Está en la página 1de 34

Independência  do  Hai-  
América  II  
Prof.  María  Verónica  Secreto  

Ata  da  Independência  
•  Desde  1804,  a  Ata  de  Declaração  da  Independência  
do  Hai-  havia  se  perdido.  Em  2010,  pouco  depois  do  
terremoto  essa  Ata  foi  achada.  
•   Fazia  tempo  que  uma  jovem  historiadora  estava  
atrás  deste  documento  tão  significa-vo.  A  jovem  
decidiu  pesquisar  nos  arquivos  da  Universidade  de  
Duke,  nos  Estados  Unidos,  cujo  acervo  é  cons-tuído  
de  uma  grande  coleção  de  documentos  hai-anos,  
estendendo  a  pesquisa  da  Inglaterra  à  Jamaica.    

 nem   em  outras  do  arquivo  jamaicano.   •  Nos  arquivos  nacionais  de  Jamaica.  mas   esse  documento  não  estava  na  mesma  pasta..  referente  ao  oficial  britânico. O  achado.  a  pesquisadora   encontrou  a  carta  de  um  oficial  britânico.  dirigida  ao   governador  da  colônia.  na  qual  informava  da   situação  do  Hai-.  A  historiadora  o   encontraria  no  Arquivo  Real  de  Londres  entre  a   documentação.   Dizia  na  mesma  carta  que  anexava  um  documento   interessante:  a  declaração  da  independência.  de  onde  ele  acabava  de  chegar..   .

  •  Entre  1791  e  1804  se  desenvolve  a  revolução  da  independência.  era   inconcebível  que  os  escravos  das  colônias  se  revoltassem.  entre  os  chamados  congos   (boçais)  nascidos  na  África. Michel  Trouillot  Silencing  the  past.  pelo  menos  não   na  ordem  ontológica  compar-da  por  colonialistas  e  não  colonialistas.  Segundo   o  autor  esta  ingressou  na  história  com  a  caracterís-ca  de  “inconcebível” enquanto  acontecia.  repe-am   que  os  negros  eram  obedientes  e  tranqüilos  por  natureza”.   •  Trabalha  com  a  hipótese  de  que  a  revolução  não  encaixava  nas  categorias   de  homem  e  sociedade  da  época.   •  Em  1790  muitos  donos  de  plantações  e  intelectuais  na  Europa.   •  Mas  as  evidencias  mostravam  outra  coisa:  em  agosto  de  1791  explodiu   uma  revolta  entre  os  escravos  do  norte  da  ilha.   •  Enquanto  em  Paris  a  Assembléia  discu-a  sobre  a  forma  de  governo.   .  Power  and   the  Produc-on  of  History   •  O  autor  ques-ona  a  base  epistemológica  da  tradição  historiográfica  de   Saint  Domingue/Haia  a  par-r  da  qual  tem  sido  relatada  a  independência.

  reelaborada  pelos  filósofos  do  iluminismo  e  precursores  do   pensamento  cienafico  (lembrar  da  polêmica  Buffon  -­‐  De  Paw.  Era  explicada  através  das  visões  de  mundo   que  ordenavam  o  co-diano.  Trouillot  argumenta  que  esta  tradição  não   rompeu  com  os  laços  que  a  amarram  ao  âmbito  filosófico  que  deu   vida  aos  três  discursos  mais  problemá-cos  da  modernidade:  a   escravidão. Silencing  the  past:  Power  and   the  Produc-on  of  History   •  Os  contemporâneos  não  conseguiam  compreender  a  revolução  em   seus  próprios  termos.  a  raça  e  a  colonização.  O  Novo  Mundo.  História  de  uma   polêmica)   •  Desde  as  crônicas  e  referencias  do  século  XVIII  até  os  estudos   históricos  do  século  XX.   .   Referencia:  Gerbi.   •  Dentro  desse  ordem  ontológico  os  povos  não  europeus  ocupavam   um  lugar  de  inferioridade  social  e  até  sub-­‐humano.  Antonello.   •  Escala  de  “humanidade”  forjada  no  renascimento  cristão.

    .  Quando  se  outorga  significado  retrospec-vo.  isto  é    quando  se   organizam  os  arquivos.   4.   •  Coloca  que  os  silêncios  se  cons-tuem  no  processo  de   produção  histórica  em  quatro  momentos  cruciais:   1.  Quando  se  ensamblam  os  fatos. Silenciando  o  passado...   •  Metodologicamnte  Trouillot  explora  os  dois  niveles  da   historicidade:  o  que  aconteceu  e  o  que  se  diz  do  que   aconteceu.  isto  é   quando  se  escreve  a  história.   2.  Quando  se  narram  os  fatos  e  se  criam  as  narra-vas.   3.  Quando  se  criam  os  fatos    e  se  fazem  as  fontes.

  O  não-­‐evento   •  Se   um   evento   é   inacreditável   enquanto   acontece   como   pode   ser   entendido  mais  tarde?   •  Como  será  escrita  sua  história?   •  Como   escrever   a   história   do   impossível?     .. Silenciando  o  passado..

 Assim  pensavam  os  abolicionistas.  legi-mamente   colonizado  y  escravizado.   •  Superioridade  social:  da  limpeza  de  sangue  às  teorias  raciais.  até  os  debates  ilustrados  europeus  dos   séculos  XVII  e  XVIII  sobre  a  natureza  do  homem  estava  em  jogo  a   colonização  das  Índias  Ocidentais  e  a  trata  Atlân-ca. Uma  certa  idéia  de  homem   •  Para  Trouillot  a  constante  na  reflexão  da  modernidade  hispânica   sobre  a  quem  considerar  bárbaro  e.   .  O  homem  podia  aperfeiçoar-­‐se  e  ganhar   graus  de  humanidade.  portanto.  mas  a   autodeterminação  não  era  automá-ca.   •  A  escala  não  era  está-ca.   •  Ninguém  assumia  o  paradoxo  entre  a  Declaração  dos  Direitos  do   homem  e  do  cidadão  e  a  escravidão  nas  colônias  francesas.   •  Os  povos  não  europeus  foram  obrigados  a  entrar  em  esquemas  que   reconheciam  graus  de  humanidade:  alguns  homens  eram  mais   humanos  que  outros.

 por  esta  razão. Uma  certa  idéia  de  homem   •  Sem  condenar  os  contemporâneos  por  não   poder  fugir  do  seu  tempo:   ü O  impensável  é  aquilo  que  não  pode  ser   concebido  dentro  nas  alterna-vas  possíveis.   .  é   o  que  perverte  todas  as  respostas  porque   desafia  os  termos  sob  os  quais  se  fazem  as   perguntas.  a  revolução   hai-ana  foi  inconcebível  em  seu  tempo.

 nem  na  Inglaterra  e  nos   Estados  Unidos  nenhum  debate  público  sobre  a   autodeterminação  dos  negros.   •  A  prova  fundamental  para  a  ilustração  foi  a  escravidão.  A  maioria  dos  escravos  era   iletrada  e  a  palavra  escrita  não  era  um  meio  de  propaganda. O  fracasso  das  categorias   •  Por  que  a  revolução  foi  inconcebível?   •  Nas  cartas  dos  plantadores  e  nos  jornais  Trouillot  encontra   trivialização  da  revelia  escrava  como  patologia.   •  Para  1791  não  exis-a  nem  na  França.  Ainda   os  que  reconheciam  a  humanidade  dos  escravos  pregavam  a   abolição  gradual.  Trouillot  demonstra  que  a   Revolução  Hai-ana  não  esteve  precedida  por  nenhum   discurso  intelectual  explícito.   Por  outra  parte  as  demandas  da  revolução  eram  tão  rA   maioria  dos  debates  foi  rea-va:   .   •  O  argumento  da  patologia  era  a  outra  cara  do  argumento  da   submissão.

O  fracasso  das  categorias   •  Radicais  demais.  conquista   da  máquina  do  Estado  1797-­‐98  e  proclamação   da  independência  1804.   .  a   declaração  geral  da  liberdade  1794.  que  não  podiam  ser   formuladas  de  forma  prévia  à  mesma  ação.  o   derrubamento  do  aparato  colonial  de  1793.   •  Novidade  intelectual  e  ideológica  da  revolução   aparece  na  medida  que  se  cruzam  novas   fronteiras:  a  insurreição  massiva  de  1791.

A  narração  fracassa   •  Primeiro  a  insurreição  não  era  atribuída  aos   escravos.   •  Quando  em  1802  França  planeja  a  expedição   para  retomar  a  ilha.  mas  a  conspiradores  infiltrados.  não  havia  dúvida  do  triunfo  e   da  re-­‐escravização  dos  negros.   .   •  O  reconhecimento  da  independência  não  viria   fácil.   •  Quando  em  1803  os  escravos  vences  as  forças   napoleônicas  não  se  acredita  nesta  vitória  e   muito  menos  na  criação  de  um  Estado  pelos  ex-­‐ escravos.

  caso  e  quando  ocorre   apenas  uma  associação   ü  Junto  com  o  silêncio  sobre  a  revolução  se   de  ideias.  colonização.  Pelo  menos  ficou   associação  de  ideias  é   de  caráter   fora  dos  estudos  acadêmicos  até  a  década  de   compara-vo.  se  a   escravidão.   externa  (em  nível  da   palavra).  trivializar:  silenciar.  que  é  o   tropo  por  excelência.Da  impossibilidade  dos  contemporâneos  ao  não-­‐ evento  dos  historiadores   •  A  história  escrita  fora  do  Hai-  evidencia  dois   •  Um  tropo  (do  grego   τρόπος  ou  trópos.  é   ü  O  primeiro  apaga  a  signo  da  revolução   uma  figura  da   linguagem  onde  ocorre   colocando  os  eventos  como  resultado  de   uma  mudança  de   ações  individuais  e/ou  fortuitas.  produz-­‐se   1990.  dá-­‐se  o  nome   silenciou  a  trilogia:  modernidade.   de  perífrase.   significado.   .  seja  interna   (em  nível  do   ü  Esvaziar  o  significado  revolucionário  dos   pensamento)  ou   acontecimentos  trivializando-­‐os.  "girar").   uma  metáfora.  No  primeiro   ü  Apagar.  do   -pos  de  tropos:   verbo  trépo.

revitalizaram  este   discurso  na  década  dos  oitentas. Que  história?   •  Quem  venceu  foi  a  doença  não  os  hai-anos.  Du  Bois  em  torno  do  papel  fundamental  que  jogou  a   revolução  do  Hai-  no  colapso  do  sistema  escravista.E.   .   •  E  na  historiografia  francesa?  Não  -nha  o  lugar  que  -nha  ocupado  o   colonialismo  na  historia  da  França.000  homens  nas  guerras  do   Caribe.   •  Não  foi  senão  até  que  historiadores  como  Eugene  Genovese    e  Robin   Blackburn.   •  Estados  Unidos  e  Va-cano  não  reconheceram  a  independência  até  a   metade  do  XIX.  levantando  o  argumento  de  Henry   Adams  y  de  W.B.000  em  Saint  Domingue.  que  teve  o  auxilio  de  Hai-  para  a  independência   da  Venezuela  não  a  convidou  ao  Primeiro  Congresso  Pan-­‐americano  de   1826.  e  os  poloneses  5.  (Exemplo  presente  no  texto   de  Moya  Pons)   •  A  Inglaterra  perdeu  aproximadamente  60.  Bolívar.  cuja  especialidade  não  era  Haia  ou  o  Caribe.

Mapa  do  Hai-  e  Jamaica  em  1849     .

Mapa  das  grandes  ilhas  do  Caribe   .

000   escravos  africanos  anualmente.   Igualmente   havia  tensões  entre  os  plantadores  e  os  setor  financeiro  do   sistema  colonial  francês.  sendo  realizando  este  comércio  a  par-r  de   então   por   comerciantes   dos   portos   franceses. Hai-:  da  revolução  à  independência   •  Final  do  século  XVIII  a  colônia  francesa  de  Saint-­‐Domingue   era   a   mais   produ-va   das   An-lhas.   superando   a   produção   total  de  açúcar  de  todas  as  An-lhas  britânicas.     .   •  Estes   escravos   eram   providos   por   companhias   monopolistas   criadas   pelo   governos   francês   em   meados   do   s.   até   que   os   proprietários   franceses   opuseram-­‐se   a   este  monopólio.   XVII.   •  A   necessidades   de   mão-­‐de-­‐obra:   importava-­‐se   uns   30.

  soldados.   •  Outro   setor   da   sociedade   era   o   dos   affranchis   negros   e   mulatos   livres   que   ainda   eram   mais   desafetos   ao   sistema   colonial  francês.   •  Junto   com   os   outros   grupos   brancos   que   desempenhavam   funções   como   lojistas.•  Pode-­‐se   afirmar   que   para   1789   havia   desafeição   entre   os   grand  blancs  para  com  o  sistema  colonial  francês.   .000.   Como   proprietários   de   terras   e   escravos  controlavam  1/3  das  plantações.   administradores.  Este  grupo  era  composto  aproximadamente   por   28.000   indivíduos.   comerciantes   e   artesãos   compunham   uma   população   de   40.

  .     •  Os   affranchis   pensavam   obter   na   Assembléia   Geral   direitos   de   cidadania. O  grupo  dos  mulatos   •  No   século   XVIII   foi   sancionado   um   conjunto   norma-vo   com   a   finalidade   de   deter   a   ascensão   social   deste   úl-mo   grupo.   Como   resposta   os   mulatos   que   viviam   em   Paris  organizaram  a  Société  de  Amis  des  Noir.   o   de   mulatos   e   negros   livres.   mas   não   o   conseguiram   pelo   temor   da   classe   proprietária   de   que   este   fosse   o   primeiro  passo  para  libertar  os  escravos.

Vicent  Ogé   .

 mas  esta   aliança  não  durou  muito.   .   •  Efervescência  na  ilha  que  atravessava  todos  os  setores.   •  Brancos  e  mulatos  juntam-­‐se  para  defender  seus  interesses.   •  Os  escravos  encontraram  um  aliado  nos  espanhóis  de  Santo  Domingo.  mas  a  tenta-va  de  organizar  um  movimento   armado  fracassou  . Grupos  em  Saint  Domingue  e  suas  alianças   •  A  sociedade  Amigos  dos  Negros  buscou  obter  esse  direito  negado  pela   Assembléia  através  das  armas.   •  Os  affranchis  foram  ganhos  pelos  franceses  quando  estes  reconheceram  o   4  de  março  de  1792  os  direitos  de  cidadania.  Com  este  fim  em  1790  desembarcou  em   Saint-­‐Domingue  Vincent  Ogé.  e  solicitaram   tropas.   contrário  aos  brancos  acompanhado  de  6.   •  Em  1791  explode  uma  revolta  de  escravos  no  norte  da  ilha.  jacobino.  Ele  e  seu  irmão  foram  capturados  e  enforcados  pelas   autoridades  francesas.000  soldados  para  por  ordem  na   ilha.   •  Chega  uma  comissão  francesa  comandada  por  Sonthonax.   •  Os  grand  blancs  buscaram  o  apoio  dos  ingleses  da  Jamaica.

  •  Em  1793  Sonthonax  declara  abolida  a  escravidão.   •  Toussaint  de  general  de  brigada  a  general  de  divisão.   .   •  O  governo  francês  reconheceu  a  autoridade  de  Toussaint.000  homens.  mas  os  affranchis  não.  passou-­‐se  ao  lado  francês  com   4.   •  Os  espanhóis  foram  obrigados  a  retroceder.  Houve  o  oferecimento  do  reconhecimento  de   independência  mas  Toussaint  preferiu  governar  em  nome  do  governo  francês.  Toussaint  L’Ouverture.000  homens  foram  obrigados  a   marchar-­‐se. De  guerra  civil  a  guerra  internacional   •  A  esta  altura  tratava-­‐se  de  uma  guerra  civil  e  guerra  internacional.   •  Os  ingleses  abandonaram  a  ilha  em  1798.   Inglaterra  e  Espanha.  Mas   Toussaint  os  derrotou  de  forma  decisiva  em  agosto  de  1800.   •  Os  affranchis  dividiram-­‐se  entre  os  que  apoiaram  o  governo  francês  e  os  que  apoiaram  aos   brancos.  envolvendo  França.  Chama  os  libertos  a  se  unirem  ao  exército   francês  contra  ingleses  e  proprietários  brancos.   •  Os  ingleses  depois  de  uma  guerra  de  5  anos  e  da  perda  de  25.   •  O  esforço  militar  francês  viu-­‐se  amplamente  favorecido  com  esta  contribuição.   •  Um  das  principais  lideranças  negras.   especialmente  com  a  de  Toussaint  que  se  converteu  em  indiscuavel  chefe  das  forças   francesas.

1697-­‐1795   .

1806-­‐1808   .

1808-­‐1822   .

1844   .

  •  Obrigou  os  ex-­‐escravos  a  voltar  às  plantações  sob  o  “pretexto”  de   vadiagem.   •  Voltou  ao  sistema  de  propriedade  anterior  na  modalidade  de  plantação.   •  Estabeleceu  leis  para  regular  a  produção  agrícola.  ¼  parte  da  produção  iria  para  as  mãos  dos   trabalhadores.   .  a  metade  para  o  tesouro  público  e  o  outro  ¼  para  os   proprietários. O  governo  de  Toussaint   •  O  governo  de  Toussaint  (governador  general  e  comandante  em  chefe  de   Saint-­‐Domingue)   •  Reorganização  da  colônia  restaurando  a  anterior  prosperidade  colonial.  mas  agora  o   faziam  como  assalariados”.   •  Ante  este  sistema  os  proprietários  lançaram  uma  campanha  de   propaganda  contra  Toussaint  em  Estados  Unidos  e  Cuba.   •  “Os  escravos  de  1789  deviam  trabalhar  nas  plantações.

 O   desembarco  acontece  em  vários  portos. A  repressão   •  Napoleão  se  propus  colocar  Saint  Domingue  no  seu  an-go  status.   •  Toussaint  é  traído  e  cai  em  mãos  dos  franceses.   •  Mas  os  negros  e  mulatos  estavam  unidos  sob  a  liderança  de  Dessalines.   um  ex-­‐escravo  que  -nha  sido  tenente  de  Toussaint.   •  Toussaint  invade  Santo  Domingo  e  o  incorpora  a  Saint  Domingue.  e  uma  grande  parte  das   tropas  desembarcam  em  Porto  Principe.   •  França  envia  uma  grande  força  para  retomar  o  controle  da  ilha.   •  Decide  transformar  sua  economia  pecuária  em  economia  de  exportação  e   volta  para  Saint  Domingue  con-nuar  com  a  reconstrução.  A   produção  da  ilha  representava  2/3  do  ingresso  colonial  francês.   .  morrendo  um  ano  depois   na  prisão.  ficando   com  o  domínio  sobre  toda  a  ilha  “La  Espanhola”.  Leclerc.

  Os   mesmos   homens   teriam   triunfado   em   Itália   ou   Egito.000   homens   –   es-veram   intentando  dominar  aos  an-gos  escravos  durante  21   meses.   .  O  Primeiro   de   janeiro   de   1804   Dessalines   proclamaram   a   independência   de   Hai-.  129)   •  Em  1804  os  franceses  assinam  a  rendição.”  (Pons.   esta   vez   não   conseguiram  alcançar  a  vitória.   nome   ameríndio   da   La   Espanhola. A  guerra  em  território    hai-ano   •  “Os   franceses   –58.   Não   obstante.  os  negros  e  mulatos   de   Saint-­‐Domingue   contaram   com   um   poderoso   aliado:  a  febre  amarela.

  •  Primeiro  Estado  moderno  nos  trópicos.   •  Opção  por  uma  denominação  indígena  Hai-.   •  Mobilização  completa  da  sociedade. Algumas  peculiaridades   •  Primeiro  estado  da  América  La-na  a  se  tornar   independente.     .   •  Sem  propriedade  para  os  brancos.   •  Maiores  mudanças  sociais  e  econômicas.   •  Primeira  República  negra  do  mundo.   •  Venceram  os  exércitos  de  três  potências  militares.

Como  pensar  o  impenssável?   .

 ou  se   opor  ao  fato  de  sermos  franceses  e  mais  do  que  tudo  cristãos.  no  qual  pedem  a  abolição  da  escravatura.  comovidos   pelo  relato  do  oficial  e  pela  visão  do  homem  negro  e  cristão.  e   sabendo  que  são  tratados  como  se  fossem  animais.”       .Pensar  o  inacreditável  a  par>r  do  lugar  do   outro     Acostumados  eles  mesmos  ao  sofrimento  e  às  dores.  mais  educadas  e  mais  filósofas.   Por  isso.  essas  ul-mas  ligadas  à  dureza  das  suas  vidas  e  incorporar   no  Caderno  o  ar-go  29.  sua  religião  lhes  manda  suplicar  humildemente  a  Sua   Majestade  o  Rei  Luis  XVI  de  acordar  os  meios  para  esses  escravos   serem  reconhecidos  como  cidadãos  úteis  pelo  Rei  e  pela  Pátria.  os   habitantes  de  Champagney  vão  redigir  na  praça  do  município  suas   queixas.  receiam  que  as   gerações  futuras.   Não  podem  imaginar  e  aceitar  que  os  produtos  dessas  colônias   possam  ser  consumidos  sem  esquecer  que  foram  regados  pelo   sangue  dos  seus  semelhantes:  com  razão.  possam  acusar   os  franceses  daquele  século  de  terem  sido  antropófagos.  além  disso  unidos  a  eles  pela  religião.   “Os  habitantes  de  Champagney  não  podem  pensar  nas  dores  que   padecem  os  negros  nas  colônias  sem  ficar  com  o  coração   penalizado  pelo  seu  maior  sofrimento  e  se  considerando  como   seus  semelhantes.

L.  1988.   •  FICK.  Vol.  Power  and  the  produc-on  of  History.   •  FONER.  Barcelona:  Crí-ca.  Rio  de  Janeiro:  Paz  e  Terra.)  A  outra  história:  ideologia  e  protesto  popular  nos  séculos  XVII  a  XIX.R.     .  La  independência.  2011.  “Camponeses  e  soldados  negros  na  revolução  de  Saint-­‐  Domingue.   Boston:  Beacon  Press.  1-­‐30  e  “An  Unthinkable   History”  70-­‐107.  1995.   •  MOYA  PONS.   •  JAMES.  2000.  1991.  Eric.  C.  5.  Frank.  Boitempo.  São  Paulo.  “The  power  in  the  Story”  pp. Bibliografia   •  BUCK-­‐MORSS.  1990.  (1793-­‐1794)  In:  Frederick  Krantz.  La  independência  de  Haia  y  Santo  Domingo.  Michel-­‐Rolph.  “Hegel  e  Hai-”.   História  de  América  La-na.  In:  Bethell.  90.  L.  Carolyn.  Rio  de   Janeiro:  Zahar  Editor.  In:  Silencing  the  past.   •  TROUILLOT.  Os  Jacobinos  negros.  Nada  Além  da  Liberdade.  Susan.  Novos  Estudos.   Reações  iniciais  à  liberdade  na  província  do  Sul.   (org.