Está en la página 1de 8

O Modelo de Auto-Avaliação

da
                  
Biblioteca Escolar
                       
                              Agrupamento nº2 de Évora
Maria Helena Quadrado
Novembro - 2009
Índice

1. Introdução
2. O processo de auto-avaliação e o necessário
envolvimento da escola/agrupamento
3. O papel e mais valias da auto-avaliação da BE
4. A relação com o processo de planeamento
5. A integração dos resultados na auto-avaliação da
escola
6. Conclusão
Introdução

                 ONTEM HOJE

ensino expositivo ensino centrado no aluno

a BE era um espaço estático a BE é um espaço dinâmico


(espaço de disponibilização de recursos) (espaço de aprendizagem / de construção
do conhecimento)
O processo de auto-avaliação e o necessário
envolvimento da escola/agrupamento

Fornecer informação não é o mesmo que fornecer conhecimento e transformar


informação em conhecimento é um trabalho árduo. Para a construção da BE como
centro do saber há factores determinantes a serem cumpridos:

• a articulação com a Direcção Executiva;


• a articulação com os Departamentos Curriculares;
• a articulação com o Ministério da Educação;
• a articulação com o Gabinete RBE;
• a planificação das actividades;
• a liderança do professor bibliotecário;
• a gestão da BE;
• a equipa de professores colaboradores;
• a existência de funcionários especializados;
• a qualidade da colecção;
• os recursos digitais;
• o espaço físico;
• a integração da BE no agrupamento e no desenvolvimento curricular.

Contudo, é necessário fomentar uma “cultura de biblioteca”, uma cultura do saber por
parte de todos os que fazem parte da comunidade escolar.
O papel e mais valias da auto-avaliação da BE

A avaliação da BE surge como um novo factor fundamental dado aferir a eficácia dos
serviços prestados tais como o impacto que tem nos comportamentos e nas
competências dos utilizadores.
O modelo de auto-avaliação é um instrumento indispensável para determinar até que
ponto a missão e os objectivos para a BE são ou não alcançados e apresenta-se dividido

em 4 domínios:

Projectos e
Apoio ao Leitura e Gestao da
actividades livres
desenvolvimento literacias biblioteca
e de abertura à
curricular escolar
comunidade
A relação com o processo de planeamento
A auto-avaliação da BE é um processo pedagógico regulador que permite identificar os pontos fortes
(sucessos), os pontos fracos (constrangimentos), estabelecer objectivos, prioridades e perspectivar acções
de melhoria.
O modelo de auto-avaliação é aplicado por etapas de acordo com a realidade da biblioteca escolar. O
domínio a ser objecto de aplicação dos instrumentos deve ser seleccionado pela equipa da biblioteca
juntamente com o/a Director/a e será divulgado no Conselho Pedagógico do qual o professor bibliotecário
faz parte. Cada etapa compreende um ciclo:

1. Identificação de um problema.

2. Recolha de evidências.

3. Interpretação da informação recolhida.

4. Realização de mudanças necessárias.

5. Recolha de novas evidências acerca do impacto


dessas mudanças.
A integração dos resultados na auto-avaliação da escola

Todo este processo de avaliação dependerá da articulação entre vários orgãos, (os que já foram referidos),
mas também do trabalho colaborativo com a equipa AVALIAR que executa a Avaliação Interna da Escola,
como também deverá integrar o relatório da escola a ser considerado pela Inspecção da Avaliação Externa.
A implementação deste Modelo de Auto-Avaliação pressupôe uma liderança forte do professor bibliotecário
que deverá conduzir a uma metodologia de sensibilização que envolva todo o agrupamento. Há, assim, um
grande enfoque sobre as competências do mesmo:

1. Promover a integração
2. Assegurar a gestão
da BE na escola (contribuir
da BE e dos recursos
para a elaboração do PEE, do
e materiais a ela afectos.
PAA, do Regulamento Interno
e do Plano de Formação).

3. Definir e operacionalizar
7. Representar a BE no com a Direcção Executiva,
Conselho Pedagógico. as estratégias e actividades
de política documental da
escola.

6. Promover o uso da BE 4. Coordenar uma equipa


e dos seus recursos, previamente definida com
dentro e fora da escola. 5. Promover o desenvolvimento a Direcção Executiva.
das literacias e o
desenvolvimento curricular.
Conclusão
Este modelo de auto-avaliação promove uma consciencialização da importância da BE e das
potencialidades da sua utilização; promove a utilização de recursos de aprendizagem diversificados e o
desenvolvimento de competências TIC entre outras.

Contudo, só a evidência da utilidade do trabalho desenvolvido e dos seus resultados concretos, garantirá
a sua afirmação institucional.
Nesta sociedade em constante mudança, o papel da BE e do professor bibliotecário são altamente
ambiciosos mas só com a participação de todos se alcançará o sucesso.

Agrupamento nº2 de Évora - Maria Helena Quadrado