Está en la página 1de 18
Colisão Colisão Colisão dededede ondas Colisão ondas ondas emememem mudança ondas mudança mudança mudança Por: Solange
Colisão
Colisão
Colisão dededede ondas
Colisão
ondas
ondas emememem mudança
ondas
mudança
mudança
mudança
Por: Solange Ugo Luques
Colisão Colisão Colisão dededede ondas Colisão ondas ondas emememem mudança ondas mudança mudança mudança Por: Solange
TOFFLER, A. A terceira onda. Trad. João Távora. 8ª. ed. Rio de Janeiro: Record, 1980. (orig.
TOFFLER, A. A terceira onda. Trad. João Távora. 8ª. ed. Rio de Janeiro:
Record, 1980. (orig. TOFFLER, A. The third wave. Bantam Books, 1980)
ALVIN TOFFLER (1928)
ALVIN TOFFLER (1928)

Escritor futurista americano

O

Choque

do Futuro

(1970) e

A

Terceira

Onda

(1980) –

discussão sobre as revoluções digital, corporativa,

tecnológica e da comunicação.

Obras mais recentes com Heidi Toffler: Guerra e Anti-Guerra (1998/1995) e Revolutionary Wealth (2006) – propõe estratégias inovativas para a implantação da paz e da saúde.

A Terceira Onda (1980)
A Terceira Onda (1980)

Características, análise e previsões sobre as transformações da civilização sob o impacto do que ele chama de a “Terceira Onda” na maré da história.

Primeira Onda: lançada pela revolução agrícola. Segunda Onda: lançada pela revolução industrial.

Obs.: O modelo aberto da Internet foi inicialmente desenvolvido pelo cientista britânico Tim Berners-Lee, em 1989, como uma ferramenta acadêmica que permitiria aos cientistas compartilhar informações. (PASSARELLI, 2008)

Estrutura da obra
Estrutura da obra

492 pg. - Introdução + 28 capítulos, divididos em 4 partes:

UMA COLISÃO DE ONDAS (Capítulo 1), A SEGUNDA ONDA (Capítulos 2 a 10), A TERCEIRA ONDA (Capítulos 11 a 24) CONCLUSÃO (Capítulos 25 a 28).

Ondas em mudança que colidem
Ondas em mudança que colidem

Descreve a civilização industrial moribunda em termos de uma “tecnosfera”, uma “sociosfera”, uma “infosfera” e “poderesfera”;”(p.

18);

Dispõe-se a mostrar as mudanças revolucionárias que essas esferas têm experimentado e como tais transformações relacionam-se a “biosfera” e “psicosfera”, isto é, como afetam nossas vidas mais íntimas.

A

grande metáfora

da

obra

é

a

de

ondas

em

mudança que

colidem: a ideia não é original, mas é uma imagem que ajuda a organizar vastas massas de informação e a ver sob a superfície agitada na mudança.

AAAA Segunda Onda Segunda Segunda Onda Segunda Onda Onda
AAAA Segunda Onda
Segunda
Segunda Onda
Segunda Onda
Onda

Sociedade industrial, baseada em produção para troca - criam-se o mercado e a economia que separa o produtor do consumidor.

Mercadização modelou pensamentos e valores - produziu um mundo em que ninguém tinha controle independente sobre seu destino – integração ao mercado era “progressiva”; autossuficiência era “retrógrada”. Promoveu visão de vida como sucessão de transações contratuais: contrato matrimonial, contrato social.

AAAA Segunda Onda Segunda Segunda Onda Segunda Onda Onda
AAAA Segunda Onda
Segunda
Segunda Onda
Segunda Onda
Onda

Apoiou-se na lei de Newton, para quem

as causas eram “as forças

impressas nos corpos para gerar movimento” - combinava com a

indust-realidade de espaço e tempo linear, da matéria em

movimento, comportando-se conforme previsíveis.

leis

universais

fixas

e

Habilitou as pessoas a serem analistas, capazes de “desmantelar problemas em seus componentes”, razão pela qual nossas imagens do futuro são fragmentadas.

A Terceira Onda - características
A Terceira Onda - características

Altamente tecnológica, mas anti-industrial.

Traz novos estilos de família, trabalho, amor, economia, conflitos políticos e consciência.

Modo de vida baseado em fontes de energia diversificadas e renováveis, em famílias não nucleares, em novos métodos de produção (em oposição à linha de montagem), em instituições como a “cabana eletrônica” e em escolas e companhias radicalmente modificadas.

Exigirá generalizadores, não especialistas - uma idade

de

síntese, do

pensamento em grande escala, de “recomposição de peças”.

Alguns capítulos
Alguns capítulos

“Desmassificando os Meios de Comunicação de Massa” (p. 161) - constata a crescente segmentação desses meios.

“O Meio Inteligente” (p. 174) - os computadores ampliam o poder de nossa mente.

“A

Cabana

Eletrônica”

hipóteses

sobre

as

consequências

-

familiares de trabalhar em casa com o auxílio da tecnologia.

sociais

e

“O Turbilhão Mental” (p. 289) que experimentamos está dando lugar a uma nova cultura positiva, uma percepção integrativa poderosa e novas metáforas para a compreensão da realidade.

“A Queda da Nação” (p. 309) - a unidade política chave da Segunda Onda, o estado-nação, está sendo pressionada e a Terceira Onda possivelmente levará à transnacionalidade, condição favorecida pelo que ele chama de

‘sistema global de comunicações’.

Capítulo 20: “O Advento do Prossumidor”
Capítulo 20: “O Advento do Prossumidor”

No final da Segunda Onda, há o desaparecimento progressivo da fronteira entre produtor e consumidor e, na Terceira Onda, a crescente significação do prossumidor - termo que funde “produtor” e “consumidor” - tranformando o mercado e a vida das pessoas, que fazem por si mesmas o que antes outros profissionais faziam.

A

figura do

“prossumidor” já existia durante a Primeira Onda -

sociedade agrícola baseada em produção para uso: as pessoas

consomem o que elas próprias produzem.

• O Setor A = trabalho não pago, invisível, fantasma, em que as pessoas fazem para
O Setor A = trabalho não pago, invisível, fantasma, em que as pessoas fazem para si
mesmas, suas famílias, sua comunidade – o setor de PROSSUMO.
O Setor B = produção de serviços é para venda ou troca no “mercado”; é o setor
visível da economia, que separa produtor de consumidor.
Mudar a produção do Setor B para o A significa “PROSSUMIR”.
Primeira Onda Agrícola Setor B Setor A
Primeira Onda
Agrícola
Setor B
Setor A
Segunda Onda Industrial Setor A Setor B
Segunda Onda
Industrial
Setor A
Setor B
Terceira Onda Tecnológica Setor B Setor A
Terceira Onda
Tecnológica
Setor B
Setor A
TOFFLER (p. 275) TOFFLER TOFFLER (p. TOFFLER (p. 275) (p. 275) 275)
TOFFLER (p. 275)
TOFFLER
TOFFLER (p.
TOFFLER (p. 275)
(p. 275)
275)

Muitos dos mesmos dispositivos eletrônicos que usaremos em casa para fazer trabalho remunerado também tornarão possível produzir mercadorias ou serviços para nosso próprio uso. Neste sistema o prossumidor, que dominou as sociedades da Primeira Onda, será trazido de volta ao centro da ação econômica – mas numa Terceira Onda, em base de tecnologia. (TOFFLER, p. 275)

Estilos Estilos Estilos Estilos dededede vida vida vida vida dadadada Terceira Onda Terceira Terceira Onda Terceira
Estilos Estilos
Estilos
Estilos dededede vida
vida vida
vida dadadada Terceira Onda
Terceira
Terceira Onda
Terceira Onda
Onda

Serão

baseados

metade

em

produção

para troca

e

metade em

produção para uso - mais satisfatórios e menos dependentes do mercado.

Parte considerável da população trabalhará menos e ganhará menos, porém compensará sua perda realizando, por conta própria e com o auxílio da tecnologia, tarefas que custam dinheiro, contribuindo ainda para diminuir a inflação.

Primeira civilização de “transmercado” da História – é dependente do mercado, mas não precisa gastar seu tempo construindo essa estrutura. A enorme energia utilizada para a implantação do mercado estará disponível para outros fins humanos.

Previsão Previsão Previsão dededede mudanças Previsão mudanças mudanças mudanças
Previsão
Previsão
Previsão dededede mudanças
Previsão
mudanças
mudanças
mudanças

Surgimento de novas religiões, o aumento do número de obras de arte, a multiplicação de avanços científicos e o surgimento de novas espécies de instituições sociais e políticas.

Advento do prossumidor - nossas vidas.

redefinição do papel do mercado em

Mudanças na estrutura básica da economia associam-se a mudanças na energia, na tecnologia, nos sistemas de informação, na família, nas instituições comerciais, na maneira como vemos o mundo.

Características do avanço da Terceira Onda
Características do avanço da Terceira Onda

Mudança

para

um

nível

mais

alto

de

diversidade na sociedade – a desmassificação da sociedade de massa.

Aceleração – o andamento mais rápido a que ocorre a mudança histórica. Dessincronização. (p. 356)

Conclusão Conclusão Conclusão Conclusão
Conclusão
Conclusão
Conclusão
Conclusão

Nunca houve tantas pessoas instruídas, com conhecimento, energia e possibilidade de viajar, comunicar-se e aprender com culturas diferentes. É delas a responsabilidade da mudança.

A

proposta de um

processo de aprendizado social que utilize a

tecnologia à disposição deve servir como garantia de que as mudanças necessárias podem ser feitas pacificamente por todos

‘nós’, sem depender apenas de uma elite esclarecida.

O que nos aguarda não é um replay, nem uma convulsão social única; mas virá “como consequência de mil inovações e colisões a muitos níveis, em muitos lugares, através de um período de décadas. “ O autor termina conclamando todos a começarem imediatamente o processo de reconstrução.

REFERÊNCIAS
REFERÊNCIAS

PASSARELLI,

B. .

Do Mundaneum à WEB Semântica: discussão sobre a

revolução nos conceitos de autor e autoridade das fontes de informação. Datagramazero (Rio de Janeiro), v. v .9, p. n. 5, 2008. Disponível em: http://www.dgz.org.br/out08/Art_04.htm. Acesso em

03/04/2013.

TOFFLER, A. A terceira onda. Trad. João Távora. 8ª. ed. Rio de Janeiro:

Record, 1980. (orig. TOFFLER, A. The third wave. Bantam Books, 1980)

Minhas reflexões Minhas Minhas reflexões Minhas reflexões reflexões
Minhas reflexões
Minhas
Minhas reflexões
Minhas reflexões
reflexões

O EAD seria uma forma tecnológica de levar conhecimento (ensino/educação) a esse ‘prossumidor’ – o ‘faça-você-mesmo’ da educação. / EAD – educação ‘adulta’ – o PARTICIPANTE (professor, moderador, estudante) assume muitos papéis que eram do professor ou da instituição

Computadores e tecnologia ativada pelo prossumidor tornam cadeias de distribuição mais simplificadas. = MINHA REFLEXÃO: Ensino mediado por computador barateia seus custos – cadeia de distribuição simplificada

Por que o ‘equipamento de ditado’(p. 195), dentre tantas novidades que Toffler previu e de fato acertou não “pegou”? Sugestão: diferenças entre língua falada e escrita?

Sir Edmund Leach escreveu para o Nevis Institute: ler é mais fácil de aprender e mais útil do que escrever – nem todo mundo precisa aprender a escrever. (p. 343)??? Barreira para o PROSSUMER?

Link para entrevista da VEJA em 15/10/2003 http://veja.abril.com.br/151003/entrevista.html