Encuentra tu próximo/a libro favorito/a

Conviértase en miembro hoy y lea gratis durante 30 días
Espiões, Espionagem e Operações Secretas - Da Grécia Antiga à Guerra Fria

Espiões, Espionagem e Operações Secretas - Da Grécia Antiga à Guerra Fria

Leer la vista previa

Espiões, Espionagem e Operações Secretas - Da Grécia Antiga à Guerra Fria

Longitud:
211 página
3 horas
Publicado:
Sep 16, 2015
ISBN:
9781633399471
Formato:
Libro

Descripción

Do autor do best-seller #1 History's Greatest Generals, chega um novo e empolgante livro sobre os maiores espiões que existiram e como os seus atos de espionagem e operações secretas mudaram o curso da história.

Quer seja Enéas, o Tático, que criou a ciência militar ocidental; Francis Walsingham, espião da rainha Elizabeth que frustrou inúmeras tentativas de assassinato e teceu uma rede internacional de espionagem internacional no início do colonialismo europeu; ou Richard Sorge, o espião beberrão alemão para os soviéticos cuja interceptação de inteligência militar preveniu o colapso do exército russo na Segunda Guerra Mundial, cada um desses espiões teve um grande impacto na sociedade moderna.

Este livro explora as vidas e os tempos dos dez maiores espiões, ou redes de espionagem, na história. Alguns assumiram status lendário, como Mata Hari, a dançarina exótica e cortesã da Primeira Guerra Mundial que compartilhou as camas de tantos oficiais franceses e alemães que não pôde evitar tornar-se uma agente dupla. Outros espionavam por pura convicção ideológica, como George Koval, um espião americano nascido em Iowa que vazou segredos nucleares para a União Soviética, acelerando em anos o programa nuclear da Rússia e tornando possível a corrida armamentista da Guerra Fria. Outros, ainda, atingiram um nível de adoração quase religiosa - Nathan Hale, o espião da era da Revolução Americana, teve uma carreira muito curta, mas se tornou o primeiro mártir da América e um estimado símbolo nacional.

Qualquer que fosse sua razão para a espionagem, estes espiões representaram a mão invisível do poder governamental. Suas vidas eram envoltas em mistério - e muitos tiveram origens tão complicadas que nós ainda desconhecemos sua verdadeira lealdade, se eles tiveram alguma. Mas apesar de suas vidas enigmáticas, eles foram a mão invisível que ajudou a dirigir o curso da história.

Publicado:
Sep 16, 2015
ISBN:
9781633399471
Formato:
Libro

Sobre el autor


Relacionado con Espiões, Espionagem e Operações Secretas - Da Grécia Antiga à Guerra Fria

Leer más de Michael Rank
Libros relacionados
Artículos relacionados

Categorías relacionadas

Vista previa del libro

Espiões, Espionagem e Operações Secretas - Da Grécia Antiga à Guerra Fria - Michael Rank

XXI––––––––

Índice

Bonus Gratuito – 'A História de Alexandre, o Grande' e 'Histórias da Mitologia' 2-Book Boxed Set

Introdução: Por Que a Espionagem é a Segunda Profissão Mais Antiga do Mundo

1. Os 12 espias de Israel (1280s a.C.):  Infiltrados de Deus

2. Eneas, o Tático (Século IV a.C.): O Pai da Estratégia Militar

3. A Frumentarii (Séculos II e III d.C): A Mão Esquerda do Poder Romano

4. Gilbert Gifford (1560-1590): O Agente Duplo de Inglaterra e Escócia

5. Sir Francis Walsingham (1532-1590): A Serviço Secreto de Sua Majestade Elizabeth

6. Nathan Hale (1755-1776): O Espião Mártir da Revolução Americana

7. Mata Hari (1876-1917): A Mais Doce Armadilha da Primeira Guerra Mundial

8. Richard Sorge (1895-1944): O Mestre Espião Soviético

9. Nancy Wake: A 'Rata Branca' da Resistência Francesa

10. George Koval (1913-2006): O Espião Nuclear Soviético de Sioux City, Iowa

Conclusão: Espionagem no Século 21

Bibliografia

Conecte-se com Michael

Sobre o Autor

Introdução

Por que a Espionagem é a Segunda Profissão Mais Antiga do Mundo

O Ministério da Defesa da China, financiado com o equivalente a centenas de bilhões de doláres ao ano, surpreendeu seus generais quando um oficial da inteligência emitiu relatório chamando atenção para que a emergente força militar não se estendesse mais que o necessário. Apesar de suas vantagens massivas em número de soldados e armas, ele recomendou que o exército diminuísse sua força. O relatório contrariava o ethos militar chinês, que amava exibir seu recém-descoberto poder militar para o resto do mundo. O oficial alertou, no entanto, que exibições de força tais quais a marcha de cem mil homens para a guerra era, na verdade, um sinal de fraqueza. Se  o exército queria realmente projetar poder no Sudeste Asiático e chocalhar sabres contra seus inimigos, havia meios muito mais fáceis à disposição - ou seja, espionagem. Gastar alguns milhões financiando um espião ou subornando um agente duplo era muito mais eficiente que uma marcha dispendiosa.

[Enviar 100.000 soldados] poderia levar à comoção, em casa ou no exterior, e pelo menos 700.000 famílias serão impedidas de trabalhar, disse o oficial. Exércitos hostis podem se enfrentar durante anos, lutando pela vitória que é decidida em um único dia. Assim sendo, permanecer na ignorância sobre o estado do inimigo porque eles relutam em pagar alguns milhões [yuan] por inteligência é o cúmulo da desumanidade.

Embora o oficial da inteligência já tenha falecido, as conclusões em seu relatório têm se sustentado notavelmente bem nos últimos anos. Elas foram comprovadas repetidas vezes na luta da China contra as ameaças militares internas e externas. O relatório é considerado um conselho tão sábio que tornou-se leitura obrigatória entre os oficiais e até mesmo os cadetes. Um grande feito para um conselho militar escrito no século VI a.C.

O texto acima, com algumas modificações – yuan, era originalmente 100 onças de prata - é retirado do tratado militar do general chinês Sun Tzu, A Arte da Guerra, escrito há 2.600 anos. Sun Tzu foi um general na decadente Dinastia Zhou (1046-256 aC). Forças centrífugas no perímetro do reino ameaçavam despedaçá-lo, juntamente com um grupo de oficiais rebeldes que colocaram a China em uma guerra civil. A fim de acabar com os senhores feudais da região que competiam com o Imperador, oficiais Zhou nomearam seus próprios familiares para cargos de liderança dentro das cidades-estados rebeldes.

Sun Tzu se preocupava com o fato de que tal sistema de controle de populações rebeldes era inerentemente instável. Moradores locais expulsariam os governantes estrangeiros na primeira oportunidade. Tal sistema de autoridade só poderia ser mantido com um exército forte, excelente estratégia militar, mantendo o prestígio do Imperador, e uma abundância de informações terrestres. E se nenhum desses itens pudesse ser alcançado, era necessário, no mínimo, ludibriar o inimigo para que ele acreditasse que a força, o poder e o conhecimento estavam firmemente no lugar.

Foi aí que entraram os espiões.

Sun Tzu escreveu no capítulo final de sua magistral obra sobre o uso de espiões. Ele acreditava na importância crítica da presciência, que vinha de informantes que possuíam laços estreitos com o inimigo. Ele descreve cinco tipos diferentes de espiões e seus usos: espiões locais ou nativos, espiões internos, espiões duplos, espiões condenados e espiões sobreviventes. Espiões locais vinham de dentro da população inimiga, espiões infiltrados dos oficiais do inimigo, e espiões duplos dos espiões do inimigo; espiões condenados eram agentes aos quais os agentes superiores intencionalmente passavam informação errada para enganar o inimigo em sua captura e execução, enquanto espiões sobreviventes eram agentes que traziam notícias de acampamentos do inimigo. Cada espécie de espião foi crucial para a vitória militar. Ninguém está mais perto do exército do que os espiões e nenhuma recompensa é mais generosa do que a oferecida àqueles que podem manter o maior sigilo.

Sun Tzu era metódico no uso da espionagem. Para ele, era uma simples reação em cadeia que levava à vitória. Qualquer comandante que desejasse atacar um exército ou cercar uma cidade sitiada ou assassinar indivíduos teria que saber as identidades dos generais, assistentes, associados, guardas e oficiais. Um comandante precisa buscar espiões inimigos e subornar, instruir ou contê-los. Com esses agentes duplos à sua disposição, ele pode obter mais espiões, locais e internos, cujo conhecimento, por sua vez, pode preparar espiões condenados para serem enviados para espalhar informação errada para o inimigo, enquanto espiões sobreviventes podem ser resgatados como planejado. Quando essa máquina de espionagem é acionada, grandes conquistas são garantidas.

Mas Sun Tzu entendia que o processo era mais complicado que sua simples descrição, e que não era suficiente apenas soltar esses elementos em terreno inimigo. Os espiões são uma força poderosa, mas difícil de conter. Se o inimigo oferecesse um pagamento melhor, então todos, à exceção dos mais leais espiões, trairiam ou enganariam seu soberano. E o inimigos certamente ofereceriam um pagamento melhor se detivessem uma gota de capacidade estratégica. Por isso, segredos de estado cruciais, tais como formações de batalhas, movimentos de tropas ou pontos fracos em uma fortaleza estavam constantemente sujeitos a cair no conhecimento do inimigo. Um agente comprometido poderia trazer abaixo todo um império.

O uso de espiões requeria sagacidade e conhecimento, juntamente com humanidade e justiça. Apenas os mais corretos e benevolentes generais podem utilizar espiões e apenas a pessoa mais alerta e observadora pode conseguir a verdade utilizando-se de espiões. Sun Tzu estava, com efeito, pedindo por moderação Taoista e um sistema de freios e contrapesos para uma arma tão poderosa. Mas ele não tinha medo de tomar medidas duras contra aqueles que saíam da linha. Se as atividades de um espião vazam antes do começo da missão, então tanto o espião quanto aqueles que tinham conhecimento da missão devem morrer. 

Os espiões têm sido uma característica de segurança de estado e inteligência militar desde os primórdios da guerra. Como nós veremos no Capítulo Um, no século XIII a.C., a narrativa no Velho Testamento do Êxodo Judeu  é amplamente formada por espiões coletando informações de terras estrangeiras. Nas crônicas militares Gregas e Romanas, os espiões são referenciados tanto quanto os comandantes de cavalaria, falanges ou arqueiros. Mesmo o chamariz, uma marca da ficção espião dos dias atuais, aparece pelo do mundo antigo.

Graças às franquias de James Bond e Jason Bourne, todo mundo tem, ao menos, alguma ideia dos serviços de inteligência e espionagem, não importa o quão exageradas sejam essas fontes. Infelizmente, a maioria dos elementos das versões fictícias de espionagem são falsas, para a decepção de muitos dos recrutas da CIA. Informações, tipicamente, não são coletadas usando fraques, bebendo martinis em cassinos caros e levando para cama mulheres europeias com nomes improvavelmente provocantes. Além disso, o objetivo das missões não envolve infiltração em um componente subterrâneo sob um vulcão ou prevenir um bilionário excêntrico de atacar a costa leste com uma toxina.

Mas a importância da espionagem para a segurança nacional não é ficção. Guerras inteiras foram vencidas ou perdidas de acordo com essas atividades secretas. A primeira unidade de elite clandestina dos Estados Unidos - os Knowlton's Rangers - empreenderam missões para George Washington que teriam orgulhado Sun Tzu. Eles induziram generais britânicos a avançarem para Concord em 1775, plantando relatórios com informações falsas de que o Exército Continental guardava suas munições ali. Em 1781, eles vazaram informação que um ataque franco-americano em Nova Iorque era iminente. O exército britânico fortaleceu sua posição para um ataque que nunca se materializou, removendo tropas preciosas e linhas de abastecimento de importantes locais de batalha.  Esta é uma das principais razões pelas quais Lord Cornwallis foi derrotado na subdefendida Yorktown na Virgínia.

Isso não quer dizer que as características de espionagem são imutáveis. A uma, porque o tipo de governo a que um espião serve determina a natureza de seu trabalho. Espiões no mundo antigo que serviam aos reis ou caciques não tinham que viajar muito para obter segredos de um reino rival, aprender novas línguas exóticas, imitar costumes estranhos ou se envolver em quaisquer espionagens complicadas ou na quebra de códigos. Em um mundo sem documentos de identidade ou impressões digitais, assumir uma identidade falsa era tão simples como permanecer calmo sob pressão. Mas espiões para grandes impérios ou confederações de comércio, como Veneza, tinham que ser versáteis. Eles tiveram que viajar longas distâncias, imitar o vestuário e a linguagem de diferentes culturas e expor-se a perigo considerável em tentativas de acesso a locais restritos.

A Tecnologia tem afetado grandemente a espionagem. Aeronaves e vigilância por satélite permitem formas altamente detalhadas de coleta de informações. Espiões na era moderna também têm muitas maneiras de obter informações, além de interrogatório ou de roubar segredos de Estado. A maioria das informações de valor para uma operação militar pode ser obtida a partir de materiais de fontes abertas: boatos, fofocas, ou jornais. Além disso, desde a década de 1900, os governos têm preenchido suas organizações de inteligência com grandes burocracias que empregam oficiais de carreira e analistas bem treinados.

Este livro contempla os mais importantes espiões e redes de espionagem na história. Embora não possamos saber a extensão exata de sua influência, devido à natureza secreta de seu trabalho, muitas de suas operações mudaram o curso da política nacional e mundial. A operação de coleta de informações de Richard Sorge no Japão impediu a tentativa da Alemanha nazista de invadir e tomar Moscou. Francis Walsingham descobriu a Conspiração de Babington e impediu o assassinato de Elizabeth I, que, se executado, provavelmente teria aleijado a Grã-Bretanha, na véspera do ataque da Armada Espanhola. Eric Erickson era um empresário americano que assumiu uma identidade de nazista sueco e cortou o fluxo de óleo para o maquinário militar de Hitler, paralisando a estrutura energética alemã na Europa.

Os espiões deste livro foram escolhidos com base em três critérios. O primeiro é o seu nível de sucesso. George Koval conseguiu vazar segredos nucleares americanos para a União Soviética, acelerando o programa nuclear da Rússia em anos e tornando possível a corrida armamentista da Guerra Fria. Nancy Wake salvou centenas, se não milhares, de vidas de pilotos aliados abatidos em França de Vichy transportando-os até a fronteira espanhola. O segundo critério é a sua contribuição para a arte da espionagem. Enéas, o Tático, essencialmente criou a ciência militar ocidental; a rede de espionagem de Francis Walsingham do século XVI criou o modelo para a coleta de informações no início do colonialismo europeu. O terceiro critério é o seu legado histórico. Os Doze Espiões de Israel, que muitos historiadores e estudiosos da Bíblia nem mesmo acreditam que existiram, inspiraram especialistas em inteligência a tal ponto que a CIA emitiu um relatório sobre os seus métodos. Nathan Hale, o espião da Guerra da Independência Americana, teve uma carreira muito curta, mas se tornou o primeiro mártir dos Estados Unidos da América e um estimado símbolo nacional.

Muitos espiões têm origens tão complicadas que nós ainda não sabemos de suas verdadeiras lealdades, se eles tiveram alguma. Gilbert Gifford era um agente duplo para a Rainha Elizabeth e Maria, Rainha dos Escoceses, que jogou nos dois lados das disputas entre católicos e protestantes na Inglaterra, chegando ao ponto de ser ordenado padre. Embora tenha salvado a rainha Elizabeth do assassinato, ele também fugiu da Inglaterra imediatamente após a trama ter sido desvendada, fazendo com que muitos questionassem suas alianças. Ele acabou sendo capturado e preso em um bordel na França, onde foi encontrado na cama com uma mulher e um empregado do sexo masculino - um tipo de captura apropriado para um espião internacional.

Certos períodos da história têm sido mais propícios para a espionagem do que outros. Estes são tipicamente momentos em que grandes nações ou impérios lutam entre si. Muitas vezes, quando dois estados com enormes exércitos e burocracias estão lutando pela supremacia, fundos maciços são alocados para a espionagem e há muito trabalho disponível. Tais momentos da história incluem os séculos XVII e XVIII, quando a Inglaterra, França e Espanha disputavam pelo domínio do continente europeu e do Novo Mundo. Muitos colonos americanos eram espiões ou agentes duplos, sabotando o esforço bélico britânico. Neste sentido, os Estados Unidos devem sua existência à espionagem.

Talvez a era de ouro da espionagem tenha sido a Guerra Fria. Em nenhum outro momento da história duas nações dominaram o mundo com sua influência como fizeram os Estados Unidos e a União Soviética. E em nenhum momento os segredos militares foram tão valiosos. A tecnologia nuclear era vital para ambos os lados, se eles não quisessem ficar atrás do outro. Tecnologia de submarinos nucleares também era vital para lançar mísseis de qualquer lugar do globo. Em 1961, duas mulheres e três homens foram presos por conspirar para entregar aos russos os segredos sobre o primeiro submarino nuclear da Grã-Bretanha. Um deles foi George Black, um agente duplo na Grã-Bretanha por nove anos. Ele foi condenado a uma pena de 42 anos, mas escapou da prisão em 1966.

Ambos os lados empregaram centenas ou milhares de espiões de todos os tipos de conhecimento. Seus agentes poderiam perfeitamente misturar-se a uma cultura estrangeira. A Rússia empregaria homens da Grã-Bretanha para espionar a Grã-Bretanha, quer fossem acadêmicos com simpatias comunistas ou alguém com problemas financeiros à procura de um patrocinador estrangeiro. Os mais famosos entre eles eram os Cambridge Five - graduados da universidade servindo em posições governamentais de alto nível e com acesso a importantes segredos de Estado. Os Estados Unidos e o Ocidente atraíram muitos agentes soviéticos a desertar com promessas de um estilo de vida melhor em troca de decisivas informações militares e científicas.

Espionagem é um elemento essencial de qualquer Estado, tão importante quanto militares, escolas, navios ou estradas. É essencial para a saúde de qualquer Estado e pode aleijá-lo imediatamente se não for adequadamente mantida. Os espiões são, para usar um conceito de Adam Smith, a mão invisível do poder na política internacional. Embora eles sejam, por natureza, ilegais, e colidam com a soberania de outras nações, eles realizam serviços indispensáveis para a sociedade. Enquanto alguns líderes políticos têm procurado criar ordens políticas com base na transparência total - notadamente Gandhi, que disse que A Verdade (satya) implica amor, e a Firmeza (agraha) gera força e, por isso, lhe serve de sinônimo. - eles têm sido, infelizmente, a exceção na história. Apelamos aos nossos governos para operar com total transparência, mas reconhecemos que manter a segurança de uma nação é impossível sem uma ação secreta ocasional. Isso é verdade, quer seja para Israel da Idade do Bronze ou para atividades do século

Has llegado al final de esta vista previa. ¡Regístrate para leer más!
Página 1 de 1

Reseñas

Lo que piensa la gente sobre Espiões, Espionagem e Operações Secretas - Da Grécia Antiga à Guerra Fria

0
0 valoraciones / 0 Reseñas
¿Qué te pareció?
Calificación: 0 de 5 estrellas

Reseñas de lectores