Está en la página 1de 30

Janeiro 2010

PLANO DE MARKETING

Trabalho realizado por João Oliveira


no âmbito da unidade curricular de
Plano de Marketing leccionada pela
Dr.ª Raquel Reis.
ÍNDICE

INTRODUÇÃO............................................................................................................... 4
1. DIAGNÓSTICO DA EMPRESA “AVIANENSE” ............................................... 5
1.1. Dimensão no Mercado (Volume e Valor) ................................................. 5
1.2. Marketing-Mix .......................................................................................... 6
1.2.1. Produto ...................................................................................................... 6
1.2.2. Preço .......................................................................................................... 6
1.2.3. Distribuição ............................................................................................... 7
1.2.4. Comunicação............................................................................................. 7
1.3. Consumidores Actuais dos chocolates da Avianense ............................... 8
1.4. Recursos Gerais ......................................................................................... 8
1.4.1. Humanos .................................................................................................................. 8
1.4.2. Tecnológicos ............................................................................................................ 8
1.4.3. Financeiros ............................................................................................................... 8
2. DIAGNÓSTICO DE MARKETING .......................................................................... 9
2.1. Dimensão do Mercado (Volume e Valor) ........................................................... 9
2.1.1. Base de Dados Acnielsen ............................................................................................ 9
2.1.2. Base de Dados Marktest ............................................................................................10
2.1.3. Base de Dados Instituto Nacional de Estatística ...................................................11
2.2. Concorrentes Directos ....................................................................................... 11
2.2.1. Regina ...........................................................................................................................11
2.3. Concorrentes Indirectos .................................................................................... 12
2.3.1. Arcádia..........................................................................................................................12
2.3.2. Nestlé ............................................................................................................................13
2.3.3. Godiva ..........................................................................................................................13
2.4. Consumidores Actuais de Chocolate ................................................................ 14
2.4.1. Características ..............................................................................................................14
2.4.2. Motivações ...................................................................................................................14
2.4.3. Atitudes ........................................................................................................................14
2.4.4. Comportamentos ........................................................................................................14

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 2


2.5. Macro Ambiente .................................................................................................. 15
2.5.1. Factores Políticos-Legais ...........................................................................................15
2.5.2. Factores Económicos.................................................................................................15
2.5.3. Factores Sócio-Culturais ............................................................................................15
2.5.4. Factores Tecnológicos ...............................................................................................15
3. ANÁLISE SWOT ........................................................................................................ 16
4. OBJECTIVOS E PREVISÕES DE MARKETING ................................................... 16
5. ESTRATÉGIAS DE MARKETING .......................................................................... 17
6. TÁCTICAS DE MARKETING .................................................................................. 19
6.1. Produto............................................................................................................................19
6.2. Preço ................................................................................................................................19
6.3. Distribuição ....................................................................................................................20
6.4. Comunicação ..................................................................................................................20
7. PROGRAMAS DE ACÇÃO ........................................................................................ 21
7.2. Acção Secundária ...........................................................................................................22
7.3. Acção Terciária...............................................................................................................23
8. ORÇAMENTO DE MARKETING .......................................................................... 24
8.1. Custos das Acções Operacionais .................................................................................24
8.2. Custos de Marketing | Custos de Comunicação.......................................................24
8.3. Previsões da receita (Volume de Vendas) ..................................................................25
9. MAPA DE CONTROLO E AVALIAÇÃO ................................................................ 26
10. PLANO DE CONTIGÊNCIA | B .......................................................................... 27
CONCLUSÃO ............................................................................................................... 28
REFERÊNCIAS ............................................................................................................ 30

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 3


INTRODUÇÃO

Este trabalho foi realizado no âmbito da cadeira de Plano de Marketing (PM) e foi proposto pela
docente Dr.ª Raquel Reis, com o objectivo de elaborar um PM de curto prazo (6 meses), mais
concretamente, desde Novembro de 2010 até Abril de 2011, para a empresa de chocolates
Avianense, sediada em Barcelos.

Para uma melhor compreensão e organização da informação, o projecto será apresentado através
de uma estrutura genérica, com o desenvolvimento diferentes etapas.

Inicialmente, vou fazer um diagnóstico actual de marketing, onde serão expostos os dados relativos
à caracterização do mercado e da empresa, tendo como suporte de pesquisa, as bases da Acnielsen,
Marketest e Instituto Nacional de Estatística (INE).

De seguida, irei definir, prever e apresentar os objectivos e estratégias de marketing a implementar


neste programa operacional.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 4


1. DIAGNÓSTICO DA EMPRESA “AVIANENSE”
A empresa Avianense é a primeira fábrica de chocolates a surgir no
ano de 1914, em Portugal. Teve de ultrapassar a II Guerra Mundial,
onde o açúcar e o cacau eram bens escassos.
No início dos anos 60 há uma modernização dos processos de
fabrico, passando-se do processo manual para o mecanicista.
Contudo, a marca apenas foi registada em 1984 devido às
exigências do mercado e ficou bem presente na infância de muitas
pessoas que assistiram a este momento célebre.
Na entrada do novo século, a Avianense é adquirida por uma nova gerência e prossegue a sua
actividade com naturalidade. O chocolate é importado da Bélgica e anualmente são transformados
cerca de 16 toneladas. A inauguração das novas instalações está prevista para o próximo ano e
ficará localizada junto da actual organização (Barcelos) e contará com uma loja de fábrica, um
museu, um auditório com 80 lugares e plataforma para visitantes. A empresa tem as suas estratégias
definidas para o mercado B2C (Supermercados), mas também, B2C (Hotéis).

1.1. Dimensão no Mercado (Volume e Valor)


Como podemos verificar no gráfico acima
apresentado, o volume de vendas da
empresa de chocolates Avianense (2008) é
destinado somente a grossistas e a clientes
finais, respectivamente.
Quanto ao volume de vendas para os
grossistas, 50% é destinado aos chocolates
imperadores e os restantes 50%, a outro
tipo de chocolates.
Gráfico 1|Fonte: Avianense
Já em relação ao volume de vendas que são realizadas ao cliente final, 75% dizem respeito aos
chocolates imperadores e os 25% restantes, a outro tipo de chocolates comercializados.
Em relação ao valor das vendas de 2008, apenas posso referir que foram de 800 mil euros no
somatório total das dirigidas aos grossistas e clientes finais e que a sua quota de mercado absoluta é
de aproximadamente 0,5% (800.000/160.275,048 milhões de euros).

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 5


1.2. Marketing-Mix

1.2.1. Produto

A empresa comercializa produtos tradicionais (tabletes de chocolate, vários


bombons destacando o “imperador”, guarda-chuvas de chocolate, fantasias de
Natal e de Páscoa) e produtos novos (chocolate branco, chocolate 80% cacau,
fondue de chocolate, chocolate picante e de sabores).
O facto de existir uma forte concentração na venda de chocolates
imperadores, não se torna muito viável, pois o suporte num único tipo de
produto poderá não ser o suficiente, caso se façam sentir oscilações no
mercado, a empresa sentirá dificuldades em reequilibrar a sua gestão.
Podemos encontrar este tipo de produtos da Avianense em diversos
pontos de venda, nomeadamente, em supermercados, mini-mercados, postos de combustível (lojas
de conveniência), lojas gourmet, tradicionais, de fábricas, pastelarias e confeitarias.

1.2.2. Preço

Quanto à variável preço, podemos dizer que a empresa Avianense tem em conta, a análise dos
custos, preços e das ofertas de produtos da concorrência; a determinação da procura (sazonalidade
de determinados produtos); selecção do método de determinação do preço; estimativa de custos
(ex: bolsa de cacau) e a selecção do preço final dos chocolates.

MARGENS MÉDIAS INFERIORES


Produto Preço de Custo P.V.P.
Mini-Tabletes 0,08 € 0,20 €
Chocolate Branco 50g 0,32 € 0,80 €
Tabela 2 | Fonte: Avianense
A tabela 2 diz respeito às margens médias inferiores, ou seja, aos produtos não sazonais, de elevada
produção, onde o embalamento é feito de forma mecânica. As Mini-Tabletes e o Chocolate Branco
de 50 gramas são os produtos com maior concorrência. As margens variam entre 20% a 60%,
respectivamente.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 6


MARGENS MÉDIAS SUPERIORES
Produto Preço de Custo P.V.P.
Sombrinhas 0,25 € 0,92 €
Pai Natal Pequeno 0,21 € 0,70 €
Tabela 3 | Fonte: Avianense
A tabela 3 engloba as margens médias superiores, mais concretamente, os produtos sazonais e/ou
embalados à mão e com menor concorrência. As Sombrinhas e o Pai Natal Pequeno têm margens
que variam entre 50% a 90%, relativamente.

1.2.3. Distribuição

Nesta fase, a Avianense tem um mercado ainda muito limitado que, na


sua maioria, preenche a zona norte e mais influentemente a área onde
nasceu e cresceu este nome. Embora, já se vá sentindo a procura dos
produtos noutras áreas do país, incluindo ilhas.
A distribuição é feita para vários armazéns, não tendo a Avianense comerciais internos. Iniciou a
sua exportação para Angola, EUA, Inglaterra, Alemanha e, neste momento encontra-se em
negociações com Japão.

1.2.4. Comunicação

Em termos de comunicação, a empresa de chocolates Avianense tem vários pontos de contacto


com os consumidores e exemplos disso são as participações em feiras e eventos nacionais e
internacionais, em alguns programas de televisão aquando do reinício de actividade, a publicidade
na TV, a presença na volta a Portugal em bicicleta, nos jogos de hóquei em patins, em alguns
jornais regionais e nacionais e também nas revistas de culinária.
O facto de patrocinar alguns eventos e clubes desportivos permite à marca ganhar alguma
visibilidade no mercado, assim como, no seu website, página de fãs e facebook.
Esta organização tem a colaboração com o grupo de discotecas Ofir (BIB'OVerao, Pacha Ofir,
Fiesta Cubana); tem os seus produtos expostos em montras próprias, dentro do complexo de
diversão nocturna Pacha Ofir, está apresentada em flyers e em acções de degustação de produtos.
A empresa tem uma parceria com Dj Kika Lewis, que faz a distribuição de chocolates
personalizados para o público presente em diferentes espaços de actuação.
Num âmbito global, a Avianense tem cerca de 12 mil euros anuais que lhe possibilita o
investimento em comunicação e divulgação da marca e dos seus produtos.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 7


1.3. Consumidores Actuais dos chocolates da Avianense

Os consumidores de chocolates, podem encontrar os produtos Avianense em lojas de grande


perfil, como o El Corte Inglês e a Confeitaria Nacional de Lisboa, mas também em pequenas lojas
de comércio tradicional, em espaços gourmet ou em postos de abastecimento.
Uma forte maioria dos consumidores de chocolate da marca Avianense são pessoas mais velhas,
que se regem pelo tradicionalismo, mais preservadoras, que têm um forte gosto pelo artesanato,
gostam de saborear a textura deste tipo de chocolates. Os avós, que por exemplo, ainda fazem
questão de oferecer as ovelhas de chocolate aos seus netos, em ocasiões especiais.

1.4. Recursos Gerais

1.4.1. Humanos
Relativamente às pessoas, podemos dizer que actualmente, a empresa de
chocolates Avianense conta com a presença de 16 colaboradores,
apenas em regime diurno, que se dedicam ao processo de
transformação, embalamento, comunicação e gestão da organização.

1.4.2. Tecnológicos
Actualmente, a organização encontra-se a 20% da sua capacidade máxima de
produção, isto é, por factores que desconhecemos, não lhe permite exercer o maior
esforço possível.
Um dos graves problemas que existe na fase de embalamento dos bombons “Imperador” é o facto
de essa tarefa ser toda desempenhada manualmente.
A preocupação institucional pelo meio ambiente, está a fazer com que se reduza o consumo de
alumínio para envolver, proteger e acondicionar o produto.

1.4.3. Financeiros
Em termos económicos e através de um dado complementar que nos diz que a
empresa obteve um volume de negócios no montante de 800 mil €, no ano de 2008.
Podemos constatar que, talvez por falta de espaço para armazenagem de produtos, conservação
dos chocolates e um baixo poder de investimento na actividade, não possam aumentar o seu
processo produtivo.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 8


2. DIAGNÓSTICO DE MARKETING

Esta fase inicial do plano pretende analisar as dimensões do mercado de chocolates, informações
acerca dos concorrentes da Avianense, descrever os consumidores actuais de chocolate e ter uma
noção macro-ambiental. De seguida, há uma preocupação em relatar o historial da organização,
caracterizar os clientes actuais e enumerar os recursos gerais utilizados. Após esta etapa terminar,
temos reunidas as condições para elaborar uma análise swot mais detalhada e rica em dados
específicos do mercado e da empresa.

2.1. Dimensão do Mercado (Volume e Valor)

2.1.1. Base de Dados Acnielsen

Tipologia de Chocolates (Exclui tabletes de Consumo INA Consumo INCIM


culinária) Volume (Kg) Valor (€) Volume (Kg) Valor (€)
Bombons (Ferrero|Mon Cheri|Jacquot|Prestige) 3.087.611 53.207.405 62.976 1.389.586
Tabletes (Milka|Nestlé|Kinder) 3.327.306 33.427.710 217.546 3.995.202
Snacks (Kitkat|Kinder|Mars|Twix) 1.633.307 14.565.897 627.902 10.224.090
Fantasias (Kinder|Jacquot|Nestlé) 760.802 20.099.333 116.838 5.629.148
Frutos Secos (Regina|Ferbar|Jacquot|Jubileu) 805.115 10.263.512 0 0
Pastilhas (M&M'S|Maltesers|Smarties) 391.749 5.267.709 98.449 2.205.456
Total 10.005.890 136.831.566 1.123.711 23.443.482

Tabelas 1 e 2 | Fonte: Acnielsen | Valores expressos em milhões de euros

As tabelas anteriormente expostas, referem-se aos consumos das diferentes tipologias de


chocolates existentes no mercado, durante o ano 2006, ou seja, através da aquisição destes
produtos em hipermercados, supermercados, mercearias e livre serviços (INA) e em restaurantes,
snacks e cafés (INCIM).
Estes dados são fornecidos em quilogramas (kg) e em valor (€). A soma dos totais de consumo
(INA+INCIM) é de 11.129.601 kg de chocolate, isto é, 160.275.048 €, relativamente ao valor.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 9


2.1.2. Base de Dados Marktest

Consumidores de Chocolate (2006)


Baixa 43,6%
Média Baixa 62,5%
Média 68,1%
Alta/Média Alta 74,6%
Domésticas 48,1%
Estudantes 86,3%
Ref/Pens 40,4%
TranNQual 66,5%
TrabQual 61,7%
EmpServ 72,0%
TecEspPqPp 65,6%
QMS 76,0%
Sul 52,3%
Interior Norte 52,4%
Litoral Centro 61,5%
Litoral Norte 58,8%
Grande Porto 71,5%
Grande Lisboa 71,2%
> 64 anos 34,8%
55/64 anos 43,8%
45/54 anos 58,1%
35/44 anos 68,0%
25/34 anos 76,5%
18/24 anos 83,7%
15/17 anos 81,7%
Feminino 61,4%
Masculino 60,5%
Total 60,9%

0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100%

Características da População Portuguesa em percentagem

Gráfico 2|Fonte: Marktest

O número de consumidores de chocolate ultrapassa os 5 milhões de residentes no Continente,


com idades iguais ou superiores a 15 anos, um valor que representa 60.9% do universo em estudo.
A taxa de penetração deste produto é sobretudo diferenciada pela idade, variável que, a par da
ocupação, evidencia consumos bastante divergentes entre os indivíduos.

A análise do género mostra-nos que o consumo é maior junto dos targets mais jovens e que há um
valor muito semelhante entre os sexos feminino e masculino.

O consumo por região apresenta maior homogeneidade, embora na Grande Lisboa e no Grande
Porto se observem taxas superiores à média (> 60,9%).

Entre as ocupações, os estudantes destacam-se claramente, isto é, 86.3% deles consomem


chocolates, contrariamente aos reformados e pensionistas, que não vai além de 40.4%.

A análise da classe social também mostra diferentes comportamentos: a taxa de penetração baixa
gradualmente dos 74.6% observados junto das classes alta e média alta até aos 43.6% apresentados
pela classe baixa.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 10


2.1.3. Base de Dados Instituto Nacional de Estatística

Gráfico 3|Fonte: INE


De acordo com o gráfico, o aumento do consumo per capita diário dos produtos estimulantes
deve-se essencialmente ao consumo de cacau e chocolate, que quase duplicou (+45%) em
praticamente 14 anos. Já o acréscimo de consumo de café, misturas e seus sucedâneos, foi bastante
mais moderado (+18%).

Em termos estruturais, verifica-se que o café ainda é o produto mais importante deste grupo,
embora tenha vindo a perder importância relativa nos últimos anos, mas tendo em conta os
produtos que estamos a estudar (cacau e os chocolates), estes tendem assumir um valor muito
significativo na balança alimentar portuguesa.

2.2. Concorrentes Directos

2.2.1. Regina

A Regina é uma das marcas constituintes da fábrica de chocolates Imperial, por sua vez,
pertencente ao grupo RAR. Assegura mais de metade do negócio global da empresa portuguesa e
torna-se na marca emblemática do portefólio de produtos da Imperial, conseguindo acompanhar
os tempos modernos e garantindo a tradição.
A resposta dos consumidores surge num crescimento anual na ordem dos dois dígitos e assume-se
como líder de mercado no segmento das amêndoas e avelãs cobertas com chocolate.
O volume de facturação da Imperial no ano de 2008 foi de 18 milhões de euros.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 11


Em relação aos produtos que a Regina comercializa, bem como, os preços praticados pela
empresa, podemos encontrar a seguinte tabela:
TIPOLOGIA DE CHOCOLATES PREÇÁRIO
Trufas de Chocolate 3.71€
Frutos do Mar 4.08€
Bombons Chocolate s/açúcar 5.33€
Trufa de Cappucino 3.71€
Bombons Recheados 3.56€
Bombons Sortidos 5.87€
Bombons de Chocolate Preto 6.22€
Pai Natal Pequeno 0.86€
Sombrinhas 0.32€
Tabela 4 | Fonte: Avianense
Comparativamente aos produtos comercializados pela Avianense, conseguimos entender que os
preços estipulados pela Regina são muito semelhantes, o que vai ao encontro do nível de rivalidade
de ambas as empresas de chocolate.

2.3. Concorrentes Indirectos

2.3.1. Arcádia
A marca de chocolates Arcádia está situada no centro do Porto, desde 1933, numa antiga fábrica de
confeitaria, pertencente à família Bastos, que sempre se dedicou ao fabrico de produtos tradicionais
de qualidade. A empresa é famosa pelos seus deliciosos bombons e línguas de gato de chocolate de
fabrico artesanal e que são utilizados somente por produtos naturais seleccionados.
A produção das amêndoas torradas e baunilhadas é uma especialidade caseira da Arcádia. Em
relação à drageia de Licor Bonjour, cada pequena peça de artesanato é decorada e pintada à mão.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 12


2.3.2. Nestlé

A Nestlé, actualmente, é a Companhia Mundial de Alimentação, Nutrição, Saúde e Bem-Estar,


dedica-se a proporcionar aos seus consumidores os melhores alimentos ao longo de toda a sua
vida. Opera nos 5 continentes, com cerca de 456 fábricas espalhadas por 84 países, empregando
cerca de 280 mil colaboradores. Em 2008 atingiu um volume de negócios anual de cerca de 69,288
mil milhões €. A Nestlé transforma as matérias-primas básicas (leite, café, cacau, cereais, carne,
vegetais, frutas) em produtos bastante conhecidos de todos nós, como por exemplo, bombons,
pastilhas, snacks e tabletes de chocolate. Por todo o Mundo, o símbolo Nestlé transmite
Segurança, Qualidade, Tradição e Bem-Estar.

2.3.3. Godiva

A marca de chocolates Godiva surgiu na Bélgica, em 1926, por Joseph


Drap, está presente em mais de 80 países, possui 2 fábricas, mais de 450
lojas e emprega cerca de 2200 funcionários.

Os principais produtos comercializados por esta empresa são os chocolates finos, gelados, bolos,
cafés, biscoitos e licores.
A Godiva possui mais de 275 lojas da marca pela América do Norte.
Antes de se expandir para a Ásia, já se tinha tornado disponível no
Japão (centro de Tóquio – 1972), em Nova York e Paris, abrindo mais
tarde a sua primeira loja luxuosa, em Hong Kong (1998).
Hoje em dia, a marca já dispõe de 3 linhas de produtos diferenciadoras, optando mais pela
tendência gourmet, aliadas a uma produção de alta qualidade e inovação.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 13


2.4. Consumidores Actuais de Chocolate

2.4.1. Características

Como já podemos perceber um dos exemplos desta realidade, são os


jovens estudantes que consomem mais chocolate, devido ao nível de
stress e responsabilidades a que estão sujeitos.
No entanto, as classes sociais com um poder de compra médio e médio-
alto exercerem um grau de importância mais elevado na aquisição ou
consumo de chocolates.

2.4.2. Motivações
No caso concreto do consumo de chocolate, os factores que
podemos e devemos considerar são o sabor, o preço, a marca,
a publicidade, a promoção de venda, a qualidade ou outros
factores que influenciam na sua compra.

2.4.3. Atitudes
De acordo com um estudo acerca do perfil do consumidor, podemos
perceber que cerca de 66% de indivíduos adquirem os chocolates por
impulso e os restantes 34% regem-se pela marca e outros factores, como
por exemplo, a qualidade e sabores disponíveis no mercado.
De outro modo e com reacções diferentes, encontramos pessoas que
consomem chocolate com grande frequência, pois já se tornou num
hábito rotineiro e viciante nas suas vidas.

2.4.4. Comportamentos
O chocolate possui substâncias que servem de consolo a
determinadas pessoas e as ajuda como elemento de auto-
medicação e aliviar o nível de stress e a ultrapassar certos
momentos de forte com este tipo de produtos junto das
caixas dos estabelecimentos comerciais e ficam atraídas e
desejosas por consumir chocolates, que à partida até nem
estavam a pensar comprar.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 14


2.5. Macro Ambiente

2.5.1. Factores Políticos-Legais

Actualmente, o IVA que é cobrado em Espanha aos seus


consumidores é de apenas 7%, enquanto em Portugal é de 20%, ou
seja, 13% superior ao praticado no território espanhol.

2.5.2. Factores Económicos


O forte poder negocial presente em Espanha, no sector dos chocolates, permite a obtenção de
margens elevadas e preços muito mais competitivos do que no mercado nacional, dificultando
desta forma, as vendas de chocolates dos portugueses.
Ao nível das exportações de chocolates, é importante referir que têm vindo a sofrer um aumento
bastante significativo para os fabricantes.
Em relação ao produto interno bruto (PIB) de 2009, da União Europeia (EU),
estamos perante um cenário de crescimento negativo de 0,1% até ao final do ano
corrente, o que de certa forma agrava a produção das empresas, na sua generalidade.
O facto do poder de compra dos portugueses ter diminuído durante os últimos anos, as famílias
tende a dar prioridade aos bens de primeira necessidade, ou seja, produtos alimentares, de saúde,
higiene e lazer, tentando reduzir ao máximo as despesas diárias.

2.5.3. Factores Sócio-Culturais


Uma das realidades, é o chocolate estar na “moda”e existirem cada vez mais
pessoas a consumir este tipo de bens alimentares.
Por vezes, os consumidores também o utilizam como reposição de fonte
energética depois de praticarem exercício físico.
Contudo, há sempre quem os consuma como método preventivo do enfarte, cuidando assim da
saúde do seu coração.

2.5.4. Factores Tecnológicos


Ao nível do sector alimentar, temos vindo a verificar e a identificar algumas inovações
tecnológicas, relacionadas com a produção e com o nível da conservação.
O investimento em pesquisa e desenvolvimento torna-se uma constante,
pois permite encontrar melhorias para produtos existentes e introduzir
novos, diferenciadores e inovadores.
Hoje em dia, o chocolate já é utilizado como “medicamento” em certos tratamentos corporais.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 15


3. ANÁLISE SWOT

4. Objectivos e Previsões de Marketing

4.1. Aumentar a notoriedade da marca até Dezembro de 2010.

4.3. Ampliar a carteira de clientes em 12% até Abril de 2011, proporcionando preços mais
acessíveis face aos praticados pela concorrência.

4.1. Acréscimo da quota de mercado da empresa de chocolates Avianense para 1%, ou seja,
alargar a cobertura geográfica nacional até Dezembro de 2012.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 16


5. ESTRATÉGIAS DE MARKETING

A - Promover a experimentação, degustação e compra dos produtos | Notoriedade


Esta estratégia consiste na realização de um evento, na zona de Barcelos, juntamente
com marcas tradicionais de todo o país, com o objectivo de promover a empresa de
chocolates Avianense. Tudo isto organizado com a autorização da Câmara
Municipal de Barcelos e com os organismos de segurança pública.
Clientes Alvo
A estratégia proposta tem como público-alvo, todos aqueles que se interessam pelo mercado de
bens alimentares (gastronomia: queijos, enchidos, vinhos, águas, doces…) que prezem pelo
tradicionalismo, preservação e cultura de costumes, isto é, empresas relacionadas com a
comercialização de produtos típicos regionais.
Fontes de Mercado
Aqui, pretende-se o envolvimento de várias empresas tradicionais, na luta por um objectivo
comum, reforçar a imagem e notoriedade das marcas, num ambiente mais de conformidade e de
dar a conhecer aos consumidores presentes, os produtos locais que cada organização tem para
oferecer no mercado da indústria alimentar, tentando que se tornem adeptos e fiéis às marcas
nacionais, com história, qualidade e tradição.
Posicionamento
O posicionamento pretendido pela Avianense, como já foi referido na estratégia A, destaca-se pela
variável produto, que se lançou de forma pioneira no mercado e que até aos dias de hoje se realça
fundamentalmente, pela qualidade e pelo tradicionalismo da marca.

B - Reforçar a imagem da marca “Avianense” | Responsabilidade Social | Parceria


Esta estratégia surge aliada à anterior, devidamente explicada, ou seja,
depois dos produtos da empresa “Avianense” já se encontrarem instalados
em diferentes centros de «mass market» (Modelo & Continente; Jumbo;
Pingo Doce; Mini Preço; Lidl; Freitas…). Desta forma, há uma forte possibilidade de
a marca de chocolates se poder juntar a uma causa mundial ser um parceiro activo do Banco
Alimentar Contra a Fome, tentando levar a marca até diversos pontos do país, mesmo tratando-se
de um gesto merecedor de reconhecimento, na luta e apoio de quem realmente necessita de
cuidados alimentares para garantir a sobrevivência. Desenvolver parcerias no domínio da
solidariedade social é prova da preocupação das empresas para com a população mais
desfavorecida: donativos em produtos, serviços ou materiais, apoio financeiro,
disponibilização de pessoal técnico, entre outras ajudas de solidariedade social.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 17


C - Protocolo com a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (A.P.E.D.)

Estabelecimento de um acordo que permita entrar em contacto com algumas das


marcas constituintes e que possivelmente estejam interessadas em colaborar com
o projecto da empresa de chocolates Avianense.
A ideia central é estar presente em mais superfícies comerciais, contando
com a ajuda deste organismo, de maneira a aumentar a notoriedade da
marca e chegar a um maior número de consumidores actuais e potenciais,
garantindo uma maior visibilidade no mercado de chocolates.

Clientes Alvo
A estratégia A pretende atingir todos os pais de família do mercado nacional, mais concretamente,
os indivíduos que fazem as compras habitualmente, com idades compreendidas entre os 25 e 50
anos, que gostem de passear pelo shopping, que frequentem os cinemas, tenham por hábito fazer
as refeições fora de casa e pertençam a uma classe média/média-alta, com um poder de compra
bastante significativo, capaz de adquirir mais do que os produtos de primeira necessidade, que vão
de encontro aos seus desejos pessoais.

Fontes de Mercado
Nesta fase, o importante é fazer algo a mais e de melhor do que os nossos rivais, trabalhando em
três turnos, de maneira a que se obtenha maior quota de mercado, ou seja, que permita à
Avianense distinguir-se da concorrência através da centralização em acções que permitam
promover e desenvolver os seus produtos existentes, na criação de novos e utilizando preços mais
competitivos, que permitam conquistar o máximo de clientes possível, tentando fideliza-los apenas
à marca Avianense, passando a consumi-la habitual e frequentemente.

Posicionamento
A Avianense destaca-se sobretudo pelo seu tradicionalismo e por ter sido a pioneira nas fábricas de
chocolates a surgirem em Portugal Continental. Como tal, deve-se diferenciar no mercado e rever
através dos produtos que oferece aos seus consumidores, na tentativa de ser uma referência para
muitas empresas do mesmo sector de actividade, áreas de actuação e negócio.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 18


6. TÁCTICAS DE MARKETING

6.1. Produto
Deverá apresentar até ao final do próximo ano (2010) cerca de 30
novos produtos destinados a épocas específicas do ano, segundo o
Dr. Luciano Costa, director da empresa de chocolates.
Podemos encontrar diversos tipos de produtos da Avianense em
diversos pontos de venda, nomeadamente, em mini-mercados,
postos de combustível (lojas de conveniência), lojas gourmet,
tradicionais, de fábricas, pastelarias e confeitarias.
Uma das novas apostas da empresa perante os objectivos traçados e as estratégias propostas a fim
de os atingir prende-se na presença dos produtos nas grandes superfícies comerciais, mais
especificamente em mercados de forte consumo e onde se efectuam um forte número de
transacções diárias (hipermercados e supermercados).

6.2. Preço
Sabemos desde já que a empresa Avianense tem em conta, a
análise dos custos, os preços implementados pela concorrência;
a determinação da procura, a selectividade no método de
determinação do preço; estimativas de custos e o apuramento
do preço final dos chocolates.
Os preços que vão ser praticados nos grandes centros de comércio têm obrigatoriamente de sofrer
alterações, pois as margens que estes pretendem com as vendas dos produtos devem ser maiores
(entrada de novos produtos e ocupação de um espaço que tem de ser pago).
Contudo, existe sempre o risco de o negócio não ser bem sucedido, mas a empresa deverá ter
capacidade para saber lidar com a situação e estabelecer um acordo que lhe permita ser flexível
com estes ajustes desta variável.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 19


6.3. Distribuição
A empresa de chocolates Avianense está presente por vários pontos
do território nacional, mas com uma maior incidência na zona Norte
país, junto da capital portuguesa (Lisboa) e também com presença nas
Ilhas (Açores e Madeira).
Esta atracção pretende ser reforçada através da estratégia mencionada no ponto anterior, pois com
a inserção dos produtos nos diferentes «mass market» poderemos estender ao máximo a cobertura
geográfica, chegando a mais pontos de venda e permitindo que surjam novos consumidores de
chocolates desta marca.
A distribuição é feita para vários armazéns, não tendo a Avianense comerciais internos.
Iniciou a sua exportação para Angola, EUA, Inglaterra, Alemanha e, neste momento encontra-se
em negociações com Japão.
No entanto, era bastante interessante que a empresa conseguisse obter contactos com a China,
visto a melhoria das condições de vida (elevado nível de desenvolvimento económico e de uma
cultura tradicionalista) dos seus habitantes ter proporcionado uma tendência crescente no consumo
de produtos de chocolate.

6.4. Comunicação
A empresa tem apostado pouco nesta variável, pois num âmbito global
possui um orçamento (Budget) bastante reduzido, cerca de 13 mil euros
anuais, que lhe restringe o investimento em comunicação mas que, não
a impede de apostar na divulgação da marca e dos seus produtos.
Perante esta realidade, é necessário apoiar as estratégias delineadas, com o intuito de a Avianense
estabelecer um protocolo com a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED),
reforçar a imagem da marca através do apoio ao Banco Alimentar Contra a Fome e promovendo à
experimentação, degustação e compra dos seus produtos com a elaboração de um evento
gastronómico, na zona de Barcelos, mas que envolva diferentes marcas tradicionais de Portugal.
Para que tal seja possível de realizar, a organização deverá utilizar alguns meios comunicativos
[Imprensa, Mailing, Internet, Cinema, Serviço Telefónico (SMS), Panfletos e Feiras/Exposições],
que possibilitam estar em contacto com o exterior, proporcionando a envolvência de várias
empresas, que por sua vez reúnem bases de dados de contactos, que podem ser potenciais
compradores dos chocolates de marca Avianense.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 20


7. PROGRAMAS DE ACÇÃO

7.1. Acção Primária


Nome Câmara Municipal de Barcelos
Desenvolvimento de um evento gastronómico e cultural a fim de envolver e
Descrição promover esta prestigiada marca tradicionalista, angariando uma maior rede de
contactos nacionais e tentando que se torne uma actividade de renome internacional.
Aumentar a notoriedade da marca até Dezembro de 2010, ampliar a carteira de
Objectivos clientes em 12%, até Abril de 2011 e acrescer a quota de mercado da empresa de
chocolates Avianense para 1%, até Dezembro de 2012.
Através da rede de contactos gerada (número de participantes) e venda dos produtos
Medição
através da ajuda daqueles que existem para experimentação/degustação (amostras).
Meios Imprensa, Internet, Feiras/Exposições, Mailing, Serviço Telefónico e Panfletos.
Imprensa Revistas Visão e Sábado
Internet Informações nos sites Avianense e C.M.B.
Chocolates de Amostra
Feiras/Exposições
Suportes Equipas de Segurança, Limpeza, Som, Luz e Imagem.
Mailing Envio de Emails (Base de Dados)
Serviço Telefónico Envio de SMS (Vodafone)
Panfletos Empresa de Distribuição: Protokol
Imprensa 250,00€ X 2 inserções = 500,00€
Internet 0,00€ (valor anual já incluído)
Feiras/Exposições 1450€ (Chocolates Avianense para oferta)
Custos Mailing 0,00€ (valor anual já incluído)
Serviço Telefónico 0,05€ X 25000 = 1250,00€
Panfletos 0,10€ X 20000 = 2000,00€
Total (€): 5200,00€
Imprensa 1 Semana
Internet 6 Semanas
Feiras/Exposições 1 Dia
Duração Mailing 7 Dias antes do evento
Serviço Telefónico 5 Dias antes do evento
Panfletos 4 Semanas (3 antes e 1 durante o evento)
Responsáveis Departamento de Marketing Avianense (Dr. Luciano Costa).
Tabela 5 | Fonte: Própria

Cronograma
Outubro Novembro Dezembro
Suportes
1 2 3 4 1 2 3 4 1 2 3 4
X
Imprensa
X X X X X X
Internet
X
Feiras/Exp.
X
Mailing
X
Serv. Tlf.
X X X X
Panfletos
Tabela 6 | Fonte: Própria

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 21


7.2. Acção Secundária
Nome Responsabilidade Social Banco Alimentar Contra a Fome
Descrição Aqui pretende-se apoiar um projecto de Solidariedade
Esta acção tem a finalidade de aumentar a notoriedade da marca Avianense e o
Objectivos
desenvolvimento empresarial no contexto da Responsabilidade Social.
Pelo número de contribuintes na acção e/ou entrega de flyers, ou seja, através das
Medição pessoas que ofereçam um saco com determinado (s) produto (s) e se apercebam
que a marca está a contribuir para esta causa socialmente responsável.
Meios Imprensa, Internet, Mailing e Panfletos.
Imprensa Rádio (TSF e RFM)

Internet Informações nos sites Avianense e B.A.C.F.


Suportes
Mailing Envio de Emails (Base de Dados)

Panfletos Empresa de Distribuição: Protokol

Imprensa 125€ X 10 inserções = 1250,00€

Internet 0,00€ (valor anual já incluído)


Custos Mailing 0,00€ (valor anual já incluído)

Panfletos 0,10€ X 15000 = 1500,00€

Total (€): 2750,00€

Imprensa 1 Mês

Internet 3 Meses (1 antes, 1 durante e 1 depois)


Duração
Mailing 1 Semana antes da acção

Panfletos 6 Semanas (2 antes e 4 durante)


Responsáveis Departamento de Marketing Avianense (Dr. Luciano Costa).
Tabela 7 | Fonte: Própria

Cronograma
Novembro Dezembro Janeiro
Suportes
1 2 3 4 1 2 3 4 1 2 3 4
Imprensa X X X X
Internet X X X X X X X X X X X X
Mailing X
Panfletos X X X X X X

Tabela 8 | Fonte: Própria

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 22


7.3. Acção Terciária
Nome Protocolo Associação Portuguesa de Empresas da Distribuição
Nesta fase pretende-se que a empresa faça parte do «mass market», estando
Descrição presente em mais pontos de venda, com os preços mais acessíveis dos produtos
comercializados.
Aumentar a notoriedade da marca até Dezembro de 2010, ampliar a carteira de
Objectivos clientes em 12%, até Abril de 2011 e acrescer a quota de mercado da empresa de
chocolates Avianense para 1%, até Dezembro de 2012.
Medição Número de Vendas, Clientes Fiéis e de Contactos à Empresa.
Meios Imprensa, Internet, Serviço Telefónico, Mailing e Cinema.
Imprensa JN, DN, Destak, Metro, Global e Dica

Internet Informações nos sites Avianense e A.P.E.D.


Suportes Serviço Telefónico Envio de SMS (Vodafone)
Mailing Envio de Emails (Base de Dados)
Cinema Passagem Publicidade nos ecrãs (Lusomundo)
Imprensa 250,00€ X 8 inserções = 2000,00€

Internet 0,00€ (valor anual já incluído)

Serviço Telefónico 0,05€ X 25000 = 1250,00€


Custos
Mailing 0,00€ (valor anual já incluído)

Cinema 900€ X 2 inserções = 1800,00€ (1 Mês)

Total (€): 5050,00€

Imprensa 1 Mês

Internet 3 Meses (1 antes, 1 durante e 1 depois)


Duração Serviço Telefónico 1 Semana antes da entrada na A.P.E.D.

Mailing 2 Semanas antes da entrada na A.P.E.D.

Cinema 1 Mês (2 Shoppings | Porto & Lisboa)


Responsáveis Departamento de Marketing Avianense (Dr. Luciano Costa).
Tabela 9 | Fonte: Própria

Cronograma
Dezembro Janeiro Fevereiro
Suportes
1 2 3 4 1 2 3 4 1 2 3 4
Imprensa X X X X
Internet X X X X X X X X X X X X
Serv. Tlf. X
Mailing X X
Cinema X X X X

Tabela 10 | Fonte: Própria

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 23


8. ORÇAMENTO DE MARKETING

8.1. Custos das Acções Operacionais

Acções Custo
Imprensa 3750,00€
Feiras/Exposições 1450,00€
Total 5200,00€
Tabela 11 | Fonte: Própria

8.2. Custos de Marketing | Custos de Comunicação

Meios Custo
Internet 0,00€
Serviço Telefónico (SMS) 2500,00€
Mailing 0,00€
Panfletos 3500,00€
Cinema 1800,00€
Total 7800,00€

Tabela 12 | Fonte: Própria

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 24


8.3. Previsões da receita (Volume de Vendas)
Volume de Vendas Mensal
ACÇÕES Nov-09 Dez-09 Jan-10 Fev-10 Mar-10 Abr-10 Mai-10 Jun-10 Jul-10 Ago-10 Set-10 Out-10 Total Anual
Distribuição 35.000,00 € 40.000,00 € 45.000,00 € 50.000,00 € 55.000,00 € 60.000,00 € 65.000,00 € 70.000,00 € 75.000,00 € 80.000,00 € 85.000,00 € 90.000,00 € 750.000,00 €
Resp. Social 1.000,00 € 2.000,00 € 3.000,00 € 4.000,00 € 5.000,00 € 6.000,00 € 7.000,00 € 8.500,00 € 9.000,00 € 9.500,00 € 10.000,00 € 10.500,00 € 75.500,00 €
Comunicação 25.000,00 € 26.000,00 € 27.000,00 € 28.000,00 € 29.000,00 € 30.000,00 € 31.000,00 € 32.000,00 € 33.000,00 € 34.000,00 € 35.000,00 € 36.000,00 € 366.000,00 €
Total Mensal 61.000,00 € 68.000,00 € 75.000,00 € 82.000,00 € 89.000,00 € 96.000,00 € 103.000,00 € 110.500,00 € 117.000,00 € 123.500,00 € 130.000,00 € 136.500,00 €
1.191.500,00 €
Total Semestral 471.000,00 € 720.500,00 €

Tabela 13 | Fonte: Própria

Volume de Vendas Mensal


136.500,00 €
Out-11
130.000,00 €
Set-11
123.500,00 €
Ago-11
117.000,00 €
Jul-11
110.500,00 €
Jun-11
103.000,00 €
Mai-11
96.000,00 €
Abr-11
89.000,00 €
Mar-11
82.000,00 €
Fev-11
Jan-11 75.000,00 €

Dez-10 68.000,00 €

Nov-10 61.000,00 €

0,00 € 30.000,00 € 60.000,00 € 90.000,00 € 120.000,00 € 150.000,00 €

Total Mensal A.P.E.D. Banco Alimentar Evento

Gráfico 4 | Fonte: Própria

Análise Crítica do Gráfico


Como podemos observar através da representação gráfica acima apresentada, rapidamente nos
apercebemos que há uma evolução positiva ao longo do tempo em análise, mais propriamente
desde Novembro de 2010 até Outubro de 2011, por causa das acções implementadas no mercado
(A.P.E.D. | Banco Alimentar | Evento) e com ajuda das estratégias (A | B | C) que foram
anteriormente traçadas.
O aumento do volume de vendas é cerca de 35000,00€ até ao fim de seis meses (Abril de 2011),
período para o qual foi projectado este plano de marketing e de 40500,00€ depois de se terem
efectuado as três acções.
O somatório do volume de vendas do primeiro semestre é de 471000,00€, tudo isto durante um
período onde estão a ser trabalhadas muitas questões importantes. No semestre seguinte, o
somatório das vendas já atinge os 720500,00€, tal como nos fornece os dados da tabela 13.
Por fim, podemos afirmar que a previsão do volume de vendas para a empresa de chocolates
Avianense perfaz um total de 1191500,00€, durante um ano de actividade.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 25


9. MAPA DE CONTROLO E AVALIAÇÃO
Primeira Acção:
Data Controlo Objectivo Atingido Avaliação Desvio
Notícias de Aumentar a notoriedade da
Trimestralmente
Imprensa marca até Dezembro de 2010.
Número de novos Ampliar a carteira de clientes
Semanalmente
contactos gerados em 12%, até Abril de 2011. Só poderemos medir o sucesso ou não
Acréscimo da quota de da campanha, depois de a acção ser
mercado da empresa de realizada e o plano ter sido todo
Semestralmente Volume de vendas cumprido (após Abril de 2011).
chocolates Avianense para
1%, até Dezembro de 2012.
Investimentos em
Mensalmente 5200,00€
comunicação
Segunda Acção:
Data Controlo Objectivo Atingido Avaliação Desvio
Volume de vendas
Mês de e o número de Só poderemos medir o sucesso ou não
Responsabilidade Social
Dezembro novos contactos da campanha, depois de a acção ser
gerados. realizada e o plano ter sido todo
Investimentos em cumprido (após Abril de 2011).
Mensalmente 2750,00€
comunicação
Terceira Acção:
Data Controlo Objectivo Atingido Avaliação Desvio
Notícias de Aumentar a notoriedade da
Trimestralmente
Imprensa marca até Dezembro de 2010.
Número de novos Ampliar a carteira de clientes
Semanalmente
contactos gerados em 12%, até Abril de 2011. Só poderemos medir o sucesso ou não
Acréscimo da quota de da campanha, depois de a acção ser
mercado da empresa de realizada e o plano ter sido todo
Semestralmente Volume de vendas cumprido (após Abril de 2011).
chocolates Avianense para
1%, até Dezembro de 2012.
Investimentos em
Mensalmente 5050,00€
comunicação
Tabela 14 | Fonte: Própria

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 26


10. PLANO DE CONTIGÊNCIA | B

Plano de Contingência (B)

Produto Preço
Caso o aumento do fabrico e comércio dos Se por ventura, os preços negociados para as
chocolates da empresa Avianense não se operações no grande comércio não forem
verifique no número que gostaríamos, é bem definidos, poderão surgir problemas
necessário definir novas estratégias que para a empresa.
possibilitem atingir os objectivos delineados É necessário reforçar a supervisão dos
anteriormente ou mesmo até transforma-los pontos de venda onde se encontram os seus
em valor e tempo de concretização. produtos.
Distribuição Comunicação
A entrada dos produtos no «mass market»
exige uma série de regras ao nível logístico,
publicitário/media e o controlo de custos
(maior cobertura de mercado). Neste nível pode-se efectuar diferentes
Contudo, deve-se acrescentar mais técnicas de comunicar com o exterior, isto é,
comerciais e pessoas utilizar novos meios (Promoção de Vendas;
especializadas/responsáveis na área das Marketing de Guerrilha; Exposições em
vendas e compras para tratar de assuntos Feiras Nacionais e Internacionais; Blogues e a
relacionados com o tratamento de presença no “Second Life”: ambiente 3D
informações/documentos junto dos clientes virtual, onde se consegue participar como
e fornecedores da empresa. sendo uma empresa na realidade, gerar novos
O facto de Avianense já se encontrar em contactos e efectivar transaçcções comerciais.
negociações com o Japão poderá ser uma
mais-valia na rede de contactos com outros
países, nomeadamente com a China.
Soluções/Alternativas
- Rever todo o processo produtivo;
- Aumentar o número de empregados;
- Investir mais dinheiro em acções promocionais;
- Acréscimo /actualização de novas tecnologias (máquinas e instrumentos);
- Aliar a marca a mais e melhores projectos de carácter cultural, ambiental/ecológico,
socialmente responsáveis.
Tabela 15 | Fonte: Própria

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 27


CONCLUSÃO

Depois de ter efectuado uma análise externa mais profunda sobre o mercado de chocolates em
Portugal, durante o ano de 2006, pude constatar que o valor deste excede os 160 milhões de euros
e em termos de volume ultrapassa os 11 milhões de euros.

Relativamente aos consumidores de chocolate, podemos dizer que são mais de 5 milhões no
Continente, apenas englobando os indivíduos com idades iguais ou superiores a 15 anos e que
representam cerca de 61% do universo em estudo. De acordo com esta percentagem sabemos que
se realçam aquelas pessoas que se encontram em formação académica, as que pertencem a classes
sociais, média/média-alta e também se apresentam nas faixas etárias mais jovens.

No que diz respeito aos concorrentes da empresa Avianense, constatamos que os chocolates da
marca Regina são competidores directos, enquanto a Nestlé, Arcádia e Godiva se apresentam
como rivais indirectos.

Um dado curioso é o facto de 66% dos consumidores actuais de chocolate, adquirirem este tipo de
produtos de forma impulsiva e apenas 34% se preocupar com questões relacionadas com a marca,
qualidade, apresentação, entre outros factores que consideram importante.

Na fase de estudo macro ambiental (PEST), retratam de certa maneira, a crise mundial que
estamos atravessar, bem como, as implicações que ela tem perante os diversos factores de que a
empresa necessita para se suportar e vingar num mercado cada vez mais competitivo.

Em relação à análise interna acerca da empresa de chocolates Avianense e através da análise ao


Marketing-Mix, facilmente nos apercebemos que existe uma forte lacuna nas variáveis distribuição
e comunicação dos produtos para os consumidores finais.

Já no que respeita aos recursos que a empresa utiliza internamente, verificamos uma ausência de
investimento em novas tecnologias e mecanismos que facilitam o processo produtivo, mas também
porque existe um reduzido orçamento. Os colaboradores também não são muitos, o que complica
um pouco todo o sistema organizativo.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 28


De acordo com a SWOT, realça-nos o facto de a instituição ser realmente de cariz tradicionalista,
ter fraca visibilidade nas superfícies comerciais. Em relação ao mercado de chocolates, existem
imensas oportunidades de fazer mais e melhor do que a concorrência, apesar das ameaças que se
fazem sentir por países vizinhos, o poder de compra das famílias portuguesas, entre outras.

Quanto aos objectivos, espero que estejam bem delineados, para que através das estratégias
possam ser aplicáveis e obterem sucesso no curto, médio e longo prazo.

Numa fase mais avançada do projecto, desenvolvemos as tácticas de marketing, onde foi
necessário reestruturar o Marketing-Mix da empresa e adaptá-lo para as acções da actualidade.

Depois foi necessário desenvolver os programas de acção, onde detalhamos (nome; descrição;
objectivos; medição; suportes; meios, duração, custos, responsáveis) sobre cada momento onde a
empresa quer investir para comunicar com o exterior, mas tendo em conta, as estratégias traçadas e
que por sua vez devem ir ao encontro aos objectivos definidos desde o início pela empresa.

Para termos uma visão mais específica sobre quanto vamos gastar em cada acção da empresa,
torna-se importante elaborar um orçamento de marketing, onde englobamos todos os custos de
comunicação, de acordo com cada meio.

Mais tarde surgiu a necessidade de fazer uma previsão da receita (volume de vendas mensal) que se
espera gerar durante e após a realização das três acções a implementar no mercado.

Sem dúvida, que a criação de um plano de controlo e avaliação se torna imprescindível para uma
empresa que pretende investir uma quantia modesta, mas bastante significativa na medida da sua
dimensão (ao nível estrutural e de condições de produção).

Por fim, é recomendável que se faça um plano de contingência (B) para que, caso algo falhe
durante todo o processo de integração e operacionalização das actividades/tarefas.
A sugestão de novas alternativas para contornar certos problemas que possam surgir é
fundamental para se poder obter o sucesso pretendido e atingir todos os objectivos propostos.

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 29


REFERÊNCIAS

Bibliografia

 WESTWOOD, John, O Plano de Marketing, São Paulo: Makron, 1992

 McDONALD, Malcolm, Planos de Marketing, Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

Netgrafia

 «http://moodle.ipam.pt», Acedido a 2 de Novembro de 2009

 «http://www.pt.nielsen.com», Acedido a 11 de Novembro de 2009

 «http://www.ine.pt», Acedido a 12 de Novembro de 2009

 «http://www.marktest.pt», Acedido a 17 de Novembro de 2009

 «http://www.iapmei.pt», Acedido a 19 de Novembro de 2009

 «http://www.avianense.com», Acedido a 21 de Dezembro de 2009

 «http://www.meiosepublicidade.pt», Acedido a 22 de Dezembro de 2009

 «http://www.aped.pt», Acedido a 23 de Dezembro de 2009

 «http://www.hipersuper.pt», Acedido a 6 de Janeiro de 2010

 «http://www.bancoalimentar.pt», Acedido a 7 de Janeiro de 2010

 «http://www.cm-barcelos.pt», Acedido a 8 de Janeiro de 2010

 «http://www.cm-braga.pt», Acedido a 9 de Janeiro de 2010

João Filipe Cruz Oliveira | G3DB | Nº 4450 30