Encuentra tu próximo/a libro favorito/a

Conviértase en miembro hoy y lea gratis durante 30 días
As Pessoas Mais Produtivas: 18 Inventores, Artistas e Empreendedores Extraordinariamente Prolíficos

As Pessoas Mais Produtivas: 18 Inventores, Artistas e Empreendedores Extraordinariamente Prolíficos

Leer la vista previa

As Pessoas Mais Produtivas: 18 Inventores, Artistas e Empreendedores Extraordinariamente Prolíficos

valoraciones:
5/5 (2 valoraciones)
Longitud:
245 página
5 horas
Publicado:
Oct 11, 2015
ISBN:
9781507122976
Formato:
Libro

Descripción

Eles nunca souberam como ele conseguiu. Poucos compositores escrevem mais que uma ou duas sinfonias em suas vidas. Beethoven passou um ano em suas sinfonias mais curtas mas mais de seis anos em sua 9ª Sinfonia. O prodígio Mozart terminou suas últimas três sinfonias (39, 40 e 41) no espaço de algumas semanas. Sua 25ª Sinfonia levou apenas dois dias. Nenhum desses recordes de velocidade se comparam aos do compositor barroco Georg Philipp Telemann. Amigo de Johann Sebastian Bach e George Frideric Handel, ele foi o compositor mais prolífico na história e considerado um compositor alemão líder numa época em que viveram alguns dos maiores compositores clássicos da história. Durante o exercício de suas funções como músico da corte do Conde Erdmann II de Promnitz na Polônia, ele compôs pelo menos 200 aberturas em um período de dois anos. Ao longo de sua vida, a obra de Telemann consiste em mais de 3.000 peças, embora "apenas" 800 tenham sobrevivido até hoje.  Telemann não foi a única pessoa cuja produtividade desafiou toda a razão. O cientista grego Arquimedes descobriu fenômenos matemáticos que não foram confirmados por 17 séculos. Ele também defendeu Siracusa dos romanos sozinho, construindo enormes catapultas, uma enorme garra de ferro que poderia içar navios para fora do oceano, e até mesmo um raio da morte movido a energia solar. Ibn Sina foi um matemático medieval que escreveu centenas de tratados, incluindo um compêndio médico usado nas universidades europeias pelos 400 anos seguintes. Filipe II da Espanha governou um império global do seu trono em Madrid, em 1500. Isaac Newton inventou a física clássica e foi um dos inventores do cálculo. Benjamin Franklin escreveu, publicou, politizou, inventou, experimentou e acalmou os ânimos, às vezes tudo ao mesmo tempo. Theodore Roosevelt ganhou a presidência por duas vezes, foi o primeiro americano a ganhar um cinturão no judô, caçava, escreveu numerosos livros e lia quatro horas por dia, mesmo durante os momentos mais movimentados de sua vida política. Este livro vai explorar a vida das 18 pessoas mais produtivas da história. Vamos observar suas biografias, entender o contexto cultural em que nasceram e ver os métodos que eles usaram para atingir tais resultados arrebatadores. Seus processos exatos de realização serão discriminados e analisados em uma base diária, ou até mesmo hora a hora. Talvez com seus exemplos em mente, possamos criar tempo suficiente para nos concentrarmos nas tarefas que são verdadeiramente significativas na vida.

Publicado:
Oct 11, 2015
ISBN:
9781507122976
Formato:
Libro

Sobre el autor


Relacionado con As Pessoas Mais Produtivas

Leer más de Michael Rank
Libros relacionados
Artículos relacionados

Categorías relacionadas

Vista previa del libro

As Pessoas Mais Produtivas - Michael Rank

Autor

As Pessoas Mais Produtivas da História

––––––––

18 Inventores, Artistas e Empreendedores   Extraordinariamente Prolíficos

De Arquimedes a Elon Musk

Por Michael Rank

––––––––

Digital Edition

Copyright © 2015 Five Minute Books

Todos os Direitos Reservados

Índice

Introdução

––––––––

Parte I: Cientistas e Inventores

––––––––

1. Arquimedes (287-212 a.C.)

2. Isaac Newton (1643-1727)

3. Benjamin Franklin (1706-1790)

4. Thomas Edison (1847-1931)

5. Elon Musk (1971-)

––––––––

Parte II: Escritores e Artistas

––––––––

6. Leonardo da Vinci (1452-1519)

7. Georg Philipp Telemann (1681-1767)

8. Richard Francis Burton (1821-1890)

9. Isaac Asimov (1920-1992)

––––––––

Parte III: Estadistas

––––––––

10. Júlio César (100-44 a.C.)

11. Justiniano, o Grande (482-565)

12. Filipe II de Espanha (1527-1598)

13. Napoleão Bonaparte (1769-1821)

14. Theodore 'Teddy' Roosevelt (1858-1919)

––––––––

Parte IV: Filósofos e Teólogos

––––––––

15. Ibn Sina (980-1037)

16. Tomás de Aquino (1225-1274)

17. Catarina de Siena (1347-1380)

18. Charles Spurgeon (1834-1892)

Conclusão

Agradecimentos

Bibliografia

Sobre o Autor

Introdução

––––––––

Ninguém bebeu tanto café como o romancista francês do século XIX, Honoré de Balzac. Ele escreveu milhares de palavras por dia bebendo até 50 xícaras de café amargo, geralmente com o estômago vazio. Balzac estava descontente com a situação da literatura de seu país. Ele estava cercado por poetas romancistas e dramaturgos que enfatizavam intensa emoção. Alexandre Dumas, Victor Hugo e Walter Scott fetichizaram a poesia épica e a linguagem prolixa. Prosas maçantes inundavam as livrarias de Paris. Por outro lado, Balzac preferia experiências humanas reais a abstrações. E ele preferia muitas delas - ele escreveu sobre tudo e todos na sociedade francesa a partir de 1815. Balzac apresentou um panorama maciço da sociedade francesa, reconstruindo meticulosamente o francês da classe trabalhadora urbana e a vida provinciana. Com o olho de um jornalista, ele registrou detalhes da vida de milhares de pessoas de cada comércio, profissão, antecedentes e nível de respeitabilidade social. Balzac descreveu soldados, aristocratas, trabalhadores, espiões, amantes e malandros. Descreveu decoração, vestuário e pertences. Seus cenários incluíam cidades, campo, portos, escolas, igrejas e prisões.

Se você soubesse como eu trabalho!, ele escreveu a um amigo em 1832, após terminar mais um volume de sua análise descritiva. Eu sou um galeriano da pena e da tinta, um verdadeiro negociante de ideias.

Seu resultado foi La Comédie Humaine (A Comédia Humana), uma coleção de vários volumes de romances e histórias interligadas que retratavam a sociedade francesa durante a Restauração Francesa e a Monarquia de Julho entre 1815 e 1848. A coleção somava mais de 140 obras, com 95 romances completos e 48 obras inacabadas. Foi o maior esforço literário realizado por uma única pessoa na história, totalizando 24 volumes publicados em edição definitiva entre 1869 e 1876.

E a fim de registrar tudo em seu mundo, Balzac utilizava sua jarra de café sem parar. Ele bebia café suficiente para manter acordada uma equipe do corpo de bombeiros do turno da noite, consumindo as 50 xícaras acima mencionadas por dia, às vezes duas xícaras de cada vez, com o estômago vazio. A cafeína ajudou Balzac a manter um hábito de trabalho lendário. Ele fazia uma refeição leve às 6 da tarde, dormia até a meia-noite, e então acordava e trabalhava por até 15 horas seguidas. Certa ocasião, ele afirmou ter trabalhado durante 48 horas continuamente, com um descanso de três horas apenas.

A musa líquida de Balzac tinha tal controle sobre sua vida que ele escreveu sobre a complicada relação em um ensaio - Os Prazeres e As Dores do Café. Inicialmente, ele elogia o elixir por colocar o sangue em movimento, afastando o sono e dando a capacidade de engajar-se em exercício intelectual por um pouco mais de tempo. Mas isso não era suficiente. Balzac, então, escreve sobre os efeitos terríveis do café no estômago vazio, o suficiente para fazer estremecer um viciado em drogas:

O café cai em seu estômago, um saco cujo interior aveludado é forrado com tapeçarias de ventosas e papilas. O café nada encontra no saco, e assim, ele ataca estes revestimentos delicados e voluptuosos; ele age como um alimento e exige sucos digestivos; torce e retorce o estômago por estes sucos... Ele brutaliza esses belos revestimentos estomacais como um carroceiro maltrata os pôneis; o plexo fica inflamado; faíscas são disparadas até o cérebro. A partir desse momento, tudo se torna agitado. Ideias rápidas movimentam-se como batalhões de um grande exército para o seu terreno de luta lendária e a batalha se alastra... tinta é espalhada sobre o papel – porque o trabalho noturno começa e termina com torrentes dessa água negra, como uma batalha começa e termina com pólvora.

Balzac morreu relativamente jovem, provavelmente devido a doenças em razão de seus padrões de sono insuficientes e do consumo desumano do líquido. Mas a sua influência sobre a literatura não pode ser questionada. Apesar da falta de um patrono, ele deixou para trás escritos suficientes para encher várias prateleiras de biblioteca. Quer o café tenha sido ou não o segredo de seu desregramento, o seu absoluto nível de produção lhe rendeu uma reputação como um gigante literário.

Outra figura ambiciosa vem de uma época e de um lugar completamente diferentes de Balzac, mas o seu nível de produção é semelhante. Mimar Sinan, o arquiteto imperial do Império Otomano, durante os anos de 1500, construiu ou supervisionou a construção de 476 edifícios durante sua vida. Em comparação, um mestre arquiteto italiano contemporâneo pode projetar apenas algumas basílicas. Sinan era o chefe do corpo dos Arquitetos da Corte. Ele passou 50 anos projetando mesquitas, palácios, túmulos, escolas, haréns, asilos, madraçais, caravançarais, fontes, celeiros, aquedutos e hospitais. Suas mesquitas ainda dominam o horizonte da zona histórica de Istambul. Seus edifícios representam o ponto alto da arquitetura clássica otomana com pureza geométrica e integridade espacial.

O mais impressionante do legado de Sinan é a Süleymaniye, a mesquita imperial construída em homenagem ao Sultão Süleyman. O sultão encomendou uma estrutura duradoura maior que todas as outras mesquitas da cidade. Süleyman deu a Mimar Sinan um orçamento praticamente ilimitado para a mesquita, que ele decretou que teria serviços para os moradores da cidade, incluindo quatro faculdades, um refeitório público, um hospital, um asilo, um banho turco e até pousadas para os viajantes. Sinan terminou o enorme edifício em apenas sete anos. A estrutura abobadada desafia em grandeza a Basílica de Santa Sofia, nas proximidades, e domina o horizonte de Istambul até hoje.

A habilidade de Sinan para projetar centenas de mesquitas veio da capacidade de realizar vários projetos ao mesmo tempo. Enquanto supervisionava a construção da Mesquita Süleymaniye, ele fez pequenas pausas para projetar edifícios menores. Arquitetos locais tomaram seus planos e os implementaram, trabalhando a partir de esboços e preenchendo o restante dos planos de projeto com suas próprias escolhas estilísticas. Ele nunca sequer chegou a ver muitos de seus edifícios famosos fora de Istambul, embora eles levem seu nome. A questão sobre se Sinan foi um talentoso gerente de subordinados ou o culpado por levar crédito pelo trabalho alheio permanece aberta ao debate. Mas ninguém discute que seus edifícios são o maior patrimônio arquitetônico que sobrevive da idade clássica Otomana de 1500. Eles abrangem os domínios do antigo Império Otomano, da Arábia Saudita e Síria até Armênia e Hungria.

As vidas de Sinan e Balzac tinham pouco em comum, apesar de sua produtividade incrível. A produção de suas vidas superou os outros por um fator de 10 ou mesmo 100 vezes. Balzac praticamente sozinho definiu um gênero da literatura francesa. Sinan definiu a arquitetura Otomana e encheu o império com edifícios suficientes para desafiar a Europa em grandeza cultural. Mas como é que eles fizeram isso? Além de beber galões de café ou ter um escritório cheio de subordinados, como é que estes dois realizaram em um ano o que a maioria dos profissionais levam suas vidas inteiras para alcançar? Será que eles tinham enormes capacidades intelectuais ou há outro fator que fez com que eles realizassem tanto?

Este livro pretende explorar as vidas das 18 pessoas mais produtivas na história. Vamos observar suas biografias, entender o contexto cultural em que nasceram e ver os métodos que usaram para atingir tais resultados arrebatadores. Seus processos exatos de realização serão discriminados e analisados em uma base diária, ou até mesmo hora-a-hora. Este será um processo fácil a ser determinado com algumas figuras. Benjamin Franklin e Charles Spurgeon deixaram autobiografias em que se vangloriam de sua proficiência, até mesmo incluindo suas programações diárias. Outros deixaram menos detalhes, mas sabemos o suficiente sobre suas vidas para fazer a engenharia reversa de seus padrões de trabalho.

Primeiro, uma nota sobre a forma como este livro define produtividade. Não é uma medida da quantidade total de horas trabalhadas por dia. Muitas pessoas ao longo da história trabalharam longas horas. Os agricultores de subsistência rotineiramente trabalhavam 16 horas por dia antes da Revolução Industrial (embora não durante todo o ano). Os escravos, da época romana ao Antebellum no sul, trabalhavam habitualmente até a morte. Em vez disso, a produtividade é considerada em termos de eficácia - fazer o trabalho orientado pelo objetivo realizando as tarefas certas, não apenas fazendo muitas tarefas.

Considere a diferença entre Dave Tomar e Isaac Asimov. Tomar é o autor do livro "The Shadow Scholar: How I Made A Living Helping College Kids Cheat", de 2012. Ele passou uma década trabalhando como um escritor de aluguel para estudantes preguiçosos, produzindo trabalhos de conclusão, redações e até mesmo dissertações em uma velocidade estonteante. Tomar escrevia até cinco páginas de texto acadêmico por hora, produzindo centenas de milhares de palavras por ano.

Isaac Asimov provavelmente não escrevia mais rápido. Mas o que ele escrevia é de diferença crítica. Ele produziu mais de 500 livros durante sua vida em quase todas as categorias da Classificação Decimal de Dewey. Muitos são clássicos do gênero de ficção científica. Sua Série Foundation lidera a maioria das listas das maiores obras de ficção científica do século XX. Ele inspirou duas gerações da juventude da Guerra Fria a dedicarem-se ao estudo da ciência.

Nos próximos perfis, você aprenderá com os Issac Asimovs, não com os Dave Tomars do mundo. Este livro considera personalidades de toda a história com diferentes experiências profissionais. Arquimedes foi um cientista e matemático grego que viveu na Sicília do século III a.C. e observou fenômenos matemáticos que não foram confirmados por mais 17 séculos. O Imperador Justiniano governou o Império Bizantino durante o século VI e tentou ressuscitar o Império Romano do Ocidente. Avicena foi um matemático medieval que escreveu centenas de tratados, incluindo um compêndio médico usado nas universidades europeias pelos 400 anos seguintes. Filipe II de Espanha governou um império global do seu trono em Madrid nos idos de 1500. Charles Spurgeon foi um pastor inglês do século XIX que dirigiu uma igreja de mais de 10.000 fiéis e cujos sermões venderam 50 milhões de cópias. Isaac Newton inventou a física clássica e foi um dos inventores do cálculo. Benjamin Franklin escreveu, publicou, politizou, inventou, experimentou e acalmou ânimos, às vezes tudo ao mesmo tempo. Theodore Roosevelt alcançou a presidência por duas vezes, foi o primeiro americano a ganhar um cinturão no judô, era caçador, escreveu numerosos livros e lia quatro horas por dia, mesmo durante os momentos mais movimentados de sua vida política. Para completar, ele também ganhou um Prêmio Nobel da Paz e foi o primeiro presidente em exercício a deixar os Estados Unidos durante o seu mandato, a fim de visitar os trabalhos no Canal do Panamá.

Algumas dessas figuras foram produtivas por causa de sua incrível inteligência. O teólogo medieval Tomás de Aquino afirmava que se lembrava de tudo o que lia; que sua mente era como uma enorme biblioteca. Dizem que ele podia ditar a cinco escribas ao mesmo tempo, em cinco livros diferentes. Napoleão Bonaparte subiu na hierarquia do exército francês, em grande parte, por causa de sua notável memória. Em uma campanha de 1805, um subordinado não conseguiu localizar sua divisão. Napoleão disse ao oficial a localização da unidade naquele momento, onde ela estaria pelas próximas três noites, a força de sua unidade e o registro militar do subordinado. Tudo isto apesar do fato de que o subordinado era um de 200 mil soldados e suas unidades estavam em constante movimento.

Outros alcançaram sua produtividade pelo vício em trabalho. Thomas Edison raramente dormia, exceto em sua bancada de trabalho, cochilando por 2 horas após 20 ou mais horas de experiências contínuas. Charles Spurgeon frequentemente trabalhava 18 horas por dia. Ele escrevia mais de 500 cartas e fazia 10 pregações por semana. Ele nunca teve um dia de descanso, exceto quando sua saúde se tornou tão fraca que seu corpo o forçou a um estado acamado. Uma vez curado, ele imediatamente retomou sua agenda frenética. Elon Musk é CEO de uma companhia de transporte espacial e outra de carros elétricos. Ele gerencia as empresas trabalhando mais de 100 horas semanais. O tempo que passa com seus cinco filhos também é gasto em seu smartphone respondendo a e-mails.

Mas o vício em trabalho não é um pré-requisito para a produtividade. Alguns produziam espetacularmente através de programações diárias altamente estruturadas. Benjamin Franklin acordava às 5 da manhã todos os dias para tomar o desjejum e planejar o dia. Em seguida, começava a trabalhar às 8 da manhã e parava às 18 horas. Tomás de Aquino viveu em um convento e tinha os momentos exatos de sua vida ditados pelas regras da sua santa ordem. Desde que não estivesse viajando, Tomás sabia exatamente o que estaria fazendo a cada hora. Isaac Asimov começava a escrever às 6 da manhã e produzia pelo menos 5.000 palavras por dia, independentemente de sua qualidade. Ele aprendeu o hábito enquanto criança, quando trabalhava na loja de doces de seu pai russo, que abria todo dia às 6 horas, a fim de acomodar os horários de sua clientela urbana.

Eles também realizaram muito delegando tarefas para aqueles que os rodeavam. Júlio César escreveu um relato histórico das Guerras da Gália enquanto liderava expedições militares ditando cartas aos escribas enquanto cavalgava. Plínio, o Velho, afirmava que ele costumava ditar quatro cartas de uma só vez, e às vezes até sete, durante períodos especialmente atarefados. Desse modo, ele era capaz de escrever seus relatórios formais pormenorizados ao Senado e seus Comentários sobre a Guerra Gálica, publicado em um conjunto de sete volumes. Thomas Edison tinha muitos assistentes envolvidos em seus projetos, permitindo que ele apresentasse mais de mil patentes e acumulasse cinco milhões de páginas de registros. Suas habilidades organizacionais lhe permitiram institucionalizar seus projetos criativos, passá-los aos assistentes e multiplicar sua eficácia.

Acima de tudo, as figuras altamente produtivas da história foram capazes de fazer tanto porque eram movidas por um objetivo maior. Cada dia, semana, mês e ano estavam subordinados a um propósito maior. Esta visão da vida ajudou-lhes a avançar por períodos difíceis. Figuras religiosas, como Avicena e Tomás de Aquino, acreditavam que seu trabalho servia à causa de Deus e trazia glória a Ele. Justiniano acreditava que seu reinado poderia ressuscitar o Império Romano. Elon Musk derrama sua vida em sua empresa de transporte espacial SpaceX a fim de colonizar Marte e fazer da humanidade uma espécie multiplanetária. Eles entenderam que a produtividade não é um acidente, mas o resultado de um esforço concentrado.

Embora poucos de nós sejamos capazes de atingir o nível de produtividade das figuras deste livro, há muitas lições que podemos aplicar. Estas histórias podem nos ajudar a concentrar os esforços no que realmente faz a diferença, opostamente ao mero trabalho agitado. Eles podem nos ensinar maneiras de nos tornarmos empreendedores, no sentido técnico da palavra - para deslocar recursos de áreas improdutivas para áreas produtivas. Talvez com seus exemplos em mente, possamos criar tempo suficiente para nos concentrarmos nas tarefas que são verdadeiramente significativas na vida. Franz Kafka disse: A produtividade é ser capaz de fazer coisas que você nunca foi capaz de fazer antes. Os gênios produtivos que você está prestes a conhecer podem nos mostrar o caminho.

Parte I

Cientistas e Inventores

Capítulo 1

Arquimedes (287-212 a.C.)

––––––––

A cidade norueguesa de Rjukan permanece na escuridão durante seis meses do ano. Localizada em um vale, seus 3.000 moradores passam metade de suas vidas em sombra perpétua. Mas a cidade está fazendo algo para capturar os raios do sol e iluminar a sua praça. Para iluminar seus invernos sombrios, os moradores de Rjukan instalaram três grandes espelhos na montanha para refletir a luz solar sobre a cidade abaixo.

A praça vai se tornar um ponto de encontro ensolarado em uma cidade que, de outro modo, seria de sombra, afirma o site oficial de Rjukan. Espelhos que refletem uma elipse de luz brilhante são guiados, cada um por um computador que segue a trilha do sol. Pela primeira vez na história, o sol de inverno agora brilha na cidade.

É o sol!, disse a secretária aposentada Ingrid Sparbo, levantando o rosto para a luz e fechando os olhos contra a claridade. Sparbo viveu toda sua vida em Rjukan. Ela disse ao jornal The Guardian que as pessoas meio que se acostumam com a sombra. Você acaba não pensando sobre isso, na verdade. Mas isso... isso é tão aconchegante. Não apenas fisicamente, mas mentalmente. É mentalmente aconchegante.

Os espelhos também podem ser fisicamente aconchegantes. Ou fisicamente escaldantes. Eles podem produzir luz suficiente para criar um raio mortal movido à energia solar.

Has llegado al final de esta vista previa. ¡Regístrate para leer más!
Página 1 de 1

Reseñas

Lo que piensa la gente sobre As Pessoas Mais Produtivas

5.0
2 valoraciones / 0 Reseñas
¿Qué te pareció?
Calificación: 0 de 5 estrellas

Reseñas de lectores