Está en la página 1de 1
PESQUISA DE FUNGOS AMBIENTAIS NO HOSPITAL AGOSTINHO NETO, CIDADE DA PRAIA, CABO VERDE, COMO POSSÍVEIS AGENTES
PESQUISA DE FUNGOS AMBIENTAIS NO HOSPITAL AGOSTINHO NETO, CIDADE DA PRAIA, CABO VERDE, COMO POSSÍVEIS AGENTES
PESQUISA DE FUNGOS AMBIENTAIS NO HOSPITAL AGOSTINHO NETO, CIDADE DA PRAIA, CABO VERDE, COMO POSSÍVEIS AGENTES
PESQUISA DE FUNGOS AMBIENTAIS NO HOSPITAL AGOSTINHO NETO, CIDADE DA PRAIA,
CABO VERDE, COMO POSSÍVEIS AGENTES DE INFECÇÕES NOSOCOMIAIS
Moisés Mendes Tavares 1,2 , Ana Paula Maduro 2 , Paula Sampaio 1 , Maria da Luz Martins 2
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
Os fungos constituem um grupo diversificado de microrganismos com uma grande ubiquidade na natureza, podendo ser encontrados em grande número no solo, no ar
e na água, ainda que somente um número limitado de espécies possa causar infecções no ser humano. Embora a grande maioria seja inofensiva para indivíduos
saudáveis, pode tornar-se patogénica em indivíduos com fragilidade imunológica. Nestes últimos anos têm sido relatados casos de infecção em ambiente hospitalar por
fungos habitualmente não patogénicos, como sendo a principal causa de morte em pacientes internados e imunologicamente debilitados.
Neste trabalho foi estudada a presença de espécies fúngicas no ambiente de algumas unidades mais críticas do Hospital Agostinho Neto na cidade da Praia em Cabo
Verde durante o mês de Janeiro de 2012, nomeadamente nas superfícies e no ar e água circulantes do Bloco Operatório do hospital, serviço de Internamento Cirúrgico e
de Queimados, serviço de Internamento de Neonatologia, serviço de Internamento de Infecciologia, serviço de Oncologia e serviço de Hemodiálise.
MATERIAIS EE
MATERIAIS
RESULTADOS
RESULTADOS
MÉTODOS
MÉTODOS
Recolha de Amostras Durante o Mês de Janeiro de 2012
Bloco Operatório
Internamento
Cirúrgico e Queimados
Internamento de
Neonatologia
Internamento de
Infecciologia
Internamento de
Oncologia
Hemodiálise
Ar
Água
Superfíceis
Género
Ar
Água
Superfície
Ar
Água
Superfície
Ar
Água
Superfície
Ar
Água
Superfície
Ar
Água
Superfície
Ar
Água
Superfície
1. Filtração do ar ou água por vácuo
1. Passagem de zaragatoa embebida em água
destilada numa zona de 100cm 2
Penicillium sp.
4*
1
8*
1 0
3 0
1
0 2*
2*
3
4
0
2 1
1
1
Apergillus sp.
4*
0
1*
1*
0
6*
0
0
4*
0
0
0
0
1*
0 1*
0
3
2. Retirar o filtro e colocar imediatamente numa
placa de petri com meio de cultura
2. Inoculação em meio de cultura em placa de
petri após colheita
Cladosporium
sp.
Acremonium
sp.
Phoma sp.
4*
1
0
0
1
2 2*
1
2
1
0
0
0
0
0
0
0
1
0
1
0
0
1
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
3. Incubação das placas inoculadas à temperatura ambiente durante 4 a 5 dias
1
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1
4. Fungos filamentosos: Identificação convencional a partir da análise macroscópica e microscópica
Leveduras: Identificação bioquímica recorrendo ao Kit comercial ID 32C (Biomerieux®)
Fusarium sp.
0
0
0
0
0
2*
0
0
0
0
0
0
0
1*
0
0
0
0
Bipolaris sp.
Mucor sp.
Candida sp.
Rhodotorula
0
0
0
0
0
1
0
0
1
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
2
#
0
0
0
0
1*
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1
#
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
sp.
Para fungos de maior relevância clínica foi feita extracção do DNA através do Kit
Quick Gene® DNA tissue (Fujifilm) e posterior amplificação da região ITS. O produto
da amplificação foi purificado e enviado para sequenciação.
Geotrichum sp.
0
0
0
0
0
0
0 1*
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
Scopulariopsis
sp.
Alternaria sp.
Paecilomyces
sp.
Chaetomium
sp.
Rhizopus sp.
0
0
0
0
0
0
0
0
1
0
0
0
0
0
0
1
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
2
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1
0
1
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1
0
0
0
0
0
0
0
0
0
CONCLUSÕES
CONCLUSÕES
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1*
0
0
0
0
Verticillium sp.
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
0
1
0
0
0
0
Total
13
3
9
2
2
14 2
2
10
3
4
3
4
4
2
3
1
6
Constatou-se a contaminação do ambiente hospitalar por espécies
fúngicas que podem ser importantes factores de risco para
infecções nosocomiais em pacientes com sistema imunitário muito
debilitado, principalmente em locais que não deveriam estar
contaminados, como no Bloco Operatório e Unidade de Cuidados
Intensivos de Neonatologia. Sugere-se portanto, no sentido de
minimizar os factores de risco de contaminações fúngicas um maior
controlo na qualidade microbiológica do ambiente hospitalar como
medida profilática que conduza a uma diminuição do número de
casos de infecções nosocomiais no Hospital Agostinho Neto na
cidade da Praia, Cabo Verde.
34 amostras
de diferentes locais
104 fungos morfologicamente diferentes
(identificação convencional e molecular)
Ar
Observação microscópica das diferentes espécies de Aspergillus
identificadas neste estudo. (A) A. versicolor; (B) A. wentii; (C) A.
unguis; (D) A. tubingensis; (E) A. niger; (F) A. flavus;; (I) A.
tamarii.
Água
Superfícies
A análise micológica das amostras revelou uma forte presença de espécies dos géneros como Penicillium,
Cladosporium e Aspergillus em todas as colheitas efectuadas, espécies estas que podem ter implicações
clínicas graves em pacientes imunologicamente debilitatos.
Referências
Referências
• McFee, R. B. Nosocomial or hospital-acquired infections: an overview. Disease-a- Month, v. 5(7), p. 422-438. (2009);
• Sautour, M., Sixt, N., Dalle, F., L’Ollivier, C., Calinon, C., Fourquenet, V., Thibaut C, Jury H, Lafon I, Aho S, Couillault G, Vagner O, Cuisenier B, Besancenot JP, Caillot D, Bonnin, A. Prospective survey of indoor fungal contamination in hospital during a period of building
construction. Journal of Hospital Infection, v. 67(4), p. 367-373. (2007);
Perdelli F, Cristina ML, Sartini M, Spagnolo AM, Dallera M, Ottria G, Lombardi R, Grimaldi M, Orlando P. Fungal contamination in hospital environments. Infect Control Hosp Epidemiol., v. 27(1), p. 44-7. (2006);
Low, C.Y., & Rotstein, C. Emerging fungal infections in immunocompromised patients. F1000 Medicine Reports, v. 3, p. 1-8. (2011).