Relatório  sobre  as  Torturas,  Violações  dos  Direitos  
Humanos  e  Condições  de  Saúde  
 

Denunciadas  pelos  24  Presos  Saharauís  de  Gdeim  Izik  no  Julgamento  de  
1,  8  –  16  de  Fevereiro  de  2013  no  Tribunal  Militar  de  Rabat  
 
 
 
 
 
(relatório  elaborado  com  base  na  informação  recolhida  pelas  observadoras  presentes  no  julgamento)  

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Março  de  2013  
1  
 

 

 

 

 
 
 
Celebrou-­‐se,  entre  os  passados  dias  8  a  16  de  Fevereiro  de  2013,  no  Tribunal  Militar  de  
Rabat,  o  julgamento  de  25  presos  políticos  saharauís,  encarcerados  desde  Novembro  de  2010.  
A  ACOSOP,  através  das  suas  observadoras,  Isabel  Lourenço  e  Rita  Reis,  constatou,  além  
das  irregularidades  legais,  denunciadas  no  relatório  emitido  pela  Fundación  Sahara  Occidental,  
missão  na  qual  estiveram  incluídas,  que:  
a) Ao   longo   de   todo   o   julgamento,   tanto   a   defesa   como   os   presos,   declararam    
constantes   e   graves   violações   dos   direitos   humanos   por   parte   das   autoridades  
marroquinas;  
b) O   processo   de   detenção   dos   presos   não   seguiu   os   trâmites   legais,   convertendo-­‐se,  
em   muitos   casos,   em   sequestros,   em   que,   por   diversas   ocasiões,   os   presos  
estiveram  dias  em  paradeiros  desconhecidos;  
c) Todos   os   presos   foram   detidos   no   Sahara   Ocidental,   ocupado   por   Marrocos,   tendo  
sido   deslocados   para   a   prisão   de   Salé   II,   em   Rabat,   situada   a   centenas   de  
quilómetros  das  suas  famílias  e  da  sua  terra  natal;  
d) A   saúde   dos   24   presos   se   encontra   gravemente   afectada,   tanto   de   um   ponto   de  
vista  físico  como  psicológico;  
e) Durante   as   diversas   sessões   do   julgamento,   vários   presos,   como   Ahmed   Sbai   e  
Laaroussi   Abdeljalil,   deixaram   a   audiência,   sendo   encaminhados   para   o   Hospital  
Militar  Universitário  Mohamed  V.  Nos  referidos  casos,  as  declarações  dos  médicos,  
lidas  em  tribunal,  não  coincidiram  com  as  queixas  e  sintomas  dos  presos;  
f)

Nove   dos   presos   apresentam   problemas   físicos   considerados   graves,   devido   às  
torturas  que  sofreram  na  prisão;  

g) Um  número  significativo  de  presos  declarou  padecer  de  doenças  (como  diabetes,  
problemas   cardíacos   ou   de   estômago),   sem   receberem   os   devidos   cuidados   e  
medicamentos  na  prisão;  
h) Todos   os   presos   declararam   ter   sido   vítimas   de   tortura   física,   psicológica   e/ou  
sexual;  
i)

Dez   dos   presos   referiram   já   ter   sido   torturados   dentro   do   Tribunal   Militar   de  
Rabat,   e   no   Tribunal   de   Primeira   Instância   de   El   Aaiún,   perante   os   Juízes   de  
Instrução,  referindo,  ainda,  a  presença  de  outros  presos;  

j)

Tanto   os   presos   como   os   advogados   de   defesa   pediram   a   realização   de   exames  
médicos,  para  se  verificar  a  prática  de  tortura,  negado  pelo  juiz;  

2  
 

 

 

 

k) De   acordo   com   as   declarações   do   Procurador   do   Rei   e   do   Presidente   dos   Juízes,   os  
presos  assinaram  uma  declaração  em  como  não  tinham  estado  sob  tortura,  prática  
que  não  se  verifica  nos  países  onde  a  mesma  não  é  utilizada;  
l)

Em   diversas   ocasiões,   o   Presidente   dos   Juízes   fez   alusões   depreciativas   à  
escolaridade   dos   presos,   referindo   que   estes   não   tinham   capacidade   e  
conhecimento  para  perceber  e  debater  leis  e  o  processo.  

m) De  acordo  com  os  testemunhos  dos  presos,  as  documentações,  quer  declarações  
como   confissões,   apresentadas   pelo   Procurador-­‐Geral   do   Rei,   são   idênticas   para  
todos  os  acusados,  havendo  frases  e  parágrafos  inteiros  exactamente  iguais.  
n) Os   presos   declararam   que   se   encontravam   exaustos,   pois   a   polícia   os   retira   da  
prisão  às  5  horas  da  manhã  e  regressam  sempre  depois  da  meia-­‐noite.  
o) Todos   os   presos,   apoiados   pela   defesa,   pediram   a   realização   de   exames   médicos  
que  comprovassem  as  torturas  a  que  tinham  sido  submetidos.  
 
De  todos  os  testemunhos,  todos  declararam  ter  estado  sob  tortura  física  e  psicológica  
e   cinco   sob   tortura   sexual,   sendo   que   nove   mostraram,   em   tribunal,   marcas   e   cicatrizes  
originadas   pela   tortura.   Sete   declararam   já   ter   sido   torturados   dentro   do   Tribunal   Militar   de  
Rabat.  A  maioria  dos  presos  declararam  ter  sido  sequestrados,  todos  assinaram  as  confissões  e  
declarações  sob  tortura.  Sete  relataram  ter  problemas  de  saúde  graves.  A  maioria  dos  presos  
afirmaram   já   ter   pedido   a   realização   de   exames   médicos   para   atestar   a   prática   de   tortura,  
tendo   sido   reiterado   pelos   advogados   de   defesa   e   pelos   presos,   durante   as   sessões   do  
julgamento.    
No   que   se   refere   às   torturas   que   os   presos   alegaram   ter   sido   vítimas,   estas   incluem  
(muitas   delas,   segundo   os   relatos   dos   mesmos,   foram   passadas   de   olhos   vendados   e  
amarrados):  
 
a)  Espancamentos   sucessivos,   com   diversos   objectos,   que   incluem   cassetetes   ou  
sapatos;  
b) Tortura  do  sono;  
c) Inibição  de  alimentos  e  bebida;  
d) Exposição  ao  frio,  retirando-­‐lhes  todas  as  roupas  e  mantas;  
e) Técnica  da  Bebida  Sueca  (Sweden  Drink):  obrigação  de  ingestão  de  fezes,  urina  e  
insectos  (como  baratas)  e  todo  o  tipo  de  detritos;  
f)

Técnica  do  “Cinzeiro”:  onde  lhes  são  apagados  cigarros  no  corpo;  

3  
 

 

 

 

g) Técnica  da  “grelha”:  serem  amarrados  (na  posição  Leonardo  da  Vinci),  despidos  e  
vendados,  sujeitos  a  violência  física  e  sexual;  
h) Técnica   da   “Dajaja”   (Frango   Assado):   onde   os   presos,   despidos,   são   presos   pelas  
mãos   e   pelos   pés,   num   varão   horizontal,   sendo   torturados   física   e   sexualmente  
com  choques  eléctricos;  
i)

Remoção  das  unhas  dos  pés  e  das  mãos  com  tenazes;  

j)

Violação  sexual  com  diversos  objectos,  como  cassetetes,  barras  de  ferro,  etc;  

k) Molestação  sexual;  
l)

Torturas  em  grupo;  

 
Relativamente  à  tortura  psicológica,  os  presos  relataram:  
a) Ameaças  de  diversas  ordens  (inclusive  de  violação  sexual)  às  suas  famílias;  
b) Proibição  das  visitas  dos  familiares;  
c) Racismo  e  xenofobia  por  parte  dos  agentes  de  autoridade;  
d) Obrigação  de  assistir  às  torturas  de  outros  presos;  
 
Os  presos  identificaram  como  torturadores:  
a) El  Isaoui  Hamid,  enfermeiro  na  prisão  Salé  II;  
b) Hafid  Benchacherm,  Delegado  das  prisões;  
c) Hassan  Hafdal  (Mehfadi  Hassan),  funcionário  prisional;  
d) Yousi  Bouziz,  funcionário  prisional;  
e) Hafari,  funcionário  da  policia  
f) El  Luali;  
g) Bou  Astiya    
 
Identificando  a  prática  da  tortura  na  presença  de:  
a) Director  da  prisão  Salé  II;  
b) Juízes  de  Instrução  no  Tribunal  Militar  de  Rabat;  
c) Juízes  de  Instrução  do  Tribunal  de  Primeira  Instância  de  El  Aaiún;  
 
 
 
 
 
 
4  
 

 

 

 

 
Declarações  individuais  dos  presos:  
 
1. Enaâma  ASFARI,  d.n.  1970  
Pena:  30  anos  
Asfari   é   vice-­‐presidente   do   CORELSO   (Comité   pelo   Respeito   das   Liberdade   e   Direitos  
Humanos   no   Sahara   Ocidental).   Já   tinha   estado   preso   em   Tan-­‐Tan,   em   2009,   devido   às   suas  
actividades  pacíficas  em  defesa  dos  direitos  humanos.  
Durante  onze  horas  Asfari,  voltou  o  seu  discurso  para  as  questões  políticas  do  processo  
e  da  detenção  dos  24  presos.  
Declarou  já  estar  preso  à  data  do  desmantelamento  de  Gdeim  Izik.  Foi  detido  dia  7  de  
Novembro   de   2010,   tendo   estado   cinco   dias   em   paradeiro   desconhecido,   com   um   grupo   de  
homens,  “sem  comer  nem  beber  (…)  com  a  polícia  a  espancar-­‐nos”.  
Declarou  que  todas  as  confissões  foram  assinadas  sob  tortura  e  contra  a  sua  vontade,  
sublinhando   que   os   documentos   apresentados   continham,   como   forma   de   assinatura,   a   sua  
impressão  digital,  Asfari  afirmou  que  possui  habilitações  académicas  superiores  e  sabe  assinar  
o  nome.    
Referiu   que,   durante   o   julgamento   no   Tribunal   de   Primeira   Instância   de   El   Aaiún,  
estava   com   cerca   de   40   pessoas,   e   não   tomou   conhecimento   do   que   estava   escrito   nos  
documentos.  
Citou  ainda  os  relatórios  de  várias  organizações  marroquinas  de  direitos  humanos,  da  
Amnistia  Internacional  e  da  Human  Rights  Watch,  que  referem  as  torturas  a  que  são  sujeitos  
os  presos  políticos  saharauís  nas  prisões  marroquinas.  
 
2. Mohamed  TAHLIL,  d.n.  1981  
Pena:  20  anos  
Thalil   declarou   que   nunca   esteve   em   Gdeim   Izik   nem   fazia   parte   dos   fundadores   do  
acampamento.   Foi   detido   com   dois   amigos   num   café   em   El   Aaiún,   em   Dezembro   de   2010,  
quase  um  mês  após  o  desmantelamento  do  acampamento.  
Afirmou   ter   sido   torturado,   inclusive   dentro   do   presente   tribunal,   bem   como   ter  
assinado  todas  as  confissões  e  declarações,  vendado  e  sob  tortura.  
 
 
 
 
5  
 

 

 

 

 
3. Hassan  DAH,  d.n.  1987  
Pena:  30  anos  
Declarou   ter   sido   torturado   no   momento   da   sua   detenção   em   El   Aaiún,   na  
Gendarmería   e   no   presente   tribunal,   bem   com   que   todas   as   suas   assinaturas   foram   obtidas  
sob  tortura.  
Às  declarações  sobre  a  tortura,  o  Procurador-­‐Geral  do  Rei,  interrompe  afirmando  que  
Dah  mente  quando  afirma  que  foi  torturado.  
 
4. El  Bachir  KHADDA,  d.n.  1986  
Pena:  20  anos  
“Sofro   de   tortura”   foram   das   suas   primeiras   palavras.   Relatou   ter   sido   sequestrado   em  
El   Aaiún,   juntamente   com   Mohamed   Tahlil   e   Hassan   Dah,   tendo   sido   torturados,   por   tempo  
indefinido,  uma  vez  que  ficou  inconsciente  “devido  às  torturas”.    
Assinou  as  declarações  e  confissões  sob  tortura  e  ameaça  de  violação.  
Pela   primeira   vez,   o   Procurador-­‐Geral   do   Rei   declara   que   os   presos   assinaram  
declarações  em  como  não  tinham  estado  sob  tortura.  
Durante   o   depoimento   de   Khadda,   diversas   vezes,   a   defesa   insistiu   para   que   o  
Presidente   dos   Juízes   não   ofendesse   nem   humilhasse   o   réu,   acusando-­‐o   de   ser   depreciativo  
face  às  suas  declarações.    
 
5. Abdullahi  TOUBALI  (Etawbali  Abdalahi),  d.n.  1980  
Pena:  25  anos  
Membro  do  Comité  de  Negociação  de  Gdeim  Izik.  
No  dia  7  de  Novembro  de  2010,  Toubali,  devido  a  um  atropelamento,  deslocou-­‐se  para  
o   hospital   militar.   Relata   que   não   ter   sido   admitido,   deslocando-­‐se   para   casa.   Sublinhando  
existirem  testemunhas  que  o  confirmam.  
Declarou   ter   sido   sequestrado,   despido,   espancado,   ameaçado   de   violação   com   uma  
lâmpada,  inibido  de  alimentação.  Refere  ter  sido  torturado,  inclusive  no  Tribunal  de  Primeira  
Instância  de  El  Aaiún  -­‐  onde  foi  presente  sem  advogado  -­‐  e  no  avião  (para  Rabat).  Afirmou  ter  
assinado  as  declarações  sob  tortura  e  vendado.  
Esteve   na   mesma   sala   de   tortura   de   Houssin   Ezzaoui,   que   estava   bastante  
ensanguentado,  “amarrado  como  uma  ovelha”.  
Identifica   um   dos   torturadores,     El   Isaoui   Hamid,   que   trabalha   como   enfermeiro   na  
prisão  Salé  II.    
6  
 

 

 

 

Toubali,  mostrou  cicatrizes,  presentes  no  seu  corpo,  fruto  das  torturas  sofridas.  
 
 
6. MACHDOUFI  Ettaki  (Ettaki  Elmachdoufi),  d.n.  1985  
Pena:  Pena  Cumprida  
Afirmou  ter  sido  detido  enquanto  ajudava  uma  idosa,  por  oito  agentes  da  autoridade,  
tendo  sido  torturado  física  e  psicologicamente.  Foi  levado  para  um  acampamento  militar,  onde  
foi   novamente   torturado   e   espancado   com   cassetetes   durante   aproximadamente   uma   hora.  
Quando   foi   levado   para   a   esquadra   de   El   Aaiún,   voltou   a   ser   espancado,   inclusive   por   um  
suposto   médico,   “batem-­‐me   de   uma   maneira   muito   racista”.   Esteve   cinco   dias   detido   (note-­‐se  
que  a  legislação  marroquina  apenas  permite  o  prazo  máximo  de  três  dias),  foi  despido.  Estava  
com  Mohamed  Ayoubi.  
Não  podia  dormir,  foi  encharcado  com  dejectos  e  apenas  podia  beber  água  da  sanita.  
Defendeu   ter   sido,   juntamente   com   outras   pessoas,   torturado   dentro   do   presente  
tribunal,  na  presente  sala  de  audiências,  reconhecendo-­‐a  através  da  frase  corânica  presente  na  
parede.   Com   ele   estavam   Cheikh   Banga,   Enaâma   Asfari,   Mohamed   Ayoubi,   entre   outros  
(presos   confirmaram   perante   o   Presidente   dos   Juízes).   Afirmando   que   existem   provas   das  
torturas  nas  celas  marroquinas:  através  do  sangue  presente  em  todas  elas.  
Quando   foi   para   a   prisão   de   Salé   II,   foi   novamente   torturado,   pelo   “enfermeiro”   El   Isaoui  
Hamid  e  Hafid  Benchacherm,  estando  cinco  meses  sob  diversas  formas  de  tortura,  juntamente  
com  Cheikh  Banga.  
 

Declarou  que  tudo  o  que  assinou  foi  sob  tortura  e  que  no  julgamento  no  Tribunal  de  

Primeira  Instância  de  El  Aaiún  não  teve  advogado.  
 

Acabou   o   seu   depoimento   revelando   o   nome   de   alguns   dos   torturadores:   Hafid  

Benchacherm   (delegado   das   prisões),   Hassan   Hafad,   Yousi   Bouzir   e   El   Isaoui   Hamid,  
enfermeiro  em  Salé  II.  
 
7. Mohamed  Lamin  Haddi,  d.n.  1980  
Pena:  25  anos  
“A  minha  situação  de  saúde  é  inaceitável”,  foram  das  primeiras  palavras  de  Haddi,  que  
declarou  ter  sido  torturado  dentro  do  presente  tribunal,  afirmando  conhecer  o  torturador.  
Relatou  ter  sido  detido  em  El  Aaiún,  pela  polícia  secreta,  tendo  sido  torturado  física  e  
psicologicamente,   afirmando   ter   sido   espancado   “muito   violentamente,   em   todo   o   corpo”.  
Relatou  ter  sido  transportado  de  avião  até  ao  presente  tribunal,  onde  foi  presente  vendado  e  
em  estado  de  saúde  crítico.  
7  
 

 

 

 

Afirmou   ter   estado   quatro   meses   sob   tortura   pelas   mãos   de   Hafari,   Hafid  
Benchacherm,   El   Isaoui   Hamid   e   mais   quatro   torturadores,   durante   quatro   meses.   Relatou  
que,   sempre   que   se   recusava   a   cantar   o   hino   marroquino   ou   a   dizer   “viva   o   rei   [Mohamed   VI]”  
era  torturado.  
Afirmou  ter  assinado  todas  as  declarações  sob  tortura.  
 
8. Brahim  ISMAILI,  d.n.  1970  
Pena:  Prisão  Perpétua  
Brahim  Ismaili  referiu  ser  activista  saharauí,  já  ter  sido  sequestrado  e  preso  em  1987,  
tendo  passado  8  meses  numa  prisão  secreta  em  El  Aaiún.  
(A   reduzida   informação   acerca   de   Ismaili,   prende-­‐se   com   o   facto   de   ter   deposto   em  
menos  de  quinze  minutos)  
 
9. Cheikh  BANGA,  d.n.  1989  
Pena:  30  anos  
Declarou  que  assistiu  ao  desmantelamento  de  Gdeim  Izik  pelas  forças  marroquinas,  viu  
incendiarem   tendas   e   maltratarem   mulheres.   Afirmou   que,   após   a   detenção,   lhe   foi   infligida  
tortura  física  e  psicológica,  atestando  ter  cicatrizes  no  corpo  que  o  podem  provar.  
 
10. Mohamed  AYOUBI,  d.n.  1956  
Pena:  20  anos  
 

Ayoubi   aguardou   em   liberdade   o   julgamento,   devido   à   sua   debilitada   condição   de  

saúde.    
 

No   dia   da   sua   detenção,   relatou   ter   visto   a   sua   tenda   ser   invadida   por   um   grande  

número  de  militares,  afirmando  ter  sido  violado,  sodomizado  e  violentamente  espancado.  
 

Quando   foi   levado   para   a   Gendarmería,   relata   ter   sofrido   diversos   tipos   de   tortura,  

entre  as  quais  violação  –  como  resposta  do  seu  pedido  para  ser  assistido  por  um  médico  –  com  
diversos   objectos,   relatou   ter   sido   torturado   nos   testículos,   obrigado   a   beber   fezes   e   urina,  
como  lhe  terem  metido  um  trapo  muito  sujo  e  com  bichos  dentro  da  boca.  
 

Todas  as  assinaturas  nas  declarações,  foram  conseguidas  através  de  tortura.  

 

É   diabético   e   desde   que   foi   detido,   o   seu   estado   de   saúde   piorou   acentuadamente,  

sublinhando  problemas  de  estômago.  
 

Actualmente  está  em  liberdade  condicional,  devido  à  sua  condição  de  saúde.  

 
 
8  
 

 

 

 

11. Mohamed  Khouna  BABAIT,  d.n.  1981  
Pena:  25  anos  
Relata   ter   sido   vendado,   levado   para   um   lugar   deserto   perto   de   Gdeim   Izik,   onde   foi  
despido   e   violentamente   torturado.   Denunciou   as   torturas   por   que   passou   no   percurso   até  
Agadir  e,  depois,  para  a  prisão  Salé  II.  
 
12. Abdulahi  LAKFAWNI,  d.n.  1974  
Pena:  Prisão  Perpétua  
 

Foi   preso   pela   primeira   vez   em   1994,   depois   de   regressar   dos   acampamentos   de  

refugiados   na   Argélia.   Agora   na   sua   última   detenção   12   de   Novembro   de   2010,   esteve   cinco  
dias   sob   tortura,   “as   técnicas   de   tortura…   não   sei   como   explicá-­‐lo.   Ultrajaram   a   minha  
dignidade”.   Refere   que,   após   a   sua   detenção,   esteve   cinco   dias   sob   tortura   e   humilhações,  
sublinhando  ter  sofrido  todas  as  formas  de  tortura”.  
 

Assinou  diversos  documentos  e  certificados,  sob  diversas  formas  de  tortura,  tanto  com  

assinatura   como   com   impressão   digital,   desconhecendo   completamente   o   conteúdo   dos  
mesmos.  
 

Foi   levado   para   o   Tribunal   Militar   de   Rabat   depois   para   a   prisão   Salé   II,   onde   lhe  

retiraram  todas  as  roupas  e  torturaram  física  e  psicologicamente.  
 

Durante   o   seu   depoimento,   diversas   vezes,   o   preso   pediu   –   apoiado   pela   defesa   -­‐   a  

palavra  para  relatar  o  que  considerava  importante,  ao  que  o  Presidente  dos  Juízes,  respondeu  
que  o  preso  se  pronunciava  e  se  calava  quando  o  juiz  assim  entendia.  
 

Note-­‐se   que,   depois   do   julgamento,   Lakfawni,   foi   levado   pela   polícia   de   Salé   II   para  

lugar  incerto,  tendo  sido  torturado  por  Yousi  Bouziz.  
 
13. Lbakai  LAARABI,  d.n.  1970  
Pena:  Prisao  Perpétua  
Laarabi  foi  um  dos  responsáveis  pela  ordem  em  Gdeim  Izik.  
Motorista   de   profissão,   foi   detido   em   Dakhla,   sob   o   argumento   de   não   possuir   a  
documentação  necessária  para  o  transporte  de  peixe.  Em  seguida  foi  amarrado  e  vendado.  
Declarou  ter  sido  forçado  a  assinar  uma  série  de  documentações  e  lavado  para  Rabat,  
relata  não  ter  tido  advogado  no  primeiro  julgamento.  
 
 
 
 
9  
 

 

 

 

14. Mohamed  Mbarek  LEFKIR,  d.n.1978  
Pena:  25  anos  
Afirmou   ter   sido   sequestrado   a     12   de   Novembro   de   2010,   por   um   grupo   de  
autoridades   à   paisana,   usando   máscaras   para   cobrir   a   cara,   na   casa   do   seu   tio,   tendo   sido  
espancado   diante   da   família.   Foi   torturado   física   e   psicologicamente,   afirmando   ter   sido  
completamente   humilhado,   em   todos   os   locais   para   onde   foi   levado   até   chegar   a   Salé   II,  
inclusive   no   Tribunal   de   Primeira   Instância   de   El   Aaiún,   sem   que   tivesse   um   advogado,  
sublinhado  o  facto  de  o  juiz  ter  redigido  o  documento  da  audiência  ao  telefone.  
 Relatou   ter   sido   vítima   de   torturas   físicas   como:   sucessivas   agressões   na   cabeça,   lhe  
terem   arrancado   as   unhas   dos   pés   e   das   mãos,   lhe   terem   apagado   cigarros   nas   costas,  
arrancado   a   barba,   passando   todo   o   período   da   tortura   nu.   Referiu   ainda,   que,   num   desses  
momentos,   os   torturadores   lhe   meteram   um   saco   na   cabeça,   torturando-­‐o   diante   de   outras  
pessoas.   Das   torturas   psicológicas,   além   das   humilhações,   referiu   ter   sido   proibido   de   rezar   ou  
de  ler  o  Corão.  
Referiu  ter  sofrido  diversos  tipos  de  torturas  sexuais,  como  a  sodomização,  referindo  
não   mencionar   as   outras   por   vergonha.   Enquanto   descrevia   as   torturas   e   as   cicatrizes   que  
tinha  nos  testículos  e  no  pénis,  o  Procurador-­‐Geral  do  Rei,  disse-­‐lhe  que  não  podia  falar  sobre  
esse  assunto,  devido  ao  pudor  e  por  respeito  à  assistência  na  sala  do  tribunal.  
Mostrou   ao   juiz   as   cicatrizes   que   tem   na   cabeça,   nas   mãos   e   nos   pés,   referindo   que,  
quando  estava  a  ser  torturado  e  humilhado,  desejava  morrer.  
Foram-­‐lhe   mostrados   dois   grupos   de   documentos,   o   primeiro   afirmou   não   ter  
assinado,  o  segundo  referiu  ter  assinado  sob  tortura,  sem  nunca  os  ter  lido.  
 
15. Sidi  Ahmed  LEMJIYED,  d.n.  1959  
Pena:  Prisão  Perpétua  
Declarou  que  aquando  da  sua  detenção,  em  25  de  Dezembro  de  2010,  foi  levado  para  
local  desconhecido,  tendo  sido  espancado  durante  o  interrogatório,  que  se  fixou  unicamente  
em   questões   políticas,   sem   abordar   jamais   o   acampamento   de   Gdeim   Izik.   Afirmou   que   as  
autoridades  marroquinas  “ofendem-­‐nos,  violam-­‐nos  sexualmente”.  
Refere   ter   sido   obrigado   a   dizer   que   “«Marrocos   é   bom,   desenvolve   as   suas   províncias  
do  sul»,  disse-­‐o  sob  tortura”.  Lemjiyed  é  presidente  de  uma  associação  de  direitos  humanos,  
afirmando  que  o  torturaram  por  ser  activista  saharauí.  
Quando   foi   presente   ao   tribunal   de   Primeira   Instância   em   El   Aaiún,   “estava   muito  
doente,  porque  em  El  Aaiún  e  em  Dakhla  estive  sob  muitas  torturas”.  
Mostrou   ao   juiz   cicatrizes   nas   mãos,   nos   pés   e   na   cabeça,   afirmando   ter   “cicatrizes   (…)  
10  
 

 

 

 

em   todo   o   corpo”.   Relatou   que   por   diversas   vezes   pediu   apoio   médico,   incluindo   ao   juiz   de  
instrução,  tendo-­‐lhe  sido  sempre  negado.  
 
16. Sidi  Abderahman  ZEYOU,  d.n.  1974  
Pena:  Cumprida  
Activista  do  Colectivo  de  Protecção  da  Cultura  Saharaui,  afirmou  que  no  momento  da  
sua   detenção   foi   torturado,   sublinhando   que   “ninguém   respeita   a   lei”.   Afirmou   ter   sido   detido  
devido  às  declarações  que  deu  à  cadeia  de  televisão  internacional  Aljazeera.  
Afirmou  ter  sido  torturado  no  primeiro  julgamento,  no  Tribunal  de  Primeira  Instância  de  El  
Aaiún.  
(Note-­‐se,   que   a   reduzida   informação   acerca   de   Zeyou,   se   prende   com   o   facto   de,  
devido   às   ameaças   por   parte   das   autoridades   marroquinas,   a   maioria   dos   tradutores   ter  
abandonado  a  sala  de  audiências).  
 
17. Mohamed  El  Bachir  BOUTINGUIZA,  d.n.  1974  
Pena:  Prisão  Perpétua  
Boutinguiza  refere  ter  sido  preso  pela  primeira  vez  em  1992,  durante  dez  meses,  e  em  
1997,  durante  quatro  anos.  
Detido  em  19  de  Novembro  de  2010,  refere  que  no  momento  da  detenção  “a  polícia  
forçou  a  entrada  na  minha  casa  (…),  bateram-­‐me  com  sapatos  e  depois  fui  torturado  de  muitas  
maneiras”.  
Relatou  ter  sido  torturado  em  todos  os  locais  para  onde  foi  levado,  incluindo  na  presente  
sala   de   tribunal,   na   presença   do   juiz   de   instrução.   Declarou   ter   sido   colocado   na   posição  
Leonardo   da   Vinci,   e   na   “grelha”,   ter   sido   mutilado,   tendo   sido   vítima   de   violência   sexual,  
tendo   sido   sodomizado   com   uma   garrafa,   pelo   torturador   El   Isaoui   Hamid.   Referiu   que   a  
polícia  lhe  apagou  cigarros  no  corpo,  mostrando  em  tribunal  as  marcas  dos  mesmos.  
Boutinguiza,  relata  que,  por  diversas  vezes,  os  presos  fizeram  queixas  ao  Procurador-­‐Geral  
do   Rei,   sobre   as   torturas   que   sofriam   e   as   condições   da   prisão,   sem   nunca   receberem   uma  
resposta.   Tanto   o   preso,   como   a   defesa,   exigiram   exames   médicos   para   comprovarem   as  
torturas  físicas  e  sexuais  que  sofreu,  tendo  sido  rejeitado.  
 
18. Sidi  Abdallah  B’HAH  (Sidi  Abdallahi  Abbahah),  d.n.  1975  
Pena:  Prisão  Perpétua  
“Toda   a   gente   que   está   aqui   foi   torturada   e   eu   estou   a   ser   torturado”  -­‐   foram   das   suas  
primeiras  palavras  durante  o  julgamento  –  “sofri  de  todas  as  formas  de  tortura.  Entraram  em  
11  
 

 

 

 

minha  casa,  vinte  homens  armados  e  fui  torturado”.  
Relatou   ter   sido   detido,   no   dia   19   de   Novembro   de   2010,   por   volta   das   23   horas,  
enquanto  tomava  chá  em  sua  casa,  e  colocado  numa  sala  com  cerca  de  vinte  e  cinco  polícias.  
Refere   ter   estado   oito   horas   consecutivas   a   ser   torturado:   “Fomos   torturados   de   todas   as  
maneiras,  sem  roupa,  sem  comer.  Em  posição  de  “dajaja”  [Frango  Assado].  “Muitas  horas  de  
tortura  (…)  bateram-­‐me,  meteram-­‐me  de  quatro….”,  relatou  ter  sido  violado  com  uma  cadeira,  
queimado  com  cigarros,  inibido  de  água  e  alimentos,  durante  dias.  
Referiu  ter  estado  vários  dias  sem  comer  nem  beber,  enquanto  lhe  mandavam  “água  
fria   e   [me]   apagavam   cigarros   em   cima”,   narrou   ainda   lhe   terem   metido   cigarros   dentro   da  
boca  e  ter  sido  sexualmente  molestado.  
 
19. Laaroussi  ABDELJALIL,  d.n.  1978  
Pena:  Prisão  Perpétua  
Durante   o   seu   depoimento,   Laaroussi,   denunciou   o   facto   de   não   poder   ver   a   sua  
família,  questionando  o  motivo.  Em  seguida,  começou  o  seu  relato,  “vou  entrar  na  época  de  
tortura  e  de  violência  sexual  contra  a  minha  mulher  (…)  [e]  contra  mim  (…).  Nesta  época  não  
sabia  se  estava  vivo  ou  morto”,  referiu  devido  à  violência  física,  sexual  e  psicológica  de  que  era  
alvo.  
No  dia  anterior  ao  desmantelamento  de  Gdeim  Izik,  declarou  ter  estado  internado  no  
hospital.   Tendo   sido   sequestrado   no   dia   13   de   Novembro   de   2010,   na   cidade   de   Bojador,  
relatou  que  a  sua  casa  foi  invadida,  por  volta  das  21  horas,  enquanto  tomava  chá  com  a  sua  
família.   “Bateram   nas   mulheres.   Bateram-­‐me   numa   [outra]   divisão   da   casa.   Apontaram-­‐me  
uma  pistola”,  foi  levado  para  uma  carrinha,  onde  foi  brutalmente  espancado,  em  especial,  na  
cabeça,  que  foi  sucessivamente  pontapeada,  “despiram-­‐me  e  fiquei  todo  negro”.  Esteve  cinco  
dias  em  paradeiro  desconhecido,  durante  o  período  em  que  era  vítima  de  violência  física,  foi  
sucessivamente   ameaçado   de   que   ele   e   a   sua   mulher   seriam   violados.   Relata   ter   sido  
espancado  até  perder  os  sentidos,  vendado  e  colocado  numa  cela  muito  pequena,  voltando  a  
ser   pontapeado   na   cabeça,   depois   “com   uma   máquina,   arrancaram-­‐me   as   unhas   das   mãos”,  
referiu.  Passou  dois  dias  sob  tortura,  sem  roupa,  sem  poder  ir  à  casa  de  banho,  sob  chacota,  
obrigado  a  beber  água  “suja”  (urina  e  fezes).  Afirmou  ter  sido  obrigado  a  vestir  uma  roupa  que  
lhe  provocava  irritação  na  pele.  “Por  duas  vezes  estive  quase  a  morrer”,  sublinhando  o  facto  
de   conhecer   “muito   bem”   o   torturador   El   Luali.   Relata   como   foi   torturado   na   “grelha”,   com  
choques  eléctricos,  cortes  com  objectos  afiados,  queimado  com  cigarros.  Não  podia  utilizar  a  
casa  de  banho,  tinha  que  fazer  as  necessidades  onde  estava  e  dormia  em  cima  delas.    
Relatou   ter   sido   molestado   sexualmente,   “brincaram   [sic]   com   os   meus   órgãos  
12  
 

 

 

 

sexuais”,   afirmou   não   querer   entrar   em   detalhes   por   respeito   às   pessoas   presentes   no  
tribunal.  
Declarou  que  nunca  lhe  bateram  na  cara  e  na  esquadra  havia  três  câmaras  de  filmar,  
que  o  filmaram  limpo  e  só  do  pescoço  para  cima,  estava  algemado  e  com  pistolas  apontadas.  A  
polícia  ordenou-­‐lhe  falasse  calmamente  e  confessasse  os  crimes  de  que  era  acusado.  
Do  local  onde  estava  foi  levado,  vendando,  para  o  Tribunal  de  Primeira  Instância  de  El  
Aaiún   –  num  momento  em  que  estava  bastante  debilitado   -­‐,  em  seguida  foi  levado  para  outro  
local  e  depois  foi  metido  dentro  de  um  avião  para  Rabat,  tendo  sido  agredido  com  pistolas  e  
regado   com   químicos   dentro   do   mesmo.   Em   Salé   II,   foi   colocado   despido   numa   cela,   e  
torturado  por  Hassan  Hafdal,  e  pelo  enfermeiro  El  Isaoui  Hamid,  sempre  de  olhos  vendados.  
As  torturas  a  que  foi  submetido,  deixaram-­‐lhe  marcas  no  corpo,  “veja  senhor  juiz!”.    
No  que  concerne  às  assinaturas  nas  declarações  e  confissões,  Laaroussi  declarou  que,  
nos   três   grupos   de   documentos,   um   deles   não   foi   assinado   por   si   e   os   outros   dois,   assinou   sob  
tortura.  O  mesmo  acontece  com  as  impressões  digitais,  umas  são  suas,  outras  não.    
Laaroussi   referiu   estar   muito   mal   dos   joelhos,   mostrou   as   pernas,   evidenciando   as  
enormes   cicatrizes   em   torno   dos   joelhos,   não   tem   unhas   nos   pés   e   a   cabeça   está   cheia   de  
cicatrizes   e   “buracos”,   fruto   dos   espancamentos.   Referiu   ter   denunciado,   inúmeras   vezes,   as  
torturas   e   as   condições   da   prisão   ao   Procurador-­‐Geral   do   Rei   e   a   outras   entidades,   sem  
sucesso.  
A  situação  de  Laaroussi  mostrou-­‐se  muito  preocupante,  quando,  a  partir  do  segundo  
dia  de  julgamento,  o  preso  deixou  de  poder  caminhar  sozinho  (não  apoiava  a  perna  esquerda  
no  chão,  arrastando-­‐a  quando  era  levado),  tendo  sido  encaminhado  duas  vezes  para  o  Hospital  
Militar  Universitário  Mohamed  V,  durante  as  sessões  do  julgamento.  Devido  ao  seu  estado  de  
saúde,   a   defesa   pediu,   por   diversas   vezes,   um   tratamento   e   acompanhamento   médico  
adequado,   uma   vez   que   este   se   encontrava   numa   situação   muito   delicada.   Ao   que   o  
comissário  do  Rei  respondeu  que,  já  tinha  sido  feito  um  exame  por  um  médico  especialista  e  
emitido   um   relatório,   revelando   que   uma   das   suas   deslocações   se   devia   a   uma   crise   de   tensão  
alta.  
Noutra   ocasião,   a   sua   condição   de   saúde   fê-­‐lo   deixar   a   audiência,   sendo   que   se  
deslocou   ao   tribunal   um   médico   para   emitir   o   seu   parecer,   com   base   nos   exames   que   afirmou  
ter   realizado,   mostrando   os   medicamentos   que   lhe   estavam   a   ser   administrados.   As   traduções  
(em   francês,   inglês   e   espanhol   –   presentes   em   alguns   momentos   do   julgamento)   foram  
incongruentes   entre   si.   A   tradução   de   inglês   disse   tratar-­‐se   de   problemas   nas   articulações,  
dores  de  cabeça,  tensão  alta,  tendo  sido  observado  por  um  médico  especialista  em  desporto.  
Por  sua  vez,  o  tradutor  de  espanhol,  referiu  tratarem-­‐se  de  dores  de  cabeça,  ansiedade,  uma  
13  
 

 

 

 

pressão   arterial   de   13   –   8,   sendo   que   a   prescrição   anterior   de   FIPCOR   (medicamento   para   o  
coração)   era   insuficiente,   estando   também   a   tomar   outros   fármacos.   Ambos   disseram   que   o  
problema   nos   joelhos   era   antigo,   com   uma   duração   de   cinco   anos,   uma   vez   que   o   preso   era  
desportista.  Estas  explicações  surgiram  num  contexto  em  que  se  debatia  a  aplicação  e  tortura  
aos  presos,  justamente  para  mostrar  que  a  sua  situação  não  se  devia  à  prática  de  tortura,  dado  
que   as   traduções   começaram   com   “uma   vez   que   os   presos   declararam   ter   sido   vítimas   de  
tortura,  os  exames  médicos…”  
A   última   vez   que   Laaroussi   foi   levado   para   o   hospital,   foi-­‐lhe   diagnosticado   um  
problema   de   estômago.   O   que   levou   a   defesa   a   questionar   o   Procurador-­‐Geral   do   Rei   e   o  
Tribunal,  por  que  motivo  haviam  tantas  “incongruências  de  diagnóstico”.  
No   final   do   dia   13   de   Fevereiro,   o   juiz,   através   dos   tradutores   oficiais,   fez   um  
esclarecimento   acerca   da   saúde   do   preso,   referindo   que,   devido   a   hemorragias,   lhe   tinham  
sido  realizados  exames,  mas  que,  por  razões  pessoais,  este  tinha  rejeitado  a  realização  de  um  
exame  com  sonda  rectal.  
 
20. Ahmed  SBAI,  d.n.  1978  
Pena:  Prisão  Perpétua  
Sbai   relata   ter   sido   detido   dia   8/12/2010,   durante   uma   festa   de   família.   Aquando   da  
sua  detenção,  afirmou  ter  sido  torturado.  De  acordo  com  Sbai  e  com  a  defesa,  passou  quatro  
dias   incomunicável,   “passei   cinco   dias   sem   comida,   sem   nenhum   direito.   Não   podia   dormir”,  
relatando  ter  tido  duas  crises  do  coração.  Durante  esse  período,  foi  levado  ao  hospital  militar,  
devido   à   sua   débil   condição   de   saúde,   relatando   que   foi   “torturado   dentro   do   hospital  
militar!”.  Durante  os  interrogatórios  desmaiou  várias  vezes  devido  ao  seu  problema  cardíaco,  
tendo  sido  levado  para  o  hospital,  de  acordo  com  Sbai,  um  dos  médicos  que  o  assistiu  pediu  
aos  investigadores  para  não  o  torturarem  mais.  
Relativamente  às  assinaturas  nas  declarações  e  confissões,  declarou:  “bateram-­‐me  na  
cabeça  e  obrigaram-­‐me  a  assinar”.  
Sbai,   afirmou   já   ter   estado   dentro   do   Tribunal   Militar   de   Rabat   e   ter   sido   torturado   no  
seu  interior.  
O  seu  estado  de  saúde  relevou-­‐se  bastante  abalado  durante  todo  o  julgamento.  No  dia  
9  de  Fevereiro,  deixou  a  audiência,  alegando  estar  a  sentir-­‐se  mal,  de  acordo  com  o  relatório  
médico  lido  pelo  juiz,  Sbai  foi  medicado  contra  a  ansiedade.  Dia  10,  foi-­‐lhe  diagnosticada  uma  
“emotional  personality”  e  administrados  medicamentos  para  um  “estado  emocional  débil”.  
O   preso,   antes   da   sua   detenção,   já   havia   estado   em   Espanha   para   realizar   exames  
médicos,  que  não  pode  concluir  devido  à  caducidade  do  seu  visto.  Revelou  ter  problemas  de  
14  
 

 

 

 

coração,   pedindo,   inclusive,   para   abandonar   a   sala   de   audiência,   no   momento   em   que   foi  
exibido  um  filme  em  que,  supostamente,  apareceriam  os  réus  a  praticar  os  crimes  de  que  eram  
acusados,  em  resposta,  o  Procurador-­‐Geral  do  Rei,  afirmou  poder  “provar  que  ele  [Sbai]  não  
tem  nenhum  problema  no  coração”,  o  que  não  se  verificou.  
 
21. Deich  EDDAF,  d.n.1978  
Pena:  25  anos  
Membro   do   Comité   de   Negociação   de   Gdeim   Izik   e   responsável   pela   organização  
administrativa  do  acampamento.  
Relata   que,   no   momento   da   sua   detenção   (3   de   Dezembro   de   2010),   um   grupo   de  
homens  com  máscaras,  arrombou  a  porta  de  sua  casa,  “bateram  na  cara  da  minha  mulher”.  Foi  
amarrado,  vendado  e  metido  dentro  de  um  carro,  sem  saber  para  onde  estava  a  ser  levado.  E  
seguida,   “despiram-­‐me   todo,   todo!”,   tendo   sido   molestado   sexualmente,   “eles   brincaram   com  
o   meu   pénis”   e   sodomizado   com   uma   barra   de   metal.   Foi   espancado,   “bateram-­‐me   muito,  
despido”,  relatou  impossibilidade  de  ir  à  casa  de  banho,  dizendo-­‐lhe  que  urinasse  e  defecasse  
na   cela   onde   estava,   no   local   onde   dormia.   “No   dia   seguinte,   disse   que   precisava   de   um  
médico,   mas   voltei   à   tortura”,   afirmando   ter   pedido   apoio   médico.   Depois,   foi   levando   para  
outra   sala,   onde   estavam,   três   pessoas,   entre   as   quais,   Ezzaoui,   bastante   mal   de   saúde,   e  
Toubali.  
 

Uma  vez  em  Salé  II,  o  responsável  da  prisão,  estava  presente,  no  momento  em  que  lhe  

entregaram  documentos  para  assinar,  dizendo  para  lhe  tiraram  a  venda  dos  olhos,  e  lhe  darem  
roupa   e   calçado,   mandando-­‐o   assinar   os   referidos   documentos.   Referiu   ter   pedido   para   os   ler,  
o  pedido  foi  negado  e  Eddaf  novamente  espancado.  Forçaram-­‐no  a  assinar  com  a  impressão  
digital   em   algumas   folhas,   afirmando   não   se   recordar   se   tinha   assinado   mais   alguma   coisa,  
devido   ao   seu   estado   de   saúde.   Referiu   que,   nesse   momento,   foi   cortado   com   um   objecto  
afiado.  Mostrando  as  cicatrizes  faciais  ao  Presidente  dos  Juízes.  
Eddaf  afirmou  que  continua  a  ser  torturado,  “olhe,  olhe,  sangue!”.  Declarou  ainda  ter  
um   “problema   nos   olhos”,   sendo   que   a   defesa   pediu   ao   juiz   para   que   se   fizesse   um   exame  
médico.  Eddaf,  acentuou  “estes  olhos  não  me  deixam  dormir”,  ao  que  o  Procurador-­‐Geral  do  
Rei,  respondeu  que  o  médico  da  prisão  já  o  havia  analisado  e  constatado  que  estava  tudo  bem,  
Eddaf  respondeu  que  “esse  homem  não  é  o  médico,  é  um  torturador!”.  
Eddaf  relatou  que  pediu  ao  Juiz  de  Instrução,  apoio  médico,  ao  que  o  Juiz  respondeu  
tal  assunto  não  ser  da  sua   responsabilidade.  O  mesmo  aconteceu  com  o  Presidente  dos  Juízes  
no   presente   julgamento,   referindo   que   tal   tema   era   da   responsabilidade   das   autoridades  
prisionais.
15  
 

 

 

 

Ao   final   da   tarde   de   12   de   Fevereiro,   o   juiz   fez   um   comunicado   para   a   comunidade  
internacional  presente,  afirmando  que  Eddaf  tinha  sido  sujeito  a  diversos  exames  médicos  que  
comprovavam  que  era  diabético  desde  dos  dois  anos  de  idade  e  não  tinha  qualquer  problema  
nos  olhos  ou  nos  ouvidos.  
 
22. Mohamed  BANI,  d.n.  1969  
Pena:  Prisão  Perpétua  
Nascido  em  1969,  participou  no  Exército  Popular  de  Libertação  Saharauí  (EPLS)  desde  
dos   14   anos.   Regressou   aos   Territórios   Ocupados   por   Marrocos   em   1993.   Tendo   sido  
funcionário  público  desde  1994.  
Afirmou  não  ser  um  dos  responsáveis  de  Gdeim  Izik,  que  apenas  lá  ia  passar  os  fins-­‐de-­‐
semana   com   a   família.   Apresentando   um   documento,   assinado   pelo   seu   director   de  
departamento,   e   quinze   funcionários   (colegas   de   Mohamed   Bani),   em   como   tinha  
comparecido   ao   trabalho,   na   sexta-­‐feira,     5   de   Novembro   de   2010.   Ao   que   o   Procurador-­‐Geral  
do  Rei  afirmou  ser  irrelevante.  
Quando  a  polícia  invadiu  Gdeim  Izik,  assistiu  ao  incêndio  do  acampamento,  “atiraram-­‐
me  pedras.  Tenho  uma  marca  na  cabeça”,  depois  disso  refere  não  saber  o  que  aconteceu,  tão  
pouco   para   onde   foi   levado,   relatou   recordar-­‐se   dos   militares   o   agredirem   com   os   “seus  
sapatos  na  cara”.  
Depois  de  ser  deslocado  para  vários  locais,  chegou  à  Gendarmería,  relatando  ter  sido  
tirado  de  dentro  de  um  camião  e  tratado  –  juntamente  com  todos  os  que  estavam  com  ele  –  
“como   animais   (…)   éramos   sessenta   pessoas   com   sangue!”,   afirmando   terem   sido   agredidos  
com  sapatos,  pedras,  durante  aproximadamente  duas  horas.  
Refere  ter  estado  com  o  Coronel  Bilal  depois  “encontrei  Ayubi  e  Banga,  nessa  altura  
não   os   conhecia”.   Relata   que   foram   levados   para   outro   sítio,   onde   a   polícia   disse:   “estes  
saharauís   mataram   um   enfermeiro   em   El   Aaiún”,   tendo   sido   torturados   pelos   enfermeiros  
presentes.  
Relativamente   às   torturas,   Bani,   relatou:   “não   nos   deixavam   ir   à   casa   de   banho,  
deram-­‐nos   uma   garrafa   e   depois   obrigavam-­‐nos   a   beber.   (…)   Eu   vi   eles   [a   polícia]   obrigar   os  
outros   a   beber,   mas   eu   não   bebi.   (…)   Não   nos   deixavam   dormir”.   Posteriormente   foi  
trasladado   para   uma   cela,   onde   relata   ter   sido   violentamente   torturado,   “bateram-­‐me   de  
todas   as   formas   e   em   todo   o   corpo”,   nesse   momento   estava   despido.   Depois   de   ter   sido  
torturado   individualmente,   foi   torturado   em   grupo,   com   outros   presos.   Depois   da   tortura,  
passaram  toda  a  noite  numa  sala  sem  falar  com  nenhuma  autoridade.  
Relatou  que  tudo  o  que  assinou  foi  sob  tortura,  sem  saber  o  que  estava  escrito,  uma  
16  
 

 

 

 

vez   que   afirmou   não   conseguir   ver   sem   os   óculos   que   lhe   foram   tirados,   depois   das  
assinaturas,  regressou  à  Gendarmería  com  Ayoubi.  
Vendado  e  com  as  mãos  amarradas,  foi  levado  para  um  carro  e  depois  para  um  avião,  
revelando   que   “pensava   que   me   iam   atirar   do   avião”.   Passou   vinte   dias   em   paradeiro  
desconhecido  e  “entrei  neste  tribunal”,  revelando  ter  sido  torturado.  
Refere   ter  dores   de   cabeça   muito   fortes   desde   que   foi   preso   e   no   dia   do   julgamento  
em   Rabat,   pediu   auxílio   médico,   que   foi   rejeitado.   Tiraram-­‐lhe   novamente   os   óculos,  
obrigando-­‐o   a   assinar   uma   série   de   documentos,   enquanto   era   fortemente   insultado.  
Presidente  dos  Juízes  afirma  existirem  trinta  e  dois  documentos  assinados  por  Mohamed  Bani,  
não  lhe  parecendo,  por  isso,  credível  que  tivessem  todas  sido  assinadas  sob  tortura,  afirmando  
que  Bani  poderia  ter  escrito  por  baixo  que  estava  a  ser  torturado.    
Novamente  vendado  e  amarrado  foi  levado  para  a  prisão  de  Salé  II,  onde  foi  torturado.  
Presidente   dos   Juízes   afirma   não   querer   saber   das   torturas,   uma   vez   que   isso   não   é   da   sua  
competência.    
 
23. El  Houssein  Ezzaoui  (El  Houcein  Azaoui),  d.n.  1975  
Pena:  25  anos  
Integrou   os   comités   de   organização   e   de   negociação   em   Gdeim   Izik,   referindo   ter  
conversado   com   o   líder   das   negociações   marroquino,   Belali,   bem   como   com   o   Ministro   do  
Interior.  
No  dia  8  de  Novembro  de  2010,  não  estava  em  Gdeim  Izik,  mas  internado  no  hospital.  Foi  
detido  em  Dezembro,  “desde  aí    começa  a  tortura,  do  mais  duro  que  há!  Com  violência  sexual,  
tortura   em   todo   o   meu   corpo,   não   temos   vida   quando   nos   fazem   alguma   violência   sexual”.  
Declarou   ter   estado   uma   noite   inteira   sob   todas   as   formas   de   tortura,   afirmando   que   o   seu  
estado   de   saúde   piorou   drasticamente   desde   esse   período,   tendo   sido   encaminhado   para   o  
hospital  militar.  
Relatou   ter   encontrado   Eddaf   e   Toubali,   quando   estava   detido,   sendo   testemunhas   das  
torturas  a  que  foi  sujeito.  Afirmando  ter  sido  torturado  de  diversas  formas  no  rabo.  Depois  das  
torturas   relatou   ter   estado   um   mês   e   meio   sem   se   conseguir   levantar,   afirmando   que,   nessa  
altura,  “todo  o  meu  corpo  (…)  [era]  negro”.  
Na   Gendarmería   relatou   ter   sido   obrigado   a   assinar   uma   série   de   documentações   que  
desconhecia  o  seu  conteúdo,  afirmando  que  apenas  assinou  com  a  impressão  digital,  referindo  
estar  “muito  cansado  e  torturado”.  
Declarou  ter  vindo  de  avião  para  Rabat  com  Eddaf  e  Toubali.  
Afirmou   que   quando   chegou   a   Salé   II,   esteve   diversos   meses   sob   tortura,   pelas   mãos   do  
17  
 

 

 

 

enfermeiro   El   Isaoui   Hamid,   “Salé   II   é   um   carcel   negro!”.   Afirmando   que   o   seu   advogado   tinha  
como  provar  o  que  declarava.  
Ezzaoui  declarou  que,  enquanto  esteve  em  Salé  II,  foi  dez  vezes  para  o  hospital,  devido  aos  
maus-­‐tratos  de  que  era  alvo,  paralelamente,  não  lhe  era  dada  a  medicação  de  que  necessitava.  
Pediu   –   apoiado   pela   defesa   -­‐   ao   Presidente   dos   Juízes,   que   lhe   autorizasse   a   realização   de  
exames  médicos  para  confirmar  o  seu  testemunho,  tendo  sido  negado,  pelo  Procurador-­‐Geral  
do  Rei,  sob  justificação  de  que  havia  passado  muito  tempo  e  já  nada  se  poderia  provar.  
 
24. Mohamed  BOURYAL,  d.n.  1976  
Pena:  25  anos  
No  mês  de  Outubro  de  2010,  esteve  no  hospital  para  realizar  operações  cirúrgicas.  
Fazia  parte  do  comité  de  Negociação  e  no  dia  7/11/2010,  um  responsável  marroquinos  
disse-­‐lhe   “prendemos   Asfari”.   Durante   as   reuniões   de   negociação   confirmou   a   presença   de  
Ilias   El   Omari   como   representante   do   palácio   nas   reuniões   de   negociação,   bem   como   do  
Ministro  do  Interior.  
Quando  foi  detido,  esteve  quatro  dias  sob  tortura  e,  em  seguida,  presente  em  tribunal.  
Passados   quatro   meses   de   detenção   (entre   El   Aaiún   e   Rabat),   esteve   com   Ayubi,   Banga   e  
Asfari.   Foi   torturado   com   Ayubi,   ambos   estiveram   16   horas   com   Bou   Astiya   ,   o   director   da  
prisão,  na  “grelha”,  levando  choques  eléctricos  e  a  serem  “regados”  com  água  gelada.  
Refere  que  Banga  foi  presente  em  tribunal  nu.  
Declarou  que  as  assinaturas  presentes  nas  declarações  não  são  suas,  que  nunca  tinha  
visto  qualquer  documento  até  ao  presente  julgamento.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
18  
 

 

 

 

 
 
Resolução:  
Considerando   o   supra   descrito,   o   testemunhado   pelas   observadoras   durante   o  
julgamento   e   os   relatos   das   famílias   dos   presos   (com   que   as   observadoras   estiveram),   durante  
os  últimos  dois  anos  e  três  meses,  a  ACOSOP  declara  que  os  presos  não  podem  continuar  nesta  
situação,   sob   pena   de   não   sobreviverem.   Isto   porque,   de   acordo   com   os   relatos   das   famílias  
dos   presos,   actualmente,   alguns   dos   mesmos   continuam   sob   tortura,   em   instalações  
absolutamente   decrépitas,   sem   acesso   a   uma   alimentação   razoável,   cuidados   médicos   nem  
respeito  pela  dignidade  humana.  Acresce  que,  de  acordo  com  o  Representante  dos  Familiares  
dos   presos   de   Gdeim   Izik,   poucos   dias   depois   do   julgamento,   os   presos   foram   brutalmente  
espancados   e   torturados,   sendo   que   Abdulahi   Lawfawni   esteve   isolado   e   sob   forte   tortura.   Os  
presos   levaram   a   cabo   uma   greve   de   fome   de   48   horas,   para   reivindicar   a   melhoria   da   suas  
condições  na  prisão,  nos  dias  25  e  26  de  Fevereiro  de  2013.  
Como   tal,   a  ACOSOP  pede  que   a  realização   de   exames   e  relatórios  médicos   aos   presos  
que   foram   libertados:   Mohamed   Ayubi,   Sidi   Adderahman   Zeyou   e   Machdoufi   Ettaki.   Para  
verificação   dos   seus   testemunhos   e   das   suas   condições   de   saúde,   uma   vez   que   urge   que   se  
pressione   o   Reino   de   Marrocos   para   que   cumpra   os   tratados   e   convénios   que   subscreveu:  
como   a   Convenção   Internacional   sobre   a   Eliminação   de   Todas   as   Formas   de   Descriminação  
Racial  (1966),  os  Acordos  Internacionais  de  Direitos  Civis  e  Políticos  e  de  Direitos  Económicos,  
Sociais   e   Culturais   (1966),   o   Convénio   para   a   Prevenção   e   Sanção   do   Delito   de   Genocídio   e  
Delito  de  Torturas  (rectificado  por  Marrocos  em  1950).  
 
 
Lisboa,  7  de  Março  de  2013  
O  presidente  da  ACOSOP,  
 
 
(Carlos  Artur  Ferreira  de  Moura)  
 
As  observadoras,  
 
 
(Isabel  Maria  Lourenço)    

 

 

 

 

 (Rita  Marcelino  dos  Reis)  
 

19  
 

 

 

 

 

20  
 

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful