Está en la página 1de 5

UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO

ALUNO : JAIME J. DE LIMA JUNIOR

RA:221010976

MATERIA : FUNDAMENTOS ANALISE LABORATORIAIS.

PROF : KARINE.

CURSO : FARMACIA E BIOQUIMICA/GESTÃO DROGARIAS.

TRABALHO DE RESIDUOS QUIMICOS


DEFINIÇAO DE RESIDUOS

Constituem aquilo que genericamente se chama de LIXO,materiais sólidos


considerados sem utilidade,supérfluos ou perigosos gerados pela atividade
humana e que devem ser descartados ou eliminados.Esse conceito de
resíduo,pode pode ser considerado como uma invenção humana,pois em
processo natural não há lixo.

Embora o termo lixo se aplique aos resíduos sólidos em geral,muito se


considera de que o lixo pode ser reutilizado ou reciclado,desde que sejam
adequadamente tratados.

DEFINIÇÃO DE RESIDUOS PERIGOSOS

Todo resíduo que apresente características de PERICULOSIDADE para a


saúde ou para o meio ambiente,nomeadamente os definidos em portaria dos
ministros da saúde ,economia,da agricultura,do desenvolvimento rural e das
pescas e do meio ambiente em conformidade com a lista de resíduos
perigosos.

ALTA PERICULOSIDADE

Norma Técnica Brasileira (NBR 10.004) conceitua a periculosidade de um


resíduo como uma "característica apresentada por um resíduo, que, em função
de suas propriedades físicas, químicas ou infecto-contagiosas, pode
apresentar:

a) risco à saúde pública, provocando ou acentuando, de forma significativa,


um aumento de mortalidade por incidência de doenças, e ou;

b) riscos ao meio ambiente, quando o resíduo é manuseado ou destinado de


forma inadequada".

A periculosidade dos resíduos depende, em geral, dos seguintes fatores


(Proin/Capes & Unesp/IGCE, 1999):

• Natureza (inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade e


patogenicidade)
• Concentração
• Mobilidade
• Persistência e bioacumulação
• Degradação

No Brasil, os resíduos são classificados quanto à periculosidade, segundo a


Norma Técnica NBR 10.004, da seguinte maneira:

CLASSIFICAÇÃO QUANTO À PERICULOSIDADE (NBR 10.004)


Resíduos Classe I Apresentam risco à saúde pública ou ao ambiente,
caracterizando-se por terem uma ou mais das
(Perigosos) seguintes propriedades: inflamabilidade,
corrosividade, reatividade, toxicidade e
patogenicidade.
Resíduos Classe II Podem ter propriedades como combustibilidade,
biodegradabilidade ou solubilidade, porém não se
(Não-inertes) enquadram como resíduo I ou III.
Resíduos Classe III Não têm nenhum dos seus constituintes
solubilizados em concentrações superiores aos
(Inertes) padrões de potabilidade de águas.

1. Gerenciamento de resíduos:

- inventário: O responsável pelo laboratório tem que fazer um inventário


com a composição e quantidade de resíduos que existem naquele local.
Uma lista que tenha um levantamento da geração de resíduos (quantidade /
mês ou ano), também é muito importante.
-minimização: São procedimentos de re-utilização, recuperação e
tratamento de resíduos. Redução na quantidade e freqüência de utilização
de substâncias ou materiais perigosos.

2. Classificação de resíduos:

- Solventes clorados e não clorados:

-Metais pesados:
-Ácidos e bases:

-Aminas, cianetos e fenoes: resíduos perigosos

6. Rotulagem: Todos os frascos que contém resíduos devem ser


devidamente sinalizados pelo uso do rótulo padrão. É indispensável que
todas as informações estejam preenchidas e que haja um formulário de
descarte que deve ser entregue na hora da retirada dos resíduos.

7. Armazenagem: Deverão ser armazenados nos laboratórios os resíduos


para recuperação e os resíduos passíveis de tratamento ou destruição. Por
segurança, aconselha-se não juntar muitos resíduos no laboratório. O certo
é em cada lugar haver apenas um frasco, em uso, para cada espécie de
resíduo e nenhum frasco cheio aguardando ser tratado ou levado ao
depósito de resíduos.

- Os frascos de resíduos devem ficar lacrados.

- Os frascos para resíduos nunca podem ser rotulados somente como


“Resíduos”. Mesmo que não sejam enviados ao depósito de resíduos, deve
ser adotada a rotulagem de maneira correta.

- Ao utilizar frascos de reagentes para os resíduos, deve-se tirar por inteiro


a etiqueta anterior, para evitar confusões na identificação precisa do seu
conteúdo.

- Frascos usados para resíduos ácidos e básicos devem ser guardados em


locais distintos, para evitar confusões no momento do descarte. O mesmo
deve ser feito para resíduos ácidos e orgânicos.

- Em hipótese alguma deve-se guardar frascos de resíduos na capela.

- Em hipótese alguma deve-se usar embalagens metálicas para resíduos.


Mesmo próximo à neutralidade, sólidos e líquidos podem corroer
facilmente este tipo de embalagem.
-Nunca deve-se guardar frascos de resíduos perto de fontes de calor ou
água.

8. Possibilidades de descarte de resíduos: As possibilidades de descarte de


um resíduo são primeiramente tentar reutilizá-lo ou reciclá-lo.Caso isto não
seja possível deve-se encaminhar o resíduo para o descarte final por meio
de incineração ou aterro químico industrial.
9. Livros a disposição na biblioteca sobre descartes de resíduos:

METAIS :Gerenciamento da toxicidade: Azevedo,Fausto Antonio.


Avaliação higiênica e operacional de máquinas lavadoras de louças
Industriais e teste para identificar resíduos de detergente e amido em
utensílios lavados macanicamente.