Está en la página 1de 5
Luiz Carlos Susin (organizador) SARCA ARDENTE TEOLOGIA NA America LATINA: PROSPECTIVAS Sanga fnoenre 8 ¢ tedlogas que trabalham o tema da incultu- e da simbologia nos ajudam nessa tarefa de in- rar tal sabedoria em nossa reflexao teoldgica. 5. Inculturagao da fé e dialogo com outras reli- A partir de Puebla e mais particularmente a ir de Santo Domingo, estamos levando adiante esse il projeto de inculturar a fé nas novas culturas. Pusemos nossa atengao principal nas culturas indi- genas e afro-americanas. Mas esse esforco é necessa- rio também na cultura juvenil, nas aglomeragoes ur- banas populares, no mundo das comunicacées etc. Ainda falta-nos definir adequadamente o signifi- cado da inculturagao e viver experiéncias reais de uma comunidade crista indigena ou afro-americana. Essa é uma das tarefas pendentes. 6. Didlogo com a nova cultura global da socieda- de. De fato, ha uma mudanga de paradigma global da sociedade, proveniente das mudangas nas ciéncias e na linguagem para a comunicacao. Tal mudanga afe- ta profundamente nossa percepcao da sociedade e 0 papel das Igrejas e da Teologia. Nao basta continuar reafirmando verdades tao sagradas como a op¢do pe- los pobres e a Igreja profética. Todas as nossas afir- macoes e opgées devem ser situadas nesse novo con- texto cultural de um mundo diferente. (Traducdo do espanhol por José Afonso Beraldin.) ae 40 Teotocra na AMERICA LATINA: PROSPECTIVAS Um balango da Teologia da Libertagdo como intellectus amoris Eno MOLLER Brasil Creio que o “balango”: a crise da Teologia da Li- bertagao, ja tem sido suficientemente discutido aqui, ao menos para os propésitos de um painel introdutério. E certamente nao quero, com o que segue, minimiza- lo. A unica pretensao é tentar mostrar outro lado da crise, sinalizando para elementos de continuidade pro- funda em meio aos sinais de descontinuidade na su- perficie. Uma analise dos textos produzidos pela Teologia da Libertagao entre os anos de 1989 e 1993 e que tematizam a crise dos mais diversos angulos seria um empreendimento fecundo. Primeiras sistematizagées ja podem ser encontradas em panoramicas como as de Joao B. Libanio! e José Ramos Regidor?. Meu proposi- to aqui é apontar para outro conjunto de textos do mesmo periodo. Sao textos ricos na visao retrospectiva que mostram da Teologia da Libertagao e ricos tam- bém por sua qualidade programatica e prospectiva. 1 Lipanto, Joao Batista. Panorama de la teologia de América Latina en los ltimos veinte afos. In: Comaun, José et alii, orgs. Cambio social y pensamiento cristiano en América Latina. Madrid, Trotta, 1993. pp. 57-78 e Panorama da Teologia na América Latina nos ultimos vinte anos. In: Linamio, J. B. & Antoniazzi, A. 20 Anos de Teologia na América Latina e no Brasil. Petropolis, Vozes, 1994. pp. 9-95. 2 Ramos Recipor, José. Vinte e cinco anos de Teologia da Libertagao. In: Borr, L. et alii, A Teologia da Libertacdo: balango e perspectivas. Sao Paulo, Atica, 1996. pp. 17-97. 41 SARGA ARDENTE O elemento de fundo que os une é 0 motivo do amor como fundamento da Teologia da Libertacdo*. Quero comecar com um texto de Jon Sobrino publicado em 1988*. Nele, Sobrino analisa a Teologia da Libertacao desde um viés que busca seus motivos fundamentais, um pouco ao estilo da Motivforschung da Escola de Lund na primeira metade do século XX. Sua conclusao é que a Teologia da Libertagao “é antes de tudo um intellectus amoris, inteligéncia da realiza- cao do amor historico aos pobres deste mundo e do amor que nos faz afins 4 realidade do Deus revela- do”®. Para Sobrino, esta é “a maior novidade tedérica da Teologia da Libertacao”®. Suas analises do que isso implica em termos de descentramento do ser e do que chama de “principio misericérdia”’ continuam sendo altamente relevantes para uma teologia latino-ameri- cana no contexto mundial da virada do milénio. Um segundo texto que quero destacar é de José Miguez Bonino, publicado em 1989%, e que igualmen- * Analisei brevemente alguns desses textos em meu livro Teologia da Libertacdo e Marxismo: uma relacao em busca de explicagao. Sao Leopoldo, IEPG/Sinodal, 1996. pp. 162-164. * Soprino, Jon. Teologia en un mundo sufriente: la Teologia de la Liberacion como intellectus amoris. Revista Latinoamericanade Teologia v. 15, 1988, pp. 243-266. *Idem., p. 259. 6 Idem., p. 261. * Cf. 0 titulo do livro de J. Sobrino, do qual este artigo agora faz parte: Principio misericérdia. Petropolis, Vozes, 1994. 8 Micurz Bono, José. Love and Social Transformation in Liberation Theology. In: Euis, Marc. & Mapuro, Otto. orgs. The Future of Liberation Theology: essays in honor of Gustavo Gutiérrez. Maryknoll, Orbis, 1989. pp. 121-128. 42 Teotocre na AméazcA LATINA: PROSPECTIVAS te procura desvendar as aguas profundas da Teologia da Libertacao. Muito freqtientemente, na teologia norte-atlan- tica, a Teologia da libertagao latino-americana € per- cebida como predominantemente — ou até exclusiva- mente — centrada em fenoémenos estruturais, macrossociais. Uma consideragao mais cuidadosa e com mais discernimento, todavia, teria notado desde o principio que esse trabalho analitico era um instru- mento para uma melhor compreensao da “condigao humana” das pessoas envolvidas, a servigo daquele “dialogo salvifico” que Gustavo Gutiérrez definiu no inicio dos anos 60 como a missao da teologia®. Em seguida Miguez Bonino passa a analisar “um dos motivos basicos que, no meu entender, desempe- nhou e continua desempenhando um papel funda- mental na linguagem, na experiéncia e na espirituali- dade da Teologia da Libertacdo: 0 motivo do amor”. O projeto maior das comunidades e da Teologia da Libertacao é, segundo ele, “um projeto de amor, um amor ativo, responsavel, construtivo e licido, em que a livre recepcéo do amor de Deus e a abertura em confianga para 0 préximo se pressupdem e se impli- cam mutuamente”. Como a palavra amor esta infla- cionada em nosso tempo, Bonino define melhor o que entende por amor: “uma solidariedade vivida nas si- tuacées conflitivas criadas pela luta dos pobres con- tra a injustica, a exploracao e a alienacao”””. * Idem, p. 121. 1 Idem, ibidem. 1 Idem., p. 123. » Idem., p. 125. 43