Está en la página 1de 15
J oâo era filho de um mestre pescador, que tinha empregados (Mc 1:20 ) e de

Joâo era filho de um mestre pescador, que tinha empregados (Mc 1:20 ) e de Salomé. uma das mulhe-res que ministravam ao

Senhor com seus bens (Lc 8.3). Disto, e do fato

de

ted 8ua própria casa

em Jerusalém (Jo 19.27), é

evidente que tinha posses que lhe proporcionavam certof conforto.

O seu livro é o último dos livros inspirados escri-

tos (ins

50

anos depois da

ascensão); é

de

todos os

evangelhos o mais profundo. Tem sido chamado **o

Âmago de Cristo”, porque revela o próprio coraçio de Jesus, e é o Âmago também do Etemo.

Propósito

Segundo

testemunhas

muito antigas,

foi escrito e publicado em Efeso, a pedido do apósto-

lo André

e

dos bispos

asiáticos, a

fim de combater

certos errcts

então correntes

sobre

a

divindade de

Cristo.

A chave

do livro

é

a

palavra crer. Neste Evange-

lho, Jesus se nos apresenta como aquele em quem

devemos crer; e nas Epístolas de

Joio como aquele a

quem devemos amar; e no seu Apocalipse, como aquele que devemos esperar. Mas crer em quê? Na divindade do Homem Cristo Jesus. (Veja-se capitulo

20.31.)

Peculiaridades. 1) O uso da palavra “judeu”, que se encontra uma vez em Mateus, duas em Lucas,

mas em

João

sessenta vezes. 2) Relata apenas oito

milagres, cada um provando Cristo.

o poder

da

palavra de

Retrato.

O

retrato

de

Jesus

que

temos

neste

Evangelho é do “Unigénito do Pai”. Joio mostra o

que era que conwncia homens e mulheres de todas

as classes de que Jesus era

Deus. Serve-se de mate-

rial novo, até entio reservado por Deus (Lee).

ANÁLISE DE JOÁO

Exórdio (1.1-18) o Passado.

Vida (1-5). 1. A revelação

12.50).

ao

Luz (6-14). Amor (15-18). mundo do Filho como Vida (1.19

a

 

1.1.

A vinda anunciada (1.19 a 2.11).

 
 
  • 1.1.1. O testemunho do Batista (1.19-34).

  • 1.1.2. O testemunho dos discípulos (1.35-51).

  • 1.1.3. O testemunho da natureza (2.1-11).

 

1.2.

A vida reconhecida (2.12 a 4.54).

 
 
  • 1.2.1. Na Judéia - o Mestre em Israel (2.12 a

3.36).

  • 1.2.2. Em Samaria - a mulher adúltera (4.1-

42).

 
  • 1.2.3. Na Galiléia - o príncipe (4.43-45).

 
 

1.3.

A vida combatida (capa. 5 a 12).

 
 
  • 1.3.1. A controvérsia despertada (5.1-18).

  • 1.3.2. A controvérsia desenvolvida (5.19 a cap.

10).

 

1.3.2.1. A vida desprezada (capa. 5 e 6).

1 3 2 2 A vida recusada (cape. 7 a 9).

1.3.2.3.

O amor ultrajado (cap. 10).

  • 1.3.3. A controvérsia concluída (capa. 11 e 12).

2.

A

revelação

do

Filho

como

luz,

aos

discípulos

(capa. 13 a 17).

 
 

2.1.

A Luz lhes é apresentada (13.1-30).

 

n. A Luz lhes é comunicada (13.31 a cap. 16).

2.3.

Intsrceasio pela luz que neles hi (cap. 17).

3.

A revelação aos discípulos e ao mundo do Filho como amor (caps. 18-20).

3.1.

A provação do amor divino (caps. 18 a 19.16).

3.2.

A tragédia do amor divino (19.17-42).

 

3.3.

A vitória do amor divino (cap. 20).

Epílogo (cap. 21) o Porvir (Scroggie).

. A MENSAGEM DE JOÁO

Pode-se dizer que os evangelhos constituem o co- raçÂo da Bíblia, e o de João é o coração dos evange- lhos; é o Santo dos Santos no Templo da Verdade. Quase tudo aqui é novo: somente João nos dá o pri- meiro ano do ministério de noaao Senhor (caps. 2 a

4)

; somente ele relata os grandes discursos sobre o

novo nascimento, a Agua Viva, o Pão da Vida, o

Bom Pastor, a Luz do Mundo, junto com a maravi-

373

lhosa

exposição dos propósitos

de

Cristo na

última

Ceia

(caps. 13

a 16). Somente

oito milagres mio nar-

rados por

Joio, seis

dos

quais nio

se

encontram nos

outros evangelhos.

 
 

Mas nio

é somente

 

o

que

se

diz que

é significati-

vo;

o

que

não

se

diz igualmente

o

é.

Aqui nio

hi

ge-

nealogia, nem nascimento, nem mocidade, nem

crescimento,

nem

batismo,

nem

tentaçio,

nem

Get-

sémane; tudo condiz com o mesmo propósito: provar

que Jesus é Deus. “Eatas coisas focam escritas para

que

creiais que Jesus

i

o

Cristo, o

Filho

de Deus.

e

para que. crendo, tenhais vida em seu nome"

(20.31). O

 

livro

todo

é

um testemunho desta verda-

de, e “testemunho" vro.

é uma das palavras-chaves

 

do

li-

 

Porém isto

nio

é

tudo. Um cuidadoso estudo do

exórdio

deste

Evangelho

(1.1-18)

fornece-nos

uma

anilise simples mas completa do seu conteúdo espi- ritual.

 

Aqui

primeiro

o

Pilho

é

revelado

como

 

a

Vida

Eterna, no principio"

 

(nio

“desde

o

princípio

como em 1 Joio 1.1) com Deus: i Ele o verdadeiro

Deus,

e

o

Criador

de toda

a

vida, desde os serafins

até

oa

vermes (1-6). Então Ele é revelado como

 

a

Luz

eterna, a

luz

aos homens, que brilha

nas

trevas. da

qual

Joio

(o

Batista)

veio

dar

testemunho,

 

porém

nio

foi

compreendido (6-13). Finalmente Ele é

reve-

lado coma

 

o

Amor

Eterno,

feito

carne,

e

habitando

entre os homens, cheio

de graça

e verdade,

e

dando

aos homens da sua plenitude (14-18).

 
 

Esta tríplice revelaçio encontra-se na substância

do livro inteiro,

e parece

ser

a

chave da

sua estrutu-

ra.

Falando

em

termos

 

gerais,

é

Cristo

como

Vida

que é manifesto ao mundo em 1.19 a capitulo 12; é

Cristo

como

Luz

que

é

apresentado

aos

discípulos

noa capítulos 13 a 17; e é Cristo como Amor que é re-

velada a crentes e descrentes na

Cruz, no

sepulcro e

na ressurreição, nos capltuloa 18 a 21.

 

Mas esta análise distribuitiva

não

é

exclusiva;

em cada diviaio podemos discernir Amor.

a

Vida,

a

Luz

eo

 

È

impossível

sohreeatimar

a

importância

 

desta

profunda

revelação,

 

que

é

o

verdadeiro

 

coração

da

Verdade.

 

A

divina

natureza, obra. método, comu-

nhão, misericórdia e graça resumem-se

nisto,

que

o

Filho

é

Vida. Luz

e

Amor. e cada bênção, presente

ou em perspectiva, está abrangida por esta verdade e

dela

nasce. E cada

pecado é uma

ofensa contra Cris-

to em um destes aspectos (Scroggie).

Capítulo 1 O verbo se fez carne (1-14). Encontramos assunto

para meditação até mesmo nos termos que João em- prega. Que quer dizer “o principio"? Nós geralmente o entendemos como “desde a eternidade", embora ai não diga isso.

O

versículo

2

deve

ser

"Quando

ele

estava

no

princípio com Deus, todas as coisas

"

(0.6).

A

palavra

“o

Verbo"

(grego

"logos”),

empregada

só por João como um titulo de Cristo, merece demo- rada consideração. Podia ter sido traduzida “pala- vra". mas nesse caso, teria sido preciso falar de “e- la", por isso os tradutores preferiram empregar o vo- cábulo “Verbo".

As nossas palavras são a maneira de

nos expres-

sarmos, por isso. Cristo, como a “Palavra de Deus”,

expressa o que é a verdadeira vida.

374

O escritor aqui trata primeiro do que

o Filho

era.

e depois do que veio a ser: Ele era: a) o Verbo ou ex-

pressão de Deus; b) estava com Deus e Ele mesmo

era Deus;

c) Criador

de

todas as

coisas. Ele

tornou-

se: a) verdadeiro homem (v. 14), e, em todo o seu an- dar; b) a Luz dos homens: c) aquele que estabelece parentesco espiritual com Deus (v. 12).

Não deve moa pensar do

veraiculo 9 que todos oa

homens recebem iluminação de Cristo, mas que a

luz que Ele traz é para todos.

Este trecho declara

várias

verdades profundas

que merecem nossa demorada meditação.

a)

A identificação do Verbo com Deuae, contudo,

a poasibilidade de discriminar entre o Verba e Deus.

de tal maneira que

 

se podia dizer

que o

Verbo estava

com Deus ao mesmo tempo que era Deus.

 

b)

Que a obra da criação é atribuída ao Verbo, ao

1.2

e

11.3, que parece

dizer a

mesma

Filho. Hebreus coisa, fala de

o Filho fazer “tous aionas"

ou

os sécu-

los, uma expre&são problemática cujo sentido é difí-

cil determinar.

 

c)

Em algum sentido profundo, que

nós

não po-

demos analisar, “nele estava a

vida".

E

nossa

expe-

riência confirma que, quanto maia nos aproximamos

de Cristo,

tanto

mais provamos uma vida espiritual

abundante.

d)

A vida revelada em Cristo era luz para todoa oa

homens, como também a vida de Cristo em nós será

luz para nossos vizinhos.

 

e)

As

trevas

(o

mundo

descrente), não podiam

compreender Cristo nem compreendem os que hoje se parecem com Ele. E outras liçóea igualmenle pro- fundas que o leitor poderá notar por si mesmo. Uma tradução maia literal do veraiculo 14 sugere

preciosos

pensamentos:

“Discernimos

a

sua

glória:

glória como a de um único filho com seu pai". Foi isso que impressionou o jovem João, de tal modo que uns 60 ou mais anos depois ele ainda recorda a pro- funda impressão.

“Nos versículos 1-5 temos a divina revelação

da

Palavra,

e

em

6-13,

a

histórica manifestação

da Pa-

lavra. Aquele que era desde toda a eternidade foi manifestado a seu tempo. A Luz foi revelada (6-9),

rejeitada

(10,11).

e

recebida (12,13).

Cada

um

tem

de fazer alguma coisa com a Luz. Aquele que fez o

mundo estava no mundo, mas este não o conheceu.

Veio para o seu povo (os judeus), mas não o conhece-

ram. A

Vida já veio, mas o mundo continuou morto:

a Luz chegou, mas o mundo permanece nas trevas"

(Scroggie).

Oa versículos 12,13 devem ser: *’Aos que créem no nome daquele que não nasceu do sangue, nem da vontade.(O. 152).

O testemunho de João

Batista (16-34). Que João

testificou de Jeaus é afirmado várias vezes no capitu-

lo:

noa

versículos

7,-15,19,32,34.

Notemos

algumas

 

das verdades que João afirmou: a) que Jesus era a luz dos homens: b) que o que veio depois de João, era

antes dele; c)

que ele meamonâo era

o

Cristo; d) que

era apenas uma

voz;

e)

que Jesus era infinitamente

mais digno de que ele (v. 27); f) que Jeaus era o Cor-

deiro de

Deus;

g)

que

o

Espirito desceu sobre

Jesus;

h) que Ele era o Filho de Deus. Devemos distinguir entre as palavras do Batista

e oa comentários

do apóstolo. Por exemplo, os

versí-

culos 16-19 parecem ser palavras apostólicas e do Batista.

não

_ Jrfi

Fizeram três perguntas a Joio

Batista: "Quem és

E um estudo interessante considerar: 1) o caráter

fu?”(v_

19);

"Que

dizes

de

ti

mesmo?”

(v.

22);

"Por

de Natanael; 2) o amigo de Natanael; 3) a dúvida de

que 6afrzaj?**(v. 25). Perguntas que se referem pessoa, ao seu testemunho, e A sua obra.

á

sua

Natanael: 41 a experiência de Natanael; 5) a pera- pectiva de Natanael.

O versículo

17

merece especial atenção porque

O

versículo 5l

tem sido interpretado de diversas

mostra a diferença entre

o Velho Testamento e

o

No-

vo.

O

V.T.

é

caracterizadn pela

lei

de

Moisés.

O

N.T.

pelo

Evangelho

que

revela

graça

e

verdade

divinas,

que vieram por

Jesus

('risto.

Podemos

ponderar:

“Que significa para noa que a graça e a verdade de

Deus têm vinda a este

mundo por Cristo'?*' “Como é

que esta

graça se expressa?" “Que

é

que

esta

verda-

de revela?*’ No versículo 18

devemos

ler:

"que estava no

seio

do Pai" (O. 117). "Betdnia

além

do

Jordão"

(v.28).

“Embora

a

maior parte doa manuscritos tenha

‘Betinia 1 .

náo

se

conhece hoje a localizaçio de qualquer Betdnia além

do Jordio. Em nove manuscritos -

náo doa

mais an-

tigos - lé-se “bethabara”. que pode

ser um lugar

cha-

mado hoje Abaral a 26 Km de Kerf-Kenna e 75 km

de Betinia** (Pequeno Dicionário Bíblico).

 
 

"Tirar

o

pecado

do

mundo"

(v.

29).

Essa

frase

aponta Cristo-como o Salvador para todos e

náo

so-

mente para Israel. E necessário, porém, que pessoa se valha, pela fé. da expiaçio consumada.

cada

 

A PRIMEIRA VISITA A JUDEIA

 
 

Os primeiros discípulos

(35-511. Ê uma

das

Ca-

racteristicas do

quarto

evangelho

que

se

ocupa

maiormente com o ministério de Jesus na Judéia,

enquanto os outros se ocupam mais com o ministério

na

Galiléia. Em Mateus, depois

da

narrativa do ba-

tismo, quase nio há mais alusão As visitas de Jesus A

Judéia até o capitulo 19. que foi a sua última visita

(Grqy),

maneiras, alguns véem nele uma alusão A escada de Jacó (Gn 28.12). Preferimos entender uma referência ao ministério dus anjos para com o Senhor Jesus que, em algum sentido (talvez eapiritualmente) Natanael havia de sentir.

Capitulo 2

,4s

bodas em Cand

(1-12). Neste

capitulo lemos

do primeiro sinal milagroso que Jesus

fez.

e

por

isso

nio acreditamos nos milagres pueris que a tradição relata da sua meninice. Seus sinais manifestavam a sua glória e fortaleciam a fé doa discípulos (v. 11). Os sinais de Jeaua eram atoj de bénçdo, conferin-

do saúde, ou dando alimento; eram parábolas de sal-

vação, ilustrando preciosas verdades; eram revela-

çàes da vontade de Deus. pois quando Jesus curava

um doente fazia esse benefício pela vontade do Pai.

“Hi

três

palavras

traduzidas

por

milagres

no

N.T. A primeira 'dunamis’ significa simplesmente

manifestação de poder, obra poderosa; a segunda

'semeion*

significa um sinaU

e

a

terceira ‘teroa’ quer

dizer maravilha. Neste Evangelhos palavra traduzi- da milagre é sempre "semeion”. A primeira palavra

nunca se emprega em Joio, e a terceira somente em 4.48” (Goodman).

Três

lições simples são

evidentes nesta paribola

em ação: Jesus veio suprir abundantemente o gozo de vida que escoa, fornecendo um gozo melhor do

que o mundo di; Ele agiu em obediência A vontade da pai, e nio atendeu i observação de sua mie; a bem-aventurança da obediência que encheu as ta- lhas e distribuiu o vinho.

“Notemos com cuidada

os

dois

'Eis'

de

Joio nes-

Muitas pessoas que se

dizem “devotas da virgem

te

capítulo. O

primeiro

(v.

29)

convida-nos a

consi-

Maria" têm sida convidadas a obedecer ao mandato

derar o Senhor Jesus como quem faz a grande obra

dela no versículo 5.

 

expiatória: o

segunda (v.

36).

a

meditar

no seu

andar

Notemos

que

“as

purificações dos judeus" eram

e exemplo. E nesta ordem que devemos recebé-lo, pois a reconciliação deve sempre preceder A salvação

■ Rm 5.10). Ele tem de tirar da consciência e do cora-

ção humano a carga da

culpa, antes de ensinar-nos a

andar como Ele andou" f Goodman)

Algumas lições que aprendemos deste trecho são:

1) 0

verdadeiro

ministério

não

atrai

oe

ouvintes

ao pregador, mas a Cristo (v. 37). 2) Jesus se ocupa com quem o segue. 3) Ele convida a alma interessada a novas expe- riências da sua companhia (v. 39).

4) Quem conhece Jesus leva outros a Ele. Haven-

do dúvida

de

que

alguém é

ou

nio ciente, repare

se

ele procura

falar de

Cristo aos

outros.

Ê

uma

prova

infalível! 5) Jesus noa conhece par nome. individualmente (w. 42,47)

6) Jesus sabe quem é sincero (v. 47).

De

Natanae) podemos notar: a) que ele aprende-

ra das Escrituras que o Messias

viria; b)

que

era cau-

teloso: o Messias havia de concordar com a profecia; c) que era sem dolo (nio sem pecado): era sincero, reverente, entusiasmado: d) que era suscetível de ser convencido pela verdade: e) que. uma vez convenci- do. nio hesitava em agir; f) que recebeu uma revela-

ção mais ampla (v. 51) - (Goodman).

provavelmente por aspersão, como hoje os romania-

tas fazem com a “água benta”. Temos outro caso se- melhante em Marcos 7.4.

Pareco-nos que

Maria

nesse periodo já

é

viúva, e

com seus filhos reside em Cafarnaum e nio maia em Nazaré. Há diversos ensinamentos neste incidente:

1) Convidar Jesus e seus discípulos para as bodas

é o melhor começo possível para a vida de um casal. 2) E importante reconhecer Jeaua presente em to- das as circunstâncias da vida conjugal.

3) Não devemos contar

com a presença de Jesus

sem a companhia dos seus discípulos (*. 2).

4) A

mie de

Jeaua recorreu a Ele quando faltou

o

vinho. 5) Jesus, já no começo

do

seu ministério público,

contava com a direção do Pai mediante a comunhão

direta, e nio por sugestão humana (v. 4).

6) “O mandado de

Maria”

(tio

ignorado

por

muitos que a adoram) tem sentido e aplicação ainda

hoje: "Fazei tudo o que Ele vos disser!" O que Ele disser pela palavra inspirada; pelo seu ministério no poder do Espirito; em resposta i vossa oração.

7) A casa em que Jesus te encontrava

era

de uma

família religiosa, cuidadosa da purificação nial (v. 6).

cerimo-

375

9) Onde há zelo há pureza. Jeaua pode transfor- mar a punficaçáo em gozo. 9) O gozo que Jeaua fornece é melhor e mais abundante do que a noasa provisão. 10) A nós é lícito, quando olhamos para Jesus, es- perar o melhor no fim. 11) Eate primeiro milagre manifestava a “glória'' sobreexcelente de Jeaua. A glória da aua descendên- cia que toma parte em noaaoa gozos e festejos; a gló- ria do aeu poder; a glória da sua paciência. que espe- ra 30 anos sem fazer milagres, até o momento deter- minado pelo Pai: a glória da sua simpatia. que toma parte conosco noa nossos prazeres lícitos, e conta co- noaco para entrarmca no aeu gozo; a glória da aua au- toridade. que obteve uma obediência cega da parte doa serventes.

A SEGUNDA VISITA A JUDEIA

A primeira purificação do

templo (13-25). A

se-

gunda. cerca de três anoa mais tarde, é relatada nos

tréa evangelhos ainóticoa. Noa versículos 14,(5 a palavra grega para templo é “hieron”: todo o conjunto do edifício sagrado, com

ca pátioa e entradas. Noa versículos 19-21 é "naoa", o recinto mais interno do conjunto (Westcott)

“O zelo

da tua casa

me

comeu " quer dizer: “es-

tou consumido pelo 2elo da tua casa ”.

Evidentemente, a lição deate trecho

ê

que

evite-

mos a comercialização das coisas sagradas. Note- mos, por exemplo, como o apóstolo fugia de qualquer aparência de estar tirando lucro de sua evangeliza- ção.

Vemos no6 versículos 23.24 uma crença mera- mente intelectual, em que Jesus náo cria (a mesma palavra). Uma fé verdadeira transforma a vida toda. Ao considerar eate trecho podemos estudar:

1) 0 incidente

  • a) Jesus indignado. As vezes a ira tem cabimento

(Ef 4.26). Que provoca a noasa indignação? Uma ofensa contra o nosso amor próprio, ou uma ofensa contra “nosso Pai”? bl Jesus ensinando pela ação. Nem sempre é su-

ficiente uma queixa. Às vezes um pai ou um profes- sor precisa castigar o mal.

  • c) Jesus preocupado com a pureza da Casa do

Pai. laao noa preocupa também a nós?

  • d) Jesus mostrando autoridade moral. Nós. se

procedêssemos da mesma maneira, poderíamos ape- nas promover contenda, mas Jesus tinha autoridade

moral suficiente para efetuar seu protesto enérgico. 2) A significação do incidente:

  • a) Um templo de Deus (2 Co 6.16) deve ser purifi-

cado com propósito, indignação, e energia.

  • b) O comercialismo em coisas sagradas é um pe-

cado. mas a venda de Bíblias ou hinários que não

traz lucro ilícito ao vendedor, náo é pecado.

  • c) Devemos ter zelo pela casa de Deus.

  • d) Interesses baixos e sórdidos ás vezea encon-

tram uma indignação santa.

  • e) Se nós repelíssemos o pecado no templo de

Deua. que é nosso corpo, esse pecado fugiria de nós. 3) A profecia. Jesus prediz a sua ressurreição, dando a uma pergunta insensata uma resposta enig- mática. Lições que aprendemos:

  • a) Nem toda a pergunta merece resposta direta.

  • b) Uma resposta indireta pode encerrar ensino

profundo.

376

c) Jesus, preocupado já com a sua morte expiató- ria. olhava ainda além. para a ressurreição.

d) A memória das palavras do Mestre fortalecia a fé dos discipulos (v. 22).

Que males

havemos lançado fora do templo de

Deus" Quais são as manifestações de simonia em nossos dias 0 Alguém diz a nosso respeito que o zelo pela ca»a de Deus nos consome?

Capitulo 3

A conversa com Nicodemos <1.21). No original o

versículo 1 começa: “Mas havia

”, ligando-se assim

... com o capitulo 2 e apresentando Nicodemos como um homem em quem Jesus podia depositar alguma confiança. . Uma comparação de João 3.24 com Mateus 4.12 mostra-nos que esta entrevista se deu antes do ser- mão da montanha. Ê. portanto, o primeiro discurso do Senhor Jesus que temos em registro. Este é o trecho principal sobre o novo nascimen- to. Do novo nascimento Jesus afirma: a) que é indis- pensável; b) que é “de cima” <v. 3); que a palavra grega “anothen”, traduzida no versículo 3 "de no- vo". è traduzida no versículo 31 “de cima", como também em 19.11 e Tiago 1.17 e 3.17; c) que é “do Espirito”; d) que é inescrutável, como o movimento do vento; e) que forma contraste com o nascimento natural da carne (Goodman).

O si mbolismo de nascer da água e do espirito tem sido muito discutido, sem haver um acordo entre oa expositores. Neil entende que significa "água espiri- tual”, mas isso náo combina com o versículo6 onde a água náo é mais mencionada. Outros tém ensinado que é nascer do batismo, porém a idéia de um rito exterior produzir um novo ser espiritual é repugnan- te a todo o ensino do N.T. Ainda outros ensinam que nascer da água significava o mesmo que da carne. Porém afirmar solenemente que é necessário ter um nascimento natural para ver o reino, parece absurdo, visto que. sem nascer, a pessoa náo existe.

Consultando as outras passagens que descrevem o novo nascimento (Tg 1.19 e 1 Pe 1.23), vemos que a geração de um novo ser espiritual é atribuída á Pala- vra de Deus, aplicada, sem dúvida, á consciência e ao coração pelo Espírito de Deus.

E isto condiz com a experiência, A

única coisa

que tem produzido novidade de vida em seres huma- nos é a revelação de Deus em Cristo, operando efi- cazmente pela Espírito Santo, [por meio da Palavra de Deus).

A

frase “que

está no

céu”

no veraiculo 13 tem

causado dificuldade. Alguns manuscritos não tém as

palavras, por isso a V.B. omite-as. Porém é provável que devam permanecer. Sobre isto, conaulte-ae o li- vro. “Causes of Carruption”, p. 223.

Ffeti, no

livro “Strange

Figures ",

mostra

que

o

original grego pode ser traduzido "que estava no céu". Contudo parece ser preferível manter as pala- vras como em Almeida: “que está no céu”, pois per- mitem -noa entenàer melhor o que a comunhão com o Pai era para Jesus, e pode aer para nós. A Bíblia náo abona a idéia popular de que o Céu é um lugar muito distante, mas dá-nos a idéia de que o Céu é a imediata presença de Deus (2 Co 12.2); e,

embora fosse para Paulo uma experiência extraordi- nária acHar-se, em espirito no Céu. ouvindo palavras inefáveis, podemos acreditar que para Jesus uma se-

melhante experiência era freqGente ou até conatan- te.

Outra versão traduz o versículo assim: “Nin- guém tem ascendida ao Céu senão ele que desceu do

Céu. o Filho do homem cuja morada é o Céu " (Chris- tian's Armoury, pág. 215).

O pregador pode basear-se neste trecho para seu discurso sobre o novo nascimento, e dividir seu estu- do aasim:

1) Necessidade do novo nascimento. 2) Processo do novo nascimento.

3) Resultados do novo nascimento.

Ou pode fazer aqui um estudo sobre Nicodemos. usando as divisões:

1) Nicodemos indaga; 2) Nicodemos duvida; 3)

. 0/ Nicodemos aprende. Na revista "Lições”, de 17 de ; M aio de 1942, encontrará o leitor o desenvolvimento ■ deste estudo. sf W. Grani comenta a semelhança e o contraste entre o nome Nicodemos ("conquistador do povo”) e Nicolau (“conquistador do povo de Deus"l, donde -i vem a palavra "nicolaitas" em Apocalipse 2. Os "ni-

£

colai tas", semelhantes ao clero romano, dominavam o “laos” (leigos), o povo de Deus na igreja. Deus tem I um "laos”, mas náo um “demoa” (donde vem a pa- lavra democracia). “Há bons motivos para pensar que a conversação entre Jesus e Nicodemos termina com o versículo 15, e que os versículos 16-21 sáo as reflexões do evange- lista. A expressão 'Filho unigénito' nunca vemos usada em outro lugar por Jesus a seu respeito; ‘crer no nome', ‘praticar a verdade’, e os tempos das ver- bos ‘amaram ‘ e 'eram' no versículo 19, apontam a mesma conclusão” (Scroggie). Se adotamos este parecer, então as sublimes e so- lenes verdades referidas nestes versículos, em lugar de fazerem parte de uma conversa particular, apre- sentam o ensino apostólico formulado cerra de 50 anos maia tarde. João. olhando para trás, através doe anos. apresenta a solene conclusão que a experiên- cia ensinara: A condenação é esta: que a luz veio ao

mundo, e os homens amaram mais as trevos do que a

luz, porque as suas obras eram más" (v. 19).

O

testemunha final

de

João Batista (22-36). Al-

guém pode pensar que o versículo 22 ensina que Je-

sus batizava, mas o capítulo 4.2 explica que quem batizava eram os discípulos.

A

questão com um judeu acerca da purificação

(v. 25) podia ter sido sobre o relativo valor do batis-

mo de João e de Jesus. Mas João não aceita uma po- sição de rivalidade. Ele é apenas o "amigo do espo- so" e alegra-se com a voz do esposo. O versículo 30 expressa o espirito de todo o verda- deiro servo de Cristo. Provavelmente devemos entender que de 32 a 36 temos um comentário do apóstolo.

No 6m do versículo 34.

devemos preferir a V.B. -

"porque ele não dá o espirito por medida ” Podemos considerar a significação do tempo presente no versículo 36: "Aquele que cré., tem Muitas vezes pensamos que aquele que creu terá, mas é a fé atual que goza a vida abençoada agora. Devemos em oração procurar compreender o sen- tido da profunda palavra “crer" (ter fé), e pensar que quem cré agora tem a vida agora; quem crê mui- to, tem muito. Quem cré hora após hora desfruta dessa vida de intimidade com Deus hora após hora.

Jêiê

E devemos notar que a fé náo é mera crença em cer- tos fatos, mas uma atitude da alma, abraçada com o Salvador, de quem espera tudo.

Capitulo 4

 
 

Jesus e

a samaritana (1-13). “O começo do capi-

tulo quase dá

a entender que. devido

ao que

os fari-

ouvido,

Jesus, ao retirar-se

da

Judéia,

seus tinham náo batizava

mais.

"O

batismo

de

preparação era

serviço de um arauto,

náo de

um

rei.

O

batismo cris-

tão pressupõe a morte

e a ressurreição

de Cristo”

(Scroggie).

 

JtPodemos ver na entrevista com a samaritana um exemplo de como o Senhor Jesus ganhava uma al- ma. Notemos os seguintes pontoa:(g) Era um serviço individual e particular. E melhor, ás vezes, evangeli-

zar um do que mil.© Foi feito por quem estava can- sado. Nós, muitas vezes, quando cansados, abando-

namos o serviço.iç) Ele

pediu

quando quis

dar.

e

as-

sim

despertou

 

os

melhores

sentimentos

no

coração

da

mulher:

interesse,

simpatia,

generosidade,

prote-

ção.

Ele

provocou

a

curiosidade,

instruiu

a

igno-

rância.

revelou

uma

possível

bem-aventurança

(v.

10).

<)

Ele tocou na consciência, referindo-se ao pas-

sado. J3 Ele satisfez o desejo de saber e revelou o que é

culto aceitável

 

a

Deus.tg}

Ele

declarou

que

era

o

Cristo.

 
 

A

samaritana desconfia

(14-30).

Podemos

consi-

derar algumas perguntas que o incidente sugere:

 
 

1) Qual

é

o

dom de

Deust Há três

notáveis dons

referidos no N.T. - a) O Senhor Jesus mesmo (Jo

3.16). b)

A

vida

eterna

(Rm

6.23). c)

O Espirito

San-

to (1 Jo 3.24). 2) Qual é a água viva? A figura de água nunca se aplica a Cristo. Ele é chamado o Pão da Vida. mas nunca a água da vida. Ele dá a água (v. 10). A água é

reservada na Escritura como fígura do Espírito San- to (Jo 7.37-39).

3) Qual

é

a fonte

de

água que salta para a vida

eterna ?

Sem dúvida

é a

operação do Espirito no pró-

prio crente: a]

em novos

desejos para uma vida mais

espiritual; b)

no derramamento do amor

de

Deus no

nosso

coração:

c)

na

intima

satisfação

dos nossos

mais puros anelos (Goodman).

 

A lição principal do

trecho parece ser que

a

ver-

dadeira

adoração,

embora

expressada

materialmen-

te. é espiritual.

 

vsiíKv

 

* Podemos notar que neste trecho a palavra "ado-

rar" (empregada dez

vezes)

tem um sentido

geral

de

",servir

a Deus".

Muitos

se preocupam com o

o

lugar

do culto, outros

com

processo do culto, mas

o

es-

sencial é o espirito do culto. Podemos considerar:

 

1) O preparo

de

um

adorador.

O homem natural

náo está em condições

de servir

a

Deus

aceitavel-

mente. Há condições para servir a Deus:

 

© Uma entrevista com

o Salvador. (Este

é

o

em-

penho e serviço do evangelista: conseguir que seu ou- vinte venha a achar-se na presença de Cristo.)

(b) Sentir confíança Jesus.

e liberdade em

se

abrir com

(ç) Uma consciência despertada para julgar todo o seu passado na presença do Senhor.

d)

Descobrir que é conhecida, mas não condena-

do pelo Salvador.

 

2)

O objetivo

de

um adorador: ver o Pai, revelado

em Cristo. Jesus é digno de adoração porque: a) Ele

377

JéU

se manifesta em graça para com os maia indignos:, b) Ele sabe suprir a nossa maia urgente necessidade es- piritual íd Ele náo somente perdoa, maa protege.

3) Aa condicôes para adorar;

"em espirito

e

ver-

dade", necessitando, para iaao, de:(i) exercício espi- ritual, mas não de uma exibição intelectual ou de uma despesa material com vestimentas, incenso, música, etc.;^)) conhecimento e apreciação da “ver- dade" do Evangelho, tão positivo, tão profundo, que transborda em louvor e adoração.

4) O serviço de um adorador: testemunhar do Salvador, ainda que isto importe em confissão de

seu

que Ele sabe “tudo quanto tenho feito".

A ceifa e os ceifeiros (31-42). Aprendemos deste trecho: que evangelizar essa mulher era fazer a von-

tade de

Deus

(v.

34)', que

em tal

serviço hã satisfação

e sustento, comparãve) ao que as deriva do alimento material; que a ceifa pode estar maia próxima do que pensamos; que hã galardão por todo o serviço fiel; que quem principia um trabalho nem sempre o aca- ba; que o crer por informação de outros não é tão po- sitivo como crer por experiência própria.

A

cura de

um rapaz

(43-54). Vemos: o empenho

do pai em querer apresentar o filho a Jesus; a sua OJ-

siaténcia, sem discussão: a sua fé, quando compreen- deu que Jesus o curaria mesmo sem ‘'descer": a sua experiência, de acordo com a sua fé. na salvação de Deus; a sua convicção, e a de toda a família, em con- sequência do milagre.

Capitulo 5

A TERCEIRA VISITA A JUDÊ1A

 

Cura de um paralítico (1-15). Notemos

neste pa-

ralítico: o longo período

da sua

doença: 38 anos; que

seu mal resultou

do seu pecado

(v.14); que

ele

estava

jã sem esperança de

cura;

 

o

poder

da

palavra de

Cristo (v.

8): a responsabilidade da

fé:

“não

peques

mais”

 
 

Muitos manuscritos omitem o versículo 4.

 

1) Pensamos

do

doente:(a)

que durante

38

anos

ele tinha

nutrido uma esperança vã: o bem que espe-

rava

do poço. nunca obteve. - ^)

que sem

dúvida vivia

sofrendo:

inútil,

decepcionado,

triste,

mas

sempre

nutrindo

uma

fraca

esperança;(c)

que

(como

milha-

res hoje) nunca sonhava em poder obter algum be-

neficio

imediato

de

Cristo;

v3)

que

na

presença

de

Cristo

descobriu

novas

forças

físicas

-

podia

agora

obedecer, andar, e até mesmo carregar a sua cama:

(5)

que sua obediência

a

Cristo resultou

em

algum

conflito com os vizinhos que, no começo, com-

preendia

maia

a

salvação do que

o

Salvador, mas de-

pois testificou de quem o curara.

 
 

2) Pensamos de Cristo: a)

que toda necessidade

humana faz um apelo

ao

seu

coração; b)

que.

vendo

o

paralítico,

quis

servi-lo;

c)

que

achou

necessária

verificar

primeira

se

o

homem

desejava

provar

seu

poder;

d)

que

tinha

poder de conceder

saúde física (e

também

espiritual)

imediata,

completa,

permanen-

te.

e

exuberante; e)

que

quis ensinar ao homem que

sua doença

era resultado do

seu

pecado, e

encami-

nhá-lo na senda da santidade.

 
 

3) Pensamos

acerca doa vizinhos: a)

na sua

indi-

ferença diante da necessidade do homem; b)

na

sua

cegueira a revelação da

graça

de

Deus; c)

na sua

ig-

norância da pessoa, do de Cristo.

poder, do

caráter, e

do amor

378

U sermão que seguiu o sinal (16-47). Nos ouvintes

os

judeus

-

vemos:

uma

insensibilidade

espiritual.

apesar

de

presenciarem

aquela manifestação

do

be-

néfico poder de Deus; uma hostilidade

mortal que

queria matar

o

Benfeitor: um apego

às

particulari-

dades

 

dos

preceitos

religiosos,

sem

qualquer

 

com-

preensão do espirito desses preceitos.

 
 

No discurso de Jesus podemos notar aa seguintes

pontos: a

sua perfeita

sujeição ao Pai

e dependência

dele para poder

fazer as

obras de misericórdia (w. 19

e 30); que afirmou ser Ele mesmo o dador de vida

(vv. 21,24),

e

o

juiz (v.

27); aa quatro testemunhas: o

Pai

(w.37,38).

as

Escrituras

(w.39-44).

 

as

obras

(v.36), e Moisés (w. 45-47).

 
 

Sem dúvida devemos ver

uma

significação

bem

profunda no versículo 17. O descanso de Deus era

numa

 

obra

completa,

perfeita,

irrepreensível.

Mas

entrara o pecado, transtornando tudo. e

agora

num

mundo cheio de pecado e sofrimento, o Pai e

o

Filho

também operam incessantemente.

 
 

Convém meditar outra vez no tempo presente do

versículo 24: “Quem

e cré

...

tem

"

Muitas ve-

zes os pregadores nos dão a entender que

"quem ou-

viu

...

e

creu

...

terá

...

"

Que significa o tempo

presen-

te

na

experiência espiritual do leitor?

Veja-se

 

sobre

3.32-36.

 

Podemos entender o versículo 25 em sentido ma-

terial e físico, e também em sentido espiritual atual.

e

Dos versículos 28-47. çóes:

podemos tirar diversas

)i-

 

a)

Haverá duas ressurreições, uma para vida. ou-

tra

para juízo (v.

29). Outras escrituras que

falam do

assunto

são

1

Coríntios

15.42; Filipenses 3.11; Apo-

calipse 20.5.6.

 

b)

Ê

importante

afirmação

 

do

versículo

30.

Na

encarnação, o Filho de Deus fez-se realmente depen-

dente do Pai. como deve ser toda criatura humana.

 
 

c)

E importante a alusão

ã

vida

eterna

(v.

39),

que os judeus investigavam nos escritos dos profetas,

e que Jesus afirmou ser inerente a Ele mesmo.

 
 

d)

Um dos principais impedimentos da fé

(v.

44)

é a preocupação com as honras humanas.

Proposta emenda de

tradução

(v.

34):

"Eu

não

recebo testemunho do homem - mas digo o que vãs

recebereis". E no versículo 44: “E não buscando honra que vem do unigénito Filho de Deus?"

a

Capitulo 6

A

multiplicação de pães (1-14). Este milagre é

re-

gistrado pelos quatro evangelistas. E somente

João

que se refere ao rapaz que tinha os pães e os peixes

que serviram como base do milagre.

Ainda hoje, és

vezes, um rapaz tem alguma coisa

de que o Senhor precisa, e que não se encontra com

os adultos. Por exemplo: Deus quer um companheiro para algum jovem crente, e somente um rapaz pode ser esse companheiro. Deus quer um exemplo da

vida cristã no colégio, e

precisa

de um rapaz

para is-

so. Deus precisa de alguém para alegrar um lar cris-

tão. e procura uma criança para esse serviço.

Dos oito

milagres que João relata, esta se encon-

tra noa outras três evangelhos, e maia um (5.15-21)

em Mateus

e Marcos. Os outros

seis são relatados so-

mente por João. Faça-se uma lista deles.

QUUÍ um «no de ministério houve entre Joáo S

e

6. Então Jesus estava em Jerusalém: agora está na

Galiléia. Esta é a

única parte do ministério na Gali-

léia que é relatada por Joáo.

Esta narrativa revela

a

compaixão de

Cristo,

e

náo somente o seu poder. Mostra também que Ele nio descuidou das neceaaidadea do corpo (Scroggie) Andando sabre a água (15-21). A situação parece simbólica: noite tenebrosa: grande tempestade, e Je- aus, no alto, intercedendo (Mt 14.23): viagem longa e

perigosa, e. de repente, a vinda do Senhor - e a bo- nança surge.

Nove vezes,

em Joáo,

Jesus disse "Sou

eu”

Vale

a pena fazer uma lista dessas ocasióea.

 

Jesus é

o páo da

vida (22-59). A chave deste tre-

cho é o versículo 35. O versículo 29 náo quer dizer

que a fé é uma "boa obra", mas que nosso primeiro dever perante Deus é crer no Senhor Jesus, que Ele enviou (Goodman). Tréa vezes os judeus murmuram contra aa pala vraa de Criato. Oa tréa aaauntos em que tropeçaram

são os alicerces da

nossa fé:

1) a encarnação

(v.

41);

2) a expiação (v. 51); 3) a ressurreição (v. 62).

O versículo 47 ensina-nos mais uma vez, pelo em-

prego do tempo presente, que a fé de agora é o que nos faz gozar da vida de Deus. Náo é porque alguém creu, que terá; mas é quem cré que tem.

Pensemos no que significa

“crer"

e

quais

as

ca-

racteriaticas da vida que o crente goza. Por que ela se chama "vida eterna"?

Devido ã murmuração doa judeus (41-59), Jesus

prossegue com seus

ensinos

preciosos sobre

 

"a

ali-

mentação espiritual", que é Ele mesmo.

 

O Senhor

destaca

a verdade de

que Ele

é

o

ali-

mento do seu povo, por meio de: a) afirmação direta (v. 47); b) um tipo, o maná (w. 46-51); c) linguagem figurada: precisavam comer a sua carne e beber o

seu sangue - isto é, apropriarem-se, pela fé, da

eficá-

cia da sua morte expiatória (53,56); d)

uma analogia

maravilhosa (57). Como Ele mesmo vivia aqui pela fé em seu Pai, assim os seus viverão pela fé nele -

náo somente comendo ("phagein”, v.53) para rece- ber a vida, mas comenda (“trogein", v.56) para sus- tentar a vida.

que ma alusão direta à Ceia do Senhor, embora seja claro

Em tudo

iato devemos notar

náo

há nenhu-

que por meio dessa Santa Ceia, pela fé, nossas almas se alimentam dele. Limitar o sentido, porém, a esse

rito suscita grandes

dificuldades. Será que

somente

os que tomam a Ceia podem ta- vida nele? Não po- deremos alimentar-nos com o Páo da Vida a náo ser

em tais ocasióea? Eevidentemente inviável

assim li-

mitar o sentido (Goodman). Os versículo* 48,51 ensinam-nos acerca do "páo vivo”. Investiguemos o seguinte: Por que Jesus em- pregou a figura de páo? (Páo: é um alimento de to- dos os dias; de que nunca noa enfastiamos; sustenta sem prejudicar o organismo; combina bem com oa outros alimenLoa.) Devemos ler em íkodo 16 acerca do maná, o páo do Céu. e em Josué 5.11,12 acerca do "trigo da ter-

ra”. Em que sentido são ambos figuras de Criato? Qual a diferença? Oa versículos 51-56 empregam a figura da “car- ne" do Salvador. Em que sentido podemos comer sua carne e beber seu sangue? (Éprovável que signi- fique apropriarmo-nos pela fé, do valor da sua morte

JÊ*ê

expiatória.) Será que significa tomara Santa Ceiat Náo. náo pode significar isso. porque nenhum rito

nos pode dar vida eterna Contudo a Ceia é outra fi- gura da mesma verdade: a crente pode alimentar a

sua vida espiritual com Criato. pela fé. O versículo 56 dá-noa a idéia de uma intima asso- ciação espiritual com Cristo, tal que se chama per- manecer nele e Ele em nós. O versículo 57 dá-nos mais um pensamento pre- cioso: viver por Jesus, sendo Ele o sustento das noa sas almas. Podemos também viver com Ele. desfru- tando sempre da sua companhia, e viver para Ele. servindo sempre á sua vontade. Um dum discurso explicado (6(1-71). Jesus ensina que suas palavras devem ser compreendidas em sen- tido espiritual. Foi assim com o ensino do noro nas- cimento no capitulo 3, com a água viva no capitulo

4. com a vida que Ele dá no capitulo 5. e com a comi- da do capitulo 6. Oa versículos 60-63 ocupam -se com a pouca com- preensão doa discípulo*. Acham "duro" o ensino por- que o tomam ao pé da letra. Em vez de explicar o en- sino do pãn, Jesus deu o ensino ainda mais estranho:

acerca da ascensão.

A carne para nada aproveita (v. 63) pode

signifi-

car que comer de seu copo material náo lhes daria a vida espiritual a que Ele se referia. O leitor precisa ter cuidado em discriminar os vários sentidos em que se emprega a palavra “carne". Aa vexes é o corpo hu- mano; outras, a natureza pecaminosa que tende sempre á carnalidade. Do versículo 65 aprendemos que por instinto na- tural ninguém recorre a Criato para receber vida, mas que o Pai aponta Cristo pela Palavra, pelo Espi- rito, pelas suas providências, e assim consegue que oa homens, dispostos naturalmente a recorrer a re- cursos e expedientes humanos, venham a Cristo para

receberem vida espiritual dele.

Os versículos 66-69 ensinam que muitos náo po- dem acompanhar ensinos espirituais, e voltam para trás. A retirada desses foi ocasião para Pedro fazer a sua notável confissão de Jesus como o Cristo. Que significa "o Criato"?

Capitulo 7

A QUARTA E ULTIMA VISITA A JUDEIA

Podemos dividir este capitulo em tréa partes: an- tes da Festa (1-13); durante a Festa (14-36); no fim da Festa (37-52) (Scroggie).

Antes da Festa (1-13).

Notemos: porque Jesus

não podia continuar a ensinar oa judeus (v. 1); a di- versidade de pareceres a seu respeito (11-13); Jesus náo apreciada pelos seus irmãos (v. 5). Pensemos: oa irmãos eram mais moços do que Ele, e não sentiam a

influência do exemplo incomparável de seu irmão maia velho, ou eram filhos maia velhos de um matri- mónio anterior, que ligavam pouca importância ao

'‘pequeno ”f

Durante a Festa (14-36). Notemos a discussão de Jesus: a) Com os judeus (14-24), que achavam im- possível ser Jesus um ensinador competente, náo sendo Ele formado em qualquer dos seus seminários; b) com o povo: é triste quando pessoas, afirmando seus conhecimentos, apenas patenteiam sua igno-' ráncia (». 27). Diz Scroggie: “timbraram-se de Na-

379

zaré mas «aqueceram-se de Belém. O que

esqueces

pode roubar-te a

Criato"; c)

com oa servidores, que,

vindo prendê-lo, apenas

aprenderam que Ele

ia

reti-

rar-se (w. 33 e 34).

Ficaram muito

impressionado*

com aa palavras de Jesus.

 
 

No fim da Festa (37-52).

A

chave do

capitulo 6

é

"pão" e do capitulo 7

'‘Agua’'. No versículo 39 temos

a explicação do evangelista, confirmada pela riência de cerca de €0 anos.

expe-

 

Os versículo*

37.33

falam de

ter

sede.

vir, beber,

repartir. Nossa experiência quência?

coincide

com

essa

se-

 

O

dr.

Butlinger

oferece outra tradução destes

versículos: “Se

alguém

tem

sede.

que

venha

a

mim.

e beba: quem crê em mim, como

a Escritura diz

|de

mim |. dele

manarno no* de

água ",

Não

é

quem bebe

que se toma em fonte: quem bebe

to recebedor, mas

não o doador. “Dissensão por

causa dele"

(v.

43).

Desde

então

até

agora

as pessoas

são

classificadas,

espiritual-

mente, segundo a sua apreciação de Cristo. Os

mora-

listas apreciam o

seu

perfeito exemplo: os sentimen-

talistas

falam

dos

sofrimentos

dele:

os

intelectuais

notam seus ensinos sublimes: a*

cristãos

adoram a

Deus revelado em Cristo. Nicodemoa (v. 51) fala com cautela em favor de -Jesus, mas não faz uma declaração aberta da sua fé.

Capitulo 3

A

mulher

adultera (1-11). Aprendemos algumas

liçóes importantes do incidente:

 

a)

Jesus não tinha pressa dç censurar a transgres-

sora.

 

b)

Para julgar

o*

outros é preciso estar

sem peca-

do. Aprendemos de 1 Pedro 4. 1 que quando o pecado

não significa para nas prazer, mas sofrimento - no

corpo ou

no

espírito -

temos “twsado" dele.

e

então

podemos tratar do pecado de outros.

 
 

c)

Os mais culpados

são

o* primeiros

a

fugir da

presença do juiz.

 
 

d)

Só Jesus

pode dizer

com justiça “Não

te

con-

deno", porque somente com Ele hã expiação.

 
 

e)

A

exortação:

“Não

peques

mais

precisa

ser

atendida

 
 

Jesus se

diz

“a luz

do

mundo“ (12-20) e

ligamos

isto com o que precede: a luz revelara o pecado ocul-

to dos acusadores; a luz manifestara o perdão divino; a luz iluminara a senda da santidade <v. 11). O que Jesus afirma aqui sobre o testemunho de si mesmo mostra que devemos entender 5.31 em senti- do reservado. Ali parece que Ele quer dizer que seus ouvintes deviam atender Âs outras quatro testemu- nhas a seu respeito, e não querer que Ele afirmasse

qualquer coisa referente

ásua Pessoa:

“Ele

não quis

dizer que não dava nenhum restemunho de

ei. mas

que não o dava por si só: tinha a confirmação do Pai”

{Goodman).

Aprendemos do versículo 19 que Jesus é a perfei- ta e completa revelação do Pai. No porvir não vamos descobrir nenhuma caracteriatica divina que Jesus não tenha revelado.

Vários

discursos

instrutivos

(21-44).

Resumindo

os discurso* contidos neste trecho, o dr. Westcott diz que consistem de duas partes. A primeira (vv. 21-30) contém a apresentação do único objeto da fé e a de-

380

claração das conseqúéncias da incredulidade. Ter- mina com um grande afluxo de discípulos (v. 30). A segunda parte (31-53) apresenta uma anãlise do caráter essencial e as consequências de uma cren-

ça egoísta e

de um judaísmo falso.

Finaliza com o

primeiro assalto com violência contra o Senhor (v. 59) (Scroggie).

 

Podemos

colher

alguns

pensamentos

importan-

tes.

 

a)

Pela fé no Salvador é que alguém pode evitar a

triste sorte de morrer nos seus pecados (v. 24). bl A mensagem que Jesus deu ao mundo era mensagem do Pai (vv. 26-23).

a

 

c)

E possível falar da liberdade e ainda ser escra-

vo do pecado £w. 31-36).

 
 

d)

Filho,

no

sentido bíblico, é

alguém que apre-

senta o aspecto de seu pai (vv. 39-44). (Compare-se

Mateus 5.45.) Podemos ver

como neste trecho Cristo revela

a

verdade a respeito: a) de si mesmo (25.28.29); b) do

Pai (26,27.29); c) do discipulado (31); d) do pecado (34); e) da liberdade (36); f) dos filhas de Abraão (39): g) do Diabo (44).

 

Também podemos

considerar as seguintes per-

guntas: Que verdades de valor espiritual podemos saber sem Cristo? Que aprendemos de Deus através da natureza? (Rm 1). Que sabemos do Pai que Cristo nos revelou*’ Entre todos os crentes, quais são discí- pulos?

 

Jesus arguindo os adversários (45-50). Egrande a

perversidade dos homens maus: na aparência de re- ligiosos, na sua ação de combater o precioso ensino do Salvador. Vemos que é possível, quando falta es- piritualidade. atribuir a ensino sublime uma origem diabólica (vv. 43.52).

 

Cristo

e

a morte (51-59). Aprendemos

aqui que

alguém pode morrer fisicamente enunca “vera mor- te" no sentido espiritual da separação de Deus (v. 51). Um servo de Deus disse certa vez: “Se cortas- sem a minha cabeça, ndu interromperiam meu go- zo". seu gozo era espiritual!

O versículo 56 ensina-nos que a fé enxerga longe! Notemos o sublime “Eu sou” do versículo 53.

 

Ê provãvel

que

a

tradução do versículo 56 deva

ser: "Abraão rogou para ver o meu dia" (O. 144).

 

Capítulo 9

 
 

A

cp™ do

ceeo de nnscenca (1-38).

Vemos que o*

discípulos (como também fizeram os amigos de Jó) caíram no erro muito comum de atribuir toda doen- ça ao pecado, e assim de expressarem, na sua per- gunta, um contra-senso. Quando temos a certeza de que nassa doença não é por motivo de pecado, podemos esperar que algu-

ma obra de Deus se manifeste a seu respeito.

 
 

Notemos

algumas

coisas

que

eram peceaiánaB

para que o cego fosse curado:

 
 

a)

A presença, o interesse, o contato e o poder do

Salvador, y, 5

 
 

b)

A submissão e obediência Ho cego.

 

c)

A lavagem com a ãgua do poço_apontado.V. 3-

d)

A boa vontade do Pai (v. 4).

 

Notemos também algumas conseqúéncias da cu-

ra: Nova

que sempre

- o homem percebe agora mil coisas

o cercaram mas

que outrora

não

podia

discernir. E, sobretudo, ele viu seu Salvador! Nova

l

< L ^ ‘ *

* M

»

< V

JÊÍÊ

alegria em sentir-se liberto do pesadelo de inferion- dade que outrora o acabrunhava. Sovo serviço: pode agir e trabalhar como oa que véem. NQVO testemu- nhtj^do poder de Jeaua. Novo aofrimento. ao ser per- seguido pelos inimigoa do seu Salvador.

Notemos que um curral é um cercado - por leia e ordenanças - para que aa ovelhas náo fujam, ao paa- ao que o rebanho é composto de um grupo de ovelhas que não querem fugir, porque têm como centro o Bom Pastor.

 

Podemos também estudar:

 

Vemos neate trecho as caracteristicas do verda-

1) O que lemos de Criato. 2) O que lemoas do cego. 3) O que lemos dos fariaeus.

deiro pastor: 1) Náo é mercenário. 2) Ele meamo é o Salvador daa ovelhas. 3) Ele dá sua vida por elas. Notemos, referente á sua morte: que era voluntá-

^

1)

D* Criato

lemoa:

a)

que viu

o

cego e compade-

ria (v. 18); que ae realizava em obediência ao Pai (v.

ceu-ae dele;1b) que aabia a origem e a razão do aeu mal;2c) que resolveu não perder a oportunidade (v. 4) ; d) que empregou um meio estranho de curar^e) que enainou o cego a fazer alguma coisa i)f) que pro-

18); que era agradável a Deus (v. 17) - (Goodman). No versículo 8 evidentemente devemos subenten- der palavras não expressas: “Todo* quanto» vieram antea de mim |com pretenaóea de aer o Messias) ado

curou o homem abandonado (2 Tm 4.16,17) e o ins- 35truiu; g) que admoestou os fariseus. • -

Ladroe* e aalteadorea". Sabemos, pelo historiador Jo- seio. que havia naquele tempo várioa falsos Cristos.

 

2

Qo

cego

lemoa: a)

que obedeceu A

ordem de

(Veja-ae também Atoa 5.36,37).

que ae lavaaaç no tanquejlb) que admitiu aeu eatado de cegueira:*c) que teatificou do seu Salvador (w. 11.17); d) que confessou que não sabia (w. 12 e 25) e que sabia (w. 25,31.33); e) que descreveu o milagre <v. 15); f) que fez algumas perguntaa <w. 27,36); g) que sofreu perseguição: h) que creu e adorou (v. 38). 3) Doa fariseu* lemos: a) que indagaram a respei-

Criato, a porta daa ove Lha* (v. 9). No versículo 7 Jesus se declara Pastor das ovelhas (veja-ae "Our Translated Goapels". p. 108), mas aqui muda de fi- gura e ae chama a porta pela qual aa ovelhas podem entrar (Ele não diz para um curral), maa para um lu- gar de salvação, de liberdade (entrará e sairá) e far- tará.

to do milagre (v. 15); b) que reprovaram a Jesus <v.

Mais uma vez vemoa um conjunto de peoaoaa, aa

16);

c)

que

chamaram oa pais do cego

(w.

18,22); d)

ovelhas de Criato, não agora cercadas por um curral,

que mentiram (v. 24); e) que injuriaram o homem (v.

mas reunidas em torno de um Centro. Deuteronómio

28) e o perseguiram (v. 34); fí que perguntaram se elea meamos eram cegoa (40).

12.11 fala de um lugar onde havia de ser localizado o culto de Jeová, e todo o Israel havia de chegar para

 

O

dr

Scrxiggir

faz

sete

diviaóea deste capitulo:

eaae lugar santo. O N.T. fala de uma Peaaoa, e de

Beneficência (1-7). Surpresa (8.9). Investigação (10-

23). Confissão (24-33). Perseguição (34). Revelação

discípulos congregados em seu nome - as ovelhas em torno do Bom Pastor.

(35-38). Condenação (39 a 10.21).

Convém tomar

sentido

numa

proposta

emenda

 

Alguns penaamentoa

ligam ae

com

o

trecho 18-

de tradução dos versículo* 14, 15, devido a ter a pala-

41: a prudência doa pais. não querendo comprome-

vra grega “kai" dois sentidos, significando tanto e

lato quer dizer a mesma compreensão, intimida-

Notemos referente ãa ovelhaa de Criato que:

1)

ter-se para com oa fariaeua. Mas a prudência em cer- tos caaoa pode ser ezceaaiva.

como também. Assim devemos ler: “Eu aou o bom poatoe e conheço aa minha* ovelha*, e dela* aou co-

 

"Uma eoiaa sei"(v. 25).

Convém haver um teate-

nhecido, como o Pai me conhece a mim e eu conheço

munho positivo de fatos sabidos. O ódio doa fariaeua (v. 28); o diacurao do cego cu-

rado (w. 30-33). Vemoa que uma

pessoa, mesmo excomungada

o Pai. E dou a minha lida pela* ovelha*".

de. confiança e simpatia que existem entre o Pai e o Pilho pode haver entre o Bom Pastor e auaa “ove-

pelos chefes religiosos, pode estar com o Senhor Je- sus (v. 35)

lhaa" A Feata da Dedicação (22-42). Eata feata celebra-

 

Ver

ou ndo ver (39-41). “O Senhor,

que

não viera

va-ae durante uma aemana. em dezembro. Pora ins-

ao mundo para julgá-lo, maa para o salvar, pode, pela sua presença nele. trazer-lhe juizo. O resultado espiritual é que oa conacien tem ente cegoa - oa que

Capitulo 10

tituída por Judas Macabeus em 165 a.C. para come- morar a purificação do templo (Scroggie).

por iaao procuram a luz chegam a ver, enquanto oa que alegam que véem - oa que possuem apenas a sa-

ouvem a sua voz; 2) Cnato aa conhece; 3) aeguem-no; 4) gozam da vida eterna.

 

bedoria deste mundo - ficam cegoa. Oa fariaeua per-

“Eu

e

o

Pai soma*

um.

’’

A

palavra “um”

é

neu-

guntam qual a sua classificação com ae cegoa ou oa

tra. Náo significa, por iaao, uma peaaoa, pois iaao re-

videntes? O Senhor responde que elea meamos ae têm classificado, dizendo "Vemoa Se tiveaaem sido cegoa, o aeu pecado não teria permanecido” (Grani).

queria o masculino. Sabemos que na divindade há três Pessoas mas um só Deus. “Um” significa uma substância com o Pai. Aasim náo devemos confundir aa Peaaoaa ou dividir a substância (Goodman). Neate trecho o Penhor Jeaua declara definitiva-

 

Jeaua. o

Bom Autor (1-21). Notemos aa creden-

mente que Ele é o Messias, mas também afirme que o pecado impede a fé (v. 26).

ciais do verdadeiro

pastor.

 

1)

Ele entra

no

curral,

Notemos a expreamáo: "Am obraj de

meu Pai". Oa

isto é, a nação judaica, o povo eleito; 2) Ele entra pela porta - por submissão ã Lei, á circuncisão, o

milagres de beneficência eram obras do Pai, por se- rem feitas em dependência do poder do Alto, por ex-

selo do velho concerto:

3)

o porteiro, o Espirito San-

pressarem o desejo do Pai em fazer bem aos homens;

to. abre-lhe

a

porta

operando por

João

Batista; 4)

por provarem que o Pilho era a revelação do caráter e

Ele chama por nome aa auaa ovelhas, porque em Is- rael havia um restante piedoso para ouvir a sua voz:

coração do Pai. Vemos como os judeus queriam discutir com pe-

5)

Ele tira

aa

ovelhas para fora do curral do judaís-

dradas. Quem não tem argumentoa para apresentar

mo.

costuma apresentar pedras.

381

Jêiã ______

Capitulo 11

 
 

"Entra Joio 10

e 11

vem Lucas 11.1 a

17.10. e

oa

acontecimentos narrados em Joio 11 vim entre os

versículos 10

e

ll

de Lucas

17.

A

ressurreição de Lá-

zaro é o sétimo milagre registrado por Jok.

A

con-

trovérsia que foi

comecada

em

5.1-18, e

continuada

em 5.19

a 10.42. é concluída noa capítulos 11 e

12; e

nesta

conclusão vemos

o

amor que

simpatiza

(11.1-

37).

a

vida

que salva (11.18 a 12.11)ea

luz que

brilha

(12.12-50).

O

 

capitulo

11

tem

quatro

partes

princi-

pais,

todas

relacionadas

com

o

milagre:

sua

ocasiio

(1-16).

sua

aproximação

(17-32),

seu

cumprimento

(33-44), suas conseqOénciaa (45-57)" (Scroggte).

 
 

Jesus e Lázaro

(1-18). O capitulo divide-se natu-

ralmente em trés partes: a introdução

(1-16); o

sinal

(17-45); as conseqtténcias (46-57).

 
 

Notemos algumas liçõea no começo do capítulo:

 

1) oração náa respondida

(v.

3)

nem

sempre

indica

indiferença:

2)drmara

(v.

6)

nio

importa

falta

de

simpatia; 3)

o

que

nós chamamos calamidade, mui-

tas vezes é

para

a glória

de

Deus; o

bem resulta do

mal. quando

verdadeira

fé:

4)

a

é

fortalecida

por seu exerci cio noa dias som brios (v. 15); 5) a cora-

gem tem sua oportunidade noa dias tristes ou perigo- sos (v. 16) - (Goodman).

As duas

ir

mós (19-37). Maria e Marta, fornecem -

noa um estudo. Devemos consultar Lucas

10.38-42

para completar o quadro, e ainda mais Joio 12.1-12.

Vemos quio intimamente a

vida

e

a

ressurreiçio

sio identificadas com a pessoa do Salvador (v. 25).

Marta parece sentir que a conversaçio

estava

passando além da sua compreensio, e achou

melhor

chamar

Maria

para

ajudá-la

a

responder

convenien-

temente.

A

ressurreição

de

Lázaro

(38-45).

O

milagre

foi

notável, por aar a reaaurreiçáo de um defunto de qua-

tro dias! Nesta ocasiio vemos:

Jesus

comovido

(33)

na

presença da morte; Jesus simpatizando (v. 35) e

chorando com os que choram: Jeaua pedindo

que

ti-

rem a pedra, porque Ele nio faz milagroaamente o que nós podemos fazer; Jeaua orando e dando graças,

na certeza de que o Pai o ouvia; Jesus mandando o defunto sair do sepulcro: Jesus instruindo oa amigos