Está en la página 1de 10

ATA DA 2538ª SESSÃO

ORDINÁRIA DA 2ª CÂMARA
DO TRIBUNAL DE CONTAS DO
ESTADO DA PARAÍBA,
REALIZADA NO DIA 11 DE
MAIO DE 2010.

1 Aos onze dias do mês de maio do ano de dois mil e dez, às 14:00 horas, no Miniplenário
2 Conselheiro Adailton Coêlho Costa, reuniu-se a 2ª Câmara do Tribunal de Contas do Estado
3 da Paraíba, em sessão ordinária, sob a Presidência do Excelentíssimo Senhor Conselheiro
4 Arnóbio Alves Viana. Presentes os Excelentíssimos Senhores Conselheiros Flávio Sátiro
5 Fernandes e Fernando Rodrigues Catão. Presentes os Excelentíssimos Senhores Auditores
6 Oscar Mamede Santiago Melo e Antônio Cláudio Silva Santos. Constatada a existência de
7 número legal e presente o representante do Ministério Público junto a esta Corte, Sheyla
8 Barreto Braga de Queiroz, o Presidente deu por iniciados os trabalhos, desejou boa tarde a
9 todos os integrantes da 2ª Câmara, aos funcionários do Tribunal e submeteu à consideração da
10 Câmara a Ata da Sessão anterior, a qual foi aprovada à unanimidade de votos, sem emendas.
11 Não houve expediente em Mesa. Na fase de comunicações, indicações e requerimentos, foram
12 adiados para a sessão do dia 18 de maio do ano em curso, os Processos TC Nºs 08293/08 e
13 08295/08 – Relator Auditor Antônio Cláudio Silva Santos, por pedido de vista do Arnóbio
14 Alves Viana. Foi retirado de pauta o Processo TC Nº. 00850/08 – Relator Conselheiro
15 Flávio Sátiro Fernandes, assim como os Processos TC Nºs. 07849/09 e 10255/09 – Relator
16 Conselheiro Arnóbio Alves Viana e os Processos TC Nºs. 00825/07 e 03811/07 – Relator
17 Conselheiro Fernando Rodrigues Catão. Foi acrescentado extraordinariamente à pauta o
18 Processo TC Nº00683/09 – Relator Conselheiro Fernando Rodrigues Catão. Dando início
19 à PAUTA DE JULGAMENTO – PROCESSOS REMANESCENTES DE SESSÕES
20 ANTERIORES. Na Classe “F” – CONTRATOS, CONVÊNIOS, ACORDOS E
21 LICITAÇÕES. Relator Conselheiro Flávio Sátiro Fernandes. Foi examinado o Processo
22 TC Nº. 01780/04. Referido processo foi decorrente da Sessão realizada em vinte e três de
23 março do ano em curso. Naquela ocasião, após a leitura do relatório, foi concedida a palavra
24 ao Sr. Írio Dantas, que na oportunidade fez sua sustentação oral em defesa das
25 irregularidades levantadas pela Auditoria e, ao final requereu o julgamento regular dos
26 contratos de cessão e da suscitada ausência do estudo do impacto ambiental, focado na boa fé
27 do gestor em seguir orientações pretéritas dessa Corte. A douta procuradora ratificou em toda
28 a sua extensão o parecer, à exceção da parte relativa da necessidade de representação ao
2

29 Ministério Público acerca da ausência do estudo do impacto ambiental pelas razões exaradas
30 na tribuna pelo causídico inclusive até por ela já adiantadas em outras sessões nesta Augusta
31 Câmara. O Conselheiro pediu permissão para emitir o voto na sessão seguinte, em que se
32 pronunciou nos termos seguintes: “Entendo, preliminarmente, que há necessidade de chamar
33 o feito à ordem para o fim de abrir-se prazo ao órgão de origem para, inclusive, a partir desta
34 data, porque presente está o seu representante, desde logo notificado, no prazo de 15 dias
35 manifestar-se sobre todas as questões levantadas pela Auditoria, pela Procuradoria, para que o
36 Tribunal decida pela regularidade ou não da licitação e de todos os outros atos aditivos e os
37 contratos de cessão e similares constantes dos autos para que a licitação não fique sem a sua
38 devida apreciação. É esse o voto preliminar, no sentido de que se reabra a questão com a
39 notificação, nesta mesma sessão do Órgão de Origem para que se restaure e se chame o feito a
40 ordem neste sentido”. O Conselheiro Fernando Rodrigues Catão pediu vista do Processo. Na
41 presente sessão, o Conselheiro Fernando Rodrigues Catão firmou entendimento votando no
42 sentido de que se julgue regular a licitação, determinando-se a verificação da execução das
43 obras. O Conselheiro Relator Flávio Sátiro mudou seu entendimento e acompanhou o do
44 Conselheiro Fernando Rodrigues Catão para que se julgue pela regularidade da licitação e
45 determine a verificação do contrato. Conselheiro Arnóbio Alves Viana assim também votou.
46 Desta forma, os membros integrantes desta Colenda Câmara decidiram unanimemente,
47 acompanhando o voto do Relator, JULGAR REGULAR o processo de licitação; e
48 DETERMINAR à Auditoria desta Corte a verificação da execução do contrato. Relator
49 Conselheiro Arnóbio Alves Viana. Foi examinado o Processo TC Nº 07238/08. Finalizado
50 o relatório e com as ausências comprovadas, a douta Procuradora assim se pronunciou:
51 “Ratifico os termos do parecer escrito da colega Subprocuradora Dra. Isabella Barbosa
52 Marinho Falcão, no sentido de que a licitação em tela seja julgada regular com ressalvas e seja
53 expedida comunicação expressa ao prefeito nos termos ali exarado”. Colhidos os votos, os
54 membros integrantes desta Colenda Câmara decidiram unanimemente, acompanhando o voto
55 do Relator, JULGAR REGULAR COM RESSALVAS o procedimento e os contratos dele
56 decorrentes, COM a RECOMENDAÇÃO sugerida, bem como, DETERMINAR o retorno dos
57 autos à Auditoria para verificação in loco da execução da obra. Foi discutido o Processo TC
58 Nº. 00731/09. Findo o relatório e com as ausências comprovadas, a representante do
59 Ministério Público Especial ratificou os termos do parecer escrito ainda que mantivesse
60 entendimento pessoal com relação às cartas de exclusividade. Apurados os votos, os membros
61 integrantes desta Colenda Câmara decidiram unanimemente, acompanhando o voto do
62 Relator, JULGAR REGULAR a licitação e os contratos decorrentes, bem como, FAZER a
3

63 RECOMENDAÇÃO sugerida; e, DETERMINAR o arquivamento do processo. Relator


64 Conselheiro Fernando Rodrigues Catão. Foi analisado o Processo TC Nº. 06811/08. Após
65 o relatório e verificadas as ausências de interessados, o Órgão Ministerial emitiu parecer oral
66 pela declaração de cumprimento e pelo arquivamento. Tomados os votos, os membros desta
67 Egrégia Câmara decidiram em voz unânime, acompanhando o voto do Relator, DECLARAR
68 CUMPRIDO o Acórdão AC2 TC 2207/09, determinando-se o arquivamento do processo. Foi
69 julgado o Processo TC Nº 09470/08. Concluso o relatório e inexistindo interessados, a nobre
70 Procuradora firmou pronunciamento oral no sentido de acompanhar o entendimento do Órgão
71 Técnico inclusive, no que tange à recomendação. Tomados os votos, os membros desta
72 Segunda Câmara decidiram à unanimidade, em harmonia com o voto do Relator, JULGAR
73 REGULAR o procedimento licitatório; ASSINAR o PRAZO de 30 (trinta) dias à Secretaria
74 da Cidadania e Administração Penitenciária para apresentar os instrumentos contratuais ou
75 documentos correspondentes que os substituam, sob pena de multa; e DETERMINAR a
76 Secretaria desta Câmara adoção de providências no sentido de informar ao Ministério da
77 Agricultura, para as verificações que entender cabível, acerca da utilização do registro do
78 Ministério da Agricultura – SIF, específico para a carne de charque, de outras empresas, pela
79 empresa Dantas & Lacerda Comércio de Alimentos Ltda. Na Classe “G”-
80 APOSENTADORIAS, REFORMAS E PENSÕES. Relator Conselheiro Arnóbio Alves
81 Viana. Foram submetidos à apreciação os Processos TC Nºs. 05136/07, 05140/07, 05144/07,
82 03284/08, 03352/08, 03353/08, 05606/08, 07849/09, 09488/09, 09547/09, 10255/09,
83 10663/09 e 10665/09. Após a leitura dos relatórios e inexistindo interessados, a eminente
84 Procuradora quanto aos processos 07849/09 e 10255/09, ratificou os termos dos pareceres
85 escritos respectivos; e, no tocante aos demais processos, opinou pela legalidade e concessão
86 dos competentes e respectivos registros. Diante das argumentações levantadas, os membros
87 decidiram retirar de pauta os Processos 07849/09 e 10255/09 para encaminhar à Auditoria. No
88 tocante aos demais processos, foram apurados os votos, os membros desta Segunda Câmara
89 decidiram à unanimidade, em harmonia com o voto do Relator, JULGAR LEGAIS os atos de
90 aposentadorias, CONCEDENDO-lhes os competentes registros. Relator Conselheiro
91 Fernando Rodrigues Catão. Foram julgados os Processos TC Nºs. 05776/09, 07744/09 e
92 08814/09. Findos os relatórios e inexistindo interessados, a douta Procuradora emitiu parecer
93 em harmonia com as conclusões técnicas. Tomados os votos, os membros desta Colenda
94 Câmara decidiram à unanimidade, ratificando o voto do Relator, JULGAR LEGAIS os atos
95 de aposentadorias, CONCEDENDO-lhes os competentes registros. Relator Auditor Oscar
96 Mamede Santiago Melo. Foram submetidos a julgamento os Processos TC Nºs. 07031/07,
4

97 03351/08, 05619/08, 02384/09, 10651/09, 10652/09, 10654/09 e 11445/09. Conclusos os


98 relatórios e verificadas as ausências, a ilustre Procuradora pronunciou-se: “O Ministério
99 Público secunda, no caso específico dos itens 27 e 30 (Processos 07031/07 e 02384/09), o
100 parecer escrito, respectivamente lavrado, que basicamente veta sobre a insuficiência de tempo
101 exclusivo em sala de aula para fins de aposentadoria especial de professores, pugnando neste
102 caso, pela ilegalidade dos atos e, quanto aos demais, pela legalidade e concessão dos
103 competentes registros”. Tomados os votos, os membros desta Augusta Câmara decidiram à
104 unanimidade, ratificando a proposta de decisão do Relator, quanto aos processos 07031/07 e
105 02384/09, CONCEDER o prazo de 60 (sessenta) dias ao presidente da PBPREV para que
106 adote as providências necessárias ao restabelecimento da legalidade em face de que não restou
107 comprovado o tempo de serviço em efetivo exercício no magistério e, nos demais casos,
108 JULGAR LEGAIS os atos de aposentadorias, CONCEDENDO-lhes os competentes registros.
109 Na Classe “O”-1– DIVERSOS - ATOS DA ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL. Relator
110 Auditor Oscar Mamede Santiago Melo. Foram examinados os Processos TC Nºs. 06885/06
111 e 06903/06. Finalizados os relatórios e não havendo interessados, a douta Procuradora, tanto
112 para o processo 06885/06, quanto para o de nº 06903/06, ratificou o parecer escrito. Apurados
113 os votos, os membros integrantes deste Órgão Deliberativo decidiram unanimemente, em
114 harmonia com a proposta de decisão do Relator, JULGAR IRREGULARES as contratações
115 elencadas no relatório da Auditoria às fl. 154/156 dos autos, no caso do Processo de
116 Cajazeiras (processo 06885/06) e às fls. 227/228, no caso do Processo de Diamante (processo
117 06903/06), pois estes contratos violam o art. 37, II, da Carta Magna; APLICAR MULTA
118 pessoal ao ex-Gestor e ao atual Gestor de Cajazeiras, Sr. Carlos Antônio Araújo de Oliveira e
119 o Sr. Leonid Souza de Abreu, respectivamente, no valor de R$ 2.000,00 (dois mil reais), bem
120 assim, ao Gestor de Diamante, Sr. Hércules Barros Mangueira Diniz, também no valor de R$
121 2.000,00 (dois mil reais); CONCEDER-lhes O PRAZO de 60 (sessenta) dias aos responsáveis
122 para recolhimento da multa aos cofres do Estado, sob pena de cobrança executiva; ASSINAR
123 O PRAZO de 90 (noventa) dias para que os Prefeitos de Cajazeiras e de Diamante, Sr. Leonid
124 Souza de Abreu e Sr. Hércules Barros Mangueira Diniz, respectivamente, adotem as medidas
125 necessárias ao restabelecimento da legalidade, bem como promovam a adequação do quadro
126 de pessoal das referidas Prefeituras nos moldes previsto na Constituição Federal do Brasil,
127 sob pena de nova multa pelo descumprimento da decisão. Continuando a PAUTA DE
128 JULGAMENTO – PROCESSOS AGENDADOS PARA ESTA SESSÃO. Na Classe “F”
129 – CONTRATOS, CONVÊNIOS, ACORDOS E LICITAÇÕES. Relator Conselheiro
130 Flávio Sátiro Fernandes. Foi examinado o Processo TC Nº. 03496/04. Após a leitura do
5

131 relatório e verificada a ausência de interessados, a ilustre Procuradora do Ministério Público


132 Especial repisou o parecer de nº 431/2010. Concluídos os votos, os Conselheiros integrantes
133 desta Augusta Câmara decidiram em igual sentido, acompanhando o voto do Relator,
134 JULGAR REGULARES os Termos Aditivos ao Contrato de que tratam os autos. Foram
135 analisados os Processos TC Nºs. 05728/06 e 09740/08. Findo os relatórios e inexistindo
136 interessados, a representante do Órgão Ministerial ratificou os termos e conclusões dos
137 pareceres respectivamente lavrados nos autos dos processos, no sentido de que seja assinado
138 prazo para envio de documentos bastante à emissão de juízo técnico. Tomados os votos, os
139 membros desta Segunda Câmara resolveram em uníssono, reverenciando o voto do Relator,
140 ASSINAR PRAZO de 30 (trinta) dias aos órgãos interessados para atendimento das
141 exigências da douta Auditoria. Foram julgados os Processos TC Nºs 04502/08, 09741/08,
142 01247/09 e 01827/09. Finalizada a leitura dos relatórios, a representante do Parquet Especial
143 se pronunciou nos seguintes termos: “Ratifico os respectivos pareceres, chamando atenção
144 para aquele relativo ao processo 01247/09, oriundo do Município de São Bentinho, em que o
145 Ministério Público pugna no parecer 492/10, pela irregularidade da licitação na modalidade
146 convite por força das seguintes irregularidades: não discriminação do objeto da licitação,
147 ausência de pareceres técnico e jurídico, ausência da planilha orçamentária, do projeto
148 executivo, do projeto básico, publicação do término do contrato e mesmo do próprio contrato,
149 então essas irregularidades são de tal monta que autorizam a que esta Colenda Câmara julgue
150 a licitação irregular e aplique multa ao então responsável, o Prefeito do Município de São
151 Bentinho, Sr. Francisco Andrade Carreiro”. Colhidos os votos, os Conselheiros desta Segunda
152 Câmara decidiram em comum acordo, repisando o voto do Relator, no tocante ao Processo
153 01247/09, JULGAR REGULAR COM RESSALVAS o processo de licitação e
154 DETERMINAR à Auditoria desta Corte a verificação da execução do contrato, com análise
155 de todos os atos a este referente. Quanto aos demais processos, JULGAR REGULARES
156 COM RESSALVAS os procedimentos licitatórios. Relator Conselheiro Fernando
157 Rodrigues Catão. Foi analisado o Processo TC Nº 06884/05. Após o relatório e não havendo
158 interessados, a douta Procuradora firmou entendimento em conformidade com a Auditoria.
159 Tomados os votos, os membros desta Colenda Câmara decidiram à unanimidade, ratificando
160 o voto do Relator, JULGAR REGULAR os Termos Aditivos aos Contratos. Foi discutido o
161 Processo TC Nº 08906/08. Findo o relatório, a representante do Ministério Público junto a
162 este Sinédrio de Contas opinou pela regularidade. Tomados os votos, os doutos Conselheiros
163 desta Egrégia Câmara decidiram unanimemente, acompanhando o voto do Relator, JULGAR
164 REGULAR o procedimento. Foi julgado o Processo TC Nº 09116/08. Após o relatório, a
6

165 eminente Procuradora opinou pela regularidade com as recomendações feitas pela unidade
166 técnica. Tomados os votos, os membros desta Egrégia Câmara decidiram à unanimidade,
167 ratificando o voto do Relator, JULGAR REGULAR o procedimento licitatório. Foi analisado
168 o Processo TC Nº 9315/08. Após o relatório, o Órgão Ministerial, através de sua
169 representante, ratificou o parecer dos autos. Apurados os votos, os membros desta Augusta
170 Câmara decidiram à unanimidade, reverenciando o voto do Relator, JULGAR REGULAR o
171 procedimento licitatório com RECOMENDAÇÕES. Foi submetido à apreciação o Processo
172 TC Nº 00212/10. O Conselheiro Flávio Sátiro Fernandes se averbou impedido, sendo
173 convocado o Conselheiro Substituto Antônio Cláudio da Silva Santos para compor o quorum.
174 Finalizado o relatório, a ilustre Procuradora ratificou os termos do parecer. Tomados os votos,
175 os membros deste Órgão Deliberativo decidiram à unanimidade, acompanhando o voto do
176 Relator, JULGAR IRREGULAR o processo licitatório em exame; APLICAR MULTA
177 pessoal ao Sr. Júlio César de Medeiros Batista, por infração à norma legal pertinente (Lei do
178 Pregão), no valor de R$ R$ 500,00 (Quinhentos reais). Na Classe “E” – RECURSOS –
179 PROCESSO AGENDADO EXTRAORDINARIAMENTE. Foi julgado o Processo TC Nº
180 00683/09. Finalizado o relatório e inexistindo interessados, a nobre Procuradora se
181 pronunciou nos termos a seguir: “Tendo os embargos sido interpostos no prazo correto, à luz
182 do princípio da fungibilidade, que sejam acolhidos não como embargos, mas convertidos em
183 recurso de reconsideração; julgados procedentes para fins de se afastar a multa cominada ao
184 ora recorrente”. Colhidos os votos, os membros desta Segunda Câmara decidiram à
185 unanimidade, acompanhando o voto do Relator, TOMAR CONHECIMENTO dos Embargos
186 de Declaração como Recurso de Reconsideração e, no mérito, pelo seu provimento total no
187 sentido de tornar insubsistente o Acórdão AC2 TC 399/2010, eis que com a documentação
188 apresentada foram afastados os motivos da aplicação da multa. Relator Auditor Antônio
189 Cláudio Silva Santos. Foram apreciados os Processos TC Nºs. 06289/07, 06677/08,
190 06686/08, 06913/08, 07509/08, 09418/08 e 01912/09. Finalizadas as leituras dos relatórios e
191 inexistindo interessados, a eminente Procuradora ratificou todos os pareceres escritos e/ou
192 cotas respectivamente lavradas e, também, as conclusões lavradas pela unidade técnica,
193 inclusive naqueles casos em que houve arquivamento da matéria por perda de objeto.
194 Tomados os votos, os doutos Conselheiros desta Egrégia Câmara decidiram à unanimidade,
195 acompanhando a proposta de decisão do Relator, quanto aos processos 06289/07, 06677/08 e
196 09418/08, DETERMINAR o arquivamento dos processos; no tocante aos demais processos,
197 JULGAR REGULARES os procedimentos e, especificamente, quanto ao processo 07509/08,
198 JULGAR REGULAR o Pregão Presencial e RECOMENDAR ao atual titular desta pasta a
7

199 remessa de eventual contrato para análise por este Tribunal. Na Classe “G”-
200 APOSENTADORIAS, REFORMAS E PENSÕES. Relator Conselheiro Flávio Sátiro
201 Fernandes. Foi julgado o Processo TC Nº 07025/06. Concluso o relatório e inexistindo
202 interessados, a douta Procuradora opinou pela baixa de resolução a mencionada autoridade
203 estadual para fins de envio do contracheque do servidor. Tomados os votos, os membros desta
204 Colenda Câmara decidiram à unanimidade, ratificando o voto do Relator, ASSINAR o prazo
205 de 30 (trinta) dias ao Ilmo. Sr. Presidente da PBPREV, para proceder ao envio a este Tribunal
206 de Contas dos instrumentos reclamados pela Auditoria. Relator Conselheiro Fernando
207 Rodrigues Catão. Foram submetidos à apreciação os Processos TC Nºs. 00881/07,
208 04039/07, 06645/07, 04737/09, 05121/09, 07782/09, 10231/09, 12254/09 e 12317/09. Após a
209 leitura dos relatórios e inexistindo interessados, a eminente Procuradora no caso específico do
210 processo 00881/07, ratificou os termos e extensão do parecer escrito; quanto aos demais
211 processos, estando os cálculos regulares e, bem assim, a fundamentação correta, opinou pela
212 concessão dos competentes e respectivos registros. Apurados os votos, os membros desta
213 Segunda Câmara decidiram à unanimidade, em harmonia com o voto do Relator, no que
214 concerne ao Processo 00881/07, DENEGAR REGISTRO ao ato aposentatório da Sra. Neuza
215 Serafim Felix; ASSINAR PRAZO de 90 (noventa) dias para que a autoridade responsável, o
216 Presidente da Pbprev, proceda ao restabelecimento da legalidade, tornando sem efeito o ato
217 aposentatório, sob pena de aplicação de multa e comunique à aposentanda acerca da presente
218 decisão, facultando-a por retornar à ativa para o alcance do lapso temporal que garantirá
219 aposentadoria por tempo de contribuição com proventos proporcionais ou para que opte pela
220 situação mais vantajosa prevista na legislação. Quanto aos demais processos, JULGAR
221 LEGAIS os atos de aposentadorias, CONCEDENDO-lhes os competentes registros. Relator
222 Auditor Antônio Cláudio Silva Santos. Foram analisados os Processos TC Nºs. 07802/09 e
223 10216/09. Conclusos os relatórios, o Órgão Ministerial ratificou o entendimento da Auditoria
224 no caso do processo 07802/09; e, no caso do processo 10216/09, ratificou o entendimento do
225 Ministério Público Tomados os votos, os membros desta Colenda Câmara decidiram à
226 unanimidade, ratificando o voto do Relator, CONCEDER registro aos atos de aposentadorias.
227 Relator Auditor Oscar Mamede Santiago Melo. Foram discutidos os Processos TC Nºs.
228 05132/07, 05133/07, 05134/07, 05143/07, 05607/08, 05610/08, 05652/08 e 05653/08.
229 Conclusos os relatórios e verificadas as ausências, a representante do Parquet Especial
230 pugnou, oralmente, pela legalidade dos atos e concessão dos registros. Tomados os votos, os
231 membros desta Colenda Câmara decidiram à unanimidade, ratificando a proposta de decisão
232 do Relator, JULGAR LEGAIS os atos de aposentadorias e pensão, CONCEDENDO-lhes os
8

233 competentes registros. Na Classe “O”-2– DIVERSOS – OUTROS. Relator Conselheiro


234 Flávio Sátiro Fernandes. Foi discutido o Processo TC Nº 10598/09. Findo o relatório, a
235 ilustre Procuradora, tendo em vista não ter havido despesas, não ter havido a execução da
236 obra, não houve o que se julgar, opinou, portanto, pelo arquivamento. Colhidos os votos, os
237 doutos Conselheiros desta Egrégia Câmara resolveram à unanimidade, em harmonia com o
238 voto do Relator, DETERMINAR o arquivamento do processo. Relator Auditor Oscar
239 Mamede Santiago Melo. Foi examinado o Processo TC Nº 03508/07. Finalizado o relatório
240 e inexistindo interessados, o Ministério Público Especial ratificou o parecer escrito. Tomados
241 os votos, os membros desta Augusta Câmara decidiram à unanimidade, em consonância com
242 a proposta de decisão do Relator, JULGAR CUMPRIDA a decisão consubstanciada no
243 ACÓRDÃO AC2-TC 1997/2009. Foi julgado o Processo TC Nº 02130/09. Concluso o
244 relatório e inexistindo interessados, a douta Procuradora emitiu o seguinte parecer: “Ratifico
245 os termos do parecer, apenas atentando-se para, no caso da participação conjunta da União,
246 através da FUNASA e do Município, que a imputação de débito repouse, tão somente, sobre a
247 contrapartida do Município”. Tomados os votos, os membros desta Colenda Câmara
248 decidiram à unanimidade, ratificando o voto do Relator, APLICAR MULTA pessoal, ao ex-
249 Prefeito de Conceição, Sr. Alexandre Braga Pegado, no valor R$ 1.000,00 (hum mil reais),
250 em razão das irregularidades constatadas; ASSINAR-lhe o prazo de 60 dias para recolhimento
251 da multa aos cofres do Estado, sob pena de cobrança executiva a cargo do Ministério Público
252 Comum; COMUNICAR à SECEX-PB acerca do excesso apontado na obra de perfuração e
253 instalação de poços tubulares; REPRESENTAR à Receita Federal do Brasil as irregularidades
254 relativas à ausência de comprovantes de matrícula das obras no Instituto Nacional de Seguro
255 Social, CEI, e de CND relativas às obras, assim como a presença de notas fiscais sem
256 consignar o número de matrícula das obras junto ao INSS; e RECOMENDAR a atual gestão
257 no sentido de evitar a repetição das falhas apontadas, quando da execução de obras. Esgotada
258 a PAUTA e assinados os atos que formalizaram as decisões proferidas, foram distribuídos 21
259 (vinte e um) processos por sorteio. O Presidente declarou encerrada a Sessão. E, para constar,
260 foi lavrada esta ata por mim _________________________________ CLÁUDIA MOURA
261 DE MOURA, Secretária da 2ª Câmara. TCE/PB – MINIPLENÁRIO CONSELHEIRO
262 ADAILTON COÊLHO COSTA, em 18 de maio de 2010.
9

___________________________________________
ARNÓBIO ALVES VIANA
Conselheiro Presidente da 2ª Câmara do TCE/PB

___________________________________________
FLÁVIO SÁTIRO FERNANDES
Conselheiro

___________________________________________
FERNANDO RODRIGUES CATÃO
Conselheiro

Fui Presente: ___________________________________________


SHEYLA BARRETO BRAGA DE QUEIROZ
Representante do Ministério Público junto ao TCE
10