Está en la página 1de 2

tica I

Chau

tica e moral: sujeito reflete, indaga e no se baseia em concluses morais, se baseia


na racionalidade, no h tica sem reflexo

tica se difere da violncia: O oposto de violncia no a paz, a tica, a partir que


eu desconsidero o outro, e vejo-o como objeto, estou usando da violncia.

Scrates

tica diferente de moral: Scrates no ficava satisfeito com a conduta e questionava


os atenienses, O que a verdade? Scrates era racionalista, sua concepo de
homem que o dever que ira te tornar tico e no o desejo.

Aristteles

Saber pratico e saber terico, A tica se da a partir da relao e um sujeito com o outro

Praxis: Ao + Sujeito. Finalidades

Contribuiu para o conhecimento da realidade, ontologia: Ao humana, tica e pratica

Cristianismo

Seguida pela razo, a sociedade egosta e perversa, introduz nova idia na moral: a
do dever. tica e moral caminham juntas, o homem em si e por si incapaz de realizar
o bem e a virtude. Sujeito heternomo. Somos fracos e pecadores divididos entre o
bem (conscincia) e ao mal (submisso tentao demonaca)

Rousseau

O conceito de conscincia moral e dever so inatos. Se o dever de ser tico parece


uma imposio de Deus aos homens, porque nossa bondade foi corrompida pela
sociedade, quando criou a propriedade privada.

Para Rousseau, o homem naturalmente bom, a moral inata ao corao do homem,


obedecendo ao dever (lei divina), estamos obedecendo a ns mesmos. O dever s
nos fora recordar a nossa natureza originria, portanto s em aparncia imposio.

Kant

Fim do sculo XVIII, se ope a moral do corao de Rousseau, entrou a razo, difere
razo pura de razo terica, a tica se d pela autonomia. Dobrar os apetites,
imperativos categricos. Ao por interesse (egosmo), usar as coisas e as pessoas
como meios e instrumentos para o qual desejamos. A razo universal independente
da cultura. A grande contribuio de Kant para o campo da tica: transcendncia,
tempo espao e cultura.

Hegel
Pensa no sujeito como um ser histrico e cultural, alm da nossa vontade individual e
subjetiva, existe outra vontade humana mais poderosa, que a objetiva e esta se
encontra na sociedade, famlias, religies. A tica construda nas relaes das
instituies.

Freud

Desmistifica a razo humana, tira a posio antropocntrica do homem com teorias


at ento inexistentes, dando ao homem um inconsciente com desejos de natureza
sexual. O homem constitudo de estruturas psquicas que permitem ao homem
satisfazer seus desejos inconscientes de natureza socialmente aceita.