Está en la página 1de 2

ResoluçãoResolução

ConselhoConselho MundialMundial dada PazPaz || AssembleiaAssembleia MundialMundial dada PazPaz 18 e 19 de novembro de 2016 | São Luís do Maranhão, Brasil

Solidariedade aos refugiados! Fim às guerras de agressão!

As contínuas e prolongadas invasões e guerras de agressão lideradas pelos EUA, a OTAN e seus

aliados, no Oriente Médio, na África, na Ásia Central e na Europa provocaram uma crise

humanitária sem precedentes, também expressa nas dezenas de milhões de deslocados e refugiados,

centenas de milhares dos quais buscam asilo em países europeus.

A ação da União Europeia e seus Estados membros relativa aos refugiados é um grave atraque

contra os direitos humanos e representa um inaceitável retrocesso; com a construção de efetivos

“muros” em suas fronteiras; com a confiscação de bens dos refugiados; com a criação de campos

sem as mínimas condições; com a recusa de fornecer o cuidado mais essencial, sem respeito à

dignidade de centenas de milhares de crianças, mulheres e homens, muitos dos quais são vítimas de

redes criminosas.

Sob o pretexto de “proteger suas fronteiras externas”, a UE está reforçando medidas repressivas de

caráter administrativo, policial e militar, nomeadamente com o grave acordo entre a UE e a Turquia,

tentando deter a entrada e promover a expulsão de refugiados e destacando a natureza de uma

“fortaleza Europa” da UE.

Igual gravidade assume a decisão da UE de atribuir à OTAN, em colaboração com a Agência

FRONTEX, o controle e policiamento do Mar Egeu e as fronteiras dos países que integram a UE,

usando a situação dramática dos refugiados para reforçar a presença da OTAN no Mediterrâneo,

militarizando cada vez mais a região.

As políticas da UE são responsáveis pela promoção e o aumento do racismo e da xenofobia e das

forças reacionárias e de extrema-direita que os dão expressão.

As políticas e ações dos EUA, da UE e da OTAN intensificarão a crise humanitária, a única solução

surgirá quando as ingerências e guerras de agressão terminarem, quando os princípios da Carta das

Nações Unidas forem respeitados, especialmente o direito soberano dos povos a decidir seus

destinos e a viver em paz.

Devido à dramática situação de milhões de refugiados, a Assembleia Mundial da Paz, realizada em São Luís, Maranhão, Brasil, em 18 e 19 de novembro de 2016:

1. Condena as políticas e práticas de ingerência, invasão e guerra dos EUA, da OTAN e de seus

aliados, que destroem Estados soberanos, que são a origem de números tão altos de refugiados, reafirmando que é urgente e imperativo acabar com as guerras de agressão, especialmente no Oriente Médio e na África, é crucial promover negociações políticas que encontrem soluções políticas aos conflitos promovendo a cooperação, apoiando o desenvolvimento para que os refugiados tenham condições de retornar aos seus países de origem;

2. Repudia as medidas desumanas da União Europeia que visam criar uma Europa fortaleza, exige a

suspensão dos Acordos de Dublim II, rejeita a intervenção da OTAN nas fronteiras dos países europeus, a criação de barreiras, medidas securitárias que atacam os direitos, liberdades e garantias fundamentais, e exige que todos os países respeitem os princípios da Carta das Nações Unidas e a legislação internacional (a Convenção de Genebra da ONU) que protege os direitos dos refugiados;

3. Apela à realização de ações que deem expressão pública ao repúdio às guerras imperialistas de

agressão e exige o fim das medidas repressivas e militaristas contra os refugiados, defendendo a solidariedade, o apoio e o respeito por seus direitos e dignidade humana.