Está en la página 1de 231

dr

~1~

M.N. Forgy
#3 The Fear That Divides Us
Série The Devil’s Dust

The Fear That Divides Us Copyright © 2015 M.N. Forgy

~2~

SINOPSE
O Capitão de Estrada do Devil’s Dust Motorcycle Club, Bobby tem
as cicatrizes para provar o quão perigosa é a sua vida. Ele dá ao mundo
a impressão que ele conhece o inferno e ama cada momento disso.
Vestindo um sorriso de abaixar calcinhas ao longo do caminho, a sua
vida feroz nunca foi um problema para ele, até ela surgir. Jessica é a
única mulher que o distraí de seu jogo. Depois de o levar para a cama,
ela é a única mulher a dizer a ele para tomar um jeito. Acordando com
ela, ele não pode resistir de a puxar. Ele viu as cicatrizes em seu corpo,
aquelas que contam os horrores que ela viveu. Ele também viu o medo
em seus olhos quando ela se tornou fraca a seus avanços. Bobby tem
uma decisão a tomar. Ele pode ajudar Jessica, ou será que isso significa
desistir de sua vida despreocupada?
Jessica, também conhecida como Doc, vive uma vida de medo.
Anos atrás, ela correu para os Devil’s Dust por proteção, buscando a
morte de seu abusivo marido dominante. Sua mente e alma são
torturadas por seu passado, ela não pode se permitir seguir em frente.
A única coisa em seu campo de visão é a segurança de sua filha. Mesmo
que ela tenha a atenção de um motoqueiro tatuado particular, ela não
pode sucumbir ao seu charme e arrastar sua filha de volta para um
mundo de perigo, não importa o quanto ele acha que a pode salvar.
Erros serão cometidos.
Temores serão confrontados.
A dor será lembrada.
Bobby e Jessica podem sobreviver aos perigos que eles trazem
a si mesmos?

~3~

A SÉRIE
Série The Devil’s Dust
M.N. Forgy

~4~

por favor. o puxando duramente para me acordar. eu já tinha o suficiente. — ele respirou no meu cabelo. É exatamente por isso que eu não posso voltar a trabalhar tão cedo. o porão. a porra de uma ruína. — Eu sou tão estúpida. Meu corpo dói. o desafiar quando ele estava em tal estado. apenas a minha presença por si só o irrita. Eu sou uma ruína. cheirando a álcool e perfume caro. Ele acabou voltando para casa para me dar mais uma rodada. — eu sussurrei enquanto ele continuou puxando meu cabelo com um aperto dolorosamente forte. Eu fui deixada sangrando pelo abuso implacável de Travis ontem à noite. — Travis. eu acabei de fazer Addie dormir. Ele vai me matar um dia. e minha cabeça ferve com dor constante. — murmuro. não importa o quanto eu sinta falta de ser médica. Eu vivo dia após dia com medo ~5~ . mas por alguma razão na noite passada. eu me encolho na medonha visão do meu rosto. O hospital tinha outro evento e tenho certeza que ele teve alguma enfermeira amigável no armário de casacos. entrando em um par de calças e camisa. O olhar de nojo quando me observa através da sala quando ele chega em casa do trabalho é suficiente para me fazer sentir medo e dor. bêbado. e meu pulso grita com a dor de ter sido algemada. os dentes cerrados de raiva. Um lembrete da minha falta de respeito com Travis noite passada. ela não o pode satisfazer com seus desejos sádicos. Sua raiva não é nada novo. física e mentalmente. disso eu tenho certeza. Meu núcleo esta ferido.Prólogo JÉSSICA SEIS ANOS ANTES Olhando no espelho esta manhã. aparentemente. Mas. Um lado está completamente preto e azul. Travis chegou ontem à noite em casa. Eu sabia que era estúpido resistir. não agora. — Hora de descer as escadas. Eu estava dormindo na cama quando ele deslizou a mão em meus cabelos. É lá que ele sempre me leva para me menosprezar.

Na verdade. os sons em torno de mim desaparecendo. — eu implorei. Gritei quando minha cabeça rangeu. alívio inundando meu couro cabeludo. A parte de trás dos meus tornozelos arrastavam contra cada passo. fazendo com que as palmas das mãos batessem no concreto implacável quando eu cai de cara no chão. medo que eu vá dizer ou fazer alguma coisa errada na frente de Travis. mas eu não poderia parar. mas eu não poderia ganhar equilíbrio rápido o suficiente. — Com quem você pensa que está falando? — ele rangia. As pisquei longe. Travis disse essas palavras para mim inúmeras vezes. Ele ficou de joelhos. meu corpo ficou imediatamente em modo de sobrevivência. de controle. uma mão perfurou o lado da minha cabeça. alimentava o bastardo. quando eu não estava autorizada ter qualquer um. Eu não sei por que eu implorei. saindo do quarto. O colar sendo travado no lugar ao redor do meu pescoço. mas antes que eu pudesse levantar a minha perna. — Eu acho que você precisa de um lembrete de quem seu mestre é! — ele gritou. não adiantava. Eu faria o que ~6~ . cada vez quebrando a minha alma em nada além de uma possibilidade quebrada. Eu não queria acordar Addie. puxando minha cabeça para trás com tanta força que trouxe uma dor de cabeça instantânea.absoluto. mas foi bom o desafiar. me puxando ao longo do leito pelo meu cabelo enquanto eu tentava não gritar. e controle para os fortes. e a dor que irradiava da minha cabeça. o quarto iluminando lentamente brilhou quando ele acendeu as luzes. Eu sabia que iria pagar o meu desabafo. minha visão embaçada a partir da quantidade de lágrimas subindo em meus olhos. O que eu estava pensando? Eu sabia melhor. Olhei para cima. por favor. meus pés batendo contra o piso aquecido. ainda me arrastando atrás de si. Minha pequena bravura foi imprudente. Entre o medo batendo contra o meu peito. Ele soltou meu cabelo. A esperança era para aqueles que não eram propriedade de alguém. — Travis. eu fui retirada completamente. tentando me levantar. Eu gritava e me debatia contra o colchão quando ele me puxou para fora da cama como um cobertor velho. enquanto ele corria pelas escadas até o porão. Me deu um sentimento de esperança. eu não podia prender o grito. me jogando de cara com a parede. me fazendo voar para trás.

Embora tudo fosse uma fachada para me levar a ser colocada em um colar e escravizada ao pé de um marido abusivo. — Entre em posição. me lembro de onde eu errei: Eu me apaixonei por um monstro. construir uma barreira. Eu me levantei lentamente. — ele frisa a última parte. Eu balancei a cabeça quando um gemido derramou da minha garganta. Lençóis que eu tinha lavado abundantemente com água sanitária. escurecendo a sua visão perfeita de vida. — Travis mandou. minhas pernas bambas enquanto eu caminhei até a grande cama coberta pelo lençol prata. os dedos machucando a pele. me fazendo olhar para cima em seus olhos azuis ameaçadores. com lágrimas escorrendo por meu rosto tão rápido que minhas bochechas estavam em carne viva. varias vezes para remover o cheiro do desespero e tortura. Eu era uma escrava naquele colar. Era o meu trabalho a manter segura e se eu quebrar a ponto de não retornar. Eu tinha que me manter forte por causa dela. Você está aqui para me servir. eventualmente uma tempestade rola através. — ele trincou para fora. me fazendo cerrar os olhos fechados. — Sua tristeza me deixa saber que você sabe que está consciente do seu lugar. e entregar tudo o que eu peço a você. eu esperei pela ordem seguinte. Tentei afogar as suas palavras. as noites em que não fizemos nada além de ficarmos deitados na cama e falando porcarias sem sentido. — Diga isso. puxando para trás duramente. Travis se inclinou e deslizou sua língua ao longo da minha bochecha. minha esposa.quer que Travis queira de mim. Travis agarrou meu cabelo. É inevitável. Muitos poderiam me chamar de louca se eu lhes dissesse que eu amava esse homem não há muito tempo. Com cada batida do chicote. O que não era muito. mas pelo menos eu iria viver para ver outro dia. ela seria deixada para os lobos. e o ar enche meus pulmões. Ajoelhada no final da cama. sua voz ecoando na minha cabeça. Como em todos os céus cristalinos. levando minha tristeza. eu me pergunto onde errei. borboletas no estomago quando nos encontramos pela primeira vez. olhos azuis que tinham uma maneira doente de invadir o que restava da minha psique. mas quando a dor continua. segurando meu queixo duramente. sem pressa. Nós compartilhamos o que cada novo casal sentiu. — Você entende? — ele questionou. A única coisa que ainda estava lá era o amor feroz por minha filha. cada aperto na garganta. cai de cabeça por ele. ~7~ .

batendo gavetas fechadas. fazendo você agir. — ele me agarrou pelo colar e me levantou. empurrando a minha cabeça no colchão duro o suficiente para bloquear o meu colar no lugar. — Eu vejo que alguém tem atitude esta noite. Eu não tinha ideia do que tinha acontecido comigo. ele ainda vai me tratar como lixo.— Sim. me lembrou do castigo que eu iria enfrentar por desobedecer. Minhas pernas tremeram com o impulso de correr para o outro lado da cama. — eu rosno e cuspo na cara dele. — eu resmunguei. Travis fecha seus olhos enquanto enxuga seu rosto. empurrando minha cabeça para o balcão duramente. Estremeci com meu desabafo. Tomando o meu corpo. minha respiração se tornando áspera pela quantidade de dor que o meu corpo está sofrendo. quebrando meu flashback da noite passada. Eu caio contra o balcão do banheiro. Ponha um pouco de maquiagem ou algo assim. o pesadelo poderia realmente acabar. em troca de te fazer sofrer. — Você parece uma merda. sabendo que não iria passar despercebido. — Você acha que é algo poderoso. Lágrimas enchem meus olhos. Meu tom me pega de surpresa. Eu falhei com sua punição. não é? — ele ergue a mão para trás e me dá um tapa na boca. Vou entregar a dor que você almeja tão desesperadamente hoje à noite. me fazendo arrependida de imediato da minha escolha de palavras. me jogando na cama com o rosto para baixo. finalmente. minha querida esposa. — O que você disse? — Travis agarra meu rosto duramente. — Travis insulta. tentando puxar de seu aperto. batendo meus pulsos com os punhos duros. Eu tive que usar o que restava dela da última vez que você me usou como um saco de pancadas. Eu sei exatamente o que você precisa. Tudo bem. Estou exausta pra ~8~ . colocado em torno do meu pescoço. — ele cospe para fora. — Jessica. Mestre. Mas por que me abster sobre como eu realmente me sinto sobre o filho da puta? Hoje não vai ser pior que amanhã. — eu cuspi. A porta do banheiro foi aberta. rebentando meu lábio. Que. — Eu não tenho mais nenhuma maquiagem. eu posso dizer que eu não tenho sido muito atencioso com você no porão. eu estava convencida de que iria sufocar. e você pode contar com isso. — Eu disse que eu odeio você. mas o colar.

mas o posso sentir se tornando hostil com Addie. Eu rapidamente caio no chão e vou para Addie. — NÃO! — Addie grita. Addie ataca a perna de Travis. Por minha filha. — Vamos ir embora? — Addie me pergunta. onde não temos que ter medo. Eu tenho que tentar. a trancando em sua cadeirinha de carro. Pegando minha bolsa no balcão. simplesmente esgotada disto. — eu sussurro. Eu não aguento mais essa merda. — Eu não tenho tempo para esta merda. A última vez que eu fugi. minhas mãos tremendo de adrenalina. Ele não é um marido também. está ficando pior. Eu tenho que ir para o trabalho. me soltando e saindo do banheiro. Ele é apenas o guardião de uma vida fodida que ele está prendendo nós duas. Onde o papai não pode nos machucar mais. eu não posso pensar assim.caralho. notando que ela bateu em seu rosto quando caiu. e com medo de ela me ver assim. Addie instantaneamente começa a chorar. Só de pensar em fazer isso faz meu coração acelerar a um ritmo perigoso. Eu aperto suas bochechas e as beijo. Ouço Travis exalar com raiva quando ele a empurra. Eu tenho que tentar fugir. é uma bomba relógio pronta para explodir a qualquer momento. mas eu tenho que ser esperta sobre isso. giro a ignição. vamos ir para bem longe. — Sim. a abraçando com força para o meu peito. e ~9~ . Meu coração falha quando ouço Addie. orando para que nenhum dos trabalhadores da casa nos veja. Eu subo ao volante. tão rapidamente quanto eu posso. Lágrimas derramam dos meus olhos quando eu penso em tirar Addie de seu pai. correndo para o banheiro. a fazendo tropeçar e cair no chão. — Merda. eu corro em direção ao meu carro com os pés descalços. sem cartões de crédito. lhe arranhando para me deixar ir. a balançando no meu colo. ele quase me matou. gritando com ele. abro o cofre e pego todo o dinheiro. imediatamente com medo por sua segurança. Era uma coisa quando era só eu. — Travis zomba. Eu balanço minha cabeça. os olhos nela com desgosto quando ela está em torno dele. Eu tenho que sair daqui. baby. — eu sussurro. mas ele não é um pai para ela. Eu não posso mais fazer isso. Isso significa não ligar mais para minha mãe. muito longe. Eu levanto Addie e vou para o quarto. E se ele me pegar de novo? E se ele me seguir? Eu balanço minha cabeça. A maneira como ele zomba dela.

Estou curioso para saber o que deixou Old Guy em tal estado. sentado ao meu lado. mas eu faço tudo certo. Bull sai de seu quarto. Você quer que eu o chame? — Shadow pergunta. ele é um puxa-saco. Onde? Eu não tenho ideia. Um faz tudo até que ele se mostre digno de poder participar do clube como um membro. Eu coloco a garrafa vazia no balcão e a vejo guardar os copos e preencher a caixa de gelo. e ela está resmungando sobre algo. sua voz frenética. Old Guy cai pela porta da frente do clube. 1 ~ 10 ~ . não tendo certeza. meus olhos pegam Babs entrando pela cozinha sobre a parte superior da garrafa. Eu dou de ombros. mas vou continuar fugindo. afivelando o cinto. Desde que ele se tornou prospecto. Bem. — Onde está Bull? — Old Guy pergunta. É tranquilo aqui. eu vá ter um plano. Eu escorrego do meu banquinho no bar e atiro a minha garrafa no lixo. um pouco fácil. — Sim. Seu cabelo vermelho está aderindo ao rosto no calor do verão. até o ponto que não puder dirigir mais. BOBBY Enquanto eu tomo um gole do que restou da minha cerveja. Eu olho por cima do meu ombro para Shadow e dou risada. entediado. — exige Old Guy. eu posso porque eu o conhecia muito antes do clube. alisando o cabelo longo que escapou de seu rabo de cavalo.apenas dirijo. eu não chego perto da quantidade de bucetas que os irmãos com patches conseguem. Eu não posso evitar e tiro sarro dele. Vendo como eu ainda sou um prospecto1. Esperemos que até então. É um estagiário no mundo MC. — Acho que ele está em seu quarto. chamando a atenção de todos. Noites no clube geralmente são preenchidas com mulheres fáceis e drogas. Tiro o rótulo da minha cerveja e o dobro. Ele passa as mãos ao longo dos lados de sua cabeça. Se apresse. Muito tranquilo.

e começa a chorar. esta é sua mãe? — eu pergunto. Prez? — Old Guy pergunta. chorando. quando o lábio inferior faz beicinho. Ela parece ter apenas uns dois anos — Old Guy diz. — Old Guy informa. e me ajoelho à altura da menina. mudando a mulher inconsciente em seus braços. Eu dou de ombros. — Que porra é essa? — sussurra Shadow com descrença. — Alguém fez um número sobre ela. Bull nervosamente passa as mãos pelo seu cabelo preto. me fazendo perguntar se ela caiu. Old Guy vem carregando uma mulher. — Old Guy desloca seus pés e olha para baixo. Eu observo que sua bochecha esquerda está um pouco mais vermelha do que a direita. chocados com o estado da mulher. — Quem é ela? — pergunto. — Um acordo? — Bull pergunta. Seu rosto está manchado de lágrimas. — murmura Bull enquanto faz o seu caminho em direção à porta da frente. — O que você quer que eu faça. — Eu não acho que ela pode falar ainda. Observo seu vestido cor de rosa. Antes de chegar até a porta. — escapa da minha boca em choque. Eu olho para baixo para encontrar uma criança agarrada às pernas de Old Guy. — Olá. Merda. ~ 11 ~ . porra. manchado de sangue em alguns pontos. basta a levar para um dos quartos. — Porra. e ela tem meleca escorrendo de seu nariz. Ela olha para a mulher nas mãos de Old Guy. Ela tem o cabelo louro. antes de cair no chão. com uma voz suave. Uma criança com longos cabelos loiros e bochechas vermelhas está abraçada em Old Guy como se sua vida dependesse disso. — Não tenho certeza.— É melhor que seja bom. Ele caminha para a mulher e tira o cabelo do rosto. Ela parou em um bom carro e ficava perguntando para eu falar com quem estava no comando sobre fazer um acordo. ou se aconteceu alguma coisa. — Old Guy anda pelo corredor com a menina se agarrando a seus pés. e roupas que parecem que não foram lavadas em dias. Meus olhos se arregalaram. — Merda. querida. não sei nada sobre crianças. Ela pisca os olhos um par de vezes. Um movimento pega meus olhos. Ela se enrolou contra seu peito tornando difícil ver se eu a conheço ou não. — Há mais.

com a voz embargada. — diz Babs. ninguém mais. linda? — pergunto a mulher. Shadow me olha com aqueles olhos azuis maus como a merda. — diz Bull. com uma mãe desmaiada. obviamente. Eles são azuis e vermelhos. seus longos cílios grudados uns nos outros pelas lágrimas.— O que você está pensando. louro. e uma figura mais espessa do que a maioria das meninas por aqui. Seu top branco tem sangue e sujeira manchada sobre ele. a menina se agarra à mulher loira. — Essa mulher não tem. para a rua. — Qual é o seu nome. Seu peitos são bons também. recolhendo um gato de rua? — Shadow pergunta. Ela tem o cabelo longo. cara? — pergunto a Shadow. — Meu nome é Jessica. Os olhos da mulher se abrem. pegando a minha atenção. — Eu vou limpar ela e cuidar da criança. do que eu posso ver empurrando contra sua camisa. e seus jeans estão ruins demais. Ela não está usando sapatos. — Que porra é essa. Shadow acena com a cabeça. Seus pés descalços. ~ 12 ~ . Seus lábios carnudos vermelhos com a parte superior divida. a sua voz aguda e com raiva. sabendo que ele ultrapassou os limites. A sigo pelo corredor até um dos quartos vazios. Suas sobrancelhas vincam e ela espera pela minha resposta. manchados com lama chamam minha atenção. Seus olhos se atiram aos meus. Ela deve ter se apressado para sair sem tempo de pegar seus sapatos. Ela tem um rosto redondo que está machucado em um lado. quando eu me sento na cama. Eu sei que ele tem problemas. rumo ao fundo do corredor. Eu observo a menina ainda agarrada às pernas de Old Guy e como Babs aplica um pano úmido no rosto da mulher. Eu não estou prestes a lançar uma criança. mas estou surpreso que ele não tem nenhuma compaixão pela mulher e a criança. Prez. o contato a fazendo chorar muito. balançando a cabeça. Eu me inclino sobre Babs para obter um melhor olhar na mulher que está deitada na cama desfeita. Você está no comando? — pergunta ela. Imediatamente.

Meu coração bate contra meu peito quando seus olhos tristes pegam os meus. Ela funga e passa a mão na parte inferior do seu nariz. — Quem fez isto em seu rosto. Não. Eu fiquei sem dinheiro esta manhã. e vamos ver o que podemos fazer. Ela agarra a pequena filha e puxa para perto. me deixe falar com os meus meninos. todo mundo está no seu bolso. como se o que ela está prestes a dizer é a coisa mais difícil que já falou. ampliando sua postura. vi as motos indo e voltando. Ela olha para cima de sua filha. — Eu preciso de proteção. cruzando os braços. Eu sou o responsável. levantando a cabeça para me ~ 13 ~ . elas se parecem com o inferno. com um sorriso amável. — diz ela. — De onde você é? — Shadow pergunta. esperando por um comércio de serviços. — Nevada. Sou Bull. antes de sair do quarto. — Do meu marido. O que fez você vir aqui? — Shadow interroga. — De quem? — pergunto. — Não. — ela diz baixinho. — Nós precisamos de proteção. balançando a menina para frente e para trás. — eu respondo. eu saí com dinheiro que eu pude pegar. — diz Bull. — Você já comeu? — pergunto. Eu decidi tentar a minha sorte e segui as motos aqui. — Seu nome é Doutor Travis Norwell e ele tem conexões em todos os lugares. querida? — Bull gesticula em direção ao olho machucado. com a voz trêmula.— Não. — Este é Bobby. mais lágrimas escapam de seus olhos cansados. — Jessica olha para a filha. Seus lábios partem e uma cascata de lágrimas corre de seus olhos azuis. e estamos andando sem recursos na última meia hora. me fazendo segurar uma respiração súbita. — ela responde rapidamente. eu não estou. — Eu estava na cidade. entrando atrás de mim. observando ela e à criança. — Quem é o seu marido? — Bull pergunta. — Tudo bem. que está montando seu colo e as sobrancelhas sulcam. — Jessica sussurra no cabelo de sua filha. — diz Bull gravemente. — Isso é um inferno de uma distância.

eu não consigo desviar o olhar. e ela para de cantarolar. ~ 14 ~ . A mulher danificada que tem uma beleza como ninguém que eu tenha visto antes. me levando desprevenido. me cativando. A súbita sensação de amparo de Addie e sua mãe surge através de mim. me intriga. Bobby. Além de seu belo rosto e bravura. Addie move um pouco a cabeça e olha para mim. — Ela acabou de completar três anos. batendo o pé com a bota. as palavras me tomam de surpresa. — Se os votos do clube forem a favor do seu nome. chamando a atenção de Jessica. Há algo sobre esta mulher. — eu ofereço. — Shadow. um enigma sobre o estado que está em sua aparência. Minha boca abre de um risco em um sorriso. Vou fazer quem fez isso com elas sofrer. Sua voz vibrando me lembra de um beija-flor. O som tão sensual. — Que porra é essa. roçando uma mecha de cabelo do rosto da menina. então você pode vir ficar comigo. Ela estremece. — Ela é linda. Você irrita Bull e você pode beijar sua bunda. Seus olhos escondem uma luz vibrante. — ela sussurra. Eu olho feio para ele. Jessica fica de pé vacilante. se plantando à direita na parte superior do lábio. mas aceito a ideia de ser protetor do par sentado diante de mim. Ela começa a balançar a criança novamente e cantarolar. tragam Jessica para a sala de reunião. eu chego à frente e escovo a lágrima de seu lábio cortado. Qual o nome dela? — Addie. — Quantos anos ela tem? — minha pergunta lança Jessica para fora de guarda. tão inocente. Elas precisam ser salvas e eu sou o homem para fazer isso. algo sobre ela toma conta de mim e eu não consigo descobrir o que é. me fazendo recolher minha mão rapidamente. — diz ela. — Old Guy grita do fundo do corredor. A criança mexe no colo. com os olhos inocentes olhando os meus.encontrar com os lindos olhos azuis. Seus lábios abrem quando uma lágrima rola sobre a ponta de seu nariz em queda livre. a menina agarrada ao pescoço. — Você é um fodido prospecto. cara? — Shadow rosna. seus olhos se abrem. Seus olhos ainda estão olhando para mim.

— Onde diabos ele está indo? — Shadow pergunta. — ordena Shadow com firmeza. olhando para a porta da frente. ~ 15 ~ . — eu rio. Shadow. nervoso com o que o destino do clube lhe dera.— Me sigam. flexionando os braços quando descansa as mãos na parte de trás de sua cabeça. — Bem. — Estamos tomando os problemas de Jessica. Jessica sai da sala com lágrimas escorrendo pelo rosto. — Vai saber. eu deslizo de volta para o banco que estava sentado minutos atrás. Eu imediatamente levanto. — eu dou de ombros. — Foda-se. resmungando baixinho. Jessica olha o meu caminho. — Old Guy instrui. xingando baixinho um pouco mais. mexendo no bigode. — eu respondo bruscamente. antes de Jessica aparecer. — Shadow repreende. isso explica. — garanto. e faz o seu caminho para fora da porta da frente às pressas. — Merda. Essa deve ser a bolsa de Jessica. deslizando para fora do banco. — É melhor você se recompor. Shadow. antes de recuar para a sala. — Bobby. — Bull informa. Este clube é a última esperança daquela mulher. Quinze minutos mais tarde. enquanto ele caminha para fora do quarto. os lábios entreabertos com terror. Bull quer ver você dois. — Apenas siga de volta pelo corredor até o quarto que esteve anteriormente. Depois de Jessica entrar na sala. Ela olha para mim com olhos assustados. — Você vai ficar bem. Segundos depois. as sobrancelhas erguidas em sinal de advertência. Falcon cambaleia para fora das portas da sala. seu rosto gravado com tristeza e me segurando no lugar. Falcon entra no clube carregando uma bolsa grande preta debaixo do braço. colocando minha mão na parte inferior das costas dela. — Old Guy informa. — Shadow amaldiçoa. Qualquer um pode ver isso. com a mão apontando para o corredor. antes de ir para o corredor mal iluminado.

um pouco mais que o normal. Eu estudo a foto. o desejo de esmagar é insuportável. Eu chego para frente e agarro antes que Shadow tenha a chance de o pegar. — O leve para fora. O cara tem o cabelo de cor clara que é curto. — Acabem com ele. MIA: quer dizer missing in action. seu tom ameaçador quando ele bate o martelo para baixo. — Qual é o plano? — pergunto. e que possuem uma borda ameaçadora neles. ou seja. que ela caiu. — Ele bate na criança? — Shadow pergunta. — Que bom que você perguntou. — diz Bull com naturalidade. não que um homem adulto bateu nela. ela é usada em referência ao soldado cujo paradeiro é desconhecido após missão ou batalha. e possivelmente as matar. Bull assente. com raiva. — diz Bull. agora. Jessica disse que ele tem um irmão que é semelhante. Eu assumi. — manda Bull. Bull encaixa o olhar da mesa em Shadow. Parece que esse cara é tão sujo quanto parece. o seu sorriso branco brilhante ofuscante. filho. — e você e Shadow vão ser os únicos a fazer isso. encontrando uma fotografia. — ele desliza algo sobre a mesa na direção de Shadow. minha testa reunindo suor. e quando o fizer. seu tom de voz baixo. por ser uma criança. tão leves que parecem cinzentos. — Bull informa. Ele virá à procura da mulher e da criança. — eu o encorajo a continuar. Meus dedos enrolam em torno da foto. — Esse é o marido. raiva inundando minha corrente sanguínea. A bochecha da menina estava vermelha quando ela entrou. com os olhos fechados. — Se certifiquem de fazer isso direito.— Ok. 2 ~ 16 ~ . suas sobrancelhas se juntam com o choque. eu não tenho nenhuma dúvida de que ele as irá fazer sofrer. Ele se parece com um dos vilões de um filme. — Como e quando estamos cuidando do marido? — Shadow pergunta. Seus olhos são azuis. Suas bochechas são altas e sua mandíbula se curva para baixo em um ponto. mas ele tem sido MIA2 no mês passado.

Seu rosto é nítido. — Se você não tivesse que parar a cada três horas para comer. Jessica disse a Bull que este hospital seria o melhor lugar para chegar ao marido. olhando para fora do para-brisa. Ele olha para a rua quando passa. — Quando é para ele sair do trabalho? — eu procuro no lixo no assoalho pela fotografia que Bull nos deu. com os olhos pegando os meus. e copos vazios jogados no piso. Os postes lançam uma luz brilhante nele quando ele passa por nós. fazendo com que o brilho ilumine suas feições. Ele pega a morena magra e lhe dá um tapa na bunda. Ele balança a cabeça e caminha em direção ao estacionamento iluminado quando ela se dirige para dentro do hospital. Eu olho pela janela para um cara girando uma mulher de cabelos escuros usando uniforme cor de rosa em frente às portas do hospital.. Eu zombo. sacudindo a fotografia com o dedo. Eu fico olhando o hospital. — A qualquer momento agora. Shadow olha para o relógio digital no painel. nós só paramos duas vezes. pegando a foto da minha mão. É alto e branco. Está muito escuro para obter uma identificação clara. — eu digo baixinho.Onze horas depois. — eu cheiro. — diz Shadow. — Este carro fede. Aspiro acentuadamente. com janelas que revestem todos os andares. meu coração batendo contra o meu peito com violência.. e vicioso. Ele se vira para olhar para baixo na rua. — É ele. mas ele parece alheio a alguém estar aqui. e a ID do marido dela. porque a sua casa iria estar carregada com segurança. ele não iria cheirar como um lixo. — Shadow diz categoricamente. — Você tem certeza? — Shadow pergunta. olhando em volta para os sacos de fast-food. ~ 17 ~ . os olhos piscando quando ele olha na foto. ameaçador. — Eu não posso dizer. combinando com a fotografia. Seu cabelo está levemente colorido. rindo em voz alta. Os sons de um riso estridente pegam minha atenção.

— Foda-se. Ele sabe que matar não é a minha coisa. Meu trabalho não é desleixado. Eu tiro os olhos da estrada e levanto minha sobrancelha para o tom de Shadow. — insulta Shadow. — Que porra você está fazendo. deixando o estacionamento do hospital. é o que Jessica disse a ele. o dedo apontando para baixo. Não temos dias. — Eu não vou fazer esse trabalho assim. — eu explico quando nós pegamos o carro em alta velocidade. idiota! — Shadow grita. seu tom de voz alto e com raiva.O Corvette de cor escura arranca para fora do estacionamento. meus olhos seguindo o carro esportivo para fora da unidade. Esse cara vai notar que sua esposa e filha fugiram. ele é muito completo. Bobby? — Shadow pergunta. Eu já o vi levar dias para reunir informações sobre uma batida antes de entrar. Shadow é o único que suja as mãos. Não temos tempo para o seu programa de dez passos sobre como matar. — O levando para fora. e isto é desleixado. analisa todos os cenários possíveis. Estive com ele em um par destes passeios. Esse olhar final nos olhos de alguém antes de tirar sua vida me faz hesitar. Cumprindo o golpe final para tomar o alvo para fora. caçando as pessoas e as levando para fora do clube. e vai ter uma equipe de busca com rapidez. — É ele! Ele é idêntico ao da fotografia e dirige a mesma cor do carro. chamando a atenção de Shadow da foto. Esse cara que eu estou seguindo. então você pode muito bem virar este carro. Shadow tem um talento especial para este tipo de coisa. eu não sinto essa hesitação. Shadow. tentando agarrar a direção. Quando fazemos um trabalho como este. Ele pensa em tudo. — informa Shadow. Tudo o que vejo é bochecha ~ 18 ~ . Irritado. ele está me irritando. A parte sem borracha corta meus dedos. Bobby. — diz Shadow. — Corvette preto. eu bato meu punho no volante. — eu pressiono meu pé no acelerador para recuperar o atraso com o Corvette. suspirando. Eu ligo a SUV e a coloco em marcha. — Que tipo de carro Bull diz que ele estaria dirigindo? — pergunto. porém. Você não pode fazer isso. — Você não sabe se é ele.

balançando a cabeça para mim. — Eu acho que eu posso ter me ferido. nosso carro longe por pouco do para-choque do Corvette.vermelha da menina e o sangue manchando o rosto de Jessica. ambos respirando com entusiasmo. — Quem disse que você vai acabar com esse saco de merda? — eu questiono apressadamente. pois os nosso carro está a centímetros perto do outro para-choque. e há manchas de sangue em todo o para-brisa rachado. Ouço os passos de Shadow atrás de mim. Venho sobre a borda da estrada e vejo o Corvette esmagado contra um espesso tronco de árvore. Nosso veículo desvia quando o Corvette vira para fora da estrada e bate em uma árvore. — O que você está fazendo. — o cara resmunga. — Shadow diz fora do ar. A porta do motorista é empurrada e um homem em uniforme azul cai gemendo. — Espere. Eu saio do SUV e tiro a pistola para fora da minha cintura. os pneus cantando quando nos voltamos em círculo completo antes de vir para uma parada. Eu cerro os dentes e bato o pé no acelerador novamente. ~ 19 ~ . — Shadow adverte. e empurro o pedal todo até o fim. me lançando um olhar de preocupação. — Você é um fodido louco. fumaça e sibilantes ruídos vindos do capô. inclinando de volta para carregar uma bala na câmara. tentando ganhar o controle. clicando em sua arma com o barulho de quando ele a carrega. — advirto. sua cabeça está sangrando. Nós completamos uma curva fechada. Nossa SUV se eleva para frente. Olho para Shadow. quase se chocando com o lado do Corvette. Pressiono meu pé no acelerador para nos empurrar a frente. Bobby? — Shadow pergunta. — Bobby. tomando um grande fôlego. Eu luto com o volante.

O impacto o fazendo apertar sua mandíbula. —manda Shadow. faça logo. com a boca gemendo de dor e medo. sua voz tensa da incômoda posição que seu pescoço está. — As coisas que eu faria com você se eu tivesse tempo.— Eu sinto muito por isso. Eles são azuis. — Travis Norwell. — eu sussurro em seu ouvido. Tenho visto Shadow matar. batendo minha bota no rosto de Travis tão duro quanto eu posso. meu corpo tremendo de raiva incorrigível. não é à toa que ele está olhando para mim com preocupação. ele faz isso limpo e rápido. Bato minha bota em seu estômago. e busco a sua carteira. Ele nunca brinca com a comida. me fazendo pensar na deusa loira que ele mutilou como uma boneca de pano. Bobby. — Retribuição. com os olhos olhando para mim. Eu cavo minha bota em suas costas. me inclinando para baixo. apertando os dentes. Eu fecho meus olhos. — Nós não temos tempo para esta merda. o fazendo perder o equilíbrio. o que confirma a Shadow que este é o babaca que estamos procurando. Seu rosto está dilacerado. Olho para Travis. tentando obter uma barreira em mim. Eu largo seu cabelo. e puxo seu pescoço para trás dolorosamente. Estamos em aberto aqui. Eu bato minha bota para baixo novamente e mais uma vez. ~ 20 ~ . Ele cai de costas. o meu joelho e tornozelo gritam no impacto. e gemer de dor. Meu nariz sopra e o meu sangue corre frio. Seus ossos racham abaixo em minha bota. Faça o trabalho para que possamos sair de vista. Eu grito no ar da noite. Eu chuto nas suas costelas. — Shadow repreende. Shadow zomba. Gostaria de puxar membro a membro. Gostaria de te torturar pra caralho. Me deixe te ajudar. Eu lanço a carteira a Shadow. — eu leio em voz alta. — eu ameaço. — Bobby! — Shadow grita. o fazendo rolar de dor. deixando sua cabeça tombar contra o chão duro. — Porra. cruzando os braços na frente do peito. Portanto. — eu zombo. — O que você quer de mim? — ele chora. mas tudo que eu vejo é o olhar de medo escrito em Jessica e o rosto da filha. minha bota ainda em suas costas. e agarro a parte de trás do cabelo de Travis. queimar a pele de seu maldito pau. o sangue contra o meu pé fazendo o máximo de horríveis ruídos quando ele cospe em meu pé.

— eu pergunto confuso. dando um passo para o meu lado. Entro no clube em busca de Jessica e sua filha. vem adiante. Eu fui o único que lhes livrei desse fardo. eu pensei que nós fizemos uma negociação de troca de serviços. — Bull interrompe. Ela vai estar de volta em um mês ou ~ 21 ~ . Aquele olhar. — Há evidência por toda parte. — As enviei de volta para Nevada. Eu fecho meus olhos e puxo o gatilho. lhes permitindo viver em liberdade e não no medo. a criança que salvei. — Sim. seus olhos se ampliam. — Precisamos ter certeza de nos desfazer deste SUV. mas eu venho de mãos vazias. me chamando a partir de minha dormência. mas o trabalho está feito. — Eu preciso dela para bancar a esposa enlutada quando o marido não voltar para casa no dia seguinte. Minhas narinas alargam quando uma onda de alívio me escapa. com um rosto torcido. Eu fiz isso. — O que você está procurando? — Falcon pergunta. o que sobrou deles de qualquer maneira. Vamos limpar isso. — O quê? Por que. Eu preciso ver a mulher por quem eu matei. andando atrás de mim. — eu o lembro. Travis deixará de ser um perigo para a Jessica ou sua filha. em seus olhos preocupação. saindo das portas da cozinha. a raiva da situação ainda pulsante através de mim. o olhar da vida fugindo de um corpo quando o ceifeiro está respirando pesado em seu pescoço. — Você está bem? — Shadow pergunta. — eu passo por Shadow e ando para o SUV para pegar o plástico.Eu tomo uma respiração irregular e aponto para a cabeça do marido de Jessica. Acabo com o sofrimento de Jessica e sua filha. Bull inclina a cabeça para o lado. — Eu estou bem. Quando ele percebe que as minhas intenções. — Onde está a mulher e a criança? — eu respondo. Abro os olhos e olho para Shadow. — murmura Shadow. A sensação de finalmente fazer algo de bom e não completamente qualquer porra é ensurdecedor.

Concordo com a cabeça em compreensão. batendo os dedos no balcão do bar. se não. — diz Bull.dois. você e Shadow a irão recuperar para mim. ~ 22 ~ .

Entro em uma sala e imediatamente sinto o pelo grosso do tapete azul entre os meus dedos. Eu odeio quando eu acordo em lugares desconhecidos. Por reflexo. o meu corpo dolorido do abuso da noite anterior. eu paro para amarrar minha bota. um cobertor rosa envolto confortavelmente em torno de seu corpo nu. inferno. Eu gemo e me sento. Eu não tenho nenhuma ideia de onde eu estou. me cegando. rezando para não acordar. correndo a mão no meu rosto. Corro no andar de baixo. de novo não. o que acontece muitas vezes. Eu olho para cima e para baixo do corredor e encontro portas revestidas em ambos os lados. a minha cabeça se encaixa para o lado. Eu realmente tenho que pegar leve com as drogas e bebida. Porra. Eu pego minhas roupas do chão e sigo para a porta. As cortinas com babados rosa. pulando dois degraus de cada vez. eu não tenho ideia qual o nome dela. Esfrego o sono dos meus olhos e sinto algo pressionando suavemente em minha perna.Capítulo Um BOBBY PRESENTE Meus olhos se abrem a luz solar não filtrada pela persiana através do quarto bem na minha cara. as paredes cobertas de merdas rosas. Sara. Eu olho em volta do quarto e percebo uma abundância de rosa. Quase tropeçando no último degrau. Acho uma jovem loira dormindo profundamente. me certificando de abrir e fechar o mais silenciosamente possível. fazendo com que minha cabeça a bata instantaneamente. e prateleiras cheias de porcaria inútil rosa. Eu tento uma chance e vou para a esquerda. Eu puxo meu jeans e me visto rapidamente. enquanto eu dou de ombros pela minha situação. Trina. Eu jogo a cabeça para trás e suspiro. ~ 23 ~ . Empurro lentamente o meu caminho para fora da cama tentando ser calmo. merda feminina pendurada nelas.. noto um piano de cauda colocado ao lado das janelas de vidro alinhadas ao longo da parede. Parece que uma Barbie vomitou aqui. — Oi. Olhando por cima do corrimão. chegando a um lance de escadas de mármore branco..

eu tenho que chegar ao clube. Eu vejo a minha moto estacionada à direita e um salto rosa no cascalho bem próximo a ela. eu não fazia amigos com facilidade. mas mesmo com a liberdade de viver por nossas próprias leis dentro do clube. também conhecido como missa4. Subo e não posso deixar de rir quando chuto a sandália longe do pneu. planeja e organiza os passeios abertos e batidas fechadas dos clubes. não hesitará em chutar a minha bunda se eu estiver atrasado para nossas reuniões. Shadow e eu sempre estamos no caminho um do outro. Eu pensei que essa porra estava esquecida. 4 Do original Church. — Ei. ainda me abala realmente. porém. Mesmo que eu possa tecer através de veículos na minha moto. talvez? Não seria a primeira vez. querendo evitar a autoestrada tanto quanto possível a esta hora. Vejo um par de camisetas que elas estão vestindo. Eu puxo o meu telefone. estaciono minha moto ao lado da de Shadow. Eu não tinha certeza do que eu iria ver quando eu olhasse. é fácil ver por que eu estava marcado. um pai chateado segurando uma espingarda. Eu tomo o caminho de volta para o clube. Eu aceno minha mão e dou um sorriso leve. Eu sorrio para as meninas sexys e sigo em direção às portas duplas diretamente na minha frente. olhando para o horário. Só isso já resultou em ser intimidado. pelo menos não os verdadeiros amigos. adicione a isso os óculos e ser inteligente. me levantando. eu era um nerd. Quando eu chego à sede do clube. garotas. o tráfego da hora do rush da manhã é um pesadelo. 3 ~ 24 ~ . Um buffet de belas mulheres jovens. Porra. não há tempo para jogar. morenas. — eu respondo. e eu tenho certeza que eu era o dele. Eu estou em uma irmandade. muito. então eu percebo onde estou. Merda. Eu estava fascinado pela forma como as coisas funcionavam. Crescendo.Eu lentamente volto o meu olhar da minha bota para a voz. meu presidente. Isso é o que eles me chamaram. Meu coração lentamente aumenta seu ritmo quando o meu olhar cai sobre um monte de garotas seminuas que sentadas em torno de uma ilha da cozinha. exibindo um estranho A e O nela. ruivas. Eu solto a respiração que eu estava segurando. Ele foi meu primeiro amigo de verdade quando eu era um garoto. Eu sou o capitão de estrada3 do Devil’s Dust MC. Capitão de Estrada – Road Capitain: é o oficial que lidera. Há loiras. Bull. meus ombros caindo com alívio. esperando que me leve para fora. De acordo com os caras que me batiam pra caralho.

Eu tenho visto em primeira mão o que isso faz a um homem. Sabendo mais sobre Jessica iria me jogar em cima da linha de liberdade e em algo complicado. O que provavelmente é uma coisa boa. Ele era tudo o que eu tinha depois que minha mãe e meu pai faleceram. não tendo nenhuma intenção de chamar de volta. Ela vem em torno do clube em um par de festas aqui e ali. sempre me dá uma sensação ruim na boca. Ele era um quebra-cabeça que eu queria colocar junto. Ele era diferente das outras crianças. em seguida. não querendo complicar as coisas. ele me mostrou lealdade e se tornou a minha família. Olhe para Shadow e Dani. Ao o fazer. — disse ela. e sem limitações. e isso me custou duas balas! Entro no clube e passo direito por todos no bar. Existe apenas outra pessoa neste mundo que tem me jogado para esse laço. — Sim. Ao longo dos anos. Gosto da maneira como as coisas estão indo para mim. nos ajudando como reembolso por sua proteção. Doc. Eles se tornaram descuidados depois que chegaram muito perto. ~ 25 ~ . Ela acabou me dando a mesma linha que eu dou as meninas. Colocaria minha vida em risco por Shadow. como ela é conhecida em todo o clube. Tenho dormido com ela ao longo dos anos. e. Ele não queria fazer amigos. se distanciando. Quando eu falei com ele pela primeira vez. Eu sou despreocupado. indo para a cozinha precisando de algo para molhar a boca seca. não poderia se importar menos sobre o que todo mundo fazia. Eu tentei descobrir o que se passa na cabeça linda dela. eu acordava para tentar escapar. e ele não dava a mínima para qualquer coisa educacional. Dei a ela o meu número logo depois que ela chegou de volta ao clube. e descobrindo que ela se foi antes de mim. realmente. mas isso só faz com que ela me empurre mais longe. ela vai embora por semanas. está bem. Foi por isso que fiquei intrigado por Shadow quando eu o conheci. ele me mostrou as profundezas da verdadeira amizade. e ele faria o mesmo por mim. o que não é muito. evitando o contato visual e colocando o papel que contém o meu número no seu bolso de trás. mortos por um motorista bêbado. Após as vezes que dormimos juntos.quando as peças desse quebra-cabeça foram colocadas juntas para fazer uma foto maior. Essa é Jessica. eu percebi que tínhamos uma coisa em comum: se meter em encrencas. Merda. Eu devo ter fumado muita maconha na noite passada. O panorama que não consigo juntar. hesitante.

Babs era a mãe do MC. Eu passo de volta para a área comum e observo que todos se debruçam sobre o bar olhando para a TV de tela plana pendurada na parede. Viro a olhar de volta para a TV e vejo um repórter freneticamente tentando passar por uma multidão de pessoas de boca aberta. eu bebo diretamente do jarro. Eu não sou inteiramente certo qual sua história é. e depois fecho a geladeira antes de sair da cozinha. Shorty foi trazida pelas Olds Ladies vários meses após Babs falecer. Ela ajuda por trás do bar. seu cabelo castanho atirando por cima do ombro chicoteando a cabeça em minha direção.. limpo minha boca com as costas da minha mão. — Shhhh! — Shorty faz para mim. — sussurra Shadow. feliz por que eu tomei o caminho de volta. — Porra. ela tenta cozinhar. — O que há com todos. — Fraternidade. enquanto ele olha para ela. Está quieto. e apesar de sua comida ter gosto de merda. e nunca poderia ser substituída. — Caminho de volta? De onde foi que você veio? — pergunta Shadow. Ele sorri. com os braços cruzados na frente do peito. ~ 26 ~ . Ela é pequena e bonita como o inferno. Eu levanto minhas sobrancelhas e sorriso. balançando a cabeça. Eu ouvi alguma merda sobre seu pai abusando dela. mas eu não tenho certeza se isso é verdade. muito tranquilo.Agarrando o suco de laranja da geladeira. então. mas é bom ter Shorty limpando por aqui.. — Realmente é um grande acidente na autoestrada. assistindo a TV atentamente. A intensidade de seus olhos castanhos quando ela faz uma carranca me faz sorrir. Coloco o recipiente de volta onde eu achei. seu tom curioso. — eu respondo.

isso nunca aconteceu. — Sim. ainda não. me levanto capotando e bato com a mão para baixo no despertador. Bree é a babá de Addie. Planejo as coisas. Ela é ótima com Addie. e até mesmo deixa Addie ficar a noite quando estou de plantão ou no turno da noite. — Por quê? — eu não costumo receber uma chamada para ir para um resgate. Raspo meus dedos contra a porta. é meu celular. e seus óculos estão sentados na ponta de seu nariz. — murmuro no travesseiro. O zumbido alto continua. Eu puxo meu jaleco branco e desço o corredor até o apartamento do outro lado do meu. — eu bocejo no telefone. — eu respondo. a ajuda com o trabalho de escola. Por sorte. eu estou de plantão no hospital. me fazendo levantar a cabeça do travesseiro para inspecionar o alarme. Isso sempre acontece com o trabalho que eu faço. Seu cabelo escuro é puxado para cima em um coque bagunçado. Wren. — Não. Na verdade. e me encosto no batente da porta. tudo bem. Seus olhos são vermelhos. — Houve um engavetamento de vários carros e precisamos de você lá agora. O alarme não está tocando. minha voz embargada de falar tão rapidamente. causando um ligeiro travessão vermelho dobrado. — Dra. e adora a minha filha. Corro para fora da cama e pego meu telefone do carregador. — sua voz é trêmula. Hoje era para ser meu dia e de Addie e eu nem sequer cheguei a levá-la para a escola.JESSICA Eu acordo com um zumbido alto. ela deve ter estudado toda a noite para os exames da faculdade. Existem várias vítimas e as ambulâncias não são suficientes ou os paramédicos. ela vive do outro lado do meu apto. A porta se abre e uma sorridente Bree me entrega uma xícara de café. — Nós precisamos de você na autoestrada onde a 10 intercepta a 405. eu estarei lá assim que eu puder. e não estar completamente acordada. Eu conheci Bree ~ 27 ~ . Merda. — meu chefe instrui. como se ela estivesse sobrecarregada. Eu termino a chamada e gemo. Parece que Bree vai ter que a levar. mas são sempre os chamados que me fazem reprogramar.

quando me mudei. Caminhões estão empilhados em cima de caminhões com sangue manchando o pavimento. respiro fundo. meu coração para. Eu percebi que iriam te chamar. — Claro que sim. Eu descobri que ela estava indo para a escola de enfermagem. — diz ela. Há caminhões de bombeiros voando por mim. apontando por cima do ombro para um repórter na TV. tomando um gole do café. fumaça está subindo. Eu me preparo mentalmente para a carnificina que estará no lugar enquanto puxo para o acostamento. — Sim. e aulas à noite. e puxo o meu saco de suprimentos do banco de trás. passando pelo tráfego interrompido. Eu olho para o meu saco e percebo que eu preciso de mais suprimentos. fechando a porta atrás dela. Chego e pego minhas luvas. Eu estou supondo que é muito ruim. e quilômetros adiante. de volta ao ~ 28 ~ . Há carros virados com corpos mutilados pendurados no meio do caminho para fora. e sirenes de veículos de emergência soando ao fundo. me seguindo para o meu apartamento. eu posso dizer que vai ser o caos total. ela ficava brincando com Addie. então ofereci para que ela ficasse no meu até que o senhorio a chamasse. é que ela estava sobre isso todos os dias. Conduzo para o local do acidente. tendo aulas online. A perturbada voz do ferido gritando. muito mais. Lhe dei dicas para estudar. Eu giro nos meus calcanhares. fazendo perguntas que não podia resolver em seu dever de casa. Quando eu ultrapasso a fita amarela em torno do local do acidente. A próxima coisa que eu sabia. me chamaram para o local. Saio. e conselhos sobre os exames que ela estaria fazendo. — diz ela. as colocando em minhas mãos para proteção. Eu chego mais perto que eu posso do local e estaciono. — Eu vi a notícia. É então que eu ouço. e sigo em direção a tudo. e nas pausas. Ela se trancou do lado de fora de seu apartamento. Você pode pegar Addie e a levar para a escola? — pergunto. médicos gritando ordens. Eu fecho meus olhos. e ambulâncias por todos os lados. Eu preciso chegar lá rapidamente. quando ela poderia arcar com as mensalidades.

você pode nos dizer o que você está vendo no outro lado dos carros destruídos? Quantos feridos suspeita que existam? Quantas mortes? Você pode nos dizer alguma coisa? Stage Five Clinger: Nível ou estagio cinco: Quer dizer que tem todo o potencial de se tornar algo mais. Wren. incluindo canetas. acenando com uma câmera na minha cara. mas é persistente em me convidar para sair em um encontro. — Dra. 5 ~ 29 ~ . — Minha senhora. BOBBY Eu assisto a repórter ir freneticamente sobre a forma como um motorista de caminhão causou o acidente durante a hora do rush. Acabei de dizer a ele que eu não namoro com quem eu trabalho. Eu arranco meu braço livre da repórter e faço meu caminho em direção ao Doutor Meldon que está em pé acima de alguém preso debaixo de um carro. ou romântico ou um assediador. Elas podem ser uma ótima ferramenta quando você é deixado com nada mais. Eu viro tentando esconder meu rosto. — Minha senhora. você pode nos dizer o que você está vendo no outro lado dos carros destruídos? Quantos feridos suspeita que existam? Quantas mortes? Você pode nos dizer alguma coisa? — uma repórter pergunta freneticamente. Eu pego qualquer coisa que eu possa encontrar. me fazendo quase derrubar meus suprimentos e os espalhar no chão. Eu começo a soltar um pedaço de madeira do bar. não querendo a exposição. aqui! — gritam comigo do outro lado da fita. Doutor Shane Meldon recentemente se transferiu de um hospital em Nova York. Parece que estamos no mesmo turno juntos muitas vezes. Jogo tudo na minha bolsa e corro de volta para o local o mais rápido que posso. ele tem Stage Five Clinger 5 escrito tudo sobre ele.meu Jeep. Ele está ok. ouvindo o repórter sobre como esta é a pior batida de carros que esse estado teve visto nos últimos anos. Mas com toda a honestidade. De repente estou sendo puxada para trás por dedos delicados a apenas centímetros da fita amarela. Eu cavo no porta-luvas e encontro mais gaze e toalhetes antibacterianos.

aprofundando em vermelho ainda mais para baixo em sua perna. Vou à entrada e vejo Tom Cat no chão. — O que diabos foi isso? — pergunto. com a perna que está para fora. chegando sobre ele. Tom está ocupado aprendendo as funções do sargento de armas. Pequenos tons de rosa pontilham a parte do joelho. Ele está resmungando de dor. — O que diabos aconteceu? — eu questiono de cócoras ao lado dele. Eu tive isso depois de virar uma esquina fechada rapidamente soltando a minha moto. evitando é o que ela faz de melhor. e seus lábios rosa partem quando ela olha para a câmera. e seu corpo está tremendo. — O que aconteceu? — Shadow pergunta. e eu encontro uma Jessica atordoada. Deus. Eu movi Shadow e enrolei meu braço em volta da cintura de Tom para o ajudar e o levar ao clube.Eu olho para cima depois de nada além de silêncio segue as perguntas bruscas da repórter. se assemelhando a carne moída crua. olhando para a perna rasgada. O vermelho é tão escuro. Meu peito aperta quando eu vejo o olhar assustado no rosto de Jessica. antiga posição de Shadow. Ele revira seu corpo apenas ligeiramente. É marca de estrada. — murmuro. Tom recebeu seu patch há poucos meses atrás. Ela está me evitando. Agora que Shadow foi nomeado vice-presidente. Sua perna da calça está rasgada e esfarrapada até a coxa. me levantando a partir do bar. meu punho apertando com o desejo de a proteger. — Oh. ela é linda. olhando para a porta. — Bull fala devagar. ~ 30 ~ . sua moto caída. Um estrondo de fora do clube chama a atenção de todo mundo da TV para a porta da frente. derrubando algumas outras como um efeito dominó. Eu sei como essa merda dói. parece preto na parte gorda da panturrilha. Suas bochechas redondas resplendem. — Eu não tenho certeza. Eu não a vi em semanas. Eu nem percebi Shadow me seguindo. merda! — eu amaldiçoo. com sulcos e pedaços cortando sua perna. — Porra. estava tão concentrado na perna de Tom. deslizando o braço sob os braços de Tom para o levantar do chão.

O levamos ao clube e o deitamos no sofá. engolindo em seco. — Tom range. estou um pouco animado para ver Jessica. — Foi como nada que eu já vi antes.— Batida do caralho na autoestrada. fecha os olhos e apoia a cabeça no braço. de olho na perna de Tom. irmão. — ele faz uma pausa. a jogando para trás. mas ela pode demorar muito pelo que vimos pela TV. — Vou ligar para Doc. — Droga. As pessoas estavam gritando. — Eu não ia de fodido jeito nenhum ficar em torno de tudo aquilo. seu corpo arruinado pela dor. — O que você fez? Bateu e decidiu dirigir até aqui? — eu questiono com uma pitada de humor. É uma merda que ele ainda esteja com muita dor. ~ 31 ~ . — diz Bull. mas eu não posso evitar. Tom rosna de dor.

segurando a porta quando eu ando. Eu quero estar com ele. Eu tenho que pensar em minha filha e em sua segurança. Ele é fodidamente lindo e difícil de ficar longe. sem dúvida. um destruidor de corações. Bobby é conhecido por suas maneiras de jogador. O perigo que ele vive tão vigorosamente junto com as leis do clube. eu estava esperando que ele não estivesse aqui. Somente para acordar no dia seguinte com medo e arrependida. colocando aquelas covinhas para trabalhar. e não as deixando ir. sua presença é um desafio. confusamente. e suas formas sedutoras. ficar longe dele. Toda vez que eu o vejo. Para não mencionar o seu estilo de vida. Luxúria filtra através do meu corpo. e me deparo com ela toda vez que vejo Bobby.Capítulo dois JESSICA Entro no Devil’s Dust e dou de cara com a cor que define os olhos azuis de Bobby. Ele é. Seus olhos famintos me comem da cabeça aos pés imperdoável. Eu normalmente posso resistir. Bobby me faz sentir segura. Meus olhos viajam para os lábios rechonchudos se destacando contra a barba loura crescendo ao redor em suas bochechas bronzeadas. ~ 32 ~ . colocando minhas bochechas para aquecer. e me manter afastada de Bobby e seus irmãos. mas de vez em quando eu me encontro fraca e acabo cedendo. fazendo um calor a florescer entre minhas pernas. É a coisa mais difícil que eu já tive que fazer em minha vida. alegando mulheres como sua propriedade. e eu rapidamente desvio o olhar. Bobby sorri. Porra. passando por cada pensamento de ficar longe dele. No entanto. é exatamente do que eu escapei anos atrás. mas eu tenho visto os perigos deste clube. Me faz querer que ele fosse meu toda vez que ele fala doce em seu caminho em minhas calças. Seguro não é a palavra que eu usaria para os descrever. Ele sobe meu muro de defesa cada vez que eu o vejo. ele coloca seu charme. Seria estúpido da minha parte deixar algo acontecer entre nós dois. quando isso é tudo que eu preciso fazer. Faço uma pausa no meu passo. Mas quem eu estou tentando enganar? O encanto de Bobby é implacável e eu sou fraca em resistir.

que é o melhor. e você provavelmente deve tomar vacina de tétano. notando Tom no sofá e sua perna coberta de machucados do acidente na estrada.— Bull. O sentimento de não ser capaz de fazer tudo o que pode é difícil de suportar. uma chama de desejo correu ao longo da minha pele dos olhos de Bobby queimando ~ 33 ~ . — Ele estava naquele engavetamento de que fala tanto o jornal. Me deparei com quatro mortos. Eu não poderia lidar com aqueles gritos. Eu assinto. — Ok. eu preciso te limpar e isso vai doer. quando você disse que alguém tinha uma erupção cutânea. considerando a forma como ele estava fazendo careta quando eu estava limpando. — Por que você não ficou no local do acidente? — pergunto a Tom. em pé ao lado dele. Eu corri em busca de suprimentos rapidamente. quebrando o contato visual de Bobby. bem. os gritos de pessoas que sofrem. — eu informo. tive que usar o que eu poderia encontrar em carros que foram derrubados. — Tom responde gravemente. Eu caminho até o bar e arrisco um olhar na direção de Bobby. Eu entendo o que ele quer dizer. — Bull informa. e guardanapos de alimentos fast food que tinham caído da parte de trás de caminhões. Ele ri de meu humor como o resto dos meninos riem às suas custas. se preparando para a dor a seguir. Eu até trouxe alguns penicilina por qualquer bicho que ele poderia estar carregando. Eu não podia fazer nada para os ajudar. eu pensei que você estava falando de Bobby. — eu provoco quando eu faço o meu caminho para o clube. — Você estava lá. Você viu aquilo. eu finalmente termino a perna de Tom. Ele desmaiou por causa das drogas Eu dei a ele. Tom coloca a cabeça para trás no lado do sofá e silenciosamente acena com a cabeça. e dois morreram em minhas mãos quando eu estava tentando parar a quantidade horrenda de sangramento. meu tom sisudo quando eu inspeciono sua perna. Eu vou ter que costurar o corte maior na panturrilha também. Durante todo o tempo em que trabalhei Tom. Eu ouço um profundo gemido estrangulado e olho atrás de mim. colocando luvas de látex. Vou até Tom e me ajoelho. Uma hora e meia mais tarde. Eu mal podia andar de moto de volta para o clube. seus olhos fechados e a mandíbula assinalando a quantidade de dor que ele está. Foi terrível.

eles vão estar olhando para algo diferente de Bobby. e vou para lavar as mãos na cozinha. Não é mentira. e seus olhos estão a meio mastro enquanto ele me devora com os olhos. desejando que ele parasse de me perseguir. Eu paro e suspiro. — digo a ele. esperando que quando eu os abra. Me deixe em paz. Puxando minhas luvas sangrentas de dentro para fora. Eu tenho que sair daqui. — Não pode ou não vai? — Bobby pergunta. Viro a cabeça um pouco. — Eu só estou puxando uma conversa. — Por que você não fica por algum tempo? Eu me viro e vejo Bobby encostado em um balcão com as pernas cruzadas na frente dele. Eu fecho meus olhos e viro a cabeça para o lado. Quem diz que eu estou atrás de você? Um pouco presunçosa. Eu sei o que ele está fazendo. Sua camisa preta encaixando confortavelmente contra seu torso. Eu mordo o interior do meu lábio para não sorrir quando eu continuo a andar para frente. e ele nunca escuta. — Bobby. — Não posso. as palavras difíceis de cuspir. mas continuo a andar para frente. ele está deitado no charme implacável. não é? — ele zomba. eu as jogo no lixo. — empurro para fora do balcão. Eu mordo meu lábio e volto a lavar as mãos. — eu digo secamente. me seguindo. mas não o fazem. Suas mãos tatuadas mal cabem dentro de seus bolsos brim. — E depois? — Bobby sugere. delineando as curvas de seus músculos lindamente. — Não posso. Pego minha bolsa do chão ao lado de Tom e sigo em direção meu jipe. ~ 34 ~ .nas minhas costas. Eu pego algumas toalhas de papel e seco as mãos. Ele tem o sorriso. Eu tenho que chegar ao hospital e verificar os meus pacientes. Com a quantidade de pessoas admitidas à sala de emergência. Você pensaria que depois de tantas vezes que eu disse elas ao longo dos anos. você pode ter qualquer garota que você quer que é muito mais fácil de conseguir do que eu. e passo por ele. eu sei que eles precisam de mim. Eu atiro o papel toalha no lixo e viro o rosto para ele. o que faz com que toda a minha sede de corpo é para ele. elas iriam ficar mais fáceis de dizer. correndo para fora do clube.

Ele faria qualquer coisa por este clube. Dani. Eu ainda não estou acostumado a ver Shadow sentar ao lado de Bull. — diz Bull. Aquele cabelo loiro.— Eu tenho que ir. — Não se pode queixar sobre a obtenção de dinheiro. — Bull está sentado recostado pra trás na cadeira. Brilhando na luz acima. estou ansioso para sair por ai com ele. nosso vice-presidente. Bull fez Shadow seu novo VP. — palavras de Tom Cat. Eu não posso negar isso. Ok. e tem vista sobre o pátio. parece que temos feito caixa em alguns de nossos investimentos. Bobby balança a cabeça. olhos azuis. um pouco aturdidas das drogas que Jessica lhe deu. acendendo um cigarro. agarrando a maçaneta da porta do meu jipe. — Então. como todos vocês estão bem cientes com o pagamento que vocês tem recebido ultimamente. pronto para uma missa. — eu respondo suavemente. Eu consegui comprar um pequeno Chevy azul de um homem do Centro-Oeste. um negócio jurídico que podemos limpar o dinheiro que entra. Quando Locks. Dou a ele um último olhar. enquanto enfia as mãos nos bolsos. enquanto eu vou ao meu lugar de sempre no meio. foi a maior tempestade de merda que este clube teve que passar. — Precisamos encontrar uma frente. Quando ela e Shadow se juntaram. — Lip chamou minha atenção dizendo que seu tio está abrindo um pequeno bar e ele achou que nos poderíamos estar interessados no negócio. Shadow merece. Tenho certeza de que sua filha. BOBBY Volto para o clube e todos os rapazes estão indo para a sala de reunião. Temos sido pagos muito bem ultimamente. seu cabelo preto ilumina algumas partes cinza através dele. e suas tatuagens me faz inalar bruscamente antes de eu subir no meu jipe e ir embora. Bull e Shadow sentam na cabeceira da mesa. tinha algo a ver com alguns desses. — ele responde. ~ 35 ~ . — Sim. foi morto. — Bull aponta em direção a Lip sentado ao meu lado.

— Você tem notícias para mim ou não? — Bull pergunta ao redor de seu riso. — Você só quer buceta. — Sim. ela tinha grandes lábios para o boquete que poderiam sugar e iniciar uma Harley. O nome dela era Lips. mas o ~ 36 ~ . e se senta reto. Eu vi Doc te rejeitar lá fora. — Eu acho que nós deveríamos ir lá e nos familiarizar com os potenciais empregados. — Eles estão contratando meninas hoje.. sua voz soando um pouco animada demais para o cara que se casou com a filha do presidente do clube. e ela não faz nada para provar que ela dormiu comigo. Ninguém aqui acredita que eu dormi com Jessica. seu cabelo cor de cobre acastanhado todo espetado como se ele apenas tivesse rolado para fora da cama e não teve ao menos o tempo para passar suas mãos por ele.— Quem deixou uma das meninas entrar aqui? — eu provoco. Eu gosto de infernizar ele por causa de seu apelido.. eu acredito. Os meninos muitas vezes acham que estou contando histórias quando falo de estar com Jessica. ela foi embora logo após ele sair da prisão. — Sim. — Aquele que acabou de construir? — corta Shadow. Me irrita que ela não faz nada para esta comigo em tudo. à medida que sobem na emoção. rindo da parte de trás da mesa. — ele informa. É o que de melhor eu sei fazer. seus olhos alinhados com as rugas de idade. — responde Lip brevemente. olhando ao redor da mesa. a ponta de sua língua brincando com seu piercing no lábio. meu tio Warner está abrindo um bar a poucos quilômetros de distância. antes de atirar em uma tosse espasmódica. Me viro em minha cadeira e sorrio para Lip. estava na prisão cumprindo pena quando ela chegou por essas bandas. — Ela está fodendo com Phillip. — diz Hawk. Estávamos habituados a ter uma menina por aqui que dormia com todos os irmãos.— ele diz com raiva. Todos na mesa riem de Lip ainda mais. e seu piercing de lábio maldito em seu lábio brilha contra a luz. Nosso homem Phillip que se passa por Lip. interliga os dedos sobre a mesa. — sugiro com um sorriso. Ele aperta os olhos castanhos para mim. — Wicked Birds? — pergunta Old Guy ansiosamente.

o rosto carrancudo. — Ela não me rejeitou. ele fazia um inferno. com os braços maior do que a largura da minha cabeça. e o que você sabe sobre buceta? Você ainda não viu uma desde que você saiu de uma.que eu devo dizer? Ela deixou claro desde o primeiro dia que não estávamos juntos. Há um tapete rosa de veludo forrado do lado de fora da porta. ele me disse isso quando ele estava bêbado uma noite. e é sem janelas. ~ 37 ~ . seus rostos são sem graça. com vasos altos de cada lado da entrada. Desde que eu era um prospecto. passando por eles. — Hawk e eu brigamos por qualquer coisa. Eu tomo meu olhar de Hawk e olho para Bull. Eles estão aqui para cumprimentar meu tio. — Não está aberto. Mas eu sei que ele seria a minha volta na linha de fogo. puxa seus óculos escuros para baixo na ponta de seu nariz torto e olha Lip de cima e para baixo antes de pisar longe das portas. fazendo seus lábios ir até os olhos. — Tudo bem. — diz Lip. — um dos guardas diz com desdém. — Bull adverte. Seus braços cruzados no peito. Hawk se levanta com raiva. colocando seus óculos de sol sobre os olhos saltados. com o rosto dirigido para o estacionamento em vez de nossa direção enquanto ele fala. Ambos são carecas e pálidos. Eu vivo para irritar Hawk. vemos uma gravura rosa em torno do topo do edifício e em torno das portas duplas pretas. grandão. que está me olhando severamente. Há um pequeno toldo rosa para fora do prédio que abriga as portas. Eu dou de ombros. Nós vamos até os Wicked Birds. porque ele não tem nenhum dente de merda. tudo de tijolo preto. O cara da direita que é uma fração mais magro do que o outro guarda. Não há nada além disso. — Está tudo bem. Eu saio da minha moto e sigo o resto dos irmãos até a porta. onde dois homens em jeans pretos e camisas pretas ficam de guarda. meninos.

— Vamos falar de negócios em outro lugar? — Warner pergunta. Ele dá um passo em torno do bar. mas pelo olhar de sua enorme corrente de ouro pendurada em seu pescoço e cabeça raspada. noto um balanço de couro preto pendurado acima dele. Mas isso só me diz que ele o tipo de cara que não aceita merda de ninguém. Warner tem uma camisa branca elegantemente enfiada nas calças de brim de aparência cara. como se ele já tivesse passado por alguma merda. As luzes implantada no visor tecno de três fases com polos de dança cromados juntamente com uma que contém uma gaiola em torno dele. mas olhando para aquela engenhoca de couro preto por cima da barra. você vai se beneficiar dele muito bem. e se você trabalhar comigo. ~ 38 ~ . revelando um dente de ouro. caminhando em direção ao bar. o seu comentário cheio de arrogância. Eu estive esperando você os trazer para que eles possam ver o que eu tenho para oferecer! — Warner ri. dando uma presença de perigo. eu sou batido com o cheiro esmagador de perfume e cerveja. Eu me afasto dos caras para verificar o lugar. Bull passa à frente para retribuir a saudação. — Claro que é. misturado com uma pitada de tinta fresca. eu sei melhor. seu sorriso desaparecendo de repente. — diz Bull. olhando para a o bar. dando uma imagem de profissionalismo. — É meu. — Warner sorri. a ideia de ter uma mulher nua nisso me faz querer ir comprar um.Caminhando para o clube. — É claro. irradiando sua arrogância. — Meu sobrinho favorito! Eu olho por cima do meu ombro e vejo um homem careca alto atrás de um bar. com uma caixa de madeira em suas mãos. Isso é um Balanço de sexo? Eu nunca brinquei em um balanço sexo. sensual. O tapete é preto e as paredes são pintadas em roxo escuro. estendendo a mão. — Warner cruza os braços musculosos em seu peito. Seus olhos são escuros e redondos. — Você tem um lugar agradável aqui. — Tio Warner. Olhando por cima do bar. Essa oferta ainda está de pé? — Lip pergunta. é bom te ver. Você disse que estava interessado em fazer algum negócio com a minha equipe.

— Ainda bem que eu não tenho o seu trabalho. Eu ando em direção ao som. — Doc te recusando na frente de todos no clube. olhando ele atentamente. sim. Elas parecem ser do jeito que você gosta. Eu olho e vejo Warner em pé ao meu lado com o resto dos irmãos a reboque. Muito talentosas. — Sim. Ele dobra o braço esquerdo em seu peito enquanto a direita esfrega o queixo como se ele estivesse pensando em um retorno inteligente. olhando para as mulheres bonitas que estão em uma linha reta perfeita. Eu olho por cima do meu ombro e o vejo sorrindo. ~ 39 ~ .— Muito gorda. — ele brinca. Eu olho para a linha de novo vendo um monte de mulheres sexy. Estas são as finalistas. sua voz grave. — eu respondo.. — Bull ri. Fique longe da cama de bronzeamento artificial e talvez. Shadow dá risadas. Elas estão respirando. porque ele viu Jessica e eu juntos antes. sabe como ela é quente e fria. Ele conhece o meu jogo e o de Jessica. elas vão sentir pena de você e essa merda. olhando para as mulheres. e parece que elas pertencem a um pornô. sempre curioso. — Ah. mas você sabe como ela é. e vejo uma mulher com uma prancheta insultando uma fila de mulheres seminuas. — lembra ele. Muito falsa. mas talvez se você contar a uma das strippers. — Talvez uma delas vá ter pena de você o suficiente para te foder. — Sim. mas eu não as posso manter todas. Cortar qualquer destas mulheres seria um trabalho duro. me fazendo sorrir.. então é claro que eu contei tudo. fazendo ele torcer o nariz como uma fodida menina. Uma voz interrompe meu assédio. todas elas são bonitas. — O que é que isso quer dizer? — eu pergunto. — eu respondo. Aliviado que alguém sabia que eu não estava inventando histórias. — Ei. infelizmente. Bobby precisa de amor também. — um tom mal-intencionado surge de trás do palco atrás de nós. — Shadow diz.

Olho para Bull curioso com o que ele pensa sobre a tentativa de Warner nos vender parceria. seu tom irritado e ameaçador. short preto e meias pretas que sobem até as pernas. jogando sua prancheta para o chão. Warner levanta o olhar da mulher linda na frente dele e olha para a mulher vestida com roupa escura que está olhando para as mulheres. Elas sabem quem está no comando. — Warner sugere. — a mulher mal intencionada cospe. Então a cadela tem um nome. Ela está em um espartilho preto com laço vermelho que espreita para fora de seus seios fartos. — a mulher se encaixa. Ela parece mexicana.A mulher que lançou os insultos dá passos para trás quando Warner anda até a linha de meninas. Eu olho para as meninas outra vez. olhando para as meninas com um sorriso. aparentemente desfrutando. Definitivamente não é o meu tipo de mulher. Uma loira com um piercing na sobrancelha me sopra um beijo e empurra os seios para cima. uma menina com cabelo escuro curto e olhos cor de mel chama a minha atenção. — Warner diz. enquadrando as maçãs do rosto afiadas. Sasha. fazendo com que seus peitos balancem mais do que estar em um show de rock. eu preciso de um pouco mais para agarrar. esboçado uma merda em ouro brilhante. Ela tem um sutiã preto. Eu amo mulheres assim. o rosto contorcido em desgosto. me fazendo gemer de excitação. observando as meninas. — Eu não diria talentosas. Eu gemo ~ 40 ~ . Suas costelas estão saindo. Seu cabelo preto para baixo. As meninas começam a torcer e saltar para cima e para baixo. Eu ando atrás dele. As mulheres estão em linha reta. e sua clavícula está picando para fora de seu corpo. um sorriso encaixando seu rosto. e é quente. Warner. que tal nos dar um show? Mostre a eles o quão bom são as minhas meninas. olhando para cima e para baixo. e não tem medo de jogar o jogo para conseguir o que querem. — Birds. — Faça isso. Sasha. Bull se inclina para trás e conecta seus polegares em suas presilhas. — Eu ainda estou decidindo entre as melhores. algumas girando e balançando seus cabelos com olhares de sacanagem. seus braços estendidos ao lado do corpo.

mas o que eu quero é a morder essa bunda. — ordena Warner.incontrolavelmente. fora e ela lambe os lábios ela balança a cabeça em — Klines. seu corpo instintivamente sabe como trabalhar isso. O clube é subitamente preenchido com Snoop Dogg ‘I Wanna Fuck You’ e Diamond imediatamente mói contra o pole ance. Com a fita solta. eu preciso sair daqui embaraçosamente rebente uma bola no meu jeans. antes Eu vejo Warner olhar para mim com o canto do meu segue o meu olhar. Quando a música termina. — Você. com os olhos segurando uma energia quando ela sobe suas sobrancelhas me deixando pronto para sobre o palco e a foder. ela agarra o cromo com uma mão e se balança a meio caminho em torno dele. toque algo. Dobra os joelhos quando ela ~ 41 ~ . cada movimento faz meu pau muito mais duro. Seus dedos jogam com a fita preta que amarra seu espartilho. mas quente. — ele exige asperamente. que eu olho. venha aqui. seus saltos pretos ‘foda-me’ estalando contra o chão do palco. Ele olho. — Diamond. — ela responde. apontando para cima na cabine do DJ atrás de nós. Ele eu estou sedutora a dobrar — Nome? — Warner pergunta secamente. Ela é sexy como o inferno. meus olhos arrastando até as suas pernas antes de pegar seus olhos e fixar para baixo. fazendo meu pau inchar. olhando para a garota que eu estou de estala os dedos para ela. Ela caminha lentamente em torno do pole. mais do seu sutiã de renda vermelha vem à vista. lhe ordenando como se fosse um objeto. Uma fodida provocação. Ela desliza sua perna bronzeada em torno do pole e faz um balanço em torno dele quando a música acelera. Ela se atira em torno do pole como se ela fosse feita para isso. — Dance. sua voz como seda. — a garota que olhando sai da linha. Sua bunda grande entra em vista quando ela contorce em torno do cromo. Sua língua serpenteia para rechonchudos vermelhos quando concordância. Diamond caminha até um dos palcos. e eu mordo meu lábio inferior.

Sim? — pergunta Warner. olhos franzindo em confusão. vamos falar mais detalhes do negócio. — Eu preciso de parceria no negócio. ~ 42 ~ . com as mãos em uma torre na frente dele. piscando para mim antes de pisar de volta na linha. — Você me sede um pouco da sua equipe nos fins de semana quando as coisas ficarem turbulentas. O que você está procurando? — Bull pergunta. Ele perdeu a cabeça se ele acha que está ficando com tudo isso. Essa é uma oferta de merda. É isso.finalmente faz o seu caminho em torno do pole antes de pousar no chão. Concordo com a cabeça. Eu balanço a cabeça para ela em paquera. — Porra. — Warner elogia em voz alta. batendo palmas. me deixe mergulhar meus dedos em suas drogas quando eu quero. Me dê cinquenta por cento do custo do que você está correndo debaixo da mesa e eu vou fazer de você um parceiro. Eu ando para o escritório e me sento em um sofá de veludo preto quando Warner faz o seu caminho atrás de uma mesa de madeira grande com um computador sobre ela. Bull ri. piscando os olhos enquanto ele observa Bull. — Bull diz. Diamond caminha para fora do palco. não. — Agora. você agora é uma Wicked Bird. e desço o corredor. — Depende. Eu não posso evitar. — Então. Warner acena com a cabeça devagar. — Shadow declara em descrença. — Parabéns. — O que você está procurando? — Warner pergunta com gracejo. Meus lábios se contorcem com diversão. O pensamento faz um rosnado escapar da minha garganta e procurar para comprar uma pole de strip para o meu quarto no clube. apontando para uma sala com pouca iluminação. se inclinando contra a porta fechada. — Para o que exatamente? — Warner pergunta. querida. pensando sobre isso. — diz Warner calmamente. que tipo de negócio você está oferecendo? — Warner pergunta. direto ao ponto. — Para os cinquenta por cento. Warner relaxa atrás em sua cadeira. mas pergunto como Jessica se pareceria nua e deslizando contra um pole sedutoramente.

mas com menos dinheiro para atrair um novo parceiro? — eu respondo. seus lábios vermelhos perfurados com irritação. interrompendo Bull antes que ele tenha a chance de fazer oferta contrária. — Eu já volto. — eu raspo. — Uma das meninas não está tomando a rejeição muito bem e se trancou na gaiola. Tenho visto clubes de stripper vir e ir.— Ok. Pela aparência do tio de Lip. — Isso é um acobertamento. — O que vocês acham? — pergunta Bull para ninguém em particular. sem querer dizer nada de ruim sobre seu tio Lip. fechando a porta atrás dele quando ele sai. olhando na minha direção. — ele murmura. encolhendo os ombros. Um comércio de serviços nos faria melhor do que jogar dinheiro em seu caminho. se levantando de sua mesa. — Ele é? — Old Guy pergunta. encolhendo os ombros. — Eu acho que nada mais do que vinte e cinco por cento. — Ele é um fodido presidiário. o que seria razoável? — Warner pergunta. — Warner diz maldições. franziu os olhos. — eu respondo sem rodeios. olhando para Lip para a resposta. Sasha entra. — ela afirma. — eu sugiro. — O quê? — ruge Warner. — Acho que ele vai aceitar vinte por cento? — Shadow questiona. Uma batida vem à porta. exasperada. — Apenas pelos olhares dele. Eu posso dizer. ~ 43 ~ . deixando o quarto. — Droga. seu tom em afiação e em frustração. mas quem pode dizer que este não fechará em um mês nos deixando de volta onde estamos. favores e drogas não seriam um problema. — Por que isso? — Bull pergunta. Uma maneira de esconder o que estamos fazendo debaixo da mesa. é claro que ele vai. — Como você sabe disso? — pergunta Lip.

— As porcentagens. — Feito. o braço direto estendido para cumprimentar Bull. — Vinte por cento. — Certo. cara? — Shadow fala. — Feito. e pela interrupção. — Bull lembra ele. então o que estamos pensando? — pergunta Warner. — Warner está de pé. sentado atrás da mesa. empurrando a porta a distância. e alguns dos meus homens nos fins de semana. Warner descansa os cotovelos sobre a mesa enquanto seus olhos sulcam em concentração. — Bull repete. — oferece Bull. Agora. ele sorri. quase batendo Shadow contra a parede com a porta. ~ 44 ~ . onde estávamos? — Warner pergunta. revelando seu dente de ouro. — Desculpe por isso. drogas. Assim quando eu acho que ele vai rejeitar a oferta. apertando a mão dele em troca.Warner volta para o quarto. — Que porra é essa.

— eu respondo. Ele esteve aqui durante todo o dia. — Bem. — diz Dr. caminhando até mim. — Ei. Minha visão duplicada é o esgotamento do que foi realizado. — eu declaro. Na semana passada. Dr. Eu não posso evitar. Seus braços são tonificados.Capítulo três JESSICA Eu pego minha prancheta do balcão olhando para os pacientes ainda na sala de emergência do hospital. Onde está o meu residente? Isto não pode estar certo. — eu falo. — Alguém disse o meu nome? — Debra pergunta. por agora. mas não musculosos. Então. Seu cabelo loiro sujo está penteado e suas bochechas definidas com uma sombra de barba por fazer. ela quase matou um paciente porque ela não conseguiu ler o relatório de alergia. Eu olho para cima e vejo o marrom de seus olhos brilharem quando eles encontram os meus. com a cabeça inclinada para o lado. — Corrija isso. ~ 45 ~ . — Temos Debra. Minhas bochechas mancham quando os pensamentos vagueiam em minha cabeça. mas o olho para baixo. — Shane responde hesitante. aqui hoje. vejo a partir da aparência dele. Seu rosto está vermelho e ela tem os cabelos dispersos em toda parte. — Quer parar de me chamar assim? Me chame de Shane. Que é algo que você aprende a fazer como um ritual com um paciente em um dia. e com a camisa azul enfiada nas calças de trabalho. minhas mãos se contorcem para as desatar. Meldon. Meldon. irritado. — ele exige. empilhando as pastas em seus braços. Ela é a residente mais desorganizada que eu tenho e uma dor gigante na minha bunda. — Esteve uma loucura intensificando ao meu lado. folheando os prontuários dos pacientes que estão preenchidos meia-boca. sua bunda está em provação e fazendo a minha papelada.

Sem apego. sem interrupções. Meu trabalho tem horas impossíveis. Os únicos encontros que tenho são de uma noite. fazendo o tempo que tenho com Addie limitado. — Não. deslizando minhas mãos pelo meu cabelo com raiva. Wren. — Não mate o mensageiro. — Dra. Era para eu ter uma noite de filmes com Addie. — O quê? — eu quase grito. olhando sobre os documentos de quitação que a enfermeira acabou de me dar. Eu sei demfato que eu vou ser chamada em cinco minutos depois de deixar este lugar. — Merda. — ela responde timidamente. encostado ao balcão.— Eu vou. mas eu posso. eu não. Sem ~ 46 ~ . — uma enfermeira me informa. indo embora. Você não pode me recusar para sempre. ele quer algo sério. — Shane ri. mas eu não quero um relacionamento. Era para eu ter esta noite fora. A julgar pelo comportamento de Shane desde que ele esteve aqui. — Oh. Eu não quero amor. — murmuro. Eu já cancelei a noite de cinema três vezes por ter que trabalhar horas extras inesperadamente. batendo os dedos no balcão. Jessica. mas você foi colocada no turno da noite. — Shane me mostra seus turnos. Ele é quase tão implacável como Bobby. Eu olho sobre a mesa com descrença. — eu respondo categoricamente. Shane é um cara bonito e tem muita coisa nele. meus olhos queimando um buraco através dela. — Você vai a um encontro comigo e eu vou tomar o seu turno. Eu jogo minha cabeça para trás e rosno em frustração. você quer ir fazer um lanche? — Shane fala. mas eu não tenho nenhum problema em dizer não a Shane. eu sinto muito fazer isso. com foco em sua prancheta e fingindo indiferença. Ela vai ficar louca quando eu disser a ela. e eu não sou o tipo de garota que quer sério. ao contrário de como eu faço com Bobby. ou o desgosto que o acompanha. — Então. Você pode ir para casa para sua filha. — Vamos lá. — eu olho para cima dos papéis e dou um sorriso de lobo para ele. — ela responde com uma voz trêmula enquanto ela se afasta.

Minha hesitação o fez pensar que eu seria tão fácil de dar uma transada rápida no armário. dependendo de você para seu bem-estar.. Surpreendentemente. Que mal poderia fazer um encontro com Shane? Vamos comer e depois eu vou para casa. deixa este lugar ir para a merda. Está quebrado. Eu vou para introduzir o código para o portão de segurança no meu apartamento e a porta abre antes mesmo de eu ter a chance de pressionar o botão. curiosa para saber por que ele não está bloqueado. — Que diabos? — eu grito. meu Deus. — O quê? Não. Sua cabeça inclina para o lado e seus olhos castanhos estão me olhando atentamente. — Oh. a adrenalina que bombeia através de minhas veias quando alguém corre após uma experiência caótica. eu. — Ok. 6 ~ 47 ~ . não é tão emocionante quando isso acontece um pouco antes de você estar pronta para bater o relógio de ponto. — Shane ri. Tem sido nós os ER – Emergency Room. Não está fechado. Mas eu não quero pular os filmes novamente com Addie. O dono é uma droga. No entanto. Eu amo o ER 6 . Te vejo neste fim de semana. indo embora. Um cara entra correndo no pronto-socorro por ter grampeado o polegar em uma placa bem no final do meu turno e isso significa que eu estarei em casa tarde. Sala de emergência. Um garoto em seus vinte e poucos anos que apenas gosta de se sentar por aí e usar drogas. — Ou eu posso me contentar com uma rapidinha no armário de suprimentos. você ia. — Shane sugere. as sobrancelhas levantadas. nós temos muitos desses casos. — sussurra Shane. herdou o lugar depois que seu pai faleceu. Talvez ele vai ver que eu não sou quem ele está procurando no final e me deixe em paz. tentando ler se ele está brincando ou não.complicações. abrindo o portão. Minha cabeça se encaixa e olho para ele. Eu reclamo e tento fechar o portão.. o que corresponde ao nosso pronto socorro.

as lembranças e o medo. Olho para a porta de Bree pensando em bater para que eu possa ver Addie. Isso é tudo o que uma mãe solteira precisa: vinho de vez em quando! Eu não tenho um problema com ele embora. O vinho ajuda com um longo dia. Eu sou elegante assim. Eu sei que é tarde e ela provavelmente está dormindo. o deixando em seu alcance. Abro a porta e fecho com meu pé. juntamente com todos os meus batons espalhados ao longo da parte superior do armário. Eu puxo a garrafa de vinho e vou direto para a cozinha remover a rolha. Eu geralmente estou tão afoita com o desejo de seus dedos hábeis e do afeto que ele mostra ao meu corpo. Eu caio de costas na minha cama. minha mão segurando a garrafa de vinho que oscila sobre a cama enquanto eu olho para o teto. tomando um grande gole da garrafa quando eu paro na porta e inspeciono as gavetas da minha cômoda. Eu nunca bebo quando estou de plantão. se tornando muito mais difícil ficar longe. Ele ajuda a esquecer da dor. Eu vou dar uma bronca nela por conta disso. ou em torno de minha filha. Minhas camisas estão a maior parte do lado fora. então ela pode correr por aí parecendo um membro do Kiss. Minhas roupas estão jogadas a partir de uma extremidade do quarto para o outro. Eu me pergunto o que Bobby está fazendo. Eu me encolho com o pensamento e fecho os olhos com força. Eu bebo álcool mais do que devia. Addie adora brincar com a sobrinha de Bree. eu só bebo da garrafa. — Isso é culpa sua. mas muitas vezes me leva a pensar em Bobby. que eu não percebo o que estou fazendo até que ~ 48 ~ . Parece que Addie brincou de se vestir novamente. seria melhor do que o rosa brilhante ou vermelho que ela obviamente estava vestindo. Eu subo as escadas para o meu apartamento e encontro um bilhete colado na minha porta dizendo que Addie está com Bree. me faz pensar nele o tempo todo. por isso não me surpreende que ela queira ficar. uma vez que sua sobrinha veio para a noite. Para não mencionar que Bobby é uma estrela do rock na cama. Eu juro que ela está com nove anos mas parece ter dezesseis. O portão de segurança não fechado vai me deixar acordada a noite toda preocupada. Talvez eu deva começar a comprar batom gótico. Eu odeio como ele me faz querer ele. — eu sussurro para a garrafa de vinho na minha mão. Eu nem sequer me preocupo com um copo. Me dirijo para meu quarto.locatários que consertamos sozinhos desde então. deixando cair minhas compras para o chão.

Beija-flor. Eu nunca pensei que eu iria trocar uma vida de perigo para a tentação de outro inferno. O que temos trabalhado: nenhum apego. Eu suspiro. lambendo meus dedos para obter cada gota. Bobby: Eu posso ajudar com isso! Eu: Indo para a cama. como eu. Mas conhecendo Bobby. Eu não sei por que a mantenho. Eu sei que a caixa não vai ajudar em nada o que estou sentindo. o amaldiçoando ao mesmo tempo. Eu: Dificilmente. deixando deslizar na minha garganta. o lembrando de um beija-flor. Eu lanço meu telefone no chão e tomo outro gole de vinho. — Merda! — eu grito. que ele não tem nenhum desejo de levar as coisas mais longe. — eu sussurro para mim mesma. Eu não sou a única com medo de tomar o que temos e o complicar. tomando outro grande gole. o meu falecido marido. Eu rolo e vejo o meu armário iluminado. Vejamos se com isso ele fica todo quente e incomodado. o meu último recurso para salvar a minha filha e eu de Travis. e uma camisola que minha avó me deu. corações não quebrados. Jessica. Eu deslizo o dedo pela tela trazendo meu telefone para a vida. Me faz lembrar por que estou fazendo ~ 49 ~ . — Não faça isso. A caixa que mantém pequenos fragmentos do meu passado. Bobby deixou claro. Isso não é necessariamente o que eu quero. Bobby: Nua? Devo lhe dizer que estou usando cuecas da avó. isso provavelmente iria excitá-lo. O meu telefone vibra no meu bolso de trás me fazendo pular e derramar vinho todo sobre mim. Na verdade. Eu gemo e me sento. meus olhos pegando minha caixa de sapatos proibida no topo. Há uma mensagem de Bobby. a bondade frutada entorpecendo meus sentidos. mas absolutamente necessário.esteja terminado. Bobby: Pense em mim. orando que ele ajude a entorpecer esse sentimento de dor em minha alma. eu sei. Corri para o clube há alguns anos atrás. Eu odeio quando ele me chama assim. Ele diz que eu cantarolo muito.

Assim que a porta se fechou atrás de nós. A sugestão de vermelho claro em suas bochechas definidas me diz que ela ficou um pouquinho no sol de verão e se torna um brilho permanente. Um policial nos levou para casa por isso. Meus dedos escovam contra a caixa marrom. me acordando da minha memória terrível. me segurando como refém por um momento antes de eu gerir um sorriso em troca. e faço o meu caminho para o armário. Eu me lembro daquela noite mais do que da maioria. Seus olhos azuis vívidos seguem os meus até o meu banquinho e ela sorri. as cicatrizes em toda a minha alma voltam a partir de memórias terríveis. pousando ao lado de meus pés. ele me agarrou pelos cabelos e me puxou para baixo para o porão. Viver com cuidado e sem amor. Travis ficou furioso quando o oficial me deixou. Vinho espirra em meus pés. Sua roupa rosa apertada a seu corpo e seu cabelo loiro puxado para cima em um rabo de cavalo apertado imediatamente chama a minha atenção. Meu corpo se levantou de medo quando eu escutei um pequeno barulho de alguma coisa batendo pelo chao enquanto ele passava atrás de mim. Você vai aprender seu papel como minha esposa. Tomo outro gole grande. É sua decisãoo quanto essa vida vai se alongar. não tivemos de conduzir. juntamente com um estalo alto. — assim Travis sussurou. Eu sou enjaulada pelo medo e atormentada pela lembrança. Heather. — Sua vida como você conhece será minha. tornando a minha vida muito monótona. Eu olho para baixo e observo que a garrafa de vinho caiu da minha mão. Seu sorriso é contagiante. Quando uma lágrima escapa lentamente dos meus olhos cansados. e tivemos um tempo louco e bebemos demais. sua voz calma e solene no meu ouvido.tudo isso. Eu saí com a minha amiga. BOBBY Estou soprando na minha xícara de café quando Jessica caminha para o clube. minha cabeça sentindo o efeito do vinho quando eu saio da cama. Eu juro ~ 50 ~ . Seu rosto é redondo da maneira mais sexy. e sua felicidade dependerá disso.

valerá cada pontada dolorosa no peito causada pelas inúmeras rejeições. Seus lábios rosa se curvam ligeiramente por cima da borda do copo. me levanto da minha cadeira. ao tomar um pequeno gole. — eu respondo com orgulho. eu estou apavorado demais. Eu ergo minha bota e chuto ao lado da cama.que cada vez que a vejo. — Fiz isso sozinho. — Sim e tem gosto de merda. — ela torce o rosto em desgosto. Eu juro que ele retoca elas a cada poucos meses. nada. — Eu percebi. Ela precisa ser empurrada para o limiar da segurança de saber que eu nunca a iria machucar. Então eu lhe digo o que ela quer ouvir. Mas quando eu finalmente quebrar sua parede. Jessica está aqui para substituir o seu curativo. Eu ando pelo corredor e abro a porta do quarto de Tom sem bater. medo de dar o seu coração para alguém que ela confie apenas para o ter violentamente arrancado de seu peito. — eu falo. suas tatuagens de cores vivas correndo para cima em seu braço capturam meu olho. No entanto. Ele geme e rola. rindo. ~ 51 ~ .. e eu tentei todos os dias a fazer ficar depois. emaranhado. Estive aqui também todas as vezes. — Eu vou buscar ele. — Eu já vou. — diz ela. — explica ela. — Se levante. Eu sei que ela está com medo. lhe dando uma piscadela. Os meus esforços têm sido rejeitados. Sem complicações. passando a mão pelo cabelo comprido. Ela esteve aqui todos os dias durante os últimos dias desde que o acidente aconteceu. — ele geme. Tenho medo de a empurrar para o ponto de ruptura e ela nunca mais retornar de volta para mim. ir para um café. nu. Eu faço o meu caminho de volta para o bar para encontrar Jessica bebendo o meu café. — Eu estou aqui para olhar a perna de Tom. Tom está deitado com metade do corpo fora da cama. — eu respondo. antes de virar e continuar sorrindo. — À vontade. como de costume.. segurando sua bolsa preta. meu coração pula mais ainda no peito e meu pau incha dolorosamente. que nós somos apenas amigos e nada mais.

o clube teve alguma festa aleatória e ela realmente ficou. Sua rejeição parece como se um cavalo tivesse me chutado na porra do peito. escovando meu dedo contra sua bochecha. Eu sorrio e assinto. balançando a bela bunda dela. Mas. — ela responde baixinho. seu bonito nariz ~ 52 ~ . Parece que eu não vou quebrar a resistência de Jessica desta vez. meus olhos corriam entre seus seios e bunda dela como uma bola de pingue-pongue. Ela parecia relutante em meus avanços. como se ela usasse um repelente ao meu charme. Jessica sabe que eu transo por aí. — Não posso. vestindo uma camisa preta apertada. sempre pensando nela. Ela olha para mim. com um sorriso fraco. Ela me beijou na bochecha antes de ir embora. Jessica e eu somos nada. Ela estava no clube cerca de seis meses depois que ela voltou de estar fazendo teatro da esposa de luto. Diamond me agarrou pelo braço e escreveu seu número na palma da minha mão com um marcador mágico. fazendo com que seu cabelo loiro caísse na frente de seu rosto. Eu transo com um grupo de meninas. ou qualquer outro tempo depois disso. e tênis. Toda vez que ela se agachava. e eu me esqueço de seus nomes. Antes de mim e os meninos deixaram o clube no outro dia. além de chamadas para transar tarde da noite um para o outro. me inclinando para que ela pudesse me ouvir. eu mal me lembro de alguma delas. Você deveria vir. — Está tão alto aqui! — Jessica gritou. Eu não posso parar a vida e descobrir que porra é essa. — Você quer sair daqui? — eu gritei de volta. sua testa enrugada enquanto olhava ao redor no clube. — eu sugiro. Eu finalmente rompi suas defesas. Nós não somos sérios e não têm um rótulo sobre o que somos. mesmo assim. Naquela noite. Ela assentiu com a cabeça.— O clube está tendo uma festa hoje à noite. — ela responde sem rodeios. Ela cora e a endurece de volta ao meu toque. Acho que vou chamar Diamond dos Wicked Birds. Ela era sexy como o inferno. alguns shorts cortado de um jeans. — Não pode ou não quer? — pergunto. — Não posso. colocando o copo de café para baixo. Mas eu nunca esqueci a minha primeira vez e com Jessica. eu ainda me vejo voltando para ela.

— Eu vou te dar o melhor passeio do caralho. Eu peguei a mão dela. todo mundo estava no clube. — Rapidinho. Assim que chegamos lá fora. meu sorriso se transformando em um sorriso de lobo. — ela me arrastou em direção a minha moto. é rapidinho. — Oh. — eu incentivei. um sorriso arrogante assumiu meu rosto. Ela jogou o cabelo sobre o ombro e olhou para mim. — ela balbuciou. A única coisa que você podia ouvir eram grilos cantando dentro das profundezas da escuridão e o brilho das lâmpadas de rua não nos alcançou.arrebitado. Ela riu. seus braços em volta da minha cintura e arrastando os dedos ao longo do meu abs enquanto olhava os edifícios e a paisagem. apontando para minha moto. me sinta nas nuvens fodidas nesse momento que ela finalmente se abriu para mim. Covinhas adoráveis deram forma em suas bochechas. Deus fodido. meu queixo levantado e os olhos a meio mastro quando eu a convenci. — comentei. a sensação dela em minha moto e os braços em volta de mim foi emocionante. mordendo o lábio inferior quando ela enganchou seus polegares na cintura da minha bermuda. O jeito que ela me deixou selvagem. seus olhos se arregalaram e seus lábios se separaram. Jessica era diferente. Eu não poderia evitar a porra do sorriso que escorregou pelo meu rosto. — Você quer ir para um passeio? — eu perguntei a ela. — Vamos lá. Ela olhou para o minha moto. a puxando através da multidão de pessoas antes que ela mudasse de ideia. eu não podia evitar. deixando apenas Jessica e eu sozinhos em frente do edifício. Eu sabia que ela ia baixar a guarda eventualmente. — Eu não sei. olhando para mim sob seus cílios grossos. eu não tenho nenhuma dúvida de que você vai. sua boca se transformando no mais bonito sorriso de merda que eu já tinha visto em uma mulher. Não havia ninguém por perto. Me afastei do acelerador um pouco. ~ 53 ~ . Eu sorri e agarrei a mão dela. me ajude. Esta mulher iria me trazer de joelhos. estava praticamente silencioso. — ela respirava com dificuldade. Indo em direção ao oceano.

Beijar uma mulher antes era nada comparado com a forma como a minha boca e a de Jessica juntas. e. eu nunca realmente sabia o que estava faltando. ela se inclinou e me beijou. me deixando sem ar. e caminhou alguns passos de distância. em seguida. me inclinei e enfiei a mão atrás de seu pescoço. Seus lábios contra os meus perfeitamente. Até aquele beijo. Me pegando de surpresa. o desabotoando e o baixando em suas pernas longas. — Você é tão fodidamente linda. Se afastando rapidamente. para acabar com o que nós apenas começamos. Ela me consumia. empurrando os braços através das suas mangas. mas nunca tive essa conexão não dita como eu tive com Jessica.Eu parei a moto debaixo de uma ponte de madeira com a praia e o mar a passos de distância. Ela olhou para si mesma. — Que porra é essa? — eu questionei. Minha mão deslizou mais para baixo dos ombros. e cruzou os braços. das costas. eu me virei para ela. olhou para mim nervosamente. O toque suave fazendo meu pau inchar com ânsia. Ela soltou uma risada suave. Senti meu peito apertar enquanto ela tentava esconder. olhando seu corpo nu. Eu fiz uma careta. — Não é nada. Jogando minha jaqueta para baixo na areia. — eu sussurrei. sentindo alguns sulcos ásperos. A forma como o meu intestino vibrou com entusiasmo quando provei sua língua com a minha foi uma experiência que eu queria experimentar uma e outra vez. Hipnotizado. tentando a virar para que eu pudesse ter uma visão melhor. sedenta por ela. Eu abaixei minha mão. Ela se abaixou e pegou sua camisa. Eu tinha feito amor com as meninas. e olhei por cima do ombro e encontrei seu belo corpo marcado por cicatrizes. tentando esconder seu corpo. ~ 54 ~ . Ela recuou do nosso beijo. me fazendo sorrir. Suas mãos deslizaram sobre seu abdômen atingindo os botões em seus shorts. pelo menos eu achava que eu tinha. sua boca suave cobriu a minha com uma paixão que eu ainda não tinha experimentado. Incapaz de resistir por mais tempo. a puxando para mim. ela pulou em meus braços e se agarrou a mim. Sabendo que ela não estava usando um sutiã fez minha boca instantaneamente ficar seca. revelando seus seios nus. — ela encolheu os ombros na minha mão. sentindo seu calor por trás da minha palma. eu assisti quando ela puxou sua blusa acima de sua cabeça.

e agindo como se nada tivesse acontecido. e seu corpo inflamou desde o mais simples dos toques. — eu concordei. do que nada. Ela não apareceu no clube por quatro semanas depois disso. Eu prefiro ter o que eu posso dela. foi para me dizer que só podíamos ser amigos. Jessica não retornando minhas ligações. puxando a minha camisa sobre a minha cabeça enquanto ela se acomodou. Eu puxei seus braços longe de seu corpo e acariciei seus seios. Eu pensei que eu tinha o meu coração partido em pequenos pedaços.. — Não temos que falar sobre isso. Ela olhou para mim com tal confiança.. Nunca sinta vergonha de seu corpo. sussurrando o meu nome. Ter relações sexuais com ela foi como me afogar em seu prazer. ~ 55 ~ . como se eu fosse seu mundo. Quando nossos olhos se encontraram. Sibilando entre os dentes em sua firmeza. só nós. — ela bufou. ela trouxe um lado de mim que eu nunca soube que existia. Tenho cumprido isso desde então. isso foi brutal. Quando ela finalmente voltou para o clube. — Você é fodidamente bonita. E foi incrível do tipo que muda sua cabeça. O jeito que ela me tocou com tanto cuidado. — eu agarrei sua camisa e a puxei dela. que ela não poderia ser nada mais. porque ela era. — Eu não quero falar sobre isso. Bobby. eu sabia que eu estava acabado. Ela me ensinou o lado emocional de estar com alguém intimamente. Nada importava. A baixei para minha jaqueta devagar. Eu não sabia como me levar para longe dele. Tudo à nossa volta era preto e branco. Eu fiz amor com ela naquela noite. a fazendo envolver os braços em volta de mim. ei. Seu corpo reagiu instantaneamente ao meu toque.— Ei. Enfiei minha mão sob o seu queixo e levantei o seu rosto para olhar para mim. mesmo se quisesse. A fazendo se sentir admirada e querida. Nunca. e continuava ainda. fui levado para outro reino.

Como de costume. Eu olho para o meu vestido preto e saltos pretos. — Isso é estúpido. um sorriso cruzando seu rosto.Capítulo quatro JESSICA Eu espero do lado de fora do meu apartamento por Shane. faz com que o suor pregue ao longo de minhas pernas. com certeza. eu estou atrasado. seu cabelo loiro está penteado para trás e ele está vestindo uma camisa branca com as mangas arregaçadas. olhando para o meu telefone agora. — Eu? Você está me perguntando isso? — pergunto surpresa. ou tenha a ideia de que isso é outra coisa senão dois colegas saindo para jantar. — Onde você gostaria de ir? — Shane pergunta. Eu passo até o carro e escorrego no banco do passageiro antes que ele tenha a chance de sair. — Tomara que não seja em um armário de suprimentos. com uma calça que parece cáqui. então onde posso comer e beber com você? Aonde você vai se sentir mais confortável? — questiona Shane. este é um encontro. Apenas isso. Shane aparece em um conversível vermelho. Eu me pergunto se ele está tentando compensar o tamanho do seu pênis com um carro tão chamativo. Encontros levam a sentimentos. — diz ele. em primeiro lugar. — Shane brinca. — Desculpe. mas eu não o quero dar a impressão errada. Só isso. Isto vai lhe dar a ideia errada. fechando a porta. — sussurro. mas o verão está fazendo uma aparição precoce. Eu tive que subornar você a vir neste encontro. Shane é um cara legal. no entanto. — Sim. Justo quando estou prestes a virar e voltar para dentro do prédio. virando em seu assento para olhar para mim. É só primavera. A noite cheia de umidade. apontando para mim. que levam a amar e terminam em mágoa. me fazendo rir. Eu mordo meu lábio tentando sufocar o riso ondulando na minha garganta com esse pensamento interno. Eu não quero que ele abra a porta para mim. Eu não vou a encontros. O que eu estava pensando em me vestir assim? Eu deveria ter vestido moletons ou algo pouco atraente. ~ 56 ~ . Eu realmente não posso dizer no carro escuro.

Portanto. eu posso. — Um café? — pergunta Shane quando ele olha para fora da janela do carro. — Vamos lá. sorrindo grande. — ele ri. de qualquer maneira. você disse em qualquer lugar. — ele vira a cabeça ~ 57 ~ . você me deve um encontro. — Oh. — Shane coloca o café na mesa enquanto ele se senta ao meu lado no sofá. eu amo isso. Sem segundos encontros neste acordo. — Este não é um encontro. o que fazemos na sala de descanso. Eu sou viciada e eu poderia precisar de ajuda pelas coisas que eu faria por uma xícara de café. — explica Shane. eu beberia qualquer tipo de café. ou a ideia de que eu o vou chamar para um segundo encontro. um real onde eu vou escolher. cruzando as pernas enquanto ele se inclina para trás. Nós estamos em um encontro. — provoco. Ele vai ficar chateado quando ver onde estou nos levando. — Então. — Você realmente quer se livrar de mim e rápido. Me sento no sofá macio na parte de trás da loja de café enquanto Shane pede um café. Isso é sair para o café. — eu rio. Jessica. o plano deu errado. — Você me deve outro encontro. — Não. Ele sabe que eu gosto de puro com dois cubos de açúcar. tenho trabalhado com você por alguns meses e não sei quase nada sobre você. o acordo foi um encontro. — Assim como você gosta. saindo do carro. Bem. — Shane zomba. Na verdade. Me fale sobre você. — ele exige. você pode conseguir um donut. sua voz grave quando ele abre a porta para o café.Eu lhe dou o endereço e ele vai embora. — Ei. olhando da loja para mim. Sua testa enrugada em linhas de preocupação. — o lembro. mas o local não vai mostrar uma vibe romântica.

— Eu vejo que você não é muito de falar. mas ele está errado. — Eu sei que você ama a cor rosa. encolhendo os ombros. e eu nunca vejo você em festas da empresa. evitando o contato visual. Eu deveria ter escolhido algum lugar que não daria para falar. — Não há muito a dizer.. me fixando desconfortavelmente. os olhos castanhos brilhando com o brilho que ele acha que ele me descobriu..ligeiramente. porque eu nem sequer me conheço. Isso deve ser bom. — ele responde em voz baixa. tomando um gole de café. — De onde você é? — ele continua. — Nevada. minhas bochechas ruborizando da quantidade de sangue bombeando através do meu corpo de quão perto ele está. tomando uma profunda respiração. finalmente. — Eu sei que você gosta de esportes. — respondo rapidamente. — Eu vi você se esgueirar para o salão para ver a pontuação de um jogo de futebol. — ele responde. Eu uso as roupas rosa porque elas eram as únicas do meu tamanho quando eu. Mexo Talvez o café não fosse uma boa ideia. olhando para mim. Ele se inclina perto. seus olhos nunca deixando os meus. muito perto. Eu sei que você não é de tagarelar sobre sua vida pessoal. Eu te conheço melhor do que você pensa. fui às compras. — diz ele com uma risada. Eu puxo o meu rosto do dele. E eu odeio esportes. Ele coloca o café em cima da mesa. Eu trabalho e quando não estou trabalhando. — diz Shane. — Eu só. — Você está sempre vestindo uniformes rosa. — Está tudo bem. Jessica. levantando a sobrancelha direita. — Hmm. Naquele dia eu estava na sala de descanso no momento ~ 58 ~ . seus lábios roçando minha orelha. — Como você sabe tudo isso? — pergunto. embora. com seus olhos castanhos. — continua ele. sei. — Você acha? E o que você sabe? — pergunto. Eu suspiro e deixo meu café na mesa de vime ao meu lado. e você odeia as confraternizações da empresa. — diz ele com um sorriso. como um filme. estou com a minha filha.

um flash brilhante ofusca meu rosto me fazendo estremecer e cobre meus olhos. Eu não quero amor. tão estupidamente como amor. O medo do meu passado. eu me pergunto se eu estou apaixonada por Bobby. Eu olho para cima. A maneira como ele me faz sentir quando eu estou com ele e como nossos corpos falam um com o outro quando fazemos sexo sempre fica comigo. Como eles não encontraram o corpo do meu ex-marido está além de mim. O cadáver acabou por ser algum juiz que tinha desaparecido devido ao Alzheimer. levantando. ambos com cabelos loiros estão aconchegados. Às vezes. Eles parecem tão perdidos um no outro. Eu observo sua mão deslizando para cima na perna dele debaixo da mesa. e levanta comigo. há um brilho manchando suas bochechas. estava em todos os noticiários nos estados vizinhos. nem algo que eu quero prosseguir com ninguém. arrebatando minha mente. Eu estava morrendo de medo de quem aquele cadáver pudesse pertencer. Eu dou um sorriso fraco para Shane e olho ao longo da loja de café. — Para trás! — Shane grita na direção dos flashes cegantes. o que é assustador. medo de que ele possa vir a ser descoberto e se repetir. Eu olho para trás e ~ 59 ~ . O cara jovem e bonito está sussurrando no ouvido da mulher. vamos te levar para casa então. mas termina como um filme de terror. O pensamento repentino de amor me consome. Eu olho para longe. completamente alheios ao resto do mundo. bem. ao nascer do sol. de repente me sinto desconfortável. rodando o topo do meu café. — Eu preciso ir para casa. como me sentia fugindo. Acho que Devil’s Dust é bom no que faz. Com o rosto para baixo. agarrando minha mão e me puxando para frente. Isso começa como algo saído de um conto de fadas com certeza. Eu vivo em constante temor de que o corpo de Travis será encontrado. Mas então eu me lembro como é quando o seu mundo vira de cabeça para baixo. Um jovem casal. você me deve um encontro. Eu rapidamente percebo que o amor não é uma coisa boa. Saindo da loja de café. Eu estaria mentindo se eu dissesse que não sinto falta daqueles dias de ter borboletas no estômago e risadas por nada. me dando uma sensação. observando o casal. Eu trabalho amanhã. Meus pensamentos tomaram um rumo para o pior. Shane sorri. eu tinha ouvido que eles encontraram um cadáver em Nevada.que ele esta se referindo sobre escapar. — digo. então eu via as notícias a cada chance que eu tinha nesse dia. Mas eu estou falando sério. apavorada. — Certo.

antes de correr ao redor. ou o constrangimento ‘devemos beijar’ que possa surgir depois de sair com alguém. BOBBY Pequenas mãos deslizam para cima das minhas pernas. Eu suspiro e baixo a garrafa. e a puxo para mim. seu corpo duro e hostil. o meu pau aperta sabendo o que está por vir. Assim que Shane estaciona no meu apartamento. O corpo de Jessica faz algo para ~ 60 ~ . Suas mãos seguram a lateral do meu rosto enquanto seus lábios rechonchudos me beijam febrilmente. Meus nervos estão no fim. precisando da dormência reconfortante que ele traz. — Quem sabe. Não dando a ele a chance de perguntar sobre subir. O cheiro familiar de café e perfume me cumprimenta: Jessica. ele não está olhando para mim enquanto está falando comigo. Minha mente instantaneamente vai até Bobby. Este encontro todo foi um grande erro.vejo o carrancudo homem com uma câmera. querendo buscar conforto em algo familiar. Eu vou para dentro e procuro por outra garrafa de vinho em meus armários. apenas para ser batido para trás na minha cama quando Jessica sobe em mim. Eu posso dizer. minhas mãos tremendo de emoção. e eu poderia vomitar. e as sobrancelhas estão comprimidas juntas em frustração. Shane abre a porta de seu carro e me empurra para dentro. eu sei que eu poderia apenas ir encontrar Bobby e ele sufocaria a solidão avassaladora que está corroendo a minha consciência. Suspiro. e entrar do outro lado. Eu envolvo minhas mãos em suas costas. — O que foi aquilo? — eu pergunto. Vamos te levar para casa. me acordando do meu sono. Levanto e me sento reto. que está franzindo a testa para o tom áspero de Shane. eu lhe digo adeus e vou em direção ao prédio. Pela primeira vez desde que eu conheci Shane. mas eu sei que não deveria. Só preciso chegar em casa. Ele está mentindo. — responde ele. No fundo.

tentando me certificar de não dizer a coisa errada. — Bobby. seu tom de voz suave. — O que há de errado. passando a mão pelo meu cabelo. — Eu sei que você ama café. aprofundando o beijo. Quando Jessica e eu estamos juntos. seus lábios roçando os meus. tentando pensar sobre algo pessoal. — ela descansa sua testa contra a minha.. entregando o que o outro precisa.mim. como um hobby. faz o meu pau implorar por mais. Esfrego meu rosto e penso sobre isso. — Eu sei que você ama surfar. Eu jogo todo meu charme. Você se preocupa com a sua filha mais do que qualquer coisa. babe? — eu pergunto. — Como você sabe essas coisas? — ela pergunta. — Sim. Você é forte e não toma leva merda de ninguém. As luzes do corredor entram embaixo da minha porta oferecendo apenas o suficiente de brilho para ver seu rosto corado. você cheira a ele. — faço uma pausa. normalmente no meio da noite. com ela ainda em meu colo.. Além disso. e tento acalmar a minha respiração ansiosa. É só nós. ela se empurra para mais perto. — eu respondo. Tive você na minha cama com as bochechas ensolaradas e o cheiro de sal demorando em seu corpo. Ela puxa o corpo para longe de mim. mesmo assim ela me rejeita na situação! Ela eventualmente vem ao redor. hematomas gravando seus joelhos de quanto você surfou ~ 61 ~ . se inclinando para mim. Você não mede esforços para manter sua filha segura. — O que você sabe sobre mim? — ela pergunta com a voz exalando um sentimento de vulnerabilidade. Eu fecho meus olhos. Esta é Jessica 101: ela dormindo comigo tem que ser em seus termos. Nada de hoje ou ontem importa. Me sento. Deslizando suas mãos no meu cabelo.um ao outro. sentindo que algo está errado. — ela exige. Suas sobrancelhas estão franzidas e seus olhos mantém uma sensação de tristeza. — Você está sempre roubando meu café. — Só me diga o que você sabe sobre mim. mas inflexível. o cheiro de café e álcool escorregam de sua respiração. com as mãos cobrindo meu rosto. — Pare! — ela exige. o resto do mundo não existe. Sua língua se lança em minha boca.. ama cheesecake de cereja. e eu vi a merda que você atravessou para fazer isso..

Suas partes quentes. e a arranco de seu corpo. estar dentro dela. A única coisa que me impede de estar dentro dela são minhas boxers e sua delicada calcinha. O choramingo sexy que escapa de sua boca quando ela está ligada faz algo por mim. balançando seu clitóris contra o meu pau duro. Minha única missão é a de a ter. meus dedos provocando a bainha de sua calcinha. ~ 62 ~ . e sua cabeça cai para trás quando um gemido sedutor escapa de seus lábios separados. — rosno. Tenho feito muitas coisas que demonstram isso.naquele dia. Jessica tra um lado de mim que eu não tenho experiência o suficiente. a forma como o cheiro dela me reconforta quando recebo sua pele quente contra a minha enquanto estamos juntos. Deslizo o meu dedo e o polegar sob o elástico da calcinha. você sempre vai direto para o cheesecake. para não mencionar que sua prancha é anexada ao seu Jeep. E quando temos festas da família. implorando para estar dentro dela. Minhas mãos deslizam da cintura até as coxas encontrando a pele nua. sua língua ávida assalta a minha boca. Quero saber tudo sobre ela. Minhas mãos ásperas vão por suas costas. puxando seu rosto para olhar para mim. O atrito é fodidamente incrível. Meu pau pulsa dolorosamente. É emoção crua. sem transações do clube para serem tratadas. Mas o sentimento que eu tenho com Jessica. — Eu conheço você. Não há armas em punho. Ela esmaga seus lábios carnudos contra os meus. Isso é o que me mata. Me faz perder qualquer pedaço de autocontrole. Ela está molhada. menos seus segredos mais sombrios. e fazer ela minha para a noite. — eu resmungo. Jessica Wren. ou sangue que sendo derramado. deslizando sobre o meu pau que está apontando para cima sob o tecido fino. Ela puxa os lábios à distância. Eu lentamente deslizo minhas mãos para cima e por baixo do vestido. prontas para me para levar. Eu sei que eu não sou um bom homem. me levando a cerrar os dentes. Eu cavo meus dedos em suas coxas. Eu sei a maioria das coisas sobre ela. — eu explico. — Droga. o calor úmido escorregando sobre minhas boxers enquanto ela firmemente balança contra mim. à medida que atravessa o material da minha boxer. fazendo o que era para eu estar fazendo. faz tudo parecer como se eu finalmente estivesse no lugar certo. Nossas respirações pesadas e os ecos do tecido através da sala escura.

Eu paro a minha língua ao longo do meu lábio superior. A dor que pisca em seu rosto e a forma como os olhos dela assumem esse olhar de terror. Seja o que for que a impede de fazer qualquer coisa mais aventureira do que papai e mamãe. Seu cabelo loiro se espalha por todo o travesseiro quando ela olha para ~ 63 ~ . Eu quero tomar meu tempo. minhas mãos deslizando pelas suas curvas quando o material solta. que ela se solte. você sabe disso. porque eu sei que em horas a partir de agora. É a posição que Jessica geralmente exige quando fazemos sexo. na verdade. e ela se afasta de mim. no entanto.tentando alcançar uma maneira de remover o vestido. e assinto. ele é o melhor. ela não vai me dizer. fazendo com que a respiração pare em sua garganta. Minhas mãos roçam de seu pescoço. o fazendo cair até a cintura. ela terá ido embora. cicatrizes que desfiguram seu corpo perfeito. quando fodemos. mas a empurrar para discutir suas cicatrizes. — ela sussurra. o meu corpo paira sobre o dela. Eu lanço Jessica em suas costas. Ela puxa o braço de novo. insinuando que ela está pronta para ir à parte inferior. Ela desliza as alças do vestido de seus ombros. Sexo ainda é excelente com ela. Ela tem essas regras. saborear cada segundo que temos juntos. me mata. Mas é quase impossível tomar meu tempo e ir devagar quando tudo que eu quero é sentir seu corpo enrolado em volta do meu enquanto ela sussurra meu nome quando ela goza. ou rituais. eu não posso. — ela me diz. ela tem de estar por baixo. e é por isso que eu não a empurro. Eu a tentei fazer falar sobre isso. e não pergunte o por quê. Sem luzes. querendo que ela me monte. Seu corpo enrijece. — É um zíper. Acho o zíper e o puxo para baixo. Eu estou pronto para a levar. Enrijeço meus braços e olho para ela. ou tentar algo mais do que o que ela está confortável. ela está sempre de costas. traz más lembranças. Eu tenho certeza que isso é sobre seu marido. para o seu seio com meus dentes. nada além de papai e mamãe. com a voz ofegante e quase incoerente. tentando me convencer a deixar ir para que ela possa rolar. Cubro a parte de trás do seu pescoço com minha mão e inclino minha cabeça para baixo. — Bobby. antes de deslizar as ranhuras brutas. Ela puxa meu braço.

não querendo que acabe. Ela é a única garota que eu vou deixar montar meu pau sem camisinha. Seus gemidos ficam mais altos e animalescos e suas pernas apertam meus quadris como um torno. Ela se inclina. empurrando seus quadris novamente. Empurro meu quadril duramente. Meus dentes rangem enquanto bombeio nela mais algumas vezes. — Eu quero mais. Me sento. descansando os cotovelos em ambos os lados de sua cabeça. Empurro as pernas dela abertas com as minhas mãos e deslizo entre elas. Eu bato meu pau duro nela. Eu me inclino para baixo e puxo o mamilo em minha boca. Um impulso elétrico se constrói em minhas bolas quando minha libertação sobe. Eu aperto o vestido emaranhado em volta da cintura e o puxo para baixo de suas pernas. Jessica. Suas mãos vão ao meu cabelo se emaranhando. Ela joga a cabeça para trás no travesseiro e empurra seus quadris para cima. — ela geme. o gosto doce de sua pele deslizando em minha língua.mim com os olhos pesados. e seus controlados gemidos perdidos em erráticos gritos de prazer. fazendo com que a cama bata contra a parede. com as pernas envolvendo em torno da minha cintura enquanto eu começo a bater nela implacavelmente. Sua buceta aperta meu pau. Ela cerra a boca fechada tentando abafar o barulho. o acariciando. e puxa até os joelhos. — Diga. Seus gritos tranquilizam ~ 64 ~ . seu corpo se debatendo em torno da cama. e deslizo para dentro com a excitação bem-vinda. — respondo. geme e exala forte. agarra o elástico da minha boxer abraçando meus quadris. — Diga que você quer mais. enquanto busca ar. fazendo com que todos os músculos do meu corpo enrijeçam. e pego um de seus seios. Meu pau encontra a buceta dela rapidamente. me fazendo rosnar enquanto gozo violentamente. É a única garota que eu confio em estar limpa e ela me disse antes que ela está tomando pílula. e ela geme no ar da noite. ansiosamente querendo mais. Suas costas levantam para fora da cama e um rosnado sexy sai de seu peito. — eu exijo. Minhas bolas apertam firmemente quando a pressão rasga meu pau e derrama para fora. Sua respiração ofegante se transforma em pequenos gemidos enquanto seu corpo endurece com cada um dos meus impulsos. colocando todo o peso em meus joelhos. — Dizer o quê? — ela pergunta.

produzindo uma luz que mal dava para ver ao redor do quarto. mas eu não vejo ~ 65 ~ . olhando para trás. Meu peito doí de tentar recuperar o fôlego. — Hawk observa. e eu estou seguindo logo atrás dela. antes de fechar os olhos e voltar a dormir. quando eles querem dormir. — Você não vai dizer que Doc te visitou mais uma vez.quando ela cai contra o colchão. Olho para a garota que me deixa mudo. No entanto. colocando um fio de cabelo atrás da orelha quando ela deriva para dormir. odeio ainda mais quando acordo e ela se foi. em tom incrédulo. sou grati pra caralho que ela escolheu meu clube para salvá-la. eu ando até o bar. Eu não saberia o que estava faltando. Deito ao lado dela e ouço sua respiração áspera. Ele é o nosso tesoureiro. Apenas os lençóis enrugados me cumprimentam me lembrando do sexo incrível que tivemos. ela vai se render a mim. mas eu tento combater. Eu fodidamente odeio quando termino com Jessica. Eu nem sei quantos anos ele tem. Hawk ri. Eu finalmente acordo ao meio-dia e pego algum jeans e uma camiseta para vestir. Sua barba contrai para trás sobre a boca como se estivesse mastigando alguma coisa. Eu caio de volta contra o travesseiro e suspiro. Eu acordo com o sol começando a subir. a coloração da velhice. respirando pesadamente. — Você dormiu mal. e o cheiro de sexo enchendo o ar. os olhos pesados. Me sento e olho para o lado. Ele é fodidamente velho como o inferno. Um dia. Deslizando minhas mãos pelo meu cabelo como um ato de pentear antes de entrar na sala. se ela nunca me apresentasse o sentimento de querer alguém tão mal só para não o ter totalmente. — Tive companhia. Às vezes eu desejo que ela nunca tenha entrado no clube pedindo para ser salva. encontrando uma cama vazia. piscando os olhos rapidamente tentando acordar. Seu cabelo loiro enrolado ao longo do travesseiro. esteve aqui muito antes de eu vir para o clube. — declaro. seus olhos piscam quando ele me encara. não é? — ele questiona. Sua barba que uma vez foi vermelha está começando a virar um branco vigoroso. Ela se foi.

Vou dar a ela dois minutos para trazer sua bunda até aqui para explicar. Eu sei que Jessica e eu não somos exclusivos. Eu olho para ele. Meu nariz queima de raiva. Eu levanto uma sobrancelha para ele e agarro. curioso para saber por que ele iria perguntar se Doc me visitou ontem à noite. Eu aperto os lados do papel. e então eu vou para aquele hospital e a confrontar. deslocando em meus pés. antes do encontro. ficaram noivos. Desço do jipe. então veio e deitou na minha cama? Me deixando foder com ela. agora! Jessica: Eu estou trabalhando. antes de me foder. Estaciono ao lado do jipe azul de Jessica. ele quase não fala comigo. sacudindo para suavizar as rugas. encostado ao balcão. chamas se construindo no meu peito. lendo as letras miúdas. mas eu pensei que eu significava algo a ela e que ela diria se ela estivesse em um relacionamento sério. Eu não posso esperar aqui por dois malditos minutos. Hawk joga um jornal no meu caminho e ri. Raiva queimando através do meu corpo. o tempo todo usando um anel de noivado do caralho? Eu: Nós precisamos conversar. Eu: Ou você vem ao estacionamento ou eu vou entrar. Ela diz que doutor Shane Meldon supostamente estaria noivo da doutora Jessica Wren. seu tempo acabou. A página inicial é Jessica e um cara saindo de uma loja de café. com raiva. Ele faz isso muito. você não estaria com ciúmes. ~ 66 ~ . e isso é fodidamente irritante. Fontes dizem que ele comprou um anel ontem. não é? — eu pergunto. e um milhão de pensamentos nadando pela minha mente. — Por que. Escrito em grandes letras pretas O MELHOR DE HOLLYWOOD FORA DO MERCADO Meus olhos aumentam enquanto eu puxo o jornal para perto. Que porra é essa? Ela foi a um encontro. Eu dou alguns passos e encontro Jessica saindo do hospital.qualquer alimento em torno dele.

meu rosto a centímetros do dela. Minha visão borrando pela fúria correndo em minhas veias. meu tom incrédulo. os lábios franzidos. Ela bufa. Bobby? — pergunta Jessica. A ideia de Jessica estar noiva. formando rugas no canto dos seus olhos enquanto ela aperta os olhos para o jornal intrigada. ainda assim. seus braços estendidos em cada lado enquanto ela caminha em direção a mim. Eu inclino minha cabeça para o lado. — ela comenta. e fico diretamente em seu rosto. minha cabeça que uma vez estava latejando a partir do fluxo de sangue que flui através de mim se dissipa. uma frase que eu ouvia com mais frequência do que nunca. e ela traz o papel mais perto. Volto o olhar para o estacionamento e inalo profundamente. O jornal está mentindo? — questiono. Eu bufo. Nada é da minha conta. Ela balança a cabeça para trás e para frente. ainda olhando para o papel. — Não é verdade.— Que diabos. é tudo mentira. Eu estou com raiva. — ela afirma. Seus olhos se arregalaram. e me afasto de Jessica. se inclina e pega. sua testa vincando com irritação. ou namorar alguém tão sério abala o meu mundo. Mas. por que ela veio para a minha cama na noite passada. Eu tomo uma respiração profunda. — Quem é esse cara? — pergunto. Ela olha para o papel. — ela responde. mais do que eu já estive. e balança a cabeça. — Então você está dizendo que vocês não ficaram noivos. apontando para o jornal em suas mãos. se ela tinha um encontro com aquele cara? Ela faz isso muitas vezes? ~ 67 ~ . — Só um cara com quem eu trabalho. Ele tem que ser alguém importante para as câmeras o estarem seguindo por aí e tirando fotos. — Não que isso seja da sua conta. Eu puxo o jornal enrolado na parte de trás do meu bolso das calças de brim e o jogo para ela. confuso com a reação dela. me mostrando sua mão. Eu ando até ela. — Eu não estou noiva de ninguém! — ela grita de volta para mim. — É a porra da minha conta quando você rasteja na minha cama com um anel de noivado fodido na sua mão e goza no meu pau! — eu grito. Alívio inunda meu sistema. mas sim.

Nunca me comportei assim antes. Não existiu nada entre nós e nunca existirá. não em tudo. Quando é muito. Mas a ouvir dizer essas palavras sem um piscar de olhos. em tom áspero. — eu anuncio. — Isso é o suficiente. o que sempre significou. Seu tom era sentimental. e me entregando o jornal. Quero que ela me olhe nos olhos quando ela me responder. você e eu sabemos no que estávamos entrando quando começamos a dormir juntos. Eu bufo. quando é demais? Eu inspiro profundamente. Ela pegou meu pau como se fosse sua tábua de salvação na noite passada. — responde ela baixinho. quase desesperado. Não era como Jessica. Típico de Jessica.— Foi por causa dele que você veio para a minha cama na noite passada? — sua cabeça se levanta de repente da leitura do jornal. nos salvando da realidade do que poderia acontecer se não desse certo. — Tudo o que eu sempre quis foi te proteger. fiquei chocado. Ontem à noite. Eu preciso voltar ao trabalho. Se eu começo a fazer qualquer pergunta. e caminha para mais perto. com os olhos percorrendo meu peito estufado e os punhos apertados. Ela olha em volta dela. seus olhos fixando em mim enquanto franze as sobrancelhas para dentro. — Você não pode ser vista com um cara que parece fora da lei é o que é isso tudo significa. Eu sempre pensei que estávamos apenas negando que nós não queríamos nada mais do que ser amigos. Ela nunca se abriu para mim. — Bobby. Não poderá existir. — resmungo. parece como se uma bala tivesse acertado a porra do meu peito. — afirma Jessica. — Você falou com ele? Você lhe disse coisas que você não vai me dizer? — me aproximo em sua direção. Nunca. muito perto de gritar outra vez. liberando a realidade de que eu não sou nada para Jessica e nunca serei. — Por que você está agindo assim? — Jessica inclina a cabeça para o lado. — O quê? É outro de seus limites rígidos? Não devemos falar de nós? — questiono. muito perto. ~ 68 ~ . mas eu a interrompo. e tudo que eu te pedi em troca foi para você ser aberta comigo. levantando o queixo dela com o meu dedo. quando ela perguntou se eu a conhecia. suas palavras me irritando. minhas emoções me têm feito agir como um idiota. Ela abre a boca para responder. empurrando o queixo do meu agarre. ela foge. tentando me acalmar.

Eu lanço a minha mão como sinal de não. ou nós vamos acabar definitivamente. que eu não sou nada mais do que uma boa transa. Eu perdi o controle. mesmo que eu tenha sido o responsável por a colocar longe dele! — grito. Eu respiro fundo. sua ideia sobre mim. olhando para os olhos suplicantes de Jessica enquanto ligo a moto. — Jessica grita. — eu atiro. Mas como eu posso quando ela não vai me deixar entrar. e saio da minha vaga de estacionamento. meu queixo tremendo. — Você não me quer envolvido em nada da sua vida como sendo minha preocupação. — murmuro. Eu parei de pegar a atenção que ela joga em meu caminho. — Nós terminamos.Eu olho para ela. Eu não quero deixar Jessica. uma coceira na mão para puxar o meu capacete e ir aninhar Jessica em seu estado angustiado. ~ 69 ~ . Eu não posso mais fazer isso. Eu não quero que estejamos separados. com os braços cruzados na frente. caminhando de volta para a minha moto. seu cabelo loiro soprando com a brisa. Eu surtei. — Me deixe tornar mais fácil para você. Terminamos. Meu coração está correndo no meu peito e meu corpo está suando com o meu desabafo impulsivo. seu tom perturbado. Não quer me dizer nada sobre o seu passado. Nós. — Bobby. Eu preciso mais dela. arregalando os olhos na minha declaração. É uma questão de confiança. afinal? Não tem nada a ver com cruzar a linha e complicar as coisas. Tudo o que eu sempre quis foi a manter segura. Terminar isso tirará ela de sua zona de conforto e vai me dar mais dela. Mas ela fez. e a fazer feliz. todo inchado e com raiva. Eu olho para mim. olho para longe dela. Eu bato meu capacete na minha cabeça. obviamente. porra. Meu peito aperta com esse último pensamento. — O quê? — ela pergunta cansada.

— Merda. — Meu pai. Pego o jornal e entro no hospital à procura de Shane. eu o puxo para perto. Ele olha para mim confuso. — Sinto muito sobre isso. como se isso apenas respondesse tudo. e o arrasto para o lounge.Capítulo cinco JESSICA Ele está falando sério? Ele está se afastando de mim e me deixando? Meu peito queima e minha garganta contrai das emoções borbulhando dentro de mim. — Ele é um ator aposentado. — ele murmura. Ele simplesmente terminou comigo no meio de um estacionamento. ~ 70 ~ . eu o encontro saindo do quarto de um paciente. — Por que o jornal se importa com quem você está envolvido? Quem é você? — exijo. — Que diabo. — ele responde olhando o papel. e por que alguém iria se importar o suficiente para colocar isso no jornal. porque eu estou supostamente envolvida com ele. Shane suspira. — Shane observa. — ele diz. seus dedos apertando a ponta de seu nariz. Eu quero saber por que eu tinha a porra da minha foto tirada com ele. Reece Meldon. suas mãos correndo por seu cabelo perfeitamente penteado. Shane? — pergunto. olhando para o jornal. pedindo para ser liberada. Eu o agarro pela camisa. deixando cair a cabeça. batendo o jornal em seu peito. Tropeçando em seus pés enquanto ele tenta se manter comigo. — Que diabos é isso? — eu agarro com raiva. Assim quando eu entro pelas portas do hospital. uma vez que estamos sozinho. choque atado em suas sobrancelhas levantadas pelo meu tom irritado quando ele pega o jornal. as perguntas voando da minha boca rapidamente. Jessica.

— ele acrescenta. Devem ter apanhado isso. — Isso me causou um monte de problemas. — ele continua. e espero ela sair. Ele estava em alguns grandes filmes de ação anos atrás. — Eu fui à loja de joias ontem para arrumar meu relógio. Bobby tem entrado no meu sistema. A maneira como eles fazem parecer tão fácil de encontrar uma alma gêmea. Ele apenas se afastou de mim por causa dessa merda. Me deixando sentindo mais vazia do que eu já senti. — afirma Shane. Isto é o que ele estava escondendo na noite passada. Eu observo todos os casais pegarem seus filhos. colocando o jornal em uma mesa próxima. quando aquele cara tirou uma foto nossa do lado de fora do café. Eu rosno para eles. eu tive pessoas me seguindo e empurrando câmeras na minha cara. eles são a imagem perfeita. — Desde que eu era uma criança. desgostosa por sua felicidade. apontando para o jornal. bater no cara e pronto. sem verificar se elas são verdadeiras ou não.Meus olhos se arregalam. — Isso não vai acontecer novamente. Todos esperando que um dia eu iria seguir os passos de meu pai. Ele poderia ter facilmente corrigido esse problema. As pessoas são pagas pelas histórias e o jornal apenas as imprime. Bobby explodir sobre nós é tudo culpa minha. Eu quero me abrir com Bobby. Eu sei exatamente quem é. Me ouça. Eu quero dizer a ele ~ 71 ~ . Ele poderia ter tomado a câmera. Veja por que o amor é um desastre esperando para acontecer. sorrindo. balançando a cabeça e olhando para o jornal que agora repousa sobre a mesa. estreitando os olhos. paro no estacionamento. Eu aperto meu queixo. seu olhar de raiva e decepção quando ele jogou o jornal para mim pisca em minha mente. ‘bater no cara’. rindo. o clube tem infectado minha mente. Eu estive furiosa desde esta manhã. Eu fecho meus olhos e suspiro. Eu vou para a escola de Addie. Lágrimas ameaçando derramar dos meus olhos. Eu fico olhando para os meus dedos profundamente em meu pensamento. Bobby. — comento. parecem estar perfeitamente bem no amor sem uma preocupação no mundo me irrita.

Eu não quero complicar e ter que explicar meu passado fodido. nós podemos. Eu olho no espelho retrovisor. eu estou livre de toda a carga. — Eu acho que um menino gosta de mim. mas eu não trocaria isso por nada no mundo. Addie com sua inocência e personalidade brilhante sempre faz esses momentos escuros desaparecerem. e seu vestido vermelho pequeno e bonito. — Eh. — O quê? — eu me viro. — eu respondo. Addie levanta o olhar da janela para mim. — Ei mãe! Eu olho para trás e encontro Addie escalada no banco de trás. Ser mãe solteira é difícil. sorrindo. A única coisa em minha mente. Meu rosto cai. mas que bem isso faria? Quando estou com Bobby. fazendo um carro buzinar em sua passagem. Não importa que tipo de dia eu tive. quando estamos juntos. com leggings pretas. os únicos pensamentos na minha cabeça. Desde que ela dormiu na Bree na outra noite. — Sim. Cada memória dela golfando em mim no meio da noite. como foi seu dia? — eu pergunto. e meu coração despenca. nós não conseguimos ter a nossa noite de cinema que eu tinha prometido anteriormente. seu rosto vai do rosa ao vermelho. saindo do estacionamento. perder seu primeiro dente é uma memória que eu estimo. Eu acabei de pedir a Bree para a levar a escola esta manhã. Podemos ter a noite de cinema hoje? — pergunta ela. suas pequenas íris brilhando com a luz do sol quando suas bochechas redondas e macias ficam em um tom de rosa. ~ 72 ~ . ou o terrível pressentimento que estou experimentando. olhando de volta no espelho. com o cabelo loiro em tranças. e observo que Addie está sorrindo como uma boba pela janela enquanto nós puxamos para a estrada principal. puxando o cinto de segurança em seu colo. outro mundo. Agora. — Ei. tiro os olhos da estrada. o que é pior. — Por que você está tão feliz hoje? — eu ri. Ela parece tão linda hoje. eu não tenho Bobby em tudo.tudo o que aconteceu comigo. baby. Estou em outra dimensão. é o prazer entre mim e ele. — ela grita. normal.

Eu não estou preocupada com ele ser um garoto mau.— Merda. Eu amo minha filha. Ele é muito inteligente. Nunca Fui Recordar. sua voz misturada com desaprovação à minha seleção de filmes. meninos já? — Isso é ótimo. Mas minha menina tem apenas nove anos. colocando um sorriso falso. — ela conforta. Eu dou um sorriso de boca fechada e puxo para o estacionamento da locadora de filmes. Ele não é um dos maus garotos da classe ou qualquer coisa. — Você não tem que se preocupar. — Ele é tão bonito. ~ 73 ~ . sua voz tonta e feliz. mãe. e revisa os olhos enquanto seu nariz vira para cima. Eu balanço minha cabeça. Seu nome é Anthony. mas os filmes que ela escolheu para esta noite me faz querer puxar meus olhos para fora. Alguém atire em mim. Beijada. puxando o volante para voltar para minha pista. não na idade de nove anos. usando o que sobrou do coração de uma menina que quebrou nas mangas. Todos os meninos são destruidores de coração. o rosto vermelho do sorriso se foi e agora esta franzindo a testa. tentando aliviar a minha mente. — Chuckie? — Addie pergunta. e Um Amor Para — Que tal assistir o meu primeiro? — eu sugiro. — ela divaga. e ele é tão bom no basquete. — eu amaldiçoo. Estou preocupada com ele quebrando o coração da minha filha. O que posso dizer? Eu amo filmes de terror. Addie mastiga a pipoca. Eu olho no espelho retrovisor em Addie. — eu tento concertar. me xingando silenciosamente pelo meu desabafo. Seu rosto cintila quando seu aparelho volta em plena vista com um grande sorriso. jogando os DVDs na mesa de café. Armageddon.

Ele é a única segurança que eu tenho neste mundo. Mas Bobby. reiniciar e construir uma vida sem medo? Ou eu faço o que eu sei melhor. Esquecer o terror forçando meu espírito. e silenciosamente amaldiçoo Addie e seu amor por filmes bonitinhos. Ele quer me fazer melhor. obrigada. mas quando ele se afastou hoje. Eu luto contra meu medo. Eu não sei o que nós ainda somos um para o outro. puxando o saco de pipoca de micro-ondas. Histórias sentimentais de amor então. a terra caiu debaixo dos meus pés. mamãe. Eu não quero que termine entre nós. Mas como? Como ele o pode tornar melhor quando ninguém mais pode? Ele nem sequer sabe por que eu sou do jeito que sou.— Não. Eu entro em meu quarto. tentei medicamentos estúpidos para superar o que me assusta todos os dias. — ela responde. resistir e correr para casa e atrás da minha porta com a segurança de três trancas? Eu tentei terapia. Addie nem sequer viu todos os seus filmes. na verdade. Eu não o posso perder. Não tenho nada por causa do terror que vive dentro de mim. Meus olhos pousam no meu celular ao lado de minha mesa quando eu subo na cama. desligo a TV e apago as luzes. mas nada disso funciona. Eu suspiro. fecho os olhos e sinto a solidão fluir em minha alma. enxugo as lágrimas. ele quer me ajudar. me fará esquecer o meu passado e. Eu suspiro e me estatelo sofá. na esperança de que um dia. alma e apostar na chance que Bobby pode redefinir tudo. ~ 74 ~ . Eu quero ligar para Bobby. me deixando com um travesseiro apertando contra o meu peito. tirando minhas roupas e liberando o meu cabelo do rabo de cavalo. Eu balanço minha cabeça. e lágrimas escorrendo pelo meu rosto quando eu assisti o final de Um Amor para Recordar. Eu coloco um cobertor sobre Addie. eu possa encontrar um grande cara e estender a nossa pequena família. e eu não tenho nenhuma ideia de como se livrar disso. não querendo acordála. Ela desmaiou trinta minutos atrás.

Eu largo o cigarro de maconha e o isqueiro no chão. me fazendo adivinhar essa coisa toda.BOBBY Eu rolo um cigarro de maconha. do medo que permanece na minha agenda diária. Bobby? — ela sussurra dolorosamente. Eu confio em você. Eu corro minhas mãos pelo meu cabelo e me sento na cadeira em minha frente. — O que você quer saber? — Jessica pergunta. depois de todos esses anos? — eu questiono. — Por que. Eu a ouvi inalar através do telefone enquanto ela se prepara para sua resposta. e entendo. Eu a ouvi engasgar quando uma fungada soa através do altofalante. mesmo se eu quisesse e isso realmente me irrita às vezes. como um livro aberto. Eu nunca poderia andar totalmente para longe dela. ~ 75 ~ . minha boca se abre em estado de choque. Eu quero saber por que você está com tanto medo de viver. Por que ela está querendo me dizer agora? A minha distância é um grande problema para ela também? — Por que você está disposta a me dizer agora. ela tem coragem. Eu não a ouvi quebrar desde que ela apareceu destruída no clube. A ouço quebrar. Mesmo sem saber muito sobre Jessica. sua voz suave e instável. Por que elas estão lá. — Porque. Será que eu a ouvi certo? Tenho tentado conseguir informações sobre o passado de Jessica por anos. Pego meu isqueiro quando meu celular toca. Eu tenho que saber. me parando. Eu assinto. sabendo exatamente o que ela quer dizer. — ela responde. ela está sempre segura comigo. Jessica é uma mulher forte. Eu pego o meu telefone em vez do isqueiro. por que você quer saber essas coisas tão ruins. você é a única pessoa que pode ser capaz de me livrar do meu passado. e aqui está ela me perguntando o que eu quero saber. — as questões que têm atormentado a minha mente toda vez que vejo Jessica saem da minha boca incontrolavelmente. — Eu quero saber de onde as marcas em suas costas vieram. Eu preciso saber o que está diferente. tentando escapar dos pensamentos de Jessica que assola minha mente. Eu quero saber por que você dorme comigo em apenas uma posição e com as luzes apagadas.

Talvez as marcas não sejam do marido. Eu estava andando em seus passos. eu pensei que eu a iria salvar. Ela funga através do telefone. — suas palavras saem com raiva quando ela diz o nome de seu ex-marido. saltando para frente. A única coisa que importava era o que era melhor para ele. não importava. Quando me encontrei com Travis.— Eu matei um homem por uma mulher que eu não sabia nada a respeito. — Isso é o que torna tão difícil. ainda não sei. Onde é que tudo deu errado? — De onde é que suas marcas em seu corpo vem? — eu questiono. sua respiração tremendo em pequenos jatos. e fazer minha família ter a honra de assumir o nome Norwell. A linha fica quieta. Nós ficamos quentes e excitados um com o outro rapidamente. então eu não resisti. — murmuro. Ele me disse que eu iria casar com Travis. ele foi surpreendentemente. nós decidimos nos casar. me unindo apenas ao melhor das práticas médicas no estado. onde ele não era. — Travis nem sempre foi um monstro. apenas para descobrir que você estava tão fodidamente errada. acredite em mim. — eu respondo com gravidade. Eu o amava no início. queria o que era melhor para a família. — Travis era o bilhete dourado do meu pai para o conselho do hospital de maior prestígio no estado. e muito perfeito. com boa aparência. me fazendo perguntar se ela desligou. inteligente. Eu passei por isso através de algumas pessoas dentro do clube antes. — ela ri amargamente. Se isso era melhor para sua filha e família. Eu era muito inexperiente. Algo ainda assombra você. — ela responde. — Vamos começar pelo início. então eu sei onde ela está indo. a tentando acalmar nas memórias difíceis. mas não o fiz. Travis soa como um maldito boneco Ken. Talvez eu esteja errado. te libertar. Você realmente acha que conhece alguém. Mas tudo fugiu quando meu pai conheceu Travis Norwell. Mas quando o matei. Como você conheceu seu exmarido? — eu pergunto. Jessica. Depois de alguns meses de paixão. seu tom um pouco tenso. Poderia ter sido muito pior. — Meu pai era um homem ambicioso. ~ 76 ~ . — Eu entendo isso. As coisas ficaram sérias entre nós durante o verão.

Eu continuei gritando para ele as soltar. — continua ela. ~ 77 ~ . Quando nós. mas tendo uma ponta de tristeza. — chicoteou todo o meu corpo com a ponta do chicote barato e meu pulso quebrou nas algemas. Eu quero dizer a ela para parar. — As marcas nas minhas costas são de Travis. — explica ela. e eu engulo pesadamente. e eu não o posso trazer de volta dos mortos para o matar de novo. Eu não tenho certeza se posso lidar com muito mais do que isso sabendo o que ele fez com ela. ele trouxe para casa chicotes e algemas. — ela começa. — A próxima vez não foi melhor. meu marido me disse que ele estava entediado com a nossa vida sexual. — Ele ficou realmente duro. Eu amei. o som de sua respiração através do telefone fazendo o meu corpo e o meu pau ficarem moles. seu tom atado com miséria. Eu dou de ombros. Batendo a cabeça desse filho da puta com minha bota e atirar nele foi fácil demais para ele. — continua ela suavemente. seu tom animado. — As coisas eram espetaculares quando fomos para os espancamentos e brinquedos sexuais. Eu preciso saber se eu tenho alguma chance de ajudar Jessica avançar com seu passado.. e eu concordei. Eu tenho que saber. Ela limpa a garganta como se ela estivesse tentando obter um domínio de si mesma. é como se ela estivesse lendo um livro em voz alta. — ela solta. seu tom sem emoção. que ele estava me machucando. — Depois de vários meses. Concordei. que ele não sabia o que tinha acontecido com ele. para não trazer as lembranças dolorosas. Quando ele terminou comigo.. O que isso poderia machucar. animada realmente. — Uma noite. com a voz embargada. — ela para. Ele queria mais BDSM em profundidade. Meu pau salta com o pensamento de espancar Jessica. eu estava sangrando pelo nariz todo. embora ela não possa me ver. mas eu sou egoísta. Que ele precisava de mais emoção no quarto. Eu literalmente ouço a dor apenas em sua respiração. — ela bufa. que ele seria mais suave da próxima vez. pois foram colocadas com muita força. — ela para. mas era como se ele fosse alimentado com meus gritos de dor. — Ele me disse no dia seguinte que ele estava arrependido. me fazendo esfregar minha virilha para aliviar a tensão. Meu queixo treme e eu fecho meus olhos. Eu estava caída totalmente por ele. sabe? — ela comenta.— As marcas nas minhas.

que ele era o meu mestre. que eu era incapaz de ter o amor de outro. me arrastou para a varanda da frente. e ele queria voltar para os chicotes e algemas. do jeito que eu sou. Se eu me recusasse ou me opusesse. Ele me fez gritar que eu o amava. sento a queimadura das cicatrizes nas minhas costas quando eu estou fazendo algo que ele não teria permitido. Eu não poderia ter o meu filho ao redor desse tipo de abuso. mas Travis tinha homens esperando por mim no aeroporto. — ela inala um grande fôlego. Se eu não fizesse. — Jesus. ele fez isso parecer o que eu tinha sofrido antes um gostoso passeio no parque. apertando a ponta do meu nariz. — é daí que as cicatrizes nas minhas costas vem. é por isso que eu sou. — Ele me arrastou para o nosso porão. — murmuro no telefone. e o chamar de mestre. e. — Maldição. O que qualquer pessoa normal faria.— Depois de mais algumas semanas. e me algemou a um grande pilar. ele iria atacar o chicote em mim de novo. que nunca iria deixar ele de novo. Eu sabia que seu marido era um monstro. — E isso Bobby. — ela soluça ao telefone. Rasgando o meu vestido de minhas costas. Eu nunca imaginava que era tão ruim assim. eu sofria as consequências. — eu sussurro. Quando eles me trouxeram de volta para a casa. me bateu e me submeteu a ele. imagens dela algemada a uma varanda e sendo chicoteada piscam no olho da minha mente. — Eu descobri que estava grávida e eu tentei fugir um dia. Eu recusei. Eu não podia com todas as marcas em mim. — continua ela. Eu vejo seu rosto o tempo todo. Eu não tinha permissão para trabalhar mais. eu estava curada. Jessica. mas até mesmo os monstros têm mais remorso do que seu ex-marido. Travis me puxou para fora do carro por meu cabelo. em troca. ele pegou um chicote do salgueiro da frente e golpeou contra a minhas costas tão duro. Eles me pegaram e me jogaram na parte de trás de um carro. ele tinha comprado todos os tipos de dispositivos sexuais para usar em mim até então. ~ 78 ~ . Eu precisava pedir permissão para praticamente tudo. Meses depois deste ocorrido. Eu disse que ele se tornava um monstro quando eu lhe dava esse tipo de controle. — ela sussurra solenemente. me disse que eu era indigna de ser amada. seu tom uma fração mais forte do que antes. Ele me fez gritar que eu o iria obedecer.

Ela passou por uma vida de inferno com aquele filho da puta. pronto para mais uma sessão terapêutica. — explica ela com confiança. — eu corro minha mão sobre meu rosto. mas vou descobrir isso. aceitando matar seu marido para que ela e sua filha não tivessem que viver com medo. Eu sorrio. mas depois de tudo isso. — eu respondo com sinceridade. — Eu quero ajudar você. Jessica. Nenhuma ideia mesmo. — Bobby. Mas eu transei com essa terapeuta algumas vezes nos últimos meses e ela continuou falando e falando sobre as pessoas que ela vem tratando antes de nós transarmos. — Como? — sua voz treme.— Ele não pode te machucar. Eu disco o número de Hilary. — eu respondo. mesmo que ela não me queira. Eu assumi a posição quando ela veio para o clube há anos. sua voz suave e sedutora. — Eu não lhe disse tudo isso por pena. ele ainda a assombra. e eu vou ajuda-la. baby? — ela murmura. — Eu não sei. a tentando confortar. e até mesmo morto. precisa de mim. sublinhando cada palavra. Talvez ela me dê uma luz sobre o que estou lidando e como lidar com isso. ignorando seus avanços. mesmo que ela não perceba isso. Vou descobrir isso. Eu ainda trepei com ela uma vez pra ver se ela calava a boca. Meu intestino dá voltas em empatia por Jessica. esta menina poderia usar alguma terapia em si mesma. querida. eu não posso tolerar mais. Eu nao tenho ideia de como ajudar Jessica. Eu tenho mais perguntas. ~ 79 ~ . esperando que não seja tarde demais para ela responder. Eu disse a você para que você me entenda. — eu a tranquilizo. mas o trabalho não está terminado. — Eu preciso de alguns conselhos a respeito de como agir em algumas coisas.

Eu tive um pouco de sorte com isso. você poderia ~ 80 ~ . Você poderia tentar a terapia de exposição. — ela explica ainda. — ela ri. poderia fazer mais mal do que bem. Além disso. e fisicamente violentos com este tipo de terapia. se você está com medo do escuro. — Assim. Você poderia começar em um quarto com você a orientando. — A terapia é uma opção. passando minhas mãos pelo meu cabelo. envie o paciente para o escuro. — Merda. abusando dela se ela desobedecesse. Ela era casada com um homem que soa como um filho da puta sádico. Tenho ouvido falar do termo mas não sei nada sobre isso. eu vi pacientes se tornam muito agitados. Substitua suas memórias ruins com boas lembranças. Merda. hum? — pergunta ela docemente. e se esta mulher significa alguma coisa para você. como faço para ajudar? — eu questiono. — Ok. Eu sei que Jessica já tentou isso. A medicação pode ajudar. — ela responde rapidamente. seu tom de volta para sacanagem.— Como o quê. — Há uma garota. Em um ambiente seguro nesse percurso. Você não a iria jogar no meio de um beco à noite e lhe dizer boa sorte. apenas um passado de merda total. pasmo. Mas estou avisando. seu tom sensual desaparecido. eu estou fora do meu alcance aqui. basicamente. — O que diabos é isso? — eu pergunto. Por exemplo. você vai apresentar ela a um cenário sexual fora do seu conforto. — O que mais você tem? — Hmm. ou é teimosa demais para pedir ajuda. — avisa. Ele fez dela uma escrava sexual. — eu explico. você adoraria os benefícios da mesma. Eu abaixo a cabeça. lhe ensinando como deixa-la confortável e agradável novamente. em sua circunstância. — murmuro. — Se ela rejeitar o tratamento. Ela tem vivido através de uma relação abusiva. — Soa como Transtorno de Estresse Pós-Traumático. a confortando ao longo do caminho. — ela divaga quando ela está no modo terapeuta. — Você vai a expor ao que ela está com medo. Ela é assombrada por ele e não pode escapar das lembranças do que ela passou.

meu pai sempre agiu como se fosse um comportamento normal e fez vista grossa. mas não parecem estar desaparecendo. eu ainda falo com a minha mãe. e rolo para fora da cama. Eu sorrio. — eu sussurro para mim mesmo. Como dizem. Eu tinha pensado que ela era tão cruel e gananciosa como o meu pai. — eu respondo. ou óculos de sol na casa mal iluminada. esta manhã. Estou cagando de medo. Eu não lhe disse. Eu não vou mentir. coisas que eu tentei esquecer. Se você precisar. me envie mensagem. — Boa sorte. Hilary. Ela ainda tem a governanta ~ 81 ~ . Minha mãe sempre me olhou com cautela. A polícia apareceu em minha casa horas mais tarde. mas nunca disse nada. — Porra. Há uma grande possibilidade de que eu vou fazer mais dano do que bem. — acrescenta ela antes de desligar. JESSICA Eu acordo me sentindo um pouco mais leve do que o habitual. Quando eu apareci na casa dos meus pais anos atrás vestindo mangas compridas no verão. é claro. Talvez seja porque eu disse a Bobby um pouco do meu passado. mas a pessoa que salvou a minha bunda foi a minha mãe. Após a ignorar e enfiar Addie na cama. preocupada sobre onde eu tinha ido. Minha mãe estava na minha casa quando eu retornei nas primeiras horas da manhã. — Obrigado pela informação. Ela me deu um álibi. até a noite que voltei para casa após pedir a ajuda dos Devil’s Dust. Eles me fizeram um milhão de perguntas. sua voz em tom profissional. e me tornar o Diabo que Jessica pensa que eu sou. — ela murmura. hoje eu recebo minha mãe para o almoço. querido. não me dando oportunidade de relatar o meu marido não voltar para casa do trabalho. Merda. ela insistiu em ficar a noite para se certificar que Addie e eu estávamos bem. Disse que eu estava com ela vendo fotos da família. Apesar das coisas que aconteceram com meu pai e Travis no meu passado.perde-la de forma permanente. a verdade vos libertará.

e sigo para o apartamento de Bree. mas eu acho que ela sabe que eu tinha algo a ver com o desaparecimento de Travis. uma bacia contendo alguns cereais e leite no fundo em cima da mesa de café. sem tirar os olhos da tela. saindo como louca com seus altos gritos e braços estendidos na frente do corpo. — Ei. ~ 82 ~ . Felizmente. — Você pode olhar Addie para mim hoje? Eu estou indo ver minha mãe e Addie não quer ir. Eu dou de ombros. obrigada. e recuperar o atraso em algumas coisas e lhe dando tempo para ver Addie. eu estou indo para ver a vovó Wren hoje. ou as horas difíceis do meu trabalho. olhando para seus olhos vermelhos. ela não vai tomar quaisquer exames hoje e pode manter um olho em Addie. — Só não me sinto muito com vontade hoje. — Sim. — Como assim? — eu questiono. o que manda? — Bree pergunta. pegando uma caneca do armário. Eu tenho um trabalho pra entregar e esperei até o último minuto. Eu me vesti em uma camisa e calça jeans azul claro. abrindo a porta. Eu não me canso de café. eu tenho um par de horas de sono. — ela responde. Você quer vir? — eu pergunto. — ela boceja. Seu cabelo é uma bagunça loira e ela ainda está vestindo pijama. quando faço meu café. e ela ainda está vestindo seu pijama. Eu não a forcarei a ver a minha mãe. Eu nunca disse a ela o que aconteceu com o clube e Travis. Seu cabelo escuro está puxado em tranças desarrumadas. caso contrário. sem ele. A vejo duas vezes por mês aqui na Califórnia para o almoço. — ela responde. Como? Eu não sei. — Não. não há nenhuma maneira que eu teria sobrevivido aos anos de bebê de Addie. empurrando os óculos para cima. — Você não foi para a cama ainda? — eu rio. vou para frente do meu apartamento. Eu entro na sala e encontro Addie assistindo desenhos animados na TV.para confirmar isso. — Ei. Addie teria que vir comigo. Eu bato nele tomando meu café quente. Eu sei que ela pode ser um pouco animada quando vê Addie.

eu quis dizer isso de forma traumática. É um cheiro de conforto e um lembrete de como sou abençoada por tê-la. seu cheiro de chiclete do shampoo flutuando em torno de mim. — ela responde. Eu gostaria de poder a ver mais. Eu puxo até o edifício de mármore branco. na realidade. ~ 83 ~ . querida. Ela balança a cabeça. com certeza. Ninguém felizmente fez perguntas quando eu disse que estava me mudando depois do desaparecimento de Travis. — Seja boazinha. — murmuro em seu cabelo. mas eu não posso correr nenhum risco. estacionamento sob o dossel onde um manobrista está profissionalmente com os braços cruzados por trás das costas. seus olhos castanhos me cumprimentam alegremente. mas colocar Addie e eu tão perto da família de Travis em Nevada é muito arriscado. um enorme campo de golfe verde brilhante em torno da propriedade. Eu dirijo para a rotatória. Eu nunca vou cansar daquele cheiro. — Incrível. se você ficar com fome. mas. se sinta em casa. Minha mãe está me rodeando com o desaparecimento de Travis. Vestindo um chapéu preto e um colete marrom e sem barba. — acrescento eu. tornando mais fácil ficar longe de qualquer sugestão de que eu tinha algo a ver com o sumiço. Eu simplesmente disse que eu não poderia estar em nossa casa mais. Me chame se precisar de mim. Eu me inclino sobre o sofá e dou um grande beijo na cabeça de Addie. me deixe pegar meus livros. É um clube de campo para os ricos. andando de volta para o meu apartamento para pegar minha bolsa e telefone. com um celeiro vermelho cheio com cavalos de raça a distância. Se Travis e eu fizemos algo certo em nosso relacionamento. Eu tenho um monte de mantimentos.— Sim. que trariam muitas lembranças. Todo mundo foi agradável a respeito. é o único lugar que minha mãe sempre quer se encontrar. baby. girando sua trança para a esquerda. Eu ia para o clube de campo que fica a mais de duas horas de distância. era ter tido ela. mantendo os olhos grudados na TV.

— Jessica. — Ela não estava se sentindo bem hoje. — Você vai me dar mais bebês. — Você já conheceu alguém? — ela continua a questionar depois que optei por a ignorar. — eu respondo. ou em torno de meu pai. Eu saio e lhe atiro as chaves. olhando por cima do meu cardápio. e seu olhar pega o meu. Eu quase não a vejo. Eu dou um sorriso de boca fechada e coloco o cardápio para cima. tenho certeza. com os olhos faiscando de excitação. O tapete é macio sob as solas dos meus sapatos. seu tom calculado e pomposo. contornando seus ombros. Seu perfume é forte. minha querida. me sentando na cadeira elegante em frente a ela. Eu suspiro pesadamente. — eu gostaria que ela tivesse vindo. Ela entrega um garfo para um garçom com um olhar de desgosto em seu rosto. — ela responde. Meu carro não é algo que ele está acostumado a ver em tal estabelecimento. — Eu vou te dar a mesma resposta que da última vez. temos esta conversa cada vez que vemos uma à outra. o fazendo me olhar como se eu tivesse perdido a cabeça. Minha mãe pode parecer uma esnobe por fora. me levando para um grande abraço. não. olhando sobre seu cardápio. Jessica? — ela pergunta casualmente. Mas ela iria suspirar de horror se me ouvisse referir a ela como legal. Ela é incrível e realmente legal.Seus olhos formam uma carranca quando ele olha meu jipe. ~ 84 ~ . Seu cabelo loiro está impecável. Eu pisco e caminho para dentro. — Onde está Addie? — minha mãe pergunta. e ela está usando um vestido cor de pêssego. Eu a vi quando ela não está nos olhos do público. — minha mãe cumprimenta. olhando atrás de mim como se Addie fosse aparecer magicamente. me dirijo ao restaurante do clube. Faz minha cabeça nadar com o cheiro. — Sei. — continua ela. um chapéu em sua cabeça. e o cheiro de charutos caros e perfume me convidam quando eu ando. Eu sorrio e aceno a cabeça para ela. mas ela realmente não é. — eu respondo tão casualmente. eu não posso nem imaginar o que cheira esse excesso de álcool. Olho sobre o mar de mesas brancas e vejo minha mãe imediatamente. Ela imediatamente se levanta. desapontada quando ela toma seu assento.

Minha mãe não sabe nada sobre isso. e ele tinha as mangas enroladas até os cotovelos. Como eu tinha faculdades já interessadas. Mas. e tem feito isso desde que eu era uma adolescente. Se meu pai ou mãe me vissem. Nós estávamos em uma de nossas reuniões familiares habituais. Depois que ele literalmente me bateu eu não mais o amei. Ele não era ~ 85 ~ . e eu estava no pátio longe de tudo. a última coisa que eu quero fazer é obter aconchego com qualquer homem. não me interpretem mal. Por que está fazendo isso para si mesma? — ela geme. Minha mãe não sabe sobre o meu medo. ou mais especificamente. Ele tinha olhado para mim de longe. Eu amei Travis. Como se eu voltasse à adolescência. Ela não tinha ideia de que eu estava com medo de me apaixonar por alguém. Meus encontros familiares consistiam em um punhado de membros da família real e casais de alto perfil que meus pais conheciam. Minha mãe estava mostrando seu novo mobiliário enquanto meu pai estava distribuindo charutos caros. ele estava vestindo calças pretas e uma camisa que estava parcialmente desabotoada no pescoço. Jessica. sacudindo a cabeça. às vezes. pregando no meu ouvido que eu era indigna de ser amada.Minha mãe desmorona seus braços em seu cardápio e geme. Eu amei medicina. eles iriam me chamar e se gabar sobre o quão bem eu estava fazendo em meus cursos educacionais. Era humilhante. entediada e perdida em pensamentos quando eu conheci Vincent. Eu o tinha visto nas festas que meus pais fizeram antes. Seu rosto em forma carranca ou franze a testa de tanto Botox. mas posso dizer que ela está descontente. sim. Eu era uma daquelas garotas. Ela se refere a eu ser livre e ser capaz de estar com quem eu quiser. ou que eu tenho terrores noturnos de Travis. Eu estava sentada do lado de fora em um vestido preto que minha mãe insistiu que eu usasse no calor do verão. Ele me fez sentir como se estive em um tabu. Eu me apaixonei por ele depois que ele tomou minha virgindade quando éramos mais jovens. Você pode estar com alguém agora. Eu mantive todos na baía para evitar que isso aconteça de fato. eu só queria correr com o vento para ver onde ele me levava. O dia que eu realmente falei com Vincent. um sorriso sedutor em seu rosto enquanto seus olhos me devoraram. — Você é livre. Eu nem sequer sabia quem é todo mundo. desde a primeira vez eu me rebelei contra o meu pai.

— Como? — eu questionei. — Eu não sei. — Todo mundo por aqui já ouviu falar como Jessica Wren é destinada a grandes coisas. Ele tirou um cigarro de trás da orelha e o acendeu. enfiando uma mecha de cabelo atrás da minha orelha. mas muito bem ruim. humor atando suas palavras. Eu balancei a cabeça e cerrei os dentes. mas era diferente da maioria das pessoas que me deparei. Eu só estou entediada. Eu nunca tinha tido alguém falando comigo de tal maneira antes. Wren é. — eu respondi. deslizando sua língua sobre seu lábio inferior que parecia que estava se curando de ser dividida. — Entediada? — ele zombou. — ele bufou. — eu respondi. — Coisas? — ele bufou. inclinando a cabeça para o lado quando ele colocou o cigarro entre os dentes. meu pai não cala a boca sobre o quão grande a filha do Dr. Eu não conseguia parar de olhar para ele. com os olhos vibrantes me olhando para cima e para baixo enquanto ele soprava a fumaça para fora de seu nariz para o calor do verão. o que implicava que eu não saberia o que era divertido. por que você está tão triste? — ele perguntou.tão atraente realmente. — É como estar com o nariz profundamente em algum livro de medicina? — ele perguntou em tom condescendente. Eu odiava como meu pai exagerava. Ele sorriu e olhou para a piscina. — Por que você está de mau humor? Será que a princesa não conseguiu o que quer? — Vincent ridicularizou quando eu me sentei na cadeira fofa do pátio. ~ 86 ~ . andando em volta de mim. Ele deslizou seu olhar da piscina e olhou para mim. passando as mãos pelo seu cabelo cor de areia curto. colocando a ponta dele entre meus lábios. passando os braços em volta de mim. Ele era ruim. — O que você faz para se divertir? — ele questionou. Eu não era nada especial. dando uma tragada de seu cigarro. coisas. A única razão que eu fiz tão bem em meus acadêmicos era porque ele colocou minha cabeça em livro após livro de medicina. Eu estava estudando em casa pelo melhor. segurando meu braço para proteger os olhos do sol escaldante. muito ruim. Me levantei e agarrei o cigarro da sua boca. Inferno. — Então. — Eu não estou triste.

— ela murmura. meus olhos arregalados de pânico. — E eu não quero saber. mas eu o segurei de volta. Chutei meus sapatos e subi em uma árvore naquele dia. — O quê? — eu questionei. minha voz embargada e minha boca subitamente seca. Que Vincent me deixou sem hesitação quando meu pai lhe pediu para ficar longe. me fazendo tossir. Ele me fez rir. Ele sorriu. ele iria aparecer. — Sim? — eu pergunto. Meu pai nos encontrou atrás do celeiro um par de horas mais tarde.— Eu me divirto um monte. agarrando minha mão. Eu nunca vi Vincent novamente. Ela segura as mãos para cima e me prendo com seus olhos. Me lembro de ajudantes de confiança de meu pai arrastando Vincent sob os braços em um galpão na propriedade que sempre esteve trancado depois que eles nos tinham encontrado. perdida em minhas memórias de luxúria da infância. Esperei no nosso portão de segurança por três dias. que eu era uma prisioneira em sua casa. Eu gritei que eu estava fugindo e que eu odiava meu pai. eu peguei na mão meu primeiro sapo da lagoa atrás do celeiro. — continuou ele suavemente. Senti coisas que eu nunca tinha sentido antes. Meu coração batia mais rápido do que ele já fez enquanto corria em direção a um celeiro vermelho brilhante perto da linha da propriedade. não estava preocupada se era a menina perfeita ou bem comportada. você sabe. eu me divirto. então o que você está esperando? — ele perguntou. a palma da mão suada. mas ele nunca apareceu novamente. dando uma tragada. — Eu não sei muito sobre o que aconteceu entre você e Travis. Vincent foi o meu primeiro beijo. — Jessica! — minha cabeça sacode da toalha branca. Seu sabor metálico queimou minha garganta. Que se Vincent realmente quisesse ficar comigo. — Vamos lá. — Então. Me senti livre de olhos acusadores. seus olhos cinzentos me olhando com interesse. seu sorriso ousado e escandaloso quando ele tirou o cigarro de entre meus dedos. Meu pai me disse que Vincent era o tipo de escória que iria me usar. me fez sentir como uma mulher real em apenas um par de horas. — eu respondi. mas eu acho que você tem sorte de ~ 87 ~ . Me mostre o que você faz para se divertir.

Você era tão jovem. — eu estalo duramente. — Sim. Minha mãe balança a cabeça. assim como seu pai disse. — O que aconteceu com Vincent? — eu deixo escapar. — Se eu achasse que iria ajudar. minha mae ama meu pai. — Por que você não se impôs por Vincent.receber uma segunda chance na vida depois de escapar de um casamento tão terrível. Eu dou um sorriso apertado e olho de volta em meu cardápio. por mim? — eu interrogo mais. esperando. — Será que ele. ~ 88 ~ .. tudo que ele via era ver você naquele hospital. eu nunca teria terminado com Travis. As bochechas de minha mãe ficam vermelhas quando ela lambe os lábios lentamente. atentamente. Ele teria levado tudo o que você trabalhou tão duro para conquistar e correria de você antes mesmo que tivesse a chance de descobrir o que você realmente queria na vida. — ela responde delicadamente. — ela continua. pra ela meu pai ignorar meus hematomas e olhos pretos era ele alcançando o sonho dele. Ela pula e olha para mim com os olhos arregalados. — continua ela. Esta não é a minha mãe falando. mas ele não era bom para você. Talvez se ela tivesse. enquanto pensamentos de Vincent ainda nadam na minha cabeça. Minha mãe suspira e coloca o seu cardápio de volta para baixo. toma uma respiração profunda. — Pare com essa atuação. — ela respondeu rapidamente. olhando para seu cardápio. capaz de tanto. Eu não sei o que o tipo dele estava fazendo na nossa festa. — Seu pai disse a ele para nunca mais chegar perto de você de novo. esta é a mulher que meu pai tem esculpido. — Seu pai estava com os olhos travados em Travis naquele momento Jessica. eu faria sem pestanejar. Não a desperdice. Vincent era uma criança selvagem. balançando a cabeça. Eu bato meu cardápio para baixo com raiva. era o sonho dele. Será que Vincent nunca voltou? — pergunto. mordendo seus labios. — Depois de seu pai conhecer Travis. Não tinha interferência naquilo. A encaro. — eu tento nao desviar o olhar. ela nunca falará nada sobre ele..

odiando ouvir que a família de Travis está sofrendo. O pai de Travis se tornou um bêbado. as coisas entraram em declive rapidamente com a família dele. estar no conselho? — eu interrompo. pronta para ficar longe de memórias que parecem sempre nadar para frente quando estou perto de minha mãe. — ela continua. Eu corro por causa de Travis. e fofocas de celebridades. deixando meu corpo tenso. Pronta para comer e sair. A ultima vez que ouvi. Me Inclino e ligo o aparelho de som e Usher ‘His Mistakes’ está tocando. Por que eu corro de Vincent e porque eu corro de Bobby? Eu respiro fundo e abaixo minha janela. Travis. Mas por que eu iria saber isso? Eu não falo com eles e minha mãe geralmente sabe que não deve falar sobre eles em torno de mim. Ela balança a cabeça e olha para fora sobre as mesas. nós falamos sobre a minha mãe querer pintar um quarto em sua casa. Lhe dou um grande abraço e um beijo. Seu pai tem praticamente tomado tudo no hospital. — Desde que Travis sumiu. cansada de falar de mim. Eu fecho meus olhos. pronta para pedir.— Como é que isso funcionou para ele. Eu assinto e levanto a mão. Eu assumi que iriam superar a perda de seu filho. Vincent. e quase corro para o meu Jeep. ~ 89 ~ . o intermediário entre tudo isso. eles foram à falência e vivem na pior parte da cidade. e Bobby todos vêm à minha mente de uma só vez. e continuar governando o hospital. e foi levado para fora do jogo logo após o desaparecimento de Travis. Durante o resto da nossa refeição. Estou mais do que ciente de que Vincent e Bobby tem mais do que algumas semelhanças.

insensível. — Merda. tentando se cobrir com as mãos.Capítulo seis BOBBY Estaciono minha moto na frente do apartamento de Jessica e eu vou direto para o portão. pisando em torno dela. e se me lembro bem. mas a última vez que estive aqui. — eu respondo. a porta se abre. completa com um armário branco e utensílios de aço inoxidável que ~ 90 ~ . esperando que ela não tenha sido chamada para trabalhar. Seu apartamento é limpo e com aroma de café. e há uma mesa no canto com um grande computador. há uma pequena cozinha com uma ilha de madeira. Não está trancada. Percebo manchas sobre o tapete quando eu entro. era um lugar sofisticado. calcinha branca e um roupão azul desatado. a minha boca se enche d’água. envolvendo o roupão em torno de seu corpo seminu. Ela não gosta quando eu venho para a casa dela. Eu não consigo desviar o olhar. — Jessica grita. O ar fresco vindo do corredor faz com que seus mamilos espiem através do material fino de seu top. — Fiz questão de esperar até que Addie estivesse na escola. e sigo em direção do apartamento de Jessica. Ela suspira e fecha a porta atrás de mim. e o corredor tem um cheiro almiscarado nele. eu pensei que você fosse Bree. A porta é aberta rapidamente e Jessica está de pé em um too branco. O sofá fica na frente dos aparelhos eletrônicos. Quando eu vou dar interfonar. Eu não estive aqui em alguns meses. — O que você está fazendo aqui? — pergunta ela asperamente. mas eu faço isso de qualquer maneira. entrando do apartamento dela. À minha direita. Jessica disse que o aluguel não era barato. Eu bato na porta de Jessica. — Que diabos? — eu empurro o portão o resto do caminho.

apontando para minha cabeça com ênfase o meu ponto. — Como? — ela sussurra. e balança a cabeça para mim. carrancuda. — eu a informo. Viro a cabeça e ajusto meu pau semirrígido. Você não pode fazer as coisas que você costumava fazer. Jessica. — Jessica diz ofendida. e seus dedos apertam em sua caneca. eu não. — eu digo. — eu informo suavemente. Isso está condicionado à sua mente. 7 ~ 91 ~ . mordendo meu lábio inferior em nervosismo. PTSD: Transtorno de estresse pós-traumático (PTSD) pode se desenvolver após uma pessoa é exposta a um ou mais eventos traumáticos. Ela mudou algumas coisas desde que eu estive aqui a última vez. terrorismo ou outras ameaças contra a vida de uma pessoa. Eu disse a ela brevemente o que estava acontecendo e ela disse que era PTSD. — eu respondo. esperando ela arrancar minha cabeça e argumentar. instintivamente sabendo o que eu estou falando. eu nunca vou fazer o que eu vim aqui para dizer. Seus olhos espreitam acima de sua caneca de café enquanto ela toma um gole. embora. Você vive com medo de seu exmarido. — Nós precisamos conversar. — Sim.revestem a parede do fundo. — Não. Jessica se inclina contra o balcão. você tem. Meus olhos viajam pelo corpo dela.. — Eu tenho uma amiga que é uma terapeuta. Se eu ficar de olho nela. e estou certo de que é o que Jessica tem. sentando em um dos bancos. — eu começo. Eu pesquisei PTSD7 durante todo o dia de ontem. porque ele ainda está em sua mente. os topos de seus peitos inchados acima do seu top. meu tom mais suave do que antes. O corpo de Jessica endurece e ela olha para longe de mim.. Eu entrelaço meus dedos em cima da ilha. seus olhos azuis me fuzilam com raiva. — Eu acho que você tem Transtorno de Estresse Pós-Traumático. te assombrando severamente. tais como grande estresse. mas é basicamente o mesmo. e uma lasca de sua barriga mostrando entre sua camisa e calcinha. você está treinada para se comportar de certa maneira. — Eu acho que posso te ajudar. agressão sexual . olhando para mim com um olhar preocupado. Eu não teria dito isso se eu não acreditasse. e engulo. Jessica é a mulher mais deslumbrante que eu conheço.

Jessica fecha os olhos e xinga. Eu posso dizer que ela não está
feliz. Eu disse a alguém sobre o que ela me disse, mas estava fora do
meu alcance e eu precisava de conselhos.
— A medicina não funciona. Fiz terapia e não funcionou, então se
tenho ou não PTSD é inútil. Nada ajuda, — ela murmura, encolhendo
os ombros.
— Eu tenho um medicamento diferente, — eu sorrio. Sua
carranca se transforma em um olhar de curiosidade.
— O quê? — ela questiona, seus olhos azuis olham para mim
como se eu fosse sua última esperança.
Eu também procurei por terapia de exposição durante todo o dia
de ontem. Ele tem uma alta taxa de eficácia, me fazendo mais ansioso
para o experimentar. Eu prendo meus lábios entre os dentes e tomo
uma respiração profunda. Estou um pouco nervoso com a forma como
ela vai reagir.
— Sexo, — eu respondo.
Jessica ri, colocando a xícara no balcão. Ela não está me levando
a sério. Eu sabia que ela não iria.
— Ok, hora de você ir, — ela observa, ainda rindo.
— Estou falando sério, Jessica, — eu interrompo. — É chamado
de terapia de exposição. Pelo que você me contou, a maioria de seu
abuso foi quando seu marido fez você se submeter a ele sexualmente,
abusar de você no quarto, — eu digo sério, de pé do banquinho. A
calma some do rosto de Jessica, seu sorriso desaparecendo em uma
carranca. Ela passa a mão pelo cabelo longo, louro, as extremidades
enrolando em torno de seus dedos. Seu peito sobe quando ela respira
duramente do meu confronto.
— Então eu deveria ter tanto sexo quanto eu posso? Eu tentei
isso. Isso não funciona. É s... — ela para, tomando uma respiração
profunda. Eu fecho meus olhos, realmente não me importo de ouvir
sobre ela dormir por aí para ajudar a superar sua vida atormentada.
— Não com qualquer um, mas comigo, — eu digo, — Eu vou
tomar essas situações, a condição que ela foi programada em sua
cabeça e as refazer em um ambiente que faz com que você se sinta
segura, substitua as más recordações com novas e boas recordações,
~ 92 ~

com prazer e não com dor. — eu ando ao redor do balcão e a agarro
pelos quadris, a fazendo olhar para mim. Seus olhos azuis brilhantes de
lágrimas, as suas faces coradas.
— Como sabe que será diferente com você o sexo e com mais
ninguém? — ela pergunta, uma lágrima deslizando sobre os lábios.
Eu me estico e esfrego a lágrima do seu lábio inferior com o
polegar.
— Porque você confia em mim, e você está segura comigo, — eu
conforto honestamente. Ela sorri, lambendo o resto da lágrima de seus
lábios.
— E se isso não funcionar? — ela questiona, encolhendo os
ombros.
— O que você tem a perder? — afirmo, correndo meu nariz ao
longo de sua bochecha.
Jessica passa a mão debaixo do seu nariz tentando obter um
domínio de si mesma.
— Eu não sei. Isso soa ridículo. O que você ganha com isso? — ela
implora, agarrando sua caneca fora do balcão, saindo do meu aperto.
Eu bufo e sorrio. — Sério? — eu rio. — Eu fodo. — eu não vou
mentir. Eu sou muito bom em sexo; é uma das poucas coisas que eu
sou impressionante. Eu sei de fato que eu posso preencher Jessica com
prazer facilmente. Ela passar por essas memórias será o mais difícil.
Ela ri, e toma um gole de café.
— Eu também estarei ajudando uma amiga, — eu respondo com
sinceridade, brincadeiras a parte.
— Eu não acho que isso vai funcionar, — diz ela suavemente.
Eu assinto e escovo o cabelo atrás da sua orelha. — Eu fiz um
monte de pesquisa sobre este assunto. Vai funcionar se você deixar
funcionar, — eu informo. Seus olhos se arregalam, e ela vira a cabeça
para o lado, me olhando com curiosidade.
— Você pesquisou? — ela questiona, seus olhos me olhando com
saudade. Ela adora quando eu uso minha inteligência; a forma em que
seus olhos ficam pesados e ela me olha avidamente. Eu como essa

~ 93 ~

merda. Eu posso ser inteligente quando eu quero ser. Mas é isso aí; eu
tenho que estar interessado em aprender isso.
— Você tem que confiar em mim, Jessica, — eu murmuro,
correndo a mão pelo seu rosto macio.
Os olhos de Jessica viram para mim, meu corpo se elevando sobre
ela em sua pequena cozinha.
— Acho que precisamos de algumas regras, Bobby, — ela
sussurra, me empurrando para trás um passo. Eu respiro fundo e faço
um recuo. Regras. Eu odeio essa palavra. Todos tem uma e eu sou um
profissional em quebra-las.
— Como o quê? — eu pergunto, exasperado, voltando para meu
banco do outro lado do balcão.
— Eu não sei. Eu me sinto como se isto fosse acabar mal, — diz
ela, se inclinando sobre a ilha, me dando uma visão clara de seus
seios. Eu gemo quando meu pau pulsa a partir do vislumbre provocante
que eu tenho deles.
— Eu não quero isso ao redor da minha filha, — diz ela com
firmeza, sua sobrancelha levantada para indicar seu ponto. Eu inclino a
minha cabeça para o lado e cruzo os braços. Tenho visto Addie apenas
um punhado de vezes desde a noite que Jessica e Addie vieram para o
clube para as ajudar.
— O que você tem contra mim tanto assim que eu não posso estar
em torno de Addie?
Ela encolhe os ombros e levanta do balcão, tomando a minha
visão de seus peitos à distância, fazendo com que eu me arrependa da
minha pergunta.
— O clube é perigoso. Eu não preciso de um bandido usando a
minha filha como alavanca para se vingar de vocês, — ela continua. Eu
quero discutir, mas ela tem um ponto.
— Ok, — eu respondo, derrotado claramente. — Essa é a única
regra?
— E... — ela faz uma pausa, colocando seu café para baixo. Ela
olha para cima, e penteia seu cabelo atrás da orelha.

~ 94 ~

— Você não pode se apaixonar por mim. Não podemos deixar que
isso vá para o emocional, — ela murmura, seus olhos se espreitando
debaixo de seus cílios grossos.
Minhas sobrancelhas estreitam. — Por que isso? — será que sou
tão ruim assim para se apaixonar?
— Eu vi os homens do clube quando amam uma mulher. Eu já
estive presa em um relacionamento. Eu não vou ser uma old lady, —
continua ela, sua mandíbula apertada. Eu engulo o caroço na minha
garganta.
— Bem, eu não estou procurando nada sério, então você não terá
que se preocupar com isso, — eu respondo, acenando com a cabeça. Eu
olho para as minhas mãos, evitando o contato visual.
— Eu acho que esta é apenas uma forma de você entrar em
minhas calças quando quiser, mas neste momento, eu estou
desesperada para tentar qualquer coisa, — ela informa com uma risada.
Eu rio e paro. Colocando minhas mãos no balcão, eu abaixo a
minha cabeça, e olho para ela com saudade.
— Eu vou te foder sem pensar, Jessica. Te dar esse sentimento
emocionante de seu corpo ficando dormente, e seus dedos do pé
enrolando pela esmagadora sensação do meu pau batendo em lugares
que você nunca soube que podia. — eu me inclino sobre o balcão,
afastando um fio de cabelo que caiu na frente de seus olhos . — Quando
eu terminar com você, você nunca mais vai querer se afastar de mim,
Jessica, — eu sussurro, meu tom profundo e arrogante.
— E agora que eu mencionei isso. — eu ando ao redor do balcão,
minhas botas batendo contra seus pisos de azulejos. Seus olhos olham
para mim preguiçosamente, os lábios abrindo.
A agarro pelos quadris, a puxo para mim, e me inclino para
ela. Eu escovo meus lábios contra a concha de sua orelha, fazendo com
que seu corpo suba com um sopro repentino.
— Sim? — ela sussurra, seu tom de voz gotejando com luxúria.
— Durante todo este processo, você é apenas minha, — eu
sussurro, mordiscando o lóbulo da orelha. Eu não vou compartilhar
Jessica. Não, se eu não tenho que fazer.

~ 95 ~

Eu envolvo meu braço em torno dela por trás e me inclino para baixo. virando a cabeça. Meu pau salta com o convite. — Porra. Seus seios pesados perfeitos caem de seu top. — eu informo. Sua língua desliza em minha boca faminta. Eu pego os lados de seu robe e os puxo para baixo em seus ombros. Ela move suas costas arqueadas para dentro quando eu a penetro com o dedo implacavelmente. animado que ela está dando. Ela mexe seu corpo tentando ajudar a tirar o manto completamente. — Eu sou apenas sua. Eu pressiono meus lábios em seu pescoço. — eu rosno. fazendo seu caminho para o vale deles. ela aperta sua buceta em torno deles quando eles entram. agarrando a parte inferior de seu braço e o levantando acima de sua cabeça. — Diga que você é só minha. Minhas mãos deslizam para baixo em seu torso quando a minha boca suga ao longo dos picos de seus seios. me convidando em seu pescoço.— Eu não sei se isso é uma boa ideia. — ela respira pesadamente. encontrando seu caminho entre seu calor molhado. Seus olhos me prendem assim ~ 96 ~ . as mãos agarrando sob minha camisa. me devorando com loucura. Suas mãos puxam minha camisa enquanto seu corpo se inflama em torno de mim. apenas o suficiente para a fazer gemer. Meus dedos varrem debaixo de sua calcinha. — eu sussurro contra a pele quente entre seus seios. encontrando seu caminho para seus amplos lábios. Eu deslizo dois dedos com facilidade. tomando um mamilo entre os dentes. Eu a agarro por baixo das coxas e a levanto em cima do balcão. Minhas mãos apertam suas nádegas enquanto meus lábios fazem o caminho até seu pescoço e através de sua mandíbula. Jessica. sentindo meu abs. seus mamilos rosas duros e alegres. raspando meus dentes contra seu pescoço. Suas pernas voam para cima e enrolam em torno de mim e suas mãos no meu cabelo enrolam quando ela engasga. — ela murmura baixinho. meu polegar roda seu clitóris. o cheiro de maçãs e lírios vindo de sua pele. — Você é minha agora. se tornando difícil ouvi-la. Eu deslizo meus dedos dentro e fora lentamente.

tão duro que dói. ~ 97 ~ . o puxando a partir dos passantes de meu jeans. — Hoje não. Minhas bolas pulsam apenas em olhar para ela. Eu chuto minhas botas e calças. Ela solta meu pau e usa os cotovelos para rastejar para trás no colchão. mordendo o lábio inferior quando eu nos viro e caio de costas na cama. um quadro saltando no colchão quando ela cai. enquanto a outra brinca com minhas bolas. — eu respondo com um sorriso.como seus gemidos de prazer. e os deslizo em minha boca. e o deixando cair no chão. Ainda. Meu pau pulsa com uma leve dor. Eu a agarro pelo pé e a puxo para a borda da cama. Eu quebro meus lábios nos dela. A mão de Jessica agarra meu pau. — diz ela. ficando em sua posição de papai e mamãe habitual. Eu pego os lados da calcinha dela e as puxo para baixo em suas pernas quando ela agarra meu cinto para o desatar. revelando sua doce buceta cor de rosa. — Sem boxers. fazendo meu pau livre instantaneamente. Eu explodiria a minha carga se ela envolvesse a boca dela em volta do meu pau. Eu me inclino para baixo e a busco. Desejo emana de seu corpo e ela se curva quando eu fodo com ela com os dedos. Ela recua. Seus joelhos lentamente se separam. meu jeans envolvendo meus tornozelos e as botas fazendo difícil andar. saboreando sua doçura. a fazendo embrulhar as pernas em volta da minha cintura. A fivela de cinto faz um ruído alto quando ele atinge o azulejo. fazendo ela gritar. o olhar de medo em seu rosto quando ela percebe que eu não a estou deixando na parte de baixo. Meu pau contorna ao longo de seu calor. Eu pego ela por sua bunda e nos levo em direção a seu quarto. e puxo a minha camisa e o colete de couro sobre a minha cabeça com um puxão. pastando ao lado do balcão. querendo muito mais dela. pensando em sua umidade apertada ordenhando meu pau. Seus pés agarram os lados do meu jeans e o empurra para baixo em minhas pernas. Meu eixo aperta. sua mão o bombeando. Eu a atiro em sua cama perfeitamente feita. Eu bombeio meus dedos mais uma vez. baby. antes de os puxar para fora. — Sem cueca? — olhando meu pau como sobremesa. fazendo com que minha cabeça solte o pré-sêmen. Ela nunca me fodeu assim.

. os olhos fechados.. Sua cabeça cai para baixo. eu. — eu encorajo suavemente. mas eu não vou. — murmuro. — ela exige. e corre ambas as mãos pelo cabelo ansiosamente. olha para o teto. Sua buceta molhada em meus peitorais enquanto ela amarra a outra mão. Seu cabelo está caindo sobre seu rosto corado. Ela respira fundo. e exala. seu corpo enrijecendo. Eu poderia facilmente romper. Ela sobe na minha frente. Estou prestes a explodir a minha carga só de pensar nisso. os seios roçando meu corpo enquanto ela pega um dos meus pulsos e os coloca contra um dos pilares da cama. Ela engatinha na cama sedutoramente e sobe em cima de mim. Seu rosto se ilumina com um sorriso diabólico e ela sobe em cima de mim. — Assuma o controle. minha voz áspera com o desejo de gozar. medo. querendo a ver me montar. me cativando. Confie em mim. correndo até a cômoda e pega duas badanas. Eu testo as restrições encontrando elas fracas. Jessica ser exigente é gostosa.— Me monte. Ela envolve uma faixa preta em volta do meu pulso e o amarra com o pano. admirando sua postura megera. Ela se senta para trás olhando para seu trabalho manual. — ela gagueja. — Deite sobre os travesseiros. eu não quero vê-la sentir dor. Eu já quero ceder. Eu sorrio e subo para a cabeceira da cama. — Eu não vou a lugar nenhum. Ela morde o lábio e olha por cima da cômoda. Ela fecha os olhos. ~ 98 ~ . — Eu. os olhos desconfiados olhando para mim. Eu preciso dela para me libertar deles. ela atravessa meus quadris. Eu preciso que ela se sinta segura. suas nádegas descansando apenas acima meu pau. Ela abaixa a cabeça. — murmuro. Depois de lutar contra seus demônios. apontando para a cabeceira da cama. de joelhos com as pernas abertas. Meu coração salta uma batida quando eu olho sua buceta cor de rosa raspada com ansiedade.

e a posiciona em sua buceta. — Me desata. Ela se puxa para cima. Eu fecho meus olhos e silvo. — eu incentivo. ~ 99 ~ . Eu sorrio. — eu sussurro. — Não. mas a maneira como minhas bolas estão espremendo. fazendo com que a cabeça do meu pau toque em seu ponto G. suas unhas cavando em meu peito enquanto ela cavalga meu pau febrilmente. ainda bombeando seus quadris para cima e para baixo. mas eu puxo na direção oposta. Eu puxo meus quadris para trás. Eu empurrei meus quadris apenas para a direita. agarra a cabeça do meu pau. Eu posso ver que ela ainda está nervosa em estar por cima. tentando desesperadamente recuperar esse acúmulo de prazer. querendo que isso dure para sempre. isso não vai durar. — Não! — ela geme alto. Beija-flor. lhe dando um sabor de felicidade. Ela lentamente desliza para baixo no meu pau. Sua cabeça se encaixa para frente e ela faz uma carranca. sua boca abre enquanto eu a encho. a cabeça caindo para trás quando ela me monta gulosamente. Jessica. — Me desate. Os joelhos de Jessica tremem em meus lados enquanto ela choraminga de prazer. encontrando seu impulso. eu não posso. — Me desate. — murmuro. — eu exijo a voz rouca. Ela olha meus pulsos contidos. Sua respiração é difícil e ela continua mexendo com as mãos. — É só nós. se deslizando para cima e para baixo no meu pau. a chamando pelo apelido que lhe dei. Eu chego à frente querendo sentir os peitos dela. Ela gira os quadris tentando recuperar seu ritmo. mas estou preso nas badanas que me imobilizam. Ela repousa as mãos no meu peito enquanto ela se levanta com os joelhos. atingindo seu ponto doce. meu pau a esticando. Beija-flor. — ela responde. o calor vindo dela irradiando para o meu eixo. satisfeito com o prazer que eu estou dando a ela. empurrando meus quadris para cima.Ela fecha os olhos e toma outra respiração profunda. com a boca vibrando em um zumbido baixo.

baby. batendo repetidamente esse ponto que faz com que ela fique fraca. Pânico ainda batendo contra o meu peito quando o prazer que atravessa meu pau se dissipa. — murmura ela. — eu sussurro. parando todos os movimentos. — Você pode fazer isso. com o cabelo caindo em volta do rosto suado. meu pau vibrando com prazer. Deus. — Lá vai você. me desate. — eu digo ofegante. Eu posso dizer que ela quer me soltar. Ela envolve seus braços em volta de ~ 100 ~ . — Pode confiar em mim. olhando para meus pulsos. Eu pensei que talvez eu. Eu perfuro meu pau dentro e fora dela. meu pau aquecendo com pressão esmagadora. — Apenas desate um. — Vamos. Ela balança a cabeça. a voz embargada pela dor. agitando meus quadris para bater esse ponto sensível profundamente dentro dela. — eu gemo. — eu peço. Bobby. Sua cabeça cai para trás quando seus tremores de prazer estão de volta através de seu corpo. Sua cabeça cai para frente. Eu não estou pronta para isso. a ancorando no meu pau. observando a centelha de desejo inflamar em seus olhos. Ela se inclina e desata a minha mão direita. — O que está errado? Por que você parou. — ela faz uma pausa.. Ela me olha cautelosamente. mas ela está assombrada por seu passado traumatizante. — eu sussurro..— Faça isso. — Eu não posso fazer isso. a sua buceta não deixando meu pau. — eu incentivo.. seu cabelo sedoso arremessando para trás como ela faz isso. Suas mãos firmemente plantadas no meu peito. eu cavo meus calcanhares no colchão e me empurro na posição vertical. me prendendo. empurrando meus quadris. envolvendo meu braço livre ao redor da cintura dela com força. — Eu não posso. apertando os olhos bem fechados.. Assim que ela desata a minha mão direita. — ela geme. Seus olhos se abrem. — Oh. empurrando para fora do colchão.

um grunhido animalesco deixando seus lábios enquanto a sua cabeça cai para trás. Sabendo que você não podia me tocar e eu estava no controle me fez sentir estar no topo tudo bem. arqueando uma sobrancelha para ela quando minha mão puxa a última restrição. mas eu ainda estava bem quando te desamarrei. eu deslizo a mão livre até as suas costas. mas o aperto em torno do meu pau substitui a dor. Meu eixo inflama com as ondas quando um parafuso elétrico se atira através de meus membros. — Não. Ela olha para mim e ri. — ela responde sem rodeios. mas hoje foi uma transa mental eterna. — ela brinca. Meu pau pulsa instantaneamente. eu sou. seu corpo nu e suado no meu.meu pescoço. Fazer sexo com Jessica sempre foi uma final elevado. completamente divertida e sobe em cima de mim. Eu mexo meus quadris. Eu sinto o dedo de Jessica em toda a minha cicatriz e recuo enquanto ela desce através de mim. tem cãibras. fazendo tirar minha mão em suas costas. meu ombro dobra com tensão no ângulo ímpio que se encontra. Eu fui baleado no ~ 101 ~ . olhando para o teto. — Você vai me soltar? — eu questiono. — eu rio quando ela me desata. os dedos através de suas cicatrizes. — Sim. Meu ombro. mordo o topo de seu peito direito quando eu continuo a transar com ela. Meu rosto cai por terra. a partir do pulso amarrado a cama. derramando porra quente dentro dela. — Eu tinha certeza que eu não iria desatar você. o meu membro queima quando o sangue recupera seu fluxo. tornando todo seu corpo apertando em torno de mim. suas pernas estrangulando meus quadris. confundida por suas ações. — O quê? — pergunto. — ela responde baixinho. Jessica fica tensa sob o meu toque. trazendo seus seios na minha cara. — Você não é tão bonita como você pensa que é. em seguida. Minhas habilidades me faz sorrir arrogantemente. Meu braço cai mole na cama. Eu deito de costas na cama. Eu lambo e. e meus olhos se arregalam. — Como você fez isso? — ela sussurra.

Ele é quase dois palmos menor do que eu. fácil para ela. eu topo com alguém. — Você não me viu. cara. 8 Mullet: Corte de cabelo masculino e ou feminino com fios repicados. Seu cabelo é escuro e corte em um mullet8. quando Jessica e eu temos sexo. Eu não sei por que.lugar de Shadow há um par de anos atrás. o cheiro dela e gosto de café na minha pele. Eu saio de seu apartamento. — Cuidado! — a voz de um homem fala. meu lábio enrolado em desgosto. é no meio da noite e ela é a única que sai. seus olhos espreitando por cima do ombro quando eu vou para a porta do quarto. — eu grito. — continua ele. Eu morri algumas vezes no caminho para o hospital. eu deveria fugir. a fazendo chicotear a mão do meu estômago para o atender. Jessica continua a falar ao telefone em silêncio. Wren. o fazendo se esconder debaixo de mim. — ela responde profissionalmente. Eu pego meu telefone do chão e olho para a pessoa que eu esbarrei. Eu não podia deixar um chefão franzino chamado Augustus o matar. desculpe. Eu sinto que eu deveria sair. franjas curtas e madeixas mais compridas na parte de trás do pescoço. Sua camisa branca salpicada de manchas de mostarda e calça jeans na altura dos joelhos. — Eu sou Dudley. No entanto. — Dra. O telefone de Jessica toca na cabeceira. Não prestando atenção. para manter as coisas menos complicadas. ~ 102 ~ . — eu sussurro. Eu pego minhas calças e botas. o dono. — ele responde quando eu olho para ele. seu tom amigável quando ele limpa as migalhas de sua barriga de cerveja. — Oh. me dispensando. tipo Chitãozinho e Chororó nos anos 80. me levantando. O meu telefone vibra no meu bolso. me fazendo cavar dentro da minha calça jeans. — Eu estou indo. Ela assente em compreensão. as colocando enquanto Jessica fala em seu telefone. mas valeu a pena salvar o meu melhor amigo. Eu respiro fundo e rolo para fora da cama em busca de minhas roupas. me fazendo derrubar meu telefone. Normalmente.

meu rosto carrancudo em sua resposta. Ele claramente tem tomado dos inquilinos o dinheiro deste prédio e o embolsado. Chegando de volta no clube. — Sim? — eu respondo. quando Cherry grita meu nome. Sua boca cai aberta com um suspiro. — Então você é a razão pela qual este lugar tem ido à merda. — afirmo. É vintage e em geral completamente durão. — Sim. Seus olhos se arregalaram com medo do meu tom agressivo quando ele concorda. Eu vou direto para o lado do motorista. Ela é bonita como o inferno. deixando tudo cair para merda. ~ 103 ~ . Meus olhos se iluminam. eu vejo Cherry encostando o carro dela. Este lugar é uma herança. Eu espeto o dedo em seu peito duro. cara. excitado para o ouvir ronronar quando eu ligo o motor. Você pode começar com esse portão de segurança do lado de fora. Eu estou indo direto para a garagem. — Merda. — murmuro. passando a mão pelo cabelo gorduroso. — O proprietário. meu caminhão chegou! Porra sim! Eu corro minha mão sobre o capo azul. — Eu sei que este lugar não é barato no aluguel. — eu rosno. fechando a boca. Sim. e um top branco tão apertado que está mostrando seus mamilos contra o material. hein? — eu questiono. Ela está vestida com shorts curtos bonitos. mas pode ser uma dor na bunda. olho no detalhe da pintura. É melhor você o recuperar dessa forma antes de eu voltar aqui novamente. — ele se defende. tentando agir como se eu não a ouvi. Eu zombo e caminho ao redor dele. o espetando no peito mais uma vez. curioso para saber se meu caminhão Chevy chegou. e estava em uma forma muito melhor antes. — Bobby! — Cherry grita novamente.Eu cruzo meus braços e amplio a minha posição. — Não é tão fácil quanto parece. e franzindo os lábios. — ele responde. entrando na garagem. eu vou.

franzindo as sobrancelhas para dentro. — Do lado sul. testando o volante com minha mão quando eu espero ela responder. Você pode me ajudar ou não? — ela diz petulante.— Você sabe como soldar? — pergunta Cherry. se inclinando contra a caminhonete quando eu subo ao volante. — O que você quer? — eu respondo exasperado. — Eu preciso de uma ajuda com uma coisa. olhando para o outro lado. — ela responde vagamente. é onde ocorrem mais crimes em toda a cidade. minha mão sobre as chaves. Onde as pessoas em liberdade condicional. jogando a mão em seu quadril. Você pode fazer ou não? — ela se posiciona. seus olhos cinzas brilhando como nunca. Ela não vai fazer tão fácil. olhando para longe. Emana um cheiro reconfortante. inclinando a cabeça para trás contra o assento. — Eu só me preocupo com o bairro. meus olhos arregalados com — Que diabos você está fazendo naquele lado da cidade. jogando seu cabelo vermelho para trás das orelhas. — Onde fica esse trepa trepa? — eu pergunto. ao longo do Gold Trailer Park. o couro dos assentos em torno de mim quando eu fico de boca aberta com o acabamento. — Tem aqui esse playground em uma daquelas coisas sustentáveis e um pedaco saiu e cortou as criancas. Cherry? — eu quase grito. toma uma respiração profunda. Ela lambe o lábio inferior. — Por que você se importa? — eu a interrogo. Lip não a iria deixar ir lá com certeza. Por que diabos ela estaria em um campo de jogos? — Eu só faço. Eu balanço descrença. Eu cresci lá. Eu estava pensando se você conseguiria arrumar. Eu tiro meu olhar do painel cinza e levanto minha sobrancelha para Cherry. ~ 104 ~ . minha cabeça. — ela finalmente fala. ou fugindo da lei vivem. Não é seguro. —Lip sabe que você esteve lá? — eu continuo. esperando ela para cuspir o que ela quer para que eu possa começar com minha caminhonete. — Por quê? — eu pergunto. — seus olhos acinzentados deixam os meus quando ela se vira. Eu gemo e solto minha mão da ignição.

e revira os olhos. de modo que teríamos de cuidar dela enquanto ele estava preso. basicamente. Sr. Ela cresceu lá? Eu não poderia imaginar que tipo de vida que ela tinha crescendo em tal lugar. Ela para na frente de uma caixa de ferramentas. ele é o advogado do clube. Phillip apresentou Cherry brevemente antes de ser levado para a prisão. Eu pego a chave na ignição e a viro. se virando. Eu descobri que a herança de Travis era astronômica após o seu desaparecimento. Eu tiro o meu olhar dos medidores da minha caminhonete para ela. fez com que Travis valesse mais ~ 105 ~ . Todo mundo sabe disso. Cherry zomba. A casa e a terra foram dadas a Travis por seu avô. — Não eu não posso. JESSICA Me sento na cama. — ela estala. mas confiável. o cheiro dos fluidos do escapamento escapa da parte de trás da caminhonete. Eu não sei muito sobre Cherry. Lanks tinha acabado de me ligar. Eu sorrio. segurando mais um olhar sincero do que irritado. um monte de pessoas não sabe. juntamente com o dinheiro do seguro. Ele é sujo. a quantidade enorme de dinheiro que seu avô lhe deu em seu testamento. pegando um rolo de fita adesiva. Foda. mas a última coisa que eu preciso é ir contra um irmão. Que pé no saco. caminhando para fora da garagem. olhando para o telefone na minha mão. Ele fez de Cherry sua old lady. Eu não estou entrando no meio de tudo o que você e Lip têm acontecendo. — Eu vou consertar a porra eu mesma. — Tudo bem. zombando. Eu a quero ajudar. fazendo ele roncar. A caminhonete faz um rugido alto ecoando em toda a garagem. O clube o contratou para mim depois de tudo o que tinha acontecido com Travis. se certificando de que eu não falaria ou faria qualquer coisa que pudesse levantar suspeitas. Eu pressiono o meu pé no acelerador. — ela murmura.Eu balanço minha cabeça. — eu respondo tão bem quanto eu posso.

ainda nua e caminho até o armário. Eu corro minhas mãos sobre a tampa. Minhas mãos transpiram quando eu seguro o meu telefone. talvez dar a Addie um irmão ou irmã. Tudo deveria vir para mim e para Addie. Um retrato da família de Travis. Eu corro minhas mãos pelo meu cabelo. meu suor escorre no meu peito pela ansiedade esmagadora correndo através de mim. Quando Travis me ~ 106 ~ . Addie era tão pequena. embora. Tão louco como Bobby soou mais cedo hoje. O que é bom. eu posso abrandar no trabalho e passar mais tempo com Addie. Ele era bonito. e alguns respingos de sangue no chão. Talvez o Sr.morto do que vivo. e passo meus dedos sobre a tela do meu celular. Eu não abri esta caixa em mais de dois anos. um colar e meu anel de casamento olha de volta para mim. Encontrar um homem amoroso. aquele que Travis colocava no meu pescoço quando ele me queria o obedecendo. Com o dinheiro vindo em minha direção. mas nós não vimos um centavo disso. meu coração pulando quando eu olho para ela. cruzando as pernas enquanto contemplo abri-lo. eu puxo a tampa. Pelo que o Sr. Mas seria bom coloca-lo na poupança para Addie para a faculdade. Meu dedo corre o colar de couro branco. Nós não vimos nada da herança. Eu sorrio. mas manteve uma presença severa para ele. Talvez eu possa conseguir um pouco de dignidade eu mesma e criar a vida que eu sempre quis. isso deu uma sensação de controle que eu não era permitida. Estar no topo com Bobby hoje era assustador em muitos níveis. Eu respiro fundo e a agarro. Nenhuma impressão digital ou partes do corpo. a deslizando de seu lugar na prateleira. se não houver evidências ou sinais de uma morte imediata. O tribunal assinou seu atestado de óbito hoje. Eu o empurro de lado e agarro a primeira foto que eu vejo. é louco como ela cresceu. e olhos penetrantes. porque leva sete anos para um tribunal assinar um atestado de óbito depois que alguém desaparece. com a porta do carro aberta. seu queixo talhado. Só me disseram pelo Sr. Lanks que Travis foi oficialmente declarado morto. a caixa está cheia de imagens. Lanks é um sinal de que hoje é um dia para um novo começo. olhando para a caixa que me assombra. eu não preciso disso. Vou até a cama e me sento bem no meio. Eu não era muito permitida no topo com o meu marido. Meu dedo é levado sobre o rosto de Travis. tudo o que encontraram foi o carro de Travis que bateu em uma árvore. Eu saio cama. Mordendo meu lábio. A foto de Addie sorri para mim. junto com Addie nas mãos de Travis. talvez ele possa me ajudar. Lanks e a polícia me disse naquela época.

Pelo que sondei. me fazendo inalar bruscamente. que parece idêntico a ele. Não até hoje. Eu nunca deixei ir. eu esqueci tudo sobre Travis. E já são três da tarde e é hora de pegar Addie. e não foi agradável. olhando para o relógio no meu telefone. caminho de volta até o armário. O que era tão diferente? Eu deslizo o dedo sobre uma imagem do irmão de Travis. A voz de Travis soaria no meu ouvido. Eu olho para a caixa. Os atos com Bobby fizeram as memórias de estar com Travis se formarem atrás de minhas pálpebras. e teve o calor queimando das profundezas de Bobby onde batia dentro de mim. O que Travis disse sobre Grant me levou a acreditar que ele era a criança problema da família. e a empurro em seu lugar. — Merda. Eu nunca vi muito Grant.permitiu em cima. nunca senti nada além do medo. mas eu não tinha ideia de qual era a verdade. quase nunca em reuniões familiares. Eu pego a tampa e a fecho de volta na caixa. ele fez com que eu soubesse quem estava no controle. que horas são? — eu murmuro. foi porque Grant não queria seguir os passos da família na medicina. Meu coração dispara. me fazendo ter um ataque de pânico. Grant. Percebo que tenho estado sentada no mesmo lugar por horas. imagens de ser arrastada para aquele porão e gritar por socorro estão como fogo em minha mente como uma cola. Depois que eu amarrei Bobby. ele estava sempre longe. até depois. ~ 107 ~ . suas mãos me agarrando dolorosamente.

vendo Juliet. deslizando sobre um tamborete ao meu lado. assistindo ao noticiário e bebendo uma cerveja. Eu mordo meu lábio. Ela não está em casa. Escuto risadinhas. e eu não consigo conversar com ela Parece ser uma tendência com ela desde que eu saí da cadeia. Eu não sei se Cherry é traidora. ~ 108 ~ . mantendo meus olhos na TV. tomando um gole da minha cerveja. — ele resmunga. — Onde está Cherry? — eu questiono. — eu trago a ponta da garrafa de cerveja aos lábios. passando as mãos pelos cabelos. Ela pode querer espaço e merda afins. O olhar em seu rosto corado. mas eu sei que eu não quero estar no meio disso. mas depois dos limites que atravessamos hoje eu não tenho tanta certeza se isso é uma boa ideia. Eu quero ligar para ela. A visão dela me montando é uma imagem que eu juro que nunca vou esquecer. Meu telefone vibra. Parece que alguém está com sorte esta noite. ou o que está acontecendo. os cabelos dispersos pairando sobre seu rosto. — Nada. perguntando se eu deveria dizer que ela me pediu para ir nesse parque de trailers de merda. eu olho por cima do ombro. — Não sei. e sua boca se separando quando ela montou meu pau. Ler o nome na tela faz os meus olhos arregalarem. — O que há com você? — Lip pergunta secamente. uma ruiva tatuada puxar Tom Cat pelo corredor. pegando a minha atenção. faz meu pau pulsar com ânsia só de pensar nisso. Cora. Eu penso melhor e decido que não. A maneira como ela se abriu e tomou a carga foi além das minhas expectativas.Capítulo sete BOBBY Estou sentado no clube. pensamentos de Jessica cambaleando pela minha mente. Eu puxo o meu telefone para fora e o coloco sobre a mesa. pensando em ligar para Jessica. Eu fecho meus olhos e abano a cabeça para limpar a imagem.

Que é exatamente o que ela é. com a voz sedosa enquanto fala através do receptor. — Isso é um problema? — pergunta ela. e os seus homens me tiraram do carro violentamente. chegando ao ponto. me perguntando se eu a ouvi direito. como você está? — Cora responde. — saúdo casualmente. — Um Lambo filho da puta? — eu grito. Eu conheci Cora quando eu tinha cerca de dezesseis anos. Ela me jogou um maço de dinheiro e se tornou meu mentor durante anos. tomando um gole da minha cerveja. Você é o único em quem confio para o trabalho. — Eu preciso de você para uma corrida. Que seria eu. — ela fala rapidamente. — ela informa. — Bobby. Eu suspiro. me fazendo atender. situado ao lado de algumas docas. — Bem. Vinte minutos depois. o que há? — eu pergunto. Ela ficou impressionada com a forma como eu liguei o carro. — Quando você precisa? — Hoje à noite. eles tinham acabado de roubar o carro e estavam em processo de o carregar em um recipiente de transporte antes de eu o pegar. seu pai. Eu posso roubar um carro e o buscar onde ele tiver sem um arranhão e em um piscar de olhos. e decidi o levar para um passeio. seu tom de voz exalando um toque de insolência. baby. — A localização é onde você pode me encontrar um Lamborghini preto. ~ 109 ~ . — Cora. — ela respira no telefone. juntamente com o pensamento de um pouco de ação. Cora. sem nenhum dano à ignição. Ela só liga quando ela precisa de mim para impulsionar um carro. ela é apenas uma fora da lei elegante e educada.Eu não tenho notícias dela há anos. Ela precisa de alguém rápido e eficiente. — Me envie uma mensagem com os detalhes sobre a localização do carro e tudo mais. Minha língua salta e lambe meu lábio inferior. — eu peço. Aparentemente. sua voz segurando um senso de autoridade e de classe. Estou praticando desde que eu era criança. É por isso que ela está me ligando. Eu vi um Corvette parado em um estacionamento vazio.

— eu rio. — eu informo. — Não. e passando a minha cerveja. cara? — sussurra Lip. — Qual é a porra do plano. chegando ao balcão. — O clube do The Ivory Gentlemen está cheio desses babacas arrogantes dirigindo carros agradáveis. Eu não roubei um carro em um tempo. Lip estaciona seu carro em uma vaga e me segue. — Tudo bem. — Eu sei onde encontrar um Lamborghini. agarrando minha cerveja de suas mãos. correndo para me acompanhar. — eu dou um sorrio de lobo. O sentimento de ser apanhado a qualquer momento. Eu sempre faço. — O quê? — Eu quero ir com o irmão. — ele diz. ~ 110 ~ . — eu zombo. porém. — Você e Cherry são perfeitos um para o outro. — eu respondo. fazendo Lip rir. — Eu trabalho sozinho. olhando meu telefone. Vocês dois são um pé no saco. desligando. eu vou encontrar um. Eu sorrio e tomo um gole da minha cerveja. e o luxo de sua bunda estar sentada enquanto você está indo a 150 km/h. com mulheres com bundas grandes penduradas neles. Eu vou direto para a parte traseira do clube. sorrindo para todos enquanto vou passando. Eu olho e vejo Lip olhando para mim com um sorriso enorme no rosto. balançando minha cabeça. — comenta Lip. — eu respondo exasperado. — Lip informa. balançando a cabeça. Não tenho certeza como você vai conseguir o carro. Meu coração está batendo contra o meu peito em emoção só de pensar nisso. o clube sendo tão agitado como ele é. — Eu vou descobrir uma maneira.— Não. encolhendo os ombros. Eu estaria mentindo através de meus dentes se eu dissesse que roubar carros não era um dos maiores prazeres da minha vida.

— Lip responde. adesivos colados em alguns deles. Lip puxa o paletó. — Eles poderiam fazer isso mais fácil. segurando uma jaqueta de veludo vermelho. — O que você está procurando? — Lip pergunta. abrindo um armário ao lado de mim. — um cara em uma jaqueta vermelha combinando diz. — murmuro. — Nós encontramos uma Lambo e esperamos que seja preto. ai sair do salão. Eu começo a abrir armários e procurar através dos cabides. abrindo a porta. nos confundindo com quem trabalha aqui. pegando a outra. Eu lentamente a abro. Eu noto uma TV no canto e armários cinza ao longo de uma parede. — Vai servir. entrando no quarto. puxando o tecido para ajustar firmemente em torno de meu bíceps. ajustando o colarinho. — eu sussurro. — Lip ri. Eu deslizo a jaqueta de veludo sobre meus ombros. — ri Lip. — afirmo. Mike está fazendo uma pausa. e fecha o armário. me certificando de que está vazia antes de continuar. — Há duas aqui dentro. — Você parece ridículo. nós estamos nisso. ninguém sequer percebe que estamos no maldito lugar. — Uma jaqueta de manobrista. encontramos uma porta de aço com um sinal de leitura com manobrista. — murmuro. — eu sussurro de volta. — Sim. ~ 111 ~ . — Assim? — Lip pergunta.— Cala a boca e me siga. — ele murmura. abrindo outro armário. — Perfeito. Nós viajamos para a parte de trás do clube até que nos deparamos com a sala dos funcionários. Nós fazemos o nosso caminho através da cozinha. sem titubear. o ajuste muito confortável. mesmo depois de Lip roubar uma fritada da bandeja de alguém passando. — E agora? — pergunta ele. a agarrando de suas mãos. — Ei. Nós vamos para o hall.

— Porra. — Câmeras. — ri Lib.Nós caminhamos para fora. lhe batendo no ombro. Lip arranca pra fora da garagem. — eu informo. — Vá me encontrar uma Lambo. — Vaga 41A. e aponta para uma câmera no canto da garagem. tenho de mijar. — ele geme. ~ 112 ~ . ela é linda. — ele murmura. — murmura Lip. encontramos um rapaz moreno de pé atrás de um balcão. — eu sussurro. passando por alguns carros caros ao longo do caminho. e eu volto para as chaves. — Eu também. — Número da vaga! — eu grito. Com isso. — Vamos assumir. — Puta merda. sabendo que nosso tempo está se esgotando. — eu sussurro. Eu também. olhando para a câmera redonda apontando na direção oposta de nós. — Eu encontrei um. antes que ele pare em frente de uma Lambo preta lustrosa. correndo em direção à porta. — Lip fala antecipadamente. saltando do carrinho. — Graças a Deus. — Lip grita. — Eu estou de pau duro. — Temos um pequeno problema. — É melhor você nos encontrar um carro rápido. Lip está correndo de volta para mim. abaixando minha cabeça para que a câmara não tenha um vislumbre do meu rosto. arrastando minha mão ao longo de seu corpo. Eu escalo em cima do carrinho de golfe. um pequeno carrinho de golfe estacionado. — Porra. e é preto ou pelo menos parece preto. Eu dou de ombros e tiro o casaco de manobrista e vou em direção a ela. Poucos segundos depois. sua voz estridente. de olho no detalhe. — eu rio. Minhas mãos pegam as chaves e eu sigo Lip. eles vão perceber isso muito rápido. bufando sem fôlego. destravando o carro. — observa Lip. — eu instruo Lip. irmão. quando eu abro a caixa na parede cheia de chaves. Mike. Eu fecho a caixa e o olho intrigado. e jogo a jaqueta por cima. — eu informo.

— Eu adoro quando ela fala sujo comigo. — Nós roubamos. Lip agarra a porta à medida que somos jogados em nossos lugares devido a potência. Nós passamos por um policial sentado em um beco. — E agora? — Lip pergunta. — ladra Lip. Assim que estamos fora da garagem. mas pelo tempo que o carro dele está pronto para começar a perseguição. fazendo com que a Lambo ligue com um ronronar intoxicante. 9 Freeway: Autoestrada que geralmente nos EUA corta as cidades de ponta a ponta e liga outras cidades e Estados ~ 113 ~ . conduzindo sem falhas e lentamente puxo para fora da garagem. O carro reverbera com poder quando eu o coloco em marcha. — Woooo! — Lip grita quando nós voamos para a freeway 9 em direção ao lugar de Cora. seus olhos devorando a beleza do acabamento. e pressiono um botão no console. Olhando no meu retrovisor. ligando suas luzes.Eu deslizo para o assento. estamos muito longe. Eu coloco em primeira marcha. empurrando o meu pé no acelerador fazendo ele deslizar ao redor de um canto como se estivéssemos no gelo. me fazendo revirar os olhos. — eu rio. — O que é mais divertido que isso? — eu rio. eu a jogo para a próxima marcha. e olho para Lip com um sorriso de lobo no meu rosto. — Acho que o plano não é chamar a atenção para nós. seu luxo me oprimindo. Eu coloco o carro em sentido inverso e volto para fora. me referindo ao rugido glorioso do motor. Levo os meus olhos longe das teclas e botões. o painel de instrumentos e console forrada em cromo. Eu giro o volante. Eu coloco meu pé no freio. Lip desliza para dentro comigo. e a deixo solta. Os assentos são preto com costura vermelha no meio. o vejo saindo. me olhando.

sua voz forte e segura. — Eu venho roubando carros desde que eu era criança. curto e encaracolado. Eu o abro de olho em uma grande soma de dinheiro. Te devo uma por sua participação em um curto tempo. — Nunca pego? — pergunta ele. e saio. O cara com o cabelo trançado sussurra de volta no ouvido de Cora. Eu assinto. — Eu só uso os meus bons recursos quando eu tenho que fazer. — ela afirma. Você nunca faz. — Aqui está a sua parte. olhando no espelho retrovisor para todos os policiais. — Um dos meus homens fez esse roubo. — Eu sabia que você não iria decepcionar. — eu informo. — Este é Lip. mas não há nada. inclinando o queixo pontudo em direção a Lip. — eu informo. ~ 114 ~ . — Cora brinca. mas é mais barato. fechando a porta do Lambo. o carro destruído. cruzando os braços. Bobby . — ela responde. Sua pele de porcelana ilumina na noite enquanto caminha em direção a nós.— Há quanto tempo você vem fazendo isso? — pergunta Lip. e está sentado na prisão. seus saltos clicando contra o asfalto quebrado. Um dos caras que está por trás dela me joga um envelope amarelo. — Algumas vezes quando eu era mais jovem. Eu entrego a Lip metade do dinheiro. e fecho o envelope. vibra com o vento. abotoando seu paletó. — afirmo. — Sim. Meus outros homens não são tão bons em fazer o trabalho. mas tudo o que fez foi me ensinar a ficar melhor em roubar carros. — ela observa. passando a mão sobre o console. fui jogado no reformatório. mergulhando a mão no envelope retirando metade do dinheiro. saindo de um BMW preto. Eu puxo até a doca com um enorme barco estacionado ao lado dele. — Quem é esse? — ela questiona. andando em volta do carro em direção à Lip. fazendo um aceno de cabeça. Seu cabelo. puxando para uma estrada lateral. — eu rio. eu não ouvi de você há algum tempo.

eu sou um tipo generoso de cara. — Uma vez. — ri Lip. olhando ao seu redor. — eu informo. — O que eu posso dizer. — Cora adverte. — Você pode pegar um dos velhos do lote. — Lip ri. subindo ao volante. — Então. como é que vamos chegar em casa? — Lip pergunta. Ela é tão tensa na cama quanto ela parece fora dela. — Puxa. me diga que você fodeu essa mulher.— eu dou de ombros. ficando no lado do passageiro do carro. Bobby. — Lip ri. mas eu vou entrar em contato.— Eu tenho que ir. apontando para uma lata velha Neon — Não há nenhuma Lambo. deslizando para o banco do passageiro rasgado. ~ 115 ~ . — o guarda. obrigado por me deixar dirigir algo hoje à noite. os lábios curvando em um sorriso. Nós fazemos o nosso caminho em direção ao carro quando eu coloco o envelope no bolso de trás.costas com o cabelo longo sugere. — Por favor.

Olhei para Travis. eu sinto o cheiro dele. Estar no topo era assustador em muitos níveis. Eu me dirijo até a porta do apartamento. os meus olhos com lágrimas brotando em como eu estava doendo. Rangi os dentes de raiva. Eu fecho meus olhos. apenas para encontrar meus pulsos sacudidos contra as algemas. me deixando lidar com o progresso que eu fiz. Eu não sei como eu fiz isso. tirando as mãos da minha garganta para minhas coxas. — Não olhe para mim. jogando com as chaves na minha mão quando meu ~ 116 ~ . Eu normalmente não conto os dias entre vê-lo. — Eu estou no controle. Quando eu vou para a cama à noite. um pouco chocada que alguém está realmente fazendo a limpeza deste lugar. — Você me ouviu falando com você. e o cheiro de lavanda mascara o cheiro de almíscar. beliscando incrivelmente duro. — Travis ordena. como eu deixarei ir.Capítulo oito JESSICA Já se passaram três dias desde que vi Bobby pela última vez. sobre o sexo que tivemos no meu quarto. Eu abro os olhos e ofego como as memórias difíceis de desaparecer. Perdendo o controle com Bobby me assusta mais do que qualquer coisa. eu tenho pensado sobre ele. sua masculinidade demorando em meus cobertores. substituindo as mãos em volta da minha garganta quando ele penetra em mim duramente. tentando agarrar as mãos para parar a brincadeira e a dor penetrante até minhas coxas. Eu gritei. Não você. Só de pensar nisso faz o meu corpo formigar e deixa minha cabeça tonta. Olhe para a parede. mas todos os dias desde então. Eu levanto uma sobrancelha. meu pescoço doendo dolorosamente quando ele agarrou meu pescoço. Fico feliz que ele está me dando espaço. eles são difíceis de sair disso e parecem tão reais. tentando me equilibrar. — ele grunhiu. Entro no saguão principal do meu prédio e observo um homem lavar os tapetes. Jessica? — Travis sussurrou debaixo de mim. Às vezes.

Bobby: Você não quer me ignorar. Eu ando no meu quarto e inalo a doçura do meu sabonete no banho quente. A sensação das minhas mãos pela minha pele me faz pensar em Bobby. Eu deveria ter apenas dito a Bobby para vir. Depois que Addie foi com sua amiga. me convidando. e ter relações sexuais constantemente só vai complicar. e sigo em direção à banheira.) Eu sorrio.telefone vibra na minha bolsa. — eu respondo. correndo minha mão para trás e para frente sobre o meu sexo. mas eu quero ter certeza de que temos uma distância entre nós. a fazendo ficar vermelha. correndo para seu quarto. Eu ligo o aparelho de som. A água quente faz com que minha pele fique sensível. Eu pego. — Tudo bem. eu posso ficar na cada da Izzy? — Addie pede. Eu coloco meu pé. Eu me espalho com os meus dedos. e meu núcleo cerra com a tensão. eu opto por um grande banho de espuma na banheira de porcelana. abrindo a porta ao mesmo tempo. Eu não preciso de mais nada entre ele e eu. Estou com tesão. mas eu não vou me apaixonar por um. pegando uma água da geladeira. seus olhos olhando para mim debaixo de suas pestanas. mas elas têm que vir pegar você e você precisa estar de volta amanhã de manhã. colocando minha bolsa e telefone no balcão. saindo do apartamento de Bree. — Addie diz secamente. — Mãe. Eu posso ter vendido a minha alma à um Diabo. Meus lábios abrem quando meu ~ 117 ~ . Meu telefone treme no balcão. — Eba! — ela grita. — Mãe. Eu deslizo a minha mão mais para baixo no meu abdômen. Bobby: Eu acho que você precisa de terapia . Eu respiro profundamente. sentindo o cheiro de mel quando eu me ensaboo na água com bolhas até meu peito. — Por quê? Eu pensei que íamos ter uma noite mãe e filha? — pergunto. testo a água antes de me deslizar todo o caminho. Eu balanço minha cabeça e faço exatamente isso.

Não vai acontecer mais. e me olha fixamente para baixo.corpo começa a acender com o reconhecimento. — ele responde. Ele passa a mão pelo seu cabelo loiro desgrenhado. — Não. — Como é que você entrou aqui mesmo? — eu pergunto. — ele responde. Meu corpo vibra enquanto eu olho Bobby em pé na minha porta. fazendo minha respiração engatar. — Eu ignorei você por uma razão. frustração crescente por mim. — Você poderia ter me convidado. — Eu te disse para não me ignorar. balançando a cabeça. — ele retruca friamente. me puxando para cima. apontando para a porta. — Sua rotina clássica é me ignorar. sem olhar para ele. Eu zombo e viro a cabeça em direção a ele. você sabe. sem remorso. ~ 118 ~ . um sorriso manhoso em seu rosto. — Que porra você está fazendo aqui? — eu grito. baixando meu corpo sob as bolhas de sabão. calor acende atrás deles enquanto ele devora meu corpo molhado coberto de uma massa de bolhas. Minhas bochechas estão aquecendo de constrangimento por ele ter me pego durante um momento tão particular. Eu aperto meu clitóris. então não fala comigo durante semanas. Minhas mãos voam a partir de meu clitóris e mamilos e captam rapidamente os lados da banheira. e meus olhos se fecham quando eu rodo o feixe de nervos sensíveis. seria mais fácil. — Não? — eu repito. fazendo um desejo correr pelo meu corpo e fazendo meus joelhos se dobrarem involuntariamente para que eu possa atingir plenamente o meu clitóris com a outra mão. aprimorando meu mamilo. fazendo com que minha cabeça caia no lado da banheira. Seus olhos me olham com uma promessa escondida. uma protuberância evidente através do tecido. girando lhe os dedos nos bolsos das calças de brim. Agora sai! — eu grito. Os dedos hábeis de Bobby piscam na minha mente enquanto eu deslizo minha mão livre até meu peito. — Sua porta não estava trancada.

e me joga por cima do ombro largo. — Bobby. cheio de confiança. ele pode estar certo. Seus olhos estão pesados e a boca se separara. — Bobby! — eu grito enquanto ele me puxa completamente da banheira. Ele me joga na cama. — Bobby! Você perdeu a cabeça. sua mão segurando uma toalha branca. — eu grito. Ele lentamente se inclina para baixo. Eu o ouço bufar. claramente irritado com a minha rejeição. olhando para a toalha pendurada frouxamente de suas garras. a puxando sobre sua cabeça. — ele murmura.Eu balanço minha cabeça em sua resposta. me agarrando pela cintura. Jessica. e agarra a camisa. sua voz rouca. Seu abs e peito tonificado é uma vista perfeita e faz com que meu clitóris pulse com tanta intensidade que eu sinto que eu poderia entrar em combustão. — A maneira como você olha para mim contradiz as mentiras saindo de sua boca. Pare de lutar contra isso. enquanto ele nos leva para meu quarto. — eu protesto em voz baixa. — Eu não. As botas de Bobby batem forte contra o pavimento em mosaico quando ele faz o seu caminho em direção a mim. mas é a porra de uma mentira. pressionando os punhos no colchão em cada lado de mim. seu tom de voz suave e forte. Eu devo ter esquecido de trancar depois de Addie sair. — ele sussurra. Eu engulo lentamente e respiro fundo. saia daqui. — murmuro. — Você sabe que você quer tanto quanto eu. O modo como meu corpo cantarola para ele. As bolhas agarradas a minha pele molham a sua camisa. Eu viro meu olhar para ele. ~ 119 ~ . Ele deixa cair a toalha no chão e chega até a banheira. e a forma como gaguejo quando eu lhe digo para sair.

Eu lambo meu lábio inferior quando eu olho para ele. e pronto. Eu quero devorar aquela coisa. Nada que eu já tive se compara ao seu pau. e se inclina para cima com um sorriso em seu belo rosto. Eu sinto uma queimadura entre as minhas coxas. chupando meu clitóris em sua boca. É uma luta sem esperança neste momento. Suas mãos viajam até minhas coxas. ninguém jamais foi lá em baixo de mim antes. e se levanta puxando sua cueca de seus quadris e para o chão. — Eu quero comer você a noite toda. Ele desabotoa a calça jeans. Eu amo o pau de Bobby. mas eu tenho que ter você agora. me fazendo olhar para cima. Seu pau acaricia contra minha coxa. Ele se afasta. Seu enorme pau está ereto. me fazendo tremer. O calor que eu tinha alcançado na banheira retorna com uma velocidade avassaladora. Eu pulo para frente com o gemido mais alto e o que resta do meu corpo. encontrando Bobby a centímetros longe do meu sexo com seu rosto. Ele manuseia meu clitóris suavemente. Eu não posso nem descrever as sensações que atravessam no meu núcleo com ele lambendo o meu corpo. Ele beija meu pescoço. Eu quero dizer a ele que não. sua pele é abrasiva contra a minha pele deixando uma deliciosa queimadura. Na verdade.— Talvez. e puxa para baixo. me fazendo arquear as costas. Ele tem um ângulo um pouco para cima. suas boxers pretas revelando uma ereção impressionante. Ele zomba. é tão intenso. Eu nunca deixei Bobby fazer isso comigo. Ele desliza sobre o meu corpo. meu corpo reclamando da perda de contato. — Deus. — admite ele. mas não agora. Eu nunca vi nada parecido com isso. babe. então quando ele me fode. fazendo lentamente seu caminho entre as minhas pernas. ~ 120 ~ . o seu peso no colchão me afunda ainda mais em sua posse. — Bobby murmura contra mim. Ele sorri e pisca antes que eu possa sequer protestar. me fazendo sorrir. o rejeitar. mas meu corpo está me desafiando em tantos níveis. me fazendo involuntariamente empurrar meus quadris para cima. a cabeça sempre bate no meu ponto G perfeitamente. meus olhos se arrastando para seu peito. inchado. Eu nunca me senti tão confortável com alguém ou confiava neles o suficiente para eles mergulharem em algo tão pessoal e íntimo. — eu sussurro. você é melhor do que eu imaginava.

Meus olhos estalam de sua bruma lasciva e alarga com medo. — eu respondo nervosamente. — Deus. Eu corro minhas mãos para cima do meu peito. e Bobby é a única pessoa no mundo que eu confio para me ajudar a fazer isso. sua boca arrastando pela minha perna. beliscando minha coxa. pesados com desejo. Meu corpo vibra com a tensão. meus olhos pousando no meu armário. — Bobby responde com voz rouca. não. Eu viro meu rosto. Ele pega meus joelhos. — ele sussurra. — Fique de quatro. — Bobby. — Bobby instrui. para ele fazer o que ele quiser. sua mão deslizando para cima e para baixo em seu pau enquanto ele se senta para trás. ~ 121 ~ . Não há como negar que Bobby sabe o seu caminho no corpo de uma mulher. você é linda quando você se toca. segurando seu pau. — Se vire. Eu fecho meus olhos e vejo um flash de Travis atrás de mim. — É isso aí. — Bobby exige. apertando meus mamilos. e depois beijando a picada que sua mordida deixa para trás. — ele esclarece. se abaixando e escova os lábios sobre o meu umbigo. — Toque a sua buceta. fazendo uma explosão de formigamentos atravessarem através de mim. — Confie em mim. o meu coração pegando o ritmo.os melhores orgasmos da minha vida sempre veio dele. Eu deslizo minha língua ao longo do meu lábio inferior e desço minhas mãos do meu peito para baixo sobre o meu estômago para o meu clitóris. Eu quero seguir em frente. e me viro de quatro. meu corpo enrijece. baby. seus olhos azuis a meio mastro. levantando em meus cotovelos para me sentar. — O quê? — eu pergunto. O armário que detém o meu passado. as mãos empurrando meu lado. Meu núcleo aperta. almejando o pau de Bobby. Seus olhos irritados olhando para mim enquanto eu estou em minhas mãos e joelhos que tenta me manter. querendo mais e agora. meus soluços quando ele anda no chão com um chicote. meu corpo em plena exibição para Bobby ver. Eu o circulo. Eu empurro meus cotovelos. — ele rosna. confusa. e sua habilidade no meio dos lençóis é impecável.

É uma sensação boa. Os olhos de Bobby estão olhando para mim com sinceridade e não raiva. Há tantas respostas para essa pergunta. Bobby olhando para mim intensamente com um olhar de cuidado escrito em seu corpo quando ele enquadra com seu olhar. Bobby pressiona seu peito duro nas minhas costas. Abro os olhos e olho para o meu reflexo no espelho do outro lado do quarto. fechando os olhos com força. seu toque áspero saboreando a sensação da minha pele sedosa. você teme a mensagem por trás disso. Eu nem sequer percebi que ele subiu na cama. me fazendo pular de minhas imagens aterrorizantes. — De quê? — pergunta ele. — eu sussurro.Bobby desliza a mão sobre a minha bunda e as bochechas sensualmente. são muitos medos que viajam através da minha mente. — Não. com sinceridade. e respira fundo. é preciso muito para expressar meus medos em voz alta. Ele acaricia minha bunda com as duas mãos. eu estava tão perdida em meu pesadelo. — eu respondo. seus lábios roçando minha orelha. — ele comenta. Bobby sentado de joelhos atrás de mim. meus dedos segurando o edredom. Eu olho para cima e me vejo no espelho na parte de trás da minha cômoda. deslizando a mão até meu estômago acariciando meu peito pesado. mas só há uma palavra responsável por esse efeito dominó. — Não tenha medo da dor. ~ 122 ~ . Bobby tira o cabelo do meu rosto. Eu tiro meu olhar do espelho e viro a cabeça olhando por cima do meu ombro. — Da dor. os dedos deslizando para trás e para frente suavemente sobre minha abertura. — Você quer parar? — pergunta ele. — Por que você está tão tensa? Nós não fizemos nada ainda. — ele sussurra suavemente em meu ouvido. enfiando o cabelo solto atrás da minha orelha. — murmuro. mas eu estou muito tensa e com muito medo de me deixar sentir mais nada. Eu sou uma pessoa com uma vontade forte. até que o polegar bate no meu clitóris. — Estou com medo. Ele circunda o polegar. Ele desliza as mãos em torno do ápice das minhas coxas. É difícil admitir que eu esteja com medo. Tendo suportado o nível mais baixo do inferno e nem uma vez mencionei o medo que eu tinha de passar por tudo isso de novo.

meu corpo imediatamente inflama. Queima quando eu sou esticada. A sensação dos dedos de Bobby viajam pelo meu estômago. — Então me tome. Concordo com a cabeça. me fazendo quase cair de cabeça no colchão. Eu gritava a nossa palavra de segurança e ele ia mais duro e mais áspero. — ele responde. O dedo de Bobby desliza debaixo do meu queixo virando a cabeça ligeiramente. enquanto ele me enche com a base de seu pau. Jessica. Respirando pesadamente em meu ouvido. — Eu queria você assim há tanto tempo. meu corpo ávido e pronto para entrar em erupção no esquecimento. a única que nunca funcionou com Travis. O aparelho de som que eu tinha esquecido que estava ligado. arqueando por ele. e pressiona seus lábios macios nos meus. — ele sussurra na parte de trás do meu cabelo. Eu choramingo em resposta. Ele se empurra em mim. me empurrando contra ele. A cabeça de seu pau pressiona contra a minha abertura. Ele recua e empurra para frente. baixando seu corpo em cima do meu. — ele diz com uma respiração pesada. e assim. seus braços em volta da minha frente. Ele se empurra dentro e fora. me deixa ofegante em necessidade. toca ‘Animals’ por Adam Levine. Ele rosna contra a minha boca enquanto seu pau na minha bunda pressiona exigentemente. a posição em que ele está. fazendo com que meus braços tremam de prazer. me fazendo inalar rapidamente. Meu corpo fica tenso ~ 123 ~ . os beijando.— Apenas me diga para parar se começar a ser demais. dirigindo seu pau em mim. Meu lábio inferior desliza entre os seus. e entre os meus lábios inchados. Ele levanta o seu peito duro em minhas costas quando ele afunda seu pau dentro e fora. Me faz lembrar de uma palavra segura. — Você esta tão apertada assim. sua voz tão crua que eu mal a compreendo. sua mão deslizando pelas minhas costas. — Eu pretendo. sobre minhas cicatrizes. — ele geme. pendendo a cabeça para trás. minha respiração pegando. um gemido alto escapa de sua boca. eu experimento o seu corpo inteiro. — eu arqueio. sobre o meu núcleo. me puxando para perto. ele beija o topo do meu ombro.

Fechando os olhos enquanto mau sua mão toca meu lado. Abro os olhos e olho no espelho. as substituindo por Bobby no aqui e agora. o toque de seu pau em toda a minha pilha de nervos quando ele bate em mim. baby. Fique aqui comigo. dirigindo seus quadris para frente e fazendo seu pau bater duro em meu ponto G. me concentro em sua beleza pintada quando eu vejo seus músculos ficarem tensos com cada impulso. veja só eu. — Respire. vejo Travis aparecer na memória. Com a sensação renovada. A artéria no pescoço pulsa com gravidade quando eu fecho meus olhos e meu coração pula. Ele paira seu peito sobre minhas costas. Por trás de minhas pálpebras. Sua mandíbula se aperta enquanto persegue a sua libertação. As tatuagens ao longo de seus braços tonificados são impressionantes. Com as bochechas coradas. — Bobby sussurra em meu ouvido. — ele murmura no meu pescoço. os olhos carinhosos e sensíveis. me agarrando pela cintura enquanto ele faz redemoinhos com seu pau dentro de mim do jeito certo. Eu olho para Bobby no espelho. seu cabelo cai para a testa ~ 124 ~ . — ele sussurra em meu ouvido. Beija-flor. Ouça apenas a minha voz. meus dedos escavam o colchão. faz com que o meu corpo fique tenso com medo. — ele instrui suavemente. Se abaixando nas minhas costas novamente. eu nunca vou te machucar. Veja como isso é bom. — Não feche seus olhos. Eu observo minha buceta com o calor. Os abra e me deixe ver os seus belos olhos.imediatamente. em seu elemento quando ele está entregando prazer. quebrando a memória escura. me fazendo gemer alto. Jessica. Meus olhos se abrem. sua outra mão firmemente agarrando minha garganta me fazendo ver preto pela falta de oxigênio. Eu assinto. a mão muito perto de meu pescoço para o conforto. sentindo onde minha mente derivou. Bobby está no seu melhor. Meu cabelo está molhado nas extremidades pela água do banho. seu ritmo impecável. com a mão no meu cabelo gritando para mim violentamente. tentando agitar as memórias para longe. Ele se move tão facilmente. — É isso aí. ele desliza a mão ao redor da minha frente para descansar em minha clavícula. Ele está olhando para mim de cima do meu ombro. — Não vá lá. e meus joelhos começam a tremer. meus lábios vaginais abertos enquanto Bobby me leva por trás. Os cabelos no meu pescoço. eu libero a respiração que eu não sabia que eu estava segurando.

tudo acontece em câmera lenta. culminando segundos atrás de mim. e não vejo nada. Viro a cabeça rapidamente e olho para a parede. lambendo meus membros. só seus olhos azuis olhando para mim no espelho. A forma como o seu olhar me leva. não querendo fazer uma pergunta quando eu me empurro para trás ao encontro de seu impulso. sem falar. seus olhos olhando para mim com paixão. — Porra! — Bobby ruge. De repente. Seu comprimento me bate em todos os lugares certos. Depois do gozo de Bobby. É aquela que é gloriosa e ainda aterrorizante. — O que você está fazendo comigo? — eu lamento. retardando seus quadris em um ritmo torturante. Sua mão se estica ~ 125 ~ . — Bobby sussurra. mas o posso sentir e ele continua a se dividir dentro de mim quando eu olho para o reflexo de Bobby no espelho. tão desesperadamente querendo o clímax. seu peito suado descansa nas minhas costas enquanto ele pulsa dentro de mim. Seus olhos me prendendo no espelho em frente de nós. me joga no esquecimento. Meus músculos da buceta em torno dele rígidos e meus braços caem. apenas devorando tudo o que eu sou quando minhas paredes começam a se desmoronar. só a respiração áspera de Bobby na minha orelha. fazendo parte da minha frente cair em cima da cama enquanto eu caio no orgasmo mais intenso da minha vida. Eu tremo quando um calor sobe a caminho do meu núcleo para fora. algo se encaixa dentro de mim quando eu olho para ele. eu fecho meus olhos e vejo Travis. Esta emoção subindo dentro do meu peito é muito parecida com a primeira vez com que Bobby e eu tivemos relações sexuais. nunca olhando para longe de mim. Abro os olhos e vejo Bobby sorrindo para mim. — Te mostrando como viver.com suor. Meu corpo explode em êxtase. bombeando os quadris de forma incontrolável. eu abaixo minhas pernas doloridas lentamente me ajoelhando deitada. Seu peito arfando contra mim quando ele busca o ar. não é tão terrível quanto antes. Eu não posso descrever esse estalo. Eu não ouço nada. mas é fraco. e seus olhos são pesados de desejo. Um eixo de emoções circulam através de mim como um vírus. Mais uma vez. não consigo descobrir o que isso significa. sem se mover.

— Merda. — ela amaldiçoa. Eu inspiro seu cheiro de coco e suor. o rosto corado em pânico completo. eu estou em casa! Jessica se arremessa para cima. — ela sussurra baixinho. Eu estico meus braços para cima. merda. quando eu a vejo correr para o banheiro. Jessica bufa e agarra a minha cueca e minhas roupas. cobrindo o peito nu com as mãos. BOBBY — Mãe. minha barriga roncando de fome. — Depressa! — ela sussurra duramente. o puxando de seu rosto. Seu cabelo se destaca em todos os lugares quando ela olha para a porta com os olhos arregalados. — Mãe? ~ 126 ~ . — Se vista. as joga no meu colo. e coço o meu peito. minha frente à sua frente. Eu olho e vejo Jessica correndo ao redor do quarto. puxando a roupa de sua cômoda e armário. e uma parte superior igual. passando as mãos pelos cabelos. Ela puxa alguma calcinha branca. — Você está bem? — ele sussurra em cima da minha cabeça. Eu bocejo e rolo. Eu levanto minha sobrancelha para cima. Bobby está apenas desnudando meu mundo e tudo o que eu achava que sabia. merda. Eu puxo a minha roupa de baixo. olhando minhas roupas no chão.e esfrega os braços antes de me puxar em direção a ele. caindo da cama. meus músculos apertados de dormir. Meus olhos se tornando pesados quando eu aceno.

e ela parece como sua mãe. Ela ficou tão grande desde a última vez que a vi. tudo bem. você sabe. sim. — ela admite. — Oh. — Ela está no banheiro. — O quê? — ela pergunta. — O quê? — eu pergunto. olhando para mim como se eu tivesse perdido a cabeça. com a voz trêmula. — Mãe. — Comer? — pergunta Jessica. — ela responde. este é Bobby. — Você parece familiar. seus olhos vagando meu rosto com curiosidade antes de formar um sorriso.Eu me viro e vejo Addie olhando para mim com olhos chocados. então eu não fico muito no café da manhã. — Sim. — eu digo a ela. — ela responde. olhando para a porta do banheiro. Rosto redondo. perguntando por que ela está olhando para mim assim. — Addie zomba. dando de ombros. franzindo a testa com rugas de preocupação. — Jessica olha entre Addie e eu nervosamente. o tipo que você come. — Você está com fome? — eu repito Ela se inclina contra o batente da porta e cruza os braços. batendo o queixo arredondado. puxando meu jeans rapidamente. com o dedo indicador pequeno. Addie leva o seu olhar de sua mãe para mim e sorri. — Addie cumprimenta. — Na verdade. — Uh. — A família de Liz são vegans. — continua ela. Ela está claramente descontente que eu estou falando com sua filha. ~ 127 ~ . — Addie. me olhando. nervoso. — ela responde. Addie é muito parecida com a mãe. Ela aperta os olhos e inclina a cabeça. cabelo loiro. — Addie! — Jessica faz som de surpresa quando ela está andando para fora do banheiro. Eu não posso deixar de rir. — Você está com fome? — eu pergunto. sua voz um tom mais alto do que antes. — O que vamos comer? — Addie sugere. olhos azuis.

seu tom de voz firme. o que há de errado. — os olhos dela imploram para eu ir. eu tenho certeza que Bobby tem muito o que fazer hoje. Eu envio uma mensagem e peço para me enviarem um café da manhã. Eu perguntei a ela porque antes e ela apenas sorri e muda de assunto. Seu pequeno nariz amassado com preocupação.. agarrando o meu telefone do chão. — eu respondo. pedindo a ela para sair da sala. eu avisto Jessica empurrando na parte inferior das costas de Addie. ela vai realmente me dizer. Bobby. — Jessica encaixa. antes de colocar meu telefone no meu bolso. procurando no outro armário. — O que? — Jessica para e se vira. — Nada. — afirma ela. Eu assinto e vou direto para o balcão. — ela faz uma pausa. mas eu nunca pensei em sair da vida de Jessica. Ela sempre manteve sua filha longe de mim e do clube. passando por nós. e fecha os olhos enquanto suspira: — Eu estou tentando fazer direito por minha filha. — Tudo bem. é tudo. mãe? — Addie pergunta. Olhando para cima. caminhando até mim. abrindo os armários em busca de café. Sim. inclinando a cabeça para o lado. sentado em uma banqueta. mãe? — eu zombo. Entendi.. — Estou. ela não apresenta os homens a Addie que não estarão ficando e somente está transando. Nós não temos o suficiente para alimentar a todos.— Eu preciso ir às compras. — O que você acabou de fazer? — ela sussurra. — O que há de errado. Eu faço isso. Eu sorrio e encolho os ombros. eu estou em apuros. Eu não preciso de alguém em sua vida que apenas vai sair mais tarde. a ignorando. — Você precisa ir embora. — eu minto. e indo para a sala de estar. Talvez agora que estamos sendo honestos um com o outro. seu rosto com raiva. — Sim. ~ 128 ~ . — ela se encaixa. Meu histórico com as mulheres é tão grosso como um dicionário. — Nada. — Por quê? — eu questiono.

me pegando de olho em sua mãe. Eu não ouvi uma batida. chegando até um armário que eu ainda não tinha verificado. Eu sempre quis estilo cachorrinho com Jessica. tentando não rir. os seios se derramam em seu top apertado quando ela paira sobre a pia vazia. Eu me inclino contra o balcão. — eu respondo. Eu rolo meus lábios um ao outro. jogando a tampa sobre o balcão e pegando o pote de café do seu lugar. e ele está vestindo seu colete rotulado como prospecto. eu tive um espelho para assistir a cada olhar que atravessou seu rosto. Os ruídos que ela fez quando meu pau bateu nos lugares nela que ele nunca teve antes. viciado mesmo. a maneira como seu corpo se movia e respondeu ao meu toque e sons. ~ 129 ~ . — Legal. Jessica se inclina sobre a pia para abrir a torneira. e a vejo dar um chilique. queria seu corpo inteiro para o meu deleite. Seu longo cabelo escuro cai abaixo dos ombros largos. — Addie responde. alguém está na porta. Eu sorrio com o pensamento. foi épico. Ontem à noite foi mais do que eu jamais poderia ter imaginado. — Mãe. — eu anuncio. Além disso. cruzo os braços. Meu pau é insaciável por Jessica. Ela pega uma lata de café. Ela estaria zangada se ela soubesse que eu acho ela bonita como o inferno chateada. Eu abro a porta para encontrar Kane com dois sacos de papel e um suporte de copo de papelão cheio de bebidas. Ela é a única mulher que eu posso ter sexo e acordar ainda mais excitado do que antes. tentando não explodir em uma gargalhada intermitente.— Não. eu estou bem. e cada salto de seus seios. Aposto que ela vai pensar duas vezes antes de ignorar umas das minhas mensagens novamente. mas eu sei que seus lábios estão franzidos e seus olhos estão me esfaqueando com punhais. Ele é nativo americano e as meninas comem essa merda. Ele diz que é porque as meninas adoram seu bronzeado o ano todo. Estou surpreso que durou tanto tempo. Eu estava pronto para rebentar assim que eu a encontrei se masturbando. saindo do balcão. Meu pau pulsa. — comenta Addie. Jessica bufa e me empurra para fora do caminho. Ele é apenas um prospecto e já consegue mais buceta do que eu. querendo mais uma rodada com ela. — Eu vou atender. Eu não me viro para olhar para Jessica.

— É como uma lagarta. arrancando uma copo do porta-copos de papelão. Ela nunca faz quando a conversa vai para os meus pais. ouvindo Addie falar sobre algum garoto que ela está gostando. pegando a porcaria dele. deixando cair uma gota no invólucro do canudo a fazendo crescer novamente. empurrando os copos no porta-copo contra seu peito. — Você tem um homem sexy em sua lista de contatos e se recusa em usar isso para sua vantagem. Os olhos de Addie acendem quando ela me olha. pegando um canudo do saco. — eu digo. Jessica não parece aprovar seu ~ 130 ~ . a profundidade de seus olhos azuis macios e cativantes quando ela me assiste interagir com sua filha. — Você quer ver algo legal? — pergunto. amassando o papel que ela abrange. obtenho um pouco de líquido a partir do copo. balançando a cabeça para Jessica. — Addie ri. — Meu pai. — Quem te ensinou isso? — pergunta Jessica suavemente quando ela olha Addie tentar fazer sua própria lagarta. cara. pegando uma palha do saco. Jessica e eu comemos em silêncio. Eu puxa o papel amassado semelhante a uma sanfona do canudo e o coloco sobre o balcão. e o solto no meio do papel.— Aqui. — eu atiro. Ela não pergunta mais. Ela balança a cabeça e abre o saco de papel. — Isso é legal. o complicado. Me viro e olho feio para ela. Toco o final do canudo sobre a bancada. cavando para o alimento. — ele resmunga. puxando um. empurrando o saco de papel para o meu peito e segurando os copos para eu pegar. Vai de encontro em cruzar a linha do simples e fácil. — murmuro. — eu respondo. Tomo o canudo. — Obrigado. Eu me viro e chuto a porta. — Quem sabia que você tinha homens sexy na sua lista de contatos? — Jessica zomba sobre meu ombro. sorrindo. Addie se posiciona de joelhos no banco e se inclina. Kane rindo na porta. Ela bufa e os coloca no balcão. Suas espessas sobrancelhas escuras inclinam com aborrecimento. Eu olho e vejo Jessica me olhando. fazendo parecer como se estivesse rastejando.

— Isto é apenas um jogo para você. ela me disse antes. Então nós não deixamos crescer sentimentos um pelo outro. Eu vi o jeito que ela olhou para mim depois que tivemos sexo. Os olhos de Jessica brilham em raiva quando ela agarra meu dedo sob o queixo. e minha suspeita estava correta. lhe dar o seu coração. — Por que isso? — eu pergunto. o empurrando para longe dela. o tecido escovando ao longo do meu lábio inferior enquanto eu gemo alto com a afirmação de Jessica. Ontem à noite foi mais do que emocional. mastigando a ponta do seu dedo. — ela disse repetidamente. seus olhos azuis vibrantes com raiva. — A ideia de se apaixonar por alguém. — Não. — eu continuo. colocando minhas mãos nos bolsos. é suicídio. — Eu acho que é melhor. e corro minhas mãos pelo meu cabelo. Eu amasso o saco de papel e o jogo no lixo. o órgão que te mantém vivo. — ela murmura. — ela sussurra. Ela olhou para mim com uma vibração totalmente diferente. ~ 131 ~ . mas eu digo que ela é jovem. — Você está tendo sentimentos por mim. a fazendo me olhar nos olhos. e vou direto ao quarto para colocar o resto das minhas roupas. Eu sei que Jessica não quer nada de amor. não é um jogo para mim. mas sai uma gagueira. buscando as minhas botas. Achei que ela acordaria em pânico. minha voz baixa e áspera. com a mão envolvida em torno de seu corpo enquanto ela continua a mordiscar em seu dedo. Ela não viveu a menos que ela tenha seu coração partido algumas vezes. Eu deslizo minha mão sob o queixo e o inclino para cima. — Talvez eu devesse ter feito a regra para você não se apaixonar por mim? — eu interrompo.amor infantil. Eu só acho que você está sendo ridícula. Eu coloco minha camisa sobre a minha cabeça. Eu me levanto depois de amarrar meus cadarços e sigo até ela. Eu sorrio. — Eu acho que nós precisamos nos distanciar um do outro. Jessica? Ela começa a falar.

meu tom saindo mais irritado do que eu pretendia. — ela interrompe quando eu balanço minha cabeça.. — eu grito. — murmuro. Eu entro na cozinha e despenteio o cabelo de Addie. preciso chegar ao clube de qualquer maneira. Além disso. Então. — Eu tenho estado ao redor de você por anos. por que você não diz realmente do que se trata. Oh. Pare de usar Addie como uma desculpa. merda! Aí vem a loucura. porra. agarrando o meu colete do chão. Eu não tenho ido a qualquer lugar. Ela está sentada no balcão ainda comendo. Eu preciso sair antes que isto vá para a merda. Pare de pensar sobre as coisas. — A gente se vê por aí. — eu respondo. Não quando você me empurrou. Jessica. Pare de se proteger. e não tão cedo.— Eu protegendo minha filha não é ser ridícula.. colocando as mãos nos quadris. — Eu. ~ 132 ~ . — Eu acho que você precisa ficar fria. Addie vira a cabeça e sorri quando eu ando em direção à porta e saio. — ela se encaixa. — Me desculpe! — ela grita. a beijando na testa. e me inclino.

— Ele parece muito bom. Eu fecho meus olhos e suspiro. Me inclino. — eu informo a enfermeira quando eu caminho de volta para a mesa. lhe dando um beijo na testa e. caminho ao longo da comida encima do balcão. Eu vi o olhar em seus olhos na noite passada quando estávamos fazendo sexo. — Coloca soro para ele. em seguida. minha mente passa as imagens de como ele e Addie ficaram tão bem ontem. Talvez eu seja a única a quebrar as regras. Não há como negar que Bobby e eu temos química. sentada no sofá. Me viro e olho para ela. Talvez ele esteja certo. mas a minha mente fica repetindo eu e Bobby no meu quarto. eu sou completamente impotente para o modo como meu corpo se inflama para ele. — eu respondo. Mesmo com as falhas do perigo que espreita em torno dele.Capítulo nove JESSICA O que diabos aconteceu? Me sento no sofá repetindo tudo o que ocorreu desde ontem. Quando ~ 133 ~ . tentando obter um controle de mim mesma. e a maneira como ele agiu como se ele fosse o melhor amigo de Addie esta manhã. Eu não vou ser presa assim novamente. Eu estou olhando para um gráfico de um de meus pacientes tentando me concentrar. a sensação de seus braços ao redor do meu corpo quando ele me confortava. tentando ler se ela está brincando ou não. — comenta Addie. mas não vou permitir que Bobby se apaixone por mim e me reivindique. ou talvez eu esteja apenas pensando sobre tudo em geral. Ela está desidratado pelo calor. Mas isso não faz de Bobby menos sedutor ou charmoso. mas o sorriso no seu rosto é a prova de que ela está completamente louca por Bobby. Eu fecho meus olhos e abano a cabeça. — Ele é bom.

Eu preciso me distanciar dele. Eu não quero amar. surpresa com a urgência. — Hoje à noite? — eu grito. fazendo com que uma visita à emergência seja praxe. — ele informa. Vamos então e eu estou escolhendo o lugar desta vez. Wren. — O quê? — eu pergunto. Eu sabia que essa conversa estava chegando. Shane. o rosto sem emoção. — Shane interrompe. — eu respondo. — Meu turno termina em uma hora. Shane fazer algo violento é uma imagem de se ver. — ele responde e eu não posso deixar de rir. seus olhos escuros arregalados. vou quebrar a sua câmera. você me deve um encontro. as pessoas esquecem de se hidratar. — Nós fizemos um acordo. — Que tal se alguém quiser a sua imagem hoje à noite. Por que esconder isso? — ele ri. Ele ri. — ele divaga. mas você parecia tão bem estampando a primeira página. Talvez eu realmente esteja pensando muito sobre as coisas ultimamente. olhando para ele com o canto do meu olho. me fazendo pensar em Bobby.as coisas começam a aquecer. me fazendo ter o pensamento bobo de que Shane quer mais. andando pelo corredor. — Por que. Eu posso me sentir me tornando vulneral. — ele encolhe os ombros. Eu estive me esquivando dele por dias. — Ah. colocando sua prancheta no balcão. — Dra. e ele sabe disso. minha cabeça nada em torno dessa palavra. então por que não com uma médica quente? — Eu não penso assim. — eu sussurro. exasperada. — Eu não sei. Acordo. Eu fiz a porra da regra de não me apaixonar. você sabe. curiosa para saber por que ela está olhando para mim com os olhos nebulosos. Eu removo meu olho do quadro na parede e olho para ele. ~ 134 ~ . eu não posso amar Bobby. — É apenas como amigos. indo embora. Eu olho para trás e para baixo na mesa e vejo a enfermeira Helga olhando para mim. — Eu tenho que alimentar os caçadores de fofocas alguma coisa. pegando os arquivo de um paciente a partir do rack em cima do balcão. para que eu possa acabar no jornal de novo? — eu digo sarcasticamente.

mudando de assunto. Aconteceu de eu entrar nos Devil’s Dust. BOBBY Sentado em uma cadeira de couro no meio da sala. Diamond é uma delas. A música de repente desaparece e o DJ introduz as próximas bailarinas a aparecerem no palco. — Onde você estava? — ela questiona. dependendo de como você olha para isso. ~ 135 ~ . mas apenas porque eu estive ocupado com Jessica.. — eu respondo. se levantando e indo embora. Bull me mandou vir aqui e garantir que as coisas não se tornassem agitadas. me sentando ereto na cadeira. ou errado. um aperto suave. balançando a cabeça para cima e para baixo na apreciação da traseira de Shane.. me fazendo gemer em resposta. eu tenho estado ignorando suas ligações. Eu dou um tapa no balcão e sorrio. enquanto seus olhos trilham cima e para baixo do meu corpo. — Bobby baby. Eu admiro muito bem a sua bunda. eu assisto a multidão crescente no clube de stripper Wicked Birds quando eu escuto Trove Lo cantando ‘Habits’. eu estou feliz que você está aqui agora. ajoelhada no chão entre as minhas pernas. por que não? Eu poderia encontrar coisas piores para fazer com meu tempo. — ela murmura. Seu cabelo escuro cai sobre seus ombros em ondas perfeitas. — Quem precisa ser visto agora. lhe dando a mão que está deslizando pela minha perna. — Eu estive ocupado. é tudo. andando na minha direção com saltos negros foda-me junto com um espartilho atado preto. — Bem.— Você sabe quantas enfermeiras olharam para aquela bunda linda? — ela ri. exatamente no momento certo. não fiz. olhando para o salão onde Shane caminha à distância. — Diamond diz sedutoramente. Helga? — eu questiono. — eu respondo. Merda. Assistindo mulheres nuas se torcendo em um poste por algumas horas. — Ei. eu estive esperando você me ligar de volta. Helga passa a mão pelo cabelo escuro. Espero que goste do show. baby.

assediando uma das minhas meninas. procurando lesões. — Talvez se você fizer suas putas valerem a taxa de entrada. levando a loira magra para fora do palco com ele. Na verdade. Ela não é Jessica. Você quer que seus dentes da frente fiquem faltando? Chame uma mulher de uma vadia na minha frente e veja o que diabos acontece. isto não é da sua conta. — Você está em meu clube. — eu bato meu punho em seu rosto. a olhando. O cara olha de volta para a loira com medo de que está tropeçando. baby. Em algum lugar ao longo do caminho. tentando puxar a perna de seu alcance. — Você está bem. Ele mal vira a cabeça em minha direção. Eu suspiro. agarrando a mulher seminua antes que ela mergulhe de nariz no chão. — Foda-se. — o cara incentiva. curvando os lábios com raiva. sua mão ainda envolvida em torno da perna dela com força. — eu ordeno. me olhando com o canto do olho. tire essas calcinhas. eu me tornei chicoteado por uma buceta. pronto para bater no idiota pelo seu tom de desrespeito. — ele resmunga. Eu alargo os meus ombros.Diamond é uma menina bonita. — eu rosno. — Vamos lá. assustada. querida? — pergunto preocupado. — Merda. Eu a puxo para cima de seus pés e a estabilizo. em pé da minha cadeira. punk. Chamá-las de puta me no limite da raiva. Ele cai de bunda no chão. eu sei por que eu não tenho aproveitado isso. Alguma comoção me chama a atenção sobre uma das pistas. tentando manter o equilíbrio. não o deixando terminar a frase. Eu estou curioso porque eu não tenho aproveitado isso ainda. longe disso. ~ 136 ~ . Eu olho e encontro um cara gordo se inclinando sobre o palco agarrando uma das pernas da menina. — Merda! — eu grito. puxando a perna mais duramente. E Jessica é tudo o que eu tenho na minha cabeça ultimamente. chateado. — Vamos. lhe dando um toque no ombro. É da minha conta. Ela olha para baixo. — murmuro.

agora. Eu testemunhei o meu pai perfurar os dentes de um indivíduo por golpear o traseiro de uma garota menor de idade em um posto de gasolina. Meu pai era um durão quando ele queria ser. — ela murmura sem fôlego. apontando para o palco agora vazio. — eu continuo. não percebendo que Tom estava aqui. Mas uma coisa que meu pai me ensinou é tratar as mulheres com respeito. irmão. Pequenas mesas com enormes espelhos em volta com lâmpadas. eu estou bem. — Eu estou indo ver e ter certeza que ela não está ferida. as tratando como merda. o puxando para perto. e entro no vestiário feminino. Eu passo por um monte delas. eu não posso lidar com isso. e ver uma merda de um maldito bastardo jogando duro. e um pouco de perfume sobre ~ 137 ~ . — eu assobio. — eu me defendo. — Ele estava próximo como um raio puxando uma das meninas fora do palco por sua perna. — eu exijo. observando a saída do cara. Eu amo as mulheres.— Sim. suas tetas de fora. Eu o deixo ir e o vejo tropeçar fora do clube. Quando ela vai embora. sacudindo a cabeça para trás e para frente onde eu bati nele. — Droga. gotejando em sua camisa gordurosa. Eu posso ter perdido a calma. eu vejo o cara gordo tentando se levantar. passando as mãos para baixo em seu estômago nu. cara. fazendo meu caminho de volta para o vestiário. juntamente com as mulheres tagarelas sentadas neles. segurando a boca. — ele responde. o meu tom de uma ameaça promissora. Sua boca sangrenta. não lidar com as coisas da maneira mais profissional. Eu passo em frente e o agarro pelo colarinho. você só assumiu por algumas horas e você conseguiu bater em um cliente? — Tom Cat pergunta. — Tudo bem. tentando puxar da minha garra. — Vá fazer uma pausa. Abro a porta vermelha coberta em um design de ouro. a puxando para longe do palco. A memória ainda me faz sorrir. — Saia do meu clube. Há um monte de maquiagem em ambos os lados da sala. Eu olho por cima do meu ombro.

— Você salvou Sugar? — Diamond pergunta. mas eu não sabia que era tão ruim assim. revirando os olhos. Eu dou de ombros. — informa a loira. — Quer dizer. — Aww. enquanto sua mão desliza para cima do meu peito. eu não estou prestes a desistir dela. indo embora. correndo a mão ao longo do meu pescoço. eu estou bem. — Ooh. Eu estou trabalhando.— Sugar concorda. Eu me sinto como merda ignorando sua chamada os últimos dias. teria sido divertido. — Sim. Eu não percebi isso antes pela bagunça toda. sua voz como seda quando ela anda atrás de mim. e minha mãe me criou melhor do que isso. mas independentemente do que Jessica pensa. É sexy. — Sugar acrescenta. — Diamond sugere escandalosamente. Ela está em uma calcinha com laço e top branco.elas. — Meu turno é longo. ~ 138 ~ . baby. — eu rio. andando até nós. eu vi uma bagunça de minha pista. Eu olho para baixo e vejo seus olhos cor de mel espiando para mim. — eu rio nervosamente. — Eu acho que eu salvei Sugar. é uma ótima ideia. vejo a garota que estava sendo assediada e vou para ela. Quer me levar para comer alguma coisa? — Diamond sugere. — Eu acho que Bobby merece um tratamento. — O que aconteceu? — Diamond pergunta. — Ele me salvou de algum babaca tentando me puxar para fora do palco. Dormir com estas duas meninas me faria sentir como se eu a estivesse traindo. No fundo da sala. — Diamond ronrona. O pensamento de duas strippers me fudendo é atraente. seus olhos levantados em louvor. — Droga. — ela responde. — Eu não posso senhoras. — Tem certeza que está tudo bem? — eu pergunto. passando a mão sobre o meu ombro. parando a poucos passos de sua estação. se levantando. meu coração batendo contra o meu peito em completo pânico que eu estou recusando um ménage à trois.

— Eu sei exatamente o lugar. — comenta Shane. mastigando outro chips e olhando para mim. Você está trabalhando menos? — pergunta ele. — Sim. estourando um chips em sua boca e mastigando de um jeito barulhento. o mesmo. me certificando de que eu não perdi nenhuma chamada através da música. eu posso fazer isso. meus olhos tendo um momento difícil em não acompanhar a ruiva nua caminhando. Abro a boca para responder. — ela informa. — Eu estou? — eu questiono. menos estressada. não sabendo como responder a isso. não há fotógrafos aparecendo ainda. — Você está vendo alguém? — Shane continua. — Não. uma taça de chips nos separam e alguma música espanhola tocando ao fundo. então eu tenho que estar alerta. Eu puxo o meu telefone para fora e o verifico. dando uma mordida. Eu estarei de plantão esta noite. eu não estou realmente disponível. Eu não estou com ninguém. mas a fecho rapidamente. agarrando um chips da taça também.— Sim. Shane acena com a cabeça e olha para fora. eu não quero um relacionamento ou. em qualquer lugar mexicano. Onde você quer comer? — eu pergunto. seus olhos olhando para mim atentamente. mas com este negócio que tenho entre Bobby e eu. — continua ela. Felizmente. Então. — Mexicano. JESSICA Me sento em frente à Shane. ~ 139 ~ . Eu sorrio e aceno. — Você está diferente. apontando para mim quando ela caminha para o seu espelho. correndo minha mão sobre meu queixo. — eu respondo. novamente.

Me perguntando se eu deveria dizer a Shane para correr por sua vida. Minha pele se levanta com um frio repentino. eles pegam os meus. — Você o conhece? — pergunta ele. e ignorando sua pergunta. — eu apresento. Quando a minha temperatura corporal aumenta. Ela está usando um vestido preto curto e os mais altos saltos pretos que eu vi em uma mulher. o que você está fazendo aqui? — o tom de Bobby me perturba quando ele olha entre Shane e eu. e arrisco um vislumbre em Bobby. eu o conheço. Eu olho em volta do restaurante curiosa pelo que tem o meu corpo reagindo da maneira que faz e vejo Bobby. Por que ele está aqui? Eu rapidamente desvio o olhar e vejo Shane balançando a cabeça ao som da música. apontando minha mão entre os dois homens. Shane se move em seu assento. meus olhos arregalados pela consciência.então. Será que ele vai bater em Shane? Eu lanço um suspiro que eu não estava ciente de que estava segurando. Ele tem seus cabelos loiros soprados em todos os lugares por montar em sua moto. Quando seus olhos examinam as mesas. e o colete no topo. mas nunca vimos um ao outro em um encontro ao mesmo tempo. o ar dos meus pulmões congelados. — Eh. fazendo arrepios correrem pelos meus braços. Meu coração gagueja em pânico. talvez dizer a Shane que eu esteja com alguém ele ficará um pouco longe. — Jessica. Bobby. olhando para o que me tem em transe e vê Bobby. este é Shane. seus olhos azuis penetrantes quando ele se aproxima. Eu vejo uma mulher pequena ao lado dele. uma camisa cinza confortável. Bobby e eu temos encontrado outras pessoas ao longo dos anos em que temos nos vistos. este é Bobby. penso em todas as coisas que podem dar erradas nos próximos trinta segundos. isso é certo. Ela não tem medo de mostrar um pouco de pele. estalando outro chips em sua boca. — Shane. e a sala assume uma carga repentina de eletricidade. — eu nervosamente observo. ~ 140 ~ . Bobby e a menina caminham para nosso lado. seu braço enganchado em torno de sua cintura dele intimamente.

tentando apertar a minha mão. Não seria a primeira vez que uma das cadelas de Bobby me dá esse olhar. segurando sua mão para fora. como se eu apenas tivesse surgido debaixo da mesa. se eu não temesse pela vida de Shane. Um garçom se aproxima e coloca uma mesa à direita ao lado da minha e da de Shane. e seu perfume sopra em minha direção enquanto ela aperta minha mão. De jeito nenhum Shane iria sobreviver a uma luta contra Bobby — Na verdade. — Diamond bate ansiosamente e se senta ao meu lado. meu estômago de repente não está com fome. Merda! — Hum. — Oi. a dona da casa pensa que estamos todos aqui juntos. Então. Aparentemente. Estendo a mão e aperto a mão dela. tentando olhar em volta de Bobby para corrigir a anfitriã para o erro. — a menina de pele escura acrescenta. Dou a ela um olhar mortal de volta. Ela me levou para um café quando eu a deixei escolher o nosso primeiro encontro. na verdade. eu tenho que pegar esse tempo em um encontro real. hein? É um encontro. e me preparo para uma competição de tamanho de paus. as sobrancelhas para dentro quando ele olha para mim. e o mandar tomar no cú. Bobby olha antes de. as sobrancelhas levantadas maliciosamente. — Ooh. — É mesmo? — ruge Bobby. — Shane interrompe. ~ 141 ~ .— Shane. é. — Bobby se encosta. um encontro duplo. Percebo como brilha sua pele fora a partir da luz acima da nossa mesa. — Shane cumprimenta. a apertar em um aperto de mão. eu sou Diamond. — Shane explica. Ela é linda. deslumbrante. sentando na minha frente. pegando a nossa atenção. Ela me olha com desgosto. Jessica? — Bobby pergunta. — Bobby. finalmente. — Encontro. — ele responde gravemente. as meninas podem atirar facas pelos seus olhos pela forma como elas olham para mim. Eu ia lhe dizer que sim. — Engraçado. Jessica nunca mencionou você. tomando um gole de sua cerveja. Sorrio um sorriso amarelo. Eu tomo uma respiração profunda. Quando eu apareço a uma festa do clube.

eu sou a pessoa mais aberta. — eu continuo. A mesa fica em silêncio. falando como se fôssemos próximos. sorrindo alegremente para Bobby. sabendo o jogo que eu estou fazendo. — Bom. eu entendo. — Engraçado. — Bobby não leva muito para se abrir. completamente alheio ao que Bobby está indicando. para a virilha de Bobby. ela foi bastante aberta para mim ontem à noite.— Sim. Eu torço o nariz para minha imagem tentando encaixar minha bunda através de uma janela em um banheiro do restaurante. — Shane continua. cara. Bobby nem sequer olha para ela. seu tom fervoroso. — Oh. fazendo minhas bochechas corarem de vergonha. — eu respondo. eu não ouvi você reclamar ontem à noite. em busca de algum tipo de distração. ~ 142 ~ . Minhas mãos agarram um cardápio. tentando escapar de um encontro ruim. sorrindo radiante para mim. o que implica que ele tem um pau pequeno. Talvez haja uma janela lá e eu possa fugir e correr como o vento. Diamond e Shane finalmente percebem a conversa real. Bobby sorri. ela é uma espécie de pessoa discreta. — Bobby zomba. fazendo meu sorriso desaparecer rapidamente. O olhar do gato que está prestes a comer o canário em seu rosto. meu corpo suando nervosamente pela confissão de Bobby. ou correr para a porta. arrastando meus olhos para baixo. — O que é bom aqui? — eu pergunto. — Bobby continua. — Shane menciona. mas jogar o jogo de Bobby contra ele é algo que eu não posso resistir. — eu informo. Eu puxo minha cadeira para trás e vou em direção aos banheiros rapidamente. Eu não tenho certeza se eu quero rir. — Diamond acrescenta. Na verdade. Estou feliz que ela tem alguém com quem pode se abrir. olhando Bobby vorazmente. tentando mudar de assunto. — Ela não é muito discreta comigo. — Eu estou indo ao banheiro. — Mas ele recebe um A pelo esforço. Isso é demais. Eu respiro fundo tentando ganhar algum autocontrole. fazendo Diamond sentar em sua cadeira com uma expressão de desagrado no rosto. minha antipatia não está funcionando. Eu engulo o caroço na minha garganta e coloco o cardápio para baixo. embora eu saiba que não é verdade.

eu. — Eu não posso fazer isso aqui. e agora.Assim que minha mão bate o punho no banheiro. moendo o joelho direito em meu clitóris. Meu corpo treme de paixão. Chamas espalham pelo meu corpo com desejo e minha cabeça cai para trás contra a porta. ~ 143 ~ . e minha respiração se torna ofegante. os prende acima da minha cabeça. Este pensamento e as emoções tanto me excita quanto me horroriza. — ele murmura contra os meus lábios. Ele desliza as mãos pelo meu abdômen e sob o cós do meu uniforme. e espalha minhas pernas abertas com o joelho. Ele agarra ambos os meus pulsos. Estamos em público. Meu corpo se arqueia em um impulso. puxando minha orelha com os dentes afiados. — Ele é nada mais que um amigo. puxando meu lábio inferior que foi puxado entre meus dentes com a sua boca. seus dedos pressionando duramente contra o meu clitóris. com um sorriso cruzando seu rosto. — Por que você está aqui com ele? — ele sussurra em meu ouvido. meu núcleo vibrando com empolgação enquanto os dedos de Bobby tocam contra o meu clitóris. sem fôlego. — Eu.. e eu mordo meu lábio inferior tentando me manter de choramingar. Bobby desliza seu nariz para cima ao lado do meu pescoço. suas mãos deslizando sob minha calcinha. Quando você é minha. Meus olhos pousam em duas íris azuis com raiva. — Somente como amigos. Isso é tão errado. — Um A para seu esforço? — pergunta ele. — Eu te disse. pertencentes a Bobby. mas parece tão surpreendentemente bom. não querendo fazer isso em um restaurante. — ele sussurra em meu ouvido. viro. — ele sussurra em meu ouvido. inegavelmente. — murmuro. e minhas costas bate contra a porta. — eu choramingo. um para o outro. — Vá em frente e negue que nossos corpos são. — Que tal eu te mostrar o quão duro eu luto por buscar a excelência? — ele range. baby. você é minha. me fazendo gemer. eu sou puxada para trás. você é minha. — eu gaguejo. Não é certo fazer isso aqui. — Por que você está aqui com ela? — eu questiono. deixando um rastro ardente de necessidade para trás..

bem. — Bobby avisa.— Você é minha. lembra? — Bobby rosna. Ela está segurando a bolsa com força. seu tom segurando uma energia solene. — Um chamado? — Shane pergunta. menos em nós. eu tenho que sair. Assim que eu me sento. Eu endireito a minha camisa para baixo. seu sorriso emitindo uma deliciosa covinha. Eu começo a descer à calçada. Caminhando de volta. — Shane interrompe. — eu amaldiçoei. não querendo ver mais Bobby e Diamond. — Sim. me afastando da porta. — eu sussurro à senhora. — Desculpe. também. Bobby e eu viramos e encontramos uma velha senhora esperando para entrar no banheiro que Bobby e eu bloqueamos. — Ei. Bobby olha para mim. seus olhos em qualquer lugar. e tento me recompor antes de caminhar de volta para a mesa. Meu estômago fica em nós ao o observar beijar ela. Shane me olha sem jeito. hesitante. Ele o puxa do bolso e o responde quando ele vai embora. Estou com inveja. fazendo com que minha cabeça caia para trás contra a porta. mas sou agarrada pelo braço e paro. ~ 144 ~ . — eu respondo. — Você realmente tem que ir? — Bobby pergunta. Eu estou fora do meu assento e caminho para fora do restaurante rapidamente. quebrando meu contato com os olhos de Bobby. — Aham. Bobby finalmente dando ao meu corpo o que ele anseia. eu acho que o encontro está acabado. seu telefone toca. meu telefone toca com uma notificação. o rosto torcido em vez de radiante de alegria como de costume. Eu paro estática e vejo como ela se acende. os olhos inabaláveis. Seus olhos me prometendo que isto não acabou. Bobby se afasta de mim. Assim quando ele se afasta. desculpe. me desculpe. empurrando um dedo em meu calor. — Tudo bem. mas eu tenho que ir. — Sim. Diamond. — Merda. lhe dando um beijo na bochecha. — eu murmuro.

então eu decidi vir a pé. — Eu vou te ver por aí. eu não poderia me importar menos quem está passando. mas nem uma vez eu me importava tanto quanto eu fiz esta noite. O hospital está apenas um quarteirão de distância. Eu vi as meninas todas subirem sobre Bobby. babe. me deixando ofegante e em uma névoa completa. Eu preciso me esforçar mais em me distanciar. Ele se inclina e dá um beijo na minha boca de abalar a terra. Eu coloco minhas mãos contra seu peito enquanto ele me bebe. — Sem mais encontros para qualquer um de nós enquanto nós estivermos fazendo isso? Mesmo se é apenas com amigos? — sugere ele. — eu respondo. Lábios possessivos me incentivam sob o céu da noite a me entregar. olhando para os prédios. Minha mente está em uma confusão completa. Mas a dor no meu peito de os ver juntos discorda. e ele ficar tudo sobre elas. Neste momento. Sua boca macia devorando a minha é inebriante. mas para fazer isso. — Bobby beija minha testa e vai embora. Isso queima e é como se meu peito estivesse afundando. fui chamada. brincando com o meu telefone. Sentindo as linhas que estabelecemos para o outro desaparecendo em algo mais e eu me pergunto se ele está tão assustado quanto eu estou. Eu ando até virar a esquina. tentando jogar como se eu não me importasse. tudo ao mesmo tempo. e aprofunda o beijo como se eu fosse a única na calçada. eu preciso passar por todo mundo. mas eu posso ver que você não gosta de mim com Diamond. Eu só sei que eu estava com ciúmes sobre Bobby pela primeira vez. e eu odeio o sentimento. Ele agarra a parte de trás da minha cabeça.— Sim. mexendo com as mãos nos bolsos. ~ 145 ~ . Eu dou de ombros. Eu não sei o que está acontecendo comigo. — Não. sentindo seu coração batendo contra seu peito em um ritmo violento. Eu lambo meu lábio inferior e aceno com a cabeça. Meus olhos batem aos seus e giro a cabeça a ponto de eu sentir tonturas. Eu não sei o que estou sentindo ou o que eu estou pensando. — Você realmente tem que ir? — eu pergunto. — ele admite.

ele puxa o seu colete nos ombros confortavelmente. — Você já está aqui. andando com um cigarro pendurado para fora de sua boca. — Eu estava indo para Pizzaria do Greg e eu tomei o caminho mais rápido. Eu olho e vejo Lip segurando seu braço que está remendado com gaze branca. — coaxa Lip. Isso não pode ser bom. Me deixou com raiva quando ele esfregou na minha cara sobre o quão próximo ele e Jessica eram. Após sair do restaurante. — Sim. Me viro e olho para Shadow. — eu respondo. o rosto segurando uma sombra de dor. me fazendo olhar ele com ceticismo. — Soa como uma porra de bagunça para mim. Eu fiquei lá por um segundo para dar uma melhor olhada no que estava acontecendo. sentado perto da cabeceira da mesa. — O que aconteceu com você? — eu questiono. sua voz áspera. Lip entrou em alguma merda e que precisávamos nos reunir rapidamente. Seu cabelo escuro penteado para trás.Capítulo dez BOBBY Me sento na mesa de madeira na sala de reunião do clube à espera de alguns dos irmãos aparecerem. Salpicos de sangue cobrem suas roupas e seu rosto. — Balas me acertaram. Meus dedos batem contra a ripa de madeira quando eu penso sobre ver Jessica com o médico na minha frente. — observa Bull. Um bando de caras entra depois Bull. e se sentam em seus lugares habituais. olhando o sangue vermelho escorrer através da gaze. ainda tocando a mesa. Shadow parece nervoso quando ele corre as mãos para trás e para a frente através de seu cabelo preto. Eu parei para acender um cigarro e vi uma troca entre algumas SUVs em uma viela. Por que você não se explica? — Shadow insiste. curioso com o que diabos ele está falando a respeito. Eu considerei jogar Jessica sobre a mesa e transar com ela bem na frente dele. Shadow chamou e me disse para levar minha bunda para o clube rápido. Alguns homens me ~ 146 ~ .

Eu sinto que há mais da história que ele não está me dizendo. minha cadeira caindo contra o chão com a força. eu corri direto para a Doc. — Lip continua. Eu atirei nele e corri. Concordo com a cabeça. — Como isso aconteceu? — Bull pergunta. balançando a cabeça como se ele estivesse arrependido. Nós não corremos. Ele olha para cima e suspira. e eu fiz uma parada para ele. — Você atirou no fodido Augustus? — eu grito. — informa ele. colocando o cigarro em um cinzeiro. meu coração batendo contra meu peito. — Porque. — explica Lip. — explica ele. seus olhos evitando todos na mesa. Quando ele chegou ao seu lado do carro para entrar. — Por que você fugiu? — pergunta Shadow gravemente. Minhas mãos se tornam úmidas. — Sim. ~ 147 ~ . — Eu corri ao redor de um edifício para recarregar minha arma quando um homem estava sendo guiado do prédio em direção a um carro preto. — era Augustus. — O que você não está nos contando? — eu rujo. balançando a cabeça. Eles deveriam estar fazendo algo errado para sacar suas armas. era ele ou era eu. olhando para baixo. Nós não somos covardes. e imediatamente começaram a atirar em mim. Toda a respiração sai correndo dos meus pulmões a partir do pensamento dos homens de Augustus vendo Lip com Jessica. — Eu me perguntava a mesma coisa no início. então eu atirei de volta.viram. seus homens correram em direção a ele. encolhendo os ombros. mas como eu estava fugindo. mas eu fui mais rápido. ele me viu e puxou sua arma. Eu fico de pé imediatamente. um lembrete de como Augustus quase me matou. — Pode não ser nada. seus olhos nunca deixando Shadow. — Por que eles apenas começaram a atirar? — eu pergunto. e a cicatriz cortando meus músculos do abdômen com dor. seus olhos segurando um sentimento de tristeza quando ele olha para Shadow. — ele murmura. me perguntando por que diabos ele iria correr. — Lip divaga ansiosamente. Lip olha para cima para a mesa de madeira. — ele confirma. Quando ele desceu. as sobrancelhas levantadas quando ele fala.

— Lip quase grita. — Lip responde. num tom exasperado quando ele olha para a parede.— Eu corri. Eu finalmente sinto como se Jessica e eu estamos fazendo progressos. Jessica pode estar em perigo se alguém os viu conversando. — Se alguma coisa acontecer com ela. um irmão vai e a joga para a situação mais perigosa que este clube teve que suportar. Augustus é um selvagem e não se importa quem ele rasga para fazer um ponto. Assim que Augustus tiver a chance. seu tom de voz implorando para eu entender que ele fez o que podia fazer para que ela fosse embora. me tirando da minha névoa de raiva. Em seguida. Ele viu Lip com seu colete e tentou o matar antes que ele pudesse voltar aqui e nos dizer. e expiro lentamente. Eu estava a apenas alguns quarteirões do hospital. e isso poderia arruinar tudo. — Old Guy se movimenta na parte de trás. meus dentes cerrados com tanta força que pode quebrar. Eu esfrego meu rosto. Lip recua da minha ameaça. — Eu não tenho certeza. — Por que ele atirou em você? — Bull pergunta. mas eu gritei para ela me deixar ir. o resto dos caras na mesa em silêncio enquanto eu olho para meu irmão com uma promessa mortal. Desde que conheci Jessica. levando meus nervos a um limite superior. eu bati direto com ela. — Isso não é bom. colocando os punhos sobre a mesa. querendo dar um soco na porra da cara de Lip por colocar Jessica em tal posição. Ela estava preocupada com o meu braço. Meus punhos abrindo e fechando. — a mandíbula de Shadow vibra em raiva. porra. você entende? — eu fervo. Se sente para que possamos entender esta merda! — Ruge Bull. — Bobby. para ficar longe de mim. confuso. e quando eu estava correndo. — Porque ele estava fazendo algo que ele não queria que nós soubéssemos. eu vou te matar. ~ 148 ~ . cara. eu nunca a coloquei em perigo. — Pensei que estávamos em boas relações. — Se alguém seguiu você e viu vocês dois conversando? — eu pergunto. e fechando os olhos tentando manter a calma. Provando a ela que o meu estilo de vida é demais para ela e sua filha. Eu fiz certo o tempo todo. isso é o suficiente. ele estará indo para você e colocará seus homens atrás de nós. num tom solene.

— Eu aposto que é exatamente isso. ou que ele poderia ter sido seguido no momento. matando uma no processo. Não há maneira nenhuma que ela iria sobreviver as táticas dele em fazê-la falar. eles poderiam ~ 149 ~ . e. — eu resmungo. Seu rosto manchado com a idade e pequenas marcas de acne através de suas bochechas. Eu estava preocupada. Me viro para dar uma olhada melhor para ele. Eu ajudei a socorrer Augustus. Se eles tivessem me visto. Ele estava segurando em seu braço. Eu não fui vista com ele. Eu não sabia que ele estava com problemas. mas ele me empurrou e me disse para eu ir me foder. quase me derrubando na minha bunda. ele tentou acabar com cada uma das nossas old ladies. mas sim no sangue e medo. o fazendo um dos maiores chefões do lado oeste. Ele tem todo mundo em seu bolso. eles poderiam vir atrás dela. — Merda. Bobby me ligou porque eu poderia ter sido vista com Lip que estava fugindo após o disparo em Augustus. Ele estava ferido com uma bala no peito. eu preciso ligar para Jessica e avisá-la. Eu apenas pensei que ele estava sendo um idiota. embora. mas de jeito nenhum eu deixaria isso acontecer. empurrando para longe da mesa. seus homens ao meu lado. Quando cheguei às portas do hospital. Para fazer o seu ponto de vista com o nosso clube da última vez. Se eu soubesse quem ele era. Augustus para ser exata. Augustus estava sendo levado às pressas para o prontosocorro. sangue correndo para baixo do cotovelo em um ritmo rápido. eu teria tomado o meu tempo cavando a bala para fora. Augustus é a pior pessoa para fazer negócio. ao mesmo tempo. Sua reputação não foi construída na confiança. seu cabelo preto longo puxado em um boné azul. Se alguém viu Lip com Jessica. e hoje. Augustus precisa ir. JESSICA Eu olho para o meu telefone com descrença quando as enfermeiras colocam o paciente na mesa de operação. — acrescento. eu socorri ele imediatamente. Trabalhando da emergência. Eu estava dobrando a esquina depois de deixar o restaurante e Lip bateu em mim.

imagens de Bobby sendo levado para o hospital quando Augustus atirou nele anos atrás. há dois homens volumosos montando guarda. Lembranças de memórias incendeiam em minha mente. BOBBY Eu olho o corredor fluorescente iluminado. Eu puxo o capuz para baixo sobre o meu rosto. Se ele acordar e lhes dizer quem atirou nele. quase matou Bobby. e agora pode ter a oportunidade de finalmente matar Bobby e o resto do clube. o cheiro de antisséptico forte quando eu entro. Salvei um monstro. passar mais tempo com Bobby. Ele é uma responsabilidade muito grande. Eu disse aos irmãos que eu estava vindo para o hospital apenas para verificar Jessica. Deixei o meu colete de couro no clube. uma praga que pode matar todos que eu conheço. Esse cara matou uma mulher boa dos Devil’s Dust. Eu fiz promessas vazias de ser uma pessoa melhor. ele pode pedir para bater e destruírem todo o clube. As coisas que eu disse que eu faria diferente se Bobby sobrevivesse nunca aconteceu. me jogado na parte de trás do seu carro. eu fecho meus olhos e inspiro profundamente. o capuz esconde meu rosto. Tentando controlar minha mente. Mas agora. mas agora que estou aqui. e o destino final do clube e da vida de Bobby pode retomar a sua linha do tempo mortal. me certificando de que eu não sou visto quando eu sento em uma cadeira em frente ao hall. e de alguém que me interessa mais do que eu estou disposta a admitir. Todas foram esquecidas ao longo dos anos. parece que minhas mentiras estão pagando suas dívidas. Eu só estou carimbando a certidão de óbito do clube. e aceitar o clube como família. e me torturado para obter informações sobre o clube. indicando que eles são homens de Augustus. viver de forma mais aberta. ~ 150 ~ . Eu vejo o quarto que Augustus está. suas cabeças embrulhadas em um lenço verde. e vesti um casaco com capuz azul escuro.facilmente ter me agarrado. eu não posso sair até saber que Augustus está morto. Todos os homens que trabalham para ele vestem verde. Eu pensei que Bobby estava morto quando chegou ao pronto-socorro.

Minhas mãos se contorcem de medo do que eles poderiam fazer com ela se descobrissem com quem ela é filiada. Eu sei que ele está indo contra negócio do clube. — Senhor. antes dela caminhar pelo longo corredor. Eu mantenho minha cabeça para baixo e aceno a cabeça. olhando por cima do ombro nervosamente. Que porra é que ela acabou de fazer? ~ 151 ~ . Eu lentamente me levanto e dou um passo adiante. Ele está fazendo algo contra nós. Eu não sei o que diabos eu vou fazer quando eu chegar lá. andando pelo corredor. Não há nenhuma maneira que eles vão deixar a porta totalmente descoberta. Eu noto algo escondido em seu bolso da calça. Eu não preciso de qualquer atenção indesejada com um confronto. Eu não posso ir lá até que os homens entrem em pausa da guarda ou adormecem. Ela dá um tapinha no meu braço e sai. Eu vejo Jessica caminhar em direção ao quarto. Eu tiro os olhos da mesa e olho para trás no final do corredor onde Jessica está indo embora rapidamente. Eles acenam e ela entra no quarto. por que ele teria tentado matar Lip? Jessica me assegurou que Lip não foi seguido e ninguém a viu com ele. Depois de cinco minutos. me deixando olhar para o corredor. mas eu não quero arriscar. Luzes brancas começam a piscar ao longo do corredor quando um computador na mesa dos enfermeiros emite um sinal sonoro como um louco.Eu ajusto minha pistola na minha cintura quando eu olho o salão sob o capuz do meu suéter. caso contrário. Talvez eu tenha minha chance com um cara. Eu paro em meus passos e levanto uma sobrancelha para seu desconforto. escrevendo algo em uma prancheta. e ela está vestindo o uniforme azul. e corremos armas do seu lado. Eu vejo Jessica caminhar para fora do quarto e dar ao cara ainda do lado de fora da porta um tapinha no ombro com simpatia. seu cabelo louro é puxado para o alto. um dos guardas deixa a porta. Ela fala com um dos guardas do lado de fora do quarto de Augustus e um pico de adrenalina dispara em minha espinha a fazendo mortalmente dura. não querendo que ela veja meu rosto. você foi atendido? Eu não olho para a pessoa me questionando. mesmo se eu tiver que ficar aqui a noite toda. Ele corre drogas em nosso lado da cidade. Augustus morre hoje.

— Dra. — um dos homens que ajudaram a maca de Augustus invoca quando passo pelo quarto segurando seu chefe morto. tentando firmar a minha frequência cardíaca. e minhas mãos tremem quando eu puxo os cordões da minha bolsa. Meu coração está batendo contra o meu peito em mero pânico quando a prova de que eu acabei de matar um homem se esconde no meu bolso. Minha visão oscila com clareza. passa a mão pelo queixo. Eu me afasto do armário e agito minhas mãos em espasmos. Matar. — peço desculpas novamente. — Sinto muito. Minha cabeça bate com remorso instantâneo quando o homem implora para que eu salve seu mentor. e balança a cabeça. encho as minhas coisas nela. Tudo o que eu conseguia pensar era Augustus matando Bobby. Eu inclino minha testa suada contra a porta de metal do armário. Eu não posso estar aqui no estado de pânico em que estou. O cara se afasta. Eu dou um sorriso amarelo e esfrego seu braço. — eu respondo. pego minha bolsa. De. e bato com a porta fechada. Acabei. ~ 152 ~ . — Sinto muito. Um Homem. Eu inalo bruscamente com o pensamento. O sangue do meu corpo está correndo tão rápido. você tem que fazer alguma coisa. inspirando e expirando lentamente. Um baita soluço sai da minha boca. minha voz suave e baixa para esconder o tremor de medo crepitando através dela.JESSICA Eu ando para o meu armário. lhe dando um ataque cardíaco. ganhando algum controle. Depois de alguns momentos em me acalmar. Eu. Eu fiz tudo que eu podia. e a bombeei no braço de Augustus. eu saio do vestuário. Eu tenho que sair daqui. Eu não sei o que eu estava pensando. mas eu sei que o que eu fiz não só irá poupar Bobby e o clube. tentando manter meu coração batendo. o meu tom de voz severa que eu uso com todos quando eles perdem alguém próximo. Enchi uma seringa com adrenalina. mas qualquer outra pessoa que cruzar o caminho do tal chefão. Wren.

Eu continuo a fazer o meu caminho em direção à saída, minhas
costas molhadas de suor nervoso, e minhas mãos tremendo
incontrolavelmente.
— Dra. Wren, — a enfermeira Helga me chama, me parando a
passos da saída. Eu ainda fecho os olhos antes de me virar com um
sorriso brilhante no meu rosto.
— Eu preciso que você delegue o cuidado deste paciente. Eu não
estou certa de que se deve procurar a cirurgia, ou o enviar para a
pediatria e os deixar decidir, — ela divaga, passando um arquivo de um
paciente, seus lábios estalam juntos quando ela o lê. Merda, a razão
pela qual fui chamada, me esqueci com tudo o que aconteceu com
Augustus.
Eu ando para a recepção e ela me entrega o gráfico. O olhando,
não é nada sério, e parece que o paciente será tratado melhor em
pediatria.
— O envie para a pediatria, — murmuro, empurrando o gráfico
sobre o balcão.
— Vou fazer. Vejo você amanha, — enfermeira Helga chama, se
sentando à mesa e levanta o telefone para ligar para pediatria. Eu
levanto minha mão e aceno, caminho em direção à saída, não hesitando
em meus passos. Eu tento retardar os meus passos quando sigo direto
ao meu Jeep, mas eu não posso evitar em aumentar o ritmo. Meu
coração está batendo forte no meu peito, meus pulmões queimando,
tentando se manter com a minha respiração esporádica. Eu tenho que
chegar em casa. Eu tenho que me livrar das evidências.
Eu não posso dizer a ninguém sobre isso

Eu subo os degraus para o meu apartamento, minhas mãos ainda
trêmulas, e meus olhos se encheram de lágrimas ao pensar que
realmente matei alguém de propósito. Eu sou uma médica. Eu salvo as
pessoas, não as mato.
Eu pego as chaves no bolso, minha mão batendo a prova em
minha calça. Eu fecho meus olhos e abano a cabeça, pesco minhas

~ 153 ~

chaves o resto do caminho até a porta. Quando eu olho para cima, vejo
alguém encostado à porta do meu apartamento, com as pernas
cruzadas na frente dele. Eu paro quando eu olho a pessoa. Ele está
vestindo um casaco com capuz de cor escura, o capuz puxado sobre seu
rosto enquanto ele olha para baixo. É um dos homens de
Augustus? Dou um passo para trás, e minhas mãos trêmulas vacilam
colocando fora todo o medo. As chaves na minha mão caem, fazendo
um barulho alto quando caem no chão.
Merda.
Eu olho para cima de minhas chaves agora no chão e vejo Bobby
olhando para mim de debaixo de seu capuz.
— Bobby, — eu choramingo, lágrimas enchendo os olhos de
alívio. Eu tento me segurar. Eu não quero que ele saiba que eu acabei
de matar Augustus. Eu não quero que ninguém saiba.
Ele se empurra de minha porta e vai em minha direção
rapidamente. Eu me inclino para baixo e pego minhas chaves, fechando
os olhos com força para empurrar as lágrimas, tentando mascarar
minhas emoções com um sorriso falso.
Bobby agarra meu rosto, suas grandes mãos cobrindo meu rosto
com firmeza. Meus olhos lacrimejantes olham diretamente para seus
largos olhos azuis. Levanta as suas sobrancelhas para cima, e as suas
narinas se abrem a partir da respiração difícil em seu nariz.
— O que você fez? — sua voz é trêmula, mas firme.
— Eu... — ele sabe. Ele sabe que eu fiz algo para Augustus. — Eu
matei Augustus, — eu sussurro, as lágrimas começam a derramar dos
meus olhos. Eu abaixo a minha cabeça, me xingando por apenas ir
cuspindo uma confissão que eu jurei não contar a ninguém.
Bobby inala bruscamente como suas mãos em minhas bochechas
mais duras. — Por que você fez isso? — ele sussurra em descrença.
— Por você, — eu murmuro, uma lágrima caindo contra os meus
lábios quando eu olho para as suas duas órbitas azuis que pertencem a
este homem que eu tenho me apaixonado.
Assim quando eu acho que ele está prestes a gritar comigo, ele
esmaga seus lábios nos meus. Eu agarro seus pulsos, o beijando de
volta. Meu lábio superior sentado confortavelmente entre os seus. Ele

~ 154 ~

mordisca a minha boca enquanto seus polegares acariciam meu
rosto. Esse beijo, não é como qualquer outro beijo que Bobby e eu já
tivemos um com o outro. Esse beijo é desesperado; é desesperadamente
arrasador.
— Sua estúpida, estúpida, — Bobby murmura contra os meus
lábios, seu tom emotivo.
Ele aguara as minhas coxas e se vira, nós andamos até minha
porta, seus lábios nunca deixando os meus. Ele pega as chaves da
minha mão, nos soltando. Assim quando estamos dentro e a porta está
fechada, ele me prensa contra a parte de trás dele, deslizando uma das
mãos até o meu top, amassando meu peito. Eu tomo minhas mãos na
parte de trás do seu pescoço e puxo minha camisa sob a minha cabeça,
expondo em meu sutiã rosa. Ele me puxa para perto, sufocando o rosto
no meu peito, e deixando uma sugestão do meu perfume em seu
rosto. Ele nos puxa para longe da porta, tropeçando contra o sofá no
meio da sala, derrubando uma lâmpada no processo. Ele nos abaixa no
chão, com as mãos desafivelando o cinto de couro, ansioso para
empurrar suas calças para baixo. Seu pau é duro e inchado até o ponto
que parece doloroso. Eu lambo meus lábios pela curva que exibe seu
pau, minha buceta doendo de o ter dentro de mim. Eu deslizo minhas
mãos para cima de sua camisa, meus dedos deslizando contra seus
músculos definidos. Ele se abaixa em cima de mim, meus dedos
deslizando para baixo em seu peito para sua cicatriz; a cicatriz causada
por Augustus. Bobby olha entre nós, olhando para meus dedos
acariciando sua cicatriz antes de olhar para mim. Seus olhos firmes
quando ele olha para mim com uma paixão mais profunda do que
ontem. Eu envolvo minhas mãos em volta do seu pescoço, e puxo os
seus lábios de volta para os meus. Sua boca desesperadamente toma a
minha em um beijo de tirar o fôlego. Ele se afasta, roçando seus lábios
ao longo da minha bochecha enquanto ele se se senta sobre os joelhos.
— Eu vou te foder, Jessica, — ele sussurra em meu rosto,
acariciando seu pau.
— Por favor, — eu lamento, arqueando as costas do chão,
agarrando sua camisa pela gola, e a puxando por cima da sua cabeça.

~ 155 ~

Bobby me fodeu no chão do meu apartamento como se tivéssemos
a cura para o mundo ferrado em que vivemos. Nossas mãos agarraram
tudo o que podiam para tocar e nós agarramos os ombros um do outro
pelo imenso prazer, deixando marcas. Sem mencionar que ambos têm
queimaduras nos joelhos, cotovelos e quadris por causa do tapete. Eu
estava posicionada em cima de Bobby, por baixo, e até mesmo ao seu
lado. O tempo todo eu estava perdida em Bobby, sua respiração difícil
no meu ouvido, os ruídos que ele fez quando ele gozou dentro de
mim. Ele chegou a algo profundo dentro de mim, quebrando a emoção
reprimida que eu tentei negar por muito tempo. O cheiro de coco e
couro vindo de Bobby era um conforto para o meu medo; era a minha
serenidade e fez o terror mudar em êxtase e prazer puro.
Quando eu fechei meus olhos, tudo o que eu pensava era Bobby,
e quando os abri, tudo o que eu via era Bobby. Travis não era mesmo
uma cinza no inferno dentro da emoção crua no chão do meu
apartamento. O tormento de Travis, o medo de viver o hoje, ou o terror
de ontem tinha ido embora.
— Jessica, — Bobby sussurra em meu ouvido por trás de mim,
seus braços puxando meu corpo para a curva do seu.
— Sim? — sussurro meio dormindo, meu corpo e mente
incapacitado de acabar de ter o sexo mais vigoroso do que nunca.
— Você sabe, eu teria adorado te levar a um café, — ele respira,
roçando a concha da minha orelha. Meus olhos abrem quando eu penso
sobre o quanto Shane se queixou de me levar a um café.
— Eu nunca cheguei a te levar em qualquer lugar, te levar em um
encontro adequado. — as mãos de Bobby correm para cima e para
baixo do meu lado enquanto ele fala.
Viro a cabeça ligeiramente, o ouvindo falar.
— Eu quero te levar em um encontro, Jessica, — ele sussurra
contra o meu pescoço, roçando os dedos tatuados na minha bochecha.
— Bobby, — eu digo.
— Me deixe te levar em um, — ele interrompe. Um encontro. Isso
me lembra da nossa primeira vez, quando ele só queria me levar para
um passeio. Aquela noite foi à noite que eu me notei cada vez mais
ligada à Bobby. Eu estava mais do que assustada com os sentimentos
em relação a ele. Eu estava aterrorizada brutalmente. Eu cerro os olhos

~ 156 ~

e suspiro. O plano de nos distanciar indo na direção oposta. — eu sussurro. — murmuro. — Eu odeio dizer isso. Eu sorrio. Inofensivo. ajustando minha cabeça no travesseiro pequeno do sofá que detém tanto minha e a cabeça de Bobby. Eu puxo o post-it azul do meu braço e olho sobre ele. e aí que reside o problema: eu gosto de estar com ele. Acordo de manhã. Eu iria gostar. lugar de jogos. — ele murmura na parte de trás do meu pescoço. Me assusta que eu posso perder a única pessoa neste mundo que poderia levar o que restou do meu coração e o incinerar. ele provavelmente vai me levar para um churrasco. fechando os olhos para dormir. a sensação dos dedos de Bobby acariciando minha imperfeição acolhedora em vez de sufocar. Sua vida e a minha são muito diferentes. Eu não quero estragar o que temos. — Apenas um. Eu respiro profundamente enquanto suas mãos deslizam ao longo das cicatrizes da minha costa com ternura. sua respiração me fazendo cócegas. mas meu corpo não fica tenso e minha mente não pisca com as memórias de quando estava sofrendo. Eu sabia que isso iria acontecer e que nós dois iriamos quebrar nossas próprias regras. Mas não importa onde Bobby me leve. uma nota aderindo a meu braço me bate no rosto. ~ 157 ~ . Isso não significa que estar juntos seria uma coisa ruim. mas ambas as nossas vidas são pouco convencionais Jessica. Minha mão afasta o cabelo do meu rosto. muito complexas para misturarmos. ou algo para o clube de qualquer maneira. Estarei de volta — Deusa Sexy — Deusa Sexy? — eu rio. aparentemente chocado com a minha falta de rejeição. se erguendo do chão para ver meu rosto. — Ok. com meu corpo dolorido do abuso de Bobby tão deliciosamente entregue ontem à noite. É Bobby. — murmuro sem pensar. — Sim. Bobby. Era inevitável com a força esmagadora que temos um pelo outro. — Sim? — responde ele. talvez.

Ele ficou muito selvagem na noite passada. me entregando um copo. — Então eu posso me livrar dela. — Mmm. — Por quê? — eu pergunto. Eu ando para o quarto e encontro um short de ginástica e um top branco. puxando para fora um sanduíche do café da manhã.Eu estico meus braços e olho ao redor da sala. eu preciso chegar ao clube. Café. grata. Estou amarrando meu cabelo em um rabo de cavalo e a porta da frente se abre. eu suspiro. franzindo o cenho para mim. — observa ele. — Só para você. Ele olha para cima. Seu cabelo loiro é ainda uma confusão de ontem à noite. porém. Eu não quero que Addie entre e me veja nua. e se apoia contra o balcão com as duas mãos segurando os lados. encontrando minhas roupas penduradas por todo o chão e a lâmpada derrubada. — eu respondo. — Eu não quero que eles saibam coisa alguma sobre o que eu fiz. Bobby bufa e caminha ao redor do balcão. — Você não está a levando para o clube. claramente ofendido. os lados dele quente contra a palma da minha mão. Eu sorrio e o pego. Bobby sorri. revelando duas covinhas sexys em suas bochechas e coloca o saco sobre o balcão. Ele mexe no bolso e tira o celular que está vibrando. Ele ainda parece sexy. — eu digo aflita. e o coloca de volta no bolso. — ele sussurra. Isso seria uma conversa estranha. Eu o seguro no meu nariz e inalo. cruzando os braços. Bobby. Minha boca de repente fica seca e minha garganta contrai a sua pergunta. num tom como se eu devesse saber disso. — eu rujo. O clube teve alguns casos em ~ 158 ~ . Bobby entra com um saco em sua mão e um suporte de copo na outra com um par de copos. — ele responde. me voltando para cavar o saco de comida. e suas roupas estão enrugadas de rolar de dentro para fora no chão. debaixo de seus cílios grossos. — E por que isso exatamente? — pergunta ele. e os coloco. mesmo com um olhar refutado escrito em seu rosto. — Merda. Me virando para o encarar. babe. — Onde está a prova? — pergunta ele gravemente.

— As deixe. correndo minha língua ao longo do meu lábio inferior nervosamente. — ele murmura. ele sorri. Sei que ir contra o seu clube faria dele uma daquelas pessoas que traem a irmandade. — Está no meu bolso. causando uma tempestade de merda em seu rastro. — Eu entendo isso e não vou dizer nada para o clube. me ignorando. Eu não posso dar chance de que ainda há um rato nesse meio que não tenha sido eliminado. — A menos que isso precise ser trazido à luz. puxando a seringa tampada — Eu vou ter certeza que ninguém ache isso. — O seu clube tem um histórico ruim. fazendo um barulho estridente contra a palma da mão. Ele sorri e se levanta. me surpreendendo. sua mão esfregando a barba em seu queixo. ~ 159 ~ . — eu aponto meu dedo para ele. Bobby acena com a cabeça em compreensão. me fazendo gemer em resposta. encolhendo os ombros. Bobby caminha até minhas calças amassadas. Ele olha para baixo e vê minha calça de trabalho com minha calcinha rosa enroscada entre as duas. e as coloca no bolso das calças de brim. apontando para minhas calças que estão junto à porta. — Tudo bem. Ele se abaixa. meu tom sério. com cuidado deslizando as mãos no bolso. então lhe pedir para não dizer nada a não ser que ele tenha motivos para o fazer. e vidas foram tomadas no processo. — continua ele. — resmunga. Essas são as minhas calcinhas caras. Quantas pessoas vieram e disseram que eram leais e acabaram por não ser o que você pensou que eram? A última coisa que eu preciso é alguma palavra sobre eu ter matado o maior traficante de drogas da Califórnia. — eu respondo. — Verdade? — eu pergunto.que as pessoas têm vindo a se dizer ser uma parte do MC. Olhando para mim. amigo. — Então. a colocando no bolso. — Por favor. apenas para descobrir que eles eram inimigos do clube. pega minha calcinha. — ele responde. onde está a prova? — pergunta ele. hesitante. — eu explico. — murmuro.

encontrando ninguém lá. Poderia ser um dos homens de Augustus? — Mãe? — eu ouço e me viro rapidamente. Eu dou um meio sorriso. as pegadas no corredor e percebo que a impressão do sapato é pequeno demais para ser de Bobby. dormindo no teclado do seu computador portátil — Addie ri. Não é a primeira vez que ela está dormindo em seu laptop e babando em seu teclado. Ela quase me deu um ataque cardíaco. Bree está no meu quarto. Eu deslizo para fora do banco e caminho em direção à porta. me dando uma piscadela antes de abrir a porta. A maçaneta para. Meu batimento cardíaco pegando ritmo no meu peito. vestindo seu pijama Hello Kitty. me fazendo levantar uma sobrancelha. Alguém estava tentando entrar no meu apartamento. Eu olho para baixo do hall e identifico pegadas enlameadas manchando o tapete da minha porta para as escadas. Eu olho dentro do meu apartamento curiosa se Bobby trouxe lama no fundo de seus sapatos. Merda. mas não há um traço dele no chão do meu apartamento. Eu destranco a porta e a abro. — Eu vim para cá tarde da noite ontem para dormir. a trancando. Eu suspiro pesadamente e me sento no banco. minha mente correndo selvagem com o que aconteceu nas últimas vinte e quatro horas. eu pensei que você estivesse na Bree.— Vejo você amanhã para esse encontro. — eu respondo. Eu ouço a frente da porta fazer barulho. Eu olho para trás. olhando ao redor na bagunça da minha emocionante ~ 160 ~ . eu esqueci o encontro. — O que aconteceu aqui na noite passada? — Addie levanta uma sobrancelha. — acrescenta ele. Meus olhos se arregalam e meu coração afunda. Eu me empurro na ponta dos pés para olhar pelo olho mágico. bebendo meu café. — Hum. agarrando meu peito em pânico. mas eu não vejo nada. encontrando Addie esfregando os olhos tentando acordar. me fazendo olhar por cima para ela com cautela. — Addie? — eu questiono alto. só a porta de Bree na frente. Meu coração gagueja. Bree é uma tola estudando. Eles estavam esperando Bobby sair? Eu bato a porta e a tranco rapidamente. meus nervos em frangalhos me impedindo de ver o humor completo da situação. e saindo.

— Que diabos? — eu sussurro. Alguém entrou no meu armário e vasculhou tudo. — Com fome? — eu pergunto. olhe. eu nunca o ligo. evitando a pergunta. um estúpido movimento. — eu respondo. observando Addie pegar os alimentos do saco. apontando para o balcão contendo o saco que Bobby trouxe. O céu se enche de nuvens cinzentas e há um relâmpago à distância. Mais perigoso do que qualquer coisa que eu já fiz. Wren. ~ 161 ~ . e eu rezo que Bree tinha seus fones de ouvido. Bobby pensou na minha filha. — Boa tarde. — Tarde. Eu deveria ter ligado. canudos extra para fazer lagartas. Matar Augustus foi estúpido. Eu corro em direção à entrada quando a chuva começa a cair contra a minha pele. mas meus nervos estão no limite. mas se eles tivessem e eles fizessem uma autópsia. segurando um punhado de palhas.sessão de sexo com Bobby. nenhuma razão para ter qualquer suspeita de jogo sujo. — Addie grita com entusiasmo. Andaria a pé para o trabalho hoje. Eu me inclino contra a parte de trás da porta e mastigo minhas unhas nervosamente. Addie balança a cabeça e corre para o balcão. puxando o saco ansiosamente. Meus olhos se arregalaram e abro minha boca no gesto sincero. Graças a Deus Addie é uma pedra quando dorme. Dra. Eu respiro fundo e saio do meu jipe. mas seria suspeito. O que diabos eu estava pensando? De onde veio tanta coragem? — Ei. uma onda de adrenalina no exame de sangue de Augustus poderia se voltar para mim. minhas coisas espalhadas por todo o chão. — a enfermeira Helga grita da mesa. indo para o vestiário. ansiosa. Não há nenhuma evidência de que eu tinha alguma coisa a ver com a morte de Augustus. as palmas das mãos suando. Eu ando até o vestuário e encontro meu armário amassado e escancarado.

eu não culpo Shane por me dar tratar friamente. Eu limpo e espirro um pouco de água fria no meu rosto. ~ 162 ~ . Eu suspiro e deixo minha cabeça cair contra a porta. — Dra. Portanto. — Tudo bem. doutora parece que você foi roubada. curiosa porque ele está agindo desse jeito. — eu respondo. inclinando a cabeça para o lado. obviamente. está tudo bem. e agora isto. Wren. e eu não quero isso. — Sim. Eu sei que não fui roubada. Com o encontro que nós tivemos. eu vim aqui para te dizer que precisamos de suporte e preciso de você aqui fora rapidamente. — Você está bem? — pergunto. — Shane. nada mais irá ocorrer. Eu estava tão consumida no que eu estava olhando para eu a sintonizar. então. pegando papéis do chão. Eu sou uma bagunça suada. possivelmente uma seringa com minhas impressões sobre ela. caminhando de volta para a porta. — observa ele. Eu deveria chamar Bobby. Seu tom é formal e não amigável. tudo bem. escrevendo na prancheta em suas mãos. — murmuro. — O quê? — pergunto. — Sim. Alguém estava procurando alguma coisa. mas isso o levara a falar com o clube sobre o que eu fiz. — Não.— Oh. quase esbarrando quando eu saio. Eu estarei lá em um minuto. — Shane cumprimenta. Ela coloca a mão no meu ombro me fazendo pular. Eu me viro para a encarar. — explica ela. tudo bem. — eu respondo. Quem quer que esteve aqui não encontrou o que estava procurando. Ele me dá um sorriso falso antes de sair. — Você quer que eu chame a segurança? — pergunta Helga. meu rosto ficando vermelho. — a enfermeira Helga suspira atrás de mim. dizer a ele sobre as marcas de lama. Eu enxugo o suor frisado já se formando em minha testa e saio do vestuário. esperamos que. meus nervos levando ao longo de todo o meu corpo. e a forma como Bobby entrou em um jogo machista com ele. exasperada.

eu diria que você está tomada. Ele para e enfia a prancheta debaixo do braço. apertando a ponta de seu nariz. se você optar por ver isso dessa forma ou não. Jessica. não tenho certeza o que somos exatamente. — eu continuo. dando uma gargalhada antes de se virar para ir embora. — Sinto muito sobre ontem. Bobby e eu. lambendo os lábios enquanto ele aperta os olhos. me desculpe. minhas mãos apertando com força. Eu aperto minha mandíbula. o jeito que você estava olhando para ele. — afirma Shane. Eu estava com medo de que Bobby pudesse matar Shane também. — Eu. meu rosto ficando nervoso com o calor... — Me faça um favor... você é uma grande médica e uma mulher incrivelmente talentosa. A maneira que o cara estava olhando para você na noite passada. — Eu só vou acreditar o que eu vi ontem à noite. Considerando como ele ficou na defensiva logo de cara. — Sim. olhando para mim. — Eu pensei que o cara ia quebrar meu pescoço apenas olhando para mim. seu tom calmo e recolhido. — ele bufa.— Shane! — eu grito. balançando a cabeça. — eu me esforço para responder. Shane bufa.. nervosa com a forma como ele está avançando. — Shane. não importa o que você possa pensar.. — Não é um relacionamento. Jessica. isso é o que eu pensei. Quero dizer. correndo pelo corredor. — eu me esforço para encontrar as palavras. — Shane reclama. Shane exala uma respiração cansada. — Shane responde. ~ 163 ~ . — observa Shane. minha boca estava aberta em estado de choque. e olho para o corredor.. A raiva borbulha para a superfície em seu tom bruto. Eu rolo meus lábios um no outro. mas você não está disponível. — eu confronto ao me aproximar dele.. — Olha. honestamente. — O quê? — eu pergunto. — Você está transando com ele? Porque você voltou do banheiro muito corada. e ao resto da população masculina e diga ao próximo coitado que vai a seu encontro que você está vendo alguém. então o que eu mesmo tenho a dizer sobre isso? — Você está transando com ele? — minha cabeça se vira na direção de Shane.

— Ei. Shane. sua cor virando um branco fantasmagórico. Esse cara provavelmente teria quebrado seu pescoço. — eu zombo. — Eu tentei te avisar que eu não queria ir a um encontro com você. — ele se vira. Eu sorrio antes de me virar e caminhar para fora. Da próxima vez que uma mulher disser isso para você. Alphas como Bobby tendem a tirar o mais fraco do grupo. seu sorriso arrogante. você pode tomar a dica. meus olhos estreitos de raiva. — E você está certo. que eu não faço encontros de menina. — o rosto dele cai. ~ 164 ~ .

isso funcionou para todo mundo. isso é o que Jessica me disse. Eu acho que nós vamos dar uma voltinha. Eu me sinto como merda não confiando em minha fraternidade quando eu sei que eu deveria. — comenta Bull. Eu odeio não dizer ao clube tudo que eu sei. — Temos alguma notícia que os Howlerz foram comprar armas de Augustus. acendendo um cigarro. Os Howlerz sao um MC pequeno aqui na cidade. — Bem. com medo por sua segurança se tiver alguém do lado de Augustus debaixo da mesa.Capítulo onze BOBBY — Como assim ele morreu de um ataque cardíaco? — pergunta Lip. Mas Jessica me pediu para não falar. Felizmente. mas se eu estou sendo honesto. Eu olho e vejo Shadow me olhando com desconfiança. Ele sabe que eu estou mentindo agora. Concordo com a cabeça e dou um sorriso de boca fechada. Ele levou um tiro por namorar a filha do presidente e eu estava lá ao seu lado. bloqueando os meus dedos e descansando minhas mãos sobre a mesa. Ele se parece como a merda. — Sim. Como Shadow e eu crescendo juntos. então. esse patch VP não lhe subiu a cabeça. sentado ao meu lado na mesa da sala de reunião. Eles geralmente compram armas e às vezes maconha. e seu curativo no braço precisa mudar. revendendo a maconha e nos cortando do ~ 165 ~ . sabemos com o olhar e o tom um do outro quando estamos falando besteira. Merda. ele vai contra tudo o que acredito. olhando a fumaça de seu cigarro e subindo em direção ao teto. Houve um tempo que eu me levantei contra ele e o clube quando ele e Dani entraram em alguma merda. — Bull ri. — eu explico. É melhor que ele esteja cobrindo minhas costas agora. Eu olho para longe e toco meus dedos contra a mesa. uma sobrancelha levantada. Seus olhos são injetados com sacos escuros sob eles. o nosso clube teve alguns filhos da puta obscuros circulando aqui no passado.

— Vamos montar. mas eu tenho trabalhando os pesos aqui ultimamente e posso facilmente levar sua bunda. Eu subo a minha sobrancelha para ele. meninos. — Temos alguns problemas de raiva aí. torcendo seu braço atrás das costas. Assim quando eu chego à porta. a gente se ferra no final. como são um clube pequeno. atáagora. virando a cabeça para olhar para ele totalmente. a chutando de volta para o lugar. começando a sair. — Eu não sei o quer dizer. Eles comprando de outra pessoa enquanto estão aonde nós mandamos é humilhante. — Então. Me levanto. — ruge Shadow. sabendo que eu estou mentindo. Shadow bufa. — Entendi. uma mão segura no meu ombro. mas negociar com outra pessoa. puxando a pistola da cintura. Chego com meu outro braço e lhe agarro de forma rápida. Lip? — eu pergunto. e o empurro sobre a mesa. da minha cadeira de sempre.pagamento. sua voz baixa se certificando de que ninguém o pode ouvir. dissipando a dor. apertando meu ombro. assistindo Shadow de perto no caso dele tentar retaliar. Ele é forte. — ele exige. eu lhe dou isso. — eu respondo. Eu me afasto e corro a mão pelo meu cabelo. Todo mundo se levanta da cadeira. ~ 166 ~ . — O idiota do Augustus atirou em mim. se levantando. seu tom de riso desapareceu. rindo. — Tente de novo. apontando para o braço. Nós perdemos o negócio e nossa credibilidade nas ruas tendo outro MC competindo tão perto de casa — Eu estou dentro. o que realmente aconteceu? — Shadow rosna no meu ouvido por trás. — acrescenta Lip. entao não ficamos encanados com eles no nosso território. Para que? Para lidar com esses bundões? — ele grita. Era diferente quando eles usavam nosso merchan e a gente pegava uma parte. tentando me intimidar. Eu entendi. Eu flexiono meus músculos sob seu controle. Ele começa a rir quando eu torço o braço mais duro. — Shadow grita. eles compram em dinheiro vivo. apertando com força.

Só não deixe essa merda chegar ao clube no final. mas os inimigos também. minha mandíbula apertada. — Que porra é essa que você disse para mim? — a cabeça de Shadow balança com raiva. O rosto de Shadow suaviza quando ele concorda. Eu só não quero que ninguém se machuque ou pior. a minha voz grave. e eu entendo isso. mas eu não o culpo. É assim que você sabe que eles não têm estado ao redor há muito tempo. — Eu acho que você está protegendo Doc. Nenhum clube com histórico lançariam a logo do seu clube na frente de um edifício. não me interprete mal. esticando o braço que eu torci por trás das costas. — eu balanço minha cabeça. Concordo com a cabeça e sigo em direção à porta. — repito. então nada aconteceu. não está rolando. irritado que correu como uma cadela de Augustus. ou ele vai ter mais do que um arranhão de uma bala. Mas estar lá me dizendo o que vai acontecer depois de tudo que eu fiz para você. irmão. irmão. Ele está querendo sangue. — ele admite. É melhor ele se acalmar. — Você está certo. Eu não sabia a metade da merda que estava acontecendo entre você e a Dani. Não só atrai a policia. Ele estava agindo com sabedoria. irmão. Lip passa por mim. — Eu tinha suas costas quando você se encontrou com Dani. vindo atrás de Shadow e Bull. ~ 167 ~ . declarando que essa conversa acabou. — responde Shadow. — Eu tenho suas costas. Nós chegamos a uma pequena loja que tem o logotipo Howlerz impresso no vidro em castanho e branco. — Você me ouviu. Não deixe que o patch de VP chegue a sua cabeça. quando tudo foi fodendo rápido por aqui. Eu amo a Dani como uma irmã e faria tudo de novo. — eu enfrento. — Não vai. — eu respondo.— Eu disse que nada aconteceu. Ele estava em desvantagem e não tinha a menor chance. A chuva cai. mas eu levei uma bala no mínimo para isso. Shadow caminha até mim e dá um tapa em minhas costas. me bate no rosto quando nós montamos para os Howlerz.

chutando uma tábua solta com minha bota. cara? — Leo explode. — Leo agarra. a abre e caminha sem ser convidado. Acabei de fazer isso? Mais ou menos. Aviso ao filho da puta que se ele tentar qualquer coisa. bem. — eu insulto. Há um sofá de couro rasgado colocado no centro do clube. com prateleiras segurando uísque barato. e caminha até a porta da frente. A pior coisa que um irmão poderia fazer é insultar o patch de outro clube ou colete. apontando o dedo sujo na minha direção. apenas nos encontre Bain para que possamos dar o fora daqui. saindo do sofá rasgado. descansando a mão em sua arma no coldre. um pole de stripper no canto e o que eu acho que é suposto ser um bar no lado oposto da sala. — O que você está fazendo aqui? — um dos homens pergunta. Bain é o presidente deste pobre estabelecimento. — Bull intervém. inclinando o queixo para cima defensivamente. — Bem. Trovões explodem no céu quando a chuva cai com mais força. — Tudo bem agora. e o único que tem de explicar suas ações ao cruzar por nós. coloca seu capacete no guidão. Ele caminha para frente. ele não hesitará e o matará. — Bull canta. Eu sigo e balanço a cabeça para trás e para frente. — Eu não sei. — Você insulta nosso clube. Bull? — eu olho em volta e vejo Leo e Bain. empurrando Leo no peito. Eu vi casas de crack em melhor forma do que este lugar. — Onde está Bain? — Bull pergunta. Ele é cerca de um palmo mais baixo do que eu. bem. jogando fora as gotas de chuva que se agarram ao meu cabelo. de olho no clube de merda. com cabelo ~ 168 ~ . — O que posso fazer por você. Este lugar é uma imundice. em seu patch está escrito Leo quando ele olha para Bull. lhe mandando fazer a busca. É pequeno e feito de madeira marrom. Bull sai de sua moto.Eu paro a minha moto em um local de estacionamento e desligo o motor. — Talvez o Howlerz devesse negociar sua bunda inútil para uma empregada doméstica quente.

vamos sentar e fazer alguma merda por escrito. Eu sorrio e pisco de volta. A mulher loura lambe os lábios. a abrindo com os dentes. apontando sua arma de volta em Bain. Ela olha para cima. — O que está errado? Algo não é engraçado? — Bull pergunta. Bull. Eu paro de rir e abaixo as mãos. Os Howlerz param de rir imediatamente. Shadow e Bull fazendo o mesmo. ele pratica caratê de merda. — Eu não me lembro de assinar qualquer coisa. Bull e Shadow também. e apontando direto em Bain. A cadela magra que fodia o pole foge para uma das portas atrás dela chorando. tirando o cabelo do rosto e pisca sedutoramente para mim. Você compra de nós. me fazendo rir. — Bull o lembra quando ele arranca um cigarro de seu bolso. Mas ele é forte como merda. fazendo com que o resto dos seus homens riem junto com ele. — Eu pensei que tínhamos um entendimento. — explica Bain. me olhando quando eu aponto uma arma para o homem com quem ela acabou de sair do quarto.escuro e uma faixa grisalha na frente. e você pode ficar no meu território. Isso é tudo. Um estampido alto sai. fazendo a loira saltar e gritar. — comenta Bain. ~ 169 ~ . — Você atirou em mim. Rindo como se a piada fosse sobre nós. olhando para a perna como se ele fosse cair. O cara se abaixa e traz uma garrafa de cerveja empoeirada. estalando os dedos para algum jovem rapaz sentado atrás do bar de merda. inclinando a cabeça para o lado condescendente. — Bain zomba com arrogância. amarrando a frente da blusa em um nó. sangue escorrendo através de seu jeans. cara. Eu começo a rir junto. porra! — Leo grita. Era apenas mais barato. e pelo que ouvi. Uma menina loura bonita anda atrás de Bain. seus rostos pálidos. — Eu ouvi que você está fazendo negócios com alguém debaixo da mesa. Leo olha para sua perna. cortamos o lucro. inclinando a cabeça para o lado. — Eu gosto de ver sangue. e a entrega a Bain. agarrando minha pistola do coldre. — Olha. Isso é verdade? — Bull pergunta. — Não foi nada pessoal. — Shadow ruge. dando uma risada.

caminhando ao meu lado. — Estou surpreso que você não tentou a levar para casa. ela estava. suas sobrancelhas franzidas para baixo em confusão. — Bull ameaça Howlerz. — eu rio. — Eh. Eu teria agarrado aquela loira e a levado em qualquer outro dia. ignorando sua observação sobre a mulher flertando comigo. andando perto de mim. Seguimos para a saída. — eu ri. De volta ao clube. batendo seu piercings de língua com a sua língua. Apenas para baixar a bola de Bain. — Tom olha para sua perna e encolhe os ombros. colocando a arma no meu coldre. — Se apenas assinar a papelada para uma moto nova fosse tão fácil. — Bain grita. — Devemos negociar os termos? Insistir um pouco mais? Porque eu tenho um monte de balas. Shadow de olho em Bain quando nós saímos apenas para se certificar que ninguém tentaria ser estúpido. — Como está a perna? — eu questiono. isso é o suficiente. — Não. Ele está certo. Ele está claramente em desvantagem. — Tom Cat ri. nós estacionamos nossas motos e seguimos para a sala de reunião do clube. — observa Bull. — Sim. Você fez o seu ponto. é muito desagradável de olhar. ~ 170 ~ . ele é inteligente para dar tão facilmente. colocando seus braços acima no ar. — Aquela cadela estava totalmente te comendo com os olhos. O que há com você? — pergunta Lip. — Bom. colocando sua arma no coldre. Não vamos entrar em qualquer outro lugar. mancando em sua perna. — Não me faça voltar aqui.Eu aponto a minha arma para outro dos homens sentados no bar. — afirma Lip.

Seus olhos viram e sua boca se abre enquanto ele me olha fixamente para baixo. terminando a conversa. — sussurra Bull. olhando para mim como se eu fosse louco. eu poderia chutar a bunda dele por me chamar de louco. Não é mentira. — Você está? — Lip ri. O bar e todo o uísque no assoalho quebrado. me dando tapinhas nas costas. — Merda. Eu olho feio para sua confissão e abro as portas do clube. junto com bancos e as cadeiras e a TV encima do bar. — continua ele. ~ 171 ~ . — eu respondo.— Tenho minha mente em outros lugares. — Lip para. — Estou levando Jessica para sair hoje à noite. — Todo esse tempo eu pensei que você estava apenas louco quando contava histórias sobre estar com Doc. correndo a mão pelo meu cabelo ansiosamente. de olho no caos. não é o estilo deles. Você estava realmente dizendo a verdade. Minha boca cai aberta e meus olhos se arregalam. — eu informo em breve. Jessica concordando em ir a este encontro comigo me deixa nervoso como o inferno. — eu respondo. Eu paro e sorrio como um colegial que está levando a garota quente para o baile. O sofá está virado. os homens de Augustus não fizeram isso por um aviso de guerra. à procura de qualquer sinal de brincadeira. Shadow agarra meu ombro e se inclina. — Nuh uh. Certamente. — Como o quê? — pergunta Lip. caso contrário. cara. dando de ombros. — Poderia ser este efeito colateral do que você está escondendo do clube? — Shadow pergunta. — Eu não sei. balançando a cabeça quando ele divaga. e os seus amigos apenas o invejam. o dano é mínimo. Eu olho ao redor da sala.

Eu ando em direção à sala principal. meu peito literalmente se contrai para o ponto de dor de tão apertado que eu estou. Minhas maos estao suando e meu coracao esta palpitando. Eu fecho meus olhos. Dani saboreia uma ~ 172 ~ . Isso explica muita coisa. Há um milhão de razões pelas quais eu deveria ter deixado Jessica sair da minha vida. Quando estou com ela. virando de costas para o espelho. tentando me acalmar enquanto eu ajusto o punho da manga. Todas as meninas que tenho dormido com o passar dos anos. colocando uma camisa social preta. — Nah. agora revelada e que está deixando escapar aquela luz vibrante dela. Pareco uma retardado com o cabelo penteado. Eu estou nervoso e acho que vou vomitar pra cacete. Que se exploda. — eu sussurro. mas eu simplesmente não ligava. deixando cair as minhas mãos para o meu lado. eu dobro minhas mangas ate meus cotovelos. me perguntando se eu deveria raspar antes de pegar Jessica. Eu fiquei e continuei empurrando por causa de como eu me sentia quando estávamos juntos. eu não sinto nada mais do que perdido.Capítulo doze BOBBY Eu deslizo minha mão sobre meu rosto. eu penso. um milhão de rejeições quando eu deveria ter tomado à dica. e jeans azul que nao tem furos nele. elas estavam todas lá tentando preencher um vazio que Jessica tinha plantado em minha alma. Eu acho que toda essa provação mudou muito nós dois. emocionalmente e mentalmente. A barba cresceu apenas um pouco no pescoço. Quando estamos separados. Jessica vem trassando um longo caminho. Eu jogo meu cabelo todo pra tras com uma escova e olho no espelho. Eu estou vivo. Essa é minha ideia de me vestir bem. Me sentindo quente. mas o sentimento é intoxicante. pensando em pegar uma cerveja para acalmar meus pensamentos quando eu chego eu vejo Cherry e Dani sentadas em um de banco no bar. Eu balanço minha cabeça com o pensamento. eu sussuro baguncando meu cabelo com minhas maos. Eu decidi me vestir. Que se dane. A ligação que uma vez eu senti é forte. Uma escuridao que uma vez consumiu ela.

Bobby. — comento. — Bobby Whitfield. Eu amo Jessica. — Dani zomba.cerveja e Cherry corre a mão em um colete de couro encima do balcão superior. — Você vai ficar bem? — ela murmura. um olhar de preocupação gravado em sua testa enrugada. — Dani ri. as olds ladies fizeram a maior parte da limpeza. Se Shadow estivesse aqui. — Dani coloca as mãos nos quadris. eu estou fodido da minha cabeça. eu acho. tomando um grande gole. tomando um gole maior. Costumava ser eu a dar uma dura em Dani sobre ela e Shadow. Eu paro e me olho para cima e para baixo. — Eu limpei tudo. Ela sempre foi diferente. — Uh huh. Eu sorrio e passo minhas mãos pelo meu cabelo. — eu pego a cerveja de Dani. — Jessica é diferente. Dani está de pé. — O quê? Não. — Cherry grita. Uma série de excitação e medo se misturam para formar um pensamento coerente. — observa Dani. O lugar está limpo. agora ela está andando de volta de mim sobre Jessica. no final. — Puta merda. Você pode querer limpar essa fonte de suor de sua testa antes de ver ela então. me puxando para o lado do bar longe de Cherry. — eu admito. — Eu sei disso. ~ 173 ~ . eu não estou. Isso tem que ser a primeira vez. nervoso sobre uma mulher. apontando para o meu rosto. Estou simplesmente feliz que você está finalmente admitindo isso. O admitir isso para mim tem um pico de descarga de adrenalina através do meu peito. Eu gemo e limpo minha testa com a palma da minha mão. — Eu sou a porra de um naufrágio. sorrindo. você parece impressionante. Todos nós colaboramos juntos. — Você está nervoso. — eu admito. como as mesas viraram. enquanto eu e os rapazes discutíamos sobre quem iria substituir a TV. me olhando e fodendo de cima para baixo. seus olhos se estreitaram. É como qualquer outro encontro. Cara.

os rapazes e eu não discutimos patch de quaisquer novos irmãos. com as cores do clube sob ele. Nunca. — Cherry informa. e. parecia que as coisas ficariam ~ 174 ~ . — Eu não acho. meu tom sério enquanto meus olhos se arregalam. — Eu nunca disse que não queria Jessica. Cherry levanta de seu banco e bate o colete em meu peito. Lip. pegando o colete para cima. e eu tinha a minha própria maneira. seu tom sincero. sempre alguma coisa sobre ela. — Será que esse pássaro é um merdinha com um piercing no lábio? — eu rio. mas eu não estou rindo. minha transpiração aumentando com a virada na conversa. Cherry se vira com o rosto grave quando ela passa as mãos sobre o colete de couro. eu sinto que eu não pudesse respirar nessa porra de camisa. — comenta Dani suavemente. — Que porra é essa? — eu pergunto. Na verdade. — A queremos tornar nossa família tanto como você. Ela ri e mostra o colete. Bobby? Quanto tempo mais você vai negar que você não quer estar com ela? — pergunta Dani. Passo a mão pelo meu cabelo e expiro lentamente. tanto quanto eu sei.. — Tem sido assim por muitos anos. — Um pássaro me disse que estava indo a um encontro com Doc. — Nós todos sabemos que você quer Doc para ser sua old lady. — Não tente negar. Ele parece novo. por isso deve estar aqui fora por outro motivo. — Cherry ri. Sempre houve algo sobre Jessica. se levantando de seu banco. apontando para o colete no balcão. me referindo ao seu old man. Bobby. Eu sopro minhas bochechas enquanto eu expiro. as costas dele escrito ‘Propriedade de Bobby’. Eu olho para ela e a vejo implorar com os olhos verdes para eu quebrar minhas paredes. mudando de assunto. Era apenas para seguir em frente com isso.. Ela tinha a sua maneira de fazer as coisas. — Cherry me interrompe. Nós ouvimos a sua forma de falar sobre ela. Enxergamos a maneira como você olha para ela.— O que é? — eu pergunto.

Estaciono do lado de fora da casa de Jessica.complicadas assim. Eu chupo meu lábio inferior e balanço a minha cabeça. dobrando o colete em minhas mãos. Saindo na minha moto tantas vezes. Bem. ela vai correr para as montanhas. Enfio o colete por baixo do assento da caminhonete com medo. Um controle remoto em sua mão. Eu pego as chaves do meu novo Chevy azul e sigo em direção à garagem. se Jessica o ver. Alcanço o portão de segurança. eu saio da minha caminhonete. — observa Dani. as coisas mudaram. ele abre. A porta se abre e um homem rechonchudo sai. — murmuro. o bloqueio ainda está quebrado. a caminhonete passando de um lado para outro a cada toque do acelerador. o pensamento de ver isso em Jessica faz meu pau contrair de excitação. Eu ligo o motor. — murmuro. — eu respondo. Hoje à noite poderia ir muito bem. Eu lentamente saio da garagem e vou em direção à rodovia. eu me sinto estranho andando em um carro fechado. eu bato meus punhos na porta repetidamente. e ele está vestindo uma camisa branca manchada ~ 175 ~ . Assumindo que ele é o primeiro apartamento à direita quando você entra no prédio. — Porra. — Cherry continua. — Boa sorte! — Dani grita. — É hora de fazer dela uma parte da família de forma permanente. Ligo o rádio quando eu volto meu pensamento para Jessica. A posso ver vestindo isto. — Você parece estar falando do passado. deixando as meninas retomarem suas conspirações da minha vida amorosa. Eu suspiro alto e coloco o colete por cima do meu ombro. Eu não vou mentir. sabendo que isso poderia ser ruim. Eu furiosamente fecho o portão e ando dentro do prédio em busca do dono. e só isto na minha cama. — Sim. ou destruir Jessica e eu. ponderando sobre os limites que eu cruzei na última semana ou algo assim. sorrindo.

— O conserte. a minha mão apontando em direção ao portão. — ela zomba. ele ainda não está funcionando. Ela está usando um vestido branco que cai um pouco antes de seus joelhos. ~ 176 ~ . — explica Dudley. e rápido. — eu respondo. — Eu liguei sobre isso e eles disseram que iriam estar aqui o mais rápido que pudessem. andando pelo corredor. A porta se abre lentamente e minha respiração trava.que é curta demais para cobrir sua barriga. Meu coração batendo contra o meu peito enquanto eu a verifico. e o sorriso de lobo. com a voz trêmula. — eu sussurro. levantando as sobrancelhas para cima e para baixo sugestivamente. por quê? — eu questiono. Vou até o apartamento de Jessica e bato na porta. — Como se você precisasse de toda a noite. — ela observa. você está linda. as bochechas virando um tom escuro de vermelho. — Onde está Addie? — eu pergunto. Ela ri e sai. — A sutileza nunca foi seu ponto forte. — Então. fechando a porta e a trancando. Seus olhos se arregalam e sua boca fica aberta quando me vê. minhas têmporas palpitantes pelo sangue correndo para a cabeça de nervosismo. fechando minha boca escancarada. apontando para a porta em frente a nós. — ela responde. — O portão. Seus lábios rosa se levantam num sorriso. eu tenho que ajustar o meu pau e olhar para cima. revelando duas covinhas sensuais de cair duro. — Porra. — Touché. eu te tenho a noite inteira? — pergunto. — comento. — Ficara com Bree esta noite. — Sutil? Estou pensando em dizer foda-se ao encontro e a levar de volta para o apartamento e foder você com esse vestido em que você fica tão quente. cara. a fazendo rir. O tecido descansando contra suas coxas bronzeadas. Seguindo suas longas pernas para seus saltos altos. Seu cabelo loiro está solto e ondulado nas extremidades e seu rosto está brilhando. — eu ameaço.

— Ei.Meus olhos instantaneamente encontram seu rabo apertado. Eu fecho a porta e corro ao redor do outro lado da caminhonete para entrar. virando a chave. Minhas mãos involuntariamente cerram em si mesmas. Eu a levo para a minha caminhonete e ela para de repente. Olho para Jessica e levanto as sobrancelhas com cada impulso do pedal do acelerador. Ela vira a cabeça e olha para mim. Eu empurro o meu pé no acelerador. — ela faz um gesto com os dedos em direção a seu rosto. — eu respondo. — Uau. Ela dá um passo para dentro da cabine. seus olhos focando através da Chevy azul. Não sendo capaz de aguentar mais. — Este é seu? — ela pergunta surpreendida. — Meninos e seus brinquedos. — Jessica admira. o vestido subindo direto sob suas nádegas enquanto ela sobe. a fazendo sacudir a cabeça. eu queria saber como eu estava indo para um passeio na parte traseira de sua moto neste vestido. — eu informo. — Onde você está me levando? — o comentário dela faz meus olhos saírem de seu traseiro para seu rosto. confuso. isso é muito bom. amigo. — O quê? — eu pergunto. balançando a cabeça. — Jessica ri. — Obrigado. me fazendo rir maliciosamente. passando a mão ao longo do painel de instrumentos em apreço. é meu. ~ 177 ~ . — eu respondo honestamente. fazendo com que o motor ruja. — acrescenta ela. Eu rio e abro a porta para que ela possa entrar. — Sim. mordendo o lábio inferior. olhos aqui. querendo os apertar. — Bem. — Eu não estou fazendo nenhuma promessa. a fazendo rir. sua mão deslizando ao longo do capô. eu estendo a mão e aperto a bunda dela antes dela se sentar no banco.

Jessica agarra meu braço e segura na porta. Passamos por alguns pequenos barcos de pesca e outras embarcações. olhando para o barco. Nós caminhamos pelo cimento em direção a uma das docas de madeira. Ela é tão incrivelmente bela. há um monte de docas com barcos. e alcanço a mão de Jessica. — Umm. sabe como dirigir essa coisa? — pergunta ela. a ajudando sair. com vista para o oceano. Olhando por cima e vendo Jessica ver a noite passando por ela e seu cabelo voando com o vento. você nunca esquece. — Você me trouxe para a praia? — ela questiona. e as ondas do oceano. nervosa. — Sim. hum. esperando que a tempestade adie tempo suficiente para nós desfrutarmos da noite. O cheiro salgado do oceano é forte e as ondas batendo contra as docas são altas. pegando sua mão e a guiando em direção ao cheiro do sal.Eu coloco a caminhonete em marcha. — Você. Eu entro no barco. fazendo os pneus guincharem contra o asfalto. apenas alguns veículos de pesca velhos estacionados. Toda vez que estamos juntos. Me viro para a direita. nos puxando para baixo do cais em direção a uma lancha vermelha e branca. A noite é quente e barulhenta com a natureza nos chamando quando nós dirigimos em direção ao oceano com as janelas abertas. e ri histericamente. — eu respondo. Bobby? — Jessica resmunga quando passamos barco após barco. — Este aqui. — Não. não posso deixar de sorrir. Eu sigo até a área de estacionamento de cascalho. eu sei como conduzir essa coisa. Depois que você aprende. — eu sussurro. eu estou mais convencido de que devemos estar juntos. — Meu pai me ensinou a dirigir um barco. ~ 178 ~ . nos puxando para outro cais com barcos maiores. Olhando para fora dos poucos veículos. — eu rio. a ajudando a passar por cima da doca. Eu olho para o céu. Corro para fora da caminhonete e sigo para o lado de Jessica.

Eu dirijo até que estamos longe o suficiente para que ninguém possa ver ou nos ouvir. Eu estava com medo que ela iria me desafiar o encontro inteiro. e desligo o motor. caminhando mais para o barco. Vou até a proa. O barco vibra quando o motor ronca pelo ar da noite. o som de sua risada é um que eu não tinha ouvido antes.. ~ 179 ~ .. olhando para o céu da noite. — eu advirto. admirando o triângulo de almofadas vermelhas e brancas completando a decoração. mas uma vez que você está nele. — As estrelas são tão brilhantes aqui fora. é realmente uma merda pequena. — eu sussurro. ela riu. olhando por cima da borda do barco antes de cair de barriga sobre os travesseiros. eu o estou alugando. O barco é grande parado na doca. — eu respondo. Claro. Eu me posiciono na cadeira do capitão e procuro as chaves. Eu rastejo para fora de trás do volante e cambaleio em direção a ela.— Este é o seu barco? — Jessica pergunta. As ondas do barco fazem respingos ao longo do lado da embarcação. pisando em torno dela. — Jessica suspira. é novo e eu não consigo evitar o sorriso arrogante exibido no meu rosto que eu o trouxe para fora dela. fazendo sombra sobre a doca e os outros barcos próximos. enquanto na frente é a cadeira do capitão com uma cadeira de passageiro ao lado dele. As encontro localizada em um cubículo debaixo do volante. — Espere. tornando isto um pesadelo. — Quase. desamarrando o barco a partir do cais. Eu rio. dando um passo para trás. eu empurro o acelerador para frente. chutando seus saltos altos. eu ligo a ignição. — Vai servir. Jessica grita quando nós voamos durante a noite. — murmura Jessica. ouvir as profundezas de sua risada. Eu rastejo ao lado dela e viro. olhando para as estrelas. — Oh meu. mas eu a ver assim. A parte de trás detém um motor interior. Uma vez que estamos fora e no nosso caminho. Jessica passeia até o triângulo de almofadas. há uma fila de assentos de couro vermelho e branco ao longo das costas. tendo a maior parte do barco. Passado o motor. a sacudindo para trás e tornando difícil de andar quando nós balançamos duramente. puxando o barco longe do cais. Ela olha com facilidade e parece estar se divertindo. deixando o barco correr através da maré.

Eu o puxo para baixo. os olhos arregalados quando ela olha para cima. — Jessica ri. abro as pernas com o meu joelho e mergulho minha mão para baixo. Eu viro a tampa de plástico protegendo o aparelho e eu o ligo. Eu aumento o volume. — eu minto. Jessica olha para baixo. sacudindo a língua contra a minha. — O que há de errado? — ela pergunta em voz baixa. Eu rolo em cima dela. Ela atinge a frente e desabotoa a minha camisa. Eu pressiono meus lábios nos dela. seu cabelo loiro espalhado ao seu redor como um halo. puxando seu vestido até os quadris. ‘Painted On My Heart’ por Cult está tocando. Estrelas que eu vi muitas vezes quando era pequeno. um botão de cada vez. Eu não ouvi essa música tem um tempão. Ela levanta a coxa. — Eu aposto que você fica assim com alguém toda vez que você leva uma mulher pra cá. Ela invade a minha boca com a língua dela. deslizando o dedo no meio da sua umidade. seus olhos se tornando pesados com luxúria enquanto eu varro o meu dedo ainda mais para baixo em seu clitóris. querendo que ela esqueça. com os olhos pesados me olhando atentamente o tempo todo. me convidando.— Uau. Minhas sobrancelhas sulcam. o rubor em suas bochechas sexy. Eu pego os dois lados de seu rosto. e encontro o aparelho de som. e eu engulo o caroço na minha garganta com a súbita ascensão de sua declaração. meu polegar circulando as maçãs de seu rosto enquanto eu olho para ela. e viro a tampa traseira para baixo. Eu corro minhas mãos pelo meu cabelo. eu esqueci quanto vibrante elas parecem ao longo dos anos. Eu chego para baixo e deslizo o dedo ao longo da parte superior do elástico da calcinha. beijando os seus lábios com gloss cereja e não me detenho. Eu deslizo minha mão entre suas costas e a almofada encontrando o zíper de seu vestido. Jessica rola de lado. — Nada. o ~ 180 ~ . — murmuro. Jessica se vira de olhar para as estrelas e se se apoia em seus cotovelos. Eu puxo uma respiração estável e retorno às almofadas. revelando um triângulo azul delicado entre as coxas. — O que eu disse? — Jessica continua. a conversa indo a algum lugar que eu não estava esperando. deitado de costas e de frente para as estrelas. Me sento e jogo fora as almofadas.

ajuste confortável do afrouxamento do vestido ao longo de seu corpo. Eu
paro o meu dedo ao longo das alças do vestido agarrados a seus ombros
e as deslizo para baixo dos braços lentamente, meus lábios beijando por
trás quando escorregam.
Seus seios firmes em taças azuis me cumprimentam; me
seduzindo. Eu golpeio minha língua entre o vale dos seios dela, antes de
dar na lateral de seu seio uma mordida. Ela arqueia as costas e geme
alto, seus dedos enroscando no meu cabelo. Uma vez em meus joelhos,
eu tiro minha camisa quando Jessica se senta e corre as mãos por cima
do meu abs, seus lábios roçando meu umbigo. Ela desafivela meu cinto
e puxa minhas calças para baixo dos meus quadris. Eu a chuto junto
com minhas botas quando ela coloca os dedos na cintura dos meus
boxers e lentamente os puxa para baixo, meu pau pulando livre.
Passo a mão pelo cabelo enquanto ela olha para cima debaixo de
seus cílios.
Ela agarra meu pau. Eu assobio com surpresa em seu exigente
controle. Ela se inclina para frente e chupa meu pau com a ponta da
língua, fazendo minhas pernas tremerem de antecipação, meu pau
brotando uma gota de sêmen. Lambendo o prazer do meu pau, suas
ações parecem estar em câmera lenta. A lua ilumina sua pele e seus
olhos azuis olham para mim desesperadamente. É uma imagem que eu
gravo em minha mente para sempre; ela parece inocente, e ainda
completamente erótica.
Me tirando do meu torpor, ela coloca a boca em torno da cabeça
do meu pau abalando o meu mundo como eu conheço para explodir. O
êxtase, parece uma inegável felicidade pura. A sensação de sua boca
quente chupando meu pau é notável. Eu sonhava com o dia em que ela
iria chupar o meu pau, ansiava pelo dia ela que ela lamberia meu
sêmen a partir da cabeça do meu pau. Ela sacode a cabeça todo o
caminho até meu eixo; eu não seguro o meu gemido quando minha
cabeça cai para trás olhando para as estrelas.
Por mais que eu queira explodir a minha carga em sua boca doce,
ter o meu gosto em sua língua, eu quero seu corpo. Eu fecho meus
olhos e o puxo para fora de sua boca.
— Jesus, que foi isso, — eu bufo, procurando as palavras para
explicar o sentimento. Ela sorri, e se inclina para trás nas almofadas,
satisfeita consigo mesma. Ela sabe que eu estava querendo isso desde

~ 181 ~

sempre. — Oh, não, você não vai. Volte aqui, — eu arfo, a agarrando
pelos quadris, e a puxando de volta para mim. Eu a lanço em seu
estômago, e rasgo sua calcinha em pedaços. Seus lábios curvam em um
sorriso quando o meu pau pulsa com o desejo de vir. Eu noto que ela
tem duas covinhas pequenas à direita acima de sua bunda e elas são
fodidamente lindas como o inferno.
Deslizando a mão entre as pernas dela, eu passo levemente ao
longo da abertura de sua buceta, a encontrando molhada e pronta para
o meu pau. Ela levanta a bunda para o ar e geme do meu toque macio.
Eu esfrego a reluzente umidade em meus dedos sobre a cabeça do
meu pau e me oriento entre suas pernas. Encontrando sua buceta
instantaneamente, eu empurro profundamente, minhas bolas
apertando pela sensação de tê-la ao meu redor.
Sua cabeça arremessa para trás, fazendo com que seu cabelo
espalhe através de seus ombros, uma cortina loira. Eu acaricio minha
mão para cima e para baixo em sua espinha enquanto eu dirijo
lentamente para dentro e para fora dela. Os músculos de sua buceta ao
redor do meu pau e meus joelhos tremem contra as almofadas quando
ela toma meu comprimento.
Eu me inclino para baixo e a seguro pelos ombros, a puxando
para fora de suas mãos e contra o meu peito. Eu envolvo um dos meus
braços ao redor de seus peitos, os mamilos pressionados firmemente
contra meu antebraço, e deslizo meu outro braço ao longo de seu
abdômen quando eu movo meus quadris.
Seus gemidos vibram através de seu peito contra o meu braço,
fazendo meu pau apertar. Ela vira a cabeça ligeiramente, olhando para
mim, sua respiração em pequenos jatos quando eu continuo
empurrando. Estendendo a mão, Jessica envolve o braço por trás do
meu pescoço, sem tirar os olhos de mim. O olhar que ela me dá, a forma
como ele penetra minha alma, é como se eu fosse a única pessoa que
ela vê, que nada faz sentido, a não ser nós dois abraçados.
Minhas mãos deslizam ao longo de suas curvas, sentindo cada
cicatriz, cada sarda, e perfeição de seu corpo. — Você é tão linda, — eu
sussurro em seu ouvido. Ela inclina a cabeça no meu ombro, e geme
quando eu continuo a conduzir o meu pau dentro dela.

~ 182 ~

Eu dobro ligeiramente e beijo seus lábios. Percebo enquanto nós
nos beijamos que não estou transando com Jessica, não estou tendo
relações sexuais com ela, mas fazendo amor.
Umidade agasalha meu pau quando ela contrai ao longo do meu
eixo.
— Bobby, — ela sussurra, me avisando que ela está perto. Ao
ouvir o meu nome em seus lábios faz com que meu pau espreme, e
minhas bolas explodem com o calor.
— Bobby! — Jessica grita para o ar, seu corpo em clímax. Suas
unhas cavam em meu pescoço e as pernas abrem mais quando ela
libera, permitindo que meu pau bata na parte de trás dela. Nós caímos
sobre as almofadas, meu corpo deitado em cima dela quando eu
bombeio meus quadris para trás e para frente lentamente.
Eu gemo alto ao lado no seu pescoço, a pressão se espalhando no
meu eixo e me provocando a gozar dentro dela. Depois ficamos ambos
parados, drogados pela sensação delirante, eu caio ao lado dela, nós
dois ofegantes, tomando qualquer oxigênio em nossos pulmões que
possamos obter.
— Parece que eu adoro um barco e estrelas também, — ela ri,
ainda ofegante. Eu rolo de cima dela e olho para o céu.
— Eu não trouxe ninguém aqui antes, — eu admito, a fazendo
parar de rir. — Meu pai costumava me levar para navegar o tempo
todo. Quando eu era jovem nós pescávamos à noite. Ele me disse uma
vez que ele conseguiu que minha mãe concordasse em ser mais do que
simplesmente amigos ao levar ela para navegar em seu barco. — faço
uma pausa, lembrando como ele estava sempre pregando para mim
sobre como amar uma mulher. Ele tinha expectativas tão altas; eu
nunca senti como se eu fosse capaz de entregar o que uma mulher
merecia. — Meu pai me disse para levar uma mulher à noite em um
barco, mas não qualquer mulher. Uma que significava algo para mim.
— eu me viro para olhar para ela, com o rosto relaxado e seus olhos
azuis focados em mim, não mostrando nada.
Viro a cabeça e olho de volta para o céu.
— Seu pai parece que era um bom homem, — murmura Jessica,
ignorando o fato de que eu a escolhi leva-la para sair em um barco.

~ 183 ~

— Sim, algo assim, — eu rio sem entusiasmo. Meu pai era
realmente um tipo bruto por trás das costas de minha mãe, mas um
cavalheiro na frente dela. Eu aprendi tudo o que sei sobre as mulheres
com meu pai. Ele era um homem das senhoras em volta do seu dia
antes que ele conhecesse minha mãe.
— Ele estava no Devil’s Dust? — pergunta Jessica, rolando de
costas para olhar para as estrelas. Meus olhos trilham ao longo de seu
corpo nu, a luz da lua brilhando do suor frisado entre seus seios.
— Não, ele era um bombeiro, — digo a ela.
— E a sua mãe? — Jessica continua a perguntar.
— Minha mãe era o tipo de mulher que ajudava sempre a
comunidade, igrejas, escolas, era esse seu chamado. Ela era uma santa,
— eu respondo, pensando na minha mãe e quão boa ela era. — Meus
pais eram demais. Tive problema enquanto crescia basicamente e
puramente porque eu gosto de problemas. Eu não tenho algum motivo
louco ou um passado fodido para justificar por que eu sou do jeito que
sou, ou porque eu gosto de causar estragos às vezes. Eu apenas gostei
principalmente, bem, eu ainda o aprecio, — eu rio, fazendo Jessica ri.
— Sempre que eu fui jogado na cadeia ou reformatório quando
era criança, meu pai me pegava e me levava para casa quando eu tinha
permissão para sair. Quando entrava na porta, minha mãe me batia na
parte de trás da cabeça e me dava um prato de comida quente. Eles
nunca pagaram minha fiança ou pediram a minha libertação
antecipada; eles me fizeram fazer valer o tempo pelo meu crime, mas
eles nunca me julgaram. Eles estavam lá apenas para mim enquanto eu
pagava o preço por gostar problemas, — eu informo, sorrindo a partir
das memórias.
— Eles soam demais, Bobby. Sinto muito que você os perdeu, —
Jessica sussurra.
— Sim, eu também, — murmuro. Sons de Trovão e nuvens
grossas se formam no mar, se movendo em direção a nós. O vento nos
apanhando vindo em nossa direção.
— E seus pais? — pergunto. Jessica suspira, puxando seu cabelo
de seu pescoço.

~ 184 ~

— ela ri. e para ser honesta. — Por que isso? Jessica inala uma respiração profunda. — ela sussurra. Seu principal objetivo na vida é ser bem sucedido. — explica ela.— Meu pai é o tipo de cara que sabe tudo e conhece a todos. — Sua mãe? — eu pergunto. — Ela é realmente muito legal quando ela quer ser. — ela sussurra. Me inclino e beijo sua testa quando eu sigo para o volante. querendo saber se ela é uma puta por estar com o idiota. ~ 185 ~ . — Ele é. tem conexões por toda parte. fazendo minha cabeça virar em sua direção. Eu coloco minha camisa. Tudo o que ele queria era estar no conselho do hospital da família de Travis. eu não sou uma cirurgiã neurológica como o meu pai queria que eu fosse. — eu respondo com sinceridade. — continua ela. — murmura Jessica. Eu sabia que ela só falava com sua mãe. e balança a cabeça. Agarrando meu jeans e boxers. franzindo a testa. ele não é o que eu quero em um pai. A carranca de Jessica se transforma em um ataque de riso. — Ele sabia que eu estava vivendo no inferno com Travis. eu os puxo sobre o vestido de Jessica. eu assisto Jessica. — Eu não sou o que ele quer em uma filha. — Ele soa como um idiota. — eu sugiro. encolhendo os ombros. Ela está sentada na frente. olhando para o céu nublado quando de repente parece um raio. mas ele olhou para o outro lado. agarrando minha camisa por trás de sua cabeça. Ela é a única com quem eu falo. — É melhor voltarmos para a doca. os lábios franzidos. observando as ondas. e eu não estou casada com algum figurão que está vivendo a vida no centro das atenções para que ele possa ser elogiado por sua excelente criação como pai. Navegando de volta para a doca. mas ela nunca disse por que ela não fala com o pai dela. — Eu acho que eu estou bem. — Por um lado. com os cabelos ao vento. relaxando minha carranca e me juntando a ela. — Você quer que eu bata na sua bunda? — pergunto sério. mas a deixo aberta. — ela informa. e não fará nada menos do que exceder o que se espera dele.

Com o cara mais velho atrás de nós. eu. eu paro e abaixo Jessica que está com o rosto vermelho de tanto rir. olhando para a doca para ver se o velho está chegando. — Oh. — Quero dizer. — Saia de perto do meu barco antes que eu chame a polícia! Jessica e eu olhamos em direção à costa. você disse que me ama. encontrando um homem mais velho levantando um punho no ar em direção a nós. isso foi muito divertido. — Jessica reafirma. Corra! — eu grito. arregalando os olhos com surpresa. Corremos todo o caminho até a doca de madeira e na praia rindo o tempo todo. Bobby. — eu sussurro. — Ok. e eu adorei ser pego. eu puxo sua bunda em direção à minha frente. ainda rindo de ser pego. admirando o barco balançando para frente e para trás nas ondas. meu Deus. rindo. a ajudando. chateado. — Não. Sinto Jessica endurecer sob a minha mão. — comenta Jessica. Eu inalo e engulo o caroço na minha garganta. Observando o horizonte inflamar com relâmpagos. Meu coração bate violentamente contra meu peito.. Por que negar? — Eu disse isso. — Isso foi incrível.. ~ 186 ~ . se virando para mim com cautela olho. pressionando suas costas. — Hum. alcanço a mão de Jessica. — Jessica começa. — Eu te amo. e virar lentamente. olhando para a areia debaixo dos seus pés descalços. Bobby. então talvez eu não tenha alugado o barco. Com minhas mãos nos quadris. — arfa Jessica. Eu te amo. correndo com ela pendurada no meu ombro. eu coloco meu queixo em sua cabeça. Qualquer outra garota teria ficado chateada que eu roubei um barco. percebendo o que eu disse.Eu paro o barco e coloco as chaves onde eu o encontrei. me fazendo a soltar. — eu sussurro em sua cabeça. Sem fôlego. eu pego Jessica pela cintura e a jogo sobre o meu ombro. Jessica pega os sapatos e corre. Pulo fora e o prendo a um poste da doca. Eu não posso acreditar que você alugou um barco. mas Jessica adorou.

— murmura Jessica. empurrando meu peito com raiva. — Você matou um homem. — O quê? — ela se vira para mim com olhos ferozes. Bobby. Você é tão perigosa como eu sou! — eu grito com raiva. minha voz ecoando pela noite. Bobby. meu tom ganhando hostilidade ao pensamento dela me afastando. franzo os olhos para dentro quando eu a encaro. Nós não podemos ficar juntos por causa da porra de regras do clube. — ela sussurra. eu não amo. — repito. com voz vacilante.— Você disse que não faria. — Sim. — murmuro. de ter seu coração partido? — eu grito.. Mais uma vez. — murmuro. as lágrimas escorrendo pelo rosto. você ama. Eu não vou estar com outro homem perigoso! — Jessica grita.. — NÃO! — Jessica grita. Jessica. Quanto tempo depois de estar comigo você vai se cansar e largar Addie e eu? — ~ 187 ~ . — E você me ama. Eu só não sabia que era isso até recentemente. — Admita! — eu rujo. um manipulador que gosta de viver a vida no limite. Jessica. — Eu não vou ser presa em outro relacionamento. apontando para ela. esfregando as mãos e olhando para as ondas do oceano ficarem hostis pela tempestade. — ela faz uma pausa e inala rapidamente. suas narinas queimando em minha confrontação. o meu tom sério. — Jessica protesta. Jessica suga uma respiração repentina. — Besteira. — Eu te amei desde o dia em que você e Addie entraram na minha vida. Jessica balança a cabeça. Jessica. a voz embargada de emoção e afiada com raiva. — Nãom eu. Viro a cabeça e suspiro com a reação dela. — Besteira. Você prometeu. — Não importa se eu amo ou não. Eu sei que há uma dúzia de razões pelas quais não devemos estar juntos. a deixando ainda mais furiosa. — Eu estou! Eu tenho medo de amar você. Eu volto minha cabeça em direção a ela e aperto minha mandíbula. — eu pressiono. — Não. Você é um jogador. — eu digo a ela. — Quando é que você vai parar com as desculpas de merda e admitir que está com medo de ser ferida. Eu não iria me permitir acreditar ter me apaixonado antes. mas eu não me importo.

nós brigamos. — Me leve para casa. — Você mesmo disse isso. — Que porra é essa. girando e subindo os degraus de cimento. A corrida de raiva dentro de mim faz o meu rosto corar com o calor. Você está louca. — Jessica exige. Jessica dá um meio sorriso. uma mão emaranhada em seus cabelos em desespero. ~ 188 ~ . Seus lábios se separaram em descrença quando ela pisa de volta alguns passos. de volta à caminhonete. Na realidade. com medo de que eu não possa entregar o que ela precisa de mim. — resmungo. mas parece que ela não é mais livre do que era quando eu a conheci. Me viro. a aterrorizando. correndo a mão na parte de trás do meu pescoço irritado. Eu digo a você quando você está sendo uma cadela. Travis sempre será uma parte dela. Mas elas eram apenas desculpas. você sabe disso. e você me diz quando eu estou sendo um idiota. eu tenho apenas tanto medo de ser ferido como ela tem. Olhe para nós. — Foda-se. enxugando as lágrimas do rosto. lágrimas escorrendo pelo rosto. Relâmpagos clareiam acima de nós quando as nuvens soltam uma chuva fria. mentiras. — Sim. — Eu não faria isso. Nós dois dissemos um monte de coisas ao longo dos anos. Bobby. todo mundo briga. Eu disse isso. Não podemos nem mesmo ir a um encontro sem brigar. — continua ela. me empurrando no peito com a mão segurando um de seus saltos. a impedindo de se abrir para mim totalmente. Eu pensei que talvez Jessica fosse rompendo o medo que enjaula ela. defendendo por que não devemos ficar juntos. quebrando o choque repentino escrito em seu rosto.Jessica soluça. você não pode se entregar. minha mandíbula apertar ao ponto que dói. — eu rosno. Bobby. Ela se vira para trás e me olha. esgotado pela negação através de cada palavra que sai da boca de Jessica. Os olhos de Jessica se ampliam antes de apertar de volta com raiva. Eu não sou Travis! — Jessica estremece quando ela ouve o nome de seu ex-marido sair da minha boca. Bobby! — ela grita.

eu ouço seu suspiro quando eu faço o meu caminho para cima. empurrando a mão dela e passando por ela. ~ 189 ~ . nunca a tratei nada menos do que o que ela merecia. — eu digo. mas ele está cheio de possibilidades. Eu estou fodido e chateado. como eu me senti desde o primeiro dia achando que ela poderia finalmente ver que o que temos pode triunfar sob o medo. Quando o medo em nosso relacionamento encontra um caminho anteriormente explorado. Ainda de pé no último degrau. inferno. Nosso amor é um caminho incerto. Até agora. Eu nunca falei com Jessica assim. ele imprime suas lembranças dolorosas para o coração. Eu coloquei tudo para fora e disse a ela como eu me sinto. meu peito arde com mágoa.— Vamos.

emanando um brilho estranho. A chuva bate em meu rosto enquanto eu faço o meu caminho para o portão de segurança. Uma vez lá dentro. O sofá está derrubado e os armários da cozinha estão todos abertos com alimentos nas caixas jogados por todo o chão. Eu mantive limites e regras. deixando uma grande quantidade de espaço entre nós quando eu olho para fora da janela. Eu jogo a minha cabeça para o lado e olho. Ele olha para mim e suspira pesadamente. Meu apartamento está destruído. a batendo atrás de mim. Percebo ranhuras pretas ao longo do batente da porta e meu coração pula na minha garganta. eu sei que não está funcionando e vai abrir sem ele. O carro para e Bobby desliga o motor. — murmura Bobby.Capítulo treze JESSICA Há uma tensão na viagem de volta para o meu apartamento. Eu levemente empurro a porta aberta. eu vou para o meu apartamento. — Jessica. mas eu fui estúpida e brinquei com fogo. Estou tão longe do meu lado do carro como eu posso conseguir. Uma. Eu paro na frente da porta de Bree e ouço música e risos. a porta se abre e empurra sem eu mesmo a desbloquear. Os pneus da caminhonete de Bobby rugem quando eles mordem o asfalto sob a tração quando ele acelera para fora. Eu tinha uma regra. Não se apaixonar. O que eu fiz? Por que eu o neguei? Por que estou tão assustada? Eu nem sequer me preocupo em tentar entrar com meu código no portão de segurança. A lâmpada esta caída no chão de onde sai uma luz bruxuleante. sua voz exasperada. ~ 190 ~ . eu preciso de algum tempo para mim. Eu paro um passo para dar um melhor olhar no desastre. Meu coração afunda e toda aquela culpa idiota atravessa minha espinha com tudo o que aconteceu. Quando eu puxo minha chave da minha bolsa e a coloco na fechadura. Os pingos de chuva com a mistura das minhas lágrimas criam um cocktail de miséria. Eu abro a porta e saio. Eu tive a certeza de não me permitir se apaixonar por Bobby desde o dia em que o conheci. Eu vou deixar Addie ficar lá esta noite.

Grant tem características fortes onde as de Travis eram requintadas. — Grant? — eu sussurro. minha voz ecoando na minha cabeça enquanto meus lábios superiores suam. seu tom e sua voz afiada me cortando com alarme. seria fácil confundir com Travis. mas a porta está fechada me empurrando para onde eu estou. Isso não pode ser um bom sinal. É Grant. o de sempre. Para um olho destreinado. eles parecem quase idênticos. eu respiro dolorosamente. nervosa. irmão de Travis. Os cabelos da minha nuca arrepiam quando eu recupero o meu equilíbrio e estou de ~ 191 ~ .Meu peito queima pela batida violenta do meu coração. Seus olhos estão vermelhos e afundados em olheiras quando olha de volta para mim. Quando a porta fecha. tudo em torno da pessoa borrada pelo medo. — ele sibila. uma franja na frente enrolada para baixo em sua testa. uma sombra se move a partir da parede. — O que você está fazendo aqui? — eu pergunto. tentando identificar a figura que estava escondido atrás da minha porta. totalmente aterrorizada com o homem de pé diante de mim. mas os músculos de seus braços falam de sua força. Eu não posso localizar e isso traz medo para a superfície. ele empurra contra o meu peito enquanto eu olho a devastação que é o meu apartamento. as sobrancelhas cortando para dentro maliciosamente. Ele aperta os seus olhos. A sombra se move da parede e fica na luz bruxuleante. você sabe. Os cabelos loiros de Grant estão penteados para trás. Me viro para sair. — Olá. Jessica. Golpeado o domínio do medo. Mas Grant não é tão distinto. Minha visão vacila. Eu tropeço sobre uma moldura no chão e caio contra a ilha da cozinha. Isso não é bom. — um frio ártico percorre ao meu redor ao ouvir sua voz. — Eu me perguntava quando você iria voltar. queria parar e ver a minha cunhada que matou meu irmão. — ele comenta condescendente. Meus pulmões estão em chamas com a urgência de retomar a respiração. Eu estava no bairro. Tudo o que ouço é a corrida do sangue na minha cabeça e minha pulsação em meus ouvidos. — Oh. meu corpo enrijece e meus olhos se arregalam. e agora está tomando todo o seu dinheiro. Dou um passo para trás. Seu corpo é magro.

nojo evidente em sua voz. estranhamente calmo. — a voz de Travis ecoa na minha cabeça. seus dedos cavando em minha pele dolorosamente. Ele pisa para frente. — Você sabe exatamente o que eu estou falando. Eu tento mexer meu corpo na esperança de tocar o chão com os pés para aliviar a pressão que ele tem em torno de minha garganta. e que sua herança vai para você e aquela garota. Eu sei que ele não seguiria os passos da família na medicina. Eu fecho meus olhos. Ele me lembra muito Travis. o deixando imprevisível. sua voz estranhamente calma apesar de sua mão apertar ao redor da minha garganta. fazendo meu corpo se contrair sobre um banquinho na frente da ilha. Grant foi sempre tranquilo e distante quando eu o via enquanto eu estava com Travis. — Eu não sei do que você está falando. ele fecha a cara para mim em puro ódio. ~ 192 ~ .pé. Jessica. meus saltos caindo dos meus pés enquanto ele me levanta do chão. tudo o que posso fazer em resposta é tremer de medo. tudo que eu ouço é Travis. Grant parecendo como seu irmão está trazendo de volta memórias. — ele range. Eu sou capaz de puxar um pouco. — Você vai fazer o que eu digo se você quiser respirar outro dia. permitindo que as pontas dos meus dedos dos pés segurem um pouco do meu peso. tudo o que eu sinto. me fazendo abrir os olhos. mas não o suficiente para limitar a minha respiração. Rangendo os dentes. Meu pai me disse que a morte de Travis foi finalizada. olhos irritados e definidos. — Você sabe a vida que eu vivi por causa de você? — ele pergunta. me deixando praticamente nas ruas. deixando uma onda de ar fresco entrar em meus pulmões. mas por que ele iria viver nas ruas? Não faz sentido que seus pais fariam isso com ele. Mesmo que sejam os dedos de Grant ao redor do meu pescoço. — Onde está o dinheiro? — Grant pergunta. Ele me agarra pelo pescoço e me puxa para fora do banco. — diz ele. — Meus pais renunciaram à seus cargos da diretoria do hospital e gastaram cada centavo que eles tinham para encontrar Travis. A aspereza de seu tom de voz me quebra da minha familiar agitação. — eu digo. minha voz ficando mais firme.

10 Cheshire: O gato da Alice – Alice no Pais das Maravilhas. Eu puxo minha mão para trás. — Olha. e com ele na minha porta pedindo dinheiro significa uma coisa. ~ 193 ~ . — grunho. — O quê? — Grant rosna. Ele empurra o braço para frente para me agarrar. mas ele me agarra pelo cabelo violentamente. Eu tusso. Abro a boca para tentar falar. Raiva imediata pisca em seus olhos quando a palma da minha mão queima a partir do contato duro. não. meus olhos caem em sua mão segurando a coleira que Travis usava para colocar em mim. — Grant continua. — ele se vira e sorri um sorriso Cheshire10. Ele é um viciado em drogas. usando o banquinho.— Que dinheiro? — eu engasgo. — O que está errado? Traz de volta velhas memórias? — ele provoca. arranhando os braços para que ele me deixe ir. Aperto minha bochecha ferida. Cambaleando. calor e dor espalham pela carne delicada quando eu encaro Grant. meus dedos doloridos por todo o peso que estão segurando. Ele se vira rapidamente e me estapeia. Meus olhos encontram Grant. me permitindo cair no chão. eles não estão apoiando seu vício em drogas. mas eu rapidamente passo ao lado dele. Meus olhos se arregalam e meus pulmões aproveitam para respirar quando eu vejo isso. — eu grito. minhas orelhas vibrando pelo contato. Eu olho para seu braço e observo marcas de agulha. tentando conseguir todo o oxigênio que eu posso em meus pulmões. Ele quer o dinheiro da herança de Travis. ele chega para frente. — Por favor. se gabava disso até. Ele me deixa ir. lhe batendo no rosto tão duro quanto eu posso. Seus pais o jogaram na rua. mas ruídos apenas arranham quando saem. tentando me afastar. e mais vermelhos do que eu pensava. — Eu não tenho. nós podemos fazer isso da maneira fácil ou da maneira mais difícil. a única em minha caixa de sapatos no meu armário. correndo ao redor da ilha em busca de alguma coisa para me proteger. me puxando para cima. frustrado. dando um passo em minha direção. e desliza os dedos ao longo do meu pescoço onde o colarinho me aprisiona. — Travis me disse coisas que ele iria fazer com você com isso. Pequenas manchas de tinta preta cobrem seu braço. o desafivelando. seus olhos estão dilatados. eu de alguma forma permaneço em meus pés. Segurando seu braço.

Se eu sair. Jessica não vai me chamar por semanas. Cada encontro sexual que tive com ele. Eu nunca deveria ter me permitido chegar a este ~ 194 ~ . Bobby aparece instantaneamente atrás de minhas pálpebras. Tudo que eu já tentei esquecer está acontecendo de novo. Mais uma vez. Em puro terror. meu corpo tremendo e lutando para respirar. Eu fiz isso. Cada olhar que Bobby apresentou. Antes que eu possa reagir. fazendo meus olhos se abrirem. me acalmando no processo. eu fecho meus olhos. possivelmente nunca mais. Grant rosna em frustração quando ele agarra meu cabelo com as duas mãos batendo a cabeça no balcão mais uma vez. O colar é fixado em volta do meu pescoço. seus olhos azuis olhando para mim com saudade. meu rosto é colocado contra o balcão com força. Lutando contra a vontade. Na verdade. Bobby sempre me amou e eu o amo. BOBBY Eu paro no meio da rua e puxo o colete de couro para fora do assento. Meus olhos se enchem de lágrimas quando meu passado vem à vida. Eu nunca deveria ter dito nada. eu hiperventilo. Eu aperto minhas mãos no couro. sua voz me lembrando de Travis. Ele estava certo. O olhar nos olhos de Bobby quando ele me segurou. Eu só estou com medo de ser ferida. as cicatrizes nas minhas costas um lembrete do que aconteceria se eu não fizesse o que me foi dito. — Não tenha medo da dor. agora claro como o dia. eu venho tentando me proteger. — Grant fala lentamente.— A menos que você queira trazer dor a si mesma. eu fecho meus olhos. Meu cabelo é puxado para trás. tema a mensagem por trás disso. meus dentes rangendo de raiva. você vai chegar aqui e fazer o que eu digo. e eu o ouço travar no local. Travis disse aquelas palavras exatas para mim antes. — murmuro. Meu corpo quer obedecer por medo. lembrando de Bobby me segurando ao longo do meu pescoço quando ele me fez gozar. Ela fará tudo em seu poder para me ignorar e propositadamente se distanciar de mim. Eu exalo um suspiro quando eu substituo todas as memórias dolorosas com momentos cheios de prazer. desta vez me batendo na escuridão completa.

os cabelos em tranças e óculos grossos no rosto. e eu não posso desistir tão fácil. Uma mulher de cabelos pretos abre a porta. Eu jogo o colete no assento ao meu lado e viro o volante. Quando eu chego mais perto de sua porta. eu noto que está aberta. a maneira como ele estava dirigindo a minivan como se ele tivesse roubado a coisa. Eu bato na porta rapidamente. voltando para Jessica. Ele tem que ter tido algo a ver com isso. mas eu não posso me lembrar de onde eu o conheço. O cara da van vira lentamente a cabeça. banheiro e quarto de Addie. — Jessica esta aí com você? — eu questiono. tudo sendo uma parte do Devil’s Dust. tentando acalmar meus pensamentos correndo. e quase bate de frente na minha caminhonete.ponto. Eu estaciono a caminhonete e corro até as escadas para o apartamento de Jessica. e o que eu disse a ela era verdadeiro. — Que diabos? — ela se encaixa. Jessica me disse que sua babá mora bem em frente a ela. abro e vejo o apartamento destruído assim como o clube. cara? — eu grito para fora da janela da minha porta. Eu fecho meus olhos tentando pensar. Ele parece familiar. Corro para o quarto de Jessica. correndo sobre a calçada. não vacilando até que esta se abra. Eu piso no pedal e faço um círculo completo. olhando por cima do ombro. seus olhos ameaçadores e lábios enrolados quando ele olha para mim por trás da janela do lado do motorista. Talvez a babá tenha ouvido alguma coisa. Mas eu fiz. Mas me deparo com um monte de babacas com olhar ameaçador. — Que porra é essa. Talvez ela esteja ali. ~ 195 ~ . mas eu não a encontro. e corro em direção à porta do apartamento vizinho ao apartamento de Jessica. Eu olho outro lado do corredor. O jeito que ele parecia familiar. Dirijo até o estacionamento. me olhando irritada. Eu não posso deixa-la embora. correndo para o apartamento. — Jessica! — eu grito. e há sangue manchando o chão. uma minivan vermelha voa para fora. Eu lentamente a empurro. Aquele cara na van pula em minha mente.

Eu tento abrir meus olhos. — ela espia com os olhos cheios de lágrimas. JESSICA Meu rosto tem queimaduras e picadas onde minha testa bateu no balcão. — Sim. Eu nunca tive e me reuni com o advogado para terminar o último dos detalhes. me levando a brincar com elas. e me sento no banco.— Não. batendo a mão contra o batente da porta tentando chamar sua atenção. Eu observo o assento desgastado debaixo dos meus braços. e o zumbido de um motor ao meu redor. Me sento lentamente. ~ 196 ~ . Grant. O pensamento de morrer. — digo a ele. — Bobby! — Addie grita com entusiasmo do sofá. — Eu vou atirar em você na cabeça se você tentar alguma coisa. apontando para a babá. os músculos em minhas pálpebras resistindo. Grant. — Grant ameaça. batendo o volante com o cano de uma arma. Eu me viro e desço as escadas correndo. Concordo com a cabeça em compreensão. Seus olhos se alargam. Não saia daqui. Eu pulo em meu carro e corro na direção que a van foi. Eu não assinei os papéis ainda. — Você entende? — eu rujo. a minha cabeça flutua com uma névoa. me atirando ao lado da janela com um baque alto. hoje. o medo escrito em seu rosto. tentando o fazer entender que eu não tenho nada para lhe dar. — Eu não tenho o dinheiro. é demais para suportar. — a menina responde. Grant olha no espelho retrovisor. — Ei. Você vai ficar aqui. Minhas mãos tremem de terror. Meus olhos pousam no loiro na minha frente e tudo fica claro. Eu mal posso respirar com o medo correndo através de meu peito. esperando que eu possa chegar até eles. Eu estou em um veículo. olhando para mim com desconfiança. ela foi a um encontro. você me entende? — eu grito. Tranque a porta. A van guina para o lado. os olhos travando nos meus. Eu não tenho o que ele quer.

você teve alguma quadrilha para matar meu sangue. eu firmo ~ 197 ~ . — É melhor você conseguir para esta noite. ele acha que eu mantei Travis. ou eu vou te matar. se eu o conseguir pagar e ele me deixar viver. Mesmo que a minha sorte vire e ele não me mate. a gravidade da situação cada vez mais clara. que se eu fosse mais como Travis eles não se sentiriam tão inútil como pais. ignorando a minha pergunta. com medo que ele vá se cansar de mim. ele não vai se importar. Seus olhos me fazem estremecer no meu lugar. tentando ter uma ideia. Mas ele não é Travis. Eu não estou brincando. passando a mão debaixo do seu nariz fungando. a culpa é sua! — ele grita. não fazendo nada para chamar a atenção para mim mesma. Eu vivi com cautela todos esses anos. Eu não posso sair assim. As autoridades vão acabar com o clube e eu nunca mais vou ver Bobby. então eu o segui. Ele nunca foi Travis. — ele zomba. Eu não posso deixar isso acontecer. Ele tem o sangue de Travis nele o fazendo uma parte genética sádica. Isso é quando eu juntei toda a historia. balançando o volante em um ataque. se há uma maneira de escapar ou gritar para alguém me ouvir. Grant vai me matar hoje à noite. Não importa o que eu digo. Você.— Mentira. Ele vai correr de volta para seus pais bancando o bom filho. Vi você sair com esse motoqueiro. contemplando a ideia das autoridades me levando para a cadeia. Quando eu usei desculpa após desculpa do por que eu não poderia estar com ele. — Onde você está me levando? — eu pergunto. Ele está distraído. Eu fecho meus olhos com força. — Quando eu cheguei aqui. Ele estava certo. Eu só estou com medo de amá-lo. às palavras de Bobby de como eu estava com medo de amar escorrem pela minha mente. — ele grita. eu vi você. tirando Addie de mim. assim como Travis fez. Ele se olha no espelho e franze as sobrancelhas com raiva. Me levanto do assento. então. Eu mando uma respiração estável. Olhando para cima. — ele responde. Eu olho para o chão. olhando para fora das janelas. e você é a razão que meus pais me disseram para ir para o inferno. tentando ficar longe do perigo o melhor que pude. Eu tenho que fazer alguma coisa. lhes dizendo o que aconteceu. — Você matou meu irmão. e para quê? O próprio passado que eu estava fugindo volta e me mostra que eu desperdicei minha vida com medo e dor. eu assisto Grant classificar sobre o quanto puta eu sou. Ele está louco. claramente agitado. O que me levou a um clube de motos.

Sacos de fast-food e garrafas de plástico pulam ao nosso redor. Em uma corrida lenta. procurando a van. caindo para baixo com ela. eu empurro para o lado assim que a van chicoteia para o lado violentamente. Eu me preparo mentalmente para o que eu estou prestes a fazer sabendo que poderia me matar. Minhas mãos segurando o volante com coragem. Me viro e encontro a mão sangrenta do Grant apertando a minha perna. tossindo e gemendo. você não.. em seguida. — Oh. me atirando no colo de Grant. Eu fui jogada para fora em algum ponto. A van bate no chão. Soltando um suspiro. meu corpo atingindo uma parada súbita. eu empurro de joelhos tentando levantar e correr. se tornando difícil se mover. Está a apenas poucos passos de onde estou. Tudo fica mais lento no ar. encharcando um lado de seu rosto em uma gosma vermelha grossa. tentando me puxar de suas garras quando noto um pé de cabra longe. sem dúvida caiu da ~ 198 ~ . Forçando os olhos abertos. Pneus guincham alto quando nós nos jogamos pelo ar. meu rosto estremece quando pequenas gotas batem e molham meu rosto. Eu choramingo em uma tentativa de me mover mais rápido. Um forte rangido me chama a atenção para a porta do motorista. Violentamente. Meu corpo está tenso e dolorido do acidente. Cada parte de mim dói e minha pulsação do pescoço vibra duramente. está amassada como uma lata de refrigerante por uma pedra grande. o tempo retoma o seu ritmo acelerado. ela está apenas nas suas dobradiças. — Grant ri.. Pego na grama. batendo meu peito de volta no chão. o motor soando com um zumbido alto quando nós capotamos. Sua cabeça está sangrando muito. Forçando meu corpo dolorido a cooperar. Adrenalina corre através de meu coração quando eu vejo Grant cair para fora da porta. A van tem barulhos como assobios e fumaça saindo. para o chão mais e mais à medida que viramos para baixo em uma colina antes de parar finalmente. eu pisco. sou empurrada para o teto e. Tudo o que estava no ar. Eu tusso um chiado tentando puxar o ar em meus pulmões.meus pés descalços no chão para alavancar. Me viro e começo a tentar me arrastar para longe. Eu rolo lentamente. eu me empurro para frente. não. Fecho meus olhos. eu descubro que estou fora da van. mas um dos meus tornozelos é puxado para trás.

Meu instinto de sobrevivência é a única coisa que eu posso sentir. e uso minha outra perna para bater nas bolas de Grant. Um baita soluço sai da minha boca enquanto eu me afasto dele. o batendo contra a lateral de sua cabeça. Eu viro de costas. Toda a dor que me causou. lágrimas borram minha visão. Meu corpo está sendo desligado.van. Eu levanto meus braços cansados para o acertar na cabeça mais uma vez. Sobrevivência. tudo vem rolando em minha mente como um filme de terror. agarrando o aço frio com uma das minhas mãos. A dor. caindo no chão. Eu congelo perguntando se eu deveria correr e me esconder. ofegante. O som de metal e osso faz um som arrepiante. Ele para e seus olhos rolam na parte de trás de sua cabeça enquanto ele solta meu braço. caindo sobre minhas mãos. Eu posso fazer isso. ~ 199 ~ . meus membros em geral. Eu cerro os dentes e mordo o lábio. Menosprezo. observando a cabeça sangrar da ferida infligida pelo pé de cabra. Toda a dor na minha cabeça em uma neblina de raiva incontrolável. — Cadela! — Grant amaldiçoa com raiva. mas não consigo reunir força. o colar de vinil restringindo meu pescoço. A palavra bate em minha mente. — Você não pode nos machucar mais. me lembrando que eu ainda o estou usando. Eu já não consigo sentir minhas mãos. Puxando o pé de cabra sobre a minha cabeça com as mãos trêmulas. Ele instantaneamente solta do meu tornozelo e eu saio para a frente. eu balanço o pé de cabra. do jeito que ele falou com Addie. mas sei que não tenho escolha. Seu rosto que se assemelha a de Travis olha de volta para mim. Quando ele me puxa. Eu olho atrás de mim apenas quando Grant agarra meu braço. enviando uma onda de choque de dor através do meu corpo machucado. É a minha única escolha se eu estou querendo sobreviver. Tortura. me virando para olhar para ele. Pneus cantando no topo da colina pegam minha atenção. Grant está rindo da minha fraca tentativa de escapar. Tudo está dormente. Eu grito alto enquanto eu o golpeio em seu crânio novamente. Eu respiro fundo e o bato em sua cabeça novamente. Sabendo que é ele ou eu. eu recupero meu foco e tento subjugar meus soluços quando eu rastejo de joelhos até ele. A primeira vez que ele fisicamente feriu Addie. Eu olho para trás. senão permanecer. ele está batendo no meu cérebro tão forte que eu mal consigo enxergar direito. — eu soluço baixinho.

dando um passo ao lado dele. — ele sussurra. Estou com medo. Ele atinge meu braço e agarra o pé de cabra ainda na minha mão. — É por isso que ele parece familiar. o pé de cabra ainda na minha mão. — Bobby comenta. Você fez um número sobre ele. — Bobby. — Você estava certo. Eu procuro por sua voz e assisto com alívio quando ele corre para baixo do morro. — eu grito. Jessica. — murmuro em sua camisa. Vai sangrar mais. e rola Grant. Eu pareço como uma psicopata. — Ele é irmão de Travis. Ele arranca todo o caminho até a colina. Bobby me puxa para mais perto. descansando seu nariz um pouco acima da minha orelha. Eu só estava com medo. Sua camisa preta desabotoada batendo contra ele. Meus olhos pegando meu braço com um caco de vidro saindo dele. então eu sei que é ruim. Jessica. Eu não posso nem sentir isso. Ele se aproxima de Grant. envolvendo ambos os braços ao redor do meu corpo. e enfiando a cabeça na curva do pescoço dele. Ele se afasta me olhando com cautela. Bobby bate em mim dolorosamente. Olhando para baixo de mim. — Não o tire. — Eu também te amo. — Bobby sussurra. o levando. — ele adverte. aplicando as mãos ao pescoço dele à procura de pulso. acariciando meu rosto com suas mãos. Me viro e olho para o que ele está olhando. o meu vestido branco está salpicado de manchas de sangue. — Bobby! — eu grito. — eu calmamente digo.— Jessica! — a voz de Bobby é um bálsamo para o caos em volta de mim. Ele chega para frente. passando a mão ao longo do meu bíceps. eu escalo para uma posição e tropeço em direção a ele. minhas mãos cobertas de sangue de agitar e de bater em Grant com o pé de cabra. Ignorando meus membros congelados. — Porra. segurando minhas mãos sangrentas para o lado. meu corpo liberando sua tensão. — Ele está ~ 200 ~ . eu te amo.

nervosa. Bobby amaldiçoa em voz baixa. — acrescenta ele seriamente. junto com pneus guinchando a um impasse. Ele faz um barulho alto quando ele desata. olhando para mim. — Eu vou fazer com que nada te machuque de novo. — Bobby se levanta e caminha até mim. — Oh. Bobby dá de ombros. meus olhos vidrados pela emoção. encontrando Bobby olhando a coleira com raiva. mas a ideia de ser uma prisioneira nesta colar é sufocante. Arrepios sobem por todo o meu corpo quando uma respiração pesada deixa minha boca. merda. tentando a tirar ansiosamente. olhando Bobby com medo. seus dedos puxando a coleira ainda enrolada no meu pescoço. — Que porra é essa? — sussurra Bobby. Grant a colocava em mim. — Eu o teria matado por quase ter acertando meu carro. enfiando o braço por trás da minha cabeça. Eu sei que com Bobby aqui estou segura. — Parem aí! — um policial grita. — murmuro. suas mãos deslizando sobre meus ombros para o fecho na parte de trás da coleira. — Foi Travis. — Eu acho que você tinha uma boa razão para fazer o que você fez. — eu explico.definitivamente morto. Jessica. apontando uma arma em nossa direção. Sirenes de repente pegam minha atenção no topo da colina. — Bobby promete. Ele descobriu que eu contratei o clube para matar Travis. puxando seu braço para trás tanto quanto ele pode e jogando o colar para longe. ele rapidamente se funde com a escuridão da noite. o barulho clicando se assemelhando a um mecanismo de bloqueio em uma gaiola. defendendo minhas ações. Eu me viro. ~ 201 ~ . — Eu tinha que fazer isso. deixando cair o pé de cabra para o chão. o que vamos fazer? — eu pergunto. — informa Bobby.

apontando sua arma e lanterna bem na minha cara. ele me atacou. Eu levanto minhas mãos enquanto eu lentamente me ajoelho. — Coloque no chão. ele tentou nos chantagear. Quando ele não cedeu. apenas alguns passos longe de mim agora. sua carreira está acabada. mas ele ficou ganancioso querendo mais do que ele merecia. sacudimos em torno dele. — Coloque no chão! — Skeeter repete. e eu reagi. o pé de cabra ainda na minha mão. isso é tudo a meu respeito. — eu a informo. Eu corro minha mão para cima e para baixo do pé de cabra rapidamente.Capítulo catorze BOBBY — Merda. exceto que Grant sequestrou você. Eu observo seu corpo tremer de medo. com foco em seus passos ao invés de mim. e o bato no corpo sem vida de Grant. ~ 202 ~ . a fazendo virar e me olhar com confusão. eu não o tenho em mim suficiente para convencer alguém de que eu fiz isso. Ele é tão sujo quanto pode ser. Merda. Eu olho para cima da colina e vejo Skeeter e outro policial vindo para baixo lentamente. Se o hospital recebe um registro que ela matei alguém mesmo sendo como autodefesa. fazendo com que o sangue agite tudo sobre minhas mãos e roupas. Quando eu o encontrei. O policial magro tropeça descendo a colina eu o reconheço como Skeeter. tentando apagar quaisquer impressões que Jessica poderia ter deixado para trás. Ele costumava ser pago por seus caminhos tortos pelo clube. Por isso. seu vestido e corpo coberto de sangue. — Jessica. — eu sussurro. o fazendo parecer um maldito idiota para a força policial. Eu me inclino para baixo e pego o pé de cabra. — murmuro. Sangue. Bobby! — Skeeter grita. Ele tem estado sobre nós desde então. — Não diga ao policial porra nenhuma. É isso.

Bow. fique no chão. — Solte para o seu lado. — Cale a boca! — Skeeter grita. — diz o bastardo de gordo de respiração difícil. — Não. — Bow informa a Skeeter. — Ele tem uma arma. Jessica cai no chão e coloca as mãos acima da cabeça. apontando a arma para mim. olhando para Skeeter que caminha para Jessica. 11 ~ 203 ~ . tudo bem. Mais estão a caminho. Bobby.— Você também. Eu puxo lentamente o meu braço para o meu lado e solto o pé de cabra para o chão. — Isso foi desnecessário. meu queixo apoiado no chão úmido. — encorajo quando eu me abaixo até o chão completamente. Outro policial finalmente chega descendo a colina e avança para mim. com cansaço e falta de ar. Eu sorrio. Skeeter olha para mim e fecha a cara. olhando para o corpo de Grant. Jessica parece ser boa como uma fora da lei. me chutando forte no ombro. você não acha? — eu resmungo. Bow me atravessa e coloca os laços zip 11 nos meus pulsos juntos. Não tente nada estúpido ou eu vou atirar em você. ofegante o tempo todo. — Eu liguei para eles. Obrigado. — Skeeter ameaça. — Sim. — A deixe em paz. — Skeeter responde. me fazendo assobiar. — eu murmuro. — Skeeter grita com Jessica. — Você tem outras armas com você? — Bow respira difícil acima de mim.

os laços zip cortando meus pulsos até que finalmente consigo tirar. Ele a sacode pelo braço e a empurra para a frente. meus pulsos queimam dos cortes dos laços zip deixados para trás. Skeeter franze a testa. Jessica olha para cima. — Ei! — eu grito. Eu puxo o meu punho para trás e o bato na mandíbula de Skeeter. puxando contra o policial gordo me segurando. — grunhe Skeeter. um sorriso se transformando em uma careta repentina. o levando ao chão. Jessica se puxa de joelhos. Minhas narinas tremem de raiva e minhas mãos apertam com o impulso de dar a Skeeter a maior surra da vida dele por maltratar a minha menina. seus olhos olhando para mim quando ele pergunta a ela. O policial atrás de mim grita um aviso para Skeeter quando eu passo em direção a ele. tentando se levantar quando Skeeter empurra sua bota em suas costas a forçando de volta para o chão. Skeeter olha para cima. — Você não tem o poder aqui. Ele propositalmente agarra o braço de Jessica onde está a sua lesão. Eu rosno alto quando eu afasto o policial me segurando.Eu olho e vejo Skeeter agarrar os cotovelos de Jessica a levantando do chão. — Você não estaria resistindo à prisão. Ele desliza as mãos por seus lados um pouco lento demais para o meu gosto. fazendo com que Jessica estremeça. se afastando de Skeeter. Ele sabe o que está fazendo. Ele está tentando me por no limite. indo um pouco longe demais. Eu rasgo meus pulsos em direções opostas. a fazendo cair ao chão. não é? — Skeeter zomba dela. seus olhos azuis me prendendo com louvor quando um sorriso rasteja acima de suas bochechas redondas. — Jessica responde baixinho. Ele se inclina para baixo e desliza as mãos entre as pernas. — Não. Eu tenho. — Você tem quaisquer armas com você? — ele questiona em seu ouvido. querida. me fazendo vociferar. — resmunga Jessica. ~ 204 ~ . seu bigode se contorcendo em seus lábios. — Fique longe de mim. a fazendo chorar de dor. lambendo os lábios enquanto olha para ela.

as lágrimas escorrendo pelo rosto. arregalando os olhos. Seus olhos encapuzados com uma promessa violenta de que eu vou pagar por minhas ações. Mas antes que ela possa dizer uma palavra. e ele puxa para fora o cassetete. Me viro e vejo dois policiais levantando as mãos. Seus olhos vesgos com raiva. a polícia não discutiu quando o prendeu. Em poucos segundos. e em troca Skeeter está tentando estragar o fundamento de autodefesa contra Grant. — Hawk fala precipitadamente da parte de trás da mesa. — Valeu a pena. sabendo que isso vai ser feio. Bobby está na merda por deslocar a mandíbula de Skeeter. algemam meus pulsos. uma risada escapando de seu soluço. Tendo Jessica como testemunha. os lábios separando para falar. coçando a barba no queixo. Jessica acena com a cabeça.Seu rosto franze a testa rapidamente. — Isso significa que eles estarão indo sobre a prova como um pente fino. eles voam em mim. Skeeter está de pé. segurando sua mandíbula. me fazendo entrar em colapso. e o fato de que o histórico de Bobby mostrando que ele não se coíbe de confronto. — eu rio quando ela vira a cabeça. há uma batida grave contra a minha parte superior das costas. me agarrando firmemente em suas palmas. Ela atinge o braço para fora. — eu envio uma mensagem para ela com a boca. — informa Bull. fumando um cigarro. JESSICA Duas semanas mais tarde — Bobby assumiu a responsabilidade por tudo. — Olhe para longe. fazendo com que as autoridades questionem a declaração de Jessica. Bow se agita contra a parte de trás dos meus joelhos. Pelo que o nosso advogado diz. — Não! — Jessica grita. Ele disse aos policiais que ele matou Grant em autodefesa depois de o encontrar e ver que Grant tinha tomado Jessica contra sua vontade. ~ 205 ~ .

— Nah, Skeeter é um maldito idiota. Tenho certeza que ele é meiaboca com a prova, — Shadow encoraja, me fazendo sentir um pouco de
esperança.
Eu suspiro, passando minhas mãos sobre o meu rosto. Meu
sangue corre com raiva inflamada com o pensamento de Bobby na
prisão por minha causa. Depois que o advogado do clube chegou à
delegacia de polícia e confirmou que eu era uma vítima em toda a coisa
e explicou ainda como eu tinha todo esse sangue em mim tentando tirar
Bobby de cima de Grant, fui solta. Mas para ser honesta, depois que
Bobby atingiu Skeeter, a polícia não me questionou muito. Eles queriam
que Bobby fosse preso por atacar um dos seus. Eles realmente não
pareceram se preocupar com o meu envolvimento.
— Ele vai cumprir algum tempo, querida, — Bull continua,
olhando diretamente para mim com tristeza em seus olhos, suas
palavras fazendo meu coração piar.
— Esse filho da puta do Skeeter é uma desgraça, — grunhe Lip,
balançando a cabeça.
— Ele atiçou Bobby, — eu informo. Me aproximando, eu roubo
um cigarro dos dedos de Bull e dou uma grande tragada. Bull levanta
uma sobrancelha chocado quando eu exalo.
— Estou estressada, — comento, dando outro sopro. Tenho sido
conhecida por ter um cigarro aqui e ali, e ter fumado maconha
ocasional com Bobby também. Eu não sou nenhuma santa.
— Você irá visitar ele? — Lip pergunta, batendo em seu piercings
no lábio com a ponta da língua.
— Sim, eu vou lá agora antes que eu tenha que buscar Addie, —
acrescento eu, colocando o cigarro em um cinzeiro. Bobby está na
prisão por duas semanas e isso está me matando. Eu não posso esperar
para vê-lo.
— Vá ver ele. E mande a ele lembranças, querida, — Bull instrui,
se levantando de seu assento na cabeceira da mesa.
— Vou fazer, — comento.

~ 206 ~

Me sento em uma cadeira de plástico amarelo em um lado do
vidro de dupla face. A iluminação é fraca, e cheira a mijo aqui. A tinta
branca nas paredes é lascada, revelando o cimento cinzento e o piso
está faltando partes. Eu só posso imaginar como é o lugar onde Bobby
está preso. Eu suspiro e balanço a cabeça. Isto é tudo culpa
minha. Bobby não deveria estar aqui por minha causa. Travis e Grant
era meu problema, e agora Bobby está sofrendo atrás das grades. Eu
sorrio. Meu cavaleiro de armadura brilhante.
Uma porta de metal gigante vibra, do outro lado do vidro e Bobby
sai. Meu corpo sente faíscas e minha respiração engata quando eu o
vejo. Eu assisto Bobby caminhar para uma cadeira de plástico amarelo
em minha frente do outro lado do vidro. Ele está vestindo um macacão
azul, as mãos algemadas na frente dele. Seu cabelo loiro está mais
confuso do que o habitual, e ele parece pálido pela falta de sol.
— Você tem dez minutos, interno, — um oficial diz com escárnio,
passando por nosso estande.
Bobby levanta o telefone, utilizando ambas as mãos algemadas, e
o coloca ao ouvido. Sua testa tem um quadrado de gaze escondendo
uma lesão, sua sobrancelha costurada com pontos pretos serpenteando
dentro e fora dela. Esses policiais bateram nele pra caralho naquela
noite. Virei à cabeça como ele me disse, mas eu nunca vou conseguir
esquecer o som que esses cassetetes fizeram quando se chocaram com
o corpo de Bobby na minha cabeça.
Seu rosto cora com desejo quando ele me vê, iluminando seus
olhos. — Ei, baby, — ele cumprimenta, com aquele sorriso de lobo dele.
— Ei, — eu sussurro, empurrando para a borda da minha
cadeira, querendo ficar mais perto dele.
— Como você está? — ele pergunta, olhando para mim através do
vidro.
— Tudo bem, eu acho. — eu dou de ombros.
Ele balança a cabeça, mordendo o lábio.
— Você? — eu pergunto, escovando meu cabelo do meu ombro.
— Eh, cadeia não mudou. Comida de merda, boas drogas, — ele
ri, revelando as duas covinhas que me fazem lembrar o quanto eu sinto
~ 207 ~

falta dele. Ele também me lembra de quão puta eu fui quando nós
estivemos juntos a última vez.
— Eu vou tirar você daqui, — eu informo, olhando por cima dos
meus cílios.
Bobby sorri e acena com a cabeça, franzindo os olhos nas laterais
quando ele se concentra em mim. — Eu sei que você vai, — ele
responde.
— O tempo acabou, — disse um oficial de pé atrás de Bobby.
— Isso não foi dez minutos! — eu grito através do vidro para o
policial gordo. O policial sorri arrogantemente, chega perto, e pega o
telefone da mão de Bobby, o batendo no gancho.
Bobby me dá uma piscadela antes de ficar de pé. O guarda
empurra Bobby na parte de trás, o fazendo andar, e a porta de aço vibra
antes de abrir e levarem Bobby para fora da minha vista.
Eu desligo o telefone, me curvo na minha cadeira e suspiro. Eu
não sei como tirar Bobby daqui. Eu não sou uma advogada. Eu não
conheço um ótimo advogado e eu não tenho esses tipos de
conexões. Meus olhos se arregalam com o pensamento. Conexões. Meus
pais. A única maneira de Bobby sair daqui é se eu falar com os meus
pais. As conexões que eles têm podem funcionar em favor de Bobby. A
última porta do meu passado conturbado que vou ter que passar.
— Foda-se, — eu resmungo.

Eu estaciono no clube de campo que eu costumo encontrar minha
mãe e espero. Liguei para ela assim que eu saí da visita de Bobby
ontem, e lhe pedi para me encontrar no estacionamento hoje. Ela, claro,
estava muito preocupada, considerando que acabamos de nos ver e não
devemos nos encontrar novamente até o próximo mês.
Dedos batem contra o vidro na minha porta, me fazendo saltar de
meus pensamentos.
— Jessica, está tudo bem? — minha mãe pergunta quando eu
rolo a janela para baixo.
~ 208 ~

— Entre, — exijo, olhando para minha mãe confusa. Você pode
dizer que ela pulou em seu carro e veio direto para cá. Ela está em
calças e jaqueta. Sem cabelo arrumado ou gigantesco chapéu que você
podia ver de longe.
Ela balança a cabeça e caminha ao redor do meu jipe.
— O que está acontecendo? Addie está bem? — ela questiona
antes mesmo de subir no meu jipe.
— Sim, ela está bem, — eu respondo, virando na minha cadeira
para a encarar.
— Você ouviu falar alguma coisa da família de Travis? — eu
pergunto, descansando as mãos no meu volante.
— Não, eles não falam conosco uma vez que saíram do conselho
de administração do hospital, — ela informa, sacudindo a cabeça. Eu
fecho meus olhos e engulo. Minha língua bate no meu céu da boca
como lixa. Eu não tenho certeza quantos detalhes eu deveria dar a ela
sobre o que aconteceu com Grant, mas eu preciso divulgar algumas
informações se eu vou pedir qualquer ajuda.
— Grant veio me ver, — eu finalmente derramo, a fazendo ofegar
em reação.
— Ele sugeriu que eu tinha algo a ver com o desaparecimento de
Travis e queria o dinheiro da herança que eu estava para receber, — eu
começo. Minha mãe se vira em seu assento, apertando o peito.
— Ele me sequestrou e ameaçou me matar se eu não lhe desse o
dinheiro, — faço uma pausa, deliberando se eu deveria dizer a ela que o
matei. Ela nunca vai olhar para mim do mesmo se ela soubesse que eu
tinha outra alma manchando minhas mãos. — Eu fiz o que tinha que
fazer, — eu sussurro, não dando a ela os detalhes arenosos. Ela inclina
a cabeça para o lado, querendo claramente uma explicação, mas eu
opto por ignorar. — Por isso, alguém que me importa está tomando a
responsabilidade em meu lugar. Ele vai ficar um longo tempo na prisão
se eu não fizer alguma coisa, mãe. — meus olhos se enchem de
lágrimas.
— Ele? — minha mãe pergunta, tirando sua mão de seu peito, e
estendendo a mão para segurar a minha em conforto. Eu aceno,
enxugando as lágrimas que escaparam e espirraram no meu rosto.

~ 209 ~

ela olha para longe da janela e olha para mim. — minha mãe enfatiza a palavra motoqueiro. Eu rio nervosamente. pensando em Bobby como um herói. mas não acho que Leo brincava de ser um motoqueiro. então Leo saiu do seu caminho para provar à seu pai que ele era o homem para o trabalho. eu estava apaixonada por outro homem. depender de outro e me machucar mais do que eu poderia suportar. abrindo os olhos. — Ele é parte de um moto clube. — ela ri. Jessica. Eu levanto uma sobrancelha para ela. Mas quando eu penso sobre isso.— Quem é ele. dela Depois que ela contém a si mesma. — eu admito. — Pobrezinha. O que quer dizer com modo de vida dele? — minha mãe pergunta. A reação perturbadoramente diferente do que eu estava esperando. ~ 210 ~ . — ela fecha os olhos e balança a cabeça enquanto ela lembra dos detalhes vívidos em sua mente. e ele era um motoqueiro. este herói repentino seu? — minha mãe pergunta. Um amor que você só vê nos filmes. eu não tenho certeza se posso ser o que ele precisa que eu seja. Não estava pronta para a ideia de me apaixonar. — Ele fez algumas coisas ilegais. Seu pai era um motoqueiro também. Fiz tudo ao meu alcance para mantê-lo longe. Você puxou sua mãe mais do que eu pensava. seu sorriso grande. Eu rio. — Antes de conhecer seu pai. — Ele tinha tatuagens e cabelo comprido. com o rosto iluminado e alegre. sua mão descansando em sua boca enquanto ela tenta conter o ataque de risos. e eu balanço minha cabeça enquanto eu mexo com os meus dedos nervosamente. — Você não está fazendo nenhum sentido. o rosto torcido em confusão. — O que você quer dizer? — eu questiono com um encolher de ombros. O homem era selvagem. — eu humildemente respondo. ele tem sido meu herói desde que eu o conheci. e eu gostava andando na parte de trás de sua moto sexy enquanto ele fez isso. — ela murmura. — eu fecho meus olhos só de pensar nos anos desperdiçados. embora. — Ele está cuidando de mim e Addie desde o primeiro dia. Minha mãe começa a rir descontroladamente. seu tom sincero. Ele era quase demais para olhar. — A forma como ele vive sua vida.

mas se não o fizer. nós nos mudamos no meio da noite e eu nunca vi meu amor outra vez. Jessica. não aprovou. — Não lute contra isso. Eu não sabia que ele mudou completamente sua visão sobre a vida embora. dizendo as coisas mais ultrajantes. Eu me arrependi dessa escolha todos os dias desde que você o deixou. — Eu amo o seu pai. suas palavras graves enquanto ela se lembra. eu não era a mãe mais atenta. e este é um desses ~ 211 ~ . Eu sorrio. rindo. — Quando você estava com Travis. sabendo que meu pai não vai querer nada a ver com Bobby se ele vir o bandido tatuado que ele é. também. — ela informa seriamente. Seu pai me disse para cair fora. Eu amo. Seu pai teve recentemente um ataque cardíaco e está vendo as coisas sob uma luz diferente ultimamente. os olhos brilhantes olhando para mim. — diz minha mãe. — Leo me fez me apaixonar perdidamente por ele. Sempre me perseguindo. — É a nossa natureza cuidar da família. Ele soa apenas como Bobby. balançando a cabeça em confusão. ela disse que ele estava diferente. soltando minha mão suada. mas quando temos a oportunidade de corrigir os nossos atos errados. Ele vai fazer o que eu pedir. — ela continua. eu vou deixálo. Onde está esse misterioso motoqueiro? — Meu pai. — ela dá um aperto de mão firme. se você se importa verdadeiramente com este homem. — eu começo. Eu não sabia o quão grave era. deixar para lá e eu fiz. — continua ela. Não lute contra seus sentimentos. — Eu e papai vamos cuidar disso. Ela se estica e agarra minha mão. tenho certeza. Minha mãe chicoteia a cabeça em minha direção com o pensamento de perder o homem que ela se apaixonou passando em sua cabeça. — Mas papai. mas eu amei Leo. Ele era implacável. Minha mãe bufa..— O que aconteceu? — pergunto. Me proibiu de ver Leo novamente. o rosto ficando vermelho. Jessica. — ela vira a cabeça. nós devemos. muito parecido com o dele. Eu me lembro quando a minha mãe me disse que ele teve um ataque cardíaco. Eu respiro subitamente e aceno a cabeça. porra. — Você é a nossa filha. — continua ela. Quando eu não acatei suas regras..

— Tudo bem. — ela sussurra em meu ouvido. mas papai. — Sim. hesitando antes de envolver as mãos em volta de mim. — ela ri. ele sente falta de você e de Addie. Jessica. não há mais nada em Nevada que pode te prejudicar. — Mãe. — Baby. — ela interrompe..momentos. — eu digo. — eu começo. — eu rio em seu ombro. juntamente com Addie. A mulher diante de mim se transformou em uma mãe que eu nunca tinha ousado imaginar. me fazendo rir. Sem pensar. a abraçando. não confirmo ou nego essa noção. eu me jogo dentro dela. — Apesar das ações do seu pai. sabendo que há tantas lembranças ruins em Nevada. pelo que entendi. nós vamos. e a ideia do meu pai e Bobby em uma reunião já está fazendo minhas mãos suarem. Ela fica tensa. eu não sei. — Você tem que vir para a Ação de Graças e trazer este herói motoqueiro. — minha mãe acrescenta. ~ 212 ~ . sorrindo. Eu dou de ombros e dou um sorriso torto. Ele virá por aí se ele quer sua filha de volta em sua vida. — Você acabou de dizer a palavra porra. exasperada. os lábios franzidos com determinação.. ignorando completamente minha observação da sua tomada de palavra. Com a idade vem à sabedoria.

Capítulo quinze JESSICA Já se passaram dois dias desde que eu vi minha mãe. O cheiro de liberdade e o som dos meus medos crepitam quando a chama consome a caixa inteira. — Sim. sabendo que ela não pode me ouvir. Ela me garantiu que essas coisas levam tempo e que havia planos em andamento para tirar Bobby da cadeia. Não muitas pessoas que iriam entender por que eu mantive essa caixa. — Eu também te amo. Eu vou direto para o meu quarto e caio na minha cama. tomar decisões cuidadosas que protegeriam Addie e eu. isso tem o meu coração pulando no meu peito. Eu a vejo queimar. Olhando para o meu armário. e eu estou ficando cada vez mais ansiosa. Todos os dias que eu via. eu vejo a caixa de sapatos embalada. Depois de pegar um isqueiro de uma das gavetas. Não há nenhuma razão para sofrer em um tumulto de medo mais. Ela alimentou o meu medo. Decisão tomada. ela me lembrava de por que eu precisava pisar levemente. Meus olhos pulam para dentro. Por que eu iria manter algo que eu estava tentando esquecer? Para mim. Me sento. se preparando para dormir. olhando o apartamento agora limpo. eu faço o meu caminho para a porta da frente. Eu jogo a caixa de sapatos na lixeira carbonizada e acendo. Eu sou tão grata que alguns dos caras do clube ajudaram a limpar tudo depois que Grant destruiu. — Você escovou os dentes? — pergunto a Addie que caminha para fora do banheiro. Somente nas últimas semanas eu percebi que vivi em mais medo tentando me certificar de que eu nunca ~ 213 ~ . Eu corro pelas escadas e para fora da porta do átrio de volta para a grade do condomínio. arrebatando a caixa da prateleira. considerando o quanto eu sofri antes. mãe. te amo. fechando a porta do quarto. eu permaneço firme. era simples. — murmuro. Eu verifico Addie em seu quarto. encontrando ela aconchegada na cama e já cochilando. Foi um lembrete diário que ser solitária não era uma coisa tão ruim. A caixa precisa ir. Eu fecho a porta e sigo para a gaveta da cozinha. — ela grita.

— Bull ~ 214 ~ . Minha mãe ligou esta manhã e disse que ela falou com tantas pessoas quanto podia em seu círculo. Segura e protegida. É impossível estar totalmente no controle de seu bem-estar. deixando meu passado diminuir na brisa de verão. Bull coça a cabeça de cabelos escuros. antes de descansar os braços sobre a mesa suspirando pesadamente. — Bobby está saindo com autodefesa com Grant. que acabamos muitas vezes optando por ignorar. ou talvez fosse quando Bobby jogou a coleira para a escuridão devoradora.revivesse o que eu tinha passado. Eles haviam travado uma pausa. Bull chama com o veredicto do advogado. tudo que eu sei é que eu estou apaixonada por Bobby. será liberado em liberdade condicional depois disso. e eu finalmente me recuso a sentar e permitir que a besta selvagem do medo dite a minha vida. e não o ter aqui comigo para lhe dizer uma e outra vez. Talvez tenha sido a experiência de quase morte. Estou tentando sobreviver nesse mundo fodido. Depois que a caixa não é nada além de cinzas e um par de anéis carbonizados. Bobby me dizendo que me amava. que vai puxar algumas cordas para Bobby. Me sento no clube à espera de Bull nos dizer o destino do futuro de Bobby. Sua hesitação me deixa nervosa. Aparentemente. mas devido a sua história e agredir Skeeter. mas nada mais. ele está pegando três meses na cadeia. Fosse o que fosse. A vida nos faz lembrar que somos humanos. Quando eu matei Grant. Estas são palavras. claro. o meu pai realmente puxou uma bala do chefe de polícia em Nevada há dois meses e está reembolsando o favor ao meu pai entrando em contato com o chefe de polícia aqui. dói. Seu significado é um manto de realidade. Várias horas depois. e. do que o medo que eu tinha sofrido quando eu estava vivendo esse pesadelo. eu viro e corro de volta para dentro. Dói chegar a termos com a noção. um fardo de medo que me dividia de Bobby foi finalmente destruído. então.

Brilhante e quente. seus olhos verdes vibrantes de excitação. Eu não posso aguentar três anos. — Filho da puta sortudo. o cheiro de Bobby me cumprimenta. — Ei. Eu ando em torno dele e abro a porta da caminhonete. Vejo o colete de Bobby no banco. ~ 215 ~ . Eu rio. e sabendo que ele estava atrás das grades por minha casa me mataria. Eu ficaria louca pela falta dele. Eu olho para ela. me aproximo e o agarro. — fala Lip. agora de pé ao meu lado. A caminhonete Azul de Bobby puxa para o estacionamento. o sol bate em mim quando eu deixo o clube. isso é certo.informa a mesa. olhando diretamente para mim. sorrindo. Eu sorrio e rio. — Shadow cumprimenta. — acrescenta Bull. Mas ele não cheira como Bobby. ele tem cheiro de couro fresco. desligando o motor. — É bom. querido. Eu posso aguentar três meses. — Foi tirado das evidências. — Shadow responde a minha pergunta não feita. Os rapazes começam vaiando e gritando sobre a notícia quando me levanto. esta manhã. suor escorrendo em bicas pelas minhas costas. alguém está olhando por ele. — Dani lisonjeia Shadow. A última vez que o vi foi quando estavam embrulhando fita isolante na cena do crime. — Ei. antes de olhar para o colete. o levantando para o meu rosto. o motor barulhento vibrando do lado de fora do clube quando Shadow a leva para a garagem. Um rugido de motor familiarizado chama a minha atenção em frente ao pátio. Eu suspiro e o olho. e caminho para fora da sala. Eu desdobro o colete e observo a parte de trás que diz Propriedade de Bobby. aliviada que Bobby estará livre em breve. É bom apenas meses e não anos na cadeia. O que isso significava para mim? — Ele ia te pedir para ser sua old lady. contornando a traseira do carro. Ele desce ao mesmo tempo em que Dani está saindo do lado do passageiro. Doc. — eu respondo. olhando para o caminhão de Bobby. deslizando a mão ao longo da caminhonete de Bobby. — diz Dani. mas eu gosto mais do seu Mustang. — Ele tem sorte.

Seria apenas em fazê-lo feliz de mostrar ao seu mundo que eu sou sua mulher. Eu me masturbei tantas vezes desde que estou aqui. Jessica me visitou em um par de vezes. Ela está certa. — Mas se você aceitar esse colete. — ela sorri. Tenho contato os dias até chegar aos três malditos meses. eu não me lembro de como é uma buceta real. Não coloque aquele colete. mas não é suficiente. eu não tive quaisquer desentendimentos com ninguém. com tatuagens serpenteando até o pescoço. e tenho recebido cartas com o cheiro dela. andando até as barras douradas que nos contêm como se fôssemos animais. Ele não era tão ruim como um companheiro de cela. você está ligada em Bobby.— É um privilégio. Isso é o que fazemos na maioria do nosso tempo aqui: assistir aos outros se foderem e lutar por uma porcaria mesquinha. reclamando um para o outro. — Isso é uma luta? — Yuki pergunta. Eu estava em Bobby no dia em que ele pôs os olhos em mim. Até agora. Yuki é um filho da puta baixo. e de como se sente uma. você sabe. — Shadow instrui. mas isso é porque ~ 216 ~ . isso não o iria impedir de me afirmar como sua. seu tom sério. e nós fazemos qualquer coisa para a família. me fazendo rir. Tomar esse colete faz com que você seja nossa família. mas eu tenho certeza que você já está de qualquer forma em Bobby. — É verdade. Nós assistimos Geo e Sandler lutar em sua cela em frente a nós. Ele ainda disse isso assim mesmo. Doc. Você simplesmente não está vestindo o patch de propriedade ainda. arrastando o dedo ao longo das marcas costuradas no couro. Ela balança a cabeça ao ouvir suas palavras. Eu olho para Dani para ver se ele está brincando. se você está tentando compreender o que é isso. Eles estão sempre discutindo. — ela sorri. BOBBY Eu saio em um mês. mas é chato pra caralho no meio da noite. Se eu usar este colete ou não. Pode ser um bom entretenimento.

dando a Sandler sua oportunidade. — Yuki ri. — murmura Yuki.eu estou na cadeia do condado e não na prisão. tentar a minha sorte com dinheiro real em vez de cigarro. Eu olho Geo. deliberando seus prós e contras. É assim que o comércio do mundo é aqui. ele poderia ganhar facilmente. — Porcos de merda. — Oh. Se você quer coisas aqui. Geo se levanta. — Mais quatro semanas. Sandler envolve seus braços em volta de Geo e o puxa para baixo. Sandler agarra Geo por sua cabeça e o derruba para o chão de concreto. — comento arrogantemente. como um lutador de sumô. eu não vi isso. cadela. Sandler é alto e magro. mas ele tem músculos em seus braços. Eu já marquei um monte de merda em apostas vencedoras. Ele é enorme. — Yuki amaldiçoa. balançando a cabeça. e ele é rápido. — eu aposto.. irmão. batendo na parte de trás da parede e caindo de costas. se voltando para seu beliche. envolvendo as pernas ao redor da parte superior do corpo de Geo. e não no condado. empurrando longe das barras de aço. movimento errado. Eu deveria ir para Las Vegas quando eu sair. claramente feliz com o jogo em Geo. Dando a Geo a vantagem. — Sim. mas o seu grande tamanho o torna lento. ele sobe em Sandler e lhe dá um soco forte no rosto. Yuki e eu estremecemos com isso. sua gordura o tornando forte. playboy e comprimidos. ~ 217 ~ . derrotando Geo. a melhor maneira de obtê-las é por apostas vencedoras. segurando a minha mão estendida para o pagamento. Se ele é rápido o suficiente. Geo tem Sandler em suas costas quando Geo o vira. — Me pague. — Parem com isso! — grita um guarda. — Apostar? — Yuki sugere.— eu resmungo. — Foda-se. A maioria das pessoas que gostariam de se meter comigo estão na prisão. fazendo dele um alvo fácil. Ambos.. eu tenho dois maços de cigarros se Sandler ganhar. batendo o cassetete contra as grades.

— Prazer em os conhecer. — eu expliquei. O ter na cadeia. Shadow apenas olhou para ela com a boca aberta em reverência. correndo a mão pelo cabelo louro longo de Addie. esta é Addie. e longe de mim 24/712 é tortura. mantendo a nossa distância. ou se eu estou simplesmente indo junto para o passeio. Shadow. o sol lançando calor no meu corpo suado quando as ondas lentamente me levam de volta à costa. e ouvir o absurdo de sua boca arrogante. ~ 218 ~ . me colocar lá fora. as sobrancelhas quase juntas em uma linha fina. que iria para o fim da terra por ela. passar as mãos pelo seu cabelo loiro. 12 24 horas por dia. Tudo que eu quero é tocar seu rosto. Eu estou ficando louca. Os olhos de Bull foram tão amplos. choque corre através do meu núcleo. — Bull. Ambos estavam chocados que eu tinha trazido Addie para eles. eu aceitei o clube como família e levei Addie para conhecer a todos. mas realmente eu estava mantendo uma família. Eu achava que a estava protegendo. Eu ainda posso ver Bull e Shadow com o rosto atordoado quando eu entrei no clube.JESSICA Eu deito na minha prancha e olho para o céu azul brilhante. segurando sua mão. Seu vestido de verão branco bateu no vento quando ela olhou para os dois homens corpulentos. sabendo que o destino poderia terminar a minha barreira cheia de cicatrizes. Era mais fácil afastar dele quando eu sabia que ele estaria sempre lá quando eu precisava dele. Admitir que eu desse ao amor uma segunda chance. Nos últimos três meses. Mais uma semana e Bobby vai estar em casa. Inferno. deliberadamente. Meu futuro iminente agora está fora do meu controle. Eu não sei se eu sou estúpida por me permitir me tornar tão vulnerável. Ficar longe de Bobby nunca foi tão difícil. no comprimento do meu braço por causa de meus próprios medos egoístas. no entanto. me faz respirar subitamente. Addie comigo no meu jipe. minha filha. eu sinto que estou na prisão também. — disse Addie docemente. sete dias por semana.

— eu aviso. Bull e Shadow pareciam mais nervosos do que ela. — eu olho por cima do meu ombro e vejo um grupo de caras com suas pranchas de surf olhando para mim com avidez. olá.— Bem. Nado para fora da água. Zane. — Shadow respondeu. — Eu posso lhe dar algo para montar. Ele se agachou. querida. Addie sorriu e balançou para frente e para trás tanto quando Shadow e Bull olharam para ela. Seu rosto estava tenso. Me sento na minha prancha preguiçosamente e vejo que eu estou apenas a alguns palmos a partir da costa. — Continue falando e sua mãe vai andar ao seu funeral. olhando atentamente Addie. Uma onda me empurra com força. — Oi. enfio minha prancha debaixo do braço. olhando para mim como se eu tivesse ~ 219 ~ . obtendo o nível dos olhos com Addie e sorriu um dos sorrisos mais sinceros que tenho visto em Bull. Seus corpos são duros além de saudável. já tem uma queda por ela. na verdade. e vou ao longo da praia até o grupo. Cada uma das olds ladies se apaixonou por Addie rapidamente. mas. alguns deles ao redor da churrasqueira e rindo. a sua diferença de idade nunca vai deixar ir mais longe do que uma paixão. — Bull murmurou. olhando para eles. e até agora ela parece estar adorando. eu acho que o filho de Dani. Fiquei surpresa com a confiança de Addie quando ela conheceu Bull e Shadow. Os membros do clube estão de pé ao redor conversando. olhando entre Addie e eu como se não pudesse acreditar que eu realmente trouxe Addie ao clube. claro. Eu pensei que ela ficaria nervosa em um encontro com um grupo de motoqueiros tatuados. Addie estava mais do que disposta a aceitar essa proposta. me obrigando a abrir os olhos da memória e me agarrar ao lado da minha prancha. Esta é a primeira reunião que eu trouxe Addie. e se não estou enganada. Graças a Deus. lhe apertando a mão. Dani me incentivou a trazer Addie para seu estúdio de dança para o balé e. falando sobre o quanto ela se parecia comigo. mamãe quente. Eles param de rir. e seus cabelos queimados a partir do sol e do mar. apertando a mão de Addie. — Bull cumprimentou. — Menina você cresceu. mudando minha prancha debaixo do braço.

Agora saiam. mais cinco minutos. qual é. puxando meu pescoço com o braço dele. Essa areia vai ser um pesadelo para sair do cabelo de Addie. Seu mamilo perfurado captura meu olho. — Sério. vamos pegar alguma coisa para comer e tomar uma ducha. Se você quiser. Porcaria. À espera de Bobby para sair tem sido uma tortura. — Eu acho que eu tinha eles no papo. Este é o castelo de areia de todos os castelos de areia. — Ei.claramente perdido a cabeça. O grupo de surfistas resmunga baixinho e segue para o estacionamento. e não de um bom jeito. — lamenta Addie. Cherry está vestindo um biquíni amarelo pequeno e está coberta de areia dos pés à cabeça. — Ah. apontando a minha mão para Addie. — ele informa. — Cherry implora. Addie e Zane não estão melhores com toda a areia que os estão cobrindo também. Eu só queria ter certeza de que você não enlouquecesse. Bobby me disse que você pode ser louca. — ordena Lip. Para ser honesta. Mas eu não posso disfarçar o sorriso rastejando em meu rosto. vá pegar Addie e Zane da construção do castelo de areia deles e então pegue um prato. não! — ele grita. recuando e tentando agir ofendida. jogando seu braço tatuado no meu pescoço. — Ele disse isso? — eu questiono. — sugiro eu. e Addie. me fazendo rir. Zane se levanta do assento em seus joelhos e aponta para mim. mamãe. Zane. — Sim. eu tenho. e passa a mão pelo peito dele. isso deve doer. — eu rio. Droga. — Lip informa seriamente. isso está fazendo meu mamilo doer só de olhar para ele. estamos quase terminando. — Não. — Eu acho que Dani disse que o jantar está pronto. construindo um enorme castelo de areia. eu sei que você tinha. soa apenas como algo que Bobby diria sobre mim. Vou até Cherry. Lip ri. — Você ouviu. enchendo um balde com areia. um balde verde em sua mão cheia ~ 220 ~ .

Cherry. — eu respondo. isso foi o toque perfeito. — Ei. — Yuki observa. batendo contra a palma da mão. — Jesus. — Vocês ficarão algum tempo no pátio. de qualquer maneira. — Você tem certeza que não quer correr. Vamos! — grita um guarda. Yuki me dá um cigarro e eu aceito. — eu respondo. O guarda me olha quando eu passo por ele. olhando para Cherry. ~ 221 ~ . Isso me lembra algo que Bobby faria. mas se você ficar por aqui. amigo. — continua ele. — Lip ri. — Eu não era muito uma boa menina para começar. cruzando os braços. olhando para o calendário na parede. isso arrebenta. — Lip ri. BOBBY — Você está saindo hoje. quem sabe o que você vai se tornar. — Eu nem sei o que dizer. Eu não posso evitar. sério? — Lip ri. — Você é uma boa menina. ainda. Doc. Doc! — Cherry grita. mas rio de seu apelo desesperado para se jogar na areia com as crianças. furando o palito no topo do castelo. se levantando para olhar o palito. — Cherry diz seriamente. pegando o palito da sua boca.de areia. balançando a cabeça. irmão. porque agora é a sua chance. — Sim. um palito saindo de sua boca. caminhando para o outro lado. riscando um círculo em torno do castelo com as duas mãos. Eu me levanto da cama. sua voz ecoando por toda a cela. Eu sorrio. — Oh cara. imitando um fosso.

Nos últimos três meses. vamos. dando uma tragada de meu cigarro. então eu estou confuso por que ele iria voltar para as drogas de merda só para pousar de volta aqui. eu tenho cartas e falo com ela no telefone. — eu rio. dando de ombros. o sexo. — murmuro. — Sou eu. mas isso não significa nada. Por que diabos ele faria isso? Ele não é um comerciante de alto nível. — Mais cinco meses e eu estou fora. — ele responde. ou a família disse para encontrar um homem melhor. — Yuki continua. O idiota vendeu maconha para um policial disfarçado. se inclinando contra a cerca. Essa é a única coisa que eu sinto falta. — Voltar para negociação. — Então o que você vai fazer quando sair? — Yuki pergunta. coçando a parte de trás do seu pescoço.— O que você menos sentira falta da cadeia? — Yuki pergunta. — Sem mais comida de merda e sem mais o trabalho de quinta. cara. Ele não está em uma gangue ou fraternidade. — Sério? — eu questiono. exasperado. eu posso admitir. — O dinheiro é bom demais para andar para longe. ou correu para casa se trancando atrás de portas fechadas. ~ 222 ~ . Sorte para ele que é sua primeira infração e ele tem um inferno de um advogado. Yuki foi pego traficando drogas e parou aqui. minha esposa é diabética. exalando a fumaça. Depois de ver isso diariamente aqui nos últimos três meses. jogando conversa fora. — Foder minha garota. — Bobby. — Minha mãe está em uma casa de repouso. com certeza. Essas contas não pagam sozinhas. eu estou fodidamente nervoso. — grita o diretor Smith da porta. aqui e ali. fazendo Yuki rir. Claro. — eu respondo rapidamente. — ele resmunga. eu me perguntava se Jessica superou seus medos e velhos hábitos. — O que você vai fazer quando sair? — eu pergunto. — Yuki responde. Tenho visto presos suficientes com fúria através do presídio porque sua esposa ou namorada se cansou de esperar por eles e fodeu o vizinho. Tempo separado muda às pessoas. bloqueando seus dedos em cima do muro e olhando para fora. colocando um cigarro entre os dentes.

— Vejo você do outro lado. Eu recuo e a olho por cima. andando em direção à porta trancada. — Mantenha meu beliche quente. dando um tapa minhas costas. cara. Querendo ela. correndo em minha direção. de um lado para o outro. eu me inclino contra a porta à espera de um deles desbloquearem. Eu sigo em direção à porta trancada que me leva para fora deste inferno. — eu respondo. O cheiro dela. — Vejo você em breve. a sensação dela. A porta do carro abre e Jessica voa para fora. — Bobby! — meus olhos abrem. é pura fodida felicidade. Eu imediatamente sinto o seu couro desgastado confortando as minhas costas. passando pelos guardas chateados ao longo do caminho. ~ 223 ~ . Eu sorrio e corro em direção a eles. e meu Chevy azul estão estacionados ao lado de todos eles. Ela agarra em mim. Impaciente. Minhas mãos apertando suas costas. esmagando seus lábios nos meus agressivamente. pronto para dar o fora daqui o mais rápido que eu puder. muito mais doce deste lado da cerca. Isso provavelmente irá ocorrer. eu corro mais rápido. — murmura Diretor Smith.Eu dou a Yuki um tapa na parte de trás e lhe entrego o meu cigarro pela metade. e suas pernas envolvem em torno de minha cintura. — Yuki sorri. Eu a agarro de volta mais duramente e sinto o couro sob minhas palmas. Bobby. a puxando para perto de mim. Ela vibra e eu a empurro aberta. Esperando por mim está o meu clube e está todo sentado na extremidade do estacionamento. notando que ela está usando um colete de couro. Motos. Eu coloco minhas roupas civis de volta. Eu a agarro pelos quadris e a pego. — Você está usando meu patch de propriedade. junto com meu colete de couro. eu inalo o cheiro satisfatório da liberdade. e o sol mais quente deste lado do Presídio. — eu sussurro em descrença. Fechando os olhos. sabendo que eu vou estar de volta.

— Sim. — Você sabe que isso significa que você é minha. você era. ~ 224 ~ .— Eu estou. — Eu preciso de cinco minutos a sós com você. e estreito minhas sobrancelhas para ela. — eu concordo. a ideia dela em nada além desse colete de couro endurece meu pau dolorosamente. vestindo nada. — Sim. baby. além disso. — eu rosno. inclinando a cabeça para o lado. sorrindo. eu acho que eu era sua desde o início. Cinco minutos é até demais. — ela responde. — eu sussurro para Jessica. — Apenas cinco minutos? — pergunta ela. — O que posso dizer? Eu estive preso. me inclinando e beliscando seu lábio inferior. Eu sorrio. — ela ri. Para sempre agora.

— Não que eu saiba. não. — eu declaro. e está vestindo um top brilhante verde eu a posso apenas ver em parte sobre o balcão. — complementa Cherry. — Oh. desfiando carne de trás do balcão da cozinha. pegando alguns chips de um saco. — ela começa nervosa. deixa comigo. enxugando a testa com as costas da mão. — Obrigada. olhando para mim com um grande sorriso. — Uh. — Você precisa de alguma ajuda aqui? — eu pergunto. tomando um prato de papel do balcão. suas bochechas corando um vermelho brilhante. Eu rio. — Sua filha é linda. pegando algumas frutas de uma bacia. — Bobby insiste. — Você tem filhos? — pergunto. vendo Zane corar quando ele ri das caretas de Addie. fazendo sua camisa subir e revelar seu abs tatuado. — Assim como seu tio Bobby. — Sim. — Addie quer um pouco de ~ 225 ~ . algo assim.Epílogo JESSICA Eu sento no bar assistindo Addie brincar com Zane. — comenta Shadow. — Ele é como um homem das senhoras. — ela responde. antes que todos os homens acabem e comam tudo. — ri Shadow. Cherry olha para mim com os olhos arregalados e seu rosto em um pânico súbito. — eu respondo. Ela tem o cabelo loiro morango puxado para cima em um rabo de cavalo desleixado. esticando os braços acima da cabeça com indiferença. a observando maltratar um pedaço de carne com uma faca de açougueiro. — Addie pode ser bonita. levando sua cerveja aos lábios. Eu ando na cozinha para pegar um prato de comida para Addie. mas acho que a maioria das crianças é. — Cherry ri. me entregando uma cerveja.

e caminha em direção a mim. — Eu quero transar com você. Nossos corpos emaranhados em um abraço batem contra a porta antes de tropeçar na cômoda. me fazendo questionar se havia um sentimento de pânico antes ou se eu imaginei. Eu abro a porta e nós dois entramos. Eu pego um copo para Addie e Zane. Como se ela nem percebesse o que havia dito ou algo assim. Minhas pernas tremem de antecipação. dá um tapinha em Shadow na parte de trás. Eu mordo meu lábio inferior e olho Addie e Zane fazerem arte com a comida. Bobby. as mãos apertando meus seios possessivamente. o arrastando até que eu chego ao seu quarto. fazendo minha calcinha molhar instantaneamente. Eu aceno a cabeça. Ele aperta seus lábios nos meus. — Ela está bem. Ela arranca um pote gigante de sorvete de chocolate e solta encima do balcão. Sem perder tempo. Bobby bate a porta e me agarra pela bunda. Ele sorri.sorvete? Dani comprou um monte de sorvete. Ela olha para mim e sorri. Minha cabeça cai para trás e eu rio histericamente enquanto eu sou arrebatada pelo corredor. — ele sussurra. derrubando tudo em cima dela no chão. Bobby olha para cima. ~ 226 ~ . Aperto a barra da minha camisa e a levanto. me levantando. meu colete de couro caindo no chão com ele. e me sento em um banquinho assistindo Lip. beijando ao longo do meu peito. — ela se vira para abrir a porta do congelador rapidamente para evitar a minha pergunta. Eu me viro e o agarro pela camisa. — ele murmura. curiosa pelo que a fez reagir do jeito que ela fez. Uma vez diante de mim. Shadow vai. e Shadow rindo de alguma coisa. sem tirar os olhos dela. pegando a minha boca com força. seus olhos segurando os meus. e se as crianças não os comer. Bobby corre a cabeça para frente. me empurrando para trás. sua boca fazendo cócegas na minha orelha. ele me agarra pela cintura e me chama para perto. um fogo se espalhando descontroladamente entre elas.

Meu corpo treme quando Bobby coloca sua língua contra o meu clitóris. Eu cerro os dentes e assinto com a cabeça quando a sensação de prazer sensual se constrói ao redor de sua mão hábil. usando meus pés para chutar sua cueca o resto do caminho. lançando meus braços. A seda cai dos meus seios. seus dedos provocando minha abertura. Eu não posso me conter e passo minhas mãos sobre seus peitorais. Ele puxa minhas calças para baixo nos meus tornozelos e suavemente puxa minha calcinha para baixo em meus quadris.Eu gemo enquanto suas mãos passeiam em torno minhas costas. em meu abdômen. desfazendo o meu sutiã de seda. Ele desliza as mãos ásperas até minhas coxas. criando uma faísca que faz toda minha pele arrepie. Ele suga meu mamilo em sua boca. as fixando em cima da minha cabeça. — arqueja Bobby. Assim que as calças estão livres. antes de liberar lentamente o cerne molhado. Ele sorri para mim. O som que escapa da minha boca soa mais animalesco do que humano. eu as empurro para baixo em suas coxas tonificadas. meu Deus. puxando os meus olhos para os dele. e remove sua camisa. Ele raspa os dentes ao longo do bico do meu mamilo. Coloco meus pés na borda da cômoda e alargo as minhas pernas. perdida no momento. Minhas mãos acariciam o botão do seu jeans enquanto suas mãos desfazem minha bermuda. Minha cabeça cai para trás a partir da conexão esmagadora. — Alguém está animada. — eu gemo. Eu caio no momento e as sensações que ele está me dando. Bobby coloca ambas as mãos sobre os meus joelhos e os abre. ao longo dos picos de meu peito. o encorajando a ir mais fundo. antes de abaixar a cabeça entre as minhas coxas. e ao longo de meus braços. Ele desliza os dedos entre as minhas pernas e no meu ponto sensível. espalhando minha umidade em torno de meu clitóris. antes de correr minhas unhas para baixo sobre seus abs lhe fazendo assobiar. — Oh. sua língua rodando em torno dela. Ele recua. O desejo inflama dentro de mim ao seu toque. ~ 227 ~ . liberando o peso deles. revelando seu peito delineado perfeitamente com músculos. silenciosamente pedindo para ele me levar.

Sua boca aberta e sua testa enrugada. para onde ele está descansando em seus ombros. — eu ofego. olhando para os fios que estão aderindo à testa das gotas de suor se formando. enquanto a outra perna envolve em torno de sua cintura com força. fazendo com que meus dedos enrolem em torno da borda da cômoda. me segurando quando ele me fode contra a parede. ele me espeta com o seu comprimento. Um calor se espalha em minha metade inferior. Bobby levanta entre as minhas pernas. A língua quente de Bobby abaixa. sua boca brilhante. me lambendo. me virando até que me bate contra a parede. me avisando que ele está prestes a gozar. Minha buceta aperta em torno de seus dedos.Bobby suga meu clitóris em sua boca enquanto seus dedos lentamente entram em mim. Assim quando eu acho que eu não aguento mais. Seus olhos se abrem. estrelas explodem atrás de minhas pálpebras. Silenciosamente falando comigo quando ele coloca a mão nas minhas costas e me levanta. Passo a mão pelo cabelo. Grunhindo ao longo do lado de meu pescoço. A curva do seu pau me batendo é celestial. Ele bate seus quadris. e a sensação dele é emocionante para mim como se eu fosse sua próxima respiração. fechando os olhos. meu corpo ofegante em resposta. sim. O prazer corre até as minhas pernas e inflamando meu núcleo é demais para conter. e me agarra pela cintura. e tomo o meu clímax avidamente. Seu aperto em meus quadris aumenta e seu ritmo se torna irregular com a necessidade. puxando a minha bunda para a borda da cômoda. as puxando para cima. tudo o que posso fazer é cumprir em um deslumbramento. Seu pau pulsa. Meu corpo ainda descendo do meu clímax. — Bobby. Em um movimento rápido. Ele empurra os quadris para frente. o que me leva ao limite segundos mais tarde. Meus braços envolvem em torno de seu pescoço quando ele segura uma das minhas pernas. Seus olhos azuis vívidos me prendem. é quando Bobby fecha os olhos com força e goza. perseguindo esse reino de prazer que eu preciso desesperadamente. — Oh. — murmura Bobby. mordiscando. porra. me fazendo gemer quando seu pau está me tomando fundo. Eu não seguro o ~ 228 ~ .

Eu adorava ser espancada e apenas perder o controle. — Ei. Eu venci meu medo em sua maior parte. eventualmente. — Bobby ri. se levantando.gemido alto que escapa quando o meu corpo ainda está envolvido em torno de sua força. pegando minhas roupas do chão e me vestindo. baby. Eu adoraria voltar para aquele lugar novamente com Bobby. enquanto ele tenta lhe fazer cócegas. Bobby bem ao meu lado quando nós fazemos o nosso caminho de volta para a área comum. Eu sei que vai. me puxando para cima da cama. — Eles têm praticamente sido inseparáveis nos últimos três meses. e aprendi a substituir minhas memórias dolorosas. tudo bem se eu levar Addie para um passeio? — Bobby sussurra em meu ouvido por trás. me fazendo pular. Me viro e olho para Addie. Isso vai acontecer. — murmuro. Aposto que Bobby teria lindos bebês. Só vai levar um tempo. antes de bater em minha bunda. — eu lhe digo. — Hmm. ~ 229 ~ . tirando esse reino de êxtase de mim. e fazer o seu caminho de volta para os rapazes. Eu sei que eu já percorri um longo caminho. Aquecida pela nossa foda memorável. — Bobby responde. Bobby nos mantém na mesma posição e nós leva até a cama. — Zane realmente parece gostar dela. Eu me sento em uma cadeira de metal e assisto Bobby ao redor dos outros caras. seus cuidados e a facilidade com Zane. me fazer dele. e encontra sua cueca para vestir. Bobby se inclina e me beija apaixonadamente. Isso foi antes de Travis levar isso para outro nível. Meus olhos se arregalam. e lhe dar esse controle. enquanto Addie e Zane brincam. surpresa com o pensamento. Estou mais do que satisfeita em permanecer nos braços de Bobby. Eu ando para fora do quarto. — Eu preciso verificar Addie. Aguardo o dia em que Bobby poderá me algemar a cama. antes de cair em cima de mim. mas eu também sei que ainda tenho um caminho a percorrer. eu me movo mesmo não querendo.

— Bobby comenta. — Eu irei. — Eu não sei se Addie está pronta para isso. — Com meus olhos fechados o tempo todo. — ele brinca. — ele canta. Eu assisto Bobby colocar um capacete em Addie. Eu gemo e sacudo a cabeça. Garota. a ajudando a subir atrás dele. eu posso ir para um passeio em uma moto? Zane está indo. e a forma como ele mostra tanto cuidado em torno dela é suficiente para fazer qualquer mulher desmaiar.— Uh. Ele atravessa sua moto. apontando meu dedo em seu rosto. — Bobby! — eu grito. — Mãe. — eu respondo rapidamente. Addie olha e me vê. Beija-flor. Ele sorri com conhecimento de causa e dá em meus lábios um beijo rápido antes de se afastar. fazendo meu coração saltar com medo. — Nada. seu rosto radiante de alegria. tomando a mão de Addie e caminhando em direção à porta. colocando ambas as minhas bochechas em suas mãos. — Addie grita. Eu gemo. Tentando reunir os meus pensamentos de sexo e bebês para Addie montando em uma moto. ela parece muito nervosa. — eu respondo nervosamente. rindo. Eu rolo meus olhos. ~ 230 ~ . me levantando e o sigo para fora. Eu não sei se estou pronta para ela montar em uma moto. Bobby! — eu exijo. — Eu pensei que eu estava de mão cheia com Lip. Eu vou. escovando um fio de cabelo atrás da minha orelha. e o vejo ir embora segurando a mão de Addie. — murmuro. — eu hesito. — eu olho para ele por usar esse apelido em público. andando ao meu lado. você está em um passeio selvagem com ele. — Confie em mim. — Não que eu saiba. — O que você estava pensando? — pergunta ele. correndo em minha direção. e rio. sorrindo no local. — Vai devagar. — Sim. Ele para de repente e corre em direção a mim. Addie abraça seu estômago. — Cherry ri.

Bobby agarra seu guidão. — Certo. Mas eu não me importo. Nunca realmente fez sentido antes. O futuro é incerto para Bobby e eu. Algo que eu ouvi os caras dizerem antes. Nada pode nos parar agora. porque nós vamos sobreviver. e Deus sabe qual o próximo capítulo para nós. ~ 231 ~ . chuta sua moto de sua posição. mas agora faz. — Você não está vivendo a menos que você esteja montando. certo? — eu pergunto. o medo de amar. Ela ri e balança a cabeça. Seus olhos pegam os meus enquanto ele sorri e ele me dá uma piscadela de cair morta. Temos enfrentado o maior medo que nos atormentava como um casal. olhando para Cherry. e olha para mim. se é um que vai ser cheio de dificuldades e brigas.

Intereses relacionados