Está en la página 1de 36

Contadores de Histórias

Módulo II

Parabéns por participar de um curso dos
Cursos 24 Horas.

Você está investindo no seu futuro!
Esperamos que este seja o começo de um
grande sucesso em sua carreira.

Desejamos boa sorte e bom estudo!

Em caso de dúvidas, contate-nos pelo site
www.Cursos24Horas.com.br

Atenciosamente
Equipe Cursos 24 Horas

Sumário
Unidade 3 – Como contar histórias................................................................................ 3
3.1 – Técnicas de contação de histórias...................................................................... 4
3.2 – Recursos para contar histórias......................................................................... 12
3.3 – Disposição do espaço físico e do ambiente...................................................... 13
Unidade 4 – Perfil do contador de histórias ................................................................. 16
4.1 – Contador tradicional e contemporâneo ............................................................ 17
4.2 – Postura do contador ........................................................................................ 22
Encerramento.............................................................................................................. 32
Bibliografia................................................................................................................. 33

Unidade 3 – Como contar histórias

Olá!
Nesta terceira unidade do curso, você vai aprender como contar e encantar com
suas histórias, utilizando-se de técnicas apropriadas para todo tipo de ouvinte.
Também veremos quais recursos podem ser utilizados pelos contadores e
aprender na prática como produzir os mais simples personagens.
Por fim, veremos como deve ser a disposição do espaço físico para melhor
atender as necessidades do contador e dos seus ouvintes.

Bons estudos!

3

– Evite sorvetes e bebidas geladas no dia da sessão. – Se for adaptar a história. Tente não repetir muitas vezes palavras como “né”. Se o ouvinte tiver dúvidas certamente ele perguntará. Por isso. aqui não seria diferente. – Evite os vícios de linguagem. “então” etc.3. – Não tome suco de laranja no dia. não esconda palavras ou trechos difíceis. como toda arte. contar história é uma arte e. tome cuidado para não modificar a estrutura essencial dela. “daí”. – Quando utilizar um material ilustrativo ou outro acessório. – Não obrigue a criança a ouvir a história que ela não quer. possui técnicas.1 – Técnicas de contação de histórias Como já vimos anteriormente. 4 . pois provoca muco. é importante saber a sequência correta dos acontecimentos. -Não subestime o seu ouvinte. A seguir técnicas que deixarão suas histórias muito mais atraentes: – Passe segurança e confiança! Mantenha a voz firme e a postura correta.

o.i.u e u. vá em frente. 5 . nem alta demais: convidativa. explorando todas as suas possibilidades e dimensões. – Abra bem a boca fazendo a. Não se desculpe.e. Se preferir.o. – Faça alongamentos para soltar o pescoço e ombros. xingue ou faça caretas.a. – Faça uma introdução para chamar a atenção das crianças. olhando nos olhos de todos como se quisesse fazer suspense. caso já conheça a história. Continue descrevendo os detalhes de tudo para estimular a imaginação e ajudar a memória. Use sua criatividade. maquiagem chamativa. – Se der branco. peça para o outro avaliar sua projeção de voz indo até o fundo do espaço. faça uma pausa. Se estiver acompanhado.i. laços. – Conte em suas próprias palavras. nem baixa. – Verifique se atrás de você existem elementos muito coloridos ou que possam dispersar a atenção do ouvinte. As poltronas muito “confortáveis” deixam você numa postura mais relaxada. – Use um banco desconfortável. – Tenha sempre uma garrafa de água na temperatura ambiente perto de você. – Aqueça sua voz. e.– Chegue com antecedência no espaço e caminhe por ele. com o diafragma pressionado. Utilize acessórios como chapéus.

– Não assuma que as crianças vão entender. 6 . Sempre mantenha certo nível de mistério. – Uma vez terminada a história. – Não subestime a capacidade das crianças de imaginar e fantasiar. você terá a atenção delas. deixe os pensamentos das crianças presos na mensagem central. O que atrai as crianças é a possibilidade de entender a história depois. com a mesma intensidade que os fatos. – O vocabulário deve ser simples e direto. a narrativa deve ser tão animada como seria se fosse contada. antecipação e surpresa durante toda a história. – Escolha um ponto e conte-o como se fosse à notícia mais interessante do mundo. você tem que criar sua audiência no grupo de crianças.– Se a história for lida. – Não conte a história de uma maneira cansada ou mal resumida. o indício de que coisas boas irão acontecer. na introdução. ou explicar tudo com detalhes. cada uma com seus próprios pensamentos e focos de atenção. Deve haver. Pule para dentro da narrativa. aguçando a curiosidade. unindo as crianças em antecipação. Não há necessidade de muitos esforços para explicar ou justificar o cenário. Torne a história o mais real possível. – Seja claro e objetivo. – Antes que você possa começar a contar uma história para elas. e elas ficarão pensando no que você disse.

br) 7 . A arte dos contadores de histórias Professora de 3ª série de São Caetano do Sul e alunos de 1ª a 5ª série de Porto Alegre proporcionam a ouvintes atentos um encontro mágico com a literatura Thiago Minami (novaescola@atleitor. Elas precisam ver que você foi tocado pela palavra. tente colocar a história ao nível dos mais novos. tocar. Prepare o seu coração enquanto prepara a história. As crianças pegam muito mais do que a história de você. juntamente com criatividade e inovação. O conflito pode ser introduzido imediatamente ou aos poucos para aumentar o suspense e a intriga. Tente levar os ouvintes a se preocuparem junto com os personagens e a se envolverem com o que acontece. cheirar. Elas adoram sentir. Descreva personagens e locais detalhadamente. – Crianças aprendem com seus sentidos.com.– Humildade e amor são elementos importantes para contar histórias. – O contador deve estudar a história muito bem. escutar e ver. – Numa audiência com várias idades diferentes. elas percebem o seu entusiasmo pessoal com a mensagem. – Tenha certeza de colocar algum drama ou suspense na história.

sua grande companheira. 8 . de Heloísa Prieto. lindos. conta Enrico Mirabili. Foto: Daniela Toviansky Quando Enrica nasceu. com mestrado na área.. Enquanto ouviam a voz vibrante da professora. Contadora de histórias desde 1998. foi contada por Vivian Munhoz Rocha aos alunos da 3ª série da Escola Villare. "É necessário mergulhar no que está sendo contado para criar além do texto e enriquecer a atividade atraindo os ouvintes". mas levada. Vivian afirma que seu desafio é cativar crianças acostumadas às linguagens dinâmicas da TV e do videogame. Ela faz questão de que a atividade seja parte da rotina escolar e não entre somente como um tapa-buraco. 9 anos. garota escrava. na cidade de Belém do Pará. Enrica resolveu fugir de casa com Idalina. na Grande São Paulo.Vivian conta a história do boto para a garotada: atenção e encantamento. Por pura rebeldia. "Quando eu gosto da história. A narração proporciona experiências lúdicas e de aprendizado pelo contato que os alunos têm com a tradição da palavra falada e as diferentes culturas por trás das narrativas.. vou pegar o livro para ler depois"." A história sobre o animal que se transforma num belo moço. adaptada do livro Mata: Contos do Folclore Brasileiro. em São Caetano do Sul. os pequenos pareciam viajar para um mundo distante. explica. Os pais da menina eram imigrantes europeus. as mulheres ainda usavam vestidos compridos. Ela era lindinha. Idalina contara a Enrica a lenda do boto do rio.

afirma Djuly Dessauer. A professora orienta sobre os aspectos técnicos e ajuda na interpretação do conteúdo. professora de biblioteca da EM Vereador Carlos Pessoa de Brum. a interpretação e a memorização. Já no ato de contar histórias. Clarice Santos Reis. Neste ano. Criança também conta Thanira Chayb Pillar. aponta Regina Machado. pronúncia e postura antes. "Resolvi participar com meu irmão e foi legal porque fiz novos amigos e me interessei mais pelos livros". há sociedades . os contadores vencem as dificuldades para acertar o tom e a altura da voz. conta.Após a invenção da imprensa. "Com o treino. contadora de histórias e professora da Universidade de São Paulo. o grupo .é formado por estudantes de 1ª a 5ª série. Qualquer um pode se juntar a eles.que se reúne uma vez por semana . usando a expressão corporal e facial. e o texto escrito se apresenta como uma forma de arte própria.como as indígenas .que durante séculos utilizaram apenas a palavra falada para manter sua cultura. Um não é melhor que o outro. ressaltam-se o improviso. Thanira corrige tom de voz. eles se soltam e ganham habilidade". professora de Língua Portuguesa da 5a série. afirma que os participantes do grupo ganharam fluência verbal e passaram a produzir textos mais 9 . em Porto Alegre. integra um projeto da prefeitura que incentiva a narração de histórias pelos alunos. Os estudantes escolhem os livros e. No entanto. Com os livros em mãos para se sentir mais seguros. O livro é valorizado como objeto e veículo de aprendizagem. narram uns para os outros. que estimula o domínio de uma técnica diferente daquela utilizada ao falar. ritmo. 9 anos. "Ler e contar podem igualmente ser seqüências monótonas de palavras que não produzem um efeito significativo se quem narra não imprime vivacidade e veracidade à cadência da história". geração após geração. durante e depois da narração. Sabe-se hoje que cada forma de passar o conhecimento tem funções diferentes. a narrativa oral perdeu o status de principal maneira de transmitir saberes. a cultura constituída na língua do dia-a-dia e a interação com o público.

ricos. como desenhos. maior o número de novas imagens que são 10 . • Quanto mais a história for contada. • Para se familiarizar com a narrativa. como imitação de vozes e movimentos com as mãos (estalar de dedos e palmas). eles fazem a diferença. treine contando para amigos e familiares • Comece a narrar para grupos menores. dá orientações a quem quer se tornar craque na contação de histórias. músicas e movimentos de dança. com temas como a vida e a morte. • Preste atenção em alguns refrões ou frases de impacto que podem ser repetidos sempre do mesmo jeito . • Imagine os detalhes de todas as cenas e descubra a melhor maneira de entoar cada trecho (sem se preocupar em decorá-las). com os quais você se sinta mais à vontade." PASSO A PASSO Para cativar a plateia • Gilka Girardello. • Faça uma seleção de títulos que despertem em você a vontade de passá-los aos alunos. Empregados na hora certa. bonecos. • Escolha recursos. É importante abrir o universo deles para diferentes narrativas. "Eles se tornaram referências dentro da classe na hora de indicar livros aos outros. além de mitos. nossa origem e a humanidade. professora da Universidade Federal de Santa Catarina. enquanto você conhece as suas possibilidades. Reúna os ouvintes em roda para que eles se sintam próximos de você. • Use elementos expressivos.porque são bonitos ou soam bem.

Quer saber mais? CONTATOS 11 . • Projete a voz na sala e amplie os gestos para que o público não se disperse. conte de onde vem a história: de um livro. da mitologia grega ou se aconteceu com alguém conhecido. • Proporciona momentos lúdicos e de interação. O importante é não ter medo.incorporadas a cada cena. vale incorporá-la à performance. Assim. todos entenderão o recurso e farão silêncio para ouvir. sem quebrar o clima da história. • Resgata a cultura oral e incentiva a escrita. as crianças querem que a narração prossiga. • Contar histórias sempre envolve alguns imprevistos. • Ignore as peraltices de alguns e conte a história para o resto da classe. a turma fica sabendo que também pode passá-la adiante. • Antes ou depois da narração.. Geralmente. Quando o enredo pedir um tom mais suave. de um filme. Se alguma coisa que os bagunceiros fizerem permitir. Esta é a peculiaridade da oralidade: cada um recria o conto. DÉBORA DIDONÊ Ouvir e contar histórias. • Desenvolve a imaginação. elas vão ajudar você.. Então.

s/no.shtml 3. 12 . RS.2 – Recursos para contar histórias A partir de agora. 09541-150.br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/arte- contadores-historias-424043. 91790-130. podemos destacar: • Fantoches: É a utilização de bonecos animados e manipulados por uma pessoa. SP. (11) 4229-5253 EM Vereador Carlos Pessoa de Brum. Dentre variadas maneiras de se contar histórias. Piauí. É imprescindível que o contador seja prático e criativo. R. tel. assim. Possui expressão e é movimentado por braços e mãos. para que.Escola Villare. vamos abordar sobre os diversos recursos que podemos utilizar para uma boa contação de histórias. São Caetano do Sul. (51) 3250-1698 Fonte: http://revistaescola.abril. R. • História cantada: A música é o principal recurso nessa modalidade e pode ser utilizada tanto em toda história como apenas em trechos. da Abolição.com. tel. veja a oportunidade de contar histórias com diferentes materiais. Porto Alegre. 876.

A arte de contar histórias vai além da oralidade. pátio. ao contar histórias. que é narrada e desenhada pelo contador. culturas 13 . além do mais. quarto de hospital. • História com interferência: Os personagens são os próprios ouvintes. 3. • História com dobradura: O contador utiliza o papel para materializar os pontos fortes da história com dobraduras. entre outros. princesas. Antes mesmo de começar a sua narrativa. rainhas.• História desenhada: Geralmente é trabalhada no chão. é muito interessante se. Convide os ouvintes a viajar por reinos encantados. bruxas etc. o contador tenha em mãos algo para simbolizar o lúdico. já que cada trecho da história remete a algo que já aconteceu.3 – Disposição do espaço físico e do ambiente Vários locais podem ser o espaço físico ideal para contar uma história. jardim. Cabe ao contador ter a inspiração para transformar objetos comuns em reis. Os recursos são essenciais para proporcionar o lúdico. Sendo assim. é possível produzir recurso que vai auxiliá-lo e. e as crianças só perceberão o desenho ao término da história. você pode pedir ajuda dos próprios ouvintes para fazer. • História sequenciada: Exige memorização dos ouvintes. tais como sala. refeitório.

institua conversas preliminares com as crianças. perceba se terá circulação de pessoas.diversas. É emocionante para o ouvinte quando percebem que o contador reservou e esperou com carinho por aquele momento. chegue com antecedência no ambiente que vai acontecer a contação. perceber se haverá alguma adversidade para lidar e. Se existir palco. Dependendo da história. pois tais conversas podem te fornecer elementos-chaves para o desenvolvimento de sua programação. Saboreie a preliminar e não fique ansioso para começar a atividade. nem muito alta e nem muito baixa. Se for uma roda de histórias. o olhar faz o convite para contar. Opte por um fundo neutro. porém o primeiro elo criado se dá no silêncio desse encontro. países distantes e compartilhar momentos de conhecimento e fantasia. as luzes podem ser apagadas ou não. é aconselhável sentir a acústica. para se criar um clima e sensações que podem se incorporar no desenvolvimento da história. prepare sua sensibilidade. opte por um recanto que seja possível ter mais intimidade entre o contador e os ouvintes. A emissão de sua voz deve ser convidativa. A única preocupação deve ser com a força que tem o momento de iniciar uma história. cenários ou algo que possa interferir na narrativa. se acaso o ambiente for ao ar livre. Fique atento para nada acontecer atrás de você. Você poderá ter sentimentos mais palpáveis das dimensões do espaço. Se a 14 . perceba se a altura o distanciará de seus ouvintes. Cuidado para não começar a história abruptamente. Muitos contadores acreditam que a contação deve começar imediatamente para estabelecer cumplicidade. Em ambientes fechados. Se houver possibilidade.

seus sucessos e dificuldades através do processo que só o lúdico proporciona. Não se esqueça de que o contador tem um compromisso ético com o autor. costumes. Perceba que proporcionar momentos mágicos às crianças é dar a elas a vivência com fantasia na infância. como muitos filmes fizeram nos últimos anos. lendas. Leve em consideração que o espaço de encantamento deve acontecer primeiro em você. opte por ambiente fechado. cultura e credo. Fórmulas como “entrou por uma porta e saiu pela outra. mitos. 15 . Entenda que ela é criança e não um “mini-adulto” e deve perceber o seu mundo. o contador deve fazer algo para chamar a atenção dos ouvintes. e que não cabe a nós desvirtuar. como um cartaz. pois os ambientes ao ar livre combinam com histórias mais dinâmicas.história tiver o propósito de acalmar o ouvinte. Se o ambiente for a sala de aula. que serve como nave para a viagem que todos farão. quem souber que conte outra” são ótimas para encerrar a narração. Você vai perceber com o tempo que cada grupo sinalizará sua própria pulsação. Não faça interpretações com intenções de isolá-las do mundo real. um tapete que habitualmente seja utilizado para essa finalidade ou cantar uma música para iniciar a contação. ironizar ou ridicularizar um personagem ou obra.

e quais as implicações pedagógicas de contar histórias. como Sherazade e o contador contemporâneo.Unidade 4 – Perfil do contador de histórias Olá! Na última unidade deste curso. Veremos também qual a postura ideal do contador.que é seu instrumento de trabalho. Vamos abordar o contador tradicional. como ele pode cuidar da sua voz. Bons estudos! 16 . você vai aprender como deve ser o perfil do contador de histórias.

de animais encantados e de heróis que passam por duras provas. pesquisador de tradição oral diz o seguinte sobre o silenciamento dos contadores de história tradicionais: “Há quem acredite que no mundo moderno não existia lugar para ‘essa gente’. que. O ato de contar histórias ainda tem muito espaço em vários lares brasileiros e pelo mundo. infelizmente. e. preferindo descobri-las por meio de pesquisas na internet.1 – Contador tradicional e contemporâneo Quando falamos de contadores de histórias tradicionais. conseguiu fugir da morte e salvar a vida de outras mulheres.4. certamente nos lembramos na hora de Sherazade. tradição oral pode ser classificada como “sagrada” para essa cultura. Uma tribo africana chamada Peul. acredita que Deus fez o homem para ser seu transmissor de conselhos e de formas de viver. Aqui na América do Sul. após tanta globalização. as histórias são conhecidas atualmente pelas crianças graças aos filmes e desenhos e não mais pelos tradicionais contadores que passavam a noite nas calçadas contando histórias. Matos. para no final 17 . Afinal. com muita habilidade. por isso. por exemplo. as histórias são “poços” e transmissoras de saberes. Para muitas comunidades de sociedade oral. do que falam? De príncipes e gênios do mal. essa figura de contador tem sido cada vez mais difícil de ser encontrada. Esse “silenciamento” do contador também pode ser relacionado com a falta de ouvintes dispostos a ouvir histórias. apesar do crescimento significativo das mídias e das tecnologias.

“Então a aurora alcançou Sherazade. As descrições dos heróis. p. o mundo contemporâneo já começa a se perguntar se realmente essas culturas tradicionais foram e podem ser substituídas pela tecnologia. 18 .” Mas. Pois a emoção que era transmitida pelos contadores tradicionais eram ímpares como as histórias narradas por Sherazade para o rei. 191) Contador de histórias contemporâneo O contador reapareceu principalmente na última década como uma figura contemporânea e muitas vezes profissional. Coisas como essas parecem distantes dos interesses deste nosso tempo – frenético. maninha’. Hoje. o rei. heroínas e lugares eram imaginadas pelo seu principal ouvinte. existem vários contadores profissionais com técnicas avançadas e modernas. Esse é o tempo em que os homens se voltam para si mesmos e buscam respostas para o sentido da existência. aceso a néon. Há épocas em que os ouvidos se fecham e os corações se endurecem para o que é mágico e poético.” Trecho do Livro das Mil e uma Notes (JAROUCHE: 2008. mas o que realmente se pode afirmar é que essa figura de contador tradicional já faz falta para a sociedade atual. dança e outros para se aperfeiçoarem como contadores de história. que não a matou para ouvir a continuação de suas histórias fantásticas.merecerem a princesa. e ela parou de falar. expressões ou linguagens atuais. e ela respondeu: Isso não é nada perto do que irei contar-lhes na próxima noite. Dinazard lhe disse: ‘Como é agradável e insólita a sua história. há pessoas fazendo cursos de teatro. mas outras épocas chegam em que se abrem novamente. se eu viver e o rei me preservar. Ainda é preciso muito estudo e pesquisa para responder tal questão. Mas porque são contadores de histórias é que essa ‘gente das maravilhas’ sabe que o mundo vai e vem. barulhento e apressado.

não podemos subestimá-las. seguramente. Porém há técnicas para tipos de público em que você não pode se fantasiar. esse tipo de profissional não terá uma longa carreira. mas. ainda. seja amor pelas histórias. Quanto mais se aproximar da criança. quem se interessar por sua vida espiritual. Claro que com a profissionalização do contador. por suas necessidades. muitos realizam a atividade pelo dinheiro e não pelo amor.” Crianças são muito inteligentes. pois sem ele nenhuma técnica funcionará e até a voz não seria empregada como deveria ser.Para ser um contador de histórias. há diversas histórias e diferentes públicos. podemos afirmar que. contar história de fantasias a garotos de rua. e para cada um há um tipo de técnica a ser utilizada. Todas as artes exigem técnica. mais verá nela coisas dignas da sua atenção. E é nessa observação escrupulosa que encontrará sua recompensa e a coragem para novos esforços. Korczack define como deve ser tal amor: “Somente poderá amar cada criança com amor sábio. por exemplo. pelo ato em si ou. Amor deve ser primordial ao contador. 19 . que permitam que vá sempre em frente. como em toda profissão. elas percebem quando não gostam delas e quando estão tentando “enganá-las”. que é necessário ao contador. As principais técnicas dizem respeito aos cuidados com a voz e com a postura. pelo público. são necessários três elementos: arte. A arte certamente vem do dom. por seu futuro. técnica e amor.

É para mudar essa difícil realidade. recontar sua história. que a UNESCO dá o seu apoio ao filme. foi quem sugeriu que o filme de Luiz Villaça fosse apresentado à UNESCO. O Contador de Histórias é basicamente 20 . "Com poucos elementos. um em cada seis adultos é analfabeto. à saúde e à cidadania. o Contador de Histórias abre reflexão sobre importância da educação Filme recebe apoio da organização por enfocar temas de cultura e educação A história do menino Roberto Carlos Ramos. em uma rara e importante homenagem à obra. assim como o fez Roberto Carlos com a ajuda de uma educadora". a Ciência e a Cultura (UNESCO). sim. Maria de Medeiros levou à Organização a proposta de apoio ao filme. hoje. A atriz Maria de Medeiros. enquanto participava das filmagens de O Contador de Histórias. Nomeada Artista da UNESCO pela Paz em fevereiro de 2008. Vincent Defourny. O alerta é feito pela Organização das Nações Unidas para a Educação. No mundo. "Fiquei encantada com a história". ilustra o que acontece com boa parte das 75 milhões de crianças que estão fora da escola. que viu na produção do filme O Contador de Histórias uma excelente oportunidade de reflexão sobre a importância crucial da educação para a superação da pobreza e da exclusão social. que interpreta a pedagoga francesa Margherit Duvas. o filme alcança uma riqueza emotiva. O Brasil pode. afirma o representante da UNESCO no Brasil. analfabeto até os 13 anos de idade e considerado "irrecuperável".Leitura Complementar Para Unesco. "Esperamos que o filme desperte na sociedade a visão de um novo futuro em que todas as crianças brasileiras tenham acesso à educação. tão bem expressada em O Contador de Histórias. diz a atriz portuguesa.

um menino cheio de imaginação que é deixado pela mãe em uma entidade assistencial recém criada pelo governo. a UNESCO é parceira de projetos que promovem a inclusão social de crianças e jovens. Roberto representa um desafio. o selo da UNESCO é o reconhecimento de um trabalho sensível e emocionante. em parceria com o MEC. tais como o Criança Esperança. abre as escolas nos finais de semana para atividades de lazer.construído da relação entre essa pedagoga francesa e esse menino sem esperanças de uma vida digna. para a pedagoga francesa Margherit Duvas (Maria de Medeiros). uma pessoa excepcional que merece todos os tipos de honra". Para Luiz Villaça. A também atriz Denise Fraga é produtora de O Contador de Histórias e compartilha da opinião de Maria de Medeiros e Luiz Villaça: "As pessoas ficam inspiradas pela vida do Roberto Carlos. afirma. realizado em conjunto com a Rede Globo. "Tenho certeza de que O Contador de Histórias fará com que as pessoas repensem suas próprias vidas e tentem ajudar mais os outros". ela tenta se aproximar dele. após incontáveis fugas. seus realizadores e para o próprio Roberto Carlos Ramos. No Brasil. a UNESCO mobiliza governos e sociedades de diferentes países para a busca permanente de uma educação de qualidade para todos ao longo da vida. Em todo o mundo. O Contador de Histórias conta a história de Roberto Carlos Ramos. de carinho e de como as pessoas podem mudar suas vidas". E o apoio da UNESCO vem para confirmar a paixão que todos temos por este filme". de educação. que vem ao Brasil para o desenvolvimento de uma pesquisa. esporte e cultura. O que surge entre os dois é uma relação de 21 . Determinada a fazer do menino o objeto de seu estudo. ele é classificado como ‘irrecuperável’ nas palavras da diretora da entidade. Aos treze anos. Por isso temos muito orgulho de receber o selo da UNESCO. que. É uma vitória para o filme. e o Escola Aberta. Contudo. "É um projeto que fala de cultura.

• Ser criativo.2 – Postura do contador A postura do contador de histórias deve ser parecida com a de um ator de teatro. assim você contribui para o conhecimento das crianças em aspectos geográficos. que porá em xeque a descrença de Roberto em seu futuro e desafiará Margherit a manter suas convicções. 22 . é necessário que o contador se aperfeiçoe em alguns aspectos. visto que o contador de histórias deve possuir algumas características que o enquadre na atividade. Para que a história seja realmente relevante e envolvente na vida das crianças. interage com o público. Para que as crianças estejam situadas sobre os acontecimentos de cada história. • Expressão facial. cite a localidade onde a narrativa está acontecendo. Fonte: Jussara Leal – CDN 4. • Não ter vícios de vocabulário. • Expressão corporal. que encena e. Lembre-se que a maneira de contar uma história é tão importante quanto ela própria. simultaneamente.amizade e ternura. tais como: • Conhecer a história.

Esses são alguns aspectos que devem ser bem trabalhados pelo contador. pois contar história é sem dúvida um dos métodos mais eficazes de ensino. – Credibilidade: Se ocorrer um erro. Expresse-se durante a história com música. Dessa forma. deve antes navegar na história para depois transmiti-la. • Ampla criatividade e imaginação.• Entonação de voz. – Voz: Muito importante e essencial. Se por acaso se esquecer de alguma parte. 23 . por isso não se esqueça de olhar para todos os ouvintes. Altura: Deve ser calculada para caracterizar os personagens. improvise. por isso. com o corpo. é o principal instrumento de trabalho do contador. devem-se observar os seguintes aspectos: 1. – Expressão: Não podemos esquecer que o olhar deve transmitir o que será falado. jamais se denuncie para não perder sua credibilidade. sons de instrumentos ou objetos. é indispensável que o contador esteja bem preparado e se preocupe com: – Emoção: O contador deve gostar do que faz e do que vai contar. – Espontaneidade: Conhecer a história dá mais liberdade ao contador e a espontaneidade é uma consequência desse conhecimento. – Improvisação: O importante é saber a essência da história caso for contá-la sem livro. e tudo o mais que deixe a história mais atrativa.

membro do Comitê Nacional de Fluência da Fala. Pausa: Para dar o clima de suspense. Cuidados para manter a voz saudável Como comer uma maçã e até bocejar ajudam a preservar a saúde vocal "O ideal é prestar atenção nos sinais que a voz nos dá. ou seja. o efeito é exatamente contrário". "limpa" a garganta. Ritmo: É a variação da velocidade de sua fala. 24 . para compensar a necessidade de tossir ou pigarrear forte. trazendo alívio e bem-estar. Por isso. Volume: Não deve ser muito alto. adverte a fonoaudióloga Sonia Salama. tente beber água ou deglutir algumas vezes. Ficar rouco com frequência. 4. faça pausas entre as falas.2. mas tome cuidado para não comprometer o significado. Para evitar esses incômodos e garantir uma voz saudável. confira dicas de fonoaudiólogos: Invista na maçã! A fonoaudióloga Thays Vaiano explica que a fruta tem ação adstringente. sentir dor. dificuldade na hora de falar ou viver com a garganta coçando são sinais de que algo vai mal". 3. Evite pigarros: "Ao efetuar muitos pigarros com o objetivo de melhorar a secreção presente nas pregas vocais. completa a especialista.

Aproveite ao acordar para bocejar e espreguiçar. Ele também irrita as vias respiratórias e altera a qualidade vocal. Faça alguns exercícios movimentando os ombros e o pescoço na água morna". ações que podem diminuir a tensão da região do pescoço e dos ombros. fonoaudióloga. causando um grande desgaste. explica a fonoaudióloga Sonia. 25 . explica Sonia Salama. E as consequências não ficam por aí: estudos comprovam que a incidência de câncer de laringe é maior em fumantes.e da laringe! "Causa irritação e pode provocar laringite. Evite o cigarro. Mas não caia nesse mito! "O excesso de álcool pode até gerar um efeito agradável de relaxamento. Beba álcool com moderação. associada ao calor da fumaça. Com o tempo. Ele é um dos maiores vilões da voz . a voz engrossa e perde a potência". A nicotina.Boceje! O lema é relaxar. Com as pregas vocais "amortecidas". "Transforme também a hora do banho em um momento de relaxamento. não conseguimos controlar o esforço que utilizamos ao falar e podemos exagerar. Alguns cantores costumam dizer que a bebida ajuda a "aquecer" a voz. aconselha a fonoaudióloga Solange Dorfman. mas também tem o efeito de anestésico". resseca as cordas vocais fazendo com que você fique rouco ou force ainda mais a musculatura para falar.

26 . Usar a voz em tom mais alto ou mais baixo que o habitual necessita um esforço maior. Essa bebida energética também é censurada quando o assunto é saúde vocal. assim como o cigarro. Não grite. otorrinolaringologista do Hospital e Maternidade São Camilo. Articule bem as palavras. e provocam um aumento da acidez no estômago. a voz fica com um agudo muito irritante e as pessoas perdem até mesmo o fôlego para falar". não sussurre. Como consequência.Não tome muito café. "O calo acontece quando a pessoa força demais a musculatura e produz um choque entre as cordas vocais. Articular bem a boca ao conversar facilita que os outros entendam o que você quer dizer e evita que você tenha que falar mais alto ou gritar para conversar. "Eles desidratam as cordas vocais. alerta a fonoaudióloga Thays Vaiano. explica José Antônio Pinto. Fale normalmente. Os responsáveis são o teor de cafeína e a temperatura elevada do café. que pode provocar a formação de nódulos. A leitura labial e a boa dicção são importantes na comunicação. causando refluxo e ardor na hora de falar". devido a essa tensão exagerada.

que é ácido e pode irritar a garganta.Preste atenção na sua respiração. "Usar a voz 27 . A hidratação é a chave para cuidar das pregas vocais. Tome bastante líquido em temperatura ambiente.nos levam a respirar pela boca. Problemas respiratórios . O ideal é ingerir uma média de dois litros de água por dia. toda a área das pregas vocais fica mais lubrificada". Alterne períodos de descanso vocal com atividades nas quais você tem que falar muito. Com isso. a garganta fica mais ressecada e fazemos um esforço maior para falar e respirar. ou um copo de água a cada duas horas. sem ficar muitas horas em jejum. Tire do cardápio alimentos que causam azia e má-digestão. Se sua garganta for sensível ou já estiver irritada. O motivo é o refluxo gástrico. afirma a fonoaudióloga Sonia Salama. também é interessante evitar líquidos muito gelados. falar muito alto ou cantar durante muito tempo.a maioria de fundo alérgico . "Dessa forma. Respirar pelo nariz é sempre mais saudável. Procure não gritar. A fonoaudióloga Solange Dorfman também recomenda manter sempre uma alimentação equilibrada. e mastigar bem os alimentos.

Nada de muitos condimentos na comida. atores e jornalistas -. Pimenta e outros temperos podem deixar a comida mais saborosa. Dependendo da sensibilidade. Evite ficar muito tempo em ambientes com ar condicionado. cantores. Fonte: http://www.como professores. mas o exagero pode provocar irritações nas cordas vocais.br/saude/galerias/13136-14-cuidados-para-manter-avoz-saudavel 28 . Ele compromete a respiração e resseca o aparelho fonador. fica a dica da fonoaudióloga Thays Vaiano: "Tente não concentrar a força no pescoço. nem mesmo um bom gole de água pode aliviar a complicação.com. pois é esta força cervical que compromete o aparelho fonador".seguidamente durante muito tempo pode levar a uma fadiga muscular".minhavida. É preciso fazer um esforço muito maior com as cordas vocais para produzir o mesmo som que seria emitido sem tanta dificuldade em um ambiente livre de ar condicionado. Aos profissionais que precisam fazer uso diário e constante da voz . justifica a fonoaudióloga Solange.

os valores morais implícitos na narrativa. de interpretar a si próprio e a realidade. Acredita-se que esse efeito de integrar dos contos é o principal motivo da universalização e da imortalidade das obras que resistiram ao longo do tempo. de compreender. “É característico dos contos de fadas colocar um dilema existencial de forma breve e categórica. oferecendo. A Literatura tem o poder de impor valores éticos de maneira agradável para que ela se torne um adulto seguro de atitudes e opiniões. uma referência aos pequenos. como a morte. Isso permite à criança apreender o problema em sua forma mais 29 . Muitos conflitos inerentes ao homem. assim. E a criança capta esses elementos intuitivamente pela simbologia. as ações dos personagens. Como recurso psicopedagógico. entre outros. a história abre espaço para a alegria e para o prazer de ler.Implicações pedagógicas ao contar histórias A história possibilita a articulação entre objetividade e subjetividade. a luta do bem e do mal. O conteúdo mágico. a inveja. são tratados nos contos de fadas com desfechos. permitem projeções que facilitam a elaboração de questões emocionais. muitas vezes expressas como sintomas que se apresentam na aprendizagem. que é mérito psicopedagógico. Os contos tradicionais podem servir de mediador na formação de valores na criança e têm o poder de manter até a fase adulta a chama infantil.

– Raiva do irmão mais novo. onde uma trama mais complexa confundiria o assunto para ela. e detalhes. – Medo de ser rejeitada pelos colegas.essencial. Todos os personagens são mais típicos do que únicos. 30 . Descubra quais problemas afetam a criança e selecione uma história que vai trabalhar indiretamente o problema. Suas figuras são esboçadas claramente. O conto de fadas simplifica todas as situações. – Medo de o pai bater na mãe. – Vergonha de fazer xixi na cama. – Sentir vontade de fugir ou de se esconder. Qualquer história pode ter essa finalidade. – Medo de que os pais lhe batam. – Medo da morte. a menos que muito importantes. –Raiva de si mesma.” Bettelheim A escolha da história “terapêutica” deve ser escolhida para resolver um conflito de um determinado ouvinte. são eliminados. busque histórias que possam resolver os sentimentos mais comuns descritos abaixo: – Medo de ficar de castigo.

– Sentir vontade de crescer logo. por isso. elas falam o que sentem. a criança não se sente mais sozinha com seus problemas e com seus sentimentos difíceis ou dolorosos demais porque o personagem do livro vive a mesma situação.” Sunderland 31 . conheça seus ouvintes antes de iniciar a contação. Crianças não gostam de se expor. – Sentir vontade de chorar. – Medo de ficar trancada e sozinha em casa. embora nunca digam que são as vítimas. finalmente. Quando se referem a um personagem.– Sentir o coração apertado. a criança vai sentir as alegrias e o alívio do personagem ao superar o conflito e a crise e chegar a um ponto de resolução. – Vergonha de ser a pior da turma na escola. Junto aos personagens as crianças conseguem resolver os seus maiores conflitos. “À medida que caminha com o personagem na história. Mas. O personagem está indo para um terrível beco sem saída por causa do seu jeito de lidar com o problema e a criança sente que também está indo para um terrível beco sem saída pelos mesmos motivos.

contar histórias é uma arte que deve ser praticada e atualizada constantemente. Para concluir o curso. Sucesso e boa sorte! 32 . pois. Durante o curso. bem como utilizar os diversos recursos para enriquecer a sua narração e optar pelo melhor espaço físico para sua apresentação. Continue estudando. quando se sentir preparado(a) faça a avaliação referente ao Módulo II localizada no menu do curso. pois amplia os horizontes e as possibilidades de uma criança. Esperamos que você tenha compreendido as técnicas de contação. Através das histórias. certamente. além de ajudar os pequeninos a resolver conflitos no seu cotidiano. Contar histórias é uma atividade lúdica. Também aprendemos que contar histórias é uma arte e como é a estrutura da Literatura Infantil contemporânea. e a interação que se estabelece cria um vínculo precioso entre narrador e ouvinte. além de aprendermos que a leitura tem uma função social.Encerramento Chegamos ao final do curso de contador de histórias. você aprendeu sobre a origem das histórias e conheceu os principais autores e obras da Literatura Infantil. podemos construir o aprendizado.

blogspot.arteblog.htm http://saladeleituramarioquintanajs.com.html < Acesso em 31/05/2012 Monteiro Lobato>http://revistaescola.html http://www.shtml > Acesso em 31/05/2012 33 .br/2008/06/literatura-infantil-atravs-dostempos_307.com/literatura-artigos/processo-historicoda-literatura-infantil-e-seus-conceitos-1863686.com/doc/35529437/Le-Petit-ChaperonRouge-Charles-Perrault http://www.com.blogspot.scribd.pdf < Acesso em 30/05/2012 Origem da Literatura Infantihttp://brincandoseaprende.br/litinf/autores/lobato/biografia.br/fundamental-1/monteiro-lobato- criador-mundo-fabuloso-634267.html> Acesso em 30/05/2012 Origem da Literatura Infantil>http://novidadesevelharias- fernandeshercilia.artigonal.br/2009/07/por-que-contarhistorias.com.br/ciqead2005/trabalhos/02.Bibliografia Origem da literatura infantil> http://pt.abril.com.com.br/221394/Historiada-Literatura-Infantil-no-Brasil/ > Acesso em 30/05/2012 Biografia de Monteiro Lobato>http://graudez.com.ricesu.

unesco.wikipedia.org. Ática.Pra que contar histórias>http://www.pdf > Acesso em 01/06/2012 Tradição Oral>pt. B. J. São Paulo: Unesco. Mourão et. Paris. Trad.org/wiki/Literatura_oral> Acesso em 01/06/2012 34 .br/blog/show/422> Acesso em 31/05/2012 Como escolher histórias>http://www.A. 1982 Tradição Oral>http://www. São Paulo História geral da Africa. Turquetti et al.br/site/img/upload/492979.minutosdeleitura.ecofuturo.php < Acesso em 01/06/2012 Tradição Oral como bem>http://www.org/new/pt/brasilia/culture/world- heritage/ < Acesso em 01/06/2012 VANSINA.casadasafricas. Al.org. revisão técnica F.pt/blog/files/letrinhas-da- monica-como-seleccionar-historias-para-ler-consoante-a-idade.. A tradição oral e sua metodologia In KI-ZER-BO. Joseph.A.

A. 2007.com/artigos/leitura-como-praticasocial/19273/< Acesso em 05/06/2012 Leitura>http://www1.br/folha/educacao/ult305u643944.br/2009/03/dicaspara-contar-historias.com. BETTELHEIM. 2000. Bruno.com/ < Acesso em 14/06/2012 35 . 1980.br/2012/02/leitura-comopratica-social-uma-porta. Nelly Novaes.uol.blogspot. A. KLEIMAN.com. RJ: Paz e Terra.wordpress. KLEIMAN.B.com.grupocativacao. A psicanálise dos contos de fadas. Campinas.COELHO. 1988. Literatura Infantil: teoria. Oficina de Leitura.webartigos. análise. Leitura como prática social>http://www.B. Campinas: Pontes. Texto e Leitor: Aspectos Cognitivos da Leitura: 10ª edição.html > Acesso em 12/06/2012 Técnicas de Contação>http://laertevargascontadorhistorias. SP: Moderna.html < Acesso em 11/06/2012 Técnicas de Contação >http://umahistoriapuxaaoutra.folha.shtml < Acesso em 06/06/2012 Prática Social da leitura>http://www. didática. SP: Pontes.

com/congressodeeducacao/pdfs/oficina_cida_cintia.Postura do Contador>http://sarynha.boavontade.arteblog.com.br/230072/Como-deve-ser-um- contador-de-historia/< Acesso em 21/06/2012 Implicações Pedagógicas ao contar histórias> http://www.pdf< Acesso em 22/06/2012 36 .