Está en la página 1de 9

DIREITO CONSTITUCIONAL DIDÁTICO – Professorelias2010@hotmail.com ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADM E PODE EXECUTIVO – IMP AULA 09

PODER EXECUTIVO

PRESIDENCIALISMO: O presidente exerce o poder executivo acumulando as funções de chefe do estado (quando o representa frente a outros Estados soberanos) e de chefe do governo (quando cuida da política interna).

Chefia Monocrática

CHEFIA DE ESTADO

CHEFIA DE GOVERNO

DIREITO CONSTITUCIONAL DIDÁTICO – Professorelias2010@hotmail.com ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADM E PODE EXECUTIVO – IMP – AULA 09 PODER

Presidente da República

PARLAMENTARISMO: o poder executivo se divide em duas frentes distintas, Chefia de Estado (exercida pelo Monarca ou Presidente da República) e Chefia de Governo (exercida pelo 1º Ministro).

Chefia Dual

CHEFIA DE

ESTADO

CHEFIA DE

GOVERNO

Presidente ou Monarca

1º Ministro

1) Da Responsabilização do Presidente da República – rol exemplificativo - Lei 1.079/50 (Art.85, CF)

Crimes de responsabilidade: São infrações político-administrativas, que atentem contra a C.F. e especialmente contra: - a existência da União; segurança interna do país; o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais; o livre exercício dos poderes e do Ministério Público; probidade administrativa; lei orçamentária; o cumprimento das leis e das decisões judiciais - punidas com a perda do cargo e a inabilitação para o exercício da função pública.

Crime penal comum: Todos aqueles previstos nas legislações penais, podendo ser de ação penal pública ou privada.

2) Competência Para Processamento E Julgamento:

- Nos casos de Crime penal Comum: _________________________________________________

- Nos casos de Crime de responsabilidade: ________________________________________________

OBS: Nas duas hipóteses, de crime comum ou de responsabilidade, o presidente ficará afastado de seu cargo por 180 dias não sobrevindo condenação, retornará ao cargo. No caso de crime comum, o Presidente ficará suspenso a partir do recebimento da denúncia pelo STF e no caso de crime de responsabilidade, o Presidente ficará suspenso após:

______________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________

____________________________________________________________________________________

3) Imunidades do Presidente da República: O Presidente da República não dispõe de inviolabilidade material prerrogativa que só foi assegurada aos membros do Poder Legislativo. Logo, o Presidente não é inviolável por suas palavras votos e opiniões, ainda que no estrito exercício de suas funções presidenciais. No entanto a CF outorgou ao Presidente da República três importantes imunidades formais (processuais).

Imunidades

Formal → Material → não dispõe (relativa aos crimes de opinião) 1 - Autorização 2/3 da
Formal →
Material → não dispõe (relativa aos crimes de opinião)
1 - Autorização 2/3 da CD para instauração do processo
2 - Impossibilidade de prisões cautelares
3 - Irresponsabilidade penal relativa

4) Juízo de admissibilidade:

Para que o Presidente da República seja julgado pelo crime comum ou de responsabilidade, é necessário haver autorização prévia da Câmara dos Deputados por dois terços dos seus membros, se não houver tal admissibilidade a prescrição do crime ficará suspensa para que o Presidente da República seja processado e julgado após o término do mandato.

5) Prisões Cautelares:

Esta imunidade impede que o Presidente da República seja preso enquanto não sobrevier sentença condenatória nas infrações penais comuns. Refere-se a impossibilidade de prisão em flagrante ou de qualquer outra espécie de prisão cautelar (preventiva ou provisória) seja o crime inafiançável ou afiançável. Ou seja, para que o presidente da república seja recolhido à prisão é indispensável à existência de uma sentença condenatória, proferida pelo STF.

6) O Presidente da República na vigência do seu mandato não poderá ser responsabilizado por atos estranhos ao exercício de suas funções.

Refere-se à impossibilidade de responsabilização do Presidente da República, na vigência do seu mandato, nos atos que não guardem conexão com o exercício da atividade presidencial. Assim se o Presidente da República em férias no litoral, no calor de uma discussão com um eleitor, vem a disparar sua arma matando o cidadão, estamos diante de um crime comum que é estranho ao exercício presidencial, pois na sua prática o Presidente da República não estava atuando como tal, mas sim como cidadão comum.

Imunidades Formal → Material → não dispõe (relativa aos crimes de opinião) 1 - Autorização 2/3A TENÇÃO! Item de prova – O STF decidiu, em face da omissão da CF, que somente pode ser estendida aos governadores de Estado e do DF a imunidade formal do juízo de admissibilidade , uma vez que, as outras imunidades processuais (prisão cautelar e irresponsabilidade por atos estranhos ao exercício da função) não podem ser estendidas pelas Constituições Estaduais aos seus Governadores, por se tratar de prerrogativas inerentes ao Presidente da República na qualidade de chefe de Estado. DAS COMPETÊNCIAS PRIVATIVAS DO PRESIDENTE " id="pdf-obj-1-23" src="pdf-obj-1-23.jpg">

ATENÇÃO! Item de prova – O STF decidiu, em face da omissão da CF, que somente pode ser estendida aos governadores de Estado e do DF a imunidade formal do juízo de admissibilidade, uma vez que, as outras imunidades processuais (prisão cautelar e irresponsabilidade por atos estranhos ao exercício da função) não podem ser estendidas pelas Constituições Estaduais aos seus Governadores, por se tratar de prerrogativas inerentes ao Presidente da República na qualidade de chefe de Estado.

DAS COMPETÊNCIAS PRIVATIVAS DO PRESIDENTE

Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República:

  • I – nomear e exonerar os Ministros de Estado;

II – exercer, com o auxílio dos Ministros de Estado, a direção

superior da administração federal;

III – iniciar o processo legislativo, na forma e nos casos previstos nesta Constituição; IV – sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, bem como expedir decretos e regulamentos para a sua fiel execução;

  • V – vetar projetos de lei, total ou parcialmente;

VI – dispor, mediante decreto, sobre:

a)_organização e funcionamento da administração federal, quando não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos; b) extinção de funções ou cargos públicos, quando vagos;

VII – manter relações com Estados estrangeiros e acreditar

seus representantes diplomáticos; VIII – celebrar tratados, convenções e atos internacionais, sujeitos a referendo do Congresso Nacional;

IX – decretar o estado de defesa e o estado de sítio;

  • X – decretar e executar a intervenção federal;

XI – remeter mensagem e plano de governo ao Congresso Nacional por ocasião de abertura a sessão legislativa, expondo a situação do país e solicitando as providências que julgar necessárias; que forças estrangeiras transitem pelo território nacional ou nele permaneçam temporariamente; XXIII – enviar ao Congresso Nacional o plano plurianual, o projeto de lei de diretrizes orçamentárias e as propostas de orçamento previstos nesta Constituição; XXIV – prestar, anualmente, ao Congresso Nacional, dentro de sessenta dias após a abertura da sessão legislativa, as contas referentes ao exercício anterior;

XII – conceder indulto e comutar penas, com audiência, se necessário, dos órgãos instituídos em lei;

XIII – exercer o comando supremo das Forças Armadas, nomear Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, promover seus oficiais-generais e nomeá-los para os cargos que lhes são privativos; XIV – nomear, após aprovação pelo Senado Federal, os Ministros do Supremo Tribunal federal e dos Tribunais Superiores, os Governadores de Territórios, o Procurador- Geral da República, o presidente e os diretores do banco central e outros servidores, quando determinado em lei; XV – nomear, observado o disposto no art. 73, os Ministros do tribunal de Contas da União; XVI – nomear os magistrados, nos casos previstos nesta Constituição, e o Advogado-geral da União; XVII – nomear membros do Conselho da República, nos

termos do art.89, VII; XVIII – convocar e presidir o Conselho da República e o Conselho de Defesa nacional; XIX – declarar guerra, no caso de agressão estrangeira, autorizado pelo Congresso Nacional ou referendado por ele, quando ocorrida no intervalo das sessões legislativas, e, nas mesmas condições, decretar, total ou parcialmente, a mobilização nacional; XX – celebrar a paz, autorizado ou com o referendo do Congresso Nacional; XXI – conferir condecorações e distinções honoríficas; XXII – permitir, nos casos previstos em lei complementar, XXV – prover e extinguir os cargos públicos federais, na forma da lei;

XXVI – editar medidas provisórias com força de lei nos termos do art.62; XXVII – exercer outras atribuições previstas nesta Constituição. (significa que o rol não é taxativo, e sim meramente exemplificativo)

Parágrafo único. O Presidente da República poderá delegar as atribuições mencionadas nos incisos VI, XII e XXV, primeira parte, aos Ministros de Estado, ao Procurador-Geral da República ou ao Advogado-Geral da União, que observarão os limites traçados nas respectivas delegações.

Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República: I – nomear e exonerar os Ministros deA TENÇÃO! Item de prova – As competências privativas do Presidente da República prevista no art. 84 da CF são, por força do federalismo, extensíveis, no que couber, aos demais chefes do poder executivo nas esferas estadual, distrital e municipal. MINISTROS DE ESTADO: São meros auxiliares do presidente da república por ele escolhidos livremente e exoneráveis ad nutum (sem necessidade de qualquer motivação) dentre brasileiros natos ou naturalizados (exceto ministro da defesa) maiores de 21 anos e em gozo dos direitos políticos . Atribuições Art.87- (rol exemplificativo): I – exercer a orientação, coordenação e supervisão dos órgãos e entidades da administração federal na área de sua competência e referendar os atos e decretos assinados pelo Presidente da República: II – expedir instruções para a execução das leis, decretos e regulamentos: III – apresentar ao Presidente da República relatório anual de sua gestão no Ministério; IV – praticar os atos pertinentes às atribuições eu lhe forem outorgadas ou delegadas pelo Presidente da República. " id="pdf-obj-2-53" src="pdf-obj-2-53.jpg">

ATENÇÃO! Item de prova – As competências privativas do Presidente da República prevista no art. 84 da CF são, por força do federalismo, extensíveis, no que couber, aos demais chefes do poder executivo nas esferas estadual, distrital e municipal.

MINISTROS DE ESTADO: São meros auxiliares do presidente da república por ele escolhidos livremente e exoneráveis ad nutum (sem necessidade de qualquer motivação) dentre brasileiros natos ou naturalizados (exceto ministro da defesa) maiores de 21 anos e em gozo dos direitos políticos. Atribuições Art.87- (rol exemplificativo):

I – exercer a orientação, coordenação e supervisão dos órgãos e entidades da administração federal na área de sua competência e referendar os atos e decretos assinados pelo Presidente da República:

II – expedir instruções para a execução das leis, decretos e regulamentos:

III – apresentar ao Presidente da República relatório anual de sua gestão no Ministério; IV – praticar os atos pertinentes às atribuições eu lhe forem outorgadas ou delegadas pelo Presidente da República.

QUESTÕES DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA DO ESTADO

01-(CESPE/TRE-MA/2009) A União, os estados-membros, os municípios e o Distrito Federal são entidades estatais soberanas, pois possuem autonomia política, administrativa e financeira.

02-(CESPE/SEFAZ-ES/2009) A União é entidade federativa autônoma em relação aos Estados-membros e Municípios, e cabe a ela exercer as prerrogativas da soberania do Estado brasileiro ao representar a República Federativa do Brasil nas relações internacionais.

QUESTÕES DE ORGANIZAÇÃO POLÍTICO ADMINISTRATIVA DO ESTADO 01-(CESPE/TRE-MA/2009) A União, os estados-membros, os municípios e o(ESAF - 2005 - SET-RN - Auditor Fiscal do Tesouro Estadual) As terras devolutas localizadas no território brasileiro, são, por força de disposição constitucional, bens da União. 04-(CESPE/Advogado - IBRAM-DF/2009) Caso uma parte de um estado pretendesse desmembrar-se e anexar seu território a um estado vizinho, essa mudança dependeria de plebiscito da população diretamente interessada e de leis complementares a serem elaboradas pelas respectivas assembleias legislativas dos estados membros. 05-(CESPE-2013-MPU-Técnico) Na CF, são enumeradas as competências legislativas da União, dos estados e do DF, sendo reservadas aos municípios as competências de caráter residual. 06–(ESAF/AFC/2005/Adaptada) O modo de exercício do poder político em função do território da origem ao conceito de forma de estado. Se o poder se reparte, ou seja, se divide, no espaço territorial do estado, gerando uma multiplicidade de organizações governamentais, distribuídas regionalmente, encontramo-nos diante de uma forma de estado denominada de FEDERAÇÃO. 07-(CESPE) No âmbito da competência legislativa concorrente, a superveniência de lei federal sobre normas gerais tratando determinada matéria de forma inovadora revoga lei estadual anteriormente editada, no que lhe for contrário. 08-(CESPE) A competência legislativa dos Estados- membros está enumerada taxativamente na constituição, sendo inconstitucional, por invasão de competência, a lei estadual que dispuser sobre o assunto não especificado como próprio da atividade legiferante da assembléia legislativa. 09-(CESPE) A União pode delegar aos Estados matéria a si conferida como de competência legislativa privativa 10-(FCC/AJAJ-TRT/2009) À União cabe exercer as prerrogativas de soberania do Estado brasileiro, quando representa a República Federativa do Brasil nas relações internacionais. 11- (ESAF - 2012 - Receita Federal - Auditor Fiscal da Receita Federal) A Constituição Federal permite a criação de novos Estados. No que diz respeito a esse tema (criação de Estados), é correto afirmar que o Congresso Nacional deve se manifestar através de Lei Ordinária, aprovando a proposta. 12 – (CESPE) A união exercendo sua competência exclusiva pode legiferar sobre direito processual visto a sua relevância 13-(CESPE/Juiz Federal Substituto – TRF 5ª/2009) São bens da União as terras devolutas. 14– (FGV - 2008 - TCM-RJ - Procurador) A Federação dota seus membros de tríplice capacidade, a saber: a) auto-organização, autonormatização e autogoverno. " id="pdf-obj-3-12" src="pdf-obj-3-12.jpg">

As terras devolutas

localizadas no território brasileiro, são, por força de disposição constitucional, bens da União.

04-(CESPE/Advogado - IBRAM-DF/2009) Caso uma parte de um estado pretendesse desmembrar-se e anexar seu território a um estado vizinho, essa mudança dependeria de plebiscito da população diretamente interessada e de leis complementares a serem elaboradas pelas respectivas assembleias legislativas dos estados membros.

05-(CESPE-2013-MPU-Técnico) Na CF, são enumeradas as competências legislativas da União, dos estados e do DF, sendo reservadas aos municípios as competências de caráter residual.

06–(ESAF/AFC/2005/Adaptada) O modo de exercício do poder político em função do território da origem ao conceito de forma de estado. Se o poder se reparte, ou seja, se divide, no espaço territorial do estado, gerando uma multiplicidade de organizações governamentais, distribuídas regionalmente, encontramo-nos diante de uma forma de estado denominada de FEDERAÇÃO.

07-(CESPE) No âmbito da competência legislativa concorrente, a superveniência de lei federal sobre normas gerais tratando determinada matéria de forma inovadora revoga lei estadual anteriormente editada, no que lhe for contrário.

08-(CESPE) A competência legislativa dos Estados- membros está enumerada taxativamente na constituição, sendo inconstitucional, por invasão de competência, a lei estadual que dispuser sobre o assunto não especificado como próprio da atividade legiferante da assembléia legislativa.

09-(CESPE) A União pode delegar aos Estados matéria a si conferida como de competência legislativa privativa

10-(FCC/AJAJ-TRT/2009) À União cabe exercer as prerrogativas de soberania do Estado brasileiro, quando representa a República Federativa do Brasil nas relações internacionais.

11-(ESAF - 2012 - Receita Federal - Auditor Fiscal da Receita Federal) A Constituição Federal permite a criação de novos Estados. No que diz respeito a esse tema (criação de Estados), é correto afirmar que o Congresso Nacional deve se manifestar através de Lei Ordinária, aprovando a proposta.

12 – (CESPE) A união exercendo sua competência exclusiva pode legiferar sobre direito processual visto a sua relevância

13-(CESPE/Juiz Federal Substituto – TRF 5ª/2009) São bens da União as terras devolutas.

14–(FGV - 2008 - TCM-RJ - Procurador) A Federação dota seus membros de tríplice capacidade, a saber:

a) auto-organização, autonormatização e autogoverno.

  • b) autogoverno, auto-administração e autofinanciamento.

  • c) auto-organização, autogoverno e auto-administração.

  • d) auto-organização, autonormatização e automanutenção.

  • e) auto-arrecadação, autogoverno e autogerenciamento.

15- (FCC - 2012 - DPE-SP - Defensor Público) A forma federativa de Estado é um importante instrumento para a limitação do exercício do poder político. Sobre essa forma de Estado, é correto afirmar nos termos dos parágrafos do artigo 24 da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, os Estados podem exercer a competência legislativa plena, para atender a suas peculiaridades, na inexistência de lei federal sobre normas gerais e a superveniência desta revoga a lei estadual, no que lhe for contrário.

Os estados-membros podem incorporar-se, subdividirse ou desmembrar-se para se anexarem a outros ou mesmo para formarem novos estados ou territórios federais. Dependem, para isso, de deliberação do Congresso Nacional, mediante lei ordinária, e aprovação em plebiscito da

população interessada.

membros, ao Distrito Federal e aos municípios legislar sobre educação, cultura, ensino e desporto.

atribuídas as competências legislativas reservadas à União, aos estados-membros e aos municípios.

  • 19 - (CESPE - 2013 - MPU - Analista - Direito) Caso a União edite lei que disponha sobre

normas gerais concernentes a procedimentos em matéria processual, estado da Federação poderá legislar sobre matérias específicas concernentes a esse tema.

  • 20 - (CESPE - 2013 - MPU - Analista - Direito)De acordo com o STF, é inconstitucional lei

distrital que disponha sobre bingos e loterias, por desrespeitar competência legislativa privativa

da União.

21-(CESPE-2013-MPU-Técnico-Administrativo) Compete exclusivamente à União preservar as florestas, a fauna e a flora.

  • 22 -

(CESPE - 2013 - MPU - Técnico Administrativo)

Na CF, são enumeradas as

competências legislativas da União, dos estados e do DF, sendo reservadas aos municípios as

competências de caráter residual.

  • 23 - (CESPE - 2013 - TJ-DF - Analista Judiciário) Apesar do entendimento comum de que

Brasília seria a capital federal, a CF atribui ao DF a condição de capital federal, razão por que

proíbe, taxativamente, a divisão dessa unidade federada em municípios.

24-

destaca-se pela perda da soberania dos estados federados em favor de um poder central, mantendo-se, no entanto, certa autonomia em seu favor, além do direito de secessão na hipótese de quebra do pacto federativo.

25-

governo republicana no Brasil é considerada cláusula pétrea e não pode ser modificada por emenda constitucional.

QUESTÕES DE PODER EXECUTIVO

01-(FUNIVERSA) O poder executivo é exercido pelo presidente da republica e pelos ministros de estado.

02-(CONSULPLAN) Vetar projeto de lei federal total ou parcialmente é competência privativa do presidente da republica.

03- (FUNIVERSA) Promulgar leis é competência privativa do presidente da republica, não havendo previsão constitucional da realização deste ato por outra autoridade.

04-(CESPE) Algumas atribuições privativas do presidente da republica são delegáveis aos Ministros de Estado, ao Procurador Geral da Republica e ao Advogado Geral da União.

05-(FCC) O presidente tem obrigação constitucional de prestar contas ao Congresso Nacional.

06–(CESPE) O decreto e a execução de intervenção federal e intervenção estadual são competências privativas do presidente da republica.

07- (CESPE) O provimento e a extinção de cargos públicos federais é competência privativa do Presidente da Republica, porém ,segundo o parágrafo único do art.84 da CF,pode ser delegada a ministros de estado, ao PGR ou até ao AGU.

08- (ESAF) Qualquer ato do presidente da republica que atente contra a constituição federal é crime de responsabilidade.

09–(CONSULPLAN) O presidente da republica é julgado em qualquer caso pelo STF.

10 –(CESPE) O presidente poderá ficar suspenso de suas funções por até 180 dias depois de recebida a denúncia por crime comum pelo STF, sendo o prazo de suspensão arbitrado por aquela corte.

11 – (ESAF) a suspensão do presidente da republica de suas funções por 180 dias, inicia-se com a autorização da Câmara dos Deputados para o processo por crime comum.

12-(ESAF) poderá ser ministro de estado qualquer brasileiro com idade acima de 18 anos, desde que seja nato.

13-( FUNIVERSA) editar medida provisória com força de lei, é competência privativa e indelegável do Presidente da República.

14-(FCC ) compete privativamente ao Presidente da República nomear, após aprovação pelo Congresso Nacional o presidente e os diretores do BACEN.

15-(CESPE) o Presidente da República exerce as duas funções do poder executivo federal (chefia de estado e chefia de governo). Quando o presidente celebra tratado ou convenções internacionais, diz-se que está diante de uma função de chefe de governo.

16-(CESPE) o presidente da República pode criar, por decreto, órgão publico, desde que essa criação não implique aumento de despesa.

17- (CESPE) No sistema de separação de poderes adotado pelo Brasil, a doutrina e a jurisprudência entende que a regra é a indelegabilidade das atribuições de cada

poder.Contudo, há casos em que a CF vigente atenua essa regra. Assim o Presidente da República pode delegar a atribuição de:

a. celebrar tratados convenções e atos internacionais

  • b. decretar e executar a intervenção federal

  • c. conferir condecorações e distinções honoríficas

  • d. conceder indultos e comutar penas

  • e. exercer o comando supremo das forças armadas

18- (ESAF) é certo que, se o Presidente da República praticar uma infração penal comum e a denúncia for recebida pelo:

  • a. Senado federal, ficará suspenso de seus direitos políticos b.Congresso Nacional, será declarado seu impeachment

  • c. STJ, ficará impedido do exercício do cargo

  • d. Câmara dos Deputados, será declarada a perda de seus direitos políticos

  • e. STF, ficará suspenso de suas funções.

19-(CESGRANRIO) Compete ao presidente da República nomear, após aprovação pelo Senado Federal, exceto:

  • a. Ministros do STF

b.Ministros dos Tribunais Superiores c.Presidente do Banco Central d.Governadores de Território e.Ministros dos Tribunais Regionais

20-(CESGRANRIO) Considerando as atribuições do Presidente da República, é correto afirmar que a esse compete, privativamente:

I - celebrar tratados, convenções e atos internacionais, sujeitos a referendo do Congresso Nacional;

II - manter relações com Estados estrangeiros; III - autorizar referendo e convocar plebiscito; IV - sancionar as leis. Estão corretas as atribuições:

  • (A) II e III, apenas.

  • (B) I, II e III, apenas.

  • (C) I, II e IV, apenas.

  • (D) I, III e IV, apenas.

  • (E) II, III e IV, apenas.

É competência privativa do presidente da República

  • a) exercer sozinho a direção superior da administração federal.

  • b) vetar projetos de emenda constitucional, total ou parcialmente.

  • c) manter relações com Estados estrangeiros e desacreditar seus representantes diplomáticos.

  • d) decretar o estado de calamidade pública e o estado de sítio.

  • e) nomear, após aprovação pelo Senado Federal, os ministros do Supremo Tribunal Federal.

    • 22. (CESPE/SEJUS-ES/2009) Na qualidade de chefe de Estado, o presidente da República

exerce a liderança da política nacional por meio da orientação das decisões gerais e da direção

da máquina administrativa.

  • 23. (CESPE/AGU/2009) Em decorrência da aplicação do princípio da simetria, o chefe do

Poder Executivo estadual pode dispor, via decreto, sobre a organização e funcionamento da

administração estadual, desde que os preceitos não importem aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos.

  • 24. (CESPE/FINEP/2009) Entre as atribuições do presidente da República, encontra-se a de

dispor, mediante decreto, sobre a extinção de funções ou cargos públicos, em qualquer

situação.

  • 25. (CESPE/TRT-17ª/2009)

São

crimes

de

responsabilidade

os

atos

do

presidente

da

República que atentem contra o exercício dos direitos políticos, individuais e sociais.

  • 26. (CESPE/TRE-MA/2009) Compete privativamente ao presidente da República dispor,

mediante decreto, sobre extinção de órgãos públicos.

  • 27. (CESPE/Procurador-BACEN/2009) Os crimes de responsabilidade praticados pelos

ministros de Estado, sem qualquer conexão com o presidente da República, serão processados e

julgados pelo STJ.

  • 28. (CESPE/Procurador-BACEN/2009) As infrações penais praticadas pelo presidente da

República durante a vigência do mandato, sem qualquer relação com a função presidencial, serão objeto de imediata persecutio criminis.

  • 28. (CESPE/Procurador-BACEN/2009) Compete privativamente ao presidente da República

extinguir os cargos públicos federais, na forma da lei.

  • 29. (CESPE/Juiz Federal Substituto - TRF 1ª/2009) É indelegável a atribuição constitucional

do presidente da República de conceder indulto.

  • 30. (CESPE/Juiz Federal Substituto-TRF 1ª/2009) Segundo posicionamento do STF, a

imunidade formal relativa à prisão do presidente da República é aplicável também aos chefes dos poderes executivos estaduais, desde que diante de expressa previsão nas respectivas constituições estaduais.

  • 31. (CESPE/TJAA - TRT 5ª/2009) É crime de responsabilidade o ato que atente contra o

exercício de direitos sociais cometido pelo presidente da República.

  • 32. (CESPE/TJAA - TRT 5ª/2009) Caso haja recebimento, pelo Supremo Tribunal Federal, de

queixa-crime contra o presidente da República pela prática de infração penal, este terá

suspensas as suas funções.

  • 33. (CESPE/Juiz Federal Substituto – TRF 5ª/2009) Para que o presidente da República seja

julgado pelo STF por crimes comuns, é necessária a autorização de dois terços da Câmara dos

Deputados, por força da qual fica ele suspenso das suas funções.

  • 34. (CESPE/TRT-17ª/2009) No tocante à organização do Estado brasileiro, a CF estabeleceu a

possibilidade de o presidente da República delegar, ao advogado-geral da União, sua competência para dispor, mediante decreto, sobre a organização e o funcionamento da administração federal, quando isso não implicar aumento de despesa nem criação ou extinção de órgãos públicos.

  • 35. (CESPE/AJAA-STF/2008) O presidente da República possui imunidade material ou

inviolabilidade, também prevista para os parlamentares.

  • 36. (CESPE/AJAJ-STF/2008) A concessão de indulto pode ser delegada ao procurador geral

da República ou ao advogado-geral da União.

  • 37. (CESPE/Técnico - TRT 9ª/2007) O presidente da República tem competência para, por

meio de decreto, extinguir cargos públicos que eventualmente estejam sendo ocupados por servidores não estáveis.

  • 38. (CESPE/Advogado - BRB/2010) Constituem competências privativas do Presidente da

República decretar e executar intervenção federal e exercer o comando supremo das Forças Armadas.

39. (CESPE/AJAA-TRE-BA/2010) É de competência exclusiva do presidente da República resolver definitivamente sobre tratados, acordos ou atos internacionais que acarretem encargos ou compromissos ao patrimônio nacional.

40-(CESPE/PCBA/INVESTIGADOR/2013) O presidente da República, durante a vigência de seu mandato, poderá ser responsabilizado por infrações penais comuns, por crimes de responsabilidade e até mesmo por atos estranhos ao exercício de suas funções.-

41(CESPE/PCAL/AGENTE/2012) O presidente da República possui competências privativas de chefe de Estado e de chefe de Governo, sendo uma de suas atribuições decretar o estado de defesa e o estado de sítio.