Está en la página 1de 35

1

MP e Magistratura - 2012.2
Direito Eleitoral
Professor: Celso Spitzcovsky.
Fontes do Direito Eleitoral
1) Constituição:
a) Princípios do Direito Eleitoral.
b) Direitos políticos:
 Instrumentos ue viabilizam a democracia direta !plebiscito" re#erendo e iniciativa
popular).
 Condi$%es de ele&ibilidade.
 'ip(teses de inele&ibilidade.
 Perda e suspens)o dos direitos políticos.
c) Partidos Políticos
d) *r&aniza$)o da +usti$a Eleitoral !S,-" ,SE" ,.E" /uízes eleitorais" /untas eleitorais).
e) 0inist1rio P2blico Eleitoral.
3) Leis:
a) 4ei 5.67895:: Lei das Eleições.
 Conven$%es partid;rias !/un<o).
 .e&istro de candidatura !/ul<o).
 Campan<a eleitoral !/ul<o a outubro).
 Presta$)o de contas = +usti$a Eleitoral.
 Direito de resposta.
 Pesuisas eleitorais.
 Propa&anda eleitoral.
 Condutas vedadas.
 Dia das elei$%es.
 Diploma$)o.
 Posse.
2
 >I+E !>$)o de Investi&a$)o +udicial Eleitoral).
 >I0E !>$)o de Impu&na$)o de 0andato Eletivo).
 .epresenta$%es eleitorais.
 .ecursos.
 Crimes em mat1ria eleitoral.
b) 4ei 8.:?:9@6: Código Eleitoral.
c) 4ei 5.75@956: Lei Orgni!a dos Partidos Pol"ti!os.
d) 4C @8957: Lei das #nelegi$ilidades" com reda$)o dada pela 4C 1?6917 !Lei da
%Fi!&a Li'(a)).
?) *esoluções: s)o atos normativos com #or$a de lei editados pelo +,E !,ribunal
Superior Eleitoral) para re&ulamentar as elei$%es. * art. 176" 4ei 5.67895: estabelece
ue o ,SE tem (ra-o at1 o dia 0. de 'arço do ano das eleições para editar
resolu$%es visando re&ulamentar as elei$%es.
8) ,/'ulas: os inte&rantes da +usti$a Eleitoral tem 'andato (or (ra-o deter'inado.
Pra-o: 3 !dois) anos" prorro&;vel uma vez por i&ual período. Pre0isão: art. 131" A3B"
C-9CC. Por essa raz)o" para ue o entendimento da /urisprudDncia n)o se altere
radicalmente a cada 3 !dois) anos" as s2mulas aduirem &rande importEncia no Direito
Eleitoral. * ,SE 1 composto por : !sete) inte&rantes: ? !trDs) ministros do S,-" 3
!dois) ministros do S,+ e 3 !dois) advo&ados. >ssim" uando a mat1ria eleitoral c<e&a
ao S,-" ? !trDs) dos seus ministros /; mani#estaram seu entendimento" embora possam
alter;Flo.
Prin!"(ios do Direito Eleitoral
11 Prin!"(io de'o!r2ti!o3
Pre0isão: art. 1B" C-9CC.
>rt. 1B" C-9CC. > .ep2blica -ederativa do Grasil" #ormada pela uni)o indissol2vel dos Estados
e 0unicípios e do Distrito -ederal" constituiFse em Estado Democr;tico de Direito e tem
como #undamentos:
I F a soberaniaH
II F a cidadaniaH
III F a di&nidade da pessoa <umanaH
3
II F os valores sociais do trabal<o e da livre iniciativaH
I F o pluralismo político.
Par;&ra#o 2nico. ,odo o poder emana do povo" ue o eJerce por meio de representantes
eleitos ou diretamente" nos termos desta Constitui$)o.
Sendo o Grasil uma de'o!ra!ia !Estado Democr;tico de Direito)" a titularidade do (oder
#oi entre&ue ao (o0o. * art. 1B" A 2nico" C-9CC estabelece como o povo eJerce esse poder.
,odo poder emana do povo" ue o eJerce atrav1s dos seus re(resentantes eleitos ou
direta'ente" nos termos previstos na Constitui$)o !art. 18" C-9CC).
'; no Grasil" si'ultanea'ente" uma de'o!ra!ia direta e uma de'o!ra!ia re(resentati0a.
a) De'o!ra!ia direta: uando o (o0o eJerce o poder se' inter'edi2rios. >rt. 18"
C-9CC: a democracia direta 1 eJercida por meio de sufr2gio" 0oto" (le$is!ito"
referendo e ini!iati0a (o(ular. Kas demais situa$%es" o povo 1 representado por
terceiros.
b) De'o!ra!ia re(resentati0a: uando o (o0o eJerce o poder re(resentado (or
ter!eiros. *s representantes do povo" para serem eleitos" devem respeitar as se&uintes
re&ras:
 Condições de elegi$ilidade.
 #nelegi$ilidades.
21 ,iste'as eleitorais3
'; 3 !dois) sistema eleitorais no Grasil:
1. ,iste'a 'a4orit2rio: consideraFse eleito o candidato ue obtiver a 'aior 5uantidade
de 0otos. Esse sistema privile&ia a 5uantidade de 0otos o$tida (elo !andidato.
>plicaFse a mandatos no:
a) Poder E6e!uti0o !Presidente da .ep2blica" Lovernador e Pre#eito). >rt. ::" A3B"
C-9CC: participam do 1B !primeiro) turno todos os candidatos re&istrados. ConsideraFse
eleito o candidato ue obtiver o uorum de 'aioria a$soluta dos 0otos 02lidos"
e6!lu"dos os $ran!os e nulos. Se n)o #or obtida maioria absoluta no 1B !primeiro)
turno" os 3 !dois) candidatos mais votados passam para o 3B !se&undo) turno. Em 3B
turno" consideraFse eleito o candidato ue obtiver 'aioria si'(les dos 0otos.
b) ,enado Federal: art. 8@" C-9CC. Cada Estado e o Distrito -ederal tem direito a 7
8tr9s1 re(resentantes no Senado -ederal" independentemente da popula$)o estadual.
4
M considerado eleito o candidato ue obtiver a 'aioria si'(les de 0otos. K)o <; 3B
!se&undo) turno.
3. ,iste'a (ro(or!ional: privile&ia a 5uantidade de 0otos o$tida (ela legenda
!partido ou coli&a$)o)" e n)o a uantidade de votos obtida pelo candidato. Esse
sistema se aplica a mandatos no:
a) Poder Legislati0o: art. 86" C-9CC !C'ara de :ereadores" ;sse'$leia Legislati0a
e C'ara dos De(utados). Con#orme /; estudado" o sistema proporcional n)o se
aplica ao Senado -ederal.
<uo!iente eleitoral !art. 17@" 4ei 8.:?:9@6): 1 obtido dividindoFse a uantidade de votos
v;lidos pela uantidade de va&as o#erecida pela Casa 4e&islativa. <uo!iente eleitoral =
0otos 02lidos > 0agas. Cada vez ue o n2mero de votos obtido pelo partido ultrapassar o
uociente eleitoral" #ar; /us a uma va&a na Casa 4e&islativa" a ser ocupada por seu candidato
mais votado. Esse sistema &era al&umas distor$%es" uma vez ue as le&endas acabam
buscando NpuJadores de votosO para se candidatarem e aumentarem o uociente eleitoral do
partido" o ue acaba ele&endo candidatos com vota$)o ineJpressiva.
71 Prin!"(io da segurança 4ur"di!a e' 'at?ria eleitoral3
>rt. 6B" PPPII" C-9CC: a lei n)o pre/udicar; o direito aduirido" o ato /urídico per#eito e a
coisa /ul&ada. Esse dispositivo consa&ra o princípio da se&uran$a das rela$%es /urídicas em
&eral. ,al princípio visa &arantir a estabilidade das rela$%es /urídicas. >l1m disso" a lei s(
pode retroa&ir para bene#iciar o r1u.
>rt. 1@" C-9CC: a lei ue alterar o processo eleitoral entrar; em vi&or na data de sua
publica$)o" n)o se aplicando = elei$)o ue ocorra at1 1 !um) ano da data de sua vi&Dncia.
> lei eleitoral ue vai regular as eleições deve estar a(ro0ada 1 8u'1 ano antes. Como as
elei$%es s)o realizadas no 1B !primeiro) domin&o de outubro" a le&isla$)o eleitoral deve estar
aprovada at1 o 1@ 8(ri'eiro1 do'ingo de outu$ro do ano anterior. Iale lembrar ue uma
das condi$%es de ele&ibilidade 1 o domicílio na circunscri$)o eleitoral por pelo menos 1 !um)
ano antes das elei$%es.
Qualuer altera$)o na le&isla$)o eleitoral veiculada ap(s o prazo de 1 !um) ano ue antecede
as elei$%es n)o valer; para as elei$%es se&uintes.
> 4C 1?6917 !4ei da N-ic<a 4impaO) #oi aprovada em /un<o do ano das elei$%es. Por tal
raz)o" o S,- entendeu ue essa lei n)o seria aplic;vel =s elei$%es de 3717" sob pena de
viola$)o ao art. 1@" C-9CC. * S,- s( tomou essa decis)o em mar$o de 3711" ap(s a realiza$)o
5
das elei$%es" eis ue" em 3717" contava com apenas 17 !dez) inte&rantes" tendo a vota$)o
empatado em 6J6 votos. Em mar$o de 3711" o S,-" /; recomposto com 11 !onze) membros"
decidiu" por @J6 votos" ue a 4C 1?6917 n)o seria aplic;vel =s elei$%es de 3717.
A1 Moralidade3
>rt. ?:" caput " C-9CC: a moralidade administrativa 1 princípio ue se aplica = >dministra$)o
em &eral.
#'(ro$idade: es(?!ie 5ualifi!ada de i'oralidade. Improbidade si&ni#ica desonestidade
ad'inistrati0a.
> pr;tica de atos de imoralidade con#i&ura in!onstitu!ionalidade" passível de aprecia$)o pelo
Budi!i2rio" por meio de ação (o(ular ou ;CP 8;ção Ci0il P/$li!a1.
Ko !a'(o eleitoral" a pr;tica de atos de i'oralidadeCi'(ro$idade &era <ip(tese de
inelegi$ilidade.
>rt. 18" A5B" C-9CC: al1m das &i(óteses de inelegi$ilidade relacionadas na Constitui$)o"
outras poder)o ser !riadas" por lei !o'(le'entar" para a preserva$)o dos se&uintes valores:
 Pro$idade ad'inistrati0a e 'oralidade ad'inistrati0a" tendo em vista a 0ida
(regressa do !andidato: tal previs)o ob/etiva a (roteçãoC(reser0ação do 'andato
eleti0o.
 Para prote&er a nor'alidade e a legiti'idade das eleições contra o a$uso do (oder
e!onD'i!o e (ol"ti!o.
Kesse conteJto" #oi editada a 4C 1?6917 !Lei da %Fi!&a Li'(a))" ue proíbe o re&istro de
candidatura daueles candidatos ue /; ten<am sido condenados por (r&)o cole&iado" ainda
ue a decis)o n)o ten<a transitado em /ul&ado. Essa proibi$)o ense/ou discuss)o sobre a
possível viola$)o ao princípio constitucional da presun$)o de inocDncia. Con#lito: (resunção
de ino!9n!ia 6 (reser0ação do 'andato. * S,- entendeu ue deve prevalecer a preserva$)o
do mandato" consi&nando ue impedir a candidatura de pessoas ue tiverem problemas com a
/usti$a em sua vida pre&ressa n)o implica em san$)o ou penalidade" mas apenas em restri$)o
a direitos políticos" o ue 1 necess;rio para a &arantia de soberania do país.
.1 Prin!"(io federati0o3
Pre0isão: art. 1B" C-9CC.
6
>rt. 1B" C-9CC. > .ep2blica -ederativa do Grasil" #ormada pela uni)o indissol2vel dos Estados
e 0unicípios e do Distrito -ederal" constituiFse em Estado Democr;tico de Direito e tem
como #undamentos: !...).
* Grasil 1 uma federação. > essDncia de uma #edera$)o 1 a ineJistDncia de <ieraruia entre as
pessoas ue a inte&ram. Eão <; &ierar5uia" mas !a'(os distintos de atuação.
* art. 33" C-9CC estabelece =s mat1rias de !o'(et9n!ia (ri0ati0a da Fnião. * art. 33" A
2nico" C-9CC permite ue a Rni)o" caso ueira" delegue al&umas de suas competDncias aos
Estados ou ao Distrito Eleitoral.
>rt. 33" I" C-9CC: estabelece ue !o'(ete (ri0ati0a'ente G Fnião legislar so$re Direito
Eleitoral. ,oda a le&isla$)o eleitoral 1 editada pela Rni)o. Estados e 0unicípios est)o
proibidos de le&islar em mat1ria eleitoral. >ssim" pelo princípio #ederativo" apenas a Rni)o
pode le&islar em mat1ria eleitoral.
Direitos Pol"ti!os
11 Definição3
Direitos (ol"ti!os: 1 o !on4unto de regras ue dis!i(lina a for'a de atuação da so$erania
(o(ular !princípio democr;tico).
> soberania popular pode ser eJercida das se&uintes #ormas:
1. De'o!ra!ia direta: o povo eJerce a democracia diretamente" sem intermedi;rios. >rt.
18" C-9CC: prevD os instru'entos ue viabilizam o eJercício da soberania popular.
S)o eles:
a) ,ufr2gio: 1 o direito (/$li!o su$4eti0o atribuído ao !idadão de (arti!i(ar da 0ida
(ol"ti!a do (a"s. * su#r;&io se traduz no direito de 0otar e de ser 0otado. * su#r;&io"
no Grasil" 1 uni0ersal. >ssim" em re&ra" o voto 1 um direito atribuído a toda a
popula$)o" com eJce$)o das restri$%es #eitas pela pr(pria Constitui$)o. Ko Grasil" o
voto /; #oi censit;rio no passado" eJi&indo a comprova$)o de renda. > mul<er s(
passou a ter direito a voto a partir de 15?8. * alistamento eleitoral e o voto s)o
o$rigatórios para aueles ue ten<am entre 1H 8de-oito1 e I0 8setenta1 anos. * voto
1 fa!ultati0o para os 'enores entre 1J 8de-esseis1 e 1H 8de-oito1 anos e para os
'aiores de I0 8setenta1 anos" bem como para os analfa$etos. Se o cidad)o deiJar de
votar em ? !trDs) elei$%es consecutivas" poder;" entre outras conseuDncias" ter o seu
alistamento eleitoral cancelado e ser impedido de participar de concursos p2blicos" nos
7
termos do art. :1" 4ei 8.:?:9@6 !C(di&o Eleitoral). Para a le&isla$)o eleitoral" cada
turno 1 considerado uma elei$)o.
b) :oto: 1 um dos instru'entos atrav1s dos uais se mani#esta o sufr2gio. Em re&ra" o
voto 1 direto e se!reto. E6!eção: as eleições ser)o indiretas na <ip(tese prevista no
art. C1" A1B" C-9CC. Se" no 2@ 8segundo1 (er"odo do 'andato (residen!ial" ou se/a"
nos /lti'os 2 8dois1 anos do 'andato" 0agare' os car&os de Presidente e :i!e-
Presidente da *e(/$li!a" a eleição ser; #eita de #orma indireta" para o restante do
'andato !'andato ta'(ão)" pelo Congresso Ea!ional" na #orma da lei. Essa lei
ainda n)o #oi editada. Caso: em 1553" no se&undo período do mandato presidencial" o
Presidente Collor #oi condenado pelo Con&resso Kacional pela pr;tica de crime de
responsabilidadeH deveria assumir o IiceFPresidente" Itamar -ranco" ue se recusou a
#azDFlo para n)o #icar impedido de se candidatar =s elei$%es de 1558H ao #inal" #oi
convencido a assumir" n)o tendo sido realizadas elei$%es indiretas em Embito #ederal.
c) Ple$is!ito: #orma de !onsulta direta G (o(ulação em !ar2ter origin2rio" isto 1" a
popula$)o 1 consultada diretamente para ue decida sobre mat1ria em rela$)o a ual
ine6iste deli$eração anterior. EJ.: plebiscito para optar entre monaruia J rep2blica
e parlamentarismo J presidencialismo !art. 3B" >DC,)" plebiscito = popula$)o do Par;
para deliberar sobre a divis)o do Estado" etc.
d) *eferendo: #orma de !onsulta direta G (o(ulação em ue esta 1 c<amada a
!onfir'arCratifi!ar mat1ria em rela$)o a ual 42 e6iste deli$eração anterior. EJ.:
re#erendo sobre o desarmamento.
e) #ni!iati0a (o(ular: o povo pode" diretamente" sem ualuer intermedi;rio" elaborar
pro/eto de lei. ,rataFse de avan$o trazido pela Constitui$)o" eis ue permite =
popula$)o suprir a omiss)o le&islativa na re&ulamenta$)o das normas constitucionais
de e#ic;cia limitada. >rt. @1" A3B" C-9CC: estabelece as e6ig9n!ias para a iniciativa
popular. S)o elas:
 Subscri$)o do pro/eto de lei por" no mínimo" 1K 8u' (or !ento1 do eleitorado
na!ional.
 Eleitorado distribuído pelo menos por . 8!in!o1 Estados.
 K)o menos de 7C10K 8tr9s d?!i'os (or !ento1 dos eleitores de cada um deles.
Essas eJi&Dncias s)o para ue o pro/eto de lei possa ser apresentado = CEmara dos Deputados"
ue pode ou n)o aprov;Flo. Em raz)o da di#iculdade de preenc<imentos das eJi&Dncias"
apenas 3 !duas) leis #oram oriundas de iniciativa popular: 4C 1?6917 !4ei da N-ic<a 4impaO)
8
e lei ue criou o art. 81F>" 4ei 5.67895: !4ei das Elei$%es)" ue tornou crime a tentativa de
obten$)o de voto mediante o o#erecimento de vanta&em para o eleitor. *utros pro/etos de
iniciativa popular n)o obtiveram uorum" como #oi o caso do pro/eto encabe$ado por Ll(ria
Perez. >tualmente" o pro/eto de lei de iniciativa popular Nn)o #oi acidenteO" ue visa aumentar
as penas dos crimes de trEnsito" est; tentando obter as assinaturas necess;rias para a
apresenta$)o = CEmara dos Deputados.
3. De'o!ra!ia re(resentati0a: eJercida por meio de re(resentantes eleitos.
21 Condições de elegi$ilidade3
>rt. 18" A?B" C-9CC: estabelece as condi$%es de ele&ibilidade" na #orma da lei. ,rataFse de
nor'a de efi!2!ia !ontida" ue admite amplia$)o por meio de disposi$)o le&al. >ssim" al1m
das condi$%es de ele&ibilidade previstas no art. 18" A?B" C-9CC" a Constitui$)o admitiu ue
outras #ossem criadas pelo le&islador in#raconstitucional.
4ei 5.67895:: Lei das Eleições. Kos arts. 5B e 11" 4ei 5.67895:" disciplinou a mat1ria relativa
=s condi$%es de ele&ibilidade.
Pela 4ei 5.67895:" #oram criadas al&umas eJi&Dncias n)o previstas pela Constitui$)o" bem
como #oram especi#icadas outras eJi&Dncias /; previstas.
S)o !ondições de elegi$ilidade !onstitu!ionais:
1. ,er $rasileiro. *s estran&eiros n)o podem se candidatar a mandato eletivo. Ko
entanto" vale lembrar ue os estran&eiros podem prestar !on!urso (/$li!o para car&os
e empre&os p2blicos" nos termos do art. ?:" I" C-9CC. * estran&eiro ue se naturaliza
deiJa de ser estran&eiro e &an<a um vínculo /urídico com o Grasil !brasileiro
naturalizado). Kesse caso" poder; se candidatar a mandato eletivo" mas n)o a todos.
'; certos car&os" previstos no art. 13" A?B" C-9CC" ue n)o privativos de brasileiros
natos. S)o (ri0ati0os de $rasileiro nato os car&os de:
a) Presidente e :i!e-Presidente da *e(/$li!a.
b) Presidente da C'ara dos De(utados.
c) Presidente do ,enado Federal.
d) Ministro do ,u(re'o +ri$unal Federal.
e) Carreira di(lo'2ti!a.
#) Ofi!ial das Forças ;r'adas.
&) Ministro de Estado da Defesa.
9
>rt. 13" A?B" incisos I" II" III e II" C-9CC: trataFse da lin&a su!essória da Presid9n!ia da
*e(/$li!a.
3. En!ontrar-se no (leno e6er!"!io dos direitos (ol"ti!os" isto 1" possuir !a(a!idade
(ara 0otar e (ara ser 0otado. *s reuisitos de ele&ibilidade devem ser comprovados
no momento do re&istro da candidatura" e n)o no momento da posse.
?. ;lista'ento eleitoral: no momento do re&istro de candidatura" o interessado deve
comprovar ue est; em dia com a +usti$a Eleitoral. ;lista'ento eleitoral: 1 o ato
atrav1s do ual o indivíduo se uali#ica perante a +usti$a Eleitoral" devendo comprovar
domicilio" dados pessoais" etc. * alistamento eleitoral !assim como o voto) 1
obri&at(rio" nos termos do art. 18" A1B" C-9CC. Se <ouver irre&ularidades no
alistamento eleitoral !eJ.: #ornecimento de dados #alsos)" a pessoa se torna inele&ível.
>rt. 83 e :1" CE 4ei 8.:?:9@6: traz re&ras envolvendo alistamento eleitoral e
cancelamento do alistamento eleitoral. Se o indivíduo deiJar de votar em ? !trDs)
elei$%es consecutivas" sem /usti#icar sua ausDncia nem pa&ar a multa prevista pela
le&isla$)o eleitoral" ter; cancelado o seu alistamento eleitoral" #icando impedido de se
ele&er" bem como #icando proibido de participar de concursos p2blicos. Para a
le&isla$)o eleitoral" cada turno de elei$)o 1 considerado como uma elei$)o a parte.
8. Do'i!"lio eleitoral: mais amplo ue o domicílio civil. Para ue <a/a domicílio
eleitoral" 1 necess;ria a comprova$)o de residDncia com car;ter permanente no local
ou a mera comprova$)o de residDncia no local. * domicílio eleitoral deve ser na
!ir!uns!rição do (leitoCeleição !eJ.: municipal" estadual ou #ederal). Pra-o: o
candidato interessado deve ter domicílio eleitoral na circunscri$)o do pleito 1 8u'1
ano antes das eleições" isto 1" desde o início de outubro do ano anterior ao pleito. >
Constitui$)o n)o previu prazo" ue #oi #icado pela 4ei 5.67895:. Essa re&ra busca
evitar candidatos parauedistas. > data das elei$%es n)o se con#unde com a data do
re&istro de candidatura" ue pode se dar at1 76 de /ul<o do ano das elei$%es.
6. Filiação (artid2ria: 1 condi$)o de ele&ibilidade estar #iliado a partido político. >
Constitui$)o proíbe candidaturas avulsas. ,rataFse de instrumento ue viabiliza a
democracia representativa. 4ei 5.75@956: Lei Orgni!a dos Partidos Pol"ti!os.
Pra-o: a #ilia$)o partid;ria deve se dar 1 8u'1 ano antes das eleições. Essa re&ra
busca evitar candidaturas oportunistas. Em 377:" o ,SE e o S,- decidiram ue o
'andato eleti0o pertence ao (artido (ol"ti!o" e não ao (arla'entar ue se ele&eu.
Isso porue o parlamentar s( conse&uiu se ele&er por estar #iliado a partido político.
.e&ra &eral" se o parlamentar eleito resolver mudar de partido" perder; o mandato. M
10
possível a mudan$a de partido sem a perda do mandato em al&umas <ip(teses
eJcepcionais" uando <ouver /usta causa. > pessoa ue mudar de partido ou #icar sem
partido a menos de 1 !um) ano das elei$%es se tonar; inele&ível.
@. #dade '"ni'a: o candidato deve apresentar a idade mínima prevista no art. 18" A?B"
II" C-9CC.
Cargo3 #dade '"ni'a3
PresidenteL :i!e-Presidente da *e(/$li!a e
,enador:
?6 !trinta e cinco) anos.
Mo0ernador e :i!e-Mo0ernador de Estado
e do Distrito Federal:
?7 !trinta) anos.
De(utado FederalL De(utado Estadual ou
DistritalL PrefeitoL :i!e-Prefeito e 4ui- de
(a-:
31 !vinte e um) anos.
:ereador: 1C !dezoito) anos.
>rt. 11" A1B" 4ei 5.67895:: a idade '"ni'a pode ser comprovada at1 o 'o'ento da (osse.
,rataFse da 2nica condi$)o de ele&ibilidade ue n)o precisa ser comprovada no momento do
re&istro da candidatura. > posse" para car&os no EJecutivo" ocorre em 1B de /aneiro do ano
se&uinte =s elei$%es" ao passo ue" para os car&os no 4e&islativo" ocorre no início de #evereiro
no ano se&uinte =s elei$%es.
,odas as demais condi$%es de ele&ibilidade devem estar preenc<idas no momento do re&istro
da candidatura.
S)o !ondições de elegi$ilidade infra!onstitu!ionais !art. 11" AA:B e CB" 4ei 5.67895:):
1. ;(resentação da ata da !on0enção do (artido e' 5ue o no'e do !andidato foi
es!ol&ido. Deve ser apresentada a ata lavrada na conven$)o partid;ria. > conven$)o
partid;ria ocorre no período de 17 a ?7 de /un<o do ano das elei$%es. Ka conven$)o
partid;ria" o partido político decide uem ser)o seus representantes nas elei$%es" bem
como se <aver; ou n)o coli&a$)o. >s decis%es tomadas na conven$)o partid;ria devem
ser reduzidas a termo em ata.
3. ;(resentação de de!laração de $ens: essa eJi&Dncia se d; para ue a +usti$a
Eleitoral saiba o patrimSnio do candidato antes da candidatura ao car&o eletivo e
depois da conuista do mandato. Se a evolu$)o patrimonial do candidato #or
incompatível com a remunera$)o do car&o eletivo" isso poder; implicar em ato de
improbidade administrativa na modalidade enriuecimento ilícito.
11
?. ;(resentação de !ertidão de 5uitação eleitoral. *b/etivo: demonstrar ue o
candidato n)o tem ualuer pendDncia #inanceira com a +usti$a Eleitoral !em &eral"
d1bitos oriundos de propa&anda vedada" em se tratando de candidato ue /; se
candidatou anteriormente).
8. ;(resentação de !ertidões !ri'inais. *b/etivo: aplica$)o da 4ei da -ic<a 4impa"
ue prevD ue" <avendo decis)o condenat(ria !ac(rd)o) pro#erida por (r&)o cole&iado"
ainda ue antes do trEnsito /ul&ado" o indivíduo se torna inele&ível.
6. ;(resentação de fotografia atuali-ada: essa #oto&ra#ia aparecer; na urna eletrSnica
!art. 65" A1B" 4ei 5.67895:).
@. Pro(ostas de go0erno: o candidato deve apresentar suas propostas de &overno.
* pedido de re&istro de candidatura pode ser apresentado at1 o dia 76 de /ul<o do ano das
elei$%es. >presentado o pedido" <; 3 !duas) op$%es:
 > +usti$a Eleitoral a!ol&e o pedido de re&istro.
 > +usti$a Eleitoral nega o pedido de re&istro.
Em ualuer <ip(tese !acol<imento ou n)o do pedido de re&istro)" 1 possível o a/uizamento de
ação de i'(ugnação de registro de !andidatura. Legiti'ados ati0os: (artidos (ol"ti!os"
!oligações" Minist?rio P/$li!o" !andidatos.
>rt. 1@F>" 4ei 5.67895:: prevD a possibilidade de auele ue teve o seu re&istro de
candidatura inde#erido pela +usti$a Eleitoral levar a uest)o para a aprecia$)o do +udici;rio.
>ssim" 1 possível colocar a !andidatura sub judice. Se o pedido #or inicialmente de#erido" o
candidato poder;" at1 a decis)o #inal" participar da campan<a eleitoral" ter seu nome na urna e
ser votado.
71 Ni(óteses de inelegi$ilidade3
Pre0isão: art. 18" AA8B a CB" C-9CC.
>rt. 18" A5B" C-9CC: a Constitui$)o admite ue outras <ip(teses de inele&ibilidade se/am
criadas por lei complementar. >ssim o rol constitucional de inele&ibilidades 1 meramente
eJempli#icativo. EJ.: a 4ei da -ic<a 4impa criou novas <ip(teses de inele&ibilidade
Ni(óteses de inelegi$ilidade !onstitu!ionais:
1. >rt. 18" A8B" C-9CC: s)o inele&íveis os inalist20eis e os analfa$etos.
12
a) #nalist20eis: os inalist;veis n)o podem se uali#icar perante a +usti$a Eleitoral. S)o
inalist;veis os estrangeiros e os !ons!ritos !art. 18" A3B" C-9CC). Cons!ritos: s)o
aueles ue prestam ser0iço 'ilitar o$rigatório.
b) ;nalfa$etos: a al#abetiza$)o 1 eJi&Dncia para a candidatura a mandato eletivo. Para
#ins de comprova$)o da condi$)o de al#abetizado" o candidato deve preenc<er
declara$)o com a a#irma$)o de ser al#abetizado" para os #ins le&ais.
3. >rt. 18" A6B" C-9CC: reeleição. *s Pre#eitos" os Lovernadores" o Presidente !car&os no
EJecutivo) e todos aueles ue os ten<am substituído ou sucedido no curso do
mandato ter)o direito a uma 2nica reelei$)o. > reda$)o desse dispositivo #oi dada pela
EC 1@95:" ue introduziu a possibilidade de reelei$)o no Grasil. K)o <; limite para as
reelei$%es a mandatos eletivos no 4e&islativo. K)o <; aposentadoria compuls(ria aos
:7 !setenta) anos para os titulares de mandatos eletivos" ue n)o a&entes políticos" e
n)o servidores p2blicos. Ko caso de reelei$)o" n)o <; necessidade de
desincompatibiliza$)o do mandato para concorrer =s elei$%es. Para o pro#essor" isso
&era peri&oso precedente" constitucionalmente admitido" eis ue se admite ue o
candidato = reelei$)o se utilize da in#luDncia do poder político e econSmico do
mandato.
?. >rt. 18" A@B" C-9CC: inelegi$ilidade (ara outros !argos. *s Pre#eitos" os
Lovernadores e o Presidente" se uiserem se candidatar a outros mandatos !e n)o =
reelei$)o)" dever)o se desin!o'(ati$ili-ar do mandato titularizado at? J 8seis1 'eses
antes das eleições" sob pena de #icarem inele&íveis. Como as elei$%es ocorrem no
primeiro domin&o do mDs de outubro" a desincompatibiliza$)o deve ocorrer at1 o
primeiro domin&o do mDs de abril. S)o contradit(rias as re&ras adotadas pela
Constitui$)o para a reelei$)o !desnecessidade de desincompatibiliza$)o) e para a
candidatura a outros car&os !necessidade de desincompatibiliza$)o).
8. >rt. 18" A:B" C-9CC: inelegi$ilidade refle6a. Kesse caso" o indivíduo n)o se torna
inele&ível por condi$)o pessoal. > inele&ibilidade decorre do #ato de ser cSn/u&e ou
possuir la$os de parentesco com Pre#eito" Lovernador ou Presidente. > inele&ibilidade
se d; na circunscri$)o em ue o cSn/u&e ou parente 1 titular de mandato eletivo. *
ob/etivo dessa re&ra 1 evitar ue o titular do mandato eletivo use a m;uina
administrativa em #avor de cSn/u&e ou de parentes. S2mula Iinculante 1C" S,-: a
dissolu$)o da sociedade ou do vínculo con/u&al" no curso do mandato" n)o a#asta a
inele&ibilidade prevista no A:B do arti&o 18 da Constitui$)o -ederal. >ssim"
separa$%es /udiciais" ainda ue ocorridas antes da campan<a eleitoral" n)o a#astam a
13
<ip(tese de inele&ibilidade prevista no art. 18" A:B" C-9iCC !inele&ibilidade re#leJa).
E6!eção: a#astaFse a <ip(tese de inele&ibilidade re#leJa se o interessado /; #or titular
de mandato eletivo e candidato = reelei$)o.
6. >rt. 18" ACB" C-9CC: 'ilitares. * 'ilitar alist20el ser; eleg"0el" preenc<ido o
reuisito9crit1rio do tempo de servi$o. Kem todo militar 1 ele&ível" mas apenas auele
ue #or alist;vel. *e5uisitoC!rit?rio do te'(o de ser0iço:
a) Se tiver 'enos de 10 8de-1 anos de ser0iço: o militar dever; passar para a
inati0idade.
b) Se tiver 'ais de 10 8de-1 anos de ser0iço: o militar dever; ser agregado (ela
autoridade su(erior e" se eleito #or" passar; para a inati0idade. > a&re&a$)o deve ser
autorizada pelo superior <ier;ruico do militar. Kesse caso" o militar continua na ativa"
mas #ica encostado !eJ.: n)o eJerce as #un$%es inerentes ao car&o" n)o pode constar de
lista de promo$)o" etc.).
>rts. 183 e 18?" C-9CC: o militar não pode estar #iliado a (artido (ol"ti!o. Por essa raz)o" o
candidato militar" para #azer constar seu nome na conven$)o partid;ria" n)o precisa
comprovar #ilia$)o partid;ria. ,rataFse de eJce$)o = re&ra ue eJi&e a pr1via #ilia$)o
partid;ria de 1 !um) ano para #ins de candidatura a mandato eletivo.
@. >rt. 63" A 2nico" C-9CC: prevD as sanções ue recaem sobre os condenados por !ri'e
de res(onsa$ilidade" ue s)o 3 !duas)" uais se/am" (erda do 'andato O
ina$ilitação (ara !argos (/$li!os (elo (ra-o de H 8oito1 anos. >ssim" a condena$)o
por crime de responsabilidade &era a inele&ibilidade pelo prazo de C !oito) anos.
>rt. 18" A5B" C-9CC: outras !ondições de inelegi$ilidade poder)o ser criadas" desde ue
satis#eitas as eJi&Dncias relacionadas nesse dispositivo. >ssim" o elen!o de <ip(teses de
inele&ibilidade previsto pela Constitui$)o 1 meramente e6e'(lifi!ati0o. E6ig9n!ias para a
cria$)o de outras <ip(teses de inele&ibilidade:
a) E6ig9n!ia for'al: a cria$)o de outras <ip(teses de ineJi&ibilidade depende de lei
!o'(le'entar !ue demanda uorum de maioria absoluta para aprova$)o" nos termos
do art. @5" C-9CC).
b) E6ig9n!ias 'ateriais: s( poder)o ser criadas novas <ip(teses de ineJi&ibilidade para
preservar as se&uintes diretri-es:
 Pro$idade ad'inistrati0a.
 Moralidade ad'inistrati0a para o e6er!"!io do 'andato" tendo em conta a 0ida
(regressa do !andidato. Essa previs)o #oi base para a edi$)o da 4ei da -ic<a 4impa.
14
 Preser0ação da nor'alidade e da legiti'idade das eleições !ontra a$usos de
(oder e!onD'i!o ou (ol"ti!o. >rt. :? a :C" 4ei 5.67895:: estabelece !ondutas
0edadas aos agentes (/$li!os.
-oram criadas novas <ip(teses de inele&ibilidade pelas se&uintes leis complementares:
 4C @8957: Lei das #nelegi$ilidades.
 4C 1?6917: Lei da Fi!&a Li'(a. >lterou a 4C @8957 e criou novas <ip(teses de
inele&ibilidade.
> possibilidade de cria$)o de novas <ip(teses de ineJi&ibilidade pautadas na prote$)o da
Nnormalidade e legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou o abuso
do exercício de função, cargo ou emprego na administração direta ou indiretaO #oi acrescida
pela EC 8958" uando /; <avia sido editada a 4C @8957. >ssim" as <ip(teses de ineJi&ibilidade
com base nessa diretriz s( #oram criadas pela 4C 1?6917.
> 4C 1?6917 !4ei da -ic<a 4impa) tornou inele&íveis aueles ue ten<am contra si
condena$)o pro#erida por (r&)o cole&iado !,ribunal)" ainda ue sem o trEnsito em /ul&ado da
senten$a.
QuestionouFse a constitucionalidade da 4C 1?6917" ao #undamento de ue violaria o art. 6B"
4III" C-9CC" ue #iJa a presun$)o de inocDncia entre os direitos #undamentais.
>rt. 6B" 4III" C-9CC: nin&u1m ser; considerado culpado at1 o trEnsito em /ul&ado de senten$a
penal condenat(ria.
Con#lito: presun$)o de inocDncia !art. 6B" 4III" C-9CC) J inele&ibilidade para preservar a
moralidade no eJercício do mandato !art. 18" A5B" C-9CC). * S,- /ul&ou procedente a 4C
1?6917" sob os se&uintes #undamentos:
 > presun$)o de inocDncia n)o 1 absoluta.
 > Constitui$)o determina ue n)o pode <aver a presun$)o de culpabilidade. > 4C
1?6917 n)o presume culpabilidade" mas apenas torna inele&íveis aueles ue ten<am
contra si condena$)o pro#erida por (r&)o cole&iado" ainda ue sem o trEnsito em
/ul&ado.
QuestionouFse ainda a possibilidade de aplica$)o da 4C 1?6917 =s elei$%es presidenciais de
outubro de 3717. K)o #oi possível a aplica$)o da 4C 1?6917 =s elei$%es de outubro93717" uma
vez ue entrou em vi&or em /un<o93717" sob pena de viola$)o ao princípio da se&uran$a das
rela$%es /urídicas em mat1ria eleitoral. >rt. 1@" C-9CC: a le&isla$)o ue re&e as elei$%es tem
ue estar aprovada 1 !um) ano antes da sua realiza$)o.
15
> 4C 1?6917 tamb1m ampliou os prazos de inele&ibilidade. > 4C @8957 previa prazos de
inele&ibilidade com dura$)o m1dia de ? !trDs) anos.
>rt. 3B" 4C 1?6917: alterou a reda$)o do art. 1B" 4C @8957. Principais prazos de
inele&ibilidade:
a) >rt. 1B" I" d" 4C @8957: auele ue ten<a so#rido condena$)o por (r&)o cole&iado"
ainda ue sem o trEnsito em /ul&ado" pro#erida pela +usti$a Eleitoral em representa$)o
para apurar abuso de poder econSmico ou político nas elei$%es" tornaFse inele&ível
pelo prazo de C !oito) anos.
b) >rt. 1B" I" e" 4C @8957: auele ue ten<a so#rido condena$)o penal por (r&)o
cole&iado" ainda ue sem o trEnsito em /ul&ado" tornaFse inele&ível pelo prazo de C
!oito) anos ap(s o cumprimento da pena.
c) >rt. 1B" I" k" 4C @8957: o parlamentar ue ten<a contra si representa$)o e renuncia ao
mandato tornaFse inele&ível pelo prazo de C !oito) anos subseuentes ao t1rmino do
mandato. * prazo da inele&ibilidade n)o come$a a contar da ren2ncia" mas do t1rmino
do mandato ue o parlamentar deveria ter cumprido.
d) >rt. 1B" I" l" 4C @8957: auele ue ten<a sido condenado por decis)o pro#erida por
(r&)o cole&iado" ainda ue sem o trEnsito em /ul&ado" por ato doloso de improbidade
administrativa" ue ten<a &erado enriuecimento ilícito ou danos ao er;rio" #ica
inele&ível por C !oito) anos ap(s o cumprimento da pena. >rt. 13" 4ei C.835953: #iJa as
penalidades para os atos de improbidade administrativa. Ko caso de atos de
improbidade ue impliuem enriuecimento ilícito" 1 possível a suspens)o dos direitos
políticos de C !oito) a 17 !dez) anos. +; no caso de atos de improbidade ue impliuem
danos ao er;rio" 1 possível a suspens)o dos direitos políticos de 6 !cinco) a C !oito)
anos. Somente ap(s esse lapso de suspens)o dos direitos políticos" isto 1" depois de
cumprida a pena pelo ato de improbidade" 1 ue incidir; a inele&ibilidade prevista na
4C @8957.
e) >rt. 1B" I" q" 4C @8957: tornamFse inele&íveis os ma&istrados e os membros do
0inist1rio P2blico ue #orem aposentados compulsoriamente por decis)o
sancionat(ria" ue ten<am perdido o car&o por senten$a ou ue ten<am pedido
eJonera$)o ou aposentadoria volunt;ria na pendDncia de processo administrativo
disciplinar. > inele&ibilidade" nesse caso" tem a dura$)o de C !oito) anos.
A1 Perda ou sus(ensão dos direitos (ol"ti!os3
16
Como re&ra" 1 vedada a cassa$)o de direitos políticos" cu/a perda ou suspens)o s( pode
ocorrer nas <ip(teses relacionadas no art. 16" C-9CC.
>rt. 16" C-9CC: 1 vedada a cassa$)o de direitos políticos" cu/a perda ou suspens)o s( se dar;
nos casos de:
I F cancelamento da naturaliza$)o por senten$a transitada em /ul&adoH
II F incapacidade civil absolutaH
III F condena$)o criminal transitada em /ul&ado" enuanto durarem seus e#eitosH
II F recusa de cumprir obri&a$)o a todos imposta ou presta$)o alternativa" nos termos do
arti&o 6B" IIIIH
I F improbidade administrativa" nos termos do arti&o ?:" A8B.
'ip(teses de perda ou suspens)o dos direitos políticos:
1. Cancelamento de naturaliza$)o. Kesse caso" o indivíduo perde o vínculo políticoF
/urídico com o país. 4o&o" perde tamb1m os direitos políticos. >rt. 13" A8B" C-9CC:
determina o cancelamento da naturaliza$)o por atividade nociva = se&uran$a nacional.
>rt. 13" A8B" I" C-9CC: ser; declarada a perda da nacionalidade do brasileiro ue tiver
cancelada sua naturaliza$)o" por senten$a /udicial" em virtude de atividade nociva ao
interesse nacional.
3. Incapacidade civil absoluta. * incapaz n)o tem capacidade de compreens)o em
rela$)o ao processo eleitoral" raz)o pela ual tem seus direitos políticos restritos
enuanto perdurar o estado de incapacidade civil absoluta. ,rataFse de <ip(tese de
perda ou de suspens)o dos direitos políticosT ,al uest)o 1 polDmica" mas tem
prevalecido o entendimento de ue se trata de <ip(tese de perda dos direitos políticos.
?. Condena$)o penal" enuanto durarem os seus e#eitos. ,rataFse de <ip(tese de
suspens)o dos direitos políticos. M irrelevante ue o indivíduo ten<a ou n)o se
reabilitado ou reparado o dano. S2mula 5" ,SE: a suspens)o de direitos políticos
decorrente de condena$)o criminal transitada em /ul&ado cessa com o cumprimento ou
a eJtin$)o da pena" independendo de reabilita$)o ou de prova de repara$)o dos danos.
8. .ecusa ao cumprimento de obri&a$)o le&al a todos imposta ou obri&a$)o alternativa"
nos termos previstos em lei. >rt. 6B" IIII" C-9CC: como re&ra" nin&u1m ser; privado de
seus direitos em raz)o de op$)o reli&iosa" #ilos(#ica ou política" salvo
!eJcepcionalmente) se invocar tal op$)o para se eJimir do cumprimento de obri&a$)o
le&al a todos imposta ou obri&a$)o alternativa" nos termos #iJados em lei. EJ.: auele
ue se recusa a cumprir o servi$o militar obri&at(rio por raz%es reli&iosas deve
cumprir presta$)o alternativa !eJ.: presta$)o de servi$os #ilantr(picos)" sob pena de
17
suspens)o dos direitos políticos. > rt. 6B" IIII" C-9CC: nin&u1m ser; privado de direitos
por motivo de cren$a reli&iosa ou de convic$)o #ilos(#ica ou política" salvo se as
invocar para eJimirFse de obri&a$)o le&al a todos imposta e recusarFse a cumprir
presta$)o alternativa" #iJada em lei.
6. Improbidade administrativa: auele ue #or condenado por ato de improbidade
administrativa #ica com os direitos políticos restitos" na #orma do art. ?:" A8B" C-9CC.
,rataFse de <ip(tese de suspens)o dos direitos políticos. * art. ?:" A8B" C-9CC prevD as
se&uintes penalidades para os aos de improbidade administrativa: perda da #un$)o"
suspens)o dos direitos políticos" declara$)o de indisponibilidade dos bens e
ressarcimento dos danos causados ao er;rio. >rt. ?:" A8B" C-9CC: os atos de
improbidade administrativa importar)o a suspens)o dos direitos políticos" a perda da
#un$)o p2blica" a indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao er;rio" na #orma e
&rada$)o previstas em lei" sem pre/uízo da a$)o penal cabível.
Partidos Pol"ti!os
Pre0isão: art. 1:" C-9CC.
11 #'(ortn!ia3
*s partidos políticos s)o instrumentos ue viabilizam a c<amada democracia representativa.
>rt. 18" A?B" I" C-9CC: eJi&e como condi$)o de ele&ibilidade a #ilia$)o partid;ria" ue deve
ocorrer pelo menos 1 !um) anos antes das elei$%es. S)o vedadas candidaturas avulsas.
Em 377:" o ,SE e" em se&uida" o S,- entenderam ue o mandato eletivo pertence ao partido
político" e n)o ao parlamentar ue o titulairza. >ssim" como re&ra" o parlamentar ue muda de
partido político perde o mandato eletivo.
21 Eature-a 4ur"di!a3
>rt. 1B" 4ei 5.75@956 !4ei *r&Enica dos Partidos Políticos): estabelece ue os partidos
políticos s)o pessoas /urídicas de Direito Privado !e n)o de Direito P2blico).
71 ;utono'ia3
18
>rt. 1:" caput " C-9CC: os partidos políticos tDm autonomia" isto 1" liberdade para editar os
seus atos. *s partidos políticos tDm autonomia para:
 Cria$)o.
 -us)o.
 Incorpora$)o.
 Coli&a$)o.
 EJtin$)o.
1. Criação: devem ser respeitadas as eJi&Dncias de car;ter #ormal e material previstas
em lei !art. 1:" A3B" C-9CC):
a) *e5uisitos for'ais: os partidos políticos" sendo pessoas /urídicas de Direito Privado"
s)o criados na #orma da lei civil" eJi&indoFse a aprova$)o e o re&istro dos estatutos
sociais. >l1m disso" 1 necess;rio o re&istro no ,SE. Sem re&istro no ,SE" o partido
eJiste" mas n)o pode participar das elei$%es. * re&istro no ,SE deve ocorrer no
mínimo 1 !um) ano antes das elei$%es" eis ue 1 condi$)o de ele&ibilidade a #ilia$)o
pr1via a partido político" com pelo menos 1 !um) ano de antecedDncia.
b) *e5uisitos 'ateriais: o estatuto do partido político deve respeitar o disposto no art.
1:" caput" C-9CC" ue determina o respeito a:
 Soberania nacional: o partido político n)o pode ser #inanciado por recursos
estran&eiros" oriundos de &overnos ou de entidades n)o &overnamentais" sob pena de
comprometimento da soberania nacional.
 .e&ime democr;tico.
 Direitos #undamentais.
 Pluripartidarismo.
 Car;ter nacional.
3. Fusão: processo atrav1s do ual um partido político decide se /untar com outro em
car;ter permanente" sur&indo dessa /un$)o uma terceira a&remia$)o. * Poder P2blico
n)o pode intervir nesse processo. EJ.: > U G V C.
?. #n!or(oração: processo atrav1s do ual um partido político decide se unir a outro" em
car;ter permanente" sendo incorporado por ele. EJ.: > U G V G
8. Coligação: processo atrav1s do ual um partido político decide se unir a outro" em
car;ter tempor;rio !e n)o permanente)" com o ob/etivo de participa$)o con/unta em
campan<as eleitorais. *s partidos políticos deliberam sobre as coli&a$%es no momento
de realiza$)o das conven$%es partid;rias. >s conven$%es partid;rias ocorrem no
19
período de 17 a ?7 de /un<o do ano das elei$%es. >s coli&a$%es podem ocorrer para
car&os no EJecutivo" no 4e&islativo ou em ambos. > principal conseuDncia da
coli&a$)o diz respeito ao tempo de eJposi$)o no <or;rio eleitoral &ratuito.
Se os (r&)os nacionais do partido político decidem por dada coli&a$)o" a instEncia estadual 1
obri&ada a reproduzir re#erida coli&a$)oT :erti!ali-ação das !oligações: consiste no
cumprimento obri&at(rio das coli&a$%es nacionais pelas coli&a$%es estaduais e municipais.
Essa obri&atoriedade en&essa a política local. >rt. 1:" A1B" C-9CC: reda$)o dada pela EC
6397@. Disp%e ue 1 asse&urado aos partidos políticos autonomia para de#inir sua estrutura
interna" or&aniza$)o e #uncionamento e para adotar os crit1rios de escol<a e o re&ime de suas
coli&a$%es eleitorais" sem obri&atoriedade de vincula$)o entre as candidaturas em Embito
nacional" estadual" distrital ou municipal" devendo os seus estatutos estabelecer normas sobre
disciplina e #idelidade partid;ria. > partir da EC 6397@" #oi eJtinta a obri&atoriedade de
idDntica coli&a$)o nas es#eras #ederal" estadual" distrital e municipal. -oi eJtinta a re&ra da
verticaliza$)o das coli&a$%es" eJistente at1 ent)o" sendo possível ue as coli&a$%es se/am
#iJadas em respeito =s peculiaridades locais. > EC 6397@ #oi aprovada em mar$o9377@" sendo
ue ocorreriam elei$%es presidenciais em outubro9377@. S,-: decidiu ue a EC 6397@ era
v;lida" mas n)o poderia ser aplicada =s elei$%es de outubro9377@" sob pena de les)o ao
princípio da se&uran$a /urídica em mat1ria eleitoral" consa&rado pelo art. 1@" C-9CC" ue eJi&e
ue a le&isla$)o eleitoral este/a aprovada ao menos 1 !um) ano antes das elei$%es.
>rt. 1:" A1B" C-9CC: 1 asse&urada aos partidos políticos autonomia para de#inir sua estrutura
interna" or&aniza$)o e #uncionamento e para adotar os crit1rios de escol<a e o re&ime de suas
coli&a$%es eleitorais" sem obri&atoriedade de vincula$)o entre as candidaturas em Embito
nacional" estadual" distrital ou municipal" devendo seus estatutos estabelecer normas de
disciplina e #idelidade partid;ria.
6. E6tinção: paras serem eJtintos" os partidos políticos precisam dar baiJa em seus
re&istros no ,SE" bem no re&istro de seus estatutos sociais" na #orma da lei civil.
A1 Fidelidade (artid2ria3
*s estatutos dos partidos políticos devem estabelecer normas sobre disciplina e #idelidade
partid;ria. ,al previs)o est; contida na Constitui$)o desde sua reda$)o ori&in;ria.
Em 377:" o ,SE !abril9377:) e o S,- !outubro9377:) decidiram ue o mandato eletivo
pertence ao partido político" e n)o ao parlamentar. >ssim" como re&ra &eral" o parlamentar ue
muda de partido perde o seu mandato. >l&uns sustentaram ue o ,SE e o S,- estariam
20
decidindo contra a Constitui$)o" uma vez ue as <ip(teses de perda do mandato parlamentar
seriam somente auelas previstas no art. 66" C-9CC. * ,SE e o S,-" contudo" n)o alteraram
seu posicionamento.
Para disciplinar o tema" o ,SE editou" em outubro9377:" a .esolu$)o 33.@17" ue esclarece
ue" eJcepcionalmente" o parlamentar ue mudar de partido n)o perder; o mandato" desde
ue <a/a /usta causa para a mudan$a. S)o <ip(teses de /usta causa:
1. Incorpora$)o ou #us)o do partido político. Se <ouver a incorpora$)o ou a #us)o do
partido político" o parlamentar pode mudar de partido" sem ue isso impliue na perda
do mandato eletivo.
3. Cria$)o de um novo partido político. * parlamentar pode sair do partido em ue se
encontra para criar outro partido" sem ue isso impliue na perda do mandato eletivo.
?. 0udan$a no pro&rama do partido. Se #orem alterados os princípios do partido" o
parlamentar pode mudar de partido" sem ue isso impliue na perda do mandato
eletivo.
8. Con#i&ura$)o de &rave discrimina$)o pessoal. EJ.: Clodovil se des#iliou do partido
político pelo ual se ele&eu ale&ando so#rer discrimina$)o em virtude de sua op$)o
seJual" o ue #oi acol<ido pelo S,-.
> .esolu$)o ,SE 33.@1797: n)o previu como /usta causa a coli&a$)o" eis ue esta 1 uma
uni)o tempor;ria" para determinada elei$)o" e n)o permanente !tal como ocorre com a #us)o e
a incorpora$)o).
Bustiça Eleitoral
Co'(osição3 Co'(et9n!ias3 Duração do
'andato3
De!isões3
,+F3 11 ministros !art.
171" C-9CC).
>rt. 173" C-9CC:
competDncias
ori&in;rias e
recursais.
K)o tem prazo
determinado
!vitaliciedade)"
respeitados os
limites
mínimo !?6
anos) e
m;Jimo de
idade !:7
K)o. >s decis%es
do S,- n)o
comportam
recurso para outra
instEncia.
21
anos).
0andato
m;Jimo: ?6
anos. 0andato
mínimo: 6
anos.
+,E 8art.
11PL CFCHH13
Ko mínimo :
ministros" sendo:
? oriundos do S,-
!PresidDncia e
IiceFPresidDncia)
U 3 oriundos do
S,+ !Corre&edoria
Leral) U 3
advo&ados
!indicados pelo
S,- e nomeados
pelo Presidente da
.ep2blica).
>rts. 33 e 3?" 4ei
8.:?:9@6 !C(di&o
Eleitoral):
competDncias
/urisdicionais
ori&in;rias e
recursais.
CompetDncias
administrativas:
re&istro de
partidos políticos
!art. 1:" A3B"
C-9CC)" edi$)o de
resolu$%es e
edi$)o de
s2mulas.
>rt. 131" A3B"
C-9CC: o
mandato tem
prazo de 3
!dois) anos"
prorro&;vel
uma vez por
i&ual período.
>rt. 131" A?B"
C-9CC: como
re&ra" as decis%es
do ,SE s)o
irrecorríveis.
EJcepcionalmente"
1 cabível recurso
para o S,- uando
as decis%es
pro#eridas pelo
,SE contrariarem
a Constitui$)o ou
#orem
dene&at(rias de
mandado de
se&uran$a ou
habeas corpus.
+*E 8art.
120L CFCHH13
: !sete) ministros"
sendo: 3
desembar&adores
indicados pelo ,+
U 3 /uízes
indicados pelo ,+
U 1
desembar&ador do
,.- U 3
advo&ados
!indicados pelo
>rts. 35 e ?7" 4ei
8.:?:9@6 !C(di&o
Eleitoral):
competDncias
/urisdicionais
ori&in;rias e
recursais.
CompetDncias
administrativas:
re&istro de
diret(rios
>rt. 131" A3B"
C-9CC: o
mandato tem
prazo de 3
!dois) anos"
prorro&;vel
uma vez por
i&ual período.
>rt. 131" A8B"
C-9CC: como
re&ra" as decis%es
do ,.E s)o
irrecorríveis.
EJcepcionalmente"
1 cabível recurso
para o ,SE nas
se&uintes
<ip(teses: uando
a decis)o #or
22
,ribunal de
+usti$a e
nomeados pelo
Presidente da
.ep2blica).
partid;rios e
resposta de
consultas em
mat1ria eleitoral.
pro#erida contra a
Constitui$)o ou a
leiH uando <ouver
diver&Dncia entre 3
ou mais ,ribunaisH
uando a decis)o
versar sobre
inele&ibilidade"
eJpedi$)o ou
anula$)o do
diploma ou perda
do mandatoH e
uando a decis)o
#or dene&at(ria de
mandado de
se&uran$a" habeas
corpus" habeas
data ou mandado
de in/un$)o.
Bui-
eleitoral3
+uiz sin&ular. >rt. ?6" 4ei
8.:?:9@6 !C(di&o
Eleitoral): o /uiz
eleitoral
competDncias
/urisdicionais e
administrativas.
>rt. 131" A3B"
C-9CC: o
mandato tem
prazo de 3
!dois) anos"
prorro&;vel
uma vez por
i&ual período.
Em re&ra" as
decis%es
pro#eridas pelo
/uiz eleitoral s)o
recorríveis" sendo
o recurso diri&ido
ao ,.E.
Buntas
eleitorais3
1 /uiz eleitoral U 3
ou 8 cidad)os"
indicados pelo
pr(prio /uiz e
nomeados pelo
,.E @7 dias antes
das elei$%es.
>rt. 87" 4ei
8.:?:9@6 !C(di&o
Eleitoral): em
re&ra" as /untas
eleitorais atuam
na apura$)o das
elei$%es.
1 !uma)
elei$)o.
>s decis%es
pro#eridas pelas
+untas eleitorais
s)o recorríveis"
sendo o recurso
diri&ido ao ,.E"
nos termos do art.
23
3@6" 4ei 8.:?:9@6
!C(di&o Eleitoral).
1. ,+F: n)o 1 (r&)o especí#ico da +usti$a Eleitoral. M o (r&)o de c2pula do +udici;rio.
>rt. 171" C-9CC: o S,- 1 composto por 11 !onze) ministros" nomeados pelo Presidente
da .ep2blica" devendo a indica$)o passar pelo crivo do Senado -ederal. .euisitos:
ter entre ?6 !trinta e cinco) e @6 !sessenta e cinco) anos U not;vel saber /urídico U
reputa$)o ilibada. K)o 1 reuisito ue o indicado inte&re a estrutura do Poder
+udici;rio. Compete ao S,-" precipuamente" a &uarda da Constitui$)o !art. 173"
C-9CC). Por essa raz)o" o S,- s( aprecia uest%es ue envolvam mat1ria
constitucional" eJi&indoFse" para a an;lise dos recursos" preuestionamento U
repercuss)o &eral. * S,- n)o avalia uest%es de cun<o eminentemente individual. >
aposentadoria dos ministros do S,- se d; compulsoriamente aos :7 !setenta) anos. >s
decis%es do S,- n)o comportam recurso para outra instEncia. 0as" dentro do S,-" 1
possível a propositura de recursos.
* mandato dos ministros do S,- n)o tem prazo determinado !vitaliciedade)" respeitados os
limites mínimo !?6 anos) e m;Jimo de idade !:7 anos). >ssim" o mandato m;Jimo 1 de ?6
!trinta e cinco) anos" ao passo ue o mandato mínimo 1 de 6 !cinco) anos.
3. +,E: art. 115" C-9CC. * ,SE 1 composto por" no mínimo" : !sete) ministros" sendo:
 ? !trDs) oriundos do S,-. *s ministros do S,- ocupam os car&os de PresidDncia e a
IiceFPresidDncia do ,SE
 3 !dois) oriundos do S,+. Rm dos ministros do S,+ ocupa o car&o de Corre&edoria
Leral do ,SE.
 3 !dois) advo&ados indicados pelo S,- e nomeados pelo Presidente da .ep2blica. >
*>G n)o participa do processo de escol<a desses advo&ados.
>s competDncias do ,SE est)o previstas nos arts. 33 e 3?" 4ei 8.:?:9@6 !C(di&o Eleitoral). *
,SE possui competDncias /urisdicionais ori&in;rias e competDncias recursais. * ,SE tamb1m
1 dotado de competDncias administrativas. EJ.: re&istro de partidos políticos !art. 1:" A3B"
C-9CC)" edi$)o de resolu$%es e edi$)o de s2mulas.
*s mandatos dos inte&rantes do ,SE tDm prazo de 3 !dois) anos" prorro&;vel uma vez por
i&ual período !art. 131" A3B" C-9CC).
>rt. 131" A?B" C-9CC: como re&ra" as decis%es do ,SE s)o irrecorríveis. EJcepcionalmente" 1
cabível recurso para o S,- uando as decis%es pro#eridas pelo ,SE contrariarem a
24
Constitui$)o ou #orem dene&at(rias de mandado de se&uran$a ou habeas corpus. *bserva$)o:
n)o cabe recurso contra as decis%es do ,SE concessivas de mandado de se&uran$a.
?. +*E: art. 137" C-9CC. * ,.E 1 composto por : !sete) ministros. > altera$)o desse
n2mero pressup%e emenda constitucional. Inte&rantes do ,.E:
 3 !dois) desembar&adores indicados pelo ,ribunal de +usti$a" atrav1s de decis)o
pro#erida pelo (r&)o especial.
 3 !dois) /uízes indicados pelo ,ribunal de +usti$a.
 1 !um) desembar&ador do ,.-" eleito pelos seus pares.
 3 !dois) advo&ados indicados pelo ,ribunal de +usti$a e nomeados pelo Presidente da
.ep2blica. > *>G n)o participa da escol<a desses advo&ados.
>s competDncias do ,.E est)o previstas nos arts. 35 e ?7" 4ei 8.:?:9@6 !C(di&o Eleitoral). *
,.E possui competDncias /urisdicionais ori&in;rias e competDncias recursais. * ,.E tamb1m
1 dotado de competDncias administrativas. EJ.: re&istro de diret(rios partid;rios e resposta de
consultas em mat1ria eleitoral.
*s mandatos dos inte&rantes do ,.E tDm prazo de 3 !dois) anos" prorro&;vel uma vez por
i&ual período !art. 131" A3B" C-9CC). 0andato m;Jimo: 8 !uatro) anos.
>rt. 131" A8B" C-9CC: como re&ra" as decis%es do ,.E s)o irrecorríveis. EJcepcionalmente" 1
cabível recurso para o ,SE !instEncia superior) nas se&uintes <ip(teses:
 Quando a decis)o #or pro#erida contra a Constitui$)o ou a lei.
 Quando <ouver diver&Dncia entre 3 !dois) ou mais ,ribunais. K)o cabe recurso para o
,SE uando <ouver diver&Dncia apenas no pr(prio ,ribunal !,.E).
 Quando a decis)o versar sobre inele&ibilidade" eJpedi$)o ou anula$)o do diploma ou
perda do mandato. Diploma: 1 o ato atrav1s do ual a +usti$a Eleitoral con#irma o
resultado das elei$%es. Em re&ra" a diploma$)o ocorre na 3W !se&unda) uinzena do
mDs de dezembro. > diploma$)o s( ocorre se as contas do candidato tiverem sido
aprovadas.
 Quando a decis)o #or dene&at(ria de mandado de se&uran$a" habeas corpus" habeas
data ou mandado de in/un$)o. *bserva$)o: n)o cabe recurso contra as decis%es do
,.E concessivas" mas apenas dene&at(rias.
8. Bui- eleitoral: 1 o /uiz sin&ular. >rt. ?6" 4ei 8.:?:9@6 !C(di&o Eleitoral): o /uiz
eleitoral competDncias /urisdicionais e administrativas. M ele ue diri&e9comanda todo
25
o processo eleitoral. EJ.: cabe ao /uiz eleitoral de#erir ou n)o re&istros de candidatura"
tomar decis%es sobre a campan<a eleitoral" etc. * /uiz eleitoral tem mandato de 3
!dois) anos" prorro&;vel uma vez por i&ual período !art. 131" A3B" C-9CC). Em re&ra" as
decis%es pro#eridas pelo /uiz eleitoral s)o recorríveis" sendo o recurso diri&ido ao
,.E.
6. Buntas eleitorais: s)o compostas por 1 !um) /uiz eleitoral U 3 !dois) ou 8 !uatro)
cidad)os" indicados pelo pr(prio /uiz e nomeados pelo ,.E @7 !sessenta) dias antes
das elei$%es. CompetDncias: art. 87" 4ei 8.:?:9@6 !C(di&o Eleitoral). Em re&ra" as
/untas eleitorais atuam na apura$)o das elei$%es. EJ.: emiss)o de boletins eleitorais"
#iscaliza$)o da apura$)o das urnas" etc. Dura$)o do mandato: os inte&rantes das /untas
eleitorais tDm mandato com dura$)o de 1 !uma) elei$)o. >s decis%es pro#eridas pelas
+untas eleitorais s)o recorríveis" sendo o recurso diri&ido ao ,.E" nos termos do art.
3@6" 4ei 8.:?:9@6 !C(di&o Eleitoral).
Minist?rio P/$li!o Eleitoral 8MPE1
> atua$)o do 0P na ;rea eleitoral visa preservar os interesses da coletividade.
11 Co'(et9n!ias3
4C :695?: o ob/etivo maior do 0P no Embito eleitoral 1 &arantir a nor'alidade e a
legiti'idade das eleições.
21 E6tensão3
* 0P tem competDncias na ;rea civil e na ;rea penal.
a) Co'(et9n!ias !i0is: o 0P tem le&itimidade para propor todas as a$%es eleitorais.
EJemplos:
 >$)o de impu&na$)o de re&istro de candidatura !>I.C): busca combater re&istros de
candidatura indevidamente de#eridos a candidatos ue n)o preenc<am os reuisitos
para tanto.
 >$)o de investi&a$)o /udicial eleitoral !>I+E): busca combater irre&ularidades
praticadas durante a campan<a por #or$a de abuso de poder econSmico ou político.
26
 >$)o de impu&na$)o de mandato eletivo !>I0E): busca impu&nar o mandato eletivo
conuistado mediante al&uma irre&ularidade
 .epresenta$%es eleitorais: o 0P tem competDncia para propor representa$%es perante a
+usti$a Eleitoral pela pr;tica de irre&ularidades durante a campan<a. > representa$)o
eleitoral 1 utilizada de #orma residual" uando n)o <ouver nen<uma a$)o especí#ica
para combater a irre&ularidade praticada.
b) Co'(et9n!ias (enais: os crimes eleitorais comportam a$)o penal p2blica
incondicionada.
71 Prin!"(ios3
>plicamFse ao 0PE os mesmos princípios in#ormadores da carreira do 0P" uais se/am:
1. Fnidade: todos os inte&rantes do 0P #ormam um corpo 2nico" dotado das mesmas
prerro&ativas.
3. #ndi0isi$ilidade: 1 possível a substitui$)o de membros do 0P no curso de um
processo.
?. #nde(end9n!ia fun!ional: autonomia atribuída aos inte&rantes do 0P para ue
possam tomar suas decis%es.
A1 Mandato3
* membro do 0PE tem mandato de 3 !dois) anos" prorro&;veis uma vez por i&ual período.
>plicaFse" por analo&ia !os membros do 0P n)o s)o inte&rantes do +udici;rio)" o art. 131" A3B"
C-9CC.
.1 Marantias3
*s inte&rantes do 0PE &ozam das mesmas &arantias con#eridas aos membros do 0P"
previstas no art. 13C" A6B" C-9CC" a saber:
1. :itali!iedade.
3. #na'o0i$ilidade: como re&ra" os membros do 0P n)o podem ser deslocados do local
onde eJercem suas atribui$%es" salvo raz%es de interesse p2blico" devidamente
comprovadas.
?. #rreduti$ilidade de su$s"dios: os membros do 0P s)o remunerados por subsídio.
27
J1 #'(edi'entos3
*s impedimentos aplic;veis aos membros do 0PE est)o previstos no art. 13C" A6B" C-9CC. *s
membros do 0P n)o podem:
1. .eceber vanta&ens nos processos em ue atuam.
3. EJercer a advocacia.
?. Participar de sociedade comercial.
8. >cumular o car&o ue eJercem com outro" eJceto 1 !um) de ma&ist1rio.
6. Participar de atividade políticoFpartid;ria. ,rataFse de veda$)o especí#ica" aplicada
apenas aos membros do 0PE. > veda$)o se estende a ualuer atividade relacionada =
campan<a eleitoral.
Lei das Eleições 8Lei P..0ACPI1
11 Con0enções (artid2rias3
a) Definição: conven$%es partid;rias s)o (r&)os de delibera$)o dos partidos.
b) Per"odo: as conven$%es partid;rias devem ser realizadas no período ue vai de 17
!dez) a ?7 !trinta) de /un<o do ano de realiza$)o das elei$%es.
c) Conte/do: nas conven$%es partid;rias" os partidos:
 Escol<em os seus representantes.
 Deliberam9decidem acerca da #orma$)o ou n)o de coli&a$%es" com uais partidos e
para uais car&os. M possível ue a coli&a$)o se dD apenas para car&os do EJecutivo"
apenas para car&os do 4e&islativo ou para ambos. >s coli&a$%es n)o precisam
respeitar a re&ra da verticaliza$)o" nos termos da reda$)o atual do art. 1:" A1B" C-9CC.
d) Pro(aganda: como re&ra" a propa&anda eleitoral s( 1 possível a partir do t1rmino do
re&istro das candidaturas" ue vai at1 o dia 6 !cinco) de /un<o do ano das elei$%es.
>ssim" a campan<a eleitoral se inicia a partir do dia @ !seis) do ano das elei$%es" nos
termos do art. ?@" caput" 4ei 5.67895:. EJce$)o: admiteFse a propa&anda realizada
pelo postulante = candidatura a car&o eletivo nos 16 !uinze) dias anteriores =
conven$)o partid;ria" nos termos do art. ?@" A1B" 4ei 5.67895:. S( 1 admitida" nesse
caso" a propa&anda eleitoral intrapartid;ria" sendo vedada a propa&anda atrav1s de
outdoors" r;dio" televis)o e outros meios eJternos. Deve ser #eita propa&anda direta"
28
voltada apenas =ueles ue tDm poder de decis)o na conven$)o partid;ria !sob pena de
con#i&ura$)o de propa&anda eleitoral antecipada e irre&ular).
e) De!isões: as decis%es tomadas pelas conven$%es partid;rias devem ser reduzidas a
termo atrav1s de uma ata. * candidato escol<ido na conven$)o partid;ria para
representar o partido deve apresentar a ata da conven$)o no momento do re&istro da
candidatura.
#) Lo!al: as conven$%es partid;rias podem ocorrer em local p2blico. M a 2nica <ip(tese
em ue 1 possível a cess)o de bens p2blicos" desde ue tal cess)o se/a estendida a
todos os partidos.
* postulante ue teve seu nome aprovado na conven$)o partid;ria ainda n)o 1 candidato" eis
ue ainda precisa obter o re&istro de sua candidatura.
Encerrada a conven$)o partid;ria" com a escol<a dos representantes do partido e das eventuais
coli&a$%es" 1 necess;rio obter o re&istro das candidaturas.
21 *egistro das !andidaturas3
Somente podem re&istrar sua candidatura aueles ue tiveram seus nomes aprovados na
conven$)o partid;ria.
Para ue o re&istro de candidatura se/a de#erido" 1 necess;rio o preenc<imento das eJi&Dncias
constitucionais e le&ais:
a) E6ig9n!ias !onstitu!ionais: art. 18" A?B" C-9CC. S)o condi$%es de ele&ibilidade: ser
brasileiro U pleno eJercício dos direitos políticos U alistamento eleitoral !uali#ica$)o
pela +usti$a Eleitoral) U domicílio eleitoral na circunscri$)o U #ilia$)o partid;ria U
idade mínima de:
 ?6 !trinta e cinco) anos para Presidente e IiceFPresidente da .ep2blica e Senador.
 ?7 !trinta) anos para Lovernador.
 31 !vinte e um) anos para Deputado -ederal" Deputado Estadual e Pre#eito.
 1C !dezoito) anos para Iereador.
>s condi$%es de ele&ibilidade devem ser comprovadas no momento do re&istro da
candidatura" eJceto a idade" ue pode ser comprovada at1 a data da posse.
b) E6ig9n!ias legais: est)o previstas no art. 11" 4ei 5.67895:. S)o elas:
 >presenta$)o de certid)o de uita$)o eleitoral.
 >presenta$)o de certid%es criminais !para #ins de aplica$)o da 4ei da -ic<a 4impa).
29
 >presenta$)o da ata da conven$)o partid;ria em ue o nome do candidato #oi
escol<ido.
 >presenta$)o de declara$)o de bens.
 *utras eJi&Dncias previstas no art. 11" 4ei 5.67895:.
c) Mo'ento: o re&istro de candidatura pode ser reuerido at1 as 15:77 <oras do dia 6
!cinco) de /ul<o do ano das elei$%es !data limite)" nos termos do art. 11" 4ei 5.67895:.
d) Co'(et9n!ia:
 Eleições (ara Prefeito e :ereador: as eJi&Dncias dever)o ser apresentadas perante o
4ui- eleitoral de 1Q 8(ri'eira1 instn!ia.
 Eleições (ara ,enadorL De(utado e Mo0ernador: as eJi&Dncias dever)o ser
apresentadas perante o +*E.
 Eleições (ara Presidente e :i!e-Presidente da *e(/$li!a: as eJi&Dncias dever)o ser
apresentadas perante o +,E.
e) #'(ugnação: se a +usti$a Eleitoral de#erir o pedido de re&istro de candidatura" <; a
possibilidade de impu&na$)o" na #orma do art. ?B" 4C @8957. 4e&itimidade ativa:
partidos" coli&a$%es" candidatos e 0inist1rio P2blico. > impu&na$)o deve se dar por
meio do a/uizamento de >I.C !>$)o de Impu&na$)o de .e&istro de Candidatura)" ue
se&ue o rito previsto na 4C @8957.
#) Sub judice: se o pedido de candidatura n)o #or acol<ido pela +usti$a Eleitoral" por ser
colocado sub judice" permitindo ue o aspirante a candidato participe de toda a
campan<a eleitoral" ue seu nome apare$a na urna eletrSnica e ue ele possa ser
votado. M o ue disp%e o art. 1@F>" 4ei 5.67895:.
71 Ca'(an&a eleitoral3
Per"odo: a campan<a eleitoral se desenvolve do dia 0J de 4ul&o G data das eleições" ue
ocorrem no 1@ 8(ri'eiro1 do'ingo do '9s de outu$ro" nos termos no art. ::" C-9CC.
1. <uestão finan!eira: relacionaFse com a ori&em e a destina$)o dos recursos.
a) *e5uisitos: s)o re5uisitos para o início da campan<a no campo #inanceiro !4ei
5.67895:):
30
 Constituição e registro de !o'it9 finan!eiro pelo candidato. * comitD #inanceiro 1 o
(r&)o respons;vel" /untamente com o candidato" pela presta$)o de in#orma$%es =
+usti$a Eleitoral acerca da movimenta$)o #inanceira da campan<a.
 >bertura de uma !onta $an!2ria eleitoral !es(e!"fi!a). * candidato n)o pode utilizar
a conta banc;ria pessoal para #ins de movimenta$)o #inanceira da campan<a. >
institui$)o banc;ria n)o pode se recusar a abrir a conta banc;ria eleitoral. ,odas as
movimenta$%es #inanceiras da campan<a ser)o #eitas por c<eues. *b/etivo: #acilitar a
#iscaliza$)o por parte da +usti$a Eleitoral.
 Emiss)o de talon2rio eleitoral. Cada movimenta$)o #inanceira da campan<a &era um
re&istro no talon;rio eleitoral. *b/etivo: #acilitar a #iscaliza$)o por parte da +usti$a
Eleitoral.
b) Orige' dos re!ursos: n)o podem #inanciar campan<as eleitorais:
 ;d'inistração P/$li!a: n)o pode #inanciar campan<as eleitorais" se/a atrav1s de
órgãos !;d'inistração direta: minist1rios" secretarias subpre#eituras)" se/a atrav1s
de (essoas !;d'inistração indireta: autaruias" #unda$%es" empresas p2blicas"
sociedades de economia mista). S)o vedados recursos p2blicos.
 Con!ession2rios e (er'ission2rios de ser0iços (/$li!os.
 PPPRs 8(ar!erias (/$li!o-(ri0adas1: os parceiros recebem recursos do Poder
P2blico" raz)o pela ual o #inanciamento de campan<as eleitorais implicaria em
#inanciamento indireto pelo Poder P2blico.
 Mo0ernos ou entidades estrangeiras.
 Entidades religiosas. M vedada a propa&anda eleitoral em templos reli&iosos.
 Entidades es(orti0as. * clube esportivo n)o pode #inanciar campan<as eleitorais.
 Entidades de sindi!ais e entidades !lasse: tamb1m n)o podem #inanciar campan<as
eleitorais.
c) Destinação: arts. 38 e 3@" 4ei 5.67895:. *s recursos aduiridos durante a campan<a
podem ser utilizados para:
 Lo!ação de $ens !eJ.: instala$)o de comitD eleitoral).
 Paga'ento de (rofissionais 5ue atue' na !a'(an&a !eJ.: prestadores de servi$os"
publicit;rios" advo&ados" etc.).
 ;5uisição de !arros de so'.
 ;5uisição de 'ateriais de !a'(an&a.
31
 Ela$oração de (rogra'as eleitorais nos 'eios de !o'uni!ação !<or;rio eleitoral
&ratuito).
3. Direito de res(osta: art. 6C" 4ei 5.67895:.
a) #n"!io: o direito de resposta tem início a partir da es!ol&a dos !andidatos na
!on0enção. > lei cometeu um euívoco" eis ue" uando da conven$)o" ainda n)o <;
candidato" mas mero candidato a candidato.
b) Legiti'idade: aueles ue participam e#etivamente da campan<a eleitoral" a saber"
!andidatos" (artidos e !oligações. M possível ue aueles ue #oram atin&idos" mas
não participam da !a'(an&a" busuem o direito de resposta" mas com #undamento no
art. 6B" I" C-9CC" e n)o no art. 6C" 4ei 5.67895:.
c) Co'(et9n!ia: Bustiça Eleitoral. Ko caso de pessoas ue não participam da
!a'(an&a" a competDncia ser; da Bustiça Co'u'.
d) Fato gerador: ser atin&ido por (ensa'ento" !on!eito ou i'age' !aluniosa"
difa'atória ou in4uriosa.
e) Pra-os: s)o contados em <oras e" durante a campan<a eleitoral" tamb1m s)o
computados aos #inais de semana. Prazo para:
i. Pedido:
 Se a o#ensa #or praticada no &or2rio eleitoral gratuito" o prazo ser; de 2A 80inte e
5uatro1 &oras. +er'o ini!ial: o prazo 1 computado da (r2ti!a da ofensa" e n)o da
ciDncia dela.
 Se a o#ensa #or praticada durante a (rogra'ação nor'al das e'issoras de r2dio e
tele0isão" o prazo ser; de AH 85uarenta e oito1 &oras.
 Se a o#ensa #or praticada na i'(rensa es!rita" o prazo ser; de I2 8setenta e duas1
&oras. +er'o ini!ial: 0ei!ulação do es!rito.
ii. >ceito o pedido pela +usti$a Eleitoral" <aver; contradit(rio. >uele acusado da o#ensa
ter; o prazo de 2A 80inte e 5uatro1 &oras para a apresenta$)o da sua defesa.
iii. >presentada a de#esa" a Bustiça Eleitoral ter; o (ra-o de I2 8setenta e duas1 &oras
para pro#erir a sua de!isão.
?. Pro(aganda eleitoral:
a) #n"!io: art. ?@" 4ei 5.67895:. *egra geral" a propa&anda eleitoral se d; a partir do dia
0J de 4ul&o do ano das elei$%es. Qualuer propa&anda realizada antes do início desse
32
prazo ser; considerada inte'(esti0a e" portanto" ilegal. E6!e(!ional'ente" 1
possível a realiza$)o de propa&anda antes desse prazo na se&uinte <ip(tese: admiteFse
propa&anda nos 1. 85uin-e1 dias anteriores = data marcada para a realiza$)o das
!on0enções (artid2rias" ue ocorrem entre os dias 17 e ?7 de /un<o do ano das
elei$%es" desde ue se trate de (ro(aganda eJclusivamente intra(artid2ria" voltada
apenas para aueles ue ter)o direito a voto nas conven$%es partid;rias.
b) Co'"!io: art. ?5" 4ei 5.67895:. M admitida a realiza$)o de comício" não <avendo
necessidade de autori-ação do Poder P2blico" embora se/a eJi&ido a0iso (r?0io para
#ins de prevenir responsabilidades !no ue diz respeito a se&uran$a e trEnsito). Li'ite
de &or2rio: os comícios podem ser realizados de 0H300& a 2A300&.
c) Sens (/$li!os: art. ?:" 4ei 5.67895:. M (roi$ida a realiza$)o de propa&anda em bens
p2blicos !arts. 5C e ss." CC973: s)o bens p2bicos os bens de uso comum" os bens de
uso especial e os bens dominicais). EJ.: viadutos" passarelas" sem;#oros" etc.
d) Sens de uso !o'u': art. ?:" A8B" 4ei 5.67895:. > le&isla$)o eleitoral considera bens
de uso comum determinados bens ue" em tese" seriam particulares" vedando a
realiza$)o de propa&anda eleitoral. EJ.: centros comerciais" est;dios !ainda ue
particulares)" cinemas" teatros" casas de espet;culo" templos reli&iosos" etc.
e) Carros de so': art. ?5" A?B" 4ei 5.67895:. > propa&anda por carros de som 1
(er'itida" desde ue respeitados os li'ites tra$ados em lei.
 Li'ite de &or2rio: de 0H300& a 22300&.
 Li'ite geogr2fi!o: a propa&anda com carro de som n)o pode ser #eita a 'enos de 200
8du-entos1 'etros dos locais indicados em lei. EJ.: <ospitais" casas de repouso"
uart1is" bibliotecas" sedes de &overno" etc.
#) Outdoor: art. ?5" ACB" 4ei 5.67895:. > lei (ro"$e a propa&anda atrav1s de outdoor.
+usti#icativa: a propa&anda por meio de outdoor 1 cara e poderia implicar em
vanta&em para al&uns candidatos por raz%es econSmicas.
&) Sens (arti!ulares3 art. ?:" 4ei 5.67895:. M (er'itida a propa&anda em bens
particulares" desde ue não ultra(asse A 'T 85uatro 'etros 5uadrados1.
<) #'(rensa es!rita: art. 8?" 4ei 5.67895:. M (er'ita a propa&anda por meio da
empresa escrita !eJ.: /ornais" revistas" etc.)" desde ue observados os li'ites tra$ados
em lei. Li'ite: no '26i'o 10 8de-1 an/n!ios (or 0e"!ulo de !o'uni!ação. >l1m
disso" o candidato deve demonstrar o valor &asto com as propa&andas #eitas.
+a'an&o: a depender do (r&)o de comunica$)o" se /ornal ou revista" a propa&anda
dever; ter" no '26i'o" 1CH 8u' oita0o1 ou 1CA 8u' 5uarto1 de (2gina.
33
i) *2dio e tele0isão: art. 86" 4ei 5.67895:. M (er'itida a propa&anda em r;dio e
televis)o" desde ue observados os li'ites tra$ados em lei. Li'ites: a partir do dia
01@C0I" os meios de comunica$)o passam a en#rentar restri$%es na sua pro&rama$)o
normal. Eão pode <aver entre0ista com os candidatos ao Poder Legislati0o. Por
outro lado" pode <aver entrevista com os candidatos ao Poder E6e!uti0o" desde ue
se/a concedida aos de'ais !andidatos a 'es'a o(ortunidade. *s (rogra'as
&u'or"sti!os não podem ridi!ulari-ar os !andidatos.
/) De$ates: art. 8?" 4ei 5.67895:. 8@. M (er'itido o debate" desde ue conte com a
(arti!i(ação de todos os !andidatos.
8. Condutas 0edadas aos agentes (/$li!os: arts. :? e ss." 4ei 5.67895:.
a) O$4eto: asse&urar a igualdade de o(ortunidades entre os candidatos. Crítica: o art.
18" A6B" C-9CC admite 1 !uma) 2nica reelei$)o" mas estabelece ue o candidato =
reelei$)o n)o precisa se desincompatibilizar do mandato.
b) Ni(óteses: arts. :6 e ::" 4ei 5.67895:.
 Proi$ição de !essão de ser0idores para participa$)o de !a'(an&as eleitorais.
 Proi$ição da distri$uição gratuita de $ens ou ser0iços custeados pelo go0erno.
 Kos 7 8tr9s1 'eses anteriores = realiza$)o das elei$%es" (ro"$e-se" como re&ra &eral"
a no'eação" a de'issão e a e6oneração se' 4usta !ausa de servidores na
!ir!uns!rição do (leito. Essa proibi$)o subsiste at1 a data da posse" ue" no caso do
Poder EJecutivo" ocorre no dia 71B971 do ano subseuente ao das elei$%es.
 Proi$ição da participa$)o de candidatos = reelei$)o em inaugurações"
independentemente da participa$)o ue ten<a.
 Proi$ição de realiza$)o de s&oUs custeados por 0er$as (/$li!as.
6. Eleições:
a) 4ei 5.67895:: no dia das eleições" (ro"$e-se:
 Manifestação !oleti0a !o' 0estu2rio (adroni-ado" ainda ue a mani#esta$)o se/a
silenciosa. *bserva$)o: a mani#esta$)o coletiva vedada 1 auela com conota$)o
eleitoral. *b/etivo: n)o pressionar o eleitor no momento do voto.
 So!a de urna.
 Pro(aganda eleitoral.
 Pes5uisa eleitoral.
34
 Carreatas e (asseatas.
b) 4ei @.7519:8: no dia das eleições" (ro"$e-se o trans(orte de eleitores" sal0o se
<ouver re5uisição pela Bustiça Eleitoral. *b/etivo: evitar a troca de vanta&ens por
voto.
c) 4ei 8.:?:9@6 !C(di&o Eleitoral): arts. 3?@ e ss." 4ei 8.:?:9@6. * C(di&o Eleitoral
prevD as c<amadas garantias eleitorais. S)o elas:
 Proi$ição de (risão do eleitor no período ue vai de . 8!in!o1 dias antes at? AH
85uarenta e oito1 &oras de(ois da realiza$)o das elei$%es" sal0o no caso de flagrante"
de desres(eito a sal0o !onduto ou de sentença !ondenatória.
 > (ol"!ia deve #icar a uma distn!ia '"ni'a de 100 8!e'1 'etros do pr1dio onde se
realizam as elei$%es !art. 181" 4ei 8.:?:9@6)" sal0o se <ouver re5uisição pelo
(residente da 'esa a(uradora. *b/etivo: n)o intimidar o eleitor.
@. Prestação de !ontas:
a) > presta$)o de contas ocorre no mDs de no0e'$ro do ano das elei$%es.
b) +odos os !andidatos" vitoriosos ou n)o" devem (restar !ontas perante a Bustiça
Eleitoral acerca e toda a 'o0i'entação finan!eira da !a'(an&a.
c) Pra-o: as contas devem ser prestadas no prazo 70 8trinta1 dias a(ós a reali-ação das
eleições.
d) >preciadas as contas pela +usti$a Eleitoral" s)o resultados (oss"0eis:
 >s contas s)o re4eitadas.
 >s contas s)o a(ro0adas !o' ressal0as.
 >s contas s)o a(ro0adas.
e) >uele ue tiver suas !ontas re4eitadas pela +usti$a Eleitoral não poder; ser
di(lo'ado.
:. Di(lo'ação:
a) > diploma$)o ocorre no mDs de de-e'$ro.
b) Con!eito: a diploma$)o 1 o ato atrav1s do ual a Bustiça Eleitoral !onfir'aCatesta o
resultado das eleições.
C. Posse:
a) Con!eito: 1 o ato atrav1s do ual o !andidato passa a titulari-ar o 'andato eleti0o.
35
b) > posse ocorre:
 Para car&os no Poder E6e!uti0o: ocorre no dia 01@C01 do ano seguinte ao das
eleições.
 Para car&os no Poder Legislati0o: ocorre no in"!io de fe0ereiro para 'andatos
federais ou na data prevista na Constituição Estadual ou na Lei Orgni!a do
Muni!"(io para 'andatos estaduais ou 'uni!i(ais.