplitude ao longo do tempo. Vale a pena alertar ainda para outra peculiariedade. Situação semelhante se aplica ao valor do lugar do Sol. Tem o cuidado de chamar a atenção para o facto de que os valores de amplitude obtidos para determinada latitude poderem ser usados para a lati- tude imediatamente superior ou inferior. a explicação não deveria terminar aqui. i no señalando el Meridiano. a primeira para valores de latitude de 34. Refere que usa duas tabelas. Conocer esto muignestean[sic] los navegantes por medio della Estrella Polar. Para um navegante. o único interesse destas tabelas é determinar a declinação da agulha. porque de otra manera no acertará con el Puerto. Isto porque a variação de um grau de latitude não influencia significativamente o valor da amplitude. pois a entrada na tabela é feita por graus inteiros. Neste caso. Logo. i que notadas con cuydado. de aquel Dia. E acima de tudo. Para q̃ esta va- riedad se conosca precisamte en Tierra hai muchos modos. quando Lavanha fala na agulha de marear: Empéro como por la variedad de la Aguja. i por las Tablas passadas. al tempo de su Orto e Occaso. i los mas platicos. No entanto. com estrutura igual.2. e Occidua en la propuesta Altura. En la mar conocida la altura del sitio donde quiere hazer esta observacion. no muestre ella precisate el Meridiano sino en los parajes em que se afixa. mas i menos. es necessario que el Navegante conosca continuamte las Variedades que la Aguja le vá haziendo cada dia. sendo dois ascendentes e dois descen- dentes. i por el su Ampli- tud Ortiva. mas sim mais adiante. embora as tabelas que fornecem os valores desse lugar o apresentem em graus e minutos. aplicado a Puerto de Santa Maria. que ha de llevar. 42 e 44 graus. sabe passar essa informa- ção de um modo claro. errara notablete . explica a forma como as tabelas foram construídas. devendo continuar a explicar o proce- dimento a ser seguido até atingir esse valor da declinação. Por esse motivo. como vimos. todos los otros no tienen su verda- dero sitioi el que se governare por elles. 36 e 38 graus e a segunda.9. No parágrafo que se segue. Termina a explicação das tabelas com um exemplo prático. Ensina que cada roda com valores de amplitude é válida para quatro signos. el Lugar del Sol. i en las demas Gre- guiza i Maestriza. pongase el mostrador de . para latitudes de 40. dee en respecto del- las el resguardo conveninente a la Derrota.

• Tabla delas horas del nacimo del Sol en Lat. • Tabla delos dias artificiales para latitud de 40. hazia el Septentrion. 30vs. estampa 440a. o Mediodia. que immobil asi la caxa de la Aguja. de 37. «Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. • Tabla delas horas del nacimo del Sol en Lat. • Tabla del Dominio de los Planetas en las horas desiguales. contados por los del Limbo de la caxa de la Aguja. Atlas—Cosmografia. • Tabla delas horas desiguales para Latitud de 37. lo que Greguiza. Gr . Segue-se um conjunto de capítulos que também encontramos na Des- cripcion del Universo. de trinta e duas folhas. i quede en el dicho Grado el Mostrador. o Maestriza. Daí que o seu interesse seja relativamente marginal para o tema central do nosso estudo. • Tabla delas Dignidades Essenciales de los Planetas. Gr . asta q̃ los Rayos del Sol. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA la Aguja (que para este uso se ha ordenado) sobre otros tantos Grados. al Nacer. elle mostrara con la puntilla que tiene debaxo de la flor de Lis. Que aspectos vale a pena realçar? Em primeiro lugar. • Tabla delos dias artificiales para latitud de 37. e por ellos se ver el Sol. se mueva la caxa a la redonda. Trata-se de diversos assuntos relacionados entre si. Gr .154 CAPÍTULO 2. Gr . que Teixeira da Mota classifica como «rodas cosmográficas» nas quais expõe diversas caracteríticas que de- pendem essencialmente do movimento do Sol. Gr . en los Grados que estan señalados dentro de su caxa. Trata-se de um conjunto de elementos que não eram usados na condução dos navios. Portanto. o al Poner (que es el tiempo en q̃ se ha de hazer esta operacion) entren por los Agujeros de las pinulas del mostrador. . de 40. Lavanha apresenta um grupo de tabelas. • Tabla delas horas desiguales para Latitud de 40. Acompanha essas rodas das respectivas explicações. Gr . 1597 e 1612». i si se afixa115 . fl. quantos son los de la Amplitud. seguindo-se algum comentário que considerarmos mais pertinente. não lhe dedicare- mos muita atenção. destaque-se o facto de que mais uma vez Lavanha se preocupa em fornecer tabelas que servissem 115 Mota. segun seja La Amplitud Septentrional e Austral. Apresentaremos uma listagem dos títulos dessas rodas.

Normalmente essas as horas de ocorrência da preia-mar são tabeladas.9. de la Letra Dominical. a última delas não aparece na Descripcion del Universo. neste contexto didáctico. consegue-se determinar com algum rigor a hora em que ela ocorre para os restantes dias dum ciclo lunar. e em função das horas desiguais. As três tabelas que se seguem tratam de temas que não constam da Des- cripcion del Universo.2. num dado local. TEXTOS DIDÁCTICOS 155 para as latitudes da Península Ibérica. no entanto. O seu afastamento em relação à Lua Nova real nunca era muito grande. para os vários dias da semana. • Tabla de las fiestas movibles. de la Indiccion. del Ciclo Solar. Mas como ele próprio informa. no caso da última. de las Epactas. Na prática. As marés são bastante in- fluenciadas pelo movimento da Lua. Seguem-se os respectivos títulos: • Tabla del Aureo Numero. E estas regras conduziam ao cálculo de uma Lua Nova «convencional». Os assuntos nelas abordados não têm exactamente relação directa com a condução da navegação. consegue-se fazer um planeamento das horas da preia-mar para cada dia. • Tabla de Lunas i Mareas. Sem entrar em muitos detalhes aqui. pois o assunto será explicado noutro local. Contrariamente ao que acontece com as restantes tabelas da enumeração anterior. mas muitos textos de náutica tinham tabelas com estes dados. É. não valia a pena preocupar-se. necessária outra tabela. com excepção do último assunto—Marés. ao longo do ano. Fora dessa faixa. No capítulo em que analisarmos o Regimento Náutico explicaremos detalhadamente todas estas questões. vamos tentar expor o nosso ponto de vista. No atlas de Turim. Assim. Tratam basicamente daquilo que poderemos classificar como assuntos de calendário. para a penúltima tabela. Aqui queremos apenas realçar que Lavanha faz uma abordagem simplificada aos assuntos. Trata-se de tabelas que abordam um assunto algo marginal em relação aos restantes temas expostos: mostram a influência astrológica dos planetas. Isto apesar de nos parecer que existe uma ligação entre as duas últimas tabelas. nomeadamente na parte das marés. com as datas da Lua Nova. se para cada mês for conhecida a data da Lua Nova. trata-se das datas da Lua Nova de acordo com as regras da Igreja. se esse movimento for conhecido. e a hora a que nesse dia ocorre a preia-mar. mas poderia existir uma . Lavanha apresenta uma.

Nesta página que dedica a este assunto. temos as seguintes tabelas. Aqui não a apresenta. A estas imagens. Cardano e finalmente na última. Assim. uma segundo a Igreja e outra segundo os astrónomos.156 CAPÍTULO 2. Segue-se mais uma figura. como por exemplo a expli- cação da origem dos ventos. seguindo os Espanhóis e Italianos. Segue-se mais uma página de texto. Já anteriormente re- ferimos que na Descripcion del Universo ele também trata deste assunto. . e respectivas explicações: • Tablas de Paralelos e Climas Septentrion. segue-se um texto que intitula De los Vientos. Esta última é que servia para o cálculo das marés. Segue-se mais um conjunto de tabelas que apresentam valores que variam em função da latitude do observador. Daí que no Regimento Náutico Lavanha tenha fornecido duas tabelas de Luas Novas. os navegantes antigos. E algumas das ideias repetem-se nos dois textos. quando se abordaram as tabelas de amplitudes. Aliás. em ambos diz que os ventos ocorrem devido às exalações provocadas pelo calor do Sol e das estrelas. • Tablas de Paralelos e Climas Australes. e outra para determinação da hora da preia-mar para os vários dias de um ciclo lunar. ou a influência que dadas estrelas e planetas têm sobre as características dos ventos. No entanto. desta vez dedicada à agulha de ma- rear. • Tabla de Proporcion delos Paralelos. E com estas terminam as tabelas em que Lavanha apresenta valores cal- culados em função de determinados argumentos de entrada. Assim. como por exemplo a referência às diferentes designações que os ventos tiveram ao longo do tempo e em função dos locais. e intimamente relacionado com elas. segundo a Igreja. Vitrúvio. Também já foi mencionada neste capítulo. Ne- las representa as designações dos ventos segundo: Andrónico. na qual mostra cinco rosas-dos-ventos. repete matérias que encontramos noutros textos seus. razão pela qual lhe vamos dedicar os próximos parágrafos. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA diferença de um ou dois dias. E mais uma vez existem conceitos que se repetem. a última das tabelas que estamos a analisar contém na realidade duas tabelas independentes: uma para a data da Lua Nova. o seu conteúdo contém mais outros as- pectos bastante interessantes. Também abordou o tema dos ventos nas lições que conhecemos através do Tratado del Arte de Navegar.

Seguidamente informa que as agulhas não apontam sempre segundo a linha Norte–Sul. afirma que aqui a agulha nordestea. aze en otros parajes casi la mayor variedad. Assim. Os nomes que no Mediterrâneo se davam às direcções Nordeste e Noroeste eram respectivamente Griego e Maestro.2. al contrario debaxo del Meridiano onde varia. não servindo portanto para com ela se conhecer a longitude: No son estas variedades regulares. notava-se que a agulha ia nordesteando. ou seja. ele usa duas palavras pouco comuns para designar a declinação magnética: «Greguizar» e «Maestrizar». aunq̃ algunos lo han inventado infelicemente. i en otras no tanta. No entanto.9. como piensan algunos. voltando a anular-se em Havana. enquanto que se o desvio for para Noroeste. ni tan poco tocar la Aguja de manera que no varie. nos Açores. Antes son tan irregulares que debaxo del meridiano del Paraje donde se afixa. anulando-se entre Malaca e as Molucas. de dezasseis graus. La causa destas differencias tan notables i irregulares. Começava a diminuir até se anular no Cabo das Agulhas. Diz que os homens do mar têm palavras para designar essa diferença. percebe-se facilmente a sua origem. ne cor- respondiendo iguales diferencias á iguales distancias. o efeito designa-se por «Nordestear» ou «Greguizar». ni decline del Meridiano en ninguna parte del Orbe. 116 Também se costumava dizer noroestear. Começando pelas costas da Europa. indicando as cores que geralmente se usavam para distinguir as diferentes direcções da mesma. na região de Goa. TEXTOS DIDÁCTICOS 157 Começa por explicar como se constrói uma agulha de marear e a res- pectiva graduação. consoante a respectiva direcção. e para o Atlântico Sul. Ensina a graduar a rosa-dos-ventos. como se dizia na época. Afirma que esta variação é irregu- lar. Diminuía novamente. se afixa. baseando-se nas informações do pilotos. a agulha não apresentava declinação. era fixa. A partir aí voltava a nordestear. quando as agulhas se desviam para Nordeste. no se ha alcançado asta agora. Partindo desta região para Leste. O que este texto de Lavanha tem realmente de interessante é a opinião dele sobre o comportamento das agulhas. Curiosamente. Esse ângulo entre a direcção da agulha e a linha Norte–Sul varia em função dos locais. Seguidamente passa a explicar a forma como varia a declinação no es- paço. . Em seguida noroesteava até se voltar a anular no Corvo. A partir daí pas- sava a noroestear atingindo o seu maior valor. Algumas léguas a Oeste da Ilha do Corvo. num local entre a Ilha da Trindade e Tristão da Cunha. atingindo o valor má- ximo nessa direcção. designa-se por «Norestear»116 ou «Maestrizar».

o Verticales. o que pierde la virtud el toque. se puede tocar la Aguja de manera que sea fixa. em Madrid. sino aquella por la qual se navego i constó por experiencia ser cierta. estampa 440a. Porque como en ella los Meridianos. o por otra causa occulta buelue la Aguja a variar como las demas117 . ainda que indirectas. distancias. nalgumas partes do texto transcrito adivinham-se referências. Finalmente. É deveras interessante esta passagem com as ideias de Lavanha. em ambos os ele considera cinco usos para a carta de marear. «Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. i della. e que no toda Derrota de un lugar a otro se deve de tener por buena. Recor- de-se que cerca de meia dúzia de anos antes ele era acérrimo defensor da «Agulha Fixa» de Luís da Fonseca Coutinho. pero no universalte . que ficasse el sitio e los lugares. i de las observaciones que se han hecho contra. con los Meridianos. principlmente las may septentrionales i las mais Australes. contudo. a experiência deve ter-lhe provado que estava errado. No capítulo dedicado ao Tratado del Arte de Navegar explicaremos quais eram esses usos. surge um capítulo sobre a carta de marear. Queremos. No entanto. Trata-se mais uma vez. A informação que ele coloca neste texto. fl. de apenas uma página de texto. Atlas—Cosmografia. I desta causa procedo no hallar el Navegante muchas vezes el lugar azia donde vá. 1597 e 1612». ao próprio Luís da Fonseca e às experiências que Lavanha teria levado a cabo. y sus distancias.158 CAPÍTULO 2. si- gue-se necessariamte . por en distancia de Leguas. A OBRA NÁUTICA DE LAVANHA i de su falsa imaginacion los ha desenganado la experiencia. i por tanto que muestre el Meridiano precisate sin variedad alguns. . Aliás. que usando del secreto. por la Derrota que señala la Carta. por la qual el le busca. i como tal se descrivio en la carta. quanto la posicion de los otros lugares a respecto de los otros Rumbos. daí que tenha tido a humildade sufi- ciente para mudar a sua opinião. que son los Rumbos de Tramontana Mediodia son todos paralelos (contra la verdad) i ellos sean la regla de las posiciones de los lugares segun la inclinacion de los otros Rumbos. que en la carta quedan debaxo de un Meridiano. 30vs. i derrotas de los lugares es menester observar i advertir que no todas las distancias son ciertas. i por no 117 Mota. i en el sitio. de trinta e duas folhas. alguns anos antes. Basicamente. destacar a forma como ele termina esta página dedicada à carta de marear: En estes usos de la Carta. é em grande parte repetição daquilo que ensinara na Academia de Matemáticas.

Note-se que Lavanha não apresenta soluções para o problema. i assi el remedio seguro es ir a demandar el punto por la Altura. Siguesse de la misma causa el estraño i disforme sitio. sendo que esses erros não se devem aos factores que normalmente se costumam considerar. que en los cortos como poco considerables no se notan tanto118 . Estamos na presença de uma chamada de atenção para os problemas da carta de navegar que estavam identificados desde Pedro Nunes. TEXTOS DIDÁCTICOS 159 saber la razon piensa q̃ el ierro procedio. . o de aver echado mal en la carta los puntos. o de la variedad dela Aguja. fl. i las falsas distancias dellas. estampa 440c. i los ierros que navegando por ellas se hazen en largos viajes. 118 Ibid.2.9. alertando que os navegadores podem tirar conclu- sões erradas sobre os resultados da sua prática diária. Contudo. o de las corrientes. identifica os inconvenientes da carta. i figura q̃ tienen en la Carta las costas muy Septentrionales i las muy Australes. 31vs.. mas simplesmente ao facto de a carta não representar exactamente a superfície esférica da Terra.

.

Está escrito com a mesma letra do primeiro. lector de Mathema- ticas y Cosmographo mayor del Rey N. Tem apenas o título: «De las Mareas». años»2 . fl. ii. do seu ponto de vista1 . 2 João Baptista Lavanha.or ». sendo dividida em catorze capítulos. segue-se o texto em que estamos particularmente interessados. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. ao qual se segue apenas uma linha de texto.r Ambrosio Onderiz. Tratado del arte de navegar. 328. Certamente faz esta última afirmação pelo facto de estar particularmente interessado em fontes sobre cartografia e neste texto Lavanha dedica alguns capítulos a esse assunto. A obra é composta por vinte e quatro folhas. O manuscrito integra um pequeno volume pertencente à Biblioteca do Palácio Nacional de Madrid. Tem escrito na lombada: Uso de globos. Seara Nova. Após este. p. Contribuição para um estudo completo. No meio do tratado encontram-se intercaladas duas folhas que nos ajudam na identificação do 1 Armando Cortesão.1 Descrição geral do manuscrito Considerado por Armando Cortesão como um dos mais antigos textos conhecidos de Lavanha. dal Señor Juão Battista Lauaña Mathematico del Rey Nuestro Señor en la Academia de Madrid a 14 de Março 1588. 20.Capítulo 3 Tratado del Arte de Navegar 3. Vol. 161 . Afirma ainda que se trata da obra mais interessante do autor. S. 1935. Certamente este título tem a ver com o facto de o primeiro texto do volume ter o título: «Uso de globos leydo en Madrid el Año 1592 dal S. Códice 1910 da Biblioteca do Palácio Nacional de Madrid. e começa com as seguintes palavras: «Començose a leer este trattado. O último destes está incompleto. encadernado em conjunto com outro manus- crito.

usámos a transcrição de Malhão Pereira como ponto de partida para a nossa. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR possível autor dos apontamentos. acima mencionado e que temos vindo a seguir. Posteriormente. é dedicado à cartografia e aos cartógrafos. Na outra página apresenta apenas a repetição da pri- meira linha da carta. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. das ditas imagens. por forma a ficar de acordo com as regras por nós seguidas. xviii. Cortesão informa-nos ainda que quem deu conhecimento deste códice. 5 Facultou-nos diversos elementos da sua investigação. o nono e o décimo. que publicamente aqui reconhe- cemos. pp. existem esboços de imagens semelhantes às que se encontram a ilustrar o tratado. e mais duas linhas de texto. usámos a transcrição de Cortesão como ponto de partida para a nossa transcrição do Tratado. Dada a se- melhança da letra deduz-se que todo o volume deve ter sido redigido por este aluno. Para esses capítulos. Experiências com instrumentos e métodos de navegação antigos. Um Livro de Marinharia do séc. Também o capítulo quarto foi já parcialmente transcrito por Malhão Pereira. Quanto à outra folha intercalada. pela primeira vez. Também Bruno Almeida analisou as relações entre Nunes e Lavanha. . Do mesmo modo. Sánchez Pérez também o analisou. no verso da mencionada carta. Ela tem. numa das páginas.162 CAPÍTULO 3. Camillo Madea. 328–329. Guia de Curiosos. Os capítulos em que o tratado está dividido são os seguintes: 1. Lisboa: Academia de Marinha. que também efectuou igualmente um breve estudo sobre os instrumentos descritos na parte que transcreveu4 . a assinatura de Camillo Madea. Uma vez que o estudo de Cortesão. na investigação para a sua dissertação de doutoramento5 . Na página seguinte. José Manuel Malhão Pereira. e de dimensões reduzidas. Ericeira: Mar de Letras. 2000 e José Manuel Malhão Pereira. Contribuição para um estudo completo. Em ambos os casos. 4 Cf. Note-se que se trata de esboços bastante simplificados. o texto de um parágrafo que aparece repetido na folha que se segue (sendo que esta já se encontra completa). ele decidiu transcrever nesse estudo os capítulos dedicados à carta de marear. aparenta ser uma folha que terá servido de rascunho. isto é o oitavo. Ambas as folhas contêm texto com letra semelhante ao restante manuscrito. Norte de Pilotos. Uma das páginas tem uma carta escrita em italiano e assinada por um aluno de Lavanha. inspirando-se em Navarrete3 . De la diffinicion del arte de nauegar 3 Cortesão. foi Navarrete. adaptámos o texto. 2008.

De la declinacion del .3. DESCRIÇÃO GERAL DO MANUSCRITO 163 2.1.

Como se allara la declinacion del . 3.

Como se allará la altura del polo por las alturas meridianas del . De los jnstrumentos com que se toma el altura del Sol 5. por jnstrumentos 4.

Na análise que se segue. já tinha sido notado por alguns investigadores. ao facto de se ter inspirado em Nunes. não encontrámos referência. No en- tanto. convém explicar o processo que iremos seguir nessa análise. De la distancia de la estrella Polar del Polo del mundo Artico 7. De las Mareas Seguidamente iremos fazer uma descrição detalhada do Tratado. Por outro lado. Como se descriuira la costa de la Mar en la Carta 10. De la tabla de que usã los nauegantes para allar lo que corresponde a cada grado de differentia latitudinal 12. Como se marcaran las agujas 14. antes de iniciarmos a mesma. De la Fabrica de la Carta de Nauegar y primeiramente de como se hande hechar los Runbos en ella. De los vientos 8. nas «Anotações gerais» no volume iv das Obras de Pedro Nunes. tentaremos identificar todas as ocorrências de ideias de Nunes copiadas por Lavanha. Este aproveitamento por parte de Lavanha das ideias do nosso primeiro cosmógrafo-mor. por parte de Lavanha. Henrique Leitão. 9. chamou a atenção para a influência dos textos deste junto dos autores espanhóis. Conforme procedíamos à leitura do texto de Lavanha fomos constatando que apresentava sistematicamente ideias que Pedro Nunes deixara expostas nas obras que publicou. 6. a partir de meados do século xvi. Vale a pena apresentar aqui os aspectos mais relevantes desses estudos. Depois de apresentar . De la aguja de Marear 13. Del uso de la Carta de Marear 11.

. . apresenta a seguinte afirmação: Para além dos nomes individuais. esta se alcança y tienese perfecto conocimento della con la spe- culativa y con la practica y esperiencia que nauegando se adquire de suerte que el perfecta arte esta no menos le son necessarias las groseiras observaciones del practico y destro piloto que las subtiles speculaciones del mathematico. 8 . . Leitão apresenta diversas outras situações em que Lavanha se teria ins- pirado directamente em Nunes. igualmente importantes. de que são testemunho as lições aí dadas em 1588 por João Baptista Lavanha6 . Obras. Começa por apresentar uma definição de Arte de Navegar. iv. Logo a seguir. 7 Ibid. . n. na Arte de Navegar: a teórica e a prática: . e que o curso de náutica por ele leccionado em Madrid era pouco mais do que um resumo e uma adaptação do livro de Nunes7 . Mencionaremos esses comentários quando apresentarmos os respectivos assuntos que Lavanha repetiu nas suas aulas. 69. Vol. . Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. p. 2008. 3.. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR uma listagem contendo vários nomes de cosmógrafos espanhóis. 561. as ideias e as obras de Nunes tiveram ainda um canal privilegiado de divulgação através das aulas na famosa Academia de Matemática de Madrid. Seguidamente Lavanha chama a atenção para o facto de se poderem considerar existirem duas componentes. p. Faremos uma análise mais detalhada desta opinião de Lavanha quando es- tudarmos o Regimento Náutico.2 Definição de Arte de Navegar O primeiro capítulo é relativamente curto. Tratado del arte de navegar. fl. uma vez que nessa obra Lavanha desenvolve 6 Pedro Nunes. Esta dupla qua- lidade da Arte de Navegar está presente em diversos textos de sua autoria. 20. 8 Lavanha.164 CAPÍTULO 3. De arte atque ratione nauigandi. 561. em nota faz um breve comentário ao Tratado del arte de navegar : Estas lições que Lavanha se inspirou profundamente no De arte atque ratione navigandi. Chama-se a atenção para esta afirmação de Lavanha.

estes dois ângulos são complementares. diferente daquela que usamos actualmente.3.3. DECLINAÇÃO DO SOL 165 mais essa ideia. Obviamente. Por outro lado. realçamos apenas o facto de que Pedro Nunes tam- bém fez esta distinção entre duas formas distintas de abordar a navegação. Para já. 3. la qual es de tanta grandeça de quanta fuere el arco de un circolo maximo que passe par los polos del mundo y por el centro del . a de distância polar: La declinaçion del Sol o de qualquer punto de la eccliptica es la distancia de la equinocial asta uno de los polos del mundo. Curiosamente. Tanto quanto sabemos. variando portanto na razão inversa um do outro. foi o primeiro a teorizar sobre este assunto. definimos declinação como a distância entre o equador e o astro. Nos nossos dias. chamamos distância polar ao ângulo entre o astro e o pólo. apresenta uma definição desta coordenada. A definição que dá para a declinação é.3 Declinação do Sol No segundo capítulo explica o que é a declinação do Sol. em rigor.

. . os valores do ângulo entre o equador e o astro10 . Figura 3. isto é. 9 Ibid. fl.1: Primeira imagem de Lavanha Apesar de usar esta definição.. 10 Este tipo de prática era comum naquela época. . 20 vs. depois quando apresenta os valores da declinação usa aqueles que efectivamente correspondem a esta coordenada.. Era comum a utilização indiferenciada da expressão altura para designar tanto a distância ângular entre o horizonte e o astro. 9 .

Ensinou na Universidade de Bolonha. 17 Domenico Maria Novara (1454–1504). 14 Lavanha refere-se muito provavelmente a Alcméon de Crotona. Curi- osamente. • Dominico Maria17 — 23o 290 . • Almeon14 — 23o 330 . As suas obras tiveram alguma influência em Copérnico. astrónomo judeu. também conhecido como Posphacius. 780–c. com quem efectuou algumas observações astronómicas. O seu nome aparece grafado de inúmeras formas. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Este capítulo contém uma imagem. Apresenta os valores da declinação máxima propostos por inúmeros as- trónomos. estando praticamente apagada. Menciona os seguintes valores: • Ptolomeo11 — 23o 120 2800 . mas na época em análise era muitas vezes designada simplesmente como altura. 168).C. sendo certamente Regiomontanus a mais conhecida. filósofo grego do século v a. 13 Arzaquiel (1029–1087). Ensinou em Montpellier. . • Profacio15 — 23o 320 . passando por árabes e judeus. de onde era originário. que desenvolveu a sua actividade em Toledo e que ficou conhecido como Arzaquiel. Regiomontanus é a forma latinizada de Königsberg. desde alguns clássicos. como o seu complemento. Na realidade.1312). 16 Famoso astrónomo do século xv(1436–1476). nascido na cidade de Fer- rara. isto é a distância entre o astro e a vertical do observador. Astrónomo italiano. 12 Trata-se certamente do astrónomo persa Abū ’Abd Allāh Muhammad ibn Mūsā al- Khwārizmī (c. até contemporâneos seus. tendo-se notabilizado na matemática e na astronomia. esta última designa-se por distância zenital. que se reproduz na figura 3. • Arsaiel13 — 23o 340 . • Juão de Monteregio16 — 23o 300 . no texto do capítulo não existe nenhuma referência à mesma. Trata-se do astrónomo muçulmano Abu Ishaq Ibrahim ibn Yahya Al-Zarqali.1236–c. A qualidade da mesma é bastante fraca. 850) Floresceu em Bagdad. 11 Cláudio Ptolomeu (c. Um dos mais importantes astrónomos e geógrafos da Antiguidade.1. 15 Jacob ben Machir ibn Tibbon(c. 90–c. desenvolveu a sua actividade essencialmente em Alexandria.166 CAPÍTULO 3. • Mohameto Arabense12 — 23o 350 . o nome da pequena cidade da Baviera. No final do século xv foi professor de Copér- nico.

Sendo a diferença entre eles igual a 47 graus. 21. escreveu a obra De revolutionibus orbium coelestium. deve-se observar a altura meridiana do astro. 19 Nicolau Copérnico (1473–1543). 20 . que é de 23o 300 . devido à trepidação da oitava esfera. DECLINAÇÃO DO SOL 167 • Juão Vernero18 — 23o 280 30. Astrónomo polaco. na qual apresenta um sistema cosmológico heliocêntrico.3. observando o Sol na cidade de Viena. no instante do solstício de Verão e no solstício de Inverno. fl. da obliquidade ou 18 Johann Werner (1468–1522). Dividindo este valor a meio. 20 Lavanha. Com este. e depois aumentaria até aos 23o 520 . Justifica assim a sua opção: . calculando a diferença entre ambas e dividindo o valor obtido por dois. Embora aparente concordar mais com o valor de Copérnico. até aos 23o 280 . Sendo as alturas determinadas no mesmo local. Henrique Leitão alerta-nos para o facto de Pedro Nunes ter proposto a alteração do valor máximo da declinação do Sol. Explica que esse valor varia ao longo tempo. . Informa-nos ainda que Monterégio usou este procedimento. isto é. Foi ordenado padre em Roma e exerceu o sacerdócio na região da sua cidade natal. • Nicolao Copernico19 — 23o 280 2000 . O valor que obteve no solstício de Verão foi de 65o 300 . e no de Inverno de 18o 300 . embora também seja aceitável o valor sugerido por Copérnico. obtém-se a declinação máxima. Tratado del arte de navegar. de 23o 280 2000 . Para tal é necessário dispor de um instrumento de grandes dimensões. Naquela época estaria a diminuir. . que era usado nos cálculos náuticos: Uma das mais importantes alterações que recomenda é a da subs- tituir o valor da máxima declinação do Sol. . Embora não tenha feito observações para calcular esse valor. Na astronomia seguiu as ideias de Regiomontanus e foi seguido por Petrus Apianus e por Gemma Frisius. Nasceu na cidade de Nuremberga. geógrafo e matemático. resulta 23o 300 . o valor máximo da declinação varia ao longo do tempo. para medir a altura do Sol. . usa o de Monterégio. por que 2 minutos no hazen notable differentia que ay de la una a la otra como por no hauer hecho propria obseruacion con que halo podemos affirmar. Distinguiu-se como astrónomo. Informa ainda que a maioria dos astrónomos do seu tempo segue o valor de Regiomontanus. . Afirma que de acordo com Copérnico.3. explica como tal pode ser feito.

o que é equivalente a conhecer a declinação do Sol em qualquer instante.168 CAPÍTULO 3. . pode-se calcular o respectivo valor para qualquer ponto da eclíptica. Conhecido o valor máximo da declinação.a proposição do 2. 643. que Lavanha designa por «doutrina dos senos»: sin a sin b sin c = = sin A sin B sin C Figura 3. Utiliza as relações da chamada «Analogia dos Senos» ou «Lei dos Senos» da trigonometria esférica.2: Esquema do cálculo da declinação No triângulo considerado por Lavanha. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR inclinação da eclíptica. 23 Recorde-se que o valor da obliquidade da eclíptica é exactamente o mesmo que o da declinação máxima do Sol. . . e o outro lado considerado nos cálculos é a declinação do Sol (δ).o tratado da obra De Crepusculis de Pedro Nunes. o valor usado é o arco da eclíptica medido desde o ponto equinocial mais próximo ( ou a)«. p. 22 Em rigor. tradicionalmente usado na marinharia portu- guesa ε = 23o 330 . um dos lados é o lugar do Sol (L). Lavanha diz-nos que a teoria em que se apoiou está demonstrada no Epítome do Almagesto. sobre a eclíptica22 . por ε = 23o 30021 . . lado esse oposto a um ângulo recto. Pela «doutrina dos senos» fica: 21 Nunes. ». e na 2. tendo como ângulo oposto a obliquidade da eclíptica (ε)23 . Obras. . el propoesto punto de la eccliptica dista de uno de los equinocios el mas propingo. de Regiomontanus. De arte atque ratione nauigandi.

Uma vez que o cálculo da declinação foi efectuado usando o valor da distância ângular do ponto equinocial mais próximo até a um determinado local da eclíptica. Na tabela 3. não está completa. aqueles em que a declina- ção crescia de dia para dia. para todos os signos do Zodíaco. A tabela. Logo de seguida. Apresenta um exemplo concreto de cálculo da declinação do Sol. Lavanha chega à fórmula que permite calcular a declinação do astro: (sin ε ∗ sin L) δ = arcsin sin 90o ou dito nas palavras do próprio Lavanha: . e outra coluna. para cada ponto num dos quadrantes existem pontos equivalentes nos res- tantes três quadrantes. refere que preparou uma tabela com os valores da declinação calculados para lugares do Sol separados de 5 minutos de arco entre si. no lado direito da tabela.3. que se encontra no final do manuscrito. Também explica. Tratado del arte de navegar. . como tal pode ser feito. . no lado esquerdo da tabela. para os signos do fundo. exis- tia uma coluna. e mais dois signos no fundo. com valores crescentes. e na realidade apenas apresenta valores até aos 28o 350 . . Em cada uma delas colocavam-se dois signos no topo. DECLINAÇÃO DO SOL 169 sin δ sin L = sin ε sin 90o Aplicando uma «regra de três». Deveria ter os valores até aos 30o . através de um exemplo. 21 vs.1 encontra-se o formato da tabela que Lavanha 24 Lavanha. Para os valores do lugar do Sol. Refere que a tabela foi calculada apenas para um quadrante.3. si segue la regla de 3 se muliplicare el seno de la maxima declina- cion en el seno del arco con el qual el propoesto punto de la eccliptica dista de uno de los equinocios el mas propingo y el no produsido se diuidere para el seno total se allara el seno cuyo arco achado en la tabla de los senos senalar la declinacion del propuesto punto. para os signos do topo. aqueles em que a declinação decrescia de dia para dia. fl. . No caso de se pretender saber o valor da declina- ção para um valor não tabelado do lugar do Sol. A tabela possuia três colunas para a declinação. bastará fazer uma simples interpolação. . com valores decrescentes. 24 .

.. . que termina em 7o 50 na coluna da esquerda. . 28 30 10 58 19 53 23 30 1 35 28 35 11 0 19 54 23 30 1 30 `  _ f e d Tabela 3.. . foi lido com muita atenção.  ] ^ a b c G M G M G M G M G M 0 0 0 0 11 30 20 12 30 0 0 10 0 7 11 34 20 14 29 50 . por exemplo.. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR ensinou nas suas aulas. pp.. .. nas «Anotações sequen- ciais» ao volume iv das Obras de Pedro Nunes: Embora tratando-se de um dos capítulos mais teóricos e especia- lizados de toda a obra. .. E a partir daí mantém-se este desfasamento. A soma do valor da primeira coluna com o da última deveria ser sempre igual a trinta graus. .. e aos 0o .. De arte atque ratione nauigandi. Pode-se verificar que a mesma não está completa. . ... pois a última linha deveria ser a correspondente aos 30o .. ao abordar o as- sunto «De la declinacion del Sol»....... 25 Nunes. na coluna da direita. com 7o 100 à esquerda.. .... Mas ao começar o terceiro bloco.. A tabela apresenta ainda um erro.170 CAPÍTULO 3. . 642–643.. sendo apresentadas os valores constantes nas duas primeiras e nas duas últimas linhas da mesma. ... ...... volta-se a repetir 22o 550 na coluna da direita.. vamos apresentar uma referência que Henrique Leitão faz ao mesmo.1: Formato da tabela proposta por Lavanha Antes de terminarmos a análise deste segundo capítulo... . João Baptista Lavanha. . ... . Ao completar o segundo bloco de valores. Tal não acontece porque no preenchimento da tabela ocorreu um «repetição» de dois valores na coluna mais à direita. até final. na coluna da esquerda. . . verificamos que na da direita está 22o 550 .. . o que é correcto... segue de muito perto algumas partes deste capítulo25 . Obras.. nas suas aulas em Madrid..

. neste capítulo encontrámos apenas um excerto que Lavanha parece ter decalcado de Nunes. Contudo. ] los pouco praticos en el cono- cimento de las declinaciones del . As palavras com que Lavanha termina o capítulo são bastante semelhantes ao parágrafo com que Nunes começa o seu capítulo dedicado ao mesmo tema: da declinação do Sol. como vimos anteriormente.3. ele refere-se ao «De Crepusculis». No entanto. é provável que Lavanha se tenha «inspirado» nas leituras de Nunes para indicar as diferen- tes propostas para os valores máximos da declinação do Sol. DECLINAÇÃO DO SOL 171 Não questionamos o facto de Lavanha conhecer bem esta obra de Nunes.3. . Além disso. y es de aduertir que tierã muy [. E. conforme dissemos anteriormente. uma vez que ao longo do texto do cosmógrafo nomeado por Filipe ii encon- tramos inúmeras referências a passos deste texto do seu antecessor no cargo. Mas vejamos a parte em que coincidem as ideias expostas por ambos os autores. neste capítulo encontramos mesmo a única referência explícita de Lavanha a um texto de Nunes.

porque las buscã en sus tablas que son hechas por artifices que hazen pouco caso del [. . ] de los numeros por el dia del mes no conociendo el grado del Zodiaco en que esta el . .

lo que les hara manifesto suponiendo ser uerdadeira la tabla por muitos anos porque no se puede haser regreso de la declinacion a los mismos minutos anque la dan equaciones polo qual deverá de conocer primeiro el verdadero lugar del .

por una tabla suputada por 4 anos los quales acabados se deuerá usar de equacion y despus con el lugar del .

Com efeito. por outro lado. pelo que é necessário corrigi-la. antes de mais. Comete-se ainda o erro de procurar nessa tábua a declina- ção do Sol pelo dia do mês. a de- clinação máxima não deve ultrapassar 23o 300 . proceder-se-ia com mais acerto se. Tratado del arte de navegar. 22 vs–23. Na tábua de declinação do Sol usada para achar a latitude. ainda que se use a equação. conocido se hauera de sauer la declinacion en lo qual no se deue aser mucho caso de la differença de los meridianos saluo se fuere mas de 6 horas26 . é impossível que a declinação retorne aos mesmos minutos. também é certo que essa tábua não pode ser verdadeira para muitos anos. deverá determinar-se a declinação a partir da tábua 26 Lavanha. conhecido o lugar do Sol. . Portanto. desconhecendo o grau do zodíaco em que ele se encontra. acabados os quais se deverá usar a equação. fls. Seguidamente. se achasse o lugar verdadeiro do Sol por uma tábua calculada para quatro anos.

Verner. Por sua vez. De arte atque ratione nauigandi. mas uma das razões poderá ter a ver com o facto de as mesmas 27 Nunes. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR das declinações. perto dos pontos equinociais27 . À excepção das situações anteriormente mencionadas. Obras. ou os movimentos das diferentes esferas do sistema cosmológico. como a data exacta dos equinócios. dia a dia. como o próprio Henrique Leitão realçou. Ela deverá ser utilizada em conjunto com uma outra tabela que forneça os lugares do Sol no zodíaco. Figura 3. Menciona os procedimentos de cálculo de inúmeros autores.172 CAPÍTULO 3. Regiomontanus ou Stofler. a não ser que ultrapasse o intervalo de seis horas ou que se procure a declinação naqueles dias em que essa diferença aumenta ou diminui de maneira notória. Realce-se o facto de que a mesma não é suficiente para se conhecer a declinação do Sol para um determinado dia. Nunes comenta e critica assuntos de índole muito mais teórica. somos da opinião que o restante texto de Lavanha pouco tem a ver com a abordagem que Nunes propõe para o tema. pp. como por exemplo Purbáquio. Não sabemos porque motivo não as apresenta. entre outros. Lavanha não tem essas tábuas do lugar do Sol. mas fala nas mesmas no seu texto. 324–325. Já vimos que Lavanha se preocupa essencialmente com questões de carácter prático.3: Declinação na obra de Clávio Mas voltemos à tabela de Lavanha. isto é. Alberto Pighe. antigos e contemporâneos. Pensamos que nesta indagação se deve desprezar a diferença entre os meridianos. .

142. em função do lugar do Sol. para saber o lugar do Sol. Na figura 3. por cada ciclo de quatro anos.3. nas mais recentes aparece de cinco em cinco minutos. em função do lugar do Sol. este tem um tem um texto no qual discute a obra de Sacrobosco. Tratado da Sphera. porque mais se erra no tomar do sol no astrolabio29 . Curiosamente.3 representamos uma página de uma tabela dessas mais recentes. para os anos de 1537 a 1540. Ter respeito a deferença dos meridianos: pera saber ho lugar do sol ou a declinaçam: no que pertençe pera saber a altura par[e]ceme cousa escusada: saluo se a deferëça dos meridianos for mais que seys oras: e isto ainda nos dias em que a declinaçam crece ou mingoa muito. uma vez que as tabelas diziam respeito ao quadriénio de 1537 a 1540.3. Apresentou ainda uma tabela para cálculo da declinação. O procedimento que Lavanha sugere já tinha sido proposto por Pedro Nunes. A existência da tabela com os valores da declinação.. Nas tauoas da declinaçam do sol não ha de passar a mayor de vinte e tres graos e meo: e conforme a isto as outras: e por tanto os tres miudos que mais ha nos regimentos sam sobejos: porque posto que a deferença seja pouca: o sobejo não serue de nada. E aquilo que pretende nas suas aulas é apenas ensinar os processos de cálculo necessários para obtenção dos valores. Bastava subtrair 1536 ao ano para o qual se queria fazer os cálculos. Astronomici Introdvctorii de Spaera Epi- tome. Enquanto que nas mais antigas. 175–180. de lugar do Sol. DECLINAÇÃO DO SOL 173 terem uma difusão mais ou menos alargada. Forneceu as tabelas com o lugar do Sol. Dividia-se o resultado por quatro e o resto da divisão indicava qual das quatro tabelas se deveria utilizar. logo no seu texto publicado em 153728 . 28 Pedro Nunes. i. Notemos que esta prática já ocorrera nas obras de Clávio. a declinação do Sol aparece calculada de vinte em vinte minutos. . 29 Ibid. A seguir às tabelas fornece uma breve explicação do seu uso. pp. A obra de Clávio conheceu várias edições. 2002. Vol. E he milhor fazer as quatro tauoas pera saber o lugar do sol: com sua equação: e despoys hüa tauoa pequena de declinações: pera hüa quarta do zodiaco: q serue pera todas quatro: que fazer quatro tauoas pera a declinaçam em quatro annos. pode ser entendida pelo facto de a mesma conter os valores do lugar do Sol de cinco em cinco minutos. dia a dia. Era ainda necessário somar um minuto e quarenta e seis segundos ao lugar do Sol. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. p. o que não seria muito comum. Obras.

na Biblioteca do Observatório Astronómico da Uni- versidade de Coimbra. 1987. 31 Tratado sobre o qual não conhecemos nenhuma referência. o pensamento de Nunes.174 CAPÍTULO 3. tinham sido apresentadas por Pedro Nunes. Vol. o processo sugerido por Nunes. Não é assim de estranhar que Lavanha siga. uma vez que a do primeiro era de cariz eminentemente prático. 1975. A notícia da existência destes dois manuscritos foi dada por António Bar- bosa. correspondendo a uma prática que no início do século xvi deve ter chegado a ser usada pelos pilotos. Se para o capítulo anterior considerámos que a abordagem de Lavanha e a de Nunes tinham poucos pontos em comum. No final do capítulo. Para tal torna-se necessário realizar diversos cálculos trigonométricos. p. o autor refere que para os cálculos é importante ter presente alguns elementos que apresenta em duas obras de sua autoria: Tratado de los senos 31 e Tratado de gnomónica 32 . Em: Boletim da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra ix (1929). no caso deste capítulo as ideias de Nunes estão presentes em grande 30 Luís de Albuquerque. enquanto que a do segundo era de índole teórica. no Regimento Náutico. Em: As Navegações e a sua projecção na ciência e na cultura. iii. 32 Existe uma cópia deste tratado. Coimbra: Acta Universitatis Conimbrigensis. conforme já foi referido. mas sem nos dizer como e para que anos as calculou. como veremos quando estudarmos esta obra de Lavanha. nas suas aulas. 30 . como diz Francisco Rodrigues num passo do seu Livro a que já nos re- ferimos. No entanto. que estamos a analisar.4 Instrumentos para achar a declinação do Sol No capítulo seguinte é explicada a forma de calcular a declinação do Sol recorrendo a instrumentos. neste Tratado del Arte de Navegar. «Notícia de dois manuscritos portugueses sobre o rádio latino de Orsini». é verdade que Lavanha não seguiu. Realmente. . «Dois inéditos de João Baptista Lavanha». é essa a sugestão que ele apresenta. 197. num códice que contém um outro texto cuja autoria também lhe é atribuída. nas obras que publicou. a maioria das ideias expostas por Lavanha. . também neste assunto. Estudos de História. 3. João Baptista Lavanha dá no seu Regimento Náutico (edi- tado em 1595) tábuas solares quadrienais apenas com as declinações Sol. Lisboa: Gradiva. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Luís de Albuquerque chama a atenção para o facto de que este procedi- mento de Nunes não ter tido continuidade: Esta observação de Pedro Nunes. Posteriormente foram estudados por Luís de Albu- querque. não foi levada em conta pelos cosmógrafos que imediatamente o seguiram. . Aliás.

percebe-se perfeitamente que estamos perante duas imagens pra- ticamente iguais.5 podemos ver as imagens. Nas figuras 3.3. Antes de transcrevermos as palavras. vale a pena mostrar as imagens. em 1588. Apesar da menor qualidade da figura de Lavanha. 678. apresentaremos apenas algumas. respectivamente. da obra de Nunes e das aulas de Lavanha. Neste caso.4.4: Esquema de Lavanha para cálculo da declinação escala. João Bap- tista Lavanha explicou-o nas suas aulas em Madrid. Embora nem todas as letras sejam as mesmas em ambas as figuras. podemos afirmar que praticamente todas as ideias incluídas neste capítulo se encontram no capítulo 5 do De arte atque ratione navigandi de Nunes. 33 Nunes. Obras. Lavanha usou a mesma imagem que Nunes. A transcrição integral das palavras de Lavanha e das equivalentes no texto de Nunes tornaria este texto bastante extenso. tradu- zindo a parte inicial deste capítulo para castelhano33 . onde Lavanha faz alusão aos tratados de sua autoria. De arte atque ratione nauigandi. Por essa razão.4 e 3. Essa correspondên- cia não se explica simplesmente por coincidência. para confirmar o nosso ponto de vista. concordamos plenamente com a afirmação de Henrique Leitão: Este primeiro processo gozou de alguma popularidade. INSTRUMENTOS PARA ACHAR A DECLINAÇÃO DO SOL 175 Figura 3. Se exceptuarmos as palavras finais do capítulo. p. na sua maioria existe uma correspondência exacta entre as letras escolhidas para designar os diversos pontos das mesmas. .

p. b o início de Caranguejo. De arte atque ratione nauigandi. Obras.176 CAPÍTULO 3.34 . 35 Nunes. Começando pelo início dos capítulos: Alcançanse estas mismas declinaciones de las partes de la eccliptica con jnstrumentos no solamente esféricos sino tanbiẽ planos. com centro em e. na super- fície plana do dorso do astrolábio. fl. .5: Esquema de Nunes para cálculo da declinação Mais adiante. . Seja dado o ponto f. Seja. o círculo abcd. 351.35 . cuja declinação é necessário encontrar. . c o início de Balança e d o início de Capricórnio. porque descriuase un circolo abch y el centro e el qual represente la eccliptica y sea el punto a principio de  b de _ c de a y h de d y el punto dado del qual quiero saber la declinacion sea f. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Seguem-se alguns excertos dos textos das aulas de Lavanha e do livro de Nunes para mostrarmos a semelhança entre ambos. Pode conhecer-se a declinação das partes da eclíptica tanto com instrumentos esféricos como com instrumentos planos. Seja o ponto a o início de Carneiro. que representa a eclíptica. . Nunes justifica um determinado processo de cálculo com uma proposição de Euclides: O diâmetro ac é a intersecção do plano da equinocial com o plano da eclíptica. Figura 3. Tratado del arte de navegar. e o diâmetro bd é a intersecção do plano do coluro dos 34 Lavanha. 23.

A recta fg é a intersecção do plano da eclíptica com o plano do círculo paralelo à equinocial que passa por f. para ambos os autores. Tratado del arte de navegar. p.36 .3.6: Anel náutico—Nunes 36 Ibid. .5. INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 177 solstícios com o da eclíptica. es la comũ section del plano de los coluros de los solsticios y de la eccliptica la recta linea fg es la comũ section del plano de la eccliptica y de un plano de un circolo equidistante a la equnocial el qual passa por el supuesto punto f y portanto es paralelo à ac. Nunes fala num astrolábio [planisférico]. embora omitindo o nome de Euclides: La demonstracion de la qual operacion es que el diametro ac es la comũ section del plano de la equinocial y del plano de la eccliptica el diametro bh. Lavanha justifica o processo de cálculo exactamente do mesmo modo. geo- métrico. Isto decorre da 16a proposição do livro undécimo de Euclides. tanto Nunes como Lavanha ensinam o mesmo processo. Resumindo. 23–23vs. para determinar o valor da declinação. 16 del Xi37 . 352. enquanto que Lavanha menciona um círculo. 37 Lavanha. Mas os passos de cálculo são exactamente os mesmos. 3. sendo igual a respectiva figura auxiliar. fls..5 Instrumentos para obter a altura do Sol Figura 3.

Aponta aquela que era. 39 Lavanha. que porque una parte de su dioptra esta ualidada esta mas alta que la otra y portanto sendo mas pesada que el jnstrumento pese mas asia aquella parte y assi su linea del perpendiculo no estara en su lugar el qual es que este recta al plano del horizonte. como Jordano 38 Este capítulo foi objecto de estudo. e Pereira. Norte de Pilotos. um dos que apresenta elemen- tos mais interessantes. Experiências com instrumentos e métodos de navegação antigos. Atente-se nas palavras com que Pedro Nunes inicia o capítulo intitulado: «Sobre os instrumentos com que se tomam as alturas e as distâncias dos astros»: Os mareantes servem-se de astrolábios suspensos porque não po- dem ter no mar um horizonte firme e estável. O primeiro dos instrumentos descritos é o astrolábio. Os antigos astrónomos. pois «pesaria mais» no lado em que a medeclina estivesse mais elevada. xviii. a medeclina. contudo. . fls. a linha de prumo do instrumento não se desviava para nenhum lado. . Desse modo. passim. Um Livro de Marinharia do séc. Usan los navegantes de Astrolabios pensiles porque en la mar no tienen orizonte estable e quieto y los antiguos astronomos todos los instrumentos con que observavã las estrellas los ponian levantados so- bre una plana superficie equidistante al orizonte porque desta manera la linea del perpendiculo del jnstrumento no podia declinar a una o a otra parte y en los astrolabios pensiles puede ser. em nossa opinião. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR O capítulo quarto é. 39 . colocavam todos os instrumentos com que observava os astros sobre uma superfície nivelada com o horizonte. Também este é um bom exemplo daquilo que temos vindo a demonstrar: que Lavanha se baseou es- sencialmente nas obras de Pedro Nunes. Tratado del arte de navegar. e parcialmente transcrito por Malhão Pereira em Pereira. para as ideias que explanou nas suas lições38 . pode suceder que a parte da medeclina que tem a posição mais elevada — e por isso é mais pesada. Nos astro- lábios suspensos. do ponto de vista histórico. . passim com transcrição do texto nas páginas 207– 208.178 CAPÍTULO 3. a principal limitação ao uso deste instrumento. 24–24 vs. com transcrição do texto nas páginas 60 a 62. porém. Guia de Curiosos. Tem como tema: «os instrumentos com que se toma a altura do Sol». em sua opinião. Pelo facto de ter uma parte móvel. o instrumento ficaria dese- quilibrado.

marcada entre b e c. o desvie ligeiramente da vertical40 . Pedro Nunes explica mesmo qual o motivo pelo qual um ângulo de 90o equivale a um arco de 180o : Neste instrumento os graus de altura são o dobro daqueles usados nos astrolábios usuais em que a medeclina gira em torno do centro. Para evitar o inconveniente acima mencionado. de 90o . O seu funcionamento pode ser explicado de um modo bastante simples. Nesse caso. onde está representado o mesmo instrumento. projectando-se em c. representado na figura 3. No caso de o astro estar na vertical. 40 Nunes. .7: Anel náutico—Lavanha demonstrou acerca das balanças —. o raio de Sol entrará segundo a direcção kg. pois estas eram a causa dos erros que ocorriam. O anel tem uma abertura em g. correpondendo por esse motivo dois graus do instrumento a cada grau da altura do Sol. No seu interior tem uma escala. com altura igual a 90o entrará segundo a direcção hg. o ângulo kgh. INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 179 Figura 3. como descrito nas aulas de Lavanha. isto é. Obras. estando aderente ao instrumento. p. Ou seja. projectando-se em b. na opinião de Nunes. projecta-se no arco bc. Compare-se esta com a figura 3.5. que equivale a 180o . isto é sem partes móveis.7. De arte atque ratione nauigandi. poder-se-ia construir um instrumento sem medeclina. Consideremos o Sol no instante do seu nascimento. 356. isto é com uma altura zero.3.6. através da qual penetra o raio de luz do Sol. Ele concebeu um instrumento com essas características.

Aponta também a outra vantagem já mencionada que residia no facto de não existirem partes móveis: con la qual se ganã 2 cosas. aponta essa vanta- gem deste instrumento. en demas de la apontada de estar en su lugar el diametro ae. No entanto. subtendem arcos duplos daqueles que têm o vértice no centro da circunferência41 . o Indice y hacer entrar y salir los rayos del . una delas quales es que no es mover arriua ni abaxo la alidada.180 CAPÍTULO 3. para ângulos iguais. em relação aos astrolábios comuns. aqueles que têm o vértice na circun- ferência. Lavanha não apresentar esta explicação. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Com efeito.

25. y porque esta parte sacada del jnstrumento lo hara mas ligero de aquella parte y assi no estara la linea ae en su lugar diuido anãdose de aquela misma parte un poco de plomo con que quede equilibrado con el qual tendremos fabricado el nuestro jnstrumento. . . . Por outro lado. Tratado del arte de navegar. 43 . o instrumento fica mais leve desse lado. De arte atque ratione nauigandi. 358.. No entanto. fl. O facto de se retirar um pouco de metal. 25. p. 43 Ibid. no lado oposto. o diâmetro ae afastar-se-á forçosamente da 41 Nunes. Obras. Nunes sugere que se faça um furo equivalente. Nesta preocupação permanente com o rigor. devido à pequena porção que foi tirada. no lado em que se fazia o furo. para fazer o orifício iria levar a que o instrumento ficasse desequilibrado. pues que constantemente volver el agujero asta el sol tiene conocida su altura y la otra es que los grados deste jnstrumento son al doble mayores de lo que fuerã se tuvieren alidada que se numera en el centro como los astrolabios tienẽ y assi con este jnstrumento será el conocimiento de las partes de los grados mas perfecto la operacion mas breve y la observacion mas cierta42 . fl. para equilibrar o instrumento: Mas como. a solução encontrada para o mesmo é divergente. Tanto Nunes como Lava- nha falam nesse problema. . por los agujeros de las pinulas que es un grande embaraço por el observador que nauega. . Constatamos que a solução de Lavanha passava por acrescentar um peso equivalente ao retirado. . todos os detalhes são pen- sados. 42 Lavanha.

do século xviii. na Arte de Navegar. Figura 3. que na sua Arte de Navegar. e nas aulas em Madrid segue de muito perto a descri- ção de Pedro Nunes. em Madrid. INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 181 linha de prumo. De arte atque ratione nauigandi.. descreve a construção e uso do anel náutico. O instrumento que Lavanha estuda em seguida é o quadrante. 684–685.8: Quadrante. p. sido efectivamente usado no mar. Todavia. há várias indicações que parecem sugerir o contrário. conhecendo-se apenas dois exemplares. 44 Nunes. e de João Baptista Lavanha. Obras. 46 Quem primeiro nos chamou a atenção para este facto foi Bruno Almeida. de 1588. existem ainda no nosso país vários manuscritos com notas de aulas onde o instrumento é explicado45 . segundo Lavanha Uma dúvida que fica é a de saber se este instrumento teria. ou não. Mais uma vez é Henrique Leitão que apresenta uma resposta cabal a esta questão: São muito raros os anéis náuticos que chegaram aos nossos dias. Para além de Manuel Pimentel que. 45 Ibid. Entre os portugueses são vários os autores que o referem. como dissemos. .5. actualmente no Museo Naval. Neste capítulo apresenta um misto de dados de duas obras de Nunes: De crepusculis e De arte atque ratione navigandi 46 . Tal raridade levaria a crer que o instru- mento não teria tido grande divulgação na época.3.44 . 357. pp. por isso. tirar a mesma quantidade de metal do outro lado. e é necessário.

No entanto. Em vez do usual fio. recomenda que se use uma régua: el quadrante ordinario de que usan los navegantes es muy bueno para tomar el altura del . TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Lavanha começa por afirmar que o quadrante é bastante adequado para tomar as alturas do Sol. que se pode prender.182 CAPÍTULO 3. deverá ser feita uma pequena adaptação.

fl. em vez do fio de prumo. es capaz de mayores grados que el Astrolabio. de tal maneira que a aresta da régua apontada para o centro do instrumento se mantenha sempre perpen- dicular ao plano horizontal. . que repro- duzimos na figura 3. y assi este siempre à angulos rectos al horizonte. Lavanha apresenta mesmo uma representação do instrumento. porque el hilo apegase al jnstrumento y detenese en el. y de las estrellas. quando o observador roda o quadrante o fio dá pequenos saltos e detém-se de quando em quando no mesmo lugar. Obras. se ponga una pesilla la qual en el dito centro se mueva facilmente y de manera que la linea fiducia. p. y el lugar del perpendiculo que se suele poner en el centro sará mejor poner una regla. ag. La qual hase mejor observacion. 360. porque endemas que se hase la observacion con el teniendose con entrambas manos y assi estando mas firme. ag. verificamos que o texto de Nunes é bastante semelhante ao de Lavanha: O instrumento usual chamado quadrante de que se servem os ma- reantes é muito adequado para tomar as alturas do Sol e dos outros astros.8. como en el lado ab. Por muito bem feitos que fossem os instrumentos. De facto. mas deve pôr-se. 25vs. empeçandose los grados del punto c asta b. represente el perpendiculo que se suele poner. en cuya estremitad g. E por este motivo são incertas as alturas que se tomam com os quadrantes48 . Tratado del arte de navegar. Não encontrámos imagem equivalente nas obras de Nunes. Lavanha chama a atenção para esse problema: Emperó sucede muchas ueces puesto que el jnstrumento sea muy bien hecho y la observacion tomada con mucha diligencia que no son 47 Lavanha. De arte atque ratione nauigandi. porque las Pinulas se ponen en el lado del quadrante en que marcan los numeros de los grados. as escalas normais não eram suficientes para medir os ângulos com rigor muito elevado. No entanto. lo que no puede hazer la regla47 . uma régua com um peso fixo na outra extremidade. 48 Nunes. y es de advertir que difere este quadrante Nautico del que se usa en tierra.

de Pedro Nunes.3. Contudo. 360. Isto tem como única causa a pequenez do instrumento. p.9. Quanto à explicação do nónio. . Lavanha também nos mostra uma imagem de um nónio.5. . Nunes sugere a construção de um nónio. pois não se podem dividir os seus graus em partes cada vez mais pequenas. Esta imagem do nónio. e no entanto as alturas obtidas não são exactas. fl. 49 Lavanha. para se ver que mais uma vez Lavanha se inspira em Nunes. que reproduzimos na figura 3. vai seguir muito perto o texto de Nunes. segundo Nunes conocidas las alturas del Sol y de las estrellas tan exactamente como se requeira y es la causa no ser el jnstrumento tan grande como es menester para que se pueda senalar en el minutos y segundos. 26. . onde explicou detalhadamente a respectiva construção. 49 . De arte atque ratione nauigandi. representado na figura 3. Para ultrapassar esta limitação. INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 183 Figura 3.9: Nónio. 50 Nunes. vale a pena mostrar a parte inicial. no De crepusculis. Obras. Tratado del arte de navegar. não sendo possível medir as alturas para além dos valores inteiros de grau50 .10. foi apresentada no De crepusculis. Estas palavras de Lavanha são certamente inspiradas nas de Nunes: Acontece por vezes que o instrumento foi correctamente fabricado e os astros foram cuidadosamente observados. A descrição do processo é um pouco longa e não a vamos aqui apresentar integralmente.

. Vol. 183. bd. dividida em quadrantes pelos diâmetros ac. se descrivã 44 quadrantes de circulo unos dentro de otros com algun intervallo dis- tantes y el exterior de tudo como es ab. fls. também iguais.184 CAPÍTULO 3.10: Nónio. 52 Pedro Nunes. Seja. o imediato a este em 88. Divida-se em 90 partes iguais o quadrante exterior ab. por exemplo. 26–26vs. E justifica esta sua afirma- ção dizendo que só com um instrumento destes ele poderia ter obtido valores com uma precisão da ordem do segundo de grau: 51 Lavanha. descrevam-se com quaisquer intervalos (não importa se iguais ou desiguais) 44 quadrantes de círculos uns dentro dos outros. dentro desta circunferência. . e assim sucessivamente. Obras. . . se deuida en partes 90 iguales y luego el otro el mas propinguo en 89 partes y luego el seguinte en 88 y el otro en 87 y assi sucessiuamente. De crepusculis. o que se lhe sucede em 87. . e o interior que se lhe segue em 89 partes. e cujo centro seja o ponto e. . p. segundo Lavanha Pedro Nunes atribui este invento a Ptolomeu. lo qual el remedio es este en el astrolabio de que usã los naue- gantes abch contanto que no sea agajerado que con 2 diametros bhac se corte en el centro e ad angulos rectos del mismo centro e en uno de sus quadrantes que suponguemos ser en el quadrante ba. abcd a superfície plana e circular de um as- trolábio assim construído. 51 . TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR . Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. Tratado del arte de navegar. Figura 3. 2003. Com centro neste ponto. ii. . 52 .

Isto porque as dimensões do instrumento de que Ptolomeu se servia não seriam tão grandes que nele se pudesse marcar minutos e segundos. pp. . per lo qual consta estar algũ quadrante descripto en el jnstrumento en 83 partes iguales. se encontrou a declinação máxima do Sol de 23o 510 20ˇ. o que é um facto é que Lavanha vai apresentar exactamente a mesma explicação para a origem do instrumento: Del qual jnstrumento y del modo de su fabrica parece que uso Ptolomeo pues que allo ser la declinacion maxime del sol de 23 grados 51 minutos y 20 segundos porque era la proporcion de todo el circulo al arco incluido entre los 2 tropicos. Tratado del arte de navegar. p. Não a apresentaremos aqui. Segue-se a explicação do procedimento de cálculo. Henrique Leitão. mais adiante no próprio texto de Lavanha. De arte atque ratione nauigandi. Tal pode constatar-se. . de las quales el arco entre los dos tropicos tenia 44 porque no podia ser que fuesse el jnstrumento con que se siruio Ptolomeu de tanta grandesa que en ele estiuessen señalados minutos y segundos56 . dada a sua extensão. Trata-se certamente de uma gralha. Artifício retórico ou não. INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 185 Julgo também que foi assim que Cláudio Ptolemeu procedeu. diz que. enquanto que este começa por referir o uso do astrolábio para 53 Nunes. 53 . 696–697. Com efeito. mas vale a pena referir que mais uma vez estamos na presença de uma descrição muito próxima em relação ao texto de Nunes. 55 O valor que aparece no manuscrito é 88. é evidente que uma das escalas traçadas no instrumento foi dividida em 83 partes iguais. Curiosamente.3. como de 8855 a 11. fl. foi porque descobriu que a proporção do círculo inteiro para o arco entre os trópicos era de 83 para 11. Obras. nas «Anotações sequenciais». 56 Lavanha. destinada a dar mais credibilidade ao seu invento: Neste contexto. pois o valor que aqui deveria aparecer era 83. ou no texto de Nunes.. é interessante notar que Nunes atribui a estimativa a Ptolemeu (e não a Eratóstenes ou Hiparco) e que lhe dá uma explicação a partir de um instrumento. 54 Ibid. 27. . Esta tentativa de fazer radicar a ideia original do nónio em Ptolemeu não pode ser mais do que um artifício retórico para adicionar maior credibilidade ao seu invento e nunca foi tomada a sério54 . 360. Por conseguinte. chama a atenção para o facto de esta afirmação de Nunes não ser mais que uma figura de retórica.5. das quais o arco entre os trópicos continha 44 partes.

Para terminar esta parte do nónio. . resultando 2700. 185. porém. multiplicaremos 30 por 90. Lavanha fala na utilização do mesmo instrumento. divisor constante. Trata-se daquele que actualmente designamos como «instru- mento jacente no plano».186 CAPÍTULO 3. que merece um estudo um pouco mais aprofundado. Mas tirando esta pequena diferença. e o arco da altura oi compreenda 30 partes. este texto é decalcado da explicação de Nunes. fl. Tratado del arte de navegar. dividire- mos este número por 87. virão 8 terceiros minutos. tenha no astrolábio a posição do diâmetro fg. A designação que actualmente lhe damos surgiu devido a uma confusão que se instalou entre dois instrumentos propostos por Pedro Nunes. Neste caso. corte o quadrante ir. e da divisão virão 31 graus. e resultarão 180. . dividiremos estes por 87 e resulta- rão da divisão 4 segundos minutos. que multiplicaremos por 60. Segue-se mais um instrumento. o resto será 12. mas para observar o Sol. lo qual par mas claridad demos ou exemplo y sea que tomada la altura del Sol. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR observar uma estrela. e ficarão 360. multiplico pues 30 por 90 y son 2700 el qual numero diuidido por 87 salen 31 grados y quedan 3 los quales multiplicados par 60 hazen 780 que partidos per 87 comũ partida salen 2 minutos quedan 6 que de la misma manera multiplicados por 60 son 360 y diuididos por 87 salen 4 2os y quedan 12 que multiplicados por 60 son 720 y partidos por 87 son octo terceros y quedan 24 y desta manera se procedera asta donde quisieren57 . la dioptra fg corte con su linea fiducie el quadrante IR que tiene 87 partes en el punto O y sea el arco jo de su altura de 30 partes. Ora. que multiplicaremos a seguir por 60 para alcançarmos os segundos minutos. no De crepusculis: Exemplo: Observada a altura de uma estrela qualquer. Comecemos pelo nome. Lavanha não lhe atribui nome algum. Obras. e multiplicado este por 60 e dividido o produto pelo divisor constante. . e à qual os Astrónomos chamam linha de fé. A divisão dará 2 primeiros minutos. Desta forma iremos até onde se quiser58 . 3. o resto da mesma é bastante semelhante. p. logo no início da explicação. 58 Nunes. 57 Lavanha. a aresta da medeclina que passa pelo centro. Lavanha apresenta um exemplo de cálculo: . no ponto o. de 87 partes iguais. e o resto será 6. e finalmente dividire- mos 180 por 87. restarão. De crepusculis. e da divisão ficarão 24. 27.

INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 187 e que adiante tentaremos esclarecer.3. Na realidade. Pelo facto de em diversos estudos se terem confundido ambos os instrumentos. A razão desta esco- lha prende-se com as primeiras palavras que Nunes usa quando começa a respectiva descrição: «sed etiam ex iacentibus». decidiu-se designar este como «instrumento jacente no plano». um deles para medir alturas e o outro para medir direcções. Nunes sugeriu dois ins- trumentos diferentes que usavam a sombra produzida pelos raios de Sol.5. Vejamos de que modo Lavanha começa a descrição deste instrumento: Suelen los nauegantes hazer sus observaciones en tierra quando llegan a algun puerto cuya altura dessean conocer para lo qual puede tambien seruir lo jnstrumento a fuera de los dichos con que se puede tomar el altura del . Por esse motivo pas- saram a ser ambos designados como «instrumento de sombras».

em nota de rodapé. Pela sua menção em notas de aulas manuscritas. pp.59 . Lavanha começa por referir que este instrumento serve apenas para ser usado em terra firme. 688–689. Embora não o diga explicitamente. Obras. 231. 60 Nunes. e também numa «Arte 59 Lavanha. . que não era possível conseguir no mar. nas já referidas aulas de João Baptista Lavanha na Academia de Matemática de Madrid. Seguidamente. Henrique Leitão explica-nos essa limitação do «instrumento jacente no plano»: A limitação que torna este instrumento muito pouco adequado ao uso no mar é óbvia: exige um plano horizontal estável. que foi descrito e comentado em lições de náutica e no treino de navegantes60 . tal deve-se a uma importante limitação deste instrumento. indica-nos dois manuscritos em que o instrumento é descrito: Por exemplo. sabe-se. que era o facto de ter que ser usado numa posição rigorosamente horizontal. em 1588 (Biblioteca Univer- sitaria da Salamanca. fl. ms. Tratado del arte de navegar. e porque não se conhecem quaisquer exemplares. o que nunca se dá a bordo. Esta inadequação ao uso no mar tornou-o apenas numa concepção teórica e explica porque está praticamente ausente da li- teratura de náutica da época. 24v –25r ). De arte atque ratione nauigandi. fols. contudo. 27 vs.

parece-nos razoável que Lavanha nelas ensinasse aquilo que de mais moderno existia sobre os assuntos. más concretamente. Obras. Salamanca: Europa Artes Gráficas. 97–98. españoles o extranjeros. Sendo as aulas dedicadas à náutica. la navegación o la cosmografia62 . p. E a sua preocupação em Madrid não é ensinar os assuntos que realmente interessam no quotidiano aos homens do mar. e que teve entre os seus alunos nomes como Lope de la Vega. Junto a todos estos pudo encontrar-se algún joven autén- ticamente atraído por las matemáticas y. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR de Navegar». somos de opinião que não era certamente um texto destinado ao «treino de navegantes». fols. em relação ao manus- crito das aulas de Lavanha. Isso será o objectivo de outro texto que aqui analisaremos com algum detalhe: o Regimento Náutico. llega- dos de fuera de Madrid. onde aparece com o título «Estromento pera se tomar a altura do Sol e o Meridiano inventado por pero nunes». Uma academia que funcionava junto da corte. De arte atque ratione nauigandi. 27. do século xvii. não admira que as tenha usado para ensinar. Manizola. Trata-se essencialmente de uma «concepção teórica». e conhecendo as obras de Nunes. de concepção de um instru- mento que permite ler ângulos verticais numa escala horizontal: 61 Nunes. como Henrique Leitão afirmou no excerto que acima transcrevemos. Na realidade. Duvidamos que existissem ho- mens do mar entre os alunos da Academia de Matemática. de certeza. 62 Mariano Esteban Piñeiro e Maria Isabel Vicente Maroto. por algunos hijos de los "oficiales"del rey y por aquellos que. la astronomía. Não consultámos este segundo texto que aparece referido na nota. 14r –15v )61 . um local frequentado por rudes homens do mar: Podemos. mas com a observação de que serve apenas para uso em terra e não no mar (BP Évora. Porém. 1991. pues. trata-se de um exercício abstracto de Nunes. concluir que el número de alumnos fue aceptable- mente alto y que estaba constituido principalmente por cortesanos. por- tanto não nos pronunciamos sobre o mesmo. não era. por la geometría. Ms.188 CAPÍTULO 3. pp. pretendían con su asistencia a las clases entrar en contacto con personas influyentes en la corte. Como as aulas de Madrid eram destinadas a gente da corte. O instrumento que estamos a analisar é um bom exemplo do que vi- mos defendendo. . Aspectos de la ciência aplicada en la España del siglo de oro. 689.

Ou seja. Algo que é fundamental é garantir que o instrumento está rigorosamente horizontal. 688. e não duas.3. uma engenhosa concepção de Pedro Nunes que permite transferir a leitura de um ângulo vertical numa escala horizontal. e portanto são relativos ao quotidiano de bordo. ele sugere dois triângulos diferentes: um em que os catetos têm comprimento igual ao raio do círculo desenhado na tábua. Os outros autores que descrevem o instrumento é que têm o cuidado de referir que o mesmo só se pode usar em terra firme. Começa por sugerir um instrumento construído usando uma tábua circular: Divida-se. colocando-a paralela ao horizonte e fabrique-se. Tenha-se em atenção que Nu- nes sugere duas possíveis configurações para o instrumento: i) numa tábua redonda.5. Nunes sugere ainda a possibilidade de o instrumento (em qualquer uma das versões?) ser usado na vertical. Para melhor compreendermos aquilo que Lavanha apresenta. Aliás. Mas não está minima- mente preocupado com questões de ordem prática. Ele não fornece indicação alguma sobre a forma como tal se pode conseguir. partindo das ciências matemáticas». Recordemos que a obra em que ele descreve este instrumento se intitula: «Sobre a arte e ciência de navegar. e aí se perceberá a diferença entre cada uma delas. . os assuntos nele abordados dizem respeito à Arte de Navegar. p. . num material 63 Nunes. uma tábua circular abcd em 360 graus. De arte atque ratione nauigandi. então. com um triângulo colocado perpendicularmente a essa tábua. » e que o livro em que o mesmo é descrito tem por título: «Sobre as regras e os instrumen- tos para descobrir as aparências das coisas tanto marítimas como celestes. Em nossa opinião. está es- sencialmente interessado em expor um determinado raciocínio abstracto. apenas com um triângulo colocado perpendicularmente63 . . ou vertical no caso da última sugestão de Nunes. que em teoria poderia utilidade para obter a altura do Sol. ii) numa tábua quadrada. INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 189 O instrumento jacente no plano é. pois aí a horizontalidade dificil- mente se poderia assegurar. considera- mos que é mais lógico mostrar em primeiro lugar quais as sugestões de Nunes. e outro em que os catetos têm o dobro do comprimento. sem dúvida. e também com um estilete vertical. Nunes propõe três variantes do instrumento. como é costume. em lugar de estar jacente. Seguidamente explicaremos cada uma das variantes que Nunes sugere. Nem sequer se preocupa em referir que o instrumento não pode ser usado a bordo. Ou seja. Obras. Isto porque no caso de se optar por uma tábua quadrada.

358. isto é. por conseguinte o ponto f ficará para cima. que está paralela ao horizonte. pela terceira definição do livro 11o de Euclides. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR duro. calculada a partir do ponto b na direcção de a. em qualquer ponto do diâmetro bd64 . semidiâmetro do círculo. e ak é lado comum. como o lado ae de um é igual ao lado af do outro. Portanto.190 CAPÍTULO 3. Sabemos que o ângulo aeb é recto. Apesar de um pouco extensa. a sombra do lado fh.. Coloque-se também um estilete perpendicularmente ao plano. um triângulo rectângulo e isósceles fgh. e seja ek a sombra da recta ef. os dois ângulos contidos pelos lados iguais são iguais. . e por isso 64 Nunes. para se entender a forma como Nunes conduz o seu raciocínio. Então. indicará a altura procurada. que fique g com a e h com e. que servia apenas para orientação do instrumento: Quando se quiser achar a altura do Sol acima do horizonte. Coloque-se então esse triângulo perpendicularmente à tábua circular. ou fe. 65 Ibid. O instrumento era de construção relativamente simples. de modo a que os lados fg e gh façam um ângulo recto e sejam iguais ao semidiâmetro do círculo traçado. 358. p. vale a pena mostrar aqui a mesma. cortando em l o quadrante ab. Além da tábua era necessário um triângulo. nos dois triângulos ake e afk. perpendicular a esse plano e projectada no mesmo plano. a linha recta ak e a sombra do estilete projectada na recta eb serão paralelas. ou seja rectos. e um pequeno estilete vertical. é prolongada para o lado em que as sombras se projectam. portanto será recto o ângulo eak. de tal modo que o lado gh se ajuste perfeitamente a ae. e por consequência será recto o ângulo fak. O mais compli- cado seria certamente a construção da referida escala circular sobre a tábua. Obras. A restante parte do quadrante até a será a distância entre o Sol e o zénite65 . ro- dar-se-á o instrumento até que a sombra do estilete se projecte sobre a recta bd. assim como é recto o ângulo eaf. que a recta af projecte a sombra ak. no quadrante ab. e seja o triângulo ake a sombra do triângulo afe. Visto que os raios solares à superfície da Terra são tidos como paralelos. De arte atque ratione nauigandi. Segue-se a demonstração matemática do modo como o instrumento fun- ciona. p. cuja sombra iria servir para me- dir a altura do Sol. A demonstração é a seguinte: imagine-se que a superfície do círculo abcd.

. que reproduzimos na figura 3. Segue-se aquela que nós consideramos a terceira versão. ele existe para orientar o instrumento. Neste caso. em que o cateto corresponde ao raio do círculo. se em vez de uma tábua circular se usar uma quadrada. não será necessário um esti- lete ou uma haste cuja sombra se projecte na recta bd. o ângulo afk é oposto ao ângulo de vértice em f que subtende o arco da distância entre o Sol e o zénite. Basta rodar o instrumento até que a sombra af se projecte sobre a recta ak. Note-se que a figura também não tem representado o estilete. Toda a explicação é acompanhada de uma imagem. logo em seguida alerta para o facto de o estilete poder ser dispensado. Ou seja. pelo que o ângulo aek subtenderá de modo idêntico o arco al no quadrante ab. que era o que se pretendia demonstrar66 . pois assim a sombra da recta ef indicará o arco da altura do Sol acima do horizonte67 .. tangente ao círculo. venha logo depois de ele ter indicado a primeira versão. de modo a que nele se possa traçar a recta ak tangente ao círculo no ponto a. se este tipo de ins- trumento tiver forma quadrada. Nas duas primeiras versões. p. p. de modo a que o seu compri- mento iguale o do diâmetro do círculo.5. O cosmógrafo assume que o instrumento está devidamente orientado. mas essa questão é «secundária» para o raciocínio. na primeira versão. Existe um aspecto bastante curioso na demonstração.3.11. torna-se necessário traçar mais uma linha. 359. Por outro lado. embora a demonstração. Aliás. projectan- do-se sobre a superfície da tábua é que vai permitir a medição da altura do Sol. A função que era desempenhada pelo estilete. A sombra da hipotenusa. 67 Ibid. INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 191 os dois ângulos afk e aek serão iguais entre si pela quarta proposição do primeiro livro de Euclides. e a explicação é feita partindo desse pressuposto. Nunes nunca faz referência ao estilete. O restante bl será semelhante ao arco da altura do Sol acima do horizonte. é agora assumida pelo cateto vertical do triângulo: A partir desta demonstração pode ver-se que. que deve ser lida acompanhando a figura. enquanto a altura do Sol 66 Ibid.. Nesse caso. duplica-se o tamanho dos catetos do triângulo. 359. a sombra vai percorrer um quadrante. e paralela ao diâmetro que se usava para orientar o instrumento. A mesma acaba por corresponder à segunda versão do instrumento.

11: Instrumento «jacente». De arte atque ratione nauigandi. Finalmente. 359. Obras. e posto diante do Sol de maneira que a sombra 68 Nunes. o que antes era a altura do astro. a sua sombra vai percorrer dois quadrantes. a cada grau de altura. ou seja. pois tal como no anel náutico. uma vez que o cateto abrange agora todo o diâmetro. passam a corresponder dois graus da escala. . consegue-se melhorar a precisão das leituras. Se se duplicarem os lados do triângulo fgh. Nesta terceira versão. segundo Nunes varia entre 0o e 90o . TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Figura 3. p. sugere que se coloque este mesmo instrumento (qualquer uma das variantes?) na vertical. para uma mesma variação de altura do astro. e os ângulos são convertidos nos seus com- plementos.192 CAPÍTULO 3. poder-se-á dividir o semicírculo abc em noventa partes iguais e então os graus da altura do Sol serão duplamente maiores68 . passa agora a ser a distância zenital: Se o instrumento assim construído for colocado perpendicularmente ao plano do horizonte. Ou seja. de maneira a que o lado gh seja igual ao diâmetro ac e se ajuste perfeitamente a ele.

. Por outro lado.3. Aquilo que importa realçar. leuantese mas en qualquer punto del diametro IB un estilo ad angulos rectos como es mi con lo qual estara fabricado nuestro jnstrumento70 . p. 359. Assim. que já não será recta. mais uma vez. Tratado del arte de navegar. designando-os com uma mesma letra. mas versa. Após explicar que só se deve usá-lo em terra firme. se projecte na recta ak. parece-nos que no texto se confundem dois pontos distintos. é que com esta descrição. existe apenas uma letra «I». gh que cõtienen el angulo recto sean yguales al semidiametro ea el qual triangulo se ponga recto sobre el plano del circulo abci y de maneira que el punto g caya sobre el punto a. . Lavanha explica que o diâmetro que serve para orientar o instrumento é «ib». isto é aquela em que se usa um estilo destinado a orientar correctamente o instrumento. Explica ainda a fundamentação teórica desta última utilização do ins- trumento. Agora que explicámos o processo que Nunes seguiu para expor as di- ferentes versões deste instrumento.. E não se nota nenhuma outra letra naquela zona. . que tanto pode ser referente à extremidade do estilete como a um dos extremos do diâmetro. 69 Ibid. y el punto h sobre el centro e. passemos a ver o que Lavanha ensinou sobre o mesmo. aparentemente. Na figura 3. Lavanha usou a mesma letra para designar os dois pontos distintos. Nunes pretende abranger todas as situações teoricamente possíveis de utilização para este instrumento. Ou seja. Para este trabalho não vale a pena inclui-la aqui. el qual es que en una superficie plana se descriua un circulo abcj en cuya circonfrencia con dos diametros este diuidida en el centro e en el qual se corten ad angulos rectos en 4 quadrantes y cada uno destos quadrantes en 90 grados como se usa y agase mas un triangulo rectangulo fgh y jsoseles de alguma materia solida cuyos 2 lados iguales fg. fl. Aquilo que ele descreve corresponde à primeira versão proposta por Nu- nes. 27 vs. INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 193 da recta af.5.12 encontra-se representado o desenho que ele usa para acompanhar a explicação. Se repararmos na figura. o estilete será «mi». Apesar da fraca qualidade da imagem. faz a sua descrição: . será al o arco da altura do Sol acima do horizonte. e o restante bl será o arco da distância entre o Sol e o zénite69 . 70 Lavanha.

12: Instrumento «jacente». segundo Lavanha Segue-se a explicação do respectivo funcionamento. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Figura 3. Chama-se a atenção para o facto de nesta explicação.194 CAPÍTULO 3. continuar a usar uma mesma letra para designar as extremidades do estilete e do diâmetro: El uso suyo es que quando quisiermos allar el altura del .

sobre el orizonte uolueremos el jnstrumento a una y otra parte contanto pues que este siempre equidistante al orizonte asta que la sombra del estilo mi caya en el diametro Ib. . que entonces la sombra del lado fe del triangulo se halará en el quadrante ba su altura [. . ] buscara contada del punto b asta a y su complemento o [. . ] del quadrante y pues lo que queda asombrado sara la distancia del . .

y el angulo aeb es recto luego tambiẽ lo sera eak. y su uertice. luego la recta linea ak sombra de fa y la sombra del estilo que cayu en la recta eb. de maneira que la sombra de af sea ak y de cf. sea ek la qual corte el quadrante ab en l y porque los rayos solares en la tierra se tienẽ por equidistantes. hg del primero mas el angulo eaf es recto. es differente de xj y portanto porque el lado ae del triangulo eak es igual al lado af del triangulo afk y ak es comun à entrambos y los 2 angulos eak fak son iguales porque rectos luego el angulo afk y el angulo aek son iguales que dal primero mas el angulo afk es contraposto i igual al angulo que en el punto f subtende al arco de la distancia dal . seran equidistantes siendo estas 2 lineas perpendiculares al plano del jnstrumento. La demonstracion desta operacion es esta: sea la sombra del triangulo rectangulo acf el triangulo ake. pelo qual lo sera el angulo fak.

dal punto
uertical representando el punto f nuestro zenith, luego el angulo aek

3.5. INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 195

son igual subtendera en el quadrante ab el arco al igual al dito arco de
la distancia del

del zenith por lo qual el restante bl, es semejante al
arco del altura del

sobre el orizonte lo qual se hauia de demonstrar71 .

Embora o texto seja algo diferente, esta demonstração apresenta mais ou
menos as mesmas ideias que encontramos na justificação de Nunes. Final-
mente, termina a descrição do instrumento referindo que se pode dispensar
o estilete, caso se trace uma recta tangente ao círculo (paralela ao diâmetro
onde deveria estar o estilete):

de aqui consta que si en este jnstrumento se hachara la recta ak
tangente al circolo en el punto a, no sará menester estilo porque que
corta la sombra del lado af del triangulo se hará la misma operacion
volviendo el jnstrumento asta que caya su sombra encima dela raya ak
que ni mas ni menos la sombra de la recta ef sinalara la altura del sol
nel quadrante72 .

Está assim terminada a explanação das ideias de Pedro Nunes por La-
vanha, relativas ao instrumento jacente no plano. Conforme indicámos no
início desta análise, este instrumento tem-se prestado a algumas confusões
na literatura. Embora essas confusões não tenham nenhuma relação com
Lavanha, vamos procurar esclarecê-las aqui.

Figura 3.13: «Instrumento de sombras», de Pedro Nunes
71
Lavanha, Tratado del arte de navegar, fls. 27 vs–28.
72
Ibid., fl. 28.

196 CAPÍTULO 3. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR

Henrique Leitão alerta-nos, em nota de rodapé, nas suas «Anotações
Sequenciais», para o facto de Luís de Albuquerque por vezes confundir dois
dos instrumentos concebidos por Nunes:

Explicações do instrumento, aliás de funcionamento muito simples,
em Luís de Albuquerque, Instrumentos de Navegação, pp. 45–47
(mas a ler com o máximo cuidado pois o autor confunde por vezes o
instrumento jacente no plano com o instrumento de sombras)73 .

A que instrumentos se refere Henrique Leitão? Um deles é aquele que te-
mos vindo a descrever e que servia para determinação de alturas do Sol, como
demonstrámos. O mesmo apareceu pela primeira vez explicado no texto que
Nunes publicou em 1566. Quanto ao outro, tratava-se de um instrumento
para determinar a direcção do Sol, através da sombra de um estilete. O
mesmo encontra-se representado na figura 5.7, e foi sugerido por Nunes no
seu texto de 1537. O mesmo era orientado usando a respectiva agulha, que
se pode ver na figura. O seu uso permitia conhecer a direcção magnética em
que se encontrava o Sol. Essa informação servia para determinar a declina-
ção das agulhas. Além disso, servia também para um processo de obtenção
da latitude por alturas extrameridanas do Sol. Neste processo, sugerido por
Nunes, era necessário conhecer a direcção e a altura do Sol.
Vamos seguidamente ver o que Luís de Albuquerque escreveu sobre esses
instrumentos, na obra referida por Henrique Leitão.

Entre os instrumentos aconselhados por Pedro Nunes para obser-
vação de alturas do Sol, conta-se um dispositivo a que chamou «instru-
mento jacente no plano», e com mais propriedade D. João de Castro,
que o usou, veio depois a chamar «instrumento de sombras»74 .

Seguidamente explica a construção e funcionamento do instrumento que
nos interessa, ou seja, o «instrumento jacente no plano». A explicação é
acompanhada de uma imagem que reproduzimos na figura 3.14. Consta-
tamos que o autor reproduz a segunda versão do «instrumento jacente no
plano» de Nunes. Depois volta a referir-se à utilização de ambos os instru-
mentos por D. João de Castro, na sua viagem:
73
Nunes, Obras. De arte atque ratione nauigandi, p. 688.
74
Luís de Albuquerque. «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação». Em:
Estudos de História. Vol. iv. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1976, p. 80.

3.5. INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 197

Figura 3.14: «Instrumento jacente no plano», de Pedro Nunes

Encontramos notícia de uma repetida utilização prática deste ins-
trumento de sombras no Roteiro de Lisboa a Goa, de D. João de Castro.
A aparelhagem de que o autor dispunha para essa viagem fora-lhe ofe-
recida pelo infante D. Luís, que parece ter sido seu antigo companheiro
de estudos, como dá a entender logo no início do roteiro; no entanto,
a oferta incluia dois instrumentos de sombras: um deles, de que adi-
ante nos ocuparemos, servia nas operações destinadas a determinar
a declinação da agulha magnética (esta observação exigia, de resto, o
conhecimento da altura solar)75 ; o segundo era o que acabamos de des-
crever, e foi com ele que Castro muitas vezes determinou duas alturas
do Sol, para saber «se era verdadeira e punctual a regra que nos deu
o doctor Pero nunez pera, em toda a ora do dia em que fizer sombra
sabermos a leuação do polo»—ou seja, para experimentalmente pôr à
prova a regra da «altura do Sol a toda a hora», que fora proposta pelo
cosmógrafo-mor e, como adiante veremos, se baseava em duas alturas
solares extrameridianas76 .

Depois de uma breve explicação das operações que D. João de Castro
efectuou, para testar o tal regimento para obter a latitude, pelo Sol, fora da
meridiana, faz um breve comentário aos resultados obtidos:

Este procedimento, frequentemente repetido durante a viagem, deu
de início boas provas, não se cansando então D. João de Castro de
75
Sai do âmbito deste nosso estudo e por esse motivo não desenvolveremos aqui este
assunto. No entanto, vale a pena chamar a atenção para o facto de não ser imprescindível
conhecer a altura solar para se obter a declinação magnética. Existiam processos em que
essa informação era importante, e outros em que não era necessário esse conhecimento.
76
Albuquerque, «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação», pp. 82–83.

198 CAPÍTULO 3. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR

lhe tecer louvores. Apesar disso, o instrumento de sombras não caiu
no agrado dos pilotos; pelo menos não tornamos a ouvir falar dele
até que António Carvalho da Costa o ressuscita, bastante modificado
mas igualmente sem êxito, na Via Astronomica, publicada na segunda
metade do século.
[. . . )
Tal solução estava de antemão condenada: os pilotos preferiam, e
com toda a razão, os instrumentos que lhes forneciam directamente
as alturas de que necessitavam para as suas determinações de lati-
tudes. Por outro lado, também davam preferência a regimentos que
lhes permitissem a obtenção daquela coordenada geográfica com uma
só operação; e como o instrumento de sombras serviu principalmente
para se chegar à latitude através de duas alturas extrameridanas do
Sol, não surpreende que os pilotos tivessem ficado, como de facto fi-
caram, inteiramente indiferentes às vantagens do instrumento, apesar
dos louvores de D. João de Castro77 .

O texto de Luís de Albuquerque, de que acima transcrevemos diversos
excertos, teve uma difusão alargada. Por esse motivo influenciou vários es-
tudiosos, que divulgaram essas ideias. Podemos encontrar um reflexo desta
difusão num texto de Nuno Crato, que pode ser consultado na internet, na
página do Instituto Camões:

Pedro Nunes chamou ao seu aparelho «instrumento jacente no
plano» e foi D. João de Castro que o designou por «instrumento de
sombras». Este fidalgo dá-nos notícia da sua utilização prática no seu
Roteiro de Lisboa a Goa, obra que fez publicar em 1538. Na sua vi-
agem testou repetidamente o aparelho, tal como um outro, também
referido como instrumento de sombras, e que se destinava a determi-
nar a declinação da agulha magnética, isto é, o seu desvio em relação
ao norte verdadeiro. Esse outro instrumento foi também sugerido por
Pedro Nunes, mas Francisco Faleiro, que com o seu irmão Rui esteve
associado à viagem de Fernão de Magalhães, tinha apresentado antes
a mesma proposta78 .

Apontaremos em seguida os factos que conseguimos apurar. Primeiro,
D. João de Castro testou no mar alguns processos que lhe foram ensinados
77
Albuquerque, «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação», pp. 83–85.
78
Nuno Crato. O Instrumento de Sombras. Acedido em 3 de Janeiro de 2011. url:
http://cvc.instituto-camoes.pt/ciencia/e32.html.

3.5. INSTRUMENTOS PARA OBTER A ALTURA DO SOL 199

por Pedro Nunes. Entre estes contam-se a determinação da altura do pólo,
a qualquer hora do dia e o conhecimento da declinação da agulha:

Sabbado, treze de abril, amanhecendo vimos a palma, que he huma
das Ilhas de canareas, e logo fiz preste a lamina e estromento de som-
bras, de que o muito excelente principe o Iffante dom Luis me fez merce,
com grande deseio de vereficar duas cousas: a primeira, se nestas Ilhas
variauão as agulhas ou não, por ser pratica de muitos pilotos que neste
lugar e meridiano feria o norte de suas agulhas no polo verdadeiro do
mundo; e a segunda, se era verdadeira e punctual a regra que nos deu
o doctor Pedro nunez pera, em toda a ora do dia em que fizer sombra,
sabermos a leuação do polo, com o qual estromento fiz as seguintes
considerações79 .

Na transcrição anterior, na qual nos diz o que vai fazer, notamos que o
vice-rei da Índia nos menciona apenas a existência de um único instrumento.
Para concretização dos mencionados processos era necessário conhecer a di-
recção do Sol. Para tal, D. João usou o instrumento que lhe teria sido
oferecido por D. Luís:

. . . trarey aqui as rezões que de huma parte e outra tenho com-
prehendido e alcançado com estromento de sombras inuentado pello
doctor Pero nunez, famoso mathematico entre os que vivem em nossos
tempos, e feio por mãos de Johão gonçalvez, cujo engenho triumpha
o dia doje em toda a europa, e sobrudo aprouado pelo muito exce-
lente Princepe o Iffante dom Luis, o qual antre outras muitas merçes
que de sua alteza reçebi pera esta jornada, foy este estromento, com o
qual vimos a alcançar a leuação do polo a toda a ora do dia, e assi a
verdadeira variação que fazem as agulhas. . . 80 .

Era necessário conhecer também a altura do Sol. No entanto, para esta
operação existiam outros instrumentos, muito em voga junto dos marinhei-
ros, nomeadamente o astrolábio. E aquilo que encontramos no texto de Cas-
tro é referência ao uso do instrumento de sombras para obtenção do azimute
do astro e do astrolábio para conhecer a respectiva altura:

Primeira operação depois do meo dia:
79
D. João de Castro. Obras Completas de D. João de Castro. Vol. i. Edição crítica por
Armando Cortesão e Luís de Albuquerque. Coimbra: Academia Internacional da Cultura
Portuguesa, 1968, pp. 127–128.
80
Ibid., pp. 198–199.

na edição da obra de D. em relação ao plano inicial. ou a sua altura. 186–191. podemos concluir que D. pp.200 CAPÍTULO 3. no outro. 81 Castro. 81 . 152–153. a sombra do estilo variou somente pella circunferençia do circulo graduado 3 graos. A primeira referência que se conhece. 83 Na realidade não se trata do volume iii. . e que foi aquele que servia para determinar a direcção do Sol. 1982. Obras Completas de D. foi o facto de num outro trabalho. O que ele usou foi o primeiro.. João de Castro. no texto de Luís de Albuquerque que anteriormente transcrevemos. D. e nos quais se usa a sombra de um estilo para conhecer a direcção do Sol. Dos factos expostos. iii). . pp. 18. Segunda operação depois do meo dia: Estando o sol em altura de 18 graos ho estilo lançou a sombra 78 graos contando do norte pera a bando do leste. n. . p. Edição crítica por Armando Cortesão e Luís de Albuquerque. que correndo o sol pelo estarlabeo 19 graos. no texto de Nunes não existisse nenhuma referência a este instrumento e que no ano seguinte D. ele defender exactamente aquilo que aqui tentámos provar: Pedro Nunes imaginou dois instrumentos de sombras: um para a observação da altura do Sol e outro para medir a declinação magnética (vide Vol. que também foi descrito por Francisco Faleiro82 . iv. Ou seja. Assi. tendo determinado a altura do Sol usando astrolábios. João de Castro usou apenas um dos dois instrumentos que atribuímos a Pedro Nunes. No volume mencionado na transcrição anterior83 tem um estudo sobre as operações que D. num caso. Aquilo que mais nos espantou. João de Castro. João de Castro levou a cabo para conhecer a latitude por alturas extrameridianas84 . João de Castro. Obras Completas de D. Existe ainda um outro factor importante a considerar. Vol. Seria bastante estranho que em 1537. 84 D. Albuquerque deixa bem claro que o vice-rei usou apenas um instrumento na sua viagem. ao «instrumento jacente no plano» é de 1566. mas sim do iv. porque a obra sofreu uma remodelação. de Pedro Nunes. João de Castro. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Estando o sol em altura de 37 graos ho estilo lançou a sombra 75 graos 1/2 contando do norte pera a bando do leste. 127. 82 Ibid. Coimbra: Academia Internacional da Cultura Portuguesa. João tivesse usado o mesmo. João de Castro refere-se ao último.

em relação ao pólo árctico. o regimento que sugere é uma simplificação daquele que usam os navegantes. REGIMENTO DO SOL 201 Nesse estudo refere que na viagem de 1538 foi apenas usado o instrumento destinado a obter direcções. Existe ainda um outro elemento bastante estra- nho. basta subtrair ou somar a 90o a declinação do Sol. 3. João de Castro são de 1968.3. mostrando o texto de Lavanha. O estudo em que expõe as ideias que levantaram a confusão entre os dois instrumentos foi publicado em 1988. expõe umas ideias relacionadas com a mesma. muito próximo. Começa por sugerir que se calcule a distância polar85 . consoante esta seja norte ou sul. e apresenta a informação correcta e passados vinte anos. respectivamente. Vamos expor.6. seguido do de Nunes.6 Regimento do Sol No capítulo cinco explica como se pode achar a altura do pólo pela altura meridiana do Sol. Para tal. Pedro Nunes. passo a passo o método. A fonte directa de inspiração de Lavanha para este assunto terá sido certamente. o raciocínio de Nunes. De acordo com as suas palavras. Por medio de las alturas meridianas del . Custa a perceber porque razão redige um estudo no qual analisa detalhadamente aquela fonte. Considera ainda que o método que indica é mais simples que o regimento geralmente usado pelos pilotos. e mais uma vez. enquanto que as obras de D. que levam a essa confusão. O modo de exposição do assunto segue.

observadas con los jns- trumentos dichos en el capitulo passado y conosida la par la tabla del capitulo 2 la declinaccion que tiene conoceremos la altura del Polo para lo qual usã los navegantes unos Canones los quales redusimos a otros mas breues y ciertos que son estos sabida la declinacion del .

en el propuesto dia saquese de un quadrante si fuere septentrional o anadese à un quadrante si fuere austral y lo que resultare o anadindo o sacando será la distancia del .

28vs. Para Lavanha será sempre a distância em relação ao pólo norte. . independentemente de qual a latitude onde está o observador. aquele que tem o mesmo nome da latitude do observador. entre um dos pólos e o astro. fl. Em rigor. Vamos expor resumidamente. 85 A distância polar é a distância em graus. com maior clareza e precisão. ou seja. 86 . Tratado del arte de navegar. 86 Lavanha. define-se como a distância do astro ao pólo elevado. del polo del mundo artico. . . as re- gras que os mareantes costumam usar para achar ao meio dia a altura do pólo acima do horizonte.

87 . caso o zénite do observador se encontrasse entre o Sol e o Pólo Norte. e adiciona-se a um quadrante se for austral. A partir deste valor era fácil conhecer a latitude. Figura 3. se o Sol estivesse entre o zénite e o pólo.202 CAPÍTULO 3. bastaria subtrair da distância polar o valor da distância zenital88 . TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR A declinação que o Sol tem no dia da observação subtrai-se a um quadrante se se verificar que é boreal. que o autor define como o complemento89 do valor obtido. Obtinha-se deste modo a distância entre o lugar e o Pólo Norte. o número que resulta da subtracção ou da adição será a distância do Sol ao pólo árctico do mundo.15: Figura auxiliar do regimento do Sol Em seguida. ou então somar a distância polar e a distância zenital. despues obseruada el mismo dia con uno de los jnstrumentos ditos la minima distancia que el .

que es el con- plemento de su altura meridiana sobre el orizonte la saquemos de su distancia que tiene del polo artico. tiene de nuestro zenith. se nuestro zenith estuuiere entre el .

y ele mismo polo septentrional. si el . o la anadiremos a la dita distancia del polo.

Tal valor era obtido usando qualquer dos instrumentos indicados para obter alturas de astros. então a latitude seria igual à própria declinação nesse dia. 385. De arte atque ratione nauigandi. estiuere entre el nuestro uertice y nuestro polo que el numero de los grados y minutos que resultare del sacar o del anadir sara la distancia que nuestro zenith tiene del polo Artico. 88 A distância zenital é o complemento da altura do astro. Obras. de la qual luego conocemos la latitud del lugar que es complemento del arco al- 87 Nunes. então retirava-se esse valor de 90o . deveria tirar-se 90o desse valor. No caso de ser exactamente igual a 90o . e no caso de ser inferior. 89 Em rigor. . p. caso o valor obtido fosse superior a 90o .

se o zénite estiver entre o Sol e o pólo árctico. através de um astrolábio ou de qualquer outro instrumento para isso adequado. indicando uma forma de saber. como se conocerá si el sol está entre el polo del mundo artico y mi uertice o al contrario mi uertice entre el . O número de graus e de minutos que resultar desta subtracção ou adição será a distância do zénite ao pólo árctico do mundo. observa-se a me- nor distância do Sol ao zénite. Realçam ainda que a sugestão apresentada é muito melhor que o método usado pelos navegantes. Ambos os autores terminam esta exposição do método. A explicação continua. se o Sol estiver entre o pólo e o zénite. . Subtrai-se esta distância da distância encontrada do Sol ao pólo árctico.6. a posição relativa entre o Sol. . em ambos os casos.15 e 3. que reproduzimos nas figuras 3. o vértice e o pólo norte. . Lava- nha complementa a sua explicação com duas imagens. estando bastante esbatidas. Então. para o mesmo fim: . Os excertos anteriores são suficientes para demonstrar que o texto de Lavanha não é mais do que uma cópia do de Nunes. 90 . Nunes não mostra nenhumas figuras equivalentes. a partir da qual imediatamente se conhecerá a latitude do lugar. expeditamente.16. que é igual a altura do pólo acima do horizonte91 . a sua qualidade é bastante reduzida. REGIMENTO DO SOL 203 lado. e adiciona-se. com a apresentação das várias situações possíveis. Tal como a maioria das restantes imagens de Lavanha. a la qual como se saue y se há demonstrado es igual la altura del polo manifesto sobre el orizonte.3. . no mesmo dia da observação.

porque se al tiempo de la obseruacion quando esta el . y el dicho polo. es muy facil.

mas propinguo al nuestro zenith. cierto es que mi uertice esta entre el . vueltos a el con la cara se movere con en el mouimiento del primer mobil de la parte esquerda asta la derecha.

afirmaremos que esta el . emperó se se muvere de la parte derecha asta la isqerda. y el polo artico.

Obras. Tratado del arte de navegar. fl. De arte atque ratione nauigandi. p. 28vs. 92 . pelo contrário. 28vs. 91 Nunes. Também não será difícil saber se o Sol está entre o pólo árctico do mundo e o zénite. ou se. fl. . . o zénite está entre o Sol e o 90 Lavanha. 92 Lavanha. . entre el polo artico y mi uertice todo lo qual conocẽ los nauegantes de las sombras y lo jnstrumento pero este modo es mus facil y mas simples. 385. Tratado del arte de navegar.

mas também mediante a mínima. e tem durante as vinte e quatro horas duas alturas meridianas. ainda que de outro modo. po- der-se-á encontrar a altura do lugar não só mediante a altura máxima. e não precisa de instrumento algum93 . De arte atque ratione nauigandi. porém. Mas se rodar da direita para a esquerda. Com efeito. conhecem isto a partir das sombras e da agulha de marear. variando apenas as contas que deverá fazer para cada caso: Deve ainda advertir-se que nos lugares mais boreais. poderá observar duas passagens meridianas. se. . Figura 3. virmos que ele roda com o mundo da esquerda para a direita. p. situados entre o pólo árctico do mundo e o círculo descrito pelo movimento diurno do pólo do zodíaco. ter-se-á a certeza de que o zénite se encontra entre o Sol e o pólo árctico. Os mareantes. Todavia o nosso método é mais simples e mais fácil. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR pólo. quando o Sol se encontra mais próximo do zénite. 385–386. então saber-se-á que o Sol está entre o zénite e o pólo árctico. No caso de o observador se encontrar entre algum dos círcu- los polares e o respectivo pólo. uma máxima e outra mínima. Obras.. pp. voltando-nos de frente para o Sol. ao complemento da altura mínima. uma superior e outra inferior. Nesse caso. subtraindo a distância do Sol ao pólo à distância máxima entre o zénite e o Sol. resultará o arco da distância entre o zénite e o pólo do mundo. Nunes apresenta uma sugestão eminente- mente teórica. Portanto. 386. E assim saber-se-á a latitude do lugar94 . quando o Sol está nos signos boreais. 93 Nunes. no momento da observação. isto é.16: Outra figura auxiliar do regimento do Sol Após terminar a exposição. 94 Ibid.204 CAPÍTULO 3. tal como se disse. poderá aproveitar ambas. em alguns dias o Sol não nasce nem se põe. Com efeito.

3. . não praticavam essas re- giões. que já sugerira anteriormente esta abordagem. Lavanha vai também explicar este processo nas suas lições da Academia de Matemática. y es de aduertir que en los logares muy septentrionales que es- tan dientro del circolo artico quando el .6. A sua inspiração foi mais um vez Nunes. . . É mais um facto que vem reforçar a ideia de que essas aulas não se destinavam propriamente a homens do mar. ou os espanhóis. REGIMENTO DO SOL 205 Os navegadores portugueses. razão pela qual a sugestão anterior não tem nenhum interesse prático para os pilotos ibéricos95 . No entanto.

96 . e o mesmo é o método de levá-lo a efeito. em lugar de referir que a sua fonte de inspiração foi o texto de Nunes. através das alturas meridianas das estrelas. E inteiramente pelo mesmo processo com que. 386. Tratado del arte de navegar. quer máximas. De arte atque ratione nauigandi. podereis também. em busca das chamadas passagens do Nordeste e do Noroeste. Pen- samos que a paralaxe do Sol no círculo da altura deve ser desprezada nestas observações. fl. . Também Lavanha vai copiar exactamente a mesma ideia. . pois tudo quanto aqui ensinámos se pode concluir de imediato das opiniões comuns. De facto. Pedro Nunes conclui o capítulo referindo que o processo de cálculo que explicou para o Sol pode ser também aplicado a qualquer estrela. se determina a altura do pólo acima do horizonte (tal como ensinámos). me- diante as alturas meridianas do Sol. está en los sinos boreales ay algunos dias que no nace o se pone. 28vs. nomeadamente os Ingleses. p. y assi tiene en espacio de 24 horas 2 alturas meridianas una maxima otra minima. navegavam regular- mente nessas regiões. 97 Nunes. durante a noite. No entanto. o processo é exacta- mente o mesmo. 96 Lavanha. com uma aplicação universal: As demonstrações do que dissemos são facílimas. quer mínimas. diz que desenvolve a demonstração dos processos de cálculo no seu Tratado do Astrolábio: 95 Note-se que os povos mais a Norte. onde no solamente por la maxima se puede saber la altura del polo por el modo dicho pero tambien por la minima de otro modo porque sacaremos del comple- mento de la minima altura que es la distancia entre el uertice y el sol la distancia que el tiene del polo del mundo y quedara conocido el arco de la distancia entre mi uertice y el polo del mundo artico.97 . Para ele. determinar a elevação do pólo. Obras. . trata-se de um processo de cálculo bastante simples.

Quanto à outra. 81–84. com os valores a variar entre 23o 330 N e 23o 330 S. usa-se já o valor de 23o 300 . 100 Luís de Albuquerque. 1989. 29. como se comprova nas diferentes tabelas que constam dos Livros de Marinharia conhecidos. Ed. correspondendo a umas tábuas que constam no João de Lisboa e outras no final do Códice que engloba o 98 Lavanha. y es de advertir que con la misma arte con que por las alturas del sol meridianas maximas y minimas se sabe la altura del polo sobre el orizonte se conoce tambien de noche par las alturas meridianas de las estrelas la misma eleuacion del polo siendo de tudo una misma demonstracion la qual se allará el modo como se hade usar esto en el tratado de nuestro Astrolabio en la 2da parte98 . 1903. Só com a publicação do Regimento Náutico de Lavanha. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR . . sondas e outros conhecimentos relativos à navegação. 2a . Tratado da agulha de marear de João de Lisboa. 99 João de Lisboa. Comecemos por comentar o valor máximo de declinação utilizado. . anteriores à publicação do Regimento Náutico de João Baptista Lavanha. Um processo semelhante a este encontra-se no Livro de Marinharia de João de Lisboa99 e também descrito no Livro de Marinharia de André Pi- res100 . por ele estudado. o mesmo passou a ser de utilização comum: As suas propostas não tiveram nenhum eco no mundo náutico na- cional antes do final do século xvi. Conheciam-se. Outro ponto deveras interessante é o facto de que nesta segunda tabela. por Jacinto Ignácio de Brito Rebello. mas fornece valores da distância an- gular entre o pólo norte e o Sol. Coimbra: Imprensa de Libânio da Silva. num estudo sobre um manuscrito que se encontra em Praga. Tratado del arte de navegar. A primeira é a clássica. todavia. Livro de Marinharia. no ano de 1595. . são apresen- tadas duas tabelas de declinação do Sol. Ou seja. fl. De acordo com o seu texto. que aliás o importara de Regiomontanus. quem primeiro terá usado esse valor em Portugal foi Pedro Nunes. Curiosamente. do Livro de Marinharia. Jorge Semedo de Matos. continua a manter no cabeçalho a indicação de declinação. ao longo do século xvi era de 23o 330 . o de João de Lisboa. 64–82. se ter considerado como valor máximo da declinação do Sol 23o 300 e não os 23o 330 da tabela anterior. Roteiros. na qual tem os valores que Lavanha sugere no primeiro passo dos seus cálculos. duas excepções a esta resistência aos novos valores propostos por Nunes. O Livro de Marinharia de André Pires. pp.206 CAPÍTULO 3. Nesse manuscrito. informa-nos que o valor geralmente usado na marinharia portuguesa. pp. apresenta uma tabela. num mesmo livro. Lisboa: Vega.

6. porque este cosmógrafo sugere um processo semelhante ao que se encontra nos ditos Livros de Marinharia. Tal como acontecia no texto atribuído a João de Lisboa. no texto por ele escrito em 1566. lado a lado com tabelas com o valor clássico. 23o 330 . em nota de rodapé.) e. O manuscrito de Praga. pp. Talvez por faltarem vestígios da sua utilização. o uso deste valor da declinação. . na obra de Nunes.l.3. Adiante tentaremos demonstrar que o processo apre- senta algumas diferenças significativas entre a versão dos cosmógrafos e a dos pilotos. o método não interessou a histo- riografia corrente sobre a náutica quinhentista. «O manuscrito de Praga e a marinharia quinhentista portu- guesa». variando entre 66o 300 (Junho) e 113o 300 (Dezembro). Artur Teodoro de Matos e João Manuel Teles e Cunha [ed. p.]: Centro de Estudos dos Povos e Culturas de Expressão Portuguesa—Universidade Católica Portuguesa. A questão de saber se o Livro de Marinharia de André Pires também contém ou não as referidas tabelas de distâncias polares. cit. não tem sido con- sensual. Em: Livro de Marinharia. e. no fim. 49–50.] [s. no João de Lisboa. adoptadas por Pedro Nunes101 . com um limbo gra- duado de 0o a 180o de cuja existência não temos notícia. também no de André Pires encontramos tabelas com ambos os valores para a declinação máxima do Sol. indiciam também essa possível influência noniana. Contudo. embora incompletas: Fontoura da Costa escreveu (loc. estão precedidas de um Regimento muito simples que sugere uma utilização fácil. directa ou indirectamente. São dois casos singulares em que os valores apresentados são distâncias do Sol ao Pólo Norte. Este último valor pode muito bem ter sido adoptado por influência de Nunes. EPAL. para as tabelas «normais» de declinação e 23o 300 para estas tabelas de distâncias polares do astro. É possível que este lapso se deva à circunstância 101 Jorge Semedo de Matos. mas não deixa de ser curioso que as referidas tábuas reflectissem as correcções de Monterré- gio. Luís de Albuquerque afirma que as mesmas não existem no texto. 2009. Luciano Pereira da Silva estudou-o com atenção e concluiu que obrigavam à utilização de um astrolábio próprio. informa que Fontoura da Costa considerava que no final do manuscrito do referido livro existem essas tabelas. REGIMENTO DO SOL 207 Livro de Marinharia de André Pires. 73): «O Ms. Isto embora só tenhamos encontrado referência a este processo. Primeiro. de An- dré Pires também contém o processo de que nos vimos ocupando (o terceiro do seu Ms. as Tábuas de distância polar norte so- mente principiadas». Por outro lado. Mas na sua essência é o mesmo..

Albuquerque não publicou esta parte do Códice. It. Semedo de Matos tem uma opinião diferente. Manuscrits Portugais o n. o lugar do Sol. As de João de Lisboa apresentam. 103 Matos. O texto do mesmo é bastante reduzido e simplificado. Este autor facultou-nos o acesso à reprodução do mencionado códice e verifica-se a existência das referidas tabelas no final do mesmo. tomamdo altura ao meio dia veras a parte que o teu esterlabio decrina ao norte e começamdo de baixo do primeiro grao pera çima ate omde estiuer a pomta da mea crina que he altura domde ficou o soll com estes graos que asi achares no esterlabio iras ver a decrinação que ouver aquele dia. Analisemos seguidamente o regimento que João de Lisboa sugere. se ler a referên- cia a uma «seguinte tabuada». ser apresentada posteriormente às regras. André Pires. que correspondem às que em João de Lisboa estão preenchidas com o lugar do Sol. fl. ou falta no apógrafo que conhecemos102 . explica essa situação: Códice da Bibliothèque Nationale de France. nota 25. São seme- lhantes às de João de Lisboa. It. no final do estudo que temos vindo a seguir. se a decrinação for mayor que a altura tiramdo hum do outro o que ficar estaras da parte do sull / It.208 CAPÍTULO 3. As de André Pires só têm o valor da declinação. p. p. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR de. Em nota. se altura do estrelabio for mayor que a declinação tiramdo a menor da mayor o que ficar estaras da parte do norte. «O manuscrito de Praga e a marinharia quinhentista portuguesa». sendo reproduzido de seguida: Regimento desta decrinação It. O Livro de Marinharia de André Pires. portanto. 58. assim como o valor da declinação. Os valores de distância polar são os mesmos. 147v e ss. . no contexto do regimento copiado por André Pires. 89. considerando que o texto de André Pires tem as referidas tabelas no final. 130. que deveria. mas de facto não chegou a se copiada pelo autor. mas contém duas colunas em branco. p. Luís de Albuquerque. It. quamdo tomares novemta graos que he do soll em sima de tua cabeça veras a declinação daquele dia / se for menor que altura estas 102 Albuquerque. se for altura ygoall cõ a declinação estaras na linha. n. 40. para cada dia. 19103 . considerando que não pertencia ao Livro de Marinharia de André Pires.

não dando lugar a qualquer tipo de ambiguidade: Nestes concisos preceitos ficam compreendidos todos os casos pos- síveis. 65. se for tamta a altura como a decrinação estas na linha104 . Vol. 310.. e nós concordamos plena- mente. Figura 3. De acordo com este historiador da náutica. Luís de Albuquerque chamou a atenção para um facto com o qual con- cordamos plenamente. usando a distância do Sol ao Pólo Norte. podendo daí inferir-se que seja posterior a este. Em: Obras completas. era necessário dispor de um astrolábio especial. O Regimento atinge a sua simplicidade máxima com um astrolábio assim graduado105 . e se for mais a decrinação estas da parte do sull o que pasar de — 90 — graos. It. iii. Defende ainda. Lisboa: Agência Geral das Colónias.3 encontra-se reproduzida a imagem elaborada por Luciano. Não há distinções de sombras a fazer. 105 Luciano Pereira da Silva. para obter o valor da latitude. REGIMENTO DO SOL 209 da parte do norte o que falta pera novemta — 90 — graos. Na figura 4. 1945. . A versão mais simplificada deste regimento é aquela que se encontra no texto de André Pires: Sem sacrificar a clareza da exposição.17: Astrolábio «especial» usado no processo de João de Lisboa Este regimento foi estudado por Luciano Pereira da Silva. que este processo é o mais simplificado para obter a latitude pela altura meridiana do Sol. p. «A «Regra geral das festas mudaveis» de Gonçalo Tran- coso». que explicou o processo de cálculo.3. o texto de André Pires é muito mais conciso do que o de João de Lisboa.6. p. a redacção de João de Lisboa deve provir 104 Ibid.

somos de opinião de que existem diferenças significativas. entre a sugestão de Nunes/Lavanha e a de João de Lisboa/André Pires. caindo-se assim nas repetições que se notam nos seus dois itens finais. O primeiro é o facto de o cosmógrafo-mor também ter proposto este processo. tirarás o que naquele dia achares em a seguinte tabuada. Além disso. e se for menos.210 CAPÍTULO 3. pela circunstância de os pilotos se encontra- rem ainda pouco familiarizados com o processo. 107 Ibid. p. valor introduzido por Nunes. o contrário por sempre se deve tirar. não terás altura alguma. daquela banda que o astrolábio demora ao norte. a exposição do método. e o que sobejar é a altura do pólo. Porém. e sendo iguais. No entanto. E o que é mais relevante ainda é que em ambos os livros encon- tramos tabelas com valores diferentes para essa declinação máxima: 23o 330 para o regimento mais comum e 23o 300 para este regimento que temos vindo 106 Albuquerque. que é a maior altura que pode ter. Adiante explicaremos este nosso ponto de vista. . porque estás debaixo da linha»107 . conforme notámos anteriormente. em termos de aplicação prá- tica. Seguidamente transcrevemos essa outra versão deste regimento: «Hás-de saber que vindo o Sol ao meio-dia. pois correspondem a casos já incluídos nas regras anteriores106 . 90. o indício mais forte da possível influência de Nunes é o facto de as tabelas usarem como valor máximo da declinação do Sol 23o 300 . Qual a sua ori- gem? Existem alguns indícios que nos apontam para a possibilidade de ter existido alguma influência de Pedro Nunes. se tornava necessário explicá-lo miudamente. E não duvides estar da banda do norte se o que houver do Sol ao horizonte for mais do que na tabuada achaste. os menos dos mais. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR de uma época em que. Várias questões se colocam em relação a este processo. nota sempre os graus e parte dos graus do astrolábio que há do Sol ao horizonte. p. Tudo aponta para que os Livros de Mari- nharia que contêm o mesmo processo sejam anteriores a essa data. por parte do cosmógrafo-mor só ocorre no seu texto de 1566. O Livro de Marinharia de André Pires. farás tua conta desta maneira: regra E dos graus que houver do Sol ao horizonte. porque com isto e com o que acharem em as tabuadas aquele dia. estarás da parte do sul.. 90.

ainda que nenhuma referência lhe faça nas obras que deixou publica- das108 . Existe uma informação menos correcta no final da transcrição. Isto apesar de algumas páginas atrás explicar com algum detalhe os contributos de Nunes para o regimento clássico de latitude pela passagem meridiana do Sol. é diferente. embora esteja incluído no Códice onde vem o Livro de Marinharia. O próprio Fontoura integrava a comissão científica nomeada pela Academia das Ciências para levar a cabo a edição das obras do cosmógrafo-mor. Embora o seu conteúdo tivesse sido por diversas vezes comentado. Lisboa: Edições Cul- turais da Marinha. e estudada. O que dizem os autores que temos vindo a seguir sobre este assunto? O primeiro a estudar este assunto. Fontoura da Costa. Quem seria o autor deste processo? Talvez o próprio Pedro Nunes. sendo reeditado o texto de 1537. no respectivo Ms. não é da autoria de João de Lisboa. Quanto ao outro grande texto que Nunes dedicou à náutica. REGIMENTO DO SOL 211 a analisar. Porém.3. a obra de Pedro Nunes mais conhe- cida. só foi traduzido em pleno sé- culo xxi. nomeadamente nos textos originais de Nunes. quando aborda este regimento. 4a . Quanto a Fontoura da Costa. Mas temos uma explicação para esta imprecisão de Fontoura da Costa. não se pode concluir pela influência de Nunes na cri- ação deste processo. Na época em que ele escreveu. pois não se encontra o elo que possibilita essa ligação. Resumindo. era a que ele publicou em 1537. 90. ela é muito provável.6. pelos indícios apontados. tinha conhecido algumas edições e vários estudos sobre o seu conteúdo. Em 1940 saiu o primeiro volume dessas obras. não faz nenhuma referência a Pedro Nunes. mostra-se inclinado para a possibilidade o processo ter sido derivado de contributos do cosmógrafo-mor: Este quinto processo. e que Nunes foi a fonte de inspiração para Lavanha. já porque precede as Tábuas de distância polar norte (máxima declinação 230 300 ) as quais foram colocadas no referido Códice depois de publicado o Tratado da Esfera (1537) de Pedro Nunes. 1983. A Marinharia dos Descobrimentos. Luciano Pereira da Silva. Fica a ideia de que Nunes nunca escreveu nada sobre este processo. já porque a sua caligrafia. aquilo que se conhecia sobre o mesmo não tinha comparação com o que se 108 A. .. p. Sendo um texto integralmente em latim. teve a sua primeira edição em 1566. Já mostrá- mos aqui que tal não é verdade. Redigida essencialmente em português.

que a opinião de Luís de Albuquerque é de que o processo foi efectivamente usado no mar. por essas razões. 110 Costa. contudo. também não nega linearmente essa possibilidade: Em resumo: não é possível apurar. Luciano Pereira da Silva. No seu texto de 1566. como em relação ao seu uso por parte dos pilotos. . a atribuição da sua autoria a Pedro Nunes. que ela seja anterior à que podemos ler no Códice de Paris109 . Daí que não seja de estranhar encontrarem-se indi- cações como esta. ou não? Notamos na transcrição anterior. refere que o processo não foi seguido pelos pilotos110 . pp. é ao menos de aceitar. um elemento que perturba um pouco o nosso racícionio. em que se afirma que Nunes nunca abordou determinado assunto. tenha na verdade sido usado na marinha portuguesa do século xvi. Outra questão que importa esclarecer é se o método teria realmente sido usado pelos pilotos no mar. em que data teria sido elaborado o regimento das distâncias polares do Sol para o cálculo da latitude. é pelo menos discutível. Já Fontoura da Costa. no passo em que explica o mesmo. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR sabia sobre o de 1537. A nossa opinião pende para a afirmativa. Porém. 90–91. adaptadas ao uso do processo. quando na realidade o mesmo foi debatido no texto de 1566.212 CAPÍTULO 3. no 109 Albuquerque. não se pronuncia sobre se ele foi ou não usado efectivamente a bordo. qualquer que seja a sua origem. embora só em casos excepcionais. A Marinharia dos Descobrimentos. Mas é de admitir que o processo. apenas com base no facto de as únicas tábuas que se conhece. pelos pilotos. O Livro de Marinharia de André Pires. extra-texto 76–77. Existe. relativamente à redacção de João de Lisboa. tanto em relação à possível autoria do texto poder ser atribuída a Nunes. Já Luís de Albuquerque tem uma postura mais prudente. afirmando que os indícios existentes não chegam para lhe atribuir a paternidade do processo. numa tabela que intitula «Evolução do Regimento da Declinação (altura do pólo ao meio dia)». pois deve ser em consequência do uso prático das suas regras que se notam aperfeiçoamentos na exposição que dele nos dá André Pires. e se não podemos garantir que a versão deste último piloto fosse a primi- tiva. O facto de o regimento se encontrar em dois «manuais» práticos de pilotagem leva-nos a afirmar que quase de certeza que sim. com os elementos de que dis- pomos. provirem das tábuas de decli- nação que o cosmógrafo-mor publicou.

385.3. porém. 385. Figura 3. . Qual o regimento que Nunes tenciona clarificar? O clássico? Ou este regimento. Pedro Nunes indica que vai clarificar o Regimento do Sol. Mas se rodar da direita para a esquerda. De arte atque ratione nauigandi. Esta afirmação apenas faz sentido para o regimento clássico do Sol. segundo Luís de Albuquerque Uma dúvida nos salta logo à vista. Terminamos a nossa análise desta proposta de regimento para o Sol. as re- gras que os mareantes costumam usar para achar ao meio dia a altura do pólo acima do horizonte111 . . uma vez que com aquele que encontramos em João de Lisboa ou em André Pires. então saber-se-á que o Sol está entre o zénite e o pólo árctico. não é necessário ligar à direcção da sombra. Os mareantes. REGIMENTO DO SOL 213 capítulo em que expõe este método. . Obras. Por exemplo. Vamos expor resumidamente.6. 112 Ibid. com uma comparação prática entre a proposta dos cosmógrafos e a dos pilotos. p. p. conhecem isto a partir das sombras e da agulha de marear112 .. 111 Nunes. com maior clareza e precisão. na sua versão dos pilotos? A leitura do restante capítulo inclina-nos a defender a primeira possibilidade. afirma o seguinte: . da leitura deste excerto.18: Esquema dos cálculos. quando Nunes discute a forma de se saber qual a posição relativa Sol/zénite/pólo.

O Livro de Marinharia de André Pires. ao referir este processo. por estas palavras: «Tomando altura ao meio-dia. dispor de um astrolábio graduado de modo conveniente a que nos referimos. conforme essas declinações fossem boreais ou austrais. o racíocinio do grande historiador da náutica está totalmente correcto. do primeiro grau para cima. desde que o observador se acautelasse na leitura. e acrescen- tava que o piloto devia. não podemos concordar com 113 Albuquerque. em lugar da sua declinação. p. . se eram as mais cómodas. »113 . ou adicionando os dois números. ele podia ser lido em qualquer astrolábio.214 CAPÍTULO 3. além disso. verás a parte que o teu astrolábio declina ao norte. 88. não eram no entanto indispensáveis: as distâncias polares podiam ser tiradas de uma tábua vulgar de declinações. pensamos que estas condições. estamos perante duas abordagens bastante diferentes. em termos de forma. e começando por baixo. quanto ao ângulo s. no primeiro parágrafo da sua versão do regimento. Embora concordemos que. onde directamente pudesse ser lida a distância polar do Sol dia a dia. Pela nossa parte. porém. afirmou que a sua uti- lização prática exigia a construção de tábuas solares especiais. anotada nas tabelas correntes. subtraindo para 90o os números que nelas se lessem. começaremos por mostrar um excerto do estudo de Luís de Albuquer- que. .19: Esquema dos cálculos. . segundo Luís de Albuquerque Defendemos que. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Figura 3. Para esclarecer este nosso ponto de vista. que temos vindo a seguir: Fontoura da Costa. apesar de conceptualmente semelhantes. como de resto parece que recomenda João de Lisboa. até onde estiver a ponta da mediclina .

O que importa realçar no regimento dos pilotos é essencialmente a sua simplicidade. embora os que existem a mais no de Lisboa são «repetidos». Ora os textos que conhecemos. só faz sentido que os pilotos usassem o regimento na sua versão mais simples. se elas estão inseridas nos manuscritos. Inclusivamente. tem menos passos. sem essas tabelas. mostrou os diferentes passos de cálculo para se determinar a latitude por este processo. que reproduzimos nas figuras 3. nos Livros de Marinharia. em relação aos astro- lábios comuns. que são os mesmos que os de Lavanha. o regimento de Nunes/Lavanha. Provavelmente a maior complicação no fabrico de um astrolábio era a graduação da respectiva escala. São três os argumentos que apontamos. assim como poderia ter. este astrolábio não tinha nada de diferente. Primeiramente. como já anteriormente referimos. isto é. não têm passos para converter a declinação em distância po- lar. Na tabela 3. menciona todos esses passos. Os regimentos. Como já vimos. a sua construção não apresentava nenhuma dificuldade técnica. na tabela 3.18 e 3. A sua forma seria exacta- mente a mesma de qualquer astrolábio. usando as tabelas de distância do Sol ao Pólo Norte e medindo a altura do Sol com o referido astrolábio adaptado para este processo. sem que essa implique que o método seja insuficiente para as necessidades. Nesse particular. Assim. ou a altura (ou distância zenital) lida num astrolábio normal. Essa explicação foi acompanhada de duas imagens. Para expor mais claramente o nosso ponto de vista. as regras. Em relação ao de João de Lisboa. Da análise das tabelas verificamos que enquanto que o regimento dos pilotos implica quatro passos. REGIMENTO DO SOL 215 o mesmo. Contudo.6. o astrolábio. O professor considerou todas as situações possíveis: o piloto po- deria. em geral.3 colocámos os passos do regimento de André Pires.2 mostramos os passos do regimento de Pedro Nunes. . Em nossa opinião. É verdade que não se conhece nenhum exemplar de astrolábio assim graduado. Não faz muito sentido supor que se poderia usar este método. as tabelas. Mas aquilo que é mais relevante. ou não. para o nosso racíocinio é o número de cálculos. e vamos mostrar num caso prático. uma tabela de distâncias polares do Sol.3. Por último.19. o dos cosmógrafos necessita de seis. decidimos apresentar os passos de cada um dos regimentos na forma tabelar. ou não. dispor do tal astrolábio especial. a favor desta nossa hipótese. previam todos os passos a cumprir. em altura «adaptada» para este processo. Em segundo lugar.

ϕ = 9o = . através tância zenital de um astrolábio ou de qualquer outro instru- mento para isso adequado. se. e adiciona-se. ∆ = A declinação que o Sol tem no dia da observa- tância polar 111o 480 = ção subtrai-se a um quadrante se se verificar (90o + 111o 480 ) que é boreal. Com efeito.. que é igual a altura do pólo acima do horizonte Determinação — Também não será difícil saber se o Sol está do hemisfério entre o pólo árctico do mundo e o zénite. . quando o Sol se encontra mais próximo do zé- nite. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Tabela 3. Cada um destes tem uma explicação um pouco complexa. se o zénite estiver ao pólo norte 30o 480 ) entre o Sol e o pólo árctico. então saber-se-á que o Sol está entre o zénite e o pólo árctico. Cálculo da lati. O número de graus e de minutos que resultar desta sub- tracção ou adição será a distância do zénite ao pólo árctico do mundo. a explicação final. . ou se. ζ = 30o 480 Então. . no momento da observação. a partir da qual imediatamente se conhe- tude (90o − 81o ) cerá a latitude do lugar. e adiciona-se a um quadrante se for austral.216 CAPÍTULO 3. . δ = 21o 480 Obtida numa tabela de declinações nação Cálculo da dis. . d = 81o = Subtrai-se esta distância da distância encon- tância do zénite (111o 480 − trada do Sol ao pólo árctico. Mas se rodar da direita para a esquerda. podendo ser uma adição ou uma subtração. virmos que ele roda com o mundo da es- querda para a direita. no mesmo dia da observação. observa-se a menor distância do Sol ao zénite.2: Passos do regimento dos cosmógrafos Passo Valor Descrição Leitura da decli. Inclusivamente. A aplicação do regimento de Nunes/Lavanha necessita de três cálculos. o número que resulta da subtrac- ção ou da adição será a distância do Sol ao pólo árctico do mundo Medição da dis. conforme as condições. ter-se-á a certeza de que o zénite se encontra entre o Sol e o pólo árc- tico. voltando-nos de frente para o Sol. o zénite está entre o Sol e o pólo. Cálculo da dis. se o Sol estiver entre o pólo e o zénite. pelo contrário.

se fazia sempre reti- rando o menor do maior. naquela época. os menos dos mais. a definição dos diferentes passos deste regimento implicam uma certa reflexão abtracta e um certo domínio de questões astronómicas complexas. Tabela 3.3. nota sempre os graus e parte dos graus do astrolábio que há do Sol ao horizonte. daquela banda que o astrolá- bio demora ao norte.6. prever todos os passos da resolução. E uma vez que a subtração. Leitura da dis. ∆ = 111o 480 . tude (120o 480 − tirarás o que naquele dia achares em a seguinte 111o 480 ) tabuada. o contrário por sempre se deve tirar. Porém. Note-se que até esta chamada de atenção sobre a forma de efectuar uma subtração lá está contemplada: «o contrário por sempre se deve tirar. Determinação — E não duvides estar da banda do norte se o que do hemisfério houver do Sol ao horizonte for mais do que na tabuada achaste. . porque estás debaixo da linha Já o método proposto no livro de André Pires implica apenas um passo de cálculo. Temos vindo a referir a circunstância de que o método exposto no Livro de Marinharia de André Pires. e o que sobejar é a altura do pólo. a = 120o 480 Hás-de saber que vindo o Sol ao meio-dia. do que no dos pilotos. em termos de aplicação prá- tica. E este é bastante simples de entender. REGIMENTO DO SOL 217 sobre o modo de definir qual o hemisfério em que o observador se encontra é mais complexa no regimento dos cosmógrafos. .3: Passos do regimento dos pilotos Passo Valor Descrição Medição da al. conforme já anteriormente referimos. Daí que somos de opinião que o método poderia ter sido desenvolvido por alguém que detivesse essas perícias. porque com isto e com o que acharem em tância ao pólo as tabuadas aquele dia. que tura do Sol é a maior altura que pode ter. não se sabe exactamente quem foi o seu autor. . . não apresentava dificuldade alguma. . não terás altura alguma. e se for menos. ϕ = 9o = E dos graus que houver do Sol ao horizonte. farás tua conta desta norte maneira. embora bastante simples. estarás da parte do sul. . Cálculo da lati. e sendo iguais. Embora bastante simples. os menos dos mais». . pois será sempre uma subtração.

por parte de Lavanha.218 CAPÍTULO 3. bastante mais complexa e adequada a quem tivesse alguma preparação matemática. siendo el proprio suyo allar la distancia entre dos estrellas que sea menor que el quadrante de un circolo maximo para lo qual es el radio Astronomico excellente. . seguir a abordagem proposta por Pedro Nunes. importa destacar o facto de mais uma vez estarmos em presença de uma abordagem essencialmente teórica de um problema. nas aulas de Lavanha. e sobre o qual Lavanha não faz qualquer menção. Prefere. Mas este valor não tem qualquer interesse para os navegantes. fl. pelo menos junto de alguns pilotos. Tratado del arte de navegar. porque muchas veces el orizonte esta escuro onde se pone una de las puntas de la soaja y quando estuuiera muy claro es imposible que con el mouimiento de la nao pueda en un mismo tiempo obseruar dos cosas juntamente. por 114 Lavanha. estamos em presença de uma transcrição muito aproxi- mada das palavras de Pedro Nunes: Os mareantes servem-se da balestilha para medir a altura da estrela polar acima do horizonte. la una la estrella y la otra el orizonte entrambas por las extremidades de la soaja por lo qual yo no lo aprueuo para este uso. Existia um procedimento prático. O principal inconveniente reside no facto de não ser possível observar simultaneamente a estrela e o horizonte. pelo que não o desenvolve. Mas é sobremaneira difícil encontrar. y porque esta operacion no sirua a los nauegantes no diremos su fabrica y uso remetendome a Juão de Monteregio que lo escrivio en el libro de Cometa114 . Começa por criticar o uso da balestilha para observação das estrelas. 3. isso sim.7 Regimento do Norte O capítulo que se segue. é dedicado à questão da distância da estrela Polar ao pólo. 30. O instrumento indicado por Lavanha para determinar altura de estrelas é o quadrante: Usan los nauegantes de la Ballestilla a que propriamente llamamos radio Astronomico para conocer quanta sea la altura de la estrella Polar sobre el orizonte el qual jnstrumento no sirue bien en la mar para el tal effecto. Refere que a balestilha é especialmente indicada para medir o ângulo entre duas estrelas. que foi divulgado. Mais uma vez. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Em jeito de resumo dos aspectos mais relevantes deste capítulo.

e por esse motivo usam geralmente a estrela Polar. Todavia.20: Imagem auxiliar do Regimento do Norte O instrumento que Lavanha recomenda que se use para observar as es- trelas é o quadrante. Este regimento estava concebido para oito posições distintas da Polar em torno do pólo celeste. REGIMENTO DO NORTE 219 este processo. a balestilha é um instrumento muitíssimo apropriado para determinar a distância entre dois astros. tece diversas considerações em relação ao procedimento seguido pelos pilotos na obtenção da latitude. 115 Nunes. Seguidamente. 360–361. João de Monterégio. para se conhecer a latitude do lugar. em função da posição da Polar em relação ao pólo. pp. que indicava qual o valor a somar ou a subtrair à al- tura observada. Faz uns breves comentários ao facto de ser possível usar qualquer estrela de decli- nação conhecida para saber a latitude. através da observação da altura da Polar. De arte atque ratione nauigandi.7. Recordemos que esta estrela foi o primeiro astro a ser utilizado para conhecimento do caminho percorrido no sentido Norte–Sul. com um regimento antigo. quando a distância entre eles for menor que um quadrante de círculo máximo. e posterior- mente da latitude do lugar.3. . Na figura 3. Diz que os pilotos conhecem muito poucas estrelas. Obras. ensina a sua construção e utilização115 . na versão que ele anteriormente expusera. Para tal foi desenvolvido um conjunto de regras: Regimento do Norte. Figura 3. no livro Sobre o cometa.20 apresenta-se um exemplo da figura que era usada para se conhecer a correcção a aplicar. a altura exacta.

. ao longo de um dia. Na mesma figura. Nesta figura. atentemos na figura 3. para aplicar o regimento bastaria apenas observar qual a posição relativa de duas das estrelas da constelação. piensan que tienen allado la eleuacion del polo. razão pela qual a sua altura vai variando em função do tempo. y assi no en cada noche. o pólo corresponde ao centro da mesma. Na realidade. superior e inferior. toda a esfera celeste descreve um movimento de rotação em torno dos pólos. o círculo de menor raio. . y porque no todas la noches las dichas estrellas llegan al meri- diano tienen ciertos canones.21. de los quales saben quanta la altura de la estrella polar sea mayor o menor que la eleuacion del polo. podendo constatar-se que a posição relativa das diversas estrelas da constelação é diferente num e noutro caso.21: Correcção a aplicar à altura da Polar É exactamente este modo de proceder que Lavanha critica: . A estrela Polar descreve. una vez si no muchas. de la altura de la estrella Polar. y del conocimento de su distancia del meridiano. . 30vs. en lo qual yerram totalmente116 . Tratado del arte de navegar. Para entendermos melhor este processo. Figura 3. Devido ao movimento de rotação da Terra. em torno do seu eixo. 116 Lavanha. cor- respondente às duas passagens meridianas. a Polar e a Kochab. mencionadas no início do parágrafo. representa-se ainda a forma da Ursa Menor. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Para usar este regimento era necessário observar a posição relativa entre as duas estrelas mais brilhantes da constelação da Ursa Menor. Na figura estão representadas as duas situações em que a estrela se encontra com a altura máxima e mínima.220 CAPÍTULO 3. fl.

diferença esta que provaremos que necessariamente varia com o horizonte. de uma explicação para outra. Ora. p. com centro no pólo do horizonte g.3. não se manterá a mesma diferença entre a altura do pólo e a altura da Estrela Polar em todos os climas. REGIMENTO DO NORTE 221 No entanto. de é maior do que dc e portanto. e coloque-se a Estrela Polar na posição a. acompanhando esta de uma imagem. embora seja a mesma a posição das estrelas. 118 Ibid. já Pedro Nunes chamara a atenção para o facto de que este regimento tinha erros associados. em 117 Nunes. pelo que dc será a diferença entre a altura do pólo d e a altura da Estrela Polar a. que reproduzimos na figura 3. Por conseguinte. entre d e b. a partir da de- terminação da altura da estrela polar e da distância dela ao meridiano. no qual d é o pólo árctico do mundo. e raio ag. Várias letras também va- riam. E embora não seja igual. 384. usam certas regras.23. como pretendíamos mostrar118 . Obras.. dg será o complemento da altura do pólo. em qualquer posição dela. 384. e g o zénite de um lugar.22: Seja dg um segmento de meridiano menor do que um quadrante. tire- se do ponto d o arco do círculo máximo db perpendicularmente a dg. De arte atque ratione nauigandi. p. estando a de Lavanha reproduzida na figura 3. Descreva-se na superfície da esfera um círculo máximo que passe por a e g. A figura é diferente. Neste caso detecta- mos várias divergências em relação ao texto de Nunes. e se mantenha a sua disposição relativamente ao meridiano. Seja f o zénite de um outro lugar entre g e o pólo e descreva-se. o texto de Lavanha apresenta semalhanças com as palavras de Nunes: E porque estas estrelas não alcançam o meridiano em todas as noites. Lavanha também justificará o seu ponto de vista. com centro no pólo do horizonte f e raio af o círculo máximo ae que passa por a e por f. mas enganam-se sempre117 . com as quais obtêm o valor da altura da Estrela Polar. Mas existem outras que coincidem. Julgam que deste modo podem achar a altura do pólo em qualquer noite. não apenas uma. seja maior ou menor que a elevação do pólo boreal. e que corta o meridiano em c. mas amiudadas vezes.7. Pedro Nunes explicara a fundamentação teórica da sua discordância. . que se calhar aprenderam com algum ma- temático ignorante. e ag complemento da altura da estrela a. Por conseguinte o arco de será a diferença entre a altura do pólo e a altura da Estrela Polar.

y destes desiguales arcos sacado el arco comũ of quedará oe mayor que oc y portanto el punto e mas dista del polo o que el punto c por lo qual angulo sea el sitio de las estrellas el mismo. fls. 30vs–31. Sea [entrelinhas en] el meridiano el [. fg juntos son maiores que ag. ] og. . y la misma distancia del meridiano no sará la misma differencia de la altura del polo. oe. .222 CAPÍTULO 3. y del altura de la estrella polar. Tratado del arte de navegar. 119 Lavanha. E uma análise mais cuidada dos textos aponta para que ambos tenham a mesma origem. y de g polo del orizonte y intervallo ga se descreua un circolo paralelo al orizonte que corte el meridiano en e y assi son og el complemento del altura del polo y ag el complemento de la altura de la estrella a y portanto oc sará la differencia del altura del polo y del altura de la estrella a la qual differencia procuraremos que en todos orizontes [. . . isto é o primeiro destes dois auto- res. . y ef es igual à af y cg es igual a ag luego ef y fg son mayores que eg sacado pues el arco comun fg quedara mayor el arco ef que el arco cf. y f y del polo del orizonte af con el intervallo fa se descriua el circolo ea y assi será el arco. la differencia del altura del polo.22: Imagem auxiliar do «Regimento da Polar» em Nunes ambos os cosmógrafos-mor. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Figura 3. . . a y porque los 2 arcos af. y de la estrella polar en todos los climas que era lo que hauiamos de demonstrar119 . ] en el qual o sea el polo del mundo artico y g el zenith de un lugar y por el polo o se tire un circolo maximo ob que passe por la estrella polar que supongamos estar en el punto a y por el uertice g y la estrella a se descreua otro circolo maximo ga. ] porque sea f el uertice de otro lugar entre el uertice g y el mismo polo y descripto un circolo maximo por a. menor [.

estão correctas. superior e inferior. dependem da latitude. os valores do regimento podiam aceitar-se sem se correr o risco de cometer grandes erros120 . o que importava era analisar. . «Livros de náutica portugueses de Pedro Nunes a 1650». se o tivesse feito. As duas únicas posições para as quais as correcções são invariáveis com a latitude correspondem às passagens meridianas.3. os procedimentos dos pilotos. confirmar se do ponto de vista teórico os mesmos estavam correctos ou não. Lisboa: Gradiva. para ele pouco importava se os erros cometidos tinham alguma incidência efectiva na prática quotidiana dos pilotos. variam em função do horizonte. No entanto. isto é. em cada uma das posições previstas no regimento. Tendo estudado atentamente a justificação de Nunes. acima de tudo. Em: A náutica e a ciência em Portugal. . 105. A sua intenção era. 121 Albuquerque. Caso estivessem incorrectos. sem cometer grandes erros: . Estudos de História. 120 Luís de Albuquerque. Luís de Albuquerque demonstrou que as correcções a aplicar aos valores do regimento eram tão insignificantes que este poderia ser usado em qualquer lugar. p. qual o ponto de vista do dis- tinto historiador da náutica. ainda que resumidamente. Vamos explicar. e que Lavanha retoma. para as latitu- des em que habitualmente se navegava. As correcções a aplicar. 108. superior e inferior. REGIMENTO DO NORTE 223 Em rigor. As únicas válidas para qualquer lugar são as res- peitantes às passagens meridianas. quando afirma que as correcções a aplicar para as diferentes posições do regimento.7. de um ponto de vista matemático. 1989. já de outra vez tive oportunidade de mostar que. logo se daria conta de que a diferença era insignificante para as latitudes em que habitualmente se navegava e podia ser ignorada sem grande erro121 . . Perguntamos nós: será que esse cálculo tinha alguma importância para o raciocínio de Nunes? Muito provavelmente não! Para ele. Luís de Albuquerque conclui da seguinte forma: Só não ocorreu a Pedro Nunes calcular a diferença ed-cd recorrendo à trigonometria. as ideias de Nunes. da latitude. p. Depois de avaliar os cálculos de Nunes. Ou seja. referiu que a mesma está correcta. Notas sobre as navegações. não existe nada de errado na conclusão do cosmógrafo-mor.

Este problema não se esgotou com os textos de Nunes e de Lavanha. E apesar de ter chegado a valores muito pequenos. Vários outros cosmógrafos. portugueses e espanhóis. quando analisarmos o Regimento Náutico. mas apesar disso Najera concluiu que «no se puede tomar el altura de la estrella del Norte en el rumbo de Leste-Oeste ni otro qualquier rumbo fuera del Meridiano»122 . Najera exempli- ficou considerando um caso em que a Estrela do Norte era observada. E ele próprio justifica a sua opção: pois apresenta os conteúdos em função do «público» a quem os mesmos se destinam. ao definir com o pólo o rumo leste-oeste. em Lisboa (latitude 38o 400 ) e num lugar de latitude 50o . Como veremos num outro capítulo. e fizeram referência ao facto de ter sido Nunes a alertar para esta questão. esta diferença de 10 3500 é manifestamente insignificante para a precisão corrente nas observações dos pilotos. . TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Figura 3. não deixou de concordar com o ponto de vista de Nunes: Quando. obteve as correcções de 30 e 40 3500 res- pectivamente. ao referir-se mais tarde a este problema. estudaram o assunto. Por exemplo.23: Imagem auxiliar do «Regimento da Polar» em Lavanha Lavanha. será completamente diferente. António de Naiera calculou efectivamente algumas diferenças. nesta última obra.224 CAPÍTULO 3. a sua postura. 108. vai incidir bastante nestes aspectos teóricos da náutica. nestas suas aulas de Madrid. Estudos de História. 122 Albuquerque. p.

. enquanto que os pilotos usavam 3o 300125 . y con las demas al modo dicho alcancaremos la altura del polo que es lo que buscauamos124 . no Tratado del Arte de Navegar —3o 300 e no Regimento Náutico—3o 270 . Repare-se que Lavanha chama a atenção para o facto de esta regra poder ser aplicada indistintamente à Polar como a qualquer outra estrela.. 31. superior ou inferior: . 104. Este caso é referido como uma situação em que o valor usado pelos pilotos era mais rigoroso do que aquele que era apresentado pelo cosmógrafo. Quando se fala no relacionamento de Pedro Nunes com os pilo- tos. Lavanha não adopta indiscriminadamente tudo aquilo que o seu antecessor produziu. Em primeiro lugar. dever-se-ia observar a Polar apenas quando estava numa das passagens meridianas. Não é a primeira vez que ele segue os valores deste astrónomo. Finalmente. y assi el uerdadero tempo en que havemos de usar de las dichas estrellas y de todas las demas es quando estan en el meridiano pues fuera del no se puede dar regla cierta para todos los orizontes y portanto la obseruacion destas que los nauegantes conocẽ y por las quales se gouiernam se hade haser solamente quando vienẽ al meridiano. Nota-se aqui. 123 . ensinada e divulgada em diversos meios intelectuais ibéricos. a obra de Copérnico foi lida. Em segundo lugar. 31. Lavanha finaliza este capítulo indicando o valor que considera correcto para a distância polar da estrela da cauda da Ursa Menor : y es de aduertir que [entrelinhas en esta] distancia que tiene la dicha estrella polar del polo artico uariã mucho los autores pero la cierta segũ que lo è obseruado y segũ sa longetude y latitud que tiene conforme à Copernico es de 3 grados y 30 minutos y assi con esta estrella polar.3. 125 Albuquerque. a intenção de definir uma «regra uni- versal» a aplicar a qualquer astro. obviamente. O valor tem vindo a dimi- 123 Lavanha. p. Pedro Nunes defendia um valor da ordem de 4o 100 . Este excerto merece-nos vários comentários. Esta postura de Lavanha mostra que durante dezenas de anos. importa realçar que embora siga de perto as ideias de Nunes. tal como em Nunes. fl. desde que fosse conhecida a sua declinação. a sua fonte—Copérnico. . . . p. Tratado del arte de navegar. ainda que ligeiramente. REGIMENTO DO NORTE 225 Para resolver esta limitação. 124 Ibid. o facto de o autor apresentar dois valores diferentes. «Livros de náutica portugueses de Pedro Nunes a 1650». . aponta-se sempre a divergência de opiniões relativamente aos valores da distância da Polar ao Pólo Norte.7.

Lavanha usa um valor muito mais próximo da realidade. Acompanha 126 Usámos o programa Stellarium para simular o valor da declinação para diferentes datas e constatámos que o valor de 3o 300 teria ocorrido no ano de 1484. . 31vs. Ou seja. Por exemplo. . logo nas primeiras linhas.8 Dos ventos Figura 3. até ao seu tempo. Lava- nha explica. ] el de los vientos muy necessario para la presente arte. ao longo do tempo. Explica as diferentes formas de dividir o horizonte em direcções de ventos. em lugar de analisar aspectos náuticos. fl. . . . do que aquele que Nunes sugere. 127 Lavanha. 127 . sendo que aquele que era usado pelos pilotos teria ocorrido em finais do século xv126 . 3. refere uma hipotética relação entre alguns astros e as direcções dos ventos. Isto porque grande parte do texto se centra em questões filosóficas.226 CAPÍTULO 3. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR nuir ao longo do tempo. atingindo os 3o em 1574.24: Primeira imagem representado os ventos O capítulo sétimo é dos que menos interesse apresenta para o tipo de análise que temos vindo a efectuar. Começa por apresentar as expli- cações que alguns filósofos propõem sobre as causas dos ventos. qual a importância do assunto para as suas lições: Para el conocimento de las partes de la carta de marear es menester que [. utilizadas desde a Grécia Antiga. O capítulo intitula-se: «De los vientos». Tratado del arte de navegar. Fala nas diversas desig- nações que se atribuiram a essas direcções.

Los nombres de los quales [. utilizam designações completamente diferentes para os ventos principais.3. entre el Oeste y el sudueste. al Sueste Sirocco. Figura 3.8. essa tabela não está no texto dos aponta- mentos das aulas: Empero los Italianos que nauega el mar Mediterraneo..25. entre el norte y el noroeste. el Leste Leuante.25: Segunda imagem representado os ventos Explica ainda que os italianos. entre el Sul y el Sueste. Menciona ainda a existência de uma tabela. Lessueste. 128 Ibid. no conformã en los nombres porque al Norte llamã Tramontana el Nordeste Greco. la primera del nombre de los 4 uientos cardenales y la seguunda de los otros quattro. Oesnoroeste. puesto que conformã con nos otros en la diuision. Sul. Dedica uma parte significativa do capítulo a explicar as várias subdivisões que ocorrem. entre el Oeste y el nordeste. lesnordeste. entre el Leste y Sueste. al Sul astro al Sudueste Gabrino. Contudo. Susudueste. segundo que son medias partidas de unos o de otros128 . entre el Sul y el Sudueste. DOS VENTOS 227 o texto com duas imagens. que era a divisão mais comum na sua época: Entre el Norte y nordeste. Susueste. para se partir das quatro direcções principais (Norte. representadas nas figuras 3. . Oessuduete. ] uientos tienen dos partes. com as diferentes designações dos ventos. . Este e Oeste) até chegar aos trinta e dois rumos. fl. Nornordeste entre el Leste y el Nor- deste. . Nornoroeste. 33vs. apesar de usarem as mesmas trinta e duas divisões.24 e 3. al Oeste Poniente y al Norueste Maestro y ansi como nos otros componenemos los nombres de las medias partidas y quartas de los nuestros ocho uientos principales assi tambien lo hazen ellos cuyos hombres se vee tambien en la tabla.

228 CAPÍTULO 3. para los nauegantes. 3. allaron y fabricaron 2 jnstrumentos tan necessarios. partindo das ciências matemáticas». 329–335. y se conoscã segun las partes de un circolo maximo que o seã milias o leguas o qualquer otra medida. que sin ellos no se puede hazer bien ninguna navegacion y sin los quales no es de maravellar que los antiguos en sus nauegaciones no se apartassẽ dela Tierra y uno de los quales es la aguja de marear de que trattaremos adelante y el otro la carta a que llaman de nauegar dela qual es nuestro jntento nauegar agora. pp. encontramos um texto introdutório que não é mais do que a adaptação daquele com que Nunes abre o capítulo primeiro do seu livro: «Sobre as regras e os instrumentos para descobrir as aparências das coisas tanto marítimas como celestes. contudo es muy conuimente y apto para la arte de nauegar que oy se esercita porque aunque una jsla o una parte de la Tierra se aya en este planisferio maior de lo que realmente es. 130 Cortesão. Logo no início do primeiro desses capítulos. fl. . Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. São dedicados à carta de marear. nove e dez foram transcritos por Armando Cortesão130 . Tratado del arte de navegar. y el Promontorio Cori. y assi Claudio Tolomeo excelentissimo Geographo quando quixo allar la distancia entre Siria. tomo rectas lineas equidistãtes por meridianos. y rectas 129 Lavanha. poco parece que importa para el uso de los nauegantes contanto però que las distancias de los lugares por la mar seã muy ciertas. 33vs.9 Fábrica da carta de navegar Os capítulos oito. Nestes continuamos a encontrar inúmeras partes do texto que são nitidamente inspiradas em Pedro Nunes. el qual jnstrumento es un Planisferio rétilineo del orbe que aunque por la igualdad de que hase todolos paralelos no nos pueda representar la uerdadera imagen de la Tierra. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR en la qual estan tambien los Griegos y latinos que ellos les pusieron segun las partes del mundo de donde les ueniam y ansi tambien toman la naturaleza y propriedad la qual seria contraria a los que habitan en contrarias regiones129 . y entre otros lugares que estan en el seno Gangetico como se uee en su libro primero de la Geografia. Contribuição para um estudo completo. Vejamos as palavras de Lavanha: Los modernos Hidrografos del conocimento de los uientos arriua declarados.

representando o horizonte e mostrando os pontos cardeais do mundo.131 . . pp. 132 Nunes. detalhadamente. a que chamam agulha de marear. cuja circunferência é dividida em 32 partes iguais. ou quaisquer outras medidas. passa para uma abordagem prática da construção da carta. 34. . Após esta introdução de cariz teórico. Para a explicação dessa primeira divisão da carta em trinta e dois rumos. quando se passava de uma subdivisão para a seguinte. embora não possa ser uma re- presentação verdadeira da terra. e entre outros lugares que se encontram no Golfo de Bengala. avançando para o mar alto. . Tratado del arte de navegar. E comparemos com Nunes: . 283–284. agora sobre a carta. . eram traçados a negro. cardeais e colaterais. Refere ainda. que qualquer ilha ou costa apareçam nela mais compridas do que são na realidade parece ter pouco relevo para as necessidades da navegação. e finalmente. ao pretender determinar a distância en- tre o cabo Cori e a China. designados meias partidas.3. Com efeito. no livro primeiro da Geografia. que para evitar confusões entre as diferentes subdivisões se deveriam usar cores distintas. A própria carta plana do orbe de que hoje se servem. sem terem avistado qualquer ilha ou continente durante esse tempo. De arte atque ratione nauigandi. Obras. Usou. fl. desta forma. que reproduzimos na figura 3. apresenta uma imagem. os outros oito intermédios. 131 Lavanha. seja em estádios. o mais excelente dos matemáticos. os outros dezasseis. Graças a este instrumento ousaram afastar-se de terra. ele diz que eram coloridos. milhas. tomou linhas rectas paralelas em lugar dos meridi- anos e dos círculos paralelos. de tal maneira longe dos litorais que algumas vezes aconteceu os navios dos portugueses aportarem à Índia após seis meses. Assim. triângulos rectilíneos em vez de esféricos. FÁBRICA DA CARTA DE NAVEGAR 229 lineas equidistãtes por circolos paralelos y uso de triangulos rectilineos por esphericos. não admira que os anti- gos mareantes navegassem sempre tão perto da costa. Sem esse instrumento. Volta a apresentar.9. devido à igualdade dos paralelos que apresenta. De facto. .26. os oito rumos principais. a forma de subdividir os vários rumos. contanto que se conheçam as distâncias entre os lugares em partes de círculo máximo. a verde. 132 . é muito apropriada à arte de navegar que praticam. Cláudio Ptolemeu.

que representam toda a superfície terrestre e cartas particula- res. Norte e Sul. e os círculos polares. y con la diuision que les dice es justo. afastados aquele mesmo valor. contanto però que corresponda precisamente 17 leguas y 12 dellas. Traçavam-se ainda mais quatro linhas: os trópicos. nenhum processo para determinar essa coordenada com rigor. traçava-se sempre o meridiano. marcar-se-iam apenas aquelas que passassem na área abrangida pela carta. que con- tendrã las leguas. respectivamente. a que os navegantes chamam o padrão das léguas: Despues en lugares conuinientes y necessarios. a cada grado de los grados del meridiano diuididos. nas quais se representa apenas uma parte da superfície. Este era dividido em graus de latitude. mas a contar dos pólos. 60 milias si fueren . No caso das cartas particulares. Começa por distinguir entre cartas universais. A primeira linha a traçar cartas do primeiro tipo seria um meridiano.230 CAPÍTULO 3. respectivamente para Norte e para Sul do equador. na época. Critica a prática de alguns cartógrafos que dividiam esta linha em graus de longitude. noventa para Norte e noventa para Sul. à que llamã los nauegantes Padrones. afasta- dos 23o 300 . A meio da carta colocava-se a equinocial. ártico e antártico. o. de acordo com a sua opinião. Finalmente. de Câncer e de Capricórnio.26: Rosa-dos-ventos para construção da carta Depois de definida a grelha de direcções. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Figura 3. ensina a marcar as restantes linhas notáveis que a mesma deveria ter. haremos unas escalas de leguas o de milias. menciona a necessidade de marcar uma escala para medição das distâncias na carta. Quanto às restantes linhas. que quisierẽ. para exis- tir uma referência para contagem das latitudes. Porque razão não aceitava este procedimento? Porque. não existia.

A Marinharia dos Descobrimentos. que são acomodados às alturas e servem nelas para lançar o ponto na carta com certeza. da utilidade prática da carta náutica. detinada a minimizar os inconvenientes da carta quadrada. 253–254. Não encontramos neste texto nenhuma referência ao uso de «troncos particulares de léguas». pp. sendo os outros troncos [os gerais]. Ele sugere que se utilize uma escala única para toda a carta. No entanto. O excerto anterior suscita-nos um comentário: e não se trata de um sim- ples comentário apenas ao excerto. 253–258. a historiografia atribui nor- malmente a Lavanha a «invenção» desta ferramenta. para os homens do mar. pen- sou-se numa solução engenhosa. consoante a latitude. correspondendo cada grau do mesmo a dezas- sete léguas e meia. 134 Apud Costa. O que eram afinal estes troncos particulares de léguas135 ? Uma vez que os paralelos convergem no globo e na carta quadrada tal não acontece. Para medir distâncias em latitude.3. fl. 135 Sobre este assunto consulte-se ibid. . de Lava- nha.9. das chamadas cartas quadradas. apresentaremos um breve historial dos aspec- tos mais importantes relacionados com a evolução da carta de marear. Tratado del arte de navegar. con que tendran acabado de arumbar la carta y disponerla para descriuir las costas de la mar133 . FÁBRICA DA CARTA DE NAVEGAR 231 milias. Seguidamente. e 133 Lavanha. Trata-se da questão da utilidade. pp. que era equivalente à escala traçada no meridiano graduado. comentaremos este excerto do Tratado del arte de navegar. Dividiremos esta nossa análise em duas partes. Para obviar esse inconveniente. datadas de 13 de Março de 1608: Na carta de marear usareis dos troncos de léguas. pois o mesmo está relacionado com um contributo que supostamente o cosmógrafo-mor deu para resolver este problema. a es- cala da mesma deveria variar. que o dito João Baptista [Lavanha] deu. Numa pri- meira. falsos. usava-se o tronco geral. causadores de grandes erros na navegação134 . mas à questão que está reflectida em grande parte destes três capítulos que Lavanha dedica a carta de marear. Fontoura da Costa dá-nos conta deste facto ao transcrever umas instruções reais para o licenciado Gaspar Jorge do Couto. Essa mesma escala tem como referência o próprio meridiano graduado. 36. que eram usadas na época para auxiliar na condução dos navios no mar. que é aquilo que acontece por exemplo na projecção de Mercator.. Comecemos então pelo excerto de Lavanha.

a partir das tabelas para o efeito calculadas. Apesar de não irmos analisar aqui. deveria usar-se a escala parti- cular para esse paralelo. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR era invariável para toda a carta. quando o navio seguisse a um rumo oblíquo. vale a pena referir que este procedimento teve alguns adeptos em Portugal e Espanha. Curiosamente. nas proximidades do equador a diferença entre o tronco geral e os particulares. e várias para medir segundo os rumos Este e Oeste.27 encontra-se representado um exemplo de troncos particulares de léguas. para minimizar os inconvenientes da carta quadrada. 136 António Estácio dos Reis. Figura 3. dado que. durante o século xvii. porque os troncos de léguas que se desenhavam. muito justamente. O problema da determinação da longitude no Tratado de . nomeadamente Luís Serrão Pimentel e Garcia de Cespedes. o tronco geral de léguas. encontram-se numa carta de José da Costa Miranda. Todavia. Ficava portanto por resolver a redução do caminho percorrido. Mas continuava a existir o problema de medir as distâncias segundo os rumos oblíquos: Este importante avanço na prática da navegação. quando se caminhasse sobre o meridiano ou sobre o equador se utilizava. que é considerado o primeiro cartógrafo português a ter de- senhado uma carta em projecção de Mercator. isto é ao longo de um paralelo.232 CAPÍTULO 3. Passava a existir uma escala para medir distâncias segundo os rumos Norte e Sul. Mas quando se tratava de medir distâncias em longitude. detalhadamente este assunto. só resolveu em parte o problema. numa mesma pessoa encontramos o desenho de uma carta de acordo com o procedimento científico que foi adoptado em termos náuticos e simultaneamente um procedimento expedito. Na figura 3. entre outros.27: Exemplo de tronco particular de léguas Esta solução não resolvia completamente o problema da medição das distâncias. não era significativo para a náutica praticada na época136 . Ou seja. ou para aquele que estivesse mais próximo. só eram aplicadas com rigor quando se caminhava sobre um paralelo.

Além disso. ou sido mesmo o «inventor» dos troncos particulares. FÁBRICA DA CARTA DE NAVEGAR 233 Fontoura da Costa considera provável que os troncos de léguas poderiam mesmo ter derivado dos comentários de Nunes à carta quadrada: Lendo-se hoje atentamente a célebre passagem de Pedro Nunes. conseguirá per- ceber que existe um fosso enorme entre aquilo que é o estudo científico dos problemas náuticos e os processos que se usavam na época para conduzir os navios no mar. Tordesilhas. no texto que temos vindo a analisar. os troncos particulares de léguas são também uma solução para o mesmo problema. Lavanha assumirá mais tarde uma postura bastante mais próxima da prática quotidiana dos pilotos. ainda que possa ser bastante indirecta. em fins do século xvi. podemos afirmar que quem pela primeira vez alertou para os problemas da carta qua- drada foi Pedro Nunes. pt/ciencia/e25. Para entender esta aparente contradição. Mas. o mesmo Lavanha teria defendido. url: http://cvc. Por outro lado. Em última análise. Conforme temos vindo a chamar a aten- ção. para idear e executar praticamente os seus troncos particulares das léguas 137 . Como vere- mos mais adiante. existirá certamente uma relação entre ambas as soluções. apontou uma solução para os problemas detectados na carta. p. o seu conteúdo é essencialmente teórico e segue de muito perto as ideias de Nunes. Como se explica então esta aparente «dupla postura» de Lavanha? Em primeiro lugar temos. A Marinharia dos Descobrimentos.instituto-camoes. 137 Costa. Acima de tudo. era preciso que Lavanha tivesse realmente muito engenho e arte. Esta relação entre a sugestão de Nunes e os troncos particulares de léguas existe. referência ape- nas aos troncos gerais de léguas. Encontramos nestes apontamentos das suas aulas muito poucos conteúdos que indiciem reflexões de Lavanha sobre os assuntos. . Acedido em 27 de Dezembro de 2010. 257. sobre a forma de fazer a Carta de marear «de muitos quarteirões». Portanto. E a sua abordagem aos problemas náuticos será regulada por esta postura que ele assume.html. de uma forma mais ou menos directa. nota-se que os troncos particulares de léguas devem ter derivado da importante observação do genial matemático.3.9. vale a pena recordar que o Tra- tado del arte de navegar é dos primeiros textos conhecidos cujo conteúdo pode ser atribuído ao cosmógrafo. que consistia na tal construção da carta em «quartei- rões». Por outro lado.

Figura 3. enquanto que a distância era simplesmente estimada pelo piloto. As cartas-portulano eram usadas em conjunto com os chamados portulanos. indicando as respectivas direcções. das léguas. Essa escala recebia a designação de tronco. encontramos as cartas-portulano. ou petipé. até à época de Lavanha. na qual se pode ver a mencionada rede de direcções. a direcção era dada pela bússola. tinham por base uma rede de direcções. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Passaremos seguidamente a apresentar. os portulanos e as cartas-portulano desenvolveram-se no Mediterrâneo. assim como a escala da carta. a evolução do processo de construção de cartas de marear. daí o nome adoptado para as car- tas. correspondentes aos rumos da agulha. Como dissemos. onde serviam perfeita- mente para as necessidades da navegação naquela época. Desenvolvidas no Mediterrâneo. Co- meçando na Idade Média.28: Exemplo de uma carta-portulano Conforme notámos.28 encontra-se um exemplo de uma carta-portulano. o método de rumo e estima.234 CAPÍTULO 3. sendo depois marcada recorrendo a uma escala que normalmente era colocada na mesma carta. Os erros associados . assim como as distâncias a percorrer entre os diversos locais. Estas cartas desenvolvem-se em simultâneo com a di- fusão da bússola. Os portulanos não eram mais que uns textos nos quais se descreviam as rotas a seguir pelos navios. sendo este instrumento que permitia ao piloto conhecer a direcção para onde deveria dirigir o navio. Na fi- gura 3. muito sucintamente. Este método de condução dos navios ficou conhecido entre os historiadores da náutica como «método de rumo e estima».

Por exemplo. os textos descritivos dos percursos. nas quais se passavam dias. ou as primeiras a ver-se. a sua superfície pode ser assumida como plana. Com a passagem para a navegação astronómica. Chama-se a atenção para o facto de que este último método nunca foi abandonado. Surge então a «navegação por alturas». num navio no mar. Assim. para conhecimento das latitudes. Mas no dia a dia. sem avistar terra. E as cartas. Nesse caso. A solução passou pela aplicação de técnicas astro- nómicas para determinação de uma coordenada geográfica. Na figura 3. por estes processos. ou mesmo meses. O mesmo ocorria com as cartas. os erros eram «anulados» cada vez que se avistava terra conhecida. E este passou a reflectir-se nas ferramentas usadas pelos navegantes. aquilo que os nossos sentidos notam é uma superfície plana. As cartas-portulano reflectem essa percepção que temos da realidade.29 temos o exemplo de uma carta deste último tipo. No início da expansão no Atlântico era este o método que se utilizava. numa área não muito extensa. O Mediterrâneo era uma «superfície plana» que era transferida para a superfície plana da carta.3.9. As direcções e distâncias no terreno eram transpostas para as suas equivalentes na carta. Passou apenas a existir mais uma ferramenta que permitia conhecer um outro elemento identificativo dos locais. torna-se necessário observar. ou aproximam. a latitude. semanas. os navios que se afastam. Mas rapidamente se percebeu que ele era insuficiente para as grandes tiradas oceânicas. mantendo as informações de rumos e distâncias. respectivamente. FÁBRICA DA CARTA DE NAVEGAR 235 a este método crescem rapidamente em função do tempo decorrido e da dis- tância navegada. percebe-se que as partes mais elevadas do navio são as últimas a desaparecer. olhando em redor fica a sensação de que o mesmo se encontra sobre um disco plano138 . as cartas sofreram alte- 138 Para se perceber que a Terra é esférica. As cartas com essa in- formação ficaram conhecidas como cartas quadradas. atentamente. Porém. Mantém a rede de rumos. dos locais. como as distâncias percorridas naquele mar interior não são muito grandes. que vai permitir compensar os erros do método de rumo e estima. assim como a escala das distâncias. Vale a pena realçar um aspecto. . a sua latitude. que é um meridiano graduado. passaram também a registar essa coordenada. Note-se que a mesma não difere muito da carta-portulano anterior. tinha uma componente empírica bastante importante. Apenas tem mais um elemento. que entre os portugueses se designavam roteiros. passaram a incluir informação sobre a latitude dos locais. A condução da navegação. Embora a Terra tenha uma forma aproximadamente esférica.

são paralelos entre si. com meridianos con- vergentes. uma vez que continuou a ser fundamental o conhecimento das direcções e distâncias entre os vários locais. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR rações. definidos pela linha Norte–Sul. Consequentemente. convergindo todos nos pólos. Tal acontecerá sempre. Figura 3. Em . Contudo. com a sua grelha de direcções e a escala de distâncias. ou não. os paralelos. conforme já referimos. como de meridianos. definidos pela direcção Este–Oeste. os meridianos não são paralelos entre si. com os meridianos paralelos. existia apenas uma escala para medição de distâncias. esta aca- bava por estar implícita. na superfície terrestre. manteve-se também a base da cons- trução das cartas. Por sua vez. e a sua representação na carta. o mesmo ocorrendo com os meridianos. Nestas. essas alterações não foram muito significativas. A base da condução da navegação manteve-se.236 CAPÍTULO 3. tanto ao longo de paralelos.29: Exemplo de uma carta quadrada Qual era então o problema das cartas quadradas? Nestas. resultando deste facto a designação de cartas qua- dradas. a introdução da escala das latitudes colocou um problema novo. como ainda segundo qualquer rumo oblíquo. No entanto. Embora a generalidade das cartas não tivesse escala de longitudes. São duas as consequências principais desta diferença entre a realidade da superfície terrestre. independentemente de as linhas estarem efectivamente marcadas na carta.

segundo as sugestões de Nunes. basta conhecer qual o valor dessa diferença. A solução pro- posta por Nunes consistia na construção da carta em «quarteirões». sendo representada por uma linha recta. essa mesma direc- ção. e nalguns aspectos melhorada. as distâncias medidas entre dois quaisquer meridianos. no texto de 1566. Além disso. a sua adopção por parte dos navegantes demorou muito tempo. Estes não eram mais do que cartas parciais. podendo marcar qualquer direcção segundo uma linha recta. Na superfície terrestre. em função da latitude. sendo retomada. dada pela bússola. usando a escala referente a uma determi- nada região permitia a medição correcta de distâncias em qualquer direcção. Sem entrar em grandes detalhes. de acordo com o método que sugeriu. a escala da carta alterava-se. a diferença entre ambas as direcções é geralmente pequena. que os Portugueses usavam na época. Tratava-se de um planisfério. dadas pela bússola. desde essa data. Embora os problemas da carta quadrada estivessem identificados pelo menos desde 1537. Pedro Nunes identificou e analisou os referidos problemas da carta de marear. deverá ser representada como uma linha curva. estando igualmente apontadas. as res- pectivas soluções. Pedro Nunes nunca desenhou nenhuma carta. que ele intitulou: «Nova et Aucta Orbis Terrae Descriptio ad Usum Navigantium Emendata». Esta designação dá a entender 139 Pode-se argumentar que em rigor a referência das bússolas não é um meridiano. Ao mudar para ou- tro quarteirão. correspondentes a pequenas faixas de latitude. pois esta referência é o Norte139 . para ser possível ter o Norte geográfico como referência para as bússolas. Por outro lado. correspondente a outra faixa de latitude. FÁBRICA DA CARTA DE NAVEGAR 237 primeiro lugar. pois a direcção para onde estas apontam não é geralmente o Norte geográfico. . com uma escala única para a referida faixa. A sua análise surge. apesar de isto ser verdade. Tanto quanto se sabe. à medida que nos afas- tamos do Equador. Por um lado. fará sempre o mesmo ângulo com qualquer meridiano. foi Gerard Mercator. Na carta. era possível representar os meridianos paralelos uns aos outros. Contudo.9. podemos afirmar que a solução passava pela utilização de uma escala variável. em 1569. essa distância vai diminuindo. qualquer direcção. Quem construiu pela primeira vez uma carta. Além disso. num determinado local. as direcções. numa versão bastante completa. no texto que publicou em 1537.3. têm como referência um meri- diano. pois os meridianos ficam cada vez mais próximos. Na superfície da Terra. para manter o mesmo ângulo com os diferentes meridianos. Conseguia-se assim resolver os dois problemas apontados.

em 1599. Esse passo foi dado nos derradeiros anos do século xvi. Ou seja. foi surgindo em textos teóricos e em manuais de navegação. Lisboa e Cuidad de México: Centro de Estudos Geográficos. o seu uso pelos marinheiros não foi imediato. Mas mesmo depois de estarem criadas todas as condições para fazer cartas segundo esta projecção. La cartografía y la construcción territorial de los espacios americanos: siglos xvi al xix. No entanto. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR que seria uma carta para uso dos navegantes. A cartografia e a construção territorial dos espaços americanos: séculos xvi a xix = Mapas de la mitad del mundo. Mas esse processo foi semelhante noutros países. Universidade de Lisboa e Instituto de Geografia. ficou ainda a faltar o «formulário» que permitiria construir cartas segundo a projecção de Mercator. o inglês Edward Wright apresentou as bases matemáticas da projecção de Mercator e publicou tabelas que possibilitavam a respectiva construção. a sua adopção por parte dos marinheiros demorou bastante tempo. mas ainda nem sequer existia um processo prático de construção de cartas segundo essa projecção. muitos destes manuais continuavam a explicar detalhadamente o modo de conduzir navios usando as cartas quadradas. O processo foi bastante lento e decorreu de uma forma gradual. porque o salto técnico era bastante grande: Edward Wright’s denunciation of «the ordinarie erroneous making 140 António Costa Canas. Mercator não explicou o modo como construiu a sua carta. A descrição do modo como estas cartas poderiam ser desenhadas. segundo essa projecção. Ou seja. Tal seria muito pouco pro- vável. os problemas da carta quadrada tinham sido identificados por Nunes. e as respectivas técnicas associadas. Em tempos levámos a cabo um estudo sobre a forma como a projecção de Mercator foi introduzida na náutica portuguesa140 . Podemos dizer que demorou mais de um século até que a projecção de Mercator passasse a ser efectivamente aquela que era de facto usada pelos navegantes! Mas mesmo depois de existirem todas as ferramentas necessárias para a produção de cartas. por Francisco Roque de Oliveira e Héctor Mendoza Vargas. e que ficou associada ao seu nome. a solução para esses problemas tinha sido implementada pela projecção de Mercator. Provavelmente Mercator escolheu esta designação pois a projecção que usou.238 CAPÍTULO 3. quando Lavanha ensinou em Madrid. Em: Mapas de metade do mundo. quando. e o modo como a navegação poderia ser conduzida nas mesmas. . «A introdução da projecção de Mercator na cartografia náutica portuguesa». permitia efectivamente resolver os problemas das cartas náuticas. No entanto. Universidad Nacional Autónoma de México. dada a escala bastante reduzida da mesma. Ed. 2010.

a uma mesma diferença de longitude correspondem distâncias diferentes. Rhumb Lines and Map Wars: A Social History of the Mercator Projection. A forma que ele sugere para posicionar os lugares. though not perfect. das cartas quadradas. porque devido à convergência dos meridianos. uns em relação aos outros. Monmonier. Desaconselha a prática. Segue-se um exemplo sobre 141 Mark S. Estes per- mitem minimizar os erros de medição de distâncias ao longo dos paralelos. Wright’s tables were ahead of their time by nearly two centuries141 . E a sua apli- cação prática não implica nenhuma perícia nova. Por outro lado. p. e são conhecidas pela generalidade dos seus utilizadores. Chicago e London: The University of Chicago Press. the nautical almanach. was at least familiar and strightforward. é por derrotas e latitudes. and its effective use required reliable methods for taking bearings and de- termining position. and the plane chart. Appreci- ation of the Mercator projection called for computational savvy. na transição do século xvi para o xvii. É neste contexto que surge uma solução «alternativa». pois o procedimento usado é semelhante ao que anteriormente era seguido pelos pilotos. O principal problema reside na variação da escala das distâncias. em função da latitude. As limitações da carta quadrada estão devida- mente identificadas. What’s the point of precisely plotted rhumb lines when magnetic declination was unpredictable and longitude estimated using astronomical tables might be off by several degrees? Because all the prerequisites for reliable «Mercator sailing»—most notably. consoante a latitude em que forem medidas. 79. erros esses que são os mais significativos. and charts of magnetic declination—were not in place until the late eighteenth century.10 Descrever as costas marítimas na carta O capítulo nove serve para explicar como devem ser descritas as terras nas cartas. com os troncos particulares de léguas. esta é tecnicamente bastante complexa. seguida por alguns hidrógrafos. who resisted his «new map» well into the eighteenth century. para as habilita- ções daqueles que conduzem os navios no mar. Tal deve ser evitado. está encontrada a solução cartográfica para este problema. Most navigators trusted tradition more than science. Porém. 3. de descre- verem os locais pelas respectivas latitude e longitude.10.3. . São estas as condições na época em que Lavanha floresceu. 2004. DESCREVER AS COSTAS MARÍTIMAS NA CARTA 239 or using of the sea chart» had little immediate impact on mariners.

nos Açores. Sendo que. mas que é desprezado pelos mareantes. erram. não é fácil definir de que modo devem ser marcados na carta de marear estes lugares que se encontram ao longo de um paralelo afastado do círculo equinocial. o mesmo lugar ser marcado na carta de marear. Contudo. a ilha da Madeira tem a latitude boreal de 32o . situam na carta de marear o lugar em que foi feita a observação exactamente da mesma maneira como o fazem no globo. A carta de marear mostra que a distância entre esses lugares é de cerca de 262 das nossas léguas. é tão grande a diferença da longitude quanto a da latitude. e a ilha Terceira quase 40o . Ora. a saber. é forçoso que o espaço entre Lisboa e a ilha Terceira abranja 15o de círculo máximo.240 CAPÍTULO 3. Lisboa tem de latitude quase 39o . e desta para a Terceira é para Noroeste. coisa que os nossos marinheiros dizem que muitas vezes acharam. de Nordeste para Sudoeste. Porém. com a estrutura da carta plana que hoje usam os ma- reantes. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR como colocar numa carta Lisboa. compreende-se igual espaço entre os meridianos quanto entre os paralelos. verifica-se que estes três locais são os mesmos que Nunes usou para explicar também a forma como deveriam ser descritos os lugares nas cartas: Com efeito. ou seja por graus de longitude e de latitude. os eclipses lunares não se dão com frequência e. não apenas por estimativa da viagem realizada. A determinação das longitudes dos lugares a partir dos eclipses é um processo certís- simo. e entre os quais os portugueses navegam todos os dias. A navegação de Lisboa para a ilha que chamam Madeira é para Sudoeste. quando navegam de Leste para Oeste para essa ilha. como é evidente. apesar de poderem dispor de tábuas desses eclipses calculadas para muitos anos. ou seja. no que. a Ilha da Madeira e a Ilha Terceira. Lisboa e a ilha a Ocidente de Portugal a que chamam Terceira. imaginemos dois lugares que têm latitudes boreais quase iguais. especialmente entre os povos bárbaros. a diferença de longitude tomada no para- lelo de um dado lugar deve ser convertida em partes do círculo máximo ou nas medidas que seja costume usar. porque o ângulo de posição em ambas as navegações é igual a metade de um recto. mas também por outro cálculo muito mais certo. por isso. não existiriam por toda a parte matemáticos para os observarem. Para melhor se entender isto. ou seja igual a 15o de meridiano. Embora a sua redacção pretenda dar um aspecto mais prático ao assunto. num paralelo de 39o ou 40o de latitude . É que. do mesmo modo que de Sueste para Noro- este. de seguida. antes do mais. Mas se acontece observarem algum. para. mesmo que se dessem.

143 Lavanha. fls. pp. 288–289. Tratado del arte de navegar. como lisboa con la Tercera. no excerto transcrito acima. situare todos los puertos Cauos Jslas baxios ensenadas cuyas alturas y derrotas de unas a otras fuerẽ conocidas y assi ni mas ni menos las que estuuierẽ leste oeste. y con la distancia sabida que son quasi 262 leguas y puesto que esta distancia quando es de leste a oeste no se alcança sino por medios difficultosos como por eclipses lvnares y con otros de que trattamos en nuestra Cosmografia contudo los nauegantes la alcançan por medio de las derrotas diuersas con que nauegan de un lugar à otro. 36–36vs. Repare-se que Pedro Nunes começa por defender. Igual atitude vai ter Lavanha. DESCREVER AS COSTAS MARÍTIMAS NA CARTA 241 haverá mais graus na mesma distância142 .10. como de lisboa a la jsla de la madera que es al sudueste y de la jsla de la Madera à la tercera que es al norueste. Obras. que no entanto afirma que o processo é explicado num livro de que era autor. con lo qual conocen 2 lados de un angulo de un triangulo y assi se queda conocido el otro lado que es el camino de leste a oeste de lisboa a la Tercera143 . y porque de lisboa a la Jsla de la madera se ira por la derrota de nordeste sudueste. que a forma mais adequada para conhecer a longitude dos lugares é por intermédio dos eclipses lunares. . Para aqueles que eram suficiente- mente conhecidos e navegados existiam padrões nos quais os lugares estavam 142 Nunes. las pondrè por su derrota que es de leste a oeste. livro esse dedicado à cosmografia: supongamos ser de lisboa y de la Jsla de la madera la situaremos en la Carta desta suerte. Mais adiante explica que os cartógrafos não precisavam de usar esse pro- cedimento para colocarem todos os lugares.3. estando la jsla al sudueste de lisboa tomare de lisboa con un compas el rumbo de nordeste sudueste que le estuuiere mas cerca y con otro compas tomare en el meridiano graduado 32 grados de latitud que tiene la dita jsla con el qual por la misma altura ire coriendo asta topar con el otro que uiene senalando la derrota y adonde las dos puntas destos 2 compases se encontraren alli esta la jsla de la madera dela misma manera si quiero situar la jsla dela Tercera la qual está al norueste dela Jsla dela madera. y con otro la altura de la Tercera quasi de 40 grados y haziendo la misma operacion adonde se encontrarẽ alli esta la Jsla Tercera con el qual modo. De arte atque ratione nauigandi. tomare con el compas la dita derrota de norueste sueste desde la jsla dela madera. Pondre en 39 grados la altura de lisboa onde mas comodo me fuere para la descripcion que tengo de hazer. que quasi lo estan.

não deve tomar-se como verdadeira toda a posição. um caso que fora exposto por Pedro Nunes. . Note-se que este texto não se afasta muito daquele que Nunes dedicou ao mesmo tema: Como o meridiano é uma espécie de referência das outras posições. ilustrando a sua explicação com uma imagem. as distâncias medidas na superfície. 289. Segue-se um caso concreto: Com efeito. Lavanha começa por alertar para esse problema: Mas es de aduertir que hay muchos engaños en el sitio de los lugares que en la carta de marear parecen estar debaxo de un meridiano y assi tambien en otras posiciones de distancias porque siendo el meridiano. de latitude boreal de 4 graus e meio. 37vs. ou toda a direcção de lugar para lugar que se encontre marcada na carta de marear. além disso. y ansi no cuda posicion ni derrota de un lugar a otro que se alla en la carta de marear senalada. claro está que si se hierra en el sitio del meridiano que tambien se errará en las inclinaciones de los otros rumbos. lugares que estejam situados em meridianos distintos. e as ilhas de Tristão da Cunha. fl. . Após este excerto.242 CAPÍTULO 3. ou os novos perigos. 144 . De arte atque ratione nauigandi. p. do globo. envolvendo as ilhas de Tristão da Cunha e o Cabo de Três Pontas. la regla y la norma de las otras posiciones. Tratado del arte de navegar. Só se usava a técnica de derrota e latitude para registar as novas terras descobertas. E mostra. sobre a carta plana. quando houver erro na posição do meridiano também é forçoso que exista engano nas direcções dos restantes rumos. Novamente escolhe. solamente sino aquella por la qual se nauego ya de un lugar à otro y se allo cierta y uerdadera. Obras. que a distância entre essas ilhas e o Cabo da Boa Esperança 144 Lavanha. Nunes explica a fundamentação teórica do seu ponto de vista. Por isso. 145 Nunes. . Reflecte também sobre a dificuldade de marcar rigorosamente. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR devidamente representados. como exemplo ilustrativo do seu pensamento. podem aparecer representados aparentemente sob um mesmo meridiano. mas apenas aquela pela qual alguma vez se navegou de um para outro145 . y descripta. que têm 36o de latitude austral. esférica. Por esse motivo. se hade tomar y tener por buena y verdadera. a carta de marear mostra no mesmo meridiano o Cabo das Três Pontas em África.

290.10.3. los mismos 23 grados de differentia longitudinal. p. y assi si del cabo de buena speranza. limitações essas desconhe- 146 Ibid. debaixo do mesmo meridiano. las quales distan del cabo de Buena speranza poco mas de 400 legoas. mantendo-se a proporção dos graus e dos paralelos. y por tanto esta será su distancia dellas. não sendo menor. sino que seran mas occidentales. antes serão mais ocidentais146 . sino mas occidentales que el dicho cabo. . del cabo de buena sperança. DESCREVER AS COSTAS MARÍTIMAS NA CARTA 243 é quase de 400 léguas. distan las dichas jslas 400 leguas como esta en la carta. al de las 3 puntas es quasi de 23 grados por lo qual se las jslas de Tristan de Acuña estan en el mismo meridiano del cabo de las 3 puntas. suppuesto que estan norte a sur. coisas que não se podem dar simultaneamente. porque la differentia longitudinal del cabo de buena speranza. e se o Cabo das Três Pontas se encontra. se todas as costas desde o Cabo das Três Pontas até ao Cabo da Boa Esperança foram correctamente descritas. hade hauer dellas al cabo de buena speranza. porqueuanto si toda la costa desde el cabo de las três puntas asta el cabo de buena speranza fuere bien descripta y estuuiesse el dito cabo de las 3 puntas en un mismo meridiano con las dichas Jslas hade ser de necesitad la dicha distancia menor. Devido às limitações apresentadas para as cartas. o la distancia dellas al cabo de buena speranza no es la que se pone en la Carta:147 . é forçoso. com essas ilhas. Na verdade. fl. Tratado del arte de navegar. 147 Lavanha. es imposible questen en el mismo meridiano con el cabo delas 3 puntas. Caso este que é reproduzido por Lavanha: En la Carta de marear esta el cabo de la tres puntas. los quales grados reduzidos à leguas segun la proporcion del paralelo que passa por ellas que es el de 36 grados en el qual uale cada grado 48 minutos 32 segundos y 27 terçios de los 60 en que se diuide el grado del circulo mayor. não pode suceder que [as ilhas] estejam no mesmo meridiano que o Cabo das Três Pontas. con el cabo delas 3 puntas. por consequência. en un mismo meridiano con las Islas de Tristan de acuña que tiene 36 grados de latitud Austral. el qual tiene 4 grados y 12 de latitud Bovreal. Porque. 37vs. O capítulo continua com uma série de ideias que são decalcadas de Nunes. lo qual es imposible. o no estan como diximos en un mismo meridiano con el cabo de las 3 puntas. que a referida distância seja muito menor. y se la distancia no es menor no puede ser que esten debaxo de un meridiano con el cabo delas 3 puntas. uienen a ser poço menos de 340 leguas. y portanto..

notava-se que as latitudes do Mediterrâneo eram incoerentes. se for ignorada também a orientação da rota. a saber: três lados e dois ângulos agudos. imedi- atamente o sabem a partir da determinação da altura do pólo e da orientação da rota. durante a navegação. o número dez. ainda que de uma forma mais ou menos indirecta. ou ainda causados pela declinação da agulha ou pelo facto de o ponto estar mal mar- cado. quando se fazia a «ligação» entre cartas atlânticas. que publicou em 1566. sempre que desejem saber em que lugar se encontram. que representa a forma real da Terra. há cinco quantidades. E porque os triângulos deste tipo estão descritos na 148 No Mediterrâneo sempre se utilizou a navegação pelo método de rumo e estima. descritos anteriormente. Lavanha também critica. Se duas quaisquer forem conhecidas. Por essa razão. nas obras de Pedro Nunes. determinada principalmente pela altura do pólo. a sua informação não era fidedigna. a latitude do ponto de partida. existe alguma probabilidade de mesmo neste caso essa influência existir. apenas por rumo e estima. a agulha de marear mostra o rumo. não deveria ser usada para transpor para um globo. isto é. ocorriam erros de navegação. Nessa advertência redigiu o seguinte parágrafo: Por conseguinte. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR cidas dos navegantes. Supomos sempre conhecida. num triângulo rectângulo. numa versão reduzida. nomedamente correntes fortes. Se as cartas tinham erros. razão pela qual nunca foi muito importante conhecer as latitudes dos locais. Entretanto. Por essa razão. com uma advertência ao leitor. os que avançam para o alto mar. Ainda na senda de Nunes. embora quanto à forma as suas palavras sejam diferentes das usadas por Nunes. Eles explicavam então os erros atribuíndo-lhes outras causas. 3. Este capítulo apresenta um cariz eminentemente prático. a partir do rumo conhecido. a partir destas as restantes três tam- bém o serão. por latitudes. Com efeito. Lavanha critica a representação cartográfica do Mediterrâneo148 . .11 O uso da carta de marear Segue-se um capítulo referente ao uso da carta.244 CAPÍTULO 3. mas é apenas por estimativa que avaliam a dis- tância percorrida. ou unicamente a partir da orientação e da rota percorrida. Apesar de não termos encontrado nenhum texto de características semelhantes. e mediterrânicas. Nunes começa o seu texto. além disso. a prática de construção de globos retirando das cartas a descrição das costas. De facto. para além do ângulo recto. ficam a conhecer o ponto em que se encontram a partir somente da quantidade da mesma. seguindo Nunes.

O primeiro uso é a marcação das costas e as respectivas direcções em que estas se desenvolvem. con el mismo se usa della. poniendo una punta en la costa cuyo arombamiento queremos sauer.. Supostamente. Obras. De arte atque ratione nauigandi. tal como Nunes faz no parágrafo acima transcrito. fls. 259. Aquilo que ele sugere é colocar uma 149 Nunes. Para tal recorria-se a um compasso. que Lavanha criticará o facto de que o conhecimento da distância resulta de uma estimativa do piloto. y uenimos en conocimiento del con el compas. Neste capítulo que vamos analisar agora. o sudueste nordeste151 . pois servindo-se apenas do compasso obtêm o que quiserem com estas cinco coisas149 . el primero es el sitio y arrumbamiento de las costas. . 150 . Vendo com atenção. la otra en el rumbo que a la dita costa fuere paralelo y si ninguno de los rumbos fuere equidistantte a la tal costa. 151 Ibid. recorrendo a um ou mais compassos. Observando atentamente o texto. e não de uma medição efectiva. não é preciso que sejam especialistas na arte da geometria. O texto não é muito claro. . O USO DA CARTA DE MAREAR 245 carta que usam. .11. fl. praticamente todas as explicações que ele apresenta não são mais do que resolução de problemas geométricos. Ou melhor. Tratado del arte de navegar. porqueeu el mismo modo con que se fabrico. fica-nos uma dúvida. 150 Lavanha. Veremos também mais adiante. Curiosamente. 38. p. . ou se podem facilmente desenhar através do traçado de linhas paralelas. É sim fundamental no processo de construção da mesma: . tomaremos aquelue que stuuiere mas paralelo con ella y assi diremos que la propuesta costa corre por el dito rumbo. em termos de utilização da carta. Lavanha começa por estabelecer uma analogia entre o processo de construção da carta e a respectiva utilização da mesma: Quien ha intendido bien y penetrado la fabrica dela Carta que en los dos capitulos atras hauemos declarado facilissimo le sera el uso. a forma como a explicação é apresentada dá a entender que este primeiro uso pouco interesse tem. este primeiro uso servia para determinar a direcção segundo a qual um de- terminado troço de costa se desenvolvia. y enboluiendo la costa azia otra parte dela misma manera tomaremos otro rumbo que le corresponda en equidistancia y este tal sera por el qual ella corre como dicho Leste oeste. . 38–38vs.3. Lavanha refere cinco usos prin- cipais para as cartas de navegar.

Ou seja. cierto es que aquel es el rumbo por qual hemos de nauegar. Ou seja. Lavanha apenas menciona um tronco de léguas. com essa abertura. Como quarta função da carta. quanto muito serviria para confirmar. usava-se o tronco de léguas para determinar essa distância. com poucas tentativas. fl. la otra tocare el lugar adonde uamos. . Colocava-se uma ponta do compasso sobre o local cuja latitude pretendíamos conhecer. Ora. Abrindo este. não exis- tindo a mais pequena referência a troncos particulares. de determinar uma direcção na carta. Tratado del arte de navegar. com uma ponta sobre cada um dos locais. Lavanha explica que se deve escolher aquele rumo que nos pareça que mais se aproxima do que pretendemos seguir. Tal acontecia porque a grelha de direcções cobria toda a carta. El 4to uso es saber por qual rumbo o rumbos se hade nauegar de un Puerto a otro. até ao meridiano graduado. para que se escolhesse um rumo. o processo funcionaria um pouco por tentativa e erro. Outra função das cartas náuticas é possibilitar o conhecimento das dis- tâncias entre os vários lugares. já se saberia de antemão qual ele era. escolher. . embora fosse relativamente fácil. ou aquele que lhe estiver mais próximo. . Trata-se. tanto num caso. «a olho». 152 . A terceira função é permitir ficar a saber as latitudes dos locais nela representados. 152 Lavanha. que representasse o rumo Este–Oeste. Contudo. Lavanha aponta a determinação dos rumos entre os vários portos nela representados. aqui o texto já é mais claro que no início. Para levar a cabo esta tarefa.246 CAPÍTULO 3. y esto se conoce poniendo una punta del compas en el lugar de donde hemos de partir y la otra en el rumbo mas cercano que nos parezca que con mas rectitud nos guia adonde queremos ir que si corriendo desta manera con una punta del compas por el dito rumbo. como no outro. usando este procedimento. Note-se que também aqui. Tendo informação sobre a direcção em que determinado pedaço de costa se desenvolvia. este procedimento seria útil. Neste quarto uso. era fácil traçar o mesmo. Esta operação também se levava a cabo com um compasso. e a outra ponta sobre a linha. 38vs. Já para a construção da carta. Este processo não difere muito do apontado no primeiro uso da carta. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR ponta do compasso sobre um local desse troço e a outra ponta do compasso sobre o respectivo rumo. Deslocando o compasso. obtinha-se a latitude do lugar. o método não servia para determinar qual a direcção da costa. recorria-se também a um compasso. mais próxima. o rumo que unia dois pontos.

y para este uso siruen todos los otros de todos los jnstrumentos de que usan los nauegantes y assi es menester que con mucha destreça y precision se usen los de mas para que este sea prefecho es pues el intento del nauegante saber cada dia en que parte de la mar se alla y quanto dista de las partes del mundo en la carta descritas. das léguas percorridas.11. E nas palavras de Lavanha. fl. sempre que fosse possível obtê-lo..3. ao dis- por dos pilotos: por esquadria ou por fantasia. . Este era aquele que se deveria preferir. que se usava quando não era possível conhecer a latitude. . obtida por métodos astronó- micos. Para echar el punto Geometrico se suponẽ 2 obseruaciones hechas con grand precision para que con el mismo quede el punto echado la una es sauer el rumbo por donde he nauegado y la otra la altura en que estoy. em última análise. . 39. duas formas de marcação do ponto na carta. Lavanha começa por explicar em que consiste o ponto de esquadria. a principal razão de ser da carta de navegar: El 5to uso dela carta es sauer el punto adonde esta nuestra nao lo qual se llama echar punto en la carta y es el principal de todos y el de mas importancia y para el qual este instrumento se fabrica. a carta servia também para que nela fosse marcado o ponto em que o navio se encontrava. . Finalmente. esta era. el qual se saue en una de 2 maneras o por esquadria como ellos dizẽ que es en obseruaciones ciertas e geométricas y assi se pude llamar senãl y sitio Geometrico o por fantasia que es sin certeza ninguna sino pouco mas o menos. No primeiro recorria-se ao rumo a que se navegou e à latitude do local. O USO DA CARTA DE MAREAR 247 Além da situação acima descrita. o donde se intersecarõ las 2 lineas una del altura y otra dela derrota alli está nuestra nao el qual lugar señalare para que sepa el 153 Ibid. feita pelo piloto. Isto porque era muito mais rigoroso: . 153 . de rumo directo entre dois pontos. el rumbo o derrota se conoce por la aguja de marear e la altura por la manera dita atras sauidas pues estas 2 obseruaciones de la misma manera que se situan en la carta las costas de la mar se hecha el punto porque con un compas se corre por la derrota que nauego y con otro por la altura en que estoy y adonde se ajuntarẽ. na época. Quanto ao segundo. Existiam. apre- senta também a explicação para o caso de existir a necessidade de percorrer dois rumos distintos. baseava-se simplesmente no conhecimento do mesmo rumo e na estimativa. .

Seguidamente.248 CAPÍTULO 3. . a distância estimada pelo piloto: El punto de fantasia se hecha en uno de 2 casos o nauegando en una misma altura siempre que es lo que llamã de leste a oeste o quando se nauega por otro qualquer rumbo y no se pueda tomar al medio dia la altura del . cujo rigor era bastante me- nor. 154 . TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR sitio en que estoi y assi lo que tengo nauegado y quanto disto del lugar adonde uoi. uma vez que se baseava num elemento que era bastante subjectivo. . explica o ponto de fantasia.

Nesse caso. Quanto ao ponto de esquadria usava a inovação introduzida pela navegação astronómica. . que era a determinação da latitude. Para Lavanha não existiam grandes dúvidas. tinha como consequência que quando se marcassem ambos. 155 Ibid. em termos cronológicos. dado o seu rigor muito maior. fls. em cada um dos processos. A existência de dois processos distintos de marcação de pontos na carta. embora Lavanha o coloque em segundo lugar na sua descrição. ni de noche la de las estrellas. pelo seu rigor. o ponto que valia sempre era o de esquadria. conforme já notámos: . 39vs. esta 154 Lavanha. Antes de acabarmos a análise das ideias de Lavanha sobre a marcação do ponto. O ponto de fantasia foi o primeiro a surgir. este punto de fantasia como no sea preciso ha menester enmi- enda. num mesmo ins- tante. por razon de nublados y assi sabida la derota por donde se nauega y poco mas o menos las leguas que se han andado segun el buen juicio del nauegante esperimentado se toma con el compas en el tronco de las leguas las que parece que puede hauer andado la nao y puesto una punta en el lugar de donde se partio y la otra por la derrota por donde se ha nauegado senalarã el punto en el qual conforme a la fantasia del nauegante esta su nao155 . . tornava-se necessário escolher qual o ponto a adoptar. A marcação do ponto de fantasia não é mais que a aplicação do método de rumo e estima.. vale a pena fazer um pequeno parênteses. Este processo também se designava emendar o ponto. pois este era aquele que se poderia sempre usar. Tratado del arte de navegar. o mais provável era que os mesmos não coincidissem. em quaisquer circunstâncias. para perceber o que está em causa. . mantém a explicação do mais antigo. devido aos erros associados a cada processo. 39–39vs. Embora Lavanha mostre muita preferência por este último. porque de lo dudoso uengamos en conocimiento de lo cierto. fl.

à distância percorrida. 42. fl. emendava-se o ponto de fantasia. Aliás. no início desta análise. a introdução de uma ideia resultante de uma análise racional do problema acabe por fazer com que a abordagem de Lavanha se afaste daquilo que era o procedimento quotidiano. Aduertiendo que el compas que señala la derrota hade salir del punto de fantasia. . Um dos autores que sugeriu correcções semelhantes 156 Ibid. isto de acordo com Fontoura da Costa. a propósito da emenda do ponto157 . A sua proposta de emenda do ponto afasta-se da que era seguida pelos pilotos. E para os restantes casos. que provavelmente Lavanha se pode ter inspirado nas ideias de Pe- dro Nunes. obtinha-se a latitude e com ela marcava-se o ponto. na primeira situa- ção de emenda. e que adiante explica- remos. na terceira. Dissemos também que um dos motivos que nos levava a defender esta possibilidade tinha a ver com o facto de Lavanha defender a primazia dos valores que poderiam sem medidos. O USO DA CARTA DE MAREAR 249 enmienda le daremos con hechar el punto de esquadia como esta dito quando los nublados nos dan lugar para tomar las alturas. a latitude e o rumo. tinha que se usar o ponto de fantasia. e igual peso ao rumo e à distância.. A Marinharia dos Descobrimentos. Ou seja. Caso este divergisse da estima. pp. e portanto mar- cados com rigor. para este capítulo. importa referir que aquilo que se emendava era o ponto de esqua- dria.11. dava-se mais importância ao rumo. 157 Costa. de rumos intermédios? Fontoura considera três casos possíveis: rumos mais próximos de Norte–Sul. aquilo que Fontoura refere. a latitude tinha primazia sobre a distância. No segundo caso. sempre que se obtinha uma latitude. para Lavanha. rumos mais próximos de Este–Oeste e finalmente rumos igualmente distantes dos rumos principais. a distância. Dissemos. isto é os casos de Nordeste–Sudoeste e Noroeste–Sueste. Antes de explicar cada caso. Ou seja. na segunda. Lavanha também menciona este caso.3. sobre o valor que apenas era estimado. ou de Este–Oeste. Vejamos. como um daqueles em que é obrigatório marcar o ponto de fantasia. uma vez que não havia diferença de latitude. 395–397. No primeiro caso. É interessante notar que mesmo num capítulo de índole mais prática. cuja confiança era reduzida. e portanto. y esta emmenda es solamente quando se nauega por algũa derrota que no sea de leste à oeste que en esta solo sirue el punto de fantasia156 . e o ponto resul- tante era definido pelo rumo e pela latitude. o ponto de esquadria não existia. Nos casos de rumo Norte–Sul. resumidamente.

y tambien sauen por ella quanta sea la differentia delos meridianos segũ la misma inclinaçion de camino. 72–73. coisa que Nunes não faz. rumbo.12 Regimento das léguas No capítulo onze debruça-se sobre o regimento das léguas. O autor explica com algum detalhe o modo de obter os valores do regi- mento. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR às explicadas por Fontoura foi Manuel Pimentel158 . pp. 1762. calculada pelos ma- temáticos. em cada uma das direcções da rota. Considera o módulo do grau igual a dezassete léguas e meia. se for fornecida a distância directa entre dois lugares do trajecto. 42. Indica os fundamen- tos teóricos dos seus cálculos. E justifica as diferentes hipóteses com a influência que o rumo. De arte atque ratione nauigandi. com os valores para uma linha da tabela. e também quão grande é a diferença entre os meridianos para a mesma direcção. Apresenta uma 158 Manuel Pimentel. 159 Lavanha. 300. Lavanha apresenta um exemplo de cálculo concreto. referindo ainda que as respectivas deduções estão todas explicadas no seu Tratado dos senos. Assim. daí que fosse preferível corrigir com a distância. 160 Nunes. e sendo conhecida a diferença de latitude. especialmente na parte inicial do capítulo. Os cálculos baseiam-se essencialmente em analogias de senos e em regras de três. obtêm a distância entre os meridianos e também a direcção do caminho160 . 3. p. Lisboa: Na Oficina de Miguel Manescal da Costa. Arte de Navegar. ou a distância. com a qual podem conhecer a distância directa que corres- ponde. a correcção do ponto pelo rumo iria introduzir erros muito elevados. a cada grau de diferença de latitude. Obras. Os mareantes possuem uma tábua de números. . . Nota-se mais uma vez que o mesmo foi inspirado na obra de Pedro Nunes. para rumos mais próximos de Este–Oeste. .250 CAPÍTULO 3. 159 . p. à. Tienẽ los nauegantes una tabla de numeros hecha por los mathe- maticos de la qual ellos conocẽ quanto sea el derecho spacio. Reciprocamente. Tratado del arte de navegar. tinham caso se co- metesse um pequeno erro na medição da latitude. com esta tábua. cada spacio de differentia latitudnal segun la in- clinaciõ del camino que hazẽ y el rombo por donde nauegã. y interualo que corresponde. Este capítulo não apresenta nada de novo. o.

em traços gerais. tendo por base a obra de Euclides. . existe uma grande semelhança na parte inicial dos textos.30: Figura auxiliar da explicação do Regimento das Léguas figura161 . . na explicação da mesma. uma vez que se trata essencialmente da resolução de um triângulo rectângulo. Conforme já referimos. somos de opinião que Lavanha não aborda a questão de fundo que levou Nunes a escrever este capítulo. prova de que o primeiro se inspirou no segundo. referente a este capítulo termina com a explicação do modo como os valores podem ser utilizados. para auxiliar a explicação. Esta explicação é ilustrada com um caso prático de cálculo. y assi con esta arte dada la inclinacion del camino que es el angulo que haze el rumbo por donde navego con el meridiano conosco 161 A figura encontra-se repetida. Explicação essa que nada tem de complicado.12. exposto por Lavanha: .3. No entanto. Tanto Lavanha como Nunes apresentam uma tabela com os va- lores de caminho percorrido e de apartamento. REGIMENTO DAS LÉGUAS 251 Figura 3. O texto de Lavanha. de Lavanha e Nunes. Por seu lado. Nunes demonstra apenas os passos a seguir. em duas páginas diferentes. para cada quarta. que reproduzimos na figura 3. . Comecemos por apresentar o caso prático. Porque motivo não o faz? Será que não entendeu a questão de fundo que Nunes discutiu neste capítulo? Ou simplesmente considerou a explicação de Nunes demasiado complexa para a expor nas suas aulas? Estamos mais inclinados para a primeira hipótese. pelos motivos que exporemos de seguida. Essa semelhança mantém-se.30.

» No entanto. pelo facto de a navegação se fazer sobre a superfície esférica da Terra. 43–43vs. revendo os mesmos de acordo com o processo de cálculo que expõe: «Examinámos a tábua numérica de acordo com este processo e fizemo-la muito mais exacta163 . apresenta a mesma. Ora. uma vez que. na qual os paralelos são todos equidistantes e paralelos entre si. o mesmo sucedendo com os meridianos. . . sabemos que. 163 Nunes. De arte atque ratione nauigandi. tal como é concebida. Pedro Nunes demonstrara que esta hipótese era incorrecta. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR quanto es el intervallo que he caminado allandome en un grado de differentia latitudinal y con la misma arte esta fabricada la dita tabla por la qual como hauemos dito conoce el esperto nauegante quantas leguas ha caminado segũ la derrota que lleuo y segũ los grados que alla de differentia latitudinal porque se por exemplo caminare por el rumbo de nornordeste y se partice de un lugar que tenga 40 grados de latitud y al otro dia se allace en 43 grados. No capítulo de Nunes. Deste texto deduzimos que segundo ele. 162 . Depois de referir a existência da tabela. logo em seguida define qual é o verdadeiro intento deste capítulo. 301. o seu objectivo é apenas corrigir os valores. ele volta a realçar essa questão. desde o texto publicado em 1537. . A tabela. pela resolução de um triângulo plano. ues que a cada grado de differentia latitudinal corresponden 7 leguas y 14 de apartamiento del meridiano. porque conforme a la inclinacion de su camino corresponden a cada grado de differentia latitudinal 19 leg y 38 que teniendo 3 grados de differentia son las ditas 58 leguas y 18 y de la misma manera conocera la differentia longitud pela misma tabla porque en ella se uee quanto tiene de differentia longitudunal cada rumbo segun un grado de differentia latitudinal y assi al cauo de los 43 grados en que se allo nauegar par la misma media partida de. Obras. por la que siendo 3 los grados de differentia latitudinal seron 21 leguas y 34 de differentia longitudinal y tanto dire que estoy apartado del meridiano de 40 grados de donde parti y la que se exemplifico en esto [. ] la demas . nor nordeste. . que temos vindo a comparar com o de Lavanha. as dimensões de um «mesmo» triângulo variam consoante a latitude: 162 Lavanha. dirá que camino 58 y 1 8 . p. não serve para uma navegação rigorosa.252 CAPÍTULO 3. e a sua construção. . devido à esfericidade da superfície terrestre e consequente convergência dos meridianos. De acordo com as suas palavras. de 1566. Tratado del arte de navegar. a tabela é para ser usada sobre uma carta quadrada.

chega à conclusão que a real diferença de longitude. No final. enquanto nos aproximamos desse pólo. mostrar de que modo se devem obter as verdadeiras longitudes dos lugares a partir da carta de marear165 . sobre a su- perfície terrestre é. isto é assumindo que ele é válido para todas as latitudes.13. Ensina a desenhar a rosa-dos-ventos no cartão. Segue-se uma extensa análise da forma como deve ser conduzida a nave- gação sobre a superfície terrestre e dos procedimentos de cálculo envolvidos. o processo de construção das agulhas. p. aqueles que navegam no mundo por círculos máximos fazem-no de maneira muito diferente. 312. 165 Ibid.. Para que a agulha se mantenha sempre na horizontal. para uma mesma diferença de latitude e para uma mesma inclinação do círculo máximo em relação ao meridiano. na maioria das vezes. Explica.13 A agulha de marear O capítulo seguinte é dedicado à agulha de marear. do que entre lugares mais próximos desse pólo164 . 3. . 302. serve de introdução ao capítulo seguinte que se intitula: «De como encontrar a diferença de longi- tude de dois lugares a partir da carta de marear». Com efeito. As últimas palavras do capítulo são: «Valerá a pena. com algum detalhe.. entre lugares que se encontram mais afastados do pólo elevado. A primeira parte do capítulo é dedicada a este assunto. p. na obra de Pedro Nunes. a fixar os ferros debaixo do cartão e a colocar tudo dentro da respectiva caixa. tal como explicámos no Prefácio do primeiro livro.rectos este pegado a una caxa de madera quadrada redonda para que anque se trastorne la caxa con 164 Ibid. será menor a distância percorrida na viagem e será também menor a diferença de longitude. simplesmente expõe o Regimento das Léguas nos moldes em que o faziam os pilotos. deverá estar colocada numa suspensão: esta caxa lacinẽ un circolo de laton el qual an dos pernos puestos diametralmente está pegado con otro circolo con un poca distancia y este 2o circolo con otros 2 pernos que tanbien este diametralmente y con los 2 del primer circolo ad angulos. visto que toda a navegação se faz por pequenos segmentos de arco de circulo máximo. Lavanha não menciona nada disto.3. inferior aos valores obtidos pelo regimento das léguas.» Este breve parágrafo. A AGULHA DE MAREAR 253 De facto. portanto.

Um deles destinava-se a «eliminar» esse erro permanente. en lo qual hazen grande hierro y ansi en la fabrica passa ordenẽ que se pusiesen debaxo de la flor de lis167 . es mejor y mas facil que no se ponga à ninguna. . Em consequência desse procedimento as agulhas ficavam com um erro permanente. 168 . . critica a prática seguida pelos es- panhóis de colocarem os ferros da agulha com um desvio para compensar a declinação das agulhas em Espanha. Num segundo momento do capítulo. 168 Ibid. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR el mouimento de la naue a una y otra parte. fl. Começa por criticar o facto de geralmente os navegantes marcarem as agulhas a olho. o que implica um fraco rigor nos valores obti- dos. o último capítulo de texto169 debruça-se sobre o modo de marcar as agulhas. Nesse caso. . 169 Recordemos que o manuscrito tem catorze capítulos. tanto quanto Nordestea en Enspaña la aguja que disen ellos ser quase media quarta los puertos del Mar oceano occidental. 3. 167 Ibid. seguido de apenas uma linha de texto. 44. fl. . tal apenas acontecia aí. . Tratado del arte de navegar. para se conhecer a direcção do Norte verdadeiro era necessário fazer dois cálculos. pelos 166 Lavanha. mas o último deles apenas tem título. no local em que eram construídas. enquanto que o outro cálculo servia para compensar a declinação que existisse em cada local. Embora apontassem para o Norte verdadeiro. tanto mas que por esta manera se quitan de un embaraço grande que es dar resguardo al resguardo porque leuando los hierros media quarta al Nordeste y allandose en parte onde sea menester ponerlos al Noroeste hande dar el resguardo del noroestar sobre el que tenian dado al Nordestear. nivelada. sempre queda el aguja a niuel con el orizonte con el qual quedara hecho este jnstrumento llamada aguja de marear como se uee en el jnstrumento166 . dever-se-ia usar uma grande superfície circular. fl. . 44vs.14 Como marcar as agulhas Finalmente. Em qualquer outro local.. 44vs. com uma gradua- ção de 360o . Y es de aduertir que los Nauegantes españoles lleuã ordinariamente en sus Agujas apartados los hierros de la flor de lis.. Refere que o ideal será fazer a operação em terra firme. Diz em seguida que basta apenas achar a linha meridiana.254 CAPÍTULO 3.

. No mar o procedimento anterior não é viável. ] del y quando se tomare la maxima altura del . Sugere que se coloque um estilo sobre o vidro da agulha e que se observe a direcção da sua sombra. . tem também. Além da divisão em quartas. de dez em dez. ] dellos uenga por encima del rumbo de norte a sul del aguja [. COMO MARCAR AS AGULHAS 255 processos indicados na sua obra sobre cosmografia170 . uma vez que não é possível manter a agulha nivelada.3. para se conhecer qual o valor da declinação da agulha. no momento da passagem meridiana. Esse momento era definido pelo instante em que o Sol atingia a sua altura máxima: Enpero en la mar con el mouimento de la nao no se puede hazer esta obseruacion porque no puede estar siempre que queramos la tabla a niuel para allar en ella la meridiana y assi lo mas preciso que se puede obseruar es teniendo en cima del uidro de la aguja y su centro puesto un estilette my delgado ad angulos rectos que con estilos de laton pueda estar pregado cõ la caxa desuerte pero que [. que mostramos na figura 3. Aquilo que nos parece bastante peculiar é o facto de estas escalas não teram as duas o mesmo critério de início e fim da graduação. .14. Quanto à outra. Esta contém uma graduação bastante curiosa. .31. começa em Oeste e termina em Norte. Acompanha a sua explicação com uma ima- gem. Uma delas começa a Norte aumentando até aos noventa graus em Leste. em dois dos quadrantes uma escala de graus.

Conhecem-se textos seus sobre cosmografia. A sugestão de Lavanha referida no parágrafo anterior merece um comen- tário. que es la meridiana con el astrolabio se note la sombra que haze el dito estillo en la rosa de la aguja que como diximos esta diuidida en 360 grados y esse sara la linea meridiana con la qual luego conoceremos la declinacion del aguja o ueramente si se afixa y esto se entiende que sea en parte adonde el sol en medio dia no este en mi Zenith que en tal lugar como no aga sombra. A variação de cada um destes parâmetros é função da latitude do observador e da declinação do astro. Tratado del arte de navegar. no se puede conocer la linea meridiana en este modo171 . 170 Não sabemos a que obra Lavanha se estará a referir. Existem dois factores que variam em função do tempo: a altura do astro e o seu azimute. 171 Lavanha. Para a maioria das situações. O instante exacto em que o Sol atinge a altura máxima não é fácil de determinar. fl. sucede que para varia- ções quase imperceptíveis da altura. mas nenhum deles anterior a estas aulas de Madrid. isto é a direcção segundo a qual o observamos. o azimute tenha variações significativas. . 44vs.

256 CAPÍTULO 3. No entanto. observando o Sol no momento da passagem meridiana. A parte textual do manuscrito termina com um capítulo sobre as marés.31: Esquema da rosa-de-ventos de um agulha na proximidade da passagem meridiana172 . este apenas contém o título e uma linha de texto. em função dos valores do lugar do Sol. o azimute do astro varia muito pouco ao longo da manhã. conforme já referimos. a ideia sugerida pelo cosmógrafo-mor. Seguem-se duas folhas com tabelas de declinação do Sol. . Nesses casos. de determinar a direcção Norte–Sul. Estas tabelas estão incompletas. para Oeste. Portanto. a intervalos de cinco minutos. mantendo-se nos sectores de Leste. 172 As situações extremas acontecem quando o astro passa próximo do zénite do observa- dor. TRATADO DEL ARTE DE NAVEGAR Figura 3. não tem qualquer utilidade. para depois próximo da passagem meridiana ter uma variação muito rápida.

enquanto que a edição an- terior não apresenta figuras. ambas impressas em Lisboa. foi impressa por Simão Lopes.Capítulo 4 Regimento Náutico 4. Conhecem-se duas edições. Note-se. trata-se da mais antiga obra impressa da autoria de Lavanha1 . Estas licenças variam de uma para a outra edição. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Nessa página surge a indicação de que Lavanha gozava de «direitos exclusi- vos» sobre esta obra. 112–113. 1989. A edição de 1606 apresenta algumas gravuras na capa e no meio do texto. «Livros de náutica portugueses de Pedro Nunes a 1650». ou vendesse. que as mencionadas figuras são meramente decorativas. o texto sem autorização do 1 Armando Cortesão. Contribuição para um estudo completo. de 1606. ii.1 Descrição geral do regimento De acordo com Armando Cortesão. contudo. A primeira. comuns em obras impressas naquela época. datada de 1595. Apenas para o texto de 1595. enquanto que a segunda. Notas sobre as navegações. 1935. 257 . por um período de dez anos. 336. Este autor fornece-nos uma breve descrição da obra. Em: A náutica e a ciência em Portugal. 2 Luís de Albuquerque. Ambas as edições apresentam as respectivas licenças. Também Luís de Albuquerque nos descreve o texto de Lavanha2 . São apontadas as sanções a aplicar a alguém que imprimisse. pp. Seara Nova. p. o foi por António Alvarez. Lisboa: Gradiva. Vol. não tendo nenhuma relação com o conteúdo do regimento. Nesta primeira parte faremos uma descrição geral do regimento. segue-se uma página com o título «Privilégio». deixando para as seguintes uma descrição detalhada de cada um dos capítulos em que o mesmo se divide.

Não conseguimos entender onde Cortesão encontrou esta data. de João Bap- tista Lavanha. tal como acontece noutro local. 14 de Fevereiro de 15953 . não tendo Cortesão reparado neste facto. 5 Ibid. uma vez que o livro saiu em 1595.. a 28 de Novembro de 15904 . mas esta gralha passou. 336. Consideramos esta explicação perfeitamente razoável. Trata-se certamente de uma gralha. A sanção pecuniária a aplicar a quem infringisse esta determina- ção seria dividida em partes iguais pela coroa e por aquele que denunciasse a ilegalidade. . Aquilo que realmente aparece no texto do privilégio é mdcx. 336.. Chamamos contudo a atenção para o facto de este erro ocorrer em ambas as edições. 1595 e 1606. p. 3 Cortesão. REGIMENTO NÁUTICO seu autor. 4 Ibid.258 CAPÍTULO 4. p. no texto. ocorrendo imensas alterações de forma. Cortesão identificou uma dessas datas erradas. assinada por Lavanha e datada de 17 de Fevereiro de 15945 . Em determinado passo da sua obra escreveu: Em 1595 publica-se em Lisboa o Regimento náutico. 298. e que este privilégio entrava em vigor assim que o livro fosse impresso. o mesmo Cortesão afirma o seguinte: As licenças foram dadas em Lisboa. e—o que não deixa de ser curioso—o privilégio foi assinado em Madrid. Cartografia e Cartógrafos portugueses dos séculos xv e xvi. Mais adiante.» A data que realmente aparece no texto de Lavanha é 17 de Fevereiro de mdcxiiii. É muito pouco provável que seja 1610. cuja dedicatória ao Rei data de Lisboa. Contribuição para um estudo completo. a 1 de Março e 2 de Abril de 1594. p. Cortesão afirma também o seguinte: «Segue-se uma exposição ao Rei. uma vez que se trata da troca de posição de apenas duas letras: «c» e «x». referindo em nota que a referida diferença se deve a um «erro tipográfico». Chama-se a atenção para o facto de existir uma certa confusão nas datas apresentadas no regimento. Cortesão identificou esta diferença. Ou seja. o mesmo foi submetido a uma revisão profunda. Começa aqui a confusão das datas. mas ele próprio também fez alguma confusão nas mesmas. Esta coincidência é tanto mais estranha se tivermos em conta que a segunda edição não é uma cópia exacta da primeira.

6 . • Da letra Dominical. de que elles vsão. Após essa dedicatória a El Rei. . Regimento náutico. Não temos conhecimento da existência de algum outro regimento anterior a este da autoria de Lavanha. • Das Epactas. antes de entrar no regimento propriamente dito. • Do Aureo numero. & das suas partes. em Madrid. por serem mais speculatiuas do que conuem à Practica. Quanto aos assuntos. Magestade vio no Escurial. Já as licenças têm data posterior e são assinadas em Lisboa. fl. abordados no Regimento. • Das festas mouiueis. 1595. enquanto que o segundo se destina «Ao pratico Nauegante». que V. Lisboa: Em casa de Simão Lopes. é o facto de o autor afirmar que este texto é uma versão resumida de um outro. • Das Mares. em 28 de Novembro de 1590. Pela riqueza da informação neles contida. en- tendi com a communicação dos Nauegantes ser necessario tirar algũas cousas do outro meu Regimento. são os seguintes: • Da figura do Mundo. • Dos Nouilunios. que mostrara ao monarca. e que Cortesão também faz.1.4. 6 João Baptista Lavanha. Aquilo que nos interessa para já destacar. seguem-se dois «prefácios». no Escorial: Depois que vim a esta Cidade por mandado de V. 4 vs. & de algũs circolos nelle ima- ginados. Pode-se deduzir que quando Lavanha saiu de Madrid com destino a Lisboa trazia já a incumbência de redigir este texto. dedicar-lhe-emos uma secção deste capítulo. Magestade. DESCRIÇÃO GERAL DO REGIMENTO 259 Importa ainda realçar o facto de o privilégio ter sido dado pelo próprio monarca. O primeiro destes é dirigido «Ao Speculativo Mathematico».

para cálculo da latitude pela observação de estrelas de declinação conhecida. segundo o Rumo por onde se nauega. • Da altura do Polo. xvi e xvii. Não é fácil indicar a qual texto o cosmógrafo . dos séculos xv. no Prefácio dirigido aos homens do mar dá-nos mais algumas indicações. & como se sabera de dia pello Sol. Após uma breve introdução referente a assuntos cosmográficos. Da análise deste índice. dentro deste género. que este regimento é um resumo de um outro que te- ria composto em Madrid. Tal acontece porque estes valores estão relacionados com o ciclo lunar. da Polar (embora a proposta de Lavanha seja diferente da clássica) e das Léguas.260 CAPÍTULO 4. o seu conhecimento era também útil para conhecer as horas das marés. Ainda de acordo com as suas palavras. passa para a aná- lise de assuntos de calendário. Os outros capítulos tratam dos regimentos mais usados na náutica do século xvi: do Sol. Já vimos anteriormente que ele afirma. na dedicatória ao monarca. Este texto de Lavanha deixa de parte alguns dos temas que encontra- mos noutros textos destinados aos pilotos. O seu conhecimento tinha um interesse particular para o cálculo das festas mó- veis do calendário cristão. o texto que aqui analisamos contém apenas as matérias que ele considerava fundamental que os pilotos conhecessem. Começa por afirmar que o texto que apresenta se destina a corrigir os erros do regimento que os pilotos normalmente usavam no seu dia-a-dia. & pellas guardas. verifica-se que os mesmos integram praticamente todos os textos práticos de navegação astronómica. e este influencia os ciclos das marés. Tem ainda um «regimento» novo. REGIMENTO NÁUTICO • Da Declinação do Sol. • Do que responde por cada Grao de differença de altura. No entanto. • Como se sabera a mesma altura pella Strella Polar. Porque razão tal acontece? O próprio Lavanha fornece-nos algumas indicações. • Como se sabera a mesma altura do Polo de Noute por algũas Strellas fixas. Embora o interesse náutico destes assuntos fosse reduzido. Por outro lado. como elementos sobre a carta de marear ou as agulhas. verifica-se que estamos na presença de um texto no qual são apresentados os assuntos mais usados pelos navegantes. Lavanha informa ainda que o seu texto é o primeiro impresso em Portugal.

no apontamento biográfico sobre Lavanha. Tencionamos ainda perceber até que ponto existe 7 Albuquerque. Interes- sa-nos. durou menos de dez anos. Cada uma das secções será composta por uma descrição do conteúdo do(s) capítulo(s). Dedica- remos. Importa ainda realçar outro aspecto. dada a riqueza da informação contida nos mesmos. . vamos pas- sar à sua análise mais detalhada. foi nomeado Manuel de Figueiredo. . o texto que lhe atribui o privi- légio da exclusividade foi dado em Madrid. em 1608. no caso de existir uma forte ligação temática entre eles. DESCRIÇÃO GERAL DO REGIMENTO 261 se está a referir quando afirma: «. em 6 de Janeiro. dos elementos que consideravam necessários para a sua actividade. Ou seja. Figueiredo faleceu em 1622. pois deveriam existir vários regimentos diferentes a circular entre os homens do mar. por parte dos pilotos. uma secção a cada um dos capítulos do texto. acompanhada de uma análise do mesmo conteúdo. para colmatar uma lacuna perfeitamente identificada. analisar os textos daqueles que em Portugal substituiam Lavanha. estamos na presença de um texto «encomendado». portanto. . Apesar de ter saído de Portugal por volta de 1600. Tra- ta-se certamente de textos resultantes da compilação. para o cargo de cosmógrafo substituto. nas aborda- gens que cada um faz. de que até agora vsastes. Exposta. p. Como vimos. percebe-se que Lavanha tenha escolhido criteriosamente os assuntos que deveriam constar do mesmo. seguidamente.1. 110. Muito provavelmente está a referir-se a um texto em abstracto. . durante a qual publicou o texto que aqui analisamos. Além disso. E por esse motivo. O texto é publicado pouco depois de ter regressado de Madrid. Porém. foi escolhido Valentim de Sá para substituto de Lavanha7 . Tendo um objectivo clara- mente definido. a sua estadia em Lisboa. Começaremos por uma secção dedicada aos prefácios. ». dada a sua ausência prolongada. Foi essa informação que Lavanha decidiu incluir no seu Regimento Náutico. não deveria divergir muito a informação usada por cada um dos pilotos.4. faremos a comparação do texto de Lavanha com os que foram publicados pelos outros dois cosmógrafos-mor que exerceram o cargo em simultâneo com Lavanha: Manuel de Figueiredo e Valentim de Sá. e divergências. Pretendemos encontrar semelhanças. a composição do livro de Lavanha. e no início do ano seguinte. Como vimos. quando tal se justifique. ou a vários capítulos. manteve sempre a titularidade do cargo. . ainda antes da sua viagem para Portugal. «Livros de náutica portugueses de Pedro Nunes a 1650». em traços gerais. Regimento.

para observação das estrelas. o resultado do seu trabalho é de grande utilidade para os navegantes. refere que se deve usar um quadrante do género daquele que sugerira na sua Arte de Navegar. não me apartando dos termos Nauticos. REGIMENTO NÁUTICO alguma influência do texto de Lavanha nos outros dois que analisaremos. Tal 8 Lavanha. 4. que della tem foi a primeira a estamparse. as quaes serão sô uossas. Desejamos apenas realçar três pontos para os quais o autor chama a atenção. porque querendo os leuar pello atalho. Seguidamente. válida. Regimento náutico. eu procurarei apresentaruos outras speculatiuas.262 CAPÍTULO 4. a opção de o imprimir vai ser bastante proveitosa. . que neste Regimento uedes. de- vendo em seu lugar ser preferidas as tabelas de lugares do sol.2 Prefácios Começa o texto dirigido aos matemáticos. neste momento. Por outro lado. Curiosamente. Em seu lugar. pois está adaptado à sua prática no mar: Pello que experto Mathematico. fl. sabei q̃ de industria guardei este Methodo. Segue-se um resumo do programa que ele tenciona seguir no regimento. Desaconselha o uso da balestilha. Este pro- grama será analisado passo a passo. o mesmo se passa com a tábua de declinação do sol. aconselha o quadrante. pelo que não nos debruçaremos mais sobre o mesmo. em rigor. afirmando que não tem a mí- nima dúvida que eles podem fazer os cálculos de um modo mais rigoroso do que ele os apresenta no regimento. Identifica os erros que cometeu: a tábua de novilúnios que vai acumulando erros com o tempo. que pella necessidade. Quanto ao prefácio dirigido aos práticos do mar. e finalmente a variação da declinação das estrelas fixas. com vossa boa licença he sô dos Nauegantes8 . pela difi- culdade em se conseguir olhar em simultâneo para o astro e para o horizonte. pode ser que rodeassẽ. nem desuinadome do caminho que elles atê agora seguirão. devido à trepidação da oitava esfera. 4. afirma que apesar destas limitações. apenas por quatro anos. E em quanto elles vsão desta minha pequena obra. começa com a indicação de que serve para emendar aqueles que até então entre eles estavam difun- didos. evitando muitos dos erros que se cometiam nas cópias manuscritas. como esta.

para que o texto seja útil para os navegantes. fl. Com me concederdes estas tres bem pequenas cousas grandes po- rem. Henrique Leitão publicou um interessante artigo sobre este 9 Ibid. & de muita importãcia para a nauegação. Os defensores de um determinado tipo de abordagem normalmente assumiam uma atitude bastante crítica em relação à outra abordagem. PREFÁCIOS 263 leva-nos a supor que esta mesma obra teria uma certa difusão. Ora. de uma forma bem clara a distinção entre estes dois modos distintos de abordar a navegação. Fi- nalmente. Vimos que ali o programa das suas aulas era ba- seado em Pedro Nunes. Importa ainda realçar que esta sua atitude não resulta de desconheci- mento dos assuntos de cariz mais teórico. e que era um programa essencialmente teórico.4. que em emmendar & ordenar este Regimento tiue. Recordemos que antes de vir para Lisboa ensinou em Madrid. está a deixar bem claro que entende que existem duas maneiras distintas de abordar as questões relacionadas com a condução dos navios no mar. me ei por satisfeito do trabalho.9 . No prefácio dirigido aos matemáticos. identifica aquelas que são as aproximações que deliberadamente cometeu. que aplique cõ gosto meus studos ao seruiço desta vossa Arte. foi Pedro Nunes. que além de conhecer bem essa realidade. & de nouo me obrigareis.. O segundo conselho é que se usassem astrolábios de grossura igual. em relação à outra. Ao apresentar os dois prefácios. As cinco páginas que ele dedicou a explicar as suas razões mostram que ele conhecia perfeitamente a realidade náutica em Portugal. embora exis- tisse apenas na forma manuscrita. O primeiro autor que se sabe ter apresentado. E demonstra ainda. na forma que o faz. está plenamente consciente que entre a abordagem científica dos assuntos náuticos e a prática dos pilotos existia uma enorme distância. essa postura de Lavanha é distinta daquilo que era a atitude mais comum. Parece-nos claro que Lavanha não toma partido por uma forma de abor- dagem. E no prefácio dirigido a estes últimos chama a atenção para as falhas mais graves que encontrou na prática por eles seguida.2. aconselha também o uso de agulhas de marear com os ferros na direcção do Norte verdadeiro. . 5vs. Porque motivo consideramos estes prefácios tão importantes? Porque eles revelam uma característica muito peculiar de Lavanha.

Em: XII Reunion Internacional de Historia de la Nautica y de la Hidrografia—La ciencia y el mar. Nunes ripostava afirmando que os marinheiros usavam cartas de marear mal construídas e falavam sobre astronomia sem conhecerem os fundamentos básicos desta ciência11 . «Fernando Oliveira crítico de Pedro Nunes». «Arte. 13 Amélia Polónia. 11 Além do texto de Henrique Leitão acima mencionado veja-se também. Nunes apresentou uma nova forma de resolver os problemas náuticos. «Pedro Nunes e os homens do mar do seu tempo». Outra figura eminente do século xvi que criticou.n. Até então. Por seu lado. Mas o «Programa Noniano» suscitou também reacções da parte de inte- lectuais do seu tempo. REGIMENTO NÁUTICO importante contributo de Nunes para a construção da ciência moderna10 . Entre estes contam-se os cosmógrafos Manuel Lindo e Diogo de Sá. como o serão muitos dos cosmógrafos-mores do reino. 2006. logo não estaria habili- tado a falar sobre navegação. na sua vivência a bordo. ainda. Os homens do mar socorriam-se de um conjunto de regras práticas. Cremos que uma síntese das ideias que acabamos de expor se encontra nesta transcrição das palavras de Amélia Polónia: Não se assiste. esta abordagem científica proposta por Nunes suscitou inú- meras reacções. a metodologia seguida para os resolver era essencialmente empí- rica. um homem de gabinete. Em: Revista da Faculdade de . a Pedro de Maris Carneiro. Manuel de Meneses. os segundos queixando-se da ignorância do matemático nas coisas do mar. Note-se que apenas em 1625 um outro cosmógrafo-mór do reino. essa inexistente. viagens de navegação. D. Valladolid: [s. e um excessivo empirismo. Luís de Albuquerque. pratica. Contributos da «sabedoria dos descobrimento» para a ciência europeia». «Ars e ratio: A náutica e a constituição da Ciência Moderna». era. que Henrique Leitão apelida de «Programa Noniano». 10 Henrique Leitão. 12 Sobre a crítica de Fernando de Oliveira a Pedro Nunes. e compro- vada pelas críticas recíprocas entre o cosmógrafo e os pilotos das nave- gações ultramarinas. desde João Baptista Lavanha. mesmo com Pedro Nunes. a obra de Nunes foi o Padre Fernando de Oliveira12 . de um modo bastante agudo. técnica e ciência náutica no Portugal Moderno. Em: Oceanos 49 (2002).264 CAPÍTULO 4. o primeiro apontando-lhes falhas graves nas suas bases teóricas. No entanto. desenvolvidas no dia-a-dia.]. Em: Ler História 19 (1990). de facto. Os homens do mar argumentavam essencialmente que Pedro Nunes não tinha experiência alguma de navegação. Pedro Nunes. sobre este assunto. ou a muitos dos Pimenteis13 . assim. veja-se Francisco Contente Domingues. De acordo com este estudo. a um processo de simbiose entre o saber teórico e o prático.

. fora este meu trabalho desa- proueitado. Português.4. Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa. e foi estudado por Teixeira da Mota15 . . Em: Memórias da Academia das Ciências de Lisboa (Classe Ciências). de que a generalidade dos cosmógrafos-mores não tinham experiência náutica. E faz isto porque tem a perfeita noção de que estes não estão minimamente habilitados a entender os conceitos teóricos mais elaborados. iii 6 (2005). & ordẽ q̃ sigo. pode induzir a ideia de que seguiam todos o mesmo género de abordagem aos proble- mas náuticos. & não se conseguira o que se pretende14 . Em tudo tiuereis muita razão se este Regimento fora para vosso vso. expondo essencialmente as ideias de Pedro Nunes. 3vs. con- forme se pode ver no capítulo que dedicámos às lições ministradas naquela cidade. se delle me apartara. Quando escreve para os homens do mar vai usar a linguagem que es- tes entendem. O mais antigo regimento do cosmógrafo-mor que se conhece data de 1592. & obrar. 15 Avelino Teixeira da Mota. Um dos seus capítulos aborda os exames a que deveriam ser submetidos os oficiais de navegação e os de manobra. e sendo piloto ou sotapiloto o examinarão os pilotos com o que lhes der a pra- tica da longa experiencia do mar. ao realçar o facto de todos eles apresentarem essa característica. Este regimento foi certamente redigido por Lavanha. No respeitante aos exames para pilotos e sotapilotos. & reduzira isto aos uossos termos precisos. Regimento náutico. Concorda- mos com a opinião expressa. «Os Regimentos do cosmógrafo-mor de 1559 e 1592 e as origens do ensino náutico em Portugal». É bastante interessante notar que Lavanha ensina em Madrid conceitos bastante teóricos. que como os Mareantes estejão costumados ao seu modo de obseruar. Ora. & speculatiuos. examinado. que eu a tenho. PREFÁCIOS 265 Temos apenas um pequeno comentário a fazer a este excerto. falta de experiência náutica. Porque entendei. Terminamos esta abordagem à forma como Lavanha encarava a prepara- ção dos pilotos acrescentando mais um elemento. 1969. Contudo. . 13. Mas como seja sô para a dos Nauegantes (como o diz o seu titolo) ha vos de parecer.2. prescreve a seguinte prática: E juntos assy todos virá o que ouuer de ser. e o Cosmografo mor com a theorica Letras—História. 13. como temos tentado demonstrar ao longo desta secção. fl. nesta disposição. 14 Lavanha. Lavanha tem uma postura diferente. p.

. & Pilotos deste Reyno. Esta postura de Lavanha teve alguma continuidade. competindo a avaliação da primeira ao cosmógrafo-mor. sondas. em 1599: 16 Mota. e da segunda aos pilotos que integrassem o júri do exame. David Waters dá-nos conta da apreensão de Edward Wright sobre o possível interesse da sua obra. página não numerada. 17 Manuel de Figueiredo. Lisboa: Vicente Aluarez. como se vê. 16 . . nota-se muitas semelhanças entre o texto de Figueiredo e o de Lavanha: Advirtase que neste breue compendio. derrotas pella agulha. . junto dos homens do mar. contudo. Manuel de Figuei- redo. Alturas das terras pello Sol. . assume uma postura semelhante. como cartear. . em virtude de Lavanha estar ausente. Recordemos que este texto saiu em Inglaterra mesmo no final do século xvi. Certaine Errors in Navigation. Embora os textos dedicado aos pilotos apresentem diversas divergências na forma de abordar os assuntos. & ser a carta verdadeira. notando-se que elas são de cariz essencialmente prático. Hydrographia. de que está feyto Padram em os almazẽs de sua Magestade17 . & no Roteiro uniuersal. «Os Regimentos do cosmógrafo-mor de 1559 e 1592 e as origens do ensino náutico em Portugal». Verifica-se. & sciencia Geome- trica. REGIMENTO NÁUTICO daquillo que propriamente he de sua profissao. que como vimos o substituiu no cargo. Vale a pena apresentar aqui uma opinião sobre o que se passava numa potência emergente na época. mas com mais precisão. 265. a Inglaterra. . & isto tam sucinto. & Roteyro da nauegaçam de Portugal não ensinamos mais que a substancia que os Pilotos Portugue- ses são obrigados a saberem.266 CAPÍTULO 4. Deste excerto percebemos que o exame teria duas partes: teórica e prá- tica. & co- nhecenças dos portos da nauegaçam deste Reyno. guia pella carta de nauegar. como se fora globo. & a fabrica da carta de nauegar nam tem que emmendar. & nauegarse por ella tanto aos justo. 1614. & sem nenhũa Theorica. que os as- pectos teóricos se limitavam ao trabalho de carta e à aplicação do regimento do Sol. & pollo conseguinte diremos como a nauegaçam Portuguesa he certa. prouaremos pella Theorica tudo o que nesta pratica nautica dissermos. s. que que- rendo Deos sayrá a luz. Ao excerto acima transcrito segue-se a indicação do tipo de pergun- tas que deveriam ser feitas. p. tomar o sol e as contas da declinação delle. no que está determinado pellos Cosmographos Móres. com os sinais. exame de pilotos.

a work such as his was bound to be critically received. Note-se que Waters refere que o receio de Wright é infundado. com algumas décadas. that despite this. A matemática ia entrando paulati- namente no quotidiano dos homens do mar. Such had been Thomas Digges’s experience. de manuais dedicados aos homens do mar. father and son. than by any mariner ignorant of mathematics even ’tough he had spent his whole life in sailing over all the seas in the world’—also that the same applied to all other nautical instruments and tables. at least respect amongst seamen. com as outras que se praticavam na Europa. and by implication no nautical expe- rience. and the Bo- roughs. if not many students. He claimed that charts could be better understood by a man with even only a slight mathematical knowledge. Não sendo nosso objectivo comparar a navegação portuguesa. Existiriam muitos que ainda seguiam os procedimentos empíricos que tinham aprendido a bordo. A decade or two earlier his complaints would have been justified. It 18 David Waters.4.2. Em primeiro lu- gar. ii. Virtually all that they knew of it and practised at that time was based upon the Iberian invention in the middle of the fifteenth century. Vivia-se certamente um período de transição. 225. Mas existia já uma tradição. and Thomas Hood. onde a matemática estava presente. 1978. while a work by a master mariner (by implication ignorant of mathe- matics) would be greeted with enthusiasm and followed with reverent devotion. by the time that Edward Wright wrote this. But through the influence of the Digges. vale a pena acrescentar mais um ou dois elementos a respeito da náutica inglesa. mathematics had been gaining. because he was no profes- sional seaman. p. The art of navigation in England in Elizabethan and early Stuart times. of John Dee. PREFÁCIOS 267 Wright concluded his preface on a mathematical note. of the science of nautical astronomy and upon the instrumental inventions made and the technical skills developed in the resultant art of navigation by Por- tuguese and Spaniesh scholars and seamen in the ensuing century. . Greenwich: National Maritime Museum. William Bourne. He added. Vol. the art of navigation had been long practised by many English seamen. ou espa- nhola. and Certaine Errors received immediate recognition from mariners as well from mathematicians18 . o facto de a arte de navegar britânica ter tido a sua origem na náutica ibérica: To concluse. somewhat sourly.

Coimbra: Uni- versidade de Coimbra. ever it had in any former ages». than. p. Podemos afirmar que em Inglaterra a arte de navegar tinha atingido um nível bastante evoluído. Mas foi em Inglaterra que pela primeira vez foi apresentada a forma matemática de construir cartas de Mercator. Vol. «A introdução da projecção de Mercator na cartografia náutica portuguesa». 144. foi a necessidade de navegar em novos espaços. La cartografía y . por Wright. Um deles. que certamente influenciou bastante o desenvolvimento de novas técnicas. Mercator sugeria uma carta que resolvia esses problemas. maior o erro cometido pelo uso das cha- madas cartas quadradas. 24. os Ingleses vão aperfeiçoá-las e desenvolver novas técnicas. A cartografia e a construção territorial dos espaços americanos: séculos xvi a xix = Mapas de la mitad del mundo. In 1576. . e foi proferida em 1610. When Bourne’s Regiment had appeared preparations were on foot for a project long discussed in the highest. . 20 Waters. 19 David Waters. 1970. . Em: Mapas de metade do mundo. Quanto à frase de Edward Wright a que o autor se está a referir é: «. REGIMENTO NÁUTICO was the fruits of the navigational genius of these men which the English reaped in the first Elizabethan age19 . The art of navigation in England in Elizabethan and early Stuart times. Este acentuado desenvolvimento da náutica inglesa pode ser explicado com base nalguns factores. depois de terem «copiado» os conhecimentos e as técnicas de Portugueses e de Espanhóis. Nesse estudo analisámos mais aquilo que se passou em Portugal. Ou seja. Pedro Nunes identificara os problemas desse tipo de cartas e apresentara sugestões para os resolver. no início do século xvii. and geographically best informed. Do excerto anterior percebe-se que a náutica britânica se desenvolveu com base dos conhecimentos que foram bebidos a partir dos navegadores ibéricos. . Quanto mais elevada a latitude. p. circles in England—the possibility of discovering the longed- for North–West Passage to Cathay.268 CAPÍTULO 4. 16. Como resultado dessa análise do nosso primeiro cosmógrafo-mor. «The iberian bases of the English art of navigation in the sixteenth century». and the two following years. muito mais próximos das regiões polares. Em: Separata da Revista da Universidade de Coimbra. Já noutro local21 mostrámos que a introdução da projecção de Mercator na náutica foi muito lenta. expeditions under the command of Martin Frobisher sailed for the attempt20 . 21 António Costa Canas. in our time the whole art of Navigation is groune to much greater prefection.

O mesmo acontece com cartas em projecção polar. por Francisco Roque de Oliveira e Héctor Mendoza Vargas. não adopta o seu modelo cosmológico. DA FIGURA DO MUNDO. Era nesse modelo que se baseavam os instrumen- tos usados para cálculos astronómicos. logo procuraram soluções para as mesmas. 112. em termos de navegação astronómica. tanto clássicos como contemporâneos.3. na análise do Tratado del Arte de Navegar que ele menciona os valores defendidos por diversos astrónomos. começam a ser introduzidas em Inglaterra cartas deste tipo mais cedo que em Portugal. em termos de representação. Luís de Albuquerque22 chamou a atenção para o facto de a abor- dagem que Lavanha faz ao assunto ser bastante reduzida. Nessas escassas páginas apresenta. muito resumidamente. Aquilo que referimos no parágrafo anterior aconteceu porque os Ingle- ses se depararam com novas necessidades. 269 mas verificámos também que noutros países europeus o processo também foi lento. E prefere os valores de Copérnico. .4. Lisboa e Cuidad de México: Centro de Estudos Geográficos. as principais linhas e planos da esfera celeste. propriamente dito. .3 Da figura do Mundo. É interessante notar que Lavanha usa muitas vezes valores calculados por Copérnico. Não existia nenhuma vantagem prática. para os navegantes. que justificasse a adopção de um modelo novo. la construcción territorial de los espacios americanos: siglos xvi al xix. 4. Ed. o modelo geocêntrico é o mais simples de entender. Comparando a abordagem que Lavanha faz aos assuntos cosmogáficos. nomeadamente as esferas armilares e os astrolábios planisféricos. «Livros de náutica portugueses de Pedro Nunes a 1650». Para essas viagens tinham sido desenvolvidas técnicas que satisfaziam as necessidades dos homens do mar. Universidad Nacional Autónoma de México. . . Importa re- alçar que. p. seguindo o modelo de Sacrobosco. Quanto aos Portugueses. No entanto. São apenas quatro páginas. . Contudo. sobre o assunto. nomeadamente para a declinação máxima do Sol. mantinham-se nas rotas que tinham praticado ao longo de todo o século xvi. Universidade de Lisboa e Instituto de Geografia. incompletas. 2010. pelo que a introdução de novas práticas ocorria de modo mais lento. Vimos. 22 Albuquerque. começa com uma breve intro- dução sobre cosmografia. apesar de reconhecer os valores propostos pelo astrónomo polaco como os mais rigorosos. muito mais complexo. O texto do regimento.

Os maiores saõ a Equinoccial. 7. Lisboa: Por Pedro Craesberck. embora todos eles dividam os círculos em dois grandes grupos. fl. & os menores a diuidem em duas desiguais25 . . REGIMENTO NÁUTICO com as de Manuel de Figueiredo e de Valentim de Sá. Texto este que praticamente é igual ao que Valentim de Sá redigiu: Os principais circulos da Sphera são dez: seis maximos. os maiores e os menores. & o Tropico de Capri- corno. Nota-se também que existem muitos conceitos apresentados de um modo semelhante. ou todo o mũdo em 2 partes iguais. o Merediano. que sugerem uma cópia praticamente directa.s. 23 Lavanha. Por exemplo. 43. registam-se inúmeras semelhanças entre Sá e Figueiredo. Regimento da Navegaçam . Lavanha considera que são apenas seis.270 CAPÍTULO 4. Regimento náutico. & o Horizõte. 24 Figueiredo. os circulos mayores diuidẽ a Esphera. sinal de que existiria uma origem comum para os diferentes textos. fl. Hydrographia. 1624. & dous mais pequenos que elles. Esta característica encontra-se ao longo dos três textos. detectamos algumas divergências da apresentação feita por Lavanha em relação à que é fornecida pelos outros dois. Em relação a este capítulo que estamos a analisar. & quatro menores. . chamados me- nores. 6 mayores. . e outros por Valentim de Sá. e os menores ẽ partes desiguais24 . & 4 meno- res. . quando falam nos principais círculos da esfera. constata-se que todos eles se limitam a apresentar os conceitos elementares. ha quatro iguaes entre si. Por outro lado. Exemplificaremos de seguida estas ideias com algumas situações concretas. existindo alguns casos de apropriação de ideas de Lavanha por Figueiredo. exame de pilotos. Figueiredo diz o seguinte: Os principais circulos da Esphera são 10 . chamados maiores. o Zodiaco. 25 Valentim de Sá. os maximos diuidem a Sphera em duas partes iguaes. Assim. . Alguns excertos são de tal modo semelhantes. . & os menores o Tropico de Cãcer. fl. Lavanha escreve: Nestes circolos. 1. enquanto que Figueiredo e Sá referem dez.23 . com ligeiras alterações no fraseado. iguaes porem entre si.

epactas. E o modelo que segue é praticamente sempre o mesmo: explicação do assunto que tenciona apresentar. Est. Situação semelhante ocorre no atlas de Turim. 429a-429d. e que Lavanha não mencionou? Nos círculos máximos são os dois coluros. i quatro Menores. no qual aborda assuntos relacionados com cosmografia. Antes de continuarmos na análise do texto de Lavanha. 1597 e 1612». Tropico de Capricornio.4 Do calendário Seguem-se diversos assuntos relacionados com o calendário: áureo nú- mero. Estampa 428a. O ano de origem de todas as tabelas que apresenta é 1594. de trinta e duas folhas. de cariz mais teórico. Anos mais tarde. Nesse manuscrito. e nos menores são os dois círculos polares. Ou seja. Reprodução fac-similada da edição de 1960. neste texto ele já apresenta exactamente os mesmos que surgem nas obras dos outros dois cosmógrafos que o substituiram na sua ausência.4. 425a-425c. i Horizonte i los quatro Menores son Tropico de Cancer. 428a-428d. iv. vai considerar a existência de dez círculos: Los circulos son diez. fl. Terminada esta breve introdução. Atlas—Cosmografia. 16. Los seis Maximos son Equinoccial. 426. em função dos elementos anteriores. Zodiaco. Existe contudo um facto que merece ser aqui mencionado. Circulo Arctico i Circulo Antarctico26 . 4. Descripcion del universo. em 1613. seis Maximos. «Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. seguida de um ou mais exemplos de aplicação prática. Meridiano.4. mas sim com questões religiosas. Em: Portugaliae Monumenta Cartographica. Lavanha escreverá um texto manuscrito. e assim sucessivamente até 440a-440d. Vamos nas próximas páginas explicar a origem do calen- dário cristão. Códice 09251 da Biblioteca Naci- onal de Madrid. 27 Avelino Teixeira da Mota. passa a expla- nar os assuntos de interesse prático para os navegantes. DO CALENDÁRIO 271 Quais são os círculos que Figueiredo e Sá referem. Vol. 1987. . 427a-427d. Coluro de Equinocios. pensamos que é útil dedicar algumas páginas a perceber bem estes conceitos. Estes assuntos não têm exactamente a ver com náutica. Coluro de Solsticios. com a indicação de que os círculos máximos eram dez27 . letra dominical e uma tabela perpétua de festas móveis. Lisboa: Imprensa Nacional–Casa da Moeda. a importância do mesmo como instrumento para regular o 26 João Baptista Lavanha.

De igual modo. Publicada originalmente entre 1907 e 1912. A celebração da Páscoa judaica tem início a meio 28 Luciano Pereira da Silva. 1983. são baseadas no texto de Luciano Pereira da Silva anteriormente citado. conheceu recentemente uma edição em CD e encontra-se disponível online.4. Vol. os problemas que esse calendário apresentava e as soluções encontradas para resolver esses problemas. É exactamente pelo facto de encontrar- mos na generalidade dos textos de náutica um assunto sem interesse directo para essa matéria. Além disso. Luís de Albuquerque baseia-se em Pereira da Silva quando aborda o assunto em diversos dos seus estudos. iii.272 CAPÍTULO 4. Aquilo que se sabia era que Jesus teria morrido numa sexta-feira e ressuscitado num domingo. A Marinharia dos Descobrimentos. Um texto que foi um precioso auxi- liar na nossa pesquisa foi a Catholic Encyclopedia. em 15 volumes. 4a . . Lisboa: Edições Cul- turais da Marinha. No entanto. durante a celebração da Páscoa judaica. que vamos descrever nos próximos parágrafos. que ficámos curiosos por avaliar porque tal acontece! A explicação para este facto está na génese do processo de cálculo. O melhor texto que encontrámos é da autoria de Luciano Pereira da Silva28 . 1945. remonta aos primeiros anos do Cristianismo. REGIMENTO NÁUTICO ritmo litúrgico. Neste estudo usaremos algumas das suas entradas. começando todos os seus me- ses no dia de Lua Nova. pp. Como se calcula esta última celebração? O calendário judaico é um calendário lunissolar. Fontoura da Costa. Fontoura da Costa dedica também algumas páginas a este tema29 . Lisboa: Agência Geral das Colónias.1 Evolução do calendário Vale a pena dedicarmos algumas linhas a explicar estes assuntos. a sua explicação diz respeito apenas às regras do calendário juliano. Não co- nhecemos nenhum texto em português que explique detalhadamente como surgiram estes diferentes conceitos e como evoluiu a sua utilização. Em: Obras completas. da versão electrónica. que sofreu al- terações significativas quando se passou para o gregoriano. 29 A. O calendário juliano A génese do problema. que esclarecem questões de calendário. Pode-se questionar qual o interesse de analisar um assunto que pouco importa para a náutica num estudo dedicado essencialmente a questões de náutica? Esta pergunta contém a própria resposta. 268–288. 4. «A «Regra geral das festas mudaveis» de Gonçalo Tran- coso».

Definia-se uma celebração para uma data que variava todos os anos. que seguia maioritariamente o calendário juliano. 383. em Niceia. quais as principais resoluções nele tomadas. este mês do calendário judaico começa logo a seguir ao equinócio da Primavera.4. ou seja na respectiva Lua Cheia. A própria data do equinócio tinha variado desde que Júlio César levara a cabo a reforma do calendário. The 500-year struggle to align the clock and the heavens — and what happened to the missing ten days. 384 ou 385 dias. o calendário judaico tem uma forte componente lunar. em qualquer lugar onde fosse se- guida esta religião. Na época de César o 30 David Ewing Duncan. 70. Por sua vez. Cons- tantino. p. procura con- ciliar as duas realidades. o Cristianismo teve grande expansão dentro do Império Romano. O calendário judaico. em cada ano. podendo assumir os valores de 353. para encontrarem uma solução para as divergências acima apontadas e que deri- vavam desta incompatibilidade dos calendários. Os ca- lendários solares e lunares não são compatíveis. a solução é complexa. Existia uma outra vertente que advogava que deveria ser sempre ao Domingo. uma vez que o ano. Uma corrente defendia que deveria ser no décimo quarto dia da Lua. Na época era muito complicado definir com antecedência o dia em que ocor- reria essa Lua Cheia. que. Apesar desta determinação. London: Fourth Estate Limited. por via indirecta. Por sua vez. Essa data seria o domingo exactamente após a primeira Lua Cheia a seguir ao equinócio da Primavera30 . um calendário solar. a Páscoa passaria a ser celebrada numa mesma data. no ano de 325. The calendar. 354. Como resolver o problema exposto? A solução não era simples! Conforme afirmámos. Mas sabe-se. o problema não ficava completamente resol- vido. No entanto. . DO CALENDÁRIO 273 do mês de Nissan. Os Cristãos organizaram um concílio. levando a que os anos tenham durações muito diferentes uns dos outros. 2004.4. a data da Lua Cheia pode coincidir com qualquer dia da semana. a seguir ao início da Prima- vera. não corresponde a um número inteiro de meses lunares. sendo lunissolar. Uma vez que os ciclos lunares não correspondem a semanas completas. O próprio imperador. determinou para toda a cristandade. dada a importância simbólica que este dia da semana adquiriu para os seguidores de Cristo. que é o período de referência para o calendário solar. 355. Não se conhecem textos que possam ter sido redigidos naquele concílio. Daí decorre que nos primeiros tempos do Cristianismo tenham existido divergên- cias no que respeita à data de celebração da Páscoa.

Será este tempo sagrado que irá determinar grande parte do ritmo litúr- gico anual. Daqui resulta que quando ocor- ram divergências entre os fenómemos astronómicos e as datas do calendário. it is rather a kind of anti-time that Chris- tians equate with God. aqui o problema do calendário é acima de tudo um problema religioso. 75. A maior solenidade da vida cristã é a Páscoa. o tempo sagrado. Neither cyclical nor linear. though much as they do today. na sua génese. The idea of sacred time was hardly new. The calendar. eternal and timeless. questões astronómicas. aquilo que vai prevalecer são essas datas. Depois de calculada a respectiva data podem-se de- finir as datas de ocorrência das restantes festas movéis. p. In one form or another it had existed since religions developed concepts of eternity and the afterlife. A regra para saber 31 Duncan. apesar de na realidade esta atrasar um dia em cada 128 anos31 . days. while continuing to operate in their daily lives on real time — on the passage of hours. Jews and many other cultures. É importante ter em conta este facto. including a new concept of time — something Christian theologians call sacred time. Embora as questões de calendário sejam. months and years. E essa forma de encarar o tempo vai entrar no quotidiano de todos os habitantes da Cristandade: This amounted to a new societal order in Europe. calculada por estas regras for diferente da data real em que ela ocorre. who is perfect. But as Rome’s political power ebbed and the Church rose from its ashes. então para efeitos de cálculo das festas litúrgicas usa-se a data calculada e não a real. core be- liefs for ancient Egyptians. Roman-Christians had tended to keep God’s time in their religious lives. 32 Ibid. pois nela evoca-se a ressurreição de Cristo. the sacred soon overwhelmed the profane32 . dada a sua importância para a organização do tempo sagrado. O mesmo em relação à data do equinócio. Pode afirmar-se que na Idade Média se desenvolveu um novo conceito de tempo.274 CAPÍTULO 4. REGIMENTO NÁUTICO equinócio ocorria a 25 de Março e quando se reuniu o concílio que vimos mencionando já tinha recuado três dias. pp. 70–71. .. Os clérigos presentes no concílio não sugeriram nenhuma alteração ao calendário que permitisse eliminar esta retrogradação da data deste fenómemo astronómico. Sacred time had been a part of Christianity from its earliest days. O que é que isto significa? Se a data da Lua Nova. Aquilo que decidiram foi fixar a sua data em 21 de Março.

newadvent. Easter Controversy. For example. In most years the result of these subtle differences meant nothing. O processo de uniformização dos cálculos demorou cerca de dois séculos. which was both more precise and easier to keep properly adjusted. redigiu propostas que foram adoptadas pela Igreja. como a China ou a Babilónia. Procuraram conciliar o inconciliável. por ser aquela que dispunha de elementos mais habilitados para cálculos astronómicos. The calendar. p. Acedido em 2 de Abril de 2011. 34 H.. p. used Ca- esar’s original date: 25 March. Romans used a system developed in the mid-third century based on an 84-year cycle of lunar months divided into years. Tendo dedicado parte da sua vida a estudar questões rela- cionadas com cronologia. Implicava retomar algo que Júlio César conseguira abandonar.still thriving despite Nicaea’s condemnation of their founder’s doctrine . however. Rome. com um ano solar de aproximadamente 365 dias33 . he fumed that the Arian churches of Gaul . 82. existiam divergências entre as datas obtidas34 . o Exíguo. The other problem involved methods for matching up the solar year and the phases of the moon. No entanto. Worse still. Os astró- nomos que estudaram a forma de fazer estes cálculos viram-se confrontados com algo que apoquentara aqueles que calcularam calendários em diferentes lugares. no seu calendário.org/cathen/05228a. para cada ano. em 525. que era fundir um ano lunar com cerca de 354 nuns casos.4. 33 Ibid.4. The first East-West Easter squabble concerned dating the equinox. Dionísio. Finalmente. DO CALENDÁRIO 275 o dia em que calhava a Páscoa estava definida desde Niceia.htm. foi entregue à Igreja de Alexandria. however. in 387 Augustine noted angrily in a letter that the Alexandrians were celebrating Easter on 25 April and the Romans on 18 April. A tarefa de calcular a data da Páscoa. were wildly off. url: http://ww w. since both methods came up with the same day for Easter. que era o cálculo do ciclo lunar. . mas o processo de cálculo não era linear. continuavam a existir regiões que calculavam a data da Páscoa de forma independente. A data por eles fixada era difundida por todo o mundo cristão. they celebrated Easter that year on 21 March35 . ou de 384 dias noutros anos. Por essa razão. Thurston. The Egyptians continued to use 21 March. 35 Duncan. fixou as regras que perdurariam durante séculos.had come up with a third date. A few years. 79. This differed from the Alexandrians’ 19-year cycle. which was accurate within a day and a half. Using yet another formula.

Daqui resulta que as datas em que ocorre uma determinada fase da Lua voltam a repetir-se passados esses dezanove anos. pelos astrónomos babilónicos38 .e. to 19. Importa começar por esclarecer que se parte de dois pressupostos: que um ano solar tem a duração 36 Thurston. url: http://www. whether owing to this circumstance or to the importance of the discovery itself. which he numbered 1. and to the other seven 13 lunations. usando o Ciclo Metónico. Este número atribuído a cada um dos anos designa-se «Áureo Número».o rg/cathen/05480b. «O calendário — História. Embora o ciclo tenha a designação do astrónomo que o terá divulgado. To twelve of the 19 years 12 lunations were assigned. and assumed that the new mo- ons would always fall on the same days in the years indicated by the same number. 564. Este facto levou-o a sugerir que cada um dos anos do ciclo fosse numerado. Metonic lunar cycle or cycle of golden numbers In the year now known as 432 B. p.e. o mesmo que era seguido pelos alexandrinos36 .htm.newadvent. REGIMENTO NÁUTICO Para resolver o problema do cálculo da data da Páscoa sugeriu a adopção do «Ciclo Metónico».C. As the 19 years of the Metonic Cycle were purely lunar (i. it was clearly impossible that all the years should be of equal length. princípios e curiosidades». cxxxix. o astrónomo grego Meton descobriu que 235 lunações cor- respondiam exactamente a dezanove anos solares. 3. 37 T. discovered that 235 lunations (i.C. 38 Oliveira e Lemos. an Athenian astro- nomer. lunar months) correspond with 19 solar years. . Kennedy. the thirteenth lunation being known as the embolismic or intercalary month37 . Acedido em 2 de Abril de 2011. This discovery found such favour among the Athenians that the number assigned to the current year in the Metonic Cycle was henceforth written in golden characters on a pillar in the temple. Vol. was known as the Golden Number of the year. 2. etc. Em 432 a. or. Epact. that after a period of 19 solar years the new moons occur again on the same days of the solar year. Outubro-Dezembro 2009. Em: Anais do Clube Militar Naval. and. He therefore divided the calendar into periods of 19 years.276 CAPÍTULO 4. Vamos seguidamente explicar o modo como se calculavam as datas da Lua Nova no calendário juliano.. Meton. each contained an exact number of lunar months) and contained in the aggregate 235 lunations. 10–12. é muito provável que o mesmo fosse já conhecido vários séculos antes de Meton. de um até dezanove. as we might express it. Easter Controversy.

4. acrescentava-se também um dia.4. se considerarmos que um ano contém doze meses lunares. de quatro em quatro anos. tanto a duração do ano como a do mês são ligeiramente diferentes dos valores aqui apontados.1: Calendário juliano perpétuo para o primeiro trimestre de trezentos e sessenta e cinco dias mais um quarto de dia. No entanto. Por outro lado. ao ano lunar40 . DO CALENDÁRIO 277 Figura 4. Além disso. o ano teria apenas 354 dias. ao ano solar. passados alguns séculos esses erros implicaram uma reforma deste calendário. e que um mês lunar dura em média vinte e nove dias e meio39 . foram-se acumulando erros. 40 Kennedy. Por forma a que dezanove anos solares corres- 39 Na realidade. de quatro em quatro anos. Uma vez que não faz sentido considerar fracções de dias optou-se por considerar uma duração de vinte e nove e trinta dias alternadamente. pelo que os seus efeitos apenas se notam decorridos muitos anos. Por esse motivo. para os meses lunares e por acrescentar um dia. Estamos a falar de erros residuais. . Assim compensam-se as fracções de dias destes dois ciclos do calendário. Epact.

A atribuição do áureo número a um ano é arbitrária. no ciclo de dezanove anos teremos doze deles com doze meses. Epact. bastava construir uma tabela na qual. no caso dos seis primeiros. basta dividir o número do ano por dezanove e verificar qual o valor do resto da divisão. sucessivamente. Foram desenvolvidas regras práticas para conhecer o áureo número de cada ano. usa-se um outro conceito que é a letra dominical. E esta tabela poderia ser considerada perpétua. com a letra a atribui-se.1 temos um exemplo duma tabela dessas para o primeiro trimestre42 . Conhecidas as datas das Luas Novas para esse ano. estes meses embolísmicos têm uma duração de trinta dias. Por sua vez. cada uma das letras corresponde a um 41 Kennedy. tinha áureo número igual a um. Em rigor. 42 Silva. Na figura 4. e que também se encontra na tabela repre- sentada na figura 4. Na prática. Aquilo que se fez foi considerar que o ano I a. 193. Os meses que se acrescentam nestes sete anos são chamados meses embo- lísmicos ou intercalares. Uma vez que a quantidade de letras usadas é igual ao número de dias da semana.1. REGIMENTO NÁUTICO pondessem também a dezanove anos lunares. torna-se necessário considerar alguns destes com mais um mês.278 CAPÍTULO 4.C. a cada dia do ano. data «oficial» do equinócio da Primavera. «A «Regra geral das festas mudaveis» de Gonçalo Trancoso». bastou numerar os seguintes sequencialmente até dezanove. para cada um dos anos do ciclo metónico. . recomeçando seguidamente em um. se indicaria a data de ocorrência das várias Luas Novas ao longo do ano. uma das setes letras de a a g. enquanto que os restantes sete terão treze meses. Assim. Em que consiste esta letra dominical? Começando no dia 1 de Janeiro. Somando um a esse valor. se não existissem mais irregularidades. bastando apenas conhecer o áureo número de cada ano. enquanto que o sétimo tem a duração de apenas vinte e nove dias41 . p. Era este o procedimento que se seguia no calendário juliano. A partir desse ano. Essas regras para conhecer o áureo número eram incluídas nos textos usados pelos pilotos dos séculos xv e xvi. para se saber as referidas datas. Existiam várias regras práticas para determinar qual esse número para cada ano. procurava-se a data da primeira Lua Cheia após 21 de Março. obtém-se o áureo número. Para conhecer na prática quando ocorre esse domingo. que esse seria o Domingo de Páscoa. Ou seja. bastava procurar o domingo que se seguia à primeira Lua Cheia após o equinócio da Primavera.

pode afirmar-se que a letra domi- nical. mas nos bissextos usam-se duas letras dominicais. . calendas de Março ao dia intercalado. quer comuns quer bissextos. ». . etc. Ou seja. Tal tem a ver com a própria origem da palavra bissexto. DO CALENDÁRIO 279 dado dia da semana durante um determinado ano. que é sequencial. e como o dia 24 de Fevereiro era. e em termos formais. . os anos bissextos passam a ter duas letras dominicais. para reflectir essa circunstância. uma que é válida até 29 de Fevereiro e outra a partir de 1 de Março. e a outra desde 25 de Fevereiro até 31 de Dezembro43 . No calendário perpétuo conservam-se as mesmas letras ao longo da coluna da letra dominical. Aquilo que se fazia no calendário romano era considerar que nos anos bissextos se repetia o «sexto dia antes das calendas de Março». «quarto dia antes das calendas de . Júlio César mandou intercalar esse dia entre 23 e 24 de Fevereiro. aquela que coincide com o seu primeiro domingo. ou seja o dia 1 de Março. é o dia 24 de Fevereiro. Tal sucede porque existe uma concordância entre o número de letras usadas e o número de dias da semana. Considera-se como letra dominical de um ano. resulta que o «sexto dia antes das calendas de Março» corresponde ao actual dia 24 de Fevereiro: Mas. na designação romana. eram contados como «sexto dia antes das calendas de . A forma de contagem dos dias do mês. daí o nome de bissexto. Não vale a pena explicar aqui todo o processo de contagem. ou seja. era diferente da que usamos hoje em dia. para todos os anos. . dia de S.4. «quinto dia antes das calendas de . 192–196. Como o primeiro dia antes das calendas de Março» era o próprio dia das calendas. chamou-se bissexto (segundo sexto) das . ». como é bem sabido. Uma vez que nestes anos se acrescenta mais um dia no final de Fevereiro. os anos bissextos apresentam uma ligeira alteração à regra exposta. os que ficavam entre as «nonas» desse mês e as «calendas» do mês seguinte. . ». . Na realidade. na reforma juliana resolveu-se acrescentar um dia de quatro em quatro anos. nos anos bissextos.. para determinado ano é aquela que ocorre nos respectivos domingos. Pela definição do parágrafo anterior. donde a designação de bissextos para os anos de 366 dias. 43 Ibid. Importa reter que os dias do final de cada mês. . como exposto acima. uma que serve até 24 de Fevereiro. torna-se neces- sário alterar a letra dominical neste mês. entre os Romanos. pp. . . No entanto.4. Matias. o sexto antes das calendas de Março. a religião católica considera que o dia que é acrescentado.

Cedo se percebeu que a forma mais simples de as expor é com recurso a tabelas. REGIMENTO NÁUTICO Figura 4. A existência de anos bissextos faz com que ocorra um «salto» de um dia da semana. para determinado ano. Chama-se ciclo solar a este período.280 CAPÍTULO 4. Estas regras. que é o de ciclo solar. Sendo a periodicidade dos anos bissextos de quatro anos e sete os dias da semana. Se não existissem anos bissextos. basta procurar os dias que têm à frente o áureo número desse 44 Vinte e oito é o mínimo múltiplo comum entre quatro e sete. eram algo complexas. Para tal.1 é suficiente para se calcular todas as datas da Lua Nova. existe um ciclo de vinte e oito anos44 de repetição dos dias da semana para cada dia do ano. . de cálculo da data em que ocorre o domingo de Páscoa. Uma tabela do género da mostrada na figura 4. qualquer dia do ano caíria no mesmo dia da semana de sete em sete anos.2: Tabela com as festas móveis Relacionado com a letra dominical existe um outro conceito.

colocam-se todas as datas possíveis. Basta saber aquilo que já antes dissemos: que a Páscoa se celebra no domingo a seguir à primeira Lua Cheia depois do equinócio da Primavera. Esse dia. Para calcular a data da Páscoa também é suficiente. Por essa razão. uma vez que é a data da Páscoa que vai determinar todas as outras46 . então a Lua Nova Pascal tem que ocorrer sempre depois do dia 8 de Março. será o da Lua Cheia Pascal. 46 Normalmente estas tabelas incluíam também a data do Advento. Em seguida. que é a que se usa para conhecer o domingo de Páscoa. Existiam também tabelas que indi- cavam todos os casos possíveis dessas festividades. dependendo o seu cálculo apenas da letra dominical. E seguidamente preenchem-se as colunas com a sequên- cia dos áureos números retirada do calendário perpétuo. Começando no dia 9 de Março. Caso escolhessemos uma data anterior a esta a Lua Cheia aconteceria antes do equinócio. e não a da Lua Cheia.4. coloca-se o áureo número do dia 8 de Março.4. DO CALENDÁRIO 281 ano. Colocava-se numa coluna a letra dominical correspondente à data da Páscoa para cada linha. Finalmente. E ele permite calcular a data da Lua Nova. Na figura 4. tal como a da Páscoa. desde a Septuagésima até ao Corpo de Deus. Começando uma linha acima da corres- pondente à primeira data possível da Páscoa. calculando a data das restantes festas móveis para esse caso. preenchia-se a linha corres- pondente à situação em que a Páscoa ocorresse a 22 de Março. até chegar à última linha da Páscoa. Na coluna da Páscoa. para cada um dos anos. cuja data de celebração está relacionada com a data da Páscoa. 354. A sua construção é muito simples. colocava-se o áureo número que permitia conhecer a data da Lua Nova Pascal. a coluna do áureo número apresentava uma particularidade. vai-se descendo até encontrar o dia que tem o áureo número desse ano. não esquecendo de manter também os espaços vazios. No calendário cristão existem diversas outras festividades religiosas mó- veis. Depois preenchia-se cada uma das colunas sequencialmente. isto é desde 22 de Março até 25 de Abril. . data essa que não está directamente relacionada com a da Páscoa. isto é a Lua Nova 45 Silva. «A «Regra geral das festas mudaveis» de Gonçalo Trancoso». Porque razão ocorre esta última situa- ção? O áureo número é que vai ser o primeiro argumento de entrada. p. Está encontrado o domingo de Páscoa. Passa-se seguidamente para a coluna da letra dominical e continua-se a descer nessa até encontrar a primeira ocorrência da letra dominical desse ano. Uma vez que o equinócio da Primavera foi fixado a 21 de Março e a Lua Cheia ocorre no décimo quarto dia depois da Lua Nova.2 encontra-se reproduzida a tabela elaborada por Trancoso45 .

este calendário apresentava pequenas incorrecções que implica- ram um acumular de erros ao longo dos séculos. como consequência do Concílio de Niceia. e respectivas consequências. no que é seguido por Figueiredo e Valentim de Sá. os Livros de Marinharia de André Pires e de João de Lisboa. no ano 45 a. por exemplo. este processo de cálculo deveria ser tão comum no quotidiano. a primeira linha das festas. 5 horas. REGIMENTO NÁUTICO que ocorre após 8 de Março. Quando se reformou o calendário . Curiosamente. Esta diferença de quase doze minutos anuais implica que com o passar dos séculos determinadas datas do calendário fiquem desfasadas dos fenómemos astronómicos a elas associados. Na realidade. Para obter as restantes linhas bastava ir acrescentando um dia a cada festa. Estão neste caso. Em traços gerais foi este o procedimento adoptado no calendário juliano. quando se verificou a necessidade de definir regras para o cálculo da Páscoa. as datas de todas as festas móveis. que alguns textos de pilotos dispensam a apresentação das tabelas. que permitiam o respectivo conhecimento. para efeitos de cálculo da Páscoa. A sua vantagem é permitirem encontrar. No calendário juliano. Indicamos seguidamente as incorrecções a considerar. num único local. Tal acontece. Na realidade é ligeiramente inferior.282 CAPÍTULO 4. Este regimento de Lavanha é dos primeiros textos para os pilotos que apresenta as novas regras de cálculo das festas móveis.2 segundos. o equinócio já tinha atrasado cerca de três dias em relação àquela data. poucos anos antes de Lavanha redigir o seu regimento. Importa realçar o facto de Lavanha retomar a apresentação de tabelas. Como já anteriormente mencionado. Para conhecer a letra dominical e o áureo número existiam regras práticas de divisão da data por diversos factores. sendo actualmente de 365 dias. Encontra-se nesta situação o equinócio da Primavera. No entanto. A Igreja decidiu fixar essa data a 21 de Março. para que seja possível preencher a primeira coluna. Em primeiro lugar. ou seja. assumiu-se que a duração do mesmo era exactamente de 365 dias e 6 horas. e que se encontram também nos textos de náutica. muito provavelmente porque o processo de cálculo se tinha modificado. Eles apenas indicam a data da primeira ocorrência de cada uma das festas móveis. a duração de um ano trópico. Quando o calendário juliano entrou em vigor. a mecânica destas tabelas não difere da que vimos para o calendário perpétuo. 48 minutos 45. Fornecem também a sequência dos áureos números. o equinócio ocorria a 25 de Março.C.

e assim sucessivamente. como explicámos. Quando este termina. e em pouco mais de cento e vinte anos acumula um dia de diferença. no dia 1 de Janeiro. Assim. são necessários 3224 anos para que a data do equinócio se atrase um dia. 2200 e 2300. O Ano Bissexto. tal só acontecerá em 480647 . se for Lua Nova a 1 de Janeiro. Mas como esse valor já excede a duração de um mês lunar. reinicia-se o ciclo de datas da Lua Nova. . Este processo vai-se repetindo até terminar um ciclo metónico.oal. subtrai-se essa duração. decidiu-se que os anos seculares deixavam de ser bissextos. No entanto. Assim. decidiu-se que nesses anos 47 Rui J. Decidiu-se então que nem todos os anos seculares cumpriam esta regra. Aqueles que são múltiplos de quatrocentos serão bissextos. uma vez que um ano solar excede em onze dias um ano lunar. e fica a epacta igual a três. Para eliminar esse dia. na relação entre as epactas e o áureo número.4. tal significa que em cinco anos prefaz quase uma hora. e no seguinte seria trinta e três. a sua epacta será 0. pelo que tam- bém se reinicia o ciclo das epactas. Epacta é a Idade da Lua48 . Tendo em conta que o calendário que actualmente usamos entrou em vigor em 1582. foi bissexto o ano de 1600. uma vez que se compensava de cem em cem anos um erro com uma periodicidade de cento e vinte e oito anos. No outro será vinte e dois. Estas alterações em relação à regularidade perpétua do calendário juli- ano têm consequências no ciclo das epactas. 1800 e 1900. Acedido em 2 de Maio de 2011. No ano seguinte a epacta será onze. mas não o foram 1700. Sendo de quase doze minutos por ano. esta correcção era «excessiva». Foi bissexto o ano 2000. Foi este o procedimento seguido até à reforma gregoriana do calendário. usando quer um número quer o outro para calcular as Luas Novas. à partida podemos associar a epacta ao áureo número.4.u l. url: www.pdf. ou seja trinta dias. ou melhor. mas não o serão os anos de 2100. DO CALENDÁRIO 283 no século xvi o desfasamento era já da ordem dos dez dias. O calendário gregoriano A reforma gregoriana do calendário introduziu uma regra para compensar esta diferença.pt/download/O_Ano_Bissexto. Com estas regras. 48 A Idade da Lua é o número de dias decorridos desde a Lua Nova. que normalmente se representa por *. Agostinho. Ou seja. Uma vez que aquela regularidade do calendário juliano passou a ser per- turbada nalguns anos seculares.

decorrido este período de pouco mais de trezentos anos. 4600. A solução para este outro erro passou pela introdução de mais uma cor- recção. as datas da Lua Nova correspondentes a um determinado áureo número deixam de estar correctas. tinha também outra utilidade. sete vezes seguidas. E nesse caso. alguns «artifícios» seguidos para ob- viar os erros que se vinham acumulando. voltam a repetir-se as datas das fases da Lua. quando na realidade dura mais quarenta e quatro minutos e três segundos. 3600. Consegue-se assim introduzir oito dias em cada dois mil e quinhentos anos. sendo um assunto que foi debatido em diversos concílios dos séculos xv e xvi. Vamos apresentar. O outro problema tem a ver com a duração do mês lunar. existindo va- riações no intervalo entre duas Luas Novas consecutivas. A Igreja preocupava-se com a diferença entre as datas calculadas pelo processo acima exposto e as datas em que realmente ocorriam os fenómemos astronómicos. que se designa «Equação Lunar». A acumulação desta diferença ao longo dos vários ciclos implica que passados cerca de trezentos e dez anos ocorre o atraso de um dia49 . 3000. Por uma questão 49 Os astrónomos que prepararam a reforma gregoriana do calendário consideraram que o período era de trezentos e doze anos e meio. Esses anos são: 1800. Daí que tenha implementado a re- forma gregoriana do calendário e que tenha discutido o problema diversas vezes antes desta reforma. Consiste em adicionar um dia ao valor da Epacta em determinados anos. relacionada com o cálculo das marés. que compensa esta irregularidade do ciclo metónico. 2100. Por este motivo. mais um dia passados quatrocentos anos. apesar dos erros que tinha. etc. A aplicação do Ciclo Metónico implica considerarmos que um mês lunar tem a duração média de vinte e nove dias e meio. o processo de cálculo era eficaz para o efeito pretendido: definir um tempo sagrado único para todo o espaço cristão. Ou seja. REGIMENTO NÁUTICO se subtrai um dia ao valor da epacta. 3300. Esta correcção designa-se «Equação Solar». ao terminar um ciclo metónico. mas quase uma hora e meia mais cedo. 4300. o procedimento acima exposto. A regra consiste em introduzir um dia em cada trezentos anos. No entanto. de cálculo das datas da Lua Nova. 3900. seguidamente. importava conhecer a data da Lua Nova astronómica e não a eclesiástica. 2700. Em termos religiosos. 2400. estes erros tinham um efeito reduzido. . Mas.284 CAPÍTULO 4. O movimento real da Lua é bastante irregular.

Existia ainda um outro problema. O processo de cálculo eclesiástico baseia-se no uso desse valor médio para a duração do mês lunar e na alternância de meses de vinte e nove e de trinta dias. o ciclo dos áureos números «deixa de ser válido» decorridos pouco mais de tre- . podem ocorrer diferenças de dois dias entre a Lua Nova eclesiástica e a real. que é de cerca de vinte e nove dias e meio. Como referimos anteriormente. DO CALENDÁRIO 285 Figura 4. Nos dias em que ocorresse este valor máximo do erro. Por esse motivo. a hora da preia-mar ou da baixa-mar estaria errada em cerca de uma hora e meia. o processo de cálculo eclesiástico servia para as necessidades dos pilotos. Por esse motivo. conforme já anteriormente referido. de dois dias. Tal não era muito significativo para os padrões de tempo daquela época.4.4.3: Tabela de Luciano Pereira da Silva de facilidade de cálculo utiliza-se o valor médio.

contando a própria em que está o áureo número considerado50 . págs. Diz ele: Por isso. o que deixou de suceder após a reforma gregoriana. que apresentamos na figura 4. 50 Silva. Ou seja. para o mês de Março. «A «Regra geral das festas mudaveis» de Gonçalo Trancoso». Conforme já referimos. pois considerou-se ser mais prático preparar tabelas com o valor da epacta. em vez dos dias lá indicados pelos áureos números. existia já uma diferença de quatro dias entre a data calculada para a Lua Nova e aquela que resultaria do cálculo realizado tendo em conta a compensação do atraso nos áureos números. no cap. a Lua Nova apenas pode ocorrer em 235 dos 365 dias do ano. mas fazendo-se a correcção de tomar. 251 a 253. de quatro dias. para cada um dos áureos números. a Igreja manteve sempre o seu uso. Pereira da Silva apresenta uma tabela51 . Este facto é uma consequência de o ciclo metónico corresponder a 235 lunações.286 CAPÍTULO 4. A forma de interpretar esta tabela é a seguinte: para cada dia da mesma indica-se o respectivo áureo número. O cálculo da Lua Nova passou a fazer-se usando a epacta. para determinação das Luas novas astronómicas. os dias que estão cinco casas mais acima. Tal não quer dizer que anteriormente não se conhecesse este conceito. manda usar. 202. Tal significa que nesses dias nunca ocorre Lua Nova. até à reforma. 202. dando-se preferência ao áureo número. na qual compara. Informa-nos. os valores do áureo número no calendário perpétuo juliano e no Livro de Marinharia de João de Lisboa. Daí resultou que devido aos erros acumulados ao longo dos séculos. o calendário perpétuo que se encontrava nos livros de rezar. p. 51 Ibid.. era indiferente usar um ou o outro valor. Trancoso. Depois da reforma só faz sentido usar a epacta. que os marinheiros tinham também em con- sideração este desfasamento permanente. Uma característica que se nota neste género de tabelas é que nem todos os dias do ano têm áureo número atribuído.3. Ou seja. como explicaremos mais adiante. Mas como a cada áureo número correspondia sempre a mesma epacta. p. igualmente. . Luciano Pereira da Silva chama a atenção para esse facto. REGIMENTO NÁUTICO zentos anos. no calendário juliano existia uma relação perpétua entre o áureo número e a epacta. Nota-se que existe um desfasamento de quatro dias. xii. No entanto. a Lua Nova ocorrerá naquele dia nos anos que tiverem o áureo número indicado na tabela.

Proceedings of the Vatican conference to commemorate its 400th anniversary. Peder- sen G. Conforme temos vindo a mostrar. As tabelas que encontramos são bastante semelhantes às que Trancoso apresentou. Vaticano: Pontificia Academia Scientiarvm. Mais uma vez. um texto com o título compendium novae rationis restituendi kalendarium. que se crê que corresponde de perto ao texto de Lilius. para comentários. Apesar de não se conhecer o texto de Aloisius. tendo ensinado medicina na Universidade de Perugia. Coyne. O manuscrito que ele preparara com a sugestão de reforma do calendário foi entregue por seu irmão António. O texto de Clávio informa-nos que Lilius decidiu substituir o uso do áureo número pelo uso das 52 Gordon Moyer. conhecemos o seu con- teúdo. M. Vejamos como foram concebidas essas tabelas. 1582–1982. pois implica estar atento a várias peculiariedades. Não se sabe muito sobre a sua vida. url: http: //mathematics. Hoskin e O. adoeceu e veio a falecer. Actualmente. Era médico. V.library. 171–172. tendo sido essa a edição por nós consultada53 . circulou.J. mas tal nunca veio a acontecer. por S. Em: Gregorian reform of the calendar. em vez do áureo número. Em 1576. Não se conhece nenhum exemplar do texto que Lilius redigiu. Passemos então a explicar o processo usado por Lilius. O texto que este famoso astró- nomo deu à estampa permite-nos ter uma visão detalhada da proposta de Lilius. O responsável pelo de- senvolvimento das mesmas foi o astrónomo da região da Calábria. 1983. O papa teria concedido a António o privilégio de imprimir o texto do irmão. Acedido em 6 de Maio de 2011.edu/clavius/. pp. DO CALENDÁRIO 287 Importa agora entender como se procedeu à passagem de um método de cálculo para o outro. «Aloisius Lilius and the “Compendium novae rationis restituendi ka- lendarium”». pelas principais cortes e centros de saber da Europa. pelas razões que iremos explicar. o processo de cálculo não é muito simples. ainda antes da própria reforma ter entrado em vigor. pois o mesmo foi impresso por Clávio. e o manuscrito está desaparecido52 . Ed. sem causar grande perturbações. a obra de Clávio encontra-se disponível em linha.nd. também ele médico.4. . A principal diferença reside no facto de se ter passado a usar a epacta.4. Specola Vaticana. 53 Opera mathematica of Christoph Clavius. a forma mais simples de ultrapassar todas as dificuldades era usar tabelas onde se entrava com um ou dois dados para daí retirar os valores desejados. mais conhecido pela forma latinizada do seu nome: Aloisius Lilius. Luigio Giglio..A. Além disso.

except that in the case of the lunations of 29 days he wrote the two Epacts XXV. 4 April. ut dictum est. XXIV opposite the same day (cf. REGIMENTO NÁUTICO epactas. pp.. . XXIX opposite the first of February and so on to the end of the year. . sed signo hoc * propterea quod nulla epacta esse potest 30. in the Church calendar). Epact. he wrote * opposite the thirty-first. II. it will be convenient to consider the method devised by Lilius of indicating the new moons of the year in the Gregorian calendar. the new moons will occur in that year on the days before which the Epact X is placed in the calendar. quamvis ultima epacta. whenever the two Epacts XXV and XXIV occur in the same nineteen years. Quamobrem eum ita emendavimus. then continuing. etc.288 CAPÍTULO 4. From this arrangement it is evident that if. he wrote the Epacts *. sive quæ ordine est trigesima. prout solaris anni. XXVIII . imperfectus etiam erit hic cyclus 19 epactarum. According to the Metonic Cycle. ut olim. with which the number 25 is for this object associated in the Church calendar55 . consequently. 54 Opera mathematica of Christoph Clavius. As the first lunation of the year consists of 30 days. III. the new moons of the year whose Epact is XXV are indicated in the months of 29 days by Epact XXVI. 18–19. XXIX. per eumdem numerum 11 addunturque semper 12 illi epactæ quæ respondet aureo numero 19 ut habeatur sequens epacta respondens aureo numero 1 ob rationem paulo ante dictam54 . the new moon can never occur twice on the same date in the same nineteen years (the case is exceedingly rare even in the purely astronomical calendar). A Catholic Encyclopedia explica aquilo que Lilius fez: Before proceeding further. the Epact of a year is X. em virtude de o sistema dos áureos números não se adequar ao novo calendário: Quia vero cyclus decennovennalis aurei numeri imperfectus est. for example. 55 Kennedy. One qualification must be made to this statement. . Variis autem temporibus ex his 30 epac- tis respondent decem et novem aureis numeris variæ decem et novem epactæ. I opposite the first thirty days of January. cum novilunia post 19 annos solares non præcise ad eadem loca re- deant. quæ quidem decem et novem epactæ progrediuntur. 5 Feb. ut in posterum loco aurei numeri et dictarum 19 epactarum utamur 30 numeris epactalibus ab 1 usque ad 30 ordine progredientibus. notata numero non sit. ac lunaris æquatio exposcit.

Con- forme veremos mais adiante neste capítulo.4. Sempre nos intrigou a repetição da epacta 25 (e xxv) nas tabelas. Só mais tarde um cos- mógrafo apresenta a explicação para esta particularidade das tabelas. que respondem á . nesses casos: Deve-se mais advertir que na taboada se achão repetidos os nu- meros 25. no texto de Pimentel A transcrição anterior colocou-nos um problema de resposta complicada. sobre os quaes se terá a cautéla seguinte. DO CALENDÁRIO 289 Figura 4.4: Tabela com as festas móveis. tanto Lavanha como Manuel de Figueiredo ou Valentim de Sá colocaram esses valores nas suas tabelas. nos valeremos da Epacta 25 de algarismo vulgar.4. o primeiro 25 de algarismo vulgar ao lado esquerdo do numero xxvi de algarismo Romano: o segundo xxv de algarismo Romano ao lado do numero xxiv. assim como a forma como as mesmas devem ser usadas. porque então se o Aureo numero corrente for maior que 11. sem qualquer referência ao facto. Quando houver vinte e sinco de Epacta. vendo na taboada as Festas. nem qualquer explicação. xxv.

Mas não nos explica o porquê de tal pro- cedimento. Verificamos que no dia 5 de Fevereiro apenas surge a epacta xxiiii.4 temos a tabela com as datas das festas móveis inserida na Arte de Navegar de Manuel Pimentel. onde está exposto o processo proposto pelo médico calabrês. E para nosso espanto. 137. Um pouco mais adiante. consoante se utilize um processo ou o outro. em frente ao dia 31 de Janeiro aparece o número xxix. Ou seja. onde constataremos esse facto. na mesma linha da epacta xxvi e a epacta xxv na linha da epacta xxiv. daí que ele tenha sentido a necessidade de explicar a sua utilização. Quando saiu a edição da obra de Pimentel que aqui transcrevemos a situação era diferente. como sugerido na referida transcrição. p.5 apresentamos imagem da distribuição das epactas para os dias do primeiro trimestre. volta a aparecer em 1 de Março. Dito de outro modo. Repare-se na primeira coluna. na qual apenas existem dois valores: a epacta 25.290 CAPÍTULO 4. verificamos que as tabelas de distribuição de um número de epacta para cada dia do ano não são exactamente iguais àquilo que é sugerido na transcrição anterior do texto da Catholic Encyclopedia. REGIMENTO NÁUTICO letra Dominical proximamente inferior á sua correspondencia na fórma sobredita. esses valores de epacta nunca ocorreriam na sua época. 1762. Por outro lado. Arte de Navegar. com esta tabela fica assegurado o mesmo objectivo que se conseguia com o processo descrito na Catholic Ency- clopedia. * é usado alternadamente. Na figura 4. Isto porque. Mas se o Aureo numero for menor que 12. Clávio explica a utilização das epactas de modo 56 Manuel Pimentel. Deste modo. E desde a reforma de 1582 até 1699 não se usou a epacta xxv. Por sua vez. Voltemos a Lilius. e não o *. em cada época apenas se usam dezanove das trinta epactas possíveis. No entanto. Pimentel diz-nos como se faz. Lisboa: Na Oficina de Miguel Manescal da Costa. Na figura 4. . alguns dos dias do calendário ficarão com epacta diferente. e não as duas epac- tas xxv e xxiv. Figueiredo e Sá. conforme indicado na transcrição da página 288. mês sim mês não. ou melhor à obra de Clávio. sendo omitido este na sequência. Porque razão tal acontece? Parece-nos que a explicação mais lógica tem a ver com o facto de embora presentes nas tabelas de Lavanha. nos valeremos da Epacta xxv de algarismo Romano pelo mesmo estylo56 . fica garantido que no caso das lunações de vinte e nove dias se consideraram apenas vinte e nove epactas. Mais adiante analisaremos as tabelas de epactas deles.

in Februario die 4. DO CALENDÁRIO 291 Figura 4. vulgari numero scripta. No entanto. usa um exemplo concreto. non antiquo numero ut aliæ epactæ. etc. quando vero eadem epacta 25 respondet minoribus aureis numeris quam 12. sumenda est in calendario epacta 25. quales sunt priores undecim ab 1 usque ad . para o ano de 1916: Postremo anno 1916 aureus numerus est 17 sub quo in ordine epac- tarum tertiæ tabellæ. conforme já explicá- mos. in Aprili die 4. sed vulgari numero scripta. que Clávio menciona um calendário no qual existiriam alguns dias que teriam duas epactas si- multaneamente: xxiv e xxv. quæ proposito anno congruit. reperitur epacta 25. Para melhor se entender aquilo que pretende explicar. quales sunt posterio- res octo a 12 usque ad 19.5: Tabela de epactas na obra de Clávio semelhante ao que Pimentel seguiu.4. Ubicumque ergo anno 1916 in calendario epacta 25 vulgari numero scripta reperitur. in Martio die 6. Note-se contudo. Quotiescumque enim epacta 25 respondet aureis numeris maioribus quam 11. ibi novilunium fit: ut in Ianuario die 6.4. está a falar de um calendário ligeiramente diferente daquele que apresentou antes.

Figura 4. ut anni lunares perfectius solaribus annis respondeant. Ob quam etiam causam in sex locis calendarii duæ epactæ scilicet XXV et XXIV ad eumdem diem sunt ascriptæ. Id quod abunde in libro novæ rationis restituendi calendarii Romani explicatum est57 .6: Tabela com as festas móveis. Note-se que a estrutura da tabela é igual à que encon- tramos no texto de Pimentel. Quod ideo fit. pp. Nesta encontramos a inclusão da coluna mais à esquerda. Aliás. uma vez que o 57 Opera mathematica of Christoph Clavius. accipienda est in calendario epacta XXV antiquo numero scripta. . ut nimirum lunationes ita sibi mutuo succedant ut alternatim sex contineant dies 30 et sex aliæ dies tantum 29 complectantur. tal faz todo o sentido. com as epactas 25 e xxv. 19–120. REGIMENTO NÁUTICO 11 inclusive. no texto de Clávio Na figura 4. Atque hoc solum contingit in epacta 25 et in aliis numquam.292 CAPÍTULO 4.6 apresentamos a tabela das festas móveis inserida na obra de Clávio.

ne cum quartodecimanis hæreticis sacrosanctum Pascha. Por essa razão. ut potius novilunia serius aliquando per epactas demonstrentur quam ut aliquando sedes suas antevertant. Outro aspecto que importa destacar. é que a data obtida pode não coincidir com a Lua Nova astronómica. adeo ut propter celebrationem Paschæ maior sit habita ratio XIV lunæ. quod esset absurdissimum. Como vimos antes. a introdução das equações 58 Ibid. no processo de cálculo das Luas Novas para efeitos eclesiásticos.. Por definição. Por esta mesma razão. Sed de his plura in libro novæ rationis restituendi calendarii Romani. . Cum enim nullus cyclus lunaris ad unguem calculo astronomico respondere possit. data est diligenter opera in distribuendo cyclo hoc 30 epactarum in calendario. Mi- nus enim hoc peccatum est. Neque magni refert si aliquando. Mas no calendário gregoriano. propter hanc novilunii postpositionem. contingat Pascha celebrari post diem XXI lunæ. sed modo citius. e como veremos adiante. 20. vel ante celebretur. depois da astronómica. Definida a tabela das festas móvieis. mirandum non est. vel in XIV luna. ubi omnia hæc co- piosissime explicantur58 . Figueiredo e Sá incluem nos seus textos. vel in ultimo mense. a Lua Nova eclesiástica deve ocorrer. é também esta a estrutura das tabelas que Lavanha.4. quam si ante diem XIV lunæ celebretur. modo tardius novilunia indicet. quod raro tamen accidit. quam novilunii. DO CALENDÁRIO 293 texto de Clávio passou a ser a referência para todos os textos que divulgavam estes assuntos. Também já chamámos anteriormente a atenção para o facto de se ter procurado que a alteração do calendário se processasse minimizando as perturbações. Evita-se assim que a Páscoa possa ser celebrada antes do equinócio: Quod si quando epactæ per dies calendarii distributæ indicent no- vilunia paulo serius quam res postulet. esta estrutura de tabelas não difere muito das que se usavam antes da reforma. no mundo católico. p. epacta é idade da Lua no primeiro dia do ano. o seu cálculo poderia ser feito com base no áureo número. A principal diferença é a substituição do áureo número pela epacta. Quando não coincide. uma vez que existe uma coincidência que leva a que ao terminar um ciclo metónico a epacta volte a assumir o valor que tinha no início do mesmo. vel plenilunii. como é o caso da de Tran- coso que anteriormente mostrámos. como argumento de entrada. cum maturo consilio ita sint dispositæ. preferencialmente.4. com base na epacta. vamos agora ver como se obtém esta última.

chega a umas tabelas aplicáveis a cada um dos períodos. Essa associação era feita em tabelas. Clávio expõe. muda-se de tabela nos anos em que se introduz a equação solar. com a reforma gregoriana do calendário. A base continuou a ser uma tabela muito semelhante à usada antes da reforma. detalhadamente. Apenas uma nota final. REGIMENTO NÁUTICO solar e lunar implicou que esta coincidência é quebrada nalguns dos anos seculares. optou-se por usar estes últimos para calcular aquelas. 4. Por esse motivo. como é o caso de 1800 ou de 2100.7 apresentamos a página onde Clávio mostra a relação entre áureo número e epacta para alguns períodos. Em relação à letra dominical a reforma não trouxe alterações. Ou seja. no cálculo do domingo de Páscoa se manteve igual ao que se fazia antes da reforma. dos textos destinados aos pilotos a apresentar as novas regras. No primeiro dos capítulos dedicados ao calendário começa por explicar o que é o Aureo Número. Tal acontece porque a equação solar consiste na subtração de um dia ao ciclo de epactas.294 CAPÍTULO 4. não se torna necessário mudar de tabela. o processo de cál- culo das festas móveis da Igreja não se alterou significativamente em termos práticos. basta mudar a tabela quando estes ocorrem.2 O calendário na obra de Lavanha Voltemos à obra de Lavanha. Uma vez que essa re- gularidade é quebrada nalguns anos seculares. A principal diferença foi a substituição de um dos argumentos de entrada: passou-se do áureo número para a epacta. Sendo bastante fácil calcular o áureo número e tendo o ciclo das epactas a mesma regularidade que o dos áureos números. Após diversas deduções. Não fazia sentido entrar aqui num detalhe tal que procurasse esclarecer todas as pe- culiariedades da reforma. enquanto se mantiverem as regras do calendário gregoriano. ou a equação lunar. Naqueles anos em que se introduzem ambas. com utilização perpétua. Esse interesse deriva essencialmente do facto de o texto de Lavanha ser dos primeiros. pelo que o seu uso. enquanto que com a equação lunar se acrescenta um dia ao mesmo ciclo. Nestas questões . todas as particularidades deste problema. O nosso intento foi somente apresentar.4. Resumindo. Na figura 4. A obra onde Clávio explica todas as questões relacionadas com o calendário tem mais de seiscentas páginas. em linhas muito gerais como funcionavam os cálculos do calendário antes e depois da reforma gregoriana. as equações anulam-se mutuamente. se não o primeiro.

que serve também para conhecer a respectiva epacta. tendo o 59 Lavanha.4. recomeçando o ciclo quando se atinge o valor máximo: Consta este circolo do Aureo numero de 19.1 encontra-se transcrita essa correspondên- cia tal como Lavanha a apresentou. Cada ano tem atribuido um desses números. Regimento náutico. uma vez que a determinado áu- reo número corresponde sempre a mesma epacta. 8. e que se baseavam certamente na obra de Clávio. incluem ambos os conceitos num único capítulo. posto que não às mesmas horas59 .7: Tabela com as epactas por períodos.4. Annos. analisamos ambos nesta secção do nosso texto. porque passa- dos 19. Conforme referimos no início. . Annos Solares. Como vimos anteriormente. Por essa razão. entre um e dezanove. no texto de Clávio ele apenas pode expor aquilo que terá aprendido nos textos sobre o assunto. Informa que o seu valor varia. Lavanha explica os seus conceitos com exemplos. Para o caso do áureo número elaborou uma tabela. No capítulo seguinte aborda as epactas. Aliás. para os anos de 1594 a 1700. fl. para um intervalo de tempo relativamente longo. tornão a ser os Nouilunios aos mesmos dias dos meses. existe uma relação próxima entre os conceitos destes dois capítulos. com os quais comparamos o texto de Lavanha. DO CALENDÁRIO 295 Figura 4. Na tabela 4. sucessivamente. os outros dois cosmógrafos.

lãçados fora os 1500. torna-se necessário preencher mentalmente as colunas todas. . O procedimento não é muito simpático. & o segundo ao de 1595. o processo complexifica-se para anos mais afastados do primeiro: Exemplo. & fica hũ. Para se conhecer o áu- reo número. 61 . Logo em seguida. . & o quinto ao proposto anno de 1598. & como o Aureo Numero chega a 19. . e a epacta. sugere um procedimento para aqueles que não sabem aritmética. a começar no ano de 1594. fls. que a nós nos parece mais complicado que o anterior! No entanto. . & o terceiro ao de 1596. assim como o respectivo exemplo. até ao ano desejado. dos quais tiro todos os 19. fl. & o q̃ sobejar he o Aureo Numero do tal Anno. 61 Figueiredo. Manuel de Figueiredo apresenta uma «fórmula» de cálculo deste número: Sabereis o Aureo Numero lãçado fora da éra presente 1500. A primeira coluna corresponde ao primeiro ano. Queremos conhecer o Aureo numero do Anno de 1598. 8–8vs. q̃ ouuer. veremos q̃ nelle está o numero 3. termina esse mesmo parágrafo com a seguinte indicação: 60 Lavanha. e o exemplo de Lavanha encontra-se neste caso. he o Aureo numero do dito anno de 159860 . exame de pilotos. & do q̃ ficar lançareis fora todos os 19. direis q̃ no Anno de 1615. e as que se seguem correspondem aos anos seguintes. Hydrographia. Regimento náutico. de 1594 a 1700 Aureo numero 18 19 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 Epactas viii xix i xii xxiii iiii xv xxvi vii xviii xxix x xxi ii xiii xxiiii v xvi xxv Outro aspecto que merece ser realçado é o facto de na edição de 1606 a tabela ser exactamente a mesma. de um qualquer ano. Se tal é simples para os primeiros anos. 1594. torna a começar de hũ assi como no Anno de 1615. . & o quarto ao de 1597.1: Áureo número e epactas. q̃ ha. pello q̃ dãdo o primeiro espaço da Taboa ao ãno 1594. . 37. & assi diremos que 3. Tabela 4. tẽdes hum de Aureo Numero.296 CAPÍTULO 4. ficão 115. REGIMENTO NÁUTICO cuidado de mencionar isso no respectivo cabeçalho. No exemplo que La- vanha fornece explica como se deve usar a tabela.

Vimos acima que tanto Figueiredo como Sá consideraram um único capítulo para o áureo número e as epactas. & o de 1616. fls. . Refere ainda que esta tabela é perpétua. que a parte inicial do texto de Valentim de Sá parece uma cópia do de Lava- nha. 35vs. Constata-se. 62 Ibid. . Apresenta também a correspondência entre o áureo número e a epacta. Apresenta os anos respectivos. 63 .4. . Annos de 1. um elemento que a torna mais útil. Quanto a Valentim de Sá. fl. . segue essencialmente as ideias de Figueiredo.64 . Neste caso. Regimento náutico. & no Anno de 1597. dando-lhe ambos exactamente o mesmo título: «Do Aureo Numero. 64 Sá. Avreo numero he hũa reuolução de 19. será o Aureo numero 19.4. & quando vos embaraçardes nestas contas o sabereis da Taboa adiante buscando a era. & Epactas». atè 19 a qual acabada se torna a 1. serà o Aureo numero 1. embora este apresente dois capítulos distintos. a começar em 1615. embora nalgumas situações o seu texto se aproxime muito mais do de La- vanha. dous de Aureo numero. a tabela é válida apenas até 1700.. DO CALENDÁRIO 297 . Assi como o anno de 1614 forão desanoue de Aureo numero. . E agora a passagem equivalente em Valentim de Sá: Avreo numero he hũa rouoloção de desanoue annos & acabada torna a hum. Esta tabela a que ele se refere é similar à de Lavanha. Regimento da Navegaçam . para dois ciclos de dezanove anos: de 1615 a 1633 e de 1634 a 1652. & logo no seguinte de 1596. contudo. um para cada assunto. Obviamente que para a usar a partir de 1653 teria que se seguir o procedimento sugerido por Lavanha. hum de Areo numero. O regimento de Valentim de Sá apresenta assim uma estrutura menos coerente. & fronteiro achareis o Aureo Numero do tal Anno62 . . & assi no Anno de 1595. Contém. conforme já explicámos. 63 Lavanha. Além disso. serà 2. fl. 7vs–8. esta relação entre áureo número e epacta é válida apenas até à introdução da equação lunar e/ou da equação solar. Vejamos como Lavanha começa o capítulo relativo ao áureo número: Do Aureo numero. 37. será o anno de 1615. . contudo.

Ou melhor. Complementa essa 65 Recordemos que o texto de Lavanha tem uma primeira edição em 1595. Não é nosso objectivo analisar exaustivamente a obra de Valentim de Sá.66 . dias. começando por apresentar a respectiva definição: Das Epactas Epactas que quer dizer crecimẽtos. após mostrar realmente um exemplo. REGIMENTO NÁUTICO O resto do parágrafo é bastante semelhante em ambos os tratados. Mas ao contrário de Lavanha. por outro. contrariamente a Figueiredo e a Sá. (porque posto que sao 33 hã se de tirar 30. enquanto que a obra de Figueiredo foi editada em 1608 e reeditada em 1614. constata-se. Após explicar em que consistem as epactas. um para o áureo número e outro para as epactas. para que se perceba até que ponto a sua obra foi influenciada pela de Lavanha. Regimento náutico. «Livros de náutica portugueses de Pedro Nunes a 1650». O capítulo que ele dedica às epactas é pequeno. Assim. Sá segue de muito perto a explicação de cálculo do áureo número proposta por Figueiredo. 66 Lavanha. . A estes dois parágrafos segue-se um exem- plo. Lavanha refere como se pode obter o seu valor. Valentim de Sá baralha tudo. que separa claramente as definições e explicações de procedimentos. por um lado. com algum detalhe. mantendo-se o texto quase igual na de 1606. Lavanha considera dois capítulos. mais uma vez que a defi- nição que ele apresenta pouco diverge da de Lavanha. conforme também já antes referimos. dos respectivos exemplos. 8vs. estabelece simplesmente a relação entre áureo número e epactas. Vendo o texto de Valentim de Sá. passa a apresentar definições. fl. parece-nos útil explicar estas ocorrências. Conforme indicámos anteriormente. seguindo de perto o texto de Figueiredo. existindo um cabeçalho que nos dá essa indicação. datado de 1625. Ainda teria conhecido outras edições. sem que assinale esse facto com algum cabeçalho. Contudo. o terceiro 3. dias. mas essas foram posteriores ao texto de Valentim de Sá.298 CAPÍTULO 4. & assi o anno primeiro he o anno Solar maior que o Lunar 11. Já no parágrafo seguinte. consulte-se Albuquerque. Aquilo que nos parece é que Sá seguiu os textos dos dois cosmógrafos que o antecederam e pouco mais fez que ajustar a forma de escrever e os anos dos exemplos que apresentou65 . o segundo 22. Sobre as diferentes edições dos textos destes autores. saõ os dias em que o anno Solar cõmum de 365 dias excede ao anno Lunar commum de 354.) o quarto 14 &c.

A contagem termina quando se atinge áureo número. altera-se nesse dia a letra dominical. Tal como aconteceu com a tabela de epactas e áureo número. Assim. refere que cada ano comum terá uma letra dominical e no caso de ser um ano bissexto terá duas. e a segunda após essa data. Chama-se mais uma vez a atenção para um aspecto que an- teriormente referimos. O pri- meiro deles diz respeito a um outro dado fundamental do calendário cristão: a letra dominical. ficando a epacta igual a um. soma-se zero. o seu uso não é muito prático. começando com o número um na base do dedo. Na prática. E assim sucessivamente.1. Além deste procedimento de cálculo tanto Figueiredo como Sá apresentam uma tabela similar à que Lavanha sugeriu. Esta passará a ser a que se segue. Para permitir o conhecimento da letra dominical de cada ano apresenta uma tabela com vinte e oito casas. Assim. por nós transcrita na tabela 4.4. DO CALENDÁRIO 299 explicação com um exemplo ao qual se segue a tabela. Imagina-se que na base do polegar temos o valor de zero. para o áureo número igual a um. logo soma-se dez. De acordo com Lavanha. vai seguir Figueiredo quando se trata de explicar o modo de obter a epacta quando é conhecido o áureo número. a meio do dedo o número dez e na extremidade temos vinte. ficando a epacta igual a doze. se na definição de epacta tinha seguido de perto Lavanha. Aliás já anteriormente mencionámos essa tabela. a tabela que apresenta servirá para os anos de 1594 até 1700. para-se a meio do dedo.4. No caso de ser igual a dois. passando para o meio e para a extremidade. na respectiva sequência. quando ocorrer o primeiro domingo após o dia de São Matias. uma vez que obriga a contar todos os anos que decorrem entre o primeiro para o qual ela foi construída até se atingir o ano desejado. Antes de avançar para a análise daquilo que Figueiredo e Sá sugerem. Por essa razão. Lavanha explica em que consiste essa letra e as regras de aplicação da mesma. retornando seguidamente para a base. referindo inclusivamente diferenças entre os diferentes autores. Começa por se fazer uma contagem. Quanto a Valentim de Sá. mantendo-se esta até final do ano. O processo é bastante simples. 24 de Fevereiro. no caso dos anos bissextos. a primeira até ao dia de São Matias. Os dois capítulos que se seguem têm ligação com os anteriores. também esta não tem indicação de anos. que se soma ao va- lor do respectivo ponto. vale a pena um breve comentário às datas que Lavanha escolheu para os .

razão pela qual Lavanha indica que a tabela que apresenta é válida apenas até 1700. Por essa razão. o primeiro afirma mesmo que a rela- ção entre epactas e áureos números é perpétua. Não fazem qualquer referência à mesma nos seus textos. na primeira coluna. em 1582. enquanto que o segundo dá a entender que a tabela que apresenta. enquanto que Figueiredo é omisso. Sá refere que a sequência do ciclo solar se pode usar perpetuamente. Entra-se nessa tabela. Em rigor. No caso de a letra .300 CAPÍTULO 4. ocorreria em 1700. com a preparação das tabelas. não mencionando este facto. REGIMENTO NÁUTICO cabeçalhos desta tabela. Essa excepção implicou a «quebra» do ciclo solar. surgiram algumas excepções à regra de se ter um ano bissexto a cada quatro anos. a tabela teve que ser refeita nesse ano. após a reforma. Lavanha explica que as respectivas datas. para esse ano. Por exemplo. quando explicámos as regras do calendário. para determinado ano. onde mostra a relação entre estes dois conceitos se pode usar para sempre. A segunda coluna é a da letra dominical. com a reforma gregoriana do calendário. não parecem ter interiorizado esta alteração. Quanto a Figueiredo e a Sá. por Lava- nha. pois trata-se de um ano comum. pois nela a «casa» correspondente a 1700 terá duas letras e apenas a primeira será usada. Figueiredo e Sá. Ao capítulo das letras dominicais segue-se o das festas móveis. Uma nota final à forma como é feita abordagem destes valores. que corresponde à epacta. que ocorreu um ou dois anos antes da edição do texto. Lavanha parece ter entendido todas as particularidades do calendário gregoriano. ou melhor. existe também uma expli- cação. A primeira ocorrência dessa excepção. ela apenas é válida até 1699. Já no que respeita às letras dominicais. pois chama a atenção para o facto de as tabelas que apresenta serem válidas apenas até 1700. são função do valor da epacta e da letra dominical. Procura-se nesta a primeira ocorrência da letra desse ano que fica abaixo da linha da epacta encontrada no primeiro passo. mas também não alertando para a necessidade de se ter que «corrigir» o ciclo em 1700. Conforme referimos. a situação «inverte-se». A escolha do ano de 1594 para ano inicial está rela- cionada com a data da respectiva publicação. Quanto ao ano de 1700. Será essa a linha onde se retiram as datas das diferentes festas móveis do calendário cristão. tendo Lavanha também considerado que a mesma só se deveria usar até 1700. O mesmo se passou na tabela de equivalências entre áureos números e epactas. Fornece uma tabela para obtenção das datas das festas. para último ano de uso da tabela.

uma correcção manuscrita. mas mantém as mesmas ideias que o seu antecessor. Lavanha nunca usa a expressão «círculo solar». No capítulo das festas mudáveis ambos começam por explicar a construção da respectiva tabela. terá que se descer até à próxima ocorrência da mesma letra. tendo sido colocados os números cor- rectos. deve-se somar um dia àquele que se retirou da tabela. até ao dia de São Matias e a segunda desse dia em diante. como começa oito anos depois de Figueiredo. Lavanha apresenta uma explicação ligeiramente diferente da que é proposta por Figueiredo. ao lado dos errados. Como vimos anteriormente. Em termos práticos o resultado final será o mesmo. Mais uma vez. para as festas que calhem em Janeiro ou Fevereiro. faz ligeiras alterações no texto. o seu texto é quase um decalque do anterior. ou seja também num ano bissexto. quer se siga a proposta de Lavanha ou a de Figueiredo. este ciclo dura vinte e oito anos. O exemplar que consultámos. são diferentes das de Figueiredo. Por essa razão. Valentim de Sá vai usar o mesmo procedimento. ou seja sete linhas. no qual os dois usam . A tabela que ambos apresentam abarca dois ciclos de vinte e oito anos. Ambos atribuem o mesmo título à tabela: «Taboa do circvlo solar & letra dominical». DO CALENDÁRIO 301 dominical do ano em causa se encontrar na mesma linha da epacta. Lavanha sugere que se use apenas a segunda letra.4. para o cálculo das festas móveis. Ao chegar a vinte e oito deveria recomeçar em um. Figueiredo. A de Figueiredo começa em 1616. Curiosamente. continuado a sequência até ao número trinta e seis. as datas que usa. No caso de ser um ano bissexto é necessário ter em consideração que exis- tem duas letras dominicais. nos anos bissextos. ano bissexto. que nos leva a suspei- tar se realmente ele entenderia completamente aquilo que estava a escrever. apresenta. Não o faz. Figueiredo diz que no caso de ser ano bissexto se deve usar a primeira das letras dominicais. quando elaborou a sua tabela incluiu uma coluna com uma nu- meração sequencial de um a vinte e oito. Quanto ao resto.4. enquanto que a de Sá começa oito anos depois. A tabela de Valentim de Sá apresenta um erro. existente na biblioteca do Museu de Marinha. As semelhanças entre os textos dos dois substitutos de Lavanha con- tinuam. De igual modo. Porém. segue de muito perto o texto de Figueiredo. Quanto a Valentim de Sá. Nesse caso. de um até oito. quer para os exemplos quer para as tabelas. Segue-se um exemplo. inicia a sua contagem no número nove. Os títulos dos capítulos e a respectiva sequência são iguais.

apresenta outra tabela. entrando-se nela com a epacta de cada ano. pois existe um relação entre esta e o áureo número. com as datas das Luas Novas para os vários meses. No 67 Lavanha. que dos Nouilunios. semelhante à anterior. como argumento de entrada para os cálculos de datas. Esta é a forma de cálculo dos astrónomos. quando explicámos a transição do calendário juliano para o gregoriano. pela tabela da Igreja. Começa por apresentar uma tabela com as datas das Luas No- vas para os diferentes meses do ano. para o qual também escolhem ambos o segundo dos anos da respectiva tabela. 12vs. Tem o cuidado de realçar a diferença entre o modo de calcular usado pelos astrónomos e aquele que é seguido pela Igreja. & às vezes dous67 . faz mais caso dos Plenilunios. E os que amostra esta segunda. & os dias das Lũas nella assinalados. Procurámos perceber qual a lógica do processo. E não faça duuida a differença dos dias dos Nouilunios. obtidos em cada uma das tabelas. Vimos. Existem por vezes diferenças de dois ou três dias entre um processo de cálculo e o outro. Segue-se um segundo exemplo. Um breve comentário a esta abordagem que Lavanha faz ao assunto. saõ conforme a Igreja. a qual por razão da celebração da Pasqua. . para alguns anos. tanto num caso como no outro. que é bissexto. Nos anos em que fizemos a comparação. Se- guidamente. saõ os em q̃ real- mente a Lũa se ajunta com o Sol. passa para os novilúnios. como argumento de entrada.302 CAPÍTULO 4. não tendo sucesso nessa tentativa. que uma das mudanças significativas foi o «abandono» do áureo número. porque a primeira he segundo a conta dos Astronomos. entrando-se nesta tabela com o áureo número. De qualquer modo. Regimento náutico. se a intenção fosse apresentar uma regra «válida» para um período relativamente curto. se obtinha geralmente uma data que excedia em um ou dois dias a que se obtinha na tabela dos astrónomos. Já as regras dos astrónomos nos colocaram algumas dúvidas. O cálculo segundo a Igreja não nos coloca grandes dúvidas. fl. verificou-se que. Continuando ainda com os assuntos ligados ao calendário. uma vez que tem por base as regras que regulavam todos os cálculos relativos ao calendário. que ha entre estas duas Taboas. REGIMENTO NÁUTICO o primeiro dos anos das respectivas tabelas. poderia usar-se a epacta. Comparámos os valores. Um aspecto que nos fez alguma confusão foi o uso do áureo número. os quaes de industria cõta sempre hum dia depois que soccedem no Ceo. segundo Lavanha.

Atribuem a cada mês um número. as causas das marés eram desconhecidas. Por sua vez. o exemplo escolhido por Manuel de Figueiredo é um dos casos em que a data obtida pelo método dos astrólogos é coincidente com a que se obtém pela tabela da Igreja. Ambos apresentam apenas uma tabela: a dos astrólogos. exame de pilotos. começando com um em Março. por quanto a Igreja hum dia depois da conjunção faz primeiro da Lua68 . . Já o mesmo não podemos afirmar dos textos dos substitutos de Lavanha. o valor obtido será o dia da Lua Nova nesse mês. as datas obtidas por uma tabela e pela outra eram coincidentes. Segue-se um capítulo sobre as marés. Apesar das dúvidas anteriormente expostas. nalguns casos.4. Para Lavanha.4. Nos exemplares que consultámos. tendo como argumento de entrada o áureo número. e continuando até doze. para Fevereiro do ano seguinte. A partir do resultado da soma contam quantos faltam para trinta. sequencialmente. No entanto. Curiosamente. importa realçar que Lavanha mantém a clareza de exposição que temos vindo a realçar. É exactamente igual à de Lavanha. . Contudo. tanto de Sá como de Figueiredo. o argumento de entrada. No caso de a soma ter resultado superior a trinta. DO CALENDÁRIO 303 entanto. . sabia-se que existia uma 68 Figueiredo. Somam ao número atribuído a cada mês o valor da epacta do ano. Ambos referem ainda uma outra tabela. No caso dos meses de Janeiro e Fevereiro usa-se a epacta do ano anterior. tanto Figueiredo como Sá começam por expor uma regra prática de cálculo. mas deixa bem claro o como. fl. uma vez que a numeração dos meses se inicia em Março. vê-se quantos faltam para sessenta. Não explica o porquê. ao tal dia teremos hum dia de Lua noua. Valentim de Sá alerta para o facto de os valores retirados desta tabela exce- derem sempre em um dia a data determinada pelos astrólogos. seria a epacta. De acordo com os respectivos textos. Hydrographia. ou melhor um calendário per- pétuo que deveria estar no final dos respectivos regimentos. Tratar-se-ia certamente de algo semelhante à tabela que Lavanha designa como dos novilúnios pela Igreja. como ele afirma. para conhecer a Lua Nova. baseada na epacta. Figueiredo apresenta mesmo um exemplo de cálculo: No Anno de 1616 temos de Epacta 12 que buscados em Agosto fronteiro respondem 13 do mes. . não encontrámos esse calendário. . 39. .

A tabela que apresenta é referente a quatro anos. Valentim de Sá é o único dos três que refere também as águas mortas e explica que estas acontecem um dia depois dos quarteirões. Figueiredo e Sá mostram os valores em horas e quintos de hora. REGIMENTO NÁUTICO ligação entre estas e a idade da Lua69 . sendo de cerca de seis horas a diferença entre cada preia-mar e baixa-mar. Aquilo que ele faz é apresentar uma tabela. Tam- bém eles mostram uma tabela com a hora de ocorrência de uma preia-mar para cada dia de idade da Lua. a abordagem «teó- rica» ao problema das marés é mais desenvolvida nos textos dos substitutos de Lavanha. de idade da Lua.5 Da Declinação do Sol Terminadas as questões relativas ao calendário. passa para os assuntos mais directamente relacionados com a náutica. Figueiredo e Sá têm abordagens muito semelhantes a esta questão. Ambos referem também que as marés são mais vivas na proximi- dade dos equinócios e dos solstícios. Contudo. com a hora de ocorrência de uma preia-mar. Ambos falam no conceito de águas vivas. em que consiste esta coordenada e como é que a mesma varia ao longo do ano. As datas apontadas por Sá são aquelas que são mais rigorosas. ou seja. Para Manuel de Figueiredo as marés vivas ocorrem por ocasião da Lua Nova e da Lua Cheia. contudo. Os valores apresentados em todas as tabelas são os mesmos. Alerta. coisa que Lavanha não faz. Posteriormente apresenta a tabela de declinações e o modo como a mesma está construída. Apesar de as marés não terem propriamente a ver com o calendário. . enquanto que Lavanha os apresenta em horas e minutos. Se para os equinócios tal é verdade. para a irregularidade do fenómeno. 4. Seguidamente explica que diariamente existem duas preia-mar e duas baixa-mar. resumidamente. já não acontece o mesmo para os solstícios. Explica. Começa pelo capítulo de- dicado à declinação do Sol. Além disso. para cada dia.304 CAPÍTULO 4. 69 Idade da Lua é o número de dias decorrido desde o último novilúnio. optámos por incluir este assunto nesta secção dada a relação entre o cálculo das lunações e as marés. enquanto que Valentim de Sá diz que as marés têm maior amplitude dois dias após a Lua Nova ou a Lua Cheia. fracções de 12 minutos cada uma. isto é do Quarto Crescente ou Quarto Minguante. sendo que o quarto ano é o bissexto. Considera como declinação máxima do Sol o valor de 23o 280 .

No entanto.8: Exemplo de um círculo da Descripcion del Universo Vimos. «Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. que era de 23o 300 . em textos não redigidos para fins náuticos. nas aulas de Madrid deu preferência ao valor de Monterégio. mas nos quais aborda diversos assuntos que encontramos nos textos de náutica.4. cada dia. en el 70 Mota. 1597 e 1612». e que se encontra reproduzido nos Portugaliæ Monumenta Cartographica 70 . DA DECLINAÇÃO DO SOL 305 Figura 4. no capítulo dedicado ao Tratado del Arte de Navegar que Lavanha atribuiu este valor a Copérnico e que o considerava como o mais correcto. Lavanha volta a considerar o valor de 23o 300 mais tarde. Neste texto Lavanha começa por apresentar uma tabela com os lugares do Sol. para cada dia dos quatro anos de um ciclo de comuns e bissexto. existente na Biblioteca Real de Turim.5. Conocesse por esta Tabla el lugar q̃ el Sol tiene. Atlas—Cosmografia. começando em 1612. . Um desses textos é um atlas. de trinta e duas folhas. dizendo que estes dois minutos de diferença não tinham grande significado.

acabados los quatro. de trinta e duas folhas. Na figura 4.306 CAPÍTULO 4. De uma forma muito simplificada.9 representamos essa tabela. acima transcrita. podemos afirmar que até ao século xv toda a mecânica celeste era calcu- lada recorrendo ao modelo ptolomaico. i puedesse usar della otros 20 anos siguientes. bem diferente deste defendido por Lavanha. mas não encontrámos mais nenhum autor que utilize o mesmo valor. REGIMENTO NÁUTICO Zodiaco al tiempo del Medio dia en el Meridiano de Madrid. Ele refere que a correcção a aplicar é quase de três minutos! Procurámos uma explicação para o facto de Lavanha ter optado por este valor. Segui- damente fornece uma tabela com a correcção a aplicar aos valores de 1612 para os obter para cada ano. . Se lermos atentamente a correcção que ele sugere no texto que se encontra em Turim. Em lugar de apresentar valores para um ciclo de quatro anos. uma correcção de trinta segundos por ciclo dará dois minutos e meio ao fim desses vinte anos. estampa 429A. isto até 1648. Contudo. Praticamente na mesma altura em que foi redigido o texto acima citado. O valor que se usava na época era de um minuto e quarenta e seis segundos. Note-se que Lavanha considera que a correcção a aplicar no final de um ciclo de quatro anos é de apenas trinta segundos. compiladas 71 Mota. será também dessa ordem de grandeza. É sabido que os cálculos astronómicos puderam contar com muitos contributos desde finais do século xv e ao longo do século xvi. 1597 e 1612». i assi continuando en los demas: Porque la differencia al cabo de 20 anos es casi de tres Minutos. Nesta Lavanha segue uma abordagem mais ou menos semelhante à anterior. volviendo al ano de 1612. Lavanha escreveu uma outra obra destinada a ensinar cosmografia ao Prin- cípe Real72 . desde el presente de 1612 hasta el de 1615. Não cabe nos objectivos deste estudo analisar esses contributos. Se considerarmos que vinte anos são cinco ciclos. «Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. e sirve para quatro anos. podemos apontar algumas diferenças. Descripcion del universo. 72 Lavanha. Atlas—Cosmografia. apresenta-os apenas para o ano de 1612. opta por usar círculos. em diversas situações. Os valores das coordenadas celestes. como si fuera de 1616. também existem no conteúdo. Um exemplo de um desses círculos encontra-se representado na figura 4.8. Além de diferenças de forma. Uma delas tem a ver com a forma de apresentar os dados. Em lugar de usar tabelas para todos os valores. ncessários para os cálculos eram extraídos das Tábuas Afonsinas. q̃ para el uso de la navegacion no es de importancia71 .

Escolhemos estes apenas para mostrar a variedade de contribuições.4. para equação do Sol. Magini ou Clávio trouxeram contributos no- vos para a astronomia. Orôncio Fineu. Nomes como Regiomontano. pode afirmar-se que quando a actividade de Lavanha floresceu se notava uma enorme actividade de revisão dos valores das coor- denadas astronómicas. Purbáquio. .5. como o de Copérnico ou de Thico Brahe. Concluímos que não. Reinhold. DA DECLINAÇÃO DO SOL 307 por ordem do rei Afonso x. o Sábio. Madrid: en casa de Juan de la Cuesta.9: Tabela com correcções para conhecer o lugar do Sol Face o exposto. Procurámos. Figura 4. uma vez que sugere 73 Andres Garcia de Cespedes. que mais contributos deu para este assunto. A lista poderia ser acrescida de muitos mais nomes. Indagámos se poderia ser ele a fonte do valor usado por Lavanha. contemporâneo de Lavanha. Werner. Pedro Apiano. 1606. quem teria sido autor. A partir do século xv os contributos sucedem-se. na Península Ibérica. Pedro Nunes. Surge-nos o nome de Andrés Garcia de Céspedes e a obra que dedicou à náutica73 . Regimiento de navegacion que mando hazer el Rey nu- estro Señor por orden de su Consejo Real de las Indias a Andres Garcia de Cespedes sv cosmografo maior siendo presidente nel dicho consejo el conde de Lemos. surgindo novos valores para as coordenadas celestes e inclusiva- mente novos modelos cosmológicos. com o respectivo reflexo nas tabelas de coordenadas com interesse para os homens do mar.

seg . A reforma implicou que todas as tabelas astronómicas fos- sem corrigidas. como si el año de . es. fl. segundos . O texto de Céspedes que analisámos foi publicado em 1606.32. q̃ añadidos a los . minutos . grados .24.26. 46. minutos . terceros. la declinacion q̃ estuuiere puesta frontero de cada dia. terceros. serã los . Por lo qual. o ano-raíz das suas tabelas é 1584. estuuiesse el Sol en . minutos.38. segũdos .44. Concluímos que tal também não deveria ter acontecido.26.44. valores com a mesma origem que os de Céspedes. y en el mismo Meridiano vendra a estar el Sol en .10. minuto .56. no son sino para vn breue tiempo. y para los que no se apartã mucho del Meridiano pala adonde estan hechas74 .1588. auria de diferencia en el lugar del Sol . Regimiento de navegacion que mando hazer el Rey nuestro Señor por orden de su Consejo Real de las Indias a Andres Garcia de Cespedes sv cosmografo maior siendo presidente nel dicho consejo el conde de Lemos. que fue el lugar del Sol en q̃ estuuo el primero de Enero.10. cerca de . al medio dia.terceros: porq̃ en los . gra . de manera.48.14. minutos . seg . De manera q̃ en .1592. porque dãdo acabo de los quatro años vn dia de visiesto: y con esto dan mas tiempo de lo q̃ realmẽte contiene los quatros años solares.1. anduuo el Sol . REGIMENTO NÁUTICO cerca de um minuto e cinquenta e dois segundos de arco. grad . noserá la q̃ el año de .308 CAPÍTULO 4. No entanto.10. Mesmo nos casos em que os valores das coordenadas não 74 Cespedes. min . terceros de lo que estuuo el año de . segundos . para as suas tabelas de lugar do Sol. minutos de hora q̃ se dieron a estos años.10. procurámos perceber se pelo menos Lavanha poderia ter usado. el año de . segũdos de Capricornio en el Meridiano de Lisboa.1588. min . en cada vn dia . y mes. si las tablas de declinacion estuuieren hechas para el año de .56.48.14. tiene en los mismos dias.6.6. Consultando a obra de Céspedes.52. passa mas adelãte en el Zodiaco. min .46. años. en el mismo dia. q̃ las tablas de declinacion que lleuan los Pilotos. Um pequeno parêntesis para tentarmos perceber porquê 1584? Note-se que é o primeiro ano bissexto após a reforma do calendário. .8. minutos de hora: y lo q̃ el Sol anda en estos .1620. grados . terceros: y este mesmo crecimiento haze en todos los demas dias del año. segun. años visestiles q̃ hazen en .1588. de .38.1588.44. porque este año esta el Sol mas adelante. el primero de Enero a medio dia.24. 8.6. bem diferente dos trinta segundos de Lavanha: La causa porque el Sol no buelue a cabo de los quatro años al lugar donde estuuo.

Figura 4. Um facto que se nota logo é que os valores da tabela de Céspedes são maiores que os seus equivalentes nas tabelas de Lavanha. DA DECLINAÇÃO DO SOL 309 foram recalculados. pois em 1582 «desapareceram» dez dias do calendário. fornecendo uma tabela com os valores do lugar do Sol para um ano bissexto.11. Segue-se uma outra tabela com as correcções a aplicar de modo a obter os valores para os anos subsequentes.10: Tabela com lugar do Sol. para o dia 1 de Janeiro.10 apresentamos essa tabela para o primeiro semestre de 1584. Céspedes coloca o Sol em 10o 220 de .4. Na figura 4. de 1584.5. Assim. foi necessário pelo menos corrigir os dias. Essa tabela é mos- trada na figura 4. primeiro semestre de 1584 Céspedes usa um esquema semelhante ao que Lavanha tem na Descrip- ción del Universo.

isto é a Descripción del Universo e o manuscrito de Turim. segund. como explicaremos mais adiante. Contudo. el año de 1584. Essa equação é que é sempre positiva. y se le añada: la qual se hallará en la tabla de atras. segund. Como queriendo saber en que grado se signo está el Sol el año de 1606. para 1600 e 10o 30 de Capricórnio nos textos com tabelas para 1612. 55. Por esse motivo. o lugar do Sol. . y seran 23. e a equação a aplicar por cada ciclo de quatro anos é sempre positiva. nas tábuas de amplitudes. crescendo sempre os valores conforme os ciclos se vão sucedendo. à de Céspedes: 75 A excepção a esta regra é o ano a seguir ao bissexto. um ano começa sem que o Sol tenha atingido a posição que tinha no início do ano anterior75 . 22vs. os valores de Lavanha são: 9o 580 de Capricórnio. enfrente del año para quando se busca. y el mes en la cabeça. 76 Cespedes. fl. Normalmente. 50. grados. A explicação de Lavanha é praticamente igual. terceros. en el angulo comun estan 22. a correcção a aplicar deverá diminuir. vai pratica- mente compensar essa diferença. min. o valor de Céspedes deveria ser o menor. que es para quando se calculò la tabla. en 13 de Abril: tomando los 13 de Abril en la primera coluna de la tabla. enfrẽte del año de 1606. para um mesmo dia. diminuiu de ano para ano. ficando apenas a equação do Sol. Vejamos a proposta de Céspedes: Uso de la Tabla precedente Tomese el dia del mes que se quisiere saber en que grado e signo anda el Sol. Isto porque o ano que ele usa é o mais antigo. grados. 36. minut. e o seu valor da ordem de um minuto de grau. dos aqui mencionados. Seguidamente vamos explicar a correcção a aplicar. que se haga equacion. en la primera coluna de la mano yzquierda. Regimiento de navegacion que mando hazer el Rey nuestro Señor por orden de su Consejo Real de las Indias a Andres Garcia de Cespedes sv cosmografo maior siendo presidente nel dicho consejo el conde de Lemos. y en el angulo comun se hallará el grado y minuto. terceros: y en tantos de Aries está el Sol en 13 de Abril al medio dia. el año de 160676 . de ano para ano. los quales se añadiran a los 22. segundos de Aries: y en la tabla de equacion. minut. resultante do facto de cada ano não ter exactamente trezentos e sessenta e cinco dias e seis horas. grad. 55. logo. No final de quatro anos essa correcção seria aproximadamente de um grau. 5. REGIMENTO NÁUTICO Capricórnio. segund. Se a origem das tabelas fosse toda a mesma. em termos de procedi- mentos. 38.310 CAPÍTULO 4. 36. estan 40. 38 minut. a inserção de mais um dia no ano bissexto. 19. Pero para otro qualquiera año es necessario. y el mes en la cabeça de la tabla.

3. Regimiento de navegacion que mando hazer el Rey nuestro Señor por orden de su Consejo Real de las Indias a Andres Garcia de Cespedes sv cosmografo maior siendo presidente nel dicho consejo el conde de Lemos. cuya figura está luego arriba. 77 Lavanha.19. desde 28. Minutos. como queriendo saber el grado en que está el Sol en 29. no ano bissexto deveriam existir duas correcções a aplicar. lo miraré por el primer dia de Março. que de tantos será el lugar del Sol el propuesto dia. por tanto allado el Mes de Noviembre en la segunda Tabla. a cada quatro anos.3. 25–26. segundos. 22vs. El primero de Noviembre del Año de 1612 se quiere saber el lugar del Sol.5. que de tantos será el Lugar del Sol.43. Sendo o ano-raiz dos cálculos um ano bissexto. que volta a ser bissexto. Minutos . Grados . que el propuesto dia está el Sol en . que si fuere ano Bisiesto. En los años siguientes se há de añadir al lugar del Sol. desde o primeiro até ao quarto. I queriendo azer la misma operacion en . DA DECLINAÇÃO DO SOL 311 Sirven estas Tablas para el Meridiano de Madrid. i para este Año de mdcxii: como dizen sus titulos. i en la primera rueda della el Dia. 78 Cespedes. Grados . Ambos os autores usam um «artifício» para evitar essa necessidade de usar duas correcções para os anos bissextos. pp. i son del Signo de Scorpio. Grados . Nesse ano. fl. . i por esta de equacion se vee que en el Año de 1623 se ha de acrescentar .16.Minutos que se allaron en la Tabla del Lugar de Sol.4.6. Grados . Minutos . o resultado final é idêntico. que la differencia dellos al de Madrid no es considerable77 . minutos de Virgo. Un exemplo facilitará este uso. se ha de obrar por el dia siguiente. A forma de aplicar o «artifício» é diferente de um para o outro. Importa agora perceber como se resolvia a inserção de mais um dia. Em rigor. Los quales juntos con los . siguiendo la regla que se ha dado78 . azen suma de .29. repetindo-se esta prática por cada ciclo de quatro anos. i en todos los Meridianos de España. Comecemos por ver aquilo que Céspedes escreveu: Es de avertir. Segundos.9. en el Angulo commun estan . que se allare en las Tablas.6. no entanto.6. uma até 29 de Fevereiro e outra a partir de 1 de Março. as tabelas da correcção a aplicar apresentavam valores que iam decrescendo. el dia i Año señalado en el Meridiano de Madrid. Hebrero.43. los minutos de equacion que señalare la Tabla siguiente en el Año en que se quisiere saber el dicho lugar. de Hebrero adelante. de Agosto del Anño de 1623: por la segunda Tabla se conoce. Descripcion del universo.3. para um valor bastante mais elevado e recomeçava a descer. a correcção «daria um salto».

28.29. Ou seja.312 CAPÍTULO 4. i asi el Lugar del Sol del dia propuesto . Já a sugestão de Lavanha é para aplicar uma regra diferente nos anos comuns: I es de advertir que si el Año fuere Bisexto. se ande contar los dias.11: Tabela com correcções para conhecer o lugar do Sol Um facto curioso é que para se aplicar esta regra. i si no fuere Bisexto se ande numerar siempre uno menos de lo q̃ las Tablas señalan de los . embora Céspedes diga que a tabela de lugares do Sol que apresenta seja referente ao ano de 1584. de Febrero adelante. como estan puestos en las Tablas. portanto bissexto. a tabela do ano inicial não deverá ter o dia 29 de Fevereiro. REGIMENTO NÁUTICO Figura 4. a tabela não tem dia 29 de Fevereiro. de Agosto del .

Já no Regimento Náutico opta por for- necer tabelas já com o valor da declinação calculado para cada dia. mas que tem a vantagem de ser mais simples para os pilotos. enquanto tarda a caminar por los 6 Australes. Esta abordagem é seguida por Lavanha em textos de cariz mais teórico. por esta se conocera su Declinacion. i Austral. es del dia treinta del dicho mes79 . 30Mi: que tanta es la maior distancia entre la Ecliptica por la qual haze el Sol su movimiento y la Equinocial80 . de trinta e duas folhas. 80 Mota. i es Septentrional enquanto anda el Sol por los 6 signos Septentrionales. ou outra forma de apresentar os dados. Também na Descripcion del universo Lavanha fornece os valores da de- clinação em função do lugar do Sol. A forma de apresentação é novamente através de um círculo. DA DECLINAÇÃO DO SOL 313 Año de 1623: por no ser Bisexto. de um ciclo de quatro anos. Descripcion del universo. a Descripcion del universo e o atlas de Turim. Note-se que Lavanha considera que o maior valor da declinação é de 23o 300 . baseando-se nas mais recentes determinações desse valor: Sabido el lugar del Sol. i la maior de todas segun las modernas observaciones es de 23 Gr. por permitir valores mais rigorosos. 79 Lavanha. Se- guidamente. p. Reconhece que o processo mais rigoroso de abordar o problema é fornecendo uma forma de conhecer o lugar do Sol.5. 26. Após fornecer forma de conhe- cer o lugar do Sol. a partir deste valor do lugar do Sol. que passe por los Polos del Mundo. Estes dois casos permitem-nos ainda deduzir um dado im- portante sobre a forma como Lavanha abordava esta questão da declinação do Sol. 1597 e 1612». Regressemos ao atlas existente em Turim. estampa 429c. para cada dia do ano. Estão nesta situação o Tratado del Arte de Navegar. Atlas—Cosmografia.4. Lavanha tem uma tabela com os valores da declinação em função desse mesmo lugar do Sol. Quanto ao valor máximo da declinação. Recordemos que Pedro Nunes também defendia que este tipo de abordagem era preferível. «Anónimo—João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. por la passada Tabla. constatamos que é de 23o 300 . em função apenas da data. Es Declinacion del Sol el apartimiento que el tiene de la Equinocial medida con un arco de circolo maior. para conhecer a declinação. basta possuir uma outra tabela. não destinados a práticos do mar. Trata-se de uma abordagem menos rigorosa. . pois permite-lhes obter directamente o valor da declinação.

nũca faz tanta variação a declinação do Sol. que as taboas lhe mostrarem dia em que tomar a altura Meridiana do Sol. alguns dos exemplos que ele apre- senta são «copiados» de Figueiredo. Ou seja. com a declinação somente. que seria proporcional à longitude do local onde se estava. quando Lavanha ainda era vivo. Tanto Valentim de Sá como Manuel de Figueiredo apresentam tabelas com o valor máximo de declinação do Sol igual a 23o 310 3000 . e como a declinação do Sol está constantemente a variar. porque pode acontecer. Figueiredo tem um caso para 15 de Outubro de 1616. calculadas para o meio-dia no meridiano de Lisboa. que não for destro nestas ygualoções que não trate dellas. Todas as tabelas são. Depois calculava-se. No entanto. Como a tabela se destina a ser usada sempre ao meio-dia. Figueiredo refere a necessidade de aplicar esta correcção e explica como fazê-lo. E noutros exemplos as diferenças são pequenas. Começa por explicar as correcções que deveriam ser aplicadas. apenas indica que o valor máximo que considerou para a declinação foi de 23o 310 3000 . pois vemos q̃ nos achemos 90. Figueiredo explica qual a sua fonte. na que as Taboas mostrão. Por exemplo. Enquanto para todos os restantes dias do ano apresenta os valores da declinação apenas em graus e minutos. Quanto a Sá. e faz questão de assinalar nas tabelas o dia em que o Sol atinge essa declinação máxima. os valores usa- dos são coincidentes. Quanto ao sinal da correcção.gr a Leste de Lisboa. para o mesmo dia e para as mesmas longitudes. dependia do facto de a declinação estar a aumentar ou a diminuir e do facto de a longitude ser Leste ou Oeste. tal como Figueiredo faz. que haja . REGIMENTO NÁUTICO Voltemos aos textos dos dois cosmógrafos que exerceram funções em Por- tugal. no final Valentim de Sá apresenta o seguinte comentário: Somos porém de parecer. & que faça as contas ao Sol. como este Regimento lhe ensina. Thico Brahe. de acordo com os autores dos tratados. Na realidade. & por outros tantos a Oeste. alterando apenas o ano. Na prática tinha que se verificar qual a diferença dos valores da declinação entre dois dias consecutivos. Aliás. que Sá apresenta para 1624. sem indicar qual a origem do mesmo e apresentando todos os valores de declinação em graus e minutos. que o Piloto. que em lugar de acrescentar diminua. era necessário introduzir uma correcção caso se pretendesse usar esta tabela para lugares situados em longitudes diferentes. nesses dias de declinação máxima acrescenta o meio minuto. pois ambos os anos são bissextos. através de uma regra de três simples a correcção a aplicar. o processo não era muito simples. Valentim de Sá alerta para esse problema.314 CAPÍTULO 4.

e para o meridiano de Madrid. tal não significa que ele desconheça o problema. a exacta declinação do Sol82 . a altura máxima que o Sol atinge. Para conhecer essa altura. [LATITUDE PELO SOL] 315 erro sensivel. Com 81 Sá.6 [Latitude pelo Sol] O capítulo seguinte é dedicado ao Regimento do Sol. ou mais Occidentaes. nos quais Lavanha também apresenta valores de declinação. Esta situação é facilmente compreensível. se conheceria em todo o tempo. .4. & de Meridianos. Lavanha tem o cuidado de dizer que os valores que apresenta dizem respeito ao meio-dia. Quanto aos dois manuscritos que temos vindo a analisar neste capítulo. se tivermos em conta que se trata de textos que não são destinados a homens do mar. não fazem qual- quer referência a esta correcção para outros meridianos. 17. observando durante o dia. pois não he o mesmo lugar do Sol nelles. Os Astronomos uzão de outro modo mais exacto em opperaçoens para outros fins. Regimento náutico. fl. pelos destinatários dos textos. pelo que não vale a pena estar a considerar correcções para outros locais. isto é às regras para cálculo da latitude pela observação da altura meridiana do Sol. se-lo-iam em Madrid. ou outro instrumento adequado. que para a nauegação são de pouca consideração81 . .6. 4. indica que essa altura do pólo se pode saber. 82 Lavanha. Aiii vs. E deixa isso bem claro logo no prefácio que dedica aos matemáticos: E que sendo estas declinações dos põtos da Ecliptica em que está o Sol ao meio dia neste nosso Meridiano. Apenas considera que o mesmo não tem qualquer importância para a prá- tica da pilotagem. fl. cõ as quaes & com hũa breue da declinação dos graos de hũa quarta da Ecliptica. Começa por explicar que a altura do pólo é sempre igual à latitude do lugar. & lugar. Regimento da Navegaçam . . Se estes valores alguma vez viessem a ser usados. com equação do seu mouimento. E Lavanha? Quando apresenta as tabelas não faz qualquer referência a esta situação! Porém. não saõ as mesmas em outros Meridianos mais Orientaes. sugere o uso do astrolábio. como nos exemplos passados temos visto. Pello que era necessario vsar de Taboas do lugar do Sol. no seu movimento diurno. De seguida.

tornava-se mais fácil usar este valor. As regras que sugere abrangem as seguintes situações: 1. 3. 5. seguindo-se aquilo que ele designa por «Declaração da regra». Basta. é possível saber a altura do pólo. para concluir com um exemplo concreto de apli- cação. Também ele sugere cinco regras. as três primeiras regras são relativas a casos particulares: Sol no equador. sem se preocupar em trazer exemplos práticos. de muito perto. Sol na equinocial. pode ainda dividir-se em três situações diferentes. Contudo. Sol no zénite. Seguindo este modelo. igual ou superior à declinação. Finalmente. 2. Sol entre o zénite e a linha. o texto de Lavanha. . e não em alturas. Todas as regras são apresentadas seguindo um determinado modelo. os astrolábios portugueses eram geralmente graduados em distâncias zenitais. Só que neste último caso. Zénite entre a linha e o Sol. A regra quatro aplica-se no caso de a sombra apontar para o ponto cardeal (Norte ou Sul) de nome igual à declinação do astro nesse dia. Co- meça por enunciar. Sol na vertical do observador e a terceira é para o caso de se verificarem em simultâneo as duas condições anteriores. aplicar uma das cinco regras que ele apresenta. Na realidade. sinteticamente. é igual ao complemento da altura do astro. REGIMENTO NÁUTICO essa altura e com o valor da declinação. em vez do valor da altura do astro. limita-se a enunciar as mesmas.316 CAPÍTULO 4. consoante a distância zenital83 fosse inferior. na forma 83 A distância zenital é a distância entre o astro e a vertical do observador. Valentim de Sá começa por seguir. Curiosamente. 4. esta regra pode ser considerada equivalente a três regras distintas. Manuel de Figueiredo apresenta a sua versão do Regimento do Sol em uma página apenas. Tanto um como outro mencionam cinco regras e estas são iguais. Linha entre o zénite e o Sol. que não é mais que o enunciando da mesma um pouco mais desenvolvido. para o caso da observação do Sol. Por essa razão. isto é quando a sombra aponta na direcção oposta ao sinal da declinação nesse dia. para tal. Lavanha dedica praticamente oito páginas do seu texto a explicar o Regimento do Sol. a última regra aplica-se na situação oposta à quarta regra. a regra. Ou seja. Ou seja.

antecedendo as mesmas de uma explicação para esta sua atitude: Destas sinco Regras do Sol atras escritas. declaração da mesma e exemplo. & achamos que auia de nôs a elle 38. & será para a banda do Norte. . A 23 de Setembro. fl. tomamos em Lisboa a altura do Sol. fl. 24 vs. Lavanha segue o seu esquema de apresentação: enunci- ado da regra. 6 vs–7.7 [Latitude pelas estrelas fixas] Se a latitude do lugar pode ser conhecida. & são as seguintes86 . & achei pelo Astrolabio que distaua do meu Zenith. & 40. porque o Sol deitou as sombras no dito dia para a mesma parte do Norte. Valentim de Sá termina o seu capítulo sobre este assunto com essa exposição das regras de acordo com o que Figueiredo fez. observando a altura.84 . mesmo em termos de valores. por 38. po- demos inferir outras mais abreuiadas. de Março do Anno seguinte de 1595. Regimento da Navegaçam . porque neste tempo me deitou o Sol as sombras para a banda do Norte85 . & porque no dito dia não tem o Sol Declinação (& ainda q̃ tem 1. 6 vs.. & porque nestes dias não tem o Sol declinação. estarei apartado da Equinocial. Minutos que saõ dous terços de Grao.4. Em termos práticos são as mesmas que Lavanha descreveu. Exemplo. gràos. 40. & será para o Norte. que os mesmos 38. 4. Aos 21. do Sol na passagem meridiana. 40. ou a dis- tância zenital. Exemplo. minutos. & seus exemplos. direi. Minutos estamos em Lisboa apartados da Equinoccial. a ponto de os exemplos que usa serem praticamente coincidentes com os de Lavanha. Minuto na Taboa he de pouca consideração para exemplo) diremos que os mesmos 38. ou 21. de Março tomei a altura Meridiana do Sol. . o mesmo resultado se pode 84 Lavanha. que traremos na memoria para com mais facilidade fazermos as contas ao Sol. Valentim de Sá vai também seguir o método de exposição de Manuel de Figueiredo. Sá faz exactamente a mesma coisa. . Graos. 86 Ibid. Este optou por expor numa única página as cinco regras. Regimento náutico.7. [LATITUDE PELAS ESTRELAS FIXAS] 317 como são enunciadas. minutos. de uma forma abreviada e sem mais explicações ou exemplos. No entanto. graos. Graos & 40. fl. 85 Sá.

Além disso eram todas bastante brilhantes. sendo a latitude igual à diferença para 90o . Quanto ao sinal da latitude era. A explicação deste processo de identificação das estrelas. na passagem meridiana era oposta ao nome da declinação. com o observador no hemisfério contrário à declinação. os . a direcção da estrela era do mesmo nome da declinação. Para o cálculo da latitude apresenta três regras. Cada coluna tem a indicação da data em que a estrela tem a passagem meridiana para cada uma dessas sete horas. Neste caso. como já foi referido. Sabendo a hora em que cada estrela passa no meridiano. O instrumento que recomenda para as observar é o quadrante. e a estrela tinha declinação Sul. ou vice-versa. de- terminava-se a latitude. facto que possibilita que as mesmas sejam visíveis em todas as latitudes onde se navegava naquela época. Começa por afirmar que qualquer estrela serve para esse fim. Optou por escolher estrelas com declinação baixa. olhava-se para Norte. fornece ainda mais um elemento. Nesse caso. somava-se a declinação da estrela com a distância zenital (calculada a partir da altura) e obtinha-se o valor da latitude. e obtendo a respectiva altura. No primeiro.318 CAPÍTULO 4. é bastante detalhada. A primeira aplicava-se no caso em que a direcção da estrela. Sendo conhecidas as estrelas. do mesmo nome da declinação da estrela. o terceiro caso era aquele em que a soma da altura mais a declinação era superior a 90o . No entanto. neste caso. desde as nove da noite até às três da manhã. por forma a auxiliar os pilotos no processo de iden- tificação das estrelas. O segundo caso era aquele em que a soma atrás referida não chegava a 90o . isto é. a sua declinação e a respectiva grandeza. Esta regra subdividia-se em três casos. Contudo. Para que os pilotos fiquem familiarizados com a identificação das estrelas. em que a soma da altura meridiana com a declinação dava exactamente 90o . REGIMENTO NÁUTICO obter. observando a sua altura meridiana. A tabela tem o nome de cada estrela. A regra seguinte era a situação contrária. Finalmente. em função da data. observando outros astros. poder-se-ia verificar se a estrela estava bem identificada. fornece uma listagem contendo apenas vinte e quatro estrelas. antes de começar a usá-las. Isto é. sugere que as tentem identificar num local de latitude conhecida. Estas têm como cabeçalho horas. o que facilitava a sua identificação. o observador estaria no Equador. contando com exemplos. Para tal basta que seja conhecida a res- pectiva declinação. A seguir aos dados mencionados tem mais sete colunas. É esse o tema da sugestão seguinte de Lavanha: utilizar estrelas cuja declinação fosse conhecida.

Mais uma vez. conforme se vai descendo na coluna. da penúltima para a última estrela. sugerida por Figueiredo. Da aná- lise das diferentes formas de expor as regras. Anteri- ormente referimos que Lavanha expõe três regras. dividindo a regra em vários casos. em que a data recua um dia. Trata-se de duas estrelas com va- . todos eles apresentam as mesmas vinte e quatro estrelas. são praticamente coincidentes nos três autores. construído segundo proposta sua. encontrando-se a estrela e o observador do mesmo lado do Equador. num local de latitude conhecida.7. que também explicámos resumidamente. No que respeita ao instrumento aconselhado para fazer as observações. na explicação do processo de identificação das estrelas. A terceira refere-se à estrela no zénite e a quarta ao caso de a estrela ter declinação nula. é Sá quem mais se aproxima do texto de Lavanha. Nesta situação a latitude era igual à declinação da estrela. mais uma vez inspira-se nos dois cosmógráfos que o antecederam. por forma a conhecê-las bem. A primeira usa-se caso a estrela tenha declinação Norte. explicando como se deve observar com ele as estrelas. já no prefácio dirigido aos navegantes defendera este instrumento. semelhante ao de Lavanha. Figueiredo fala no uso do astrolábio. Valentim de Sá também menciona estas três regras. apresentava a terceira regra que se aplicava no caso de a altura da estrela ser igual a 90o . Deste modo numa mesma coluna as datas vão crescendo de estrela para estrela. Figuei- redo sugere quatro regras. também é diferente da que Lavanha enuncia. as estrelas estão ordenadas por ordem crescente de Ascensão Recta. As abordagens de Figueiredo e de Valentim de Sá apresentam pontos em comum com a de Lavanha. Também as datas em que cada estrela tem a passagem a determinada hora. Em cada coluna. Existe uma excepção. para obser- var estrelas. Por último. Quanto a Figueiredo redige um texto bastante simplificado. dizendo apenas que se deve praticar a observação das estrelas. e que se encontram registadas em sete colunas da tabela. Valentim de Sá. parece-nos que a de Lavanha (copiada por Sá) é mais simples que a sugerida por Figueiredo. e divergem noutros aspectos. e também se divide em vários casos.4. A explanação das regras de cálculo. Por exemplo. e que foram copiadas por Sá. Quanto à listagem das estrelas. Lavanha sugere o quadrante. [LATITUDE PELAS ESTRELAS FIXAS] 319 graus em excesso dos 90o eram o valor da latitude. Aliás. sugerindo o uso do astrolábio ou do quadrante. A segunda regra aplica-se para declinação Sul. Sá tem um texto detalhado do processo.

embora nem sempre de modo correcto ou completo88 . não tem sido objecto de muitos estudos. Por exemplo. obviamente. Maria Emília Madeira Santos [coord. Figueiredo de 15o 380 N e Sá de 15o 550 N . Em: Estudos de História da Ciência Náutica. da Estrela Polar (α Ursae Minoris) e do Cruzeiro do Sul (α Crucis). os valores de declinação de cada uma delas ser o mesmo para os três cosmógrafos. Este texto apresenta. e que nos são transmitidos por alguns textos sobre a náutica quinhentista. Nenhum deles nos dá informação sobre qual a fonte dos valores usados. 88 Luís de Albuquerque. Já no que diz respeito à declinação das estrelas. Quando elas existem. Retomou o assunto na História da cartografia portuguesa. encontramos diversas divergências entre os valores apresentados por cada um dos cosmógrafos. tudo isto explica que a atenção dos investigadores por via de regra se não demorasse na aná- lise de outros enunciados em que se procurava basear a navegação de alturas em observações de certas estrelas. . Este assunto. Quem melhor analisou o assunto foi Luís de Albuquerque. Curioso é o facto de para as dez últimas estrelas da listagem. i. além da Polar e da α Crucis.] Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical. a ordem atrás mencionada é normalmente quebrada. são diferenças de poucos minutos. O primeiro trabalho que dedicou ao assunto data de 196587 . Homenagem do Instituto de Investigação Científica Tropical. muitas ideias coincidentes 87 Utilizámos o texto incluído no primeiro volume dos Estudos de História da Ciência Náutica. . . «Sobre a Observação de Estrelas na Náutica dos Descobri- mentos». Notam-se algumas divergências nos valores de Va- lentim de Sá.320 CAPÍTULO 4. pois verificamos que quando ocorrem valores diferentes dos que são apresentados por Lavanha e Figuei- redo. Lavanha con- sidera uma declinação de 15o 540 . de Armando Cortesão89 . Neste texto deixa bem claro que o tema tem despertado pouco interesse na historiografia dos descobrimentos: No estudo da marinharia dos descobrimentos tem-se atendido prin- cipalmente à evolução dos regimentos do Sol. . Vol. Homenagem do Instituto de Inves- tigação Científica Tropical. identificada como Olho do Touro. 89 Também aqui usámos o texto incluído numa colectânea de trabalhos de Luís de Al- buquerque. neste caso no volume iii dos Estudos de História. 169. pelo que acabaram por ficar invertidas na listagem. p. mas nalguns casos conseguimos encontrar um valor diferente proposto por cada um dos autores. REGIMENTO NÁUTICO lores praticamente iguais de Ascensão Recta. 1994. Trata-se certamente de gralhas. para a segunda estrela da listagem. da observação de outras estrelas.

4. p. William Bourne91 . Mostra. O professor afirma que tanto Figueiredo como Sá usaram as mesmas estrelas e regras que Lava- nha expusera. por Neugebauer. Termina a tabela com as declinações calculadas para os anos de 1500 e de 1600. 90 Luís de Albuquerque. ambos os trabalhos contêm uma abordagem mais ou menos profunda. 1535–1582) foi um matemático inglês que publicou em 1574 uma obra destinada aos homens do mar: A regiment for the sea. Vimos anteriormente que realmente Valentim de Sá segue de perto as palavras de Lavanha. que é a análise dos contributos de Lavanha para este tema. Na tabela podemos ainda encontrar os valores sugeridos por Luís Serrão Pimentel. os dois primeiros autores serviram-se até das estrelas catalogadas por Lavanha. «A navegação astronómica». que estamos analisando neste capítulo: A mais antiga obra portuguesa em que se encontra um capítulo inteiramente dedicado à observação de estrelas. António Carvalho da Costa (1676) e Manuel Pimentel (1699 e 1712). Bourne adaptou o conteúdo à realidade náutica . já não podemos concordar para as regras. Discordamos ligeiramente da parte final deste excerto. datado de 1612. iii. mas não se limita a ser uma mera repetição do primeiro trabalho dedicado a este assunto. em marinharia. Apre- senta. Sendo este o primeiro dos nossos compêndios sobre a arte de navegar a ocu- par-se do assunto. mais ou menos contemporâneas do Regimento Náu- tico. mas Figueiredo tem enuncia- dos diferentes para as regras. Coimbra: Universidade de Coimbra. editado em 1595. Ambos os estudos de Luís de Albuquerque contêm uma descrição deta- lhada do conteúdo deste capítulo do Regimento Náutico de Lavanha. em particular. Se concordamos plenamente para as estrelas. nas obras de Valentim de Sá (1624). Embora tendo por base o texto da Arte de navegar de Martin Cortés. por realçar o carácter pioneiro do texto de Lavanha. os valores de Figueiredo e de Sá. só por excepção tal matéria deixou de figurar nos que lhe são posteriores. Além desses. obviamente. 91 William Bourne (c. Vol. 1975. Manuel de Figueiredo (1608 e 1625).7. e das suas regras90 . sendo apresentada. em ambos os casos. 169. Começa. Em: Estudos de História. tem ainda os valores contidos num Atlas cuja autoria é atribuída a Lavanha. Inclusivamente apresenta mais uma regra que Lavanha. [LATITUDE PELAS ESTRELAS FIXAS] 321 com outras incluídas no estudo mencionado no parágrafo anterior. Na questão que mais nos interessa. Compara esses mesmos valores com os de um autor estrangeiro. em ambos. Luís Serrão Pimentel (1673). uma tabela na qual compara os valores de declinação das estrelas em várias obras. é o Regimento Náutico de João Baptista Lavanha. em duas obras suas.

que era o proposto por Copérnico. seguir a postura «mista» que temos vindo a referir. inspirando-se tanto em Lavanha como em Figueiredo. Apresenta as regras de uma forma descritiva. explicando quais as condições para que tal ocorra. que conhecia por experiência própria. Ensina a conhecer os momentos dessas passa- gens meridianas. Em sua opinião.322 CAPÍTULO 4. em todos os locais em que a estrela esteja acima do horizonte. devendo ser observada a estrela apenas na situação de passagem meridiana. À altura obtida. à qual se segue uma figura. tal como se fazia para observar o Sol. Curiosamente. Começa por indicar o valor da distância da estrela ao pólo. Começa por explicar que a Polar poderá ser usada para determinar a latitude do lugar. o valor da distância entre a estrela e o pólo. Diz em seguida que as regras que os navegantes usam não são correctas. a estrela apenas deveria ser usada numa da suas passagens meridianas. Depois explica como se saberá a correcção a aplicar em cada uma das oito posições da roda que se imagina em torno da Polar. Seguidamente critica o uso da balestilha. mais uma vez. momentos esses definidos pelas posições relativas da Polar e de uma das guardas da Ursa Menor. Já Valentim de Sá parece. no Tratado da Arte de Navegar tinha indicado o valor de 3o 300 . inglesa. sin- teticamente. REGIMENTO NÁUTICO 4. A maior parte dos comentários que fizémos no capítulo anterior apli- cam-se também a este. De acordo com as suas palavras. a forma como ele explica o procedimento. No entanto. superior ou inferior. vale a pena expor. quando analisámos o Tratado del Arte de Navegar que Lavanha critica o regimento que era usado pelos pilotos. subtraía-se. este valor é o mais correcto. pelo que não vamos aqui repetir essa análise da abordagem de Lavanha a este assunto. No Regimento Náutico retoma as mesmas considerações. O valor que ele considera é de 3o 270 . como sendo de 3o 220 . uma vez que as correcções aplicadas eram fixas e na realidade variam em função da latitude. recomendando que se utilize em lugar dela um quadrante ou astrolábio. com as mesmas correcções. desde os primórdios da navegação astronómica era a Polar. Manuel de Figueiredo prefere o método clássico. Já vimos anteriormente.8 [Latitude pela estrela Polar] Uma estrela que tinha uma utilização particular. resultando dos cálculos efectuados a partir das observações de Thico Brahe. ou somava-se. . para observar a estrela. Refere que em muitos locais se podem observar as duas passagens meridianas.

para que pendurado no dedo polegar possamos por ellas ver a estrela92 . . & em semelhantes opperaçoẽs vzemos do Quadrante. dependurando o Astrolabio do polegar da mão direita93 . 93 Figueiredo. fl. exame de pilotos. Quanto à restante abordagem ao assunto da obtenção da latitude pela Polar Sá apresenta as ideias de Lavanha. Enquanto que este indica que a passagem meridiana superior ocorre quando a guarda dianteira estiver quase na direcção Su–sudoeste e a inferior quando a mesma guarda estiver quase na direcção Nor–nordeste. Hydrographia. Aí critica o uso da balestilha para observar estrelas. Já Valentim de Sá indica que a passagem meridiana superior ocorre quando a guarda dianteira estiver quase na direcção Sudoeste e a inferior quando a mesma guarda estiver quase na direcção Nordeste. ou pello mesmo Astrolabio com que tomais o Sol. no que se refere ao instrumento de observação. nesta ideia. isto é de 22o 300 . tal significa que poderá estar algures entre o valor de um e o valor de outro. no enunciado das regras para conhecer os instantes das passagens meridianas diverge ligeiramente de Lavanha. Lavanha faz ainda uma sugestão interessante. existem excertos de Sá que são quase decalque das palavras de Figueiredo. . que este incluiu no início do Regimento Náutico. . . pode ter seguido a sugestão de Lavanha.8. Mas como ambos referem que dada passagem meridiana ocorre quando a guarda «estiver quase na direcção. Curiosamente. . Apresentamos seguidamente o excerto equivalente de Figueiredo. fl. Refere que se poderá tam- bém usar para o mesmo objectivo. . as estrelas conhecidas como as guardas que pertenciam à mesma constelação em que se encontra a Polar aplicando 92 Sá. . ». Regimento da Navegaçam . o qual terá hũas fendas nos dados da declina. como é o caso que se segue: Pelo que sou de parecer. no prefácio que dedicou aos pilotos. razão pela qual a divergência entre ambos pode ser bastante inferiror aos tais 22o 300 . 31. sendo seguido. [LATITUDE PELA ESTRELA POLAR] 323 Por exemplo. tanto por Figueiredo como por Sá. ou Astrolabio com que tomamos o Sol. A diferença entre as direcções que Lavanha sugere e as que Sá defende é de duas quartas.4. Considera também 3o 270 para valor da distância entre a estrela e o pólo. que nesta. . 33vs. No entanto. real- çando que em Lavanha não encontramos texto semelhante: Pera o qual vsareis do Quadrante. tendo na declina hũas fendas por onde possais ver a Estrela.

REGIMENTO NÁUTICO as regras que se usam para a esta. sugerindo um processo para determinar a hora nocturna. das oito posições da Polar não fazia sentido defender o uso das guardas da Ursa Menor com o mesmo objectivo. podem. para se saber as horas. esta sugestão vem na sequência da anterior. Também não fazia muito sentido que o fizesse. basta observar a passagem de uma das estrelas pelo meridiano e procurar na tabela qual a data respectiva. cada estrela terá a sua passagem meridiana superior tangente ao horizonte nos locais de latitude igual à sua distância polar. Uma vez que a tabela apresenta as datas em que ocorre a passagem meridiana de cada estrela. Ele não o refere explicitamente. Explica ainda como se consegue identificar o momento das respectivas passagens meridi- anas. para sete horas diferentes. Nesse caso. no caso inverso. de usar apenas as passagens meridianas da Polar para determinação da latitude. Aquilo que sugere é algo bastante óbvio. no hemisfério contrário à sua declinação. Essa correcção deve ser somada à data para a qual se quer conhecer a hora. para a segunda. para a primeira guarda. No entanto. até às latitudes de 3o 270 . Como todas estas estrelas de que vimos falando têm declinação Norte. uma vez que se deve ter inspirado em Lavanha para expor o seu Regimento do Norte. . e de 17o 70 . Manuel de Figueiredo não faz qualquer alusão a esta proposta de Lava- nha. não faz qualquer referência a esta proposta. Ao valor obtido na tabela deverá ser aplicada uma correcção de quatro minutos por dia de diferença. aconselha que se use a data mais próxima. O processo é em tudo semelhante ao usado com a Polar. Ora como Figueiredo defende o método clássico. mas uma das grandes vantagens desta sugestão era a possibilidade de usar estas estrelas a Sul do Equador. no hemisfério Sul. devendo ser subtraída a correcção. recorrendo à tabela com as vinte e quatro estrelas. para a Polar. Poderia dar-se o caso de a data para a qual se pretendia determinar a hora não ser uma das datas da tabela das estrelas.324 CAPÍTULO 4. no caso de essa data ser inferior à da tabela. de 14o 260 . termina as suas considerações sobre as estrelas. Para tal. em teoria. Já Valentim de Sá poderia tê-lo feito. entre a data em questão e a data da tabela. ser visíveis. Teoricamente. torna-se necessário apenas co- nhecer a distância de cada uma das estrelas ao pólo. Ele refere que esse valor é de 14o 260 para a primeira e de 17o 70 no caso da segunda. Finalmente.

Após apresentar um exemplo muito simples. pois ambas contêm uma última linha que não faz muito sentido. para sa- bermos por ella na Carta de marear quãtas legoas ha de Rumo de Norte a Sul. A tabela que Valentim de Sá apresentou inspirou-se certamente na de Figueiredo. colocando o valor de zero tanto para a distância percorrida como para o apartamento. por cada rumo. tem uma tabela. não fazem qualquer referência a esta utilização. na qual expõe os mesmos valores que apresentou na listagem acima referida. e noutros os de Figueiredo. O que conheceremos sabendo a Derrota que leuamos. Seruenos tambem esta passada Taboa como auemos dito. obviamente. em léguas. Porém. para os casos em que estes dois últimos divergem. Valentim de Sá segue a estrutura de Figueiredo. em léguas. nalguns casos aqueles que Lavanha usou. Também tem uma listagem dos valores de distância percorrida e de apartamento. para cada um dos oito rumos de um quadrante. E repete em parte aquilo que Lavanha já tinha explicado nas suas aulas de Madrid. Estes valores diferem ligeiramente dos que foram sugeridos por Lavanha. [REGIMENTO DAS LÉGUAS] 325 4. Os valores da tabela são. quando se navega a esse rumo. Começa por explicar quanto vale um grau. em termos de forma. Curiosamente. razão pela qual não interessa considerá-lo no regimento das léguas. uma das utilizações que Lavanha sugere para o regimento das léguas é a determinação da diferença de longitude entre dois lugares. A esta segue-se a tabela. Este não apresenta nenhuma novidade em relação ao que era comum neste género de textos. sem apresentar nenhum exemplo. das léguas percorridas. assim como o valor de algumas fracções de grau. Isto. nunca se consegue variar a latitude. Os outros dois autores que temos vindo a comparar sistematicamente com Lavanha. Segue-se uma lista- gem exaustiva. Trata-se da linha referente ao rumo Leste–Oeste.9. A abordagem de Figueiredo é ligeiramente diferente.9 [Regimento das léguas] O regimento termina com um capítulo dedicado ao chamado regimento das léguas. e algumas fracções de grau. as diferenças situam-se ao nível da fracção de grau. & os Graos que . com os mesmos valores da listagem. que passa pello lugar donde partimos a outro que passa pello em que nos achamos. Ora.4. medidas por hum Rumo de Leste a Oeste. Depois de uma breve explicação sobre o valor de um grau de latitude. Tanto Sá como Figueiredo incluem essa linha.

de Lavanha nada dizer em relação aos problemas da carta plana quadrada. fl. de um grau de longitude. ii. Regimento náutico. O cosmógrafo-mor não faz qualquer referência ao facto de a distância entre dois meridianos ir diminuindo. Uma nota final sobre a proposta de Lavanha para o Regimento das Lé- guas. multiplicados pellas legoas de aparta- mento de Meridianos. reuniu-se a chamada Junta de Badajoz-Elvas. variando entre um e noventa graus. a linha exacta que separava os dois espaços. p. saõ as que hum Meridiano. Tanto mais. na terceira columna veremos quantas le- goas està hum Rumo de Norte a Sul apartado de outro por cada Gr. A assinatura do Tratado de Tordesilhas não resolveu completamente o problema da delimitação dos espaços de influência dos reinos ibéricos. na qual coloca o comprimento em léguas. 95 Luís de Albuquerque. que é muito provável que 94 Lavanha. Esta tabela está construída com intervalo de um grau de latitude. e que de nosso conhecimento ne- nhum outro autor referiu. Porque em dereito do Rumo por onde nauegamos achado na Taboa. Foram sugeridas diversas alternativas para resolver o problema. Maria Emília Madeira Santos [coord. . conforme se varia a latitude. Tal ficou a dever-se à dificuldade técnica de determinação da longitude naquela época. de differença de altura.94 . REGIMENTO NÁUTICO temos de differença de altura. ou Rumo de Norte a Sul. «O Tratado de Tordesilhas e as Dificuldades Técnicas da sua Aplicação Rigorosa». Ficou por definir. onde se discutiu o modo de definir o meridiano de Tordesilhas. 37.326 CAPÍTULO 4. as que vierem na multiplicação. durante séculos. Luís de Albuquerque afirmou o seguinte: Independentemente das conclusões a que conduza o estudo do valor deste módulo adoptado por Ferrer. que ouuer de differença de altura entre os dous propostos lugares. Manuel de Figueiredo alerta para este problema. o processo proposto pelo cosmógrafo catalão era o único nauticamente viável95 . 305. em termos de longitude. E assi os Gr. apresentando mesmo uma tabela. Uma solução apresentada pelo cosmógrafo Jaime Ferrer aos Reis Católicos consistia na utilização do Regimento das Léguas para conhecer o caminho percorrido. em fun- ção da latitude. Para tentar ultrapassar este problema.] Lisboa: Instituto de Investigação Científica Tropical. Em: Estudos de História dos Descobrimentos e Cartografia Antiga. Vol. dista do outro. 2002. É um pouco estranho este facto. Referindo-se esta solução. Homenagem do Instituto de Investigação Científica Tropical.

. Fontoura afirma que estes troncos particulares deveriam ter sido introduzidos por Lavanha por volta de 1600. pp. 96 Costa. falsos. que o dito João Baptista [Lavanha] deu. em 13 de Março de 1608. como ele afirma no Tratado del Arte de Navegar. os valores da declinação já sofreram uma pequena alteração. Comenta também o facto de eles não constarem da segunda edição do Regimento Náutico que é posterior a este ano. [REGIMENTO DAS LÉGUAS] 327 tenha sido o mesmo Lavanha a sugerir uma solução alternativa à carta de Mercator. Seguidamente. O autor fez uma profunda revisão de forma do texto. o conteúdo do mesmo manteve-se completamente inalterado. que Fontoura da Costa atribui a Lavanha. 253–254. essas tabelas apenas são válidas para um período de quatro anos.9. Uma palavra final sobre a edição de 1606. Passado este. que são acomodados às alturas e servem nellas para lançar o ponto na carta com certeza. A Marinharia dos Descobrimentos. poderia ter actualizado as tabelas de declinação do Sol. Baseia essa sua suposição num excerto do regi- mento que teria sido dado ao licenciado Gaspar Jorge do Couto. para cada data. sendo os outros troncos [os gerais].4. Estamos a referir-nos aos troncos particulares de léguas. causadores de grandes erros na navegação96 . para usar na viagem que iria levar a cabo. A transcrição que Fontoura fez do texto do dito regimento é a seguinte: Na carta de marear usareis dos troncos de léguas. No entanto. uma vez que. Por exemplo. que era demasiado complexa para prática dos pilotos de então.

.

aparecem tabelas de amplitudes tanto no texto de Manuel de Figueiredo. Daí que consideremos que esta matéria assume uma especial importância. justifica-se tratá-la num capítulo separado.Capítulo 5 Tabelas de amplitudes Neste capítulo abordaremos a questão das tabelas de amplitudes orti- vas propostas por Lavanha. não se conhece nenhum texto que possa ser realmente atribuído a Lavanha onde o assunto seja abordado. Por outro lado. percebemos que existem algumas ideias que não estão correctamente explicadas. A nossa opção. vamos definir os conceitos. aproveitando as palavras com que Luís de Albuquerque iniciou um estudo dedicado a este assunto: 329 . Pensámos em incluir este assunto no capítulo em que comparámos sistema- ticamente as obras obras de Figueiredo e de Sá com o texto de Lavanha. como no de Valentim de Sá. Essa atenção mais profunda incidirá especialmente sobre as questões que consideramos estarem incorrectamente explicadas. Daí que faça todo o sentido analisar este assunto. No entanto. nesta dissertação sobre Lavanha. Acabámos por optar por dedicar-lhe um capítulo exclusivo. na literatura que consultámos. como também procuraremos demonstrar. Em primeiro lugar. justifica-se pelo facto de na nossa investigação sobre estes assuntos. Como demonstraremos seguidamente. Dada a extensão da nossa análise. são muitas as evidências de que Lavanha terá tido um papel importante na elaboração destas tabelas. indicada no anterior parágrafo. Para compreendermos melhor a importância destas tabelas começaremos por explicar o que são amplitudes e qual a sua utilização no contexto da náutica. razão pela qual será aqui analisada com algum detalhe.

1 João de Lisboa Antes de passarmos ao estudo da forma como evoluiu esta questão das amplitudes. no nascimento e no ocaso. daqui em diante usaremos o termo amplitude. publicado em 1764. Desde quando existia o conhecimento de que as agulhas não apontavam exactamente para o Norte verdadeiro? Luciano Pereira da Silva diz-nos que 1 Trata-se de uma transcrição retirada do Tratado Completo de Navegação de Xavier do Rego. e observado com uma agulha magnética o rumo do seu nascimento (ou ocaso) no horizonte. que he a amplitude ortiva. a amplitude depende da declinação do astro. No entanto. são iguais. . 1976. são iguais os valores da amplitude de uma mesma estrela. para o caso do Sol. a sua variação é pouco significativa ao longo de um dia. Isto porque. Por uma questão de simpli- ficação. Se o astro observado for o Sol. Em: Estudos de História. «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação». 158. pelo que se pode considerar que num mesmo dia ambas as amplitudes. a declinação magnética do lugar no instante da observação2 . . uma vez que as agulhas magnéticas não aponta- vam para o Norte verdadeiro mas sim para o Norte magnético. ficava-se a conhecer. que he a amplitude occídua»1 .330 CAPÍTULO 5. Assim. por diferença dos dois ângulos. e a distância do seu poente ao verdadeiro Oeste. e esta varia ao longo do ano. Importa ainda referir que para um determinado local. p. estas tabe- las. he a distância do seu nascimento ao verdadeiro Leste. sendo assumido que nos estamos a referir a ambas as situações. Constatamos também que a amplitude era determinada no nascimento. 2 Luís de Albuquerque. ou no ocaso do Sol. um cosmógrafo. 5. como veremos mais adiante. tanto no nascimento como no ocaso. iv. Coimbra: Universidade de Coimbra. importa esclarecer também quais as alternativas que foram de- senvolvidas para determinar a declinação magnética. definia deste modo as amplitudes ortiva e occídua de um astro: «. Do excerto anterior ficamos a saber que o conhecimento da amplitude or- tiva (ou occídua) servia para conhecer a declinação magnética. daí as suas designações: ortiva e occídua. que era aquele que se usava na época em que Lavanha sugeriu. a amplitude varia ao longo do tempo. fundamental para quem andava no mar. . Vol. conhecida a amplitude ortiva (ou occídua) de uma estrela. numa obra dedicada à náutica. TABELAS DE AMPLITUDES Em meados do século xviii.

5.1. JOÃO DE LISBOA 331

Figura 5.1: Bússola de João de Lisboa, para determinar a declinação

Cristóvão Colombo já conhecia este fenómeno. E que não teria sido ele a
descobrir o mesmo:

Cristóvão Colombo na sua primeira viagem, 1492, tendo ultrapas-
sado o «meridiano vero», notou, no dia 13 de Outubro, o fenómeno
da mudança do sinal na variação, vendo as agulhas noroestearem. Foi
ele quem primeiro observou, não a declinação da agulha, mas a sua
passagem de oriental a ocidental3 .

O mais antigo texto português dedicado ao estudo detalhado da agulha
magnética, e da declinação da mesma, é o Tratado da Agulha de Marear
de João de Lisboa. O título do texto menciona o ano de 1514 para a sua
redacção. Luís de Albuquerque4 indica-nos ainda o processo sugerido por
João de Lisboa para determinar a declinação magnética. Para tal, o piloto
sugere que se observe a estrela Polar, ou da «estrela do pé» do Cruzeiro
do Sul. A observação deveria ser efectuada quando a estrela visada estivesse
em passagem meridiana. Nessas circunstâncias, o azimute seria Norte para o
caso da Polar ou Sul, para a estrela do Cruzeiro do Sul, pelo que a declinação
era obtida lendo a diferença entre a direcção da estrela e aquela para onde
apontava a agulha.
3
Luciano Pereira da Silva. «A arte de navegar dos Portugueses, desde o Infante a D.
João de Castro». Em: Obras completas. Vol. ii. Lisboa: Agência Geral das Colónias, 1945,
p. 361.
4
Albuquerque, «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação», pp. 125 ss.

332 CAPÍTULO 5. TABELAS DE AMPLITUDES

Na figura 5.1 podemos ver como seria o aspecto da bússola proposta por
João de Lisboa para obter a declinação magnética.
O texto de Luís de Albuquerque que temos vindo a seguir explica deta-
lhadamente como se deveria usar o instrumento, assim como refere outros
textos onde o mesmo processo também aparece exposto. Além disso, apre-
senta ainda críticas que foram feitas ao mesmo, nomeadamente por Pedro
Nunes. O nosso intento não é analisar detalhadamente essas questões, mas
apenas apresentar as alternativas ao uso das amplitudes. Por esse motivo,
deixamos aqui a referência a esse estudo detalhado e passamos a apresentar
outros processos.
Importa chamar a atenção para o facto de o interesse pela determinação
da declinação magnética estar relacionado com a suposta ligação desta com
a longitude do lugar. No mesmo tratado de João de Lisboa, aparece pela
primeira vez um texto no qual se sugere o uso da declinação magnética para
conhecer aquela coordenada geográfica. Este mesmo processo, com diferentes
variantes, vai ser sugerido por outros autores, que por sua vez propõe outras
formas de determinar a declinação.

5.2 Francisco Faleiro
O autor que Luís de Albuquerque considera em segundo lugar, cronolo-
gicamente, é Francisco Faleiro5 . Na sua obra Tratado del Sphera del Mundo
y del Arte del Marear, datada de 1535, dedica um capítulo a este assunto
e sugere quatro processos para conhecer a declinação magnética. Nenhum
deles é cópia do de João de Lisboa, pois todos os métodos que Faleiro su-
gere se baseiam na observação do Sol. Para aplicação dos processos, Faleiro
apresenta também um instrumento, que se deveria utilizar, para efectuar as
observações. Na figura 5.2 reproduzimos a imagem do instrumento, tal como
Faleiro o representa no seu tratado. Consistia, basicamente, numa superfície
circular, com uma escala angular, tendo uma cavidade no centro para se co-
locar a bússola6 . Os três primeiros processos baseiam-se na determinação da
linha meridiana, isto é da direcção Norte–Sul verdadeira. Conhecida esta, e
comparando a mesma com a direcção para onde a agulha apontava, obtinha-
se a declinação. Obvimente, aquilo que varia entre os vários métodos é a
5
Albuquerque, «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação», pp. 139 ss.
6
Esta figura foi retirada do texto de Luís de Albuquerque que vimos seguindo, o mesmo
acontecendo com as seguintes.

5.2. FRANCISCO FALEIRO 333

Figura 5.2: Instrumento sugerido por Faleiro, para determinar a declinação

maneira de conhecer essa linha meridiana.
O primeiro dos processos consistia em observar a direcção do Sol no
momento exacto da sua passagem meridiana. Na figura 5.3 representa-se
também o esquema das observações para aplicação do primeiro método.
Uma vez que, por definição, a passagem meridiana de qualquer astro
coincide com momento em que ele passa no meridiano do lugar, e o meridi-
ano é uma linha Norte–Sul, essa passagem ocorre sempre a Norte ou a Sul
do observador. Por essa razão, esta proposta deveria ser bastante prática
para determinação da declinação magnética. No entanto, tal não é verdade,
uma vez que é bastante complicado definir com rigor o instante exacto da
passagem meridiana. Ela ocorre quando o astro atinge a sua altura máxima.
Contudo, na maioria dos casos, a variação da altura é muito pouco significa-
tiva, nas proximidades da passagem meridiana, pelo que se torna complicado
conhecer o momento exacto da sua ocorrência. Por outro lado, a variação
do azimute pode ser bastante significativa na proximidade desta passagem.
Para o Sol, os casos mais relevantes ocorrem quando o observador se encon-
tra nas regiões tropicais, com latitude próxima do valor da declinação do
astro. O caso extremo é aquele em que a declinação é igual à latitude. Nessa
situação, o astro passa exactamente na vertical do observador, sendo o seu

334 CAPÍTULO 5. TABELAS DE AMPLITUDES

Figura 5.3: Esquema do segundo processo de Faleiro

azimute indeterminado.
Luís de Albuquerque chama também a atenção para este problema, da
identificação do instante exacto em que ocorre a passagem meridiana:

Esta maneira de proceder tinham porém, um inconveniente irre-
mediável, a que já aludimos: a dificuldade em reconhecer exactamente
o meio-dia solar verdadeiro local, para a observação ser feita nesse
instante. Com efeito, só em tal momento a sombra do semicírculo defi-
niria rigorosamente a projecção do meridiano no plano do horizonte do
lugar. Tal defeito do processo foi logo reconhecido por Faleiro, pois ele
anota que «cumple tener mucha vigilancia en conoscer puntualmente
el medio dia: porque todo lo que se errare en conocello, se errara en la
cuenta deste instrumento». Assim, qualquer dos dois processos imedi-
atos indicados pelo autor era decerto preferível a este; em todo o caso
o cosmógrafo, embora os reconheça como vantajosos por outras razões,
não alude expressamente a essa circunstância7 .

Concordamos parcialmente com a afirmação anterior. Em primeiro lu-
gar, importa realçar um aspecto. Faleiro sugere um procedimento para de-
terminação do instante exacto da passagem meridiana. Com um relógio,
preferencialmente de areia, «que sea muy preciso», media-se a duração da
noite. Este valor retirava-se de vinte e quatro horas, obtendo-se as horas
«de sol a sol». Quando tivesse decorrido metade deste último período, se-
ria exactamente meio-dia. Temos muitas dúvidas em relação ao rigor dos
7
Albuquerque, «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação», pp. 144–145.

5.2. FRANCISCO FALEIRO 335

resultados obtidos com esta proposta. No entanto, Faleiro apresenta uma
solução, que para ele é válida, e portanto, não se preocupa muito em afirmar
que este processo é menos rigoroso que aqueles que indica em seguida. Além
disso, reconhece exactamente essa limitação do método que propõe. Não o
faz quando explica o mesmo, mas fá-lo mais adiante, numa espécie de con-
clusão, quando termina o capítulo dedicado à determinação da declinação
magnética. Adiante transcreveremos essa parte final do texto dele. Aqui
indicamos apenas a frase em que reconhece o problema de definir com rigor
a direcção do Sol no momento exacto da meridiana: «porque el sol al medio
dia tiene tan poca altura mas que la que tiene vn poco ante y despues de
medio dia que dificultosamente se puede conocer precisamente el meridiano».
O segundo processo consistia em observar a direcção do Sol durante a
manhã, obtendo nesse instante a respectiva altura. Voltava-se a observar a
direcção do Sol quando o astro atingisse a mesma altura, agora da parte da
tarde. A bissectriz do ângulo formado pelas duas direcções observadas, cor-
respondia à direcção Norte–Sul verdadeiro. Tal acontece porque o movimento
do Sol se pode considerar simétrico em relação ao momento da meridiana8 .
A figura 5.3 tem o esquema de aplicação deste segundo processo.
O terceiro método é uma variante particular do segundo. Trata-se da
observação do azimute do Sol no nascimento e ocaso do Sol, isto é, quando
o astro tem altura igual a zero. Ou seja, aparentemente este processo não
acrescenta novidade alguma ao anterior. No entanto, Luís de Albuquerque
reparou numa diferença:

Não teríamos qualquer comentário a acrescentar se não se desse
o facto de Faleiro indicar uma nova técnica de observação: segundo
ele, as duas operações deviam ser feitas «poniendo en el centro del
[instrumento] un astil, . . . [señalando] la sombra en el instrumento en
saliendo el sol, y lo mismo en poniendose». Quer dizer: em lugar de
se adaptar ao instrumento o semicírculo metálico, a que se recorria
nos dois processos anteriores, devia agora colocar-se em O, orientado
segundo a vertical do lugar, um estilete OE9 .
8
Em rigor, o movimento do Sol não é exactamente simétrico em relação ao momento
da meridiana. A declinação do Sol varia constantemente. No entanto, a sua variação ao
longo de um dia é pequena, pelo que se pode considerar que não varia. Por outro lado,
se o observador estiver em movimento, esta simetria também não se verifica. No entanto,
dadas as velocidades reduzidas dos navios na época, o movimento do navio não tinha
influência significativa na simetria.
9
Albuquerque, «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação», pp. 147–148.

336 CAPÍTULO 5. TABELAS DE AMPLITUDES

Figura 5.4: O instrumento para determinar a declinação, usando um estilete

Na figura 5.4 está o instrumento, agora com um estilete central, para
definir a direcção da sombra.
Chegamos à última das propostas de Faleiro, que é aquela que tem maior
interesse para o tema desta secção. Neste caso, a sugestão consiste em fazer
apenas uma observação, no momento do nascimento, ou do ocaso10 , do astro.
Ou seja, aquilo que ele propõe é determinar a amplitude. Faleiro percebeu
que se pode estabelecer uma relação matemática entre a latitude do obser-
vador, a declinação do Sol e a direcção em que este nasce. Sendo conhecidas
a bordo as duas primeiras, bastava definir um processo para calcular a ter-
ceira. Comparando a direcção calculada, que era a verdadeira, com aquela
que se observava com a agulha, que era a magnética, obtinha-se o valor da
respectiva declinação magnética. O seu processo está errado, em termos ma-
temáticos, mas aquilo que importa realçar é que Faleiro é provavelmente o
primeiro autor ibérico a sugerir esta forma de conhecer este valor.

Tambien poniendo las puntas del medio circulo o dos astiles en
los dos estremos o puntas de la linea señalada en este instrumento
por equinocial: y en saliendo el sol o en poniendose puntualmente
concertar el instrumento: de manera que el circulo o astiles hagã la
sombra que vaya por linea recta de la vna punta del circulo ala otra.
Hecho esto echareys un hilo que corte por el centro e punta del aguja:
10
Luís de Albuquerque, na sua análise deste método, refere-se sempre à situação do
nascimento do Sol. No entanto, o texto de Faleiro menciona os dois casos: «y en saliendo
el sol o en poniendose puntualmente concertar el instrumento».

5.3. PEDRO NUNES 337

e por el punto en que el aguja señalare el polo hasta la graduaciõ. E
quãdo el hilo cayere por la linea diametral señalada en el instrumento
precisamente: si la nao estuuiere en el paralelo en que el sol estuuiere
aquel dia: el aguja estara verdadera. E si el hilo cortare la graduacion
fuera de la linea diametral todos los grados que ouiere desde la linea
hasta el pũto en que el hilo cortare la graduacion sera lo que el aguja
nordesteara ou noruesteara segun la parte de la linea o meridiano a
que se apartare: y esto como es dicho sera quando la nao estuuiere en
el paralelo en que el sol aquel dia estuuiere. E quãdo la nao estuuiere
en otro paralelo toda la distancia q̃ ouiere del paralelo de la nao al
paralelo del sol se hade acrescentar o sacar de los grados que entre
el hilo y el meridiano del instrumento ouiere segun la parte que el
hilo y aguja se apartare del meridiano: e lo que restare sera lo que el
aguja nordesteara. etc. Y estas son las mejores maneras de conocer
el meridiano y nordestear de las agujas que por la mayor altura del
sol tomada con el quadrãte: porque el sol al medio dia tiene tan poca
altura mas que la que tiene vn poco ante y despues de medio dia que
dificultosamente se puede conocer precisamente el meridiano: e mas
porque estas reglas nos siruen muchas vezes al dia. E porque ay otras
maneras y reglas para saber el meridiano no se ponen aqui otras que
hasta agora no se han praticado y estas bastan11 .

Na figura 5.5 encontra-se o esquema de utilização do instrumento su-
gerido por Faleiro para este quarto processo, isto é, para a determinação
da amplitude. Albuquerque analisa detalhadamente este processo12 . Infor-
ma-nos de qual o erro cometido por Faleiro. Embora tenha percebido que
existe uma relação entre declinação do Sol, latitude e amplitude, considera
que essa relação é algébrica. Na realidade, o valor da amplitude não se obtém
através de uma simples soma ou subtração da latitude e da declinação do
Sol, como ele pretendia, mas sim por meio de cálculos trigonométricos, uma
vez que o que aqui está em causa é a resolução de um triângulo esférico.

5.3 Pedro Nunes
Chegamos ao mais notável matemático português de todos os tempos.
Também para esta questão, de conhecer a declinação magnética, ele deu
11
Francisco Faleiro. Tratado del esphera y del arte del marear con el regimieto de las
alturas cõ alguas reglas nueuamete escritas muy necessarias. Sevilha: Juan Cromberger,
1535, pp. 86–87.
12
Albuquerque, «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação», pp. 148–152.

338 CAPÍTULO 5. TABELAS DE AMPLITUDES

Figura 5.5: Utilização do instrumento para determinação de amplitudes

importantes contributos. E, em nossa opinião, é um dos casos em que os
estudos sobre este assunto não elucidam todos esses contributos.
Luís de Albuquerque dedica ao primeiro cosmógrafo-mor também algu-
mas páginas do estudo que temos vindo a seguir13 . Descreve detalhadamente
o instrumento que Nunes sugeriu para realizar as operações necessárias para
conhecer a declinação. Começa por referir que o instrumento proposto por
Nunes pouco difere do de Faleiro, para mais adiante, indicar uma diferença
significativa entre um e o outro:

Em relação ao instrumento semelhante descrito no Tratado del
Sphera, há nesta descrição de Pedro Nunes uma diferença a assina-
lar: a agulha devia ser instalada numa cavidade excêntrica, a fim de
ser possível ligar o estilo ao centro do círculo; note-se que Faleiro, ao
tratar do seu terceiro processo, já sugerira a substituição do seu se-
micírculo vertical por um estilete central, mas sem nos dizer como ele
poderia ser fixado à peça-base do instrumento. . . 14 .

O notável historiador dos descobrimentos confunde alguns dos dados so-
bre os contributos de Nunes. Assim, faz a seguinte afirmação:

A maneira de se utilizar este dispositivo na prática das observações
magnéticas só vem referida no Tratado de Certas Dúvidas. O cosmó-
grafo segue aí sensivelmente as indicações de Faleiro, embora trate o
13
Albuquerque, «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação», pp. 153–158.
14
Ibid., p. 154.

16 A parte que Luís de Albuquerque comentou encontra-se em Pedro Nunes. Vol. 155. 15 Ibid. Figura 5. i. acrescentando algumas recomendações práti- cas que o seu predecessor omitira. antes e depois da meridiana. quando ele atingia alturas iguais. para esta questão. . Segue-se a explicação da proposta de Nunes. 2002. tal como Faleiro propunha no seu segundo método. Tratado da Sphera. p. todo o texto que Luís de Albuquerque menciona encontra-se no Tratado em defensam da carta de marear e não no Tratado sobre certas dúvidas 16 .3. complementando essa expli- cação com uma imagem. No en- tanto. Ora. PEDRO NUNES 339 caso com mais cuidado. . e a sugerir que a declinação magnética fosse obtida observando a di- recção do Sol. a ideia que fica é a de que os contributos do primeiro cosmógrafo-mor. e esclarecendo a exposição com um exemplo numérico. 143–144. 15 . semelhante ao de Faleiro. pp.6.. Obras. que reproduzimos na figura 5.6: Explicação do cálculo de determinação de amplitudes Apesar desta pequena confusão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.5. a explicação de Luís de Albuquerque es- clarece bem a abordagem que Nunes apresenta no excerto analisado. no qual o histori- ador da náutica pretende evidenciar as contribuições mais importantes para esclarecimento desta matéria. São apenas estes que Albuquerque lhe atribui. neste estudo que vimos seguindo. Astronomici Introdvctorii de Spaera Epitome. . se resumiram a propor um instrumento.

p. Noutra parte desta dissertação analisamos este intrumento. Ou seja. aquilo que D. Porém.340 CAPÍTULO 5. passa para as tabelas de declinação do Sol. Começa pelo Regimento das Léguas. 141. «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação». quando ele fala no uso do mesmo para determinação da latitude a qualquer hora do dia. de quem falaremos mais adiante. sem grandes detalhes eruditos. e a confusão com outro «instrumento de sombras» de Nunes. . Começa por afirmar que não existe uma relação entre a declinação da agulha e a longitude. O pequeno excerto que Albuquerque analisou e comentou vem inserido numa parte do Tratado em defensam da carta de marear que começa assim: «Quanto ao regimento que se tem no nauegar. Tanto quanto se sabe. Recorde-se que este instrumento. vai usar este instrumento de Nunes. aplica na prática uma série de procedimentos que o cosmógrafo lhe ensinou.7 é o mesmo que foi intensamente usado por D. João pratica vai muito além do que Albuquerque considera como sendo os contributos de Nunes. Chama-se a atenção para o facto de a imagem do instrumento não surgir junto a este texto que estamos analisando. Depois de descrever o instrumento. A começar pelo próprio instrumento. Faz comentários curtos. João de Castro. Depois de analisar os tópicos acima referidos chega à questão que anali- samos nesta secção. Segue-se a descrição do instrumento que ele propõe. Após criticar a prática de alguns pilotos «bornearem a agulha pela estrela». expõe apenas o método das alturas iguais do Sol e critica aqueles que supõem conseguir determinar 17 Albuquerque. fala sobre a forma como os pilotos no mar poderiam obter a declinação magnética. TABELAS DE AMPLITUDES Aquilo que Nunes escreveu sobre este assunto é muito mais extenso. Note-se que este será um dos assuntos que D. para as duas funções. que representamos na figura 5. ao contrário do que se acreditava na época. entre os pilotos. Veremos que. João de Castro analisará profundamente na sua viagem. neste assunto. passa a explicar como o podem fazer no mar. D. entramos numa parte em que ele vai fazer comentários àquilo que seriam os procedimentos práticos dos pilotos. mas sim mais adiante. João de Castro na sua viagem de 1538. Na realidade este não difere muito de uma das versões de Faleiro. Aqui. que cabe em minha profissão: não ha muitas cousas que apontar17 . seguindo-se o Regimento do Norte. Pedro Nunes prevê o seu uso em dois contextos diferentes: para conhecimento da declinação magnética mas também para os cálculos da latitude por alturas extra-meridianas do Sol.

3. a de Nunes está correcta. na análise dos textos de Nunes. Por esse motivo. a nossa opinião é de que Pedro Nunes tam- bém considera que se poderá usar a amplitude para determinar a declinação magnética. O problema. que nos fornece uma proposta matematicamente errada. tal como Faleiro sugerira. Ou melhor. voltemos à parte final do texto que Luís de Albuquerque dedica ao capítulo onde Faleiro expõe os vários métodos de determinar a declinação magnética. PEDRO NUNES 341 Figura 5. João de Castro usou este processo de Faleiro. Contudo. Albuquerque escreveu o seguinte: D. vamos ter que fazer uma análise detalhada de várias partes do texto de Nunes. Para melhor expormos o nosso ponto de vista. Ao falar no quarto processo de Faleiro. Como temos vindo a afirmar. então A podia ser obtido da declinção do Sol.5. ao contrário deste último. é que muitas vezes apresenta as suas ideias sobre um determinado assunto numa parte do texto em que está a falar de uma matéria diferente. como efectivamente se fez no Roteiro de Lisboa a Goa. João de Castro. mas só no caso de se encontrar próximo do equador. e para justi- ficarmos a nossa tese. não há notícia de que tal processo apresentado . no nascimento ou no ocaso. voltemos a Faleiro. assim como de uma parte do Roteiro de D.7: «Lâmina de sombras» de Pedro Nunes com rigor a direcção do Sol no momento da respectiva passagem meridiana. aquele em que ele sugeria que se determinasse a declinação por meio de apenas uma observação do Sol. Com excepção das observações deste autor. que aliás só a ele recorreu em circunstâncias especiais.

Faleiro apresenta um con- junto de regras práticas. por quanto a linha de leste oeste. 18 . por onde em esphera recta viremos em conheci- mento da variação das agulhas: Apontando o sol no orizonte. Mais adiante. e o circulo graduado do meu estormento representa o orizonte. e daqui podemos tirar que a agulha norestea 7 graos 1/2. . quanta declinação tiuer o sol esse dia. naçeo o sol hum grao de leste pera o norte. D. cortará de sua circunferençia outros tantos graos. por quanto estou tão perto da equinoctial que pera este effecto he cousa insensiuel o que me falta. que me mostra minha agulha no circulo graduado. Vejamos o que o Vice-Rei escreveu: Nacimento do sol. fica por equinoctial. e o estilo lançou a sombra outro grao de oeste pera o sul. Ed. Roteiro de Lisboa a Goa (1538). do estilo das regras que se encontram nos vários regimentos usados pelos pilotos. 1939. mas oje naceme o sol em meu estormento hum grao de leste pera o norte. Deste texto percebe-se perfeitamente que D. . e a rezão he esta. ho estilo lançou a sombra 1 grao. seguesse que estes 7 graos 112 que o sol naçeo maes pera leste. «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação». quantos o sol anda apartado da equinoctial. que he a declinação deste dia. Ora. pp. . que se aleuanta do çentro deste circulo. tanta largura terá de nasçimento. imaginando que estou em esphera recta. E esta operação vem conforme a que ontem pello outro modo dos arquos19 . que sera debaixo da linha. contando do oeste pera o sul. de neçessidade a sombra do estilo. João faz comentários que demonstram que não está apenas a aplicar regras desse género. p. João volta a falar no 18 Albuquerque. e porquanto a equynoctial he a verdadeira linha de leste oeste. estando em esphera recta. João não se baseou no texto de Faleiro para as observações que levou a cabo. Lisboa: Agência Geral das Colónias. Os seus comentários permitem perceber que entende perfeitamente os fundamentos teóricos que estão por detrás dos cálculos que apresenta. e que o estilo me lançasse a sombra outros 8 graos 35 minutos do oeste pera o sul. Logo. logo. 152. 255–256. E esses fundamentos teóricos não se encontram no texto de Faleiro. por Abel Fontoura da Costa. TABELAS DE AMPLITUDES por Faleiro tivesse sido usado até final do século xvi. João de Castro tivesse usado este processo. na forma sugerida por Faleiro. norestea a agulha. 2a . era necessario que me nascesse o sol 8 graus 35 minutos de leste pera o norte. Não nos parece que D.342 CAPÍTULO 5. João de Castro. 19 D. D.

os quaes partidos pello meo. João de Castro não usou as regras sugeridas por Faleiro. Supondo que o tenha feito. de que me tenho aproueitado neste caminho. 7 graos 50 minutos de oeste pera o sul. A citação anterior vem reforçar a ideia que D. então usou-as 20 Ibid. e quando o sol se queria por. se caso fora que minha agulha julgara direito. vem a parte 7 graos 3/4. avendo de nascer 7 graos 50 minutos apartado della pera o norte. que estes 7 graos 50 minutos norestea. e só aquelles que viuem em esphera recta. pois em nenhuma maneira pode acontcçer. e da quy se tira que he falsa a openião daquelles que dizem no dia do equinoctio naçerlhes o sol em leste de suas agulhas.5. mas a sombra do estilo cahio sobre a linha de leste oeste. ss. ho estilo lançou a sombra na lamina ençima da linha de leste oeste do circulo graduado. por caso da variação que fazem geralmente20 . no naçimento do sol. ho estilo lançara a sombra. a qual regra não será geral. que forão 24 dagosto. seja igoal a declinação que ouuer esse dia. e a outra he pello nascimento do sol ou poimento somente.. pera alcançar- mos a variação das agulhas: Este dia. ou 90 graos da linha de norte sul. com aquele que usou apenas nas proximidades do Equador: Operação feita pello nascimento e poimento do sol. ao qual chamão os mathematicos largura do nasçimento do sol. 22 dagosto. mas particular. 257–258. que he o mesmo. por quanto o dia doje tcmos 7 graos 50 minutos de declinação. aos que tem esphera recta aconteçerá sempre que o arquo do orizonte que fica antre o sol quando nasce e a equinoctial. por que. e. . como ya tenho ditto na operação de quinta feira. que he pella quantidade que huns arquos são mayores dos outros. ho estilo lançou a sombra 74 graos 1/2. pois minha agulha amostrou que o sol nacia na linha equinoctial de meu circulo. comparando os resultados obtidos pelo processo que veio usando ao longo da viagem. seguesse logo que. como eu estaua o dia doje. 90 graos do sul ou do norte pera oeste. Da operação deste dia. se segue que oje foy o dia em que per maes prouas se vereficou o norestear das agulhas. Foy logo nesta operação o arquo dante meo dia mayor que o de depois de meo dia 15 graos 1/2. contando do sul pera leste. que he a quantidade que neste lugar agulha norestea. apontando o sol no orizonte. pp.3. por que se fez esta experiência por duas vias muy diuersas: a huma dellas foy a via costumada. e por esta maneira vem esta consideração conforme no norestear da agulha a operação que fiz tomando a differença dos arquos. PEDRO NUNES 343 assunto. e ferira nos verdadeiros polos do mundo. ou quasi recta..

21 . O segundo problema que lhe foi colocado por Martim Afonso de Sousa tem o seguinte enunciado: O segundo que me preguntou he que elle se achara em . TABELAS DE AMPLITUDES com um espírito bastante crítico. Tratado da Sphera. recorrendo à analogia dos senos. a maior parte das actividades náuticas do Vice-Rei fo- ram-lhe sugeridas por este cosmógrafo. quem teria sido? Muito prova- velmente Pedro Nunes. Aquilo que ele faz é resolver um triângulo esférico. Passaremos a expor alguns exemplos do modo como ele analisa este assunto. Contudo. 21 Nunes. Ora.. Nunes sabe que essa relação é trigonométrica. p. graos da banda do sul: e o dia que era: sey q de necessidade auia dauer antre o leste e o lugar onde o sol naceo . aproveita a parte final deste tratado para realçar a «supremacia» dos cálculos matemáticos sobre as observações instrumentais. Não sendo Faleiro a fonte de D. João.344 CAPÍTULO 5. Obras. . . por meio dessas observações. Porque segundo a demostraçam que eu faço sem ver o sol: e sem mais instrumento nem agulha: somente per saber que estaua em .xxix.xxxv. Nunes tem uma percepção completamente diferente da de Faleiro no que diz respeito à re- lação entre a amplitude. Aliás. Comecemos pelo Tratado sobre certas dúvidas. Podemos constatar que se trata de um problema de determinação do azimute no nascimento do Sol. João esclarece que este processo que utilizou apenas é válido na esfera recta. 105.xxxv. graos da outra banda da linha: no tempo que o sol estaua no tropico de capricorno: e lhe nacia ao sueste e quarta de leste: e se lhe punha no mesmo dia ao sudueste quarta de loeste: como aos que viuem na mesma altura desta parte do norte: e que nam via como podia isto ser: porque per razam: assi auia de nacer aos que viuem da outra banda do sul quãdo ho sol anda per os signos da mesma parte: como nace a nos quando anda desta nossa banda. graos do orizonte. Isto porque Faleiro sugeriu uma regra para se usar em todas as circunstâncias e D. Aquilo que faz é corrigir matematicamente os valores obtidos por Martim Afonso. Astronomici Introdvctorii de Spaera Epitome. a estratégia de Nunes na análise do problema passa pela respectiva análise matemática.. a latitude e a declinação do Sol. em locais situados em diferentes latitudes. e não algébrica. embora tal não seja mencionado explicitamente no texto. Por outro lado.

declinação do Sol e latitude. p. vezes a India e a cabo deste tempo fez a cõta do meo dia as vessas23 . PEDRO NUNES 345 E a demostração diz que não pode o sol nacer em sueste quarta de leste: estando no tropico: se não em .ij.. A partir daí.iij.5. pp. Nem deue auer duuida no que nesta parte escreui: porque nenhũa cousa he mais euidente: que ha demostração mathematica: a que em nenhũa maneyra se pode contrariar22 . E nesta nossa abitação nacera em sueste quarta de leste com mais . Sendo conhecida a declinação magnética no local. graos que tem de largura de nacimẽto. Aquilo que Nunes sugere serviria para os pilotos conseguirem determinar a sua latitude no caso de o Sol estar encoberto no instante da passagem meridiana. para conhecer a declinação do Sol nesse dia. Com esta e com a declinação do Sol. 23 Ibid. ou seja qual a sua latitude.. Esta mesma preocupação é a que o leva a sugerir os métodos 22 Ibid. . e que dia era. que estava tabelada. calculou a respectiva amplitude no nascimento do astro. 116–117.xliiij. graos e . podia-se determinar a latitude do local.3. facilmente se calculava a respectiva amplitude. quartos pera leste: porque tanto valem .xij. Do qual se segue quam facil cousa seja: resguardando pella menhã o sol no seu nacimento: com a agulha bem verificada: ou com linha meridiana: se for na terra: saber per conta sem mais instrumento a altura do polo em q nos achamos: o que eu em todo tempo sem saber a hora q̃ he nem ter linha meridiana: cõ instrumẽtos faço: mas os pilotos sabẽ tam pouco que podendose aprou- eitar de muitas cousas: pera per muitas vias buscarem o que desejam saber: não sabem fazer mais que esperar o meo dia: e se entã se lhes encobrir o sol: como muitas vezes acontece: não podem saber onde estão: se não per sua estimação que he bem fraca: pois ouue antre elles quem foy .xxxj. Nunes sugere também uma utilização diferente desta relação entre ampli- tude. Do que é que Nunes precisou? Simplesmente de saber onde estava. graos de altura. 105. recorrendo ao mesmo processo: E tudo isto se demostra ser assi porque a proporção que tẽ o sino do comprimẽto da altura em qualquer região: cõ o sino vniuersal do circulo: essa mesma ha do sino da declinação q tem o sol em qualquer dia: ao sino do rumo em q nace: o que craramẽte se proua per To- lomeo: no segũdo do almagesto.

TABELAS DE AMPLITUDES para cálculo da latitude por alturas extrameridianas do Sol. retomada por Figueiredo. A proposta de Nunes. De acordo com as suas palavras. . Lisboa: Edições Cul- turais da Marinha. Aquilo que Fontoura faz mostrar como se comporta o erro em latitude em função do erro no azimute. 116–117. pp. apresenta alguma lógica. Fontoura aler- ta-nos ainda para o facto de Manuel de Figueiredo sugerir o mesmo processo. a abordagem de Nunes a esta questão das amplitudes não ocorre apenas por estas vias «indirectas» que assinalámos. que D. Mas existiam soluções alternativas para conhecer a declinação magnética e poderiam ocorrer situações em que incógnita fosse a latitude. João de Castro testou na sua viagem de 1538.8: Esquema para cálculo da amplitude 24 A.346 CAPÍTULO 5. no século xvii. E demonstra que um erro de apenas um grau no azimute pode conduzir a erros de vários graus em latitude. No entanto.8. em teoria pode-se entrar com quaisquer duas delas e obter a terceira. A Marinharia dos Descobrimentos. O seu objectivo principal seria determinar a declinação magnética. Fontoura da Costa criticou esta proposta de Nunes24 . Partindo de um esquema geométrico. 1983. explica a forma de calcular a amplitude: Figura 5. Usando Figueiredo uma tabela que apresenta os valores de três variáveis. Ele sugere explici- tamente o uso de amplitudes para conhecer a declinação magnética. Daí que tenha surgido esta proposta. O seu problema está no rigor dos resultados obtidos. Fontoura da Costa. ainda bem que o processo não foi adoptado pelos pilotos. que representamos na figura 5. 4a .

he ho da altura da equinocial: teremos pella mesma demostração sabido que a proporção do sino da largura do nacimento do sol pera ho sino da declinação: sera como todo ho sino de nouenta ao sino da altura da equinocial: e portanto metendo isto em regra dos numeros proporcionaes e ajudandonos da tauoa dos sinos e arcos poderemos saber pella declinação e altura da equinocial ho rumo em que ho sol nace25 .g. pp. pera .f. E isto se demostra no segundo do Almagesto mas per outros principios e outros autores per outros: mas estes meus sam faciles e a mesma figura plana da demostração fica por estromento: porque na parte de circulo que tomey: ho que fica da linha q esta presa no centro: antre ho centro e a linha dereyta que cõtinuada apartaria do circulo a declinação daquelle dia: he sino da 25 Nunes.o.z.e. Astronomici Introdvctorii de Spaera Epitome. he o sino do rumo em q ho sol nace e . e da declinação do Sol nesse dia.z. E porque nos triangulos de linhas dereytas a proporção que guardam os lados: he a que tem os sinos dos angulos que estam defronte delles como logo parece metendo ho triangulo dentro de hum circulo em ho qual ficam os mesmos lados por cordas dos arcos que os mesmos angulos valem: & as suas metades ficam sinos da valia destes Angulos no centro.z.5.o. No entanto. para facilitar o cálculo.z. he sino do arco do horizonte: antre ho ponto onde ho sol nace o mesmo dia e ho angulo da mea noyte: e sera por tanto .o.9.e. he comũ cortadura do paralello e Horizonte: e fica repartida em duas partes iguais no ponto . apenas explica detalhadamente o processo de usar a amplitude para conhecer a declinação magnética: E conuertendo a operação pello rumo e declinação saber a altura: e pello rumo & altura saber a declinação. desde que sejam conhecidos quaisquer outros dois elementos.o.z. que he comũ cortadura do Meridiano e Horizonte: que a linha . Tratado da Sphera.g. E poys . Sera logo a proporção de .z.z. ao sino do angulo . como do sino todo que he ho do angulo reito .o. Nunes concebe um instrumento. o esquema serve para se calcular qualquer dos ele- mentos.o.3. conhecer a latitude. represen- tado na figura 5. .z.e. Nesta parte do texto volta a mencionar a possibilidade de se conhecer a latitude. PEDRO NUNES 347 E pella figura da demostração parece: poys a linha dereyta . a partir do azimute.o. sino da declinação: e ho angulo . que designa por rumo. 43–44.z. No entanto.o. Em termos teóricos. pella linha . Obras.o. sino da largura do nacimẽto do Sol ou rumo em que nace.e.e.

348 CAPÍTULO 5. TABELAS DE AMPLITUDES

largura do nacimento do Sol: a qual posta sobre ho semidiametro diz
de quãtos graos de arco he sino. E hum dos modos que eu teria pera no
mar verificar quanto a agulha nordestea: seria sabendo a altura do polo
e a declinação fazerlhe sua conta: ou per esta figura saber onde nacera
ho Sol: e por a agulha ao Sol em nacendo com algum pequeno estilo
que va endereçado ao centro da agulha: pello que ho Sol say do rumo
em que auia de nacer: saberemos quanto nordestea ou norestea26 .

Figura 5.9: Instrumento para cálculo da amplitude

Termina explicando o funcionamento do instrumento que propõe e refe-
rindo que o mesmo serve essencialmente para calcular alguns elementos de
um triângulo esférico no qual um dos ângulos é recto. Por essa razão, o
mesmo instrumento pode ser usado para outros cálculos que envolvam tri-
ângulos deste género:

E finalmente poys per esta demostração e estromẽto notifiquey em
hum triangulo espheral de angulo reyto: per conhecimento de hum
angulo agudo & do lado defronte delle os outros dous lados. E per
conhecimento do lado que esta defronte do angulo reyto e do que jaz
defronte do angulo agudo ho mesmo angulo agudo. E per noticia do
lado defronte do angulo reyto e angulo agudo: os lados que contem
ho angulo reyto. Qualquer pessoa de honesto engenho que teuer algũs
26
Nunes, Obras. Tratado da Sphera. Astronomici Introdvctorii de Spaera Epitome,
pp. 44–45.

5.3. PEDRO NUNES 349

principios: podera ordenar esta figura a seu proposito: mudando os
nomes dos angulos e linhas como comprir: e podera demostrar per ella
as declinações do zodiaco: ascenções reytas: e muitas outras cousas
que per Geometria no ceo se alcançam: sem auer necessidade de tanta
multidam de Liuros que hora ha: como sam Apianos e Oroncios: e
outros que trazem muitas falsidades e erros na demostração: e com
somente saber os officios que tem os circulos da Sphera e ter hũa tauoa
de sinos e arcos se he exercitado em multiplicar e repartir: que ho mays
he escusado: e se nam socorrasse ao estromento. Posto que eu toda via
escreui a Geometria dos triangulos Spheraes largamente antes que de
Alemanha nos mandassem a Espanha os liuros de Gebre e Monteregio
que na mesma materia falam: e despoys de lidos nam rompi o que
tinha escripto27 .

No «Apêndice» incluído na edição de 1940 do Primeiro Volume das Obras
de Pedro Nunes, e que foi mantido na edição de 200228 , Manuel António Peres
Júnior faz diversos comentários, de índole matemática, às sugestões de Pedro
Nunes, nos quais também aborda as propostas do cosmógrafo para usar a
amplitude no cálculo da declinação magnética ou no cálculo da latitude.
Em 1566 Nunes retoma a abordagem teórica que fizera no Tratado sobre
certas dúvidas, no que se refere às dúvidas de Martim Afonso de Sousa.
Sugere o uso da amplitude ortiva para cálculo da latitude do lugar, mas não
fala no processo de usá-la para determinar a declinação magnética.
Uma palavra final de agradecimento para Henrique Leitão, que nos aler-
tou para a passagem onde Nunes sugere explicitamente o uso de amplitudes
para determinação da latitude. Foi essa chamada de atenção e o comentário
de que este assunto não estava devidamente estudado na bibliografia portu-
guesa que nos levaram a empreender o estudo que se encontra nas páginas
anteriores.
Importa também esclarecer um ponto. Ao longo do nosso texto, usámos
amiúde os textos de Luís de Albuquerque, pois são aqueles que mais detalha-
damente estudam os assuntos que nos interessam. E afirmámos, por diversas
vezes, que sobre a questão das amplitudes ele ignora o papel de Nunes. Men-
ciona o contributo, errado, de Faleiro, para «saltar» logo para Lavanha. Na
realidade encontrámos uma pequena referência dele a Pedro Nunes. No seu
último estudo, publicado postumamente, sobre os contributos portugueses
27
Ibid., p. 45.
28
Ibid., pp. 289–309.

350 CAPÍTULO 5. TABELAS DE AMPLITUDES

para a Arte de Navegar tem uma menção a Nunes. A forma como o texto
está escrito continua a transmitir a ideia de que o primeiro contributo cor-
recto foi de Lavanha. No entanto, refere também Nunes. Provavelmente não
teve tempo para desenvolver a investigação sobre este contributo:

Añádase que Francisco Faleiro aún intentó obtener la declnación
magnética local a partir del conocimiento da la amplitud ortiva o occi-
dua del Sol—o sea, del ángulo de la dirección magnética del nacimiento
o del ocaso del Sol, repectivamente, con la dirección del este o del oeste,
conforme los casos—; pero la relación entre la amplitud y la declinación
solar y la latitud no era lineal, como Faleiro supuso, y las prescripci-
ones para aplicar este cuarto processo están erradas. Sólo en el final
del siglo xvi João Baptista Lavanha vuelve al tema y construyó las
primeras tablas de amplitud, después revisadas y perfeccionadas por
Manuel de Figueiredo, pero ya en el inicio del siglo xvii. Hemos de
notar que Pedro Nunes también aludió al caso cuando buscó despe-
jar algunas dudas que sobre náutica le puso Martim Afonso de Sousa,
cuando volvió a Lisboa después de su célebre expedición al Brasil29 .

5.4 Tábuas de Lavanha
Conforme já referido, no início deste capítulo, não se conhecem nenhumas
tábuas de amplitudes que possam ser efectivamente atribuídas a Lavanha.
No entanto, também temos vindo a apresentar opiniões de alguns autores
que consideram Lavanha como o primeiro cosmógrafo a sugerir o seu uso,
em Portugal.
Fontoura da Costa explica, com algum detalhe, os principais contribu-
tos atribuídos a Lavanha, relacionados com este tema30 . De acordo com as
suas palavras, apesar de não se conhecerem nenhumas tabelas cuja auto-
ria se possa realmente atribuir a Lavanha, existem diversas referências que
mencionam tabelas que ele teria elaborado. Por outro lado, conhecem-se
algumas tabelas, incluídas em textos náuticos da sua época, cujo conteúdo
é certamente cópia das tabelas por ele calculadas.
Luís de Albuquerque também dedica algumas páginas do estudo que
vimos seguindo31 a este assunto. Apresenta um resumo das principais ideias
29
Luís de Albuquerque. Historia de la Navegación Portuguesa. Editorial Mapfre, 1991,
p. 237.
30
Costa, A Marinharia dos Descobrimentos, pp. 190–194.
31
Albuquerque, «Instrumentos de alturas e a técnica da navegação», pp. 158–162.

5.4. TÁBUAS DE LAVANHA 351

defendidas por Fontoura e fala ainda nos contibutos de Luís Serrão Pimentel.
De acordo com Fontoura da Costa, no Roteiro de Gaspar Ferreira Reimão
vem a indicação de que Lavanha lhe teria dado umas tabelas de amplitudes:

João Bautista Lavanha Cosmographo mór, no ano de 600, fez umas
taboas do lugar do sol e largura de leste, oeste, com um estrumento de
duas laminas . . . me deu estas taboas e laminas e a Manoel Monteiro
. . . 32 .

Vejamos o texto completo, no texto de Reimão:

João Baptista Lavanha, cosmógrafo-mor, no ano de 1600, fez umas
Tábuas do lugar do sol e largura de Leste–Oeste, com um instrumento
de duas lâminas, uma sobre a outra, representando nelas duas agulhas
graduadas de graus. Com um mostrador, a agulha debaixo representa
ir sempre fixa, e a de cima ser a que varia; não há necessidade de ver
o sol, mais que pela manhã ou ao pôr, porque com uma só marcação
se faz logo a conta e se sabe a diferença que há. É este instrumento
muito necessário para estas diferenças da agulha e marcações do sol,
porque são embaraçadas não tão somente para os modernos, senão
para os velhos que se enleiam muitas vezes ao fazer da conta. E com
este instrumento lhe fica muito claro, e os tira de enleios e de dúvidas
pelo que sou de parecer que estas Tábuas se usem com esta lâmina;
porque é muito necessário usarem os pilotos dela e a trazerem consigo,
e saberem o uso dela para a marcação do sol, que tanto importa sa-
berem os pilotos as diferenças que lhe fazem as suas agulhas. O dito
João Baptista naquele tempo, antes que fosse para Castela, me deu
estas Tábuas e lâmina, e a Manuel Monteiro, que as verificassemos e
experimentassemos; eu as continuei até agora e as achei muito boas e
certas, e as tenho por serem muito necessárias à navegação33 .

Vale a pena referir que o texto que acima transcrevemos vem a seguir a
um outro em que o piloto explica outros processos de determinar a declinação
da agulha. Aquilo que sugere é a observação do azimute no nascimento e
no ocaso do Sol. Começa por apresentar dois casos concretos, com valores,
32
Costa, A Marinharia dos Descobrimentos, pp. 190–191.
33
Gaspar Ferreira Reimão. Roteiro da navegação e carreira da Índia : com seus cami-
nhos e derrotas, sinais e aguageis e diferenças da agulha : tirado do que escreveu Vicente
Rodrigues e Diogo Afonso pilotos antigos : agora novamente acrescentada a viagem de
Goa poer dentro de São Lourenço e Moçambique e outras muitas cousas e advertências.
2a . Prefácio de A. Fontoura da Costa. Agência Geral das Colónias, 1939, pp. 77–78.

352 CAPÍTULO 5. TABELAS DE AMPLITUDES

um para a situação em que a agulha noroestea e o outro para a situação em
que nordestea. Em seguida explica as regras gerais. A declinação magnética
correspondia a metade da diferença das amplitudes ao nascer e ao pôr-do-sol,
no caso de ambas serem na mesma direcção (ambas para Norte, ou ambas
para Sul). No caso de ocorrerem para direcções opostas, somavam-se os dois
valores, sendo a declinação igual a metade do resultado obtido.
Outra forma de conhecer a declinação consistia em marcar na agulha o
azimute em que o Sol nascia e depois marcar o azimute no ocaso. Com um
compasso procurava-se a bissectriz do ângulo entre os dois azimutes. Esta
linha definia a direcção Norte–Sul verdadeira. Comparando-a com a direcção
para onde a agulha apontava, conhecia-se declinação.
Fontoura da Costa chama ainda a atenção para o facto de Mariz Carneiro
ter copiado o processo descrito por Reimão. Consultando o texto de Mariz
Carneiro, constatamos que ele realmente transcreve, praticamente na íntegra,
as palavras de Reimão, tanto no que respeita às Tábuas de Amplitudes,
como inclusivamente as sugestões de determinar a declinação por meio de
duas observações do Sol34 .
Outro texto que Fontoura refere, como nos fornecendo informação sobre
as tábuas de Lavanha é o Regimento que foi dado, em 1608, ao licenciado
Gaspar Jorge do Couto. Neste, o monarca ordenava-lhe que usasse as «tá-
buas de largura ortiva de João Baptista». Vejamos o que diz o regimento:

Procurareis fazer todos os dias mui ajustadas observações da diffe-
rença das agulhas ordinarias, para o que usareis pela menhã ao nascer
do sol, ou á tarde ao põr, das tábuas de largura urtiva (sic) de João
Baptista e do regimento que para este efeito ordenou; ao meio dia usa-
reis do instrumento accommodado para aquella hora, inventado pelo
mesmo João Baptista; as quaes observações cotejareis com a agulha
fixa de Luiz da Fonseca Coutinho, e com a que vós achastes escreve-
reis á parte todas as operações, como as fizestes, a conta com que as
justastes, e as differenças que hũas e outras agulhas foram fazendo,
assi aos assinalados tempos como em todos os outros, as fixas com as
ordinarias; e o mesmo ireis observando da agulha polar, para ver o que
d’ella se pode verificar35 .
34
António de Mariz Carneiro. Regimento de pilotos,. . . Lisboa: Na Oficina de Lourenço
de Anvers, 1642, pp. 76–78.
35
Bulhão Pato. Documentos remetidos da India ou livro das monções. Publicados de
ordem da Classe de Sciencias Moraes, Politicas e Bellas-Lettras da Academia Real das
Sciencias de Lisboa. Vol. i. Lisboa: Academia Real das Sciências, 1880, p. 217.

5.4. TÁBUAS DE LAVANHA 353

Importa destacar ainda o facto de logo no início deste regimento vir a
indicação de que o principal objectivo da viagem, que se ia realizar até à Ín-
dia, estava relacionado com «as observações da agulha de marear ordinária e
certeza da fixa». Ou seja, era fundamental verificar correctamente a declina-
ção das agulhas, em cada local, por forma a que se pudesse tirar conclusões
correctas sobre os processos avaliados.
Da leitura da transcrição anterior, verificamos dois aspectos interessan-
tes. Em primeiro lugar, que são mencionadas diferentes agulhas, que seriam
usadas no mar para funções específicas. Por outro lado, percebemos também
que Lavanha, além das amplitudes ortivas, sugere também a observação do
Sol no momento da meridiana, para obtenção da declinação magnética.
Humberto Leitão tem um estudo detalhado sobre o parecer de Lavanha
a propósito de uma proposta de Luís da Fonseca Coutinho para determi-
nação da longitude usando agulhas magnéticas36 . Nesse estudo, fornece-nos
interessantes elementos que ajudam a clarificar os aspectos mencionados no
parágrafo anterior.
Existiram diversas propostas de agulhas, com diferentes designações, no
entanto, os textos pouco explicam sobre a constituição e o funcionamento
dessas várias agulhas:

Como é natural, em nenhum dos documentos se descreve qualquer
das agulhas, mas, pelo que em alguns deles, aqui e acolá, se vê, e pelo
que pode deduzir-se, cremos poder dizer:37 .

O autor apresenta em seguida algumas características, por ele deduzidas,
sobre aquilo que seriam essas agulhas. Note-se que nada é dito sobre o
que seria, por exemplo, uma agulha polar, mencionada no Regimento dado
ao licenciado. Mais adiante, Humberto Leitão indica-nos as propostas de
Lavanha para verificar a agulha fixa:

—Quanto à agulha fixa, conforme as condições atmosféricas per-
mitissem, poderia ser empregado um dos seguintes meios:
a) marcar o Sol ao nascer ou ao pôr e comparar o valor obtido com
o das Tábuas do lugar do Sol e largura de Leste a Oeste.
36
Humberto Leitão. «Uma carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de
Luís da Fonseca Coutinho». Em: Revista da Faculdade de Ciências da Universidade de
Coimbra. Vol. xxxix. Coimbra: Coimbra Editora, 1967.
37
Ibid., p. 176.

354 CAPÍTULO 5. TABELAS DE AMPLITUDES

b) Ao meio-dia, na ocasião em que, pelo astrolábio, o Sol deixasse
de subir, e com o instrumento convenientemente orientado—com a
flor de lis a apontar a direcção da linha meridiana do instrumento—
verificar se a sombra dum fio colocado entre as ranhuras da declina, ou
instrumento de marcar, ia cair sobre a dita linha.
c) Utilizar duas alturas iguais, uma antes e outra depois do mei-
o-dia tomadas com o astrolábio, e orientar a declina de maneira que a
sombra do fio nela colocado como no caso anterior viesse a cair sobre
a sua linha de confiança no momento da observação e, em seguida,
verificar se os ângulos formados pela direcção N–S da agulha e pela
dita linha de confiança, nas duas posições, eram iguais, pois, se assim
acontecesse, a agulha apontava o norte e seria fixa38 .

Do exposto podemos verificar que Lavanha também advoga, natural-
mente, outras formas de conhecer a declinação magnética. E que essas for-
mas são as clássicas, que descrevemos na primeira parte deste capítulo. É um
pouco estranho que ele sugira a observação do Sol no momento da meridiana
para esse fim. Já vimos que este método é pouco rigoroso, pela dificuldade
em definir o instante exacto da passagem meridiana. Pedro Nunes condena
este processo, pela razão mencionada, e Lavanha conhecia bem a obra de
Nunes. Daí que consideremos estranho ele optar por este processo, como um
dos possíveis para conhecer a declinação magnética.
Fontoura menciona ainda uma terceira referência indirecta às tábuas de
Lavanha. Trata-se, de acordo com as suas palavras39 , de um texto de autoria
de um piloto anónimo, texto esse que se encontra junto ao Roteiro de Aleixo
da Mota.
Consultando a fonte referida por Fontoura, constatámos que o excerto
por ele mencionado se encontra num «capítulo» intitulado: «Fábrica da
agulha de marcar e erros que podem ter e como se podem emendar»40 .
Como se deduz do próprio título, este texto ensina a construir uma agulha
e a determinar os respectivos erros. Para se conhecer a declinação o autor
sugere o seguinte procedimento:

Sabido o gráu em que o sol se levou ou pôz se requer saber usar
das tabuas da largura oitava de leste a oeste, feitas por João bauptista
38
Leitão, «Uma carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de Luís da
Fonseca Coutinho», pp. 177–178.
39
Costa, A Marinharia dos Descobrimentos, p. 191.
40
Gabriel Pereira. Roteiros portugueses da viagem de Lisboa à India nos seculos xvi
e xvii. Lisboa: Imprensa Nacional, 1898, pp. 192–199.

5.4. TÁBUAS DE LAVANHA 355

Labanha ou pela folha que está no regimento o intitulado exame de
pilotos feito por Manoel de Figueiredo, feita para a dita demarcação
que ambas estas tabuas e folha tenho experimentado, e ha pouca dif-
ferença da folha ás tabuas, e porque seu uso é já tão sabido me parece
escusado tratar d’elle, mas encommendo que se tenha muita conta no
uso de cada um d’estes regimentos e que se entendam bem para a
observação que fizerem sahir certa41 .

Destas palavras, podemos concluir que este processo estava divulgado,
pelo menos junto de alguns pilotos, que o consideravam relativamente fácil
de aplicar. Outro aspecto interessante a notar é o facto de aparentemente
tanto as tabelas de Lavanha como as Figueiredo serem de uso fácil. Adiante
veremos que apesar de tanto Lavanha como Figueiredo fornecerem o mesmo
valor de saída, os respectivos elementos de entrada não eram exactamente
iguais. Importa ainda referir que este texto deverá ser posterior a 1614, uma
vez que na página seguinte o autor começa um parágrafo com as seguintes
palavras: «As agulhas que se costumaram até o anno de 614. . . »
Humberto Leitão defende que esta prática de usar as tabelas de ambos
os cosmógrafos teria tido alguma expressão em Portugal. Aliás, refere ainda
que alguns pilotos fariam ainda a comparação com os processos mais antigos
de conhecer a declinação. Acrescentamos nós que tal nada tem de extraordi-
nário, uma vez que o próprio Lavanha sugeria mais que um processo, como
já anteriormente notámos.

Talvez mereça a pena dizer que, apesar da confiança que poderiam
merecer-lhes os dois cosmógrafos-mores, Baptista Lavanha e Manuel
de Figueiredo, os pilotos não se dispensaram, durante anos, de cotejar
de quando em quando, os valores da variação achados por uma tábua
e pela outra, e, até, de os compararem com os obtidos pelo antigo
processo que exigia duas marcações. Mas, de longe em longe, D. Antó-
nio de Ataíde, possuidor de vastos conhecimentos da Arte de Navegar
aprendidos com Lavanha, fazia o mesmo, consoante se pode ver no seu
Diário da Navegação da Nau Nossa Senhora de Guadalupe, em viagem
da Índia para o reino, em 1612, nau onde vinha por capitão-mor. Ali,
no dia 28 de Fevereiro, escreveu—«Agulha pela manhã 19.25 por três
contas. Sayo justa»42 .
41
Ibid., p. 198.
42
Leitão, «Uma carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de Luís da
Fonseca Coutinho», p. 167.

TABELAS DE AMPLITUDES Ao longo do seu texto. Quanto ao segundo. Seguem-se sete páginas em branco. No entanto. Humberto Leitão fornece-nos mais algumas refe- rências sobre a utilização das tabelas de Lavanha no mar. ocorrida ao longo dos anos de 2010 e de 2011. à qual se segue todo o conteúdo do documento. Quanto ao Códice 13442. na pessoa do seu director. esta biblioteca adquiriu um outro códice que contém as mesmas tabelas. Quanto ao manuscrito adquirido mais recentemente (Códice 13442) foi logo disponibilizado na Biblioteca Nacional Digital44 . Nas notas mencionadas na transcrição anterior.806 (nota 265-b)43 . as tabelas originais de Lavanha consi- deram-se perdidas. 194. com exemplos. começa com cinco páginas em branco. p. mas encontramo-la reproduzida.o 6. . Conforme temos vindo a referir. e existe. existia. O estudo que se segue incidirá essencialmente sobre os dois códices da Biblioteca Nacional. Doutor Jorge Couto. Acedido em 15 de Maio de 2011. pensamos ser útil apresentar aqui alguns aspectos. Nenhum dos documentos tem nume- ração original das páginas ou dos fólios. conhecem-se algumas cópias das mesmas. seguindo-se a página com o título: «taboas do lugar do Sol». à data. Re- centemente. Numa primeira análise poder-se-ia dizer que estamos praticamente em presença de dois exemplares de um mesmo documento. António de Ataíde (nota 265-c) e no Códice n. Fica aqui expresso o nosso agradecimento pelo gesto amável. No entanto. Fontoura da Costa menciona duas dessas cópias: Tábua de Lavanha — O original da Tábua de Lavanha deve ter- se perdido. o acesso aos documentos tornou-se complicado. Felizmente. Devido à remodelação da Biblioteca Nacio- nal. pertença de Charles Boxer. Na página seguinte tem o seguinte título: «taboas do lugar do Sol». O Códice 6806//1 abre com o Brasão das Armas dos Costas. Não é nosso objectivo dedicar muita atenção à des- crição física dos manuscritos. no Códice de D. 44 Pode ser consultado em http://purl.pt/17325. na Biblioteca Nacional em Lisboa. a direcção da Biblioteca. Tanto num caso como no noutro tivemos acesso a uma ver- são electrónica dos manuscritos.356 CAPÍTULO 5. disponibilizou-se para nos fornecer cópia em suporte digital do códice existente há mais tempo na biblioteca (Có- dice 6806//1). Fontoura da Costa in- dica-nos que o primeiro dos textos era. o primeiro tem os fólios 43 Costa. A Marinharia dos Descobrimentos. A estrutura do texto é a mesma em ambos. No entanto.

o que ocorre por volta do dia 20 de cada mês. sendo omitido nas restantes. três comuns e um bissexto. por cima dos meses encontra-se o desenho de um signo. usaremos nas referências a paginação des- ses documentos.5. No que diz respeito ao respectivo contéudo. No Códice 6806//1. Seguidamente vem mais um conjunto de tabelas. e cada linha a um dia. entre os manuscritos. podemos considerar ambos os textos divididos em quatro partes. As tabelas são completamente iguais. Ambos os códices terminam com uma parte textual. muito pontuais. Existe uma diferença. Este procedimento foi seguido em ambos os manuscritos. Uma vez que a maior parte do manuscrito é composto com tabelas. começando naquele que contém o brasão. Aparentemente o critério usado foi o seguinte: iniciar a contagem dos fólios na página que tem o título: «taboas do lugar do Sol». O Códice 13442 tem apenas dois dos fólios com números árabes: 6 e 22. A estas tabelas seguem-se umas páginas de texto. TÁBUAS DE LAVANHA 357 numerados. contendo cada uma delas um semestre. que corresponde àquela que contém o brasão. no Códice 13442. No cruzamento de cada linha com cada coluna encontramos o lugar do Sol em graus e minutos dentro de cada signo. aparece apenas o desenho. tanto na estrutura como no con- teúdo (as diferenças. na primeira linha aparece escrito o respectivo signo. Por uma questão de uniformização. desta vez tabelas de amplitude. em cada coluna. com numeração romana. consistem na cor- recção de algumas gralhas). começando em ambos na primeira página. que se encontram. para cada ano. explicando em traços gerais em que consiste o regimento e também o processo para obter o lugar do Sol. e não tabelas. Cada coluna corresponde a um mês. a lápis. Só volta a ser escrito no dia em que o Sol entra num novo signo. para um ciclo de quatro anos. Para facilitar a consulta das tabelas. Começam com um conjunto de tabelas do lugar do Sol. no Códice 6806//1. mas que em nada afecta a respectiva consulta. e à capa. usando as tabelas anteriores. colocando apenas numeração nos fólios cujo recto continha texto. ignorando portanto as páginas em branco no início. intitulada: «Uso das passadas tábuas». e uma vez que em ambos os casos usámos o documento em versão digital. Tanto num códice como no outro. existem duas páginas. os fólios nu- merados são apenas aqueles que correspondem aos critérios acima referidos. Verificámos que enquanto . enquanto que no Códice 13442 além da imagem do signo está escrito também o respectivo nome. No caso das tabelas de lugares do Sol.4. bastante subtil.

para o mesmo mês de Janeiro está o signo de Aquário. que têm as respecti- . no Códice 13442. em relação à linha que une os solstícios e à linha que une os equinócios. no manuscrito de 1598. e onde se encontra no dia 1 de Janeiro. Assim. enquanto que no Códice 13442. Por esse motivo. Quanto à tabela de amplitudes ela é exactamente igual nos dois manus- critos.10 temos imagem da primeira página da tabela de lugares do Sol. optou-se por representar o signo em que o Sol vai entrar nesse mesmo mês. enquanto que na figura 5. Na figura 5. Uma vez que existe uma si- metria da eclíptica. para o mês de Janeiro.358 CAPÍTULO 5. no Códice 6806//1 está o signo de Capricórnio. por exemplo. Assim. existem várias páginas para os signos de Carneiro e Balança. Podemos afirmar que estas tabelas estão divididas em três «blocos» correspondendo cada um deles a quatro signos. repetindo-se esses valores para os restantes quadrantes. no qual o Sol entrará na segunda metade do mês. onde o Sol entrou no final de Dezembro.10: Página da tabela de lugares do Sol. TABELAS DE AMPLITUDES Figura 5. códice de 1598 que no Códice 6806//1 está representado o signo que corresponde ao dia 1 do mês da respectiva coluna.11. basta considerar os valores de um dos quadrantes. é possível con- siderar quatro signos em cada uma das páginas da tabela. apresentamos o seu equivalente em 1623.

As latitudes para as quais se calcularam amplitudes variam entre zero e quarenta e quatro graus. decrescentes. existem mais cinco.12 mostramos um exemplo de uma dessas páginas do códice de 1623. mas em ordem inversa. o segundo conjunto aplica-se aos signos de Touro e Escorpião. No caso destas últimas tabelas não nos causa espanto algum elas serem . Na figura 5. A primeira tem os graus de zero a trinta. códice de 1623 vas origens nos equinócios da Primavera e do Outono. Aquário e Leão. crescentes. correspon- dentes à latitude. enquanto que a última tem os mesmos trinta graus. decrescendo até eles.4. Peixes e Virgem. que terminam nos mesmos equinócios. Capricórnio e Caran- guejo. Cada página é composta por sete colunas. e os signos de Peixes e Virgem. de grau em grau.11: Página da tabela de lugares do Sol. ou altura do pólo. crescentes. TÁBUAS DE LAVANHA 359 Figura 5. Entre estas duas colunas. decrescentes. Deste modo. crescentes. para usar com os dois signos crescentes. e o último conjunto apresenta os valores de amplitude para o Sol nos signos de Gémeos e Sagitário. temos um primeiro conjunto de páginas para os signos de Carneiro e Balança. por ordem crescente. decrescentes. existindo assim nove páginas para cada grupo de quatro signos.5. crescendo a partir destes pontos.

quem copiou o do- 45 Na realidade. Em rigor. esta correcção vai-se sempre somando. Daí que ao fim de vários destes ciclos. fornece uma tabela com as correcções a aplicar aos lugares do Sol. e não para um ciclo de quatro anos. uma tabela de lugares do Sol é válida para o período de quatro anos. TABELAS DE AMPLITUDES Figura 5. . Vimos anteriormente que Lavanha. Tal acontece porque ele apresentou apenas os valores para o ano de 1612. na Descripcion del Universo. três comuns e um bissexto. Terminado esse ciclo. No entanto. o valor da correcção começa a ser significativo.12: Exemplo de página da tabela de amplitudes exactamente iguais em ambos os manuscritos. as correcções são anuais. para cada dia de um novo ciclo. conforme se vão passando os ciclos. no(s) ciclo(s) seguinte(s). Esta correcção a aplicar aos lugares do Sol é relativamente pequena. para o qual foi calculada. pelo que não existe grande inconveniente em usar as tabelas calculadas para um determinado ciclo. Em relação às tabelas de lugares do Sol a situação é diferente. Trata-se de tabelas com valo- res obtidos por cálculos que são invariáveis ao longo do tempo. a posição do Sol deverá ser corrigida de um pequeno valor.360 CAPÍTULO 5. para obter os valores correctos para os diferentes anos45 . no caso da tabela de Lavanha. sendo assim necessário aplicar uma correcção para cada ano. No entanto.

de que se deve tratar de uma cópia para ser efectivamente usada no mar. »47 . . deste prezemte anno. A diferença de datas entre ambos os manuscritos justificava certamente uma actualização dos valores do lugar do Sol. »46 . . Consideramos que dada a di- ferença significativa de anos entre ambos os documentos se justificava essa correcção. Tal prova que as mesmas deveriam ser consideradas úteis para os homens do mar. . ou ciclo de quatro anos. Já no Códice 13442 surge a seguinte indicação: «Oje 21 de Fevereiro deste ano de 1598. E no de 1623 o texto é apresentado como um conjunto de regras práticas de cálculo. é-nos dado pela parte final do manuscrito. passados tantos anos. na qual se testou a agulha fixa de Luís da Fonseca 46 João Baptista Lavanha. o argumento mais forte a favor desta tese. trata-se da parte em que os dois manuscritos mais divergem entre si. . Na viagem de Acapulco a Manila. Códice 6806//1 da Biblioteca Nacional de Lisboa. Como adiante analisaremos. essa actualização implicava cálculos. Como vimos anteriormente. No entanto. 18. O aparecimento do Códice 13442 permite-nos afirmar que as tabelas de Lavanha deverão ter sido redigidas pelo menos dois anos mais cedo do que até hoje se supunha. Este documento. Até ao momento não fizemos qualquer referência à datação dos documen- tos. Em primeiro lugar. Este facto fornece-nos uma primeira pista para a iden- tidade do autor da cópia. Códice 13442 da Biblioteca Nacional de Lisboa. Ficam-nos algumas dúvidas sobre se as tabelas teriam sido realmente prepa- radas por Lavanha. Importa ainda referir que muito eventualmente Lavanha preparou outras tabelas com os valores actualizados para outro ano.4. mas vamos descrever aquilo que apurámos. Podemos datá-los a partir de dados que são fornecidos nos respectivos textos. TÁBUAS DE LAVANHA 361 cumento mais antigo ignorou esta correcção. no modelo dos regimentos destinados aos homens do mar. provavelmente um piloto. 47 João Baptista Lavanha. p.5. que provavelmente não estariam ao alcance de quem ela- borou o documento. . Existem mais algumas evidências que apontam no mesmo sentido. Taboas do lugar do Sol—1598. agora revelado. Assim. Contudo. Taboas do lugar do Sol—1623. 17. É muito provável que fosse um homem do mar. o interesse em copiar estas tabelas. as referências indirectas às tabelas de amplitudes mencionavam o ano de 1600 como aquele em que Lavanha as teria escrito. p. no Códice 6806//1 encontramos um exemplo cuja explicação começa assim: «Oje 11 de Março. de 1623. refere 1598.

da Biblioteca Nacional de Madrid. en este viaje las observaciones de la aguja fixa y regular de Luis de Fonseca. nas quais o argumento de entrada era o lugar do Sol: Y el domingo en la tarde. Figura 5. e nelas recomendava que um dos métodos se baseava no uso das suas tabelas. 214 a 225. según en él van puestas y declaradas. 3176. Mss. No entanto. Ou seja. TABELAS DE AMPLITUDES foram usadas tabelas de amplitudes. 48 . fueron del oeste al norte tenia de amplitud occidua conforme las tablas que me ynvió su magde en 7 gd de aries 2 gr 53 mi setentrionales. Por outro lado.362 CAPÍTULO 5. não existindo no texto referência a Lavanha. . 222. al poner del sol. tal como as que Lavanha calculou. No entanto. fls. Para esse efeito redigiu instru- ções sobre o modo como as provas deveriam ser feitas. sabemos que naquela viagem levaram umas tabelas fornecidas por ordem do próprio monarca. demarqué el aguja. . el qual hizo por mandado de Su Mag. sabemos que este cosmógrafo se empenhou bastante em tudo o que dizia respeito à verificação da agulha fixa. nestas tabelas usar-se-ia o lugar do Sol. sendo sabido que cedo surgiram tabelas em que se entrava com a declinação. Fernando de los Ríos Coronel. . p. pususe el sol en el instrumento por dos grados 40 minutos vien ase- gurado estes gr.13: Amplitude para ϕ = 15o . Derrotero del viaje quel año de 1611 hizieron las naos de Filipinas desde el puerto de Acapulco a Manila en las quales iba el Lcdo. Sol em 7o  48 Fernando del Ríos Coronel. a análise do seu conteúdo deixa-nos algumas dúvidas sobre se estas em particular teriam sido realmente calculadas por ele.

temos algumas situações —poucas— de valores em graus e minutos. Por exemplo. numa das cópias do manuscrito surge a referência de que Acapulco se situaria nos dezasseis graus e meio. Na figura 5. No que diz respeito aos valores do lugar do Sol. uma delas referindo um quarto de grau e também alguns casos de graus inteiros seguidos da expressão «escassos». A data em causa é vinte e sete de Março. e tinham decorrido poucos dias desde a largada. é de supor que a latitude deverá andar por volta dos quinze graus. sendo este o terceiro ano de um ciclo49 . assim como os respectivos lugares do Sol. Considerando que a viagem ocorreu em 1611. são indicados diversos valores de amplitudes ortivas. TÁBUAS DE LAVANHA 363 Ao longo da viagem. Podemos 49 Recordemos que o terceiro ano é aquele que ocorre exactamente antes de um bissexto. confirma- mos que o valor indicado para a amplitude corresponde ao tabelado. Eventualmente estaremos perante um caso em que a pessoa que fez as experiências arredondou muitas vezes os valores obtidos.13 apresentamos essa parte da tabela.4. aquilo que nos chamou mais a atenção foi o facto de os valores apresentados não serem coincidentes com as tabelas que analisamos neste capítulo.14: Lugar do Sol dia 27 de Março Contudo. Muitas vezes aparecem apenas em graus inteiros. No entanto. a primeira coisa que fizemos foi verificar se os lugares do Sol correspondiam aos da tabela do terceiro ano. e por vezes as latitudes utilizadas no cálculo. Uma vez que nos primei- ros dias a viagem se dirigiu para Su–sudoeste. na transcrição anterior falta a indicacção da lati- tude. O primeiro aspecto que nos saltou à vista foi o facto de na maioria dos casos surgirem valores muito «redondos». como aliás Lavanha recomendava. Voltemos ao exemplo que estamos a analisar.5. Consultando a tabela na página com esses valores. Verificámos aleatoriamente outros valores apresentados e todos eles coincidiam com os da tabela. Figura 5. outras com aproximação ao meio grau. a situação é diferente. No entanto. .

Est. o que corresponde a três ciclos. calculadas para um período de quatro anos. Códice 09251 da Biblioteca Nacional de Madrid e Avelino Teixeira da Mota. O passo seguinte foi tentar perceber como as mesmas teriam sido calcu- ladas. para ver se os resultados da mais recente correspondiam.14. Ora o valor referido na transcrição é de sete graus. Conhecem-se outras tabelas de lugar do Sol. Uma vez que decorreram doze anos. geralmente da ordem de grandeza antes indicada. po- der-se-iam calcular para outros períodos aplicando uma correcção. Por forma a explorarmos as várias hipóteses. Atlas—Cosmografia. 428a-428d. para o ano de 161250 . o lugar do Sol seria ^13o 320 . no ano bissexto. constatamos que para esse dia. iv. Em: Portugaliae Monumenta Cartographica. Reprodução fac-similada da edição de 1960. tínhamos que defi- nir qual o período para o qual as tabelas de Lavanha tinham sido calculadas. Já noutro local deste estudo. designada equação do Sol. analisámos estas tabelas. O processo era relativamente comum na época. Para podermos fazer cálculos. a partir da página 305. acontecia que por vezes os poderíamos considerar coincidentes com os tabelados. Bastaria somar um minuto e quarenta e seis segundos por cada ciclo de quatro anos. que nesse dia. Aquela que mais se aproximava dos valores indicados era a referente ao ano bissexto. TABELAS DE AMPLITUDES constatar. Tendo em conta que muitos dos valores mencionados nas experiências eram arredon- dados. tinhamos o Sol em d9o 580 . Dispondo de umas tabelas de lugares do Sol. na figura 5. 429a-429d. 1597 e 1612». 427a-427d. atribuídas a Lavanha. pelo que mesmo considerando que é arredondado. procurámos nas tabelas dos restantes anos. de trinta e duas folhas. Assim. Lisboa: Imprensa Nacional–Casa da Moeda. Somando-lhe 50 1800 . no dia 4 de Junho é indicado que o Sol estaria em ^13o 510 . 425a-425c. . de 1598. o mais lógico seria que se referissem ao período de 1597–1600. mas para um ano diferente. Nesse caso. tivemos que procurar uma situação em que estes viessem em graus e minutos. Ficava assim elimi- nada também a possibilidade de terem usado as tabelas que nós conhecemos. Descripcion del universo. entre 1600 e 1612. existe uma diferença de cerca de um grau. para o dia 1 de Janeiro de 1600. Vol. 426. Comparando vários outros valores. Uma vez que as datámos de 1598. para ver poderiam ter sido usadas. «Anónimo— João Baptista Lavanha e Luís Teixeira. 50 As tabelas encontram-se nas obras: João Baptista Lavanha. notámos que existia sempre uma diferença. Assim. o lugar do Sol é 5o 500 . Consultando a tabela. 1987.364 CAPÍTULO 5. fomos aplicar a correcção à tabela mais antiga. e assim sucessiva- mente até 440a-440d.

assumindo que eram de 1600. na página 306. O que significa que se tivesse sido aplicada essa correcção às tabelas mais antigas.4. usando tabelas que certamente estariam disponíveis.15 apresentamos a tabela referente ao ano de 1600. Uma vez que os valores vêm tabelados ao minuto. Estamos. obtemos d10o 030 1800 . poderia ter sido calculado do modo que indicamos. de Clávio Aliás. Esta é uma possível explicação para a passagem dos valores de 1600 para os de 1612. Vimos anteri- ormente. confirmamos que o valor que Lavanha considera para esse dia. Na figura 5. não se teriam obtido os valores que ele indica para 1612. convencidos que Lavanha não calcularia as tabelas de lugar do Sol. para 1600. Fica por explicar o motivo pelo qual Lavanha refere a correcção de apenas trinta segundos! Figura 5. que Lavanha considerava que a correcção a aplicar por cada ciclo de quatro anos deveria ser de apenas trinta segundos. contudo. Existe um facto que não conseguimos explicar totalmente. encontrámos na obra de Clávio tabelas do lugar do Sol exactamente iguais às que Lavanha usa para calcular a amplitude ortiva. TÁBUAS DE LAVANHA 365 correspondente a três ciclos. Podemos verificar que os valores nela contidos são exactamente os mesmos que apresentamos nas .5.15: Tabela de lugar do Sol.

que dizem respeito ao primeiro semestre de um ano bissexto. Vale a pena realçar duas circunstâncias. os anos equivalentes em cada um dos ciclos.10 e 5. No entanto. verificamos que dá para esse dia o Sol em ^12o 500 . as quatro primeiras não contêm esta tabela. Este facto não é muito relevante. Note-se que é praticamente indistinto falar nas tabelas de 1600 ou nas de 1612. Consultando a tabela de 1598. 1598. Voltando ao exemplo que acima mencionámos. que correspondem ao primeiro ano após o bissexto. 1608.google. temos novamente a tal diferença de cerca de um grau entre os valores usados a bordo e aqueles que deveriam constar das tabelas. em rigor. Fontoura da Costa afirma a dado passo: Como se nota. Consultámos as edições de 1570. para o dia 4 de Junho. para se obter os do segundo. aos valores do primeiro destes anos. Destas. sendo o ano de 1600 seguido de 1601. Fica também sem explicação a origem dos valores que foram usados na viagem de 1611.366 CAPÍTULO 5. Por outro lado.11. TABELAS DE AMPLITUDES figuras 5. Em primeiro lugar. para o terceiro ano do ciclo. por exemplo 1597 e 1601. O valor que foi o usado na viagem. o bissexto é o primeiro. Ou seja. na qual ele comenta o Tratado da Esfera de Sacrobosco. ainda durante o século xvi e já no de Seiscentos. no Pacífico. tendo sido assumido que respeitavam aos anos de 1597. e que nós assumimos como sendo 1600. o navegador precisando conhecer o signo do Sol (o qual era fornecido em outra tábua que no Códice precede a anterior). In Sphaeram Joannis de Sacrobosco Commentarius. não deveriam apresentar valores iguais. correspondente a três ciclos. . url: http: //books. Clavius. surgindo apenas na de 160851 . cerca de dois minutos. 1602 e 1608. 51 C.com/books?id=XFQ\_AAAAcAAJ. desprezando os segun- dos. é de 1570. 1599 e 1600 (bissexto). o facto de estas tabelas estarem inseridas numa obra de Clávio que conheceu inúmeras edições. A mais antiga edição da obra. porque a diferença de valores de umas para as outras é de cerca de cinco minutos. para aquele dia foi ^13o 510 . Deveria ser aplicada a equação. voltemos às tabelas da Biblioteca Nacional. na obra de Clávio. enquanto que nos dois códices dedicados às amplitudes as tabelas do ano bissexto aparecem em último lugar. 1602 e 1603. obtemos ^12o 550 . 1601. Dito de outro modo. Terminado este parêntises. Somando-lhe 50 1800 . Na análise que faz das tabelas que conhecia. os valores que foram usados na viagem que temos analisado só deveriam ocorrer na segunda metade do século xvii. 1593.

para a data considerada. quer fosse um dos acima referidos. Até que ponto tinha em mente produzir novas tabelas quando considerasse que o erro no lugar do Sol já era bastante significativo? Fica a dúvida! 52 Costa. Não concordamos com a afirmação anterior. retirava-se de uma tabela. baseava-se no uso da declinação. pelo que seria possível fazer os cálculos usando este último argumento. Foi essa a sua postura nas lições de Madrid.5. e não a declinação? O processo de cálculo sugerido por Nunes. não implicava nenhum passo extra de cálculo. da qual se retirava a amplitude. ou a declinação. O facto de se usar o lugar do Sol. ou outro qualquer. no caso de Lavanha. Outra possível explicação pode estar no processo de cálculo por ele usado. Contudo. . em função dos dias do ano e a partir desta ter outra tabela na qual se indicava a declinação em função do lugar do Sol. Uma primeira hipótese reside no facto de em diversas circunstâncias Lavanha ser defensor do uso de tabelas de lugares do Sol. que conhecemos através do Tratado del Arte de Navegar. apresentar algumas possíveis ex- plicações para tal. Os passos eram exactamente os mesmos. no caso de Figueiredo. e não a declinação. Em função da data. nem sequer a leitura de mais dados. como sucedia com as tabelas de Figueiredo ou de Sá. o lugar do Sol. embora tivesse sido usada a bordo dos navios portugueses52 . Podemos. dentro do ciclo de quatro anos. existe uma relação entre a decli- nação e o lugar do Sol. porém. e nas quais ele calculou os valores da declinação para lugares do Sol de cinco em cinco minutos. em determinadas alturas defendeu que os navegantes devem usar uma tabela de lugares do Sol. e não da declinação? Não encontrámos elementos que nos esclareçam essa opção. Esse valor obtido na primeira tabela era um dos argumentos de entrada na segunda tabela.4. 194. Será que um dos dados que utilizou nos cálculos era o lugar do Sol. TÁBUAS DE LAVANHA 367 a Taboa da largura urtiva de Lavanha não era prática. em vez das tabelas de declinações. será que estava na sua mente aplicar a correcção quando terminasse um ciclo de quatro anos? Da leitura do texto de 1598 parece-nos que ele não estaria muito preocupado com essa correcção. Porque motivo Lavanha preferiu calcular as amplitudes em função do lugar do Sol. Ou melhor. acima exposto. Qualquer que tenha sido o motivo que levou Lavanha a escolher o lugar do Sol. A Marinharia dos Descobrimentos. p.

A esta explicação segue-se um exemplo prático. A data indicada neste exemplo é que permitiu datar cada um dos manuscritos. Taboas do lugar do Sol—1598. uma vez que depende da declinação da agulha. para retirar o valor do lugar do Sol. É da comparação destes dois valores de amplitude. calculada e obser- vada. Assim. 16. tal só é verdade no caso da amplitude calculada. passemos à parte textual. As palavras iniciais do texto são: Querendose conheser a Variedade que faz a agulha por este presente regimento se requerem tres cousas sabidas. mas o modo como ele descreve a amplitude está a referir-se àquela que era calculada pelas tabelas e não à que se obtinha pela observação do Sol. e como se pode conhecer. uma vez que a entrada na tabela seguinte se processa com graus inteiros do lugar do Sol. Esses parágrafos iniciais têm como título: «Regimento para o marcar da Agulha». obviamente. dia na linha e mês na coluna. o Códice 13442 abre com alguns parágrafos que não se encontram no outro manuscrito. pois a observada é variável. retirava-se das tabelas seguintes. O lugar do Sol obti- nha-se nas tabelas que existiam antes e a largura de leste ou de oeste. a altura era conhecida no dia-a-dia pelo piloto. ou seja a amplitude. e funcionam como uma espécie de introdução ao restante texto. a sugestão de arredondamento coincide com a que usamos nos nossos dias: 53 Lavanha. . O texto que se segue no Códice 13442 tem por título: «Como se sabera pellas passadas taboas o lugar do Sol». Terminam ambos com uma indicação de que se deve arredondar o valor do lugar do Sol retirado da tabela. A partir daqui os textos são pra- ticamente iguais em ambos os manuscritos. O autor não o menciona explicitamente. embora alguma da informação que contém se encontre repetida noutras partes de ambos os textos.368 CAPÍTULO 5. p. Começam com uma explicação do modo como se devem consultar as tabelas. Seguidamente explica o que é. Dizemos que ele se está a referir à calculada uma vez que afirma que o seu valor é nulo nos dias dos equinó- cios. que se obtém a declinação da agulha. A altura em que estamos. entrando com a data. TABELAS DE AMPLITUDES Apresentadas que estão as tabelas. quer pela estima. cada um dos elementos indicados. Ora. quer observando a altura do Sol. o lugar do Sol no Zodiaco no dia em que se fiser esta operação e do ditto lugar a largura de leste ou de oeste53 . Apesar de existir uma parte de texto praticamente igual em ambos os manuscritos. Curiosamente. Vamos começar pelo texto que se encontra entre ambos os blocos de tabelas.

Aduirtase q̃ quando os graos da declinação do Sol tiuerẽ minut. vai também dizer que basta conhecer a latitude aproximada ao grau. quando explica a maneira de obter a amplitude. p. y asi si los minutos de las grandezas ortivas en las Tablas pasarẽ de 20 puedense contar por medio grado. y entonces no será la Altura. 55 João Baptista Lavanha. que para esta operacion basta el conocimto de la altura. porq̃ no los puede mostrar el instrumento.. para Lavanha basta entrar nas tabelas com os valores em graus inteiros. se he meo. del media precedente o de mas dias. Mais adiante. Medios con los quales se deven de hazer las observaciones en la mar. y por ella la estimada. para verificar las Agujas de Luis de Fonseca. não serem dadas em graus inteiros. se han de hazer l nacer. . uma vez que usam a declinação. no qual escreveu também sobre o uso destas tábuas. y estas observa- ciones. porq̃ no varian quasi nada en un grado. y aun quando lo fuera. N63. em vez do lugar do Sol. TÁBUAS DE LAVANHA 369 e porque para saber a largura de leste ou de oeste não seruem os minutos do lugar do Sol deuesse de aduertir que nao chegando os dittos minutos a 30 se deixarão de contar e Passando de 30 se contarão Por hum grao enteiro54 . señalará medio grado. Atitude diferente tem Manuel de Figueiredo. y pasando de 45 por grado entero55 . o dos de differencia de altura do Polo. o intervalo entre os respectivos valores também é de um grau. Embora as tabelas apresentadas por ambos sejam diferentes das de Lavanha. 21 vs–22. Colecção Salazar y Castro. Lavanha apresenta uma sugestão de arredondamento um pouco mais rigo- roso. ou 54 Ibid. como se colige dellas. 17. ny menos son de importancia los minutos q̃ en ellas se señalan. se terço. tanto nas linhas como nas colunas. da Real Academia de la Historia. porque della a la verdadera. no es considerable en las grandezas ortivas y occiduas. no caso de a declinação. la q̃ al medio dia (si no e navegando de Leste a Oeste) es de advertir. a par- tir das tabelas. os valores que sugere já não são igualmente espaçados: Y porq̃ la Altura no se conoce si no al medio dia. Num outro texto. s. Tanto um como outro sugerem interpolação. o al poner del sol. ou a latitude. Mss. fls. e que Valentim de Sá repete. Mas neste caso. Voltando aos códices que são o tema central deste capítulo.4. Ou seja. na parte final do texto. ou quarto. que quando mucho.5. nunca puede ser la differencia grande. veremos q̃ parte h de grao.

gr. . . da qual tomarey o terço. ou a latitude (linhas). segundo pa- rece. Humberto Leitão dá-nos conta de pelo menos um caso de um piloto que se «queixou» desta necessidade de interpolar valores: Nestas suas tábuas. caso nem a declinação nem a latitude fossem dadas em graus inteiros. fl. tinha que se optar por interpolar apenas uma delas. 25. ou latitude. s. onde a declinação estava em graus. declinação. Manuel de Figueiredo recomendava fossem feitas interpolações na coluna deste elemento e na das amplitudes para que o valor pretendido correspon- desse mais exactamente à declinação do astro no dia considerado57 . uma vez que este era o valor que se retirava da tabela. .370 CAPÍTULO 5. Da transcrição anterior fica bem claro que Figueiredo sugere que se faça interpolação no caso de a declinação (colunas). pois. o que feito teremos igualado tudo56 . TABELAS DE AMPLITUDES quinto. & o acrescentarey aos graos que achey defronte de 30. gr. era complicado para ser utilizado por homens do mar. min. 167. 56 Manuel de Figueiredo. verey na mesma coluna de declinação do Sol defronte de 31. gr. 57 Esta parte do texto de Leitão é um pouco confusa. gr. a forma como explicam a interpolação só se pode aplicar a um dos valores. Além disso. ensinava a maneira de as fazer e dava um exemplo. que ha de mais de elleuação do Pollo. min. Por um lado. minutos. o mesmo farey em as alturas do Pollo. quando fala das mesmas tábuas: —«. o qual terço responde a 20. mas deixamos apenas uma pequena nota. p. q̃ ha de mais. mas a (ha) ser mais claro nestas regras como seya nos menutos 58 . Lisboa: Vicente Aluarez. Isto. e asi lhe daremos o crescimento q̃ ouuer de hũa coluna a outra. não serem fornecidas em graus inteiros. s. . gr. e vinha em graus e minutos. Diz apenas que se deveria fazer. no diário daquele sota-piloto — que pouco depois recebia carta de piloto — encontra-se o seguinte cu- rioso passo. . estando a náo em altura de 30. exame de pilotos. e della tomaremos a terceira parte. e 20. 1614. quanto ha de diferença. min. a diferença de hũ numero a outro. Humberto Leitão está a referir-se à interpolação que Figueiredo também sugere quando se usava a tabela para obter a latitude. a interpolação de valores obtidos na tabela era ainda mais complicado. E Figueiredo não explica como o fazer. 58 Leitão. . Hydrographia. veremos na coluna adiante de 11. Ou seja. ou sexmo. embaraçava alguns pilotos. Não percebemos porque motivo Leitão fala em interpolações nas amplitudes. & 20. tendo o Sol de declinação 10. q̃ responde a 20. O processo não deveria ser muito prático. por quanto he o terço de 1. Eventualmente. Porque sai do âmbito do nosso trabalho não vamos analisar essa sugestão. Se o processo de interpolação de linhas e colunas já era complicado. «Uma carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de Luís da Fonseca Coutinho».

com algum detalhe. Taboas do lugar do Sol—1623. de leste. são ygoays deferem. TÁBUAS DE LAVANHA 371 Importa ainda referir que esta transcrição se refere a uma viagem para a Índia. esa mesma sera. o texto de Figueiredo é desse ano. o modo de consultar as tabelas que antecedem o texto. prova de que o mais recente se baseou no anterior. Chama-se a atenção para o facto 59 Lavanha.a de sinco graos.5. passemos agora à descrição do texto final. largura. de maneira. em hũa mesma. porem. em hũa mesma altura. Ora. 60 Lavanha. em hũ dia. Apesar de bastante diferentes. não he ygoal a de outro60 . ou numa das outras que certamente circulariam entre os homens do mar. de hũ dia. de oeste. 49. a largura de oeste. . altura. a parte inicial é praticamente igual. de leste mostra. de graos. que largou em Outubro de 1608. pello que tanto monta conheser. de oeste.a a largura. O texto de ambos os manuscritos é mais ou menos coincidente durante mais alguns parágrafos. pois em numero. asim a largura. quando se poẽ mudandose a altura. em que a largura. em lx. p. Taboas do lugar do Sol—1598. 51. O códice de 1598 começa assim: A largura de leste he sempre igual em um dia a largura de oeste em uma mesma altura porem de manhã que se esta largura de leste for neste dia 11 de março em lxa de sinco graos e 6 minutos esa mesma sera o ditto dia em lxa a largura de oeste pello que Tanto monta conheser em um dia e em uma mesma altura a largura de leste como a de oeste pois em numero de graos são iguaes diferem somente em que a largura de leste mostra o sol ao naser e a largura de oeste quando se poem e mudandose altura variase a ditta largura e assi mais a largura de hũ dia não he igual a de outro59 . No- te-se que a própria data escolhida como exemplo é a mesma em ambos os textos: A largura. Segue-se a transcrição do texto equivalente no manuscrito de 1623. uariase a dita largura. p. somente. o dito. for neste dia 11 de março em lx. Nestes é explicado.4. nesta cópia que co- nhecemos. e 6 menutos. do sol. a largura de leste como a de oeste. de leste he sempre ygoal em hũ dia. aho naser. Aqui é que os textos diver- gem bastante. e ha largura. que se esta. prova de que estas novidades tinham logo aplicação prática. Apresentadas que estão as tabelas de Lavanha e a parte textual entre elas.

Taboas do lugar do Sol—1623. entre o equinócio do Outono e o equinócio da Primavera. no manuscrito de 1598 aparece a explicação para essa dúvida: A largura de leste ou de oeste he o apartamento que o Sol mostra ao nacer e ao por do Verdadeiro leste ou oeste para o norte desde 22 de março te os 22 de setembro e Para o sul desde 24 de setembro te 20 de março os quaes dous Pontos do Verdadeiro leste ou de oeste asinala o mesmo Sol nasendo ou pondose quando esta em aquinocial a 21 de março e a 23 de setembro que estando nos Principios dos Signos de Aries e de libra e assi então não tem o sol largura de leste nẽ de oeste63 . . No entanto. explicativa do uso das tabelas. em que os graus dos signos estão ordenados e modo crescente. esta explicação sobre a obtenção da amplitude nas tabelas termina assim: . dois ascendentes e dois descenden- tes. o dia em que ho queremos. acharmos. 61 Lavanha. será pera. ou de oeste. no manuscrito de 1598. Explica-se que para os signos ascendentes se deve usar a primeira coluna. conheser. . Taboas do lugar do Sol—1623. que os graos. p. Assim. sendo ho dia de 22 de março ate 23 de setembro he pera o sul desde 24 de setembro hate 20 de março62 . p. Aqui nota-se alguma con- fusão nas datas de ocorrência dos referidos fenómenos astronómicos. p. 52. e menutos que naquele lugar. . para datas en- tre o equinócio da Primavera e o equinócio do Outono e para Sul. Esta parte. em que os graus surgem por ordem descrescente. 16. O texto de 1623 é bastante semelhante: . termina com a indicação que a amplitude obtida nas tabelas se deve marcar para Norte. enquanto que para os signos descendentes se usa a última coluna. . que os graos e minutos que naquelle lugar acharemos eses são os da largura de leste ou de oeste o proposto dia em que a queremos conheser e será Para o norte sendo o dia de 22 de março te 23 de setembro e Para o sul desde 24 de setembro te 20 de março61 . . 49.372 CAPÍTULO 5. TABELAS DE AMPLITUDES de cada página servir para quatro signos. heses são os da largura de leste. e proposto. Fica-nos a dúvida sobre o que acontece no dia 21 de Março. Taboas do lugar do Sol—1598. 63 Lavanha. o norte. 62 Lavanha.

e logo na página a seguir àquela da qual retirámos a trancrição anterior (onde não se considera o dia 21 de Março). Apesar de ser uma descrição um pouco longa. uma vez que repete praticamente a informação inserida na página anterior do mesmo manuscrito. De acordo com esta explicação. É um pouco estranha a inclusão deste texto aqui. existe uma possível explicação para este facto. Nesta dissertação já referimos um outro caso similar. sendo que o valor máximo dessa declinação é diferente de uma tabela para a outra. a qual fas de 21 de março ate 23 de setenbro. Taboas do lugar do Sol—1598. 53. Este texto surge na primeira página em que os dois manus- critos divergem completamente. em termos de conteúdo. No mais antigo.4. ou se he austral a quoal fas da linha pera o sul. aparece o seguinte texto: pera vir em conhecimento do asima dito se hade uer se a declinação do sol he setentrional. Quem copiou os textos não se preocupou com estas contradições no con- teúdo. Ou seja. não existindo portanto declinação do Sol nesses dias. em todos os lugares da Terra. para calcular a amplitude. o texto final resume-se a uma página na qual se ensina a usar o instrumento de duas lâminas. . No Livro de Marinharia de João de Lisboa encontramos dois tipos de tabelas com valores de declinação do Sol. as datas dos equinócios são 21 de Março e 23 de Setembro. e sendo a declinação setẽtrional uzarão das 8 Regras segintes64 . No entanto. que acima mencionámos. existente entre as duas tabelas e que não tem equivalência em 1623. de 24 de setenbro ate 20 de março. p. Vamos terminar esta descrição dos dois manuscritos com a análise desta parte final. No manuscrito de 1623. TÁBUAS DE LAVANHA 373 Este excerto encontra-se logo no início do texto. qualquer que seja a latitude. da linha pera o norte. alterando porém o seu conteúdo. estamos perante dois textos com origens diferentes reunidos num mesmo manuscrito. Encontramos ainda uma outra variante para as datas. optámos por colocá-la aqui. na qual eles divergem no conteúdo. pelo que a sua amplitude é nula. Por esse motivo nasce a Leste e tem o seu ocaso a Oeste.5. uma vez que se trata da mais completa descrição do funcionamento desse instrumento: No dia em que queremos conheser a diferenca da agulha marquese o sol ao naser ou ao Por e notese os graos q̃ elle asinala na Rosa o que feito tomese as laminas e ponhaose as suas flores de lises hũa em sima 64 Lavanha.

o ângulo poderia ser medido em qualquer dos discos. no instante do nascimento ou do ocaso do Sol. Pela descrição apresen- tada pensamos que poderia ter um aspecto semelhante a um nocturlábio de ponteiro. . tal como as agulhas. Seguidamente. Taboas do lugar do Sol—1623. até que esta coincidisse com o valor da amplitude retirada da tabela. 50. seria determinada pela agulha. para facilitar a leitura. o instrumento de Lavanha não era usado para observar o Sol. Seria composto por dois discos (as lâminas) concêntricos. para indicar a direcção Norte. Desta descrição ficamos a saber como era. TABELAS DE AMPLITUDES da outra e as pontas de leste e oeste comformes e asi todos os graos e estando por este modo quedas mouase a decrina e ponhase ensima de outros tantos graos de leste pera o norte ou para o sul se for Pella menhã ou de oeste para o norte ou para o sul se for a tarde quantos acharemos pella demarcação da agulha q̃ nos naseo o sol ou se pos e depois sabidos os graos da largura de leste ou de oeste do dito dia que são os em que o sol ouuera de naser ou porse sem agulha não faser defirenca mouase a lamina de sima com a declina posta nella no lugar e grao em que se pos de Primeiro que era onde se vio naser ou porse o sol te que fique a mesma declina com este movimento asinalando nos graos da lamina de baixo os graos e minutos da largura de leste ou de oeste do Proposto dia achada nas Taboas pello modo emsinado o que asi feito aponta da lamina de sima da sua frol de lis mostrara nos graos da lamina de baixo o apartamento da sua frol de lis ou da linha de norte sul que eses mesmos serão os graos q̃ a agulha nordestea se for Para leste. para que servia e como funci- onava. a declina. Nesta primeira situação. Movia-se a declina até coincidir com o ângulo observado na agulha. Para determinar a declinação da agulha começava por se fazer coincidir a escala de ambos os discos. que ao contrário da lâmina de sombras de Pedro Nunes. tendo inclusivamente representada uma flor-de-lis em cada um. em conjunto com a declina. o valor da amplitude era lido no 65 Lavanha. A direcção do Sol. deslocava-se o disco superior. Neste caso. no nas- cimento ou no ocaso. Teria ainda uma haste. o instrumento concebido por Lavanha. ou noroestea se for para oeste e se for os graos da demarcação forem os mesmos que os q̃ acharemos nas Taboas a agulha nao fas diferença e fixa65 .374 CAPÍTULO 5. p. uma vez que as escalas estava coincidentes. Importa referir. O disco superior deveria ter um diâmetro menor que o inferior. O instrumento servia simplesmente para calcular a declinação magnética. em primeiro lugar. Ambos os discos teriam uma escala de graus.

21vs. [Carta de João Baptista Lavanha a respeito das agulhas de Luís da Fonseca Coutinho]. Com este processo assumia-se que o disco inferior representava uma agulha fixa. Esta explicação parece-nos um pouco mais confusa. Usese del mismo instrumto en q̃ estan la aguja fixa y la regular. que rodava em torno de um eixo colocado no centro da agulha. Começava por se orientar essa agulha. y hazia las mismas partes señalaran las Tablas en le dicho dia. A declina deveria então apontar numa direcção correspondente ao valor da amplitude ortiva. que pretendia representar a linha meridiana. Lavanha apenas ensina o modo de confirmar que a agulha fixa estava realmente fixa. TÁBUAS DE LAVANHA 375 disco inferior. q̃ la declina señala en la circunferencia graduada del instrumto . enquanto que o disco superior correspondia à agulha de bordo. o hilo del vidrio y derecha con la linea meridiana del instrumento. até se ver o Sol pelos orifícios dela. . Portanto. isto é. en las manos y puesto lo mas a nivel q̃ se pueda sosieguese la aguja fixa hasta q̃ quede su flor de lis. hazia el Norte. sem declinação. a agulha fixa estaria na parte inferior do instrumento. Colecção Salazar y Castro. en la altura en q̃ nos hallarmos usando dellas al modo ensenado. haziendose a la tarde. num outro texto de Lavanha. de modo que a flor-de-lis apontasse exactamente na direcção de um raio do círculo. Na prática. o del Oeste si fuere al poner del Sol. q̃ los mismos grados. materializado com um fio. fl. a agulha noroesteava. muevase la Declina en q̃ está la aguja Regular hasta q̃ por las dos aberturas de las dichas entren los Rayos del Sol.4. Pelo que percebemos. No entanto. da Real Academia de la Historia. se a flor-de-lis desta última estivesse para Oeste da outra flor-de-lis. contados desde el Leste. O ângulo entre a flor-de-lis do disco superior e a do disco infe- rior fornecia o valor da declinação magnética. Mantendo a agulha assim orientada. o hazia el Sul. Mss. si la Aguja fuere fixa66 . y tomado el instrumto . para conocer en la mar si la Aguja es fixa al tiempo del nacimento o ocaso del sol devesse de observar desta manera. O passo seguinte consistia em calcular pelas tabelas de amplitudes. o quando se pone.5. qual o respectivo 66 João Baptista Lavanha. lo q̃ hecho y immobil el instrumento. se estivesse para Leste. nordesteava. o se vea su cuerpo al tiempo q̃ nace. hazien- dose esta observacion por la mañana. surge uma descrição um pouco diferente: Suppuesto esto. que visto desta manera notense los grados. si fuere al nacer del Sol. movia-se uma declina. y rumo de Norte a Sul de- baxo de la Raya. N63.

A abordagem no manuscrito de 1623 é completamente diferente. para a data e latitude consideradas. e se leuar. Voltemos aos códices que têm as tabelas de amplitudes. no tal diao Regimento. com um fio a representar a linha meridiana. O esquema das regras é sempre o mesmo: enunciação da regra. ficará um instrumento bastante semelhante ao que abaixo descrevemos. assim como as situações em que o valor tabelado era maior ou menor que o valor observado. a que se segue um exemplo de cálculo. aqui dedicam-se sete páginas para o mesmo fim. para que a agulha fosse realmente fixa. Enquanto que em 1598 se dedicava uma página a explicar o processo de cálculo. estas oito regras acabam por ser simétricas das primeiras. setentrional. Ou seja. Por outro lado. de leste pera o nordeste. e que era proposto por Manuel de Figueiredo. A opção seguida consiste em enunciar dezasseis regras que cobrem todas as situações possíveis de relação entre ângulo ob- servado pela agulha e o ângulo calculado pelas tabelas. com a respectiva resolução. da qual ele era acérrimo defensor. Daí que tenha chegado a tantos casos diferentes. Note-se ainda que Lavanha refere que sobre a declina estaria a agulha regular. mas essa não é utilizada neste processo. e as outras oito para declinação Sul. o autor considerou todos os casos de nascimento e de ocaso do Sol. em menos graos dos que tiuer. basta apresentar um caso para se perceber o modelo: Declaraçam da 3a Regra temdo o sol a dita declinação. ou seja. Uma vez que o modelo de apresentação é sempre semelhante. Nada é dito sobre que cálculos fazer caso os dois valores não coincidissem. . Lavanha está a assumir que esta