P. 1
Leucemias Agudas e Cronicas

Leucemias Agudas e Cronicas

4.0

|Views: 6.097|Likes:
Publicado porapi-3719960

More info:

Published by: api-3719960 on Oct 19, 2008
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2014

pdf

text

original

LEUCEMIAS AGUDAS

1. CONCEITO
Proliferação monoclonal de célula maligna progenitora, de origem hematopoiética, que é incapaz de se diferenciar, mas extremamente capaz de se dividir e multiplicar.

2. EPIDEMIOLOGIA
3 % das neoplasias - USA LMA : + comum LLA : na infância (< 12 anos) - mais frequente

3. ETIOLOGIA
• a) Radiações Ionizantes • b) Alterações Cromossomiais • c) Agentes Químicos (benzeno, agentes alquilantes, fenilbutazona) • d) Vírus EBV – Epstein-Barr
HTLV-1 – Human T Lynphotropic Virus

LEUCEMIAS AGUDAS
4. FISIOPATOLOGIA
Expansão Blástica Anemia Neutropenia Trombocitopenia Os blastos neoplásicos são lançados na corrente sanguínea, levando ao quadro de leucocitose. Podem infiltrar diversos órgãos. Atenção: a ausência de blastos na corrente sanguínea não exclui o diagnóstico de leucemia aguda, alguns pacientes podem ser diagnosticados numa fase em que a neoplasia está restrita a medula óssea – leucemia aleucêmica.

LEUCEMIAS AGUDA S

5. DIAGNÓSTICO
-Clínico -Hemograma - Mielograma - Biópsia Óssea - Citoquímica - Marcadores imunológicos (imunofenotipagem) - Citogenética

LEUCEMIAS AGUDAS
6. CLASSIFICAÇÃO
MIELÓIDE (LMA) - M0 (mínima diferenciação) - M1 (blastos indiferenciados) - M2 (blastos diferenciados) - M3 (promielócitos) - M4 (mielomonocítica) - M5 (monocítica) - M6 (eritroleucemia) - M7 (megacarioblástica) LINFÓIDE (LLA) - L1 (pequenos blastos) - L2 (blastos heterogêneos) - L3 (blastos vacuolizados – Burkitt)

Leucemia Mieloide Aguda
Evolução dos sintomas : de 3 dias a 3 meses Tríade sintomática: (1) Astenia - anemia (2) Sangramento - plaquetopenia (3) Febre-neoplásica ou neutropenia(infecção) Outros dados: Hepatoesplenomegalia ; infiltração cutânea; da órbita (Cloroma); infiltração cutânea, dor óssea,

LEUCEMIAS MIELOIDES (classificação fenotípica)
- M0 (mínima diferenciação) CD13+ ,CD33+ - M1 (blastos indiferenciados) CD13+, CD33+, CD11b+, MPO+ - M2 (blastos diferenciados) DR+, CD34+, CD33+, CD19+, CD56+ t(8;21)(q22;q22) AML1 ETO - M3 (promielócitos) t(15;17)(q22;q21) PML - RARα - M4 (mielomonocítica) M4 Eo inv(16)(p13;q22) CBFβ MYH11 - M5 (monocítica) M5a t(9;11)(p21;q23) M5 b t(6;11)(q27;q23) AF6 MLL - M6 (eritroleucemia) - M7 (megacarioblástica) CD33+, CD41+, CD42b+, CD61+

Exames Complementares
• Anemia normocítica normocrômica • Plaquetopenia - < 100.000 em 75% • Leucometria variável – em média oscila em torno de 15.000 (varia de 1000 a 400.000); leucocitose (blastos) com neutropenia • Presença de blastos no sangue periférico Atenção: Quando ausentes pode ser leucemia aleucêmica – investigar Por isso: Aspirado de Medula Óssea é obrigatório para confirmar o Dx - Criterio FAB > 30% blastos na medula - Critério OMS> 20% blastos na medula

Leucemia Linfóide Aguda (LLA)
• É a mais comum na infância (90%) • Clínica: (1) dor óssea é muito frequente (2) adenomegalia – cervical ou generalizada (3) massas mediastinais (4) acometimento do SNC (5) febre neoplásica

Diagnóstico da LLA
• Sempre confirmado com o Aspirado de Medula óssea Critério: presença de 20 a 30% de linfoblastos

LEUCEMIAS LINFOCÍTICAS
Pró B: DR + , CD 19 + , CD 22 + , CD 15 + , CD 33 +
t (4;11)(q21;q23) B comum: DR + , CD19 + , CD10 + , CD 20 + , CD22 + , CD13 + , CD33 + , TdT + t(12;21)(p13;q22) B Ph1+: DR + , CD34 + , TdT + , CD19 + , CD10 +, CD20 + , CD22 + , CD33 + , CD25 + t(9;22)(q34;q11) m- BCR Pré B: DR + ,CD 19 +, CD IO + , CD 22 + , Cµ + , TdT + , CD 45 + . t(1;19)(q23;p13) Burkitt: DR + ,CD19 + , CD10 - ,CD20 + , CD22 + , smIg + µ κ . t(8;14)(q24;q32)

B

T

Pró T: CD7+, CD5+, CD2+, cCD3+, TdT+ T: DR -, CD7+, CD5+, CD2+ , CD3-, CD1a+, CD4+, CD8+,TdT+ T: CD 5 + , CD 7 + , cCD 3 + , CD 4 + , CD 8 + , TdT + T: CD34+, CD7+, CD5+, CD2+, CD1a+, CD4+, CD8−, TCRαβ+, TdT+

LEUCEMIAS AGUDAS

DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL Mononucleose infecciosa Toxoplasmose Febre reumática Neuroblastoma Anemia Aplástica Púrpura

Tratamento das Leucemias Agudas

1 - Terapia de suporte • transfusão de plaquetas e hemácias (avaliar critérios) • Antibioticoterapia 2 – Terapia específica • Quimioterapia ----------- Indução da Remissão Remissão Completa • TMO

INSTITUT UNIVERSITAIRE D’HEMATOLOGIE (IUH)
´ ATÉ AGORA AS MESMAS TRÊS IDÉIAS PRINCIPAIS TÊM GUIADO AS ATIVIDADES DO IUH
-Direcionar nossa pesquisa para leucemia, câncer e doenças sangüíneas. -Focalizar todas as habilidades de pesquisa e técnicas nos mesmos objetivos. -Manter e abrir constante diálogo entre clínicos que curam e pesquisadores que exploram as causas, os mecanismos da doença, e os efeitos terapêuticos.

´ REALIZAÇÕES
Com esta estratégia inúmeros tratamentos para leucemias, linfomas e câncer, bem como tipagem tissular para transplante de órgãos e medula óssea têm sido descobertos. Prof. Jean Bernard a primeira remissão completa de leucemia aguda em 1947. Prof. Jean Dausset foi condecorado pelo Prêmio Nobel de Medicina em 1980 por seu trabalho no sistema HLA. Prof. Laurent Degos tem sido distinguido pelo Prêmio General Motors em colaboração com o Prof. Wang por sua contribuição no tratamento da leucemia por diferenciação. Prof. Eliane Gluckman foi selecionada pela Conferência Ham-Wassermann (Sociedade Americana de Hematologia) em 1998 por seu trabalho no transplante de medula óssea com células de sangue de cordão umbilical.

INSTITUT UNIVERSITAIRE D’HEMATOLOGIE (IUH)
´ PESQUISA O IUH foi dirigido por Prof. Jean Bernard (1958-1979) Então, pelo Prof. Michel Boiron (1979-1993) E até 1993 pelo Prof. Laurent Degos O IUH com poucas figuras 3 edificações (8.500 m2) 425 pessoas 7 unidades INSERM 1 unidade CNRS 1 laboratório CEA 7 laboratórios universitários 5 grupos de investigação clínica 1 centro de investigação clínica 1 departamento gráfico científico 1 departamento animal 1 grupo de pesquisa em terapia gênica 1 grupo de pesquisa em terapia celular

INSTITUT UNIVERSITAIRE D’HEMATOLOGIE (IUH)

´ EDUCAÇÃO O IUH é um centro estabelecido para treinamento em pesquisa médica, provendo educação pós-doutoral Uma escola doutoral chamada B2T (Biologia e Biotecnologia) Diplomas universitários e workshops técnicos Laboratórios próprios para estudantes PhD e pós-doutorais Uma biblioteca especializada em temas hematológicos O IUH também é o escritório registrado para Sociedade Francesa de Hematologia (SFH) Escola Européia de Hematologia (ESH) Eurocancer E, The Hematology Journal

LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA
Doença mieloproliferativa caracterizada por uma desordem clonal da Stem cell, caracterizadas por aumento lento e gradativo na medula óssea, não havendo bloqueio da maturação, pois as células q se acumulam já estão numa fase tardia de maturação. a) Radiação b) Drogas e químicos – solventes orgânicos (benzeno) c) Hereditariedade ?

1. ETIOLOGIA

2. EPIDEMIOLOGIA
INCIDÊNCIA  LA – 3.4 / 100.000 / Ano  LMC – 1.4 / 100.000 / Ano 4a e 5a década de vida. Predomínio sexo M

LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA
3. CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
SINAIS CLÍNICOS INSIDIOSOS, NÃO ESPECÍFICOS - Fraqueza generalizada, perda de peso - Desconforto no hipocôndrio E  Esplenomegalia - Manifestações hemorrágicas - ↑ do metabolismo: sudorese, febre - Anemia + leucocitose + esplenomegalia

4. CURSO CLÍNICO
FASE CRÔNICA – evolui em torno de 1 a 5 anos Clone Ph1  desequilíbrio citogenético  novos defeitos cromossômicos  transformação blástica FASE AGUDA - Crise Blástica (Leucemia Aguda)

LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA
5. ESTUDOS LABORATORIAIS
 CITOGENÉTICO – Cromossomo Philadelphia (t.(9;22)) + em 90% LMC
 SANGUE PERIFÉRICO Leucocitose (basofilia) Plaquetas (↑) Anemia . Fosfatase Alcalina dos Leucócitos: ↓ . Hiperuricemia . ↑ Vit. B12  MIELOGRAMA: marcada hipercelularidade granulocítica  BIÓPSIA ÓSSEA: proliferação granulocítica, fibrose, eosinófilos, basófilos

LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA
6. TRATAMENTO
Bussulfan (Myleram) Hidroxyuréia (Hydrea) Alfa-interferon Mesilato de imatinib ST1571(Glivec)inibidor da atividade tirosinoquinase Quimioterapia intensa Esplenectomia Leucoferese T.M.O. Alogênico Autólogo

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA
Doença linfoproliferativa clonal, constituída na maioria das vezes por linfóctios B maduros.

1. CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS
INCIDÊNCIA: 60 anos. Predomínio sexo M 2:1 F

Sistema de Rai para o estadiamento da LLC
ESTADIO CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS SOBREVIDA MEDIANA (MESES)

0 I II III IV

Linfocitose no sangue e MO (>40 das células nucleadas) Linfocitose + Linfoadenomegalia (localizada ou generalizada gânglios pequenos ou volumosos) Linfocitose + Esplenomegalia e Hepatomegalia (gânglios normais ou aumentados) Linfocitose e anemia (Hb < 11) + Linfonodos + Esplenomegalia e Hepatomegalia Linfocitose com anemia + trombocitopenia e organomegalia

>150 101 71 19 19

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA
2. ESTUDOS LABORATORIAIS
Linfocitose  linfócitos maduros Anemia hemolítica auto-imune e trombocitopenia Hipogamaglobulinemia Imunologia: Transformação malígna de clone de cél. B MO  infiltração difusa por linfócitos Biópsia de linfonodo  linfoma malígno de pequenas células

3. TRATAMENTO
Clorambucil (Leukeran) Corticosteróides Outros quimioterápicos

You're Reading a Free Preview

Descarga
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->